BIBLIOTECA ESCOLAR REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLA SECUNDÁRIA JOÃO DA SILVA CORREIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BIBLIOTECA ESCOLAR REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLA SECUNDÁRIA JOÃO DA SILVA CORREIA"

Transcrição

1 BIBLIOTECA ESCOLAR REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLA SECUNDÁRIA JOÃO DA SILVA CORREIA

2 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 CONDIÇÕES DE INSTALAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO A EQUIPA EDUCATIVA COMPETÊNCIAS DA EQUIPA EDUCATIVA FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA SERVIÇOS DISPONÍVEIS MATERIAL AUDIOVISUAL SERVIÇO DE FOTOCÓPIAS O AMBIENTE GERAL DISPOSIÇÕES FINAIS OU TRANSITÓRIAS

3 INTRODUÇÃO A Biblioteca deve constituir-se como núcleo da organização pedagógica da escola, vocacionado para as actividades culturais e para a informação, constituindo um instrumento essencial do desenvolvimento do currículo escolar. As suas actividades devem ser integradas nas restantes actividades da escola e fazer parte do seu projecto educativo, não devendo ser vista como um simples serviço de apoio à actividade lectiva ou um espaço autónomo de aprendizagem e ocupação dos tempos livres. CONDIÇÕES DE INSTALAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO 1. A EQUIPA EDUCATIVA 1.1. Deve ser composta por docentes da escola que disponham de competências nos domínios pedagógico, de gestão de projectos, de gestão da informação, das ciências documentais e das tecnologias da informação e comunicação. Sempre que possível, deve integrar docentes cuja formação de base abranja as diferentes áreas do conhecimento, de modo a permitir uma efectiva complementaridade de saberes. Deverá contar com o apoio de, pelo menos, um auxiliar de acção educativa, com formação, a tempo inteiro. Esta equipa é orientada pelo professor bibliotecário A Biblioteca funcionará com condições mínimas quando estiver assegurada a assistência conjunta de um professor e de um auxiliar de acção educativa. 3 8

4 2. COMPETÊNCIAS DA EQUIPA EDUCATIVA 2.1. Compete à equipa coadjuvar o professor bibliotecário nas tarefas inerentes ao cargo Ao professor bibliotecário, com o apoio da equipa da biblioteca, cabe a gestão da biblioteca, competindo-lhe: Assegurar serviço de biblioteca para todos os elementos da comunidade escolar; Promover a articulação das actividades da biblioteca com os objectivos do projecto educativo e dos projectos curriculares de turma; Assegurar a gestão dos recursos humanos afectos à biblioteca; Garantir a organização do espaço e assegurar a gestão funcional e pedagógica dos recursos materiais afectos à biblioteca; Definir e operacionalizar uma política de gestão dos recursos de informação, promovendo a sua integração nas práticas de professores e alunos; Apoiar as actividades curriculares e favorecer o desenvolvimento de dos hábitos e competências de leitura, da literacia da informação e das competências digitais, trabalhando colaborativamente com todas as estruturas da escola; Apoiar actividades livres, extracurriculares e de enriquecimento curricular incluídas no plano de actividades ou projecto educativo da escola; Estabelecer redes de trabalho cooperativo, desenvolvendo projectos de parceria com entidades locais; Implementar processos de avaliação dos serviços e elaborar um relatório anual de auto-avaliação a remeter ao Gabinete Coordenador da Rede de Bibliotecas Escolares (GRBE); Representar a biblioteca escolar no conselho pedagógico, nos termos do regulamento interno. 4 8

5 3. FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA 3.1. Horário Deverá estar aberta durante todo o período de funcionamento lectivo, das 8:20h às 18:25h Utilizadores Consideram-se, com direito à utilização dos serviços, todos os alunos, professores e funcionários da escola, assim como outras pessoas da comunidade envolvente, desde que, devidamente autorizadas pela Direcção A qualquer dos utentes poderá ser pedida a identificação pela apresentação do cartão da escola ou outro A utilização da biblioteca para a leccionação de aulas deve ter carácter excepcional. No caso do professor a considerar essencial, deverá proceder, antecipadamente, à requisição do espaço e dos recursos, em ficha própria. Em qualquer caso, não será possível leccionar mais do que uma aula em simultâneo no espaço da biblioteca Acesso ao Fundo Documental A Biblioteca da Escola funciona em livre acesso para permitir e encorajar a procura autónoma da informação Tanto para consulta dos catálogos como para a localização ou arrumação de documentos, os utilizadores deverão seguir as orientações que se encontram afixadas nas instalações. Em caso de dificuldade, deverão solicitar o apoio dos professores/funcionário de serviço Empréstimo O empréstimo reporta-se a todos os materiais documentais Para empréstimo domiciliário não poderão ser requisitados documentos que façam parte de colecções ou de obras em vários volumes, assim como aqueles que pelo seu preço exijam uma maior preservação As requisições, tanto para utilização presencial como domiciliária, terão de ser feitas em livros próprios. No caso dos DVD deverá sempre ser colocado um número de ordem na respectiva requisição. 5 8

6 O empréstimo domiciliário não poderá exceder os dez dias úteis. Em caso de necessidade, e desde que não haja pedidos em espera, a requisição poderá ser renovada. Exceptua-se o caso dos DVD e CD- ROM que só poderão ser requisitados à sexta-feira e devolvidos na segunda-feira seguinte Excepcionalmente, a requisição de um DVD ou CD-ROM por parte de um professor, para a preparação de uma aula, poderá ocorrer no final de qualquer um dos dias da semana, desde que seja entregue na manhã seguinte Caso não seja feita a entrega ou a renovação da requisição, o utilizador fica interdito de proceder à requisição domiciliária durante uma semana No caso de extravio ou danificação de materiais, o aluno, se maior de 18 anos, ou o seu encarregado de educação, será responsabilizado pelos custos da sua substituição Utilização dos Computadores Para permitir a melhor rentabilização deste serviço, determinam-se duas modalidades de utilização: Dois utilizadores, no máximo, por períodos de trinta minutos; Grupo de Alunos acompanhado de professor, por tempo lectivo A utilização do computador implica preenchimento de uma ficha de requisição, com registo de hora de entrada e de saída Serão aceites marcações com antecedência As reservas poderão ser feitas também no momento da utilização, de acordo com a disponibilidade de postos No caso de actividade lectiva, os computadores (até ao máximo de seis), devem ser requisitados com antecedência É dada prioridade à utilização para trabalhos escolares, aulas ou projectos em curso São interditos os jogos sem carácter didáctico, assim como a sua instalação nos computadores O uso dos computadores para trabalhos pessoais só poderá ser autorizado mediante a utilização de memória externa. 6 8

