Para atingir o objetivo geral, as seguintes etapas se fazem necessárias: estudar Data Warehouse (Armazém de Dados) e Data Mart;

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Para atingir o objetivo geral, as seguintes etapas se fazem necessárias: estudar Data Warehouse (Armazém de Dados) e Data Mart;"

Transcrição

1 15 1 INTRODUÇÃO A Oncologia é uma disciplina complexa, que é auxiliada por outras especialidades, como cirurgia, pediatria, patologia, radiologia, psiquiatria, que faz do sucesso um mérito das ações multidisciplinares. Na Oncologia existem três objetivos principais no atendimento ao paciente, a primeira é de tratar, de curar e devolvê-los a sociedade, e a segunda está na remissão longa e satisfatória, buscando deixar o paciente bem consigo durante o maior tempo possível, e quando a chance de remissão é remota, o objetivo passa a ser o de controlar a doença e seus sintomas pelo uso correto de terapias paliativas, e a terceira está na melhora de vida do paciente. O Centro de Endoscopia e Assistência à Fertilidade no que tange a Oncologia diz: Nosso objetivo quanto ao câncer é conhecê-lo para intervir e, à medida que aumentamos nosso conhecimento, preveni-lo. O esforço é atingir o processo não visível do problema que, como um iceberg, é muito maior do que parece ser. Certamente já se avançou muito, como pode ser verificado no manifesto da atual abordagem das neoplasias malignas. Como o Hospital Regional do Oeste (HRO) é um importante Centro de Tratamento Oncológico na região e também no Estado, pois oferece tratamentos como Radioterapia, Quimioterapia, Cirurgia Oncológica entre outros. Também busca atingir aos três objetivos principais da oncologia que estão focados na cura e na melhora da qualidade de vida do paciente. Este trabalho propõe a construção de um protótipo que possibilite a definição de um ambiente utilizando-se de um Data Warehouse (Armazém de Dados) para aplicação de técnicas de Data Mining (Mineração de Dados) e On-Line Analytic Processing (OLAP), tendo como função conhecer os casos tratados no HRO. No desenvolvimento do protótipo serão utilizados para validação dados dos atendimentos realizados como: nome do paciente, sexo, idade, diagnóstico, cidade, cor, religião. Além destes são utilizados dados clínicos, cirúrgicos, exames auxiliares, avaliação nutricional e terapias que serão utilizadas para gerar um Data Mart. O protótipo tem por objetivo propiciar a criação de ambiente Data Warehouse, auxiliando na identificação de padrões através de técnicas Data Mining (Mineração de dados) e On-Line Analytic Processing (OLAP), fornecendo subsídio aos profissionais de oncologia no processo de tomada de decisão.

2 16 O estudo de caso será realizado no Hospital Regional do Oeste (HRO), com intuito de oferecer uma ferramenta de apoio, para extração de informações que possam ser relevantes no tratamento dos pacientes oncológicos. 1.1 OBJETIVOS Os objetivos estão divididos em gerais e específicos Gerais Construir um protótipo que permita a equipe técnica de oncologia, criar um ambiente Data Warehouse utilizando-se técnicas de Data Mining e OLAP buscando oferecer subsídio a tomada de decisão Específicos Para atingir o objetivo geral, as seguintes etapas se fazem necessárias: compreender a oncologia; estudar Data Warehouse (Armazém de Dados) e Data Mart; estudar as técnicas de Data Mining para extração de informações; avaliar as etapas para construção de um Sistema de Apoio a Tomada de Decisão; levantar os requisitos necessários para o desenvolvimento do protótipo; desenvolver o protótipo permitindo a criação de um ambiente Data Warehouse, aplicando de técnicas de Data Mining e OLAP.

