Introdução à História do Português

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Introdução à História do Português"

Transcrição

1 Ivo Castro Introdução à História do Português Segunda edição revista e muito ampliada Edições Colibri

2 Índice Síntese Introdutória... 7 Capítulo I TERRITÓRIOS E COMUNIDADES LINGUÍSTICAS 1. Introdução. Conceitos de «língua portuguesa», norma, crioulo, pidgin Área linguística galego-portuguesa Português extra-europeu (Brasil, Angola, Moçambique) Crioulos de base portuguesa Capítulo II ORIGENS DO PORTUGUÊS NO QUADRO ROMÂNICO 5. Introdução à Romanística România. Origem do nome Elenco das línguas românicas Fenómenos de mudança pan-românicos Posição do português Latim vulgar Diferenciação do latim vulgar Substrato Superstrato Formação de um espaço nacional para a língua portuguesa Mapa da Península no séc. VIII Romance moçárabe Área inicial do galego-português Povoamento do território... 68

3 Capítulo III PORTUGUÊS ANTIGO 7. Periodização Períodos Ciclos... 74

4 8. Fontes escritas Problemas, métodos, classificação, bibliografia Classificação dos textos não-literários Bibliografia dos textos literários A primitiva produção escrita em português Comentário linguístico de textos Recapitulação: o sistema fonológico do Português Antigo Capítulo IV PORTUGUÊS MÉDIO 9. Transição ou crise? História externa Língua literária Mudanças linguísticas Síncope de -d Eliminação de hiatos Unificação de terminações nasais Sibilantes Regularização do género Léxico Conclusão Comentário linguístico de textos Capítulo V PORTUGUÊS CLÁSSICO E MODERNO 14. Marco inicial do português clássico Mudanças linguísticas do português clássico Sibilantes Consoantes labiais b/v Vocalismo Clíticos Fenómenos mais recentes Textos comentados Textos gramaticais O espanhol, língua de escritores portugueses O português no Brasil

5 Síntese Introdutória A LÍNGUA PORTUGUESA NO TEMPO E NO ESPAÇO Uma língua não é um objecto estático e fechado, como as descrições linguísticas sincrónicas, por conveniência prática, muitas vezes deixam supor; antes parece um corpo vivo que se acha em mutação constante, nem sempre avançando de forma linear para um objectivo determinado: também pode reverter sobre os seus passos ou pode oscilar entre avanços em várias direcções, naquilo a que se chamaria variação. Os fenómenos de mudança e variação manifestam-se em três dimensões: A. variação social (ou diastrática) uma língua, em primeiro lugar, muda ou oscila de acordo com as características e a estrutura da comunidade que a fala; B. variação geográfica (ou diatópica) em segundo lugar, muda de acordo com a organização do espaço em que é falada; C. variação cronológica (ou diacrónica) finalmente, muda à medida que o tempo vai passando. Em relação à variação social, costuma dizer-se que Portugal goza de uma condição de monolinguismo quase absoluto, sendo o português a língua que praticamente todos os portugueses aprendem à nascença e usam ao longo da vida. Bem diferentes são as coisas em Espanha, onde se fala castelhano, mas também outras línguas oficialmente reconhecidas, como o galego, o catalão e o basco, além de grupos de dialectos que descendem de línguas medievais, como o leonês e o aragonês, e que reclamam idêntico estatuto oficial. Daqui resulta que o cidadão espanhol, embora deva conhecer o castelhano, tem a possibilidade de tratar da sua vida em outra das línguas oficiais do Estado. No pequeno território português, as coisas apresentam-se mais simples: além do português, apenas se fala uma outra língua, o mirandês, que goza do estatuto de língua oficial regional. Assim, na perspectiva da variação social, língua portuguesa em Portugal apresenta-se como um objecto relativamente homogéneo, que serve de instrumento quase único de comunicação entre os membros da comunidade nacional, apenas matizado pelas cambiantes de registo cultural, formalismo, grau de intimidade ou de expressividade que são normais em sociedades antigas e estruturadas como a nossa. Mas, segundo outro critério de classificação variacional a distribuição da língua no espaço, deixa de ser possível restringir o âmbito da questão às fronteiras de Portugal. Um brasileiro tem igual direito a dizer que a sua língua é o português, exactamente como os africanos que o têm como língua materna e, nos mesmos termos, os timorenses, macaenses, indianos, etc. que nasceram em ambientes onde se preservam a cultura e a língua portuguesas. Facilmente se conclui que o português não é apenas uma língua europeia, no sentido exclusivo em que isso se dirá do dinamarquês ou mesmo do alemão e do italiano, mas também uma língua não-europeia. Talvez seja principalmente uma língua não-europeia, tendo em conta a distribuição desproporcionada da sua área geográfica e das massas populacionais que a falam na Europa e fora dela. Não têm razão, pois, as pessoas que pensam serem os portugueses os proprietários únicos da língua e os seus utilizadores mais competentes. A descontinuidade territorial do mapa linguístico do português língua autenticamente transcontinental tem implicações históricas, quer nos movimentos que a causaram, quer nas consequências futuras que o desconhecimento mútuo e o afastamento das várias populações lusofalantes não deixarão de ter sobre a unidade do sistema linguístico. Daremos mais atenção a esta dimensão, a da variação diacrónica.

6 A língua portuguesa não nasceu ao mesmo tempo em todo o enorme espaço que hoje ocupa, mas num pequeno território do canto noroeste da Península Ibérica, de onde se expandiu na direcção do sul. Foi seu berço a Galécia Magna (que inclui a Galiza actual, parte do norte de Portugal e o ocidente das Astúrias). Não nasceu, como pensavam Alexandre Herculano e Leite de Vasconcelos, no centro de Portugal; não nasceu na Lusitânia, mas mais a norte, num território que vai continuadamente desde a Corunha, no extremo setentrional da Galiza, até à ria de Aveiro e ao vale do rio Vouga, que nela desagua. A população nativa, galega ou portuguesa, deste território fala a mesma língua que os seus antepassados nunca deixaram de aí falar. Coisa de que um lisboeta não pode orgulhar-se: um lisboeta nativo, descendente de muitas gerações de habitantes da capital ou do sul do país, fala uma língua que não é autóctone e não descende do latim aí falado no tempo do Império Romano, mas que foi transplantada a partir da Galécia Magna após a reconquista cristã. Exactamente como a língua falada no Rio de Janeiro ou em Maputo foi para aí transportada a partir de Portugal.

