Disciplina: Sistemas de Informação Gerencial Prof.: Érico Oda. Aula 10 Tema: Sistemas de Apoio à Decisão Business Intelligence

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Disciplina: Sistemas de Informação Gerencial Prof.: Érico Oda. Aula 10 Tema: Sistemas de Apoio à Decisão Business Intelligence"

Transcrição

1 Disciplina: Sistemas de Informação Gerencial Prof.: Érico Oda Aula 10 Tema: Sistemas de Apoio à Decisão Business Intelligence Nossa capacidade de coletar e armazenar dados ultrapassou em muito a nossa habilidade de analisar, resumir e extrair conhecimentos, a partir destes dados. Harry S.Singh (2001,p.XXI) SUMÁRIO 1. A Organização Inteligente BI-Business Intelligence e o apoio à decisão; Formalização de Business Intelligence Vantagens e Benefícios de um Business Intelligence Formal: SAD - Sistemas de apoio à Decisão SAD s baseados em dados SAD baseados em modelos Datawarehouse, DataMarts e Metadados Datawarehouse (DW) Data Marts Metadados Data mining - Ferramentas OLAP cubo de decisões Operações em SAD s baseados em modelos SAD Funcionais em Empresas - DataMarts SAD em Marketing SAD de Produção e Operações SAD de Recursos Humanos SAD de Finanças... 12

2 1. A Organização Inteligente Uma empresa inteligente é aquela que implementa e utiliza mecanismos de integração, análise e exploração de informações a respeito de seu desempenho, e ferramentas para estudar e interpretar o meio ambiente composto pelo mundo complexo formado pela globalização. Executa isto obtendo e manipulando diversas variáveis simultaneamente, rastreando acontecimentos externos e internos para orienta e executar ações em respostas adequadas aos mesmos. Estabelece estratégias de negócios e estruturas empresariais, voltadas para as necessidades existentes para enfrentar os desafios estabelecidos, e para alcançar a sua visão de futuro, concretizando os objetivos e metas do planejamento estratégico. 2. BI-Business Intelligence e o apoio à decisão; As Tecnologias de Informação, com suas características de capturar, armazenar, processar e recuperar dados e informações de forma cada vez mais ágil, ampla e precisa, têm a capacidade de abastecer, de forma volumosa e maciça, o processo de formação de conhecimentos. A questão é que este processo e formado pelos relacionamentos das informações e de suas interpretações requerem uma velocidade cada vez maior, superior ao tempo demandado pelas limitações biológicas do raciocínio humano Formalização de Business Intelligence A solução foi a estruturação dos processos mentais de geração e gestão de conhecimentos e, com utilização das mesmas TI s que geram os dados e informações, possibilitar a transposição destes processos e seus mecanismos mentais básicos, nas tarefas mais usuais e padronizáveis, para sistemas computadorizados. Os conhecimentos, que antes eram tratados e obtidos por mentes profissionais de forma tácita e empírica, mediante acúmulos de experiências anteriores na memória, e resgatados e utilizados com talentos analíticos e dedutivos individuais destes profissionais, podem agora ser estruturados e disseminados de forma explícita e metodizada, com ferramentas estruturadas por um SAD Sistema de Apoio à Decisão Vantagens e Benefícios de um Business Intelligence Formal: A adoção de um sistema formal de Business Intelligence, reflete diretamente na sobrevivência e desenvolvimento da empresa na nova economia, globalizada e fundamentada no domínio do conhecimento, dotando-a de inteligência competitiva que garanta o seu lugar no mercado. As principais vantagens e benefícios propiciados pela utilização de um Sistema de Apoio à Decisão e de Business Intelligence: Detectar e conhecer novas tecnologias, produtos ou processos de interesse da empresa; Prever mudanças na sociedade, no mercado e dos clientes, atuais e potenciais;

3 Antecipar e/ou prever ações da concorrência e/ou descobrir novos ou potenciais competidores; Analisar e revisar as práticas de negócio adotadas; Pesquisar e apoiar a implementação de novas ferramentas gerenciais; Aprender com as falhas e os sucessos próprios e dos outros; Pesquisar e conhecer suas possíveis parcerias e aquisições; Pesquisar e elaborar planos de novos negócios; Etc. 3. SAD - Sistemas de apoio à Decisão Enquanto o SIG aborda primordialmente problemas estruturados, o SAD dá apoio à análise de problemas semi-estruturados e não estruturados. (Laudon & Laudon, 207, p.307). Os SIG s - Sistemas de Informação Gerencial - que automatizam as transações e operações de uma empresa, capturam e armazenam dados em formatos e estruturas que privilegiam a precisão e velocidade na realização destas tarefas. Os SIG s fornecem ainda consultas e relatórios de informações gerenciais, mas constituídos principalmente pelas totalizações e consolidações destes dados, a partir de formatos operacionais com que são armazenados. A forma das tabelas e arquivos, concebidas para realizar e agilizar as transações apresenta uma anatomia e morfologia inadequada ao processo de formação de conhecimentos multifacetados, necessários aos tomadores de decisão. Para suprir esta necessidade surgiram os SAD s. Os Sistemas de Apoio à Decisão (SAD s ou DDS-Decision Suport System) são sistemas informatizados que possuem e disponibilizam ferramentas lógicas e matemáticas, com algoritmos flexíveis e combinados de acordo com a necessidade, que substituem os processos e mecanismos mentais de análise e tratamento seletivos de dados e informações. Formalizam e instrumentam o Business Intelligence. Estes sistemas reestruturam os dados operacionais, potencializando as tarefas mentais humanas dotando-as de precisão, velocidade e a capacidade de tratar grandes volumes de dados, de forma limitada apenas pelas capacidades de processamento e armazenamento dos computadores utilizados. SAD s, então, compõem um ambiente projetado para apoiar, contribuir e influenciar o processo de tomada de decisão (Colaço Jr., 2004,p.11). Estes sistemas podem abranger todos os dados internos relevantes da organização que, somados a diferentes dados referentes a variáveis e entidades do meio externo (sociedade, mercado e concorrência), adquiridos e armazenados conforme necessidades determinadas no projeto do SAD, dotam a empresa de Inteligência Competitiva para embasar os processos de decisões estratégicas (Barbieri, 2001, p.6) Com a disseminação do uso de TI s nas empresas, com acessos a fontes diversificadas de dados e informações, o problema não é mais a escassez ou falta de dados, mas sim a habilidade e a competência de relacionamento e interpretação de grandes volumes de dados na construção do contexto de conhecimentos que permita a melhor tomada de decisão, compreendendo os seguintes processos: selecionar as informações pertinentes ao assunto, priorizá-las de acordo com a sua relevância no contexto; analisar e interpretar os seus significados para a decisão;

