SENAI&'&ES& O"METODO"QUANTITATIVO" " " 26/06/14 MÉTODOS QUANTITATIVOS E QUALITATIVOS & &

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SENAI&'&ES& O"METODO"QUANTITATIVO" " " 26/06/14 MÉTODOS QUANTITATIVOS E QUALITATIVOS & &"

Transcrição

1 SENAI&'&ES& & & O"METODO"QUANTITATIVO" " " Prof."FÁBIO"CAMPOS" E O que é método? É a escolha de procedimentos sistemáticos para a descrição e explicação de fenômenos. O que são procedimentos metodológicos? São caminhos previstos pelo método científico: delimitação de um problema e objetivos específicos; realização e interpretação de observações, com base nas relações encontradas, fundamentando-se, se possível, nas teorias existentes. E Métodos quantitativos São caracterizados pelo emprego da quantificação tanto nas modalidades de coleta de informações, quanto no tratamento delas por meio de técnicas estatísticas: percentual, média, desvio-padrão, coeficiente de correlação, análise de regressão, dentre outras. É aplicado nos estudos descritivos (O QUE É): Descobrir e classificar a relação entre variáveis; Investigar a relação de causalidade entre fenômenos. Prevêem a mensuração de variáveis previamente estabelecidas, verificando e explicando sua influência sobre outras variáveis, mediante a análise da freqüência de incidências e de correlações estatísticas. 1

2 Exemplos: uma situação específica, um grupo ou um indivíduo; abordagem de aspectos amplos de uma sociedade (descrição da população economicamente ativa, do emprego de rendimentos e consumo, do efetivo de mão-deobra: levantamento da opinião e atitudes da população acerca de determinada situação; caracterização do funcionamento de organizações; identificação do comportamento de grupos minoritários. Exemplo de uma situação específica: A reação de um gestor escolar sobre o uso de novas técnicas no ensino da geografia. Observação: visa apenas investigar as reações e não os fatores que as determinam, bem como a relação entre as reações do gestor e seu estilo de dirigir a escola. O estudo descritivo identifica, ordena e classifica as características dos fenômenos. Através desta dinâmica surgem novos estudos descritivos que procuram explicar os fenômenos, ou seja, analisar as variáveis que influenciam ou causam o surgimento dos fenômenos. É muito importante estudos que correlacionem variáveis para um melhor entendimento do comportamento de diversos fatores e elementos que influem, causalmente, sobre determinado fenômeno. 2

3 Estudo de correlação de variáveis: Escore contínuo: testes de inteligência, testes de avaliação e testes padronizados. Por exemplo: ao se medir o QI de um indivíduo é possível obter teoricamente um escore em qualquer ponto da amplitude. As informações são expressas em, apenas, duas categorias. Dicotomia artificial: a divisão dos habitantes de um bairro em duas categorias segundo o nível de renda familiar, isto é, aqueles com renda alta e aqueles com renda baixa. Ao se compararem os indivíduos de ambos os grupos, é possível verificar que são semelhantes em vários aspectos, exceto quanto à renda familiar. Dicotomia verdadeira: é desnecessário estabelecer um ponto arbitrário para dividir o número de casos em dois grupos. Neste caso, os membros de um grupo possuem algumas características que, de fato, os diferenciam dos indivíduos do outro grupo, por exemplo, a variável sexo. Categórica: quando, por exemplo, a variável sexo pode ser estudada na perspectiva da aprendizagem, aspirações, nível salarial. 3

4 Observe-se a título de ilustração: Uma escola realiza uma pesquisa para verificar se a instrução programada proporciona maior desempenho do aluno do que a utilização convencional do livro-texto. O resultado apresentou maior desempenho de alunos que se utilizaram da instrução programada. Isso não significa que tal resultado possa ser generalizado para todos os estudantes. E Deve-se considerar: a realidade; as características pessoais dos alunos; as possíveis interferências de outros fatores,quando se trata de aplicação em diferentes séries; que o experimento só poderá ser reconhecido e considerado somente no momento em que ocorreu. E Métodos qualitativos São caracterizados pelo não emprego da quantificação, ou seja, deixa de considerar, prioritariamente, um instrumental estatístico como base do processo de análise de um problema. Não pretende numerar ou medir unidades ou categorias homogêneas. Isso não quer dizer que há uma separação entre estudos quantitativos e qualitativos. Há situações que exigem estudos de caráter qualitativo: 1) Situações em que há necessidade de se transformar d a d o s q u a n titativos e m informações qualitativas. Exemplo: investigação de fatos do passado ou estudos referentes a grupos dos quais se dispõe de pouca informação. 4

5 2) Situações em que se evidencia a importância de uma abordagem qualitativa de modo a se compreender aspectos psicológicos cujos dados não podem ser coletados de modo completo por outros métodos devido a complexidade que denota. Exemplo: estudos para análise de atitudes, motivações, expectativas, valores. 3) Situações em que observações qualitativas são usadas como indicadores do funcionamento de estruturas sociais. Para a situação 1: estudos comparativos expressados através de estatística podem ser utilizados. Exemplo: situar a posição de certos grupos populacionais através de indicadores da condição cultural e do estágio de desenvolvimento, considerando a renda per capita, nível de escolarização da população, analfabetismo, esperança de vida, sistema de governo, meios de comunicação disponíveis. Para a situação 2: os estudos sobre a personalidade, atitudes e motivações podem ser representados: a) Quantitativamente, quando se faz uso de testes ou análise fatorial (fatores). Exemplo: psicólogos, cujo referencial teórico considere a personalidade como representativa de um conjunto de fatores (análise fatorial), ou que a analisam segundo um conjunto de características peculiares a cada indivíduo empregarão testes projetivos (dimensão qualitativa). b) Qualitativamente, viabilizam uma análise global, relacionando o indivíduo com a sociedade, ou seja, o modo pelo qual o indivíduo se integra na sociedade ou dela se marginaliza. 5

