CONSIDERAÇÕES SOBRE O AMOR DE DEUS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONSIDERAÇÕES SOBRE O AMOR DE DEUS"

Transcrição

1

2 CONSIDERAÇÕES SOBRE O AMOR DE DEUS John Gill

3 Traduzido do original em Inglês The Love of God Considered By John Gill Via: PBMinistries.org Tradução por Camila Almeida Revisão e Capa por William Teixeira 1ª Edição: Janeiro de 2015 Salvo indicação em contrário, as citações bíblicas usadas nesta tradução são da versão Almeida Corrigida Fiel ACF Copyright 1994, 1995, 2007, 2011 Sociedade Bíblica Trinitariana do Brasil. Traduzido e publicado em Português pelo website oestandartedecristo.com, com a devida permissão do ministério Providence Baptist Ministries, sob a licença Creative Commons Attribution- NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International Public License. Você está autorizado e incentivado a reproduzir e/ou distribuir este material em qualquer formato, desde que informe o autor, as fontes originais e o tradutor, e que também não altere o seu conteúdo nem o utilize para quaisquer fins comerciais.

4 Considerações Sobre O Amor De Deus Por John Gill Ora o Senhor encaminhe os vossos corações no amor de Deus, e na paciência de Cristo. (2 Tessalonicenses 3:5) Uma porção principal do propósito do apóstolo ao escrever esta epístola foi consolar algumas pessoas nesta Igreja, que estavam abaladas em espírito, e atribuladas, como se o dia de Cristo estivesse à mão. Ele assegura-lhes, assim, no segundo Capítulo, que não estava; pois havia várias coisas que Ele faria antes disso: como a remoção do império Romano; a grande apostasia que aconteceria nas Igrejas; e o estabelecimento do homem do pecado, o Anticristo Papal. Ele, portanto, exorta-os à firmeza nas doutrinas do Evangelho; e desejalhes muitas coisas boas. No início deste capítulo, ele deseja-lhes que orem por ele, e pelos demais ministros do Evangelho; sugere o que é a razão pela qual ele gostaria que orar: No demais, irmãos, rogai por nós, para que a palavra do Senhor tenha livre curso e seja glorificada, como também o é entre vós; e para que sejamos livres de homens dissolutos e maus; porque a fé não é de todos. E depois, para o seu consolo, expressa a sua segurança da preservação final deles. Mas fiel é o Senhor, que vos confirmará, e guardará do maligno. E também a sua grande confiança em sua disposta e completa obediência aos mandamentos de Deus, dizendo: E confiamos quanto a vós no Senhor, que não só fazeis como fareis o que vos mandamos. Com o intuito de que, ele eleve uma oração por eles, nas palavras do texto: Ora o Senhor encaminhe os vossos corações [...] etc. Assim, as palavras são uma oração do apóstolo consistindo em duas petições, a saber: que o Senhor encaminhe os seus corações ao amor de Deus. E, que o mesmo Senhor também encaminhe os seus corações à paciência de Cristo. É na primeira destas que insistiremos neste momento. Para o explicar, farei as seguintes considerações: I. O que devemos entender por amor de Deus. II. O que é ter o coração encaminhado a isso. III. Quem é este Senhor, a quem se orou para que faça isso por nós. E, IV. Qual é a grande utilidade de ter nossos corações assim encaminhados. I. O que devemos entender por amor de Deus. Isto pode ser entendido ativa ou passivamente. Ativamente, sobre o amor com que amamos a Deus. Ou, de forma passiva, sobre o amor com que somos amados por Deus. Em outras palavras, por isso podem ser entendidos, tanto o nosso amor por Deus, ou o amor de Deus por nós; e vendo que as palavras admitirão um ou outro sentido, vou considerá-los em ambos. E por meio do amor de Deus,

5 pode ser compreendido, o nosso amor a Deus; a respeito do qual, são observados os seguintes aspectos. 1. Que este é a soma e a substância da lei moral; pelo menos, é a parte essencial e principal da mesma, como pode ser facilmente inferido a partir da resposta de nosso Senhor à pergunta do doutor da lei, em Mateus 22:35, 40; a pergunta do doutor da lei é: Mestre, qual é o grande mandamento na lei? A resposta de Cristo é: Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu pensamento. Este é o primeiro e grande mandamento. Amar a Deus, ordenado sob a dispensação do Evangelho, é o mesmo que é ordenado pela lei de Moisés. Cristo e Moisés concordam nisto, como demonstrado em Deuteronômio 6:4-5: Ouve, Israel, o Senhor nosso Deus é o único Senhor. Amarás, pois, o Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todas as tuas forças. Este não é um novo mandamento do Evangelho; ele é apenas confirmado sob a dispensação do Evangelho, e pressionado por motivos mais fortes. 2. Deixe também ser observado que todos os homens, por natureza, estão destituídos de amor a Deus: não, não existe apenas uma falta de afeição, mas mesmo uma aversão a Ele; sim, uma inimizade contra Ele. Pois, o pendor da carne é inimizade contra Deus. Uma parte da característica dos pagãos (Romanos 1:30) que eram alienados de Deus e entregues às suas próprias concupiscências, é que eles eram θεοσυγεις; o que significa, não apenas que eles tinham ódio a Deus, mas que eles eram inimigos de Deus. Da mesma forma, no relato que o apóstolo oferece sobre a degeneração que haverá nos últimos dias, ele diz (2 Timóteo 3:4) que os homens serão mais amigos dos deleites do que amigos de Deus. E este não é apenas o caso das pessoas agora mencionadas, mas de toda a humanidade, mesmo dos eleitos de Deus, enquanto em um estado natural. Pois eles, assim como outros, são inimigos em suas mentes, por meio de obras ímpias. Eles vivem em um estado de rebelião, e cometem atos de hostilidade aberta contra o Deus do céu. Eles estendem as mãos contra Deus, e se fortalecem contra o Todo-Poderoso. Eles correm contra Ele, até mesmo em seu pescoço, e sobre as protuberâncias de seu escudo. 3. Que seja observado ainda que o amor a Deus é uma graça implantada no coração, pelo Espírito de Deus. Este é um dos frutos do Espírito; e é mencionado no topo deles, Gálatas 5:22: O fruto do Espírito é: amor, etc.. É, com as outras graças, forjado na alma na regeneração. Esta graça do Senhor, que vem com isso, flui para o coração do pecador na conversão; é superabundante, com a fé e o amor que estão em Cristo Jesus. Estas duas graças sempre andam juntas; sendo implantadas de uma vez, ao mesmo tempo. E a fé, particularmente, opera pelo amor, e o amor é geralmente mais aquecido, ativo e vigoroso, primeiramente na conversão. De tal maneira, que o Senhor faz especial observação quando este é deixado por nós; de acordo com Jeremias 2:2: Lembro-me de ti, da piedade da tua moci-

6 dade, e do amor do teu noivado, quando me seguias no deserto, numa terra que não se semeava. O que me leva a observar, 4. O fervor desse amor frequentemente diminui; embora a graça em si nunca seja perdida. Isto ocorre com frequência a partir das abundâncias de pecado, tanto em nós mesmos e em outros. Pois, ao se multiplicar a iniquidade, o amor de muitos esfriará, de acordo com Mateus 24:12. Muitas vezes, também surge a partir de uma busca desmedida por coisas deste mundo. Por isso o apóstolo em 1 João 2:15, aconselha a não amar o mundo, nem as coisas que há no mundo, pois, ele diz, se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele. Isto é, há apenas pouca evidência de amor a Deus, no coração do homem, cujas afeições estão colocadas nas coisas deste mundo. Essas coisas, embora não possam destruir a graça, onde foi uma vez operada; ainda assim provocam uma grande frieza sobre ela. A graça do amor, de fato, não pode ser perdida; mas depois, ela pode ser deixada, como foi pela igreja em Éfeso, de quem o Senhor reclama em Apocalipse 2:4, dizendo: Tenho, porém, contra ti que deixaste o teu primeiro amor. Ele não diz, que o tens perdido; a palavra não significa Amittere, perder; mas Remittere, diminuir de intensidade, ou decair, no fervor do mesmo. E isso, todo o povo de Deus, mais ou menos, mais cedo ou mais tarde, vivencia para sua grande tristeza: especialmente no momento em que vivemos. Portanto, 5. Há uma grande necessidade de orar, com o apóstolo, para que o Senhor encaminhe os nossos corações para este amor. Ou seja, que Ele opere em nossos corações, e estimule o nosso amor a Deus: atice e transborde-o em uma chama. Isso Ele faz, ao nos mostrar a vaidade de todos os prazeres terrenos; o que Deus é em Si mesmo, e que Ele é para o Seu povo. Como Ele é digno de sua mais elevada afeição; e, mais especialmente, derramando o amor de Deus em nossos corações; o que nada pode fazê-lo mais efetivamente. Pois, nós O amamos, porque Ele nos amou primeiro (1 João 4:19). Uma percepção disso revigora o nosso amor, arrebata as nossas almas, e nos compele a dizer com o salmista: Quem tenho eu no céu senão a ti? e na terra não há quem eu deseje além de ti (Salmos 73:25). Mas, eu escolho o melhor, Por amor de Deus, aqui, para entender o amor de Deus por nós; sobre a natureza e a glória disso, observe as seguintes elucidações. 1. Quanto à origem do mesmo, é livre e soberano, nada fora de Deus o levou a isso. Ele não colocou o Seu amor sobre nós, devido a qualquer beleza em nós; ou por causa de qualquer amor em nós por Ele. Não por causa de qualquer amabilidade em nós mesmos. Pois nós não éramos mais sábios do que outros, sendo por natureza filhos da ira. Nem por causa de qualquer amor em nós por Ele; pois Seu amor é anterior ao nosso, como a causa em relação ao efeito. E, de fato, Ele nos amou, antes que fizéssemos o bem ou o mal, para que

