3. VARIAÇÃO E NORMALIZAÇÃO LINGUÍSTICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "3. VARIAÇÃO E NORMALIZAÇÃO LINGUÍSTICA"

Transcrição

1 3. VARIAÇÃO E NORMALIZAÇÃO LINGUÍSTICA Uma língua viva, apesar da unidade que a torna comum a uma nação, apresenta variedades quanto à pronúncia, à gramática e ao vocabulário. Chama-se variação linguística a essa propriedade de diferenciação de uma língua em função do espaço geográfico, da sociedade, da situação e do tempo, dando origem a variantes e a variedades linguísticas. O princípio da unidade na diversidade e diversidade na unidade permite que a língua se mantenha homogénea, mas apresente traços distintivos designados por variedades geográficas (de região para região ou de lugar para lugar), sociais (de grupo social, profissional, de faixa etária...), situacionais (mais ou menos formal) e variação histórica (em função do contacto com outras línguas). VARIAÇÃO Variedades geográficas (ou variedades diatópicas) São as diferentes formas observadas numa mesma língua em espaços distintos. Dependendo da extensão do território e da sua história, estas variedades apresentam-se, frequentemente, como dialectos regionais. É o que sucede em Portugal, com os falares açoriano e madeirense, com os falares das Beiras e do Porto ou com os de Lisboa e do Algarve ou de outras regiões. Além destes exemplos de variedades geográficas do português, há que ter em conta as variedades que permitem distinguir o português europeu do português do Brasil, da África ou da Ásia. Variedades do Português As variedades do português surgem por variação e mudança linguística como resultado do contacto histórico da população de língua materna portuguesa com falantes de outras línguas ao longo do processo da expansão e colonização. Depois da independência no século XII e da Reconquista (terminada no século XIII), a língua portuguesa, acompanhando comerciantes, navegadores e colonizadores portugueses, a partir do século XV, tornou-se língua do Império. Os diversos contactos (uma vezes amigáveis, mas em muitos casos forçados) com as línguas locais permitiram o surgimento de variedades do português. Variedade europeia É a língua portuguesa falada em Portugal continental e nos arquipélagos da Madeira e dos Açores. Com o convencionar de que a variedade de Lisboa se constitui como língua padrão, o português foi dividido em dois grandes grupos dialectais: o setentrional, ao norte, e o centro-meridional, ao sul e arquipélagos. Variedade brasileira É a língua portuguesa falada no Brasil, com algumas diferenças em relação à variedade europeia, como a audibilidade das vogais. O português do Brasil tem algumas variações, mas, como diz Paul Teyssier, "as divisões dialectais do Brasil são menos geográficas que socioculturais". Geograficamente, é possível observar uma oposição norte/sul, entre os estados do litoral acima do estado da Baía (inclusive) e os que estão abaixo, com base na realização

2 aberta das pretónicas ao norte e sua realização fechada ao sul; uma oposição entre a cadência, verificada no Norte, e a pronúncia "cantada", no Sul. Variedades africanas São a língua portuguesa com desvios resultantes do contacto com as línguas locais dos países de expressão lusófona em África. Em geral, as variedades africanas de língua portuguesa que têm sido alvo de descrição são as do português de Angola (só o de Luanda) e de Moçambique, embora outras mereçam um estudo específico, como as de Cabo Verde, Guiné-Bissau, São Tomé e Príncipe, onde o português é a língua oficial, mas tanto o crioulo como os dialectos regionais são bastante importantes. Angola e Moçambique têm o português como língua oficial e, para muitos falantes, também materna, mas em convivência com esta há diversos grupos linguísticos, por vezes subdivididos em dialectos, que lhe emprestaram modos, sotaques, vocábulos e formas de construção. Variedades do português no Oriente São as formas da língua portuguesa largamente utilizadas nos portos do Oriente e que, actualmente, é oficial em Timor Lorosae (Timor-Leste) e em Macau, estando neste último território em posição minoritária perante o mandarim. Em Timor Lorosae, o português é influenciado, particularmente, pelo tétum, a principal língua local. As principais marcas distintivas das variedades europeia, brasileira e africana do português são: A nível fonético Europeia (Portugal) Brasileira (Brasil) Africana (Angola e Moçambique) Manutenção de duas consoantes seguidas: captura, pneu, absurdo. Manutenção do r em posição final: saber, cortar, tratar, dor. Não palatalização de t e d antes de i e de e átono: dia, mulatinho. Palatalização das sibilantes em final de sílaba e de palavra: rosto, meninos, quis, mais. Velarização do I em final de sílaba e de palavra: sensacional, alto, areal. Vogais átonas muito reduzidas: desgraça, espantosa, botequim. Introdução de um i entre duas consoantes que não formam grupo na escrita do português: cap[i]tura, p[i]neu, ab[i]surdo. Não palatalização das sibilantes em final de sílaba e de palavra (exceptuando o dialecto do Estado do Rio de Janeiro): rosto, meninos, quis, mais. Palatalização de t e d antes de i tónico átono e de e pós-tónico [tch e dz]: dia, mulatinho. Semivocalização do l em final de sílaba e de palavra: sensacional, alto. Supressão e velarização do r em posição final: saber, cortar, tratar, dor. Vogais átonas pouco reduzidas: negrinho, tratar, conhecer. As vogais átonas são mais abertas. Os ditongos são monotongados. As sílabas são regularizadas com uma sequência de consoante/ vogal.

3 A nível morfossintáctico A nível semântico Variedades sociais (ou variedades diastráticas) São as que resultam do nível sociocultural do falante, implicando o seu grau de instrução e conhecimento da língua. Ao resultarem do ambiente social e cultural, são, também, designadas como sociolectos ou dialectos sociais. Na sociolinguística, que estuda as variedades sociais da língua, são apreciados diversos factores sociais de variação como a classe social, o nível de instrução, o tipo de educação, a idade, o sexo, a origem étnica, etc. As variedades sociais dependem da estratificação social e cultural, podendo apresentar-se entre um nível culto (uso de um código elaborado, que supõe um bom conhecimento gramatical, lexical e das normas da língua) e um nível vulgar (com um código limitado, com alterações fonéticas, morfossintácticas, lexicais e semânticas...).

