Introdução à História do Português

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Introdução à História do Português"

Transcrição

1 Ivo Castro Introdução à História do Português Segunda edição revista e muito ampliada Edições Colibri

2 Índice Síntese Introdutória... 7 Capítulo I TERRITÓRIOS E COMUNIDADES LINGUÍSTICAS 1. Introdução. Conceitos de «língua portuguesa», norma, crioulo, pidgin Área linguística galego-portuguesa Português extra-europeu (Brasil, Angola, Moçambique) Crioulos de base portuguesa Capítulo II ORIGENS DO PORTUGUÊS NO QUADRO ROMÂNICO 5. Introdução à Romanística România. Origem do nome Elenco das línguas românicas Fenómenos de mudança pan-românicos Posição do português Latim vulgar Diferenciação do latim vulgar Substrato Superstrato Formação de um espaço nacional para a língua portuguesa Mapa da Península no séc. VIII Romance moçárabe Área inicial do galego-português Povoamento do território... 68

3 Capítulo III PORTUGUÊS ANTIGO 7. Periodização Períodos Ciclos... 74

4 8. Fontes escritas Problemas, métodos, classificação, bibliografia Classificação dos textos não-literários Bibliografia dos textos literários A primitiva produção escrita em português Comentário linguístico de textos Recapitulação: o sistema fonológico do Português Antigo Capítulo IV PORTUGUÊS MÉDIO 9. Transição ou crise? História externa Língua literária Mudanças linguísticas Síncope de -d Eliminação de hiatos Unificação de terminações nasais Sibilantes Regularização do género Léxico Conclusão Comentário linguístico de textos Capítulo V PORTUGUÊS CLÁSSICO E MODERNO 14. Marco inicial do português clássico Mudanças linguísticas do português clássico Sibilantes Consoantes labiais b/v Vocalismo Clíticos Fenómenos mais recentes Textos comentados Textos gramaticais O espanhol, língua de escritores portugueses O português no Brasil

5 Síntese Introdutória A LÍNGUA PORTUGUESA NO TEMPO E NO ESPAÇO Uma língua não é um objecto estático e fechado, como as descrições linguísticas sincrónicas, por conveniência prática, muitas vezes deixam supor; antes parece um corpo vivo que se acha em mutação constante, nem sempre avançando de forma linear para um objectivo determinado: também pode reverter sobre os seus passos ou pode oscilar entre avanços em várias direcções, naquilo a que se chamaria variação. Os fenómenos de mudança e variação manifestam-se em três dimensões: A. variação social (ou diastrática) uma língua, em primeiro lugar, muda ou oscila de acordo com as características e a estrutura da comunidade que a fala; B. variação geográfica (ou diatópica) em segundo lugar, muda de acordo com a organização do espaço em que é falada; C. variação cronológica (ou diacrónica) finalmente, muda à medida que o tempo vai passando. Em relação à variação social, costuma dizer-se que Portugal goza de uma condição de monolinguismo quase absoluto, sendo o português a língua que praticamente todos os portugueses aprendem à nascença e usam ao longo da vida. Bem diferentes são as coisas em Espanha, onde se fala castelhano, mas também outras línguas oficialmente reconhecidas, como o galego, o catalão e o basco, além de grupos de dialectos que descendem de línguas medievais, como o leonês e o aragonês, e que reclamam idêntico estatuto oficial. Daqui resulta que o cidadão espanhol, embora deva conhecer o castelhano, tem a possibilidade de tratar da sua vida em outra das línguas oficiais do Estado. No pequeno território português, as coisas apresentam-se mais simples: além do português, apenas se fala uma outra língua, o mirandês, que goza do estatuto de língua oficial regional. Assim, na perspectiva da variação social, língua portuguesa em Portugal apresenta-se como um objecto relativamente homogéneo, que serve de instrumento quase único de comunicação entre os membros da comunidade nacional, apenas matizado pelas cambiantes de registo cultural, formalismo, grau de intimidade ou de expressividade que são normais em sociedades antigas e estruturadas como a nossa. Mas, segundo outro critério de classificação variacional a distribuição da língua no espaço, deixa de ser possível restringir o âmbito da questão às fronteiras de Portugal. Um brasileiro tem igual direito a dizer que a sua língua é o português, exactamente como os africanos que o têm como língua materna e, nos mesmos termos, os timorenses, macaenses, indianos, etc. que nasceram em ambientes onde se preservam a cultura e a língua portuguesas. Facilmente se conclui que o português não é apenas uma língua europeia, no sentido exclusivo em que isso se dirá do dinamarquês ou mesmo do alemão e do italiano, mas também uma língua não-europeia. Talvez seja principalmente uma língua não-europeia, tendo em conta a distribuição desproporcionada da sua área geográfica e das massas populacionais que a falam na Europa e fora dela. Não têm razão, pois, as pessoas que pensam serem os portugueses os proprietários únicos da língua e os seus utilizadores mais competentes. A descontinuidade territorial do mapa linguístico do português língua autenticamente transcontinental tem implicações históricas, quer nos movimentos que a causaram, quer nas consequências futuras que o desconhecimento mútuo e o afastamento das várias populações lusofalantes não deixarão de ter sobre a unidade do sistema linguístico. Daremos mais atenção a esta dimensão, a da variação diacrónica.

6 A língua portuguesa não nasceu ao mesmo tempo em todo o enorme espaço que hoje ocupa, mas num pequeno território do canto noroeste da Península Ibérica, de onde se expandiu na direcção do sul. Foi seu berço a Galécia Magna (que inclui a Galiza actual, parte do norte de Portugal e o ocidente das Astúrias). Não nasceu, como pensavam Alexandre Herculano e Leite de Vasconcelos, no centro de Portugal; não nasceu na Lusitânia, mas mais a norte, num território que vai continuadamente desde a Corunha, no extremo setentrional da Galiza, até à ria de Aveiro e ao vale do rio Vouga, que nela desagua. A população nativa, galega ou portuguesa, deste território fala a mesma língua que os seus antepassados nunca deixaram de aí falar. Coisa de que um lisboeta não pode orgulhar-se: um lisboeta nativo, descendente de muitas gerações de habitantes da capital ou do sul do país, fala uma língua que não é autóctone e não descende do latim aí falado no tempo do Império Romano, mas que foi transplantada a partir da Galécia Magna após a reconquista cristã. Exactamente como a língua falada no Rio de Janeiro ou em Maputo foi para aí transportada a partir de Portugal.

