Sistema de Análise de Erros Humanos na Prevenção De Acidentes Aeronáuticos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistema de Análise de Erros Humanos na Prevenção De Acidentes Aeronáuticos"

Transcrição

1 Sistema de Análise de Erros Humanos na Prevenção De Acidentes Aeronáuticos Leonardo Gomes Saraiva¹ Mestrado em Gestão e Desenvolvimento Regional/UNITAU Aviação do Exército/Universidade de Taubaté Palavras Chave: Erros Humanos, Fatores Humanos, Prevenção de Acidentes Aeronáuticos, Sistema de Análise de Erro Humano. BIOGRAFIA Capitão do Exército, Mestre em Gestão e Desenvolvimento Regional pela Universidade de Taubaté, Especialista em Segurança de Voo e Aeronavegabilidade Continuada pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica, Bacharel em Ciências Militares pela Academia Militar das Agulhas Negras. Oficial de Segurança de Voo formado pelo CENIPA. Piloto de Helicópteros AS365 Dauphin (Pantera) e AS350 Esquilo. Foi instrutor do Centro de Instrução de Aviação do Exército por 4 anos nos cursos de piloto de aeronaves, pilotagem tática, piloto de combate, curso de gerência de aviação e do curso de Mecânicos de aeronaves, onde exerceu ainda a função de OSV e instrutor do módulo de Segurança de Voo para todos os cursos deste Centro. Facilitador de CRM/MRM pelo CENIPA e ANAC, responsável pelo projeto de implantação do MRM na Aviação do Exército. Atualmente exerce a função de OSV e piloto técnico, de produção e de testes no Batalhão de Manutenção e Suprimento, unidade de logística e manutenção, em último nível, da frota de helicópteros da Aviação do Exército. RESUMO Os fatores humanos vêm recebendo constantes investigações de pesquisadores e estudiosos nos últimos anos, principalmente em razão das estatísticas de acidentes aeronáuticos que os apontam como os principais fatores contribuintes nesses eventos. Este estudo teve o objetivo de explorar as características dos fatores humanos com enfoque no ambiente complexo da aviação e de identificar os erros humanos que provocam acidentes aeronáuticos inseridos nos seus respectivos contextos. Teve ainda o objetivo de apresentar uma metodologia sistêmica de análise dos fatores humanos associada a um sistema computacional, suas potencialidades e contribuições para a segurança de voo. Este trabalho tem como relevância a aplicação prática e contextualizada do modelo teórico de Reason e da taxonomia de erros humanos denominada de Human Factor Analysis and Classification System (HFACS) e a concepção de um software que parametriza os dados contextuais e relativos aos fatores contribuintes em acidentes. Possibilitando, realizar cruzamento de dados sob um ponto de vista holístico e sistêmico dos acidentes. A pesquisa foi exploratória descritiva, teve uma abordagem qualitativa quanto à coleta dos dados e uma abordagem quantitativa quanto ao seu tratamento. O levantamento dos dados foi feito por meio da análise documental dos relatórios finais de acidentes investigados pelo Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CENIPA). O tratamento dos dados foi feito através de um Software de Análise, construído pelo autor, denominado Sistema de Análise de Erro Humano que parametrizou dados oriundos da metodologia Human Factor Analysis and Classification System (HFACS) e o cruzamento destes com dados contextuais operacionais. Identificou-se que os erros humanos que provocaram acidentes são recorrentes e frequentes em determinados contextos operacionais e que há uma significativa diferença destas frequências entre os operadores da Aviação Civil. A significância do trabalho reside na construção de um Software de Análise de Erro Humano aplicando a metodologia Human Factor Analysis and Classification System em contextos operacionais que integra informações de forma sistemática podendo utilizá-las em novos projetos e programas de prevenção. Conclui-se que o Sistema de Análise de Erro Humano possibilita identificar os tipos de erros em determinados contextos operacionais e analisar as distinções e particularidades destes entre os operadores, permite integrar informações e estabelecer programas de prevenção de acidentes aeronáuticos específicos a fim de utilizá-las em novos projetos de aeronaves para minimizar os erros humanos e melhorar ainda mais os índices de segurança de voo no Brasil e no Mundo. INTRODUÇÃO O sistema de aviação moderno caracteriza-se por ser cada vez mais diversificado em redes complexas de negócios e nas organizações governamentais. A rápida evolução do ambiente operacional da aviação exige que essas empresas e Anais do 4º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2011) Direitos Reservados - Página 916 de

2 organizações se adaptem continuamente para manter sua viabilidade e relevância. O sistema de aviação também está se tornando cada vez mais global. Poucos negócios desse setor, redes de fornecedores e operações são totalmente realizados dentro de um único país. Características de complexidade, diversidade e mudança aumentaram a importância da boa gestão das funções que são essenciais ao desenvolvimento e à manutenção dos negócios na aviação. Mais do que qualquer outro tipo de negócio ou segmento, a aviação precisa manter uma imagem que dê segurança e confiança ao usuário. Dentre a complexidade de fatores que interferem nessa percepção está a segurança que o transporte ou os meios aéreos oferecem. Os acidentes aeronáuticos são uma das maiores fragilidades dessa área de atuação, e como a atividade aérea é extremamente complexa, as variáveis que se interrelacionam, interdependem e se interconectam, como o homem, a máquina e o meio, devem ser estudados e compreendidos com a máxima profundidade na busca da maior eficiência na prevenção de acidentes aeronáuticos. No entanto, os estudos em Segurança de Aviação nem sempre tiveram uma abordagem sistêmica e complexa. Para a OACI (2009), desde o surgimento da aviação até a década de 70 os estudos centraram-se nos requisitos de projetos sob o ponto de vista dos fatores materiais. Esta fase ficou caracterizada como a era técnica. Segundo a OACI (2009), pouco antes da década de 70 até meados da década de 90 os estudos passaram a considerar os fatores humanos e surgiram treinamentos focados em habilidades sociais. Nesta fase, denominada a Era de Ouro dos fatores humanos, o erro humano foi considerado indescritível e onipresente. Ainda conforme a OACI (2009), a desvantagem dos esforços nos fatores humanos durante uma parte significativa da Era Dourada foi a tendência de centrar-se no indivíduo, com pouca atenção ao contexto operacional em que as pessoas realizam suas tarefas. Pouco antes do começo da década de 1990, passou-se a considerar que os indivíduos não operavam no vácuo, sozinhos, mas definidos dentro de contextos operacionais. Isso marcou o início da Era Organizacional, quando a segurança de voo começou a ser vista de uma perspectiva sistêmica, englobando organização, fatores humanos e técnicos, conforme a Figura1. Daí surgiu o conceito de acidente organizacional. Os fatores humanos tornaram-se o foco das pesquisas no intuito de aumentar os índices de segurança de aviação, assumindo a posição central desse sistema. Passou-se a estudar as características físicas e psicossociais inseridas nos contextos organizacionais e operacionais, que, diferentemente da tecnologia em constante inovação, pouco ou nada evoluíram e não evoluirão na mesma medida das tecnologias incorporadas aos novos projetos de aeronaves ou de infraestrutura. Faz-se mister, ao analisar um evento ou um projeto, bem como na gestão dos fatores humanos, permanecer aberto e flexível e evitar julgamentos precipitados de causa e efeito, até a análise ampla e contextualizada dos fatos sob o ponto de vista do operador. Isso é importante para a melhor compreensão do real problema, que está inserido no contexto dos sistemas complexos de alto grau de risco. Assim, estudar os fatores humanos, criar ambientes onde as variáveis se ajustem em suas características, e conhecer as condicionantes que favorecem a ocorrência de erros no ambiente de trabalho e inseridos na organização são aspectos vitais para tornar a atividade aérea mais segura e fomentar o seu desenvolvimento. Nesse sentido, uma pergunta fundamental que respondida proporciona uma melhor compreensão acerca das dinâmicas dos acidentes é: quais são os tipos de erros humanos que provocam acidentes aeronáuticos e em que contextos eles são mais frequentes? Este trabalho analisa 65 relatórios finais de acidentes aeronáuticos disponíveis no site do CENIPA entre os anos de 2007 e 2009 e realiza um estudo dos erros humanos ocorridos em acidentes aeronáuticos na aviação civil brasileira, dentro do seu contexto, utilizando o SAEH (Sistema de Análise de Erro Humano) tendo como base a metodologia HFACS (Human Factor Analysis and Classification System). REVISÃO DE LITERATURA Durante a revisão de literatura buscou-se reunir os conceitos e abordagens dos fatores humanos essenciais para o entendimento da concepção do sistema computacional, das análises e dos dados estatísticos estudados. Assim, nesta revisão há uma breve conceituação de sistemas complexos, conceitos de fatores humanos, erros humanos, HFACS, riscos e de gerenciamento de riscos. Sistemas Complexos A teoria dos sistemas surgiu na década de 40, abordando aspectos que os reducionistas não conseguiam explicar. Segundo Bertalanffy (1950a), ao analisar a evolução da ciência moderna, encontra-se o fenômeno notável em vários ramos da ciência, na qual há semelhanças gerais entre concepções e pontos de vista que evoluíram de forma independente. Segundo Neves e Neves (2006), as diferenças entre o modo de pensar de forma linear e sistêmica são apresentadas a seguir, com o objetivo de elucidar as diferenças conceituais. Figura 1 - A evolução do pensamento em segurança de voo. Fonte: OACI (2009). As premissas dos dois pensamentos, em relação ao pensamento linear, podem ser assim resumidas; Anais do 4º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2011) Direitos Reservados - Página 917 de

