O Livro dos Mortos do Rock. Bob Dylan Pink Floyd

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Livro dos Mortos do Rock. Bob Dylan Pink Floyd"

Transcrição

1 Led Zeppelin

2 O Livro dos Mortos do Rock Bob Dylan Pink Floyd

3 Led Zeppelin Nigel Williamson Henrique Szolnoky

4 Copyright Nigel Williamson, 2007 Copyright Editora Aleph, 2011 (edição em língua portuguesa para o Brasil) TÍTULO ORIGINAL: CAPA: COPIDESQUE: REVISÃO: PROJETO GRÁFICO : EDITORAÇÃO: COORDENAÇÃO EDITORIAL: DIREÇÃO EDITORIAL: The rough guide to Led Zeppelin RS2 Comunicação Marcos Fernando de Barros Lima Entrelinha Editorial bounford.com RS2 Comunicação Débora Dutra Vieira Marcos Fernando de Barros Lima Adriano Fromer Piazzi Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução, no todo ou em parte, através de quaisquer meios. EDITORA ALEPH LTDA. Rua João Moura, São Paulo sp Brasil Tel.: [55 11] Fax: [55 11] Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil)

5 Agradecimentos entrevistas e websites citados no guia. Este livro se baseia, também, em entrevistas realizadas por mim com e com Jimmy Page. Agradeço, ainda, a Mark Ellingham Andrew Heritage e a Allan Jones, da revista Uncut, que frequentemente me contratou para escrever matérias à Magali, Adam e Piers. Espero que vocês tenham gostado da dieta non- stop de Led Zeppelin durante os meses em que escrevi o livro...

6 Sumário Introdução 9 Parte Um: 1. Pré-voo A ascensão do zepelim Do sucesso ao excesso Pompa e circunstância Martelo dos deuses Abuso e desgaste Pouso forçado Desembarque: os anos solo Depois de Parte Dois: A Música Os discos 151 Compilações 180 Pós-voo: carreiras solo 184 Page e Plant 184 Jimmy Page 186 Robert PLant 191 John Paul Jones 200 Raridades e bootlegs 201 As 50 maiores canções de Led Zeppelin 205 Parte Três: Zeppologia Cúmplices do Zep 231 Dez contos de excessos do Zep 241 Paradas Zeppelin: dez locações essenciais 245 Zeppelin na mídia 251 Impressa 251 Na tela 256 Websites 257 Legado Versões cover 258 Bandas-tributo 259

7 Introdução Em 1968, o mundo do rock era um lugar maravilhoso. Os Beatles tinham acabado de lançar White Album e os Stones haviam feito um retorno triunfante com Beggar s Banquet. Jimi Hendrix atingia sua apoteose, The Who estava prestes a lançar o álbum Tommy, e Cream era o grupo mais pauleira do momento. Logo, não é surpresa o fato de que poucos prestaram atenção em um novo grupo chamado Led Zeppelin, liderado por um um cantor sobre o qual ninguém tinha ouvido falar, vindo de uma banda obscura chamada Hobbstweedle, e por um guitarrista sem banda Na verdade, mesmo que não soubessem na época, o timing de Led Zeppelin foi perfeito. Dentro de dois anos, os Beatles haviam se separado, os Stones estavam perdidos no exílio econômico, Hendrix estava morto, Cream não existia mais e Pete Townshend penava para criar algo maior que a revolucionária ópera-rock do The Who. Zeppelin ocupou esse vácuo e foi a banda mais poderosa do mundo até 1980, quando decidiram parar, logo após a morte de John Bonham. Confesso que, nos meus tempos de fã adolescente de rock, fui um daqueles que inicialmente os ignoraram. Em 1969, eu tinha 15 anos e batalhava guerras diárias com as autoridades da minha escola por causa do meu cabelo comprido. Todas as tardes de sábado, encontrava caras como eu em Bromley High Street, em Kent, Inglaterra, para usar as cabines à prova de som da W. H. Smiths e ouvir os novos LPs que não podíamos comprar. Os funcionários eram gentis e geralmente permitiam que nós ouvíssemos os dois lados de um álbum, e, se a loja não estivesse muito cheia, talvez até um lado de outro disco. Quando abusávamos da paciência alheia Led Zeppelin e éramos expulsos, bebíamos café e dividíamos um maço de Senior Service na Lyon s Tea Shop, na praça do comércio, ou, se alguém tivesse dinheiro su- nos jardins da biblioteca municipal para fumar um baseado mal enrolado. Em um sábado de março, em 1969, eu estava com uns amigos aprontando lá pela Bromley High Street quando um aluno da Escola Politécnica local nos entregou um, que divulgava um show com Led Zeppelin naquela mesma tarde. Naquela altura, eu já era um entusiasta desses shows na faculdade e já tinha visto várias bandas, inclusive Jethro Tull. Mas não tinha interesse em ver Zeppelin. Tinha lido sobre eles na Melody Maker e concluí (de forma bastante estúpida, como descobri), que eram apenas uma versão nova e turbinada dos antigos Yardbirds, banda que eu considerava, com o desdém calculado da adolescência, nada além de um grupo pop que não derground. Meu melhor amigo, Pete Badham, teve uma visão mais ampla e acreditava que eles valeriam o preço do ingresso. Várias décadas depois, ele pôde escrever, em Led Zeppelin: the Concert File tiu privilegiado por poder testemunhar o início de algo especial. Eu não consegui vê-los até dois anos depois, no Royal Albert Hall, depois de reconhecer a babaquice da minha arrogância juvenil, e nunca me perdoei pela oportunidade perdida de ver um dos primeiros shows de uma das maiores bandas de todos os tempos, em um lugar que provavelmente não abrigava mais do que 300 pessoas. Desde então, entrevistei Jimmy Page várias vezes e Robert Plant em diversas ocasiões. É sempre perigoso, para um jornalista de música, dizer que 1 Introdução 9

8 mas gosto de acreditar que Plant tornou-se justamente isso. Na primeira vez que o encontrei, mais de uma década atrás, ele chegou duas horas atrasado, e desculpou-se profusamente. Então, acrescentou com uma piscadela que, quando Zep estava no auge, eu seria obrigado a esperar não por duas horas, mas sim por duas semanas. Afeiçoei-me a ele de imediato, e nos aproximamos ainda mais graças ao amor mútuo por música africana e árabe e à paixão por jardinagem que, em uma famosa situação não rock n roll, fez com que trocássemos dicas sobre plantação de morangos, para o desgosto das pessoas mente lisonjeado quando uma entrevista gravada em algumas cópias de seu álbum mais recente, The Mighty Rearranger. Ao fazer um dos rocks mais viscerais já ouvidos, tanto em estúdio quanto ao vivo, o Led Zeppelin atingiu status de mito no sentido mais literal da palavra. Em uma história de mais de 30 anos, tornou-se impossível distinguir quais das histórias ultrajantes sobre a banda são verdadeiras, quais cresceram conforme foram contadas e quais são totalmente fictícias. Este livro pretende separar os mitos da verdade. Pretende, também, analisar a música da banda e oferecer um guia sobre as carreiras solo de seus membros remanescentes. É uma história que assim como a inesquecível música de Zeppelin tem de tudo. Nunca veremos algo como eles novamente. Nigel Williamson Maio de

9 Parte 1:

10 Pré-voo

11 Os quatro músicos que acabaram se juntando para formar o Led Zeppelin eram um presente dos céus... Jimmy Page, 2005

12 Pré-voo Na mitologia do rock n roll, muitos dos grandes grupos têm um momento decisivo em que os principais integrantes se encontram por acaso ou por acidente; reconhecem, em um momento de brilhante ressonância poética, que compartilham um destino; e resolvem unir forças para dominar o mundo. O famoso encontro entre John Lennon e Paul McCartney em uma celebração da igreja em Woolton, Liverpool, em 1957, ou o esbarrão entre Mick Jagger e Keith Richards em uma plataforma da estação de trem Dartford, em 1961, vêm à mente. Mas a gênese do Led Zeppelin não seguiu exatamente o mesmo estilo. Da sofisticação londrina à Inglaterra provinciana O primeiro encontro entre Jimmy Page e Robert Plant foi quase cômico de acordo com Plant, Page e o renomado agente da banda, Peter Grant, confundiram o cantor com um roadie. Além disso, diferentemente dos Beatles e dos Rolling Stones (cujos membros compartilhavam background social, cultural e geográfico), os dois vieram de lados bem diferentes da cidade. Page morava nos subúrbios metropolitanos de Surrey, próxima da badalada Londres. Com 24 anos, já era uma estrela, um músico urbano experiente, que havia tocado em dezenas de hits que lideraram paradas e que tinha garantido status de lenda como o guitarrista dos Yardbirds. Plant era da apática região das West Midlands conhecida como com dois singles fracassados sob seu nome, algumas associações com bandas desconhecidas e que encarava o deprimente prospecto de largar a música para aceitar um emprego no escritório de um contador para sustentar sua esposa grávida e sua iminente prole. A mesma disparidade de passado e experiência existia entre o baixista John Paul Jones e o baterista John a agitada seção de ritmo. Jones era um sofisticado músico e arranjador sob demanda, cujos créditos incluíam trabalhos com os Stones, e que navegava pelos mesmos círculos modernos da indústria fonográfica de Londres dia entre tocar em uma série de grupos que não deram certo e trabalhar em uma obra como servente; sua filosofia para percussão era martelar a bateria até estourar os calos das mãos e acabar sangrando. Conforme Plant tinham uma linha de raciocínio, de ambições e de conhecimento sobre o que estava acontecendo muito mais ampla do que eu e Bonzo. Éramos apenas caipiras empolgados. Desses polos opostos nasceu a mais 15

