BRB ANUNCIA RESULTADOS DO 1T14

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BRB ANUNCIA RESULTADOS DO 1T14"

Transcrição

1 BRB ANUNCIA RESULTADOS DO 1T14 Brasília, 12 de maio de 2014 O Banco de Brasília S.A. BRB, sociedade de economia mista, cujo acionista majoritário é o Governo do Distrito Federal, anuncia hoje seus resultados do período findo em 31 de março de 2014 (1T14). Todas as informações operacionais e financeiras a seguir, exceto quando indicado de outra forma, são apresentada em Reais, de acordo com as práticas contábeis no Brasil, aplicáveis a instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil. DESTAQUES NO PERIODO Lucro Líquido O Lucro Líquido foi de R$ 37,7 milhões no 1T14, o que proporcionou uma rentabilidade sobre o Patrimônio Líquido Médio de 3,48%. Patrimônio Líquido O Patrimônio Líquido, no 1T14, alcançou R$ 1,102 bilhão, apresentando crescimento de 16,28% em relação a igual período do ano anterior. Ativos Totais Os Ativos Totais apresentaram um crescimento foi de 21,28% passando de R$ 9,36 bilhões, no 1T13, para os atuais R$ 11,34 bilhões. Operações de Crédito As operações de crédito apresentaram crescimento de 23,92% em suas operações, cujo Página 1

2 volume no 1T14 totalizou R$ 7,87 bilhões, contra R$ 6,35 bilhões registrados no 1T13. Inadimplência De forma a trazer qualidade ao processo Gestão de Crédito e reduzir os índices de inadimplência, em 2013 foi iniciado um projeto de reestruturação do processo de análise e concessão do crédito, que tem por objetivo o aprimoramento dos controles sistêmicos, além da implantação de novas metodologias para identificação e dimensionamento do crédito a ser concedido. Essa medida trará um ganho quantitativo e qualitativo para a carteira de crédito do Banco. O projeto inclui nova metodologia de classificação de clientes e de geração de limites de crédito, bem como maior agilidade na análise e concessão de crédito. No 1T14, a taxa de inadimplência no BRB foi de 3,2%. Carteira Comercial A Carteira de Crédito Comercial atingiu o volume de R$ 6,433 bilhões em março de 2014, com evolução de 19,54% em relação ao mesmo período do ano anterior. A Carteira de Pessoa Física, formada pelo Crédito Consignado, CDC's e Antecipações (IRPF, Férias, 13º e Salarial), totalizou R$ 5,027 bilhões (crescimento de 17,36% em relação ao mesmo período do ano anterior, concentrado nas operações de menor risco). A Carteira de Pessoa Jurídica, formada pelo Capital de Giro, pela Conta Garantida e pela Antecipação de Recebíveis (Cartão, Cheques, Duplicatas, Cobrança e Notas Promissórias), atingiu R$ 1,406 bilhões (crescimento de 28,04% em relação a março de 2013). Operações de Tesouraria O Banco vem atuando fortemente nas captações de Tesouraria, com destaque para as Letras Página 2

3 Financeiras Subordinadas que cresceram 44,48% em relação ao primeiro trimestre de 2013, visando reforçar o capital de nível 2, frente às novas regras de Basileia III. Receitas de Intermediação Financeira As receitas de intermediação financeira totalizaram R$ 512,26 milhões, o que demonstra um crescimento de 21,49% em relação aos R$ 421,64 milhões apresentado em março de Despesas de Intermediação Financeira As despesas de intermediação financeira foram de R$ 248,09 milhões, contra R$ 176,17 milhões apresentados em igual período do ano anterior, um acréscimo de 40,82%. Depósitos Totais O BRB registrou volume de depósitos totais, no 1T14, equivalente ao montante de R$ 8,62 bilhões contra R$ 7,90 bilhões auferidos no 1T13, o que corresponde a um aumento da ordem de 9,1%. Página 3

4 Guidance O Guidance possui projeções para o ano de 2014, baseadas nas premissas adotadas pela Administração e informações disponíveis no mercado até o momento. Vale ressaltar, que o Guidance não pode ser adotado como uma garantia absoluta do desempenho e resultado da Instituição. Os indicadores podem sofrer variações, em decorrência de incertezas e riscos que não podem ser mensurados, tais como, alterações no âmbito econômico-financeiro, político e fiscal. Próximos Eventos Teleconferência sobre os Resultados do 1T14 13 de Maio de 2014 Em Português Horário: 10h00 (Brasília) Telefone de Conexão: +55 (11) Código de acesso: Banco de Brasília Em Inglês Horário: 11h30 (Brasília) Telefone de Conexão: +1 (646) Código de acesso: Banco de Brasília Transmissão ao vivo pela Internet, clique aqui para acessar. Página 4

5 Relações com Investidores Gerência de Relações com Investidores: (+55 61) SBS - Quadra 1 - Bloco E Ed. Brasília - 8º andar Brasília (DF) Brasil Página 5

6 Demonstração de Resultados BRB-CONSOLIDADO 1º trimeste º trimeste 2013 RECEITAS DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA Operações de crédito Resultado de aplicações interfinaceiras de liquidez e títulos e valores mobiliários Resultado de operações de câmbio Resultado de aplicações compulsórias DESPESAS DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA Operações de captações no mercado Operações de empréstimos, cessões e repasses Provisões para operações de crédito RESULTADO BRUTO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA OUTRAS RECEITAS/(DESPESAS) OPERACIONAIS Receitas de prestação de serviços Rendas de tarifas bancárias Despesas de pessoal Outras despesas administrativas Despesas tributárias Resultado de participações em coligadas e controladas - - Outras receitas operacionais Outras despesas operacionais RESULTADO OPERACIONAL RESULTADO NÃO OPERACIONAL RESULTADO ANTES DA TRIBUTAÇÃO S/ LUCRO E PARTICIPAÇÕES IMPOSTO DE RENDA E CONTRIBUIÇÃO SOCIAL Provisão para imposto de renda Provisão para contribuição social Imposto de renda e contribuição social diferidos PARTICIPAÇÃO NO LUCRO PARTICIPAÇÃO DOS ACIONISTAS NÃO CONTROLADORES LUCRO LÍQUIDO N.º DE AÇÕES LUCRO POR LOTE DE MIL AÇÕES (R$) Página 6