3 existe um problema; há uma única causa; é necessária uma única solução; a solução pode ser avaliada apenas em termos do seu impacto sobre o problema; a solução permanecerá estável. O pensamento linear é como olhar através de um orifício: olha-se em frente, e os únicos resultados que podem ser vistos são os que se querem ver. O administrador, pressionado a agir sobre o problema, muitas vezes olha em frente quando toma ações corretivas, mas uma das falhas do pensamento linear é que nem sempre se consegue enxergar o que se quer ver. Ainda para Neves e Neves (2006), em relação ao Pensamento Sistêmico; existe um problema; faz parte de uma situação; requer uma solução; a solução apresentará efeitos diversos, além do impacto esperado sobre o problema; faz sentido tentar antecipar esses efeitos; a solução pode ser avaliada pela identificação e ponderação da mistura de efeitos pretendidos e inesperados; a solução não será estável, uma vez que a situação é dinâmica. Constata-se em Bertalanffy (1968), que a ciência vinha sendo tratada de forma dividida, embora algumas questões devessem ser tratadas mais amplamente. Essa constatação deve-se à complexidade das tecnologias e das sociedades, que não podem ser compreendidas nas formas tradicionais de análise de problemas. Para Bertalanffy (1968), um sistema é formado por elementos e propriedades, e a interação entre eles, que resulta na totalidade, permite compreender o seu funcionamento. O suprasistema é o meio onde o sistema se desenvolve e o subsistema é um componente do sistema. Sistema Aviação A segurança de voo é um desejo de todos e goza de importância crucial para a indústria aeronáutica e para a opinião pública que, muitas vezes, tem a expectativa de que a segurança das operações reside, quase que exclusivamente, em índices de confiabilidade dos produtos aeronáuticos. No entanto, sob o ponto de vista sistêmico, a aviação e todas as suas estruturas de apoio, tripulação, e todos os fatores humanos relacionados ao voo interagem entre si, e os fatores ambientais têm efeito em todos. O conjunto de interações pode ser chamado de sistema sociotécnico ou, em outras palavras, sistema homemmáquina, que possui dois elementos ou subsistemas principais que interagem entre si e estão sob influência dos fatores ambientais. Assim, a segurança de voo não depende exclusivamente da confiabilidade das aeronaves, mas da sua interação com os fatores humanos que estão sob influência de um determinado meio ou ambiente. Essas interações complexas constituem o sistema sociotécnico de aviação, que, segundo Alfrazehe e Bartsch (2007), compreende: subsistema técnico: envolve as aeronaves e equipamentos de apoio e toda a sua infraestrutura logística, inclusive os equipamentos de controle do espaço aéreo; subsistema social: composto pela tripulação, pessoal de logística, manutenção e de apoio e suas interelações; fatores ambientais: inclui os fenômenos naturais, tais como: condições climáticas, aerodinâmicas e outros fatores desse ambiente, como a regulação operacional e as regras de tráfego aéreo e de voo utilizados para manter a separação mínima entre as aeronaves. Segundo Afrazeh e Bartsch (2007), no sistema sociotécnico de aviação, simplesmente chamado sistema aviação, há presença de risco elevado; assim, é extremamente importante que se opere em segurança e confiabilidade total. Tão importante quanto obter a confiabilidade técnica e social desses subsistemas separados é a obtenção da confiabilidade total do sistema integrado, inserido ainda em seu ambiente e contexto. Para Bertalanffy (1950b) os sistemas podem ser fechados ou abertos. O fechado se caracteriza pelo fato de seus componentes não trocarem informação, matéria e energia com o meio externo. O aberto caracteriza-se pela troca de informação, matéria e energia com o meio externo, e ainda por adaptar-se a esse meio. Para Bertalanffy (1950b) os sistemas recebem do exterior as entradas, os inputs, em forma de informação, recursos físicos ou energia. As entradas são submetidas a processos de transformação, dos quais são obtidos os resultados, os outputs. Em Bertalanffy (1950b) os sistemas têm a capacidade de se autorregular por meio de mecanismos de feedback e feedforward, que mantêm seus parâmetros básicos de funcionamento. A retroalimentação, o feedback, é a parte das saídas de um sistema que volta em forma de entrada. Figura 2 - A confiabilidade total do sistema sociotécnico na aviação. Fonte: Afrazeh e Bartsch (2007) Anais do 4º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2011) Direitos Reservados - Página 918 de