3. VARIAÇÃO E NORMALIZAÇÃO LINGUÍSTICA

3. VARIAÇÃO E NORMALIZAÇÃO LINGUÍSTICA 3. VARIAÇÃO E NORMALIZAÇÃO LINGUÍSTICA Uma língua viva, apesar da unidade que a torna comum a uma nação, apresenta variedades quanto à pronúncia, à gramática e ao vocabulário. Chama-se variação linguística

Leia mais

Conteúdo: Aula: 1.1. - História da língua espanhola: surgimento, consolidação e expansão, e o contato com outras línguas. - Espanhol ou Castelhano.

Conteúdo: Aula: 1.1. - História da língua espanhola: surgimento, consolidação e expansão, e o contato com outras línguas. - Espanhol ou Castelhano. Aula: 1.1 Conteúdo: - História da língua espanhola: surgimento, consolidação e expansão, e o contato com outras línguas. - Espanhol ou Castelhano. Habilidades: - Conhecer a origem e história da língua

Leia mais

FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA

FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA HISTÓRIA E VARIEDADE DO PORTUGUÊS 2 José António Souto Cabo Márlio Barcellos Pereira da Silva GUÍA DOCENTE E MATERIAL DIDÁCTICO 2015/2016 FACULTADE

Leia mais

Algumas observações sobre a noção de «língua portuguesa» in Boletim de Filologia, Lisboa, 29,1984, pp.585-592. Eduardo PAIVA RAPOSO

Algumas observações sobre a noção de «língua portuguesa» in Boletim de Filologia, Lisboa, 29,1984, pp.585-592. Eduardo PAIVA RAPOSO Algumas observações sobre a noção de «língua portuguesa» in Boletim de Filologia, Lisboa, 29,1984, pp.585-592. Eduardo PAIVA RAPOSO Neste pequeno artigo, pretendemos questionar a noção de «língua portuguesa»

Leia mais

O português não procede do latim

O português não procede do latim O português não procede do latim Uma proposta de classificação das línguas derivadas do galego M arcos Bagno Nunca é demais lembrar que a questão dos nomes que se dá às línguas escapa da órbita dos especialistas

Leia mais

Conteúdos/conceitos Metas curriculares Atividades Calendarização

Conteúdos/conceitos Metas curriculares Atividades Calendarização (200) Programa de História e Geografia de Portugal - 2º ciclo Conteúdos/conceitos - Metas curriculares - Atividades a dinamizar na escola com os alunos Conteúdos/conceitos Metas curriculares Atividades

Leia mais

Gramática do Português, Maria Fernanda Bacelar do Nascimento (Centro de Linguística da Universidade de Lisboa)

Gramática do Português, Maria Fernanda Bacelar do Nascimento (Centro de Linguística da Universidade de Lisboa) A publicação da Gramática do Português resulta de um projecto realizado a convite e sob o patrocínio da Fundação Calouste Gulbenkian. Consiste numa obra em três volumes, de que apresentamos hoje os dois

Leia mais

Literatura Portuguesa Idade Média e Classicismo Renascentista. 6 ECTS BA Semestre de inverno / 2º.ano

Literatura Portuguesa Idade Média e Classicismo Renascentista. 6 ECTS BA Semestre de inverno / 2º.ano Literatura Idade Média e Classicismo Renascentista 6 ECTS BA Semestre de inverno / 2º.ano história e da cultura de Portugal no período estudado, domínio da língua portuguesa A unidade curricular Literatura

Leia mais

Av. Gen. Carlos Cavalcanti, 4748 - CEP 84030-900 - Tel. 0** (42) 220-3000 - Ponta Grossa Pr. - www.uepg.br

Av. Gen. Carlos Cavalcanti, 4748 - CEP 84030-900 - Tel. 0** (42) 220-3000 - Ponta Grossa Pr. - www.uepg.br CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL E RESPECTIVAS LITERATURAS - EaD Autorizado pelo... Para completar o currículo pleno do curso superior de graduação à distância em Licenciatura em Letras

Leia mais

Durante o reinado de Fernando I (1035-1063), os territórios cristãos já se estendiam até Coimbra e avançavam em direção ao sul

Durante o reinado de Fernando I (1035-1063), os territórios cristãos já se estendiam até Coimbra e avançavam em direção ao sul A DIVISÃO DO GALEGO-PORTUGUÊS EM PORTUGUÊS E GALEGO, DUAS LÍNGUAS COM A MESMA ORIGEM Nilsa Areán-García (USP) nilsa.arean@gmail.com / nilsa.garcia@usp.br RESUMO Na Alta Idade Média, de acordo com Silva

Leia mais

2003-2005. www.iltec.pt www.dgidc.min-edu.pt www.gulbenkian.pt

2003-2005. www.iltec.pt www.dgidc.min-edu.pt www.gulbenkian.pt Primeiros resultados do projecto desenvolvido pelo Instituto de Linguística Teórica e Computacional (ILTEC) em colaboração com a Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular (Ministério da

Leia mais

Os possessivos de um só possuidor masculinos na raia galego portuguesa e asturo-leonesa

Os possessivos de um só possuidor masculinos na raia galego portuguesa e asturo-leonesa Limite Vol. 1, 2007, pp. 71-77 Os possessivos de um só possuidor masculinos na raia galego portuguesa e asturo-leonesa XAVIER FRÍAS-CONDE I.S.R. Romania Minor Universidade da Boémia Ocidental, Rep. Checa

Leia mais

FACULDADE ATENAS MARANHENSE- FAMA CURSO DE LETRAS DISCIPLINA: FORMAÇÃO HISTÓRICA DA LÍNGUA PORTUGUESA

FACULDADE ATENAS MARANHENSE- FAMA CURSO DE LETRAS DISCIPLINA: FORMAÇÃO HISTÓRICA DA LÍNGUA PORTUGUESA FACULDADE ATENAS MARANHENSE- FAMA CURSO DE LETRAS DISCIPLINA: FORMAÇÃO HISTÓRICA DA LÍNGUA PORTUGUESA PANORAMA HISTÓRICO DA FORMAÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA 1 1. História da Língua Portuguesa O português