7 o propósito de Deus, segundo a eleição, ficasse firme. Nenhuma outra razão pode ser dada ao amor de Deus por Seu povo, senão a Sua própria Ευδοχια; sua Soberana boa vontade e prazer. Nem deveria qualquer outro ser procurado, Ele os ama porque Ele quer ama-los. E, embora, talvez, isso não seja admitido como uma razão suficiente, por vocês, homens racionais; no entanto, isto é o que o Espírito Santo pensa ser apropriado a conceder-nos, e devemos estar satisfeitos com isso, Deuteronômio 7:7-8: O Senhor não tomou prazer em vós, nem vos escolheu, porque a vossa multidão era mais do que a de todos os outros povos, pois vós éreis menos em número do que todos os povos; Mas, porque o Senhor vos amava. 2. Quanto aos objetos do amor de Deus, estes são específicos e distintivos. Ele ama alguns, e não outros. É verdade, Ele tem um amor geral, e que diz respeito a todas as Suas criaturas. Ele é bom para todos, e as Suas misericórdias são sobre todas as Suas obras. Todas elas compartilham das graças de Sua providência. Ele faz o sol brilhar sobre os maus e os bons. Ele faz chover sobre os justos e sobre os injustos. Mas, então, Ele escolheu para Si a Jacó, e a Israel para Seu tesouro peculiar. Por isso, Ele concede bênçãos peculiares sobre aqueles a quem Ele tem um amor peculiar. Davi diz, no Salmo 106:4: Lembra-te de mim, Senhor, segundo a tua boa vontade para com o teu povo, mui claramente indicando que esse era específico e distintivo; de natureza diferente daquele que Ele concedeu a outros. Um exemplo pleno deste amor distintivo, temos em Malaquias 1:2-3: Eu vos tenho amado, diz o Senhor. Mas vós dizeis: Em que nos tens amado? Não era Esaú irmão de Jacó? disse o Senhor; todavia amei a Jacó, e odiei a Esaú. É, como eu disse antes, nenhuma outra razão pode ser dada a essa distinção que Deus faz entre os perdidos filhos de Adão, senão a Sua própria vontade soberana; que terá misericórdia de quem quer tiver misericórdia, e será gracioso com quem for gracioso, deixem um mundo debatedor dizer o que quiser. 3. Quanto ao seu início, é desde a eternidade. Deus amou o Seu povo com um amor eterno; e, portanto, com bondade amorosa, Ele os atrai para Si no tempo. Muitos são os exemplos que poderiam ser dados, em prova da antiguidade desse amor. Sua escolha deles em Cristo, antes da fundação do mundo, foi um ato de Seu amor, pois Electio præsupponit dilectionem. Eleição pressupõe amor. O Seu entrar em uma aliança eterna com o Seu Filho, em consideração àqueles que Ele escolheu; o Seu estabelecer-se como o Mediador da Aliança, desde a eternidade; e Sua doação de graça a eles, nele, antes que o mundo existisse; muitas são as demonstrações de Seu antigo amor por eles. Como também, o Seu colocar das suas pessoas nas mãos de Cristo, e assim torna-los Sua proteção e encargo. Porque Ele amou o povo (Deuteronômio 33:5), todos os Seus santos estão em Sua mão. Agora, pode alguma vez ser imaginado, que deveria haver uma escolha de pessoas; uma Aliança da graça, tão bem estruturada e suprida; uma promessa de vida concedida; e

8 segurança e graça dada tanto à pessoa, e ainda assim, nenhum amor em tudo isso? Não, essas coisas provam Seu amor, e este amor não começa com o nosso; nem, de fato, com o tempo; mas data desde a eternidade. 4. Quanto à duração deste, é para a eternidade; pois ele alcança de uma eternidade à outra. Tendo amado os Seus, que estavam no mundo, amou-os até o fim. Ele os ama até o fim dos tempos, e vai amá-los ao longo dos séculos sem fim por toda a eternidade; pois Ele repousa em Seu amor em direção a eles, e disto não pode haver separação. Porque eu estou bem certo de que nem morte nem vida, nem os anjos, nem os principados, nem as potestades, nem coisas presentes, nem coisas por vir, nem a altura, nem a profundidade, nem qualquer outra criatura, nos poderá separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus nosso Senhor (Romanos 8:38-39). 5. Quanto ao seu grau ele é incomparável. Isso se evidencia mui grandioso na conversão de um pobre pecador. Assim, diz o apóstolo em Efésios 2:4, 5: Mas Deus, que é riquíssimo em misericórdia, pelo seu muito amor com que nos amou, Estando nós ainda mortos em nossas ofensas, nos vivificou juntamente com Cristo (pela graça sois salvos), Porque apenas alguém (diz o apóstolo, em Romanos 5:7-8) morrerá por um justo; pois poderá ser que pelo bom alguém ouse morrer. Mas Deus prova o seu amor para conosco, em que Cristo morreu por nós, sendo nós ainda pecadores. Há nessas palavras uma belíssima gradação. O apóstolo parece aludir à distribuição do povo judeu; entre o qual havia três tipos de pessoas. A um tipo chamavam pessoas justas, observadores muito estritos da letra da lei; mas não faziam mais do que somente o que eram obrigados a fazer pela lei. Havia um outro tipo chamado, bons homens. Estes eram muito generosos e liberais com os pobres, e custeavam todas as despesas do serviço do templo, no que ultrapassavam as rigorosas exigências da lei. Mas, então, havia um terceiro tipo, chamado homens pecadores; a parte devassa e dissoluta das pessoas, entregues às suas próprias concupiscências, e o próprio lixo da humanidade. Agora, é como se o apóstolo dissesse, raramente por uma destas pessoas justas, alguém morrerá, que não fará mais do que ele é exatamente obrigado a fazer; ainda assim, porventura, por um desses homens bons, que foram tão generosos (e, consequentemente, tiveram a afeição das pessoas) ainda há quem ouse morrer. Mas quem morrerá por aqueles ímpios desgraçados, devassos, e dissolutos? Ninguém; mas Deus recomendou o Seu amor a nós; enquanto éramos ainda pecadores, Cristo morreu por nós. Graça incomparável, inigualável! 6. Quanto à natureza e qualidade do mesmo, é inalterável. É tão invariável quanto a Sua própria natureza; ou melhor, é a Sua natureza, pois Deus é amor (1 João 4:16). As bênçãos de Sua graça são irreversíveis, porque elas procedem dele, que é o Pai das luzes, em Quem não há mudança, nem sombra de variação. Disso, também a nossa salvação não

9 permanece sobre uma fundação precária, o que seria, se Seu amor por nós mudasse, como o nosso por Ele. Mas Ele é o Senhor, que não muda; portanto, os filhos de Jacó não são consumidos. Deus, às vezes, muda as dispensações de Suas providências em direção ao Seu povo; mas nunca muda Seu amor. Ele às vezes Se esconde, e Ele às vezes repreende; mas em todas às vezes, Ele ama. Quando Ele esconde o rosto de Seu povo, por um momento; Ele ainda, com benignidade eterna terá misericórdia deles. Porque os montes se retirarão, e os outeiros serão abalados; porém a minha benignidade não se apartará de ti, e a aliança da minha paz não mudará, diz o Senhor que se compadece de ti (Isaías 54:8, 10). O amor produz alterações na condição do povo de Deus; mas essas alterações não produzem nenhuma mudança no amor de Deus. O amor fez uma singular alteração no estado do apóstolo Paulo; que, de um perseguidor, blasfemo e ofensivo Saulo, foi feito, não apenas um crente em Cristo, mas um pregador do Evangelho eterno. Mas esta maravilhosa mudança nele, não produziu nenhuma mudança em Deus, nem em Seu amor. Mas se as coisas são assim, você dirá: "Então, Deus ama o Seu povo com o mesmo amor, antes da conversão, como depois. E onde está a grande mágoa ao dizer isso? De uma vez, eu afirmarei: Ele o faz; e algumas poucas considerações levarão ao reconhecimento disso. Vamos considerar um pouco, as instâncias do amor de Deus, antes e depois da conversão, e compará-las juntos; a partir do que nós podemos ser capazes de concluir largamente. Eu poderia tomar conhecimento do amor de Deus na escolha deles em Cristo; em fazer uma aliança de graça com Ele, por causa deles; e em colocar tanto as Suas pessoas e Sua graça em Suas mãos, que são todas grandes instâncias de amor, antes da conversão. Mas eu apenas observarei a você três grandes dons do amor de Deus ao Seu povo antes da conversão; que, eu penso, nunca podem ser igualados por qualquer instância após a conversão. E são estes, 1. O dom de Deus de Si mesmo para eles; pois Deus, em Sua aliança eterna (e isso muito antes da conversão) fez para Si mesmo o Seu povo. A posse do qual é executado assim: Eu serei o seu Deus e eles serão o Meu povo. 2. O grande dom de Seu Filho para eles, e por eles; no que Ele mostrou a suprema grandeza do Seu amor por eles. Nisto consiste o amor, diz o apóstolo, não em que nós tenhamos amado a Deus; (tão longe disso, éramos inimigos dele, pois foi quando ainda éramos pecadores, que Cristo morreu por nós), mas em que Ele nos amou, e enviou o Seu Filho como propiciação pelos nossos pecados (1 João 4:10, 3:16; Romanos 5:6, 8, 10). 3. O grande dom do Espírito, que é enviado para os corações do povo de Deus, antes da conversão, a fim de efetuar a grande obra; ou seja, convencer do pecado, da justiça e do juízo. E agora, depois de ter observado essas coisas, eu estou pronto para perguntar: Pode ser produzido qualquer exemplo maior do amor de Deus por Seu povo, após a conversão?

10 Se a própria glória celeste for mencionada, com todas as alegrias daquele estado deleitoso; nego-a ser um maior exemplo do amor de Deus do que o dom de Si mesmo, ou do Seu Filho, do Seu Espírito. E, de fato, tudo o que Deus faz no tempo, ou fará na eternidade, é somente contar ao Seu povo, o quanto Ele os amou desde a eternidade; tudo é apenas, como foi, por assim dizer, um comentário sobre esta antiguidade de Seu amor. Se, então, não há maior exemplo de amor que possa ser produzido, após a conversão, do que foi antes, não precisamos ter medo, nem vergonha de dizer que Deus ama o Seu povo com o mesmo amor antes da conversão, como Ele o faz após. Essa doutrina, eu sou razoável, não é facilmente digerida; e, portanto, muitas distinções são formadas, a fim de colocá-la de lado. Alguns distinguem o amor de Deus em antecedente e consequente; uma distinção sem qualquer fundamento na Palavra de Deus; e é, de fato, por si só, um mero jargão de palavras, que não transmite ideias apropriadas do amor de Deus; senão tais que são depreciativas à glória de Seu ser e perfeições, e servem apenas para introduzir confusão e angústia na mente dos homens. Há outra distinção do amor de Deus, o que eu tenho observado praticamente assegurada entre as pessoas, embora tão sem fundamento quanto antiga. É isso: Deus ama o Seu povo antes da conversão, com um amor benevolente ou de boa vontade. Ele deseja-lhes bem; mas Ele não os ama com uma ativa complacência, até após a conversão. Mas puramente o Senhor Jesus Cristo amou o Seu povo, com um mínimo de tolerância, antes da conversão; pois, diz-se, desde o início, ou sempre que a terra existiu, Suas delícias eram os filhos dos homens (Provérbios 8:23-31). A palavra hebraica traduzida por delícias, não está apenas no plural, mas suas letras radicais estão dobradas; o que, de acordo com o uso dessa língua, sempre aumenta o significado da palavra: de modo que é expressiva da excedente grandeza do deleite e complacência de Cristo, que Ele tinha em Seu povo. Não, Ele parece ter tido um prazer nas s visões antecipadas dos próprios lugares aonde sabia que Seus eleitos habitariam, pois é dito que Ele regozijava-se nas partes habitáveis de Sua terra. E agora, por que Deus o Pai não os amaria com o mesmo amor que Filho amou, eu não posso perceber. O amor de Deus é sempre o mesmo, como a Sua natureza e essência o são. Isso, de fato, aparece mais em alguns atos de Deus do que em outros e é mais claramente manifesto em um momento do que em outro, mas, por si só, é sempre o mesmo. Toda a diferença entre o amor de Deus, antes e depois da conversão, está na manifestação do mesmo. Ele manifesta-se na, e após a conversão; e isto às vezes mais outras vezes menos; apenas não foi de todo manifestado anteriormente. Porém, a mudança ocorre em nós, e não no amor de Deus. Mas, se esta doutrina for verdade, você dirá: Deus deve amar o Seu povo em seus pecados. Bem, e onde está a mágoa ao dizer que Ele o faz? Teria sido miserável, para todos os