13 1 16 Pré-voo ruidosa, mais pauleira e, muitos diriam, maior banda de rock n roll que o mundo conheceu. Na realidade, Plant estava longe de ser a primeira opção para vocalista do novo grupo que o guitarrista (Page) e o agente (Peter Grant) dos Yardbirds estavam montando. por isso nunca tinha ouvido falar dele, Page admitiu com sinceridade, alguns anos depois. No topo de sua lista de desejos estavam nomes como Stevie Winwood, Steve Marriott e Terry Reid. Este último recusou a posição e sugeriu o nome de seu amigo das West Midlands, Plant. Assim, em 20 de julho de 1968, Page, Grant e o baixista dos Yardbirds, Chris Dreja, acabaram viajando até Birmingham para ver Plant cantar em uma faculdade local, com a banda de nome pouco promissor Hobbstweedle. Todos os envolvidos dizem que o show não foi lá essas coisas; Page afirma que havia apenas uma dúzia de pessoas na plateia. Pior: as versões cover da banda para canções de Love, Buffalo Springfield e Moby Grape, além das viagens místicas da própria banda, influenciadas por O senhor dos anéis, não se encaixavam, nem de longe, na visão que Page tinha para o novo grupo. Ainda assim, Page ouviu algo na voz de Plant que chamou sua atenção e o fez convidar o músico para passar alguns dias em sua casa recém-reformada à beira do rio Tâmisa, em Pangbourne, Berkshire, 50 quilômetros rio acima do centro de Londres. Sua intenção era descobrir se havia elementos em comum suficientes para eles trabalharem juntos. O aspirante a cantor chegou à mansão do guitarrista carregando uma pilha de seus LPs favoritos e dinheiro suficiente para bancar apenas a volta de trem, caso tudo desse errado. Felizmente, conforme eles mostraram seus álbuns favoritos um ao outro e trocaram ideias, descobriram um vínculo musical. Foi dessa sessão de música que o Led Zeppelin, efetivamente, surgiu. Mas estamos nos adiantando cada um dos quatro membros do Led Zeppelin veio de um passado muito distinto e trouxe experiências bastante contrastantes ao grupo. Uma pré-história se faz necessária. Jimmy Page: o filho da música beat James Patrick Page nasceu em 8 de janeiro de 1944, em Heston, Middlesex, filho de uma família respeitável de classe média. Seu pai trabalhava no escritório de uma fábrica de aeronaves militares e sua mãe era secretária de um médico. Filho único, muitas de suas primeiras lembranças são de longos feriados na fazenda do tio-avô perto de Northampton, onde Page pescava e caçava borboletas. Quando o clima o impedia de sair de casa, sua coleção de selos ocupava a maior parte do tempo, e não havia nenhuma primeira indicação de talento musical. A família não tinha nem um piano. Em 1952, seu pai foi promovido e tornou-se gerente de RH da indústria e a família se mudou para uma confortável casa em Miles Road, Epsom, uma próspera e idílica cidade campestre em Surrey. A música não entrou Let s Play House, de Elvis Presley, e, enquanto muitos de seus contemporâneos (inclusive um jovem Robert Plant), eram atraídos pela voz e pela imagem de Presley, Page estava muito mais interessado no acompanhamento musical. Era fascinado, especialmente, pelo som do guitarrista Scotty Moore. Alguns meses depois, em seu 13º aniversário, seus pais o presentearam com uma guitarra acústica espanhola com cordas de aço. Sua mãe lembra-se de levá-lo a um professor de guitarra em Kingston, mas o ensino era rudimentar e Page acabou desistindo das aulas para aprender por conta própria. Um colega de escola o ensinou a afinar seu violão e ele comprou uma cópia do indispensável método Play in a Day, de Bert Weedon. Weedon havia ganhado fama como o solista convidado na orquestra de Mantovani e acabou se tornando

14 O imensamente influente manual básico de guitarra do herói da música inglesa Bert Weedon é publicado até hoje. o improvável pai da guitarra do rock n roll inglês. Na mesma época em que Page estava absorvendo as minúcias de Play in a Day e forçando seus dedos a formar os acordes desconhecidos, George Harrison, Eric Clapton, Jeff Beck, Brian May, Pete Townshend e vários outros que se tornariam grandes nomes estavam aprendendo que o bom da guitarra era o fato de não ensinarem na mesmo como tocar foi a primeira e a mais importante parte da minha educação. Diferentemente dos pais de Robert Plant, que estavam horrorizados pela atração do filho pelo e a mãe de Page apoiaram suas ambições, e seu pai foi fiador quando ele comprou, a prazo, sua primeira guitarra elétrica uma cópia barata de uma Fender Stratocaster, chamada Grazioso. Na escola, Page era bom em corrida de obstáculos, um artista decente e um aluno inteligente o suficiente para passar em todas as provas; mas, conforme sua paixão pela guitarra cresceu, rapidamente perdeu interesse na vida acadêmica, deixando a escola em 1961, contra a vontade de seus pais. Apesar dessa decisão e considerando que ele era bastante hábil com a guitarra e que tocava com bandas locais Pré-voo em Epsom, uma carreira musical ainda parecia um sonho distante e impossível. Por isso, foi atrás de uma vaga de assistente em laboratório. Antes de ter a chance de começar no novo emprego, foi visto tocando com um grupo local chamado Red-E-Lewis and The Redcats no Ebisham Hall, em Epsom, por um cantor e aspirante a agente chamado Neil Christian, que ficou impressionado o suficiente para oferecer um emprego em sua banda de apoio, Neil Christian & The Crusaders. Christian chegou até a ligar para os pais de Page para assegurá-los de que música pop não era uma área tão arriscada quanto eles temiam e que oferecia inúmeras oportunidades empolgantes para um jovem músico tão talentoso quanto seu filho. Ele foi cortês e persuasivo; a bajulação ajudou, e o consentimento dos pais foi garantido. Aos 17 anos, Page tornou-se um guitarrista profissional. The Crusaders tocavam versões rudimentares de músicas de Chuck Berry e Bo Diddley, mas ficou claro que havia o potencial de uma estrela em seu guitarrista principal, que adotou o nome artístico Nelson Storm. Logo, Page estava ganhando 20 por semana na época, o dobro do salário de um trabalhador comum e comprou uma guitarra Gretsch Country Gentleman laranja e um pedal, tornando-se um dos primeiros guitarristas de Londres com tal equipamento. Tanto sua expertise quanto seu equipamento contribuíram para o rápido crescimento de sua reputação; entre os que vieram conferir estavam Jeff Beck e o futuro baixista do Led você precisa ouvir Neil Christian & The Crusaders, eles têm esse guitarrista inacreditavelmente jovem, sobre Clapton ou Beck. Sua carreira em The Crusaders foi interrompida quando, em um show em Sheffield no final de 1961, o guitarrista novato desmaiou. Sempre muito magro 17 1

