SERVICE-ORIENTED ARCHITECTURE INTEGRATING ERP SYSTEMS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SERVICE-ORIENTED ARCHITECTURE INTEGRATING ERP SYSTEMS"

Transcrição

1 SERVICE-ORIENTED ARCHITECTURE INTEGRATING ERP SYSTEMS Fernando Antônio Guimarães Tenório (Universidade Federal de Sergipe, Sergipe, Brasil) From the mid-90s to the present day, the Enterprise Resource Planning - ERP have become quite popular in large, medium and even small businesses, integrating their industries and making them more competitive in today's business environment. Another fairly common feature is currently merging companies or even productive branch of business, making them a single large corporation, requiring, in most cases, the integration of their information systems, which systems such ERP. The big problem is how to make such integration, since there are few tools Enterprise Application Integration - EAI available, and, in most cases, the option is to implement a new ERP system and single for the new company formed, burdening spending waste of time, beyond organizational and cultural impact. Within this context, this paper presents the advantages of using Service Oriented Architecture - SOA as a tool for EAI integration of ERP systems. Keywords: Systems, Integration, ERP, SOA. Da metade da década de 90 até os dias atuais, os sistemas Enterprise Resource Planning ERP tornaram-se bastante populares nas grandes, médias e até pequenas empresas, integrando seus setores e tornando-as mais competitivas no atual ambiente de negócios. Outra característica bastante comum atualmente é a fusão de empresas de mesmo ramo produtivo ou de negócios, tornando-as uma única grande corporação, sendo necessária, na maioria dos casos, a integração de seus sistemas de informação, tais quais os sistemas ERP. O grande problema está em como fazer tal integração, pois são poucas as ferramentas de Enterprise Application Integration EAI disponíveis, e, na maioria dos casos, opta-se por implementar um novo e único sistema ERP para a nova empresa formada, onerando gastos, desperdício de tempo, além do impacto organizacional e cultural. Dentro deste contexto, o presente artigo apresenta as vantagens do uso da Arquitetura Orientada a Serviço SOA como uma ferramenta de EAI para a integração de sistemas ERP. Palavras-chave: Sistemas, Integração, ERP, SOA. 1. INTRODUÇÃO: São incontestáveis as vantagens que os sistemas Enterprise Resource Planning ERP podem trazer às empresas que os implementam. Para Medeiros Junior (2007), entre as diversas vantagens providas pelos sistemas ERP, podem ser destacas a padronização e automação dos processos de negócio das empresas, fazendo com que o fluxo de informações entre esses processos ocorra em tempo real, gerando menor desperdício de tempo e maior confiabilidade das informações geradas. Entretanto, tais sistemas ainda apresentam diversos problemas, principalmente relacionados ao seu processo de implantação, demandando onerosos dispêndios de tempo e dinheiro. Ademais, Souza (2000) ressalta que a implantação de sistemas ERP geram uma profunda mudança na forma organizacional das empresas, sendo essas obrigadas a mudar muitos de seus procedimentos organizacionais para adaptar-se ao sistema, podendo gerar 1587

2 certa resistência, por parte dos funcionários, e, possíveis erros na execução de processos de negócio. Segundo pesquisa feita pela Panorama (2012), com empresas que utilizam ERP em todo o mundo, 61% dessas afirmaram ter tido dificuldades relacionadas ao processo de implantação do sistema relacionados a extrapolação dos prazos financeiros e temporais acordados. A pesquisa também constatou que os principais problemas encontrados estavam relacionados a questões organizacionais, corroborando assim com a afirmação de Souza (2000). Além dos problemas organizacionais, outro entrave associado aos sistemas ERP é a sua integração demais sistemas de informação, tais como sistemas de Apoio a Tomada de Decisão (SAD), Customer Relationship Management (CRM) e até outros sistemas ERP. Em um mundo cada vez mais competitivo, varias empresas se fundem ou formam parcerias do tipo joint-ventures almejando maiores vantagens competitivas, fazendo com que haja uma necessidade de interação entre suas plataformas de TI, incluindo os sistemas ERP. Fazendo uma analogia, pode-se imaginar duas empresas, uma delas, em seu parque computacional utiliza o sistema operacional Linux junto ao banco de dados Oracle com um sistema ERP de mesma marca. Uma outra empresa possui o sistema operacional Windows em seu parque computacional, utilizando banco de dados Oracle e sistema ERP R/3, da Alemã SAP. Se essas duas empresas resolverem formar uma parceria joint-venture, podese imaginar que seria necessário uma reestruturação organizacional nas duas empresas para a implementação de um único sistema ERP, ocasionando grande impacto organizacional, demasiados custos de implementação e, consequentemente, dispêndio de tempo e dinheiro. Diante desta realidade, empresas fornecedoras de sistemas ERP viram-se obrigadas a fornecer ferramentas para integração de seus sistemas ERP com demais sistemas de informação. Assim, os Enterprise Application Integration EAI, surgem como ferramentas que fornecem essa integração, baseado em servidores de troca de mensagem entre aplicações e adaptadores, capazes de elaborar infra-estruturas intra e interorganizacionais integradas, flexíveis e manejáveis. As ferramentas de EAI podem ser fornecidas pelas próprias empresas desenvolvedoras de sistemas ERP, contudo, neste caso em específico (Com exceção da SAP e Oracle, que possuem ferramentas de integração baseadas em SOA) tais ferramentas ou só integram seus próprios sistemas, ou são proprietárias, gerando uma dependência, entre fornecedor do sistema para fazer essa integração e as empresas clientes, gerando, para essas últimas, custos e desperdício de tempo. Uma alternativa são as ferramentas de EAI baseadas na Arquitetura Orientada a serviço SOA, que permitem a integração de qualquer tipo de sistema ERP, independentemente da plataforma usada, da linguagem e do banco de dados usado. Por meio de uma EAI baseada em SOA dois sistemas ERP podem ser integrados de tal forma que não será necessário fazer nenhuma reestruturação profunda, bastando integrar os data warehouse das duas empresas através de adaptadores e aplicativos que funcionam como uma espécie de tradutor universal, os Enterprise service bus - ESB necessário para a integração não só entre os sistemas ERP, como também com os sistemas de informação da empresa, tais como sistemas de Business Intelligence BI e Customer relationship management CRM, trazendo benefícios como redução de custos, processos de negócios mais organizados, integração de dados, objetos e processos, aumento da produtividade e agilidade na resposta a mudança. Diante do exposto, o presente artigo tem como objetivo apresentar as vantagens do uso da SOA como ferramenta de EAI para a integração de sistemas ERP distintos entre empresas de uma mesma cadeia produtiva. Para tanto, o trabalho foi dividido em quatro seções além 1588