4 Variedades situacionais (ou variedades diafásicas ou de uso) São as que resultam da adaptação à situação de comunicação e aos seus interlocutores. Fruto da "competência comunicativa", as variedades situacionais acontecem pela necessidade de o falante adequar o que diz às características e relação com os interlocutores, à intenção comunicativa e ao contexto. Variação histórica (ou variação diacrónica) A que é provocada pelas mudanças linguísticas na história e na evolução da língua. O processo que permite que uma língua se mantenha viva exige a criação, a formação, a adaptação e o envelhecimento de certas palavras, estruturas, sons ou a sua mudança de sentido. O contraste que é possível entre a gramática antiga e uma gramática posterior mostra que na língua há uma variação histórica ou diacrónica. Esta alteração, que não é repentina, permite mudanças em curso, pela coexistência de duas gramáticas com regras diferentes. Português antigo Designa o português arcaico ou galaico-português correspondente aos falares da Galiza e do Norte de Portugal e promovido a língua nacional desde a independência de Portugal, no século XII, até ao século XV. Antes do português antigo, existia, no Noroeste da Península Ibérica, desde os séculos VI e VII, o romance galego-português. Este falar era conhecido como romance e designava uma língua medieval resultante da evolução do latim, que no caso do galego-português foi influenciado por fenómenos de evolução devido às invasões germânicas, suevas, visigodas e árabes. Português clássico Identifica a fase do português europeu da Idade Moderna, entre os séculos XVI e XVIII. Esta fase aparece marcada pelo uso do português na imprensa, pelo desenvolvimento da língua, pela sua normalização e pelo seu incremento junto das comunidades descobertas. Luís de Camões ou o Padre António Vieira são dois exemplos do desenvolvimento do português clássico e, ao mesmo tempo, duas das figuras proeminentes da riqueza vocabular, semântica e sintáctica que emprestaram à língua. Português contemporâneo Designa a fase do português europeu falado a partir do século XIX até ao presente. A vitalidade da língua portuguesa actual mostra a influência das relações de Portugal com outras culturas, importando diversas palavras, e, ao mesmo tempo, a necessidade de acompanhar a evolução da civilização contemporânea, com a produção de novas palavras, com recurso a elementos provenientes das línguas clássicas (grego e latim) e a empréstimos.

5 NORMALIZAÇÃO LINGUÍSTICA Apesar da possível diversidade geográfica, social, situacional ou histórica, há normas linguísticas que permitem a unidade da língua. Considera-se normalização linguística o resultado do processo que permite, através das gramáticas, da literatura, de prontuários, dos meios de comunicação social e das escolas, harmonizar comportamentos linguísticos. Língua padrão A língua padrão ou norma padrão, que permite a normalização linguística, é uma variedade social que ganha legitimidade como meio público de comunicação, nomeadamente enquanto envolve os falantes cultos de uma comunidade linguística. No caso do Português europeu, a norma é a variedade utilizada no eixo geográfico Lisboa - Coimbra pelas camadas mais cultas da população; no caso do Português brasileiro, a variedade que se impôs como padrão é a utilizada pelas camadas mais cultas do Rio de Janeiro e de S. Paulo. Cabe à escola e aos meios de comunicação social difundirem e controlarem a observância desta norma, que constitui o modelo da língua escrita e oral, nos diferentes domínios.

Introdução à História do Português

Introdução à História do Português Ivo Castro Introdução à História do Português Segunda edição revista e muito ampliada Edições Colibri Índice Síntese Introdutória... 7 Capítulo I TERRITÓRIOS E COMUNIDADES LINGUÍSTICAS 1. Introdução. Conceitos

Leia mais

Conteúdo: Aula: 1.1. - História da língua espanhola: surgimento, consolidação e expansão, e o contato com outras línguas. - Espanhol ou Castelhano.

Conteúdo: Aula: 1.1. - História da língua espanhola: surgimento, consolidação e expansão, e o contato com outras línguas. - Espanhol ou Castelhano. Aula: 1.1 Conteúdo: - História da língua espanhola: surgimento, consolidação e expansão, e o contato com outras línguas. - Espanhol ou Castelhano. Habilidades: - Conhecer a origem e história da língua

Leia mais

Variação e normalização linguística

Variação e normalização linguística Que bacana! Hoje vou de ônibus. Amanhã pego o trem. Hoje vou de autocarro. Amanhã apanho o comboio. Vaiamos, irmãa, vaiamos dormir (en) nas ribas do lago, u eu andar vi a las aves meu amigo. Jesu! Jesu!

Leia mais

Literatura Portuguesa Idade Média e Classicismo Renascentista. 6 ECTS BA Semestre de inverno / 2º.ano

Literatura Portuguesa Idade Média e Classicismo Renascentista. 6 ECTS BA Semestre de inverno / 2º.ano Literatura Idade Média e Classicismo Renascentista 6 ECTS BA Semestre de inverno / 2º.ano história e da cultura de Portugal no período estudado, domínio da língua portuguesa A unidade curricular Literatura

Leia mais

FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA

FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA HISTÓRIA E VARIEDADE DO PORTUGUÊS 2 José António Souto Cabo Márlio Barcellos Pereira da Silva GUÍA DOCENTE E MATERIAL DIDÁCTICO 2015/2016 FACULTADE

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL 2º CICLO HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 5.º ANO Documento(s) Orientador(es): Programa de História e Geografia de Portugal

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LÍNGUA PORTUGUESA EM MOÇAMBIQUE Fátima Helena Azevedo de Oliveira 35 fatimavernaculas@yahoo.com.br CONTEXTO HISTÓRICO-SOCIAL A República de Moçambique

Leia mais

O ALTEAMENTO DA POSTÔNICA NÃO FINAL /O/ NO FALAR POPULAR DE FORTALEZA: UM OLHAR VARIACIONISTA

O ALTEAMENTO DA POSTÔNICA NÃO FINAL /O/ NO FALAR POPULAR DE FORTALEZA: UM OLHAR VARIACIONISTA O ALTEAMENTO DA POSTÔNICA NÃO FINAL /O/ NO FALAR POPULAR DE FORTALEZA: UM OLHAR VARIACIONISTA Aluiza Alves de Araújo (UECE) 1 aluizazinha@hotmail.com Brenda Kathellen Melo de Almeida (UECE) 2 brendakathellen@yahoo.com.br

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA QUINTA DO CONDE Escola Básica Integrada/JI da Quinta do Conde. Departamento de Ciências Humanas e Sociais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA QUINTA DO CONDE Escola Básica Integrada/JI da Quinta do Conde. Departamento de Ciências Humanas e Sociais HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL Distribuição dos tempos letivos disponíveis para o 5 º ano de escolaridade 1º Período 2º Período 3º Período *Início:15-21 de setembro 2015 *Fim:17 dezembro 2015 *Início:4

Leia mais

Escola Básica e Secundária das Lajes do Pico História e Geografia de Portugal 2º Ciclo Ano Lectivo 2007/2008

Escola Básica e Secundária das Lajes do Pico História e Geografia de Portugal 2º Ciclo Ano Lectivo 2007/2008 Escola Básica e Secundária das Lajes do Pico História e Geografia de Portugal 2º Ciclo Ano Lectivo 2007/2008 Conteúdos Ano Lectivo Período Lectivo Tema A-A península Ibérica: dos primeiros povos à formação

Leia mais

TEMA E EXPANSÃO E MUDANÇA NOS SÉCULOS XV E XVI

TEMA E EXPANSÃO E MUDANÇA NOS SÉCULOS XV E XVI TEMA E EXPANSÃO E MUDANÇA NOS SÉCULOS XV E XVI 1. Expansionismo Europeu 1.1. Rumos da expansão 1.1.1. Os avanços da expansão e as rivalidades luso-castelhanas 1.1.2. A chegada à Índia e ao Brasil 1.2.