4 relacionar e conectar as informações existentes e sintetizar as opções possíveis da decisão; construir um modelo mental dos mecanismos afetados pela decisão; simular os prováveis cenários resultantes das diversas opções da decisão; tomar a decisão e deflagrar as ações; verificar se os resultados foram os pretendidos. se os objetivos não foram totalmente atingidos, inicia-se novamente o ciclo para uma nova decisão. Os SAD s podem ser classificados em dois tipos básicos aplicados nas situações empresariais com as suas combinações possíveis: SAD s baseados em dados e os baseados em modelos SAD s baseados em dados Os SAD s baseados em dados são constituídos fundamentalmente de um Datawarehouse ou armazém de dados, que podem ser formados (ou não) de vários Datamarts (armazéns de dados específicos), contendo dados e informações consolidados e integrados a partir dos bancos de dados operacionais, a respeito de um aspecto ou tema do negócio da empresa. Ex: um grupo financeiro pode ter dados, a respeito de cada um dos seus clientes, nos sistemas do banco comercial, da financeira, da seguradora e na corretora de valores mobiliários do grupo. São arquivos formatados de acordo com a estrutura dos temas e suas informações selecionadas como necessárias aos processos de tomada de decisão, e alimentados com a periodicidade e necessidade de atualização dos mesmos, a partir dos dados dos sistemas originais. Ex: Informações de um cliente do grupo financeiro: saldos positivos, negativos e médios na conta bancária; financiamentos concedidos e posição de pagamentos das respectivas parcelas; seguros contratados, pagamentos de prêmios e reembolsos realizados; saldos, aplicações financeiras e resgates realizados por período. Estas informações podem ser atualizadas diariamente, semanalmente e/ou mensalmente, a depender de suas periodicidades de ocorrência e da determinação das necessidades dos seus usuários. A alimentação é efetivada de forma cumulativa, não alterando informações anteriores, de forma a preservar o histórico, por operações ETL Extract (extrair), Transform (transformar) e Load (carregar), mediante um conjunto de programas denominado de middleware, encarregados de conectar os Datawarehouse com os bancos de dados transacionais, de onde os dados primários se originam. Ex: Um cliente, atualmente inadimplente nos sistemas do banco, pode ter sido durante vários anos um cliente importante e de posses, com significativas movimentações financeiras anteriores e, conseqüentemente, de interesse futuro do grupo financeiro. A adoção de um Datawarehouse próprio e de uso específico por parte dos SADs/BI independente dos bancos de dados onde se registram as operações primárias dos sistemas aplicativos de onde se originam os dados, é de suma importância para ambas as partes (aplicativos e Bis), pois uma consulta ou busca de informações consolidadas e/ou relacionadas nos dados originais consumiria muitos recursos de processamento e demandaria um tempo excessivo. O consumo de capacidade computacional prejudicaria os aplicativos e o tempo excessivo comprometeria a agilidade do BI.

5 3.2. SAD baseados em modelos São sistemas que modelam e formalizam processos mentais de elaboração de opções de decisão, mediante escolhas e depurações lógicas programáveis, com a utilização de funções matemáticas e/ou lógicas, estruturadas por algoritmos matemáticos, lógicos, estatísticos, financeiros etc., e que executam automaticamente as tarefas de construção de opções para as decisões a tomar, possibilitando a construção de cenários decorrentes de cada uma das opções analisadas e existentes. São modelos que utilizam as combinações de análises mentais tais como e se, se-então e façaenquanto, de forma encadeada e recorrente. São, em sua maioria, ferramentas resultantes de análises sistemáticas de Datawarehouses de SAD s baseados em dados que, com a aplicação de técnicas e princípios lógicos, matemáticos e estatísticos, podem apresentar padrões recorrentes de inter-relacionamentos e de correlações de comportamentos de diversas variáveis, que passam a formar a equação de dependência entre estas variáveis. Utilizados em conjunto com os demais bancos de dados de SADs, também podem ser classificados como SAD s mistos (baseados em modelos e também em dados) Ex: Clientes que fazem o financiamento de imóveis e veículos, normalmente também fazem seguro para os mesmos, em determinado montante do bem financiado. São utilizados intensivamente para facilitar as elaboração de etapas de decisões mais objetivas e que envolvam variáveis quantitativas, relacionadas lógica e/ou matematicamente, e que possam ser monitoradas e mensuradas em seu comportamento, e que tenham os graus de liberdades admissíveis conhecidos e controláveis. Ex: sistemas de decisão de produção de uma indústria, para determinar quais clientes e pedidos a atender, considerando os tipos de produtos, prazos de entrega, quantidades a entregar, capacidades produtivas de máquinas e pessoas, matérias-primas disponíveis etc. Com estas variáveis devidamente relacionadas pode-se equacionar e manipular os clientes e pedidos a atender, em quantidades e a seqüência de entrega mais adequados, simulando as diversas possibilidades e situações deste atendimento. 4. Datawarehouse, DataMarts e Metadados Um datawarehouse armazena dados que foram extraídos dos vários bancos de dados de uma organização, sejam eles operacionais, externos ou de outra espécie. É uma fonte central de dados já trabalhados, transformados e catalogados, portanto, prontos para serem utilizados por gerentes e outros profissionais da empresa para datamining, processamento analítico online e outras formas de análise empresarial, pesquisa de mercado e apoio à decisão. ( O Brien, 2004, p. 142) Datawarehouse (DW) Os DW s DataWarehouses, peças centrais de SAD s, são Bancos de Dados composto normalmente de tabelas e arquivos de dados cumulativos e não voláteis, formatados e estruturados segundo a conveniência de utilização nas decisões, para obtenção de consultas, resumos e posições, propiciando flexibilidade na combinação,

6 cruzamentos e relacionamentos de informações, bem como a agilidade na recuperação e disponibilização das mesmas. Podem conter dados atuais e antigos, com uma granulometria (detalhamento) de dados determinada em seu projeto, pelas necessidades de análise e aprofundamento das informações a serem pesquisadas nos mesmos, podendo também conter dados já sumarizados para as consultas mais freqüentes Data Marts O DM - Data Mart é um subconjunto dos dados contidos em um DataWarehouse extraído para um ambiente separado (Colaço Fr., 2004, p.18), geralmente segregados segundo critérios de uso de cada uma destas partes, visando melhorar o desempenho e segurança dos SAD s. As empresas estruturam o projeto de datawarehouses em datamarts departamentais para suprir necessidades específicas de determinados grupos de decisores dentro da organização. Como são menores que um DW completo, requer um tempo menor de implementação e podem ser concretizados isoladamente e posteriormente consolidados e integrados em um único conjunto de dados estratégicos da empresa - DW. As diferenças entre os datamarts e o data warehouse são relacionadas ao tamanho e aos escopos dos dados e dos problemas a ser resolvidos. Um DM aborda problemas departamentais ou de determinado local, enquanto um DW envolve as informações da companhia toda para que o suporte à decisões atue em todos os níveis da organização. Devido a estas diferenças entre escopo e tamanho, o desenvolvimento de um DW requer tempo, dados e investimentos gerenciais muito maiores que um DM. O DM apresenta diversas diferenças e vantagens em relação ao DW, entre as quais: Reduzem o custo de implantação e manutenção de SAD s departamentais; Podem ser projetados e prototipados de forma mais rápida que os DW; Têm os escopos mais específicos e limitados e, por isso são mais identificados com as necessidades dos usuários, o que colabora para o seu uso e aceitação; Por serem menores, geralmente são mais ágeis e flexíveis, dentro de suas limitações; Graças a estas características, os DM s têm sido utilizados para implantações pilotos, inclusive para implantar gradativamente a cultura de tomar decisões com base em dados reais e concretos nas organizações dirigidas pela intuição e talento de seus profissionais Metadados Metadado é o componente mais importante do datawarehouse. O metadado contém dados sobre os dados (Singh, 2001, p.23). O metadado situa-se em uma dimensão diferente dos outros dados do datawarehouse, porque a sua existência, forma e conteúdo são definidos respectivamente no contexto, no projeto e nas alimentações sucessivas dos dados operacionais. Tratam das informações sobre as origens dos dados, tais como data de obtenção/alimentação, sistema original, ferramentas que os geraram e trataram para compor o datawarehouse. Também são importantes dados sobre os responsáveis pelo conteúdo, quem o administra e de todas as informações que transmitam aos usuários as amplitudes e restrições do DW, com a rastreabilidade de sua origem.