4 Fatores Humanos em Aviação Diversos atores e circunstâncias provocam a participação do ser humano em uma determinada ocorrência, mesmo antes de a aeronave decolar. Assim, em uma ocorrência de falha de motor, por exemplo, apesar de ser um equipamento, motor, se houve uma manutenção deficiente há presença do fator humano no acidente. Estatísticas apontam que 70% a 80% dos fatores contribuintes em acidentes aeronáuticos tiveram origem nos fatores humanos. (Paoli et al, 2007). Diante dessa significância numérica, estudar o fator humano é fundamental para alcançar maior eficiência no sistema sociotécnico da aviação. Com essa estatística pode-se inferir que o sistema está em desequilíbrio, atribuindo mais valores contribuintes ao sistema social. Dessa forma, é extremamente importante retomar o equilíbrio para alcançar a máxima confiabilidade do sistema como um todo. É uma tarefa complexa. A dificuldade da análise, aplicada ao fator humano, reside na sua extrema complexidade, na dificuldade de mensurar com precisão o seu desempenho individual e quando em interação com as interfaces do complexo sistema aeronáutico: Chapanis (1996) descreve que: (...) a engenharia dos fatores humanos estuda e aplica a informação sobre o comportamento humano, capacidades, limitações e outras características para a concepção de ferramentas, máquinas, sistemas, tarefas, trabalhos e ambientes para produção, segura, confortável e de fácil emprego (CHAPANIS, 1996, p. 11). Segundo Lewis e Hughes (s.d.), a disciplina Fatores Humanos é usualmente confundida com a Ergonomia, e é um campo multidisciplinar, conforme evidenciado na Figura 3, incluindo Antropometria, Fisiologia Aplicada, Medicina, Engenharia, Estatística, Dinâmica do Trabalho, Projeto e Psicologia. Todas essas disciplinas possuem um objetivo comum: compreender as limitações, as capacidades humanas, e projetar um sistema e/ou proporcionar um ambiente que irá aumentar a produtividade, segurança e facilidade de uso. Em relação aos fatores humanos, a FAA adota alguns conceitos que são considerados em seus projetos, como o do sistema total. Para a FAA (2000), a experiência tem demonstrado que quando as pessoas pensam em um sistema ou projeto, elas tendem a se concentrar nos aspectos tangíveis, como, por exemplo, na estrutura física e programas computacionais que foram adquiridos. Os indivíduos muitas vezes não conseguem visualizar que os usuários, as pessoas que operam e mantêm o sistema, têm diferentes aptidões, habilidades e formação, e vão atuar sob várias condições de funcionamento, estrutura organizacional, procedimentos, configurações de equipamentos e cenários de trabalho. O compósito total desses elementos e os recursos humanos componentes irão determinar a segurança, desempenho e eficiência do sistema como um todo. Outro conceito importante adotado pela FAA (2000) é o relacionado ao desempenho do Sistema Total. Assim, a probabilidade de o sistema total executar a sua operação conforme o pretendido é a probabilidade de que a máquina e as programações execute corretamente, vezes a probabilidade de que o ambiente operacional não degrade o funcionamento do sistema, vezes a probabilidade de que o usuário execute corretamente. Por definição do sistema total, o desempenho humano é identificado como um componente do sistema. Assim, o sistema pode funcionar perfeitamente sob uma avaliação de engenharia em um laboratório, ou em um banco de ensaio, e então não executar bem quando é operado e mantido pelos próprios usuários. Modelos de Análise dos Fatores Humanos Na tentativa de simplificar, sistematizar e facilitar a compreensão da análise aplicada dos fatores humanos na Aviação, estudiosos e agências regulatórias fomentam o uso de modelos. A OACI fomenta a utilização dos modelos SHELL e Reason no intuito de melhor compreender o complexo do ser humano inserido dentro do sistema aeronáutico. Sob a visão sistêmica, os acidentes acontecem, pois a confiabilidade total ou segurança de voo é proporcionada pelas interfaces, perfeitamente ajustadas, de todas as variáveis. Um desequilíbrio ou mudança em uma delas acarretará uma demanda de ajustes em todos os outros elementos que compõem o sistema. Essa demanda poderá não ser identificada e gerenciada a tempo, antes que se forme o ambiente propício para a ocorrência do acidente. Figura 3 - Disciplinas que pertencem ao estudo dos fatores humanos (ergonomia). Fonte: Lewis e Hughes (s.d.). Os modelos SHELL e Reason podem ser utilizados separadamente na identificação de perigos ou na investigação de acidentes, no entanto quando utilizados juntos eles se complementam. Um é centrado no homem (SHELL) e o outro nos fatores organizacionais (Reason) Anais do 4º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2011) Direitos Reservados - Página 919 de

5 totalmente incertos se sua probabilidade de ocorrência é 0%. Entre esses extremos a incerteza varia amplamente. Bastos (2005) descreve que o risco adotado em aviação se refere à perda potencial associada a um evento quando considerada sua probabilidade de ocorrência, o tempo de exposição a essa ocorrência e a gravidade dos resultados caso o evento ocorra. Maschio (2007) menciona que algumas ações podem ser tomadas a fim de controlar o risco: Figura 4 - Utilização do modelo SHELL e Reason de maneira complementar. Adaptada do modelo SHELL (OACI, 2009) e Reason (1995). Erro Humano Segundo Brasil (2008), o erro humano é o termo genérico que compreende toda ocasião em que a sequência mental planejada de atividades mentais ou físicas falha em alcançar seu resultado pretendido. Trata-se de uma característica do comportamento normal do ser humano. Sob o ponto de vista cultural, há uma tendência ao estabelecimento de culpa para agentes que cometem erros operacionais. No entanto, ao observar os erros humanos em sistemas complexos de alto grau de risco e segundo Reason (1990) estes são induzidos por influências organizacionais, aspectos de supervisão e pré-condições. Segundo a OACI (2009), o gerenciamento de erros operacionais não deve ser limitado ao pessoal da linha de frente, os pilotos e mecânicos. O seu desempenho é influenciado por fatores organizacionais, regulamentares e ambientais. Assim, por exemplo, processos organizacionais, tais como a comunicação inadequada, procedimentos ambíguos, escalas incoerentes, recursos insuficientes e orçamentos irrealistas constituem o terreno fértil para erros operacionais. Todos esses são processos nos quais uma organização deve ter um grau razoável de controle direto. Riscos e Gerenciamento de riscos A identificação de riscos e sua gestão são essenciais no sistema aviação. Para Dudova (2004), a palavra risco pode ser vista na literatura sob vários aspectos: do gerenciamento de riscos à fuga de riscos, do organizacional à mudança cultural e processual necessária para uma próspera mitigação de riscos, associados com a mudança organizacional. O risco pode ser definido como qualquer evento que pode, adversamente, ter influência sobre o desempenho das organizações e impedi-las de alcançar seus objetivos. Deve-se ressaltar que o risco, além de oportunidade, representa incerteza e ambiguidade. Dessa forma, Dudova (2004) cita que, o risco é definido como a exposição à perda/ganho, ou à probabilidade de ocorrência de perda/ganho multiplicado por sua magnitude. Eventos são ditos certos se sua probabilidade de ocorrência é de 100%, ou prevenção: medidas defensivas são implantadas para impedir o surgimento de ameaça ou problema; ou para prevenir que o risco tenha algum impacto na tarefa, projeto ou negócio; redução: ações reduzem a probabilidade do desenvolvimento do risco, ou limitam seu impacto a níveis aceitáveis; transferência do risco para uma terceira pessoa: por exemplo, apólice de seguro ou cláusula de multa; contingência: ações são planejadas e organizadas para quando o risco ocorrer. A identificação, controle e monitoramento de riscos têm como objetivo evitar ou prevenir perdas com antecedência, permitindo instalar um processo de modelagem de gestão eficaz de riscos calculados, com base no mapeamento de eventualidades no ambiente de trabalho, por meio de sistemas, procedimentos, informação e comunicação. Os riscos podem ainda ser analisados e calculados de forma qualitativa ou quantitativa, dependendo das informações disponíveis e do evento propriamente dito que se deseja analisar. A análise de riscos de forma qualitativa tem a vantagem de considerar um determinado evento de forma mais holística e sistêmica, no entanto cabe ressaltar que esse cálculo depende da percepção do agente que o analisa. De acordo com Skinner e Villalobos (1999), o ser humano percebe o mundo de acordo com as contingências às quais foi exposto. Essas contingências ou estímulos de reforço controlam o tipo de comportamento perceptivo das pessoas. A análise de risco de forma quantitativa peca pela dificuldade de considerar todas as variáveis inseridas no evento que, de alguma forma, influenciam a probabilidade, exposição e suas consequências. Para Firmino (2004), o cálculo das probabilidades permite a representação das dependências e independências entre eventos. Assim, é possível a abordagem probabilística da causalidade, representada pelas dependências probabilísticas. Korb e Nicholsom (2003), fazem, ainda, um estudo sobre a confiabilidade humana, empregando redes Bayesianas, que são estruturas gráficas que permitem representar razões ou argumentos no domínio da incerteza. Em Aviação, de acordo com Bastos (2005), quanto à avaliação de risco, dois parâmetros fundamentais para o seu cálculo são a probabilidade de ocorrência, ou frequência, e a gravidade de um determinado evento perigoso. Técnicas de análise de risco são agrupadas em categorias qualitativas e quantitativas Anais do 4º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2011) Direitos Reservados - Página 920 de