15 1 Pré-voo parecia que ele não tinha a constituição física requerida para a vida na estrada e o regime de comida podre e pouco sono que a acompanha. Mononucleose infecciosa foi diagnosticada e o guitarrista relutantemente voltou à casa dos pais, em Epsom. Depois que se recuperou, seus pais o persuadiram a se inscrever na faculdade de artes em Sutton, Surrey. Page era um artista talentoso. Insiste que levava os estudos a sério, e, durante algum tempo, quis se tornar pintor mas um pincel e um cavalete nunca substituiriam uma guitarra e um amplificador. Além disso, a faculdade de artes oferecia os meios convenientes para um fim totalmente diferente, como foi o caso de muitos músicos ingleses de sua geração. Primeiro, mantinha os pais felizes. Depois, ele recebia uma bolsa do governo. Em terceiro lugar, e isso era o mais importante, a vida de estudante garantia bastante tempo livre para ensaiar com a guitarra. Seus pais não poderiam tê-lo apoiado mais, transformando a sala de estar da casa da família em um recanto musical. Entre os visitantes que tocaram com ele naquele aposento estão Jeff Beck, que foi apresentado por sua irmã, Annetta, colega de Page no curso de artes. Jim a desenvolver um repertório sobre o chamado rock pesado. Descobri que tenho uma queda pelo assunto. Incorporação de Blues Page ficou aproximadamente 18 meses na faculdade até sentir mais uma vez o impulso de tocar em algum lugar maior do que a sala de seus pais. Durante seus estudos na faculdade de artes, frequentou o clube Marquee, em Londres, para apreciar shows do grupo Blues Incorporated. Liderados por Alexis Korner e Cyril Davies, eram a primeira banda séria de Blues na Inglaterra e uma grande influência para uma geração de jovens músicos, inclusive Mick Jagger, Brian Jones, Charlie Watts, Jack Bruce e Ginger Baker todos tocaram com a banda em algum momento. Page também foi chamado para juntar-se a eles quando estava nos Crusaders, convite que recusou, mesmo que tenha tocado com a banda em jam sessions. Foi em uma dessas e disse, Você toca como Matt Murphy, o guitarrista de Memphis Slim, relembra Page. Ele ficou impressionado com o afiado ouvido musical de Clapton, pois estilo de Murphy. Quando a Blues Incorporated se desfez, Korner logo transferiu sua lealdade a um concorrente, o Flamingo Club. Mas, conforme Page ressurgia nos shows da cena londrina, continuou a aparecer para tocar nos intervalos das apresentações de blues do Marquee, e tocava também em outros locais sagrados do início da cena R&B de Londres, o Crawdaddy Club, em Richmond, e Eel Pie Island. Repentinamente, parecia haver legiões de músicos com mentes parecidas jovens ingleses brancos da Korner (à direita) e Cyril Davies no The Crawdaddy, Richmond, com um jovem Charlie Watts na bateria. 18

16 Pré-voo alta sociedade, criados nos condados à volta de Londres em casas com cortinas de seda e obcecados pela música criada por trabalhadores rurais negros do delta do rio trancados com nossos discos de blues e então surgimos com algo realmente novo para oferecer à Grã-Bretanha. A partir daí, a coisa explodiu. Essa explosão estava acontecendo simultaneamente, por todo o país. Em Londres, produziu The Rolling Stones e The Yardbirds. Em Newcastle, originou The Animals. The Spencer Davis Group logo emergiria em Birmingham, e as ondas de influência atravessaram o Mar da Irlanda até Belfast, onde Van Morrison dava início a uma banda chamada Them. Porém, mesmo que Page tenha acabado por se juntar aos The Yardbirds, ele não faria parte da primeira leva de grupos ingleses de R&B que conquistariam os Estados Unidos graças aos Beatles. Em vez disso, uma oferta potencialmente muito mais lucrativa surgiu quando ele foi convidado para se juntar à elite dos músicos de sessão 1 de Londres. O convite inicial veio do operador de som Glyn Johns e uma das primeiras sessões de Page o colocou ao lado de Jet Harris e Tony Meehan, que havia acabado de deixar o The Shadows, topo das paradas e seus dias na faculdade de artes do direto, e tive que fazer uma escolha, lembrou-se das sessões eram ótimas e eu podia fazer os solos, o que descobri ser algo muito construtivo. Então, se resumiu a pintura ou guitarra. Não foi uma decisão difícil. Lewis & The Southerners, e Page ficou momentanea- mente tentado a se juntar a eles, antes de perceber que trabalhar em estúdios era muito mais lucrativo. Considerando que ele podia tocar em qualquer estilo e imitar qualquer guitarrista, a demanda por suas habilidades era alta, especialmente porque, na época, havia poucas opções. Na verdade, o único guitarrista de sessão sério em Londres além dele era Big Jim Sullivan, e, conforme o Beat Boom 2 inglês chegou à potência máxima, era certo que, se você precisasse de um guitarrista, mente ficou conhecido. Logo, estava tocando nas primeiras gravações de bandas como Them, The Kinks e The Who, pois produtores top, como Shel Talmy e Mickie Most, preferiam a virtuosidade conhecida de Page a apostar no talento desconhecido do guitarrista do grupo. Às vezes, eles estavam à altura da função, o que explica por que Page foi chamado para tocar apenas a guitarra-base por trás da The Who. Em outras ocasiões, como na primeira sessão do Them, não apenas o guitarrista, mas a banda toda foi achando que iam gravar e, de repente, encontram essas outras pessoas tocando em seus álbuns, relembra Page não terem substituído Van Morrison também. Uma autoridade norte-americana constatou que Page na Grã-Bretanha entre 1963 e É um exagero ridículo mas talvez não tão ridículo. A demanda por Page era imensa, e ele tocava em até uma dúzia de sessões por semana. Durante algum tempo, não parecia se importar com o que tocava, desde que fosse bem pago; além de seus clientes mais pops, ele tocou guitarra para Burt Bacharach, P. J. Proby, Herman s Hermits e 1 Músico de sessão ou session musician : instrumentista ou vocalista que não é até mesmo participando de shows. [N. do E.] 2 Beat Boom: beat década de 1950 e início da de [N. do T.] 19

17 1 Pré-voo Cliff Richard. Sua guitarra pode ser ouvida em vários jingles da televisão da época, e ele admite ter sido pago para gravar até música-ambiente para supermercados (confira o box na página 21). Finalmente, ficou cansado de prostituir seus talentos e, depois de algum tempo, passou a se referir ao período jar por aí. Saindo das sombras anônimas de acompanhamento sem crédito para ficar embaixo do holofote, Satisfies, em Lançado em Fontana, trazia o guitarrista em todos os instrumentos (com a exceção da bateria) e também no vocal, enquanto o lado B incluía vocal de apoio de sua namorada na época, a cantora e letrista norte-americana Jackie de Shannon. O single não entrou nas paradas, e Page decidiu rapidamente que vocais e carreira solo não eram para ele. De A. L. O. ao The Yardbirds Mas produção era outra história. Em algum momento do início de 1965, Andrew Loog Oldham, que, além de ser agente dos Rollings Stones, havia criado seu próprio selo, o Immediate, contratou Page e pediu a ele que convencesse Eric Clapton a participar da série inglesa de blues que estava pla- Eminência parda: Page (com lenço no colarinho, no centro) com (da esquerda para a direita) a queridinha do pop Lulu; Keith Relf, do Yardbirds; o produtor Mickie Most; e Derek Leckenby e Peter Noon (com sua famosa dentição estranha), da Herman s Hermits 20

18 Pré-voo As 20 maiores sessões de Jimmy Page nos anos 1960 Entre as dezenas (senão centenas) de gravações dos anos 1960 em que Page atuou como músico de sessão, estas estão entre os hits mais famosos em que Little Jimmy tocou. Diamonds, Jet Harris e Tony Meehan, 1963 (número um no Reino Unido) Twist and Shout, Brian Poole & The Tremeloes, 1963 The Crying Game, Dave Berry, 1964 (Page tocou a guitarra acústica, enquanto Big Jim Sullivan tocou a elétrica com fuzzbox*) It s Not Unusual, Tom Jones, 1965 (número um no Reino Unido) I Can t Explain, The Who, 1965 Diggin My Potatoes, Heinz, 1965 (diz a lenda que Page tocou também no sucesso Just Like Eddie, que Heinz lançou em 1965) I m Not Sayin, Nico, 1965 The Pied Piper, Crispian St. Peters, 1966 Time Drags By, Cliff Richard, 1966 You Really Got Me, The Kinks, 1964 (número um no Reino Unido) Terry, Twinkle, 1964 Walk Tall, Val Doonican, 1964 As Tears Go By, Marianne Faithfull, 1964 Shout, Lulu & The Luvvers, 1964 Tobacco Road, The Nashville Teens, 1964 Here Comes the Night, Them, 1965 * Fuzzbox: tipo de pedal para guitarras elétricas usado para distorcer o som. [N. do E.] Sunshine Superman, Donovan, 1966 Out of Time, Chris Farlowe, 1966 (número um no Reino Unido) (With) A Little Help from My Friends, Joe Cocker, 1968 (número um no Reino Unido) Little Arrows, Leapy Lee, 1968 Page tocou também em uma versão inicial de Heart of Stone, dos Rolling Stones, em 1965 mas apenas em uma fita demo, não na gravação final. Outras bandas menos conhecidas com as quais tocou incluem Carter-Lewis & the Southerners, The Lancastrians, The Primitives, The Factotums, Les Fleurs de Lys e The Fifth Avenue. the World (uma canção consagrada por Howlin Wolf que mais tarde se tornaria uma das favoritas do foi sondado para substituir Clapton nos Yardbirds. Mas a grana que estava fazendo nas sessões de gravação (na época, Page podia ser ouvido em nada menos que três singles no top 10 britânico) era boa demais para trocar por uma vida incerta com um grupo beat, e ele ainda estava cauteloso depois de seu desmaio na estrada com Neil Christian & The Crusaders. Então, Andrew Loog Oldham, não satisfeito de produzir e administrar apenas, os Rolling Stones, desejava criar um império R&B com o Immediate 21