7 Os metadados podem ser estruturados em três partes em camadas diferentes: Metadados operacionais: definem o dicionário e a estrutura dos dados originais, mantidos pelos bancos operacionais, usados pelas aplicações transacionais da empresa, para possibilitar a manutenção das conexões entre os SIG s e o SAD; Metadados centrais: dicionário de dados do DW, orientados por tema, especificando como os dados transformados devem ser interpretados, inclusive com as definições de agregações e cálculos utilizados dos campos, e os cruzamentos de temas, para a sua correta alimentação e operação; Metadados para os usuários: organizam os metadados do DW para conceitos que sejam familiares e adequados aos usuários finais. Figura 1: Datawarehouse genérico Fonte: Datawarehouse: Um Ambiente EstruturadoMichel de Souza em acesso em 27/09/ Data mining - Ferramentas OLAP cubo de decisões A extração de informações de um DW ou de um DM, com a utilização de ferramentas lógicas, denomina-se Datamining- ou garimpagem de dados. Para a realização desta garimpagem e obter a utilização plena e correta dos DW e DM, o usuário necessita de ferramentas ágeis e flexíveis de construção, recuperação e exposição das informações requeridas para o processo de tomada de decisão. Segundo Colaço Jr. (2004,p.26 e 27) as ferramentas OLAP, On Line Analytic Processing - processamento analítico em tempo real, foram concebidas para atender esta demanda e reúnem um conjunto de técnicas e tecnologias utilizadas para tratar e retirar as informações de um DW. O termo OLAP se refere a um conjunto de tecnologias que já existiam e existem em SGBD Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados, utilizados para montar e extrair consultas e relatórios dos dados contidos nos mesmos.

8 Para a explanação e utilização das ferramentas OLAP é importante estabelecer o conceito virtual de cubos de decisão, cujas faces e/ou arestas são as variáveis (campos) de um DW e o conteúdo são os dados ordenados e indexados segundo estas variáveis. Com este conceito, um grande cubo (DW) pode ser desmembrados em vários e diferentes pequenos cubos específicos (DM s). Algumas das técnicas utilizadas em ferramentas OLAP, que as aplicam sobre os cubos de decisão : Ranging limitar estabelece seleção de dados entre dois limites, segundo um atributo escolhido. Ex: população entre 18 e 30 anos; Slicing cortar em fatias, segmentação de um conjunto de dados com determinados critérios. Ex: população de uma cidade, segmentada por faixa de renda; Drilling escavar aprofundamento e/ou alteração de nível e/ou de escopo dos dados o Drill Down escavar para baixo, detalhamento de um dado sintético para analítico, aumentando a sua granulometria. Ex: detalhar o total de faturamento por loja/filial; o Drill Across escavar através descobrir ou elaborar relacionamentos, dependências e comparativos transversais, relatando eventos e ocorrências casadas.ex: em um supermercado, quantos clientes que compram vinho também compra queijo; o Drill Up escavar para cima - relatar a participação de determinados dados em consolidações e totalizações. Ex: em quanto monta a participação de jovens entre 13 e 15 anos no total de alunos matriculados no total das escolas públicas e no total da população de uma cidade. Dicing jogar dados manipulação, redimensionamentos e reconstruções dos cubos de decisão. Ex: da população total, elaborar informações somente sobre a população escolar; Rotation rotacionar girar os cubos, alterando a segmentação/ordenação/ disposição/visão dos dados. Ex: consultar os perfis da população segundo a idade, renda, escolaridade, sexo, podendo mudar e/ou inverter a ordem das variáveis consultadas; Merging mistura - consolidação e intercalação ordenada de dados de fontes diversas e diferentes. Ex: consolidar os cadastros de clientes cadastrados em todas as empresas de um grupo financeiro; Ranking classificação ordenação dos dados de interesse segundo um critério. Ex: ordenar os funcionários de um departamento em ordem decrescente de salários, ou de tempo de casa, ou por idade. As ferramentas OLAP selecionam, ordenam e relatam as informações requeridas pelos usuários do SAD, que podem ser complementadas e sofisticadas com a aplicação de análises estatísticas tais como a análise multivariada, análise de clusters, para a descoberta de padrões e regras antes desconhecidas. A exposição dos dados garimpados pode ser efetuado em consultas de telas e relatórios on-demand (sob solicitação). Mas, caso sejam informações freqüentemente requeridas e consultadas, também podem ser exibidos em um painel de controle, designados de dashboards ou de cockpits, similares aos paineis de instrumentos de um carro ou aeronave, com medidores gráficos e numéricos, onde um comandante ou dirigente consulta informações e indicadores que o permitam tomar as melhores decisões a respeito dos rumos da empresa.

9 Figura2: Utilização de SAD s Fonte: Laudo & Laudon,2007, p Operações em SAD s baseados em modelos Em SAD s baseados em modelos, além da flexibilidade de consultas baseadas nas operações OLAP no seu DW, são estabelecidas as relações e equações que determinam as opções de decisões existentes, mediante a efetivação de operações com estas equações. Nesta equações deverão ser identificadas: Variáveis independentes externas: incógnitas fora do controle do usuário, mas cujos valores poderão ser simulados. Exs: cotações de moedas, preços de commodities, aumento do PIB. Ex: simular valores do dólar para custear as matérias-primas importadas. Variáveis independentes controláveis: incógnitas com valores controláveis a serem fixados pelos usuários. Ex: Preços de venda de produtos. Variáveis dependentes: são incógnitas calculadas pelas equações do modelo, com o valores decorrentes das dependências diretas dos valores das variáveis independentes. Ex: com preço X (alto) as vendas diminuirão para Y. Variáveis objetivos: normalmente são variáveis dependentes, mas adquirem uma condição especial por terem valores a serem perseguidos e atingidos. Ex: A rentabilidade de X % pode ser conseguida pelo aumento de preços ou pelo aumento da quantidade vendida. As operações de SAD s baseados em modelos podem ser efetuadas de forma controlada, com técnicas tais como simulação de variáveis, testes de comportamento do modelo, prototipação de novas relações etc. Quando os modelos forem complexos, deverão ser precedidas de parametrizações, que são a fixação de determinadas variáveis independentes, para a restrição dos graus de liberdade do modelo. Os objetivos dos modelos é a de decidir sobre quais comportamentos de variáveis serão adotados, para direcionar as ações que concretizem tais comportamentos, sob duas óticas: Busca de metas: com o estabelecimento do valor final desejado da(s) variável(is) objetivo(s), parametrizando os valores das variáveis independentes não controláveis e simulando os valores das variáveis independentes controláveis;

