UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE Warehouse Management System Opção na redução e controle de estoques Por: Natacha Carvalho da Silva Almeida Orientador Prof. ª Ana Claudia Morrissy Rio de Janeiro 2012

2 2 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE Warehouse Management System Opção na redução e controle de estoques Apresentação de monografia à Universidade Candido Mendes como requisito parcial para obtenção do grau de especialista em Logística Empresarial Por: Natacha Carvalho da Silva Almeida

3 3 AGRADECIMENTOS A Deus, aos meus pais por tudo que me ensinaram, ao meu irmão por sempre me incentivar e a Cia de Canetas Compactor pelo incentivo e reconhecimento profissional.

4 4 DEDICATÓRIA Dedico essa monografia ao meu esposo Victor por tanta paciência durante o curso e na confecção deste trabalho.

5 5 RESUMO Esse estudo de cunho monográfico e bibliográfico analisou o Warehouse Management System como opção na redução e controle de estoques. Os localizadores de estoque são os produtos de WMS mais simples, executando as funções mais básicas. Os sistemas de controle de armazém (WCS) são produtos de nível intermediário, executando a localização e o controle de estoque, mais os relatórios de desempenho e trabalho executado. Um WMS completo executa todas as funções anteriormente mencionadas, acrescido de mais capacidade de gerenciamento de tarefas e apoio à tomada de decisão. Concluiu-se que o WMS emite sugestões de reposição automática nos locais de picking. Este reabastecimento permite que não falte produto na hora da separação e conseqüentemente não haja perda de tempo nessa operação e ainda permite melhor organização dos locais de armazenagem aliado a utilização dos locais com mais de um produto através da sugestão de armazenagem dos locais parcialmente ocupados. trabalho. ao término da monografia, isso facilita o processo de compreensão do O resumo tem por objetivo, situar o leitor sobre o contexto que o mesmo vai encontrar no corpo do trabalho monográfico. Em uma pesquisa, procura-se ler o resumo e o sumário para averiguar se o conteúdo é satisfatório para uma futura leitura, no momento da coleta de dados e aprofundamento ao tema. Para o processo de orientação, é fundamental para que o mesmo possa saber o que o educando pretende apresentar no trabalho, sua coerência com o curso e temática. O resumo é a descrição do problema e da solução encontrada.

6 6 METODOLOGIA Este trabalho foi elaborado a partir de uma pesquisa bibliográfica em livros e revistas acadêmicas especializadas Os principais autores utilizados na realização deste trabalho foram Ronald Ballou e Donald J. Bowersox. Utilizando também como referencial uma indústria de esferográficas e hidrográficas, acompanhando junto à empresa de consultoria todo o processo de escolha do sistema ideal, levantamentos de todos os dados logisticos necessários, implementação e acompanhamento pós implementação.

7 7 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 10 CAPÍTULO I - A realidade empresa 11 CAPÍTULO II - ENGENHARIA DE REQUISTOS A engenharia de requisitos em perspectivas Processo de Engenharia de Requisitos para Data Warehouse Requisitos Funcionais Requisitos Não Funcionais 17 CAPÍTULO III - SISTEMAS DATA WAREHOUSE Conceito DataMart Metadados Data Mining On-Line Analytic Processing (OLAP) O Processo de Data Warehousing Extração de dados Limpeza dos dados Transformação dos dados Carga dos dados Modelagem dimensional 24 CAPÍTULO IV - CARACTERÍSTICAS E FUNCIONALIDADES DO WMS 26 CAPÍTULO V - PROCESSO DE IMPLEMENTAÇÃO DO WMS NO CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO Levantamentos de dados específicos do Armazém Identificações de Interfaces Parametrizações e integrações dos Módulos Envolvidos Realizações de testes Integrados para a Modelagem dos Sistemas Parametrizados Definições de relatórios Documentação 31 CAPÍTULO VI - BENEFICIOS DO WMS 32 CONCLUSÃO 34 BIBLIOGRAFIA CONSULTADA 35 BIBLIOGRAFIA CITADA 36

8 8 ANEXOS 37 ÍNDICE 41 FOLHA DE AVALIAÇÃO 42

9 9 LISTA DE FIGURAS Figura 1: Sistema Data warehouse 15 Figura 2: Esquema simplificado de uma solução Data Warehouse 15 Figura 3: Data Mart 19 Figura 4: Metadados 20 Figura 5: Data Mining 21 Figura 6: On-Line Analytic Processing (OLAP) 22 Figura 7: Exemplo de Tabela Dimensão 25

10 10 INTRODUÇÃO Nos dias de hoje, com o ambiente empresarial cada vez mais competitivo, a tecnologia da informação, quando bem utilizada, torna-se um grande diferencial entre as empresas pela busca do melhor nível de serviço de atendimento ao cliente. Com a utilização de softwares de gerenciamento é possível melhorar também todo o desempenho de uma cadeia logística, aumentando a integração entre todas as áreas da empresa e direcionando o foco sempre para a melhoria continua. No caso especifico dos depósitos, armazéns e grandes centros de distribuição (CD), os sistemas de gerenciamento conhecidos como WMS possibilitam aperfeiçoar positivamente todas as atividades operacionais e administrativas dentro do processo de armazenagem, incluindo atividades como: recebimento, inspeção, endereçamento, armazenagem, separação, conferência, embalagem, carregamento, expedição, emissão de documentos e controles de inventário. Permite que todas estas etapas sejam mensuras, que sejam desenvolvidos indicadores de desempenho que permitam identificar deficiências realizar as correções necessárias e assim elevar os índices de faturamento da empresa. O WMS surgiu da busca pela melhoria contínua, da necessidade de se melhorar os fluxos de informação e de materiais dentro de um centro de distribuição, tendo como resultados principais a redução de custos, a melhoria na operação e o aumento do nível de serviço prestado aos clientes.

11 11 CAPÍTULO I A REALIDADE DA EMPRESA Antes da implementação do sistema WMS (Warehouse Management System) o tratamento dado ao pedido do cliente, utilizava métodos analógicos para assegurar o atendimento ao cliente, no entanto esse método prejudicava tanto a empresa quanto o cliente, pois, os gastos relacionados a tal atividade eram dispendiosos, demorados, não traziam o retorno desejado, tinha alta propensão a erros e uma enorme dificuldade de identificar os motivos de tais erros. O método usado para o atendimento pode ser descrito da seguinte forma: O representante comercial imputa o pedido de venda em um sistema via internet que permite que o setor comercial realize a importação do mesmo para o sistema ERP (Enterprise Resouce Planning software que gerencia e integras os processos da empresa) e então nasce o pedido que passa por um processo de avaliação de crédito e em seguida é impresso e encaminhado ao Centro de Distribuição onde será separado, conferido e despachado para a transportadora que realiza um frete FOB na maioria das vezes até uma segunda transportadora que realiza a entrega ao cliente final. Muitas vezes por diversos problemas que afetavam os setores produtivos, tais como atraso por parte de fornecedores de insumos, paradas das máquinas para manutenção e até mesmo de capacidade de produção, os pedidos acabavam sendo separados parcialmente até que fossem fabricados os itens que não possuíam saldo em estoque, tal procedimento propiciava falhas no processo de separação e conferencia dos pedidos, podendo facilmente ser entregue ao cliente com faltas e afetar diretamente o nível de satisfação do mesmo. A decisão de aderir um sistema de gestão de estoque veio a partir da necessidade de utilizar o sistema de informação para agilizar os processos, minimizar os erros, reduzir os custos, obter ferramentas para um melhor gerenciamento de todos os passos das operações do CD e garantir a satisfação tanto dos clientes quanto da empresa.