6 Para a situação 3: a observação qualitativa é fundamental na explicação do funcionamento das estruturas sociais, é preciso reconhecer as implicações que diferentes concepções teóricas (estruturalistas, dialéticas) imprimem à análise da sociedade. Os procedimentos metodológicos mais utilizados: observação e entrevista; pesquisas documentárias que exploram as análises de conteúdo e histórica. Contribuições do método qualitativo ao quantitativo: 1) Planejamento da pesquisa: discussão com o grupo que participará da investigação. O uso da observação, entrevista poderão melhorar a formulação do problema, o levantamento de hipóteses e a definição da amostra. 2) Na coleta de dados, entrevistas, observações e discussões em grupo podem enriquecer as informações obtidas, especialmente pela profundidade e pelo detalhamento das técnicas qualitativas. 3) Na análise da informação, as técnicas qualitativas permitem verificar os resultados do q u e s t i o n á r i o s e a m p l i a r a s r e l a ç õ e s descobertas. Contribuições do método quantitativo ao qualitativo: 1) No planejamento da pesquisa, a utilização de um questionário prévio no momento da observação ou entrevista pode contribuir para delimitar o problema estudado e a informação coletada, permitindo identificar casos representativos ou não, em nível grupal ou individual. 6

7 2) Na coleta de dados, o questionário prévio pode ajudar a evitar perguntas rotineiras e a identificar características objetivas, por exemplo, geopolíticas de um bairro, que podem influir no contexto da pesquisa. 3) Na análise da informação, as técnicas estatísticas podem ajudar na verificação de informações e na reinterpretação de observações qualitativas, permitindo conclusões menos objetivas. Instrumentos e/ou técnicas de coleta de dados quantitativos para pesquisas experimentais: 1) Observação sistemática ou estruturada: situações previamente definidas, como por exemplo a definição de algumas categorias para o controle de comportamentos em sala de aula. E 2) Questionário: é composto de perguntas préelaboradas, sistemática e seqüencialmente dispostas em itens que constituem o objeto de pesquisa. Tem por objetivo estimular os envolvidos a responderem questões sobre um assunto conhecido por eles. É uma interlocução planejada. É necessário que: O pesquisador saiba claramente as informações que deseja, os objetivo da pesquisa e das questões, o que e como pretende mensurar ou confirmar a sua hipótese. O respondente deve compreender as questões que lhe são propostas: nível de informações, condição e reações pessoais. O questionário deve ter estrutura lógica, fácil linguagem e ausência de dubiedades. 7

Pesquisa em. propaganda. Faccat Profª Me. Taís Vieira

Pesquisa em. propaganda. Faccat Profª Me. Taís Vieira Pesquisa em propaganda Faccat Profª Me. Taís Vieira Tipos de pesquisa - Na escolha da melhor metodologia para uma investigação, tudo depende do que se deseja conhecer: o que e quanto ou como e por quê?

Leia mais

Profa. Dra. Maria da Conceição Lima de Andrade

Profa. Dra. Maria da Conceição Lima de Andrade Profa. Dra. Maria da Conceição Lima de Andrade Conceitos de pesquisa A Pesquisa é: procedimento reflexivo sistemático, controlado e crítico, que permite descobrir novos fatos ou dados, relações ou leis,

Leia mais

2.1 As principais características dos desenhos de pesquisa quantitativos. Métodos e Técnicas de Pesquisa I/2015 Márcia Lima

2.1 As principais características dos desenhos de pesquisa quantitativos. Métodos e Técnicas de Pesquisa I/2015 Márcia Lima 2.1 As principais características dos desenhos de pesquisa quantitativos Métodos e Técnicas de Pesquisa I/2015 Márcia Lima Roteiro da Aula Métodos e Técnicas: distinções entre quantitativo e qualitativo

Leia mais

AULA 4 OS DESENHOS DE PESQUISA

AULA 4 OS DESENHOS DE PESQUISA AULA 4 OS DESENHOS DE PESQUISA Roteiro da aula 1. Por que planejar a pesquisa? 2. Principais tipos de desenhos de pesquisa - Quantitativos ou qualitativos - Transversais ou longitudinais - Exploratórios,

Leia mais

PESQUISA CIENTÍFICA -Aula 4-

PESQUISA CIENTÍFICA -Aula 4- PESQUISA CIENTÍFICA -Aula 4- Prof. Alexandre Paiva da Silva Pombal PB SUMÁRIO Pesquisa Conceitos Características Objetivos Finalidades Requisitos Qualidades do pesquisador Tipos de pesquisa científica

Leia mais

Revisão de Metodologia Científica

Revisão de Metodologia Científica Revisão de Metodologia Científica Luiz Eduardo S. Oliveira Universidade Federal do Paraná Departamento de Informática http://lesoliveira.net Luiz S. Oliveira (UFPR) Revisão de Metodologia Científica 1

Leia mais

Utilização de testes de comparações múltiplas na análise de experimentos unifatoriais com tratamentos quantitativos

Utilização de testes de comparações múltiplas na análise de experimentos unifatoriais com tratamentos quantitativos Utilização de testes de comparações múltiplas na análise de experimentos unifatoriais com tratamentos quantitativos Josiane Rodrigues 1 Sônia Maria De Stefano Piedade 1 1 Introdução O objetivo de experimentos

Leia mais

Seminários Digitais Parte VI. Do universo, da amostra e da delimitação do corpus na pesquisa

Seminários Digitais Parte VI. Do universo, da amostra e da delimitação do corpus na pesquisa Seminários Digitais Parte VI Do universo, da amostra e da delimitação do corpus na pesquisa Curso de Comunicação em Mídias Digitais Pesquisa Aplicada em Comunicação e Mídias Digitais Marcos Nicolau Do

Leia mais

INFORMAÇÃO- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

INFORMAÇÃO- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA PROVA 344 INFORMAÇÃO- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 12º Ano de Escolaridade CURSOS CIENTÍFICO-HUMANÍSTICOS SOCIOLOGIA ANO LECTIVO 2011/2012 Tipo de prova: Escrita Duração (em minutos): 90 TEMAS CONTEÚDOS

Leia mais

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO Estudo da história geral da Educação e da Pedagogia, enfatizando a educação brasileira. Políticas ao longo da história engendradas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CÁLCULO DAS PROBABILIDADES E ESTATÍSTICA I