Leia mais

Maria Helena Mira Mateus FLUL / ILTEC mhelenamateus@clix.pt. I O tempo e o espaço da Língua Portuguesa

Maria Helena Mira Mateus FLUL / ILTEC mhelenamateus@clix.pt. I O tempo e o espaço da Língua Portuguesa VARIÇÃO E VARIEDADES: O CASO DO PORTUGUÊS 1 Maria Helena Mira Mateus FLUL / ILTEC mhelenamateus@clix.pt I O tempo e o espaço da Língua Portuguesa A nossa língua muda como mudam os nossos conceitos de vida,

Leia mais

LUÍS REIS TORGAL. SUB Hamburg A/522454 ESTADO NOVO. Ensaios de História Política e Cultural [ 2. IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA

LUÍS REIS TORGAL. SUB Hamburg A/522454 ESTADO NOVO. Ensaios de História Política e Cultural [ 2. IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA LUÍS REIS TORGAL SUB Hamburg A/522454 ESTADOS NOVOS ESTADO NOVO Ensaios de História Política e Cultural [ 2. a E D I Ç Ã O R E V I S T A ] I u IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA 2 0 0 9 ' C O I M B R

Leia mais

O Galego-Português-Brasileiro e a Política Linguística na Galiza (*) Camilo Nogueira

O Galego-Português-Brasileiro e a Política Linguística na Galiza (*) Camilo Nogueira O Galego-Português-Brasileiro e a Política Linguística na Galiza (*) Camilo Nogueira Galego e português, a mesma raiz histórica O galego e o português pertencem a um mesmo sistema linguístico originário

Leia mais

Doutora Isabel Barros Dias e-mail: isabelbd@univ-ab.pt Doutora Maria do Rosário Lupi Bello e-mail: rosario@univ-ab.pt

Doutora Isabel Barros Dias e-mail: isabelbd@univ-ab.pt Doutora Maria do Rosário Lupi Bello e-mail: rosario@univ-ab.pt TRANSIÇÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM LÍNGUAS E LITERATURAS MODERNAS VARIANTE DE ESTUDOS PORTUGUESES E INGLESES PARA O CURSO DE LICENCIATURA EM LÍNGUAS, LITERATURAS E CULTURAS ESTUDOS PORTUGUESES (MAIOR

Leia mais

Portugal e Espanha: Comparações no contexto europeu

Portugal e Espanha: Comparações no contexto europeu Portugal e Espanha: Comparações no contexto europeu A Península Ibérica em Números 2010 Os Institutos Nacionais de Estatística de Espanha e de Portugal publicam a 7ª edição de A Península Ibérica em Números/La

Leia mais

Planificação Anual. Professor: José Pinheiro Disciplina: História e Geografia de Portugal Ano: 5.º Turmas: B Ano letivo: 2014-2015

Planificação Anual. Professor: José Pinheiro Disciplina: História e Geografia de Portugal Ano: 5.º Turmas: B Ano letivo: 2014-2015 Planificação Anual Professor: José Pinheiro Disciplina: História e Geografia de Portugal Ano: 5.º Turmas: B Ano letivo: 2014-2015 UNIDADE DIDÁTICA: TEMA A: DOS PRIMEIROS POVOS À FORMAÇÃO DO REINO DE PORTUGAL.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular PERÍODO: 1º LE733- COMPREENSÃO E PRODUÇÃO DE TEXTO EM LÍNGUA PORTUGUESA Fórmula: LE003 LE003- LINGUA PORTUGUESA 3 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS. ANÁLISE DE ESTRUTURAS BÁSICAS DA LÍNGUA PORTUGUESA. SINTAXE

Leia mais

Licenciatura em Língua Portuguesa e Literaturas de Língua Portuguesa (AL/EC) NÍVEL I. Introdução à Pesquisa em Letras

Licenciatura em Língua Portuguesa e Literaturas de Língua Portuguesa (AL/EC) NÍVEL I. Introdução à Pesquisa em Letras Licenciatura em Língua Portuguesa e Literaturas de Língua Portuguesa (AL/EC) Curso 1/20C Ingresso a partir de 2007 NÍVEL I Introdução à Pesquisa em Letras Codicred: 1216A-02 Ementa: Compreensão da linguagem

Leia mais

Cursos de Licenciatura

Cursos de Licenciatura DLLM Cursos de Licenciatura 2009-2010 1 Cursos de Licenciatura 2009/2010 1º Ciclo Bolonha DLLM Departamento de Línguas e Literaturas Modernas 2 Cursos de Licenciatura 2009-2010 DLLM DLLM Cursos de Licenciatura

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL 2º CICLO HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 5.º ANO Documento(s) Orientador(es): Programa de História e Geografia de Portugal

Leia mais

Os Estudos Galegos na América. Atividades dos Centros Galegos nas Universidades Brasileiras: a Cátedra de Estudos Galegos da Universidade de São Paulo

Os Estudos Galegos na América. Atividades dos Centros Galegos nas Universidades Brasileiras: a Cátedra de Estudos Galegos da Universidade de São Paulo 309 Os Estudos Galegos na América. Atividades dos Centros Galegos nas Universidades Brasileiras: a Cátedra de Estudos Galegos da Universidade de São Paulo Universidade de São Paulo Resumo: Este artigo

Leia mais

OPÇÕES 1.º Ciclo 2013-2014

OPÇÕES 1.º Ciclo 2013-2014 OPÇÕES 1.º Ciclo 2013-2014 0 DEFINIÇÕES GERAIS Disciplinas de opção curricular 1- São consideradas opções curriculares as disciplinas de opção contempladas nos planos de estudos dos cursos, constituindo,

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010) COMPREENSÃO E PRODUÇÃO ORAL EM LÍNGUA INGLESA I C/H 102 (2358) intermediário de proficiência

Leia mais

TEMA E EXPANSÃO E MUDANÇA NOS SÉCULOS XV E XVI

TEMA E EXPANSÃO E MUDANÇA NOS SÉCULOS XV E XVI TEMA E EXPANSÃO E MUDANÇA NOS SÉCULOS XV E XVI 1. Expansionismo Europeu 1.1. Rumos da expansão 1.1.1. Os avanços da expansão e as rivalidades luso-castelhanas 1.1.2. A chegada à Índia e ao Brasil 1.2.