10 Otimização: com a maximização e/ou minimização das variáveis dependentes, nos casos de serem positivas e/ou negativas, respectivamente Análise de históricos e determinação de tendências: com o traçado de projeções das tendências das variáveis dependentes, mas agindo sobre os eventos relacionados às variáveis, para redirecionar as tendências históricas para novos valores desejados. 7. SAD Funcionais em Empresas - DataMarts Em empresas é comum a adoção de sistemas de apoio às decisões departamentais, para embasar as ações dos responsáveis pelas diferentes funções empresariais específicas, visto que cada área necessita de informações focadas nos aspectos e dimensões que interfiram nas suas atuações, em seus impactos na empresa e no meio ambiente SAD em Marketing Os SAD s de apoio às decisões de mercado e de atuação comercial de uma organização estarão a serviços do desenvolvimento e incremento da participação da empresa nos mercados de atuação, e exploram e dissecam as seguintes dimensões: Mercado Potencial e Prospects: Pesquisas e análises demográficas de populações, segmentados, caracterizados e quantificados por seus diversos atributos idade, sexo, renda etc, para exploração de possíveis clientes-alvo; Clientes - mercado atual: ativos/inativos Levantamentos e diagnósticos de comportamentos de relacionamentos com os clientes atuais, ativos e inativos, para incrementar os negócios junto aos mesmos; Concorrentes diretos/indiretos Monitoração dos desempenhos dos concorrentes atuais e potenciais, que trabalhem com produtos similares ou equivalentes, estudando e analisando suas atuações, iniciativas e resultados; Produtos vendas/não-vendas/estoques Informações de desempenho de produtos e serviços, de vendas e não-vendas, bem como os estoques existentes, para analisar os atributos (físicos, funcionais, de apresentação etc) responsáveis pelos melhores e dos piores desempenhos, para embasar o projeto de futuros produtos/serviços Ponto-de-venda - desempenhos Registros e tendências de desempenhos comerciais dos pontos-de-venda, vinculando-os aos fatores intervenientes destas performances tais como localização, tamanho, instalações, estoques, etc para replicar os de maior sucesso; Promoções - retornos Registros de desempenho de campanhas de promoções e propagandas efetuadas, para embasar decisões sobre as próximas iniciativas neste sentido; Preços alinhamentos

11 Verificação das relações entre preço e demanda (vendas) dos produtos, buscando a relação de maior rentabilidade menos venda com maior margem ou mais venda com menor margem SAD de Produção e Operações O caráter técnico e objetivo das atividades e processos da área propiciam a formulação e utilização de SAD s orientados a modelos lógicos e matemáticos. As ferramentas de decisão da área de produção/operação das empresas devem orientar as ações que busquem a melhoria permanente na produtividade e qualidade dos seus processos, produtos e serviços, bem como avanços na agilidade e flexibilidade dos processos produtivos. Para tanto devem abordar os seguintes aspectos e dimensões: Engenharia de Produtos Com dados coletados sobre a evolução das tecnologias de produtos existentes no mercado, pode-se efetuar a prototipação de novos produtos da empresa. Pode-se também analisar a composição física-funcional de produtos concorrentes de sucesso mediante a engenharia reversa, para aplicar na evolução dos produtos da empresa; Flexibilidade - Engenharia de Processos Sistemas de decisão podem ser utilizados em modelagens de novos processos, mediante testes e simulações, para estabelecer a variabilidade necessária para o atendimento personalizado de clientes; Agilidade - Planejamento de Produção Simuladores de planos de produção com a utilização de MRP (Manufatoring Resourses Planning), minimizando os prazos de entrega de produto e otimizando o uso dos recursos produtivos considerando a Teoria das Restrições (TOC Theory of Constraints); Qualidade Sistemas e Controles Maximização de qualidade de produtos e de processos com a utilização de Modelos Estatísticos e de Modelos Estocásticos, em busca de padrões a formalizar na aleatoriedade de insumos e processos; Produtividade controle e avaliação Análises de medições de indicadores de desempenho, em busca da melhor relação de produtividades dos processos, buscando a Melhoria Contínua, aplicando os princípios de Lean Production produção enxuta, de forma a minimizar os custos de insumos e componentes, e maximizar os preços que os clientes se dispõem a pagar, mediante a análise de valor agregado SAD de Recursos Humanos As decisões de uma empresa na área de Recursos Humanos visam o aumento dos desempenhos dos profissionais no trabalho, por meio de processos mais adequados para a obtenção, preparação, medição, avaliação e retenção dos melhores talentos no seu quadro de pessoal. Os SAD s de RH visam, então, aprimorar os processos de: Recrutamento e Seleção

12 Analisado e decidindo quanto aos melhores mecanismos para compor o quadro de perfis dos trabalhadores a contratar pela empresa, e selecionando com inteligência os melhores profissionais disponíveis nos banco de currículos Treinamento e Desenvolvimento Elaborar os atributos congnitivos e comportamentais ideais para a formação dos colaboradores da empresa em cada função e decidir sobre os currículos de cursos e treinamentos a ministrar para s seus desenvolvimentos; Controle e Avaliação Analisar os ambientes, contextos e seus fatores que mais contribuem para a melhoria de performance e desempenhos dos profissionais, nas atividades e tarefas de cada área da empresa, para estabelecer os critérios objetivos e justos de avaliações, que transformem as atribuições de promoções e méritos em desafios a enfrentar. Retenção e Encarreiramento Elaborar pesquisas, analisar e determinar o melhor plano de encarreiramento e remunerações, incluindo desafios e benefícios que retenham os melhores talentos no quadro de pessoal SAD de Finanças Os desempenhos econômicos e financeiros de uma empresa normalmente são reflexos diretos das decisões e ações definidas e efetuadas nas suas demais áreas, mas é a função que tem por finalidade a demonstração dos resultados finais da organização sob a ótica vigente na sociedade capitalista. Mas é a função financeira que orienta a melhor forma de aplicação dos recursos de Capital pelas outra funções, de maneira a maximizar os retornos de investimentos efetuados no mercado, na capacidade produtiva e no desenvolvimento de RH, mensurando e registrando os resultados, bem como direcionando os novos recursos gerados para os investimentos mais rentáveis. Financeira Sistemas que mensuram a ciclometria financeira ou o montante e a velocidade de giro do capital, estabelecendo as melhores relações entre a rentabilidades brutas (markups) e velocidade de demanda, para a maximização da lucratividade final. Normalmente trabalha com demonstrativos de resultados operacionais em regime de caixa, para considerar os custos financeiros das operações. Econômica Analisa os registros e resultados da contabilidade patrimonial, mensurando os reais ROI s retorno dos investimentos efetuados, com demonstrativos de resultados patrimoniais e de valorização geral da empresa no mercado, trabalhando em geral, em regime de competência; Rentabilidade e Custos Estabelecimento da lógica e dos mecanismos de apropriação real e total dos custos incorridos, diretos, indiretos e rateados, para serem apropriados a cada unidade de produção, com os devidos critérios de custeios e rateios, para as decisões sobre as reais margens de contribuição unitárias. Estas análise, decisões e ações embasam as contribuições das lucratividades de linhas de produtos e das unidades de negócios nos resultados globais (profits share) Lucratividade e Resultados