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CÁLCULO DAS PROBABILIDADES E ESTATÍSTICA I UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CÁLCULO DAS PROBABILIDADES E ESTATÍSTICA I Departamento de Estatística Tarciana Liberal CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE ESTATÍSTICA O que a Estatística significa para você? Pesquisas

Leia mais

Clima Organizacional

Clima Organizacional slide 1 Clima Organizacional Maria Cristina Bohnenberger cristin@feevale.br Conceitos de Clima organizacional É a qualidade ou propriedade do ambiente organizacional que é percebida ou experimentada pelos

Leia mais

MODELAGEM E SIMULAÇÃO

MODELAGEM E SIMULAÇÃO MODELAGEM E SIMULAÇÃO Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Análise da Decisão Pela própria natureza da vida, todos nós devemos continuamente

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VIZELA VIZELA Escola sede: ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DE VIZELA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE SOCIOLOGIA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VIZELA VIZELA Escola sede: ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DE VIZELA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE SOCIOLOGIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VIZELA VIZELA Escola sede: ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DE VIZELA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE SOCIOLOGIA Prova: 344 / 2015 12.º Ano de Escolaridade Formação

Leia mais

Critérios específicos de avaliação HISTÓRIA 3.º ciclo Ano letivo

Critérios específicos de avaliação HISTÓRIA 3.º ciclo Ano letivo Objeto de avaliação Conhecimentos e Capacidades Específicos Critérios específicos de avaliação HISTÓRIA 3.º ciclo Ano letivo 2016-2017 Itens/Parâmetros Compreensão histórica (Temporalidade Espacialidade

Leia mais

PERFIL DOS AUTORES... XVII PREFÁCIO... XIX INTRODUÇÃO... XXI

PERFIL DOS AUTORES... XVII PREFÁCIO... XIX INTRODUÇÃO... XXI Sumário PERFIL DOS AUTORES... XVII PREFÁCIO... XIX INTRODUÇÃO... XXI CAPÍTULO 1 O processo de pesquisa e os enfoques quantitativo e qualitativo rumo a um modelo integral... 2 Que enfoques foram apresentados

Leia mais

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo, Editora Atlas, 2002....

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo, Editora Atlas, 2002.... GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo, Editora Atlas, 2002.... 1 Como encaminhar uma Pesquisa? A pesquisa é um projeto racional e sistemático com objetivo de proporcionar respostas

Leia mais

Plano de Seminários TC I Prof. Marcos Procópio

Plano de Seminários TC I Prof. Marcos Procópio Plano de Seminários TC I 2015.2 Prof. Marcos Procópio Os 4 tipos de conhecimento. 1. Quais são? 2. Quais são seus respectivos papeis? 3. Dê exemplos. O que é e o que faz a ciência. 1. O que é ciência?

Leia mais

A PESQUISA CIENTÍFICA

A PESQUISA CIENTÍFICA A PESQUISA CIENTÍFICA CONCEITO e DEFINIÇÕES - A pesquisa surge quando temos consciência de um problema e nos sentimos impelidos a buscar a sua solução. (R. Mandolfo, citado em Asti Vera, 1976) - Investigação

Leia mais

Medidas Resumo. Medidas de Posição/ Medidas de Dispersão. A intenção desse trabalho é introduzir os conceitos de Medidas de posição e de dispersão.

Medidas Resumo. Medidas de Posição/ Medidas de Dispersão. A intenção desse trabalho é introduzir os conceitos de Medidas de posição e de dispersão. Medidas Resumo Medidas de Posição/ Medidas de Dispersão A intenção desse trabalho é introduzir os conceitos de Medidas de posição e de dispersão. Prof. MSc. Herivelto Marcondes Março/2009 1 Medidas Resumo

Leia mais

Para Mezzaroba e Monteiro: Marlyse F. de C. Magalhães 1 1 PESQUISA

Para Mezzaroba e Monteiro: Marlyse F. de C. Magalhães 1 1 PESQUISA 4 1 PESQUISA Marlyse F. de C. Magalhães 1 Para uma melhor compreensão, iniciar-se-á no conceito da pesquisa e após explanar o conceito de acordo com os autores, explicará a finalidade de uma pesquisa.

Leia mais

RECRUTAMENTO, SELEÇÃO DE PESSOAL E AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO PROFISSIONAL

RECRUTAMENTO, SELEÇÃO DE PESSOAL E AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO PROFISSIONAL RECRUTAMENTO, SELEÇÃO DE PESSOAL E AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO PROFISSIONAL DEFINIÇÃO Processo complexo, atrelado às propostas, políticas e objetivos organizacionais, ao mercado de trabalho, à situação social,

Leia mais

Rio de Janeiro, 31 de março de (Finalizando a aula anterior) AULA 3: A IMPORTÂNCIA DO INSTRUMENTO A VALIDADE DE CONTUDO DE UMA ESCALA

Rio de Janeiro, 31 de março de (Finalizando a aula anterior) AULA 3: A IMPORTÂNCIA DO INSTRUMENTO A VALIDADE DE CONTUDO DE UMA ESCALA Prof. Landeira-Fernandez Bioestatística Rio de Janeiro, 31 de março de 2014. (Finalizando a aula anterior) AULA 3: A IMPORTÂNCIA DO INSTRUMENTO A VALIDADE DE CONTUDO DE UMA ESCALA Quando constrói uma nova

Leia mais

Unidade II PROJETOS DE PESQUISA. Profa. Eliane Gomes Rocha

Unidade II PROJETOS DE PESQUISA. Profa. Eliane Gomes Rocha Unidade II PROJETOS DE PESQUISA EM CONTEXTOS ESPECÍFICOS Profa. Eliane Gomes Rocha Metodologia de pesquisa conceito Conjunto detalhado e sequencial de métodos e técnicas científicas a serem executados

Leia mais

ETAPAS DA PESQUISA CIENTÍFICA (1)

ETAPAS DA PESQUISA CIENTÍFICA (1) ETAPAS DA PESQUISA CIENTÍFICA (1) Prof. Dr. Onofre Miranda (1) ZANELLA, L. C. H. Metodologia da Pesquisa. Florianópolis: SEaD:UFSC, 2006. OBJETIVO(S) GERAL Apresentar as etapas para desenvolvimento de