7 Balanço Patrimonial A T I V O BRB-MÚLTIPLO BRB-CONSOLIDADO CIRCULANTE CAIXA E EQUIVALENTE DE CAIXA Disponibilidades Aplicações em operações compromissadas Aplicações em depósitos interfinanceiros Aplicações em moedas estrangeiras APLICAÇÕES INTERFINANCEIRAS DE LIQUIDEZ Aplicações em depósitos interfinanceiros TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS E INSTRUMENTOS FINANCEIROS DERIVATIVOS Carteira própria Vinculados a Compromissos de Recompra Vinculadas a prestação de garantias RELAÇÕES INTERFINANCEIRAS Pagamentos e recebimentos a liquidar Créditos vinculados: Depósitos no Banco Central SFH - Sistema Financeiro da Habitação RELAÇÕES INTERDEPENDÊNCIAS Transferências internas de recursos OPERAÇÕES DE CRÉDITO Operações de crédito: Setor público Setor privado (Provisões para operações de créditos) OUTROS CRÉDITOS Carteira de câmbio Rendas a receber Créditos específicos Negociação e intermediação de valores Créditos tributários: Diferidos Correntes Créditos de usuários (Cartão BRB) Diversos (Provisões para outros créditos) OUTROS VALORES E BENS Outros valores e bens Despesas antecipadas NÃO CIRCULANTE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS E INSTRUMENTOS FINANCEIROS DERIVATIVOS Carteira própria Vinculados à compromissos recompra Vinculados ao Banco Central Vinculados à prestação de garantias RELAÇÕES INTERFINANCEIRAS Créditos vinculados: SFH - Sistema Financeiro da Habitação OPERAÇÕES DE CRÉDITO Operações de crédito: Setor público Setor privado (Provisões para operações de créditos) ( ) ( ) OUTROS CRÉDITOS Rendas a receber Créditos específicos Créditos tributários: Diferidos Correntes Diversos Créditos de usuários (Cartão BRB) OUTROS VALORES E BENS Outros valores e bens Despesas antecipadas (Provisões para desvalorizações) INVESTIMENTOS Participações em coligadas e controladas no país Outros investimentos (Provisões para perdas) IMOBILIZADO DE USO Imóveis de uso Outras imobilizações de uso (Depreciações acumuladas) INTANGÍVEL Ativos intangíveis (Amortizações acumuladas) T O T A L Página 7

8 P A S S I V O BRB-MÚLTIPLO BRB-CONSOLIDADO CIRCULANTE DEPÓSITOS Depósitos à vista Depósitos de poupança Depósitos interfinanceiros Depósitos a prazo CAPTAÇÕES NO MERCADO ABERTO Carteira própria Carteira de terceiros RECURSOS DE LETRAS HIPOTECÁRIAS, IMOBILIÁRIAS, DE CRÉDITO E SIMILARES RELAÇÕES INTERFINANCEIRAS Recebimentos e pagamentos a liquidar RELAÇÕES INTERDEPENDÊNCIAS Recursos em trânsito de terceiros Transferências internas de recursos OBRIGAÇÕES POR EMPRÉSTIMOS Empréstimos no exterior OBRIGAÇÕES POR REPASSES DO PAÍS - INSTITUIÇÕES OFICIAIS Tesouro Nacional Banco do Brasil BNDES CEF FINAME OUTRAS OBRIGAÇÕES Cobrança e arrecadação de tributos e assemelhados Carteira de câmbio Sociais e estatutárias Fiscais e previdenciárias Fundos financeiros e de desenvolvimento Provisões, passivos e contingências passivas Diversas NÃO CIRCULANTE DEPÓSITOS Depósitos a prazo RECURSOS DE LETRAS HIPOTECÁRIAS, IMOBILIÁRIAS, DE CRÉDITO E SIMILARES OBRIGAÇÕES POR REPASSES DO PAÍS - INSTITUIÇÕES OFICIAIS Tesouro Nacional Banco do Brasil BNDES CEF FINAME OUTRAS OBRIGAÇÕES Fiscais e previdenciárias Dívidas subordinadas elegíveis a capital Resultados de exercícios futuros Obrigações atuariais CVM 695/ Fundos financeiros e de desenvolvimento Provisões, passivos e contingências passivas Diversas PATRIMÔNIO LÍQUIDO Capital: De domiciliados no país Aumento de Capital Reserva de capital Reservas de lucros Ajuste de avaliação patrimonial Outros Ajustes de Avaliação Patrimonial Resultado do período PARTICIPAÇÃO DE NÃO CONTROLADORES PATRIMÔNIO LÍQUIDO ADMINISTRADO PELA CONTROLADORA T O T A L As notas explicativas são parte integrante das demonstrações contábeis Página 8

BRB ANUNCIA RESULTADOS DO 2T15

BRB ANUNCIA RESULTADOS DO 2T15 BRB ANUNCIA RESULTADOS DO 2T15 Brasília, 26 de agosto de 2015 O BRB - Banco de Brasília S.A., sociedade de economia mista, cujo acionista majoritário é o Governo de Brasília, anuncia seus resultados do

Leia mais

Banco Caterpillar S.A. Rua Alexandre Dumas, 1711 - Edifício Birmann 11-9º andar Setor 2 - São Paulo - SP CNPJ: 02.658.435/0001-53

Banco Caterpillar S.A. Rua Alexandre Dumas, 1711 - Edifício Birmann 11-9º andar Setor 2 - São Paulo - SP CNPJ: 02.658.435/0001-53 Rua Alexandre Dumas, 1711 - Edifício Birmann 11-9º andar Setor 2 - São Paulo - SP CNPJ: 02.658.435/0001-53 Balanço Patrimonial - Conglomerado Prudencial em 30 de Junho ATIVO 2014 CIRCULANTE 1.893.224 Disponibilidades

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 5 Balanço Patrimonial Passivo 9 Demonstração do Resultado 12 Demonstração do Resultado

Leia mais

ABCD. Banco Nossa Caixa S.A. Laudo de avaliação do patrimônio líquido contábil

ABCD. Banco Nossa Caixa S.A. Laudo de avaliação do patrimônio líquido contábil ABCD Banco Nossa Caixa S.A. Laudo de avaliação do patrimônio líquido contábil ABCD KPMG Auditores Independentes R. Dr. Renato Paes de Barros, 33 04530-904 - São Paulo, SP - Brasil Caixa Postal 2467 01060-970

Leia mais

Basiléia. Patrimônio Líquido 6.368 5.927 5.117. Jun/09 Jun/10 Jun/11 Jun/12 Jun/13. Captações (líquidas de compulsório) 58.406 52.950 42.