3 da introdução, em que a primeira apresenta uma revisão da literatura acerca dos conceitos, vantagens e desafios relacionados aos sistemas ERP e SOA, a segunda seção traz a metodologia de pesquisa utilizada neste trabalho, a seção três apresenta o uso da SOA como ferramenta de integração e a seção quatro traz as conclusões deste estudo. 3. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 3.1 ENTERPRISE RESOURCE PLANNING ERP De acordo com Souza e Saccol (2010), os ERPs são sistemas de informação adquiridos na forma de pacotes comerciais de software, permitindo a integração de dados dos sistemas de informação e dos processos de negócios ao longo de uma organização. Ainda segundo os autores, tais sistemas surgiram no inicio dos anos 90, com a promessa de integrar todos os departamentos de uma empresa, por meio de módulos de softwares customizáveis na qual toda a informação gerada pudesse ser armazenada em um único banco de dados. Em síntese os sistemas ERP (SOUZA; ZWICKER, 2003: 11): São pacotes comerciais de software; Incorporam modelos padrões de processos de negócios; Constituem sistemas integrados de informação; Utilizam um banco de dados corporativo; Possuem grande abrangência funcional; Requerem procedimentos de ajuste para que possam ser utilizados em determinada empresa (parametrizações e customizações). Destarte, depreende-se que os sistemas ERP podem trazer inúmeras vantagens as empresas que o implementa. Para Davenport (1998), os ERP são como um sonho que se torna real, ao conseguir integrar, de forma perfeita, toda a informação que flui através de uma empresa. Corroborando Davenport (1998), Ross (1999), elenca diversos motivos que justificam a implantação de um sistema ERP. Tais motivos são: (a) necessidade de plataforma comum; (b) melhoria de processos de negócio; (c) visibilidade de dados; (d) redução de custos operacionais; (e) aumento de eficiência de atendimento aos clientes e; (f) melhoria de processos de decisão estratégicos. Diante do exposto, depreende-se que os sistemas ERP podem trazer vantagens competitivas às empresas que o adotam, por conseguir resolver problemas de integração, disponibilidade e confiabilidade de informações, incorporando, em um único sistema, as funcionalidades necessárias para suportar os diversos processos de negócio encontrados em uma organização (OLIVEIRA; RAMOS, 2002). Contudo, vale ressaltar que os sistemas ERP são Softwares prontos, comprados na forma de pacotes e pouco customizáveis, sendo a empresa adquirente, ciente do grande impacto com a sua implantação, indo desde ao modo como ocorrem as trocas de informações, até a uma mudança organizacional profunda de seu modelo de trabalho e sua organização setorial, fazendo com que a empresa saia de uma visão departamental para um modelo organizacional cujo foco são os processos (SOUZA, 2010). Dessa forma, a próxima seção tem como objetivo apresentar o processo de implantação de um sistema ERP. 3.2 IMPLANTAÇÃO Para autores como Davenport (1998), Esteves e Carvalho (2000), Souza e Zwicker (2003) e Gâmboa, Caputo e Ettore Filho (2004), a etapa de implantação do sistema ERP é bastante 1589

4 crítica, devido, principalmente, ao elevado dispêndio financeiro gasto com treinamento de pessoal e novos investimentos em Hardware e Software. Segundo Souza e Zwicker (2003), a implantação de um sistema ERP se dá em quatro fases, sendo estas a decisão, implementação, estabilização e utilização, conforme pode ser observado na figura 1 a seguir. Figura 1 - Etapas de Implantação do ERP Fonte: Adaptado de Souza e Zwicker (2003). Na etapa de decisão e seleção são decididos o fornecedor do sistema ERP, o planejamento da implementação, a escolha da equipe de implementação, as metas a serem cumpridas, bem como a sua estratégia de implementação. Na etapa de implementação, tem-se a viabilização em si do sistema, onde os módulos são implantados, customizados, a configuração do Hardware é escolhida para dar suporte aos módulos e é realizado o treinamento dos usuários do sistema. Essa etapa pode ser feita de três maneiras: small bang, onde os módulos são implementados individualmente; implementação por fases, onde dois módulos são implementados e postos para funcionar de uma vez e; big bang, onde todos os módulos são implementados e postos para funcionar de uma só vez. A implementação por small bang é a mais recomendada por grande parte das empresas fornecedoras de sistemas ERP, pois facilita a adaptação da empresa ao sistema. A etapa de estabilização é a mais crucial, pois é neste momento que o sistema ERP começa a ser usado e, com isso, aparecem os possíveis erros de programação, as falhas no treinamento dos usuários do sistema e os erros na escolha da configuração do Hardware. A partir da fase de estabilização, a empresa já começa a depender do sistema ERP, sendo de fundamental importância para o sucesso da implementação que todos os problemas e falhas sejam imediatamente corrigidos. A etapa de utilização já é o uso maciço do sistema ERP, com todas as suas funcionalidades em pleno funcionamento, gerando agilidade nos processos e na troca de informações dentro dos setores da empresa. 3.3 IMPACTO GERADO PELA IMPLEMENTAÇÃO Os sistemas ERP mudam por completo toda a estrutura organizacional de uma empresa. Os departamentos agora são dependentes um dos outros, sem hierarquia entre eles, os 1590

5 funcionários precisam ser treinados e campanhas de endomarketing são necessárias para mostrar como o sistema ERP pode reduzir o tempo de trabalho e tornar os processos mais organizados e rápidos. Tal impacto decorre da necessidade de mudanças organizacionais profundas, pois as empresas, normalmente orientadas a uma visão hierárquica e departamental, são obrigadas a adaptar-se a uma visão orientada a objetos, isto é, conjuntos de atividades que cruzam e integram os departamentos. Além disso, muitas vezes as empresas são obrigadas a mudar seus procedimentos para adaptar-se as funcionalidades do pacote (SOUZA, 2000: 51). Tendo em vista todos esses problemas, as empresas que almejam implantar um sistema ERP, devem ter em mente que o planejamento para sua implementação deve ser feita com muito cuidado, por uma equipe de analistas e consultores altamente capacitada, pois uma implantação mal sucedida pode gerar impactos organizacionais irreversíveis. 3.4 ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇO SOA A Arquitetura Orientada a Serviço é um padrão de engenharia de Software recente, com cerca de 10 anos, a qual inexiste consenso quanto a sua definição, fazendo com que surjam, na literatura, diferentes conceitos e abordagens. Para Krafzig, Banke e Slama (2004), SOA pode ser entendida como um conjunto de declarações que tem como função descrever e atribuir funcionalidades a componentes de Software. Tais descrições contem a estrutura técnica, limitações e características de cada um dos componentes, bem como as interfaces utilizadas por eles. De forma mais completa, Fujita (2009) define SOA como uma nova forma para o desenvolvimento de sistemas de informação baseada em um conjunto de componentes modularizados, autônomos e fracamente acoplados, denominados serviços, em que cada um deles possuem processos e comportamentos distintos, estabelecidos através de contratos firmados entre o desenvolvedor e o cliente. Em contraste, a Organization for the Advancement of Structured Information Standards (OASIS), procura definir SOA de forma mais simplista, ao compreender este tipo de arquitetura de Software como um conjunto de funções de negócio, chamadas de serviços, que combinadas geram novas aplicações, denominadas de serviços compostos (OASIS, 2012). Ademais, para que SOA possa funcionar, faz-se necessário um conjunto de aplicações essências na integração dos componentes de Software, conforme pode ser visto na figura 2 a seguir. 1591

6 Figura 2 - Componentes SOA Fonte: Autor (2012) Conforme observado na Figura 2, a SOA é composta por quatro aplicações, o Enterprise Service Bus (ESB), os adaptadores, o Service Broker e o Registro SOA. O ESB tem como função conectar todos os serviços que formam a arquitetura SOA, dando origem aos serviços compostos. Pode-se pensar no ESB como um roteador, nterligando cada um dos componentes SOA. Os adaptadores servem para fazer com que um componente de Software se comunique com o outro. De forma geral, os componentes de Software são escritos em diferentes linguagens de programação, sendo necessário o uso de adaptadores para padronizar as linguagens e fazer com que eles se comuniquem. O Service Broker e Registro SOA tem as funções, respectivamente, de buscar e armazenar as informações de cada componente de Software. Dessa forma, cada novo componente de Software adicionado a SOA deve ter sua descrição anexada ao Service Broker. Visando facilitar o entendimento sobre SOA, pode-se fazer uma analogia entre um sistema baseado na Arquitetura Orientada a Serviço e um sistema de distribuição de água de uma casa. Considere as pias, torneiras e chuveiros as interfaces de cada serviço, por exemplo, o chuveiro é a interface do serviço banho, a pia da cozinha é a interface do serviço lavar louça e assim por diante. Agora suponha que nesse sistema de distribuição, há uma gigantesca caixa de água responsável por liberar água para todas as pias, chuveiros e torneiras da casa. Na analogia, a caixa de água faz o papel de data warehouse do sistema e a água as informações armazenadas por ele. A caixa de água armazena e distribui a água para todas as pias, chuveiros e torneiras da casa através de um distribuidor central, que na nossa analogia seria 1592

