Fundamentos da Eletrostática Aula 08. O Potencial Elétrico. O Potencial Elétrico

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fundamentos da Eletrostática Aula 08. O Potencial Elétrico. O Potencial Elétrico"

Transcrição

1 O Potencil Elétrico Fundmentos d Eletrostátic Aul 8 O Potencil Elétrico Prof Alex G Dis Prof Alysson F Ferrri Imgine ue desejmos mover um crg teste de um ponto té um ponto b em um região do espço onde existe um cmpo elétrico E (r) A forç elétric sobre crg é, em cd ponto, dd por F (r) = E (r), e pr efetivmente mover prtícul, deve-se exercer sobre el um forç suciente pelo menos pr compensr uel exercid pelo cmpo elétrico, ou sej, F plic (r) = E (r) O trblho mínimo ue precismos exercer sobre prtícul, pr movê-l, é ddo por um integrl de cminho, W b = ˆ b F plic d l = ˆ b E d l (Este é o trblho mínimo pois sempre podemos exercer um forç mior sobre prtícul, ue chegrá em b com mior energi cinétic; como você deve estr imginndo, estmos cminhndo em direção o conceito de energi potencil, e por isso não ueremos incrementr energi cinétic d prtícul) W b é justmente energi potencil ssocid à forç eletrostátic Podemos gor provr o importnte fto de ue est forç é conservtiv Pr tnto, clculmos o trblho feito sobre prtícul pr levá-l de pr b pelo cminho γ, e depois trzê-l de volt de b pr pelo cminho γ 2, como n gur NH28 - Fundmentos d Eletrostátic - 29t NH28 - Fundmentos d Eletrostátic - 29t

2 Temos: W b + W b = ˆ b (γ ) ˆ b (γ 2 ) usndo o teorem de Stokes, W b mostrr ue o cmpo elétrico é irrotcionl + W b A expressão mis gerl pr o cmpo elétrico é, E (r) = ˆ E d l E d l = E d l, γ=γ γ 2 ˆ = ( E) d, S onde S é um superfície tendo γ como bord Clculndo explicitmente E, vmos r r r r 3d, onde d pode ssumir diferentes forms, conforme o tipo de distribuição de crg ue estmos considerndo, 8 >< d = >: P i iδ 3 `r r i d3 V ρ `r d 3 V σ `r d λ `r dl (distribuição de crgs pontuis) (distribuição contínu de crgs) (distribuição de crgs num superfície) (distribuição de crgs num linh) Clculndo E, supondo ue podemos trocr ordem entre integrção e derivção, E (r) = ˆ r r r r 3! d Lembre do ue você demonstrou n List : (fv) = f V V f «r r Portnto: r r 3 = r r 3 `r r `r r r r 3 Agor: `r r = e r r r r 3 = 3 r r! r r r r 3 = E = 5 Dí, concluímos ue Isto nos permite concluir, já ue os cminhos γ e γ 2 são rbitrários, ue γ pr uluer curv fechd γ E d l =, Isto signic ue integrl de linh de E independe do cminho, o ue é o mesmo ue dizer ue F é um forç conservtiv (lembre-se ue F e E diferem pens pel multiplicção pel crg de teste ) Se F é conservtiv, então pode-se denir um função energi potencil U tl ue F = U D mesm form, pode-se encontrr um cmpo esclr ϕ (r) tl ue E = ϕ Isto tmbém segue do Teorem de Helmholtz ue foi citdo n ul 4 Segundo este teorem, E = E (r) = ϕ (r) NH28 - Fundmentos d Eletrostátic - 29t 2 NH28 - Fundmentos d Eletrostátic - 29t 3

3 Não é difícil escrever explicitmente um fórmul pr função ϕ, prtindo de ˆ b ˆ b E d l = ϕ d l = ϕ (r b ) ϕ (r ), ue podemos reescrever, mudndo convenientemente os nomes ds vriáveis, como ϕ (r) = E d l + ϕ ` Um vez cdo um ponto referencil, eução cim dene um função ue só depende de r O ue grnte isso é justmente o fto d integrl de E não depender de cminho Note ue, por construção, o ponto referencil é tl ue ϕ ` = Dest form, obtemos, ϕ (r) = E d l usndo d l = drˆr + rdθ ˆθ + r sin θdφ ˆφ, ϕ (r) = E `r d l = = = ˆr r 2 dr r 2 " r # drˆr + rdθ ˆθ + r sin θdφ ˆφ Somos livres pr escolher o ponto de referênci, ms o potencil ssume um form mis simples se escolhemos no innito, di ϕ (r) = r Se crg não estiver n origem, ms sim n posição r, rref = rref, e onde integrção é feit sobre uluer cminho ligndo r ϕ (r) = r r, (potencil eletrostático de um crg pontul) Por exemplo, pr o cmpo de um crg pontul loclizd n origem, E (r) = ˆr r 2, e, como você já fez n list, é fácil vericr ue E (r) = ϕ (r) = r r r r 3 NH28 - Fundmentos d Eletrostátic - 29t 4 NH28 - Fundmentos d Eletrostátic - 29t 5

4 Uniddes (sistem MKS) F, unidde de forç: Newton N E = F Newton, unidde de cmpo elétrico: = `N Coulomb C dϕ E d l, unidde de potencil: Newton metro = Joule C = volt (V ) Coulomb Observe ue se o ponto de referênci fosse escolhido de mneir diferente, de modo ue ϕ (r) = ϕ (r) ϕ `, com ϕ ` = constnte, ind ssim terímos ϕ (r b ) ϕ (r ) = ϕ (r b ) ϕ (r ) ϕ (r) = ˆ r r d No cso de um distribuição supercil e liner de crg, bst considerr distribuição proprid, ou ϕ (r) = ˆ ϕ (r) = ˆ r r σ `r d, r r λ `r dl A dição de um constnte o potencil é irrelevnte tmbém pr determinção de E prtir de ϕ, ϕ = ϕ Outr observção ser feit é ue, do princípio d superposição, o cmpo produzido por um coleção de crgs, 2,, loclizds nos pontos r, r 2, é ddo por E = E (r) + E 2 (r) +, e o mesmo princípio vle pr o potencil, ϕ (r) = E `r d l = ϕ (r) + ϕ 2 (r) + Pr um conjunto de crgs pontuis i, loclizds nos pontos r i, ϕ (r) = X i r r i, generlizndo pr um distribuição uluer de crg d, i Em noss presentção, determinmos ϕ (r) trvés de um integrl de cminho de E (r) A plen utilidde de ϕ (r) contudo está no cminho contrário: em determinds condições, podemos clculr mis simplesmente ϕ (r), sem conhecer E (r), e então determinr E (r) prtir de ϕ (r) Lembremos lei de Guss em su form diferencil, Como E (r) = ϕ (r), E (r) = ρ (r) ε E (r) = ( ϕ (r)) = 2 ϕ (r) = ρ (r) ε Obtemos ssim um eução diferencil ue relcion o potencil diretmente com distribuição de crgs presentes no problem Este tipo de eução é conhecid por Eução de Poisson: NH28 - Fundmentos d Eletrostátic - 29t 6 NH28 - Fundmentos d Eletrostátic - 29t 7