11 intentos e propósitos, a você e a mim, se Ele não o fizesse assim. Quando Ele nos viu chafurdar no nosso sangue, com toda a impureza da nossa natureza, com os nossos inúmeros pecados e transgressões presentes em nós; não fosse então o Seu tempo, sido um tempo de amor, se Ele não colocasse a Sua capa sobre nós, e manifestasse a Sua graça pactual a nós, nunca seríamos Seus. Talvez possa ser respondido, de acordo com esta noção, que Deus tem prazer nos pecados de Seu povo, mas onde está a razão para assim concluir? O quê, não pode ser feita qualquer distinção entre o deleite de Deus nas pessoas dos Seus eleitos, e deleite em seus pecados? A distinção é permitida após a conversão; que Deus ama as pessoas de Seu povo, embora Ele odeie seus pecados. E por que não pode a mesma distinção ser permitida antes, como após a conversão? Sabemos que Deus é tão puro de olhos que não pode contemplar o mal, ou olhar para a iniquidade; Ele não tem prazer no pecado, nem com Ele habitará o mal, mas odeia todos os que praticam a iniquidade. Abominamos e detestamos todas as noções contrárias; ainda assim, acredito firmemente na imutabilidade do amor de Deus por Seu povo. Alguém pode perguntar: como é possível que uma pessoa seja um filho da ira, e um objeto de amor, ao mesmo tempo? Pois, os eleitos de Deus são por natureza filhos da ira, como os outros; como, então, ao mesmo tempo, eles podem ser os objetos de amor? Eu respondo: como Jesus Cristo foi o objeto de amor e da ira de Seu pai, ao mesmo tempo? Ora, era como se Ele carregasse duas características diferentes, e estivesse em duas relações diferentes com Seu Pai, a saber; por um lado como um filho, e isto com certeza. Como Ele era o Filho de Deus, Ele sempre foi o objeto de Seu amor e júbilo; mas por outro lado Ele era o fiador dos pecadores, Ele era o objeto de Sua ira e descontentamento. Por isso, é dito: Mas tu rejeitaste e aborreceste; tu te indignaste contra o teu ungido (Salmos 89:38), contra o Teu Messias, ou Cristo. Mas, ainda assim, mesmo quando Ele derramou a Sua ira sobre Ele até ao fim, por causa dos pecados de Seu povo; quando Ele ordenou que a justiça desembainhasse a espada e O ferisse, o Seu amor por Ele não foi no mínimo diminuído. Assim, também os eleitos de Deus, considerados em diferentes pontos de vista, podem ser verdadeiramente ditos serem filhos da ira, e ainda objetos de amor, a um só e ao mesmo tempo. Considerados em Adão, e sob um pacto de obras, eram filhos da ira, expostos às maldições da justa lei de Deus, e passíveis da ira de Deus. Mas, enquanto considerados em Cristo, e sob o pacto da graça, sempre foram, e sempre serão, os objetos do amor de Deus. Nem tem essa doutrina qualquer tendência para incentivar a licenciosidade; ou para desencorajar a realização de boas obras; ou prejudicar a verdadeira humilhação pelo pecado; mas ao contrário, a consideração dela, que Deus me amava, antes que eu O amasse; ou melhor, quando eu era um inimigo dele; que Seus pensamentos estavam operando a minha salvação, quando eu não pensava nele, ou preocupava-me comigo mesmo; coloca-me sob dez mil vezes maiores obrigações de servir, temer e glorificá-lo, do que uma suposição de que Ele começou a me amar, quando eu comecei a amá-lo, ou porque eu fiz isso, Ele pôde

12 possivelmente amar. Isso pode ser uma resposta completa para aqueles que perguntam onde está a utilidade desta doutrina? 7. Se nós investigarmos a excelência do amor de Deus, isto é preferível a todos os prazeres da criatura; a Tua benignidade é melhor do que a vida. E se assim for, deve ser melhor do que todos os confortos e prazeres da vida. Os fluxos deste rio do amor de Deus alegram a cidade de Deus. Uma percepção disto faz o crente alegre em todas as suas provações, e fixa sua confiança em Deus. Quão preciosa é, ó Deus, a tua benignidade, pelo que os filhos dos homens se abrigam à sombra das tuas asas (Salmos 36:7). Mas eu prossigo, II. Para investigar o que isto, a saber, ter os nossos corações encaminhados para este Amor. 1. Ter os nossos corações encaminhados no amor de Deus, é sermos conduzidos a Ele, por assim dizer, por uma linha reta; pois assim, a palavra κατευθύ ναι, aqui utilizada, propriamente significa. Agora, esta é a obra do Espírito de Deus, conduzir as almas para o amor de Deus, diretamente, ao mesmo tempo, em uma linha reta; e não em um círculo sobre a maneira como algumas pessoas são levadas, sendo dirigidas por falsos guias; que lhes dizem que eles devem passar pelo vale da humilhação, e subir o morro da obediência, antes que possam entrar no amor de Deus. Mas o Espírito de Deus leva a alma diretamente a Ele, independente de toda a sua obediência e humilhação pelo pecado; tal amor, quando direcionado interiormente, estabelecerá as pessoas no caminho da obediência, e as colocará em humilhação pelo pecado, de outra maneira e forma. 2. Ter os nossos corações encaminhados no amor de Deus, significa sermos conduzidos até Ele, mais e mais; de modo que sejamos capazes de compreender com todos os santos, qual é a largura, e o comprimento, e a altura, e a profundidade dela. Esta obra é progressiva, e pode muito bem ser representada pelas águas de Ezequiel; que foram primeiro até os artelhos, depois até os joelhos, e depois para os lombos; mas depois disso, elas eram águas que se deviam passar a nado, rio pelo qual não se podia passar (Ezequiel 47:3-5). 3. Ter os nossos corações encaminhados no amor de Deus, significa sermos levados a Ele, de modo a conhecer o nosso próprio interesse especial nele. Assim, o apóstolo Paulo sabia que Deus o amava em particular, e estava convencido de que nada seria capaz de separálo dele, como diz Romanos 8: Ter os nossos corações encaminhados no amor de Deus, é por assim, sermos levados a Ele a ponto de termos os nossos corações afetados e influenciados por ele. Um homem

13 pode ter noções do amor de Deus em sua cabeça, que nunca sentiu o poder disso sobre o seu coração, e eu tenho medo que algumas pessoas são mais solícitas a ter a cabeça cheia de ideias sobre o assunto, do que ter seus corações e vidas influenciados por ele. Mas o nosso apóstolo não ora para que o Senhor encaminhe suas cabeças, mas os seus corações, ao amor de Deus. Eu agora avanço, III. Para considerar o que se quer dizer com [a palavra] Senhor aqui; a quem se orou para fazer isso pelos santos. A palavra κύιος, aqui utilizada, é comumente, no Novo Testamento, aplicada a Jesus Cristo; embora o Espírito Santo seja também por vezes assim indicado, como em 2 Coríntios 3:17: Ora, o Senhor é o Espírito; e onde está o Espírito do Senhor, aí há liberdade. E, eu sou da opinião, que pelo Senhor, em nosso texto, devemos entender o Espírito Santo; pois Ele é mui manifestamente distinto de Deus o Pai, em cujo amor, e de Jesus Cristo, em cuja paciência anelada, os corações dos santos devem ser encaminhados. Assim, temos aqui uma prova da doutrina da Trindade de Pessoas. Além disso, somos capacitados, a partir disso, com mais argumentos do que um, em favor da Divindade do Espírito Santo; que não apenas é chamado de Senhor, o que é expressivo do domínio; mas também é dito encaminhar o coração; o que somente Deus pode fazer. Pois, o coração do rei, assim como o de todos os homens, está na mão do SENHOR, que o inclina a todo o seu querer (Provérbios 21:1) e, especialmente, Ele deve ser Deus, pois, pode encaminhar o coração no amor de Deus; que é uma das coisas mais profundas de Deus, que apenas o Espírito de Deus pode perscrutar, e revelar para nós. Além disso, a oração é aqui dirigida a Ele; o que é tão considerável parte do culto Divino, que às vezes é considerado por todo ele, como em Romanos 10:13 e, portanto, nunca poderia ser oferecido ao Espírito, se Ele não fosse verdadeiramente Deus. Agora, é obra do Espírito encaminhar as almas no amor de Deus. Ele não apenas toma as coisas de Cristo (Sua pessoa, sangue e justiça) e as revela para nós, e nosso interesse por elas; mas Ele também toma as coisas do Pai, e, particularmente, o Seu amor, Ele derrama em nossos corações, e encaminha os nossos corações para Ele; e, ao fazê-lo, age como um Consolador para nós. Agora, IV. Investigarei a utilidade de ter os nossos corações direcionados ao amor de Deus. 1. Isso é muito útil para aumentar o nosso amor a Deus. Nunca o amor a Deus, a Cristo, ao seu Evangelho, às pessoas, aos Seus caminhos e ordenanças, foi mais frio do que é agora. Há grande necessidade de mantê-lo vivo e aumentado; e nada pode mais efetivamente fazê-lo, do que isso: ter nossos corações encaminhados no amor de Deus. Foi este que, sendo derramado em nossos corações, produziu pela primeira vez o nosso amor a Deus; e somente ele pode animá-lo e estimulá-lo, depois de ter se tornado frio. Conforme a per-