Leia mais

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CRÉDITO: 04

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CRÉDITO: 04 1. IDENTIFICAÇÃO PERÍODO: IV CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CRÉDITO: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 NOME DA DISCIPLINA: FUNDAMENTOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS DA GEOGRAFIA NOME DO CURSO: PEDAGOGIA 2. EMENTA Geografia:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE PSICOLOGIA CURSO DE PSICOLOGIA NORMAS COMPLEMENTARES Nº 02/2016/PSI

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE PSICOLOGIA CURSO DE PSICOLOGIA NORMAS COMPLEMENTARES Nº 02/2016/PSI UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE PSICOLOGIA CURSO DE PSICOLOGIA NORMAS COMPLEMENTARES Nº 02/2016/PSI A Direção do Instituto de Psicologia e a Coordenação do Curso de Psicologia, baseadas no

Leia mais

Principais Conceitos em Estatística

Principais Conceitos em Estatística 1 Principais Conceitos em Estatística Ernesto F. L. Amaral 08 de outubro de 2009 www.ernestoamaral.com/met20092.html Fonte: Triola, Mario F. Introdução à estatística. 10 ª ed., Rio de Janeiro: LTC, 2008.

Leia mais

PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA DE METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA

PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA DE METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA DE METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA PROFESSOR: Alexei Manso Correa Machado 1. EMENTA: A disciplina tem como objetivo apresentar aos alunos os fundamentos da construção do

Leia mais

Tipos de investigação educacional diferenciados por:

Tipos de investigação educacional diferenciados por: Bento Março 09 Tipos de investigação educacional diferenciados por: Praticalidade Básica Aplicada Método Qualitativo Quantitativo Experimental Não experimental Questões Etnográfica Histórica Descritiva

Leia mais

PESQUISA QUALITATIVA HISTÓRIA DA PESQUISA QUALITATIVA

PESQUISA QUALITATIVA HISTÓRIA DA PESQUISA QUALITATIVA PESQUISA QUALITATIVA HISTÓRIA DA PESQUISA QUALITATIVA Podemos considerada a pesquisa qualitativa uma tentativa de aproximação dos métodos de pesquisa nas quais pesquisa as ciências sociais. Sendo assim,

Leia mais

Metodologias de Pesquisa em Ciências: análises quantitativa e qualitativa

Metodologias de Pesquisa em Ciências: análises quantitativa e qualitativa Metodologias de Pesquisa em Ciências: análises quantitativa e qualitativa 2ª Edição MAKILIM NUNES BAPTISTA DINAEL CORRÊA DE CAMPOS SUMÁRIO PARTE I - CIÊNCIA E PESQUISA... 1 1 OS DILEMAS DO PRESENTE...

Leia mais

ESCALA DE CONCEPÇÕES ACERCA DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA E EDUCAÇÃO ESPECIAL E SUA APLICAÇÃO EM PESQUISA

ESCALA DE CONCEPÇÕES ACERCA DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA E EDUCAÇÃO ESPECIAL E SUA APLICAÇÃO EM PESQUISA ESCALA DE CONCEPÇÕES ACERCA DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA E EDUCAÇÃO ESPECIAL E SUA APLICAÇÃO EM PESQUISA Carla Cristina Marinho Sadao Omote Faculdade de Filosofia e Ciências, UNESP, campus de Marília Eixo Temático:

Leia mais

A PESQUISA. Prof. M.Sc Janine Gomes da Silva, Arq.

A PESQUISA. Prof. M.Sc Janine Gomes da Silva, Arq. A PESQUISA Prof. M.Sc Janine Gomes da Silva, Arq. A pesquisa Etapas da pesquisa científica Tipos de trabalhos científicos O projeto de pesquisa A PESQUISA Conceitos e definições Prof. M.Sc Janine Gomes

Leia mais

TIPOS DE PESQUISAS EXPLORATÓRIAS

TIPOS DE PESQUISAS EXPLORATÓRIAS TIPOS DE PESQUISAS EXPLORATÓRIAS Grupos de Foco é uma reunião de pessoas selecionadas por pesquisador para discutir um assunto ligado a um problema de pesquisa. Os participantes de um grupo de foco são

Leia mais

INE 6006 MÉTODOS ESTATÍSTICOS

INE 6006 MÉTODOS ESTATÍSTICOS INE 6006 MÉTODOS ESTATÍSTICOS Professor Marcelo Menezes Reis http://www.inf.ufsc.br/~marcelo/ Disciplinas em 2016.1 (Métodos Estatísticos) marcelo.menezes.reis@ufsc.br menreis1968@gmail.com Sala INE 510-37217556

Leia mais

TIPOS DE ESTUDOS PARTE 2 PROFA. DRA. MARIA MEIMEI BREVIDELLI

TIPOS DE ESTUDOS PARTE 2 PROFA. DRA. MARIA MEIMEI BREVIDELLI TIPOS DE ESTUDOS PARTE 2 PROFA. DRA. MARIA MEIMEI BREVIDELLI CLASSIFICAÇÃO DOS ESTUDOS (LOBIONDO- WOOD, HABER, 2001) Experimentais Experimento clássico Experimento apenas depois Quase- Experimentais Grupo

Leia mais

Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS. Uma instituição do grupo

Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS. Uma instituição do grupo Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS F U T U R O T E N D Ê N C I A S I N O V A Ç Ã O Uma instituição do grupo CURSO 2 CURSO OBJETIVOS Oferecer aos alunos e profissionais interessados no assunto, subsídios

Leia mais

O PROCESSO DE AVALIAÇÃO PROFISSIONAL

O PROCESSO DE AVALIAÇÃO PROFISSIONAL O PROCESSO DE AVALIAÇÃO PROFISSIONAL Carmen Leite Ribeiro Bueno* A Avaliação Profissional tem como objetivo geral auxiliar o indivíduo em seu desenvolvimento pessoal e profissional, utilizando sistematicamente

Leia mais

Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS. Uma instituição do grupo

Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS. Uma instituição do grupo Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS F U T U R O T E N D Ê N C I A S I N O V A Ç Ã O Uma instituição do grupo CURSO 2 OBJETIVOS Discutir e fomentar conhecimentos sobre a compreensão das potencialidades,