12 12 Embasada também nos conceitos da cadeia logística buscou-se a integração entre todos os setores diretamente ou indiretamente relacionados às atividades logísticas. Nesse aspecto foram feitos levantamentos dos procedimentos realizados, a fim de verificar se haveriam mudanças nestes procedimentos após a implementação do sistema WMS. Então se percebeu a necessidade de desenvolver em paralelo um módulo dentro do próprio WMS que gere uma identificação para os materiais semi-acabados em código de barras, a fim de facilitar o processo de recebimento do WMS no deposito de matéria prima e semi-acabados e também permitisse o reporte de produção automático.

13 13 CAPÍTULO II ENGENHARIA DE REQUISTOS 2.1 A engenharia de requisitos em perspectivas De acordo com Falbo (2005) os modelos são fundamentais no desenvolvimento de sistemas. Os objetivos dos mesmos são: possibilitar o estudo do comportamento do sistema; facilitar a comunicação entre os componentes da equipe de desenvolvimento e clientes e usuários; possibilitar a discussão de correções e modificações com o usuário; formar a documentação do sistema. Um modelo enfatiza um conjunto de características da realidade, que corresponde à dimensão do modelo. Além da dimensão que um modelo enfatiza, modelos possuem níveis de abstração. O nível de abstração de um modelo diz respeito ao grau de detalhamento com que as características do sistema são representadas. Em cada nível há uma ênfase seletiva nos detalhes representados. No caso do desenvolvimento de sistemas, geralmente, são considerados três níveis: conceitual: considera características do sistema independentes do ambiente computacional (hardware e software) no qual o sistema será implementado. Essas características são dependentes unicamente das necessidades do usuário. Modelos conceituais são construídos na atividade de análise de requisitos; lógico: características dependentes de um determinado tipo de sistema computacional. Essas características são, contudo, independentes de produtos específicos. 2.2 Processo de Engenharia de Requisitos para Data Warehouse De acordo com Imon (1998) um Data Warehouse é um repositório de informações integradas, disponíveis para análises e consultas. Dados e informações são extraídos de fontes heterogêneas de onde elas são geradas.

14 14 A principal vantagem é que se torna muito mais fácil e eficiente rodar consultas sobre esses dados que sobre os sistemas originais. A subjetividade do conceito de qualidade de informação em um Data Warehouse pode ser exemplificada de forma simples. Tomemos como exemplo dois diferentes setores de uma empresa, que tenham diferentes funções, mas necessitem do mesmo tipo de dado, mas que façam uso diferenciado desses dados. Digamos que para o Setor A os dados sejam críticos, e que quando se deseja verificá-los tenha-se pouco tempo para se tomar uma decisão. O Setor B necessita dos mesmos dados, mas digamos que seja apenas um setor de catalogação e que se os dados demorarem algumas horas para ficarem prontos não causará maior impacto no seu processo produtivo. O tempo de acesso aos dados pode ser considerado como um aspecto de qualidade, mas se um analista apenas satisfizer os requisitos do setor B, para o setor A esses dados, e o seu método de acesso, faltarão com um aspecto muito importante de qualidade. A figura 1 mostra o cubo mo sistema Data warehouse:

15 15 A Figura 1 representa um cubo com cinco faces, cada uma delas uma dimensão demonstrando uma série de resultados de uma empresa fictícia. As dimensões apresentadas são tempo, resultado, produto, unidade de venda e orçamento. A área sombreada indica a interface entre um determinado valor de uma dimensão e a sua correlação com as outras dimensões. Caso desejemos saber qual foi a margem de lucro da unidade Oeste em janeiro, basta hachurar esses valores no cubo e os resultados estarão dentro da área de interseção. Além da facilidade em se fazer consultas nos cubos, uma outra vantagem do modelo OLAP é a facilidade com a qual se faz o chamado Drill- Down A evolução das tecnologias OLAP resultou numa série de outros produtos que passam pelo mesmo conceito. Podemos exemplificar com sistemas que se utilizam de tecnologias MOLAP (Multidimensional OLAP) e ROLAP (Relational OLAP). As ferramentas ROLAP utilizam recursos de bancos de dados convencionais para simular a criação dos cubos. Cada dimensão dos cubos é convertida num modelo de banco de dados adequado ao tipo de consulta necessária para os usuários. Figura 2: Esquema simplificado de uma solução Data Warehouse

16 16 Podemos notar, por meio desse exemplo simples, que um erro comum é considerar-se como a Data Warehouse a ferramenta OLAP, por causa de sua representação de cubo, que é na verdade parte da interface da solução. O Data Warehouse real é o conjunto de dados agregados que podem ser utilizados para a carga das ferramentas de OLAP. Esses dados podem estar guardados em bancos relacionais, arquivos ou outra forma de armazenamento adequada. A importância nessa questão é que as informações contidas sejam as apropriadas para as cargas das dimensões e as mais úteis para os usuários. Bill Inmon, um dos criadores do conceito de Data Warehouse, explica o conceito fazendo analogia com um balde de Legos, em alusão ao popular brinquedo( Inmon, Tenderman, Imhoff (2003)). Os dados no Data Warehouse são os bloquinhos de Lego ou seja, unidades formadoras que podem ser utilizados para a construção de virtualmente qualquer coisa. Esses dados, recebidos das diversas fontes de dados, podem conter informações históricas, atualizações de produção e qualquer outra coisa. Nesse momento, as informações podem conter qualquer nível de agregação, mantendo se o nível de detalhes desejado e as informações em estado mais bruto ou já com um tratamento prévio. Depende apenas das necessidades dos usuários e da solução como um todo para determinar qual a melhor característica de armazenamento e uso dessas informações. 2.3 Requisitos Funcionais Requisitos Funcionais são requisitos diretamente ligados a funcionalidade do software, descrevem as funções que o software deve executar. Por exemplo: O software deve permitir a geração de relatórios sobre o desempenho de vendas no semestre; O software deve permitir planejar/re-planejar de atividades em acordo com a prescrição da metodologia, utilizando-se de modelo de cronograma padrão;

17 17 gerência; O software deve possibilitar acompanhamento do cronograma pela O software deve possibilitar o registro de execução das atividades. 2.4 Requisitos Não Funcionais Requisitos não funcionais são aqueles que não estão diretamente relacionados à funcionalidade de um software. Estes requisitos têm um papel de suma importância durante o desenvolvimento de um sistema, podendo ser usados como critérios de seleção na escolha de alternativas de projeto, estilo arquitetural e forma de implementação. Requisitos não Funcionais expressam condições que o software deve atender ou qualidades específicas que o software deve ter, estes requisitos colocam restrições no sistema. As restrições podem levar em consideração: sistemas operacionais; plataformas arquiteturais; características do ambiente de desenvolvimento e/ou produção; compatibilidade com softwares específicos ou sistemas legados;

18 18 CAPÍTULO III SISTEMAS DATA WAREHOUSE 3.1 Conceito Segundo W.H.Inmon (um dos "pais" dos conceitos de DW), um Data Warehouse é uma coleção de dados orientada por assuntos, integrada, variante no tempo, e não volátil, que tem por objetivo dar suporte aos processos de tomada de decisão. A construção de um Data Warehouse deve-se formar num ambiente estruturado, extensível, projetado para a análise de dados não voláteis, lógica e fisicamente transformados, provenientes de diversas aplicações, alinhados com a estrutura da empresa, atualizados e mantidos por um longo período de tempo, referidos em termos utilizados no negócio e sumariados para análise de grande volume de dados e obtenção de informações estratégicas. 3.2 DataMart O Data Mart, também conhecido como Warehouse Departamental, é uma abordagem descentralizada do conceito de Data Warehouse. Data Mart é um sub-conjunto de dados de um Data Warehouse, que atende a certas áreas específicas por um determinado assunto ou área da empresa e é voltado para o processo decisório gerencial. Geralmente são dados referentes à um assunto em especial (Ex: Vendas, Marketing, Produção) ou diferentes níveis de sumarização (Ex: Vendas Anual, Vendas Mensal).