14 cepção que temos do amor de Deus por nós, é que o nosso amor para Ele se eleva. Os seus muitos pecados lhe são perdoados, porque muito amou; mas aquele a quem pouco é perdoado pouco ama (Lucas 7:47). 2. Isso é muito útil para promover a amor ao próximo. Atualmente há uma decadência muito visível do amor fraternal entre os santos; o que se manifesta a partir dessas discórdias, divisões, contendas e maledicências que em todos os lugares abundam nas igrejas. Agora, nada é mais provável para recuperar o nosso amor de uns para com os outros, do que ter nossos corações encaminhados no amor de Deus. Os santos primitivos, tendo uma grande efusão do Espírito sobre eles, e um grande senso do amor de Deus por eles, eram cheios de afeição uns aos outros. De tal maneira, que não havia necessidade de ser estimulados; pois eles foram ensinados por Deus a amar uns aos outros. Não, mesmo no tempo de Tertuliano, tão forte e veemente era o seu amor um pelo outro, que os próprios pagãos não podiam deixar de tomar conhecimento disso, enquanto caminhavam pelas ruas, e diziam: Vide, ut se invicem diligant. Veja, como eles se amam! Não há maior incentivo para esse dever do que o amor de Deus e de Cristo. Por isso, o apóstolo João, após ter discursado sobre o amor de Deus ao enviar o seu Filho para morrer pelos pecadores, assim argumenta: Amados, se Deus assim nos amou, também nós devemos amar uns aos outros [1 João 4:11]; bem sabendo que nada poderia mais veementemente provocá-lo. 3. Isso é muito útil para ampliar a nossa obediência a Deus. E, de fato, parece ser com este objetivo que o apóstolo coloca esta petição aqui. No versículo anterior ele expressa sua confiança naqueles Tessalonicenses, que tanto fizeram, e fariam, as coisas que foram ordenadas a eles, e, a respeito disso, ora para que o Senhor encaminhe o coração deles no amor de Deus; sabendo que nada mais dilataria os seus corações a seguir com alegria nos caminhos dos mandamentos de Deus. Assim, isto constrange as almas a viverem para a glória de Deus; e faz com que até mesmo aqueles que estavam vagarosos no cuidado, sejam fervorosos no espírito, servindo ao Senhor. Nunca houve mais necessidade de ter nossos os nossos corações encaminhados no amor de Deus do que agora; quando há uma tal negligência do dever entre os professos; não apenas em seus quartos e famílias, mas também na igreja de Deus. 4. Isso é muito útil para nos habilitar a lamentar corretamente pelo pecado. Temos grande motivo para nos humilharmos diante de Deus, e para lamentar tanto pelos nossos próprios pecados e pelos pecados dos outros. Mas nós nunca nos lamentamos mais, nem melhor, do que quando impressionados com um senso do amor de Deus. É isso que lança nossa humilhação pelo pecado em uma via adequada. Nossa tristeza por isso nunca se eleva; nem somos envergonhados por ele, e o ódio por ele cresce, mais do que quando somos feitos sensíveis ao pacificador amor de Deus por nós. Veja Ezequiel 16: Foi um olhar

15 amoroso de Cristo, que levou Pedro a sair e chorar amargamente, depois de tão vergonhosamente negar o seu Senhor; e foi uma revelação do amor de Cristo para a pobre mulher, que produziu aquelas torrentes de lágrimas dos olhos, com as quais ela lavou os pés de Cristo, e os enxugou com os cabelos de sua cabeça. 5. Isso é muito útil por habilitar-nos a carregar a cruz de Cristo com alegria; e, talvez, esta pode ser a razão pela qual esta outra cláusula é adicionada: e na paciência de Cristo. Isso pode intencionar, seja uma paciente espera pelo segundo Advento de Cristo, e é o que a nossa versão parece considerar; ou um paciente carregar a cruz por amor de Cristo. As palavras no original admitirão ambos os sentidos. É o dever dos santos o suportar todas as injúrias e provações, pacientemente, por causa de Cristo; e isso, em imitação daquele que lhes deixou um exemplo. E eles têm grande necessidade de considerá-lo, que suportou tamanha oposição dos pecadores contra Si mesmo; para que eles não desfaleçam, e nem enfraqueçam em seus espíritos. E não apenas uma consideração da Pessoa de Cristo, mas um sentimento do amor de Deus é muito necessário para apoiá-los em dispensações adversas da providência; para que quando eles a tenham, gloriem-se nas tribulações, sabendo que esta opera a paciência, e a paciência a experiência, e a experiência a esperança, e a esperança não traz confusão, porquanto o amor de Deus está derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado (Romanos 5:5). Por isso o apóstolo talvez cogitou orar, para que os seus corações fossem encaminhados no amor de Deus, a fim de que eles pudessem suportar com paciência todas as coisas por amor de Cristo. Assim, tendo considerado a natureza do amor de Deus, e lhes demonstrado o que é ser encaminhado nele, concluirei tudo com aquelas calorosas petições do apóstolo nos dois últimos versículos do capítulo anterior... E o próprio nosso Senhor Jesus Cristo e nosso Deus e Pai, que nos amou, e em graça nos deu uma eterna consolação e boa esperança, console os vossos corações, e vos confirme em toda a boa palavra e obra. ORE PARA QUE O ESPÍRITO SANTO use este sermão para trazer muitos Ao conhecimento salvador de JESUS CRISTO. Sola Scriptura! Sola Gratia! Sola Fide! Solus Christus! Soli Deo Gloria!

16 OUTRAS LEITURAS QUE RECOMENDAMOS Baixe estes e outros e-books gratuitamente no site oestandartedecristo.com. 10 Sermões R. M. M Cheyne Adoração A. W. Pink Agonia de Cristo J. Edwards Batismo, O John Gill Batismo de Crentes por Imersão, Um Distintivo Neotestamentário e Batista William R. Downing Bênçãos do Pacto C. H. Spurgeon Biografia de A. W. Pink, Uma Erroll Hulse Carta de George Whitefield a John Wesley Sobre a Doutrina da Eleição Cessacionismo, Provando que os Dons Carismáticos Cessaram Peter Masters Como Saber se Sou um Eleito? ou A Percepção da Eleição A. W. Pink Como Ser Uma Mulher de Deus? Paul Washer Como Toda a Doutrina da Predestinação é corrompida pelos Arminianos J. Owen Confissão de Fé Batista de 1689 Conversão John Gill Cristo É Tudo Em Todos Jeremiah Burroughs Cristo, Totalmente Desejável John Flavel Defesa do Calvinismo, Uma C. H. Spurgeon Deus Salva Quem Ele Quer! J. Edwards Discipulado no T empo dos Puritanos, O W. Bevins Doutrina da Eleição, A A. W. Pink Eleição & Vocação R. M. M Cheyne Eleição Particular C. H. Spurgeon Especial Origem da Instituição da Igreja Evangélica, A J. Owen Evangelismo Moderno A. W. Pink Excelência de Cristo, A J. Edwards Gloriosa Predestinação, A C. H. Spurgeon Guia Para a Oração Fervorosa, Um A. W. Pink Igrejas do Novo Testamento A. W. Pink In Memoriam, a Canção dos Suspiros Susannah Spurgeon Incomparável Excelência e Santidade de Deus, A Jeremiah Burroughs Infinita Sabedoria de Deus Demonstrada na Salvação dos Pecadores, A A. W. Pink Jesus! C. H. Spurgeon Justificação, Propiciação e Declaração C. H. Spurgeon Livre Graça, A C. H. Spurgeon Marcas de Uma Verdadeira Conversão G. Whitefield Mito do Livre-Arbítrio, O Walter J. Chantry Natureza da Igreja Evangélica, A John Gill Natureza e a Necessidade da Nova Criatura, Sobre a John Flavel Necessário Vos é Nascer de Novo Thomas Boston Necessidade de Decidir-se Pela Verdade, A C. H. Spurgeon Objeções à Soberania de Deus Respondidas A. W. Pink Oração Thomas Watson Pacto da Graça, O Mike Renihan Paixão de Cristo, A Thomas Adams Pecadores nas Mãos de Um Deus Irado J. Edwards Pecaminosidade do Homem em Seu Estado Natural Thomas Boston Plenitude do Mediador, A John Gill Porção do Ímpios, A J. Edwards Pregação Chocante Paul Washer Prerrogativa Real, A C. H. Spurgeon Queda, a Depravação Total do Homem em seu Estado Natural..., A, Edição Comemorativa de Nº 200 Quem Deve Ser Batizado? C. H. Spurgeon Quem São Os Eleitos? C. H. Spurgeon Reformação Pessoal & na Oração Secreta R. M. M'Cheyne Regeneração ou Decisionismo? Paul Washer Salvação Pertence Ao Senhor, A C. H. Spurgeon Sangue, O C. H. Spurgeon Semper Idem Thomas Adams Sermões de Páscoa Adams, Pink, Spurgeon, Gill, Owen e Charnock Sermões Graciosos (15 Sermões sobre a Graça de Deus) C. H. Spurgeon Soberania da Deus na Salvação dos Homens, A J. Edwards Sobre a Nossa Conversão a Deus e Como Essa Doutrina é Totalmente Corrompida Pelos Arminianos J. Owen Somente as Igrejas Congregacionais se Adequam aos Propósitos de Cristo na Instituição de Sua Igreja J. Owen Supremacia e o Poder de Deus, A A. W. Pink Teologia Pactual e Dispensacionalismo William R. Downing Tratado Sobre a Oração, Um John Bunyan Tratado Sobre o Amor de Deus, Um Bernardo de Claraval Um Cordão de Pérolas Soltas, Uma Jornada Teológica no Batismo de Crentes Fred Malone Sola Fide Sola Scriptura Sola Gratia Solus Christus Soli Deo Gloria

17 Ao conhecimento salvador de JESUS CRISTO. 2 Coríntios 4 Sola Scriptura! Sola Gratia! Sola Fide! Solus Christus! Soli Deo Gloria 1 Por isso, tendo este ministério, segundo a misericórdia que nos foi feita, não desfalecemos; 2 Antes, rejeitamos as coisas que por vergonha se ocultam, não andando com astúcia nem falsificando a palavra de Deus; e assim nos recomendamos à consciência de todo o homem, na presença de Deus, pela manifestação da verdade. 3 Mas, se ainda o nosso evangelho está encoberto, para os que se perdem está encoberto. 4 Nos quais o deus deste século cegou os entendimentos dos incrédulos, para que lhes não resplandeça a luz do evangelho da glória de Cristo, que é a imagem de Deus. 5 Porque não nos pregamos a nós mesmos, mas a Cristo Jesus, o Senhor; e nós mesmos somos vossos servos por amor de Jesus. 6 Porque Deus, que disse que das trevas resplandecesse a luz, é quem resplandeceu em nossos corações, para iluminação do conhecimento da glória de Deus, na face de Jesus Cristo. 7 Temos, porém, este tesouro em vasos de barro, para que a excelência do poder seja de Deus, e não de nós. 8 Em tudo somos atribulados, mas não angustiados; perplexos, mas não desanimados. 9 Perseguidos, mas não desamparados; abatidos, mas não destruídos; 10 Trazendo sempre por toda a parte a mortificação do Senhor Jesus no nosso corpo, para que a vida de Jesus se manifeste também nos nossos corpos; 11 E assim nós, que vivemos, estamos sempre entregues à morte por amor de Jesus, para que a vida de Jesus se manifeste também na nossa carne mortal. 12 De maneira que em nós opera a morte, mas em vós a vida. 13 E temos portanto o mesmo espírito de fé, como está escrito: Cri, por isso falei; nós cremos também, por isso também falamos. 14 Sabendo que o que ressuscitou o Senhor Jesus nos ressuscitará também por Jesus, e nos apresentará convosco. 15 Porque tudo isto é por amor de vós, para que a graça, multiplicada por meio de muitos, faça abundar a ação de graças para glória de Deus. 16 Por isso não desfalecemos; mas, ainda que o nosso homem exterior se corrompa, o interior, contudo, se renova de dia em dia. 17 Porque a nossa leve e momentânea tribulação produz para nós um peso eterno de glória mui excelente; 18 Não atentando nós nas coisas que se veem, mas nas que se não veem; porque as que se veem são temporais, e as que se não veem são eternas.