Leia mais

OPÇÕES 2.º Ciclo 2013-2014

OPÇÕES 2.º Ciclo 2013-2014 OPÇÕES 2.º Ciclo 2013-2014 0 ALIMENTAÇÃO FONTES, CULTURA E SOCIEDADE Alimentos, Medicamentos e Venenos Religiões e Alimentação ARQUEOLOGIA E TERRITÓRIO (escolher apenas uma em cada semestre) Antropologia

Leia mais

A ORIGEM DA LÍNGUA PORTUGUESA: CONTEXTO GERAL E BRASILEIRO

A ORIGEM DA LÍNGUA PORTUGUESA: CONTEXTO GERAL E BRASILEIRO A ORIGEM DA LÍNGUA PORTUGUESA: CONTEXTO GERAL E BRASILEIRO Patricia Damasceno Fernandes (UEMS) 1 damasceno75@gmail.com Natalina Sierra Assêncio Costa (UEMS) 2 natysierra2011@hotmail.com RESUMO: a história

Leia mais

O período pré-românico

O período pré-românico O período pré-românico Os linguistas têm hoje boas razões para sustentar que um grande número de línguas da Europa e da Ásia provêm de uma mesma língua de origem, designada pelo termo indo-europeu. Com

Leia mais

OPÇÕES 1.º Ciclo 2014-2015

OPÇÕES 1.º Ciclo 2014-2015 OPÇÕES 1.º Ciclo 2014-2015 0 DEFINIÇÕES GERAIS Disciplinas de opção curricular 1- São consideradas opções curriculares as disciplinas de opção contempladas nos planos de estudos dos cursos, constituindo,

Leia mais

População estrangeira em Portugal modera crescimento

População estrangeira em Portugal modera crescimento As expressões sublinhadas encontram-se explicadas no final do texto População estrangeira em Portugal modera crescimento Em 2002, a população estrangeira com a situação regularizada, estatuto de residente

Leia mais

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE - Sistemas sociais e culturais de notação de tempo ao longo da história, - As linguagens das fontes históricas; - Os documentos escritos,

Leia mais

Questionário: Imagens do (Ensino) Português no Estrangeiro

Questionário: Imagens do (Ensino) Português no Estrangeiro Questionário: Imagens do (Ensino) Português no Estrangeiro Pretende se com este questionário conhecer a sua opinião sobre o (Ensino do) Português no Estrangeiro. Não existem respostas certas ou erradas.

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA QUINTA DO CONDE Escola Básica Integrada/JI da Quinta do Conde. Departamento de Ciências Humanas e Sociais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA QUINTA DO CONDE Escola Básica Integrada/JI da Quinta do Conde. Departamento de Ciências Humanas e Sociais HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL Distribuição dos tempos letivos disponíveis para o 5 º ano de escolaridade 1º Período 2º Período 3º Período *Início:15-21 de setembro 2015 *Fim:17 dezembro 2015 *Início:4

Leia mais

ASPECTOS FONÉTICO-FONOLÓGICOS DO PORTUGUÊS BRASILEIRO NO DISCURSO DE FALANTES NATURAIS DA LÍNGUA ESPANHOLA

ASPECTOS FONÉTICO-FONOLÓGICOS DO PORTUGUÊS BRASILEIRO NO DISCURSO DE FALANTES NATURAIS DA LÍNGUA ESPANHOLA ASPECTOS FONÉTICO-FONOLÓGICOS DO PORTUGUÊS BRASILEIRO NO DISCURSO DE FALANTES NATURAIS DA LÍNGUA ESPANHOLA Vanessa Cruz Mantoani Orientadora: Profa. Dra. Vanderci de Andrade Aguilera RESUMO Por ser o espanhol

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP

Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP Lisboa, 10 janeiro 2014 António Rendas Reitor da Universidade Nova de Lisboa Presidente do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas Queria começar

Leia mais

HISTORIA DE PORTUGAL

HISTORIA DE PORTUGAL A. H. DE OLIVEIRA MARQUES HISTORIA DE PORTUGAL Manual para uso de estudantes e outros curiosos de assuntos do passado pátrio EDITORIAL PRESENÇA ÍNDICE GERAL PREFACIO 11 INTRODUÇÃO AS RAÍZES DE UMA NAÇÃO

Leia mais

Currículo do Curso de Letras

Currículo do Curso de Letras Currículo do Curso de Letras Habilitação em Português e Literaturas de Língua Portuguesa ATUAÇÃO A formação profissional do curso permite ao graduado em Letras, além da preparação para o exercício do magistério

Leia mais

Relatório de Actividades

Relatório de Actividades Relatório de Actividades Outubro de 2005 Setembro de 2006 O ano que passou Ficou marcado pelo desenvolvimento de alguns projectos e também por um acontecimento que marcou profundamente o grupo: a morte

Leia mais

BANCO BPI, S.A. Sociedade Aberta COMUNICADO

BANCO BPI, S.A. Sociedade Aberta COMUNICADO BANCO BPI, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua Tenente Valadim, 284, Porto Matriculada na Conservatória do Registo Comercial do Porto sob o número único de matrícula e identificação fiscal 501 214 534 Capital

Leia mais

MATERIALIDADES DA LITERATURA. Osvaldo Manuel Silvestre

MATERIALIDADES DA LITERATURA. Osvaldo Manuel Silvestre MINICURSO MATERIALIDADES DA LITERATURA Osvaldo Manuel Silvestre (Universidade de Coimbra, Portugal) Promoção Programa de Pós-Graduação em Teoria e História Literária Pró-Reitoria de Pesquisa/ FAEPEX Minicurso