Leia mais

Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I. Unidade I:

Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I. Unidade I: Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I Unidade I: 0 OS NÍVEIS DE ANÁLISE LINGUÍSTICA I Níveis de análise da língua Análise significa partição em segmentos menores para melhor compreensão do tema.

Leia mais

48 QUESTÕES E RESPOSTA DISCUTIDAS A PARTIR DO LIVRO LÍNGUA DE EULÁLIA. BAGNO, Marcos. A língua de Eulália novela sociolinguística. Ed. Contexto, 1998.

48 QUESTÕES E RESPOSTA DISCUTIDAS A PARTIR DO LIVRO LÍNGUA DE EULÁLIA. BAGNO, Marcos. A língua de Eulália novela sociolinguística. Ed. Contexto, 1998. 48 QUESTÕES E RESPOSTA DISCUTIDAS A PARTIR DO LIVRO LÍNGUA DE EULÁLIA BAGNO, Marcos. A língua de Eulália novela sociolinguística. Ed. Contexto, 1998. 1) Comentar a citação inicial de William Labov. R:

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 1ª PROVA PARCIAL DE LÍNGUA PORTUGUESA Aluno(a): Nº Ano: 8º Turma: Data: /2011 Nota: Professora: Letícia A. S. Ottoboni Valor da Prova: 40 pontos Assinatura do

Leia mais

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC)

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) Diversidade Linguística na Escola Portuguesa Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) www.iltec.pt www.dgidc.min-edu.pt www.gulbenkian.pt Breve caracterização fonética de sons que

Leia mais

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO Portugal situa-se no extremo sudoeste da Europa e é constituído por: Portugal Continental ou Peninsular (Faixa Ocidental da Península Ibérica) Parte do território

Leia mais

FACULDADE ATENAS MARANHENSE- FAMA CURSO DE LETRAS DISCIPLINA: FORMAÇÃO HISTÓRICA DA LÍNGUA PORTUGUESA

FACULDADE ATENAS MARANHENSE- FAMA CURSO DE LETRAS DISCIPLINA: FORMAÇÃO HISTÓRICA DA LÍNGUA PORTUGUESA FACULDADE ATENAS MARANHENSE- FAMA CURSO DE LETRAS DISCIPLINA: FORMAÇÃO HISTÓRICA DA LÍNGUA PORTUGUESA PANORAMA HISTÓRICO DA FORMAÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA 1 1. História da Língua Portuguesa O português

Leia mais

HISTORIA DE PORTUGAL

HISTORIA DE PORTUGAL A. H. DE OLIVEIRA MARQUES HISTORIA DE PORTUGAL Manual para uso de estudantes e outros curiosos de assuntos do passado pátrio EDITORIAL PRESENÇA ÍNDICE GERAL PREFACIO 11 INTRODUÇÃO AS RAÍZES DE UMA NAÇÃO

Leia mais

VARIAÇÕES NO DOMÍNIO DA LÍNGUA PORTUGUESA Ânderson Rodrigues Marins (UFF) andermarins@gmail.com e andermarins@hotmail.com

VARIAÇÕES NO DOMÍNIO DA LÍNGUA PORTUGUESA Ânderson Rodrigues Marins (UFF) andermarins@gmail.com e andermarins@hotmail.com VARIAÇÕES NO DOMÍNIO DA LÍNGUA PORTUGUESA Ânderson Rodrigues Marins (UFF) andermarins@gmail.com e andermarins@hotmail.com INTRODUÇÃO Os que se detêm na análise mais acurada dos fenômenos lingüísticos percebem

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AGUALVA MIRA SINTRA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AGUALVA MIRA SINTRA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AGUALVA MIRA SINTRA código 171608 Escola Básica D. Domingos Jardo MANUAL ADOPTADO: HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL - HGP AUTORES: ANA OLIVEIRA/ FRANCISCO CANTANHEDE/ MARÍLIA GAGO

Leia mais

A LÍNGUA PORTUGUESA E SEU ALTO GRAU DE DIVERSIDADE E DE RESUMO. A comunicação é indispensável ao homem que vive em sociedade, com esta necessidade

A LÍNGUA PORTUGUESA E SEU ALTO GRAU DE DIVERSIDADE E DE RESUMO. A comunicação é indispensável ao homem que vive em sociedade, com esta necessidade A LÍNGUA PORTUGUESA E SEU ALTO GRAU DE DIVERSIDADE E DE VARIABILIDADE. *Gisele Rogelin Prass RESUMO A comunicação é indispensável ao homem que vive em sociedade, com esta necessidade surge à língua. A

Leia mais

Algumas observações sobre a noção de «língua portuguesa» in Boletim de Filologia, Lisboa, 29,1984, pp.585-592. Eduardo PAIVA RAPOSO

Algumas observações sobre a noção de «língua portuguesa» in Boletim de Filologia, Lisboa, 29,1984, pp.585-592. Eduardo PAIVA RAPOSO Algumas observações sobre a noção de «língua portuguesa» in Boletim de Filologia, Lisboa, 29,1984, pp.585-592. Eduardo PAIVA RAPOSO Neste pequeno artigo, pretendemos questionar a noção de «língua portuguesa»

Leia mais

APAGAMENTO DE SEMIVOGAIS EM DITONGOS ORAIS NO PORTUGUÊS DO SUL DO BRASIL: ESTUDO DE CASOS

APAGAMENTO DE SEMIVOGAIS EM DITONGOS ORAIS NO PORTUGUÊS DO SUL DO BRASIL: ESTUDO DE CASOS Anais do 6º Encontro Celsul - Círculo de Estudos Lingüísticos do Sul APAGAMENTO DE SEMIVOGAIS EM DITONGOS ORAIS NO PORTUGUÊS DO SUL DO BRASIL: ESTUDO DE CASOS Gerusa PEREIRA (UNISUL) ABSTRACT: The present

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MIRA EB DE MIRA PLANIFICAÇÂO ANUAL DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL - 5º ANO. Ano letivo 2013/2014

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MIRA EB DE MIRA PLANIFICAÇÂO ANUAL DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL - 5º ANO. Ano letivo 2013/2014 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MIRA EB DE MIRA PLANIFICAÇÂO ANUAL DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL - 5º ANO Ano letivo 2013/2014 Manual de História e Geografia de Portugal do 5º Ano : «Saber