O Amor Soberano de Deus: Nosso Conforto Prof. Robert D. Decker

O Amor Soberano de Deus: Nosso Conforto Prof. Robert D. Decker 1 O Amor Soberano de Deus: Nosso Conforto Prof. Robert D. Decker Tradução: Felipe Sabino de Araújo Neto / felipe@monergismo.com O assunto me designado pelo comitê foi posto na forma de uma pergunta: A

Leia mais

Igreja Batista Itacuruçá ESTAÇÃ ÇÃO DO EVANGELISMO

Igreja Batista Itacuruçá ESTAÇÃ ÇÃO DO EVANGELISMO Igreja Batista Itacuruçá ESTAÇÃ ÇÃO DO EVANGELISMO ORIENTAÇÕES GERAIS Bem-vindos à nova estação dos GFs: a estação do evangelismo! Nesta estação queremos enfatizar pontos sobre nosso testemunho de vida

Leia mais

ARTIGOS DE FÉ. I. Deus Trino

ARTIGOS DE FÉ. I. Deus Trino ARTIGOS DE FÉ As referências bíblicas apoiam os Artigos de Fé e são aqui inseridas por acção da Assembleia Geral de 1976, mas não devem ser consideradas como parte do texto da Constituição. I. Deus Trino

Leia mais

Deixando o embaraço, estabelecendo Ebenézer.

Deixando o embaraço, estabelecendo Ebenézer. Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Pr Joaquim Costa Junior 1 Deixando o embaraço, estabelecendo Ebenézer. Hebreus 12:1b deixemos todo embaraço e o pecado que tão de perto nos rodeia e

Leia mais

CONHECENDO O ESPÍRITO SANTO. APOSTILA DA CLASSE DE NOVOS MEMBROS Volume 06 de 07

CONHECENDO O ESPÍRITO SANTO. APOSTILA DA CLASSE DE NOVOS MEMBROS Volume 06 de 07 CONHECENDO O ESPÍRITO SANTO APOSTILA DA CLASSE DE NOVOS MEMBROS Volume 06 de 07 A trindade sempre existiu, mas se apresenta com maior clareza com vinda de Cristo e a redação do Novo Testamento. Por exemplo,

Leia mais

Todos Batizados em um Espírito

Todos Batizados em um Espírito 1 Todos Batizados em um Espírito Leandro Antonio de Lima Podemos ver os ensinos normativos a respeito do batismo com o Espírito Santo nos escritos do apóstolo Paulo, pois em muitas passagens ele trata

Leia mais

Curso Bíblico Básico (Nível Médio) Parte VII

Curso Bíblico Básico (Nível Médio) Parte VII COMUNIDADE CRISTÃ ASSEMBLEIA DOS JUSTOS SISTEMA EDUCACIONAL BÍBLICO ECLESIÁSTICO DEPARTAMENTO DE CURSO BÍBLICO BÁSICO Curso Bíblico Básico (Nível Médio) Parte VII A Divindade do Senhor Jesus Este é o assunto

Leia mais

Você se lembra das três palavras abordadas na lição anterior: Revelação, inspiração e iluminação?

Você se lembra das três palavras abordadas na lição anterior: Revelação, inspiração e iluminação? A BÍBLIA Parte 2 Objetivo para mudança de vida: Dar ao estudante um senso profundo e duradouro de confiança em sua capacidade de entender a Bíblia. Capacidade esta que lhe foi dada por Deus. Você se lembra

Leia mais

EXAMINAI TUDO E RETENDE O BEM

EXAMINAI TUDO E RETENDE O BEM EXAMINAI TUDO E RETENDE O BEM Quero iniciar este estudo a chamar a atenção do amigo leitor sobre o seguinte versículo da Bíblia: "Antes santificai a CRISTO, como Senhor, em vossos corações; e estai sempre

Leia mais

CIDADANIA CELESTIAL CÉDULA DE IDENTIDADE

CIDADANIA CELESTIAL CÉDULA DE IDENTIDADE 1 CIDADANIA CELESTIAL CÉDULA DE IDENTIDADE 13 Todos estes morreram na fé, sem ter obtido as promessas; vendo-as, porém, de longe, e saudando-as, e confessando que eram estrangeiros e peregrinos sobre a

Leia mais

Uma Defesa do Calvinismo

Uma Defesa do Calvinismo Uma Defesa do Calvinismo por C H Spurgeon (Charles Haddon Spurgeon (1834-1892) foi Ministro Batista, Pastor (1854-1892) da Igreja Batista de New Park Street (Londres, Inglaterra), conhecido a partir de

Leia mais

DOMINGO VII DA PÁSCOA. Vésperas I

DOMINGO VII DA PÁSCOA. Vésperas I DOMINGO VII DA PÁSCOA (Onde a solenidade da Ascensão não é transferida para este Domingo). Semana III do Saltério Hi n o. Vésperas I Sa l m o d i a Salmos e cântico do Domingo III. Ant. 1 Elevado ao mais

Leia mais

Mais Se Exige a Quem Mais é Dado

Mais Se Exige a Quem Mais é Dado Mais Se Exige a Quem Mais é Dado Pessoas que estão livres da necessidade de trabalhar em empregos específicos devem se considerar como devotadas a Deus em maior grau. Grande parte do mundo está livre das

Leia mais

#62. O batismo do Espírito Santo (continuação)

#62. O batismo do Espírito Santo (continuação) O batismo do Espírito Santo (continuação) #62 Estamos falando sobre alguns dons do Espírito Santo; falamos de suas obras, dos seus atributos, como opera o novo nascimento e, por último, estamos falando

Leia mais

DECLARAÇÃO DE FÉ 27/06/15 PLANO DE SALVAÇÃO

DECLARAÇÃO DE FÉ 27/06/15 PLANO DE SALVAÇÃO DECLARAÇÃO DE FÉ Pr Josemeire Ribeiro CRM PR 2015 O que é credo? É o que eu creio. PLANO DE SALVAÇÃO QUEDA REDENÇÃO RESTAURAÇÃO Declaração de Fé da IEQ foi compilada por sua fundadora Aimeé Semple McPherson,

Leia mais

UMA LISTA DOS NUNCA MAIS CONFESSAREI

UMA LISTA DOS NUNCA MAIS CONFESSAREI UMA LISTA DOS NUNCA MAIS CONFESSAREI Não há nada mais poderoso que uma decisão, pois esta te colocará em um mundo novo. (Lucas Márquez) VINTE CONFISSÕES NEGATIVAS QUE VOCÊ DEVE CANCELAR EM SUA VIDA 1)

Leia mais

NOVENA DIVINA MISERICÓRDIA

NOVENA DIVINA MISERICÓRDIA CEPMTA / ISCAL Londrina 27/11/2012 Capelania Hospitalar / Pastoral da Saúde Assessor: Pe. Audinei Carreira da Silva NOVENA DIVINA MISERICÓRDIA Primeiro dia Hoje traze-me a humanidade inteira, especialmente

Leia mais

CURSO DE BÍBLIA ANTIGO TESTAMENTO CHAMADO POR DEUS. Paróquia de São Benedito Santa Cruz do Rio Pardo SP

CURSO DE BÍBLIA ANTIGO TESTAMENTO CHAMADO POR DEUS. Paróquia de São Benedito Santa Cruz do Rio Pardo SP CURSO DE BÍBLIA ANTIGO TESTAMENTO A HISTÓRIA DE UM POVO CHAMADO POR DEUS Paróquia de São Benedito Santa Cruz do Rio Pardo SP APRESENTAÇÃO Vocês têm em suas mãos o Curso de Bíblia. Este curso já tem sua

Leia mais

EBD ADU 2011. Aulas sobre o Espírito Santo e você. Prefácio

EBD ADU 2011. Aulas sobre o Espírito Santo e você. Prefácio Aulas sobre o Espírito Santo e você. EBD ADU 2011 Prefácio 1. Quem é o Espírito Santo? 2. Os símbolos do Espírito Santo 3. O Espírito Santo e as Escrituras 4. Da criação até o nascimento de Jesus 5. Do

Leia mais

CRISTOLOGIA: DOUTRINA DE CRISTO

CRISTOLOGIA: DOUTRINA DE CRISTO CRISTOLOGIA: DOUTRINA DE CRISTO ETERNIDADE DEUS PAI LOGUS ESPIRITO SANTO A TRINDADE 1Jo.5.7 LOGUS QUER DIZER PALAVRA OU VERBO SE REFERE AO FILHO NA ETERNIDADE I - SUA PRÉ-EXISTÊNCIA 1 - SUA EXISTÊNCIA

Leia mais

IMITAÇÃO PELAS METADES 1Co 11:1 Sede meus imitadores, como também eu sou de Cristo. Paulo já tinha falado disso antes em 1Co 4:16 Admoesto-vos,

IMITAÇÃO PELAS METADES 1Co 11:1 Sede meus imitadores, como também eu sou de Cristo. Paulo já tinha falado disso antes em 1Co 4:16 Admoesto-vos, IMITAÇÃO PELAS METADES 1Co 11:1 Sede meus imitadores, como também eu sou de Cristo. Paulo já tinha falado disso antes em 1Co 4:16 Admoesto-vos, portanto, a que sejais meus imitadores. Fp 3:17 amplia essa

Leia mais

Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Pr Joaquim Costa Junior 1

Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Pr Joaquim Costa Junior 1 Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Pr Joaquim Costa Junior 1 "assim será a palavra que sair da minha boca; ela não voltará para mim vazia; antes, fará o que me apraz e prosperará naquilo

Leia mais

SE SOUBERMOS PERDOAR Ó CARA IRMÃ CLARA, SE SOUBERMOS PERDOAR

SE SOUBERMOS PERDOAR Ó CARA IRMÃ CLARA, SE SOUBERMOS PERDOAR CANTO 1 - LOUVOR DA CRIAÇÃO D Bm G Em A7 D Bm G Em A7 Aleluia! Aleluia! Aleluia! Aleluia! D F#m G Em A7 1. Javé o nosso Deus é poderoso, seu nome é grande em todas as nações D F#m G Em A7 Na boca das crianças

Leia mais

Capítulo Vinte e Cinco (Chapter Twenty-Five) A Disciplina do Senhor (God s Discipline)

Capítulo Vinte e Cinco (Chapter Twenty-Five) A Disciplina do Senhor (God s Discipline) Capítulo Vinte e Cinco (Chapter Twenty-Five) A Disciplina do Senhor (God s Discipline) Pensem bem naquele que suportou tal oposição dos pecadores contra si mesmo, para que vocês não se cansem nem desanimem.