7 Qualquer documento existente nos discos rígidos que não seja considerado relevante poderá ser apagado pelo professor responsável pela manutenção do equipamento informático Estão proibidas as cópias do software instalado nos discos rígidos Igualmente, é proibida a instalação e/ou desinstalação de software sem autorização prévia do professor coordenador É expressamente proibido alterar qualquer tipo de configuração (cores, definição do ecrã, página de fundo, som, criação ou eliminação de atalhos, inserir ou remover programas na barra de tarefas, definições regionais, data e hora, etc.) É proibida a instalação de qualquer tipo de hardware sem autorização do professor coordenador Qualquer problema técnico que surja deverá ser comunicado ao professor ou funcionário de serviço, para que diligencie a solução adequada A utilização da impressora está sujeita ao pagamento de um valor por página, a definir anualmente As excepções a estas regras serão analisadas caso a caso. 4. SERVIÇOS DISPONÍVEIS 4.1. Programas de processamento de texto: apoio à realização de trabalhos escolares; 4.2. Correio electrónico: correspondência escolar, sem ser de carácter privado; 4.3. Internet: pesquisa de informação, fóruns de discussão e actividades lúdicas e didácticas; 4.4. Leitores de CD-ROM e DVD. 5. MATERIAL AUDIOVISUAL 5.1. A utilização de qualquer tipo de material áudio só se poderá fazer com recurso a auscultadores, para evitar o ruído e consequente perturbação dos utilizadores. 7 8

8 6. SERVIÇO DE FOTOCÓPIAS 6.1. Destina-se a serviço interno e à reprodução de materiais da Biblioteca. Este serviço é pago pela tabela adoptada na reprografia da Escola A fotocopiadora serviço self-service destina-se a utentes portadores de cartão próprio, com crédito de fotocópias previamente adquirido. 7. O AMBIENTE GERAL 7.1. Dentro das instalações, o ambiente deverá pautar-se pelo bem-estar colectivo. Assim, mesmo para trabalhos de grupo, a troca de impressões far-se-á em voz baixa e serão de evitar todos os comportamentos que possam comprometer o clima de tranquilidade. 8. DISPOSIÇÕES FINAIS OU TRANSITÓRIAS 8.1. O presente regulamento deverá ser revisto pelo Conselho Pedagógico em conformidade com o Regulamento Interno As situações não previstas serão analisadas e resolvidas pela Direcção ou pelo Professor Bibliotecário. Aprovado em Concelho Pedagógico de 9 de Dezembro de

Agrupamento de Escolas da Zona Urbana da Figueira da Foz Escola EB 2,3 Dr. João de Barros Escola EB 1 de Abadias Escola EB1 da Gala

Agrupamento de Escolas da Zona Urbana da Figueira da Foz Escola EB 2,3 Dr. João de Barros Escola EB 1 de Abadias Escola EB1 da Gala 0 Agrupamento de Escolas da Zona Urbana da Figueira da Foz Escola EB 2,3 Dr. João de Barros Escola EB 1 de Abadias Escola EB1 da Gala Regulamento das Bibliotecas Escolares Centro de Recursos Educativos

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE LEAL DA CÂMARA REGIMENTO DO CENTRO DE RECURSOS

ESCOLA SECUNDÁRIA DE LEAL DA CÂMARA REGIMENTO DO CENTRO DE RECURSOS ESCOLA SECUNDÁRIA DE LEAL DA CÂMARA REGIMENTO DO CENTRO DE RECURSOS I. ORGANIZAÇÃO DO ESPAÇO E EQUIPA EDUCATIVA Espaço 1. O Centro de Recursos Educativos (a seguir identificado pela sigla CRE) constitui

Leia mais

Escola EB 2,3 El-Rei D. Manuel I Alcochete REGULAMENTO DOS UTILIZADORES DA BE/CRE CAPÍTULO I PRINCÍPIOS NORMATIVOS

Escola EB 2,3 El-Rei D. Manuel I Alcochete REGULAMENTO DOS UTILIZADORES DA BE/CRE CAPÍTULO I PRINCÍPIOS NORMATIVOS REGULAMENTO DOS UTILIZADORES DA BE/CRE CAPÍTULO I PRINCÍPIOS NORMATIVOS A Biblioteca Escolar /Centro de Recursos Educativos (BE/CRE), empenhada no desenvolvimento da literacia dos alunos, na sensibilização

Leia mais

INSTITUTO DE PROMOÇÃO SOCIAL DA BAIRRADA

INSTITUTO DE PROMOÇÃO SOCIAL DA BAIRRADA INSTITUTO DE PROMOÇÃO SOCIAL DA BAIRRADA Proposta de regulamento da BIBLIOTECA escolar I - CONCEITO A Biblioteca Escolar é um núcleo de organização pedagógica da Escola e deve ser entendida como um centro

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MIRANDA DO DOURO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MIRANDA DO DOURO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MIRANDA DO DOURO REGIMENTO DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES 1 CAPÍTULO I ARTº. 1 DEFINIÇÃO DA BE/CRE O Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro dispõe de três BE/CRE, uma em cada escola:

Leia mais

Regulamento Interno AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MARTIM DE FREITAS BIBLIOTECA ESCOLAR 2011 / 2012. Introdução

Regulamento Interno AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MARTIM DE FREITAS BIBLIOTECA ESCOLAR 2011 / 2012. Introdução AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MARTIM DE FREITAS BIBLIOTECA ESCOLAR 2011 / 2012 Regulamento Interno Introdução A Biblioteca Escolar do Agrupamento de Escolas Martim de Freitas é parte integrante do processo educativo