7 o ESB, onde seriam ligados desde canos de meia polegada até canos de duas polegadas e meia ou mais. Os canos são a linguagem de programação usada em cada serviço, o chuveiro usa um cano de polegada diferente da torneira do jardim, mas mesmo assim recorre à mesma caixa de água, ou seja, o mesmo data warehouse. Os usuários do chuveiro, das pias, e das torneiras não sabem como a água chega lá, mas sabem que chega, isso pode ser comparado ao recurso chamado caixa-preta na SOA, em que o usuário do serviço só tem acesso à sua interface. Ademais, uma torneira pode se tornar, a depender da necessidade, um chuveiro futuramente, não sendo necessárias mudanças como a água chega ao chuveiro,, ou seja, uma mudança do serviço sem a necessidade de mudanças na sua linguagem de programação, uma reusabilidade daquele mesmo serviço que antes era uma torneira, passando a ser um chuveiro. Os sistemas baseados na SOA são assim, um serviço pode ser reusado em outros tipos de aplicações, sendo esta uma característica essencial na SOA, sua reusabilidade. Após a analogia feita, acredita-se que SOA possa ter sido melhor compreendida. Assim, pode-se ressaltar as vantagens que o uso dessa arquitetura pode proporcionar, tais como: Permitir a integração de sistemas distintos, eliminando a necessidade de descartar os sistemas já usados dentro da empresa; Utilizar o modelo cliente/servidor, do qual o usuário só tem acesso aos detalhes exibidos na interface (Caixa-preta) Reduzindo o risco de dano ao sistema; Pacotes de Software podem ser reusados, pois os mesmos, através do ESB podem ser integrados com qualquer outro tipo de serviço; Integrar vários sistemas de informação da empresa, como a integração entre os ERP, Sistemas de informação gerencial (SIG), Sistemas de apoio a decisão SAD, Custonship Relatioship Management CRM e os sistemas de Business Intelligence BI; Redução dos custos de integração entre dois ou mais sistemas; Menor impacto organizacional na empresa. 3.5 SOA COMO FERRAMENTA DE INTEGRAÇÃO DE SISTEMAS Por meio de suas aplicações, em especial os adaptadores e o ESB, a SOA pode ser vista como uma poderosa ferramenta de integração de sistemas, baseando-se no conceito de web services que, como o próprio nome diz, são serviços providos através da tecnologia web, ou seja, um serviço é interligado ao outro através de uma interface e se comunicam utilizando uma linguagem padrão da web, como por exemplo, o XML. Para um melhor entendimento, suponha uma empresa que possua um sistema para o setor financeiro, acessado via browser, suponha também que esse sistema possua vários serviços, como de conversão de moedas e calculadora. O usuário do sistema só possui acesso a interface do serviço, não sabendo como é feito o procedimento de conversão de moeda ou os cálculos efetuados pela calculadora. É nesse contexto que entra o conceito de integração baseada em SOA, ESB e adaptadores web service, pois os serviços de calculadora e conversão de moedas podem utilizar linguagens diferentes e serem interligados através do ESB com o sistema financeiro que por sua vez utiliza web service para a interação com a interface do usuário. Os mesmos serviços de calculadora e conversão de moedas podem ser reutilizáveis em outros sistemas, tais como sistemas de tomada de decisão que necessitem fazer cálculos e converter valores financeiros. 1593

8 2. METODOLOGIA DE PESQUISA Para a realização deste trabalho, fora feita uma análise documental por meio de fontes de dados secundários coletados em artigos científicos e nos sitios das ferramentas de integração aqui apresentadas. Por fim, foram testadas as seguintes ferramentas de integração baseadas na SOA: Oracle SOA Suite, Microsoft BizTalk, Apache Service mix, sendo instaladas e configuradas em maquinas próprias, objetivando apresentar o Hardware necessário para o bom desempenho de cada uma delas, o preço e um comparativo final, com os pontos fortes e fracos de cada ferramenta, bem como o ambiente empresarial recomendado para o uso de cada uma delas. 3. USO DA SOA NA INTEGRAÇÃO DE SISTEMAS ERP No caso da integração de sistemas ERP baseado na SOA/ESB, os módulos do sistema ERP entram como os serviços e o ESB traduz as informações dos data warehouse de cada sistema, lançando-as em um novo data warehouse unificado. Quando um módulo do sistema ERP invocar algum dado, o ESB ira procurar dentro do data warehouse unificado e enviará ao módulo, ou seja ao serviço requisitante. O nível de implementação visto nessa integração é o de dados, pois somente esses serão integrados, sendo a SOA sendo responsável pela orientação dos dados dentro dos serviços, no caso, os módulos dos sistemas ERP integrados, que manterão suas interfaces e funcionalidades, mudando somente a forma como os módulos, aqui chamados de serviços irão interagir uns com os outros. Quando grandes corporações se fundem é natural que essas abandonem seus sistemas ERP independentes e implantem um único sistema para as duas, gerando assim todo o processo arriscado de implantação. Utilizando a SOA como ferramenta de integração, uma corporação poderá integrar sistemas ERP, mantendo em cada um suas características e funcionalidades, sem a necessidade de mudanças em sua interface, poupando novos treinamentos por parte dos funcionários. Os custos da integração serão bem mais baixos frente ao custo de um novo sistema ERP, pois de acordo com Souza e Saccol (2010), os custos com a implantação de sistemas ERP estão em torno de R$ 10 milhões para uma grande corporação, enquanto que os gastos com integração, se for usado um sistema de integração baseado na SOA, será de, no máximo, R$ 2 milhões. Após todas as evidências acima citadas, nota-se que a integração de sistemas ERP compreende estratégia viável e econômica para corporações que se fundem e não querem perder seus atuais e efetivos sistemas de informação. 3.1 FERRAMENTAS DE INTEGRAÇÃO Para a realização deste trabalho, foram testadas três ferramentas de integração baseadas na SOA. A primeira e mais importante delas é a ferramenta da Oracle, a Oracle SOA Suite 11g, seguida pela ferramenta da Microsoft, a BizTalk Server e por ultimo a ferramenta open source da Sun, a Apache service Mix, a descrição de tais ferramentas bem como um comparativo das mesmas serão apresentados a seguir Oracle soa Suite 11g 1594