3 PROBLEMATIZAÇÃO De acordo com especialistas, muitos casos de câncer podem ser relacionados a fatores ambientais, como excesso de exposição ao sol (câncer de pele), o consumo do cigarro (câncer de pulmão, boca), e ainda existem estudos para detectar outros fatores ou hábitos que levam a ocorrência do câncer. Atualmente no Brasil os dados estatísticos com relação ao câncer são muito falhos e insuficientes, não retratando a realidade que vivemos. O Instituto Nacional do Câncer (INCA) tem como atribuição desenvolver uma política de prevenção, detecção e tratamento do câncer, visando à qualificação no tratamento e o acompanhamento eficiente dos casos da doença no Brasil, além de pesquisas sobre os fatores motivadores da doença. A situação verificada no Brasil também faz parte da realidade no estado de Santa Catarina, bem como na Região Oeste, onde o principal centro de tratamento desta doença no Hospital Regional do Oeste (HRO), disponibilizando profissionais das mais variadas especialidades como: radioterapeutas, oncologistas, cirurgiões oncologistas, físico, nutricionistas, assistentes sociais, enfermeiros, fisioterapeutas, psicólogos entre outros. Esta estrutura fornece terapias como radioterapia, quimioterapia, cirurgia oncologia, acompanhamento clinico, nutricional, psicológico e assistencial, visando ao bem estar do paciente em tratamento e de seus familiares. A falta de registros estatísticos é uma realidade que parece não importar a sociedade, mas o crescente aumento no número de casos, refletindo no aumento de pessoas que convivem com está neoplasia, torna o tema de alta relevância, pois se conhecermos os hábitos, costumes dos pacientes tratados, será possível modificar hábitos, costumes, permitindo a prevenção, a detecção precoce, visando reduzir o índice de mortalidade. O uso das novas tecnologias de Sistemas de Informação (SI) visam permitir que os dados sejam gerados e avaliados de forma otimizada e eficiente, através das novas técnicas, disponíveis como: Data Warehouse (DW), Data Mining (DM), Business Intelligence (BI). A proposta deste projeto é desenvolver um protótipo que possibilite a criação de um ambiente Data Warehouse, utilizando técnicas de mineração de dados, gráficos, tabelas e relatórios, que permitam aos profissionais a identificação de hábitos, tendências e históricos familiares que auxiliem no aperfeiçoamento do tratamento de pacientes.

4 18 O uso dos SI s permitem que os profissionais identifiquem informações que antes eram desconhecidas, já que o processo de cruzamento de informações dos casos tratados era realizado de forma manual, o que dificultava substancialmente a identificação de padrões. 1.3 JUSTIFICATIVA O câncer pode surgir de várias causas, e o seu surgimento pode ser derivado de uma seqüência de eventos. Câncer (ou neoplasia, ou tumor maligno) é uma classe de doenças caracterizadas pelo crescimento descontrolado de células aberrantes, e pode matar devido à invasão destrutiva de órgãos normais por estas células, por extensão direta ou por disseminação à distância, que pode ser através do sangue, linfa ou superfície serosa (SASSE, 2002). As neoplasias é a terceira maior causa de morte no Brasil (superadas apenas pelas doenças do aparelho circulatório e pelas causas externas / violência). Estima-se que durante o século 21 o câncer já seja a principal causa de morte no Brasil (INCA, 2002). De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA), que tem como função assistir ao Ministério da Saúde na formulação de políticas de prevenção, diagnóstico e tratamento de neoplasias malignas e afecções correlatas. O objetivo é planejar, organizar, executar, dirigir, controlar e supervisionar planos, programas, projetos e atividades em âmbito nacional, (INCA, 2002). Como estas atividades também são desempenhadas no HRO, é necessário que a instituição também possa avaliar, planejar, organizar, executar e supervisionar seus serviços, tendo como meta a qualidade, eficiência e eficácia no tratamento dos pacientes. Como o sucesso da terapia contra o câncer depende da escolha das modalidades de tratamento que mais se adaptam ao paciente e à sua doença, faz-se necessário a cooperação entre especialidades, tornando o conhecimento de casos já atendidos e seus resultados alcançados um fator de grande importância. Este projeto visa fornecer uma ferramenta que permita aos profissionais de oncologia, identificar, investigar e avaliar padrões que possam dar maior consistência as decisões. As decisões podem estar vinculadas a tratamentos, campanhas de prevenção e projetos educacionais, visando à melhoria da qualidade de vida e redução de futuros casos.