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE NELAS Regimento da BIBLIOTECA/CENTRO DE RECURSOS EDUCATIVOS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE NELAS Regimento da BIBLIOTECA/CENTRO DE RECURSOS EDUCATIVOS ARTIGO I DEFINIÇÃO A Biblioteca/Centro de Recursos (BE/CRE) é entendida como um núcleo de organização pedagógica da escola vocacionado para o desenvolvimento de actividades culturais, das literacias da

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA ESCOLAR/CRE

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA ESCOLAR/CRE REGULAMENTO DA BIBLIOTECA ESCOLAR/CRE Aprovado em Conselho Pedagógico de 20 / 01 / 2010 Artigo 1.º Disposição Geral Na sociedade da informação e do conhecimento, a Biblioteca Escolar, como um imprescindível

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CAMARATE REGIMENTO DE FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA ESCOLAR/ CENTRO DE RECURSOS EDUCATIVOS HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CAMARATE REGIMENTO DE FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA ESCOLAR/ CENTRO DE RECURSOS EDUCATIVOS HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO ESCOLA SECUNDÁRIA DE CAMARATE REGIMENTO DE FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA ESCOLAR/ CENTRO DE RECURSOS EDUCATIVOS I HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO O horário de funcionamento da biblioteca deve ser tendencialmente

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PEDRÓGÃO GRANDE REGULAMENTO DA BIBLIOTECA ESCOLAR. Artigo 1º Disposição geral

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PEDRÓGÃO GRANDE REGULAMENTO DA BIBLIOTECA ESCOLAR. Artigo 1º Disposição geral AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PEDRÓGÃO GRANDE ESCOLA 2,3/S MIGUEL LEITÃO DE ANDRADA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA ESCOLAR Artigo 1º Disposição geral A Biblioteca Escolar (BE) é um instrumento essencial no desenvolvimento

Leia mais

ÍNDICE ARTº 1º - OBJECTO... 3 ARTº 2º - PRINCÍPIOS... 3 ARTº 3º - OBJECTIVOS... 3 ARTº 4º - EQUIPA RESPONSÁVEL... 4

ÍNDICE ARTº 1º - OBJECTO... 3 ARTº 2º - PRINCÍPIOS... 3 ARTº 3º - OBJECTIVOS... 3 ARTº 4º - EQUIPA RESPONSÁVEL... 4 ÍNDICE ARTº 1º - OBJECTO... 3 ARTº 2º - PRINCÍPIOS... 3 ARTº 3º - OBJECTIVOS... 3 ARTº 4º - EQUIPA RESPONSÁVEL... 4 ARTº 5º - FUNÇÕES DO PROFESSOR BIBLIOTECÁRIO... 4 ARTº 6 - ÁREAS FUNCIONAIS... 5 ARTº

Leia mais

Normas de Funcionamento da Sala de Estudo da Escola Secundária de Alves Redol

Normas de Funcionamento da Sala de Estudo da Escola Secundária de Alves Redol Normas de Funcionamento da Sala de Estudo da Escola Secundária de Alves Redol 1 I Disposições gerais Direcção Regional de Educação de Lisboa e Vale do Tejo Artigo 1º Âmbito 1 O presente documento estabelece

Leia mais

ACORDO DE COOPERAÇÃO PROGRAMA DA REDE NACIONAL DE BIBLIOTECAS ESCOLARES. Preâmbulo

ACORDO DE COOPERAÇÃO PROGRAMA DA REDE NACIONAL DE BIBLIOTECAS ESCOLARES. Preâmbulo ACORDO DE COOPERAÇÃO PROGRAMA DA REDE NACIONAL DE BIBLIOTECAS ESCOLARES Preâmbulo Considerando a criação e o desenvolvimento de uma Rede de Bibliotecas Escolares, assumida como política articulada entre

Leia mais

1.2. Todo o utilizador pode contribuir para o desenvolvimento dos serviços prestados pela Biblioteca com sugestões ou com a sua participação.

1.2. Todo o utilizador pode contribuir para o desenvolvimento dos serviços prestados pela Biblioteca com sugestões ou com a sua participação. ANO LETIVO 2012-2013 GESTÃO REGULAMENTO DA BIBLIOTECA E DO AUDITÓRIO 1. Regras Gerais 1.1. Todo o utilizador deve contribuir para que exista na Biblioteca um ambiente adequado ao estudo, ao trabalho individual

Leia mais

Ancorensis Cooperativa de Ensino

Ancorensis Cooperativa de Ensino Ancorensis Cooperativa de Ensino SUMÁRIO CAPÍTULO I GERAL Art.º 1º Definição... 3 Art.º 2º Objectivos... 3 Art.º 3º Espaço Físico... 4 Art.º 4º Horário... 5 Art.º 5º Equipa... 5 Art.º 6º Coordenador...

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO

NORMAS DE FUNCIONAMENTO NORMAS DE FUNCIONAMENTO 1 NORMAS DE FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA 1. Horário de funcionamento.pág. 3 2. Equipa da Biblioteca..pág. 4 3. Utilizadores e regras da Biblioteca.pág. 7 2 NORMAS DE FUNCIONAMENTO

Leia mais

Regulamento de utilização Centros Informáticos 2008/2009

Regulamento de utilização Centros Informáticos 2008/2009 REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO EQUIPAMENTO INFORMÁTICO SALA 15 E LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA BLOCO 4 1 1 Introdução Este regulamento destina-se a promover uma utilização mais racional, disciplinada e eficiente

Leia mais

E B I / J I d e T Á V O R A

E B I / J I d e T Á V O R A E B I / J I d e T Á V O R A R E G U L A M E N T O D E U T I L I Z A Ç Ã O D O S COMPUTA D O R E S PO R T Á T E I S O objectivo deste documento é regulamentar todas as actividades curriculares desenvolvidas,

Leia mais

Escola Básica 2º, 3º Ciclos José Maria dos Santos - Biblioteca Escolar

Escola Básica 2º, 3º Ciclos José Maria dos Santos - Biblioteca Escolar Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos José Maria dos Santos Artigo 1º Conceito 1. A Biblioteca é um serviço cultural que procura oferecer um ambiente agradável e silencioso propício à leitura, ao estudo e ao