Basiléia. Patrimônio Líquido 6.368 5.927 5.117. Jun/09 Jun/10 Jun/11 Jun/12 Jun/13. Captações (líquidas de compulsório) 58.406 52.950 42. Avenida Paulista, 2.100 - São Paulo - SP CNPJ 58.160.7890001-28 Se escolher navegar os mares do sistema bancário, construa seu banco como construiria seu barco: sólido para enfrentar, com segurança, qualquer

Leia mais

ANEND AUDITORES INDEPENDENTES S/C

ANEND AUDITORES INDEPENDENTES S/C A DD. DIRETORIA DO SOLIDÁRIA - CRESOL BASER Rua Nossa Senhora da Glória, 52ª - Cango Francisco Beltão - PR CNPJ: 01.401.771/0001-53 Balanço Patrimonial e Demonstração de Sobras ou Perdas consolidadas do

Leia mais

4 trimestre de 2010. Sumário Executivo. Itaú Unibanco Holding S.A.

4 trimestre de 2010. Sumário Executivo. Itaú Unibanco Holding S.A. 4 trimestre de 2010 Sumário Executivo Apresentamos, abaixo, informações e indicadores financeiros do (Itaú Unibanco) do quarto trimestre de 2010 e do exercício findo em 31 de dezembro de 2010. (exceto

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 31 de Dezembro de 2014 ÍNDICE GERAL Página Demonstrativos Contábeis 02 Notas Explicativas da Administração 09 Resumo do Relatório do Comitê de Auditoria 112 Relatório dos Auditores

Leia mais

Release de Resultado 2T14

Release de Resultado 2T14 BANCO BMG ANUNCIA SEUS RESULTADOS CONSOLIDADOS DO 2T14 São Paulo, 07 de agosto de 2014 O Banco BMG S.A. e suas controladas ( BMG ou Banco ) divulgam seus resultados consolidados referentes ao período encerrado

Leia mais

Relatório dos auditores independentes sobre revisão especial das Informações Financeiras Trimestrais (IFTs) Trimestre findo em 30 de setembro de 2002

Relatório dos auditores independentes sobre revisão especial das Informações Financeiras Trimestrais (IFTs) Trimestre findo em 30 de setembro de 2002 kpmg Caixa Econômica Federal Relatório dos auditores independentes sobre revisão especial das Informações Financeiras Trimestrais (IFTs) Trimestre findo em 30 de setembro de 2002 KPMG Auditores Independentes

Leia mais

Circular nº 3477. Total de Créditos Tributários Decorrentes de Diferenças Temporárias Líquidos de Obrigações Fiscais 111.94.02.01.

Circular nº 3477. Total de Créditos Tributários Decorrentes de Diferenças Temporárias Líquidos de Obrigações Fiscais 111.94.02.01. Detalhamento do patrimônio de referência (PR) : 100 110 111 111.01 111.02 111.03 111.04 111.05 111.06 111.07 111.08 111.90 111.90.01 111.91 111.91.01 111.91.02 111.91.03 111.91.04 111.91.05 111.91.06 111.91.07

Leia mais

Apresentação 1T14 APIMEC São Paulo. 13 de Maio de 2014

Apresentação 1T14 APIMEC São Paulo. 13 de Maio de 2014 Apresentação 1T14 APIMEC São Paulo 13 de Maio de 2014 1 Visão geral do mercado brasileiro de crédito Crédito Total / PIB e crescimento anual do crédito Crédito / PIB - por tipo de instituição financeira

Leia mais

Relatório sobre a Revisão Especial das Informações Financeiras Trimestrais- IFT 31 de dezembro de 2012

Relatório sobre a Revisão Especial das Informações Financeiras Trimestrais- IFT 31 de dezembro de 2012 Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social BNDES Relatório sobre a Revisão Especial das Informações Financeiras Trimestrais IFT 31 de dezembro de 2012 KPMG Auditores Independentes Fevereiro de

Leia mais

Aplicação de recursos

Aplicação de recursos Aplicação de recursos São 3 os pilares de qualquer investimento Segurança Liquidez Rentabilidade Volatilidade - mede o risco que um fundo ou um título apresenta - maior a volatilidade, maior o risco; Aplicação

Leia mais

Demonstrações Financeiras Banco BTG Pactual S.A. e suas Controladas (Anteriormente denominado Banco UBS Pactual S.A.)

Demonstrações Financeiras Banco BTG Pactual S.A. e suas Controladas (Anteriormente denominado Banco UBS Pactual S.A.) Demonstrações Financeiras e suas Controladas com Parecer dos Auditores Independentes E SUAS CONTROLADAS Demonstrações financeiras Índice Parecer dos auditores independentes... 1 Demonstrações financeiras

Leia mais

AULA 02. Estrutura do Sistema Financeiro Nacional. Subsistema Operativo I

AULA 02. Estrutura do Sistema Financeiro Nacional. Subsistema Operativo I AULA 02 Estrutura do Sistema Financeiro Nacional Subsistema Operativo I Subsistema Operativo No Sistema Financeiro Nacional, o subsistema operativo trata da intermediação, do suporte operacional e da administração.

Leia mais

Alterações na Poupança

Alterações na Poupança PRODUTOS E SERVIÇOS FINANCEIROS INVESTIMENTOS POUPANÇA A conta de poupança foi criada para estimular a economia popular e permite a aplicação de pequenos valores que passam a gerar rendimentos mensalmente.