19 19 Figura 3: Data Mart 3.3 Metadados Os metadados são definidos como dados dos dados, informações sobre informações, informações de como as informações estão estruturadas. Num projeto de DW, deve-se gerar documentação sobre o levantamento de dados, do banco de dados, relatórios a serem gerados, origem dos dados que alimentam o DW, processos de extração, tratamento e rotinas de carga dos dados, além das regras de negócio da empresa e todas suas mudanças.

20 20 Figura 4: Metadados 3.4 Data Mining Data Mining (ou mineração de dados) são ferramentas que utilizam técnicas de consultas e pesquisas no DW e através de algoritmos específicos conseguem encontrar padrões de comportamento nas informações armazenadas e apresentá-lo de forma relevante aos seus usuários, significa a descoberta de conhecimento a partir da mineração em grandes bases de dados corporativas que freqüentemente contêm tendências desconhecidas, relações entre objetos são de importância estratégica para a organização.

21 21 Figura 5: Data Mining 3.5 On-Line Analytic Processing (OLAP) O OLAP é processamento analítico em tempo real que proporciona as condições de análise de dados on-line necessárias para responder às diversas consultas dos analistas, gerentes e executivos. As ferramentas OLAP são as aplicações onde os usuários finais fazem a consulta e análise dos dados contidos nos Data Warehouses e Data Marts, com as seguintes características: consultas ad-hoc (casuas é únicas), slice-and-dice (analise das informações de diferentes prismas), drill down/up (exploração em diferentes níveis de detalhe das informações), queries (consultas simples ao OLAP).

22 22 Figura 6: On-Line Analytic Processing (OLAP) 3.6 O Processo de Data Warehousing A etapa de ETL (extração, limpeza, transformação e carga dos dados) é uma das mais críticas de um projeto de DW, pois uma informação carregada erroneamente trará conseqüências imprevisíveis nas fases posteriores. O objetivo desta fase é fazer a integração de informações de fontes múltiplas e complexas. Se a equipe de projetista do DW optar por desenvolver um software, o sistema de gerenciamento deverá executar, pelo menos, processos ou a maior parte deles, para que seja possível extrair os dados de um banco de dados de produção e enviá-los para o DW. O conjunto desses processos é chamado, por Ralph Kimball, de Sistema de Extração de Dados de Produção - SEDP, os processos são: extração primária; identificação dos registros modificados; generalização de chaves para dimensões em modificações; transformação em imagens de registro de carga; migração do sistema legado para o sistema DW; classificação e construção de agregados; generalização de chaves para agregados; carregamento; processamento de exceções; garantia de qualidade e, publicação.

23 23 Podem-se citar cinco operações principais realizadas pelas ferramentas back end, Extração dos dados de fontes internas e externas; Limpeza dos dados extraídos; Transformação; Carga no DW Extração de dados A extração de dados de fontes externas geralmente é feita através de gateways e interfaces padrão do tipo ODBC ou outras, com diversos produtos já existentes Limpeza dos dados De uma maneira geral, podemos dizer que o processo de limpeza e transformação dos dados que serão carregados num sistema de DW serve para corrigir algumas imperfeições contidas na base de dados transacional, a fim de fornecer ao usuário do sistema analítico dados concisos e com uma qualidade que permita uma tomada de decisão baseada em valores mais próximos dos reais. A própria modelagem do sistema OLTP (On-line transaction Processing, usado para armazenar as transações de negócio) pode conter "pontos fracos" que permitam, por assim dizer, a existência de dados inconsistentes, os quais podem e devem ser filtrados antes da carga no DW 3.7 Transformação dos dados O processo de transformação de dados no DW ocorre, dentre outras situações, devido ao desenvolvimento de sistemas que não levaram em consideração o compartilhamento de processos e os dados foram criados e consistidos para atender somente os requisitos dos sistemas legados. Uma vez que as origens dos dados podem ser de sistemas diferentes, às vezes é

24 24 necessário padronizar os diferentes formatos, transformar esses dados e deixálos num formato uniforme normalmente sugerido pelo próprio usuário Carga dos dados A carga do Data Warehouse é uma operação efetuada por processos específicos de cada DBMS ou por processos independentes de carga rápida (Fastload), que é a tecnologia que consegue tempos de carga significativamente mais rápidos através do pré-processamento dos dados e de dispensa das operações de verificação de integridade dos dados e de registro das operações efetuadas. 3.8 Modelagem dimensional De acordo com Horita (2011) a modelagem dimensional é muito comum nos bancos de dados que trabalham em conjunto com os sistemas disponíveis no ambiente de produção das empresas, o Diagrama Entidade- Relacionamento (DER) é composto essencialmente por tabelas que se relacionam entre si e procuram representam determinadas ações, situações, históricas ou objetos que compõe o contexto em que o sistema está inserido. Sobre as tabelas dimensão, Horita (2011) ressalta que as tabelas dimensão são compostas pelas informações complementares as tabelas fato. As tabelas de dimensão estão sempre acompanhadas de tabelas de fatos. Sem os fatos, não há informações para exibir. A partir da combinação das várias dimensões com o fato, uma informação é gerada, para que a alta gerência possa tomar suas decisões. Estas tabelas são compostas basicamente por colunas que contêm elementos textuais que descrevem o negócio e uma chave primária que irá compor a chave composta de sua tabela fato. A identificação de uma tabela dimensão é facilmente perceptível através da utilização da palavra por ; por exemplo, quando desejamos saber o a quantidade de venda de um determinado produto por vendedor e por

25 25 bairros, o a quantidade de venda representa um fato e o vendedor e os bairros representam as dimensões. Figura 7: Exemplo de Tabela Dimensão

26 26 CAPÍTULO IV CARACTERÍSTICAS E FUNCIONALIDADES DO WMS É muito importante saber o que pode ser feito por um WMS. Há muita variedade de produtos no mercado que levam esse nome, mas há três níveis de tecnologias de WMS. Os localizadores de estoque são os produtos de WMS mais simples, executando as funções mais básicas. Os sistemas de controle de armazém (WCS) são produtos de nível intermediário, executando a localização e o controle de estoque, mais os relatórios de desempenho e trabalho executado. Um WMS completo executa todas as funções anteriormente mencionadas, acrescido de mais capacidade de gerenciamento de tarefas e apoio à tomada de decisão. Para alguns armazéns, especialmente instalações pequenas e com poucos SKUs, um localizador de estoque ou WCS pode ser o produto adequado. Entretanto, instalações muito grandes e que desempenham tarefas mais complicadas, como cross docking onde a mercadoria é recebida em um centro de distribuição e redirecionada ao consumidor final sem que seja estocada, formação de kits ou reembalagem, podem exigir o WMS completo. Conforme pode ser visto no ANEXO A. Definir previamente as funções a serem executadas no armazém auxiliará na escolha do nível adequado de WMS. Uma analise cuidadosa deve ser executada nos produtos WMS, sobre compatibilidade com o hardware, sistema operacional e banco de dados. A participação da área de Tecnologia da Informação é indispensável em qualquer implantação de WMS, pois é preciso definir interfaces necessárias para a integração entre o WMS e o sistema corporativo, quais dados e quando devem ser atualizados. Por ser um sistema de gerenciamento informatizado de armazéns em geral o Warehouse Managemente System (WMS) visa aprimorar as operações logísticas através de uma gestão eficaz da informação. A demonstração do gerenciamento na estruturação de dados do WMS pode ser observada no ANEXO B.