9 O Oracle SOA Suite 11g faz parte do Oracle fusion middleware 11g, um conjunto de produtos de software que envolve grande variedade de ferramentas e serviços, dando suporte completo nas fases de desenvolvimento, implantação e gerenciamento de sistemas de informação. A Oracle criou a SOA Suite para que as empresas e organizações possam contar com uma infraestrutura TI mais ágil, flexível e que ofereça rendimento. Por meio da integração dos dados e a lógica de negócio de seus sistemas separados, a suíte SOA permite às organizações unir os objetivos de negócio com a infraestrutura de TI. Estas características explicam sua alta aceitação e clara liderança no mercado (ORACLE, 2010). Essa ferramenta permite desenvolver toda a modelagem de integração de sistemas heterogêneos, por meio da SOA, dispondo de mais de 300 adaptadores para conexão com outros sistemas, incluindo os da SAP e Baan. É formada por vários componentes, com destaque para o Oracle adapters e o Oracle service bus Biztalk Server Assim como o Oracle SOA suite, o BizTalk Server, da Microsoft, é um conjunto de aplicativos e ferramentas, que permitem a integração entre sistemas distintos baseando-se na SOA, dando total suporte ao desenvolvimento e modelagem da integração dos sistemas de informação da empresa e permitindo a integração com futuros serviços. Algumas das principais características dessa suite são: Simplificar e automatizar a interoperabilidade entre sistemas, visando redução de custos e erros; Ganhos de desempenho significativos nos processos de negocio; Menor mudança organizacional dentro da empresa, pois os sistemas continuarão possuindo uma independência entre eles, mantendo assim suas características; Promover melhor agilidade no gerenciamento de todos os sistemas; Integrar eliminando a redundância; Permite a integração com sistemas de informação externos ao BizTalk Server. Dentre as ferramentas que essa suite possui, duas merecem destaque: O BizTalk B2B e o BizTalk ESB toolkit Apache Service Mix Das três ferramentas apresentadas nesta pesquisa, o Apache Service Mix é a única que é gratuita, podendo ser encontrada na Internet para Download. Existem poucas informações acerca dessa suite na internet. Assim como as outras ferramentas, o apache service mix utiliza a tecnologia de web services para prover a integração de sistemas de informação distintos, baseando-se na SOA. Seu ESB utiliza a tecnologia Java Business Integration, um conjunto de ferramentas voltadas para integração de sistemas de informação baseadas na linguagem de programação Java. 3.2 PREÇO 1595

10 Com exceção do Apache Service Mix, as ferramentas aqui apresentadas possuem um alto custo para aquisição de suas licenças de uso, bem como um alto custo com o hardware necessário para a instalação da ferramenta Oracle soa Suite 11g A Oracle vende os pacotes do Oracle Fusion Middleware separadamente, como o Oracle SOA Suite é um pacote do Oracle Fusion Middleware, o mesmo deve ser comprado individualmente, sendo necessária também a compra do Oracle ESB toolkit. O preço dos componentes é dado por servidor, como é feito com sistemas operacionais como o Windows. Os valores são dados em real e as informações foram extraídas no sitio da Oracle. Os preços serão apresentados a seguir. Oracle SOA Suite: R$ ,00 Oracle ESB toolkit: R$ ,00 Somando todos os valores o preço final da ferramenta de EAI da Oracle baseado na SOA é de $ Caso a empresa queira o suporte da própria Oracle, o investimento anual será de R$ 2.807, Microsoft Biztalk Server Existem duas versões do BizTalk Server, a standart voltada a implantação em médias e pequenas empresas, sendo limitada a cinco aplicações do BizTalk Server. A versão mais completa é a Enterprise, projetada para empresas que exigem agilidade e disponibilidade na integração de seus sistemas, bem como escalabilidade para um número ilimitado de sistemas a serem integrados. O preço da licença das duas versões serão apresentados a seguir. Assim como o Oracle soa suíte, a licença é por servidor e os valores são apresentados em Real: Standart Edition: $ ,00 Enterprise Edition: R$ ,00 Um detalhe importante é o fato da ferramenta da Microsoft só funcionar em seu sistema operacional, ou seja, para implantar o BizTalk será necessário também uma licença para o Windows Server 2003/2008/2012, com valor médio de mil dólares para a versão 2012, segundo o sitio da própria Microsoft Apache Service Mix A ferramenta da Apache é gratuita, sendo de código aberto, fazendo com que o gasto seja somente relacionado ao investimento com Hardware e equipe de implantação. 3.3 HARDWARE NECESSÁRIO Outro parâmetro importante para uma comparação é o hardware exigido por cada ferramenta aqui apresentada. Através dos sitios das fornecedoras, são encontrados os requerimentos mínimos necessários para a utilização de cada ferramenta. O Oracle SOA suíte requer um servidor de aplicação com no mínimo uma CPU Pentium dual-core de 1.5ghz, com 4gb de memória RAM e no mínimo 15GB de espaço livre em disco rígido. 1596

11 Os requerimentos mínimos da ferramenta da Microsoft são bem mais modestos que os exigidos pela ferramenta da Oracle, o BizTalk Server exige um processador single core de 1ghz, ou dual de 900mhz ou quad core de 700mhz, 1gb de RAM e 15gb de espaço livre no disco rígido. Vale ressaltar que a versão do BizTalk Server é a O apache Service Mix possui poucas informações acerca do hardware necessário para sua instalação, a única informação encontrada em seu sitio é que a ferramenta requer apenas 100mb de espaço no disco rígido. De acordo com os requisitos mínimos necessários de cada ferramenta, chega-se a conclusão que as três não exigem requisitos de hardware muito poderoso para o seu funcionamento. Como o objeto dessa pesquisa é a integração de sistemas ERP distintos, não haverá necessidade de servidores poderosos, pois os únicos sistemas a serem integrados serão dois sistemas ERP. Em pesquisa realizada nos sítios de fabricantes de servidores, constatou-se que o servidor que melhor atende aos requisitos das ferramentas, com o menor custo possível é o Dell Power edge R510, seu preço, de acordo com a sua fabricante, a Dell, é de 8 mil dólares. 3.4 AMBIENTE CORPORATIVO Como foi visto ao longo deste trabalho, as três ferramentas de integração são bastante ágeis e flexíveis no que diz respeito à integração de sistemas ERP. Se duas empresas de mesma cadeia produtiva ou de negócios se unem possuindo cada uma um sistema ERP distinto, é mais vantajoso integrar os mesmos usando as ferramentas aqui apresentadas ao invés de implementar um novo e único sistema ERP, pois os gastos serão menores, não sendo necessário a realização de profundas mudanças organizacionais dentro das empresas. Não existe, dentre as três ferramentas aqui apresentadas, uma que sobressai a outra. Cada uma, conforme visto ao longo deste trabalho, possui vantagens e desvantagens como, por exemplo, a ferramenta da Oracle que apresenta a vantagem de possuir vários adaptadores e em contrapartida possui um alto custo de aquisição, a da Microsoft com sua interface simples e ágil, um ótimo custo, mas limitada na questão de adaptadores e na plataforma operacional usada (No caso, o sistema operacional deve ser obrigatoriamente o Windows) e a ferramenta da apache, que apesar de gratuita possui poucos adaptadores, sendo também a mais complicada de implantar por não possuir interface gráfica. Com base nos testes realizados com cada uma das ferramentas, recomenda-se, para grandes corporações que se unem, a utilização do sistema da Oracle, pois dentre as ferramentas apresentadas, é a mais robusta, podendo integrar não só sistemas ERP como também demais sistemas de informação utilizados pela empresa e, através dos recursos da SOA, montar uma plataforma de sistemas hierárquicos integrados onde os sistemas de nível operacional, tais como os sistemas ERP, poderão ser integrados aos sistemas tático e estratégico, fornecendo para os dois últimos informações importantes, auxiliando não só nas tomadas de decisão como também no fornecimento de dados importantes acerca do funcionamento da empresa, facilitando o seu gerenciamento. Para as médias corporações, que possuem sua plataforma tecnológica baseada no sistema operacional Windows, da Microsoft, é mais recomendável o uso da ferramenta BizTalk, pois a mesma possui quase todos os recursos disponíveis na plataforma da Oracle, sendo mais fácil de implantar e configurar, mais barata e exigir menos do hardware. Para as pequenas empresas que se unem e possuem cada uma pequenos sistemas ERP de fornecedores conhecidos, a ferramenta recomendada é a da Apache, pois o único custo relacionado ao uso dessa aplicação é o da equipe, que deverá ser formada por pessoas que 1597