3. VARIAÇÃO E NORMALIZAÇÃO LINGUÍSTICA

3. VARIAÇÃO E NORMALIZAÇÃO LINGUÍSTICA 3. VARIAÇÃO E NORMALIZAÇÃO LINGUÍSTICA Uma língua viva, apesar da unidade que a torna comum a uma nação, apresenta variedades quanto à pronúncia, à gramática e ao vocabulário. Chama-se variação linguística

Leia mais

Conteúdo: Aula: 1.1. - História da língua espanhola: surgimento, consolidação e expansão, e o contato com outras línguas. - Espanhol ou Castelhano.

Conteúdo: Aula: 1.1. - História da língua espanhola: surgimento, consolidação e expansão, e o contato com outras línguas. - Espanhol ou Castelhano. Aula: 1.1 Conteúdo: - História da língua espanhola: surgimento, consolidação e expansão, e o contato com outras línguas. - Espanhol ou Castelhano. Habilidades: - Conhecer a origem e história da língua

Leia mais

FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA

FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA HISTÓRIA E VARIEDADE DO PORTUGUÊS 2 José António Souto Cabo Márlio Barcellos Pereira da Silva GUÍA DOCENTE E MATERIAL DIDÁCTICO 2015/2016 FACULTADE

Leia mais

Algumas observações sobre a noção de «língua portuguesa» in Boletim de Filologia, Lisboa, 29,1984, pp.585-592. Eduardo PAIVA RAPOSO

Algumas observações sobre a noção de «língua portuguesa» in Boletim de Filologia, Lisboa, 29,1984, pp.585-592. Eduardo PAIVA RAPOSO Algumas observações sobre a noção de «língua portuguesa» in Boletim de Filologia, Lisboa, 29,1984, pp.585-592. Eduardo PAIVA RAPOSO Neste pequeno artigo, pretendemos questionar a noção de «língua portuguesa»

Leia mais

Conteúdos/conceitos Metas curriculares Atividades Calendarização

Conteúdos/conceitos Metas curriculares Atividades Calendarização (200) Programa de História e Geografia de Portugal - 2º ciclo Conteúdos/conceitos - Metas curriculares - Atividades a dinamizar na escola com os alunos Conteúdos/conceitos Metas curriculares Atividades

Leia mais

Gramática do Português, Maria Fernanda Bacelar do Nascimento (Centro de Linguística da Universidade de Lisboa)

Gramática do Português, Maria Fernanda Bacelar do Nascimento (Centro de Linguística da Universidade de Lisboa) A publicação da Gramática do Português resulta de um projecto realizado a convite e sob o patrocínio da Fundação Calouste Gulbenkian. Consiste numa obra em três volumes, de que apresentamos hoje os dois

Leia mais

Para saber mais! Nações sem Território IDH. 8ºANO Expedição 1 Professora Bruna Andrade

Para saber mais! Nações sem Território IDH. 8ºANO Expedição 1 Professora Bruna Andrade Para saber mais! Nações sem Território IDH 8ºANO Expedição 1 Professora Bruna Andrade 1. Nações sem Território ma NAÇÃO é formada por um grupo de indivíduos que apresenta características históricas, culturais,

Leia mais

Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP

Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP Lisboa, 10 janeiro 2014 António Rendas Reitor da Universidade Nova de Lisboa Presidente do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas Queria começar

Leia mais

Literatura Portuguesa Idade Média e Classicismo Renascentista. 6 ECTS BA Semestre de inverno / 2º.ano

Literatura Portuguesa Idade Média e Classicismo Renascentista. 6 ECTS BA Semestre de inverno / 2º.ano Literatura Idade Média e Classicismo Renascentista 6 ECTS BA Semestre de inverno / 2º.ano história e da cultura de Portugal no período estudado, domínio da língua portuguesa A unidade curricular Literatura

Leia mais

PORTUGUÊS LÍNGUA NÃO MATERNA

PORTUGUÊS LÍNGUA NÃO MATERNA PORTUGUÊS LÍNGUA NÃO MATERNA Sílvia Faim EB 2,3 Monte de Caparica Em Portugal, ao longo dos anos, tem vindo a crescer e a disseminar-se o número de jovens provenientes dos mais variados lugares do mundo,

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL 2º CICLO HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 5.º ANO Documento(s) Orientador(es): Programa de História e Geografia de Portugal

Leia mais

O português não procede do latim

O português não procede do latim O português não procede do latim Uma proposta de classificação das línguas derivadas do galego M arcos Bagno Nunca é demais lembrar que a questão dos nomes que se dá às línguas escapa da órbita dos especialistas

Leia mais

A História da Grécia Antiga se estende do século XX a.c. até o século II a.c. quando a região foi conquistada pelos romanos.