Leia mais

O lucro líquido registrado no período foi de R$110,7mm. O Patrimônio Líquido encerrou o semestre em R$ 476,5mm. Outros depósitos

O lucro líquido registrado no período foi de R$110,7mm. O Patrimônio Líquido encerrou o semestre em R$ 476,5mm. Outros depósitos RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas e Clientes: Apresentamos as Demonstrações Financeiras do Banco Bonsucesso S.A., relativas aos 6 primeiros de e seu comparativo em. No semestre passado comunicamos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO Administração e Análise Financeira e Orçamentária 2 Copyright Pereira, F. I. Prof.

Leia mais

Aula 2 Contextualização

Aula 2 Contextualização Gestão Financeira Aula 2 Contextualização Prof. Esp. Roger Luciano Francisco Segmentos do Mercado Financeiro Mercado monetário Mercado de crédito Mercado de capitais Mercado de câmbio Mercado Monetário

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS COMBINADAS

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS COMBINADAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS COMBINADAS 31 DE MARÇO DE 2008 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS COMBINADAS SANTANDER - EM 31 DE MARÇO DE 2008 E 2007 ÍNDICE Pág. Comentário de Desempenho... 1 Demonstrações Financeiras

Leia mais

Este relatório foi impresso em papel nacional, produzido dentro dos mais rigorosos padrões mundiais de qualidade ambiental: totalmente sem cloro, com

Este relatório foi impresso em papel nacional, produzido dentro dos mais rigorosos padrões mundiais de qualidade ambiental: totalmente sem cloro, com Banco do Brasil Análise do Desempenho Exercício 2003 Este relatório foi impresso em papel nacional, produzido dentro dos mais rigorosos padrões mundiais de qualidade ambiental: totalmente sem cloro, com

Leia mais

Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012

Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012 Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012 Demonstrações Financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T14

Divulgação de Resultados 1T14 Divulgação de Resultados 1T14 A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private-equity ( Fundos

Leia mais

Apresentação Bradesco

Apresentação Bradesco Apresentação Bradesco 1 Perspectivas Econômicas 2013 Bradesco 2014 * Consenso do Mercado ** 2015 * 2014 2015 PIB 2,50% 0,50% 1,50% 0,29% 1,01% Juros(SelicFinal) 10,00% 11,00% 11,00% 11,00% 11,38% Inflação(IPCA)

Leia mais

S B U SI S ST S E T M

S B U SI S ST S E T M 2.1 - Estrutura do SFN Análise de Mercado Financeiro Cap. II Sistema Financeiro Nacional Conjunto de instituições financeiras e instrumentos financeiros que visam transferir recursos dos agentes econômicos

Leia mais

Módulo 11 Corretora de Seguros

Módulo 11 Corretora de Seguros Módulo 11 Corretora de Seguros São pessoas físicas ou jurídicas, que se dedicam a angariar e promover contratos entre as Sociedades Seguradoras e seus clientes. A habilitação e o registro do corretor se

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2014 e 2013

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2014 e 2013 KPDS 110896 Conteúdo Relatório da Administração 3 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 4 Balanços patrimoniais 6 Demonstrações de resultados 7 Demonstrações das mutações

Leia mais

Brazilian Securities Companhia de Securitização

Brazilian Securities Companhia de Securitização Brazilian Securities Companhia de Securitização Informações Trimestrais Setembro de 2014 03 de novembro de 2014 Relatório da Administração 3T14 Brazilian Securities Cia de Securitização Relatório da Administração

Leia mais

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO CONHECIMENTOS BANCÁRIOS 1. O Sistema Financeiro Nacional (SFN) é constituído por todas as instituições financeiras públicas ou privadas existentes no país e seu órgão normativo

Leia mais

Nos 9M13, os seguintes indicadores apresentaram desvio em relação ao esperado para o Exercício 2013:

Nos 9M13, os seguintes indicadores apresentaram desvio em relação ao esperado para o Exercício 2013: Sumário do Resultado Resultado Banco do Brasil apresenta Lucro Líquido recorde de R$ 12,7 bilhões nos 9M13 O Banco do Brasil apresentou Lucro Líquido recorde de R$ 12,7 bilhões nos 9M13, desempenho correspondente

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 Ourinvest Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 KPDS 82388 Ourinvest Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Demonstrações

Leia mais

5 Análise do Balanço Patrimonial

5 Análise do Balanço Patrimonial 5 Análise do Balanço Patrimonial Essa análise tem por finalidade confrontar os dados e valores que constituem o Balanço Patrimonial correspondente ao exercício de 2002, com os do mesmo período de 2001,

Leia mais

As Notas Explicativas integram o conjunto das demonstracoes contabeis.

As Notas Explicativas integram o conjunto das demonstracoes contabeis. Fundo de Pensao Multipatrocinado da Ordem dos Advogados do Brasil, Secao do Parana e da Caixa de Assistencia dos Advogados do Parana OABPrevPR CNPJ 00.889.819/000151 Demonstracoes Contabeis dos s Findos

Leia mais

Magazine Luiza S.A. (BM&FBOVESPA: MGLU3) Divulgação de Resultados do 3º Trimestre de 2014 (em IFRS)

Magazine Luiza S.A. (BM&FBOVESPA: MGLU3) Divulgação de Resultados do 3º Trimestre de 2014 (em IFRS) São Paulo, 30 de outubro de 2014 Magazine Luiza S.A. (BM&FBOVESPA: MGLU3) (em IFRS) Lucro líquido cresce 66% no 3T14 e totaliza R$42 milhões Vendas líquidas crescem 18% no trimestre EBITDA cresce 44%,

Leia mais

O cooperativismo de crédito e você

O cooperativismo de crédito e você O cooperativismo de crédito e você A Cooperativa de Crédito é uma instituição financeira sem fins lucrativos de propriedade dos associados, controlada de forma democrática por seus membros, e tem o propósito

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 641 DE 07/10/2010 DOU de 08/10/2010

DELIBERAÇÃO CVM Nº 641 DE 07/10/2010 DOU de 08/10/2010 PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - CVM DELIBERAÇÃO CVM Nº 641 DE 07/10/2010 DOU de 08/10/2010 Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 03(R2) do Comitê de Pronunciamentos Contábeis - CPC sobre

Leia mais

Produtos Bancários. Prof. Luiz Antonio de Carvalho

Produtos Bancários. Prof. Luiz Antonio de Carvalho Professor Luiz Antonio de Carvalho Produtos Bancários PRODUTOS E SERVIÇOS BANCÁRIOS A intermediação financeira é o principal produto de um banco, pois capta o dinheiro excedente e empresta a quem precisa.