5 19 Como as técnicas de Data Warehouse e Data Mining têm sido muito utilizadas em âmbito comercial, possibilitando aos empresários definir estratégias futuras para sua empresa, porque não utilizá-las também para profissionais e gestores de serviços de saúde? A proposta deste trabalho consiste em fornecer uma ferramenta que permita a definição de um ambiente com os dados considerados relevantes, através da extração, validação, transformação e carga. Após estas etapas necessárias para obtenção de informações é possível a busca de conhecimentos que transmitam maior confiabilidade no tratamento indicado, bem como possíveis formas de evitar eventos que possam levar as ocorrências destas neoplasias. Atualmente o HRO utiliza-se de fichas e formulários impressos onde são coletadas informações sobre hábitos gerais dos pacientes (alimentação, práticas de esporte), informações pessoais (nome, idade, sexo, cidade), históricos familiares e tratamentos (procedimento, médico, diagnóstico). Portanto, a importância deste trabalho está em otimizar a coleta de informações através de arquivos textos, ou ainda, inserindo os dados coletados através de fichas diretamente na base. Com isso é possível o cruzamento de informações e a identificação de informações de forma rápida, não necessitando de um trabalho exaustivo de contagem manual, o que torna o processo demorado, evitando que informações relevantes sejam desperdiçadas. 1.4 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS No desenvolvimento do protótipo foi necessária uma pesquisa ampla sobre câncer, oncologia, Data Warehouse, OLAP, Data Mining e suas técnicas. Também foi necessário obter conhecimento dos procedimentos envolvidos nos serviços da oncologia do Hospital Regional do Oeste (HRO), onde foi aplicada a pesquisa e validado o protótipo. O protótipo possui uma abordagem quantitativa considerando que os dados foram avaliados e minerados, mas também qualitativa, pois o resultado desta mineração permitirá a análise e a busca por padrões que objetivam melhorar a qualidade dos tratamentos oncológicos prestados pelo HRO. A pesquisa teve como objetivo o desenvolvimento de um protótipo que possibilite aos profissionais que atuam na área oncológica, acesso a informações relacionadas à pacientes atendidos, diagnosticados e tratados.

6 20 Para auxiliar na construção do estudo de caso utilizou-se materiais bibliográficos como: livros, revistas, monografias, além de manuais e artigos disponíveis na internet e também nos Serviços de Oncologia do HRO. Conforme exposto a pesquisa foi aplicada, quantitativa e qualitativa, exploratória, bibliográfica, documental, sendo o estudo de caso realizado no HRO. 1.5 ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO O trabalho é composto por sete capítulos, sendo dividido em itens e sub-itens. No capítulo dois é abordado o tema oncologia, câncer, conceitos, tratamento e informações sobre o tema. No capítulo três serão abordados assuntos como Business Intelligence, evolução dos sistemas de apoio à decisão, além de aspectos sobre Data Warehouse (Armazém de Dados), os elementos básicos, arquitetura, suas etapas de construção, o modelo de dados utilizado, o que são metadados e um estudo sobre data mart. Também será abordado o tema Data Mining, relatando seu funcionamento, etapas e técnicas. No capítulo quatro, o principal objetivo é apresentar um estudo do ambiente, que é de suma importância para permitir que seja proposto um modelo. Neste estudo é importante conhecer o histórico, a estrutura organizacional, como está definido o fluxo de informações e levantamento de requisitos. No capítulo cinco tem como prioridade demonstrar as ferramentas utilizadas, e a apresentação do protótipo desenvolvido, levando em consideração a revisão bibliográfica. As especificações coletadas no levantamento de requisitos foram utilizadas na validação do protótipo. No capítulo seis, são enfatizadas as considerações finais, contribuições e recomendações para trabalhos futuros.