A História da Grécia Antiga se estende do século XX a.c. até o século II a.c. quando a região foi conquistada pelos romanos. HISTÓRIA ANTIGA Grécia I - formação Situada no sul da Europa (Península balcânica), numa região de relevo acidentado e um arquipélago no Mar Egeu, a Grécia foi palco de uma civilização que se desenvolveu

Leia mais

Av. Gen. Carlos Cavalcanti, 4748 - CEP 84030-900 - Tel. 0** (42) 220-3000 - Ponta Grossa Pr. - www.uepg.br

Av. Gen. Carlos Cavalcanti, 4748 - CEP 84030-900 - Tel. 0** (42) 220-3000 - Ponta Grossa Pr. - www.uepg.br CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL E RESPECTIVAS LITERATURAS - EaD Autorizado pelo... Para completar o currículo pleno do curso superior de graduação à distância em Licenciatura em Letras

Leia mais

Portugal e Espanha: Comparações no contexto europeu

Portugal e Espanha: Comparações no contexto europeu Portugal e Espanha: Comparações no contexto europeu A Península Ibérica em Números 2010 Os Institutos Nacionais de Estatística de Espanha e de Portugal publicam a 7ª edição de A Península Ibérica em Números/La

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA QUINTA DO CONDE Escola Básica Integrada/JI da Quinta do Conde. Departamento de Ciências Humanas e Sociais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA QUINTA DO CONDE Escola Básica Integrada/JI da Quinta do Conde. Departamento de Ciências Humanas e Sociais HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL Distribuição dos tempos letivos disponíveis para o 5 º ano de escolaridade 1º Período 2º Período 3º Período *Início:15-21 de setembro 2015 *Fim:17 dezembro 2015 *Início:4

Leia mais

LUÍS REIS TORGAL. SUB Hamburg A/522454 ESTADO NOVO. Ensaios de História Política e Cultural [ 2. IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA

LUÍS REIS TORGAL. SUB Hamburg A/522454 ESTADO NOVO. Ensaios de História Política e Cultural [ 2. IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA LUÍS REIS TORGAL SUB Hamburg A/522454 ESTADOS NOVOS ESTADO NOVO Ensaios de História Política e Cultural [ 2. a E D I Ç Ã O R E V I S T A ] I u IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA 2 0 0 9 ' C O I M B R

Leia mais

Os possessivos de um só possuidor masculinos na raia galego portuguesa e asturo-leonesa

Os possessivos de um só possuidor masculinos na raia galego portuguesa e asturo-leonesa Limite Vol. 1, 2007, pp. 71-77 Os possessivos de um só possuidor masculinos na raia galego portuguesa e asturo-leonesa XAVIER FRÍAS-CONDE I.S.R. Romania Minor Universidade da Boémia Ocidental, Rep. Checa

Leia mais

Planificação Anual. Professor: José Pinheiro Disciplina: História e Geografia de Portugal Ano: 5.º Turmas: B Ano letivo: 2014-2015

Planificação Anual. Professor: José Pinheiro Disciplina: História e Geografia de Portugal Ano: 5.º Turmas: B Ano letivo: 2014-2015 Planificação Anual Professor: José Pinheiro Disciplina: História e Geografia de Portugal Ano: 5.º Turmas: B Ano letivo: 2014-2015 UNIDADE DIDÁTICA: TEMA A: DOS PRIMEIROS POVOS À FORMAÇÃO DO REINO DE PORTUGAL.

Leia mais

Durante o reinado de Fernando I (1035-1063), os territórios cristãos já se estendiam até Coimbra e avançavam em direção ao sul

Durante o reinado de Fernando I (1035-1063), os territórios cristãos já se estendiam até Coimbra e avançavam em direção ao sul A DIVISÃO DO GALEGO-PORTUGUÊS EM PORTUGUÊS E GALEGO, DUAS LÍNGUAS COM A MESMA ORIGEM Nilsa Areán-García (USP) nilsa.arean@gmail.com / nilsa.garcia@usp.br RESUMO Na Alta Idade Média, de acordo com Silva

Leia mais

grupo de compostelanas e compostelanos decididos a fazer activismo cultural na nossa cidade e comarca.

grupo de compostelanas e compostelanos decididos a fazer activismo cultural na nossa cidade e comarca. A Gentalha do Pichel somos um grupo de compostelanas e compostelanos decididos a fazer activismo cultural na nossa cidade e comarca. A nossa bandeira é a língua e cultura galegas e as nossas armas o empenho,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO 1º Ciclo Planificação Anual de 4º ano Ano Letivo 2015/2016 ESTUDO DO MEIO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO 1º Ciclo Planificação Anual de 4º ano Ano Letivo 2015/2016 ESTUDO DO MEIO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO 1º Ciclo Planificação Anual de 4º ano Ano Letivo 2015/2016 1.º Período ESTUDO DO MEIO Domínios Subdomínios Metas finais Conteúdos programáticos Avaliação natural

Leia mais

[Aprender Português / Portugiesisch lernen]

[Aprender Português / Portugiesisch lernen] [Aprender Português / Portugiesisch lernen] Sabias que segundo a última edição do livro The Ethnologue: languages of the world, o número de línguas faladas no mundo é de 6912. 1. Analisa o seguinte ranking

Leia mais

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Filosofia da Educação 60 horas Metodologia Científica 60 horas Iniciação à Leitura e Produção de Textos Acadêmicos 60 horas Introdução à filosofia e

Leia mais

Ancestralidade Materna polimorfismos matrilínea DNA Mitocondrial (mtdna).

Ancestralidade Materna polimorfismos matrilínea DNA Mitocondrial (mtdna). Ancestralidade Materna A atual população dos países latino-americanos foi gerada por um complexo processo de mistura genética entre ameríndios, europeus e africanos. As porcentagens relativas destas três

Leia mais

MATERIALIDADES DA LITERATURA. Osvaldo Manuel Silvestre

MATERIALIDADES DA LITERATURA. Osvaldo Manuel Silvestre MINICURSO MATERIALIDADES DA LITERATURA Osvaldo Manuel Silvestre (Universidade de Coimbra, Portugal) Promoção Programa de Pós-Graduação em Teoria e História Literária Pró-Reitoria de Pesquisa/ FAEPEX Minicurso

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO É claro que o Brasil não brotou do chão como uma planta. O Solo que o Brasil hoje ocupa já existia, o que não existia era o seu território, a porção do espaço sob domínio,

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010) COMPREENSÃO E PRODUÇÃO ORAL EM LÍNGUA INGLESA I C/H 102 (2358) intermediário de proficiência

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

A história da Igreja e sua problemática A história da Igreja na Idade Antiga

A história da Igreja e sua problemática A história da Igreja na Idade Antiga SUMÁRIO Introdução... 11 A história da Igreja e sua problemática... 17 A. Alguns pressupostos e indicações básicos antes de começar o caminho... 17 Trata-se de um ramo da ciência histórica ou da ciência

Leia mais

MATÉRIAS SOBRE QUE INCIDIRÁ CADA UMA DAS PROVAS DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

MATÉRIAS SOBRE QUE INCIDIRÁ CADA UMA DAS PROVAS DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MATÉRIAS SOBRE QUE INCIDIRÁ CADA UMA DAS PROVAS DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Prova de: GEOGRAFIA Conteúdos: 1. A posição de Portugal na Europa e no Mundo 1.1. A constituição do território nacional 1.2.