Leia mais

Análise Dinâmica do.capital de Giro

Análise Dinâmica do.capital de Giro Análise Dinâmica do.capital de Giro Questões 12.1 O que são contas cíclicas do giro? Dê exemplos de contas ativas e passivas. 12.2 Desenvolva uma análise comparativa entre as medidas do capital circulante

Leia mais

Empresas da Construção Civil/ Empresas de Médio e Grande Porte /Entidades Sem Fins Lucrativos

Empresas da Construção Civil/ Empresas de Médio e Grande Porte /Entidades Sem Fins Lucrativos CAIXA ECONÔMICA FEDERAL AVALIAÇÃO DE RISCO Empresas da Construção Civil/ Empresas de Médio e Grande Porte /Entidades Sem Fins Lucrativos INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS A ANÁLISE

Leia mais

BRB Banco de Brasília S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e 2008

BRB Banco de Brasília S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e 2008 BRB Banco de Brasília S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e 2008 Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e 2008 Conteúdo Edital de convocação 03. Relatório da administração

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2014

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2014 . (Companhia em fase pré-operacional) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2014 KPDS 80296 Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2014 Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre

Leia mais

Medidas de política econômica

Medidas de política econômica Medidas de política econômica Medidas relacionadas ao sistema financeiro e ao mercado de crédito Resolução nº 2.673, de 21.12.1999 - Estabeleceu novas características das Notas do Banco Central do Brasil

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário - FII Top Center (Administrado pela Pentágono Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A.

Fundo de Investimento Imobiliário - FII Top Center (Administrado pela Pentágono Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Fundo de Investimento Imobiliário - FII Top Center (Administrado pela Pentágono Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A.) Demonstrações Financeiras Referentes ao Período de 19 de Maio (Data

Leia mais

RELEASE DE RESULTADOS. 3 Trimestre de 2012

RELEASE DE RESULTADOS. 3 Trimestre de 2012 RELEASE DE RESULTADOS 3 Trimestre de 2012 1 RELEASE DE RESULTADOS 3 Trimestre de 2012 MENSAGEM DA ADMINISTRAÇÃO O BANCO PAULISTA anuncia seus resultados do 3T12. O BANCO PAULISTA é reconhecido pela sua

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO Parte II. Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1

DIREITO TRIBUTÁRIO Parte II. Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1 DIREITO TRIBUTÁRIO Parte II Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1 TRIBUTO Definido no artigo 3º do CTN como sendo toda prestação pecuniária compulsória (obrigatória), em moeda ou cujo valor

Leia mais

Apresentação Institucional 2012 APIMEC-SP

Apresentação Institucional 2012 APIMEC-SP Apresentação Institucional 2012 APIMEC-SP Agenda Visão Geral do Mercado Brasileiro de Crédito Descrições e Mercado de Capitais Resultados 2012 Peers Página 3 Página 7 Página 10 Página 32 Anexo Página 37

Leia mais

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDO DE INVESTIMENTO CAIXA FIDELIDADE II RENDA FIXA CREDITO PRIVADO LONGO PRAZO

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDO DE INVESTIMENTO CAIXA FIDELIDADE II RENDA FIXA CREDITO PRIVADO LONGO PRAZO FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDO DE INVESTIMENTO CAIXA FIDELIDADE II RENDA FIXA CREDITO PRIVADO LONGO PRAZO Data de Competência: 06/10/2015 1. CNPJ 10.322.668/0001-09 2. PERIODICIDADE MÍNIMA

Leia mais

Divulgação de Resultados 2014

Divulgação de Resultados 2014 São Paulo - SP, 10 de Fevereiro de 2015. A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private-equity

Leia mais

Plano de Contas Pag.: 1 de 7

Plano de Contas Pag.: 1 de 7 Plano de Contas Pag.: 1 de 7 1 ATIVO 1.1 ATIVO CIRCULANTE 1.1.1 ATIVO DISPONIVEL 1.1.1.001 NUMERARIOS 1.1.1.001.0001-0 CAIXA PEQUENO 11110 X 1.1.1.002 BANCOS CONTA MOVIMENTO 1.1.1.002.0001-5 BANCO BRADESCO

Leia mais

Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras Fundo de Investimento Imobiliário Hermes (Administrado por Rio Bravo Investimentos - Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários 31 de dezembro de 2011 Demonstrações financeiras

Leia mais

Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2015 e 2014

Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2015 e 2014 MSB Bank S.A. Banco de Câmbio KPDS 125950 MSB Bank S.A. Banco de Câmbio Conteúdo Relatório da Administração 3 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 4 Balanços patrimoniais

Leia mais

Prova CEF 2014. Caderno BANCO

Prova CEF 2014. Caderno BANCO PROF CLAUDIO ZORZO Prova CEF 2014 Caderno BANCO Na minha visão existe possibilidade de recurso nas questões 67 e 119. Contudo, entenda que é minha percepção, quem tiver alguma outra interpretação pode

Leia mais

1. CONTEXTO OPERACIONAL

1. CONTEXTO OPERACIONAL 1. CONTEXTO OPERACIONAL O Banco Gerador S.A. ( Banco ), cujas atividades operacionais da carteira de empréstimos foram iniciadas em 23 de março de 2009, foi constituído sob a forma de sociedade anônima

Leia mais

ANEXO - CAPÍTULO III - Modelo de Publicação BALANÇO PATRIMONIAL - ATIVO

ANEXO - CAPÍTULO III - Modelo de Publicação BALANÇO PATRIMONIAL - ATIVO BALANÇO PATRIMONIAL - ATIVO 200Y 200X ATIVO Contas ATIVO CIRCULANTE 12 Disponível 121 Realizável 122+123+124+125+126+127+128+129 Aplicações Financeiras 122 Aplicações Vinculadas a Provisões Técnicas 1221

