Implementação de um ambiente para gestão de processos de testes de software baseado em ferramentas de software livre.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Implementação de um ambiente para gestão de processos de testes de software baseado em ferramentas de software livre."

Transcrição

1 Implementação de um ambiente para gestão de processos de testes de software baseado em ferramentas de software livre. Gustavo Rossarolla Forgiarini, Angelina Torres de Oliveira, Cristiano Rech Meneguzzi, Rafaela Lisboa Carvalho, Duncan Dubugras Alcoba Ruiz, Karin Becker, Bernardo Copstein, Flávio Moreira de Oliveira Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS) Faculdade de Informática Caixa Postal Porto Alegre RS Brazil {gforgiarini, atorres, crm, rcarvalho, duncan, kbecker, copstein, Resumo: O presente artigo documenta os estudos realizados na implementação de um ambiente para gestão de processos de teste de software do projeto CWf-Flex. Este projeto está na fase final de desenvolvimento de um ambiente computacional para dar suporte adequado à descrição e execução de processos de teste de software, sob o ponto de vista de controle e acompanhamento. O projeto tem, como pré-requisitos, a execução por navegadores Web e o emprego de ferramentas de software livre no seu processo de desenvolvimento. O ambiente está baseado na tecnologia de automação de workflow como referência no seu desenvolvimento e implantação, bem como na eventual adoção de frameworks para a implementação dos diferentes componentes do ambiente. A principal contribuição é a adoção de uma arquitetura de software que alia o uso somente de ferramentas de código aberto com um alto grau de flexibilidade para a incorporação modular de novas funcionalidades. Abstract: The present article documents the studies accomplished in the implementation of an environment for the management of software-testing processes in the context of the project CWf-Flex. This project is in the final phase of development of a computing environment to provide proper support to the description and execution of software-testing processes, by the point of view of management. The project has, as requirements, the running under Web browsers and the use of opensource tools in the development process. The proposed environment is based on the workflow-automation technology as the reference in design and implementation, as well as in the use of convenient frameworks, for the implementation of different components of the environment. The main contribution is the adoption of a software architecture that allies the exclusive use of open-source tools with a high degree of flexibility for the modular incorporation of new functionalities. 1. Introdução Ultimamente, devido a grande demanda no uso de ferramentas de tecnologia da informação, cresceu muito a preocupação com a qualidade dessas ferramentas, tornando as atividades de teste de software cada vez mais importantes. Um processo de teste de software consiste na execução de uma série de atividades de teste sobre um produto, com a finalidade de encontrar falhas existentes no mesmo. O objetivo é detectar, tanto quanto possível, o maior número de falhas de um software, antes que o mesmo entre em uso, ou que seja comercializado. Para efetivar um processo de testes de um dado software, é definido o respectivo plano de testes, detalhado em casos de teste. Em um plano de testes de software há, tipicamente, um número bastante significativo de casos de testes a serem executados. Este plano descreve: (1) todas as características que o ambiente computacional deve oferecer para que o plano possa ser executado, (2) as habilidades que os profissionais envolvidos devem possuir, (3) os

2 casos de testes a serem realizados sobre o software, e (4) a seqüência de realização dos casos de testes, bem como os procedimentos a adotar em caso de detecção de falhas. Dependendo da gravidade da falha detectada, a execução de um processo de testes pode ser interrompido. Laboratórios de teste de software têm por objetivo aglutinar recursos humanos e computacionais adequados para realizar tais testes em softwares. Para um melhor controle da execução dos mesmos, a gestão dos laboratórios costuma subdividir o plano em blocos de casos de testes, para que estes sejam distribuídos entre os testadores. Além disso, pode ocorrer que distintos blocos de casos de testes, sem dependência entre si, sejam alocados para diferentes testadores, permitindo uma eventual execução em paralelo dos mesmos. Uma outra característica em processos de teste de software é que os recursos computacionais empregados ficam dedicados exclusivamente ao seu bloco de caso de teste até o termino da sua execução. Isso é necessário para (tentar) garantir que somente defeitos do software sendo testado sejam detectados, e não de algum outro software que outrora tenha sido instalado ou testado, e que não faça parte da especificação desse ambiente. Logo, pode-se constatar que tanto o projeto de um plano de testes como sua execução, constitui-se de diversas atividades complexas e inter-relacionadas, que demandam recursos humanos e computacionais. Algumas destas atividades podem ser executadas em paralelo, outras não. Em qualquer caso, é necessário controlar e acompanhar a execução das atividades, bem como o direcionamento e compartilhamento dos resultados, além de efetuar a alocação de recursos adequadamente. O projeto CWf-Flex propõe-se, justamente, a desenvolver uma ferramenta computacional para dar o suporte adequado à descrição e execução de processos de teste de software, pelo ponto de vista de controle e acompanhamento. O objetivo do projeto é o desenvolvimento de um ambiente para gestão de processos de teste de software, baseado na tecnologia de workflow e no uso de ferramentas de software livre, com alocação de recursos. A principal motivação do projeto é a carência existente nos gerenciadores atuais de workflow em não levarem em conta que os recursos a serem alocados podem ter disponibilidade limitada (computadores, etc.) e podem requerer uso exclusivo. Mesmo que a alocação de recursos humanos esteja contemplada na maioria dos sistemas de workflow, é praticamente inexistente o suporte ao agendamento prévio de acordo com compromissos já assumidos por cada ator [Bastos, 2001, Ruiz, 2002], ou seja, não é levada em conta sua disponibilidade. A conformidade dos produtos para automação de processos de workflow com padrões hoje existentes [WfMC, 1998, 2002], não é muito expressiva até porque esses padrões têm evoluído bastante. Por fim, são produtos de alto custo de aquisição e de manutenção. Como resultado do projeto, espera-se que o ambiente desenvolvido permita a alocação eficiente de recursos para a execução das atividades de teste de software de acordo com as capacidades requeridas, além de fornecer agilidade, confiabilidade e uma visão abrangente de todas as etapas de execução de um projeto de teste de software, através da tecnologia de Workflow. Este artigo documenta os estudos feitos para a definição da arquitetura de software adotada na implementação do projeto, considerando um ambiente típico de execução na Web, e com o uso de ferramentas de software livre. Para tanto, é discutida a arquitetura proposta, bem como, a descrição dos frameworks adotados na implementação dos diferentes módulos. O trabalho está organizado da seguinte maneira. O capítulo 2 apresenta os objetivos, atividades previstas e resultados esperados no contexto do projeto CWf-Flex. O capítulo 3 descreve a arquitetura de implementação do ambiente e a seqüência típica de operação do ambiente de execução, enquanto o capítulo 4 descreve a seqüência de desenvolvimento do ambiente de execução e apresentadas as dificuldades e soluções encontradas durante a implementação. Por fim, o capítulo 5 tece considerações sobre o estágio em que a pesquisa se encontra, bem como quais serão os próximos passos da mesma.