Leia mais

RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE

RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE Conceitos Diversos Estado É uma organização políticoadministrativa da sociedade. Estado-nação - Quando um território delimitado é composto de um governo e uma população

Leia mais

2003-2005. www.iltec.pt www.dgidc.min-edu.pt www.gulbenkian.pt

2003-2005. www.iltec.pt www.dgidc.min-edu.pt www.gulbenkian.pt Primeiros resultados do projecto desenvolvido pelo Instituto de Linguística Teórica e Computacional (ILTEC) em colaboração com a Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular (Ministério da

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOAQUIM ARAÚJO MATRIZ DOS EXAMES DE HISTÓRIA CURSOS VOCACIONAIS DE DESIGN DE MODA e HORTOFLORICULTURA E JARDINAGEM

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOAQUIM ARAÚJO MATRIZ DOS EXAMES DE HISTÓRIA CURSOS VOCACIONAIS DE DESIGN DE MODA e HORTOFLORICULTURA E JARDINAGEM AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOAQUIM ARAÚJO MATRIZ DOS EXAMES DE HISTÓRIA CURSOS VOCACIONAIS DE DESIGN DE MODA e HORTOFLORICULTURA E JARDINAGEM Duração da Prova: 45 minutos (cada módulo) Módulos Categorias/Conteúdos

Leia mais

Escola Básica e Secundária das Lajes do Pico História e Geografia de Portugal 2º Ciclo Ano Lectivo 2007/2008

Escola Básica e Secundária das Lajes do Pico História e Geografia de Portugal 2º Ciclo Ano Lectivo 2007/2008 Escola Básica e Secundária das Lajes do Pico História e Geografia de Portugal 2º Ciclo Ano Lectivo 2007/2008 Conteúdos Ano Lectivo Período Lectivo Tema A-A península Ibérica: dos primeiros povos à formação

Leia mais

1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias

1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias 1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias Objetivamos, com esse trabalho, apresentar um estudo dos processos de importação lexical do português que ocorrem

Leia mais

A IMIGRAÇÃO EM PORTUGAL E NO ALENTEJO. A SINGULARIDADE DO CONCELHO DE ODEMIRA.

A IMIGRAÇÃO EM PORTUGAL E NO ALENTEJO. A SINGULARIDADE DO CONCELHO DE ODEMIRA. A IMIGRAÇÃO EM PORTUGAL E NO ALENTEJO. A SINGULARIDADE DO CONCELHO DE ODEMIRA. - RESULTADOS PRELIMINARES - Alina Esteves Ana Estevens Jornadas de Reflexão 29 de Maio A Realidade da Imigração em Odemira

Leia mais

CRISTÃOS E MUÇULMANOS NA PENÍNSULA IBÉRICA VIAGEM NA HISTÓRIA. Joana Cirne Marília Henriques. Joana Cirne Marília Henriques

CRISTÃOS E MUÇULMANOS NA PENÍNSULA IBÉRICA VIAGEM NA HISTÓRIA. Joana Cirne Marília Henriques. Joana Cirne Marília Henriques VIAGEM NA HISTÓRIA então os cristãos e os muçulmanos partilharam o território da Península Ibérica por cerca de 700 anos! Quem diria Vocês sabiam disto! Aposto que os meus amigos ainda não sabem. Vou já

Leia mais

O período pré-românico

O período pré-românico O período pré-românico Um grande número de línguas da Europa e da Ásia provêm de uma mesma língua de origem, designada pelo termo indoeuropeu. Indo-Europeu Helénico Eslavo Germânico Românico Céltico Inglês

Leia mais

Cursos de Licenciatura

Cursos de Licenciatura DLLM Cursos de Licenciatura 2009-2010 1 Cursos de Licenciatura 2009/2010 1º Ciclo Bolonha DLLM Departamento de Línguas e Literaturas Modernas 2 Cursos de Licenciatura 2009-2010 DLLM DLLM Cursos de Licenciatura

Leia mais

A INTERNET COMPLETOU 20 ANOS DE BRASIL EM 2015.

A INTERNET COMPLETOU 20 ANOS DE BRASIL EM 2015. A INTERNET COMPLETOU 20 ANOS DE BRASIL EM 2015. Isso nos permite afirmar que todas as pessoas nascidas após 1995 são consideradas NATIVAS DIGITAIS, ou seja, quando chegaram ao mundo, a internet já existia.