Leia mais

Demonstrações financeiras consolidadas em 31 de dezembro de 2014

Demonstrações financeiras consolidadas em 31 de dezembro de 2014 KPDS 111114 Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras consolidadas 3 Balanços patrimoniais consolidados 5 Demonstrações de resultados consolidadas 6 Demonstrações

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS O Conselho Federal de Contabilidade e o Comitê de Pronunciamentos Contábeis são responsáveis pela elaboração das normas contábeis comumente aceitas. Sobre essas normas, julgue

Leia mais

Demonstrações Financeiras Banrisul VIP Fundo de Investimento Renda Fixa de Longo Prazo CNPJ: 00.743.026/0001-20

Demonstrações Financeiras Banrisul VIP Fundo de Investimento Renda Fixa de Longo Prazo CNPJ: 00.743.026/0001-20 Demonstrações Financeiras Banrisul VIP Fundo de Investimento Renda Fixa de Longo Prazo (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. - CNPJ: 92.702.067/0001-96) e 2014 com Relatório dos

Leia mais

Magazine Luiza S.A. Divulgação de Resultados do 2º Trimestre de 2014

Magazine Luiza S.A. Divulgação de Resultados do 2º Trimestre de 2014 . São Paulo, 31 de julho de 2014 - Magazine Luiza S.A. (BM&FBOVESPA: MGLU3), uma das maiores redes varejistas com foco em bens duráveis e com grande presença nas classes populares do Brasil, divulga seus

Leia mais

QUESTÕES PARA A PROVA ESPECÍFICA PARA ATUAÇÃO NA ÁREA DE AUDITORIA NAS INSTITUIÇÕES REGULADAS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL (BACEN)

QUESTÕES PARA A PROVA ESPECÍFICA PARA ATUAÇÃO NA ÁREA DE AUDITORIA NAS INSTITUIÇÕES REGULADAS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL (BACEN) QUESTÕES PARA A PROVA ESPECÍFICA PARA ATUAÇÃO NA ÁREA DE AUDITORIA NAS INSTITUIÇÕES REGULADAS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL (BACEN) 1. As normas e os procedimentos, bem como as Demonstrações Contábeis padronizadas

Leia mais

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Home page: www.crc.org.br - E-mail: cursos@crcrj.org.br Notas Explicativas Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com (Rio de Janeiro)

Leia mais

ATIVOS S.A. SECURITIZADORA DE CRÉDITOS FINANCEIROS 1ª Emissão de Debêntures Simples

ATIVOS S.A. SECURITIZADORA DE CRÉDITOS FINANCEIROS 1ª Emissão de Debêntures Simples ATIVOS S.A. SECURITIZADORA DE CRÉDITOS FINANCEIROS 1ª Emissão de Debêntures Simples ÍNDICE CARACTERIZAÇÃO DA EMISSORA...3 CARACTERÍSTICAS DAS DEBÊNTURES...3 DESTINAÇÃO DE RECURSOS...5 ASSEMBLÉIAS DE DEBENTURISTAS...6

Leia mais

Teleconferência de Resultados 4T09

Teleconferência de Resultados 4T09 Teleconferência de Resultados 4T09 Índice Comentários de Mercado Pág. 3 Qualidade da Carteira de Crédito Pág. 10 Liquidez Pág. 4 Índice de Eficiência Pág. 14 Funding e Carteira de Crédito Pág. 5 Rentabilidade

Leia mais

Melhoria do marco regulatório para o crédito. Ministério da Fazenda 20 de Agosto, 2014

Melhoria do marco regulatório para o crédito. Ministério da Fazenda 20 de Agosto, 2014 Melhoria do marco regulatório para o crédito Ministério da Fazenda 20 de Agosto, 2014 1 Objetivo das medidas: melhorar a produtividade e a competitividade da economia Liberação de compulsório e redução

Leia mais

1. CONCEITOS 2. OBJETIVOS

1. CONCEITOS 2. OBJETIVOS 1. CONCEITOS A Demonstração do Fluxo de Caixa demonstra a origem e a aplicação de todo o dinheiro que transitou pelo Caixa em um determinado período e o resultado desse fluxo (Iudícibus e Marion, 1999).

Leia mais

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES. Demonstrações financeiras Individuais e Consolidadas 31 de dezembro de 2014 e 2013

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES. Demonstrações financeiras Individuais e Consolidadas 31 de dezembro de 2014 e 2013 Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES Demonstrações financeiras Individuais e Consolidadas 31 de dezembro de 2014 e 2013 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações

Leia mais

ABN AMRO REAL Demonstrações Financeiras 2006

ABN AMRO REAL Demonstrações Financeiras 2006 ABN AMRO REAL Demonstrações Financeiras 2006 Banco ABN AMRO Real S.A. e Empresas ABN AMRO no Brasil 31 de dezembro de 2006 e 2005 com Parecer dos Auditores Independentes 3 Relatório da Administração 4

Leia mais

MÁXIMA S/A. CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS. Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2014

MÁXIMA S/A. CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS. Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2014 MÁXIMA S/A. CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2014 Crowe Horwath Bendoraytes & Cia. Member of Crowe Horwath International Avenida das Américas, 4200 - Bl.4

Leia mais

Circulante 2.490.627 2.197.604 Circulante 2.097.717 2.123.381. Disponibilidades 19.597 24.274 Depósitos 14 1.239.262 1.041.795

Circulante 2.490.627 2.197.604 Circulante 2.097.717 2.123.381. Disponibilidades 19.597 24.274 Depósitos 14 1.239.262 1.041.795 Banco Sumitomo Mitsui Brasileiro S.A. Balanços patrimoniais em 30 de junho de 2014 e 2013 (Em milhares de Reais) Nota Nota Ativo explicativa Passivo explicativa Circulante 2.490.627 2.197.604 Circulante

Leia mais

Análise do Desempenho de 2009

Análise do Desempenho de 2009 B a n c o A. J. R e n n e r R e l a t ó r i o A n u a l 2 0 0 9 Análise do Desempenho de 2009 1e Perspectivas para 2010 O Banco Renner é um Banco múltiplo que opera as carteiras de crédito ao consumidor