3 2. Projeto CWf-Flex O principal objetivo do projeto CWf-Flex é especificar e implementar um ambiente flexível e aberto para a descrição e acompanhamento da execução dos processos de teste de software, bem como a correspondente alocação de recursos humanos e computacionais para o desenvolvimento das atividades envolvidas em cada instância de processo a ser executada. O projeto define três ambientes distintos para a ferramenta computacional: (1) ambiente de descrição, (2) modelo formal de execução, e (3) ambiente de execução. O ambiente de descrição é o meio que possibilita a entrada de modelos de processos de teste, de forma diagramática. O modelo de referência adotado é o definido em [Bastos, 2001] e utiliza a extensão de diagramas de atividades UML proposto por [Bastos, 2002]. Esse ambiente foi desenvolvido sobre o ArgoUML [ArgoUML, 2004], de acordo com o requisito do projeto para uso somente de ferramentas de código aberto. Além disso, esse ambiente foi concebido para ser independente do ambiente de execução, na medida em que a interação entre esses ambientes é feita pelo modelo formal de execução. As especificações resultantes são exportadas para o ambiente de execução através do modelo formal de execução. A documentação completa desse ambiente está em [Velasco, 2004], e não é tratado neste artigo. O modelo formal de execução é o padrão de comunicação entre o ambiente de descrição e o ambiente de execução. O mesmo permite descrever modelos de workflow, em XML, e as especificações necessárias para realizar o controle de alocação de recursos nos processos de testes. Esse modelo é conforme a especificação XPDL da WfMC (modelo de descrição de processos de workflow em XML, via XML-Schemas) [WfMC, 2002], e utiliza os próprios recursos de extensão da XPDL para incorporar funcionalidades adicionais. Devido a falta de espaço, essa extensão também não será tratada neste artigo. O ambiente de execução é o ambiente que possibilita o controle e o acompanhamento das execuções de processos de teste através da tecnologia de workflow, considerando recursos computacionais como recursos de produção (uso exclusivo, tempo necessário para configuração e de utilização). Para tanto, esse ambiente recebe modelos descritos no modelo formal de execução. Além disso, todas as informações referentes ao laboratório de teste de software em si são apropriadas diretamente nesse ambiente (engenheiros de teste, testadores, equipamentos computacionais disponíveis, habilidades de cada recurso, etc.). O resultado esperado, ao final do projeto, é um ambiente computacional completo que possibilite a descrição, acompanhamento e a execução de atividades de teste de software, através da tecnologia de workflow, agregando recursos de forma eficiente, e possibilitando, aos usuários e profissionais da área de teste de software, facilidades no desempenho de suas funções. Para os gestores de laboratórios de teste de software, espera-se um ambiente leve e flexível, que forneça agilidade, confiabilidade e uma visão geral de todas as etapas de um processo de teste de software. 3. Arquitetura de Implementação do Ambiente de Execução O crescente uso de ferramentas de tecnologia da informação, cuja execução se dá por navegadores Web, tem se tornado comum nas grandes e pequenas empresas. Isso decorre da integração que essas aplicações têm com os sistemas legados das empresas, isto é, não é necessário eliminar ou substituir sistemas já existentes, mas sim integrá-los. Porém, o desenvolvimento deste tipo de ferramenta requer mais do que simplesmente um conjunto de páginas JSP; é necessário ter organização, padronização e facilidade de implantação, para que se obtenha o desenvolvimento de sistemas modulares e de fácil manutenção.

4 Por tratar-se justamente de uma ferramenta Web, não se caracteriza como uma boa técnica manter misturados códigos de acesso a dados, regras de negócio e códigos de apresentação, pois essa mistura pode gerar muitos problemas no seu desenvolvimento e dificultar em muito a sua manutenção. Sendo assim, para o ambiente de desenvolvimento do projeto CWf-Flex foi adotada uma arquitetura dividida em três camadas: apresentação, regras de negócio e persistência de dados, como mostrado na Figura 1. A camada de apresentação e de regras de negócio estão contidas no servidor Web, bem como as páginas JSP. A tecnologia J2EE foi utilizada no desenvolvimento da ferramenta como um todo, possibilitando com isso, a portabilidade do sistema entre diferentes sistemas operacionais e, em especial, Linux. Servidor Web - Apache Jakarta Tomcat Browser Paginas Html e Jsp WebWork2 Camada de Apresentação Hibernate Camada de Regras de Negócio PostgreSQL Camada de Persistência de dados Figura 1 - Arquitetura de implementação do ambiente. A camada de apresentação do projeto CWF-flex segue o paradigma MVC(Model View Controller). Isso faz com que o projeto tenha padronização no código e também, rapidez no desenvolvimento sem que haja perda em qualidade na ferramenta. Dentre as características esperadas de um framework que implemeta o paradigma MVC, destacam-se: Separação entre dados (Model), apresentação (View) e controle (Controller). Gerência das relações entre o modelo e a apresentação. Responsabilidades mais claramente definidas. Redução no esforço de implementação da camada de apresentação. O framework MVC contemplado para a camada de apresentação do projeto é o WebWork2 [WebWork2, 2004]. Trata-se de uma opção bastante difundida e de fácil adaptação, que agrega ao projeto uma estrutura lógica de tratamento de dados, além de ser responsável pela realização da comunicação entre o modelo e a visualização, trazendo, com isso, maior reusabilidade, responsabilidades mais definidas além de reduzir os esforços de implementação na camada de apresentação. Já para a camada de regras de negócio, a alternativa adotada é o Hibernate [Hibernate, 2004]. O Hibernate é um framework de persistência de dados que provê o mapeamento Objeto-Relacional, constitui-se de uma biblioteca de classes Java (hibernate.jar), e se estabelece como uma camada adicional entre a aplicação e o banco de dados. Seu objetivo é eliminar a necessidade de redigir instruções SQL nas classes de negócio, atuando como uma interface entre os dois paradigmas: orientado a objetos (OO) e relacional. Características: Suporta todas as propriedades da OO como herança, polimorfismo e composição. Open Source o que garante o livre acesso ao código fonte. Suporte a múltiplos SGDBs - Oracle, DB2, MySQL, PostgreSQL entre outros. O Funcionamento do Hibernate consiste na criação dos objetos a serem persistidos com base em um documento de mapeamento (escrito em XML). Esse documento serve para descrever os campos que devem ser persistidos, as associações, bem como as subclasses dos objetos persistentes. Esses documentos de mapeamento são compilados na inicialização da aplicação e provêm, ao framework, as informações necessárias sobre cada classe.