6 Para este autor, normalmente são aplicadas técnicas qualitativas em primeiro lugar, assim permitir a categorização de risco em termos relativos, pelo uso de adjetivos como baixo, médio ou alto, e o advérbio muito. A partir de então, com o uso da matemática e/ou métodos computacionais, são aplicadas técnicas quantitativas para determinar valores numéricos para o grau de risco. Conforme a OACI (2002), estudos recentes em fatores humanos (FH) alertam para o perigo de ignorar o ser humano como parte de um sistema sociotécnico. Sistemas induzem erros humanos, tais como leitura deficiente de altímetro ou seleção deficiente dos controles e comandos da cabine de voo, que podem ter sido provocadas pelos chamados agentes tensores, ou, mais comumente, ameaças. Estratégias de Controle de Erros Segundo o Safety Management Manual (SMM), da OACI (2009), há três estratégias básicas para o controle de erros operacionais, que são baseadas nas três defesas fundamentais do sistema de aviação: tecnologia, formação (treinamento) e regulamento, incluindo procedimentos. Sistema de Classificação e Análise dos Fatores Humanos (HFACS) O HFACS foi desenvolvido por Wiegmann e Shappell (2003), inspirando-se em Reason (1990), a partir de uma taxonomia de falhas ativas e falhas/condições latentes, para identificar perigos e riscos. O HFACS descreve quatro níveis principais de condições de erros humanos, ilustrados na Figura 5 (United States-US, 2005): atos inseguros; pré-condições; supervisão; influências organizacionais. Além dos quatro níveis de erros, o HFACS subdivide esses níveis que se expandem para sub níveis. Os sub níveis dividem-se em categorias e essas categorias de erros dividem-se, em última análise, em códigos de erros finais (CEF), como apresentado na Figura 5. Essas estratégias podem ser de redução do erro, de captura do erro e tolerância ao erro. A primeira atua diretamente na fonte do erro operacional, reduzindo ou eliminando os fatores que contribuem para a sua ocorrência. Exemplo: concepção centrada no homem, fatores ergonômicos, regulamentação, formação e capacitação. A segunda é a estratégia de captura do erro operacional antes de qualquer consequência adversa ou mais grave. A estratégia de captura é diferente da estratégia de redução, pois ela não serve diretamente para eliminar o erro, no entanto fornece informação eficiente aos gestores da operação. Num exemplo tem-se: Air/Aviation Safety Report (ASR), programa de reporte voluntário; Flight Operational Quality Assurance (FOQA), programa de garantia da qualidade operacional do voo, Line Operational Safety Audit (LOSA), programa de auditoria de segurança operacional aplicado em voo, e o Maintenance Operational Safety Audit (MOSA), programa de auditoria de segurança operacional aplicado durante a manutenção. A terceira estratégia é a de tolerância. Refere-se à capacidade de um sistema para aceitar um erro operacional, sem graves consequências. Um exemplo de medida para aumentar a tolerância a erros de sistema operacional é a incorporação de um duplo sistema. Ainda segundo a OACI (2009), o gerenciamento de erros operacionais não deve ser limitado ao pessoal da linha de frente, os pilotos, mecânicos e controladores de tráfego aéreo. O seu desempenho, como ilustrado pelo modelo SHELL, é influenciado por fatores organizacionais, regulamentares e ambientais. Assim, por exemplo, processos organizacionais, tais como a comunicação inadequada, procedimentos ambíguos, escalas incoerentes, recursos insuficientes e orçamentos irrealistas constituem o terreno fértil para erros operacionais. Todos esses são processos nos quais uma organização deve ter um grau razoável de controle direto. Figura 5 - Departamento de defesa - sistema de classificação e análise dos fatores humanos (DOD-HFACS). Fonte: United States-US (2005) Anais do 4º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2011) Direitos Reservados - Página 921 de

7 Segundo Departamento de Defesa (DOD) dos EUA, US (2005), ao utilizar esse modelo de fatores humanos, o investigador deve considerar sua aplicação a partir de três áreas distintas: do ambiente, do indivíduo e do evento/acidente. O processo de coleta dos dados foi realizado conforme apresentado na Figura 6. A tripulação, os indivíduos que participaram do evento/acidente, interagem com o ambiente a que estão expostos. Os fatores ambientais referem-se não só ao ambiente físico aos quais os membros individuais estão expostos, mas também aos ambientes organizacionais, de supervisão e condições específicas, físicas e tecnológicas. Segundo Wiegmann e Shappell (2003), o sistema de classificação e análise dos fatores humanos apresenta uma abordagem sistemática e multidimensional para análise de erros e explora várias abordagens do fator humano, como cognitivo, psicomotor, fisiológico, da medicina aeronáutica, psicológico e organizacional. Ainda dando continuidade às colocações do US (2005), o processo de investigação tem seus esforços centrados em detectar e identificar os buracos (riscos e falhas) no queijo", (trajetória do acidente ao longo dos níveis de erros humanos) como apresentado na Figura 5. Então, como identificar esses riscos? Eles não são demasiadamente numerosos para serem definidos? Cada acidente é único? Os erros e os riscos serão sempre diferentes para cada acidente? Em realidade, para o US (2005), cada acidente não é único e diferente dos seus antecessores. A maioria tem fatores contribuintes semelhantes, e são provocados pelos buracos no queijo. Os riscos identificados em cada novo acidente não são exclusivos para ele, portanto, se são conhecidos pode-se identificar melhor as suas funções em acidentes, ou, melhor ainda, detectar a sua presença, desenvolver uma estratégia de mitigação do risco e corrigi-los antes que ocorram. Sistema de Análise de Erro Humano O programa computacional utilizado e desenvolvido nesta pesquisa parametrizou, além das informações oriundas do método HFACS, informações contextuais do acidente, como hora, local, experiência da tripulação, fase da operação, e tipo de ocorrência, dentre outras. Assim, o SAEH é uma ferramenta que proporciona o cruzamento de dados na busca da captura dos erros humanos proporcionando uma visão ampla, sistêmica e holística das ocorrências presentes em sua base de dados. Nesta pesquisa compõe a base de dados do SAEH os relatórios de investigação de acidentes aeronáuticos, a partir dos quais foi feita uma leitura, interpretação e a extração de dados de forma qualitativa, a fim de identificá-los e analisálos. Após leitura e interpretação de 65 relatórios finais de acidentes aeronáuticos investigados pelo CENIPA, os dados extraídos foram inseridos no programa computacional. Figura 6 - Fluxograma da cronologia da pesquisa. Os dados foram contabilizados numa base de 100 em relação ao nível estudado, assim para cada nível o somatório dos códigos encontrados foi sempre 100%. A partir da leitura dos relatórios finais buscou-se identificar quais foram os CEFs que contribuíram para o acidente, gerando um banco de dados, juntamente com as informações contextuais que foram cruzadas e analisadas para identificar os erros mais frequentes e/ou mais relevantes nas ocorrências aeronáuticas, no Brasil, entre os anos de 2007 e O programa possibilita uma infinidade de cruzamento de dados. Estes cruzamentos de dados podem ser realizados conforme o que se deseja conhecer sobre a dinâmica dos acidentes. Assim, nesta pesquisa, extraiu-se alguns cruzamentos de dados apenas como amostragem da capacidade do SAEH, como se vê a seguir. No entanto, o sistema possibilita conhecer muito mais sobre a dinâmica das ocorrências. Estudos e análises oriundas do SAEH O SAEH pode realizar análises puramente operacionais, análises puramente utilizando a taxonomia de erros do HFACS e ainda realizar uma análise cruzada entre o contexto operacional e o HFACS. Exemplo de cada uma dos três tipos de análises descritas anteriormente é mostrado a seguir: Análise Operacional oriunda do SAEH Anais do 4º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2011) Direitos Reservados - Página 922 de