Leia mais

Relatório do Plano de Contas

Relatório do Plano de Contas 1 10000 ATIVO 1.01 10001 ATIVO CIRCULANTE 1.01.01 10002 DISPONIVEL 1.01.01.01 10003 CAIXA 1.01.01.01.00001 10004 CAIXA GERAL S 1.01.01.02 10020 BANCO CONTA MOVIMENTO 1.01.01.02.00001 10021 BANCO DO BRASIL

Leia mais

CAIXA FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO - PAPEIS IMOBILIÁRIOS - FII

CAIXA FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO - PAPEIS IMOBILIÁRIOS - FII PROSPECTO DEFINITIVO DE DISTRIBUIÇÃO PÚBLICA DE COTAS DA PRIMEIRA EMISSÃO DO CAIXA FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO - PAPEIS IMOBILIÁRIOS - FII CNPJ/MF nº 19.768.965/0001-57 Administradora/Coordenador

Leia mais

CONTATO RI. Alexandre Pedro Ponzi. Gerente de RI. Tel: +55 (51) 3215-3232. Email: ri@banrisul-ri.com.br. Website de RI: www.banrisul.com.

CONTATO RI. Alexandre Pedro Ponzi. Gerente de RI. Tel: +55 (51) 3215-3232. Email: ri@banrisul-ri.com.br. Website de RI: www.banrisul.com. 1 ÍNDICE DESTAQUES FINANCEIROS - EXERCÍCIO DE 2007 E 4T07... 4 DESTAQUES OPERACIONAIS - EXERCÍCIO DE 2007 E 4T07... 6 PERSPECTIVAS DE MERCADO... 7 EVENTOS RELEVANTES... 8 INDICADORES ECONÔMICO-FINANCEIROS...

Leia mais

BANRISUL PATRIMONIAL FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA DE LONGO PRAZO CNPJ/MF nº 04.828.795/0001-81

BANRISUL PATRIMONIAL FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA DE LONGO PRAZO CNPJ/MF nº 04.828.795/0001-81 BANRISUL PATRIMONIAL FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA DE LONGO PRAZO CNPJ/MF nº 04.828.795/0001-81 PROSPECTO AVISOS IMPORTANTES I. A CONCESSÃO DE REGISTRO PARA A VENDA DAS COTAS DESTE FUNDO NÃO IMPLICA,

Leia mais

valores Sociedades de capitalização Entidades fechadas de previdência complementar (fundos de pensão)

valores Sociedades de capitalização Entidades fechadas de previdência complementar (fundos de pensão) CONHECIMENTOS BANCÁRIOS PROFESSOR RODRIGO O. BARBATI 1 ESTRUTURA DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composto de um conjunto de instituições

Leia mais

Banco Caixa Geral - Brasil S.A. CNPJ nº 33.466.988/0001-38

Banco Caixa Geral - Brasil S.A. CNPJ nº 33.466.988/0001-38 Banco Caixa Geral - Brasil S.A. CNPJ nº 33.466.988/0001-38 ÍNDICE RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO... 3 BALANÇOS PATRIMONIAIS... 7 DEMONSTRAÇÕES DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO... 7 DEMONSTRAÇÕES DO RESULTADO...

Leia mais

Destaques Financeiros e Operacionais Consolidados

Destaques Financeiros e Operacionais Consolidados nte São Paulo, 7 de maio de 2010 A General Shopping Brasil S/A [BM&FBovespa: GSHP3], empresa com expressiva participação no mercado de shoppings centers do Brasil, anuncia hoje seus resultados do primeiro

Leia mais

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012.

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012. PIS E COFINS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012. Sumário: 1 ENTIDADES FINANCEIRAS 2 - DA ALÍQUOTA 3 - DA BASE DE CÁLCULO 3.1 Receitas Incorridas

Leia mais

CRÉDITO CORPORATIVO BRASIL FUNDO DE INVESTIMENTO EM DIREITOS CREDITÓRIOS R$2.880.000.000,00

CRÉDITO CORPORATIVO BRASIL FUNDO DE INVESTIMENTO EM DIREITOS CREDITÓRIOS R$2.880.000.000,00 Prospecto de acordo com o código ANBID de regulação e melhores práticas para os fundos de investimentos Prospecto Definitivo de Distribuição Pública das Quotas da Primeira Emissão do Fundo CRÉDITO CORPORATIVO

Leia mais

Gilberto Maktas Meiches Presidente do Conselho de Administração MENSAGEM DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DESEMPENHO DO CRÉDITO NO BRASIL

Gilberto Maktas Meiches Presidente do Conselho de Administração MENSAGEM DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DESEMPENHO DO CRÉDITO NO BRASIL Banco Sofisa S.A. Demonstrações Financeiras Anuais Completas 2014 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 2014 MENSAGEM DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Os números de 2014 do Banco Sofisa mostram evolução positiva em diversos

Leia mais

1. (FGV/BESC/2004) É uma operação de crédito direto ao consumidor, com interveniência do vendedor, usado por lojas de bens de consumo duráveis ou não:

1. (FGV/BESC/2004) É uma operação de crédito direto ao consumidor, com interveniência do vendedor, usado por lojas de bens de consumo duráveis ou não: 1. (FGV/BESC/2004) É uma operação de crédito direto ao consumidor, com interveniência do vendedor, usado por lojas de bens de consumo duráveis ou não: (A) CDC; (B) CDCi; (C) CDI; (D) crédito pessoal; (E)

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB BV2010) Índice OBJETIVO Item ALCANCE

Leia mais

Tabela de Tarifas Pessoa Física - Serviços Diferenciados Divulgada em 16.05.2014 Vigência a partir de 16.06.2014

Tabela de Tarifas Pessoa Física - Serviços Diferenciados Divulgada em 16.05.2014 Vigência a partir de 16.06.2014 Vigência a partir de 16.06.2014 Produtos e Serviços / Periodicidade Cobrança por Tarifa - R$ Cheques - Remessa de talão via Correios Evento 6,00 Extratos - Extrato de Poupança, via Correios Extrato 2,00

Leia mais

Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2013 e 2012

Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2013 e 2012 KPDS 81169 Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 3 Balanços patrimoniais 5 Demonstrações de resultados 6 Demonstrações das mutações do patrimônio líquido 7 Demonstrações

Leia mais

3. Pronunciamento Técnico CPC 03 Demonstração dos Fluxos de Caixa

3. Pronunciamento Técnico CPC 03 Demonstração dos Fluxos de Caixa TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 3. Pronunciamento Técnico CPC 03 Demonstração dos Fluxos de Caixa Aplicação 1 - As instituições financeiras e demais instituições

Leia mais

BANRISUL PATRIMONIAL FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA DE LONGO PRAZO CNPJ/MF 04.828.