7 21 2 ONCOLOGIA - ESTUDO DOS TUMORES (CÂNCER) Este capítulo tem como objetivo compreender o que é oncologia, o que é o câncer, como se ocorre sua formação, quais os tipos, as modalidades terapêuticas, como evitar e como está sendo o registro dos casos no Mundo e no Brasil. 2.1 ONCOLOGIA A origem da palavra é do grego ogkos (tumor) mais logos (tratar de), que tem como significado o estudo dos tumores (Dicionário). Segundo Sasse (2002), a oncologia tornou-se uma disciplina ampla e muito interessante, sendo auxiliada por várias especialidades, ou seja, multidisciplinares, pois envolve áreas diversas como: cirurgia, pediatria, patologia, radiologia, psiquiatria, nutrição, fisioterapia entre outras. Na oncologia três objetivos são considerados primordiais, que consistem em curar o paciente o mais breve possível, não sendo possível, o segundo objetivo é postergar o máximo e o terceiro é com a melhor qualidade possível, permitindo que o paciente tenha uma vida menos sofrida. Também é levado em consideração a sensibilidade e o bom senso. Como relata Cenafert (2003), o objetivo da oncologia é conhecer o câncer, para tratar, e com o domínio do conhecimento, preveni-lo. Há uns 40 anos até mesmo para os profissionais médicos comunicarem ao seu paciente o problema era complicado, normalmente esse contato era feito com familiares, a mudança de cultura e as possibilidades de cura minimizaram este fato, já ficou muito mais fácil discutir com o próprio paciente sobre seu problema e as possibilidades de tratamento. Antigamente o conhecimento da doença partia do diagnóstico, constatado em fases avançadas. Nesta época pouco se podia fazer para o conhecimento das alterações morfológicas nas células, pelo microscópio, quando a doença é incipiente. O avanço seguiu ainda mais e estamos no estágio onde, em alguns casos, dispomos de tecnologia para detectar alterações que estão em andamento na molécula e que podem ser desencadeadoras de uma neoplasia no futuro. A ação preventiva, nesse caso pode ser bastante precose (CENAFERT, 2003).

8 22 Como relata Cenafert (2003) quarenta por cento dos tumores são preveníveis e uma outra quantidade igual é controlável, e os outros vinte por cento estão sendo pesquisados e estudados constantemente. 2.2 DEFINIÇÃO DO CÂNCER O câncer, ou neoplasias, ou ainda tumor maligno são células descaracterizadas que passam por um crescimento descontrolado, podendo levar a morte devido à invasão destrutiva de órgãos normais, por extensão direta ou por disseminação à distância, que pode ser disseminada pelo sangue, linfa ou superfície serosa. Este comportamento anormal das células cancerosas é geralmente espelhado por mutações genéticas, expressões de características ontológicas, ou secreção anormal de hormônios ou enzimas (SASSE, 2002). Segundo Inca (2002), o câncer é um conjunto de 100 doenças com crescimento desordenado, maligno, que invadem células e órgãos, disseminando-se por outras partes do corpo, também é conhecido como metástase. A divisão descontrolada destas células ocasionão tumores (acúmulo de células cancerosas), que são definidas como neoplasias malignas, já os tumores benignos são simplesmente células que são muito parecidas com as normais e que se dividem vagarosamente sem fornecer risco à vida do paciente. Todos os cânceres têm o potencial de invasão ou de metastalização, mas cada tipo específico tem características clínicas e biológicas, que devem ser estudadas para um adequado diagnóstico, tratamento e acompanhamento (SASSE, 2002). A figura abaixo demonstra como atuam as células anormais (cancerosas), que infiltram tecidos até atingir órgãos. Figura 1: Ilustração de como ocorre a formação do tumor (INCA, 2002)