5 Por fim, para a camada de persistência de dados, optou-se pelo o SGDB PostgreSQL, por ser um SGBD relacional e orientado a objetos, que tem seu código fonte aberto, ser multiplataforma, além de ter confiabilidade e estabilidade reconhecidas. 3.1 Seqüência típica de operação do Ambiente de Execução Primeiramente, no módulo de cadastro básico do ambiente, é feita a inserção dos dados referentes a um laboratório de teste de software como, por exemplo, papéis dos participantes, participantes (humanos e máquinas), capacidades dos participantes humanos, configurações de máquinas e clientes. Já a inclusão de um projeto implica na carga de um arquivo XPDL. Este arquivo contém todos os dados do plano e a correspondente validação do mesmo frente aos cadastros do laboratório. Para cada plano carregado, é realizada a correspondente alocação de recursos, que caracteriza uma das principais funcionalidades do ambiente e que acontece quando um engenheiro de teste seleciona o plano para o qual deseja efetuar a correspondente alocação de recursos. O engenheiro de teste seleciona cada uma das atividades e informa qual participante será responsável pela execução da mesma, de acordo com suas capacidades e disponibilidades em sua agenda. A alocação de recursos é um processo repetitivo, executado até que todas as atividades tenham seus recursos alocados. Para cada atividade a ter recursos alocados, o ambiente apresenta as propriedades da mesma, para permitir que o engenheiro selecione um participante adequado e disponível. Ao escolher um participante, são apresentadas suas propriedades e, em especial, sua agenda de compromissos já assumidos. O engenheiro confirma que deseja alocar, ou não, este participante para a execução da atividade. Caso positivo, o sistema apropria os dados no banco de dados, tornando o participante indisponível, no período informado, para a execução de outras atividades. A disponibilidade para execução de atividades por parte dos testadores (humanos) é verificada considerando duas condições: os horários de trabalho do participante, e os compromissos já assumidos para execução de atividades de teste. O objetivo é respeitar os horários definidos para cada participante como à disposição para a execução de teste. 4. Implementação do Ambiente de Execução As etapas de pesquisa e definição da arquitetura de implementação, do ambiente de execução, definiram um ambiente de desenvolvimento Web totalmente open-source. Para o desenvolvimento das classes e conexões dos frameworks contemplados no projeto optou-se pela utilização da plataforma de desenvolvimento Eclipse [Eclipse, 2004]. Trata-se de um ambiente bastante flexível e que permite a integração de diversos tipos de plugins, facilitando assim a criação, integração e utilização das ferramentas, com significativo ganho de tempo. 4.1 Descrição da seqüência de desenvolvimento do ambiente de execução A especificação da ferramenta foi feita em UML [Oliveira 2004]. Foram descritos casos de uso para cada funcionalidade do sistema e um diagrama de classes global. Além disso, foi definido o modelo lógico de dados para implementação no SGBD escolhido. A produção do script de criação do banco de dados foi feita via uma ferramenta adequada. Por fim, esse script foi executado no PostgreSQL. Realizado isso, através da plataforma Eclipse com o plugin Hibernate, foi feito o mapeamento desta base de dados para um modelo Objeto- Relacional, para posterior interação com o framework WebWork Recursos utilizados do Hibernate Para o projeto, foi utilizado o plugin Hibernate Synchronizer, que gera código para a camada de persistência do Hibernate. Códigos que são gerados com o plugin: (a) Objetos de

6 negócio, (b) Objetos de chaves compostas, (c) Objetos de enumeração, (d) Objetos de componentes, (e) Subclasses e (f) Objetos de DAO. Dois componentes do Hibernate se sobressaem, pois, são eles que garantem o seu funcionamento: hibernate.cfg e XML Mapping. Hibernate.cfg: é o arquivo que contém as configurações da conexão com o banco de dados. Nele é definido: o tipo do banco, url, driver, username, pasword e dialect, que estão em destaque na figura 2, respectivamente. Figura 2: Exemplo de arquivo de configuração da conexão com o banco de dados. XML Mapping: é o arquivo onde são registradas as informações a respeito do mapeamento das classes e suas respectivas tabelas relacionais. Cada classe é mapeada para uma tabela. Além disso, são registradas informações sobre os relacionamentos, cardinalidades e identificadores. Na figura 3 podemos observar o mapeamento do objeto persistente Capability, descrito em formato XML. No arquivo está em destaque, primeiramente, o pacote onde o arquivo foi criado, e seu respectivo nome. Em seguida, destacam-se os dois campos deste objeto (IdCapability e DescriptionCapability) e suas propriedades. Figura 3: Mapeamento do objeto persistido descrito em formato XML. Outro recurso oferecido pelo Hibernate, é que os comandos de pesquisa são feitos através de uma linguagem simples, chamada HQL Hibernate Query Language. Esses são

7 traduzidos para comandos SQL do SGBD adotado. Portanto, com o Hibernate, tem-se de um lado a conexão com o SGBD e, pelo outro, a implementação do mapeamento de classes persistentes do ambiente de execução. 4.3 Recursos utilizados do WebWork2 O WebWork2 funciona em conjunto com um arquivo escrito em XML chamado XWork. Este permite implementar diversos padrões de desenvolvimento, provendo variadas funcionalidades para o processamento de comandos. A combinação do framework com o arquivo XWork permite a separação entre a camada de visualização e a de regras de negócio. A figura 4 mostra em destaque a ação AddCapability no arquivo Xwork, com os seguintes recursos implementados no projeto: Ações: o gerenciamento de actions e comandos é a característica mais importante do WebWork2, pois é assim que são acionados os métodos criados nas classes Java. Interceptadores: com os interceptors, uma ação pode ser interceptada antes e/ou depois de sua execução, podendo ter seu fluxo desviado ou redirecionado. Além disso, múltiplos interceptors podem ser utilizados para uma mesma ação. Redirecionamento: como resultado de uma ação sempre é originado um redirecionamento. Ao ser chamada uma ação, esta retorna para onde deseja redirecionar a aplicação na camada de visualização. Figura 4: Exemplo de arquivo Xwork do WebWork2. A figura 5 mostra a validação da ação AddCapability. O WebWork2 automatiza a validação dessa ação com a criação de um arquivo em XML que possui o mesmo nome da classe Java que ele visa validar, mais o nome da ação. Esta nomenclatura é especialmente importante, pois, é justamente esta coincidência que realiza a ligação da classe com sua ação. Este tipo de validação além de ser bastante eficiente, independe da programação Java. Figura 5: validação da ação AddCapability. 5. Considerações finais Este trabalho apresentou os estudos realizados para implementação do ambiente de execução do projeto CWf-Flex, descreveu a arquitetura adotada e destacou os temas em que foi necessária uma especial atenção por parte da equipe: automação de workflow,

8 desenvolvimento de aplicações WEB, bancos de dados, teste de software, além de um grande conhecimento adquirido sobre ferramentas open-source. Além disso, foi mencionada a adoção do padrão XPDL para descrição de workflows com extensões adequadas, como formalismo para troca de especificações de planos de teste de software. Com isso, obteve-se um alto grau de independência entre as ferramentas de descrição e de execução. O ambiente de execução foi implementado usando a tecnologia J2EE, em uma arquitetura dividida em três camadas, que exigiu, em especial, uma busca sobre ferramentas /frameworks de software livre disponíveis. É importante ressaltar que as ferramentas e frameworks utilizados elevaram o nível de produtividade no desenvolvimento do ambiente, e proporcionaram uma implementação em módulos e de fácil manutenção. Sendo assim, o ambiente foi desenvolvido com a preocupação de deixar pontos que possibilitem uma fácil agregação de novos módulos, em futuras versões. 5.1 Próximas etapas A implantação do ambiente em um laboratório de teste de software é a fase atual do projeto. Ao colocar a ferramenta em execução, espera-se verificar o atendimento aos seus requisitos, o nível de conforto em seu uso, e a qualidade das informações geradas sobre a produtividade da equipe, fornecidas aos gestores. Com isso espera-se aferir a qualidade da implantação feita e realimentar o processo de desenvolvimento da mesma. Também está sendo iniciado um estudo para a proposição de um método de modelagem voltado às características oferecidas, bem como um estudo de outras áreas de sua aplicação. Bibliografia ArgoUML. ArgoUML Documentation. último acesso: julho/2004. BASTOS, R.M.; RUIZ, D.D.A. Towards an Approach to Model Business Processes using Workflow Modeling Techniques in Production Systems. In: HICSS- 34, 2001, Maui, Hawaii, EUA. Proceedings of the 34 th HICSS. Los Alamitos, CA, EUA: IEEE Computer Society, BASTOS, R.M.; RUIZ, D.D.A. Extending UML Activity Diagram for Workflow Modeling in Production Systems. In: HICSS-35, 2002, Big Island, Hawaii, USA. Proceedings of the 35 th HICSS. Los Alamitos, CA, USA: IEEE Computer Society, Eclipse - Website of the Eclipse Foundation. último acesso: junho/2004. Hibernate - A Hitchhiker's Guide to Hibernate. último acesso: junho/2004. OLIVEIRA, A.T. et al. (2004) CWf-Flex Especificação do ambiente de execução. Porto Alegre, PPGCC- PUCRS, 2004 (Relatório CWf-Flex 01/2004). Object Management Group. Workflow Management Facility Specification, V1.2. Needham MA: OMG, RUIZ, D.D.A.; BASTOS, R.M.. C-Wf: a Model to Represent Workflow Business Processes in Production Systems. Journal of Applied System Studies, Cambridged, England, v. 3, n. 1, VELASCO, L.H.; et al. (2004) Workflow Designer: Uma ferramenta para modelar processos de Workflow. Porto Alegre, FACIN-PUCRS, 2004 (Trabalho de conclusão 01/2004). Workflow Management Coalition. Interface 1: Process Definition Interchange Process Model. Hampshire UK: WfMC, Nov (Ofificial Realease 7.04). Workflow Management Coalition. Workflow Process Definition Interface XML Process Definition Language. Hampshire UK: WfMC, October (WFMC-TC-1025, Final Draft 1.0) WebWork2 - Documentation Wiki. último acesso: junho/2004.