Leia mais

GUIA DE ESTUDO. DEUS SOBERANO POR NÓS E ATRAVÉS DE NÓS por DAVID EELLS A. AGRADECIMENTOS B. PREFÁCIO

GUIA DE ESTUDO. DEUS SOBERANO POR NÓS E ATRAVÉS DE NÓS por DAVID EELLS A. AGRADECIMENTOS B. PREFÁCIO GUIA DE ESTUDO DEUS SOBERANO POR NÓS E ATRAVÉS DE NÓS por DAVID EELLS A. AGRADECIMENTOS B. PREFÁCIO O seguinte estudo é para os filhos de Deus (Hebreus 5:14 Mas o mantimento sólido é para os perfeitos,

Leia mais

LIÇÃO 3 Jesus, O Filho de Deus

LIÇÃO 3 Jesus, O Filho de Deus LIÇÃO 3 Jesus, O Filho de Deus Nesta Lição Estudará... O Filho e O pai A Eterna União entre o Pai e o Filho O Reconhecimento do Pai pelo Filho O Reconhecimento do Filho pelo Pai O Filho e os Seus Seguidores

Leia mais

Dicionário da Bíblia de Easton

Dicionário da Bíblia de Easton 1 Dicionário da Bíblia de Easton Por M.G. Easton M.A., D.D. Tradução: Felipe Sabino de Araújo Neto / felipe@monergismo.com A lista abaixo não é uma tradução completa do Dicionário da Bíblia de Easton.

Leia mais

LITURGIA DE ENTRADA. Prelúdio: Os passarinhos

LITURGIA DE ENTRADA. Prelúdio: Os passarinhos Prelúdio: Os passarinhos LITURGIA DE ENTRADA (Oração silenciosa individual) Acolhida: L: Jesus disse: Eu vim para servir. E Pedro falou: Servi uns aos outros, cada um conforme o dom que recebeu. Bom dia

Leia mais

Pr. João Antonio C. Campos

Pr. João Antonio C. Campos Pr. João Antonio C. Campos Batalha Espiritual a Nível solo (Individual) 1 Introdução Existem três níveis de batalha espiritual ou guerra espiritual: - Nível 1: Batalha a nível de solo (pessoa a pessoa

Leia mais

Ungidos Para Servir. Continua sendo um déficit entre o povo de Deus, o discernimento de seus ministérios e o entendimento do propósito da unção.

Ungidos Para Servir. Continua sendo um déficit entre o povo de Deus, o discernimento de seus ministérios e o entendimento do propósito da unção. Ungidos Para Servir Apesar dos esforços teológicos, a história cristã avançou dois mil anos e não conseguiu, em sua trajetória, evitar a má interpretação sobre o chamado ministerial dos santos e sobre

Leia mais

I DOMINGO DA QUARESMA

I DOMINGO DA QUARESMA I DOMINGO DA QUARESMA LITURGIA DA PALAVRA / I Gen 2, 7-9; 3, 1-7 Leitura do Livro do Génesis O Senhor Deus formou o homem do pó da terra, insuflou em suas narinas um sopro de vida, e o homem tornou-se

Leia mais

OUTRAS ORAÇÕES PAI NOSSO ORAÇÃO A SÃO JERÔNIMO. Pai nosso que estais nos céus. Santificado seja o vosso nome. Venha a nós o vosso reino

OUTRAS ORAÇÕES PAI NOSSO ORAÇÃO A SÃO JERÔNIMO. Pai nosso que estais nos céus. Santificado seja o vosso nome. Venha a nós o vosso reino OUTRAS ORAÇÕES PAI NOSSO Pai nosso que estais nos céus Santificado seja o vosso nome Venha a nós o vosso reino Seja feita a vossa vontade Assim na Terra como no Céu O pão nosso de cada dia nos dai hoje

Leia mais

Você foi criado para fazer parte da família de Deus.

Você foi criado para fazer parte da família de Deus. 3ª Semana Você foi criado para fazer parte da família de Deus. I- CONECTAR: Inicie o encontro com dinâmicas que possam ajudar as pessoas a se conhecer e se descontrair para o tempo que terão juntas. Descreva

Leia mais

Lição Oito. Amando aos Outros. (Desenvolvendo um Estilo Compassivo de Vida)

Lição Oito. Amando aos Outros. (Desenvolvendo um Estilo Compassivo de Vida) Livrinho 2 Pàgina 60 Lição Oito Amando aos Outros (Desenvolvendo um Estilo Compassivo de Vida) O amor fica ao centro real do Cristianismo. Ele resume numa só palavra a própria essência da fé cristã. Foi

Leia mais

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23.

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23. Tema: DEUS CUIDA DE MIM. Texto: Salmos 23:1-6 Introdução: Eu estava pesando, Deus um salmo tão poderoso até quem não está nem ai prá Deus conhece uns dos versículos, mas poderosos da bíblia e o Salmo 23,

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

10. A IGREJA. 10.1 Introdução. Aula 49

10. A IGREJA. 10.1 Introdução. Aula 49 10. A IGREJA Aula 49 10.1 Introdução Deus não está interessado em levar pessoas para o céu, Ele quer sim trazer o céu para a terra. Por causa disso, Deus vai fazer nova terra. Porém, Deus quer trazer o

Leia mais

Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Pr Joaquim Costa Junior 1. Sabendo quem somos em Cristo, para refletir a Sua glória.

Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Pr Joaquim Costa Junior 1. Sabendo quem somos em Cristo, para refletir a Sua glória. Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Pr Joaquim Costa Junior 1 Sabendo quem somos em Cristo, para refletir a Sua glória. 1Pe 2:9 Mas vós sois a geração eleita, o sacerdócio real, a nação

Leia mais

06 Meus Primeiros Passos por Dino Arí Fernandes

06 Meus Primeiros Passos por Dino Arí Fernandes 06 Meus Primeiros Passos por Dino Arí Fernandes O Espírito Santo e a Igreja Igreja Metodista 06- Meus Primeiros Passos Rev. Dino Arí Fernandes O Espírito Santo e a IGREJA Para melhor entender o tema, sugerimos

Leia mais

Condições Gerais de Uso e Permissões de Cópias

Condições Gerais de Uso e Permissões de Cópias - Ensino Sistêmico sobre a Vida Cristã - Condições Gerais de Uso e Permissões de Cópias Série: Informações Gerais sobre o Ensino Sistêmico Sobre Vida Cristã 1ª Edição Out/2013 - Copyright do Autor Ver

Leia mais

The Baptist Faith and Message. A Fé e a Mensagem Batista

The Baptist Faith and Message. A Fé e a Mensagem Batista The Baptist Faith and Message A Fé e a Mensagem Batista I. As Escrituras A Bíblia Sagrada foi escrita por homens divinamente inspirados e é a revelação do própiro Deus ao homem. É um tesouro perfeito de

Leia mais

QUANTOS EVANGELHOS EXISTEM?

QUANTOS EVANGELHOS EXISTEM? QUAL É O VERDADEIRO EVANGELHO? Qual foi o evangelho que Jesus pregou? Teria Paulo pregado um evangelho diferente aos gentios? Eis aqui, finalmente, a verdade clara sobre o reino de Deus POR QUE existe

Leia mais

Lição 01 O propósito eterno de Deus

Lição 01 O propósito eterno de Deus Lição 01 O propósito eterno de Deus LEITURA BÍBLICA Romanos 8:28,29 Gênesis 1:27,28 Efésios 1:4,5 e 11 VERDADE CENTRAL Deus tem um propósito original e eterno para minha vida! OBJETIVO DA LIÇÃO Que eu

Leia mais

O CARÁTER CRISTÃO. 11. O CRISTÃO DEVE SUJEITAR-SE À VONTADE DE DEUS (Rm 12.1-2)

O CARÁTER CRISTÃO. 11. O CRISTÃO DEVE SUJEITAR-SE À VONTADE DE DEUS (Rm 12.1-2) PAGINA 1 O CARÁTER CRISTÃO 11. O CRISTÃO DEVE SUJEITAR-SE À VONTADE DE DEUS (Rm 12.1-2) Introdução Quando estudamos a Bíblia, percebemos que cada um de nós é muito importante para o Senhor. De fato, cada

Leia mais

NOVENA A SÃO PEREGRINO: PROTETOR DOS DOENTES DE CÂNCER. Comentarista: Quem foi São Peregrino? São Peregrino, foi um frade da Ordem dos

NOVENA A SÃO PEREGRINO: PROTETOR DOS DOENTES DE CÂNCER. Comentarista: Quem foi São Peregrino? São Peregrino, foi um frade da Ordem dos NOVENA A SÃO PEREGRINO: PROTETOR DOS DOENTES DE CÂNCER Comentarista: Quem foi São Peregrino? São Peregrino, foi um frade da Ordem dos Servos de Maria e ficou conhecido como o protetor contra o câncer.

Leia mais

LEIS DA JUSTIÇA, AMOR e CARIDADE 1. O obje6vo deste tema, será o de possibilitar o entendimento das leis de jus6ça, amor e caridade.