Leia mais

PORTUGUÊS LÍNGUA NÃO MATERNA

PORTUGUÊS LÍNGUA NÃO MATERNA PORTUGUÊS LÍNGUA NÃO MATERNA Sílvia Faim EB 2,3 Monte de Caparica Em Portugal, ao longo dos anos, tem vindo a crescer e a disseminar-se o número de jovens provenientes dos mais variados lugares do mundo,

Leia mais

EUROBARÓMETRO especial 243 OS EUROPEUS E AS SUAS LÍNGUAS INTRODUÇÃO

EUROBARÓMETRO especial 243 OS EUROPEUS E AS SUAS LÍNGUAS INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO Hoje, a União Europeia abriga 450 milhões de habitantes com origens étnicas, culturais e linguísticas diversas. Os modelos linguísticos dos países europeus são complexos - moldados pela História,

Leia mais

47720 Diário da República, 2.ª série N.º 233 6 de Dezembro de 2011

47720 Diário da República, 2.ª série N.º 233 6 de Dezembro de 2011 47720 Diário da República, 2.ª série N.º 233 6 de Dezembro de 2011 UNIVERSIDADE DA MADEIRA Aviso (extracto) n.º 23548/2011 Nos termos do disposto no n.º 6 do artigo 12.º da Lei n.º 12 -A/2008, de 27 de

Leia mais

INDO-EUROPEU: GEOGRAFIA

INDO-EUROPEU: GEOGRAFIA O INDO-EUROPEU AS LÍNGUAS NO MUNDO É possível que as línguas do Mundo, em número superior a 3000, tenham por base um antepassado único; não há, todavia, provas disso. Em contrapartida, podemos subdividi-las

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes Unidade Universitária de Irati CURRÍCULO PLENO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes Unidade Universitária de Irati CURRÍCULO PLENO CURSO: LETRAS Licenciatura (150/I Noite Cur. 2009) HABILITAÇÃO: Espanhol CÓD. DISC. DEPTOS DISCIPLINAS 1ª 2ª 3ª 4ª C/H 0666/I DELET/I Leitura e Produção Escrita* 2 68 0595/I DELET/I Língua Espanhola I

Leia mais

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Filosofia da Educação 60 horas Metodologia Científica 60 horas Iniciação à Leitura e Produção de Textos Acadêmicos 60 horas Introdução à filosofia e

Leia mais

ENTREVISTA DO PROF. CLAUDIO CEZAR HENRIQUES

ENTREVISTA DO PROF. CLAUDIO CEZAR HENRIQUES 132 ENTREVISTA DO PROF. CLAUDIO CEZAR HENRIQUES September 21, 2010, by pontofinalmacau Claudio Cezar Henriques, filólogo e escritor brasileiro, esteve em Macau para uma palestra sobre a reforma ortográfica,

Leia mais

FILOLOGIA E LINGUÍSTICA: ENCONTROS E DESENCONTROS Munniky Müller (UERJ) munniky@ig.com.br

FILOLOGIA E LINGUÍSTICA: ENCONTROS E DESENCONTROS Munniky Müller (UERJ) munniky@ig.com.br FILOLOGIA E LINGUÍSTICA: ENCONTROS E DESENCONTROS Munniky Müller (UERJ) munniky@ig.com.br Partindo de observações provocadas pela leitura do livro Iniciação à Filologia e à Linguística Portuguesa, de Gladstone

Leia mais

FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA LINGUA PORTUGUESA 5. José Luís Forneiro Pérez GUÍA DOCENTE E MATERIAL DIDÁCTICO

FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA LINGUA PORTUGUESA 5. José Luís Forneiro Pérez GUÍA DOCENTE E MATERIAL DIDÁCTICO FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA LINGUA PORTUGUESA 5 José Luís Forneiro Pérez GUÍA DOCENTE E MATERIAL DIDÁCTICO 2015/2016 FACULTADE DE FILOLOXÍA. DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA

Leia mais

CRISTÃOS E MUÇULMANOS NA PENÍNSULA IBÉRICA VIAGEM NA HISTÓRIA. Joana Cirne Marília Henriques. Joana Cirne Marília Henriques

CRISTÃOS E MUÇULMANOS NA PENÍNSULA IBÉRICA VIAGEM NA HISTÓRIA. Joana Cirne Marília Henriques. Joana Cirne Marília Henriques VIAGEM NA HISTÓRIA então os cristãos e os muçulmanos partilharam o território da Península Ibérica por cerca de 700 anos! Quem diria Vocês sabiam disto! Aposto que os meus amigos ainda não sabem. Vou já

Leia mais

JNE/2011 Página 1 de 24

JNE/2011 Página 1 de 24 EXAMES NACIONAIS DO ENSINO SECUNDÁRIO 211 81 Alemão (continuação -bienal) 9 8 7 6 5 4 3 2 1 1 2 3 4 5 6 7 8 9 1 11 12 13 14 15 16 17 18 19 2 211 / 35 33 2 161 6 74 27 18 21 / 38 29 9 168 3 118 26 174 29

Leia mais

LICENCIATURA DUPLA EM INGLÊS E PORTUGUÊS E RESPECTIVAS LITERATURAS

LICENCIATURA DUPLA EM INGLÊS E PORTUGUÊS E RESPECTIVAS LITERATURAS LICENCIATURA DUPLA EM INGLÊS E PORTUGUÊS E RESPECTIVAS LITERATURAS Curso 1/20B Ingresso a partir de 2007 NÍVEL I Introdução à Pesquisa em Letras Codicred: 1216A-02 Ementa: Compreensão da linguagem como

Leia mais

Planificação Anual ANO LECTIVO - 2010/ 2011 COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS TEMA(S) / CONTEÚDOS AVALIAÇÃO CALENDARIZAÇÃO

Planificação Anual ANO LECTIVO - 2010/ 2011 COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS TEMA(S) / CONTEÚDOS AVALIAÇÃO CALENDARIZAÇÃO ANO LECTIVO - 010/ 011 ÁREA DISCIPLINAR DE HISTÓRIA HISTÓRIA 7º ANO COMPETÊNCIAS GERAIS 1. Tratamento de informação; utilização de fontes;. Compreensão histórica:.1. Temporalidade.. Espacialidade.3. Contextualização

Leia mais

DIVULGAÇÃO DE TERMINOLOGIAS EM PORTUGÊS E POLÍTICAS LINGUÍSTICAS

DIVULGAÇÃO DE TERMINOLOGIAS EM PORTUGÊS E POLÍTICAS LINGUÍSTICAS VIII Jornada Científica REALITER Terminologia e Políticas linguísticas DIVULGAÇÃO DE TERMINOLOGIAS EM PORTUGÊS E POLÍTICAS LINGUÍSTICAS Maria da Graça Krieger (kriegermg@gmail.com) Universidade do Vale

Leia mais

A IMIGRAÇÃO EM PORTUGAL E NO ALENTEJO. A SINGULARIDADE DO CONCELHO DE ODEMIRA.