5 Eução de Poisson Problem 2 ϕ (r) = ρ (r) ε Um cso prticulr, muito importnte, é undo ρ (r) = num dd região do espço; í, o potencil ϕ obedece à eução de Lplce Eução de Lplce Problem: Determinr o potencil eletrostático dentro e for de um esfer mciç de rio R com densidde de crg ρ (r) = r α, com r R, um constnte diferente de zero e α Vmos presentr dus resoluções pr este mesmo problem 2 ϕ (r) = Ds nosss conclusões nteriores, r r = r r r r 3, 2 r r = 4πδ3 `r r, podemos escrever solução d eução de Poisson como já ue 2 ˆ ϕ (r) = ˆ r r ρ `r d 3 V, «r r ρ (r) d3 V = ˆ 2 = = ρ (r) ε «ρ r d 3 V r r ˆ h 4πδ 3 r r i ρ r d 3 V Logo: Primeir solução: Pr proveitr simetri esféric d distribuição de crgs, vmos colocr origem do referencil no centro geométrico d esfer, e orientr o eixo dos z de tl form ue r = zẑ Por outro ldo, r = r ˆr Lembrmos expressão explícit de ˆr : ˆr = sin θ cos φ ˆx + sin θ sin φ ŷ + cos θ ẑ r r = r 2 + (r ) 2 2r r = z 2 + (r ) 2 2zr cos θ NH28 - Fundmentos d Eletrostátic - 29t 8 NH28 - Fundmentos d Eletrostátic - 29t 9

6 Queremos clculr ϕ (r) = ˆ = ρ ˆ 2π ρ `r r r d3 V ˆ π ˆ R `r α z 2 + (r ) 2 2zr cos θ = ρ ˆ π ˆ R `r 2+α sin θ (2π) dr z dθ 2 + (r ) 2 2zr cos θ r 2 sin θ dr dθ dφ «e ϕ (r) = 2ε Ponto dentro d esfer = ε z ˆ R r 2+α 2 z dr "`r 3+α#R 3 + α = R 3+α ε 3 + α z Começmos fzendo integrl em θ : ˆ π sin θ dθ z = 2 + (r ) 2 2zr cos θ» π zr z 2 + (r ) 2 2zr cos θ = «zr z 2 + (r ) 2 + 2zr z 2 + (r ) 2 2zr = zr «(z + r ) 2 (z r ) 2 = zr z + r z r Note ue z e r são sempre positivos, ms o resultdo de z r é diferente se z < r (ponto r dentro d esfer) ou se z > r (ponto r for d esfer) Ponto for d esfer z > r For d esfer, sempre vle ue z > r e portnto Temos ssim, zr `z + r z r = 2 z, z r = z r Neste cso, z < R, ms como r vi de R, precismos seprr o cso em ue r < z e em ue r > z:»ˆ z ϕ (r) = 2ε r 2+α z + r z r zr dr ˆ R + z = ρ»ˆ z r 2+α 2ε ˆ R # r 2+α z + r z r zr dr zr z + r z + r dr # r 2+α zr z + r r + z dr + z = ρ " ˆ 2 z r ˆ # 2+α R dr + r 2+α 2 2ε z z r dr = ρ " z 3+α!# ε z 3 + α + R2+α 2 + α z2+α 2 + α = ρ " R 2+α ε 2 + α z 2+α # (2 + α) (3 + α) Note ue escolhemos inicilmente o referencil tl ue ϕ (r) é n verdde só NH28 - Fundmentos d Eletrostátic - 29t NH28 - Fundmentos d Eletrostátic - 29t

7 função de z Est escolh judou o cálculo, ms é clro ue o resultdo vle pr uluer ponto r for do eixo dos z, bstndo substituir z por r, distânci do ponto considerdo té origem Podemos escrever, portnto: Potencil elétrico 8 < ϕ (r) = h : ε (2+α) R 3+α ε 3+α r R 2+α r2+α (3+α) (for d esfer) i (dentro d esfer) temos 2 (r) = A (α + 3) (α + 2) r α = r α, ε A = ε (α + 3) (α + 2) Pr determinr B, vmos exigir ue (r) sej nito n origem, neste cso, B = Finlmente, () = C e portnto, (r) = ε (α + 3) (α + 2) rα+2 + () Segund solução Vmos resolver eução de Poisson 2 ϕ (r) = ρ (r) ε pr encontrr o potencil ϕ (r) Primeiro, note ue, pel simetri d distribuição de crg, ϕ só pode depender de r, ou sej, ϕ (r) = ϕ (r) Escrevendo explicitmente o Lplcino em coordends esférics, Temos dus regiões considerr: Dentro d Esfer (r < R) Neste cso, temos Vmos tentr o nstz: 2 ϕ (r) = «r 2 ϕ r 2 r r 2 ϕ (r) = ε r α (r) = Ar α+2 + B r + C, For d Esfer (r > R) Neste cso, temos Vmos tentr o nstz: 2 ϕ (r) = ϕ f (r) = B r + C, Como é usul, vmos colocr o zero do potencil no innito, ou sej, Logo, lim ϕ f f (r) = C = C = ϕ f (r) = B r Pr determinr B, temos ue justr s dus soluções no ponto de interfce r = R Vmos exigir continuidde de ϕ no ponto r = R, ou sej, (R) = ε (α + 3) (α + 2) Rα+2 + () = ϕ f (R) = B R B = ε (α + 3) (α + 2) Rα+3 + R () NH28 - Fundmentos d Eletrostátic - 29t 2 NH28 - Fundmentos d Eletrostátic - 29t 3

8 Temos um eução envolvendo B e () Pr determiná-los, precismos de outr eução independente, e vmos encontrá-l derivndo ϕ pr encontrr o cmpo elétrico e exigir continuidde de E Lembre-se, em coordends esférics, ϕ (r) = ϕ r ˆr + ϕ ˆθ r θ + ϕ r sin θ φ ˆφ Logo: E d (r) = (r) E d (r) = ε (α + 3) rα+ˆr E f (r) = ϕ f (r) E f (r) = B r 2 ˆr E d (Rˆr) = E f (Rˆr) ε (α + 3) Rα+3 = B Fic ssim determindo B ; substituindo n eução nterior, () = B R + ε (α + 3) (α + 2) Rα+2 = = ε (α + 3) Rα+2 + ε (α + 3) (α + 2) Rα+2 ε (α + 2) Rα+2 Potencil elétrico (r) = ε (α + 3) (α + 2) rα+2 + ε (α + 2) Rα+2» = R α+2 ε (α + 2) ϕ f (r) = (α + 3) rα+2 ε (α + 3) Rα+3 r Aplicndo o grdiente sobre os potenciis cim obtidos, encontrmos os correspondentes cmpos eletrostáticos, ue são os mesmos ue obtivemos n ul 7, usndo lei de Guss Cmpo Elétrico E d (r) = E f (r) = ε (α + 3) rα+ˆr ε (α + 3) Rα+3 ˆr r 2 Determinmos tods s constntes, cndo ssim perfeitmente determinds s soluções NH28 - Fundmentos d Eletrostátic - 29t 4 NH28 - Fundmentos d Eletrostátic - 29t 5