Leia mais

Ementas por Currículos

Ementas por Currículos Universidade Federal Fluminense GCL00064 GCL00065 LINGUISTICA I Unknown function : LINGUISTICA II GCL00066 LINGUISTICA III GCL00067 LINGUISTICA IV GCL00068 LINGUISTICA V GCL00069 LINGUISTICA VI GCL00070

Leia mais

O AUXÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA

O AUXÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA O AUÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA Ana Beatriz Miranda Jorge UFCG/ beatrizjmiranda@gmail.com Bruna Melo do Nascimento UEPB/ bruna.melo.nascimento@gmail.com Isabelle Coutinho Ramos Benício

Leia mais

Catálogo. Série de Livros de Sumários da Licenciatura de História - Variante de Arte

Catálogo. Série de Livros de Sumários da Licenciatura de História - Variante de Arte Catálogo Série de Livros de Sumários da Licenciatura de História - Variante de Arte Nível de Descrição Designação Datas de Produção Arte Clássica 1981/3/24-1981/6/2 História da Arte Moderna em Portugal

Leia mais

Conteúdos/conceitos Metas curriculares Atividades Calendarização

Conteúdos/conceitos Metas curriculares Atividades Calendarização (200) Programa de História e Geografia de Portugal - 2º ciclo Conteúdos/conceitos - Metas curriculares - Atividades a dinamizar na escola com os alunos Conteúdos/conceitos Metas curriculares Atividades

Leia mais

Planificação Anual. Professor: José Pinheiro Disciplina: História e Geografia de Portugal Ano: 5.º Turmas: B Ano letivo: 2014-2015

Planificação Anual. Professor: José Pinheiro Disciplina: História e Geografia de Portugal Ano: 5.º Turmas: B Ano letivo: 2014-2015 Planificação Anual Professor: José Pinheiro Disciplina: História e Geografia de Portugal Ano: 5.º Turmas: B Ano letivo: 2014-2015 UNIDADE DIDÁTICA: TEMA A: DOS PRIMEIROS POVOS À FORMAÇÃO DO REINO DE PORTUGAL.

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA: PRINCIPAIS ASPECTOS QUE DIFERENCIAM SUAS VARIANTES NACIONAIS 1

LÍNGUA PORTUGUESA: PRINCIPAIS ASPECTOS QUE DIFERENCIAM SUAS VARIANTES NACIONAIS 1 LÍNGUA PORTUGUESA: PRINCIPAIS ASPECTOS QUE DIFERENCIAM SUAS VARIANTES NACIONAIS 1 Érica Rogéria da Silva (CAPES/UFU/UC) 2 Michael Jones Botelho (CAPES/UFV/UC) 3 Resumo: O Português é língua oficial em

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE OS USOS DO PORTUGUÊS

REFLEXÕES SOBRE OS USOS DO PORTUGUÊS 30 REFLEXÕES SOBRE OS USOS DO PORTUGUÊS ADELINA CASTELO * A forma como se usa actualmente a língua portuguesa leva-me, enquanto professora de Português e linguista, a reflectir... São essas reflexões e

Leia mais

Prof. Ângelo Renan A. Caputo Especialista em Linguística Textual

Prof. Ângelo Renan A. Caputo Especialista em Linguística Textual SOCIOLINGUÍSTICA A LÍNGUA E SUAS VARIAÇÕES Prof. Ângelo Renan A. Caputo Especialista em Linguística Textual Qualquer comunidade formada por indivíduos socialmente organizados dispõe de recursos e métodos

Leia mais

16 Pronúncia do Inglês

16 Pronúncia do Inglês Este livro tem por objetivo central apresentar os sons do inglês aos falantes do português brasileiro. Pretende-se, ainda, indicar algumas diferenças de pronúncia entre variedades do inglês falado em diferentes

Leia mais

Gramática do Português, Maria Fernanda Bacelar do Nascimento (Centro de Linguística da Universidade de Lisboa)

Gramática do Português, Maria Fernanda Bacelar do Nascimento (Centro de Linguística da Universidade de Lisboa) A publicação da Gramática do Português resulta de um projecto realizado a convite e sob o patrocínio da Fundação Calouste Gulbenkian. Consiste numa obra em três volumes, de que apresentamos hoje os dois

Leia mais

Escutar discursos breves para aprender e construir conhecimentos.

Escutar discursos breves para aprender e construir conhecimentos. METAS CURRICULARES 2º ANO Português Oralidade Respeitar regras da interação discursiva. Escutar discursos breves para aprender e construir conhecimentos. Produzir um discurso oral com correção. Produzir

Leia mais

ASPECTOS FONÉTICO-FONOLÓGICOS DO PORTUGUÊS BRASILEIRO NO DISCURSO DE FALANTES NATURAIS DA LÍNGUA ESPANHOLA

ASPECTOS FONÉTICO-FONOLÓGICOS DO PORTUGUÊS BRASILEIRO NO DISCURSO DE FALANTES NATURAIS DA LÍNGUA ESPANHOLA ASPECTOS FONÉTICO-FONOLÓGICOS DO PORTUGUÊS BRASILEIRO NO DISCURSO DE FALANTES NATURAIS DA LÍNGUA ESPANHOLA Vanessa Cruz Mantoani Orientadora: Profa. Dra. Vanderci de Andrade Aguilera RESUMO Por ser o espanhol

Leia mais

Planificação Anual ANO LECTIVO - 2010/ 2011 COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS TEMA(S) / CONTEÚDOS AVALIAÇÃO CALENDARIZAÇÃO

Planificação Anual ANO LECTIVO - 2010/ 2011 COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS TEMA(S) / CONTEÚDOS AVALIAÇÃO CALENDARIZAÇÃO ANO LECTIVO - 010/ 011 ÁREA DISCIPLINAR DE HISTÓRIA HISTÓRIA 7º ANO COMPETÊNCIAS GERAIS 1. Tratamento de informação; utilização de fontes;. Compreensão histórica:.1. Temporalidade.. Espacialidade.3. Contextualização

Leia mais

VOCALISMO: UMA BREVE ABORDAGEM NO PORTUGUÊS DO BRASIL

VOCALISMO: UMA BREVE ABORDAGEM NO PORTUGUÊS DO BRASIL VOCALISMO: UMA BREVE ABORDAGEM NO PORTUGUÊS DO BRASIL Flágila Marinho da Silva Lima Illa Pires Azevedo 1 94 RESUMO O presente trabalho busca refletir sobre o processo de vocalização no português brasileiro.