SISTEMA GERENCIAL TRATORPLAN

SISTEMA GERENCIAL TRATORPLAN SISTEMA GERENCIAL TRATORPLAN SIGET Fabrício Pereira Santana¹, Jaime William Dias¹, ², Ricardo de Melo Germano¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil fabricioblack@gmail.com germano@unipar.br

Leia mais

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl Roteiro de apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Workflow Processo

Leia mais

SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS

SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS Pablo dos Santos Alves Alexander Roberto Valdameri - Orientador Roteiro da apresentação Introdução Objetivos Motivação Revisão bibliográfica

Leia mais

Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional

Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional Juarez Bachmann Orientador: Alexander Roberto Valdameri Roteiro Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

Um Simulador para Avaliação da Antecipação de Tarefas em Sistemas Gerenciadores de Workflow

Um Simulador para Avaliação da Antecipação de Tarefas em Sistemas Gerenciadores de Workflow Um Simulador para Avaliação da Antecipação de Tarefas em Sistemas Gerenciadores de Workflow Resumo. A fim de flexibilizar o fluxo de controle e o fluxo de dados em Sistemas Gerenciadores de Workflow (SGWf),

Leia mais

WebUML: Uma Ferramenta Colaborativa de Apoio ao Projeto e Análise de Sistemas Descritos em Classes UML

WebUML: Uma Ferramenta Colaborativa de Apoio ao Projeto e Análise de Sistemas Descritos em Classes UML Carlos Henrique Pereira WebUML: Uma Ferramenta Colaborativa de Apoio ao Projeto e Análise de Sistemas Descritos em Classes UML Florianópolis - SC 2007 / 2 Resumo O objetivo deste trabalho é especificar

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS

ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS RESUMO Este artigo apresenta a especificação de um sistema gerenciador de workflow, o ExPSEE, de acordo com a abordagem de desenvolvimento baseado

Leia mais

WebApps em Java com uso de Frameworks

WebApps em Java com uso de Frameworks WebApps em Java com uso de Frameworks Fred Lopes Índice O que são frameworks? Arquitetura em camadas Arquitetura de sistemas WEB (WebApps) Listagem resumida de frameworks Java Hibernate O que são frameworks?

Leia mais

GERADOR DE CÓDIGO JSP BASEADO EM PROJETO DE SGBD. Acadêmico: Maicon Klug Orientadora: Joyce Martins

GERADOR DE CÓDIGO JSP BASEADO EM PROJETO DE SGBD. Acadêmico: Maicon Klug Orientadora: Joyce Martins GERADOR DE CÓDIGO JSP BASEADO EM PROJETO DE SGBD Acadêmico: Maicon Klug Orientadora: Joyce Martins Roteiro Introdução Objetivos do trabalho Fundamentação teórica Desenvolvimento do trabalho Conclusão Extensões

Leia mais

Sistema de Memorandos On-Line. (Projeto Arquitetural)

Sistema de Memorandos On-Line. (Projeto Arquitetural) Universidade Federal de Campina Grande Pb Departamento de Sistemas e Computação Disciplina: Projeto em Computação I 2111185 Professora: Francilene Procópio Garcia, P.Sc Alunos: Arnaldo de Sena Santos;

Leia mais

GeCA: Uma Ferramenta de Engenharia Reversa e Geração Automática de Código

GeCA: Uma Ferramenta de Engenharia Reversa e Geração Automática de Código GeCA: Uma Ferramenta de Engenharia Reversa e Geração Automática de Código Igor Steinmacher 1, Éderson Fernando Amorim 1, Flávio Luiz Schiavoni 1, Elisa Hatsue Moriya Huzita 1 1 Departamento de Informática

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. Informatização de farmácias publicas utilizando software livre.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. Informatização de farmácias publicas utilizando software livre. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Informatização de farmácias publicas utilizando software livre. MURILO NUNES ELIAS FLORIANÓPOLIS SC 2007/2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS Lilian R. M. Paiva, Luciene C. Oliveira, Mariana D. Justino, Mateus S. Silva, Mylene L. Rodrigues Engenharia de Computação - Universidade de Uberaba (UNIUBE)

Leia mais

Ferramenta de apoio a gerência de configuração de software. Aluno: Rodrigo Furlaneto Orientador: Everaldo Artur Grahl

Ferramenta de apoio a gerência de configuração de software. Aluno: Rodrigo Furlaneto Orientador: Everaldo Artur Grahl Ferramenta de apoio a gerência de configuração de software Aluno: Rodrigo Furlaneto Orientador: Everaldo Artur Grahl Roteiro de apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Gerência de Configuração

Leia mais

Arquitetura de Software: Uma Central para Gestão da execução de serviços

Arquitetura de Software: Uma Central para Gestão da execução de serviços Arquitetura de Software: Uma Central para Gestão da execução de serviços ADILSON FERREIRA DA SILVA Centro Paula Souza São Paulo Brasil afs.software@gmail.com Prof.a. Dr.a. MARILIA MACORIN DE AZEVEDO Centro

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição Intensiva de Férias

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição Intensiva de Férias CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição Intensiva de Férias O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma Orientado a Objetos

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO OS 003/DINFO/2013 16/09/2013

ORDEM DE SERVIÇO OS 003/DINFO/2013 16/09/2013 A DIRETORIA DE INFORMÁTICA DINFO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO -UERJ, no uso de suas atribuições legais, estabelece: Art. 1º: Para fins de normatização do Desenvolvimento Tecnológico na UERJ

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2009

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2009 CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2009 O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma Orientado a Objetos e com o uso

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA WEB E FLEX Setembro de 2010 à Janeiro de 2011

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA WEB E FLEX Setembro de 2010 à Janeiro de 2011 CURSO DESENVOLVEDOR JAVA WEB E FLEX Setembro de 2010 à Janeiro de 2011 O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma

Leia mais

Especificação de um Sistema Gerenciador de Workflow de Acordo com a Abordagem de Desenvolvimento Baseado em Componentes