13 Determinações dos ciclos de vida de produtos e processos mediante análises de dados de seus desempenhos aplicando os SAD s nas séries históricas e tendências dos mesmos, para a projeção de sua longevidade e da permanência ou não na carteira de produtos da empresa (market mix), para a maximização do conjunto de produtos e serviços ofertados ao mercado pela empresa. Bibliografia Básica: LAUDON, Kenneth. LAUDON Jane Sistemas de informação gerenciais: administrando a empresa digital, 5ª. edição. São Paulo: Prentice Hall, 2004 O BRIEN, James A. Sistemas de Informação e as decisões gerenciais na era da internet. 2ª.ed. São Paulo: Saraiva, Bibliografia Complementar: ALBERTIN, Alberto Luiz.Administração de informática: funções e fatores críticos de sucesso.5ª.ed.são Paulo:Atlas, 2004 ANGELONI, Maria T. (coord.). Organizações do Conhecimento: Infraestrutura, Pessoas e Tecnologias. São Paulo:Saraiva, 2002 BARBIERI, Carlos. BI-Business Intelligence Modelagem e Tecnologia. Rio de Janeiro: Axcel Books, 2001 COLAÇO Jr., Methanias.Projetando sistemas de apoio à decisão baseados em datawahouse. Rio de Janeiro:Axcel Books, 2004 DE SORDI, José Osvaldo. Tecnologias da informação aplicadas aos negócios. São Paulo: Atlas 2003 FREITAS, H., et al, Informação e decisão, Porto Alegre:Ortiz S/A, 1997 GOMES, Luiz F.A.M.; GOMES, Carlos F.S.; ALMEIDA, Adiel T. Tomada de decisão gerencial: enfoque multicritério. São Paulo: Atlas, GOMES, Luiz F.A.M.; ARAYA, Marcela C.G.; CARIGNAMO, Claudia. Tomada de decisões em cenários complexos: introdução aos métodos discretos do apoio multicritério à decisão. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, GOMES, Luiz Flavio A.M; GOMES, Carlos F.S.; ALMEIDA, Adiel T. Tomada de decisão gerencial enfoque multicritério. São Paulo: Atlas, 2002 ROSINI, Alessandro M.; PALMISANO,Ângelo. Administração de Sistema de Informação e a gestão do conhecimento. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, SINGH, Harry S. Datawarehouse conceitos, tecnologias, implementação e gerenciamento. São Paulo:Makron Books, SIQUEIRA, Marcelo Costa. Gestão Estratégica da Informação. Rio de Janeiro: Brasport, 2005 SORDI, José Osvaldo. Tecnologia de Informação Aplicada aos Negócios. São Paulo: Atlas, 2003 STAIR, Ralph M.; REYNOLDS, George W. Princípios de Sistemas de Informação. Uma Abordagem Gerencial. 4ª. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2002.

14 TORRES, Norberto A. Competitividade Empresarial com a Tecnologia de Informação. São Paulo:Makron Books, 1995 TURBAN, Efraim; RAINER JR,R.Kelly; POTTER, Richard E.. Administração de Tecnologia da Informação. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003.

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É DATA WAREHOUSE?... 2 3. O QUE DATA WAREHOUSE NÃO É... 4 4. IMPORTANTE SABER SOBRE DATA WAREHOUSE... 5 4.

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É DATA WAREHOUSE?... 2 3. O QUE DATA WAREHOUSE NÃO É... 4 4. IMPORTANTE SABER SOBRE DATA WAREHOUSE... 5 4. SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É DATA WAREHOUSE?... 2 3. O QUE DATA WAREHOUSE NÃO É... 4 4. IMPORTANTE SABER SOBRE DATA WAREHOUSE... 5 4.1 Armazenamento... 5 4.2 Modelagem... 6 4.3 Metadado... 6 4.4

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Lembrando... Aula 4 1 Lembrando... Aula 4 Sistemas de apoio

Leia mais

SIG e SAE. Daniel Gondim

SIG e SAE. Daniel Gondim SIG e SAE Daniel Gondim Roteiro Sistemas de Informações Gerenciais (SIG) Conceitos Aplicações Sistemas de Apoio ao Executivo (SAE) Conceitos Aplicações O SIG dá suporte às funções de planejamento, controle

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Data Warehouse - Conceitos Hoje em dia uma organização precisa utilizar toda informação disponível para criar e manter vantagem competitiva. Sai na

Leia mais

Sistemas de Informação Gerenciais (SIG)

Sistemas de Informação Gerenciais (SIG) Faculdade de Engenharia - Campus de Guaratinguetá Sistemas de Informação Gerenciais (SIG) Prof. José Roberto Dale Luche Unesp Um SISTEMA DE INFORMAÇÃO é um conjunto de componentes inter-relacionados, desenvolvidos

Leia mais

DATA WAREHOUSE. Introdução

DATA WAREHOUSE. Introdução DATA WAREHOUSE Introdução O grande crescimento do ambiente de negócios, médias e grandes empresas armazenam também um alto volume de informações, onde que juntamente com a tecnologia da informação, a correta

Leia mais

CAPÍTULO 7. SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO (SAD) SISTEMAS DE SUPORTE À DECISÃO (SSD)

CAPÍTULO 7. SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO (SAD) SISTEMAS DE SUPORTE À DECISÃO (SSD) 1 CAPÍTULO 7. SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO (SAD) SISTEMAS DE SUPORTE À DECISÃO (SSD) A necessidade dos SAD surgiu em decorrência de diversos fatores, como, por exemplo: Competição cada vez maior entre as

Leia mais

Estudar os Sistemas de Processamento de Transação (SPT)

Estudar os Sistemas de Processamento de Transação (SPT) Estudar a Colaboração Empresarial. Objetivos do Capítulo Estudar os Sistemas de Processamento de Transação (SPT) Identificar o papel e alternativas de relatórios dos sistemas de informação gerencial. Estudar

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI Noções de sistemas de informação Turma: 01º semestre Prof. Esp. Marcos Morais

Leia mais

SAD orientado a DADOS

SAD orientado a DADOS Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Sistemas de Informação Prof.: Maico Petry SAD orientado a DADOS DISCIPLINA: Sistemas de Apoio a Decisão SAD orientado a dados Utilizam grandes repositórios

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

Tópicos Avançados Business Intelligence. Banco de Dados Prof. Otacílio José Pereira. Unidade 10 Tópicos Avançados Business Inteligence.

Tópicos Avançados Business Intelligence. Banco de Dados Prof. Otacílio José Pereira. Unidade 10 Tópicos Avançados Business Inteligence. Tópicos Avançados Business Intelligence Banco de Dados Prof. Otacílio José Pereira Unidade 10 Tópicos Avançados Business Inteligence Roteiro Introdução Níveis organizacionais na empresa Visão Geral das

Leia mais

01/12/2009 BUSINESS INTELLIGENCE. Agenda. Conceito. Segurança da Informação. Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento.

01/12/2009 BUSINESS INTELLIGENCE. Agenda. Conceito. Segurança da Informação. Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento. BUSINESS INTELLIGENCE Agenda BI Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento Segurança da Objetivo Áreas Conceito O conceito de Business Intelligencenão é recente: Fenícios, persas, egípcios

Leia mais

Data Warehousing. Leonardo da Silva Leandro. CIn.ufpe.br

Data Warehousing. Leonardo da Silva Leandro. CIn.ufpe.br Data Warehousing Leonardo da Silva Leandro Agenda Conceito Elementos básicos de um DW Arquitetura do DW Top-Down Bottom-Up Distribuído Modelo de Dados Estrela Snowflake Aplicação Conceito Em português:

Leia mais

Aula 1 Conceitos básicos de Sistemas de Informação.