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 12.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto) PROVA 140/C/5 Págs. Duração da prova: 120 minutos 2007 1.ª FASE PROVA ESCRITA DE PSICOLOGIA 1. CRITÉRIOS

Leia mais

Diretoria de Pesquisas - DPE Coordenação de População e Indicadores Sociais - COPIS Gerência de Indicadores Sociais - GEISO 17/12/2014

Diretoria de Pesquisas - DPE Coordenação de População e Indicadores Sociais - COPIS Gerência de Indicadores Sociais - GEISO 17/12/2014 2014 Diretoria de Pesquisas - DPE Coordenação de População e Indicadores Sociais - COPIS Gerência de Indicadores Sociais - GEISO 17/12/2014 Indicadores Sociais Construção baseada em observações geralmente

Leia mais

METODOLOGIA CIENTÍFICA PATRÍCIA ALVAREZ RUIZ

METODOLOGIA CIENTÍFICA PATRÍCIA ALVAREZ RUIZ METODOLOGIA CIENTÍFICA PATRÍCIA ALVAREZ RUIZ Leitura crítica de artigos científicos www.contemporaneo.com.br Seria correto se todos os artigos publicados fossem cientificamente saudáveis, mas, infelizmente,

Leia mais

Técnicas e Ferramentas da Qualidade. Organização da Aula. Aula 5. Diagrama de Pareto. Profa. Rosinda Angela da Silva. Diagrama de Pareto

Técnicas e Ferramentas da Qualidade. Organização da Aula. Aula 5. Diagrama de Pareto. Profa. Rosinda Angela da Silva. Diagrama de Pareto Técnicas e Ferramentas da Qualidade Aula 5 Organização da Aula Diagrama de Pareto Diagrama de causa e efeito Gráfico de dispersão Profa. Rosinda Angela da Silva Matriz G.U.T. Diagrama de Pareto Criado

Leia mais

Limites e possibilidades de uma política pública de avaliação da educação profissional e tecnológica na perspectiva emancipatória

Limites e possibilidades de uma política pública de avaliação da educação profissional e tecnológica na perspectiva emancipatória Limites e possibilidades de uma política pública de avaliação da educação profissional e tecnológica na perspectiva emancipatória Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Brasília/DF, jun. 2015

Leia mais

RESOLUÇÃO DE QUESTÕES PREFEITURA DE BELO HORIZONTE (Parte I)

RESOLUÇÃO DE QUESTÕES PREFEITURA DE BELO HORIZONTE (Parte I) RESOLUÇÃO DE QUESTÕES PREFEITURA DE BELO HORIZONTE (Parte I) TAUANE PAULA GEHM Mestre e doutorando em Psicologia Experimental Avaliação Psicológica: Fundamentos da medida psicológica; Instrumentos de avaliação:

Leia mais

Noções Gerais Sobre Pesquisa

Noções Gerais Sobre Pesquisa 23 Noções Gerais Sobre Pesquisa Nossas possibilidades de conhecimento são muito, e até tragicamente, pequenas. Sabemos pouquíssimo, e aquilo que sabemos, sabemo-lo muitas vezes superficialmente, sem grande

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Avaliação Educacional Código da Disciplina: EDU 340 Curso: Pedagogia Semestre de oferta da disciplina: 7º Faculdade responsável: Pedagogia Programa em vigência a partir

Leia mais

EXERCÍCIO RESISTIDO PARA A TERCEIRA IDADE COMO MELHORIA DO BEM ESTAR E DA QUALIDADE DE VIDA

EXERCÍCIO RESISTIDO PARA A TERCEIRA IDADE COMO MELHORIA DO BEM ESTAR E DA QUALIDADE DE VIDA EXERCÍCIO RESISTIDO PARA A TERCEIRA IDADE COMO MELHORIA DO BEM ESTAR E DA QUALIDADE DE VIDA Genilson Cesar Soares Bonfim (UECE) genilson.cesar@uece.br Introdução Os Exercícios Resistidos, tema e foco principal

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio ETEC Prof. Mário Antônio Verza Código: 164 Município: Palmital-SP Área de conhecimento: Ciências da Natureza Matemática e suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

3 Metodologia da Pesquisa

3 Metodologia da Pesquisa 50 3 Metodologia da Pesquisa 3.1 Tipo da Pesquisa O Tipo de pesquisa utilizada foi a pesquisa qualitativa. Segundo Wolcott (2001 apud CRESWELL, 2007) a pesquisa qualitativa é interpretativa, ou seja, o

Leia mais

Ensinar e aprender História na sala de aula

Ensinar e aprender História na sala de aula Ensinar e aprender História na sala de aula Séries iniciais do Ensino Fundamental Ensino de História nas séries iniciais do Ensino Fundamental Por que estudar História? Quais ideias os educandos possuem

Leia mais

AULA 10 Questão de pesquisa e amostragem

AULA 10 Questão de pesquisa e amostragem 1 AULA 10 Questão de pesquisa e amostragem Ernesto F. L. Amaral 03 de setembro de 2010 Metodologia (DCP 033) Fonte: Flick, Uwe. 2009. Desenho da pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed. pp.33-42 & 43-55.

Leia mais

Formação de Merendeiras: análise das formações pelos Cecanes. Lorena Chaves Nutricionista/RT COTAN/FNDE Cecane UnB Mestranda Unifesp

Formação de Merendeiras: análise das formações pelos Cecanes. Lorena Chaves Nutricionista/RT COTAN/FNDE Cecane UnB Mestranda Unifesp Formação de Merendeiras: análise das formações pelos Cecanes Lorena Chaves Nutricionista/RT COTAN/FNDE Cecane UnB Mestranda Unifesp Estrutura de apresentação Levantamento bibliográfico Projeto de pesquisa

Leia mais

MANUAL DO AVALIADOR O

MANUAL DO AVALIADOR O MANUAL DO AVALIADOR O que é uma Feira de Ciência? É uma exposição que divulga os resultados de experimentos ou de levantamentos realizados, com rigor científico, por alunos, sob a orientação de um professor.