CDI-II. Resumo das Aulas Teóricas (Semana 12) y x 2 + y, 2. x x 2 + y 2), F 1 y = F 2

CDI-II. Resumo das Aulas Teóricas (Semana 12) y x 2 + y, 2. x x 2 + y 2), F 1 y = F 2 Instituto Superior Técnico eprtmento de Mtemátic Secção de Álgebr e Análise Prof. Gbriel Pires CI-II Resumo ds Auls Teórics (Semn 12) 1 Teorem de Green no Plno O cmpo vectoril F : R 2 \ {(, )} R 2 definido

Leia mais

Função de onda e Equação de Schrödinger

Função de onda e Equação de Schrödinger Função de ond e Equção de Schrödinger A U L A 4 Met d ul Introduzir função de ond e Equção de Schrödinger. objetivos interpretr fisicmente função de ond; obter informção sobre um sistem microscópico, prtir

Leia mais

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou POLINÔMIOS Definição: Um polinômio de gru n é um função que pode ser escrit n form P() n n i 0... n i em que cd i é um número compleo (ou i 0 rel) tl que n é um número nturl e n 0. Os números i são denomindos

Leia mais

Capítulo 1 Introdução à Física

Capítulo 1 Introdução à Física Vetor Pré Vestiulr Comunitário Físic 1 Cpítulo 1 Introdução à Físic Antes de começrem com os conceitos práticos d Físic, é imprescindível pr os lunos de Pré-Vestiulr estrem certificdos de que dominm os

Leia mais

Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Matemática

Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Matemática Vestibulr UFRG 0 Resolução d Prov de Mtemátic 6. Alterntiv (C) 00 bilhões 00. ( 000 000 000) 00 000 000 000 0 7. Alterntiv (B) Qundo multiplicmos dois números com o lgrismo ds uniddes igul 4, o lgrismo

Leia mais

FUNC ~ OES REAIS DE VARI AVEL REAL

FUNC ~ OES REAIS DE VARI AVEL REAL FUNC ~ OES REAIS DE VARI AVEL REAL Clculo Integrl AMI ESTSetubl-DMAT 15 de Dezembro de 2012 AMI (ESTSetubl-DMAT) LIC ~AO 18 15 de Dezembro de 2012 1 / 14 Integrl de Riemnn Denic~o: Sej [, b] um intervlo

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES PROFESSOR: MARCOS AGUIAR MAT. BÁSICA I. FUNÇÕES. DEFINIÇÃO Ddos

Leia mais

Relações em triângulos retângulos semelhantes

Relações em triângulos retângulos semelhantes Observe figur o ldo. Um escd com seis degrus está poid em num muro de m de ltur. distânci entre dois degrus vizinhos é 40 cm. Logo o comprimento d escd é 80 m. distânci d bse d escd () à bse do muro ()

Leia mais

TEORIA E EXERCÍCIOS ANA SÁ BENTO LOURO

TEORIA E EXERCÍCIOS ANA SÁ BENTO LOURO ANÁLISE MATEMÁTICA I TEORIA E EXERCÍCIOS ANA SÁ BENTO LOURO 3 Índice Noções Topológics, Indução Mtemátic e Sucessões. Noções topológics em R............................. Indução mtemátic..............................

Leia mais

Algoritmos de Busca de Palavras em Texto

Algoritmos de Busca de Palavras em Texto Revisdo 08Nov12 A busc de pdrões dentro de um conjunto de informções tem um grnde plicção em computção. São muits s vrições deste problem, desde procurr determinds plvrs ou sentençs em um texto té procurr

Leia mais

CPV O cursinho que mais aprova na GV

CPV O cursinho que mais aprova na GV O cursinho que mis prov n GV FGV Administrção 04/junho/006 MATEMÁTICA 0. Pulo comprou um utomóvel fle que pode ser bstecido com álcool ou com gsolin. O mnul d montdor inform que o consumo médio do veículo

Leia mais

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação Experiênci I Crcterístic de egulção do Gerdor de Corrente Contínu com Excitção em Derivção 1. Introdução Neste ensio máquin de corrente contínu ANEL trblhrá como gerdor utoexcitdo, não sendo mis necessári

Leia mais

Matemática D Extensivo V. 6

Matemática D Extensivo V. 6 Mtemátic D Extensivo V. 6 Exercícios 0) ) cm Por definição temos que digonl D vle: D = D = cm. b) 6 cm² A áre d lterl é dd pel som ds áres dos qutro ldos que compõe: =. ² =. ( cm)² = 6 cm² c) 96 cm² O

Leia mais

Uma roda gigante tem 10m de raio e possui 12 assentos, igualmente espaçados, e gira no sentido horário.

Uma roda gigante tem 10m de raio e possui 12 assentos, igualmente espaçados, e gira no sentido horário. Questão PROVA FINAL DE MATEMÁTICA - TURMAS DO O ANO DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO ANCHIETA-BA - OUTUBRO DE. ELABORAÇÃO: PROFESSORES OCTAMAR MARQUES E ADRIANO CARIBÉ. PROFESSORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA Um rod

Leia mais

Fernanda da Costa Diniz Nogueira Belo Horizonte, junho de 2007.

Fernanda da Costa Diniz Nogueira Belo Horizonte, junho de 2007. Un i ve r si d d e F e de r l d e M in s G e r i s Institu to de C iê nc i s E t s Dep r t me n t o d e M t e m á t ic E n sin o M éd io e Un iver sit ár io: d ifer ent es bor d gen s n con st r ução d

Leia mais

Aula 4: Autômatos Finitos 2. 4.1 Autômatos Finitos Não-Determinísticos

Aula 4: Autômatos Finitos 2. 4.1 Autômatos Finitos Não-Determinísticos Teori d Computção Primeiro Semestre, 25 Aul 4: Autômtos Finitos 2 DAINF-UTFPR Prof. Ricrdo Dutr d Silv 4. Autômtos Finitos Não-Determinísticos Autômtos Finitos Não-Determinísticos (NFA) são um generlizção

Leia mais

Análise de Variância com Dois Factores

Análise de Variância com Dois Factores Análise de Vriânci com Dois Fctores Modelo sem intercção Eemplo Neste eemplo, o testrmos hipótese de s três lojs terem volumes médios de vends iguis, estmos testr se o fctor Loj tem influênci no volume

Leia mais

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA (II Determinntes) ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL Determinntes Índice 2 Determinntes 2

Leia mais

tem-se: Logo, x é racional. ALTERNATIVA B AB : segmento de reta unindo os pontos A e B. m (AB) : medida (comprimento) de AB.

tem-se: Logo, x é racional. ALTERNATIVA B AB : segmento de reta unindo os pontos A e B. m (AB) : medida (comprimento) de AB. MÚLTIPL ESCOLH NOTÇÕES C : conjunto dos números compleos. Q : conjunto dos números rcionis. R : conjunto dos números reis. Z : conjunto dos números inteiros. N {0,,,,...}. N* {,,,...}. : conjunto vzio.