27 27 Atualização precisa das informações de estoque, faltas e excessos de estoque são prejudiciais tanto a empresa quanto aos consumidores. Com a implantação de um WMS o controle de estoque acontece em tempo real e digitalmente, é possível realizar um total controle sobre prazos de validade (FIFO First-In-First-Out ), controle de lotes, diferenciação por moldes, datas de entrada e saída das mercadorias, identificar itens que sofrem ou não controle de qualidade e suporte total aos consumidores com percentual baixíssimo de erros. Aumentar a velocidade e qualidades das operações do Centro de Distribuição, a tendência do mercado atual, considerando as vantagens das operações Just in Time onde se deve produzir, transportar somente o que for vendido o esperado é que cada vez mais os pedidos sejam menores e fragmentados, porém mais freqüentes, sendo assim as operações de recebimento e separação dos pedidos devem ser bem dinâmicas. E nesse processo é indispensável a utilização de sistemas de comunicação on-line por rádio frequência e códigos de barras. O WMS auxilia no projeto do layout de armazenagem, e permite uma agilidade em todos os processos utilizando um conceito de convocação ativa onde cada colaborador esta associado a atividade que realiza dentro do sistema permitindo que o mesmo direcione suas tarefas, realizando endereçamento automático de mercadorias, reconhecendo as limitações físicas dos endereços, padroniza a consolidação do Picking List, determina rotas de separação, determina a melhor seqüência de paradas na separação, forma kits. Preparar documentos para a expedição possui banco de dados com taxas de fretes, apresenta relatórios do Status do veículo, determina a prioridade de carga e descarga e gerencia o pátio. Aumentar a produtividade do pessoal e dos equipamentos do depósito, lotes e prazos menores, porém muito mais freqüentes obrigam o gerenciamento mais eficaz e produtivo dos recursos empregados. As habilidades dos sistemas em trabalhar com equipamentos de movimentação automatizados proporcionam uma redução de custos com pessoal e dispositivos tecnológicos.

28 28 CAPÍTULO V PROCESSO DE IMPLEMENTAÇÃO DO WMS NO CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO Como já citado anteriormente o WMS tem como principal objetivo a redução dos custos e a melhoria no nível de serviço e operação. Para que estes objetivos sejam atingidos existem dois fatores críticos de sucesso. São eles: Comprometimento e apoio explícito da alta administração; Uso da estrutura organizacional adequada à cultura e à situação do momento. O projeto possui duas grandes etapas: processo de implementação e a implementação em si. O processo de implementação, tem por objetivo coordenar todas as atividades a serem desenvolvidas, além de alocação de pessoal, disponibilidade de equipamentos e atividades de controle do projeto. Nessa etapa são realizadas as configurações do sistema e a parametrização dos aplicativos, sejam operacionais ou de configuração. Dessa forma se faz necessário o levantamento de todos os dados específicos do Centro de Distribuição, para que os objetivos dessa etapa sejam atingidos dentro dos prazos estabelecidos no cronograma do projeto. Durante o processo de implementação são realizadas visitas ao CD, para que fossem levantados todos os dados necessários para garantir que todas as informações imputadas no novo sistema estivessem corretas. Sendo necessário medir e pesar alguns materiais, em alguns casos alguns fornecedores foram contatados para solicitação de que fossem atendidas algumas especificações para armazenagem. A etapa de implementação consiste no treinamento, no monitoramento da transição e a implementação em si. O treinamento é dado aos funcionários que são responsáveis pela operação diária no Centro de Distribuição.

29 Levantamentos de dados específicos do Armazém É imprescindível realizar o levantamento de todos os dados necessários a realização da configuração do sistema. Os principais dados e definições levantadas e validados são: 1. A planta baixa dos CDs com suas reais dimensões; 2. As dimensões dos locais para definição das capacidades; 3. As características de cada local, área ou região do CD; 4. As capacidades máximas de cada local; 5. A definição das unidades de medidas e conversões a serem utilizadas; 6. As características dos itens a serem armazenados; 7. As dimensões e pesos dos itens a serem armazenados; 8. A definição do perfil de cada item; 9. As operações de entrada e saída do CD; 10. Levantamento das reais necessidades de relatórios para a gestão do CD. 5.2 Identificações de Interfaces Todas as interfaces com os demais módulos do ERP envolvidos (Compras, Contas a Pagar, Contas a Receber, Faturamento, dentre outros) tiveram que ser identificadas nesse momento para que as providências, no que diz respeito a integração, fossem tomadas pelos grupos responsáveis pelas interfaces. Isto se faz necessário visto que o ERP é um sistema integrado e qualquer problema no WMS poderá refletir-se nos demais módulos que possuam interface com este. Durante a realização dos testes integrados é possível mapear toda a operação, desde a colocação dos pedidos no ERP feita pelo setor Comercial até a emissão da nota fiscal no Centro de Distribuição. Esta etapa é extremamente importante visto que qualquer falha na parametrização pode impactar diretamente na operação e conseqüentemente

30 30 no faturamento da empresa, detalhes mínimos como de quantos em quantos segundos as interfaces serão disparadas fazem toda a diferença. O diagrama que exemplifica a integração do WMS com o ERP encontrase no ANEXO C. 5.3 Parametrizações e integrações dos Módulos Envolvidos Nesse momento foi necessário buscar entender a cadeia logística como um todo, a utilização e desenvolvimento de mapas de processo (cartas de fluxo) ajudam a melhor compreender a cadeia logística interna das cadeias logísticas maiores. Uma cadeia fragmentada oferece riscos desnecessários, podendo interromper o fluxo de materiais e aumentar os custos. A integração pode trazer muitos benefícios tais como, custos diminuídos devido às operações balanceadas, eliminação das atividades que desperdiçam tempo ou não criam valor ao produto, melhoria no planejamento, no fluxo de produtos com movimentos mais rápidos e de confiança alem do aperfeiçoamento no serviço ao cliente. Os módulos do ERP ou outros sistemas de informação, que de alguma forma fazem interface com o modulo WMS, podem necessitar algum tipo de parametrização para que sejam atendidas todas as integrações e funcionalidades. Ao atingir este ponto foram necessárias varias reuniões com setores de TI, Comercial e Gerência de produção, a fim de repassar todos os processos realizados por estes setores no ERP que geravam informação para o WMS. Nesse momento também foi definido e documentado um procedimento para os usuários destes módulos, foram dados treinamentos e levantadas as necessidades de relatórios que permitissem um acompanhamento por parte destes setores visto que eles não teriam acesso ao WMS. Todos os produtos, locais e pallets também devem ser padronizados. Os endereços foram padronizados para facilitar a identificação no WMS, inclusive os locais de picking.