Leia mais

E S C O L A S E C U N D Á R I A D E C A L D A S D A S T A I P A S

E S C O L A S E C U N D Á R I A D E C A L D A S D A S T A I P A S MÓDULO 1 Área I A Pessoa Unidade Temática 1 O SUJEITO LÓGICO-PSICOLÓGICO Tema-problema: 1.2 PESSOA E CULTURA DURAÇÃO DE REFERÊNCIA (AULAS): 15 APRESENTAÇÃO: Com este Tema-problema reconhecer-se-á que partilhamos

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS DO BRASIL PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITOS FUNDAMENTAIS E DEMOCRACIA NOME DO MESTRANDO

FACULDADES INTEGRADAS DO BRASIL PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITOS FUNDAMENTAIS E DEMOCRACIA NOME DO MESTRANDO FACULDADES INTEGRADAS DO BRASIL Nome da instituição PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITOS FUNDAMENTAIS E DEMOCRACIA Nome do curso NOME DO MESTRANDO O trabalho deve ser apresentado em papel, formato A4, fonte

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec: DR. JOSÉ LUIZ VIANA COUTINHO Código: 073 Município: JALES/ SP Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: HABILITAÇÃO PROFISSIONAL

Leia mais

Tatiane Moraes Analista de instrumentos de avaliação

Tatiane Moraes Analista de instrumentos de avaliação Tatiane Moraes Analista de instrumentos de avaliação Tatianemoraes@caed.ufjf.br Objetivo Analisar e interpretar os resultados do SAEPB para (re)planejamento das ações pedagógicas implementadas em sala

Leia mais

Cursos Profissionais de Nível Secundário

Cursos Profissionais de Nível Secundário Cursos Profissionais de Nível Secundário Técnico de Apoio à infância e Técnico de Turismo Ano Letivo: 2014/2015 Matemática (100 horas) 10º Ano PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO A1 Geometria Resolução de problemas

Leia mais

Normas ISO:

Normas ISO: Universidade Católica de Pelotas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina de Qualidade de Software Normas ISO: 12207 15504 Prof. Luthiano Venecian 1 ISO 12207 Conceito Processos Fundamentais

Leia mais

Relações pedagógicas. Professor aluno. Ensino aprendizagem. Teoria e prática. Objetivo e avaliação. Conteúdo e método

Relações pedagógicas. Professor aluno. Ensino aprendizagem. Teoria e prática. Objetivo e avaliação. Conteúdo e método Relações pedagógicas Professor aluno Ensino aprendizagem Teoria e prática Objetivo e avaliação Conteúdo e método A linha mestra que norteia qualquer ação na educação está relacionada à relação humana.

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA 1 - JUSTIFICATIVA A cada dia cresce a expectativa de que os profissionais da área da Psicologia possam oferecer para a população em geral,

Leia mais

O grande livro da Natureza está escrito em caracteres matemáticos Galileu PROCESSOS E MÉTODOS CIENTÍFICOS

O grande livro da Natureza está escrito em caracteres matemáticos Galileu PROCESSOS E MÉTODOS CIENTÍFICOS O grande livro da Natureza está escrito em caracteres matemáticos Galileu PROCESSOS E MÉTODOS CIENTÍFICOS PROCESSOS E MÉTODOS CIENTÍFICOS EM CIÊNCIAS SOCIAIS Método Experimental: O método experimental

Leia mais

MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DE. Apresentação com material de apoio do evento Orientação Técnica sobre a recuperação paralela realizado nos dias

MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DE. Apresentação com material de apoio do evento Orientação Técnica sobre a recuperação paralela realizado nos dias MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DE PROJETOS Apresentação com material de apoio do evento Orientação Técnica sobre a recuperação paralela realizado nos dias 23, 24 e 25 de julho de 2008. AVALIAÇÃO Os objetivos

Leia mais

GUIA DE FUNCIONAMENTO DA UNIDADE CURRICULAR 1.OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM 1. CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS. GFUC previsto

GUIA DE FUNCIONAMENTO DA UNIDADE CURRICULAR 1.OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM 1. CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS. GFUC previsto Curso Comunicação e relações Públicas Ano letivo 2015-16 Unidade Curricular Psicossociologia das Organizações ECTS 5 Regime Obrigatório Ano 2º Semestre 2º sem. Horas de trabalho globais Docente (s) Isabel

Leia mais

NORMAS PARA REDAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO (TCC) DE ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA.

NORMAS PARA REDAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO (TCC) DE ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA. ANEXO 02 DA RESOLUÇÃO CGESA Nº 001, DE 27 DE MARÇO DE 2013. NORMAS PARA REDAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO (TCC) DE ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA. A estrutura do TCC deverá ser composta por pré-texto,

Leia mais

P. P. G. em Agricultura de Precisão DPADP0803: Geoestatística (Prof. Dr. Elódio Sebem)

P. P. G. em Agricultura de Precisão DPADP0803: Geoestatística (Prof. Dr. Elódio Sebem) Amostragem: Em pesquisas científicas, quando se deseja conhecer características de uma população, é comum se observar apenas uma amostra de seus elementos e, a partir dos resultados dessa amostra, obter

Leia mais

O que é pesquisar? Pesquisar é procurar respostas para inquietações, para um problema, para indagações propostas.

O que é pesquisar? Pesquisar é procurar respostas para inquietações, para um problema, para indagações propostas. PROJETO MULTIDICIPLINAR Professor: Roberto César O que é pesquisar? Pesquisar é procurar respostas para inquietações, para um problema, para indagações propostas. É a Atividade básica das ciências na sua

Leia mais

Estatística descritiva básica: Medidas de tendência central

Estatística descritiva básica: Medidas de tendência central Estatística descritiva básica: Medidas de tendência central ACH2021 Tratamento e Análise de Dados e Informações Marcelo de Souza Lauretto marcelolauretto@usp.br www.each.usp.br/lauretto *Parte do conteúdo

Leia mais

INDICADORES EDUCACIONAIS. José Henrique de Sousa Nascimento

INDICADORES EDUCACIONAIS. José Henrique de Sousa Nascimento INDICADORES EDUCACIONAIS José Henrique de Sousa Nascimento INDICADORES EDUCACIONAIS 1. O que é um indicador 2. Para que serve 3. Indicadores produzidos pelo INEP 4. Usos dos Indicadores INDICADORES Os