19 1 22 Pré-voo recomendou seu amigo Jeff Beck, que, de qualquer maneira, já era a segunda opção do grupo. Gravou várias outras faixas com Clapton. Eram apenas jams de blues gravados na sala dos pais de Page; a intenção nunca foi lançá-los, mas elas apareceram lançadas pela Immediate em 1968, para a surpresa de Clapton. Mesmo que Page tenha negado qualquer culpa pela chegada das canções às lojas, o fato levou a uma ruptura na amizade entre os dois que nunca foi completamente curada. De qualquer maneira, a relação entre Page e Beck continuava a florescer. Page foi apresentado no estúdio, Your Love, e Beck emprestou-lhe sua fuzzbox para tocar nesta faixa. Um grupo de músicos indianos também havia sido agendado para a gravação e Page acabou comprando um sitar deles, tornando-se possivelmente o primeiro guitarrista de rock britânico a fazer experimentos com o instrumento, antes de George Harrison. Em maio de 1966, Page e Beck gravaram uma faixa ins- nos estúdios IBC, de Londres, na qual foram acompanhados pelo baterista Keith Moon, pelo baixista John Paul Jones e pelo tecladista Nicky Hopkins, todos do The Who. Apesar do nome e do fato de ter aparecido como o lado B do foi, em sua maioria, escrita e produzida por Page, que gostou tanto da experiência que, durante algum tempo, houve conversas sobre os dois guitarristas formarem um grupo. Nomes cogitados como possíveis membros incluíam John Entwistle no baixo (em vez de Jones, nesse estágio) e Steve Marriott, do Small Faces, ou Stevie Winwood, do Spencer Davis Group, no vocal. No final das contas, os planos não deram certo, mas ficou claro que Page estava cada vez mais frustrado e sentia sua criatividade reprimida pelo trabalho como guitarrista de aluguel. Na segunda vez em que foi convidado, em junho de 1966, Page aceitou se juntar aos Yardbirds. Inicialmente, era substituto no baixo de Paul Samwell- Smith, que abandonou o grupo repentinamente e seguiu para se tornar um aclamado produtor. Mas o combinado era que, quando o outro guitarrista da banda, Chris Dreja, tivesse aprendido os acordes do baixo, Page passaria para a guitarra, dando aos Yardbirds uma dupla invencível de guitarristas principais. Infelizmente, a formação Beck-Page dos Yardbirds nunca cumpriu sua imensa promessa e durou meros quatro meses. Em outubro de 1966, depois de apenas dois shows de uma turnê norte-americana, o cada vez mais errático Beck largou o grupo. Eles decidiram não substituí-lo e continuar como um quarteto. Page fez o melhor que pôde para guiar os Yardbirds a uma direção musical consistente, desenvolvendo pelo menos alguns dos elementos que exploraria mais para frente no Led Zeppelin. Mas seus esforços foram desviados pelo produtor Mickie Most, que buscava incansavelmente achar hits de grande sucesso e esnobava os álbuns, e cuja influência levou a covers verdade, Keith Relf foi o único Yardbird a participar). Por causa dele, as ideias interessantes que Page tinha para o LP de 1967 dos Yardbirds, Little Games, acabaram mal desenvolvidas. Logo no início de 1968, estava claro que o grupo caminhava para um final tumultuado, e o último show aconteceu em julho, em um baile de fim de ano na Luton Technical College. Ao lado de Dreja, Page começou a montar uma nova banda, e tentou recrutar o cantor Terry Reid e o baterista B. J. Wilson. Ambos recusaram, e Dreja também deixou a área para iniciar uma carreira em fotografia. Eis que surgem o companheiro de sessões John Paul Jones, um baterista selvagem das Midlands chamado John Bonham e um cantor jovem e pouco conhecido de West Bromwich, chamado Robert Plant...

20 Robert Plant: o Blues teve um filho... os mais íntimos nasceu em 20 de agosto de 1948 em West Bromwich, Staffordshire. Seu pai era engenheiro civil e a família logo se mudou para uma exuberante casa na nobre Hayley Green, na plácida cidade de Kidderminster, Worcestershire, famosa por sua produção de carpetes de alta qualidade. Plant era uma criança inteligente, que devorava livros e que, aos 11 anos, conseguiu uma vaga na King Edward VI Grammar School, na cidade próxima de Stourbridge apesar de que, na época, já havia se apaixonado pelo rock n roll e decidido que queria ser Elvis. Aos 13, gastava horas diante do espelho treinando o rebolado e os movimentos pél- uma voz trêmula e hesitante, que havia começado a desafinar por causa da puberdade. Sua paixão pelo rock n roll horrorizava seus pais puritanos de classe média, que, diz Plant, classificavam as melodias que vinham de Memphis, Nova Orleans Diabo. Em uma de suas histórias favoritas, seus pais cortaram o fio da tomada do toca-discos depois que ele em uma hora. Como seus estudos eram ignorados, Plant colocava sua mente inquisitiva para trabalhar em pesquisas sobre as raízes do rock n roll, e logo descobriu os Delta blues 3 e os sons elétricos que emanavam de Chicago, sob selos como Chess e Vee-Jay. Aos 14 ou 15, costumava sair não com seus colegas de escola, mas sim com um grupo boêmio da Stourbridge 3 Delta blues: estilo de blues surgido no início do século 20 na região conhecida como Delta do Mississippi, que compreende a área entre as cidades de Memphis, no Tennessee e Vicksburg, no Mississippi e os rios Mississippi e Yazoo. [N. do E.] Pré-voo Art School, e, usando o modesto salário que recebia por trabalhar aos sábados na Woolworth s, comprou o primeiro lançamento em LP das lendárias sessões de Robert Johnson, lançado na década de Ele começou, também, a cantar com um grupo da escola chamado Andy Long & Hist Original Jaymen. Em 1963, apesar da maciça reprovação dos pais, o pai de Plant dava carona ao filho de 15 anos todas as semanas até o clube Seven Stars Blues, em Stourbridge, sob a alegação de que assim, pelo menos, podia ficar de olho nas más companhias que seu filho mantinha. No clube, Plant tocava, feliz, uma tábua de lavar roupa e o kazoo com a Delta Blues Band, arruinando canções de Johnson, Muddy Waters, Howlin Wolf, entre outros. A Grammar School não exercia mais nenhuma atração sobre ele, e, naquele verão, ele a abandonou. Como ainda não conseguira se livrar dos grilhões impostos por seus pais, decidiu ingressar na carreira de contador. Soube, quase imediatamente, que havia cometido um erro e, naquele outono, matriculou-se em um colégio técnico local para conseguir um desempenho melhor. Ainda assim, independente de como enxergasse sua situação, a escola, a contabilidade e o colégio técnico eram desvios de seu maior desejo, conforme ele ia de uma banda fracassada de West Midlands à outra muitas delas batizadas em homenagem a suas músicas de blues prediletas, como Crawling King Snake (com um certo John Bonham na bateria) e Black Snake Moan. Além disso, experimentou, diversos estilos de figurinos, tornando-se em um autêntico mod depois de ver um concerto de The Small Faces e The Who em Birmingham. Quando, no final de 1966, uma de suas bandas fracassadas, The Tennessee Teens, transmutou-se para Listen e assinou contrato com a CBS, Plant fez sua estreia como cantor no primeiro e único single do grupo, um cover de fracassou, a banda foi rapidamente enviada de volta ao abandono das West Midlands, mas a CBS insistiu em 23 1

por ano para trocar o sangue. Page leu todos os livros do Aleister Crowley. Em 1977, eles já tinham se tornado a banda definitiva de iniciação.