O último capítulo desta dissertação visa tecer conclusões a respeito do trabalho e sugerir algumas recomendações para estudos futuros.

O último capítulo desta dissertação visa tecer conclusões a respeito do trabalho e sugerir algumas recomendações para estudos futuros. 7 Conclusão O último capítulo desta dissertação visa tecer conclusões a respeito do trabalho e sugerir algumas recomendações para estudos futuros. A presente dissertação, conforme exposto no Capítulo 1,

Leia mais

6 Implantação do WMS na Empresa Alfa

6 Implantação do WMS na Empresa Alfa 6 Implantação do WMS na Empresa Alfa Dando continuidade ao estudo de caso sobre a implantação do WMS no CD da Empresa Alfa, este capítulo possui quatro objetivos: o primeiro é fazer uma breve descrição

Leia mais

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É DATA WAREHOUSE?... 2 3. O QUE DATA WAREHOUSE NÃO É... 4 4. IMPORTANTE SABER SOBRE DATA WAREHOUSE... 5 4.

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É DATA WAREHOUSE?... 2 3. O QUE DATA WAREHOUSE NÃO É... 4 4. IMPORTANTE SABER SOBRE DATA WAREHOUSE... 5 4. SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É DATA WAREHOUSE?... 2 3. O QUE DATA WAREHOUSE NÃO É... 4 4. IMPORTANTE SABER SOBRE DATA WAREHOUSE... 5 4.1 Armazenamento... 5 4.2 Modelagem... 6 4.3 Metadado... 6 4.4

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM WMS WAREHOUSE MANAGEMENT SYSTEM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ARMAZÉM/DEP M/DEPÓSITO WMS Software de gerenciamento de depósito que auxilia as empresas na busca de melhorias nos

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém Bloco Suprimentos WMS Gerenciamento de Armazém Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo WMS, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas foram

Leia mais

DATA WAREHOUSE. Introdução

DATA WAREHOUSE. Introdução DATA WAREHOUSE Introdução O grande crescimento do ambiente de negócios, médias e grandes empresas armazenam também um alto volume de informações, onde que juntamente com a tecnologia da informação, a correta

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Data Warehouse - Conceitos Hoje em dia uma organização precisa utilizar toda informação disponível para criar e manter vantagem competitiva. Sai na

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Lembrando... Aula 4 1 Lembrando... Aula 4 Sistemas de apoio

Leia mais

Data Warehousing. Leonardo da Silva Leandro. CIn.ufpe.br

Data Warehousing. Leonardo da Silva Leandro. CIn.ufpe.br Data Warehousing Leonardo da Silva Leandro Agenda Conceito Elementos básicos de um DW Arquitetura do DW Top-Down Bottom-Up Distribuído Modelo de Dados Estrela Snowflake Aplicação Conceito Em português:

Leia mais

Sistemas de Apoio à Decisão (SAD) - Senado

Sistemas de Apoio à Decisão (SAD) - Senado Sistemas de Apoio à Decisão (SAD) - Senado DW OLAP BI Ilka Kawashita Material preparado :Prof. Marcio Vitorino Sumário OLAP Data Warehouse (DW/ETL) Modelagem Multidimensional Data Mining BI - Business

Leia mais

Aplicação A. Aplicação B. Aplicação C. Aplicação D. Aplicação E. Aplicação F. Aplicação A REL 1 REL 2. Aplicação B REL 3.

Aplicação A. Aplicação B. Aplicação C. Aplicação D. Aplicação E. Aplicação F. Aplicação A REL 1 REL 2. Aplicação B REL 3. Sumário Data Warehouse Modelagem Multidimensional. Data Mining BI - Business Inteligence. 1 2 Introdução Aplicações do negócio: constituem as aplicações que dão suporte ao dia a dia do negócio da empresa,

Leia mais

Banco de Dados - Senado

Banco de Dados - Senado Banco de Dados - Senado Exercícios OLAP - CESPE Material preparado: Prof. Marcio Vitorino OLAP Material preparado: Prof. Marcio Vitorino Soluções MOLAP promovem maior independência de fornecedores de SGBDs

Leia mais

Data Warehousing Visão Geral do Processo

Data Warehousing Visão Geral do Processo Data Warehousing Visão Geral do Processo Organizações continuamente coletam dados, informações e conhecimento em níveis cada vez maiores,, e os armazenam em sistemas informatizados O número de usuários

Leia mais

Resumo dos principais conceitos. Resumo dos principais conceitos. Business Intelligence. Business Intelligence

Resumo dos principais conceitos. Resumo dos principais conceitos. Business Intelligence. Business Intelligence É um conjunto de conceitos e metodologias que, fazem uso de acontecimentos e sistemas e apoiam a tomada de decisões. Utilização de várias fontes de informação para se definir estratégias de competividade

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE ATIVIDADES DE IDENTIFICAÇÃO, LOCALIZAÇÃO E TRATAMENTO DE DADOS NA CONSTRUÇÃO DE UM DATA WAREHOUSE

CONSIDERAÇÕES SOBRE ATIVIDADES DE IDENTIFICAÇÃO, LOCALIZAÇÃO E TRATAMENTO DE DADOS NA CONSTRUÇÃO DE UM DATA WAREHOUSE CONSIDERAÇÕES SOBRE ATIVIDADES DE IDENTIFICAÇÃO, LOCALIZAÇÃO E TRATAMENTO DE DADOS NA CONSTRUÇÃO DE UM DATA WAREHOUSE Fabio Favaretto Professor adjunto - Programa de Pós Graduação em Engenharia de Produção

Leia mais

Data Warehouse Processos e Arquitetura

Data Warehouse Processos e Arquitetura Data Warehouse - definições: Coleção de dados orientada a assunto, integrada, não volátil e variável em relação ao tempo, que tem por objetivo dar apoio aos processos de tomada de decisão (Inmon, 1997)

Leia mais

Logistica e Distribuição

Logistica e Distribuição Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Armazenagem e Movimentação Primárias Apoio 1 2 A armazenagem corresponde a atividades de estocagem ordenada e a distribuição

Leia mais

Data Warehouses Uma Introdução

Data Warehouses Uma Introdução Data Warehouses Uma Introdução Alex dos Santos Vieira, Renaldy Pereira Sousa, Ronaldo Ribeiro Goldschmidt 1. Motivação e Conceitos Básicos Com o advento da globalização, a competitividade entre as empresas

Leia mais

5 Estudo de Caso. 5.1. Material selecionado para o estudo de caso

5 Estudo de Caso. 5.1. Material selecionado para o estudo de caso 5 Estudo de Caso De modo a ilustrar a estruturação e representação de conteúdos educacionais segundo a proposta apresentada nesta tese, neste capítulo apresentamos um estudo de caso que apresenta, para

Leia mais

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns WMS Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Informática Aplicada a Logística Profº Breno Amorimsexta-feira, 11 de setembro de 2009 Agenda

Leia mais

srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo

srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo CBSI Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação BI Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Tópicos Especiais em Sistemas de Informação Faculdade de Computação Instituto

Leia mais

Fundamentos da inteligência de negócios: gestão da informação e de bancos de dados