Leia mais

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo História baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo 1 PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA Middle e High School 2 6 th Grade A vida na Grécia antiga: sociedade, vida cotidiana, mitos,

Leia mais

A mudança da língua no tempo e no espaço

A mudança da língua no tempo e no espaço A mudança da língua no tempo e no espaço Maria Helena Mira Mateus ILTEC / FLUL Flor do Lácio, Sambódromo Lusamérica. Latim em pó O que quer, O que pode Esta língua? Caetano Veloso, Língua. In Velô 1. Introdução

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular PERÍODO: 1º LE733- COMPREENSÃO E PRODUÇÃO DE TEXTO EM LÍNGUA PORTUGUESA Fórmula: LE003 LE003- LINGUA PORTUGUESA 3 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS. ANÁLISE DE ESTRUTURAS BÁSICAS DA LÍNGUA PORTUGUESA. SINTAXE

Leia mais

APPENDIX&PROBI!E!VARIAÇÃO!LINGUÍSTICA!NO!PORTUGUÊS!BRASILEIRO! APPENDIX!PROBI!AND&LINGUISTIC&VARIATION&IN&BRAZILIAN&PORTUGUESE&

APPENDIX&PROBI!E!VARIAÇÃO!LINGUÍSTICA!NO!PORTUGUÊS!BRASILEIRO! APPENDIX!PROBI!AND&LINGUISTIC&VARIATION&IN&BRAZILIAN&PORTUGUESE& Curitiba,Vol.2,nº2,jan.2jun.2014ISSN:231821028REVISTA(VERSALETE & & APPENDIX&PROBIEVARIAÇÃOLINGUÍSTICANOPORTUGUÊSBRASILEIRO APPENDIXPROBIAND&LINGUISTIC&VARIATION&IN&BRAZILIAN&PORTUGUESE& KayronCamposBeviláqua

Leia mais

A NASALIZAÇÃO VOCÁLICA NA AQUISIÇÃO DO ITALIANO COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA POR FALANTES DO PORTUGUÊS BRASILEIRO

A NASALIZAÇÃO VOCÁLICA NA AQUISIÇÃO DO ITALIANO COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA POR FALANTES DO PORTUGUÊS BRASILEIRO A NASALIZAÇÃO VOCÁLICA NA AQUISIÇÃO DO ITALIANO COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA POR FALANTES DO PORTUGUÊS BRASILEIRO GHISLANDI, Indianara; OENNING, Micheli email: michelioenning@yahoo.com.br Universidade Estadual

Leia mais

Maria Helena Mira Mateus FLUL / ILTEC mhelenamateus@clix.pt. I O tempo e o espaço da Língua Portuguesa

Maria Helena Mira Mateus FLUL / ILTEC mhelenamateus@clix.pt. I O tempo e o espaço da Língua Portuguesa VARIÇÃO E VARIEDADES: O CASO DO PORTUGUÊS 1 Maria Helena Mira Mateus FLUL / ILTEC mhelenamateus@clix.pt I O tempo e o espaço da Língua Portuguesa A nossa língua muda como mudam os nossos conceitos de vida,

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS ANEXO II DA RESOLUÇÃO CEPEC nº 680 EMENTAS DAS DISCIPLINAS DISCIPLINAS DA ÁREA DE PORTUGUÊS: Introdução aos estudos da Linguagem Panorama geral dos fenômenos da linguagem e suas abordagens científicas.

Leia mais

Enunciação e política de línguas no Brasil

Enunciação e política de línguas no Brasil Enunciação e política de línguas no Brasil Eduardo GUIMARÃES Universidade Estadual de Campinas Considerando o fato de que o Brasil é um país multilingüe, tomo como objetivo específico aqui a reflexão sobre

Leia mais

VARIAÇÃO LINGUÍSTICA E ENSINO DE LÍNGUA MATERNA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES

VARIAÇÃO LINGUÍSTICA E ENSINO DE LÍNGUA MATERNA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES 1 VARIAÇÃO LINGUÍSTICA E ENSINO DE LÍNGUA MATERNA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES INTRODUÇÃO Francieli Motta da Silva Barbosa Nogueira (Mestranda em Língua e Cultura UFBA/CAPES) A variação linguística é um fenômeno

Leia mais

1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias

1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias 1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias Objetivamos, com esse trabalho, apresentar um estudo dos processos de importação lexical do português que ocorrem

Leia mais

PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO

PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO Extensão, docência e investigação. Danielle Gomes Mendes Theciana Silva Silveira Orientadora: Prof.ª Dr.ª Marize Barros Rocha

Leia mais

Dinâmicas de rede e valor económico da língua portuguesa

Dinâmicas de rede e valor económico da língua portuguesa 1 Jornada de Diplomacia Económica ISEG 5.12.2012 Dinâmicas de rede e valor económico da língua portuguesa jose.esperanca@iscte.pt 2 As línguas no mundo Ecologia da Língua (Calvet) 3 Hipercentral Inglês

Leia mais

3.5. Lista das disciplinas que se podem realizar em língua estrangeira

3.5. Lista das disciplinas que se podem realizar em língua estrangeira 3.3. Estrutura do curso, ritmo de estudo e obrigações dos estudantes. Condições de matrícula no semestre seguinte e condições prévias de matrícula em disciplinas individuais. O curso de Língua e Literatura

Leia mais

LUSOFONIA: CABO VERDE E A LÍNGUA PORTUGUESA

LUSOFONIA: CABO VERDE E A LÍNGUA PORTUGUESA LUSOFONIA: CABO VERDE E A LÍNGUA PORTUGUESA Ludmila Jones Arruda Universidade Presbiteriana Mackenzie 1 ludmila_jones@yahoo.com Identidade Este artigo destaca alguns aspectos de questões identitárias em

Leia mais

24 de janeiro de 2014

24 de janeiro de 2014 24 de janeiro de 2014 Aspetos Fónicos A pronúncia diferente Vogais tónicas: o /a/ acentuado. trabalhámos /trabalhamos; falámos /falamos; para (verbo) /para (preposição) (Variável no PE. Algumas variedades

Leia mais

Informação-Exame de Equivalência à disciplina de: INGLÊS (LE I) Prova Oral e Prova Escrita

Informação-Exame de Equivalência à disciplina de: INGLÊS (LE I) Prova Oral e Prova Escrita Informação-Exame de Equivalência à disciplina de: INGLÊS (LE I) Prova Oral e Prova Escrita 2º Ciclo do Ensino Básico Ano letivo de 2011/12 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características

Leia mais

Bilinguismo e Aprendizagem de uma língua segunda

Bilinguismo e Aprendizagem de uma língua segunda Bilinguismo e Aprendizagem de uma língua segunda Maria Helena Mira Mateus Cabo Verde, Cidade da Praia Fevereiro de 2009 Agradecimentos. Justificação da introdução: línguas minoritárias, várias línguas