Especificação de um Sistema Gerenciador de Workflow de Acordo com a Abordagem de Desenvolvimento Baseado em Componentes Especificação de um Sistema Gerenciador de Workflow de Acordo com a Abordagem de Desenvolvimento Baseado em Componentes Edson Alves de Oliveira Junior 1, Itana Maria de Souza Gimenes 1 1 Departamento de

Leia mais

ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Amarildo Aparecido Ferreira Junior 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1 ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil aapfjr@gmail.com

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS DO PARANÁ. Sistema de Gestão Escolar PROJETO FINAL Schola Ratio Versão 8

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS DO PARANÁ. Sistema de Gestão Escolar PROJETO FINAL Schola Ratio Versão 8 FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS DO PARANÁ Sistema de Gestão Escolar PROJETO FINAL Schola Ratio Versão 8 CURITIBA Nov 2012 DJULLES IKEDA OSNIR FERREIRA DA CUNHA Sistema de Gestão Escolar PROJETO

Leia mais

PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS

PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS Élysson Mendes Rezende Bacharelando em Sistemas de Informação Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

Uma proposta de um processo prático para apoiar o reuso de software

Uma proposta de um processo prático para apoiar o reuso de software Uma proposta de um processo prático para apoiar o reuso de software Rosangela Kronig (UNIP) rkronig.mes.engprod@unip.br Ivanir Costa (UNIP) icosta@unip.br Mauro Spínola (UNIP) mspinola@unip.br Resumo A

Leia mais

Test-Module: uma ferramenta para gerenciamento de testes de software integrada ao FireScrum

Test-Module: uma ferramenta para gerenciamento de testes de software integrada ao FireScrum Test-Module: uma ferramenta para gerenciamento de testes de software integrada ao FireScrum Audrey B. Vasconcelos, Iuri Santos Souza, Ivonei F. da Silva, Keldjan Alves Centro de Informática Universidade

Leia mais

Definição de Processos de Workflow

Definição de Processos de Workflow Definição de Processos de Tiago Telecken Universidade Federal do Rio Grande do Sul telecken@inf.ufrgs.br Resumo Este artigo apresenta uma introdução a tecnologia de workflow informando noções básicas sobre

Leia mais

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos. Centro Tecnológico. Universidade Federal do Espírito Santo

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos. Centro Tecnológico. Universidade Federal do Espírito Santo Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Disciplina: INF 02810 Prof.: (monalessa@inf.ufes.br) Conteúdo 1. Introdução 2. Processo de Software 3. Gerência de

Leia mais

EXPSEE: UM AMBIENTE EXPERIMENTAL DE ENGENHARIA DE SOFTWARE ORIENTADO A PROCESSOS

EXPSEE: UM AMBIENTE EXPERIMENTAL DE ENGENHARIA DE SOFTWARE ORIENTADO A PROCESSOS EXPSEE: UM AMBIENTE EXPERIMENTAL DE ENGENHARIA DE SOFTWARE ORIENTADO A PROCESSOS Edson Alves de Oliveira Junior (1) Igor Fábio Steinmacher (2) eaojunio@bol.com.br ifsteinm@din.uem.br Edna Tomie Takano

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Contribuições do MDA para o desenvolvimento de software

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Contribuições do MDA para o desenvolvimento de software UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Contribuições do MDA para o desenvolvimento de software Anna Carla Mohr Verner Helder Eugenio dos Santos Puia Florianópolis,

Leia mais

Projeto Arquitetural do IEmbedded

Projeto Arquitetural do IEmbedded Universidade Federal de Campina Grande Centro de Engenharia Elétrica e Informática Departamento de Sistemas e Computação Disciplina: Projeto I Professora: Francilene Garcia Equipe: Carolina Nogueira de

Leia mais

Fase 1: Engenharia de Produto

Fase 1: Engenharia de Produto Fase 1: Engenharia de Produto Disciplina: Análise de Requisitos DURAÇÃO: 44 h O objetivo principal da disciplina é realizar uma análise das necessidades e produzir um escopo do produto. Representará os

Leia mais

FERRAMENTA WEB PARA MODELAGEM LÓGICA EM PROJETOS DE BANCOS DE DADOS RELACIONAIS

FERRAMENTA WEB PARA MODELAGEM LÓGICA EM PROJETOS DE BANCOS DE DADOS RELACIONAIS FERRAMENTA WEB PARA MODELAGEM LÓGICA EM PROJETOS DE BANCOS DE DADOS RELACIONAIS PAULO ALBERTO BUGMANN ORIENTADOR: ALEXANDER ROBERTO VALDAMERI Roteiro Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

Ambiente Web PHP Problemas Frameworks CakePHP Symfony Zend Framework Prado CodeIgniter Demonstração

Ambiente Web PHP Problemas Frameworks CakePHP Symfony Zend Framework Prado CodeIgniter Demonstração Desenvolvimento em PHP usando Frameworks Elton Luís Minetto Agenda Ambiente Web PHP Problemas Frameworks CakePHP Symfony Zend Framework Prado CodeIgniter Demonstração Ambiente Web É o ambiente formado

Leia mais

Ambiente Web PHP Problemas Frameworks CakePHP Symfony Zend Framework Prado CodeIgniter Demonstração O livro

Ambiente Web PHP Problemas Frameworks CakePHP Symfony Zend Framework Prado CodeIgniter Demonstração O livro Desenvolvimento em PHP usando Frameworks Elton Luís Minetto Agenda Ambiente Web PHP Problemas Frameworks CakePHP Symfony Zend Framework Prado CodeIgniter Demonstração O livro Ambiente Web É o ambiente

Leia mais

Banco de Dados de Músicas. Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho

Banco de Dados de Músicas. Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho Banco de Dados de Músicas Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho Definição Aplicação Web que oferece ao usuário um serviço de busca de músicas e informações relacionadas, como compositor, interprete,

Leia mais

Um Componente de Gerenciamento de Execução de Workflow Segundo a Abordagem de Linha de Produto de Software

Um Componente de Gerenciamento de Execução de Workflow Segundo a Abordagem de Linha de Produto de Software Um Componente de Gerenciamento de Execução de Workflow Segundo a Abordagem de Linha de Produto de Software Itana M. S. Gimenes 1 itana@din.uem.br Radames J. Halmeman 1 radames@cm.cefetpr.br Fabrício R.