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE 1 DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-2007 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE 1 DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-2007 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-7 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA Questão Sore números reis, é correto firmr: () Se é o mior número de três lgrismos divisível

Leia mais

9.2 Integração numérica via interpolação polinomial

9.2 Integração numérica via interpolação polinomial Cpítulo 9 Integrção Numéric 9. Introdução A integrção numéric é o processo computcionl cpz de produzir um vlor numérico pr integrl de um função sobre um determindo conjunto. El difere do processo de ntidiferencição,

Leia mais

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELHADOS COM DIFERENTES TIPOS DE TELHAS

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELHADOS COM DIFERENTES TIPOS DE TELHAS A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELADOS COM DIFERENTES TIOS DE TELAS Angéli Cervi, Rosne Bins, Til Deckert e edro A.. Borges 4. Resumo A modelgem mtemátic é um método de investigção que utiliz

Leia mais

CONJUNTOS NUMÉRICOS Símbolos Matemáticos

CONJUNTOS NUMÉRICOS Símbolos Matemáticos CONJUNTOS NUMÉRICOS Símolos Mtemáticos,,... vriáveis e prâmetros igul A, B,... conjuntos diferente pertence > mior que não pertence < menor que está contido mior ou igul não está contido menor ou igul

Leia mais

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600 1 - INTRODUÇÃO Ests instruções têm por objetivo fornecer s orientções pr utilizção do critério pr cálculo d demnd de edifícios residenciis de uso coletivo O referido critério é plicável os órgãos d COPEL

Leia mais

Integral e derivada. Tarcisio Praciano-Pereira. Dep. de Matemática - Univ. Estadual Vale do Acaraú versão 2002

Integral e derivada. Tarcisio Praciano-Pereira. Dep. de Matemática - Univ. Estadual Vale do Acaraú versão 2002 2 Integrl e derivd de funções multivrids Trcisio Prcino-Pereir Dep. de Mtemátic - Univ. Estdul Vle do Acrú versão 22 2 SUMÁRIO 6 Fórmuls Integris 35 6. Generlizções d integrl...................... 35 6..

Leia mais

SOMESB Sociedade Mantenedora de Educação Superior da Bahia S/C Ltda. FTC-EAD Faculdade de Tecnologia e Ciências Ensino a Distância

SOMESB Sociedade Mantenedora de Educação Superior da Bahia S/C Ltda. FTC-EAD Faculdade de Tecnologia e Ciências Ensino a Distância Cálculo II CÁLCULO II SOMESB Sociedde Mntenedor de Educção Superior d Bhi S/C Ltd. Presidente Gervásio Meneses de Oliveir Vice-Presidente Willim Oliveir Superintendente Administrtivo e Finnceiro Smuel

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 2012 1 a Fase RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 2012 1 a Fase RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 01 1 Fse Prof. Mri Antôni Gouvei. QUESTÃO 83. Em 010, o Instituto Brsileiro de Geogrfi e Esttístic (IBGE) relizou o último censo populcionl brsileiro, que mostrou

Leia mais

Algumas Demonstrações Geométricas

Algumas Demonstrações Geométricas Algums Demonstrções Geométrics Mtemátic A 10º Ano Tem I Nos novos progrms, d Mtemátic A refere- se que: No ensino secundário, o estudnte deverá ser solicitdo frequentemente justificr processos de resolução,

Leia mais

Desvendando os Números Reais Cristina Cerri IME-USP Novembro de 2006

Desvendando os Números Reais Cristina Cerri IME-USP Novembro de 2006 Desvendndo os Números Reis Cristin Cerri IME-USP Novembro de 006 Pr que servem os números? Certmente muitos responderão rpidmente que os números servem pr contr. Contudo, se o homem vivesse isoldo, necessidde

Leia mais

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos.

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos. Acoplmento É o gru de dependênci entre dois módulos. Objetivo: minimizr o coplmento grndes sistems devem ser segmentdos em módulos simples A qulidde do projeto será vlid pelo gru de modulrizção do sistem.

Leia mais

Praciano-Pereira, T 1. 15 de abril de 2013. Introdução à integração múltipla Praciano-Pereira, T http://www.sobralmatematica.org. 15 de abril de 2013

Praciano-Pereira, T 1. 15 de abril de 2013. Introdução à integração múltipla Praciano-Pereira, T http://www.sobralmatematica.org. 15 de abril de 2013 Introdução à integrção múltipl Prcino-Pereir, T http://www.sobrlmtemtic.org 5 de bril de Introdução à integrl múltipl Prcino-Pereir, T 5 de bril de http://www.sobrlmtemtic.org . Integrl geométric Este

Leia mais

INTRODUÇÃO À CRIPTOGRAFIA E AO CÓDIGO RSA

INTRODUÇÃO À CRIPTOGRAFIA E AO CÓDIGO RSA Deprtmento de Mtemátic INTRODUÇÃO À CRIPTOGRAIA E AO CÓDIGO RSA Aluno: Guilherme rederico Lim Orientdores: Mirim Adón e Derek Hcon Introdução A criptogrfi é ciênci que estud s forms e técnics de cifrr

Leia mais

PRODUTOS NOTÁVEIS. Duas vezes o produto do 1º pelo 2º. Quadrado do 1º termo

PRODUTOS NOTÁVEIS. Duas vezes o produto do 1º pelo 2º. Quadrado do 1º termo PRODUTOS NOTÁVEIS QUADRADO DA SOMA DE DOIS TERMOS ( + y) = + y + y Qudrdo d som de dois termos Dus vezes o produto do º pelo º Eemplo : ) ( + y) = +..(y) + (y) = + 6y + 9y. ) (7 + ) = c) ( 5 +c) = d) m

Leia mais

Álgebra Linear Tema # 3. Resolução de problema que conduzem a S.E.L. de infinita solução. Introdução aos problemas com infinitas soluções

Álgebra Linear Tema # 3. Resolução de problema que conduzem a S.E.L. de infinita solução. Introdução aos problemas com infinitas soluções Álgebr Liner Tem # 3. Resolução de problem que conduzem S.E.L. de infinit solução Assunto: Resolução de problems modeld trvés Sistem de Equções Lineres utilizndo comndo Solve no Derive. Introdução os problems

Leia mais

CTM Primeira Lista de Exercícios

CTM Primeira Lista de Exercícios CTM Primeir List de Exercícios. Cite crcterístics típics de cd um ds 5 clsses de mteriis presentds no curso. Metis: resistentes, dúcteis, bons condutores térmicos/elétricos Cerâmics: resistentes, frágeis,

Leia mais

FUNÇÃO EXPONENCIAL. a 1 para todo a não nulo. a. a. a a. a 1. Chamamos de Função Exponencial a função definida por: f( x) 3 x. f( x) 1 1. 1 f 2.