Leia mais

O Galego-Português-Brasileiro e a Política Linguística na Galiza (*) Camilo Nogueira

O Galego-Português-Brasileiro e a Política Linguística na Galiza (*) Camilo Nogueira O Galego-Português-Brasileiro e a Política Linguística na Galiza (*) Camilo Nogueira Galego e português, a mesma raiz histórica O galego e o português pertencem a um mesmo sistema linguístico originário

Leia mais

HISTORIA DE PORTUGAL

HISTORIA DE PORTUGAL A. H. DE OLIVEIRA MARQUES HISTORIA DE PORTUGAL Manual para uso de estudantes e outros curiosos de assuntos do passado pátrio EDITORIAL PRESENÇA ÍNDICE GERAL PREFACIO 11 INTRODUÇÃO AS RAÍZES DE UMA NAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular PERÍODO: 1º LE733- COMPREENSÃO E PRODUÇÃO DE TEXTO EM LÍNGUA PORTUGUESA Fórmula: LE003 LE003- LINGUA PORTUGUESA 3 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS. ANÁLISE DE ESTRUTURAS BÁSICAS DA LÍNGUA PORTUGUESA. SINTAXE

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS ANEXO II DA RESOLUÇÃO CEPEC nº 680 EMENTAS DAS DISCIPLINAS DISCIPLINAS DA ÁREA DE PORTUGUÊS: Introdução aos estudos da Linguagem Panorama geral dos fenômenos da linguagem e suas abordagens científicas.

Leia mais

OPÇÕES 2.º Ciclo 2013-2014

OPÇÕES 2.º Ciclo 2013-2014 OPÇÕES 2.º Ciclo 2013-2014 0 ALIMENTAÇÃO FONTES, CULTURA E SOCIEDADE Alimentos, Medicamentos e Venenos Religiões e Alimentação ARQUEOLOGIA E TERRITÓRIO (escolher apenas uma em cada semestre) Antropologia

Leia mais

PROVA de HISTÓRIA 2ª ETAPA do VESTIBULAR 2006. Questão 01 II) Leia, atentamente, o trecho abaixo e responda ao que se pede:

PROVA de HISTÓRIA 2ª ETAPA do VESTIBULAR 2006. Questão 01 II) Leia, atentamente, o trecho abaixo e responda ao que se pede: PROVA de HISTÓRIA 2ª ETAPA do VESTIBULAR 2006 (cada questão desta prova vale até cinco pontos) Questão 01 Leia, atentamente, o trecho abaixo e responda ao que se pede: Para o filósofo grego Platão, nenhuma

Leia mais

Planificação Anual ANO LECTIVO - 2010/ 2011 COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS TEMA(S) / CONTEÚDOS AVALIAÇÃO CALENDARIZAÇÃO

Planificação Anual ANO LECTIVO - 2010/ 2011 COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS TEMA(S) / CONTEÚDOS AVALIAÇÃO CALENDARIZAÇÃO ANO LECTIVO - 010/ 011 ÁREA DISCIPLINAR DE HISTÓRIA HISTÓRIA 7º ANO COMPETÊNCIAS GERAIS 1. Tratamento de informação; utilização de fontes;. Compreensão histórica:.1. Temporalidade.. Espacialidade.3. Contextualização

Leia mais

ÍNDICE GERAL. INTRODUÇÃO Capítulo 1

ÍNDICE GERAL. INTRODUÇÃO Capítulo 1 ÍNDICE GERAL PRESENTACIÓN 33 PREÂMBULO 39 LISTA DE SÍMBOLOS 49 1. Símbolos utilizados na transcrição de textos escritos 49 2. Alfabeto fonético 49 2.1. Vogais simples 49 2.2. Vogais longas 50 2.3. Ditongos

Leia mais

Doutora Isabel Barros Dias e-mail: isabelbd@univ-ab.pt Doutora Maria do Rosário Lupi Bello e-mail: rosario@univ-ab.pt

Doutora Isabel Barros Dias e-mail: isabelbd@univ-ab.pt Doutora Maria do Rosário Lupi Bello e-mail: rosario@univ-ab.pt TRANSIÇÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM LÍNGUAS E LITERATURAS MODERNAS VARIANTE DE ESTUDOS PORTUGUESES E INGLESES PARA O CURSO DE LICENCIATURA EM LÍNGUAS, LITERATURAS E CULTURAS ESTUDOS PORTUGUESES (MAIOR

Leia mais

OPÇÕES 1.º Ciclo 2013-2014

OPÇÕES 1.º Ciclo 2013-2014 OPÇÕES 1.º Ciclo 2013-2014 0 DEFINIÇÕES GERAIS Disciplinas de opção curricular 1- São consideradas opções curriculares as disciplinas de opção contempladas nos planos de estudos dos cursos, constituindo,

Leia mais

DIVULGAÇÃO DE TERMINOLOGIAS EM PORTUGÊS E POLÍTICAS LINGUÍSTICAS

DIVULGAÇÃO DE TERMINOLOGIAS EM PORTUGÊS E POLÍTICAS LINGUÍSTICAS VIII Jornada Científica REALITER Terminologia e Políticas linguísticas DIVULGAÇÃO DE TERMINOLOGIAS EM PORTUGÊS E POLÍTICAS LINGUÍSTICAS Maria da Graça Krieger (kriegermg@gmail.com) Universidade do Vale

Leia mais

O período pré-românico

O período pré-românico O período pré-românico Os linguistas têm hoje boas razões para sustentar que um grande número de línguas da Europa e da Ásia provêm de uma mesma língua de origem, designada pelo termo indo-europeu. Com

Leia mais

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo História baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo 1 PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA Middle e High School 2 6 th Grade A vida na Grécia antiga: sociedade, vida cotidiana, mitos,

Leia mais

SOBRE A EVOLUÇÃO LINGÜÍSTICA

SOBRE A EVOLUÇÃO LINGÜÍSTICA SOBRE A EVOLUÇÃO LINGÜÍSTICA Gabriel de Ávila Othero 1 gabnh@terra.com.br... o tempo altera todas as coisas; não existe razão para que a língua escape a essa lei universal. Ferdinand de Saussure 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

ENTREVISTA DO PROF. CLAUDIO CEZAR HENRIQUES

ENTREVISTA DO PROF. CLAUDIO CEZAR HENRIQUES 132 ENTREVISTA DO PROF. CLAUDIO CEZAR HENRIQUES September 21, 2010, by pontofinalmacau Claudio Cezar Henriques, filólogo e escritor brasileiro, esteve em Macau para uma palestra sobre a reforma ortográfica,