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE ESCOLA BÁSICA DO 1º CICLO DO CASTELO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE ESCOLA BÁSICA DO 1º CICLO DO CASTELO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE ESCOLA BÁSICA DO 1º CICLO DO CASTELO BIBLIOTECA ESCOLAR REGIMENTO NORMAS DE FUNCIONAMENTO - TRIÉNIO 2010/2013 - EB1 do Castelo Rua Flores de Santa Cruz, 14 1100-245 Lisboa

Leia mais

ANEXO V NORMAS DE FUNCIONAMENTO DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES

ANEXO V NORMAS DE FUNCIONAMENTO DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES ANEXO V NORMAS DE FUNCIONAMENTO DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES As normas de funcionamento e de utilização dos serviços prestados pelas BE do AEMTG estão definidas nos seguintes pontos: Ponto 1. Utilizadores

Leia mais

Regulamento Interno da Biblioteca Escolar/Centro de Recursos Educativos

Regulamento Interno da Biblioteca Escolar/Centro de Recursos Educativos Regulamento Interno da Biblioteca Escolar/Centro de Recursos Educativos Capítulo I Artigo 1º Objeto e âmbito 1. A Biblioteca Escolar é uma estrutura fundamental da organização pedagógica da Academia, constituindo-se

Leia mais

REGIMENTO INTERNO BEESAP

REGIMENTO INTERNO BEESAP ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3.º CICLO DE ADOLFO PORTELA ÁGUEDA REGIMENTO INTERNO BEESAP I DEFINIÇÃO E ESPAÇOS A Biblioteca Escolar da Escola Secundária C/ 3.º Ciclo de Adolfo Portela é uma estrutura que recolhe

Leia mais

BIBLIOTECA ESCOLAR/CENTRO DE RECURSOS

BIBLIOTECA ESCOLAR/CENTRO DE RECURSOS EB1/JI da Conquinha Conquinha REGIMENTO DA BIBLIOTECA ESCOLAR/CENTRO DE RECURSOS 1 BIBLIOTECA ESCOLAR/CENTRO DE RECURSOS Artigo 1º Definição A Biblioteca Escolar/Centro de Recursos da EB1/JI da Conquinha

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO

REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO Outubro de 2004 Caro utente: A Escola Superior de Tecnologia do Barreiro funciona actualmente em instalações provisórias que, embora de boa qualidade, apresentam

Leia mais

Regulamento dos Laboratórios de Física e Química

Regulamento dos Laboratórios de Física e Química Regulamento dos Laboratórios de Física e Química 1 Missão Os Laboratórios de Física e de Química são essencialmente um lugar de aprendizagem, onde se encontram todo o tipo de materiais, devidamente organizados

Leia mais

PROCEDIMENTO INTERNO

PROCEDIMENTO INTERNO 1. Objectivo Definir quais os procedimentos a adoptar nas práticas do funcionamento do Núcleo de Documentação do Centro Hospitalar Cova da Beira. 2. Aplicação Bibliotecas do Núcleo de Documentação do Centro

Leia mais

ESCOLA BÁSICA ALBERTO VALENTE REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLAR

ESCOLA BÁSICA ALBERTO VALENTE REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLAR Agrupamento de Escolas José Maria dos Santos Pinhal Novo ESCOLA BÁSICA ALBERTO VALENTE REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLAR REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLAR ARTIGO 1º DEFINIÇÃO A Biblioteca

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA SANTIAGO DO CACÉM MEDIATECA REGULAMENTO

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA SANTIAGO DO CACÉM MEDIATECA REGULAMENTO ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA SANTIAGO DO CACÉM MEDIATECA REGULAMENTO I - SETORES CONSTITUINTES A Direção de Instalações designada genericamente por Mediateca compreende cinco setores/áreas de intervenção:

Leia mais

Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento

Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento orientações Rede Bibliotecas Escolares Sumário Nota introdutória... 2 Orientações Director... 3 Professor bibliotecário... 5 Docentes... 10

Leia mais

Nota Introdutória. Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR)

Nota Introdutória. Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR) Nota Introdutória Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR) Apoiar e promover os objetivos educativos definidos de acordo com as finalidades e currículo

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA CENTRAL DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA CENTRAL DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA CENTRAL DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA 1. FUNDOS BIBLIOGRÁFICOS Os fundos disponíveis na Biblioteca têm classificações diferenciadas e estão sujeitos a condições

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA ESCOLAR/CENTRO DE RECURSOS EDUCATIVOS

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA ESCOLAR/CENTRO DE RECURSOS EDUCATIVOS REGULAMENTO DA BIBLIOTECA ESCOLAR/CENTRO DE RECURSOS EDUCATIVOS Capítulo I A Biblioteca Escolar/Centro de Recursos Educativos Art. 1º - DEFINIÇÃO As Bibliotecas Escolares/Centro de Recursos Educativos

Leia mais

Apresentação. Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares. Oliveira de Azeméis Novembro 2007

Apresentação. Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares. Oliveira de Azeméis Novembro 2007 Apresentação Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares Oliveira de Azeméis Novembro 2007 Apresentação SABE 12-11-2007 2 Apresentação O conceito de Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares (SABE) que se

Leia mais

Escolas João de Araújo Correia

Escolas João de Araújo Correia Escolas João de Araújo Correia Regulamento Interno das Bibliotecas Escolares/ Centro de Recursos Educativos Artigo 1º Definição As Bibliotecas Escolares/Centro de Recursos Educativos do Agrupamento Dr.

Leia mais

Preâmbulo CAPÍTULO I. Disposições gerais. Artigo 1.º. Missão e atribuições

Preâmbulo CAPÍTULO I. Disposições gerais. Artigo 1.º. Missão e atribuições REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DO SINDICATO DOS MAGISTRADOS DO MINISTÉRIO PÚBLICO Preâmbulo A Biblioteca do Sindicato dos Magistrados do Ministério Público foi criada em 1974, data da fundação do próprio Sindicato.