9 CAUSAS DO CÂNCER A seqüência de eventos pode desencadear a ocorrência, ou auxiliar no surgimento dos tumores, através de modificações genéticas que transformem células normais em células destrutivas, que não seguem os padrões das outras células (SASSE, 2002). As causas de câncer são variadas, podendo ser externas ou internas ao organismo, estando ambas interrelacionadas. As causas externas relacionam-se ao meio ambiente e aos hábitos ou costumes próprios de um ambiente social e cultural. As causas internas são, na maioria das vezes, geneticamente pré-determinadas, estão ligadas à capacidade do organismo de se defender das agressões externas. Esses fatores causais podem interagir de várias formas, aumentando a probabilidade de transformações malignas nas células normais (INCA, 2002). Segundo Inca (2002), a maioria dos cânceres, em torno de 80 ou 90%, são ocasionados por fatores ambientais, incentivados por hábitos como: cigarro, que causa principalmente o câncer de pulmão, exposição muito longa ao sol que causa câncer de pele, entre outros, também podendo ser ocasionados por vírus que causam, por exemplo, a leucemia (câncer no sangue). Segundo Inca (2002) casos que sejam efetivamente causados por fatores hereditários, familiares e étnicos, são raros, apesar de existirem alguns casos tipo de portadores de retinoblastoma, que em 10% tem um histórico familiar de tumores, bem como alguns tipos de câncer de mama, estômago e intestino, que possuem um componente familiar bastante significativo. Também existem alguns dados com relação a grupos étnicos como orientais que apresentam casos raros de leucemia linfocítica e negros com o Sarcoma de Ewing. 2.4 ESTADIAMENTO GERAL DO CÂNCER O Cenafert (2003) apresenta um demonstrativo simplificado de como são divididos os estágios do câncer: Estágio 1. Localizado: Está em geral dentro do órgão de origem, normalmente possível de cura com cirurgia e irradiação no local afetado;

10 24 Estágio 2. Localizado mas extenso: Quando sai para fora do órgão origem, fica normalmente próximo, em certo momentos curável com cirurgia e irradiação, em conjunto com a quimioterapia; Estágio 3. Disseminado regionalmente: Ultrapassa os limites do órgão origem, passando por muitos tecidos, podendo atingir gânglios (linfonodos), pode ser curado, mas em muitos casos não ocorre a cura e o tratamento do local ou do sistema depende do tumor; Estágio 4. Disseminado difusamente: Quanto já atingiu vários órgãos distantes, os casos de cura são muito raros. 2.5 MODALIDADES TERAPÊUTICAS Abaixo são demonstradas as modalidades terapêuticas utilizadas segundo Sasse (2002). Cirurgia: Utilizada para tumores localizados em situações anatômicas favoráveis. É uma modalidade muito importante na cura, mas que no caso de tumores disseminados não é suficiente. Radioterapia: Medido em rads, utilizados em tumores que costumam retornar após cirurgia, podendo ocasionar lesões em células próximas ao tumor, e a quantidade de aplicação depende do tumor. Quimioterapia: Utilizam medicamentos que causam danos às células, utilizando vários medicamentos considerando-se sensibilidades diferentes às drogas antineoplasicas, em geral lesão de DNA celular. A causa da maioria dos efeitos colaterais como: náuseas, vômitos, anemia, mielossupressão são devido à toxicidade contra células normais. Normalmente utilizada depois de outras terapias como: tratamento cirúrgico, radioterápico em caso de câncer de leucemias, linfomas, testículo, etc. Terapia biológica: Uso de modificadores biológicos, fazendo com que as células tumorais sejam de fácil controle e que permitam ao próprio organismo o combate à doença. 2.6 TIPOS DE CÂNCER Os tipos de câncer e seus fatores de risco conforme o Infocâncer (2004) são:

11 Câncer de Boca Para Infocâncer (2004), os fatores que podem levar ao câncer de boca são os vícios de fumar cachimbos e cigarros, o consumo de álcool, a má higiene bucal e o uso de próteses dentárias mal-ajustadas Câncer do Colo do Útero Os fatores sociais, ambientais e os hábitos de vida, tais como baixas condições sócioeconômicas, atividade sexual antes dos 18 anos de idade, pluralidade de parceiros sexuais, vício de fumar (diretamente relacionado à quantidade de cigarros fumados), hábitos de higiene e o uso prolongado de contraceptivos orais são os principais motivos da doença. Estudos recentes mostram ainda que o vírus do papiloma humano (HPV) e o Herpesvírus Tipo II (HSV) têm papel importante no desenvolvimento da displasia das células cervicais e na sua transformação em células cancerosas. O vírus do papiloma humano (HPV) está presente em 94% dos casos de câncer do colo do útero (INFOCÂNCER, 2004) Câncer de Fígado Cerca de 50% dos pacientes com carcinoma hepatocelular apresentam cirrose hepática, que pode estar associada ao etilismo (Consumo de Bebida alcoólica) ou hepatite crônica, cujo fator etiológico predominante é a infeccão pelo vírus da hepatite B, segundo (INFOCÂNCER, 2004) Câncer de Laringe Conforme Infocâncer (2004) há uma forte associação entre a ingestão excessiva de álcool e o vício de fumar, com o desenvolvimento de câncer nas vias aerodigestivas superiores. O tabagismo é o maior fator de risco para o desenvolvimento do câncer de laringe. Quando a ingestão excessiva de álcool é adicionada ao fumo, o risco aumenta para o câncer supraglótico. Pacientes com câncer de laringe que continuam a fumar e beber tem probabilidade de cura reduzida e aumentam o risco de aparecimento de um segundo tumor primário na área de cabeça e pescoço Câncer de Mama Segundo Infocâncer (2004), as causas de câncer de mama ainda são desconhecidas. O histórico familiar constitui o fator de risco mais importante, especialmente se o câncer ocorreu na mãe ou em irmã, se foi bilateral e se desenvolveu antes da menopausa. Outro fator de risco é a exposição à radiação ionizante antes dos 35 anos. A menopausa tardia

12 26 (além dos 50 anos, em média) está associada a uma maior incidência, assim como a primeira gravidez após os 30 anos de idade. No entanto, ainda não está comprovado se a mulher que retarda intencionalmente a gravidez para depois dos 30 anos tem maior risco de que aquelas cuja gravidez não pôde ocorrer espontaneamente. Continua sendo alvo de muita controvérsia o uso de contraceptivos orais no que diz respeito à sua associação com o câncer de mama. Aparentemente, certos subgrupos de mulheres, com destaque para as que usaram pílulas com dosagens elevadas de estrogênios ou por longo período de tempo, têm maior risco. Outro fator de risco é a ingestão regular de álcool, mesmo que em quantidade moderada, que gera um aumento moderado do risco de câncer de mama Câncer de Próstata Os antecedentes familiares têm particular importância, pois elevam o risco em três vezes ou mais para os descendentes de doentes de câncer de próstata. Quanto aos fatores ambientais, existem muitas relações possíveis, entre as quais com substâncias químicas utilizadas na indústria de fertilizantes, ferro, cromo, cádmio borracha e chumbo, embora não seja comprovada a correlação entre esses fatores e uma maior incidência do câncer de próstata (INFOCÂNCER, 2004). Outros fatores importantes para Infocâncer (2004) são as dietas ricas em gordura animal que podem aumentar as taxas de androgênios e estrogênios e relacionar-se com o aumento dos tumores da próstata, ao contrário da gordura vegetal e dos frutos do mar. Calcula-se que de 75% a 80% dos tumores não se expressam clinicamente, e apenas 20% a 25% manifestarão sintomas. Destes, 10% são focais, 40% são iniciais e talvez curáveis e 50% são avançados. Estes números variam com a maior ou menor possibilidade de detecção precoce da doença. Os tumores encontrados nas necropsias são geralmente pequenos, bem diferenciados e estão confinados à glândula, ao contrário do que ocorre com os homens que morrem de câncer de próstata, que portam tumores grandes ou invasivos. O retardo do diagnóstico prende-se a diversos fatores: a falta de informação da população leiga, que mantém crenças ultrapassadas e negativas sobre o câncer e seu prognóstico; a falta de alerta dos profissionais da saúde para o diagnóstico precoce dos casos; o preconceito contra o câncer e contra o toque retal; a inexistência de um exame específico e sensível que possa detectar tumor em fase microscópica e a falta de rotinas abrangentes programadas nos serviços de saúde públicos e privados que favoreça a detecção do câncer, inclusive o de próstata.