Leia mais

Ensaio sobre o Conceito de Paisagem

Ensaio sobre o Conceito de Paisagem Ensaio sobre o Conceito de Paisagem Raphael Oliveira Site: http://oliraf.wordpress.com/ Venho, por este meio, deixar-vos um pequeno artigo sobre o conceito de Paisagem. Como sabem, a Paisagem é uma das

Leia mais

4ª FASE. Prof. Amaury Pio Prof. Eduardo Gomes

4ª FASE. Prof. Amaury Pio Prof. Eduardo Gomes 4ª FASE Prof. Amaury Pio Prof. Eduardo Gomes Unidade I Tempo, espaço, fontes históricas e representações cartográficas. 2 Aula 1.1 Conteúdo O que é História I? 3 Habilidade Compreender o estudo da História

Leia mais

Daniel. -, 30% de professores estrangeiros e 30% termos de trabalho e desenvolvimento, quer. feita desta forma?

Daniel. -, 30% de professores estrangeiros e 30% termos de trabalho e desenvolvimento, quer. feita desta forma? Daniel Bessa assinala no entanto que «esta maior proximidade é apenas um ponto de partida, tudo dependendo, no finai, do posicionamento e da capacidade das escolas, e de quem as dirige». Esta entrevista

Leia mais

FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA LINGUA PORTUGUESA 5. José Luís Forneiro Pérez GUÍA DOCENTE E MATERIAL DIDÁCTICO

FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA LINGUA PORTUGUESA 5. José Luís Forneiro Pérez GUÍA DOCENTE E MATERIAL DIDÁCTICO FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA LINGUA PORTUGUESA 5 José Luís Forneiro Pérez GUÍA DOCENTE E MATERIAL DIDÁCTICO 2015/2016 FACULTADE DE FILOLOXÍA. DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA

Leia mais

Questionário: Imagens do (Ensino) Português no Estrangeiro

Questionário: Imagens do (Ensino) Português no Estrangeiro Questionário: Imagens do (Ensino) Português no Estrangeiro Pretende se com este questionário conhecer a sua opinião sobre o (Ensino do) Português no Estrangeiro. Não existem respostas certas ou erradas.

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA 1 FACULDADE DE FILOLOGIA DEPARTAMENTO DE FILOLOGIA GALEGA. José Luís Rodríguez (cordenador) João Ribeirete.

LÍNGUA PORTUGUESA 1 FACULDADE DE FILOLOGIA DEPARTAMENTO DE FILOLOGIA GALEGA. José Luís Rodríguez (cordenador) João Ribeirete. FACULDADE DE FILOLOGIA DEPARTAMENTO DE FILOLOGIA GALEGA LÍNGUA PORTUGUESA 1 José Luís Rodríguez (cordenador) João Ribeirete Márlio da Silva GUIA DOCENTE E MATERIAL DIDÁTICO 2015/2016 FACULTADE DE FILOLOXIA.

Leia mais

OPÇÕES 1.º Ciclo 2014-2015

OPÇÕES 1.º Ciclo 2014-2015 OPÇÕES 1.º Ciclo 2014-2015 0 DEFINIÇÕES GERAIS Disciplinas de opção curricular 1- São consideradas opções curriculares as disciplinas de opção contempladas nos planos de estudos dos cursos, constituindo,

Leia mais

Movimento Ação para Sustentabilidade

Movimento Ação para Sustentabilidade Movimento Ação para Sustentabilidade Contribuição para a pesquisa de conceitos para a proposta do movimento UBQ - 2004 Deborah Munhoz GMA/FIEMG [Digite texto] Sustentabilidade: 3 Fritoj Capra 3 Ignach

Leia mais

FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I ARTES. Conteúdo: Aula 1 e 2: Canção de roda.

FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I ARTES. Conteúdo: Aula 1 e 2: Canção de roda. Conteúdo: Aula 1 e 2: Canção de roda. 2 Habilidades: H12 Reconhecer diferentes funções da arte, do trabalho da produção dos artistas em seus meios culturais. 3 Música clássica- baseada no folclore Heitor

Leia mais

Os Estudos Galegos na América. Atividades dos Centros Galegos nas Universidades Brasileiras: a Cátedra de Estudos Galegos da Universidade de São Paulo

Os Estudos Galegos na América. Atividades dos Centros Galegos nas Universidades Brasileiras: a Cátedra de Estudos Galegos da Universidade de São Paulo 309 Os Estudos Galegos na América. Atividades dos Centros Galegos nas Universidades Brasileiras: a Cátedra de Estudos Galegos da Universidade de São Paulo Universidade de São Paulo Resumo: Este artigo

Leia mais

Há cabo-verdianos a participar na vida política portuguesa - Nuno Sarmento Morais, ex-ministro da Presidência de Portugal

Há cabo-verdianos a participar na vida política portuguesa - Nuno Sarmento Morais, ex-ministro da Presidência de Portugal Há cabo-verdianos a participar na vida política portuguesa - Nuno Sarmento Morais, ex-ministro da Presidência de Portugal À margem do Fórum promovido pela Associação Mais Portugal Cabo Verde, que o trouxe

Leia mais

Licenciatura em Língua Portuguesa e Literaturas de Língua Portuguesa (AL/EC) NÍVEL I. Introdução à Pesquisa em Letras

Licenciatura em Língua Portuguesa e Literaturas de Língua Portuguesa (AL/EC) NÍVEL I. Introdução à Pesquisa em Letras Licenciatura em Língua Portuguesa e Literaturas de Língua Portuguesa (AL/EC) Curso 1/20C Ingresso a partir de 2007 NÍVEL I Introdução à Pesquisa em Letras Codicred: 1216A-02 Ementa: Compreensão da linguagem

Leia mais

Estrutura da Prova. Classificação Final

Estrutura da Prova. Classificação Final Estrutura da Prova 1. A Prova (P) é constituída por duas componentes: a) Cultura Geral e Expressão Escrita (CG) - esta parte (escrita) da prova é comum a todos os candidatos e vale 30% da classificação