Leia mais

Alíngua portuguesa formou-se como língua específica,

Alíngua portuguesa formou-se como língua específica, A LÍNGUA PORTUGUESA NO BRASIL Eduardo Guimarães Alíngua portuguesa formou-se como língua específica, na Europa, pela diferenciação que o latim sofreu na Península Ibérica durante o processo de contatos

Leia mais

O PAPEL SOCIAL DA LÍNGUA: O PODER DAS VARIEDADES LINGÜÍSTICAS Carmen Elena das Chagas (UFF/UNESA) carmenelena@bol.com.br

O PAPEL SOCIAL DA LÍNGUA: O PODER DAS VARIEDADES LINGÜÍSTICAS Carmen Elena das Chagas (UFF/UNESA) carmenelena@bol.com.br O PAPEL SOCIAL DA LÍNGUA: O PODER DAS VARIEDADES LINGÜÍSTICAS Carmen Elena das Chagas (UFF/UNESA) carmenelena@bol.com.br CONSIDERAÇÕES INICIAIS A língua, na concepção da sociolingüística, é intrinsecamente

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Disciplina Francês Tipo de Prova Escrita e oral Ano letivo 2014/2015 3.º Ciclo do Ensino Básico O presente documento divulga informação relativa à prova de

Leia mais

MONITORIA À DISTÂNCIA EM LINGUÍSTICA I: A RELEVÂNCIA DOS BANCOS DE DADOS

MONITORIA À DISTÂNCIA EM LINGUÍSTICA I: A RELEVÂNCIA DOS BANCOS DE DADOS Cadernos de Letras da UFF Dossiê: Difusão da língua portuguesa, n o 39, p. 167-173, 2009 167 MONITORIA À DISTÂNCIA EM LINGUÍSTICA I: A RELEVÂNCIA DOS BANCOS DE DADOS Jussara Abraçado Tainá Soares Teixeira

Leia mais

Questionário: Imagens do (Ensino) Português no Estrangeiro

Questionário: Imagens do (Ensino) Português no Estrangeiro Questionário: Imagens do (Ensino) Português no Estrangeiro Pretende se com este questionário conhecer a sua opinião sobre o (Ensino do) Português no Estrangeiro. Não existem respostas certas ou erradas.

Leia mais

Diagnóstico de Necessidades de Formação de Inglês do Corpo Docente do Instituto Politécnico de Beja

Diagnóstico de Necessidades de Formação de Inglês do Corpo Docente do Instituto Politécnico de Beja Diagnóstico de Necessidades de Formação de Inglês do Corpo Docente do Instituto PolitécnicodeBeja ServiçosdePlaneamentoeDesenvolvimentoEstratégico Maio2010 DiagnósticodeNecessidadesdeFormaçãoemLínguaInglesa

Leia mais

GRAMATIZAÇÃO E MEMÓRIA: UM ESTUDO DO PORTUGUÊS BRASILEIRO

GRAMATIZAÇÃO E MEMÓRIA: UM ESTUDO DO PORTUGUÊS BRASILEIRO GRAMATIZAÇÃO E MEMÓRIA: UM ESTUDO DO PORTUGUÊS BRASILEIRO Glauce Amanda Pagan Prof. Drª Mariângela Peccioli Galli Joanilho (Orientadora) RESUMO Este estudo objetiva analisar a designação língua brasileira

Leia mais

O português no mundo/vandersí Sant Ana Castro 1.1. 1

O português no mundo/vandersí Sant Ana Castro 1.1. 1 O português no mundo/vandersí Sant Ana Castro 1.1. 1 Olá, Estas atividades são a primeira, segunda e terceira de um conjunto de sete propostas que podem ser realizadas após a exibição do episódio Portugal,

Leia mais

A DITONGAÇÃO EM SÍLABAS TRAVADAS POR /S/ EM FLORIANÓPOLIS

A DITONGAÇÃO EM SÍLABAS TRAVADAS POR /S/ EM FLORIANÓPOLIS A DITONGAÇÃO EM SÍLABAS TRAVADAS POR /S/ EM FLORIANÓPOLIS Carine Haupt (Universidade Federal de Santa Catarina) ABSTRACT: In this paper we analyzed the occurrences of diphthongs in syllables with /S/ in

Leia mais

GUIA DE CURSO PLNM CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PORTUGUÊS LÍNGUA NÃO-MATERNA

GUIA DE CURSO PLNM CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PORTUGUÊS LÍNGUA NÃO-MATERNA GUIA DE CURSO PLNM CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PORTUGUÊS LÍNGUA NÃO-MATERNA Coordenação: Prof. Doutora Rosa Sequeira Prof. Doutora Isabel Falé Universidade Aberta Departamento de Língua e Cultura Portuguesas

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA: ORIGENS DA (DES)CONSTRUÇÃO DO LATIM AO PORTUGUÊS COMO LÍNGUA NACIONAL

LÍNGUA PORTUGUESA: ORIGENS DA (DES)CONSTRUÇÃO DO LATIM AO PORTUGUÊS COMO LÍNGUA NACIONAL LÍNGUA PORTUGUESA: ORIGENS DA (DES)CONSTRUÇÃO DO LATIM AO PORTUGUÊS COMO LÍNGUA NACIONAL Grupo 1 Amanda Gonçalves Aluna do 6 p. do Curso de Letras/ISED Daiane Vilela Aluna do 6 p. do Curso de Letras/ISED

Leia mais

Av. Gen. Carlos Cavalcanti, 4748 - CEP 84030-900 - Tel. 0** (42) 220-3000 - Ponta Grossa Pr. - www.uepg.br

Av. Gen. Carlos Cavalcanti, 4748 - CEP 84030-900 - Tel. 0** (42) 220-3000 - Ponta Grossa Pr. - www.uepg.br CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL E RESPECTIVAS LITERATURAS - EaD Autorizado pelo... Para completar o currículo pleno do curso superior de graduação à distância em Licenciatura em Letras

Leia mais

FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA LINGUA PORTUGUESA 5. José Luís Forneiro Pérez GUÍA DOCENTE E MATERIAL DIDÁCTICO

FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA LINGUA PORTUGUESA 5. José Luís Forneiro Pérez GUÍA DOCENTE E MATERIAL DIDÁCTICO FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA LINGUA PORTUGUESA 5 José Luís Forneiro Pérez GUÍA DOCENTE E MATERIAL DIDÁCTICO 2015/2016 FACULTADE DE FILOLOXÍA. DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA

Leia mais

Em busca de um método de investigação para os fenômenos diacrônicos

Em busca de um método de investigação para os fenômenos diacrônicos 11 1 Em busca de um método de investigação para os fenômenos diacrônicos Grupo de Morfologia Histórica do Português (GMHP) Sobre a língua portuguesa não se desenvolveu, para além das listagens existentes

Leia mais

O Dialecto Barranquenho. Variações linguísticas

O Dialecto Barranquenho. Variações linguísticas O Dialecto Barranquenho Variações linguísticas De modo a dar conta dos diversos fenómenos linguísticos que ocorrem no "barranquenho". Tentamos aqui construir uma regra fonológica para cada um deles. Para

Leia mais

AS INTERFERÊNCIAS DAS LÍNGUAS NEGROAFRICANAS NA LÍNGUA PORTUGUESA E CRIOULAS DE BASE PORTUGUESA.