Leia mais

Regulamento do Laboratório de Cálculo Automático

Regulamento do Laboratório de Cálculo Automático Regulamento do Laboratório de Cálculo Automático Artigo 1 o (Definição) O Laboratório de Cálculo Automático, adiante designado por Lc, é um dos laboratórios do Departamento de Matemática da Faculdade de

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO ESPAÇO INTERNET DE MOURA I - DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I. Artigo 1º. Definição

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO ESPAÇO INTERNET DE MOURA I - DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I. Artigo 1º. Definição REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO ESPAÇO INTERNET DE MOURA I - DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I Artigo 1º Definição O Espaço Internet de Moura define-se como um local destinado aos cidadãos que pretendam utilizar

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA ESCOLAR/CENTRO DE RECURSOS DO AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DO BAIXO BARROSO

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA ESCOLAR/CENTRO DE RECURSOS DO AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DO BAIXO BARROSO DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO NORTE CENTRO DE ÁREA EDUCATIVA DE VILA REAL Cod. 345696 AGRUPAMENTO VERTICAL DO BAIXO BARROSO REGULAMENTO DA BIBLIOTECA ESCOLAR/CENTRO DE RECURSOS DO AGRUPAMENTO VERTICAL

Leia mais

Computadores Portáteis. Regulamento de utilização

Computadores Portáteis. Regulamento de utilização Computadores Portáteis Regulamento de utilização 1 Introdução Os computadores portáteis estão disponíveis para: a) a utilização individual e profissional por professores; b) a utilização por professores,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PEDRO JACQUES DE MAGALHÃES. Escola Básica Pedro Jacques de Magalhães. Biblioteca Escolar

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PEDRO JACQUES DE MAGALHÃES. Escola Básica Pedro Jacques de Magalhães. Biblioteca Escolar AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PEDRO JACQUES DE MAGALHÃES Escola Básica Pedro Jacques de Magalhães Biblioteca Escolar janeiro de 2013 1.1 Caracterização A BE integra o programa RBE desde 1999. É um centro de recursos

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES. Agrupamento de Escolas da Bemposta

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES. Agrupamento de Escolas da Bemposta NORMAS DE FUNCIONAMENTO DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES Agrupamento de Escolas da Bemposta PRINCÍPIOS GERAIS Objetivo O presente conjunto de Normas de Funcionamento define os princípios que devem ser conhecidos

Leia mais

Agrupamento de Escolas n.º 2 de Beja. Regulamento Interno. Biblioteca Escolar

Agrupamento de Escolas n.º 2 de Beja. Regulamento Interno. Biblioteca Escolar Agrupamento de Escolas n.º 2 de Beja Regulamento Interno 2014 1. A 1.1. Definição de A é um recurso básico do processo educativo, cabendo-lhe um papel central em domínios tão importantes como: (i) a aprendizagem

Leia mais

Regulamento da(s) Biblioteca(s)

Regulamento da(s) Biblioteca(s) Regulamento da(s) Biblioteca(s) Capítulo I Artigo 1.º A do Agrupamento de Escolas de Alfena é, de acordo com o artigo 111.º do Regulamento Interno do Agrupamento, um núcleo da organização pedagógica do

Leia mais

Agrupamento das Escolas de Lordelo

Agrupamento das Escolas de Lordelo Agrupamento das Escolas de Lordelo Regimento Interno Biblioteca Escolar Capítulo I GESTÃO DOCUMENTAL ORGANIZAÇÃO DO ESPAÇO EQUIPA Ponto 1 (Definição) 1. A Biblioteca Escolar (adiante designada por BE)

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO E UTILIZAÇÃO DO CENTRO MUNICIPAL DE JUVENTUDE /CENTRO DE ACTIVIDADES 1. Preâmbulo

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO E UTILIZAÇÃO DO CENTRO MUNICIPAL DE JUVENTUDE /CENTRO DE ACTIVIDADES 1. Preâmbulo REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO E UTILIZAÇÃO DO CENTRO MUNICIPAL DE JUVENTUDE /CENTRO DE ACTIVIDADES 1 Preâmbulo O Centro Municipal de Juventude/Centro de Actividades de Vila do Conde é uma extensão do Centro

Leia mais

Modelo de Auto-avaliação. Biblioteca Escolar. * Actions, not positions; * Evidence, not advocacy. Ross Todd (2003)

Modelo de Auto-avaliação. Biblioteca Escolar. * Actions, not positions; * Evidence, not advocacy. Ross Todd (2003) Modelo de Auto-avaliação Biblioteca Escolar * Actions, not positions; * Evidence, not advocacy. Ross Todd (2003) Auto-avaliar a BE Porquê avaliar a Biblioteca? Quais são os objectivos da auto-avaliação?

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLAR / CENTRO DE RECURSOS. ESCOLA SECUNDÁRIA QUINTA do MARQUÊS

REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLAR / CENTRO DE RECURSOS. ESCOLA SECUNDÁRIA QUINTA do MARQUÊS REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLAR / CENTRO DE RECURSOS ESCOLA SECUNDÁRIA QUINTA do MARQUÊS Artigo 1º - Definição A Biblioteca Escolar - Centro de Recursos Educativos da Escola Secundária Quinta

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL Artigo 1.º Definição De acordo com o art.º 80 dos Estatutos da Escola Superior de Hotelaria (ESHTE) e Turismo do Estoril,

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. A Biblioteca do IPAM tem como missão cuidar da recolha, do processamento, controlo, acesso e difusão da informação.