Leia mais

08/04/2013. Agenda. O Sistema CACHÉ. O Sistema CACHÉ. O Sistema CACHÉ. O Sistema CACHÉ

08/04/2013. Agenda. O Sistema CACHÉ. O Sistema CACHÉ. O Sistema CACHÉ. O Sistema CACHÉ Agenda Caché Server Pages Uma Aplicação Banco de Dados Fernando Fonseca Ana Carolina Salgado Mestrado Profissional 2 SGBD de alto desempenho e escalabilidade Servidor de dados multidimensional Arquitetura

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC MONSENHOR ANTONIO MAGLIANO Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de

Leia mais

ANEXO III PERFIL DOS PROFISSIONAIS, FORMAÇÃO E ATIVIDADES A DESENVOLVER PARA MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO

ANEXO III PERFIL DOS PROFISSIONAIS, FORMAÇÃO E ATIVIDADES A DESENVOLVER PARA MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO CONCORRÊNCIA DIRAD/CPLIC-008/2008 1 ANEXO III PERFIL DOS PROFISSIONAIS, FORMAÇÃO E ATIVIDADES A DESENVOLVER PARA MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO 1. INFORMAÇÕES GERAIS E CARACTERÍSTICA DO ATUAL AMBIENTE CORPORATIVO

Leia mais

Spider-PM: Uma Ferramenta de Apoio à Modelagem de Processos de Software

Spider-PM: Uma Ferramenta de Apoio à Modelagem de Processos de Software Spider-PM: Uma Ferramenta de Apoio à Modelagem de Processos de Software Renan Sales Barros 1, Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira 1 1 Faculdade de Computação Instituto de Ciências Exatas e Naturais (ICEN)

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PRODUÇÃO DE EVENTOS

SISTEMA DE GESTÃO DE PRODUÇÃO DE EVENTOS SISTEMA DE GESTÃO DE PRODUÇÃO DE EVENTOS Rodrigo das Neves Wagner Luiz Gustavo Galves Mählmann Resumo: O presente artigo trata de um projeto de desenvolvimento de uma aplicação para uma produtora de eventos,

Leia mais

Gestão de projectos na Web

Gestão de projectos na Web Gestão de projectos na Web Relatório de desenho de alto nível Versão 1.0, 5 de Maio de 2003 Telmo Pedro Gomes Amaral (mee02013@fe.up.pt) (Grupo 15) Aplicações na Web Mestrado em Engenharia Electrotécnica

Leia mais

Cargo Função Superior CBO. Tarefas / Responsabilidades T/R Como Faz

Cargo Função Superior CBO. Tarefas / Responsabilidades T/R Como Faz Especificação de FUNÇÃO Função: Analista Desenvolvedor Código: Cargo Função Superior CBO Analista de Informática Gerente de Projeto Missão da Função - Levantar e prover soluções para atender as necessidades

Leia mais

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO DESCRIÇÃO DO SIGAI O SIGAI (Sistema Integrado de Gestão do Acesso à Informação) é uma solução de software que foi desenvolvida para automatizar os processos administrativos e operacionais visando a atender

Leia mais

SIGECO07 Sistema Integrado de Gestão de Contas Universidade Federal de Lavras PLANO DE PROJETO 23/09/2007 SIGECO07/GERENCIA/PROJETOS/

SIGECO07 Sistema Integrado de Gestão de Contas Universidade Federal de Lavras PLANO DE PROJETO 23/09/2007 SIGECO07/GERENCIA/PROJETOS/ SIGECO07 Sistema Integrado de Gestão de Contas Universidade Federal de Lavras PLANO DE PROJETO 23/09/2007 SIGECO07/GERENCIA/PROJETOS/ ModeloPlanoProjeto_2007_04_24 SIGECO07_PlanoProjeto_2007_09_23 Página

Leia mais

Documento de Projeto de Sistema

Documento de Projeto de Sistema Documento de Projeto de Sistema 1 IFES / Serra Projeto: Gerenciador de Pelada - Oasis Registro de Alterações: Versão Responsável Data Alterações 0.1 Eduardo Rigamonte, Geann Valfré, João Paulo Miranda,

Leia mais

CLOUD COMPUTING: COMPARANDO COMO O MUNDO ONLINE PODE SUBSTITUIR OS SERVIÇOS TRADICIONAIS

CLOUD COMPUTING: COMPARANDO COMO O MUNDO ONLINE PODE SUBSTITUIR OS SERVIÇOS TRADICIONAIS CLOUD COMPUTING: COMPARANDO COMO O MUNDO ONLINE PODE SUBSTITUIR OS SERVIÇOS TRADICIONAIS João Antônio Bezerra Rodrigues¹, Claudete Werner¹, Gabriel Costa Silva² ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí

Leia mais

Tecnologia Java. Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br

Tecnologia Java. Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br Tecnologia Java Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br Origem da Tecnologia Java Projeto inicial: Oak (liderado por James Gosling) Lançada em 1995 (Java) Tecnologia

Leia mais

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar as principais características de uma Aplicação Internet Rica.

Leia mais

TECNOLOGIAS E FERRAMENTAS UTILIZADAS EM UMA ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB

TECNOLOGIAS E FERRAMENTAS UTILIZADAS EM UMA ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB TECNOLOGIAS E FERRAMENTAS UTILIZADAS EM UMA ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB Ruan Alves Brandão 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1 ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil brandao15@gmail.com

Leia mais

TECNOLOCIA JAVA WEB PARA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE LEILÃO

TECNOLOCIA JAVA WEB PARA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE LEILÃO TECNOLOCIA JAVA WEB PARA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE LEILÃO Danilo Alves Verone de Oliveira ¹, Jaime William Dias ¹ ² ¹ Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí - PR - Brasil dan.verone@hotmail.com

Leia mais

Arquitetura de Workflow em Plone e Web Services

Arquitetura de Workflow em Plone e Web Services Arquitetura de Workflow em Plone e Web Services Elisandra Fidler Pez, Heitor Strogulski Núcleo de Processamento de Dados Universidade de Caxias do Sul (UCS) Caxias do Sul, RS Brasil {efidler, hstrogul}@ucs.br

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 10 Persistência de Dados

Leia mais

Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans

Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans Aula 3 Cap. 4 Trabalhando com Banco de Dados Prof.: Marcelo Ferreira Ortega Introdução O trabalho com banco de dados utilizando o NetBeans se desenvolveu ao longo

Leia mais

UM PROTÓTIPO DO SISTEMA PARA CONTROLE DE BIBLIOTECAS POR MEIO DE PÁGINAS WEB DINÂMICAS 1

UM PROTÓTIPO DO SISTEMA PARA CONTROLE DE BIBLIOTECAS POR MEIO DE PÁGINAS WEB DINÂMICAS 1 UM PROTÓTIPO DO SISTEMA PARA CONTROLE DE BIBLIOTECAS POR MEIO DE PÁGINAS WEB DINÂMICAS 1 Daniel de Faveri HONORATO 2, Renato Bobsin MACHADO 3, Huei Diana LEE 4, Feng Chung WU 5 Escrito para apresentação

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

Transformação de modelos em processos de desenvolvimento de software

Transformação de modelos em processos de desenvolvimento de software 1068 X Salão de Iniciação Científica PUCRS Transformação de modelos em processos de desenvolvimento de software Vinycio de Correa Lunelli 1, Profa. Dra. Ana Paula Terra Bacelo 1 1 Faculdade de Informática,

Leia mais

Geração e execução de scripts de teste em aplicações web a partir de casos de uso direcionados por comportamento 64

Geração e execução de scripts de teste em aplicações web a partir de casos de uso direcionados por comportamento 64 direcionados por comportamento 64 5 Estudo de caso Neste capítulo serão apresentadas as aplicações web utilizadas na aplicação da abordagem proposta, bem como a tecnologia em que foram desenvolvidas, o

Leia mais

Struts 2 : Projeto e Programação Editora: Ciência Moderna Autor: Antunes Budi Kurniawan Número de páginas: 600

Struts 2 : Projeto e Programação Editora: Ciência Moderna Autor: Antunes Budi Kurniawan Número de páginas: 600 Objetivo Com enfoque totalmente prático permite que programadores Java possam ampliar seus conhecimentos no mundo Web na criação de sistemas profissionais. Utilizar os modelos de programação com Servlets,