Fundamentos da inteligência de negócios: gestão da informação e de bancos de dados Fundamentos da inteligência de negócios: gestão da informação e de bancos de dados slide 1 1 Copyright 2011 Pearson Education, Inc. publishing as Prentice Hall Objetivos de estudo Como um banco de dados

Leia mais

3. Warehouse Management System (WMS)

3. Warehouse Management System (WMS) 3. Warehouse Management System (WMS) A necessidade de aprimorar as operações logísticas fez com que a empresa selecionada para o estudo de caso adotasse em seu Centro de Distribuição um sistema gerenciador

Leia mais

Bloco Administrativo

Bloco Administrativo Bloco Administrativo BI Business Intelligence Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Business Intelligence, que se encontra no Bloco Administrativo. Todas informações aqui

Leia mais

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Pós-Graduação Latu-Sensu em Gestão Integrada da Logística Disciplina: TI aplicado à Logística Professor: Mauricio Pimentel Alunos: RA Guilherme Fargnolli

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

Data Warehouses. Alunos: Diego Antônio Cotta Silveira Filipe Augusto Rodrigues Nepomuceno Marcos Bastos Silva Roger Rezende Ribeiro Santos

Data Warehouses. Alunos: Diego Antônio Cotta Silveira Filipe Augusto Rodrigues Nepomuceno Marcos Bastos Silva Roger Rezende Ribeiro Santos Data Warehouses Alunos: Diego Antônio Cotta Silveira Filipe Augusto Rodrigues Nepomuceno Marcos Bastos Silva Roger Rezende Ribeiro Santos Conceitos Básicos Data Warehouse(DW) Banco de Dados voltado para

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI Noções de sistemas de informação Turma: 01º semestre Prof. Esp. Marcos Morais

Leia mais

WMS - Warehouse Management System

WMS - Warehouse Management System Sistema de Gestão Empresarial LUSANA SOUZA NATÁLIA BATUTA MARIA DAS GRAÇAS TATIANE ROCHA GTI V Matutino Prof.: Itair Pereira Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 2. WMS... 2 3. SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO... 2 4. POLÍTICA

Leia mais

DATA WAREHOUSE. Rafael Ervin Hass Raphael Laércio Zago

DATA WAREHOUSE. Rafael Ervin Hass Raphael Laércio Zago DATA WAREHOUSE Rafael Ervin Hass Raphael Laércio Zago Roteiro Introdução Aplicações Arquitetura Características Desenvolvimento Estudo de Caso Conclusão Introdução O conceito de "data warehousing" data

Leia mais

Aline França a de Abreu, Ph.D

Aline França a de Abreu, Ph.D Aline França a de Abreu, Ph.D igti.eps.ufsc.br 07 / 10/ 04 Núcleo de estudos Criado em 1997 - UFSC/EPS Equipe multidisciplinar, com aproximadamente 20 integrantes OBJETIVO Gerar uma competência e uma base

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE TI APLICADA A ARMAZENAGEM Por: Jaqueline Duarte de Mendonça Orientador Prof. Luiz Cláudio Lopes Alves D. SC. Rio de Janeiro

Leia mais

TÓPICOS AVANÇADOS EM ENGENHARIA DE SOFTWARE

TÓPICOS AVANÇADOS EM ENGENHARIA DE SOFTWARE TÓPICOS AVANÇADOS EM ENGENHARIA DE SOFTWARE Engenharia de Computação Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto OLPT x OLAP Roteiro OLTP Datawarehouse OLAP Operações OLAP Exemplo com Mondrian e Jpivot

Leia mais

WMS Warehouse Management System

WMS Warehouse Management System WMS Warehouse Management System [Digite seu endereço] [Digite seu telefone] [Digite seu endereço de email] MANUAL MANUAL AVANÇO INFORMÁTICA AVANÇO INFORMÁTICA Material Desenvolvido para a Célula Materiais

Leia mais

Trata-se de uma estratégia de negócio, em primeira linha, que posteriormente se consubstancia em soluções tecnológicas.

Trata-se de uma estratégia de negócio, em primeira linha, que posteriormente se consubstancia em soluções tecnológicas. CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT Customer Relationship Management CRM ou Gestão de Relacionamento com o Cliente é uma abordagem que coloca o cliente no centro dos processos do negócio, sendo desenhado

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Data Warehouse. Debora Marrach Renata Miwa Tsuruda

Data Warehouse. Debora Marrach Renata Miwa Tsuruda Debora Marrach Renata Miwa Tsuruda Agenda Introdução Contexto corporativo Agenda Introdução Contexto corporativo Introdução O conceito de Data Warehouse surgiu da necessidade de integrar dados corporativos

Leia mais

Logística Integrada. Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente.

Logística Integrada. Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente. Logística Integrada Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente. Ballou (1993) Fonte: BALLOU, R. H. Logística Empresarial.

Leia mais

Adriano Maranhão BUSINESS INTELLIGENCE (BI),

Adriano Maranhão BUSINESS INTELLIGENCE (BI), Adriano Maranhão BUSINESS INTELLIGENCE (BI), BUSINESS INTELLIGENCE (BI) O termo Business Intelligence (BI), popularizado por Howard Dresner do Gartner Group, é utilizado para definir sistemas orientados

Leia mais

Módulo 2. Definindo Soluções OLAP

Módulo 2. Definindo Soluções OLAP Módulo 2. Definindo Soluções OLAP Objetivos Ao finalizar este módulo o participante: Recordará os conceitos básicos de um sistema OLTP com seus exemplos. Compreenderá as características de um Data Warehouse

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

Ferramentas de Back End

Ferramentas de Back End Ferramentas de Back End Por Eliane Martins de Sousa, pós-graduada em Sistemas de Informações Inteligentes pelo CRRM - Université Aix-Marseille III, (Fr) e Analista de Sistemas da Caixa Econômica Federal

Leia mais

Data Warehouse. Diogo Matos da Silva 1. Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, MG, Brasil. Banco de Dados II

Data Warehouse. Diogo Matos da Silva 1. Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, MG, Brasil. Banco de Dados II Data Warehouse Diogo Matos da Silva 1 1 Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, MG, Brasil Banco de Dados II Diogo Matos (DECOM - UFOP) Banco de Dados II Jun 2013 1 /

Leia mais

SOBRE A SOFTLOG. APRESENTAÇÃO - SoftLog LOGuinho

SOBRE A SOFTLOG. APRESENTAÇÃO - SoftLog LOGuinho SOBRE A SOFTLOG A SoftLog Tecnologia é uma empresa especializada no desenvolvimento de soluções tecnológicas para empresas e instituições de diversos modais de transporte. Dentre os diversos tipos de soluções

Leia mais

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Sistema Tipos de sistemas de informação Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Um sistema pode ser definido como um complexo de elementos em interação (Ludwig Von Bertalanffy) sistema é um conjunto

Leia mais

Prova INSS RJ - 2007 cargo: Fiscal de Rendas

Prova INSS RJ - 2007 cargo: Fiscal de Rendas Prova INSS RJ - 2007 cargo: Fiscal de Rendas Material de Apoio de Informática - Prof(a) Ana Lucia 53. Uma rede de microcomputadores acessa os recursos da Internet e utiliza o endereço IP 138.159.0.0/16,

Leia mais

Business Intelligence e ferramentas de suporte

Business Intelligence e ferramentas de suporte O modelo apresentado na figura procura enfatizar dois aspectos: o primeiro é sobre os aplicativos que cobrem os sistemas que são executados baseados no conhecimento do negócio; sendo assim, o SCM faz o

Leia mais

Sistemas de Informação: tipos e características

Sistemas de Informação: tipos e características Sistemas de Informação: tipos e características Tipos de sistemas de informação. Os quatro tipos principais de sistemas de informação. Sistemas do ponto de vista de pessoal Sistemas de processamento de

Leia mais

01/12/2009 BUSINESS INTELLIGENCE. Agenda. Conceito. Segurança da Informação. Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento.