AS INTERFERÊNCIAS DAS LÍNGUAS NEGROAFRICANAS NA LÍNGUA PORTUGUESA E CRIOULAS DE BASE PORTUGUESA. AS INTERFERÊNCIAS DAS LÍNGUAS NEGROAFRICANAS NA LÍNGUA PORTUGUESA E CRIOULAS DE BASE PORTUGUESA. Abílio de Mendonça 1 RESUMO: Este trabalho estuda a interferência das línguas negroafricanas no português

Leia mais

PONTO DE CONTATO: Transferência da Palatalização do Português para o Inglês 1

PONTO DE CONTATO: Transferência da Palatalização do Português para o Inglês 1 PONTO DE CONTATO: Transferência da Palatalização do Português para o Inglês 1 Mestranda Neliane Raquel Macedo Aquino (UFT) Resumo: A aprendizagem de uma língua estrangeira LE possibilita transferências

Leia mais

APRENDIZADO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA: O CASO DA NASALIZAÇÃO DE VOGAIS

APRENDIZADO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA: O CASO DA NASALIZAÇÃO DE VOGAIS UNIVERSIDADE: Universidade Federal de Minas Gerais NÚCLEO DISCIPLINAR/COMITÊ ACADÊMICO: Lingüística, Letras e Artes TÍTULO DO TRABALHO: APRENDIZADO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA: O CASO DA NASALIZAÇÃO DE VOGAIS

Leia mais

O Potencial Universal da Língua Portuguesa no Século XXI

O Potencial Universal da Língua Portuguesa no Século XXI O Potencial Universal da Língua Portuguesa no Século XXI por Luís Aguilar Professor do Departamento de Línguas e Literaturas Modernas da Universidade de Montreal e Docente do Camões, Instituto da Cooperação

Leia mais

Disciplina - Geografia 3 a Série Ensino Médio Professor: Gelson Alves Pereira

Disciplina - Geografia 3 a Série Ensino Médio Professor: Gelson Alves Pereira Disciplina - Geografia 3 a Série Ensino Médio Professor: Gelson Alves Pereira É a divisão de um espaço ou território em unidades de área que apresentam características que as individualizam. A regionalização

Leia mais

Prefácio. Juanito Ornelas de Avelar Universidade Estadual de Campinas Laura Álvarez López Universidade de Estocolmo

Prefácio. Juanito Ornelas de Avelar Universidade Estadual de Campinas Laura Álvarez López Universidade de Estocolmo Juanito Ornelas de Avelar Universidade Estadual de Campinas Laura Álvarez López Universidade de Estocolmo Prefácio Em abril de 2011, o Programa de Pós-Graduação em Linguística do Instituto de Estudos da

Leia mais

Fundação Universidade Federal De Rondônia Núcleo De Ciências Humanas Programa De Pós-Graduação Stricto Sensu Em Letras Mestrado Acadêmico Em Letras

Fundação Universidade Federal De Rondônia Núcleo De Ciências Humanas Programa De Pós-Graduação Stricto Sensu Em Letras Mestrado Acadêmico Em Letras Fundação Universidade Federal De Rondônia Núcleo De Ciências Humanas Programa De Pós-Graduação Stricto Sensu Em Letras Mestrado Acadêmico Em Letras RELAÇÃO DE DISCIPLINAS E DOCENTES RESPONSÁVEIS LP DISCIPLINAS

Leia mais

Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Plano de Trabalho Docente 2015 ETEC PAULINO BOTELHO / E.E. ESTERINA PLACCO (EXTENSÃO)

Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Plano de Trabalho Docente 2015 ETEC PAULINO BOTELHO / E.E. ESTERINA PLACCO (EXTENSÃO) Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO / E.E. ESTERINA PLACCO (EXTENSÃO) Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais

COMPÊNDIO DA LÍNGUA FALADA NO SEMIÁRIDO BAIANO: RETRATOS DA DIVERSIDADE SOCIOLINGUÍSTICA E CULTURAL NO PORTUGUÊS BRASILEIRO

COMPÊNDIO DA LÍNGUA FALADA NO SEMIÁRIDO BAIANO: RETRATOS DA DIVERSIDADE SOCIOLINGUÍSTICA E CULTURAL NO PORTUGUÊS BRASILEIRO COMPÊNDIO DA LÍNGUA FALADA NO SEMIÁRIDO BAIANO: RETRATOS DA DIVERSIDADE SOCIOLINGUÍSTICA E CULTURAL NO PORTUGUÊS BRASILEIRO RESUMO Jaqueline Barreto Lé (UEFS/NELP) 1 Este artigo tem por objetivo apresentar

Leia mais

7º Encontro Nacional da APP: Saber Ouvir / Saber Falar. A contribuição do estudo dos sons para a aprendizagem da língua

7º Encontro Nacional da APP: Saber Ouvir / Saber Falar. A contribuição do estudo dos sons para a aprendizagem da língua 1 7º Encontro Nacional da APP: Saber Ouvir / Saber Falar A contribuição do estudo dos sons para a aprendizagem da língua Resumo O estudo da fonética e da fonologia interessou desde muito cedo os linguistas,

Leia mais

AS NOVAS REGRAS ORTOGRÁFICAS DA LÍNGUA PORTUGUESA

AS NOVAS REGRAS ORTOGRÁFICAS DA LÍNGUA PORTUGUESA AS NOVAS REGRAS ORTOGRÁFICAS DA LÍNGUA PORTUGUESA Rénan Kfuri Lopes Sumário: I- AS MUDANÇAS SÃO SIMPLES E DE FÁCIL COMPREENSÃO II- PERÍODO DE TRANSIÇÃO DAS REGRAS ORTOGRÁFICAS III- ALFABETO IV- SOMEM DA

Leia mais

[Aprender Português / Portugiesisch lernen]

[Aprender Português / Portugiesisch lernen] [Aprender Português / Portugiesisch lernen] Sabias que segundo a última edição do livro The Ethnologue: languages of the world, o número de línguas faladas no mundo é de 6912. 1. Analisa o seguinte ranking

Leia mais

ÍNDICE GERAL. INTRODUÇÃO Capítulo 1

ÍNDICE GERAL. INTRODUÇÃO Capítulo 1 ÍNDICE GERAL PRESENTACIÓN 33 PREÂMBULO 39 LISTA DE SÍMBOLOS 49 1. Símbolos utilizados na transcrição de textos escritos 49 2. Alfabeto fonético 49 2.1. Vogais simples 49 2.2. Vogais longas 50 2.3. Ditongos