A IMIGRAÇÃO EM PORTUGAL E NO ALENTEJO. A SINGULARIDADE DO CONCELHO DE ODEMIRA. A IMIGRAÇÃO EM PORTUGAL E NO ALENTEJO. A SINGULARIDADE DO CONCELHO DE ODEMIRA. - RESULTADOS PRELIMINARES - Alina Esteves Ana Estevens Jornadas de Reflexão 29 de Maio A Realidade da Imigração em Odemira

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA 1 FACULDADE DE FILOLOGIA DEPARTAMENTO DE FILOLOGIA GALEGA. José Luís Rodríguez (cordenador) João Ribeirete.

LÍNGUA PORTUGUESA 1 FACULDADE DE FILOLOGIA DEPARTAMENTO DE FILOLOGIA GALEGA. José Luís Rodríguez (cordenador) João Ribeirete. FACULDADE DE FILOLOGIA DEPARTAMENTO DE FILOLOGIA GALEGA LÍNGUA PORTUGUESA 1 José Luís Rodríguez (cordenador) João Ribeirete Márlio da Silva GUIA DOCENTE E MATERIAL DIDÁTICO 2015/2016 FACULTADE DE FILOLOXIA.

Leia mais

Difusão da Língua Portuguesa no Mundo *

Difusão da Língua Portuguesa no Mundo * Difusão da Língua Portuguesa no Mundo * Maria Helena Mira Mateus FLUL / ILTEC 1 de Setembro de 2008 Em modo de introdução Em primeiro lugar, quero agradecer à Comissão Organizadora deste Simpósio o convite

Leia mais

3.5. Lista das disciplinas que se podem realizar em língua estrangeira

3.5. Lista das disciplinas que se podem realizar em língua estrangeira 3.3. Estrutura do curso, ritmo de estudo e obrigações dos estudantes. Condições de matrícula no semestre seguinte e condições prévias de matrícula em disciplinas individuais. O curso de Língua e Literatura

Leia mais

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC)

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) Diversidade Linguística na Escola Portuguesa Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) www.iltec.pt www.dgidc.min-edu.pt www.gulbenkian.pt Breve caracterização fonética de sons que

Leia mais

PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO HISTÓRIA A. (sujeita a reajustamentos) 1º PERÍODO

PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO HISTÓRIA A. (sujeita a reajustamentos) 1º PERÍODO PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO HISTÓRIA A 10º Ano Ano Lectivo - 2012/2013 (sujeita a reajustamentos) Prof. ª Irene Lopes 1º PERÍODO MÓDULO 0 ESTUDAR E APRENDER HISTÓRIA MÓDULO 1 RAÍZES MEDITERRÂNICADA CIVILIZAÇÃO

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO 1º Ciclo Planificação Anual de 4º ano Ano Letivo 2015/2016 ESTUDO DO MEIO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO 1º Ciclo Planificação Anual de 4º ano Ano Letivo 2015/2016 ESTUDO DO MEIO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO 1º Ciclo Planificação Anual de 4º ano Ano Letivo 2015/2016 1.º Período ESTUDO DO MEIO Domínios Subdomínios Metas finais Conteúdos programáticos Avaliação natural

Leia mais

OPÇÕES. 1.º Ciclo 2012-2013

OPÇÕES. 1.º Ciclo 2012-2013 OPÇÕES 1.º Ciclo 2012-2013 Coimbra, 12 de julho de 2012 DEFINIÇÕES GERAIS Disciplinas de opção curricular 1- São consideradas opções curriculares as disciplinas de opção contempladas nos planos de estudos

Leia mais

14) MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS - PORTUGUÊS E ESPANHOL LICENCIATURA

14) MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS - PORTUGUÊS E ESPANHOL LICENCIATURA 14) MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS - PORTUGUÊS E ESPANHOL LICENCIATURA 14.1) Matriz curricular do turno matutino Fase 1 a N. Ordem Código COMPONENTE CURRICULAR Créditos Horas 1 Leitura

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS ANEXO II DA RESOLUÇÃO CEPEC nº 680 EMENTAS DAS DISCIPLINAS DISCIPLINAS DA ÁREA DE PORTUGUÊS: Introdução aos estudos da Linguagem Panorama geral dos fenômenos da linguagem e suas abordagens científicas.

Leia mais

DECISÃO DE INAPLICABILIDADE DO CONSELHO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA. Ccent nº 17/2006 - ONO/Huhtamäki I - INTRODUÇÃO

DECISÃO DE INAPLICABILIDADE DO CONSELHO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA. Ccent nº 17/2006 - ONO/Huhtamäki I - INTRODUÇÃO DECISÃO DE INAPLICABILIDADE DO CONSELHO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA Ccent nº 17/2006 - ONO/Huhtamäki I - INTRODUÇÃO 1. Em 11 de Abril de 2006, foi notificada à Autoridade da Concorrência (AdC), nos termos

Leia mais

Variação e normalização linguística

Variação e normalização linguística Que bacana! Hoje vou de ônibus. Amanhã pego o trem. Hoje vou de autocarro. Amanhã apanho o comboio. Vaiamos, irmãa, vaiamos dormir (en) nas ribas do lago, u eu andar vi a las aves meu amigo. Jesu! Jesu!