Leia mais

TAG 4/2010 STC-6. Trabalho realizado por: Vera Valadeiro, nº 20

TAG 4/2010 STC-6. Trabalho realizado por: Vera Valadeiro, nº 20 TAG 4/2010 STC-6 Trabalho realizado por: Vera Valadeiro, nº 20 1 Índice Introdução A Migração As Diversas Formas de migração humana As Causas ou motivos de migração humana Os grandes fluxos de migratórios

Leia mais

NOTAS PARA A HISTORIA DOS PILOTOS EM PORTUGAL

NOTAS PARA A HISTORIA DOS PILOTOS EM PORTUGAL ISSN 0870-6735 CENTRO DE ESTUDOS DE HISTÓRIA E CARTOGRAFIA ANTIGA SÉRIE SEPARATAS 231 NOTAS PARA A HISTORIA DOS PILOTOS EM PORTUGAL POR MARIA EMILIA MADEIRA SANTOS INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA

Leia mais

CALENDÁRIO DE ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS AACC - ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO -CULTURAIS

CALENDÁRIO DE ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS AACC - ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO -CULTURAIS CALENDÁRIO DE ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS AACC - ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO -CULTURAIS NAC NÚCLEO ALTERNATIVO COMPLEMENTAR AC ATIVIDADES CULTURAIS Fevereiro 2013 Vídeo 1. Tema: Globo

Leia mais

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE - Sistemas sociais e culturais de notação de tempo ao longo da história, - As linguagens das fontes históricas; - Os documentos escritos,

Leia mais

JNE/2011 Página 1 de 24

JNE/2011 Página 1 de 24 EXAMES NACIONAIS DO ENSINO SECUNDÁRIO 211 81 Alemão (continuação -bienal) 9 8 7 6 5 4 3 2 1 1 2 3 4 5 6 7 8 9 1 11 12 13 14 15 16 17 18 19 2 211 / 35 33 2 161 6 74 27 18 21 / 38 29 9 168 3 118 26 174 29

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 6 o ano 4 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : Observe a imagem e responda às questões 1 e 2. REPRODUÇÃO 1. Cite dois elementos presentes na imagem que representam a Igreja católica.

Leia mais

BRASÍLIA: UMA CIDADE, DOIS OLHARES

BRASÍLIA: UMA CIDADE, DOIS OLHARES PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL BRASÍLIA: UMA CIDADE, DOIS OLHARES Abril/2010 2 Brasília: uma cidade, dois olhares O DataSenado, por ocasião das comemorações dos 50 anos da fundação de Brasília, realizou

Leia mais

PLANO DE ESTRUTURA URBANA DO MUNICÍPIO DE MAPUTO

PLANO DE ESTRUTURA URBANA DO MUNICÍPIO DE MAPUTO PLANO DE ESTRUTURA URBANA DO MUNICÍPIO DE MAPUTO Seminário sobre Pobreza Urbana Maputo, 16 de Abril de 2009 RAZOES E FILOSOFIA DO PEUMM O PEUM é o primeiro plano de ordenamento urbano elaborado pelo próprio

Leia mais

Bilinguismo e Aprendizagem de uma língua segunda

Bilinguismo e Aprendizagem de uma língua segunda Bilinguismo e Aprendizagem de uma língua segunda Maria Helena Mira Mateus Cabo Verde, Cidade da Praia Fevereiro de 2009 Agradecimentos. Justificação da introdução: línguas minoritárias, várias línguas

Leia mais

EUROBARÓMETRO especial 243 OS EUROPEUS E AS SUAS LÍNGUAS INTRODUÇÃO

EUROBARÓMETRO especial 243 OS EUROPEUS E AS SUAS LÍNGUAS INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO Hoje, a União Europeia abriga 450 milhões de habitantes com origens étnicas, culturais e linguísticas diversas. Os modelos linguísticos dos países europeus são complexos - moldados pela História,

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com

Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com Formação do Estado e do território Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com Sociedade humana kei É um conjunto de pessoas Que vivem em determinado espaço e tempo e de acordo com certas regras

Leia mais

em Cidades de Angola e Moçambique

em Cidades de Angola e Moçambique ) Reconfigurações Espaciais e Diferenciação Social em Cidades de Angola e Moçambique Co-organização FAPF-UEM e Centro de Estudos Internacionais ISCTE-IUL Fundação para a Ciência e Tecnologia Enquadramento

Leia mais

População estrangeira em Portugal modera crescimento

População estrangeira em Portugal modera crescimento As expressões sublinhadas encontram-se explicadas no final do texto População estrangeira em Portugal modera crescimento Em 2002, a população estrangeira com a situação regularizada, estatuto de residente

Leia mais

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC)

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) Diversidade Linguística na Escola Portuguesa Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) www.iltec.pt www.dgidc.min-edu.pt www.gulbenkian.pt Breve caracterização fonética de sons que

Leia mais

O PROBLEMA DO ALUNO IMIGRANTE: ESCOLA, CULTURA, INCLUSÃO

O PROBLEMA DO ALUNO IMIGRANTE: ESCOLA, CULTURA, INCLUSÃO O PROBLEMA DO ALUNO IMIGRANTE: ESCOLA, CULTURA, INCLUSÃO Marinaldo de Almeida Cunha 1 - PUCSP Grupo de Trabalho - Diversidade e Inclusão Agência Financiadora: não contou com financiamento Resumo O presente

Leia mais

Esperança Cardeira História do Português. Temas do Exame

Esperança Cardeira História do Português. Temas do Exame Esperança Cardeira História do Português Temas do Exame Uma Periodização da História da Língua Portuguesa (pp. 82-87) temas. 1. periodização: época arcaica e moderna 2. período pré-literário 3. diglossia

Leia mais

CENTRO CULTURAL DE BELÉM. PALESTRAS SOBRE HISTÓRIA DE PORTUGAL Janeiro Março de 2015. Segunda Parte Época Moderna