FUNÇÃO EXPONENCIAL. a 1 para todo a não nulo. a. a. a a. a 1. Chamamos de Função Exponencial a função definida por: f( x) 3 x. f( x) 1 1. 1 f 2. 49 FUNÇÃO EXPONENCIAL Professor Lur. Potêcis e sus proprieddes Cosidere os úmeros ( 0, ), mr, N e, y, br Defiição: vezes por......, ( ), ou sej, potêci é igul o úmero multiplicdo Proprieddes 0 pr todo

Leia mais

Resposta de Modelos Dinâmicos Variáveis de estado

Resposta de Modelos Dinâmicos Variáveis de estado epot de Modelo Dinâmio Vriávei de etdo Outro Proeo de Seprção Prof Ninok Bojorge Deprtmento de Engenri uími e de Petróleo UFF ontrole Feedbk... ontinução ontroldor G tudor G V POESSO G P G Senor Introdução

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA FUVEST VESTIBULAR 2010 1 a Fase. RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA FUVEST VESTIBULAR 2010 1 a Fase. RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA FUVET VETIBULAR 00 Fse Prof. Mri Antôni Gouvei. Q-7 Um utomóvel, modelo flex, consome litros de gsolin pr percorrer 7km. Qundo se opt pelo uso do álcool, o utomóvel consome 7 litros

Leia mais

Conheça a sua fatura da água!

Conheça a sua fatura da água! Conheç su ftur d águ! Jneiro de 20 FATURA/RECIBO N.º: 27 VALOR 8,7 Euros Município de Reguengos de Monsrz Titulr / Locl Mord ou sítio de leitur/do contdor Loclidde d mord de leitur NIF: Áre NIPC 07 040

Leia mais

1 a) O que é a pressão atmosférica? No S.I. em que unidades é expressa a pressão?

1 a) O que é a pressão atmosférica? No S.I. em que unidades é expressa a pressão? Escol Secundái Anselmo de Andde Ciêncis Físico - Químics 8º Ano Ano Lectivo 07/08 ACTIVIDADES: Execícios de plicção Pof. Dulce Godinho 1 ) O que é pessão tmosféic? No S.I. em que uniddes é expess pessão?

Leia mais

ANÁLISE DE SISTEMAS DE ENERGIA REPRESENTAÇÃO DE SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA EM REGIME PERMANENTE 4

ANÁLISE DE SISTEMAS DE ENERGIA REPRESENTAÇÃO DE SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA EM REGIME PERMANENTE 4 A E ANÁLE DE TEMA DE ENERGA REREENTAÇÃO DE TEMA DE ENERGA ELÉTRCA EM REGME ERMANENTE 4 ANÁLE DE TEMA DE ENERGA REREENTAÇÃO DE TEMA DE ENERGA ELÉTRCA EM REGME ERMANENTE 4 MODELAGEM DO COMONENTE DE TEMA

Leia mais

UNESP - FEIS - DEFERS

UNESP - FEIS - DEFERS UNESP - FEIS - DEFERS DISCIPLINA: ARMAZENAMENTO E BENEFICIAMENTO DE GRÃOS Exercício Modelo sobre Secgem de Grãos Como técnico contrtdo pr ssessorr u propriedde produtor de milho pr grãos, efetur u nálise

Leia mais

Autor: Carlos Otávio Schocair Mendes

Autor: Carlos Otávio Schocair Mendes Plno de Implntção do no Centro Federl de Educção Tecnológic Celso Suckow d Fonsec CEFET- RJ 1 Autor: Crlos Otávio Schocir Mendes O objetivo desse trblho é fornecer subsídios pr implntção no no CEFET- RJ.

Leia mais

A seqüência correta do ciclo de vida de uma angiosperma, desde o início da formação da flor, é a) gametófito gametas zigoto esporófito esporos

A seqüência correta do ciclo de vida de uma angiosperma, desde o início da formação da flor, é a) gametófito gametas zigoto esporófito esporos 21 e BIOLOGIA A btt-ingles (bttinh) é muito ric em mido. O órgão vegetl que rmzen ess substânci corresponde, e o mido é encontrdo nos, loclizdos no ds céluls. Os espços devem ser preenchidos, corret e

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO - UEMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG COODERNAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO - CPG EDITAL Nº17/2014 PPG/CPG/UEMA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO - UEMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG COODERNAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO - CPG EDITAL Nº17/2014 PPG/CPG/UEMA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO - UEMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG COODERNAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO - CPG EDITAL Nº17/2014 PPG/CPG/UEMA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

Leia mais

SALÃO INTERNACIONAL DO MÓVEL - MILÃO 2015. artchitectours

SALÃO INTERNACIONAL DO MÓVEL - MILÃO 2015. artchitectours SALÃO INTERNACIONAL DO MÓVEL - MILÃO 2015 rtchitectours SALONE INTERNAZIONALE DEL MOBILE DI MILANO 2015 A Feir de Móveis de Milão é mior feir do gênero no mundo. A exposição present o mis recente em mobiliário

Leia mais

UMA (RE)VISÃO DO TEOREMA DE PITÁGORAS E SEU ENSINO. Hugo de Oliveira Motta Serrano 1, Eugenia Brunilda Opazo Uribe

UMA (RE)VISÃO DO TEOREMA DE PITÁGORAS E SEU ENSINO. Hugo de Oliveira Motta Serrano 1, Eugenia Brunilda Opazo Uribe Encontro de Ensino, Pesquis e Extensão, Presidente Prudente, 5 de outuro, 01 64 UMA (RE)VISÃO DO TEOREMA DE PITÁGORAS E SEU ENSINO Hugo de Oliveir Mott Serrno 1, Eugeni Brunild Opzo Urie Universidde Federl

Leia mais

4. APLICAÇÃO DA PROTEÇÃO DIFERENCIAL À PROTEÇÃO DE TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA

4. APLICAÇÃO DA PROTEÇÃO DIFERENCIAL À PROTEÇÃO DE TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA lever Pereir 4. PLÇÃO D PROTEÇÃO DFEREL À PROTEÇÃO DE TRSFORMDORES DE POTÊ 4.. Prinípio ásio s orrentes primáris e seundáris de um trfo de potêni gurdm entre si um relção onheid em ondições de operção

Leia mais

y ax b y x Cálculo I Limite de uma função Sartori, C. S. 01 Revisão - Funções: - Definição:

y ax b y x Cálculo I Limite de uma função Sartori, C. S. 01 Revisão - Funções: - Definição: Cálculo I Limite de um função Srtori, C. S. Revisão - Funções: - Definição: Lemrndo que um função é um relção entre dois conjuntos que oedecem às restrições: ) Est relção envolve um elemento do primeiro

Leia mais

Português. Manual de Instruções. Função USB. Transferindo padrões de bordado para a máquina Atualização fácil da sua máquina

Português. Manual de Instruções. Função USB. Transferindo padrões de bordado para a máquina Atualização fácil da sua máquina Mnul de Instruções Função USB Trnsferindo pdrões de borddo pr máquin Atulizção fácil d su máquin Português Introdução Este mnul fornece descrições sobre trnsferênci de pdrões de borddo de um mídi USB

Leia mais

CONTABILIDADE ANALÍTICA

CONTABILIDADE ANALÍTICA CONTABILIDADE ANALÍTICA Cpítulo Cpítulo 1. COMPONENTES DO CUSTO DE PRODUÇÃO MATÉRIAS (bens dquiridos pr trnsformção): Prims: quels que são trnsformdos noutros produtos Subsidiáris: quels que poim trnsformção