por ano para trocar o sangue. Page leu todos os livros do Aleister Crowley. Em 1977, eles já tinham se tornado a banda definitiva de iniciação. O Led Zeppelin sempre foi complicado. Esse era o problema inicial deles. Os shows deles sempre tinham violência masculina. Isso foi um desvio nos anos 1970, que foi uma época muito estranha. Era uma anarquia

Leia mais

PROJETO PROFISSÕES. Entrevista com DJ

PROJETO PROFISSÕES. Entrevista com DJ Entrevista com DJ Meu nome é Raul Aguilera, minha profissão é disc-jóquei, ou DJ, como é mais conhecida. Quando comecei a tocar, em festinhas da escola e em casa, essas festas eram chamadas de "brincadeiras

Leia mais

O Livro dos Mortos do Rock. Bob Dylan Pink Floyd

O Livro dos Mortos do Rock. Bob Dylan Pink Floyd Led Zeppelin O Livro dos Mortos do Rock Bob Dylan Pink Floyd Led Zeppelin Nigel Williamson Henrique Szolnoky Copyright Nigel Williamson, 2007 Copyright Editora Aleph, 2011 (edição em língua portuguesa

Leia mais

A fotografia de Jørgen Angel

A fotografia de Jørgen Angel A fotografia de Jørgen Angel Jørgen Angel (nascido em 1951, em Copenhagen na Dinamarca) trabalhou como fotógrafo profissional no cenário musical desde sua adolescência, no final dos anos 60, até o início

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE.

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE. OS 4 PASSOS PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA HIGHSTAKESLIFESTYLE. Hey :) Gabriel Goffi aqui. Criei esse PDF para você que assistiu e gostou do vídeo ter sempre por perto

Leia mais

AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE

AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE Mesmo não acreditando na Educação Criativa, o professor pode fazer uma experiência para ver o resultado. É o caso da professora deste relato. Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Rafael Marques Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Minha idéia inicial de coaching era a de uma pessoa que me ajudaria a me organizar e me trazer idéias novas,

Leia mais

MINHA HISTÓRIA NO NOVOTEL

MINHA HISTÓRIA NO NOVOTEL MINHA HISTÓRIA NO NOVOTEL Lembro-me que haviam me convocado para uma entrevista de trabalho no NOVOTEL. Lembro-me de estar ansioso e ter passado a noite anterior preparando a minha entrevista. Como iria

Leia mais

11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo II

11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo II Capítulo II Mark Ford 11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo Dois Como uma nota de $10 me deixou mais rico do que todos os meus amigos Das centenas de estratégias de construção de riqueza que

Leia mais

A DIVERSIDADE NA ESCOLA

A DIVERSIDADE NA ESCOLA Tema: A ESCOLA APRENDENDO COM AS DIFERENÇAS. A DIVERSIDADE NA ESCOLA Quando entrei numa escola, na 1ª série, aos 6 anos, tinha uma alegria verdadeira com a visão perfeita, não sabia ler nem escrever, mas

Leia mais

Fotos: Luís Antônio Rodrigues. No Perfil Ché & Colin

Fotos: Luís Antônio Rodrigues. No Perfil Ché & Colin Fotos: Luís Antônio Rodrigues No Perfil & Perfil Em meio às gravações no estúdio Brothers da Lua do músico, juntamente com o gravamos uma entrevista, onde eles nos contam como começou essa amizade e parceria,

Leia mais

Este texto é de autoria da Diretora de Vendas Cláudia Leme, muito bom!!! Vale a pena conferir!!! O PRIMEIRO PEDIDO

Este texto é de autoria da Diretora de Vendas Cláudia Leme, muito bom!!! Vale a pena conferir!!! O PRIMEIRO PEDIDO Este texto é de autoria da Diretora de Vendas Cláudia Leme, muito bom!!! Vale a pena conferir!!! O PRIMEIRO PEDIDO A Sra Mary Kay já dizia: nada acontece enquanto você não vende alguma coisa. Se você está

Leia mais

Freelapro. Título: Como o Freelancer pode transformar a sua especialidade em um produto digital ganhando assim escala e ganhando mais tempo

Freelapro. Título: Como o Freelancer pode transformar a sua especialidade em um produto digital ganhando assim escala e ganhando mais tempo Palestrante: Pedro Quintanilha Freelapro Título: Como o Freelancer pode transformar a sua especialidade em um produto digital ganhando assim escala e ganhando mais tempo Quem sou eu? Eu me tornei um freelancer

Leia mais

Nada de telefone celular antes do sexto ano

Nada de telefone celular antes do sexto ano L e i n º1 Nada de telefone celular antes do sexto ano Nossos vizinhos da frente estão passando uma semana em um cruzeiro, então me pediram para buscar o jornal e a correspondência todos os dias, enquanto

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

Para início de conversa 9. Família, a Cia. Ltda. 13. Urca, onde moro; Rio, onde vivo 35. Cardápio de lembranças 53

Para início de conversa 9. Família, a Cia. Ltda. 13. Urca, onde moro; Rio, onde vivo 35. Cardápio de lembranças 53 Rio de Janeiro Sumário Para início de conversa 9 Família, a Cia. Ltda. 13 Urca, onde moro; Rio, onde vivo 35 Cardápio de lembranças 53 O que o homem não vê, a mulher sente 75 Relacionamentos: as Cias.

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Como escrever um estudo de caso que é um estudo de caso? Um estudo so é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a

Como escrever um estudo de caso que é um estudo de caso? Um estudo so é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a Página 1 1 Como escrever um Estudo de Caso O que é um estudo de caso? Um estudo de caso é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a lembre-se de escrever um estudo de caso é que o caso

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

PHELIPE AGNELLI. Baterista Percussionista Compositor. Músico Brasileiro!

PHELIPE AGNELLI. Baterista Percussionista Compositor. Músico Brasileiro! PHELIPE AGNELLI Baterista Percussionista Compositor Músico Brasileiro 1 ENTREVISTA "Inspirando e sendo inspirado" Phelipe Agnelli é músico e compositor, nascido a 50 minutos de São Paulo, na cidade de

Leia mais

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 Humberto Cordeiro Carvalho admitido pela companhia em 1 de julho de 1981. Eu nasci em 25 de maio de 55 em Campos do Goytacazes. FORMAÇÃO Segundo grau Escola

Leia mais

DESAFIOS CRIATIVOS E FASCINANTES Aula de Filosofia: busca de valores humanos

DESAFIOS CRIATIVOS E FASCINANTES Aula de Filosofia: busca de valores humanos DESAFIOS CRIATIVOS E FASCINANTES Aula de Filosofia: busca de valores humanos Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br Eu queria testar a metodologia criativa com alunos que eu não conhecesse. Teria de

Leia mais

Teste sua empregabilidade

Teste sua empregabilidade Teste sua empregabilidade 1) Você tem noção absoluta do seu diferencial de competência para facilitar sua contratação por uma empresa? a) Não, definitivamente me vejo como um título de cargo (contador,

Leia mais

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento.