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA EIXO TECNOLÓGICO: Ensino Superior Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Bacharelado em Sistemas de Informação FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( x ) bacharelado ( ) licenciatura (

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIRG CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIRG (FONTE 12) Nome do autor (FONTE 12) TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA (FONTE 12)

FUNDAÇÃO UNIRG CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIRG (FONTE 12) Nome do autor (FONTE 12) TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA (FONTE 12) FUNDAÇÃO UNIRG CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIRG (FONTE 12) Nome do autor (FONTE 12) TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA (FONTE 12) GURUPI TO MÊS, ANO. MODELO DE FOLHA DE ROSTO NOME DO ALUNO (FONTE 12) TÍTULO DO PROJETO

Leia mais

ÁREA: Ciências Contábeis

ÁREA: Ciências Contábeis ÁREA: Ciências Contábeis ARTIGOS CIENTÍFICOS EM AUDITORIA: um estudo bibliométrico a partir das revistas Contabilidade & Finanças USP, Contabilidade Vista & Revista - UFMG, e Revista de Contabilidade do

Leia mais

Planificação da disciplina de Geografia 9º Ano Ano letivo 2014/2015

Planificação da disciplina de Geografia 9º Ano Ano letivo 2014/2015 Planificação da disciplina de Geografia 9º Ano Ano letivo 2014/2015 Nº de aulas (45 minutos) 1º Período 2º Período 3º Período Total Previstas 41 31 27 99 /Correção 6 6 6 18 Tema 4: As atividades económicas*

Leia mais

Produção de conhecimento: uma característica das sociedades humanas

Produção de conhecimento: uma característica das sociedades humanas 1 Produção de conhecimento: uma característica das sociedades humanas Os seres humanos sempre buscaram formas de compreender os fenômenos que ocorrem em seu dia a dia, de modo a procurar soluções para

Leia mais

Pesquisa, metodologia e métodos (O qué que eu faço...?)

Pesquisa, metodologia e métodos (O qué que eu faço...?) Pesquisa, metodologia e métodos (O qué que eu faço...?) O que é Pesquisa? O que é Metodologia? David González david.epidemio@gmail.com O que é Método? E dai? Pesquisa 1. Indagação; inquirição; busca; investigação;

Leia mais

II JORNADA DE AVALIAÇÃO PSICOLÒGICA DETRAN /RS

II JORNADA DE AVALIAÇÃO PSICOLÒGICA DETRAN /RS II JORNADA DE AVALIAÇÃO PSICOLÒGICA DETRAN /RS Os limites da técnica na avaliação psicológica para fins de habilitação Adriana Sylla Pereira Santos adrianasps@terra.com.br Os limites da técnica na avaliação

Leia mais

TÍTULO: OS DESAFIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DA REGIÃO MÉDIO PARAÍBA

TÍTULO: OS DESAFIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DA REGIÃO MÉDIO PARAÍBA TÍTULO: OS DESAFIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DA REGIÃO MÉDIO PARAÍBA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO GERALDO

Leia mais

PROGRAMA DE BOLSA ACADÊMICA DE EXTENSÃO PBAEX / EDIÇÃO 2016 CAMPUS ANEXO III

PROGRAMA DE BOLSA ACADÊMICA DE EXTENSÃO PBAEX / EDIÇÃO 2016 CAMPUS ANEXO III PROGRAMA DE BOLSA ACADÊMICA DE EXTENSÃO PBAEX / EDIÇÃO 2016 CAMPUS ANEXO III FORMULÁRIO DA VERSÃO ELETRÔNICA DO PROJETO / DA ATIVIDADE DE EXTENSÃO PBAEX 2016 01. Título do Projeto Diagnóstico da ovinocaprinocultura

Leia mais

PLANO DE CURSO I EMENTA

PLANO DE CURSO I EMENTA Disciplina: Leituras Cartográficas e Interpretações Estatísticas I Carga horária total: 75 H PLANO DE CURSO I EMENTA Definições e esboço histórico da cartografia; Representações da Terra; Coordenadas;

Leia mais

Métodos de Pesquisa. Prof. Dr. Marcelo Fantinato PPgSI EACH USP 2015

Métodos de Pesquisa. Prof. Dr. Marcelo Fantinato PPgSI EACH USP 2015 Métodos de Pesquisa Prof. Dr. Marcelo Fantinato PPgSI EACH USP 2015 Métodos de Pesquisa (resumo) 1. Tipos/abordagens de pesquisa 2. Procedimentos técnicos 3. Fonte de informação 4. Técnicas/instrumentos

Leia mais

Medir a Literacia Estatística

Medir a Literacia Estatística Medir a Literacia Estatística Conteúdo 1. A propósito da Literacia Estatística 2. O Índice: metodologia questionário 3. O caso português 1 A propósito da Literacia Estatística A propósito da Literacia

Leia mais

- Identificar as formas de gestão e de tomadas de decisão dentro da organização escolar

- Identificar as formas de gestão e de tomadas de decisão dentro da organização escolar Disciplina: Gestão e Organização Escolar Código da Disciplina: EDU336 Curso: Pedagogia Período: 6º Faculdade Responsável: Pedagogia Programa em vigência a partir de: 2015 Número de créditos: 05 Horas-aula:

Leia mais

NOME COMPLETO DO (A) ACADÊMICO (A) TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM UMA OU DUAS LINHAS

NOME COMPLETO DO (A) ACADÊMICO (A) TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM UMA OU DUAS LINHAS NOME COMPLETO DO (A) ACADÊMICO (A) TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM UMA OU DUAS LINHAS CRIXÁS 2016 NOME COMPLETO DO (A) ACADÊMICO (A) TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA EM UMA OU DUAS LINHAS Projeto de Pesquisa

Leia mais

Estatística Descritiva (I)

Estatística Descritiva (I) Estatística Descritiva (I) 1 O que é Estatística Origem relacionada com a coleta e construção de tabelas de dados para o governo. A situação evoluiu: a coleta de dados representa somente um dos aspectos