HISTÓRICO DO SMS NO BRASIL. Evolução 1º SEMINÁRIO SOBRE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL ANAC - 05/12/2008

HISTÓRICO DO SMS NO BRASIL. Evolução 1º SEMINÁRIO SOBRE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL ANAC - 05/12/2008 HISTÓRICO DO SMS NO BRASIL Evolução 1º SEMINÁRIO SOBRE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL ANAC - 05/12/2008 OBJETIVO Conhecer a evolução do pensamento sobre Gerenciamento

Leia mais

Gerenciamento da Segurança Operacional GSO. Conceitos

Gerenciamento da Segurança Operacional GSO. Conceitos Gerenciamento da Segurança Operacional GSO Conceitos 1º SEMINÁRIO SOBRE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL ANAC - 05/12/2008 1 Objetivos Identificar conceitos de gerenciamento

Leia mais

PROGRAMA MOSA MAINTENANCE OPERATIONS SAFETY AUDIT (PROGRAMA DE OBSERVAÇÕES DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO)

PROGRAMA MOSA MAINTENANCE OPERATIONS SAFETY AUDIT (PROGRAMA DE OBSERVAÇÕES DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO) PROGRAMA MOSA MAINTENANCE OPERATIONS SAFETY AUDIT (PROGRAMA DE OBSERVAÇÕES DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO) - - - - - - - - - - Anais do 4º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2011) Direitos Reservados - Página

Leia mais

INCURSÃO EM PISTA: UM PROBLEMA ATUAL E CRESCENTE

INCURSÃO EM PISTA: UM PROBLEMA ATUAL E CRESCENTE INCURSÃO EM PISTA: UM PROBLEMA ATUAL E CRESCENTE 1 FONSECA, Wilber Campos 2 BARCO, Juliana Alexandra P. de C Ms. Humberto César Machado. RESUMO: Com a elevada demanda no tráfego aéreo, o número de incursões

Leia mais

OPERAÇÃO DE VANT ASPECTOS RELACIONADOS COM A SEGURANÇA OPERACIONAL

OPERAÇÃO DE VANT ASPECTOS RELACIONADOS COM A SEGURANÇA OPERACIONAL OPERAÇÃO DE VANT ASPECTOS RELACIONADOS COM A SEGURANÇA OPERACIONAL Luiz Munaretto - - - - - - - - - - Anais do 5º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2012) Direitos Reservados - Página 330 de 1112 - - -

Leia mais

2º Simpósio Internacional de Confiabilidade e Gestão de Segurança Operacional. 09 a 11 de novembro de 2010

2º Simpósio Internacional de Confiabilidade e Gestão de Segurança Operacional. 09 a 11 de novembro de 2010 2º Simpósio Internacional de Confiabilidade e Gestão de 17 a 19 de novembro de 2009 Segurança Operacional 09 a 11 de novembro de 2010 Segurança Acima de Tudo Ferramentas de Segurança Operacional Histórico

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA ENSINO ICA 37-358 CURRÍCULO MÍNIMO DO CURSO DE SEGURANÇA DE VÔO MÓDULO - PREVENÇÃO 2009 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E

Leia mais

DÉDALO Ferramenta de Apoio à Gestão de Empresas Aéreas

DÉDALO Ferramenta de Apoio à Gestão de Empresas Aéreas DÉDALO Ferramenta de Apoio à Gestão de Empresas Aéreas DÉDALO é um sistema de informações especialista, concebido e desenvolvido para automatizar, integrar e dar suporte aos principais processos utilizados

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS FCA 58-1

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS FCA 58-1 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS FCA 58-1 PANORAMA ESTATÍSTICO DA AVIAÇÃO CIVIL BRASILEIRA EM 212 213 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA

Leia mais

Os erros são do sistema, do profissional ou da instituição? Responsabilização e Cultura Justa

Os erros são do sistema, do profissional ou da instituição? Responsabilização e Cultura Justa Os erros são do sistema, do profissional ou da instituição? Responsabilização e Cultura Justa Erro Humano e Cultura Organizacional. Felipe Koeller R. Vieira Oficial Aviador Investigador Sênior de Acidentes

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS PANORAMA ESTATÍSTICO DA AVIAÇÃO CIVIL BRASILEIRA PARA A 9 1 Sumário Panorama Atual dos Dados Relativos às

Leia mais

ANAC SAFETY CASE AO CONCEITO INTRODUÇÃO. Simpósio de Gerenciamento da Segurança Operacional 29/04/2014

ANAC SAFETY CASE AO CONCEITO INTRODUÇÃO. Simpósio de Gerenciamento da Segurança Operacional 29/04/2014 ANAC INTRODUÇÃO Simpósio de Gerenciamento da Segurança Operacional! AO CONCEITO 29/04/2014 DE SAFETY CASE A Ausência de Acidentes não é Garantia de Segurança E, mesmo que fosse como demonstrar a segurança

Leia mais

Utilização de processos de gestão e ferramentas computacionais para melhoria da segurança operacional

Utilização de processos de gestão e ferramentas computacionais para melhoria da segurança operacional Utilização de processos de gestão e ferramentas computacionais para melhoria da segurança operacional GUILHERME ROCHA São José dos Campos - SP INSTITUTO DE PESQUISAS E ENSAIOS EM VOO Agosto 2011 SSV 2011

Leia mais

Gerenciamento de Riscos em Projetos de Aerolevantamentos Etapa Captura de Dados (SAE Serviço Aéreo Especializado)

Gerenciamento de Riscos em Projetos de Aerolevantamentos Etapa Captura de Dados (SAE Serviço Aéreo Especializado) Gerenciamento de Riscos em Projetos de Aerolevantamentos Etapa Captura de Dados (SAE Serviço Aéreo Especializado) O Gerenciamento de Riscos é uma das áreas contidas no Gerenciamento de Projetos, e uma

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

Gerenciamento de Riscos em Segurança da informação. cynaracarvalho@yahoo.com.br

Gerenciamento de Riscos em Segurança da informação. cynaracarvalho@yahoo.com.br $XWDUTXLD(GXFDFLRQDOGR9DOHGR6mR)UDQFLVFR± $(96) )DFXOGDGHGH&LrQFLDV6RFLDLVH$SOLFDGDVGH3HWUROLQD± )$&$3( &XUVRGH&LrQFLDVGD&RPSXWDomR Gerenciamento de Riscos em Segurança da informação cynaracarvalho@yahoo.com.br

Leia mais

Prof. Guido Carim Júnior

Prof. Guido Carim Júnior Sistema de Gestão da Segurança Operacional (SGSO) : fundamentos e requisitos Prof. Guido Carim Júnior 28 de maio de 2010 Objetivo Apresentar os fundamentos de um sistema de gestão (de segurança) como meio

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES

Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES JANEIRO 2013 ÍNDICE DE CONTEÚDOS Introdução...1 Antes das Três Linhas: Supervisão do Gerenciamento

Leia mais

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 CENTRO DA QUALIDADE, SEGURANÇA E PRODUTIVIDADE PARA O BRASIL E AMÉRICA LATINA PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 Diretrizes para auditorias de sistemas de gestão da qualidade e/ou ambiental

Leia mais

V ENCONTRO BRASILEIRO DE PSICOLOGIA APLICADA À AVIAÇÃO 13 e 14 de SETEMBRO DE 2012.