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. museudapessoa.net P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. R Eu nasci em Piúma, em primeiro lugar meu nome é Ivo, nasci

Leia mais

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207 OLHAR GLOBAL Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas A poeira do renascimento 36 Fotografe Melhor n o 207 Olivier convida pessoas que encontra na rua ou na internet para posarem

Leia mais

Não é o outro que nos

Não é o outro que nos 16º Plano de aula 1-Citação as semana: Não é o outro que nos decepciona, nós que nos decepcionamos por esperar alguma coisa do outro. 2-Meditação da semana: Floresta 3-História da semana: O piquenique

Leia mais

JOSÉ DE SOUZA CASTRO 1

JOSÉ DE SOUZA CASTRO 1 1 JOSÉ DE SOUZA CASTRO 1 ENTREGADOR DE CARGAS 32 ANOS DE TRABALHO Transportadora Fácil Idade: 53 anos, nascido em Quixadá, Ceará Esposa: Raimunda Cruz de Castro Filhos: Marcílio, Liana e Luciana Durante

Leia mais

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Carnaval 2014 A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Nesta noite vamos fazer uma viagem! Vamos voltar a um tempo que nos fez e ainda nos faz feliz, porque afinal como

Leia mais

CANDIDATO BANCADO PELOS PAIS

CANDIDATO BANCADO PELOS PAIS CANDIDATO BANCADO PELOS PAIS Desânimo total Acho que minhas forças estão indo abaixo, ando meio desmotivado!!!! Não quero desanimar, mas os fatores externos estão superando minha motivação... cobrança

Leia mais

Lição. História Bíblica II Timóteo 3:16; II Pedro 1:20, 21; Salmos 119:4 Na lição de hoje, as crianças aprenderão que a

Lição. História Bíblica II Timóteo 3:16; II Pedro 1:20, 21; Salmos 119:4 Na lição de hoje, as crianças aprenderão que a FRUTOS-1 Descoberta Lição 1 4-6 Anos História Bíblica II Timóteo 3:16; II Pedro 1:20, 21; Salmos 119:4 Na lição de hoje, as crianças aprenderão que a CONCEITO CHAVE A Bíblia é o livro de Deus e nós sabemos

Leia mais

7 Negócios Lucrativos

7 Negócios Lucrativos 7 Negócios Lucrativos CAPÍTULO 1 Mentalidade Geralmente empreendedores ficam caçando uma maneira nova de ganhar dinheiro constantemente, e de fato é isso que faz com que uns cheguem ao topo e outros não,

Leia mais

f r a n c i s c o d e Viver com atenção c a m i n h o Herança espiritual da Congregação das Irmãs Franciscanas de Oirschot

f r a n c i s c o d e Viver com atenção c a m i n h o Herança espiritual da Congregação das Irmãs Franciscanas de Oirschot Viver com atenção O c a m i n h o d e f r a n c i s c o Herança espiritual da Congregação das Irmãs Franciscanas de Oirschot 2 Viver com atenção Conteúdo 1 O caminho de Francisco 9 2 O estabelecimento

Leia mais

COMO INVESTIR PARA GANHAR DINHEIRO

COMO INVESTIR PARA GANHAR DINHEIRO COMO INVESTIR PARA GANHAR DINHEIRO Por que ler este livro? Você já escutou histórias de pessoas que ganharam muito dinheiro investindo, seja em imóveis ou na Bolsa de Valores? Após ter escutado todas essas

Leia mais

AULA DE PORTUGUÊS: CRIAÇÃO DE POEMAS

AULA DE PORTUGUÊS: CRIAÇÃO DE POEMAS AULA DE PORTUGUÊS: CRIAÇÃO DE POEMAS Até onde vai a força da Motivação? Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br Uma proposta criativa motivadora na sala de aula pode deixar o professor bem impressionado

Leia mais

A criança e as mídias

A criança e as mídias 34 A criança e as mídias - João, vá dormir, já está ficando tarde!!! - Pera aí, mãe, só mais um pouquinho! - Tá na hora de criança dormir! - Mas o desenho já tá acabando... só mais um pouquinho... - Tá

Leia mais

Gostava de redacções, como gostava! Dos seis filhos da família Santos apenas ele e a Nazaré (que andava no 9. ano) gostavam de escrever; de resto

Gostava de redacções, como gostava! Dos seis filhos da família Santos apenas ele e a Nazaré (que andava no 9. ano) gostavam de escrever; de resto 1 Gostava de redacções, como gostava! Dos seis filhos da família Santos apenas ele e a Nazaré (que andava no 9. ano) gostavam de escrever; de resto eram também os únicos que passavam horas a ler, nos tempos

Leia mais

coleção Conversas #14 - outubro 2014 - e r r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #14 - outubro 2014 - e r r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. não Eu Não r que o f existe coleção Conversas #14 - outubro 2014 - a z fu e r tu r uma fa o para c ul m d im ad? e. Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção

Leia mais

Autor: Marcelo Maia http://infoempreendedorismo.com

Autor: Marcelo Maia http://infoempreendedorismo.com Nesse ebook você irá aprender como gerar uma renda mesmo que do zero rapidamente na internet, se você já tem um produto irá aprender como aumentar suas vendas agora mesmo de forma garantida. Crie um sistema

Leia mais

AULA DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UMA FESTA CRIATIVA Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br

AULA DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UMA FESTA CRIATIVA Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br AULA DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UMA FESTA CRIATIVA Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br Ele era um excelente e criativo professor de Educação Física. Um dia, a diretora da escola o procurou e disse: Dentro

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

LOURENÇO LOURINHO PRACIANO 1

LOURENÇO LOURINHO PRACIANO 1 LOURENÇO LOURINHO PRACIANO 1 TESOUREIRO 41 ANOS DE TRABALHO Empresa Horizonte Nascido em Itapipoca, Ceará Idade: 76 anos Esposa: Maria Pinto de Oliveira Praciano Filhos: Lucineide Eu entrei na Empresa

Leia mais

Escrito por Administrator Qua, 21 de Outubro de 2009 00:29 - Última atualização Qua, 05 de Maio de 2010 01:17

Escrito por Administrator Qua, 21 de Outubro de 2009 00:29 - Última atualização Qua, 05 de Maio de 2010 01:17 O filme O Diabo Veste Prada, dirigido por David Frankel e baseado no livro de Lauren Weisberger, mostra a história de uma jovem jornalista Andrea. Recém formada em uma das melhores universidades dos Estados

Leia mais

PRÓLOGO. #21diasdeamor. DEUS É AMOR 1 João 4:8

PRÓLOGO. #21diasdeamor. DEUS É AMOR 1 João 4:8 PRÓLOGO DEUS É AMOR 1 João 4:8 Quando demonstramos amor, estamos seguindo os passos de Jesus. Ele veio para mostrar ao mundo quem Deus é. Da mesma maneira, temos a missão de mostrar ao mundo que Deus é

Leia mais

EXPLORANDO A OBRA (ALUNOS SENTADOS EM CÍRCULO)

EXPLORANDO A OBRA (ALUNOS SENTADOS EM CÍRCULO) Explorando a obra EXPLORANDO A OBRA (ALUNOS SENTADOS EM CÍRCULO) INTRODUÇÃO Antes da leitura Peça para que seus alunos observem a capa por alguns instantes e faça perguntas: Qual é o título desse livro?

Leia mais

Dedico este livro a todas as MMM S* da minha vida. Eu ainda tenho a minha, e é a MMM. Amo-te Mãe!

Dedico este livro a todas as MMM S* da minha vida. Eu ainda tenho a minha, e é a MMM. Amo-te Mãe! Dedico este livro a todas as MMM S* da minha vida. Eu ainda tenho a minha, e é a MMM. Amo-te Mãe! *MELHOR MÃE DO MUNDO Coaching para Mães Disponíveis, www.emotionalcoaching.pt 1 Nota da Autora Olá, Coaching

Leia mais

"A felicidade consiste em preparar o futuro, pensando no presente e esquecendo o passado se foi triste"

A felicidade consiste em preparar o futuro, pensando no presente e esquecendo o passado se foi triste "A felicidade consiste em preparar o futuro, pensando no presente e esquecendo o passado se foi triste" John Ruskin "O Instituto WCF-Brasil trabalha para promover e defender os direitos das crianças e

Leia mais

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa Olhando as peças Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa História Bíblica: Gênesis 41-47:12 A história de José continua com ele saindo da prisão

Leia mais

JANELA SOBRE O SONHO

JANELA SOBRE O SONHO JANELA SOBRE O SONHO um roteiro de Rodrigo Robleño Copyright by Rodrigo Robleño Todos os direitos reservados E-mail: rodrigo@robleno.eu PERSONAGENS (Por ordem de aparição) Alice (já idosa). Alice menina(com

Leia mais

8 Passos para o Recrutamento Eficaz. Por Tiago Simões

8 Passos para o Recrutamento Eficaz. Por Tiago Simões 8 Passos para o Recrutamento Eficaz Por Tiago Simões Uma das coisas que aprendi na indústria de marketing de rede é que se você não tem um sistema de trabalho que comprovadamente funcione, muito provavelmente

Leia mais

OSVALDO. Como também foi determinante a motivação e a indicação feita por um professor.