Leia mais

Internação WEB BR Distribuidora v20130701.docx. Manual de Internação

Internação WEB BR Distribuidora v20130701.docx. Manual de Internação Mnul de Internção ÍNDICE CARO CREDENCIADO, LEIA COM ATENÇÃO.... 3 FATURAMENTO... 3 PROBLEMAS DE CADASTRO... 3 PENDÊNCIA DO ATENDIMENTO... 3 ACESSANDO O MEDLINK WEB... 4 ADMINISTRAÇÃO DE USUÁRIOS... 5 CRIANDO

Leia mais

CPV conquistou 324 vagas no INSPER em 2010

CPV conquistou 324 vagas no INSPER em 2010 CPV conquistou vgs no INSPER em 00 Prov Resolvid INSPER Prov A 5/novembro/0 ANÁLISE QUANTITATIVA e LÓGICA Utilize s informções seguir pr s questões 0, 0 e 0. Um empres de trnsporte de crg estim em 0% o

Leia mais

Exemplo 1 Dimensionamento ELU Força Cortante

Exemplo 1 Dimensionamento ELU Força Cortante Exemplo 1 Dimensionmento ELU Forç Cortnte 1. Esquem estruturl, geometri, crgs e resistêncis O presente exemplo mostr rotin e imensionmento à orç cortnte sem que sej necessário esenhr treliç resistente

Leia mais

de uma volta completa da circunferência. Conseqüentemente, a volta completa na circunferência compreende um ângulo de 360 o - Figura 7.1(a).

de uma volta completa da circunferência. Conseqüentemente, a volta completa na circunferência compreende um ângulo de 360 o - Figura 7.1(a). Cpítulo 7 Trigonometri 71 Introdução O número π Dd um circunferênci de rio r, diâmetro d = r, o número π é denido como rzão do comprimento C d circunfeênci pelo seu diâmetro d, isto é, π = C d = C r O

Leia mais

DESAFIOS. π e. π <y < π, satisfazendo seny = 8 x

DESAFIOS. π e. π <y < π, satisfazendo seny = 8 x DESAFIOS ENZO MATEMÁTICA 01-(FUVEST) Sejm x e y dois números reis, com 0

Leia mais

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 6.1 Recursos de curto przo 6.2 Administrção de disponibiliddes 6.3 Administrção de estoques 6.4 Administrção de conts 6.1 Recursos de Curto Przo Administrção Finnceir e

Leia mais

Geometria Analítica e Álgebra Linear

Geometria Analítica e Álgebra Linear Geometri Anlític e Álger Liner 8. Mtrizes Introdução As mtrizes estão presentes no nosso cotidino ds forms mis vrids. No entnto, em gerl não perceemos presenç dels, pois estão envolvids em certos prelhos

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ROBÓTICA. Modelo Cinemático de Robôs Manipuladores

FUNDAMENTOS DE ROBÓTICA. Modelo Cinemático de Robôs Manipuladores FUNDMENTO DE ROBÓTI Mde iemátic de Rbôs Miudres Eem Obter s râmetrs de Devit - Hrteberg r miudr bi. Jut θ d α Pr. is d mr - UDE θ L L B 8 θ L d θ L D Eem Obter s râmetrs de Devit - Hrteberg r miudr bi.

Leia mais

Coordenadas polares. a = d2 r dt 2. Em coordenadas cartesianas, o vetor posição é simplesmente escrito como

Coordenadas polares. a = d2 r dt 2. Em coordenadas cartesianas, o vetor posição é simplesmente escrito como Coordnadas polars Sja o vtor posição d uma partícula d massa m rprsntado por r. S a partícula s mov, ntão su vtor posição dpnd do tmpo, isto é, r = r t), ond rprsntamos a coordnada tmporal pla variávl

Leia mais

Especifique : (a) tipo de deficiência (b) organização das salas (por idades,...) (a) outro tipo de vinculo

Especifique : (a) tipo de deficiência (b) organização das salas (por idades,...) (a) outro tipo de vinculo Agrupmento Escols do Porto Alto Pré Escolr lunos Estb. De Educção Apoio Domicílios 0-1 1-2 2-3 Alunos em list lunos com NEE Alunos esper () 3 4 5 6 * 3 4 5 3 4 5 6 * Educdores sls Q. QDV único pessol não

Leia mais

Electromagnetismo. 2004/2005 Eng. Física / Física e Química / Química (antigo) Compendium de conceitos e Fórmulas (Versão de 13/9/2004)

Electromagnetismo. 2004/2005 Eng. Física / Física e Química / Química (antigo) Compendium de conceitos e Fórmulas (Versão de 13/9/2004) Electromagnetismo 2004/2005 Eng. Física / Física e Química / Química (antigo) Compendium de conceitos e Fórmulas (Versão de 13/9/2004) Robertus Potting Universidade do Algarve Faculdade de Ciências e Tecnologia

Leia mais

Vitamina A Vitamina B Vitamina C Alimento 1 50 30 20 Alimento 2 100 40 10 Alimento 3 40 20 30

Vitamina A Vitamina B Vitamina C Alimento 1 50 30 20 Alimento 2 100 40 10 Alimento 3 40 20 30 Motvção: O prole d det Itrodução os Sstes Leres U pesso e det ecesst dgerr drete s segutes qutddes de vts: g de vt A 6 g de vt B 4 g de vt C El deve suprr sus ecessddes prtr do cosuo de três letos dferetes

Leia mais

Lista de Exercícios 01 Algoritmos Sequência Simples

Lista de Exercícios 01 Algoritmos Sequência Simples Uiversidde Federl do Prá UFPR Setor de Ciêcis Exts / Deprtmeto de Iformátic DIf Discipli: Algoritmos e Estrutur de Ddos I CI055 Professor: Dvid Meotti (meottid@gmil.com) List de Exercícios 0 Algoritmos

Leia mais

Agora imagine pegar essas ondas com seus amigos

Agora imagine pegar essas ondas com seus amigos s v i d l M Com GABRIEL PASTORI Com certez você já sonhou com esse lugr... Agor imgine pegr esss onds com seus migos em um bot trip e um profissionl pr dr dics de surf... de do i Fer 9 1 9 0 UTubro O A

Leia mais

NOTAS DE AULA - ÁLGEBRA LINEAR ESPAÇOS VETORIAIS TRANSFORMAÇÕES LINEARES

NOTAS DE AULA - ÁLGEBRA LINEAR ESPAÇOS VETORIAIS TRANSFORMAÇÕES LINEARES NOAS DE AULA - ÁLGEBRA LINEAR ESPAÇOS VEORIAIS RANSFORMAÇÕES LINEARES ISABEL C C LEIE SALVADOR BA 007 Profª Isbel Cristin C Leite Álgebr Liner ESPAÇOS VEORIAIS Definição: Sej m conjnto V não io sobre o

Leia mais

X A D R E Z C H I N Ê S 1

X A D R E Z C H I N Ê S 1 X A D R E Z C H I N Ê S Aprecid Frncisco d SILVA, Héli Mtiko Yno KODAMA Resumo: As utors buscm mostrr como o uso do jogo xdrez chinês pode tornr-se um recurso enriquecedor especilmente no sentido de propor