V ENCONTRO BRASILEIRO DE PSICOLOGIA APLICADA À AVIAÇÃO 13 e 14 de SETEMBRO DE 2012. V ENCONTRO BRASILEIRO DE PSICOLOGIA APLICADA À AVIAÇÃO 13 e 14 de SETEMBRO DE 2012. A Avaliação Psicológica e os Acidentes Aeronáuticos: Existe uma relação? 1 TEN PSL PATRÍCIA FAGUNDES- HARF 2 TEN PSL

Leia mais

Auditoria de Sistemas. UNIPAC Ipatinga Segurança e Auditoria de Sistemas Prof. Thiago Lopes Lima

Auditoria de Sistemas. UNIPAC Ipatinga Segurança e Auditoria de Sistemas Prof. Thiago Lopes Lima Auditoria de Sistemas UNIPAC Ipatinga Segurança e Auditoria de Sistemas Prof. Thiago Lopes Lima Auditoria É uma atividade que engloba o exame das operações, processos, sistemas e responsabilidades gerenciais

Leia mais

DEFINIÇÃO DE ALVO COMO REDUZIR OS ÍNDICES DE ACIDENTES AERONÁUTICOS NO BRASIL?

DEFINIÇÃO DE ALVO COMO REDUZIR OS ÍNDICES DE ACIDENTES AERONÁUTICOS NO BRASIL? DEFINIÇÃO DE ALVO COMO REDUZIR OS ÍNDICES DE ACIDENTES AERONÁUTICOS NO BRASIL? - - - - - - - - - - Anais do 5º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2012) Direitos Reservados - Página 215 de 1112 - - - - -

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

CREW RESOURCE MANAGEMENT

CREW RESOURCE MANAGEMENT CREW RESOURCE MANAGEMENT Como integrar o CRM na cultura da sua empresa Monica Lavoyer Escudeiro E S P E C I A L I S TA E M R E G U L A Ç Ã O D E AV I A Ç Ã O C I V I L G E R Ê N C I A T É C N I C A D E

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

INVESTIGAÇÃO DE ACIDENTES E INCIDENTES COM UMA ABORDAGEM SISTÊMICA

INVESTIGAÇÃO DE ACIDENTES E INCIDENTES COM UMA ABORDAGEM SISTÊMICA AUTOR: Cássio Eduardo Garcia E-mail: cassiogarcia@uol.com.br INVESTIGAÇÃO DE ACIDENTES E INCIDENTES COM UMA ABORDAGEM SISTÊMICA 1 INTRODUÇÃO Muitas organizações ainda não se conscientizaram de que acidentes

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DA PSICOLOGIA PARA A SEGURANÇA DA ATIVIDADE AERONÁUTICA

A CONTRIBUIÇÃO DA PSICOLOGIA PARA A SEGURANÇA DA ATIVIDADE AERONÁUTICA A CONTRIBUIÇÃO DA PSICOLOGIA PARA A SEGURANÇA DA ATIVIDADE AERONÁUTICA Márcia Regina Molinari Barreto (IPA) mmolinarister@gmail.com Este trabalho tem por objetivo apresentar aspectos práticos e teóricos

Leia mais

Como integrar a estrutura de Controles Internos à gestão de Risco Operacional

Como integrar a estrutura de Controles Internos à gestão de Risco Operacional Como integrar a estrutura de Controles Internos à gestão de Risco Operacional Wagner S. Almeida Departamento de Supervisão de Bancos e Conglomerados Bancários Divisão de Equipes Especializadas I Comissão

Leia mais

21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software?

21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software? 21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software? Qualidade de software é uma preocupação real e esforços têm sido realizados na busca pela qualidade dos processos envolvidos em seu desenvolvimento

Leia mais

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos 3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos Este capítulo tem como objetivo a apresentação das principais ferramentas e metodologias de gerenciamento de riscos em projetos, as etapas do projeto onde o processo

Leia mais

Engenharia de Produção: Grande área e diretrizes curriculares

Engenharia de Produção: Grande área e diretrizes curriculares ABEPRO Associação Brasileira de Engenharia de Produção DOCUMENTO NÃO CONCLUÍDO Engenharia de Produção: Grande área e diretrizes curriculares Documento elaborado nas reuniões do grupo de trabalho de graduação

Leia mais

Dificuldades em Serviço Resumo de 2010

Dificuldades em Serviço Resumo de 2010 Dificuldades em Serviço Resumo de 2010 Rogério Possi Junior Engenheiro de Aeronavegabilidade Continuada Agência Nacional de Aviação Civil Palavras Chave: Aeronavegabilidade, Dificuldades em Serviço, Segurança

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

PLANOS DE CONTINGÊNCIAS

PLANOS DE CONTINGÊNCIAS PLANOS DE CONTINGÊNCIAS ARAÚJO GOMES Capitão SC PMSC ARAÚJO GOMES defesacivilgomes@yahoo.com.br PLANO DE CONTINGÊNCIA O planejamento para emergências é complexo por suas características intrínsecas. Como

Leia mais

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação QP Informe Reservado Nº 70 Maio/2007 Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação Tradução para o português especialmente preparada para os Associados ao QP. Este guindance paper

Leia mais

www.jrsantiago.com.br

www.jrsantiago.com.br www.jrsantiago.com.br Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Santiago Cenário Corporativo Muitas empresas gastam parte significativa de seu tempo no planejamento e desenvolvimento de atividades,

Leia mais

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7. Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.5, 7.5.1, 7.5.2, 7.6, 7.6.1, 7.6.2 Exercícios 7 Competência

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Este trabalho tem como objetivo propor um modelo multicritério para a priorização dos modos de falha indicados a partir de uma aplicação do processo

Este trabalho tem como objetivo propor um modelo multicritério para a priorização dos modos de falha indicados a partir de uma aplicação do processo 1 Introdução A atual regulamentação do setor elétrico brasileiro, decorrente de sua reestruturação na última década, exige das empresas o cumprimento de requisitos de disponibilidade e confiabilidade operativa

Leia mais

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Padrão Nível 1 Uso seguro e racional de medicamentos Dimensões da qualidade Aceitabilidade, adequação e integralidade Assistência Farmacêutica

Leia mais

Um Modelo de Sistema de Gestão da Segurança da Informação Baseado nas Normas ABNT NBR ISO/IEC 27001:2006, 27002:2005 e 27005:2008

Um Modelo de Sistema de Gestão da Segurança da Informação Baseado nas Normas ABNT NBR ISO/IEC 27001:2006, 27002:2005 e 27005:2008 REVISTA TELECOMUNICAÇÕES, VOL. 15, Nº01, JUNHO DE 2013 1 Um Modelo de Sistema de Gestão da Segurança da Baseado nas Normas ABNT NBR ISO/IEC 27001:2006, 27002:2005 e 27005:2008 Valdeci Otacilio dos Santos

Leia mais

Índice do Número de Acidentes da Aviação Regular a cada um Milhão de Decolagens em 2012