OSVALDO. Como também foi determinante a motivação e a indicação feita por um professor. OSVALDO Bom dia! Meu nome é Osvaldo, tenho 15 anos, sou de Santa Isabel SP (uma cidadezinha próxima à Guarulhos) e, com muito orgulho, sou bolsista ISMART! Ingressei no ISMART este ano e atualmente estou

Leia mais

6D Estúdio. promessa de ir além das 3 dimensões. Eles eram seis e, hoje, são sete sócios trabalhando do design impresso

6D Estúdio. promessa de ir além das 3 dimensões. Eles eram seis e, hoje, são sete sócios trabalhando do design impresso 6D Estúdio promessa de ir além das 3 dimensões Eles eram seis e, hoje, são sete sócios trabalhando do design impresso ao design em movimento, em vídeo ou internet. Eles unem diferentes conhecimentos técnicos

Leia mais

Autor (a): Januária Alves

Autor (a): Januária Alves Nome do livro: Crescer não é perigoso Editora: Gaivota Autor (a): Januária Alves Ilustrações: Nireuda Maria Joana COMEÇO DO LIVRO Sempre no fim da tarde ela ouvia no volume máximo uma musica, pois queria

Leia mais

ÍNDICE. Introdução. Os 7 Segredos. Como ser um milionário? Porque eu não sou milionário? Conclusão. \\ 07 Segredos Milionários

ÍNDICE. Introdução. Os 7 Segredos. Como ser um milionário? Porque eu não sou milionário? Conclusão. \\ 07 Segredos Milionários ÍNDICE Introdução Os 7 Segredos Como ser um milionário? Porque eu não sou milionário? Conclusão 3 4 6 11 12 INTRODUÇÃO IMPORTANTE Neste e-book você terá uma rápida introdução sobre as chaves que movem

Leia mais

A PROPOSTA SOLINHO 1 : DESENVOLVENDO ASPECTOS MUSICAIS E SOCIAIS ATRAVÉS DA AULA DE VIOLÃO EM GRUPO. Igor Luiz Medeiros 2. igorluiz.m@hotmail.

A PROPOSTA SOLINHO 1 : DESENVOLVENDO ASPECTOS MUSICAIS E SOCIAIS ATRAVÉS DA AULA DE VIOLÃO EM GRUPO. Igor Luiz Medeiros 2. igorluiz.m@hotmail. A PROPOSTA SOLINHO 1 : DESENVOLVENDO ASPECTOS MUSICAIS E SOCIAIS ATRAVÉS DA AULA DE VIOLÃO EM GRUPO Igor Luiz Medeiros 2 igorluiz.m@hotmail.com Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Artes, Filosofia

Leia mais

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 1 Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 Entrevistador- Como o senhor vê a economia mundial e qual o posicionamento do Brasil, após quase um ano da quebra do

Leia mais

CENTRO HISTÓRICO EMBRAER. Entrevista: Eustáquio Pereira de Oliveira. São José dos Campos SP. Abril de 2011

CENTRO HISTÓRICO EMBRAER. Entrevista: Eustáquio Pereira de Oliveira. São José dos Campos SP. Abril de 2011 CENTRO HISTÓRICO EMBRAER Entrevista: Eustáquio Pereira de Oliveira São José dos Campos SP Abril de 2011 Apresentação e Formação Acadêmica Meu nome é Eustáquio, estou com sessenta anos, nasci em Minas Gerais,

Leia mais

A CD BABY APRESENTA: Criando Eventos de Sucesso no Facebook Catorze regras para lotar os seus shows

A CD BABY APRESENTA: Criando Eventos de Sucesso no Facebook Catorze regras para lotar os seus shows A CD BABY APRESENTA: Criando Eventos de Sucesso no Facebook Catorze regras para lotar os seus shows Criando Eventos de Sucesso no Facebook Catorze regras para lotar os seus shows Músicos vêm debatendo

Leia mais

HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com

HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com TRECHO: A VOLTA POR CIMA Após me formar aos vinte e seis anos de idade em engenharia civil, e já com uma

Leia mais

Existe espaço para os covers mostrarem seus trabalhos? As pessoas dão oportunidades?

Existe espaço para os covers mostrarem seus trabalhos? As pessoas dão oportunidades? A Estação Pilh@ também traz uma entrevista com Rodrigo Teaser, cover do Michael Jackson reconhecido pela Sony Music. A seguir, você encontra os ingredientes da longa história marcada por grandes shows,

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

readquire a alegria de viver. O incrível universo do jardim fortalece a amizade entre as crianças e traz de volta o sorriso ao rosto do senhor Craven.

readquire a alegria de viver. O incrível universo do jardim fortalece a amizade entre as crianças e traz de volta o sorriso ao rosto do senhor Craven. O JARDIM SECRETO Introdução ao tema Mais que um simples romance sobre a descoberta de um lugar proibido, O jardim secreto revela o fascínio dos primeiros contatos com a natureza e a importância que ela

Leia mais

Benedicto Silva. Foto 1. Minha mãe e eu, fotografados pelo meu pai (setembro de 1956).

Benedicto Silva. Foto 1. Minha mãe e eu, fotografados pelo meu pai (setembro de 1956). 1. INTRODUÇÃO 1.1. MINHA RELAÇÃO COM A FOTOGRAFIA Meu pai tinha uma câmara fotográfica. Ele não era fotógrafo profissional, apenas gostava de fotografar a família e os amigos (vide Foto 1). Nunca estudou

Leia mais

SOBRE GHOST DOGS: A banda Ghost Dogs foi fundada em Abril de 2005.

SOBRE GHOST DOGS: A banda Ghost Dogs foi fundada em Abril de 2005. SOBRE GHOST DOGS: A banda Ghost Dogs foi fundada em Abril de 2005. Em Outubro de 2006 a Ghost Dogs foi convidada pela professora Eliete Murari do IC&T (Instituto de Canto e Tecnologia) para ser a banda

Leia mais

, como desenvolver o seu primeiro infoproduto

, como desenvolver o seu primeiro infoproduto Olá! Seja bem-vindo a essa série de três vídeos, onde eu quero mostrar exatamente como criar, como desenvolver e como fazer um marketing do seu próprio produto digital, criando um negócio altamente lucrativo

Leia mais

Apoio: Patrocínio: Realização:

Apoio: Patrocínio: Realização: 1 Apoio: Patrocínio: Realização: 2 CINDERELA 3 CINDERELA Cinderela era uma moça muito bonita, boa, inteligente e triste. Os pais tinham morrido e ela morava num castelo. A dona do castelo era uma mulher

Leia mais

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL ROSA, Maria Célia Fernandes 1 Palavras-chave: Conscientização-Sensibilização-Transferência RESUMO A psicóloga Vanda

Leia mais

R I T A FERRO RODRIGUES

R I T A FERRO RODRIGUES E N T R E V I S T A A R I T A FERRO RODRIGUES O talento e a vontade de surpreender em cada projecto deixou-me confiante no meu sexto sentido, que viu nela uma das pivôs mais simpáticas da SIC NOTÍCIAS.

Leia mais

Fotobiografia microcosmo despercebido

Fotobiografia microcosmo despercebido 52 Fotobiografia microcosmo despercebido Pedro Alberto Nacer Zilli Texto e fotos M eu nome é Pedro Alberto Nacer Zilli, nasci no Uruguai em 1942, filho de pais descendentes de imigrantes italianos e libaneses.

Leia mais

PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO.

PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO. Roteiro de Telenovela Brasileira Central de Produção CAPÍTULO 007 O BEM OU O MAL? Uma novela de MHS. PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO. AGENOR ALBERTO FERNANDO GABRIELE JORGE MARIA CLARA MARIA CAMILLA MARÍLIA

Leia mais

Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e

Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e Sexta Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e mudou o rumo da vida profissional FOLHA DA SEXTA

Leia mais

Prefeito de São Bernardo do Campo: Hoje tem um show no Cedesc, às 18 horas (incompreensível).

Prefeito de São Bernardo do Campo: Hoje tem um show no Cedesc, às 18 horas (incompreensível). , Luiz Inácio Lula da Silva, durante a inauguração da República Terapêutica e do Consultório de Rua para Dependentes Químicos e outras ações relacionadas ao Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack São

Leia mais

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES:

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES: Atividades gerais: Verbos irregulares no - ver na página 33 as conjugações dos verbos e completar os quadros com os verbos - fazer o exercício 1 Entrega via e-mail: quarta-feira 8 de julho Verbos irregulares

Leia mais

O que é um Pocket Show? Somente banda pode fazer um Pocket Show? Posso fazer um Pocket Show com duas ou mais bandas? Qual é o cronograma?