Leia mais

CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES

CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES Luiz Frncisco d Cruz Drtmnto d Mtmátic Uns/Buru CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES O lno, tmbém chmdo d R, ond R RR {(,)/, R}, ou sj, o roduto crtsino d R or R, é o conjunto d todos os rs ordndos (,), R El

Leia mais

CAPÍTULO VI FUNÇÕES REAIS DE VARIÁVEL REAL. LIMITES E CONTINUIDADE

CAPÍTULO VI FUNÇÕES REAIS DE VARIÁVEL REAL. LIMITES E CONTINUIDADE 1. Itrodução CAPÍTULO VI FUNÇÕES REAIS DE VARIÁVEL REAL. LIMITES E CONTINUIDADE Ddo um qulquer cojuto A R, se por um certo processo se fz correspoder cd A um e um só y = f() R, diz-se que se defiiu um

Leia mais

Revestimentos com alto desempenho para indústria de petróleo e gás. Desempenho excepcional, excelente serviço ao cliente

Revestimentos com alto desempenho para indústria de petróleo e gás. Desempenho excepcional, excelente serviço ao cliente Petróleo e Gás Revestimentos com lto desempenho pr indústri de petróleo e gás Desempenho excepcionl, excelente serviço o cliente Representndo Revestimentos de polietileno Revestimentos de polipropileno

Leia mais

A MATEMÁTICA NO ITA. (19) 3251-1012 www.elitecampinas.com.br DICAS PARA A PROVA DO ITA

A MATEMÁTICA NO ITA. (19) 3251-1012 www.elitecampinas.com.br DICAS PARA A PROVA DO ITA (9) 5- wwwelitecminscombr A MATEMÁTICA NO ITA O vestibulr de Mtemátic do ITA é, rovvelmente, um dos mis justos do ís Isso se deve o fto dess rov ser reconhecidmente mis brngente ossível: rrmente lgum tóico

Leia mais

Reconciliação e análise de qualidade de dados

Reconciliação e análise de qualidade de dados Aul 6 Reconcilição e nálise de qulidde de ddos Quem tem um relógio, sbe que hors são, quem tem dois relógios tem dúvid Anônimo Reconcilição e nálise de qulidde de ddos Reconcilição de Ddos Conceitos Básicos:

Leia mais

Polícia Rodoviária Federal. Matemática. Profº Pacher. 21 - y = 3 + y 2y = 24 y = 12. x+y=21. x - y = 3 (II)

Polícia Rodoviária Federal. Matemática. Profº Pacher. 21 - y = 3 + y 2y = 24 y = 12. x+y=21. x - y = 3 (II) SISTEMAS DE EQUAÇÕES DEFINIÇÃO Sistem de equções é o conjunto de equções que são stisfeits simultnemente pelos mesmos vlores ds incógnits. As equções que formm um sistem, são denominds equções simultânes.

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA IMPRESSÃO e PRODUÇÃO DE MATERIAL INSTITUCIONAL

TERMO DE REFERÊNCIA IMPRESSÃO e PRODUÇÃO DE MATERIAL INSTITUCIONAL PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DA CASA CIVIL CDURP COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO URBANO DA REGIÃO DO PORTO DO RIO DE JANEIRO TERMO DE REFERÊNCIA IMPRESSÃO e PRODUÇÃO DE MATERIAL

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA - TURMAS DO

PROVA DE MATEMÁTICA - TURMAS DO PROVA DE MATEMÁTICA - TURMAS DO o ANO DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO ANCHIETA-BA - MARÇO DE 0. ELABORAÇÃO: PROFESSORES ADRIANO CARIBÉ E WALTER PORTO. PROFESSORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA Questão 0. (UDESC SC)

Leia mais

Funções de Transferência

Funções de Transferência Funções de Trnsferênc Em teor de controle, funções chmd funções de trnsferênc são comumente usds r crcterzr s relções de entrd-síd de comonentes ou sstems que odem ser descrtos or equções dferencs. FUNÇÃO

Leia mais

Uso Racional de Energia Elétrica em Residências e Condomínios

Uso Racional de Energia Elétrica em Residências e Condomínios Uso Rcionl de Energi Elétric em Residêncis e Condomínios Css Verifique s Condições ds Instlções : Dimensionmento; Execução; Mnutenção; Conservção. Css Verifique os Hábitos de consumo : Form pessol de utilizção

Leia mais

push (c) pop () retorna-se c topo b a topo Figura 10.1: Funcionamento da pilha.

push (c) pop () retorna-se c topo b a topo Figura 10.1: Funcionamento da pilha. 11. Pilhs W. Celes e J. L. Rngel Um ds estruturs de ddos mis simples é pilh. Possivelmente por ess rzão, é estrutur de ddos mis utilizd em progrmção, sendo inclusive implementd diretmente pelo hrdwre d

Leia mais

dados de rotina com filtro, 2011

dados de rotina com filtro, 2011 ddos de rotin com filtro, 2011 ddos de rotin com filtro, 2011, vist d instlção / foto ricrdo bsbum performnce d curdori curdori dniel mttos (rj) pço ds rtes (SP) detlhe: crimbos imgem do folder / fotos

Leia mais

Vo t a ç ão TEXTO DO CONGRESSO. PROPOSTA DO GOVERNO / Partidos da Base PROPOSTAS DAS BANCADAS DE OPOSIÇÃO E / OU ATEMPA / SIMPA

Vo t a ç ão TEXTO DO CONGRESSO. PROPOSTA DO GOVERNO / Partidos da Base PROPOSTAS DAS BANCADAS DE OPOSIÇÃO E / OU ATEMPA / SIMPA PROPOSTA DO GOVERNO / Prtidos d Bse PROPOSTAS DAS BANCADAS DE OPOSIÇÃO do Governo (Mensgem Retifictiv) E / OU ATEMPA / SIMPA Vo t ç ão TEXTO DO CONGRESSO Diverss estrtégis pr tingir s mets Emend 1- exclui

Leia mais

PROJETO DE CONSTRUÇÃO DE FOSSA BIODISGESTORA

PROJETO DE CONSTRUÇÃO DE FOSSA BIODISGESTORA PROJETO DE CONSTRUÇÃO DE FOSSA BIODISGESTORA Acdêmicos: Adenilton Sntos Moreir 123 RESUMO Este rtigo present um projeto de foss biodigestor, que será executdo pelo utor do mesmo, su principl finlidde é

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Fluxos de Caixa Séries Uniformes de Pagamento

Elementos de Análise Financeira Fluxos de Caixa Séries Uniformes de Pagamento Elemetos de Aálise Ficeir Fluxos de Cix Séries Uiformes de Pgmeto Fote: Cpítulo 4 - Zetgrf (999) Mtemátic Ficeir Objetiv 2ª. Ed. Editorção Editor Rio de Jeiro - RJ Séries de Pgmetos - Defiição Defiição:

Leia mais

O seu Gestor de Recursos Humanos e Gestor da Formação!