Leia mais

LÍNGUA INGLESA I LÍNGUA INGLESA II LÍNGUA INGLESA III LÍNGUA INGLESA IV LÍNGUA INGLESA V EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE BACHARELAD0 EM TRADUÇÃO

LÍNGUA INGLESA I LÍNGUA INGLESA II LÍNGUA INGLESA III LÍNGUA INGLESA IV LÍNGUA INGLESA V EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE BACHARELAD0 EM TRADUÇÃO EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE BACHARELAD0 EM TRADUÇÃO 1. CONTEÚDOS BÁSICOS PROFISSIONAIS LÍNGUA INGLESA I Ementa: Consolidação do estudo das estruturas simples da Língua Inglesa I em seus aspectos

Leia mais

Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com

Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com Formação do Estado e do território Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com Sociedade humana kei É um conjunto de pessoas Que vivem em determinado espaço e tempo e de acordo com certas regras

Leia mais

Simplex Exportações Exportações mais Simplex

Simplex Exportações Exportações mais Simplex Simplex Exportações Exportações mais Simplex Este é o primeiro SIMPLEX dedicado a um tema específico: as EXPORTAÇÕES. É por isso um programa diferente. Mais participado e feito em verdadeira co produção:

Leia mais

FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA LINGUA PORTUGUESA 4. José Luís Forneiro Pérez GUÍA DOCENTE E MATERIAL DIDÁCTICO

FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA LINGUA PORTUGUESA 4. José Luís Forneiro Pérez GUÍA DOCENTE E MATERIAL DIDÁCTICO FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA LINGUA PORTUGUESA 4 José Luís Forneiro Pérez GUÍA DOCENTE E MATERIAL DIDÁCTICO 2015/2016 FACULTADE DE FILOLOXÍA. DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA

Leia mais

A LÍNGUA PORTUGUESA E SEU ALTO GRAU DE DIVERSIDADE E DE RESUMO. A comunicação é indispensável ao homem que vive em sociedade, com esta necessidade

A LÍNGUA PORTUGUESA E SEU ALTO GRAU DE DIVERSIDADE E DE RESUMO. A comunicação é indispensável ao homem que vive em sociedade, com esta necessidade A LÍNGUA PORTUGUESA E SEU ALTO GRAU DE DIVERSIDADE E DE VARIABILIDADE. *Gisele Rogelin Prass RESUMO A comunicação é indispensável ao homem que vive em sociedade, com esta necessidade surge à língua. A

Leia mais

Variação Linguística e Mudança Linguística

Variação Linguística e Mudança Linguística Variação Linguística e Mudança Linguística Seung Hwa Lee Introdução aos Estudos Linguísticos I Escrita A escrita é o processo de registro de caracteres através de um meio, com a intenção de formar palavras

Leia mais

ANÁLISE DIACRÔNICA DOS PRONOMES PESSOAIS E PRONOMES DE TRATAMENTO NA LÍNGUA PORTUGUESA

ANÁLISE DIACRÔNICA DOS PRONOMES PESSOAIS E PRONOMES DE TRATAMENTO NA LÍNGUA PORTUGUESA ANÁLISE DIACRÔNICA DOS PRONOMES PESSOAIS E PRONOMES DE TRATAMENTO NA LÍNGUA PORTUGUESA Inti Anny Queiroz (USP) 1 RESUMO : Neste artigo buscaremos estudar a evolução e os processo de uso dos pronomes de

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOAQUIM ARAÚJO MATRIZ DOS EXAMES DE HISTÓRIA CURSOS VOCACIONAIS DE DESIGN DE MODA e HORTOFLORICULTURA E JARDINAGEM

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOAQUIM ARAÚJO MATRIZ DOS EXAMES DE HISTÓRIA CURSOS VOCACIONAIS DE DESIGN DE MODA e HORTOFLORICULTURA E JARDINAGEM AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOAQUIM ARAÚJO MATRIZ DOS EXAMES DE HISTÓRIA CURSOS VOCACIONAIS DE DESIGN DE MODA e HORTOFLORICULTURA E JARDINAGEM Duração da Prova: 45 minutos (cada módulo) Módulos Categorias/Conteúdos

Leia mais

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 22/01 Economia 25/01 Comércio Internacional 26/01 Taxas de Juro 29/01 Economia 31/01 Desemprego 31/01 Investimento Banco de Portugal divulgou Boletim Estatístico Janeiro 2007 http://epp.eurostat.ec.europa.eu/pls/portal/docs/page/pgp_prd_cat_prerel/pge_cat_prerel_year_2007/pge_

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular HISTÓRIA DIPLOMÁTICA DE PORTUGAL (MEDIEVAL E MODERNA) Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular HISTÓRIA DIPLOMÁTICA DE PORTUGAL (MEDIEVAL E MODERNA) Ano Lectivo 2014/2015 UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA Programa da Unidade Curricular HISTÓRIA DIPLOMÁTICA DE PORTUGAL (MEDIEVAL E MODERNA) Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso

Leia mais

A ABORDAGEM DA VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NO LIVRO DIDÁTICO DE LÍNGUA PORTUGUESA

A ABORDAGEM DA VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NO LIVRO DIDÁTICO DE LÍNGUA PORTUGUESA A ABORDAGEM DA VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NO LIVRO DIDÁTICO DE LÍNGUA PORTUGUESA Joseilson Jales Alves (graduando em Letras/Espanhol na UERN) Maria Graceli de Lima (Pós-graduanda em Letras PPGL/UERN) Maria Lúcia

Leia mais

[Aprender Português / Portugiesisch lernen]

[Aprender Português / Portugiesisch lernen] [Aprender Português / Portugiesisch lernen] Sabias que segundo a última edição do livro The Ethnologue: languages of the world, o número de línguas faladas no mundo é de 6912. 1. Analisa o seguinte ranking

Leia mais

O português: génese, variação e mudança

O português: génese, variação e mudança O português: génese, variação e mudança Esperança Cardeira ecardeira@hotmail.com Antes de mais o que é uma língua? Os mitos línguas bonitas /feias; fáceis /difíceis as diferenças entre línguas são lexicais

Leia mais

Sobre a Cultura Ibérica

Sobre a Cultura Ibérica Sobre a Cultura Ibérica Joaquina Pires-O Brien O livre comércio universal sem dúvida seria economicamente benéfico à humanidade, se não fosse pela suspeita e animosidade que as nações sentem umas pelas