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. A Biblioteca do IPAM tem como missão cuidar da recolha, do processamento, controlo, acesso e difusão da informação. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Constituição O Instituto Português de Administração de Marketing (IPAM) dispõe da Biblioteca IPAM, constituída por vários pólos que estabelecem um sistema integrado

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLAR 2010/2011

REGIMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLAR 2010/2011 REGIMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLAR 2010/2011 Página 1 de 9 CAPÍTULO I Definição, Missão, Objectivos da Biblioteca Escolar e Articulação Curricular Art. 01 Missão É missão da Biblioteca Escolar apoiar

Leia mais

DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE BIBLIOTECA E DOCUMENTAÇÃO

DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE BIBLIOTECA E DOCUMENTAÇÃO DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE BIBLIOTECA E DOCUMENTAÇÃO BIBLIOTECA Regulamento À Biblioteca do ISCTE compete facultar, nas melhores condições de utilização, os recursos bibliográficos e informativos necessários

Leia mais

2014-2015 REGIMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLAR. Agrupamento de Escolas de Colos 1

2014-2015 REGIMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLAR. Agrupamento de Escolas de Colos 1 2014-2015 REGIMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLAR Agrupamento de Escolas de Colos 1 INTRODUÇÃO Este regimento é um documento onde estão registados os princípios de organização/gestão da Biblioteca Escolar

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DO INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DO INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DO INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS TÍTULO I OBJECTIVOS E FUNÇÕES DA BIBLIOTECA Artigo 1º (Objectivos da Biblioteca) 1 A Biblioteca é um serviço técnico do Instituto de Ciências

Leia mais

DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PROFISSIONAIS CAPACIDADE PROFISSIONAL PARA A ACTIVIDADE DE TRANSPORTES RODOVIÁRIOS DE MERCADORIAS

DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PROFISSIONAIS CAPACIDADE PROFISSIONAL PARA A ACTIVIDADE DE TRANSPORTES RODOVIÁRIOS DE MERCADORIAS DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PROFISSIONAIS CAPACIDADE PROFISSIONAL PARA A ACTIVIDADE DE TRANSPORTES RODOVIÁRIOS DE MERCADORIAS MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA AS ENTIDADES FORMADORAS ÍNDICE OBJECTIVOS

Leia mais

Em situações excepcionais é permitida a consulta de documentação microfilmada

Em situações excepcionais é permitida a consulta de documentação microfilmada REGULAMENTO DA SALA DE LEITURA ATENDIMENTO PRESENCIAL 1. Horário Consulta 2ª-6ª Feira 09h00-17h00 Requisições 2ª-6ª Feira 09h00-16h30 Fotocópias - 09h00-16:30 A DSDA reserva-se no direito de alterar, pontualmente,

Leia mais

Regimento das Actividades de Enriquecimento Curricular 2014-2015

Regimento das Actividades de Enriquecimento Curricular 2014-2015 Regimento das Actividades de Enriquecimento Curricular 2014-2015 Índice Introdução 3 Artigo 1.º - Enquadramento 3 Artigo 2.º - Período de funcionamento/instalações 4 Artigo 3.º - Normas de inscrição/funcionamento

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE REDONDO REGIMENTO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE REDONDO REGIMENTO y Câmara Municipal de Redondo CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE REDONDO REGIMENTO O DL 7/2003, de 15 de Janeiro, que prevê a constituição do Conselho Municipal de Educação, regulou as suas competências

Leia mais

REGULAMENTO DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÃO

REGULAMENTO DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÃO CAPÍTULO I Artigo 4º Localização Os serviços descritos no ponto 2 do art. 1º estão dispensados da formalidade do cartão O Centro de Documentação e Informação de leitor. () encontra-se localizado no piso

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA FACULDADE CATÓLICA SANTA TERESINHA NORMAS DE FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA CAICÓ-RN 1. DO OBJETIVO Art.1º - As NORMAS DE ATENDIMENTO regulam horário, consultas, empréstimo, renovação e cópias, compreendendo

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE CAMPOS DE FÉRIAS. Nota Justificativa

REGULAMENTO INTERNO DE CAMPOS DE FÉRIAS. Nota Justificativa REGULAMENTO INTERNO DE CAMPOS DE FÉRIAS Nota Justificativa A organização de campos de férias destinados a crianças e jovens é uma das actividades centrais da política do município da Moita na área da juventude

Leia mais

Faculdade AlfaCastelo

Faculdade AlfaCastelo Faculdade AlfaCastelo REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA BARUERI - 2015 REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA A Faculdade AlfaCastelo possui dois laboratórios de informática composto por uma

Leia mais

Regulamento Interno Da Biblioteca Escolar

Regulamento Interno Da Biblioteca Escolar Regulamento Interno Da Biblioteca Escolar Regulamento/Regimento Interno das Bibliotecas Escolares do Agrupamento Página 1 Índice 1. DEFINIÇÃO... 3 2. PRINCÍPIOS... 3 3. OBJECTIVOS... 3 4. ORGANIZAÇÃO E

Leia mais

Regulamento da Utilização dos Cartões Magnéticos da Escola EB 2,3/S de Mora. (anexo L)

Regulamento da Utilização dos Cartões Magnéticos da Escola EB 2,3/S de Mora. (anexo L) da Escola EB 2,3/S de Mora (anexo L) Artigo 1º Âmbito e função 1. O cartão magnético é propriedade da Escola que é responsável pela sua emissão e que por motivos fundamentados pode fazer cessar a sua utilização;

Leia mais

Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento

Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento orientações [setembro de 2011] Rede Bibliotecas Escolares Sumário Nota introdutória... 2 Orientações Diretor... 3 Professor bibliotecário...

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTARÉM. Preâmbulo

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTARÉM. Preâmbulo REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTARÉM Preâmbulo A Lei n.º 159/99, de 14 de Setembro estabelece, no seu artigo 19.º, n.º 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os

Leia mais

Regulamento da Biblioteca Municipal de Gouveia

Regulamento da Biblioteca Municipal de Gouveia Regulamento da Biblioteca Municipal de Gouveia Regulamento da Biblioteca Municipal Vergílio Ferreira Preâmbulo O presente regulamento pretende ser um instrumento regulador da actividade da Biblioteca Municipal

Leia mais

BIBLIOTECA MUNICIPAL DE NISA. - Normas de Funcionamento -

BIBLIOTECA MUNICIPAL DE NISA. - Normas de Funcionamento - BIBLIOTECA MUNICIPAL DE NISA - Normas de Funcionamento - 1º - Definição A Biblioteca Municipal de Nisa é um equipamento cultural da Câmara Municipal de Nisa, estando ao dispor de toda a população, sem

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA NOTA JUSTIFICATIVA Em conformidade com os poderes regulamentares que lhes são atribuídos pelos artigos 112º n.º 8 e 241º da Lei Constitucional, devem os Municípios aprovar os respectivos regulamentos municipais,

Leia mais

ANEXO 5 Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DA EQUIPA PTE

ANEXO 5 Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DA EQUIPA PTE ANEXO 5 Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DA EQUIPA PTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS IBN MUCANA 2011/2014 INDÍCE ARTIGO 1º - DEFINIÇÃO DA EQUIPA DO PLANO TECNOLÓGICO DA EDUCAÇÃO... 3 ARTIGO 2º - COMPETÊNCIAS...