Índice do Número de Acidentes da Aviação Regular a cada um Milhão de Decolagens em 2012 1 2 3 4 6,0 5,0 4,0 3,0 2,0 Índice do Número de Acidentes da Aviação Regular a cada um Milhão de Decolagens em 2012 1,9 4,8 de A. **Fonte do índice dos Continentes: ICAO. 2,7 4,2 3,8 2,8 3,2 1,0 0,0 Brasil*

Leia mais

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos Bacharel em Sistemas de Informação Faculdade de Informática de Presidente Prudente Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE) thiago@visioncom.com.br;

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação

Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação RESUMO DO CAPÍTULO Este capítulo trata do processo de resolução de problemas empresariais, pensamento crítico e etapas do processo de tomada

Leia mais

PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA

PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA 1. Introdução A apresentação dos Projetos de Inovação e Melhoria - PIM pelos Escalões/Divisões possui os seguintes objetivos: a. Estimular os Escalões e Divisões do Cmdo

Leia mais

Engenharia de Software Qualidade de Software

Engenharia de Software Qualidade de Software Engenharia de Software Qualidade de Software O termo qualidade assumiu diferentes significados, em engenharia de software, tem o significado de está em conformidade com os requisitos explícitos e implícitos

Leia mais

Cadeira de Tecnologias de Informação. Conceitos fundamentais de sistemas e tecnologias de informação e de gestão do conhecimento.

Cadeira de Tecnologias de Informação. Conceitos fundamentais de sistemas e tecnologias de informação e de gestão do conhecimento. Cadeira de Tecnologias de Informação Ano lectivo 2007/08 Conceitos fundamentais de sistemas e tecnologias de informação e de gestão do conhecimento. Prof. Mário Caldeira Profª Ana Lucas Dr. Fernando Naves

Leia mais

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos Capítulo 1 Introdução ao Gerenciamento de Projetos 2 1.1 DEFINIÇÃO DE PROJETOS O projeto é entendido como um conjunto de ações, executadas de forma coordenada por uma organização transitória, ao qual são

Leia mais

PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS

PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS Roosevelt Belchior Lima Neste artigo será apresentada uma proposta de acompanhamento

Leia mais

Fatores humanos/inteligência artificial/confiabilidade humana/engenharia de Resiliência

Fatores humanos/inteligência artificial/confiabilidade humana/engenharia de Resiliência TEMA IEN 3 1 DESCRIÇÃO. TEMA PROPOSTO: Desenvolvimento de Tecnologia para Sistemas Complexos ÁREA DE PESQUISA: Fatores humanos/inteligência artificial/confiabilidade humana/engenharia de Resiliência PROCESSO

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

7:03 V ENCONTRO BRASILEIRO DE PSICOLOGIA APLICADA À AVIAÇÃO SALVADOR, BA 12-14/09/2012. Prof.ª Dr.ª Selma Ribeiro

7:03 V ENCONTRO BRASILEIRO DE PSICOLOGIA APLICADA À AVIAÇÃO SALVADOR, BA 12-14/09/2012. Prof.ª Dr.ª Selma Ribeiro PROF.ª DRª SELMA RIBEIRO Diretora Técnica V ENCONTRO BRASILEIRO DE PSICOLOGIA APLICADA À AVIAÇÃO ATUAÇÃO DA PSICOLOGIA NA AVIAÇÃO BRASILEIRA Prof.ª Dr.ª Selma Ribeiro 1 OBJETIVO Discutir, do ponto de vista

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

ENGENHARIA DE PROCESSOS E GESTÃO DA SEGURANÇA EMPRESARIAL

ENGENHARIA DE PROCESSOS E GESTÃO DA SEGURANÇA EMPRESARIAL ENGENHARIA DE PROCESSOS E GESTÃO DA SEGURANÇA EMPRESARIAL Engº Fernando Só e Silva, Diretor da Deggy Brasil, fso@deggy.com.br Numa análise histórica da segurança privada, temos registrado seu surgimento,

Leia mais

2. Gerenciamento de projetos

2. Gerenciamento de projetos 2. Gerenciamento de projetos Este capítulo contém conceitos e definições gerais sobre gerenciamento de projetos, assim como as principais características e funções relevantes reconhecidas como úteis em

Leia mais

O SISTEMA DE QUALIDADE NA INDUSTRIA DE CONFECÇÃO

O SISTEMA DE QUALIDADE NA INDUSTRIA DE CONFECÇÃO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 O SISTEMA DE QUALIDADE NA INDUSTRIA DE CONFECÇÃO Sandra Biégas 1, Patrícia Machado Mellero Cardoso 2 RESUMO: Com base em uma realidade onde indústrias

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning

ERP Enterprise Resource Planning ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Evolução dos SI s CRM OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO OPERACIONAL TÁTICO ESTRATÉGICO SIT SIG SAE SAD ES EIS

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Auditoria em Sistemas de Informação Prof. Fabio Costa

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Estrutura de um Sistema de Informação Vimos

Leia mais

TEL: (5521) 21016320 AFTN: SBRJYGYC FAX: (21) 21016198 VEÍCULOS AÉREOS NÃO TRIPULADOS

TEL: (5521) 21016320 AFTN: SBRJYGYC FAX: (21) 21016198 VEÍCULOS AÉREOS NÃO TRIPULADOS BRASIL DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO SUBDEPARTAMENTO DE OPERAÇÕES AV GENERAL JUSTO, 160 2º AND. - CASTELO 20021-130-RIO DE JANEIRO RJ AIC N 21/10 23 SEP 2010 TEL: (5521) 21016320 AFTN: SBRJYGYC

Leia mais

PROGRAMA BRASILEIRO PARA A SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL PSO-BR

PROGRAMA BRASILEIRO PARA A SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL PSO-BR PROGRAMA BRASILEIRO PARA A SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL PSO-BR PROGRAMA BRASILEIRO PARA A SEGURANÇA OPERA- CIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL PSO-BR ANTECEDENTES A Organização de Aviação Civil Internacional

Leia mais

ACIDENTE E INCIDENTE INVESTIGAÇÃO

ACIDENTE E INCIDENTE INVESTIGAÇÃO ACIDENTE E INCIDENTE INVESTIGAÇÃO OBJETIVOS Para definir as razões para a investigação de acidentes e incidentes. Para explicar o processo de forma eficaz a investigação de acidentes e incidentes. Para

Leia mais

3 Abordagem Sistêmica

3 Abordagem Sistêmica 3 Abordagem Sistêmica 3.1 A visão sistêmica Como uma das correntes do pensamento administrativo, a abordagem sistêmica foi introduzida em meados da década de 60. Os teóricos de sistemas definiram-na como,

Leia mais

Technology and Security Risk Services. Novembro, 2003

Technology and Security Risk Services. Novembro, 2003 Technology and Security Risk Services Novembro, 2003 1. Por que escrevemos o livro? 2. Objetivo do livro 3. Conteúdo do livro 4. Dúvidas Acesso aos sites financeiros cresceu 199% em dois anos; Os sites

Leia mais

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4. Módulo 3 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.3 Exercícios 6.2 Iniciando a auditoria/ 6.2.1 Designando o líder da equipe

Leia mais

AGNALDO IZIDORO DE SOUZA UNIPAR agnaldo@unipar.br JAIR OTT UNIPAR jairott@gmail.com PABLO A. MICHEL UNIPAR pamichel@unipar.br

AGNALDO IZIDORO DE SOUZA UNIPAR agnaldo@unipar.br JAIR OTT UNIPAR jairott@gmail.com PABLO A. MICHEL UNIPAR pamichel@unipar.br A importância da aplicação de técnicas de gerenciamento de riscos em projetos de desenvolvimento de software: estudo de caso do sistema de controle de veículos AGNALDO IZIDORO DE SOUZA UNIPAR agnaldo@unipar.br