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Programa da disciplina e metas curriculares 3º CICLO HISTÓRIA 7º ANO TEMAS/DOMÍNIOS CONTEÚDOS

Leia mais

Sérgio Amaro Bastos. Geografias das Geminações (Estudo de Caso no Minho)

Sérgio Amaro Bastos. Geografias das Geminações (Estudo de Caso no Minho) Sérgio Amaro Bastos Geografias das Geminações (Estudo de Caso no Minho) V Congresso de Geografia Universidade do Minho 14/15 Outubro 2005 GEOGRAFIA DAS GEMINAÇÕES (ESTUDO DE CASO NO MINHO) As geminações

Leia mais

Cursos de Licenciatura

Cursos de Licenciatura DLLM Cursos de Licenciatura 2009-2010 1 Cursos de Licenciatura 2009/2010 1º Ciclo Bolonha DLLM Departamento de Línguas e Literaturas Modernas 2 Cursos de Licenciatura 2009-2010 DLLM DLLM Cursos de Licenciatura

Leia mais

Com base no texto acima, a língua espanhola, no contexto atual, é. De acordo com o texto acima, assinale a opção correta. A B

Com base no texto acima, a língua espanhola, no contexto atual, é. De acordo com o texto acima, assinale a opção correta. A B Un/ESPE SEU/E 8 QUESTÃO 31 O processo de ensino-aprendizagem da língua espanhola no rasil é uma realidade nos dias atuais, porém foram diversos fatores que fizeram que o espanhol tivesse a importância

Leia mais

População estrangeira em Portugal modera crescimento

População estrangeira em Portugal modera crescimento As expressões sublinhadas encontram-se explicadas no final do texto População estrangeira em Portugal modera crescimento Em 2002, a população estrangeira com a situação regularizada, estatuto de residente

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec:Paulino Botelho/ Professor E.E. Arlindo Bittencourt (extensão) Código: 092-2 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação

Leia mais

Língua portuguesa: ultrapassar fronteiras, juntar culturas

Língua portuguesa: ultrapassar fronteiras, juntar culturas Reflexões sobre a metalinguagem de aquisição, aprendizagem e ensino do português para falantes de outras línguas Maria Francisca XAVIER 1 Maria José GROSSO 2 Katia de Abreu CHULATA 3 RESUMO O estudo da

Leia mais

O ensino e a cooperação na investigação para o turismo entre os países lusófonos: uma reflexão

O ensino e a cooperação na investigação para o turismo entre os países lusófonos: uma reflexão O ensino e a cooperação na investigação para o turismo entre os países lusófonos: uma reflexão Alexandre Panosso Netto Escola de Artes, Ciências e Humanidades Universidade de São Paulo Fábia Trentin Departamento

Leia mais

O Potencial Universal e Económico do Português no Século XXI Luís Aguilar

O Potencial Universal e Económico do Português no Século XXI Luís Aguilar O Potencial Universal e Económico do Português no Século XXI Luís Aguilar Texto de apresentação da exposição Potencial Económico da Língua Portuguesa em 3 de junho de 2014, no Hall do Edifício da Caixa

Leia mais

ESCLARECIMENTOS TERMINOLÓGICOS

ESCLARECIMENTOS TERMINOLÓGICOS ESCLARECIMENTOS TERMINOLÓGICOS Linguagens especializadas (< ing. language: linguagem, língua ). Language for Special Purposes (LSP) didáctica de línguas. Línguas especializadas ou línguas de especialidade

Leia mais

2003-2005. www.iltec.pt www.dgidc.min-edu.pt www.gulbenkian.pt

2003-2005. www.iltec.pt www.dgidc.min-edu.pt www.gulbenkian.pt Primeiros resultados do projecto desenvolvido pelo Instituto de Linguística Teórica e Computacional (ILTEC) em colaboração com a Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular (Ministério da

Leia mais

DIVULGAÇÃO DE TERMINOLOGIAS EM PORTUGÊS E POLÍTICAS LINGUÍSTICAS

DIVULGAÇÃO DE TERMINOLOGIAS EM PORTUGÊS E POLÍTICAS LINGUÍSTICAS VIII Jornada Científica REALITER Terminologia e Políticas linguísticas DIVULGAÇÃO DE TERMINOLOGIAS EM PORTUGÊS E POLÍTICAS LINGUÍSTICAS Maria da Graça Krieger (kriegermg@gmail.com) Universidade do Vale

Leia mais

CPLP VII REUNIÃO DE MINISTROS DA EDUCAÇÃO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Luanda, 30 de Março de 2012 DECLARAÇÃO FINAL

CPLP VII REUNIÃO DE MINISTROS DA EDUCAÇÃO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Luanda, 30 de Março de 2012 DECLARAÇÃO FINAL CPLP VII REUNIÃO DE MINISTROS DA EDUCAÇÃO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Luanda, 30 de Março de 2012 DECLARAÇÃO FINAL Os Ministros da Educação, ou os seus representantes, de Angola, Brasil,

Leia mais

PED LÍNGUA PORTUGUESA ORIENTAÇÕES ACADÊMICAS

PED LÍNGUA PORTUGUESA ORIENTAÇÕES ACADÊMICAS PED LÍNGUA PORTUGUESA ORIENTAÇÕES ACADÊMICAS Prezado aluno, O maior diferencial deste projeto pedagógico é o desenvolvimento da autonomia do estudante durante sua formação. O currículo acadêmico do seu

Leia mais

7º Encontro Nacional da APP: Saber Ouvir / Saber Falar. A contribuição do estudo dos sons para a aprendizagem da língua

7º Encontro Nacional da APP: Saber Ouvir / Saber Falar. A contribuição do estudo dos sons para a aprendizagem da língua 1 7º Encontro Nacional da APP: Saber Ouvir / Saber Falar A contribuição do estudo dos sons para a aprendizagem da língua Resumo O estudo da fonética e da fonologia interessou desde muito cedo os linguistas,

Leia mais

Informação Prova de Equivalência à Frequência

Informação Prova de Equivalência à Frequência Básico Informação Prova de Equivalência à Frequência INGLÊS (LE I) Prova escrita e oral Prova 21 2015 do Ensino Básico 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de exame

Leia mais

PORTUGUÊS LÍNGUA NÃO MATERNA

PORTUGUÊS LÍNGUA NÃO MATERNA PORTUGUÊS LÍNGUA NÃO MATERNA Sílvia Faim EB 2,3 Monte de Caparica Em Portugal, ao longo dos anos, tem vindo a crescer e a disseminar-se o número de jovens provenientes dos mais variados lugares do mundo,

Leia mais