Leia mais

REGIMENTO DA BIBLIOTECA ESCOLAR JOSEFA DE ÓBIDOS (BEJO)

REGIMENTO DA BIBLIOTECA ESCOLAR JOSEFA DE ÓBIDOS (BEJO) REGIMENTO DA BIBLIOTECA ESCOLAR JOSEFA DE ÓBIDOS (BEJO) CAPÍTULO I Biblioteca Artigo 1º Definição de Biblioteca Escolar A Biblioteca escolar é um espaço educativo, um centro de recursos multimédia ao serviço

Leia mais

I. Informações gerais

I. Informações gerais NORMAS DE FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS I. Informações gerais 1. Horário A Biblioteca funciona todos os dias úteis das 10.00 às 12.30 e das 14.00 às 18.00 horas.

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DEPENALVA DO CASTELO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DEPENALVA DO CASTELO REGULAMENTO DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES No início de cada ano letivo, o horário da biblioteca será estabelecido de acordo com disponibilidades de funcionamento do Agrupamento e indo ao encontro das necessidades

Leia mais

REGRAS DE FUNCIONAMENTO DA BE/CRE

REGRAS DE FUNCIONAMENTO DA BE/CRE REGRAS DE FUNCIONAMENTO DA BE/CRE A Biblioteca Escolar/Centro de Recursos Educativos, constitui um espaço de encontro e partilha de aprendizagens e saberes, de pesquisa, gestão e disponibilização de informação,

Leia mais

LABORATÓRIO DE ARTE DIGITAL ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE VISEU REGULAMENTO

LABORATÓRIO DE ARTE DIGITAL ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE VISEU REGULAMENTO LABORATÓRIO DE ARTE DIGITAL ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE VISEU REGULAMENTO Artigo 1º (Definição) O Laboratório de ArteDigital adiante designado por LAD, é um dos laboratórios adstritos à Área Científica

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Vagos 161070 REGIMENTO DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES/ AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VAGOS CENTROS DE RECURSOS EDUCATIVOS

Agrupamento de Escolas de Vagos 161070 REGIMENTO DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES/ AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VAGOS CENTROS DE RECURSOS EDUCATIVOS Agrupamento de Escolas de Vagos 161070 REGIMENTO DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES/ AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VAGOS CENTROS DE RECURSOS EDUCATIVOS fevereirol2014 Índice Página Introdução... 2 Sessão I Princípios

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SERRA DA GARDUNHA ESCOLA BÁSICA SERRA DA GARDUNHA FUNDÃO REGULAMENTO SALAS INFORMÁTICA 25(TIC) E 26

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SERRA DA GARDUNHA ESCOLA BÁSICA SERRA DA GARDUNHA FUNDÃO REGULAMENTO SALAS INFORMÁTICA 25(TIC) E 26 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SERRA DA GARDUNHA ESCOLA BÁSICA SERRA DA GARDUNHA FUNDÃO REGULAMENTO SALAS INFORMÁTICA 25(TIC) E 26 2011 / 2012 REGULAMENTO SALA 25 (TIC) A Sala 25 (Sala TIC) destina-se preferencialmente

Leia mais

IRMANDADE SANTA CASA DA MISERICÓRDIA PÓVOA DE SANTO ADRIÃO

IRMANDADE SANTA CASA DA MISERICÓRDIA PÓVOA DE SANTO ADRIÃO IRMANDADE DA SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DA PÓVOA DE SANTO ADRIÃO Regulamento Interno para o Voluntariado REGULAMENTO INTERNO PARA O VOLUNTARIADO Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito de Aplicação

Leia mais

Regulamento da Biblioteca do Instituto de Seguros de Portugal. Capítulo I ASPECTOS GERAIS

Regulamento da Biblioteca do Instituto de Seguros de Portugal. Capítulo I ASPECTOS GERAIS Regulamento da Biblioteca do Instituto de Seguros de Portugal Capítulo I ASPECTOS GERAIS Artigo 1.º Objecto 1. O presente Regulamento estabelece um conjunto de normas a serem observadas e cumpridas pelos

Leia mais

Regulamento. Cartão. Giae. Pag. 1

Regulamento. Cartão. Giae. Pag. 1 Regulamento Cartão Giae Pag. 1 Regulamento Cartão GIAE I Objecto e Âmbito O presente documento define e regula o funcionamento do Sistema de Gestão Integrada para a Administração Escolar, designado de

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA O principal objectivo deste Regulamento é salvaguardar o interesse comum de todos os utentes e permitir que a Biblioteca execute as suas funções de forma eficiente e eficaz. Desta

Leia mais

REGIMENTO PARA O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ÁGUEDA PARTE I. Disposições Gerais. Artigo 1º. Definição e Âmbito

REGIMENTO PARA O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ÁGUEDA PARTE I. Disposições Gerais. Artigo 1º. Definição e Âmbito REGIMENTO PARA O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ÁGUEDA PARTE I Disposições Gerais Artigo 1º Definição e Âmbito 1. O Conselho Municipal de Educação de Águeda, adiante designado de Conselho é uma instância

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO DO ENTRONCAMENTO

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO DO ENTRONCAMENTO BIBLIOTECA ESCOLAR REGIMENTO INTERNO REGIMENTO INTERNO O Princípio 7 da Declaração das Nações Unidas sobre os Direitos da Criança afirma: Cada criança tem direito a receber educação ( ). Ser-lhe-á administrada