LEIS DA JUSTIÇA, AMOR e CARIDADE 1. O obje6vo deste tema, será o de possibilitar o entendimento das leis de jus6ça, amor e caridade. LEIS DA JUSTIÇA, AMOR e CARIDADE 1 O obje6vo deste tema, será o de possibilitar o entendimento das leis de jus6ça, amor e caridade. DIREITOS NATURAIS 2 Direitos Naturais: São os mesmos para todos os indivíduos,

Leia mais

LIÇÃO: 10- O EVANGELHO BARATO

LIÇÃO: 10- O EVANGELHO BARATO 1 LIÇÃO: 10- O EVANGELHO BARATO "Naquele tempo muitos ficarão escandalizados, trairão e odiarão uns aos outros, e numerosos falsos profetas surgirão e enganarão a muitos. Devido ao aumento da maldade,

Leia mais

A DÁDIVA DE LIDERANÇA SOBRE O CONTENTAMENTO BÍBLICO. Filipenses 4:10-20

A DÁDIVA DE LIDERANÇA SOBRE O CONTENTAMENTO BÍBLICO. Filipenses 4:10-20 A DÁDIVA DE LIDERANÇA SOBRE O CONTENTAMENTO BÍBLICO Filipenses 4:10-20 Já aprendi a contentar-me com as circunstâncias em que me encontre. Sei passar falta, e sei também ter abundância; em toda maneira

Leia mais

www.sede.umnovotempo.org.br/estudos JEJUM DO AVIVAMENTO

www.sede.umnovotempo.org.br/estudos JEJUM DO AVIVAMENTO JEJUM DO AVIVAMENTO 1 Dia do Jejum do Avivamento Leitura: Romanos 13:10 à 14 Introdução: Avivamento ou avivar é tornar mais vivo, mais desperto e renovado. O avivamento está ligado a disposição de reformar,

Leia mais

Aspetos inclusivos e exclusivos na fé nova-apostólica

Aspetos inclusivos e exclusivos na fé nova-apostólica Igreja Nova Apostólica Internacional Aspetos inclusivos e exclusivos na fé nova-apostólica Depois de, na última edição, termos abordado os aspetos inclusivos e exclusivos no Antigo e no Novo Testamento,

Leia mais

FEB EADE - Livro III - Módulo II Roteiro 2 A autoridade de Jesus

FEB EADE - Livro III - Módulo II Roteiro 2 A autoridade de Jesus OBJETIVOS 1) Analisar em que se resume a autoridade do Cristo. 2) Esclarecer como o Espiritismo explica essa autoridade. IDEIAS PRINCIPAIS 1) Sob a autoridade moral do Cristo, somos guiados na busca pela

Leia mais

O Arrebatamento da Igreja

O Arrebatamento da Igreja Texto Base: 1Ts 4.13-18 O Arrebatamento da Igreja "Não queremos, porém, irmãos, que sejais ignorantes com respeito aos que dormem, para não vos entristecerdes como os demais, que não têm esperança. Pois,

Leia mais

PROPICIAÇĀO, REDENÇĀO, JUSTIFICAÇĀO, RECONCILIAÇĀO E SALVAÇĀO

PROPICIAÇĀO, REDENÇĀO, JUSTIFICAÇĀO, RECONCILIAÇĀO E SALVAÇĀO PROPICIAÇĀO, REDENÇĀO, JUSTIFICAÇĀO, RECONCILIAÇĀO E SALVAÇĀO Seguiremos um pouco mais com o que nos diz a Palavra sobre a obra da cruz. Esta obra é realmente mais profunda do que podemos imaginar a primeira

Leia mais

O PODER DA ORAÇAO E DA SANTIFICAÇAO

O PODER DA ORAÇAO E DA SANTIFICAÇAO O PODER DA ORAÇAO E DA SANTIFICAÇAO PROGRAMA A HORA MILAGROSA Assim nos ensinou o Santo Irmão Aldo sobre o poder da oração e da santificação: Todo o filho de Deus deve ser dado à oração e à meditação.

Leia mais

Bem - Aventuranças. Conselho Inter-paroquial de Catequese Lamas, 22 de Novembro de 2007

Bem - Aventuranças. Conselho Inter-paroquial de Catequese Lamas, 22 de Novembro de 2007 Bem - Aventuranças Conselho Inter-paroquial de Catequese Lamas, 22 de Novembro de 2007 Eu estou à tua porta a bater, Eu estou à tua porta a bater, Se me abrires a porta entrarei para enviar. Eu preciso

Leia mais

18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado

18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado LIÇÃO 1 - EXISTE UM SÓ DEUS 18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado A Bíblia diz que existe um único Deus. Tiago 2:19, Ef. 4 1- O Deus que Criou Todas as coisas, e que conduz a sua criação e

Leia mais

Esperança em um mundo mal Obadias 1-21. Propósito: Confiar em Cristo independente do mundo em que vivemos.

Esperança em um mundo mal Obadias 1-21. Propósito: Confiar em Cristo independente do mundo em que vivemos. Esperança em um mundo mal Obadias 1-21 Propósito: Confiar em Cristo independente do mundo em que vivemos. Introdução Obadias É o livro mais curto do Antigo Testamento. Quase nada se sabe sobre o autor.

Leia mais

1º. Pregação: Tema: Desde o pecado de Adão e Eva somos curados por Deus

1º. Pregação: Tema: Desde o pecado de Adão e Eva somos curados por Deus SEMINÁRIO DE VIDA NO ESPÍRITO Tema geral: Cura Interior Autor: Pe. Fernando PREGAÇÃO: Tema: Curados para Amar Senhor se queres podes me curar Mt. 8, 1-4 1º. Pregação: Tema: Desde o pecado de Adão e Eva

Leia mais

Batalha Espiritual Existe Um Mundo Que não se vê, Mas É Real!

Batalha Espiritual Existe Um Mundo Que não se vê, Mas É Real! Batalha Espiritual Existe Um Mundo Que não se vê, Mas É Real! É o mundo invisível que funciona em paralelo com o Mundo Real, que é visível e que todos nós contemplamos! Romanos 1:20 Efésios 3:10 O Espaço

Leia mais

DAVE ROBERSON. Janeiro 2004. Querido Amigo,

DAVE ROBERSON. Janeiro 2004. Querido Amigo, Ministério Ana Maria Dias Caixa Postal 254 Barueri SP 06455-972 Fone/Fax: (11) 4191-6425 www.minamd.org.br DAVE ROBERSON Querido Amigo, Janeiro 2004 Eu não posso lhe dizer o quanto Jesus ama a Igreja e

Leia mais

Sendo Discipulado para Fazer Discípulos

Sendo Discipulado para Fazer Discípulos PIPR Curso de Discipulado II Sendo Discipulado para Fazer Discípulos Treinamento para Formadores de Discípulos O que de minha parte você ouviu [aprendeu]... transmita fielmente a outras pessoas para que

Leia mais

O que a Bíblia diz sobre a reconciliação?

O que a Bíblia diz sobre a reconciliação? Seção 2 O que a Bíblia diz sobre a É importante examinarmos cuidadosamente o que a Bíblia diz sobre a reconciliação. Isto ajuda a formar uma base para o trabalho de desenvolvimento que fazemos. Esta seção

Leia mais

Preparativos: Uma cruz grande; a Bíblia, velas e duas ou mais bacias com água; um presidente, dois leitores e um comentarista.

Preparativos: Uma cruz grande; a Bíblia, velas e duas ou mais bacias com água; um presidente, dois leitores e um comentarista. Preparativos: Uma cruz grande; a Bíblia, velas e duas ou mais bacias com água; um presidente, dois leitores e um comentarista. COMENTARISTA: Bem-vindos, irmãos e irmãs! Juntos nos colocamos diante da misericórdia

Leia mais

Diocese de Guaxupé. Hora Santa. Dia de Oração pela Santificação dos Sacerdotes

Diocese de Guaxupé. Hora Santa. Dia de Oração pela Santificação dos Sacerdotes Diocese de Guaxupé Hora Santa Dia de Oração pela Santificação dos Sacerdotes para exposição do Santíssimo Sacramento Glória a Jesus na Hóstia Santa (ou outro a escolha) Dirigente: Graças e louvores se

Leia mais

JESUS CRISTO É O FILHO DE DEUS

JESUS CRISTO É O FILHO DE DEUS JESUS CRISTO É O FILHO DE DEUS SOBRE ESTA REVELAÇÃO EDIFICAREI A MINHA IGREJA Mateus 16: 13 E, chegando Jesus às partes de Cesaréia de Filipe, interrogou os seus discípulos, dizendo: Quem dizem os homens

Leia mais

COMO TER UM TEMPO DEVOCIONAL

COMO TER UM TEMPO DEVOCIONAL COMO TER UM TEMPO DEVOCIONAL DR. RICHARD J. KREJCIR INTO THY WORD MINISTRIES WWW.CHURCHLEADERSHIP.ORG 1 PRIMEIROS PASSOS: Como se aproximar do coração de Deus com o desenvolvimento de um relacionamento

Leia mais

NOVENA COM AS CRIANÇAS NOSSA SENHORA APARECIDA 2015

NOVENA COM AS CRIANÇAS NOSSA SENHORA APARECIDA 2015 1 2 COM MARIA, EM JESUS, CHEGAMOS À GLÓRIA! 5º Dia (Dia 07/10 Quarta-feira) CRIANÇA: BELEZA DA TERNURA DIVINA! Na festa de Maria, unidos neste Santuário, damos graças a Deus, por meio de Maria, pela vida

Leia mais

Bíblia - para que estudar?

Bíblia - para que estudar? Bíblia - para que estudar? por que estudar a Bíblia estudar a Bíblia é envolvente Projeto de vida nunca acaba há sempre algo novo a descobrir: novo sentido, nova conexão, novos achados não há diploma,

Leia mais

Evangelhos. www.paroquiadecascais.org

Evangelhos. www.paroquiadecascais.org Evangelhos 1. Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus (Mt 5, 1-12a) ao ver a multidão, Jesus subiu ao monte e sentou-se. Rodearam-n O os discípulos e Ele começou a ensiná-los, dizendo:

Leia mais

José Ricardo Ferreira Bezerra

José Ricardo Ferreira Bezerra José Ricardo Ferreira Bezerra José Ricardo Ferreira Bezerra PALAVr CrUZAD A S S Coordenação Geral Filipe Cabral Coordenação Editorial Carolina Fernandes Pesquisa Irlanda Roriz Projeto gráfico e Diagramação

Leia mais

A Declaração de Doutrina Bíblica PACTO E DECLARAÇÃO DE FÉ No que cremos, o que ensinamos.

A Declaração de Doutrina Bíblica PACTO E DECLARAÇÃO DE FÉ No que cremos, o que ensinamos. A Declaração de Doutrina Bíblica PACTO E DECLARAÇÃO DE FÉ No que cremos, o que ensinamos. 01. A BÍBLIA SAGRADA Nós cremos e ensinamos que a Bíblia é a revelação escrita de Deus para o homem. As Escrituras

Leia mais

Local& Escola&de&Pós&Graduação& &Uninter& Domingo&às&19h& Rua&Candelária,&1744&

Local& Escola&de&Pós&Graduação& &Uninter& Domingo&às&19h& Rua&Candelária,&1744& Local& Escola&de&Pós&Graduação& &Uninter& Domingo&às&19h& Rua&Candelária,&1744& Colossenses& 15 Ele é a imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação, 16 pois nele foram criadas todas as

Leia mais

Unidade 6 Unidade 5 Unidade 4 Unidade 3 Unidade 2 Unidade 1

Unidade 6 Unidade 5 Unidade 4 Unidade 3 Unidade 2 Unidade 1 Unidade 6 Unidade 5 Unidade 4 Unidade 3 Unidade 2 Unidade 1 O nascimento de Jesus me ajuda a louvar Jesus foi criança igual a mim Jesus me convida a segui-lo suas atitudes As histórias de m a segui-lo

Leia mais

Cristãos que se parecem com ídolos (SL 115) Um dos dez mandamentos fala claramente sobre os ídolos, que eram representados por imagens: Êxodo 20.