12 possuam um alto conhecimento em banco de dados relacional, como também na linguagem de programação Java. A tabela 1 abaixo mostra um resumo dos comparativos aqui apresentados, vale ressaltar que os valores dados são os da aquisição da licença e o hardware são os mínimos necessários para a instalação e funcionamento das ferramentas, podendo os mesmos variarem de acordo com as necessidades da empresa. Cabe ressaltar que a tabela também não apresenta o custo de implantação, pois este pode variar de acordo com a empresa. Tabela 1 - Síntese das ferramentas apresentadas Oracle SOA Suite BizTalk Server Apache Service mix Preço (R$) , ,00 (Standart) ,00 (Enterprise) Hardware Dual core 1.5ghz 4 GB de RAM 15 GB de espaço no disco Single core de 1ghz 1 GB de RAM 15 GB de espaço no disco Processador de 450mhz 512MB de RAM 100MB de espaço no disco Conexão Externa Fonte: Autor (2012). 4. CONCLUSÃO Sim, baseado em web services, a nível de dados Sim, baseado em web services, a nível de dados Sim, baseado em web services, a nível de dados Protocolos de SOAP, FTP, JMS HTTP/HTTPS, SOAP, HTTP/HTTPS, SOAP transporte MTOM, TCP, MSMQ Formato dos dados XML XML XML Adaptadores Mais de 300 Mais de 100 Mais de 20 Sistema operacional Windows XP, Server 2003/2008, Vista, 7, 8 ou Linux Windows Server 2003 /2008/2012 Windows 2000, XP, Server 2003/2008, vista e 7 ou Linux Os sistemas ERP trazem inúmeros benefícios, porém seu processo de implantação é arriscado, caro e lento, fazendo com que a maioria das empresas planejem todos os passos de implantação muito antes da compra do sistema para tentarem reduzir ao mínimo o risco de falha. Ao longo deste artigo, foi defendida a hipótese do uso de ferramentas de integração de sistemas de informação baseadas na arquitetura orientada a serviço, pois através dessas ferramentas, empresas que possuem mais de um sistema ERP não terão a necessidade de se desfazer dos mesmos, poderão integrá-los a um baixo custo, comparado ao gasto relacionado a implementação de sistemas ERP, sem a necessidade de mudanças organizacionais profundas, tanto na área setorial como na estrutural. Neste artigo, foram apresentados os conceitos de sistemas ERP e arquitetura orientada a serviço, como também foi feito um comparativo entre três ferramentas de integração, mostrando o seu custo, sua instalação e configuração, além da capacidade de integrar sistemas distintos. Com isso, é possível dizer que para as empresas que possuem mais de um sistema ERP é mais simples, vantajoso e barato integrá-los usando as ferramentas de integração baseadas em SOA, como as que foram apresentadas ao longo deste trabalho, no lugar de implementar um novo e único sistema ERP ou usar ferramentas de integração proprietárias e limitadas. 1598

13 REFERÊNCIAS Apache Service Mix. Disponivel em:< >. Acesso: 22 fev DAVENPORT, T. H. Putting the Enterprise into the enterprise System. Harvard Business Review. p , ESTEVES, J. M.; SANTOS, A. A.; CARVALHO, J. Á. O ciclo de vida dos custos dos sistemas ERP. In: VII Congresso Brasileiro de Custos. Recife, FUJITA, Henrique Shoiti: MAPOS: Método de analise e projeto orientado a serviços. São Paulo, P. GAMBÔA, F. A. R.; CAPUTO, M. S.; ETTORE FILHO, B. Método para gestão de riscos em implementações de sistemas ERP baseado em fatores críticos de sucesso. Revista de gestão da tecnologia e sistemas de informação. v. 1, n. 1, p KRAFZIG, D.; BANKE, K.; SLAMA, D. Enterprise SOA: Service-Oriented Architecture Best Practices. Indianapolis: Prentice Hall, MARTINS, Victor Manuel Moreira. Integração de sistemas de informação: Perspectivas, normas e abordagens. Portugal, P. MEDEIROS JÚNIOR, A. Sistemas Integrados de Gestão: Proposta para um procedimento de decisão multicritérios para avaliação estratégica. Tese [Doutorado em Engenharia da Produção] São Paulo: USP, Microsoft BitzTalk. Disponivel em:<www.microsoft.com> Acesso: 14 fev OLIVEIRA, M. A.; RAMOS, A. S. M. Fatores de sucesso na implementação de sistemas integrados de gestão empresarial (ERP): Estudo de caso em uma média empresa. In: XXII Encontro nacional de engenharia da produção. Curitiba, Oracle SOA Suite. Disponivel em:<www.oracle.com> Acesso: 25 fev Organization for the Advancement of Structured Information Standards (OASIS). Disponível em: < https://www.oasis-open.org> Acesso: 16 fev PANORAMA. Disponível em: < Acesso: 15 fev ROSS, J. W. The ERP revolution: Surviving Versus Thriving. Cambridge: Massachusetts Institute of technology SOUZA, C. A.; ZWICKER, R. Big-Bang, Small-Bang ou Fases: Estudo dos Aspectos Relacionados ao Modo de Início de Operação de Sistemas ERP. Revista de Administração Contemporânea. v. 7, n. 4, p ,

14 SOUZA, Cesar Alexandre. Sistemas integrados de Gestão Empresarial: Estudos de casos de implementação de sistemas ERP. Dissertação [Mestrado em administração] São Paulo: USP, SOUZA, C. A.; SACCOL, A. Z. (ORG). Sistemas ERP no Brasil. São Paulo: Atlas

SERVICE-ORIENTED ARCHITECTURE INTEGRATING ERP SYSTEMS

SERVICE-ORIENTED ARCHITECTURE INTEGRATING ERP SYSTEMS SERVICE-ORIENTED ARCHITECTURE INTEGRATING ERP SYSTEMS Fernando Antônio Guimarães Tenório (Universidade Federal de Sergipe, Sergipe, Brasil) ftenorio_561@hotmail.com From the mid-90s to the present day,

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning

ERP Enterprise Resource Planning ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Evolução dos SI s CRM OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO OPERACIONAL TÁTICO ESTRATÉGICO SIT SIG SAE SAD ES EIS

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Tecnologia da Informação. O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

27/10/2011. Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização

27/10/2011. Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização 1 Tipos de SI Depende do tipo de apoio a ser oferecido Deve-se levar em consideração: Usuários operações (entrada +processamento + saída) destino

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

APLICATIVOS CORPORATIVOS

APLICATIVOS CORPORATIVOS Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 3 APLICATIVOS CORPORATIVOS PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos de Sistemas

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 6 ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA em Gestão da Tecnologia da Informação

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA em Gestão da Tecnologia da Informação FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA em Gestão da Tecnologia da Informação 1 Ruironaldi dos Santos Cruz ARTIGO ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇO SOA SERVICE

Leia mais

Service Oriented Architecture (SOA)

Service Oriented Architecture (SOA) São Paulo, 2011 Universidade Paulista (UNIP) Service Oriented Architecture (SOA) Prof. MSc. Vladimir Camelo vladimir.professor@gmail.com 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com 1 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Informação no contexto administrativo Graduação em Redes de Computadores Prof. Rodrigo W. Fonseca SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA PELOTAS >SistemasdeInformação SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA

Leia mais

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Louis Albert Araujo Springer Luis Augusto de Freitas Macedo Oliveira Atualmente vem crescendo

Leia mais

Sistemas ERP. Profa. Reane Franco Goulart

Sistemas ERP. Profa. Reane Franco Goulart Sistemas ERP Profa. Reane Franco Goulart Tópicos O que é um Sistema ERP? Como um sistema ERP pode ajudar nos meus negócios? Os benefícios de um Sistema ERP. Vantagens e desvantagens O que é um ERP? ERP

Leia mais

Arquiteturas Orientadas a Serviços ESB. Enterprise Service Bus. Prof. Ricardo J. Rabelo DAS5316 Integração de Sistemas Corporativos

Arquiteturas Orientadas a Serviços ESB. Enterprise Service Bus. Prof. Ricardo J. Rabelo DAS5316 Integração de Sistemas Corporativos ESB Enterprise Service Bus Prof. Ricardo J. Rabelo DAS5316 Integração de Sistemas Corporativos Resumo Introdução Definição Problemas atuais e Vantagens Evolução do ESB ESB versus EAI, MOM, Workfow, SOA

Leia mais

A Melhoria de Desempenho de Processos em uma Instituição Bancária Brasileira: Um Estudo de Caso

A Melhoria de Desempenho de Processos em uma Instituição Bancária Brasileira: Um Estudo de Caso A Melhoria de Desempenho de Processos em uma Instituição Bancária Brasileira: Um Estudo de Caso Fernando Cesar Camilo Centro Universitário de Araraquara- UNIARA SP Brasil fc_camilo@yahoo.com.br Prof. Dr.