01/12/2009 BUSINESS INTELLIGENCE. Agenda. Conceito. Segurança da Informação. Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento. BUSINESS INTELLIGENCE Agenda BI Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento Segurança da Objetivo Áreas Conceito O conceito de Business Intelligencenão é recente: Fenícios, persas, egípcios

Leia mais

Estudar os Sistemas de Processamento de Transação (SPT)

Estudar os Sistemas de Processamento de Transação (SPT) Estudar a Colaboração Empresarial. Objetivos do Capítulo Estudar os Sistemas de Processamento de Transação (SPT) Identificar o papel e alternativas de relatórios dos sistemas de informação gerencial. Estudar

Leia mais

SAD orientado a DADOS

SAD orientado a DADOS Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Sistemas de Informação Prof.: Maico Petry SAD orientado a DADOS DISCIPLINA: Sistemas de Apoio a Decisão SAD orientado a dados Utilizam grandes repositórios

Leia mais

TÉCNICAS DE INFORMÁTICA WILLIAN FERREIRA DOS SANTOS

TÉCNICAS DE INFORMÁTICA WILLIAN FERREIRA DOS SANTOS TÉCNICAS DE INFORMÁTICA WILLIAN FERREIRA DOS SANTOS Vimos em nossas aulas anteriores: COMPUTADOR Tipos de computadores Hardware Hardware Processadores (CPU) Memória e armazenamento Dispositivos de E/S

Leia mais

Os Sistemas de Informação e a Evolução das Organizações

Os Sistemas de Informação e a Evolução das Organizações Os Sistemas de Informação e a Evolução das Organizações Leonardo C. de Oliveira1, Diogo D. S. de Oliveira1, Noemio C. Neto 1, Norberto B. de Araripe1, Thiago N. Simões1, Antônio L. M. S. Cardoso 1,2 1.Introdução

Leia mais

Áreas de utilização do GED e o que levar em consideração no Projeto de Implantação de GED em uma empresa Simone de Abreu

Áreas de utilização do GED e o que levar em consideração no Projeto de Implantação de GED em uma empresa Simone de Abreu Áreas de utilização do GED e o que levar em consideração no Projeto de Implantação de GED em uma empresa Simone de Abreu Cerca de dois milhões de pessoas estão trabalhando em aproximadamente 300 mil projetos

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

Uma Arquitetura de Gestão de Dados em Ambiente Data Warehouse

Uma Arquitetura de Gestão de Dados em Ambiente Data Warehouse Uma Arquitetura de Gestão de Dados em Ambiente Data Warehouse Alcione Benacchio (UFPR) E mail: alcione@inf.ufpr.br Maria Salete Marcon Gomes Vaz (UEPG, UFPR) E mail: salete@uepg.br Resumo: O ambiente de

Leia mais

onda Logistics powered by Quantum

onda Logistics powered by Quantum onda Logistics powered by Quantum Sonda IT Fundada no Chile em 1974, a Sonda é a maior companhia latino-americana de soluções e serviços de TI. Presente em 10 países, tais como Argentina, Brasil, Chile,

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento Logístico Gerenciamento Logístico A missão do gerenciamento logístico é planejar

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

Parametrização Básica WMS

Parametrização Básica WMS Parametrização Básica WMS Sumário Definindo Parâmetros Gerais... 4 Parâmetros... 5 Conferência... 6 Integração... 7 Pick / Pack... 8 Tarefa... 10 Etiqueta... 11 Produção... 12 Integração do Produto...

Leia mais

ARMAZENAGEM E T.I. Prof.: Disciplina Integrantes

ARMAZENAGEM E T.I. Prof.: Disciplina Integrantes ARMAZENAGEM E T.I. Pós-Graduação em Gestão Integrada da Logística Turma: GIL131M - 2013 Universidade São Judas Tadeu Prof.: Ms. Maurício Pimentel Disciplina: Tecnologia da Informação Aplicada a Logística

Leia mais

Modelagem de Sistemas de Informação

Modelagem de Sistemas de Informação Modelagem de Sistemas de Informação Professora conteudista: Gislaine Stachissini Sumário Modelagem de Sistemas de Informação Unidade I 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO...1 1.1 Conceitos...2 1.2 Objetivo...3 1.3

Leia mais

BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios-

BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios- UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS, HUMANAS E SOCIAIS BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios- Curso: Administração Hab. Sistemas de Informações Disciplina: Gestão de Tecnologia

Leia mais

ÍNDICE. Apresentação do produto Impacto no negócios Telas do sistemamódulos do sistema Mobilize Stock Mobilize Store A Handcom Contato

ÍNDICE. Apresentação do produto Impacto no negócios Telas do sistemamódulos do sistema Mobilize Stock Mobilize Store A Handcom Contato ÍNDICE Apresentação do produto Impacto no negócios Telas do sistemamódulos do sistema Mobilize Stock Mobilize Store A Handcom Contato Apresentação do produto O Mobilize é uma solução mobile modular para

Leia mais

A Tecnologia de Informação na Gestão de Armazenagem

A Tecnologia de Informação na Gestão de Armazenagem A Tecnologia de Informação na Gestão de Armazenagem Nádia Veríssimo (EESC-USP) nadiaverissimo@hotmail.com Prof. Dr. Marcel Andreotti Musetti (EESC-USP) musetti@prod.eesc.sc.usp.br Resumo Este trabalho

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Dimensões de análise dos SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n Os sistemas de informação são combinações das formas de trabalho, informações, pessoas

Leia mais

Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN)

Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN) Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN) SISTEMAS COM ERP Profº Adalberto J. Tavares Vieira ERP

Leia mais

Aspectos Gerais da Tecnologia da Informação na Logística

Aspectos Gerais da Tecnologia da Informação na Logística Aspectos Gerais da Tecnologia da Informação na Logística Tiago César Palombo Cabrera 1 (FECILCAM) kimi.cabrera@hotmail.com Tainara Rigotti de Castro 2 (FECILCAM) tayrigotti@hotmail.com Rosimeire Expedita

Leia mais

Interatividade aliada a Análise de Negócios

Interatividade aliada a Análise de Negócios Interatividade aliada a Análise de Negócios Na era digital, a quase totalidade das organizações necessita da análise de seus negócios de forma ágil e segura - relatórios interativos, análise de gráficos,

Leia mais

Planejamento operacional e sistemas automatizados de gestão de recursos organizacionais. Prof. Gilberto Porto porto@gilbertoporto.com.