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 1ª PROVA PARCIAL DE LÍNGUA PORTUGUESA Aluno(a): Nº Ano: 8º Turma: Data: /2011 Nota: Professora: Letícia A. S. Ottoboni Valor da Prova: 40 pontos Assinatura do

Leia mais

grupo de compostelanas e compostelanos decididos a fazer activismo cultural na nossa cidade e comarca.

grupo de compostelanas e compostelanos decididos a fazer activismo cultural na nossa cidade e comarca. A Gentalha do Pichel somos um grupo de compostelanas e compostelanos decididos a fazer activismo cultural na nossa cidade e comarca. A nossa bandeira é a língua e cultura galegas e as nossas armas o empenho,

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

Letras Tradução Inglês-Português Ementário

Letras Tradução Inglês-Português Ementário Letras Tradução Inglês-Português Ementário Componentes Curriculares CH Ementa Cultura Clássica 04 Estudo da cultura das civilizações clássica em suas diversas fases, tendo em vista reflexões sobre a contribuição

Leia mais

SIGRIA. sistema de informação geográfica dos municípios da ria. guião de exploração dos. serviços SIG na web AM RIA. Associação de Municípios da Ria

SIGRIA. sistema de informação geográfica dos municípios da ria. guião de exploração dos. serviços SIG na web AM RIA. Associação de Municípios da Ria SIGRIA. sistema de informação geográfica dos municípios da ria guião de exploração dos serviços SIG na web Associação de Municípios da Ria 02 GUIA WEB ÍNDICE Introdução O que é um SIG? 03 O que é SIGRia?

Leia mais

Prova Escrita de História e Geografia de Portugal

Prova Escrita de História e Geografia de Portugal PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de História e Geografia de Portugal 6º Ano de Escolaridade Prova 05 / 2.ª Fase 12 Páginas Duração da Prova: 90 minutos.

Leia mais

Estatuto Jurídico dos Judeus e Mouros na Idade Média Portuguesa

Estatuto Jurídico dos Judeus e Mouros na Idade Média Portuguesa A/490020 JOAQUIM DE ASSUNÇÃO FERREIRA Estatuto Jurídico dos Judeus e Mouros na Idade Média Portuguesa (Luzes e Sombras, na convivência entre as três religiões) UNIVERSIDADE CATÓLICA EDITORA LISBOA 2006

Leia mais

I Fórum Internacional sobre Prática Docente Universitária: inclusão social e tecnologias de informação e comunicação

I Fórum Internacional sobre Prática Docente Universitária: inclusão social e tecnologias de informação e comunicação I Fórum Internacional sobre Prática Docente Universitária: inclusão social e tecnologias de informação e comunicação Universidade Federal de Uberlândia Heloísa Maria Moraes Moreira Penna Maralice de Souza

Leia mais

FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA LÍNGUA PORTUGUESA 3. José António Souto Cabo João Ribeirete

FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA LÍNGUA PORTUGUESA 3. José António Souto Cabo João Ribeirete FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA LÍNGUA PORTUGUESA 3 José António Souto Cabo João Ribeirete GUÍA DOCENTE E MATERIAL DIDÁCTICO 2015/2016 FACULTADE DE FILOLOXÍA. DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA

Leia mais

Ementas por Currículos

Ementas por Currículos Universidade Federal Fluminense GCL00064 GCL00065 LINGUISTICA I Unknown function : LINGUISTICA II GCL00066 LINGUISTICA III GCL00067 LINGUISTICA IV GCL00068 LINGUISTICA V GCL00069 LINGUISTICA VI GCL00070

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos BREVE HISTÓRICO DA PENÍNSULA IBÉRICA Nilsa Areán-García (FFLCH USP) nilsa_577@yahoo.de RESUMO Este trabalho explora a história da Península Ibérica como fator extralinguístico na formação do galego e português

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Programa da disciplina e metas curriculares 3º CICLO HISTÓRIA 7º ANO TEMAS/DOMÍNIOS CONTEÚDOS

Leia mais

DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS E OBJETIVOS

DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS E OBJETIVOS DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS E OBJETIVOS 1. OS COLÓQUIOS DA LUSOFONIA AICL, ASSOCIAÇÃO DOS COLÓQUIOS DA LUSOFONIA, são um movimento cultural e cívico que visa mobilizar e representar a sociedade civil de todo

Leia mais

BOLSAS DE MESTRADO CAMPUS DO MAR

BOLSAS DE MESTRADO CAMPUS DO MAR Edital de 4 de Julho de 2011 na qual se abre o 1º concurso de candidaturas às bolsas do Campus do Mar, a estudantes nacionais e estrangeiros, para a realização de um Mestrado nas universidades do Sistema

Leia mais

VARIAÇÕES NO DOMÍNIO DA LÍNGUA PORTUGUESA Ânderson Rodrigues Marins (UFF) andermarins@gmail.com e andermarins@hotmail.com

VARIAÇÕES NO DOMÍNIO DA LÍNGUA PORTUGUESA Ânderson Rodrigues Marins (UFF) andermarins@gmail.com e andermarins@hotmail.com VARIAÇÕES NO DOMÍNIO DA LÍNGUA PORTUGUESA Ânderson Rodrigues Marins (UFF) andermarins@gmail.com e andermarins@hotmail.com INTRODUÇÃO Os que se detêm na análise mais acurada dos fenômenos lingüísticos percebem

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MIRA EB DE MIRA PLANIFICAÇÂO ANUAL DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL - 5º ANO. Ano letivo 2013/2014

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MIRA EB DE MIRA PLANIFICAÇÂO ANUAL DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL - 5º ANO. Ano letivo 2013/2014 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MIRA EB DE MIRA PLANIFICAÇÂO ANUAL DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL - 5º ANO Ano letivo 2013/2014 Manual de História e Geografia de Portugal do 5º Ano : «Saber

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A partir de meados do século xx a actividade de planeamento passou a estar intimamente relacionada com o modelo racional. Uma das propostas que distinguia este do anterior paradigma era a integração

Leia mais