O que é um Pocket Show? Somente banda pode fazer um Pocket Show? Posso fazer um Pocket Show com duas ou mais bandas? Qual é o cronograma? O que é um Pocket Show? Apesar de não ter limite de tempo, definimos Pocket Show como uma apresentação curta, em média 40 minutos, ou, em caso de bandas com muitos membros, uma apresentação com número

Leia mais

Quem te fala mal de. 10º Plano de aula. 1-Citação as semana: Quem te fala mal de outra pessoa, falará mal de ti também." 2-Meditação da semana:

Quem te fala mal de. 10º Plano de aula. 1-Citação as semana: Quem te fala mal de outra pessoa, falará mal de ti também. 2-Meditação da semana: 10º Plano de aula 1-Citação as semana: Quem te fala mal de outra pessoa, falará mal de ti também." Provérbio Turco 2-Meditação da semana: Mestre conselheiro- 6:14 3-História da semana: AS três peneiras

Leia mais

Para alcançar o Sucesso é preciso que você tenha a plena convicção de que nossos produtos e nossa Oportunidade podem realmente transformar a vida das

Para alcançar o Sucesso é preciso que você tenha a plena convicção de que nossos produtos e nossa Oportunidade podem realmente transformar a vida das Querida Estrela do Bem, Aqui estão alguns Passos para aplicarmos no dia a dia São passos diários para o sucesso do seu negócio MK. Faça o Plano das 100 CARITAS em 4 semanas com todas as Consultoras de

Leia mais

PRAIA DO JACARÉ JOÃO PESSOA PB

PRAIA DO JACARÉ JOÃO PESSOA PB PRAIA DO JACARÉ JOÃO PESSOA PB A tradição de assistir ao pôr do sol ouvindo o Bolero de Ravel na Paraíba começou com uma grande coincidência. Um grupo de amigos se reuniu para assistir ao fenômeno na Praia

Leia mais

3 Truques Para Obter Fluência no Inglês

3 Truques Para Obter Fluência no Inglês 3 Truques Para Obter Fluência no Inglês by: Fabiana Lara Atenção! O ministério da saúde adverte: Os hábitos aqui expostos correm o sério risco de te colocar a frente de todos seus colegas, atingindo a

Leia mais

Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores?

Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores? Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores? Noemi: É a velha história, uma andorinha não faz verão,

Leia mais

Entrevista com Entrevista com Max Matta, vocalista da banda Caps Lock

Entrevista com Entrevista com Max Matta, vocalista da banda Caps Lock Entrevista com Entrevista com Max Matta, vocalista da banda Caps Lock POUCA E BOAS DA MARI - Max, você, o Sté e o Carlinhos tocam juntos desde 2003. Em 2005, o Thiago entrou na banda, foi quando surgiu

Leia mais

O USO DE DROGAS (Depoimento emocionado de Luiz Fernando Veríssimo sobre sua experiência com as drogas). Vale a pena ler Tudo começou quando eu tinha

O USO DE DROGAS (Depoimento emocionado de Luiz Fernando Veríssimo sobre sua experiência com as drogas). Vale a pena ler Tudo começou quando eu tinha O USO DE DROGAS (Depoimento emocionado de Luiz Fernando Veríssimo sobre sua experiência com as drogas). Vale a pena ler Tudo começou quando eu tinha uns 14 anos e um amigo chegou com aquele papo de experimenta,

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

Tyll, o mestre das artes

Tyll, o mestre das artes Nome: Ensino: F undamental 5 o ano urma: T ata: D 10/8/09 Língua Por ortuguesa Tyll, o mestre das artes Tyll era um herói malandro que viajava pela antiga Alemanha inventando golpes para ganhar dinheiro

Leia mais

10 coisas que cachorros ensinam sobre o que de fato importa

10 coisas que cachorros ensinam sobre o que de fato importa 10 coisas que cachorros ensinam sobre o que de fato importa Cães são uma fonte constante de amor e diversão, mas, além disso, nos ensinam algumas das maiores lições de nossas vidas Debbie Gisonni, do Cachorro:

Leia mais

Sistema de Ensino CNEC

Sistema de Ensino CNEC 1 SUMÁRIO VOLUME 1 "O homem é um pedaço do Universo cheio de vida." Ralph Waldo Emerson Capítulo 1 O Tempo não para 5 Capítulo 2 Você percebendo-se como sujeito histórico 20 Capítulo 3 O Universo que nos

Leia mais

REDE PRÓ-MENINO. ECTI - Escola no Combate ao Trabalho Infantil ATIVIDADE MÓDULO 2 (COLAGEM) EM INTEGRAÇÃO COM O MÓDULO 1- B (ENTREVISTA)

REDE PRÓ-MENINO. ECTI - Escola no Combate ao Trabalho Infantil ATIVIDADE MÓDULO 2 (COLAGEM) EM INTEGRAÇÃO COM O MÓDULO 1- B (ENTREVISTA) REDE PRÓ-MENINO ECTI - Escola no Combate ao Trabalho Infantil CURSISTA: JACKELYNE RIBEIRO CINTRA MORAIS CPF: 014275241-06 ATIVIDADE MÓDULO 2 (COLAGEM) EM INTEGRAÇÃO COM O MÓDULO 1- B (ENTREVISTA) Características

Leia mais

Guia Prático para Encontrar o Seu. www.vidadvisor.com.br

Guia Prático para Encontrar o Seu. www.vidadvisor.com.br Guia Prático para Encontrar o Seu Propósito de Vida www.vidadvisor.com.br "Onde os seus talentos e as necessidades do mundo se cruzam: aí está a sua vocação". Aristóteles Orientações Este é um documento

Leia mais

É PROIBIDO O USO COMERCIAL DESSA OBRA SEM A AUTORIZAÇÃO DO AUTOR

É PROIBIDO O USO COMERCIAL DESSA OBRA SEM A AUTORIZAÇÃO DO AUTOR É PROIBIDO O USO COMERCIAL DESSA OBRA SEM A AUTORIZAÇÃO DO AUTOR Introdução: Aqui nesse pequeno e-book nós vamos relacionar cinco super dicas que vão deixar você bem mais perto de realizar o seu sonho

Leia mais

MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS

MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS Prof. Dr. Richard Schütz www.sk.com.br Referência: SCHÜTZ, Ricardo. "Motivação e Desmotivação no Aprendizado de Línguas" English Made in Brazil .

Leia mais

Introdução. De que adianta estudar filosofia se não para melhorar o seu pensamento sobre as questões importantes do dia a dia? Ludwig Wittgenstein

Introdução. De que adianta estudar filosofia se não para melhorar o seu pensamento sobre as questões importantes do dia a dia? Ludwig Wittgenstein Introdução De que adianta estudar filosofia se não para melhorar o seu pensamento sobre as questões importantes do dia a dia? Ludwig Wittgenstein O que a filosofia tem a ver com o dia a dia? Tudo! Na verdade,

Leia mais

VIDAS PARALELAS. LIVRO l. Série: VIDAS 1ª EDIÇÃO. Patty Freitas

VIDAS PARALELAS. LIVRO l. Série: VIDAS 1ª EDIÇÃO. Patty Freitas VIDAS PARALELAS VIDAS PARALELAS LIVRO l Série: VIDAS 1ª EDIÇÃO 2014 Patty Freitas Os livros são abelhas que levam o pólen de uma inteligência à outra James Russel Lowell DEDICATÓRIA Dedico este livro

Leia mais

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens Disponível no site Esoterikha.com: http://bit.ly/dinamicas-para-jovens Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos As dinâmicas de grupo já fazem parte do cotidiano empresarial,

Leia mais

5 dicas incríveis de Facebook Ads para iniciantes. 1 INTRODUÇÃO

5 dicas incríveis de Facebook Ads para iniciantes. 1 INTRODUÇÃO 5 dicas incríveis de Facebook Ads para iniciantes. 1 INTRODUÇÃO Este e book foi criado após ter percebido uma série de dúvidas de iniciantes em Facebook Ads. O seu conteúdo é baseado na utilização da plataforma

Leia mais

Unidade 01- Estamos apenas começando Deus criou, eu cuidarei

Unidade 01- Estamos apenas começando Deus criou, eu cuidarei Olhando as peças Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 01- Estamos apenas começando Deus criou, eu cuidarei O velho testamento está cheio de histórias que Deus nos deu, espantosas e verdadeiras.

Leia mais

40 dicas para tornar seu site mais eficiente e funcional

40 dicas para tornar seu site mais eficiente e funcional 40 dicas para tornar seu site mais eficiente e funcional Essas 40 dicas são ótimas e assino embaixo. Foram passadas para mim pelo amigo Luiz Rodrigues, aluno também do Curso Online de Design Web. A fonte

Leia mais