Leia mais

INF 2125 PROJETO DE SISTEMAS DE SOFTWARE Prof. Carlos J. P. de Lucena

INF 2125 PROJETO DE SISTEMAS DE SOFTWARE Prof. Carlos J. P. de Lucena INF 2125 PROJETO DE SISTEMAS DE SOFTWARE Prof. Carlos J. P. de Lucena Trabalho Experimental Sistema de Biblioteca 1. Objetivo Este trabalho tem o objetivo de consolidar o conhecimento sobre UML e garantir

Leia mais

Introdução à Plataforma Eclipse. Leandro Daflon daflon@les.inf.puc-rio.br

Introdução à Plataforma Eclipse. Leandro Daflon daflon@les.inf.puc-rio.br Introdução à Plataforma Eclipse Leandro Daflon daflon@les.inf.puc-rio.br Agenda Introdução Arquitetura da Plataforma Componentes da Plataforma JDT PDE Visão Geral do Projeto Eclipse.org 2 Introdução O

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

Percio Alexandre de Oliveira Prof. Maurício Capobianco Lopes - Orientador

Percio Alexandre de Oliveira Prof. Maurício Capobianco Lopes - Orientador Percio Alexandre de Oliveira Prof. Maurício Capobianco Lopes - Orientador Índice Introdução Objetivos Data Warehouse Estrutura Interna Características Principais elementos: ETC, Metadados e Modelagem Dimensional

Leia mais

Documento de Projeto de Software

Documento de Projeto de Software Documento de Projeto de Software Projeto: Vídeo Locadora Passatempo Versão: 1.0 Responsável: Ricardo de Almeida Falbo 1. Introdução Este documento apresenta o documento de projeto (design) do sistema de

Leia mais

Ferramenta CORIDORA Web Mapping para Mapeamento de Esquemas em Bancos de Dados Heterogêneos

Ferramenta CORIDORA Web Mapping para Mapeamento de Esquemas em Bancos de Dados Heterogêneos Ferramenta CORIDORA Web Mapping para Mapeamento de Esquemas em Bancos de Dados Heterogêneos Fernando Busanello Meneghetti 1, Fabiano Gama Paes 1, Gustavo Zanini Kantorski 1 Curso de Sistemas de Informação

Leia mais

3 Estudo de Ferramentas

3 Estudo de Ferramentas 3 Estudo de Ferramentas Existem diferentes abordagens para automatizar um processo de desenvolvimento. Um conjunto de ferramentas pode ser utilizado para aperfeiçoar o trabalho, mantendo os desenvolvedores

Leia mais

Uma Arquitetura de Linha de Produto Baseada em Componentes para Sistemas de Gerenciamento de Workflow

Uma Arquitetura de Linha de Produto Baseada em Componentes para Sistemas de Gerenciamento de Workflow Uma Arquitetura de Linha de Produto Baseada em Componentes para Sistemas de Gerenciamento de Workflow Itana M. S. Gimenes 1 itana@din.uem.br Fabrício R. Lazilha 2 fabricio@cesumar.br Edson A. O. Junior

Leia mais

HIBERNATE EM APLICAÇÃO JAVA WEB

HIBERNATE EM APLICAÇÃO JAVA WEB HIBERNATE EM APLICAÇÃO JAVA WEB Raul Victtor Barbosa Claudino¹, Ricardo Ribeiro Rufino¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil victtor.claudino@gmail.com, ricardo@unipar.br Resumo: Este

Leia mais

LexML Brasil. Parte 4a Kit Provedor de Dados

LexML Brasil. Parte 4a Kit Provedor de Dados LexML Brasil Parte 4a Kit Provedor de Dados Versão 1.0 (RC1) Brasília Fevereiro de 2011 Parte 4a Kit Provedor de Dados 2 LexML Brasil Parte 4a Kit Provedor de Dados Versão 1.0 (Maio/2010) 1. Introdução...

Leia mais

MedEl: Uma solução de E-Learning utilizando tecnologia Microsoft ASP.NET

MedEl: Uma solução de E-Learning utilizando tecnologia Microsoft ASP.NET MedEl: Uma solução de E-Learning utilizando tecnologia Microsoft ASP.NET Átila Correia Cunha 1, 2, Glaucon Henrique Mauricio Maia 1, 2, Waner Ferreira Tavares 1, 2, Jorge Bergson¹, Rui Gomes Patrício 3

Leia mais

Análise de Sistemas de Gerenciamento de Conteúdo para o Projeto PDSCE 1

Análise de Sistemas de Gerenciamento de Conteúdo para o Projeto PDSCE 1 Análise de Sistemas de Gerenciamento de Conteúdo para o Projeto PDSCE 1 Tiago Antônio Rizzetti, Fábio Lorenzi da Silva, Celio Trois, João Carlos Damasceno Lima, Iara Augustin, Diego Luis Kreutz. Curso

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE OS FRAMEWORKS DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE ENTITY FRAMEWORK E NHIBERNATE : ESTUDO DE CASO EM UM SISTEMA

COMPARAÇÃO ENTRE OS FRAMEWORKS DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE ENTITY FRAMEWORK E NHIBERNATE : ESTUDO DE CASO EM UM SISTEMA 73 COMPARAÇÃO ENTRE OS FRAMEWORKS DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE ENTITY FRAMEWORK E NHIBERNATE : ESTUDO DE CASO EM UM SISTEMA Daniel José Angotti Analista de Negócio, Repom S/A djangotti@gmail.com Carlos

Leia mais

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO 19 CAPÍTULO 2 - CONCEITOS 25

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO 19 CAPÍTULO 2 - CONCEITOS 25 SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS LISTA DE TABELAS LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS Pág. CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO 19 CAPÍTULO 2 - CONCEITOS 25 2.1 A tecnologia de orientação a objetos 25 2.1.1 Projeto de software

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

Demoiselle Tutorial Módulo 1 Arquitetura

Demoiselle Tutorial Módulo 1 Arquitetura Demoiselle Tutorial Módulo 1 Arquitetura Vanderson Botelho da Silva (SERPRO/SUPST/STCTA) Emerson Sachio Saito (SERPRO/CETEC/CTCTA) Flávio Gomes da Silva Lisboa (SERPRO/CETEC/CTCTA) Serge Normando Rehem

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSOS

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSOS 1 de 6 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSOS BURITREINAMENTOS MANAUS-AM MARÇO / 2015 2 de 6 PACOTES DE TREINAMENTOS BURITECH A Buritech desenvolveu um grupo de pacotes de treinamentos, aqui chamados de BuriPacks,

Leia mais

OMT-G Design. Instalação por pacotes

OMT-G Design. Instalação por pacotes OMT-G Design A plataforma Eclipse OMT-G Design não é um software independente, é um plug-in que se utiliza dos mecanismos de extensão do Eclipse que por sua vez é um ambiente de desenvolvimento de software.

Leia mais

Projeto Demoiselle. Para perguntas e respostas, utilizem a lista de discussões de usuários da comunidade: demoiselle-users@lists.sourceforge.