Aula 1 Conceitos básicos de Sistemas de Informação. Aula 1 Conceitos básicos de Sistemas de Informação. Dados X Informações O que são Dados? São materiais brutos que precisam ser manipulados e colocados em um contexto compreensivo antes de se tornarem úteis

Leia mais

MATERIAL DIDÁTICO: APLICAÇÕES EMPRESARIAIS SISTEMA DE APOIO À DECISÃO (SAD)

MATERIAL DIDÁTICO: APLICAÇÕES EMPRESARIAIS SISTEMA DE APOIO À DECISÃO (SAD) AULA 07 MATERIAL DIDÁTICO: APLICAÇÕES EMPRESARIAIS SISTEMA DE APOIO À DECISÃO (SAD) JAMES A. O BRIEN MÓDULO 01 Páginas 286 à 294 1 AULA 07 SISTEMAS DE APOIO ÀS DECISÕES 2 Sistemas de Apoio à Decisão (SAD)

Leia mais

BUSINESS INTELLIGENCE, O ELEMENTO CHAVE PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES.

BUSINESS INTELLIGENCE, O ELEMENTO CHAVE PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES. Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 88 BUSINESS INTELLIGENCE, O ELEMENTO CHAVE PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES. Andrios Robert Silva Pereira, Renato Zanutto

Leia mais

Planejamento operacional e sistemas automatizados de gestão de recursos organizacionais. Prof. Gilberto Porto porto@gilbertoporto.com.

Planejamento operacional e sistemas automatizados de gestão de recursos organizacionais. Prof. Gilberto Porto porto@gilbertoporto.com. Planejamento operacional e sistemas automatizados de gestão de recursos organizacionais Prof. Gilberto Porto porto@gilbertoporto.com.br Sistemas de Informação SE SSD/ SAE Estratégico Tipos de decisão Não

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 3.1 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA 3.1 2003 by Prentice Hall 3 ão, Organizações ões, Administração e Estratégia OBJETIVOS

Leia mais

srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo

srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo CBSI Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação BI Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Tópicos Especiais em Sistemas de Informação Faculdade de Computação Instituto

Leia mais

Conceitos de Sistemas de Informação

Conceitos de Sistemas de Informação Conceitos de Sistemas de Informação Prof. Miguel Damasco AEDB 1 Objetivos da Unidade 1 Explicar por que o conhecimento dos sistemas de informação é importante para os profissionais das empresas e identificar

Leia mais

Unidade III PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior

Unidade III PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Unidade III PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Sobre esta aula Gestão do conhecimento e inteligência Corporativa Conceitos fundamentais Aplicações do

Leia mais

Gerenciamento de Dados e Gestão do Conhecimento

Gerenciamento de Dados e Gestão do Conhecimento ELC1075 Introdução a Sistemas de Informação Gerenciamento de Dados e Gestão do Conhecimento Raul Ceretta Nunes CSI/UFSM Introdução Gerenciando dados A abordagem de banco de dados Sistemas de gerenciamento

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO SAD

SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO SAD SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO SAD Conceitos introdutórios Decisão Escolha feita entre duas ou mais alternativas. Tomada de decisão típica em organizações: Solução de problemas Exploração de oportunidades

Leia mais

TÉCNICAS DE INFORMÁTICA WILLIAN FERREIRA DOS SANTOS

TÉCNICAS DE INFORMÁTICA WILLIAN FERREIRA DOS SANTOS TÉCNICAS DE INFORMÁTICA WILLIAN FERREIRA DOS SANTOS Vimos em nossas aulas anteriores: COMPUTADOR Tipos de computadores Hardware Hardware Processadores (CPU) Memória e armazenamento Dispositivos de E/S

Leia mais

Sobre o que falaremos nesta aula?

Sobre o que falaremos nesta aula? Business Intelligence - BI Inteligência de Negócios Prof. Ricardo José Pfitscher Elaborado com base no material de: José Luiz Mendes Gerson Volney Lagmman Introdução Sobre o que falaremos nesta aula? Ferramentas

Leia mais

Fundamentos da inteligência de negócios: gestão da informação e de bancos de dados

Fundamentos da inteligência de negócios: gestão da informação e de bancos de dados Fundamentos da inteligência de negócios: gestão da informação e de bancos de dados slide 1 1 Copyright 2011 Pearson Education, Inc. publishing as Prentice Hall Objetivos de estudo Como um banco de dados

Leia mais

MAIS AGILIDADE, CONTROLE E RENTABILIDADE NA SUA CONSTRUTORA E INCORPORADORA.

MAIS AGILIDADE, CONTROLE E RENTABILIDADE NA SUA CONSTRUTORA E INCORPORADORA. MAIS AGILIDADE, CONTROLE E RENTABILIDADE NA SUA CONSTRUTORA E INCORPORADORA. SANKHYA. A nova geração de ERP Inteligente. Atuando no mercado brasileiro desde 1989 e alicerçada pelos seus valores e princípios,

Leia mais

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Sistema Tipos de sistemas de informação Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Um sistema pode ser definido como um complexo de elementos em interação (Ludwig Von Bertalanffy) sistema é um conjunto

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE IV: Fundamentos da Inteligência de Negócios: Gestão da Informação e de Banco de Dados Um banco de dados é um conjunto de arquivos relacionados

Leia mais

BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios-

BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios- UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS, HUMANAS E SOCIAIS BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios- Curso: Administração Hab. Sistemas de Informações Disciplina: Gestão de Tecnologia

Leia mais

Data Warehouses Uma Introdução

Data Warehouses Uma Introdução Data Warehouses Uma Introdução Alex dos Santos Vieira, Renaldy Pereira Sousa, Ronaldo Ribeiro Goldschmidt 1. Motivação e Conceitos Básicos Com o advento da globalização, a competitividade entre as empresas

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

4. SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO

4. SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO 1 4. SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO A necessidade dos Sistemas de Apoio à Decisão (SAD) ou Sistemas de Suporte à Decisão (SSD) surgiu em decorrência de diversos fatores, como, por exemplo: Competição cada

Leia mais

PLANO DE ENSINO DO 2º SEMESTRE LETIVO DE 2012

PLANO DE ENSINO DO 2º SEMESTRE LETIVO DE 2012 PLANO DE ENSINO DO 2º SEMESTRE LETIVO DE 2012 Curso: TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL Habilitação: TECNÓLOGO Disciplina: NEGÓCIOS INTELIGENTES (BUSINESS INTELLIGENCE) Período: M V N 4º semestre do Curso

Leia mais

Sistemas de Informação: tipos e características

Sistemas de Informação: tipos e características Sistemas de Informação: tipos e características Tipos de sistemas de informação. Os quatro tipos principais de sistemas de informação. Sistemas do ponto de vista de pessoal Sistemas de processamento de

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. ERP, CRM, BI, Data mining, Data warehouse, ETL Gerenciamento de Dados e Conhecimento

Estratégias em Tecnologia da Informação. ERP, CRM, BI, Data mining, Data warehouse, ETL Gerenciamento de Dados e Conhecimento Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 ERP, CRM, BI, Data mining, Data warehouse, ETL Gerenciamento de Dados e Conhecimento Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS O PODER DA INFORMAÇÃO Tem PODER quem toma DECISÃO Toma DECISÃO correta quem tem SABEDORIA Tem SABEDORIA quem usa CONHECIMENTO Tem CONHECIMENTO quem possui INFORMAÇÃO (Sem