Leia mais

Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia

Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia P ORTFÓ FÓLIO Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia versão 1.1 ÍNDICE 1. A EMPRESA... 3 2. BI (BUSINESS INTELLIGENCE)... 5 3. DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS... 6 3.1. PRODUTOS

Leia mais

A R P O BPMN++ MODELER KLUG PROCESSO PARA DOWNLOAD E INSTALAÇÃO VERSÃO FREEWARE. Verificar requisitos para instalação. Testar instalação do software

A R P O BPMN++ MODELER KLUG PROCESSO PARA DOWNLOAD E INSTALAÇÃO VERSÃO FREEWARE. Verificar requisitos para instalação. Testar instalação do software A R P O KLUG BPMN++ MODELER PROCESSO PARA DOWNLOAD E INSTALAÇÃO VERSÃO FREEWARE Verificar requisitos para instalação Iniciar procedimento de instalação Executar procedimento de instalação Efetuar primeiro

Leia mais

Sistemas de Informação na Produção

Sistemas de Informação na Produção Sistemas de Informação na Produção ERP. Principais ERPs do mercado. Mitos sobre ERPs. Aula 6 - Questões para Refletir 2/26 Enterprise Resource Planning - ERP Sistemas de gerência que integram todos os

Leia mais

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Capítulo 12 REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 12.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS De que forma o desenvolvimento de um novo sistema poderia mudar a maneira de uma organização trabalhar?

Leia mais

Infra estrutura da Tecnologia da Informação

Infra estrutura da Tecnologia da Informação Infra estrutura da Tecnologia da Informação Capítulo 3 Adaptado do material de apoio ao Livro Sistemas de Informação Gerenciais, 7ª ed., de K. Laudon e J. Laudon, Prentice Hall, 2005 CEA460 Gestão da Informação

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO. Prof. Esp. Lucas Cruz

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO. Prof. Esp. Lucas Cruz SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO Prof. Esp. Lucas Cruz SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO Os SIs têm o objetivo de automatizar os diversos processos empresariais, visando aumentar o controle e a produtividade, bem

Leia mais

INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES

INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 5 INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito

Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito Sistemas de Informação Prof. Gerson gerson.prando@fatec.sp.gov.br Evolução dos SI OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

Ferramentas unificadas de SOA alinham negócios e TI IDG Research aponta grandes ganhos potenciais a partir de uma solução integrada

Ferramentas unificadas de SOA alinham negócios e TI IDG Research aponta grandes ganhos potenciais a partir de uma solução integrada Insight completo sobre IDG/Oracle Relatório de pesquisa de SOA Ferramentas unificadas de SOA alinham negócios e TI IDG Research aponta grandes ganhos potenciais a partir de uma solução integrada Alinhamento

Leia mais

O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES

O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES André Luís da Silva Pinheiro * Resumo: Este trabalho discutirá o impacto da implantação de um sistema do tipo ERP em uma empresa. Apresentaremos uma breve introdução de

Leia mais

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

Universidade Federal de Goiás UFG Campus Catalão CAC Departamento de Engenharia de Produção. Sistemas ERP. PCP 3 - Professor Muris Lage Junior

Universidade Federal de Goiás UFG Campus Catalão CAC Departamento de Engenharia de Produção. Sistemas ERP. PCP 3 - Professor Muris Lage Junior Sistemas ERP Introdução Sucesso para algumas empresas: acessar informações de forma rápida e confiável responder eficientemente ao mercado consumidor Conseguir não é tarefa simples Isso se deve ao fato

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Introdução sobre Implantação de Sistema ERP em Pequenas Empresas. Prof Valderi R. Q. Leithardt

Introdução sobre Implantação de Sistema ERP em Pequenas Empresas. Prof Valderi R. Q. Leithardt Introdução sobre Implantação de Sistema ERP em Pequenas Empresas Prof Valderi R. Q. Leithardt Objetivo Esta apresentação tem por objetivo mostrar tanto os benefícios como as dificuldades da implantação

Leia mais

Prof. Cláudio ERP/CRM e Supply Chain PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Prof. Cláudio ERP/CRM e Supply Chain PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Cláudio ERP/CRM e Supply Chain PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas de ERP Enterprise Resource Planning Pacote de ferramentas que integram toda a empresa, a grande vantagem é que os dados

Leia mais

Excelência em Metodologia de Helpdesk

Excelência em Metodologia de Helpdesk Excelência em Metodologia de Helpdesk O IntraDesk foi desenvolvido com base nas melhores práticas conhecidas de Helpdesk, indicadas por organizações como o Gartner Group e o Helpdesk Institute, que, aliadas

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística Sistemas de Informação Sistemas de informação ERP - CRM O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 2 Computação em Nuvem Desafios e Oportunidades A Computação em Nuvem

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning. Sistemas Integrados de Gestão

ERP Enterprise Resource Planning. Sistemas Integrados de Gestão ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão ERP O que é S.I. com módulos integrados que dão suporte a diversas áreas operacionais Ex. vendas, gestão de materiais, produção, contabilidade,

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED Implantação de um Sistema de GED Gerenciamento Eletrônico de Documentos Importância do GED O GED tem uma importante contribuição na tarefa da gestão eficiente da informação; É a chave para a melhoria da

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Capítulo 4 Infra-Estrutura de TI: Hardware e Software 2 1 OBJETIVOS

Leia mais

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Juliano Hammes (FAHOR) jh000697@fahor.com.br Gustavo Gerlach (FAHOR) gg000675@fahor.com.br Édio Polacinski (FAHOR) edio.pk@gmail.com.br Resumo

Leia mais

Resumo de TCC Desenvolvimento de um sistema ERP com foco nas tecnologias de software livre / código aberto

Resumo de TCC Desenvolvimento de um sistema ERP com foco nas tecnologias de software livre / código aberto UFSC - Universidade Federal de Santa Catarina CTC Centro Tecnológico INE Departamento de Informática e Estatística INE5631 Projetos I Prof. Renato Cislaghi Resumo de TCC Desenvolvimento de um sistema ERP

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 INTRODUÇÃO SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 Há algum tempo, podemos observar diversas mudanças nas organizações,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE SISTEMAS ERP NAS EMPRESAS DE MÉDIO E PEQUENO PORTE

A IMPORTÂNCIA DE SISTEMAS ERP NAS EMPRESAS DE MÉDIO E PEQUENO PORTE REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - ISSN 1807-1872 P UBLICAÇÃO C IENTÍFICA DA F ACULDADE DE C IÊNCIAS J URÍDICAS E G ERENCIAIS DE G ARÇA/FAEG A NO II, NÚMERO, 03, AGOSTO DE 2005.