Projeto Demoiselle. Para perguntas e respostas, utilizem a lista de discussões de usuários da comunidade: demoiselle-users@lists.sourceforge. Projeto Demoiselle Para perguntas e respostas, utilizem a lista de discussões de usuários da comunidade: demoiselle-users@lists.sourceforge.net Palestrantes: Antônio Carlos Tiboni Luciana Campos Mota 20/07/2009

Leia mais

DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS

DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS Emanuel M. Godoy 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil godoymanel@gmail.com,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS EM EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS EM EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS EM EDUCAÇÃO Jader dos Santos Teles Cordeiro Orientador Prof. Paulo Guilhermeti PERSISTÊNCIA EM OBJETOS JAVA: UMA ANÁLISE

Leia mais

SISCAI - SISTEMA DE CONTROLE DE ACESSO À INTERNET RESUMO

SISCAI - SISTEMA DE CONTROLE DE ACESSO À INTERNET RESUMO SISCAI - SISTEMA DE CONTROLE DE ACESSO À INTERNET Fábio Junior Alves 1 Ernani Vinícius Damasceno 2 RESUMO A Internet é um dos fenômenos mais interessantes em redes, sendo que seu impacto reflete em toda

Leia mais

Instituto de Computação, Universidade Federal do Amazonas (UFAM) Manaus-AM, Brasil

Instituto de Computação, Universidade Federal do Amazonas (UFAM) Manaus-AM, Brasil Elicitação de Requisitos a partir de Modelos de Processos de Negócio e Modelos Organizacionais: Uma pesquisa para definição de técnicas baseadas em heurísticas Marcos A. B. de Oliveira 1, Sérgio R. C.

Leia mais

Ferramenta para Geração de Código a partir da Especialização do Diagrama de Classes

Ferramenta para Geração de Código a partir da Especialização do Diagrama de Classes Ferramenta para Geração de Código a partir da Especialização do Diagrama de Classes Alexandro Deschamps (Ápice) alexandro@apicesoft.com Everaldo Artur Grahl (FURB/DSC) egrahl@furb.br Resumo. Uma das grandes

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E DE COMPUTAÇÃO. Sistema de Controle Orçamentário WEB.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E DE COMPUTAÇÃO. Sistema de Controle Orçamentário WEB. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E DE COMPUTAÇÃO Sistema de Controle Orçamentário WEB Autor: Gustavo Barreto Bergter Orientador: Prof. Antônio Cláudio

Leia mais

APLICATIVO WEB PARA O SETOR DE EXTENSÃO IFC VIDEIRA

APLICATIVO WEB PARA O SETOR DE EXTENSÃO IFC VIDEIRA APLICATIVO WEB PARA O SETOR DE EXTENSÃO IFC VIDEIRA Autores: Claudiléia Gaio BANDT; Tiago HEINECK; Patrick KOCHAN; Leila Lisiane ROSSI; Angela Maria Crotti da ROSA Identificação autores: Aluna do Curso

Leia mais

Guia para Iniciantes do WebWork

Guia para Iniciantes do WebWork Guia para Iniciantes do WebWork Marcelo Martins Este guia descreve os primeiros passos na utilização do WebWork Introdução Desenvolver sistemas para Web requer mais do que simplesmente um amontoado de

Leia mais

ruirossi@ruirossi.pro.br

ruirossi@ruirossi.pro.br Persistência Com JPA & Hibernate Rui Rossi dos Santos ruirossi@ruirossi.pro.br Mediador: Rui Rossi dos Santos Slide 1 Mapeamento Objeto-Relacional Contexto: Linguagem de programação orientada a objetos

Leia mais

PRODUTO 1 (CONSTRUÇÃO DE PORTAL WEB)

PRODUTO 1 (CONSTRUÇÃO DE PORTAL WEB) RELATÓRIO DE ENTREGA DO PRODUTO 1 (CONSTRUÇÃO DE PORTAL WEB) PARA A ELABORAÇÃO DOS PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PMGIRS PARA OS MUNICÍPIOS DE NOVO HORIZONTE, JUPIÁ, GALVÃO,

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS

UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS Edi Carlos Siniciato ¹, William Magalhães¹ ¹ Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil edysiniciato@gmail.com,

Leia mais

MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO

MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO UTILIZANDO O HIBERNATE Rafael Laurino GUERRA, Dra. Luciana Aparecida Martinez ZAINA Faculdade de Tecnologia de Indaiatuba FATEC-ID 1 RESUMO Este artigo apresenta

Leia mais

DESENVOLVENDO APLICAÇÕES UTILIZANDO JAVASERVER FACES E MVC

DESENVOLVENDO APLICAÇÕES UTILIZANDO JAVASERVER FACES E MVC DESENVOLVENDO APLICAÇÕES UTILIZANDO JAVASERVER FACES E MVC Felipe Moreira Decol Claro 1, Késsia Rita da Costa Marchi 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil felipe4258@hotmail.com, kessia@unipar.br

Leia mais

5 Framework para coordenação e mediação de Web Services para ambientes de aprendizado à distância

5 Framework para coordenação e mediação de Web Services para ambientes de aprendizado à distância 5 Framework para coordenação e mediação de Web Services para ambientes de aprendizado à distância O capítulo anterior apresentou uma discussão sobre a inclusão dos chamados learning services no processo

Leia mais

SISTEMA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISES DE DADOS EM AGRICULTURA DE PRECISÃO

SISTEMA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISES DE DADOS EM AGRICULTURA DE PRECISÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA PROJETO SISTEMA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISES DE DADOS EM AGRICULTURA DE PRECISÃO ALUNO RICARDO CARDOSO TERZELLA

Leia mais

Melhoria no Desenvolvimento Ágil com Implantação de Processo de Integração Contínua Multiplataforma para Java e.net. Hudson

Melhoria no Desenvolvimento Ágil com Implantação de Processo de Integração Contínua Multiplataforma para Java e.net. Hudson QUALIDADE Simpósio Brasileiro de Qualidade de Software - SBQS Instituto Nokia de Tecnologia Unit Test Sucess Bug INdT Melhoria no Desenvolvimento Ágil com Implantação de Processo de Integração Contínua

Leia mais

MC302A Modelagem de Sistemas com UML. Prof. Fernando Vanini vanini@ic.unicamp.br

MC302A Modelagem de Sistemas com UML. Prof. Fernando Vanini vanini@ic.unicamp.br MC302A Modelagem de Sistemas com UML Prof. Fernando Vanini vanini@ic.unicamp.br Modelamento de Sistemas e Orientação a Objetos O paradigma de Orientação a Objetos oferece um conjunto de características

Leia mais

Desenvolvimento de aplicação web com framework JavaServer Faces e Hibernate

Desenvolvimento de aplicação web com framework JavaServer Faces e Hibernate Desenvolvimento de aplicação web com framework JavaServer Faces e Hibernate Tiago Peres Souza 1, Jaime Willian Dias 1,2 ¹Universidade paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil tiagop_ti@hotmail.com 2 Universidade

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA)

SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA) SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA) Alessandra Lubbe 1 Alexandre Evangelista 2 Jeandro Perceval 3 José Ramiro Pereira 4 Luiz Gustavo Mahlmann 5 RESUMO

Leia mais

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES Alexandre Egleilton Araújo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil araujo.ale01@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

Utilização da modelagem UML em um sistema de gerenciamento de uma franquia do setor de alimentação

Utilização da modelagem UML em um sistema de gerenciamento de uma franquia do setor de alimentação Utilização da modelagem UML em um sistema de gerenciamento de uma franquia do setor de alimentação Use of UML modeling in a management system for a food franchising Richard B. N. Vital, Tatiane M. Vital.

Leia mais

Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia

Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia P ORTFÓ FÓLIO Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia versão 1.1 ÍNDICE 1. A EMPRESA... 3 2. BI (BUSINESS INTELLIGENCE)... 5 3. DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS... 6 3.1. PRODUTOS

Leia mais