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico. Qualificação: Técnico em Administração

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico. Qualificação: Técnico em Administração Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão em Negócios Habilitação Profissional: Técnico em Administração Qualificação:

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ADMINISTRAÇÃO LINHA DE FORMAÇÃO ESPECÍFICA EM COMÉRCIO INTERNACIONAL ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Carga horária semanal Etapa 4 5 OBJETIVO Realizar escolhas sobre a adoção de tecnologias e sistema

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS 1. Sabe-se que o conceito de Sistema de Informação envolve uma série de sistemas informatizados com diferentes características e aplicações, os quais, porém, têm em comum

Leia mais

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser:

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser: CONCEITOS INICIAIS O tratamento da informação precisa ser visto como um recurso da empresa. Deve ser planejado, administrado e controlado de forma eficaz, desenvolvendo aplicações com base nos processos,

Leia mais

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos Universidade Cruzeiro do Sul Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos 2010 0 O Processo pode ser entendido como a sequência de atividades que começa na percepção das necessidades explícitas

Leia mais

www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br

www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br Outras Apostilas em: www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br Centro Universitário Geraldo di Biase 1. Sistemas, Processos e Informações Ao observarmos o funcionamento de um setor

Leia mais

Fases para um Projeto de Data Warehouse. Fases para um Projeto de Data Warehouse. Fases para um Projeto de Data Warehouse

Fases para um Projeto de Data Warehouse. Fases para um Projeto de Data Warehouse. Fases para um Projeto de Data Warehouse Definição escopo do projeto (departamental, empresarial) Grau de redundância dos dados(ods, data staging) Tipo de usuário alvo (executivos, unidades) Definição do ambiente (relatórios e consultas préestruturadas

Leia mais

Business Intelligence

Business Intelligence e-book Senior Business Intelligence 1 Índice 03 05 08 14 17 20 22 Introdução Agilize a tomada de decisão e saia à frente da concorrência Capítulo 1 O que é Business Intelligence? Capítulo 2 Quatro grandes

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI)

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI) Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI) Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Business Intelligence Inteligência Competitiva tem por fornecer conhecimento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Proposta de Formação Complementar: BUSINESS INTELLIGENCE E SUA APLICAÇÃO À GESTÃO Aluno: Yussif Tadeu de Barcelos Solange Teixeira

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN)

Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN) Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN) SISTEMAS COM ERP Profº Adalberto J. Tavares Vieira ERP

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Ementa Conceitos básicos de informática; evolução do uso da TI e sua influência na administração; benefícios; negócios na era digital; administração

Leia mais

OqueéBI? QualéoobjetivodeBI? 15/03/2009

OqueéBI? QualéoobjetivodeBI? 15/03/2009 Profª. Kelly Business Intelligence (BI) OqueéBI? É um conjunto de conceitos e metodologias que, fazendo uso de acontecimentos (fatos) e sistemas baseados nos mesmos, apóia a tomada de decisões em negócios;

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULDADES INTEGRADAS VIANNA JÚNIOR Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação Lúcia Helena de Magalhães 1 Teresinha Moreira de Magalhães 2 RESUMO Este artigo traz

Leia mais

Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Na prática, não existe uma classificação rígida, permitindo aos autores e principalmente as empresas classificar seus sistemas de diversas maneiras. A ênfase

Leia mais

Bloco Administrativo

Bloco Administrativo Bloco Administrativo BI Business Intelligence Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Business Intelligence, que se encontra no Bloco Administrativo. Todas informações aqui

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

Business Intelligence e ferramentas de suporte

Business Intelligence e ferramentas de suporte O modelo apresentado na figura procura enfatizar dois aspectos: o primeiro é sobre os aplicativos que cobrem os sistemas que são executados baseados no conhecimento do negócio; sendo assim, o SCM faz o

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

Curso Data warehouse e Business Intelligence

Curso Data warehouse e Business Intelligence Curso Data warehouse e Business Intelligence Fundamentos, Metodologia e Arquitetura Apresentação Os projetos de Data Warehouse e Business Intelligence são dos mais interessantes e complexos de desenvolver

Leia mais

CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Franco Vieira Sampaio 1 Atualmente a informática está cada vez mais inserida no dia a dia das empresas, porém, no início armazenavam-se os dados em folhas,

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 09 Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Como Melhorar a Tomada de Decisão e a Gestão do Conhecimento Capítulo

Leia mais

Business Intelligence

Business Intelligence 1/ 24 Business Intelligence Felipe Ferreira 1 Nossa empresa Jornal O Globo Jornais Populares Parcerias Grupo Folha Grupo Estado 2 1 Fundada em 1925 3100 funcionários 2 Parques Gráficos e SP Globo: 220

Leia mais

Classificação dos Sistemas de Informação

Classificação dos Sistemas de Informação Sistemas de Informação Classificação dos Sistemas de Informação O que veremos? Estaremos examinando o tipo de sistema de informação Gerencial. Veremos também, outras classificações dos sistemas de informação.

Leia mais

Sistemas de Informação e a Importância da Gestão dos Dados nas Organizações. Andreia de Jesus

Sistemas de Informação e a Importância da Gestão dos Dados nas Organizações. Andreia de Jesus Sistemas de Informação e a Importância da Gestão dos Dados nas Organizações Andreia de Jesus APRESENTAÇÃO 1. Os diferentes tipos de sistemas de informação. 2. A diferença entre dado, informação e conhecimento.

Leia mais

Business Intelligence e Inteligência Analítica BUSINESS INTELLIGENCE

Business Intelligence e Inteligência Analítica BUSINESS INTELLIGENCE Business Intelligence e Inteligência Analítica BUSINESS INTELLIGENCE Sumário Conceitos/Autores chave... 3 1. Introdução... 4 2. Teoria de Negócios... 5 3. Profi ssionais de BI... 6 4. Verdades e Mitos

Leia mais

MANUAL BI- Business Intelligence

MANUAL BI- Business Intelligence 1. VISÃO GERAL 1.1 SISTEMA BI Business Intelligence: Segundo Gartner Group, a maior ameaça das empresas da atualidade é o desconhecimento... O Business Intelligence se empenha em eliminar as dúvidas e

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

Adriano Maranhão BUSINESS INTELLIGENCE (BI),

Adriano Maranhão BUSINESS INTELLIGENCE (BI), Adriano Maranhão BUSINESS INTELLIGENCE (BI), BUSINESS INTELLIGENCE (BI) O termo Business Intelligence (BI), popularizado por Howard Dresner do Gartner Group, é utilizado para definir sistemas orientados

Leia mais

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com. Conceitos - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação - Dados x Informações Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.br Definição de Sistema Uma coleção de objetos unidos por alguma forma

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão I

Sistemas Integrados de Gestão I Sistema Binário Faculdades Integradas Campos Salles Sistemas Integrados de Gestão I Aula - 8 Classificação dos sistemas de informação Carlos Antonio José Oliviero São Paulo - 2012 Tipos de SIs de acordo