Leia mais

Sistemas Integrados ASI - II

Sistemas Integrados ASI - II Sistemas Integrados ASI - II SISTEMAS INTEGRADOS Uma organização de grande porte tem muitos tipos diferentes de Sistemas de Informação que apóiam diferentes funções, níveis organizacionais e processos

Leia mais

SOA: Service-oriented architecture

SOA: Service-oriented architecture SOA: Service-oriented architecture Roteiro Breve História O que é Arquitetura de Software? O que é SOA? Serviços Infraestrutura Composição Sua empresa está preparada para SOA? Breve História Uma empresa

Leia mais

Otimização do Gerenciamento de Datacenters com o Microsoft System Center

Otimização do Gerenciamento de Datacenters com o Microsoft System Center Otimização do Gerenciamento de Datacenters com o Microsoft System Center Aviso de Isenção de Responsabilidade e Direitos Autorais As informações contidas neste documento representam a visão atual da Microsoft

Leia mais

PROCESSOS DE NEGÓCIOS: UMA VISÃO GERAL

PROCESSOS DE NEGÓCIOS: UMA VISÃO GERAL Universidade Federal de Santa Maria Sistemas de Informação ELC1093 Modelagem de Processos de Negócio PROCESSOS DE NEGÓCIOS: UMA VISÃO GERAL Profa. Lisandra Manzoni Fontoura Objetivos da Aula: Processos

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 5 Servidores de Aplicação

Leia mais

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento HOME O QUE É TOUR MÓDULOS POR QUE SOMOS DIFERENTES METODOLOGIA CLIENTES DÚVIDAS PREÇOS FALE CONOSCO Suporte Sou Cliente Onde sua empresa quer chegar? Sistemas de gestão precisam ajudar sua empresa a atingir

Leia mais

Data Warehousing Visão Geral do Processo

Data Warehousing Visão Geral do Processo Data Warehousing Visão Geral do Processo Organizações continuamente coletam dados, informações e conhecimento em níveis cada vez maiores,, e os armazenam em sistemas informatizados O número de usuários

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML 2ª edição Eduardo Bezerra Editora Campus/Elsevier Capítulo 11 Arquitetura do sistema Nada que é visto, é visto de uma vez e por completo. --EUCLIDES

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA A informação sempre esteve presente em todas as organizações; porém, com a evolução dos negócios, seu volume e valor aumentaram muito, exigindo uma solução para seu tratamento,

Leia mais

SISTEMAS E GESTÃO DE RECURSOS ERP E CRM. Prof. André Aparecido da Silva Disponível em: http://www.oxnar.com.br/2015/unitec

SISTEMAS E GESTÃO DE RECURSOS ERP E CRM. Prof. André Aparecido da Silva Disponível em: http://www.oxnar.com.br/2015/unitec SISTEMAS E GESTÃO DE RECURSOS ERP E CRM Prof. André Aparecido da Silva Disponível em: http://www.oxnar.com.br/2015/unitec Teoria geral do Sistemas O Sistema é um conjunto de partes interagentes e interdependentes

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES Rigoleta Dutra Mediano Dias 1, Lívia Aparecida de Oliveira Souza 2 1, 2 CASNAV, MARINHA DO BRASIL, MINISTÉRIO DA DEFESA, BRASIL Resumo: Este

Leia mais

3 Serviços na Web (Web services)

3 Serviços na Web (Web services) 3 Serviços na Web (Web services) 3.1. Visão Geral Com base na definição do Word Wide Web Consortium (W3C), web services são aplicações autocontidas, que possuem interface baseadas em XML e que descrevem

Leia mais

www.mpl.com.br C o n t a b i l i d a d e C o n t a s a P a g a r C o n t a s a R e c e b e r O r ç a m e n t o

www.mpl.com.br C o n t a b i l i d a d e C o n t a s a P a g a r C o n t a s a R e c e b e r O r ç a m e n t o A MPL Corporate Software, em parceria com a Oracle e a Amazon WebServices(AWS),lançouasolução ERPOracleInTheCloud,uma implantação SaaS (Software as a Service) do JD Edwards EnterpriseOne. A solução compreende

Leia mais

Fase 1: Engenharia de Produto

Fase 1: Engenharia de Produto Fase 1: Engenharia de Produto Disciplina: Análise de Requisitos DURAÇÃO: 44 h O objetivo principal da disciplina é realizar uma análise das necessidades e produzir um escopo do produto. Representará os

Leia mais

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1 OBJETIVOS 1. De que forma o desenvolvimento de um novo sistema poderia mudar a maneira de uma organização trabalhar? 2. Como uma empresa pode certificar-se

Leia mais

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM 5/5/2013 1 ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING 5/5/2013 2 1 Os SI nas organizações 5/5/2013 3 Histórico Os Softwares de SI surgiram nos anos 60 para controlar estoque

Leia mais

Case: BI disponível no Smartphone. Empresa : Indiana Seguros S/A. CIO : Reinaldo D Errico.

Case: BI disponível no Smartphone. Empresa : Indiana Seguros S/A. CIO : Reinaldo D Errico. Case: BI disponível no Smartphone. Empresa : Indiana Seguros S/A. CIO : Reinaldo D Errico. Institucional 1943 Década de 90 Nacionalização Internacionalização Institucional COMPOSIÇÃO ACIONÁRIA: 60% FAMÍLIA

Leia mais

Administration Kit. Parte de Kaspersky Business Space Security Kaspersky Enterprise Space Security Kaspersky Total Space Security

Administration Kit. Parte de Kaspersky Business Space Security Kaspersky Enterprise Space Security Kaspersky Total Space Security Administration Kit Parte de Kaspersky Business Space Security Kaspersky Enterprise Space Security Kaspersky Total Space Security O Kaspersky Administration Kit é uma ferramenta de administração centralizada

Leia mais

E t n erpr p ise R sou o r u ce Pl P ann n i n ng Implant nt ç a ã ç o ã de de S ist s e t m e a a E RP

E t n erpr p ise R sou o r u ce Pl P ann n i n ng Implant nt ç a ã ç o ã de de S ist s e t m e a a E RP Enterprise Resource Planning Implantação de Sistema ERP Jorge Moreira jmoreirajr@hotmail.com Conceito Os ERP s (Enterprise Resource Planning) são softwares que permitem a existência de um sistema de informação

Leia mais

Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações. Um SIG gera

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

BPM e SOA. Grinaldo Lopes de Oliveira (grinaldo@gmail.com) Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

BPM e SOA. Grinaldo Lopes de Oliveira (grinaldo@gmail.com) Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas BPM e SOA Grinaldo Lopes de Oliveira (grinaldo@gmail.com) Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Como funcionam as organizações? O que ébpm Business Process Management (BPM)

Leia mais

Laudon & Laudon MIS, 7th Edition. Pg. 1.1

Laudon & Laudon MIS, 7th Edition. Pg. 1.1 Laudon & Laudon MIS, 7th Edition. Pg. 1.1 12 OBJETIVOS OBJETIVOS REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 12.1 De que forma o desenvolvimento de um novo sistema poderia mudar a maneira de uma

Leia mais

www.mpl.com.br ERPOracleInTheCloud.

www.mpl.com.br ERPOracleInTheCloud. A MPL Corporate Software, em parceria com a Oracle e a Amazon WebServices(AWS),lançouasolução ERPOracleInTheCloud,uma implantação SaaS (Software as a Service) do JD Edwards EnterpriseOne. A solução compreende

Leia mais

Sistemas ERP. Enterprise Resource Planning ou Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Unirio/PPGI SAIN