Leia mais

RELATÓRIO FINAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO

RELATÓRIO FINAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO RELATÓRIO FINAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO O relatório final é o documento de caráter obrigatório que revela a experiência do aluno, deve retratar todas as suas reflexões sobre a prática vivenciada, estabelecer

Leia mais

PESQUISA AVALIATIVA GERAL (GRADUAÇÃO TRADICIONAL E TECNOLÓGICA)

PESQUISA AVALIATIVA GERAL (GRADUAÇÃO TRADICIONAL E TECNOLÓGICA) PESQUISA AVALIATIVA 2013.2 GERAL (GRADUAÇÃO TRADICIONAL E TECNOLÓGICA) 2015 1 GRÃO CHANCELER DOM MURILO SEBASTIÃO RAMOS KRIEGER REITOR PROF. DR. PE. MAURÍCIO DA SILVA FERREIRA SUPERINTENDENTE ACADÊMICA

Leia mais

Métodos de Amostragem. Carla Varão Cláudia Batista Vânia Martinho

Métodos de Amostragem. Carla Varão Cláudia Batista Vânia Martinho Métodos de Amostragem Carla Varão Cláudia Batista Vânia Martinho Objecto de interesse Objectivos finais da pesquisa Esquema Geral da Investigação Empírica Objecto teórico Enquadramento teórico Fases do

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico Em Turismo Receptivo

Plano de Trabalho Docente Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico Em Turismo Receptivo Plano de Trabalho Docente 2010 Ensino Técnico ETEC Gustavo Teixeira São Pedro Código: 0236 Município: - São Pedro Área Profissional: Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico Em Turismo

Leia mais

O uso dos jogos como estratégia de aprendizagem para alunos do 1º ciclo do ensino básico. O caso do CD-ROM Escola Digital

O uso dos jogos como estratégia de aprendizagem para alunos do 1º ciclo do ensino básico. O caso do CD-ROM Escola Digital O uso dos jogos como estratégia de aprendizagem para alunos do 1º ciclo do ensino básico. O caso do CD-ROM Escola Digital Steven Lopes Abrantes 5 de Junho de 2007 DEGEI Universidade de Aveiro Organização

Leia mais

A atuação psicopedagógica institucional

A atuação psicopedagógica institucional A atuação psicopedagógica institucional Psicopedagogia Dorival Rosa Brito 1 A psicopedagogia assume um compromisso com a melhoria da qualidade do ensino expandindo sua atuação para o espaço escolar, atendendo,

Leia mais

CUBRA 12: CONTRIBUIÇÕES PARA O CÁLCULO MENTAL COM AS QUATRO OPERAÇÕES NO 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

CUBRA 12: CONTRIBUIÇÕES PARA O CÁLCULO MENTAL COM AS QUATRO OPERAÇÕES NO 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL CUBRA 12: CONTRIBUIÇÕES PARA O CÁLCULO MENTAL COM AS QUATRO OPERAÇÕES NO 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL (Francinaldo de Meireles Silveira - Autor; Franciclaudio de Meireles Silveira - Coautor; Eduardo da

Leia mais

mercado de cartões de crédito, envolvendo um histórico desde o surgimento do produto, os agentes envolvidos e a forma de operação do produto, a

mercado de cartões de crédito, envolvendo um histórico desde o surgimento do produto, os agentes envolvidos e a forma de operação do produto, a 16 1 Introdução Este trabalho visa apresentar o serviço oferecido pelas administradoras de cartões de crédito relacionado ao produto; propor um produto cartão de crédito calcado na definição, classificação

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC: PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã Eixo tecnológico: AMBIENTE e SAÚDE Habilitação Profissional: Técnico em Farmácia Qualificação:

Leia mais

PERFIL DO CONSUMIDOR NO MÉDIO MEARIM DO MARANHÃO: QUALIDADE DO ATENDIMENTO RECEBIDO NO PROCESSO DE COMPRA E VENDA NA REGIÃO

PERFIL DO CONSUMIDOR NO MÉDIO MEARIM DO MARANHÃO: QUALIDADE DO ATENDIMENTO RECEBIDO NO PROCESSO DE COMPRA E VENDA NA REGIÃO PERFIL DO CONSUMIDOR NO MÉDIO MEARIM DO MARANHÃO: QUALIDADE DO ATENDIMENTO RECEBIDO NO PROCESSO DE COMPRA E VENDA NA REGIÃO RESUMO: O objetivo desse artigo é compreender os principais indicadores quanto

Leia mais

CE Estatística I

CE Estatística I CE 002 - Estatística I Agronomia - Turma B Professor Walmes Marques Zeviani Laboratório de Estatística e Geoinformação Departamento de Estatística Universidade Federal do Paraná 1º semestre de 2012 Zeviani,

Leia mais

II - Métodos das Ciências. Métodos das Ciências. Métodos das Ciências. 2.1 Métodos que proporcionam as bases lógicas da investigação

II - Métodos das Ciências. Métodos das Ciências. Métodos das Ciências. 2.1 Métodos que proporcionam as bases lógicas da investigação UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA CAMPUS DE JI-PARAN PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL Metodologia Científica II - Métodos das Ciências Aula 3 Profa. Renata G. Aguiar 1 2 Métodos das Ciências

Leia mais

1 Desenho da investigação. 1.1 Definição e objectivos 1.2 Elementos do desenho

1 Desenho da investigação. 1.1 Definição e objectivos 1.2 Elementos do desenho 1 Desenho da investigação 1.1 Definição e objectivos 1.2 Elementos do desenho Definição: Plano e estrutura do trabalho de investigação; Conjunto de directivas associadas ao tipo de estudo escolhido Objectivos:

Leia mais

PESQUISA DE MERCADO. Geonir Paulo Schnorr ETAPAS. Graduado em Matemática Especialista em Banco de Dados

PESQUISA DE MERCADO. Geonir Paulo Schnorr ETAPAS. Graduado em Matemática Especialista em Banco de Dados PESQUISA DE MERCADO CONCEITOS ETAPAS Geonir Paulo Schnorr Graduado em Matemática Especialista em Banco de Dados Graduando em Estatística CONCEITOS Pesquisa de Mercado A pesquisa de mercado é a ferramenta

Leia mais