Leia mais

ASSUNTO DA APOSTILA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET

ASSUNTO DA APOSTILA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET AULA 06 ASSUNTO DA APOSTILA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET JAMES A. O BRIEN MÓDULO 01 Páginas 278 à 285 1 AULA 06 APOIO ÀS DECISÕES DE E BUSINESS 2 E business e Apoio

Leia mais

Interatividade aliada a Análise de Negócios

Interatividade aliada a Análise de Negócios Interatividade aliada a Análise de Negócios Na era digital, a quase totalidade das organizações necessita da análise de seus negócios de forma ágil e segura - relatórios interativos, análise de gráficos,

Leia mais

Data Warehouse. Diogo Matos da Silva 1. Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, MG, Brasil. Banco de Dados II

Data Warehouse. Diogo Matos da Silva 1. Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, MG, Brasil. Banco de Dados II Data Warehouse Diogo Matos da Silva 1 1 Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, MG, Brasil Banco de Dados II Diogo Matos (DECOM - UFOP) Banco de Dados II Jun 2013 1 /

Leia mais

Curso Data warehouse e Business Intelligence Fundamentos, Metodologia e Arquitetura

Curso Data warehouse e Business Intelligence Fundamentos, Metodologia e Arquitetura Curso Data warehouse e Business Intelligence Fundamentos, Metodologia e Arquitetura Apresentação Os projetos de Data Warehouse e Business Intelligence são dos mais interessantes e complexos de desenvolver

Leia mais

Resumo dos principais conceitos. Resumo dos principais conceitos. Business Intelligence. Business Intelligence

Resumo dos principais conceitos. Resumo dos principais conceitos. Business Intelligence. Business Intelligence É um conjunto de conceitos e metodologias que, fazem uso de acontecimentos e sistemas e apoiam a tomada de decisões. Utilização de várias fontes de informação para se definir estratégias de competividade

Leia mais

FORMAÇÃO. Algumas atividades já exercidas. Disciplina Informática Básica. Graduação: Processamento de Dados e Administração

FORMAÇÃO. Algumas atividades já exercidas. Disciplina Informática Básica. Graduação: Processamento de Dados e Administração Curso de Administração Cláudio Márcio, quem é você? Disciplina Informática Básica Prof. Msc. Cláudio Márcio cmarcio@gmail.com FORMAÇÃO Graduação: Processamento de Dados e Administração Pós-Graduação: Especialização:

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional II Prof.: Fernando Hadad Zaidan

Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional II Prof.: Fernando Hadad Zaidan Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional II Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 4.2 2 1 BI BUSINESS INTELLIGENCE BI CARLOS BARBIERI

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

5 Estudo de Caso. 5.1. Material selecionado para o estudo de caso

5 Estudo de Caso. 5.1. Material selecionado para o estudo de caso 5 Estudo de Caso De modo a ilustrar a estruturação e representação de conteúdos educacionais segundo a proposta apresentada nesta tese, neste capítulo apresentamos um estudo de caso que apresenta, para

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

Como melhorar a tomada de decisão. slide 1

Como melhorar a tomada de decisão. slide 1 Como melhorar a tomada de decisão slide 1 P&G vai do papel ao pixel em busca da gestão do conhecimento Problema: grande volume de documentos em papel atrasavam a pesquisa e o desenvolvimento. Solução:

Leia mais

No mundo atual, globalizado e competitivo, as organizações têm buscado cada vez mais, meios de se destacar no mercado. Uma estratégia para o

No mundo atual, globalizado e competitivo, as organizações têm buscado cada vez mais, meios de se destacar no mercado. Uma estratégia para o DATABASE MARKETING No mundo atual, globalizado e competitivo, as organizações têm buscado cada vez mais, meios de se destacar no mercado. Uma estratégia para o empresário obter sucesso em seu negócio é

Leia mais

IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1

IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1 IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1 Banco de Dados Introdução Por: Robson do Nascimento Fidalgo rdnf@cin.ufpe.br IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson

Leia mais

Criação e uso da Inteligência e Governança do BI

Criação e uso da Inteligência e Governança do BI Criação e uso da Inteligência e Governança do BI Criação e uso da Inteligência e Governança do BI Governança do BI O processo geral de criação de inteligência começa pela identificação e priorização de

Leia mais

DATA WAREHOUSE. Rafael Ervin Hass Raphael Laércio Zago

DATA WAREHOUSE. Rafael Ervin Hass Raphael Laércio Zago DATA WAREHOUSE Rafael Ervin Hass Raphael Laércio Zago Roteiro Introdução Aplicações Arquitetura Características Desenvolvimento Estudo de Caso Conclusão Introdução O conceito de "data warehousing" data

Leia mais

PERSPECTIVA FUNCIONAL DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TIPOS DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO

PERSPECTIVA FUNCIONAL DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TIPOS DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO CURSO: GESTÃO AMBIENTAL PROFESSOR: WENES SILVA DOS SANTOS ALUNOS: ANDRÉ VIANA CAVALCANTE, DANILO CARVALHO DE OLIVEIRA, GEISA MOREIRA DE SOUSA, FERNANDA MONTES, LIAMAR MONTES, PRISCILA CASTRO, RAIMUNDINHA

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito

Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito Sistemas de Informação Prof. Gerson gerson.prando@fatec.sp.gov.br Evolução dos SI OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO

Leia mais

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA SUMÁRIO DE PROJETOS WORKFLOW... 03 ALINHAMENTO ESTRATÉGICO... 04 IDENTIDADE CORPORATIVA... 04 GESTÃO DE COMPETÊNCIAS... 05 TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO... 05 REMUNERAÇÃO...

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

Data Warehouse Processos e Arquitetura

Data Warehouse Processos e Arquitetura Data Warehouse - definições: Coleção de dados orientada a assunto, integrada, não volátil e variável em relação ao tempo, que tem por objetivo dar apoio aos processos de tomada de decisão (Inmon, 1997)

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

Identificar as mudanças que acontecem na forma e no uso de apoio à decisão em empreendimentos de e-business. Identificar o papel e alternativas de

Identificar as mudanças que acontecem na forma e no uso de apoio à decisão em empreendimentos de e-business. Identificar o papel e alternativas de 1 Identificar as mudanças que acontecem na forma e no uso de apoio à decisão em empreendimentos de e-business. Identificar o papel e alternativas de relatórios dos sistemas de informação gerencial. Descrever

Leia mais

Aline França a de Abreu, Ph.D

Aline França a de Abreu, Ph.D Aline França a de Abreu, Ph.D igti.eps.ufsc.br 07 / 10/ 04 Núcleo de estudos Criado em 1997 - UFSC/EPS Equipe multidisciplinar, com aproximadamente 20 integrantes OBJETIVO Gerar uma competência e uma base

Leia mais

PLANO DE ENSINO. I. Dados Identificadores. ADMINISTRAÇÃO Disciplina Gestão da Informação Código Semestre 7º Carga Horária Semestral: 80 Semanal: 4

PLANO DE ENSINO. I. Dados Identificadores. ADMINISTRAÇÃO Disciplina Gestão da Informação Código Semestre 7º Carga Horária Semestral: 80 Semanal: 4 PLANO DE ENSINO I. Dados Identificadores Curso ADMINISTRAÇÃO Disciplina Gestão da Informação Código Semestre 7º Carga Horária Semestral: 80 Semanal: 4 II. Objetivos Objetivo Geral: Preparar o futuro profissional

Leia mais