Sistemas ERP. Enterprise Resource Planning ou Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Unirio/PPGI SAIN Sistemas ERP Enterprise Resource Planning ou Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Definições Sistemas de informações que integram todos os dados e processos de uma organização em um único sistema

Leia mais

Plug and play options, integrating systems Opções de plug and play, integrando sistemas Flavio de Nadai

Plug and play options, integrating systems Opções de plug and play, integrando sistemas Flavio de Nadai Plug and play options, integrating systems Opções de plug and play, integrando sistemas Flavio de Nadai Plug & Play Options Integrating Systems Flávio De Nadai Desenvolvimento de Negócios Utilities & Telecom

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 3.1 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA 3.1 2003 by Prentice Hall 3 ão, Organizações ões, Administração e Estratégia OBJETIVOS

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning

ERP Enterprise Resource Planning ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de Recursos da Empresa Sistema Integrado de Gestão Corporativa Prof. Francisco José Lopes Rodovalho 1 Um breve histórico sobre o surgimento do software ERP

Leia mais

Fábrica de Software 29/04/2015

Fábrica de Software 29/04/2015 Fábrica de Software 29/04/2015 Crise do Software Fábrica de Software Analogias costumam ser usadas para tentar entender melhor algo ou alguma coisa. A idéia é simples: compara-se o conceito que não se

Leia mais

Anderson L. S. Moreira

Anderson L. S. Moreira Tecnologia da Informação Aula 10 Fato Real A batalha pelos dados Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@ifpe.edu.br Instituto Federal de Pernambuco Recife PE Esta apresentação está sob licença Creative

Leia mais

acoplamento Exprime o grau de conexão entre os módulos; os módulos de um software devemapresentar um baixo coeficiente de acoplamento.

acoplamento Exprime o grau de conexão entre os módulos; os módulos de um software devemapresentar um baixo coeficiente de acoplamento. SOA Arquitetura Orientada a Serviços Conceitos e Aplicações Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com/ http://edilms.eti.br Gestão de TI Conceitode SOA SOA - Service OrientedArchitecture (Arquitetura

Leia mais

Estruturação da Arquitetura Estadual de Sistemas de Informação por Meio da Orientação a Serviços

Estruturação da Arquitetura Estadual de Sistemas de Informação por Meio da Orientação a Serviços Estruturação da Arquitetura Estadual de Sistemas de Informação por Meio da Orientação a Serviços Relato de Experiência da ATI-PE WCGE 2010 20/07/2010 1 Introdução 2 Sobre a ATI Agência Estadual de Tecnologia

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a SISTEMAS INTEGRADOS Prof. Eduardo Oliveira Bibliografia adotada: COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, 2001. ISBN: 8522429936 LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas

Leia mais

Padrões Abertos, Componentização e SOA A chave para a evolução e criação de uma nova geração de sistemas de gestão comercial

Padrões Abertos, Componentização e SOA A chave para a evolução e criação de uma nova geração de sistemas de gestão comercial Padrões Abertos, Componentização e SOA A chave para a evolução e criação de uma nova geração de sistemas de gestão comercial Sindo V. Dias Antônio C. Mosca Rogério A. Rondini Agenda Cenário do Setor de

Leia mais

A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS. A decisão de automatizar

A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS. A decisão de automatizar A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS A decisão de automatizar 1 A decisão de automatizar Deve identificar os seguintes aspectos: Cultura, missão, objetivos da instituição; Características

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática. Sistema Operacional Proprietário Windows Prof. Walter Travassos

FTIN Formação Técnica em Informática. Sistema Operacional Proprietário Windows Prof. Walter Travassos FTIN Formação Técnica em Informática Sistema Operacional Proprietário Windows Prof. Walter Travassos Aula 01 SISTEMA OPERACIONAL PROPRIETÁRIO WINDOWS Competências do Módulo Instalação e configuração do

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER

MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER TÁSSIO JOSÉ GONÇALVES GOMES tassiogoncalvesg@gmail.com MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 TÁSSIO GONÇALVES - TASSIOGONCALVESG@GMAIL.COM 1 CONTEÚDO Arquitetura

Leia mais

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl Roteiro de apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Workflow Processo

Leia mais

Arquitecturas de Sistemas de Informação

Arquitecturas de Sistemas de Informação Arquitecturas de Sistemas de Informação Arquitectura Tecnológica Arquitectura Tecnológica O que é: É a escolha dos tipos de tecnologia que devem ser utilizados para dar suporte a cada um dos sistemas e

Leia mais

Introdução a Computação

Introdução a Computação Introdução a Computação Aula 03 Profissões de TI Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http:// Papéis... Um papel é uma definição abstrata de um conjunto de atividades executadas e dos respectivos

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ERP - UMA VISÃO GERENCIAL DE CICLO DE VIDA DE IMPLANTAÇÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ERP - UMA VISÃO GERENCIAL DE CICLO DE VIDA DE IMPLANTAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ERP - UMA VISÃO GERENCIAL DE CICLO DE VIDA DE IMPLANTAÇÃO Daniela Cristina Giorgetti Dantas UNIMEP Universidade Metodista de Piracicaba Mestrado Profissional em Sistemas de Informação

Leia mais

BRAlarmExpert. Software para Gerenciamento de Alarmes. BENEFÍCIOS obtidos com a utilização do BRAlarmExpert:

BRAlarmExpert. Software para Gerenciamento de Alarmes. BENEFÍCIOS obtidos com a utilização do BRAlarmExpert: BRAlarmExpert Software para Gerenciamento de Alarmes A TriSolutions conta com um produto diferenciado para gerenciamento de alarmes que é totalmente flexível e amigável. O software BRAlarmExpert é uma

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação UNIDADE XI Sistema De Apoio à Gestão Empresarial Professor : Hiarly Alves www.har-ti.com Fortaleza - 2014 Tópicos Conceitos de software de gestão administrativas Principais softwares de gestão do mercado

Leia mais

AUTOMAÇÃO SUPERVISÃO E CONTROLE E A APLICAÇÃO DA ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇOS SOA.

AUTOMAÇÃO SUPERVISÃO E CONTROLE E A APLICAÇÃO DA ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇOS SOA. AUTOMAÇÃO SUPERVISÃO E CONTROLE E A APLICAÇÃO DA ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇOS SOA. Uma significativa parcela dos sistemas de automação de grandes empresas são legados de tecnologias de gerações anteriores,

Leia mais

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa ACESSE Informações corporativas a partir de qualquer ponto de Internet baseado na configuração

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com

Planejamento Estratégico de TI. Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com Planejamento Estratégico de TI Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com VPN Virtual Private Network Permite acesso aos recursos computacionais da empresa via Internet de forma segura Conexão criptografada

Leia mais

AGORA ORACLE AO SEU ALCANCE

AGORA ORACLE AO SEU ALCANCE A performance que você necessita no preço que você quer! Agora, produtos de infra-estrutura tecnológica ao seu alcance. Existem alternativas que proporcionam às pequenas e médias empresa permanecerem no

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Ponta Grossa 2012 ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Trabalho elaborado pelo

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1 DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1 SUMÁRIO DEFINIÇÃO DE REQUISITOS 4 1. INTRODUÇÃO 4 1.1 FINALIDADE 4 1.2 ESCOPO 4 1.3 DEFINIÇÕES, ACRÔNIMOS

Leia mais

INSTALAÇÃO DO MICROSOFT SQL SERVER 2008 R2

INSTALAÇÃO DO MICROSOFT SQL SERVER 2008 R2 INSTALAÇÃO DO MICROSOFT SQL SERVER 2008 R2 Neste item aprenderemos a instalar o Microsoft SQL SERVER 2008 R2 e a fazer o Upgrade de versões anteriores do SQL SERVER 2008 R2. Também veremos as principais

Leia mais