CENTRO CULTURAL DE BELÉM. PALESTRAS SOBRE HISTÓRIA DE PORTUGAL Janeiro Março de 2015. Segunda Parte Época Moderna CENTRO CULTURAL DE BELÉM PALESTRAS SOBRE HISTÓRIA DE PORTUGAL Janeiro Março de 2015 Segunda Parte Época Moderna Nuno Gonçalo Monteiro Instituto de Ciências Sociais Universidade de Lisboa Quarta Sessão

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE OS USOS DO PORTUGUÊS

REFLEXÕES SOBRE OS USOS DO PORTUGUÊS 30 REFLEXÕES SOBRE OS USOS DO PORTUGUÊS ADELINA CASTELO * A forma como se usa actualmente a língua portuguesa leva-me, enquanto professora de Português e linguista, a reflectir... São essas reflexões e

Leia mais

O exílio e a criação literária e artística

O exílio e a criação literária e artística Universidade do Minho Instituto de Letras e Ciências Humanas Curso Breve 4ª edição O exílio e a criação literária e artística De 1 de Janeiro a de Março de 2010 1. Contexto Desde a sua primeira edição

Leia mais

BOLSAS DE MESTRADO CAMPUS DO MAR

BOLSAS DE MESTRADO CAMPUS DO MAR Edital de 4 de Julho de 2011 na qual se abre o 1º concurso de candidaturas às bolsas do Campus do Mar, a estudantes nacionais e estrangeiros, para a realização de um Mestrado nas universidades do Sistema

Leia mais

Prefeitura Municipal de Florianópolis Secretaria de Educação Escola Básica Municipal Osmar Cunha

Prefeitura Municipal de Florianópolis Secretaria de Educação Escola Básica Municipal Osmar Cunha Prefeitura Municipal de Florianópolis Secretaria de Educação Escola Básica Municipal Osmar Cunha Disciplina: Geografia Professora: Bianca de Souza PLANEJAMENTO ANUAL 2012 8ª SÉRIE - TURMAS 83 e 84 Primeiro

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular HISTÓRIA DA CULTURA PORTUGUESA Ano Lectivo 2012/2013

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular HISTÓRIA DA CULTURA PORTUGUESA Ano Lectivo 2012/2013 Programa da Unidade Curricular HISTÓRIA DA CULTURA PORTUGUESA Ano Lectivo 2012/2013 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Engenharia Electrotécnica e de Computadores

Leia mais

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 22/01 Economia 25/01 Comércio Internacional 26/01 Taxas de Juro 29/01 Economia 31/01 Desemprego 31/01 Investimento Banco de Portugal divulgou Boletim Estatístico Janeiro 2007 http://epp.eurostat.ec.europa.eu/pls/portal/docs/page/pgp_prd_cat_prerel/pge_cat_prerel_year_2007/pge_

Leia mais

Letras Tradução Inglês-Português Ementário

Letras Tradução Inglês-Português Ementário Letras Tradução Inglês-Português Ementário Componentes Curriculares CH Ementa Cultura Clássica 04 Estudo da cultura das civilizações clássica em suas diversas fases, tendo em vista reflexões sobre a contribuição

Leia mais

REFLECTINDO SOBRE A EDUCAÇÃO EM MACAU

REFLECTINDO SOBRE A EDUCAÇÃO EM MACAU Adminisiração. n. 1. vol. I. 1988-1., 13-19 REFLECTINDO SOBRE A EDUCAÇÃO EM MACAU Alexandre Rosa * 1. INTRODUÇÃO A realidade da educação em Macau no final dos anos oitenta é o resultado de um processo

Leia mais

(professora Elisabete eguerato@globo.com) A MATEMÁTICA NA CHINA NOS DIFERENTES PERÍODOS

(professora Elisabete eguerato@globo.com) A MATEMÁTICA NA CHINA NOS DIFERENTES PERÍODOS (professora Elisabete eguerato@globo.com) A MATEMÁTICA NA CHINA NOS DIFERENTES PERÍODOS A HISTÓRIA CHINESA De 2000 a 600 a.c. China Antiga De 600 a.c. a 221 d.c. China Clássica De 221 a 1911 China Imperial

Leia mais

Prefácio. Juanito Ornelas de Avelar Universidade Estadual de Campinas Laura Álvarez López Universidade de Estocolmo

Prefácio. Juanito Ornelas de Avelar Universidade Estadual de Campinas Laura Álvarez López Universidade de Estocolmo Juanito Ornelas de Avelar Universidade Estadual de Campinas Laura Álvarez López Universidade de Estocolmo Prefácio Em abril de 2011, o Programa de Pós-Graduação em Linguística do Instituto de Estudos da

Leia mais

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES. AULA 3.2 Conteúdo: Formação Étnico-Cultural da População Brasileira

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES. AULA 3.2 Conteúdo: Formação Étnico-Cultural da População Brasileira 3.2 Conteúdo: Formação Étnico-Cultural da População Brasileira 3.2 Habilidades: Verificar as características dos principais grupos étnicos formadores da população brasileira: indígenas, negros e brancos.

Leia mais

Terra à vista! Nesta aula, utilizaremos os mapas para situar

Terra à vista! Nesta aula, utilizaremos os mapas para situar A U A U L L A Terra à vista! Nesta aula, utilizaremos os mapas para situar o lugar em que vivemos na superfície da Terra. Vamos verificar que os lugares são agrupados em grandes conjuntos chamados de continentes,

Leia mais

1469: nascimento de Maquiavel, em 04 de maio.

1469: nascimento de Maquiavel, em 04 de maio. NICOLAU MAQUIAVEL Vida e Obra 1469: nascimento de Maquiavel, em 04 de maio. 1498: é nomeado chanceler e, mais tarde, secretário das Relações Exteriores de Florença.Essas funções não detiam tanto poder,

Leia mais