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL DO BANCO COOPERATIVO SICREDI E EMPRESAS CONTROLADAS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL DO BANCO COOPERATIVO SICREDI E EMPRESAS CONTROLADAS ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL DO BANCO COOPERATIVO SICREDI E EMPRESAS CONTROLADAS Versão : 31 de dezembro de 2008 CONTEÚDO 1. INTRODUÇÃO...3 2. ORGANIZAÇÃO DA GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL...3

Leia mais

Etapas de elaboração de um plano de contingência para a área de tecnologia da informação em âmbito corporativo

Etapas de elaboração de um plano de contingência para a área de tecnologia da informação em âmbito corporativo Etapas de elaboração de um plano de contingência para a área de tecnologia da informação em âmbito corporativo 1 Prof. Me. Washington Lopes da Silva Mestre em Engenharia Elétrica Concentração em Engenharia

Leia mais

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE:

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE: 1 - INTRODUÇÃO Neste trabalho iremos enfocar a função do controle na administração. Trataremos do controle como a quarta função administrativa, a qual depende do planejamento, da Organização e da Direção

Leia mais

LOGÍSTICA EMENTAS DO CURSO

LOGÍSTICA EMENTAS DO CURSO LOGÍSTICA EMENTAS DO CURSO 1º P TÉCNICAS DE COMUNICAÇÃO ORAL E ESCRITA Técnicas de leitura, interpretação e produção de textos, expressão oral e apresentação de trabalhos acadêmicos, argumentação científica.

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann 1 OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Aula 3 Disponibilidade em Data Center O Data Center é atualmente o centro nervoso

Leia mais

Administração de Ativos de TI. Prof. André Montevecchi

Administração de Ativos de TI. Prof. André Montevecchi Administração de Ativos de TI Prof. André Montevecchi Introdução a ITIL Em um mundo altamente competitivo, de mudanças constantes e inesperadas, é preciso ter flexibilidade e agilidade suficientes para

Leia mais

OBSERVAÇÃO DE TAREFAS BASEADA NA SEGURANÇA COMPORTAMENTAL

OBSERVAÇÃO DE TAREFAS BASEADA NA SEGURANÇA COMPORTAMENTAL OBSERVAÇÃO DE TAREFAS BASEADA NA SEGURANÇA COMPORTAMENTAL Autores Gerson Luiz Chaves Vandro Luiz Pezzin RGE - RIO GRANDE ENERGIA S.A. RESUMO Os riscos presentes nas atividades que envolvem a distribuição

Leia mais

Gerenciamento de Riscos em Projetos. Parte 10. Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325. Docente: Petrônio Noronha de Souza

Gerenciamento de Riscos em Projetos. Parte 10. Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325. Docente: Petrônio Noronha de Souza Gerenciamento de Riscos em Projetos Parte 10 Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325 Docente: Petrônio Noronha de Souza Curso: Engenharia e Tecnologia Espaciais Concentração: Engenharia e Gerenciamento

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Dimensões de análise dos SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n Os sistemas de informação são combinações das formas de trabalho, informações, pessoas

Leia mais

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Requisitos necessários a todos as subseções

Leia mais

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA Eduardo Saggioro Garcia Leonardo Salgado Lacerda Rodrigo Arozo Benício Erros de previsão de demanda, atrasos no ressuprimento

Leia mais

O porquê de se investir na Confiabilidade Humana Parte 7 Por onde começar?

O porquê de se investir na Confiabilidade Humana Parte 7 Por onde começar? O porquê de se investir na Confiabilidade Humana Parte 7 Por onde começar? Eng. Dr. José L. Lopes Alves INTRODUÇÃO Organizações no ramo industrial, da saúde, de energia, por exemplo, têm investido enormes

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação CobiT 5 Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? 2013 Bridge Consulting All rights reserved Apresentação Sabemos que a Tecnologia da

Leia mais

GESTÃO DE RISCOS Brasília/DF, 05 de dezembro de 2012

GESTÃO DE RISCOS Brasília/DF, 05 de dezembro de 2012 GESTÃO DE RISCOS Brasília/DF, 05 de dezembro de 2012 IMAGEM: http://www.foradeescopo.com CRISE ECONÔMICA CRISE IMOBILIÁRIA NOS EUA IMAGEM: http://papodeobra.blogspot.com.br IMAGEM: http://diferencial.ist.utl.pt

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

OBSERVATÓRIO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO. Palavras-chave: Gestão da Informação. Gestão do conhecimento. OGI. Google alertas. Biblioteconomia.

OBSERVATÓRIO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO. Palavras-chave: Gestão da Informação. Gestão do conhecimento. OGI. Google alertas. Biblioteconomia. XIV Encontro Regional dos Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência da Informação e Gestão da Informação - Região Sul - Florianópolis - 28 de abril a 01 de maio de 2012 RESUMO OBSERVATÓRIO DE

Leia mais

A ESTRUTURA ORGANIZACIONAL COMO REFERÊNCIA PARA A GESTÃO DA EAD

A ESTRUTURA ORGANIZACIONAL COMO REFERÊNCIA PARA A GESTÃO DA EAD 1 A ESTRUTURA ORGANIZACIONAL COMO REFERÊNCIA PARA A GESTÃO DA EAD São Luís MA Maio/2012 Categoria: C Setor Educacional: 3 Classificação das Áreas de Pesquisa em EaD Macro: D / Meso: H / Micro: M Natureza:

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO

IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO 503 IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO Christina Garcia(1); Franciane Formighieri(2); Taciana Tonial(3) & Neimar Follmann(4)(1) Acadêmica do 4º Ano do Curso de

Leia mais

Maria do Carmo Sobral (1) Professora adjunta do Departamento de Engenharia Civil, UFPE, Engenheira Civil, Mestre

Maria do Carmo Sobral (1) Professora adjunta do Departamento de Engenharia Civil, UFPE, Engenheira Civil, Mestre VI-093 SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA NAS ÁREAS DE MEIO AMBIENTE, QUALIDADE, SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL UMA ABORDAGEM PRÁTICA NA INDÚSTRIA PETROFLEX-CABO/PE Maria do Carmo Sobral (1) Professora adjunta

Leia mais

FERRAMENTAS DE GESTÃO NOS EMPREENDIMENTOS DE ALIMENTAÇÃO

FERRAMENTAS DE GESTÃO NOS EMPREENDIMENTOS DE ALIMENTAÇÃO FERRAMENTAS DE GESTÃO NOS EMPREENDIMENTOS DE ALIMENTAÇÃO Dennis Pessoa da Silva 1 RESUMO Ferramentas administrativas são técnicas utilizadas na gestão de empresas para solucionar problemas. Elas controlam

Leia mais

Western Asset Management Company Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Limitada. Política de Gerenciamento de Risco Operacional

Western Asset Management Company Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Limitada. Política de Gerenciamento de Risco Operacional Western Asset Management Company Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Limitada Política de Gerenciamento de Risco Operacional Ratificada pela Reunião de Diretoria de 29 de abril de 2014 1 Introdução

Leia mais

Fornecemos soluções aeronáuticas inteligentes, para que você e sua empresa possam operar sempre com excelência, segurança e rentabilidade.

Fornecemos soluções aeronáuticas inteligentes, para que você e sua empresa possam operar sempre com excelência, segurança e rentabilidade. Idealizada para ser a melhor em seu ramo de atuação, a SkyBound é formada por consultores com sólida formação prática e acadêmica, profundo conhecimento aeronáutico e grande experiência em suas respectivas

Leia mais