Leia mais

REGIMENTO DE FUNCIONAMENTO DAS BIBLIOTECAS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALMEIDA

REGIMENTO DE FUNCIONAMENTO DAS BIBLIOTECAS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALMEIDA REGIMENTO DE FUNCIONAMENTO DAS BIBLIOTECAS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALMEIDA CAPÍTULO I Capítulo Artigo Conteúdo Referências Definição/Missão da BE A BE é uma estrutura que gere recursos educativos

Leia mais

REGULAMENTO DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO DOS PORTOS MARÍTIMOS QUINHENTISTAS 1. Preâmbulo

REGULAMENTO DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO DOS PORTOS MARÍTIMOS QUINHENTISTAS 1. Preâmbulo REGULAMENTO DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO DOS PORTOS MARÍTIMOS QUINHENTISTAS 1 Preâmbulo O presente Regulamento é dirigido aos utentes do Centro de Documentação dos Portos Marítimos Quinhentistas (CEDOPORMAR),

Leia mais

Regimento das Bibliotecas Escolares

Regimento das Bibliotecas Escolares Regimento das Bibliotecas Escolares Escola Básica de Tondela Escola Secundária 3ºciclo de Molelos Escola Básica de Lajeosa do Dão Ano Letivo 2013/2014 Fundar Bibliotecas era construir celeiros públicos,

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO MAIS SUCESSO ANO LETIVO DE 2013/2014

PROJETO PEDAGÓGICO MAIS SUCESSO ANO LETIVO DE 2013/2014 Agrupamento de Escolas da Moita 171311 Sede Escola Secundária da Moita PROJETO PEDAGÓGICO MAIS SUCESSO ANO LETIVO DE 2013/2014 1-Introdução Atendendo ao estipulado no despacho normativo n.º7/2013 de 11

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE ACÇÃO 2009/2013

PLANO ESTRATÉGICO DE ACÇÃO 2009/2013 ESCOLA SECUNDÁRIA DE VALONGO PLANO ESTRATÉGICO DE ACÇÃO 2009/2013 SALA DE ESTUDO ORIENTADO 2009/2013 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 PRIORIDADES... 4 OBJECTIVOS DA SALA DE ESTUDO ORIENTADO... 5 Apoio Proposto...

Leia mais

Regulamento de utilização da Biblioteca

Regulamento de utilização da Biblioteca Regulamento de utilização da Biblioteca REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DA BIBLIOTECA A Biblioteca do atmosfera m é um local dedicado à leitura e consulta de documentos e constitui uma das valências que o Montepio

Leia mais

- CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE LAGOS - PREÂMBULO

- CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE LAGOS - PREÂMBULO PREÂMBULO A Lei de Bases do Sistema Educativo (Lei nº 46/86 de 14 de Outubro) consagrou a interacção com a comunidade educativa local como um pilar fundamental da política educativa. Por essa razão o nº

Leia mais

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA NOTA JUSTIFICATIVA A Lei 159/99, de 14 de Setembro, estabelece no seu artigo 19.º, n.º 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os Conselhos locais de Educação. A Lei 169/99, de 18

Leia mais

Conselho Municipal de Educação

Conselho Municipal de Educação 1 Regimento do (CME) do Município de Vila Nova de Paiva A Lei 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19, n.º2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos locais

Leia mais

ALIANÇA FRANCESA DO PORTO

ALIANÇA FRANCESA DO PORTO Natureza e objectivos Projecto de REGULAMENTO INTERNO ALIANÇA FRANCESA DO PORTO Introdução Aliança Francesa do Porto sede: Rua Santa Isabel, 88 4050-536 Porto contribuinte nº 507864549 telefone nº 226098616

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA SUMÁRIO INTRODUÇÃO...3 1. USO DA BIBLIOTECA...3 2. ACERVO...3 3. ATENDIMENTO AO PÚBLICO...3 4. USUÁRIOS...3 5. INSCRIÇÃO...3 5.1 DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA...4 6. SERVIÇOS...4 6.1

Leia mais

Preâmbulo. Artigo nº 1

Preâmbulo. Artigo nº 1 Preâmbulo As bibliotecas actuais são, no contexto emergente da Sociedade de Informação e do Conhecimento, importantes pólos de interesse na vida social, cultural e educativa das suas comunidades de intervenção.

Leia mais

BIBLIOTECA MÈRE BLANCHOT REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DA BIBLIOTECA. Capítulo I - DISPOSIÇÕES GERAIS

BIBLIOTECA MÈRE BLANCHOT REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DA BIBLIOTECA. Capítulo I - DISPOSIÇÕES GERAIS BIBLIOTECA MÈRE BLANCHOT REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DA BIBLIOTECA Capítulo I - DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º - Dos Clientes A Biblioteca Mère Blanchot presta serviços à comunidade acadêmica da Faculdade

Leia mais

RESOLUÇÃO N 002/2007 - DG. Regulamenta Procedimentos para o Funcionamento da Biblioteca da FCV.

RESOLUÇÃO N 002/2007 - DG. Regulamenta Procedimentos para o Funcionamento da Biblioteca da FCV. RESOLUÇÃO N 002/2007 - DG Regulamenta Procedimentos para o Funcionamento da Biblioteca da FCV. O Conselho Superior - CONSU, aprovou em 30 de março de 2007, e eu, Prof. José Carlos Barbieri, Diretor da

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Braga

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Braga Regimento do Conselho Municipal de Educação de Braga A lei de bases do sistema educativo assume que o sistema educativo se organiza de forma a descentralizar, desconcentrar e diversificar as estruturas

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009/2010. Rede de Bibliotecas de Carregal do Sal GRUPO DE TRABALHO

PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009/2010. Rede de Bibliotecas de Carregal do Sal GRUPO DE TRABALHO GRUPO DE TRABALHO Rede de Bibliotecas de Carregal do Sal PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009/2010 O Plano de Acção da Rede de Bibliotecas de Carregal do Sal é um instrumento de trabalho ao nível da organização e

Leia mais

Município de Vieira do Minho

Município de Vieira do Minho CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VIEIRA DO MINHO REGIMENTO INTERNO A lei nº 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo19º, nº 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos

Leia mais