BANRISUL PATRIMONIAL FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA DE LONGO PRAZO CNPJ/MF 04.828. BANRISUL PATRIMONIAL FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA DE LONGO PRAZO CNPJ/MF nº 04.828.795/0001-81 PROSPECTO AS INFORMAÇÕES CONTIDAS NESSE PROSPECTO ESTÃO EM CONSONÂNCIA COM O REGULAMENTO DO FUNDO, PORÉM

Leia mais

GAIA SECURITIZADORA S.A 5ª Emissão de CRI 33º série

GAIA SECURITIZADORA S.A 5ª Emissão de CRI 33º série GAIA SECURITIZADORA S.A 5ª Emissão de CRI 33º série ÍNDICE CARACTERIZAÇÃO DA EMISSORA...3 CARACTERÍSTICAS DOS CERTIFICADOS...3 DESTINAÇÃO DE RECURSOS...5 FUNDO RESERVA...5 ASSEMBLÉIAS DOS TITULARES DOS

Leia mais

Magazine Luiza S.A. (BM&FBOVESPA: MGLU3) Divulgação de Resultados do 1º Trimestre de 2015 (em IFRS)

Magazine Luiza S.A. (BM&FBOVESPA: MGLU3) Divulgação de Resultados do 1º Trimestre de 2015 (em IFRS) São Paulo, 07 de maio de 2015 Magazine Luiza S.A. (BM&FBOVESPA: MGLU3) (em IFRS) DESTAQUES 1T15 Ganho de participação de mercado no 1T15 Receita líquida basicamente estável em R$2,3 bilhões EBITDA 5,5%

Leia mais

Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras Exercícios Findos em 31 de Dezembro de 2009 e 31 de Dezembro de 2008 Conteúdo Relatório da Administração Balanço Patrimonial Demonstração do Resultado Demonstrações das Mutações

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB BV2010) Índice OBJETIVO Item ALCANCE

Leia mais

4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA. 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis:

4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA. 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis: 4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA Exercícios: 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis: Banco 100.000 Duplicatas a receber 80.000 Financiamentos 80.000

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.4- Fundos de Investimentos 2ª parte:

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.4- Fundos de Investimentos 2ª parte: Conhecimentos Bancários Item 2.1.4- Fundos de Investimentos 2ª parte: Conhecimentos Bancários Item 2.1.4- Fundos de Investimentos: São condomínios, que reúnem aplicações de vários indivíduos para investimento

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T15

Divulgação de Resultados 1T15 São Paulo - SP, 06 de Maio de 2015. A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private equity

Leia mais

Divulgação de resultados 3T13

Divulgação de resultados 3T13 Brasil Brokers divulga seus resultados do 3º Trimestre do ano de 2013 Rio de Janeiro, 13 de novembro de 2013. A Brasil Brokers Participações S.A. (BM&FBovespa: BBRK3) uma empresa com foco e atuação no

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.2- Aplicação de Recursos Operações Ativas

Conhecimentos Bancários. Item 2.2- Aplicação de Recursos Operações Ativas Conhecimentos Bancários Item 2.2- Aplicação de Recursos Operações Ativas Conhecimentos Bancários Item 2.2- Aplicação de Recursos Operações Ativas CAPTAÇÃO DE RECURSOS APLICAÇÃO DE RECURSOS INSTITUIÇÃO

Leia mais

Demonstrações contábeis consolidadas do Conglomerado Prudencial Junho/2014

Demonstrações contábeis consolidadas do Conglomerado Prudencial Junho/2014 Demonstrações contábeis consolidadas do Conglomerado Prudencial Junho/ Deloitte Touche Tohmatsu RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS CONSOLIDADAS DO CONGLOMERADO PRUDENCIAL

Leia mais

Anexo I PROGRAMA DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA INVESTIMENTOS PERGUNTAS FREQÜENTES

Anexo I PROGRAMA DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA INVESTIMENTOS PERGUNTAS FREQÜENTES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA INVESTIMENTOS PERGUNTAS FREQÜENTES 1. AÇÕES Quais os riscos que eu corro investindo em ações? Quando se investe em uma ação específica, o investidor está comprando o risco

Leia mais

MERCADO FINANCEIRO E SEGMENTOS. Prof. Esp. Frederico Bernardo Silva.

MERCADO FINANCEIRO E SEGMENTOS. Prof. Esp. Frederico Bernardo Silva. MERCADO FINANCEIRO E SEGMENTOS Prof. Esp. Frederico Bernardo Silva. 1 Segmentação do Mercado Financeiro MERCADO MONETÁRIO MERCADO DE CRÉDITO MERCADO FINANCEIRO MERCADO DE CAPITAIS MERCADO CAMBIAL JUROS:

Leia mais

4º trimestre de 2014 Gerenciamento de Riscos Pilar 3 (Circular 3678/13)

4º trimestre de 2014 Gerenciamento de Riscos Pilar 3 (Circular 3678/13) 4º trimestre de 2014 Gerenciamento de Riscos Pilar 3 (Circular 3678/13) Índice 1. Sumário... 4 Objetivo... 4 Resumo... 4 2. Balanço patrimonial... 5 2.1 Informações relevantes referentes às instituições

Leia mais

RELATÓRIO DE RELAÇÕES COM INVESTIDORES RESULTADOS 1T10 156.512.000,00

RELATÓRIO DE RELAÇÕES COM INVESTIDORES RESULTADOS 1T10 156.512.000,00 RELATÓRIO DE RELAÇÕES COM INVESTIDORES RESULTADOS 156.512.000,00 Resultados do RESULTADOS São Paulo, 14 de maio de 2010 A BRADESPAR [BM&FBOVESPA: BRAP3 (ON), BRAP4 (PN); LATIBEX: XBRPO (ON), XBRPP (PN)]

Leia mais