O seu Gestor de Recursos Humanos e Gestor da Formação! O seu Gestor de Recursos Humnos e Gestor d Formção! Dr() Pesso O seu Gestor de Recursos Humnos e Gestor d Formção! ORIGEM DO CONCEITO Apesr dos tempos contenção, há de muits empress estão disposts vlorizr

Leia mais

PRÉ-REQUISITOS PARA O CÁLCULO

PRÉ-REQUISITOS PARA O CÁLCULO Veremos qui um breve revisão de oneitos de álgebr neessários pr o estudo do Cálulo. É bom lembrr que voê não pode prender Cálulo sem esses pré-requisitos, priniplmente álgebr, que podemos onsiderr omo

Leia mais

Algumas propriedades importantes de circuitos elétricos

Algumas propriedades importantes de circuitos elétricos ág.1 lgumas propriedades importantes de circuitos elétricos 1) Leis de Kirchhoff 1.1) 1ª Lei de Kirchhoff: soma algébrica das correntes em um nó é nula Definições: nó = ligação de dois ou mais componentes

Leia mais

Revisão para o Vestibular do Instituto Militar de Engenharia www.rumoaoita.com & Sistema Elite de Ensino

Revisão para o Vestibular do Instituto Militar de Engenharia www.rumoaoita.com & Sistema Elite de Ensino Revisão pr o Vestibulr do Istituto Militr de Egehri wwwrumooitcom Sistem Elite de Esio CÔNICAS (IME-8/8) Determie equção de um círculo que tgeci hipérbole potos em que est hipérbole é ecotrd pel ret os

Leia mais

UNESP Faculdade de Engenharia do Campus de Guaratinguetá

UNESP Faculdade de Engenharia do Campus de Guaratinguetá UNESP Fculdde de Engenhri do Cmpus de Gurtinguetá Gurtinguetá MARCOS SEITI SUZUKI ANÁISE ESTRUTURA DE TREIÇAS ESPACIAIS NO SOFTWARE EXCE UTIIZANDO O MÉTODO DOS EEMENTOS FINITOS Trblho de Grdução presentdo

Leia mais

O NÚMERO DE OURO E SUAS

O NÚMERO DE OURO E SUAS N. 0, Setembro 010 Ano 01 Edson de OLIVEIRA Thigo Emnuel FERREIRA n. 0 O NÚMERO DE OURO E SUAS MANIFESTAÇÕES NA NATUREZA E NA ARTE p. 64-81 Instituto de Engenhri Arquitetur e Design INSEAD Centro Universitário

Leia mais

UNIVERSIDADE: Curso: Fundações Rasas: Sapatas. Aluno: RA: Professor Douglas Constancio. Data: Americana, março de 2004.

UNIVERSIDADE: Curso: Fundações Rasas: Sapatas. Aluno: RA: Professor Douglas Constancio. Data: Americana, março de 2004. UNIVERSIDDE: Curso: Fundações Rasas: Sapatas luno: R: Professor: Disciplina: Professor Douglas Constancio Fundações I Data: mericana, março de 004. FUNDÇÕES RSS - Fundações rasas ou diretas (SPTS) s sapatas

Leia mais

O Teorema de Pitágoras

O Teorema de Pitágoras A UUL AL A O Teorem de Pitágors Com jud de um pr de esqudros, desene dois triânguos retânguos de mesmo tmno. Represente num dees tur retiv à ipotenus, omo mostr figur d direit: Pr pensr I II III Reortndo

Leia mais

LFS - Canaletas de PVC UFS - Caixas de Tomada para Piso

LFS - Canaletas de PVC UFS - Caixas de Tomada para Piso Ctálogo LFS - UFS LFS - Cnlets de PVC UFS - Cixs de Tomd pr Piso fique conectdo. pense oo. Linh LFS Cnlets de PVC Com lto pdrão estético, s cnlets OBO vlorizm o miente, lém de oferecerem possiilidde de

Leia mais

O degrau de potencial. Caso II: energia maior que o degrau

O degrau de potencial. Caso II: energia maior que o degrau O degrau de potencial. Caso II: energia maior que o degrau U L 9 Meta da aula plicar o formalismo quântico ao caso de uma partícula quântica que incide sobre o degrau de potencial, definido na ula 8. Vamos

Leia mais

Cristais e estruturas cristalinas

Cristais e estruturas cristalinas Cristis e estruturs cristlins 1 O que é um sistem cristlino? O que são cels unitáris? Que informções são necessáris pr descrever um estrutur cristlin? Os cristis são sólidos que possuem ordem de longo

Leia mais

ESTRATÉGIA e-sus ATENÇÃO BÁSICA

ESTRATÉGIA e-sus ATENÇÃO BÁSICA NOTA TÉCNICA 07 2013 ESTRATÉGIA e-sus ATENÇÃO BÁSICA E SISTEMA DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE DA ATENÇÃO BÁSICA - SISAB Brsíli, 19 de bril de 2013 (tulizd em julho de 2013 com Portri nº 1.412, de 10 de julho de

Leia mais

ESTIMATIVA DO IMPACTO DAS VARIAÇÕES DE TEMPERATURA SOBRE O CONSUMO RESIDENCIAL DE ENERGIA ELÉTRICA NO RIO DE JANEIRO

ESTIMATIVA DO IMPACTO DAS VARIAÇÕES DE TEMPERATURA SOBRE O CONSUMO RESIDENCIAL DE ENERGIA ELÉTRICA NO RIO DE JANEIRO ESTIMATIVA DO IMPACTO DAS VARIAÇÕES DE TEMPERATURA SOBRE O CONSUMO RESIDENCIAL DE ENERGIA ELÉTRICA NO RIO DE JANEIRO Gustvo Nciff de Andrde Universidde Federl Fluminense gnndrde@id.uff.br Annibl Prrcho

Leia mais

Análise linear elástica por elementos finitos 3D de um corpo com fenda

Análise linear elástica por elementos finitos 3D de um corpo com fenda Vol. 17, 3, 317 333 (2001) Revist Interncionl de Métodos Numéricos pr Cálculo y Diseño en Ingenierí Análise liner elástic por elementos finitos 3D de um corpo com fend Fernndo V. Antunes, Nuno Rilo e José

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES CONFIDENCIAIS

FICHA DE INFORMAÇÕES CONFIDENCIAIS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA E DEFESA SOCIAL DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO DO ESTADO DO CEARÁ POLÍCIA MILITAR DO CEARÁ CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NO CARGO DE SOLDADO PM

Leia mais

RELAÇÕES DE PREÇO I NSUMO/PRODUTO NA CULTURA DO MILHO DO CENTRO-SUL DO BRASIL

RELAÇÕES DE PREÇO I NSUMO/PRODUTO NA CULTURA DO MILHO DO CENTRO-SUL DO BRASIL RELAÇÕES DE PREÇO I NSUMO/PRODUTO NA CULTURA DO MILHO DO CENTRO-SUL DO BRASIL Elizbeth Christin Swenson Pontes! João Crlos Grci 2 RESUMO - Teve-se por objetivo estudr o comportmento dos preços de insumos

Leia mais

A técnica de controle proposta fundamenta-se

A técnica de controle proposta fundamenta-se rtigo Metodologi pr o controle de qulidde dos estquementos tipo hélice contínu rotin SCCAP A técnic de controle propost fundment-se no utocontrole d execução dos elementos de fundção prtir d medição utomtizd

Leia mais