Cristãos que se parecem com ídolos (SL 115) Um dos dez mandamentos fala claramente sobre os ídolos, que eram representados por imagens: Êxodo 20. 1 Cristãos que se parecem com ídolos (SL 115) Um dos dez mandamentos fala claramente sobre os ídolos, que eram representados por imagens: Êxodo 20. 4-5 Não farás para ti imagem de escultura, nem semelhança

Leia mais

II ENCONTRO PEDAGÓGICO - 2015 TEMA A PALAVRA COMO FONTE GENUÍNA DE AVIVAMENTO (HABACUQUE 3.2) SUBTEMA

II ENCONTRO PEDAGÓGICO - 2015 TEMA A PALAVRA COMO FONTE GENUÍNA DE AVIVAMENTO (HABACUQUE 3.2) SUBTEMA II ENCONTRO PEDAGÓGICO - 2015 TEMA A PALAVRA COMO FONTE GENUÍNA DE AVIVAMENTO (HABACUQUE 3.2) SUBTEMA EBD em ação: A Urgência de Um Avivamento Genuíno SETEMBRO/2015 Timon MA INTRODUÇÃO O nosso tema em

Leia mais

PARÓQUIA DA SANTÍSSIMA TRINDADE

PARÓQUIA DA SANTÍSSIMA TRINDADE PARÓQUIA DA SANTÍSSIMA TRINDADE IGREJA EPISCOPAL ANGLICANA DO BRASIL Rua Carolina Méier, 61 - Méier - Rio de Janeiro - CEP: 20780-000 Tel: (21) 2501-7222 Clero: Rev. Pe. Eduardo Costa, Rev. Pe. Luiz Coelho

Leia mais

VÁ E FAÇA DISCÍPULOS

VÁ E FAÇA DISCÍPULOS VÁ E FAÇA DISCÍPULOS através do Treinamento de discipulado utilizando o rádio LIVRO 1 DO DISCÍPULO Primeira edição INTRODUÇÃO Você quer crescer como um discípulo de Jesus Cristo? Você quer ajudar outros

Leia mais

CULTO DO PACTO COM DEUS

CULTO DO PACTO COM DEUS CULTO DO PACTO COM DEUS Nota Histórica No dia 25 de Dezembro de 1747, João Wesley fez um apelo a todos os metodistas para renovarem o seu pacto com Deus. O primeiro culto do Pacto com Deus, organizado

Leia mais

As coisas eternas e as coisas passageiras

As coisas eternas e as coisas passageiras As coisas eternas e as coisas passageiras SUMÁRIO Antes de virar a página... Capítulo 1 As coisas eternas: O que é a eternidade? O relacionamento: Memória. O coração: A mente. A sabedoria, o conhecimento

Leia mais

SOLENIDADE DE NOSSO SENHOR JESUS CRISTO REI DO UNIVERSO

SOLENIDADE DE NOSSO SENHOR JESUS CRISTO REI DO UNIVERSO Ano A - XXIV - Nº 1482-34º Domingo do Tempo Comum - cor branca ou dourada - 23/11/2014 SOLENIDADE DE NOSSO SENHOR JESUS CRISTO REI DO UNIVERSO Dia Nacional dos Leigos(as) Preparar o espaço celebrativo

Leia mais

Naquela ocasião Jesus disse: "Eu te louvo, Pai, Senhor dos céus e da terra, porque escondeste estas coisas dos sábios e cultos, e as revelaste aos

Naquela ocasião Jesus disse: Eu te louvo, Pai, Senhor dos céus e da terra, porque escondeste estas coisas dos sábios e cultos, e as revelaste aos As coisas encobertas pertencem ao Senhor, ao nosso Deus, mas as reveladas pertencem a nós e aos nossos filhos para sempre, para que sigamos todas as palavras desta lei. Deuteronômio 29.29 Naquela ocasião

Leia mais

9 MARCAS DE UMA. Mark dever. Estudos de Quarta - IBRVN

9 MARCAS DE UMA. Mark dever. Estudos de Quarta - IBRVN 9 MARCAS DE UMA IGREJA SAUDÁVEL Mark dever Estudos de Quarta - IBRVN 9 Marcas 1. Pregação Expositiva 2. Teologia Bíblica 3. Evangelho 4. Conversão 5. Evangelização 6. Membresia 7. Disciplina 8. Discipulado

Leia mais

Deus Faz. Novas todas as coisas!

Deus Faz. Novas todas as coisas! Deus Faz Novas todas as coisas! Portanto, se alguém está em Cristo, é nova criação. As coisas an9gas já passaram; eis que surgiram coisas novas! (2Corín9os 5.17) Aquele que estava assentado no trono disse:

Leia mais

O Nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo em Belém

O Nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo em Belém Apostolado do Oratório Meditação dos Primeiros Sábados Mistérios Gloriosos Dezembro 2011 O Nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo em Belém Cabe-nos hoje fazer uma meditação sobre o Natal que se aproxima.

Leia mais

NOVE DIAS COM IRMÃ CLARA FIETZ NA ESCOLA DE JESUS CRISTO

NOVE DIAS COM IRMÃ CLARA FIETZ NA ESCOLA DE JESUS CRISTO NOVE DIAS COM IRMÃ CLARA FIETZ NA ESCOLA DE JESUS CRISTO ORAÇÃO DO INÍCIO DA NOVENA SENHOR JESUS CRISTO, Vós nos encorajastes a Vos trazer nossa preocupação na oração. Se me pedirdes alguma coisa em meu

Leia mais

Sola Scriptura Somos diferentes?

Sola Scriptura Somos diferentes? Sola Scriptura Somos diferentes? Introdução: 3 pilares da Reforma Protestante: sola Scriptura, sola fide, sola gratia Mesmo em forma de afirmação, cada pilar também é negação. Por exemplo, a expressão,

Leia mais

CARTA AOS ARTISTAS DO BRASIL. A paz de Jesus, meus irmãos!

CARTA AOS ARTISTAS DO BRASIL. A paz de Jesus, meus irmãos! CARTA AOS ARTISTAS DO BRASIL Artistas construtores da paz A paz de Jesus, meus irmãos! No mês de Março começamos a meditar sobre os frutos do Espírito que está em Gálatas 5, nos versículos 22 e 23. A RCC

Leia mais

Serro 300 anos de História

Serro 300 anos de História MISSA DO 3º DOMINGO DO TEMPO COMUM E EM AÇÃO DE GRAÇA PELOS 300 ANOS DA VILA DO PRINCIPE. LOUVADO SEJA NOSSO SENHOR JESUS CRISTO TODOS: Para sempre seja louvado ACOLHIDA: COM: Um dia, Jesus passou pelo

Leia mais

Interpenetração de dois cumprimentos

Interpenetração de dois cumprimentos Abordagem Bíblica e Teológica Interpenetração de dois cumprimentos Por Defensores do Evangelho Que a graça e a paz do Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo seja convosco! Introdução Este tema é extremamente

Leia mais

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma.

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. PERTO DE TI Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. Jesus! Perto de ti, sou mais e mais. Obedeço a tua voz. Pois eu sei que tu és Senhor, o

Leia mais

DOMINGO XXVIII. «Considerei a riqueza como nada, em comparação com a sabedoria»

DOMINGO XXVIII. «Considerei a riqueza como nada, em comparação com a sabedoria» LEITURA I Sab 7, 7-11 «Considerei a riqueza como nada, em comparação com a sabedoria» Leitura do Livro da Sabedoria Orei e foi-me dada a prudência; implorei e veio a mim o espírito de sabedoria. Preferi-a

Leia mais

Traduzido por: Eduardo Vieira da Silva Revisado por: Charles Becker Zeyna Abramson. Publicadora Lâmpada e Luz. Farmington, New Mexico, EUA

Traduzido por: Eduardo Vieira da Silva Revisado por: Charles Becker Zeyna Abramson. Publicadora Lâmpada e Luz. Farmington, New Mexico, EUA Traduzido por: Eduardo Vieira da Silva Revisado por: Charles Becker Zeyna Abramson Publicadora Lâmpada e Luz Farmington, New Mexico, EUA Edição original (no espanhol): Bosquejos bíblicos para estudios

Leia mais

Spurgeon versus Hipercalvinismo 1

Spurgeon versus Hipercalvinismo 1 Spurgeon versus Hipercalvinismo 1 David J. Engelsma Tradução: Felipe Sabino de Araújo Neto 2 A influente Banner of Truth Trust, na Escócia, acabou de publicar (1995) o livro Spurgeon v. Hyper-Calvinism:

Leia mais

Você foi criado para Dominar

Você foi criado para Dominar Você foi criado para Dominar Gênesis 1:26, 2:7 e 2:15 Gênesis, como todos nós sabemos, significa começo. Este livro começa relatando a obra da criação, e o capítulo 1 encerra com Deus criando o homem.

Leia mais

CONFISSÃO BATISTA DE NEW HAMPSHIRE

CONFISSÃO BATISTA DE NEW HAMPSHIRE CONFISSÃO BATISTA DE NEW HAMPSHIRE A Confissão de Fé de New Hampshire foi redigida pelo Rev. John Newton Brown (1803-1868), no Estado de New Hampshire, EUA, por volta de 1833, e publicada por uma comissão

Leia mais

Confissão de Fé. 1. A Bíblia

Confissão de Fé. 1. A Bíblia Confissão de Fé 1. A Bíblia Creio que a Bíblia é a vontade de Deus revelada (I Pedro 1.11 12; I João 5.9 12) de maneira progressiva (Hebreus 1.1 2) ao homem (Jeremias 30.2; II Pedro 1.20 21), ela é divina,

Leia mais

A Ama De Mefibosete. Como ama que cuida dos próprios filhos... 1.Ed

A Ama De Mefibosete. Como ama que cuida dos próprios filhos... 1.Ed 1 2 3 A Ama De Mefibosete Como ama que cuida dos próprios filhos... 2014 1.Ed À Igreja Batista Vale Verde lugar de cuidado e expressão do amor de Deus. 4 5 Índice Apresentação 06 Prefácio 07 Introdução

Leia mais

Mosaicos #2 Um Novo e superior Testamento Hb 1:1-3 Introdução: Se desejamos compreender o hoje, muitas vezes precisaremos percorrer o passado.

Mosaicos #2 Um Novo e superior Testamento Hb 1:1-3 Introdução: Se desejamos compreender o hoje, muitas vezes precisaremos percorrer o passado. 1 Mosaicos #2 Um Novo e superior Testamento Hb 1:1-3 Introdução: Se desejamos compreender o hoje, muitas vezes precisaremos percorrer o passado. Neste sentido a Carta aos Hebreus é uma releitura da lei,

Leia mais