Planejamento operacional e sistemas automatizados de gestão de recursos organizacionais. Prof. Gilberto Porto porto@gilbertoporto.com. Planejamento operacional e sistemas automatizados de gestão de recursos organizacionais Prof. Gilberto Porto porto@gilbertoporto.com.br Sistemas de Informação SE SSD/ SAE Estratégico Tipos de decisão Não

Leia mais

GESTÃO DE MATERIAIS: ALMOXARIFADO HOSPITALAR

GESTÃO DE MATERIAIS: ALMOXARIFADO HOSPITALAR José Neto Aristides da Silva Graduando em Logística pelo Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM), Rio de Janeiro, RJ, Brasil jneto12@gmail.com José Claudio de Souza Lima Mestre em Engenharia de Produção

Leia mais

Gerenciamento de Dados e Gestão do Conhecimento

Gerenciamento de Dados e Gestão do Conhecimento ELC1075 Introdução a Sistemas de Informação Gerenciamento de Dados e Gestão do Conhecimento Raul Ceretta Nunes CSI/UFSM Introdução Gerenciando dados A abordagem de banco de dados Sistemas de gerenciamento

Leia mais

Sociedade do Conhecimento

Sociedade do Conhecimento Gerenciamento (Gestão) Eletrônico de Documentos GED Introdução Gerenciamento Eletrônico de Documentos - GED Sociedade do Conhecimento Nunca se produziu tanto documento e se precisou de tanta velocidade

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE PLUG-INS KETTLE PARA GERAÇÃO DE MONDRIAN SCHEMA A PARTIR DE BASES RELACIONAIS, UTILIZANDO A METODOLOGIA AGILE ROLAP.

DESENVOLVIMENTO DE PLUG-INS KETTLE PARA GERAÇÃO DE MONDRIAN SCHEMA A PARTIR DE BASES RELACIONAIS, UTILIZANDO A METODOLOGIA AGILE ROLAP. DESENVOLVIMENTO DE PLUG-INS KETTLE PARA GERAÇÃO DE MONDRIAN SCHEMA A PARTIR DE BASES RELACIONAIS, UTILIZANDO A METODOLOGIA AGILE ROLAP. Eduardo Cristovo de Freitas Aguiar (PIBIC/CNPq), André Luís Andrade

Leia mais

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações II

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações II Curso de Graduação em Administração Administração da Produção e Operações II 19º Encontro - 09/10/2011 18:50 às 20:30h COMO SERÁ NOSSO ENCONTRO HOJE? - ABERTURA - TECNOLOGIA DE PROCESSAMENTO DE INFORMAÇÃO

Leia mais

Sistemas de Informação. Sistemas Integrados de Gestão ERP

Sistemas de Informação. Sistemas Integrados de Gestão ERP Sistemas de Informação Sistemas Integrados de Gestão ERP Exercício 1 Um arame é cortado em duas partes. Com uma das partes é feito um quadrado. Com a outra parte é feito um círculo. Em que ponto deve ser

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Conceitos avançados da Logística com foco na TI 20/08/2011. O Efeito Chicote - (Bullwhip effect)

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Conceitos avançados da Logística com foco na TI 20/08/2011. O Efeito Chicote - (Bullwhip effect) Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Logística empresarial e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Conceitos avançados da Logística com foco na TI Disciplina: Tecnologia da Informação (TI) Aplicada à

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Fases para um Projeto de Data Warehouse. Fases para um Projeto de Data Warehouse. Fases para um Projeto de Data Warehouse

Fases para um Projeto de Data Warehouse. Fases para um Projeto de Data Warehouse. Fases para um Projeto de Data Warehouse Definição escopo do projeto (departamental, empresarial) Grau de redundância dos dados(ods, data staging) Tipo de usuário alvo (executivos, unidades) Definição do ambiente (relatórios e consultas préestruturadas

Leia mais

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais.

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais. MÓDULO II Qualificação Técnica de Nível Médio ASSISTENTE DE LOGÍSTICA II.1 Gestão de Recursos e Materiais Função: Operação da Cadeia de materiais 1. Contextualizar a importância da Administração de materiais

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 Sistema de Informação SI baseado em computadores Organização, administração e estratégia Professora: Cintia Caetano INTRODUÇÃO Sistemas de Informação são parte

Leia mais

Sobre o que falaremos nesta aula?

Sobre o que falaremos nesta aula? Business Intelligence - BI Inteligência de Negócios Prof. Ricardo José Pfitscher Elaborado com base no material de: José Luiz Mendes Gerson Volney Lagmman Introdução Sobre o que falaremos nesta aula? Ferramentas

Leia mais

Chapter 3. Análise de Negócios e Visualização de Dados

Chapter 3. Análise de Negócios e Visualização de Dados Chapter 3 Análise de Negócios e Visualização de Dados Objetivos de Aprendizado Descrever a análise de negócios (BA) e sua importância par as organizações Listar e descrever brevemente os principais métodos

Leia mais

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos Universidade Cruzeiro do Sul Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos 2010 0 O Processo pode ser entendido como a sequência de atividades que começa na percepção das necessidades explícitas

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

Aplicações de GED. Aplicações de GED. Document imaging. Document imaging

Aplicações de GED. Aplicações de GED. Document imaging. Document imaging Aplicações de GED Processamento, arquivamento e recuperação de documentos (Document Imaging) Gerenciamento de documentos (Document Management) Sistema de Gerenciamento de documentos técnicos (engineering

Leia mais

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO Rosenclever Lopes Gazoni Data MACROPROCESSO [1] AUTOMAÇÃO DE ESCRITÓRIO/COMERCIAL: Correio eletrônico; vídeo texto; vídeo conferência; teleconferência;

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

Módulo 6. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor.

Módulo 6. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor. Módulo 6 Módulo 6 Desenvolvimento do projeto com foco no negócio BPM, Análise e desenvolvimento, Benefícios, Detalhamento da metodologia de modelagem do fluxo de trabalho EPMA. Todos os direitos de cópia

Leia mais

Data Warehouse: uma classificação de seus Custos e Benefícios

Data Warehouse: uma classificação de seus Custos e Benefícios Data Warehouse: uma classificação de seus Custos e Benefícios Marcos Paulo Kohler Caldas (CEFET-ES/CEFET-PR) marcospaulo@cefetes.br Prof. Dr. Luciano Scandelari (CEFET-PR) luciano@cefetpr.br Prof. Dr.

Leia mais

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Manuseio de Materiais / Gestão de Informações Primárias Apoio 1 2 Manuseio de Materiais Refere-se aos deslocamentos de materiais

Leia mais

18. Qualidade de Dados em Data Warehouse - Objetivos e Sucesso

18. Qualidade de Dados em Data Warehouse - Objetivos e Sucesso 18. Qualidade de Dados em Data Warehouse - Objetivos e Sucesso Uma das características das Ciências Exatas é a precisão das informações obtidas; a segurança dos dados extraídos nos processos usados. Cálculos

Leia mais

Integração Access-Excel para produzir um sistema de apoio a decisão que simula um Data Warehouse e OLAP

Integração Access-Excel para produzir um sistema de apoio a decisão que simula um Data Warehouse e OLAP Integração Access-Excel para produzir um sistema de apoio a decisão que simula um Data Warehouse e OLAP Wílson Luiz Vinci (Faculdades IPEP) wilson@cnptia.embrapa.br Marcelo Gonçalves Narciso (Embrapa Informática

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS Linha de pesquisa: Sistema de informação gerencial Pâmela Adrielle da Silva Reis Graduanda do Curso de Ciências

Leia mais

Armazenagem & Automação de Instalações. Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins

Armazenagem & Automação de Instalações. Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins Armazenagem & Automação de Instalações Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins 1 Sumário - Armazenagem Estratégica - Automação na Armazenagem 2 Armazenagem -

Leia mais

Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu;

Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu; Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu; Fazemos uma parceria total com o cliente, combinando redução de custos fixos e otimização de recursos

Leia mais