13 Câncer de Pulmão Independentemente do tipo celular ou subcelular, o tabagismo é o principal fator de risco do câncer pulmonar, sendo responsável por 90% dos casos. Outros fatores relacionados são certos agentes químicos (como o arsênico, asbestos, berílio, cromo, radônio, níquel, cádmio e cloreto de vinila, principalmente encontrados no ambiente ocupacional), fatores dietéticos (baixo consumo de frutas e verduras), a doença pulmonar obstrutiva crônica (enfisema pulmonar e bronquite crônica), fatores genéticos (que predispõem à ação carcinogênica de compostos inorgânicos de asbesto e hidrocarbonetos policíclicos aromáticos) e história familiar de câncer de pulmão (INFOCÂNCER, 2004) Câncer de Ovário As mulheres que apresentam diagnóstico de câncer de mama ou intestino, ou têm parentes próximos com esses tipos de cânceres são propensas a desenvolver o câncer de ovário. As mulheres que nunca tiveram filhos também têm mais chances de desenvolver a doença. Nesse caso, a ovulação é incessante, portanto a possibilidade de haver problemas no ovário é maior. Já a gravidez e a menopausa produzem o efeito contrário: reduzem o risco deste tipo de câncer. A amamentação também protege a mulher contra o câncer de ovário. A presença de cistos no ovário, bastante comum entre as mulheres, não deve ser motivo para pânico. O perigo só existe quando eles são maiores que 10 cm e possuem áreas sólidas e líquidas. Nesse caso, quando detectado o cisto, a cirurgia é o tratamento indicado (INFOCÂNCER, 2004) Leucemia A leucemia é uma doença maligna dos glóbulos brancos (leucócitos) de causa não conhecida. Ela tem como principal característica o acúmulo de células na medula óssea. A medula é o local de formação das células sangüíneas, ocupa a cavidade dos ossos e é conhecida popularmente por tutano. Nela são encontradas as células mães ou precursoras que originam os elementos figurados do sangue (glóbulos brancos, glóbulos vermelhos ou hemácias ou eritrócitos e plaquetas). Os principais sintomas de leucemia decorrem do acúmulo dessas células na medula óssea, prejudicando ou impedindo a produção dos glóbulos vermelhos (causando anemia), glóbulos brancos (causando infecções) e plaquetas (causando hemorragias e manchas roxas). Depois de instalada, a doença progride rapidamente, exigindo início de tratamento rápido. (INFOCÂNCER, 2004).

14 Melanoma ou Câncer de Pele Os fatores de risco levantados por Infocâncer (2004), em ordem de importância é a sensibilidade ao sol (queimadura pelo sol e não bronzeamento), a pele clara, a exposição excessiva ao sol, a história prévia de câncer de pele, história familiar de melanoma, nevo congênito (pinta escura), maturidade (após 15 anos de idade a propensão para este tipo de câncer aumenta), xeroderma pigmentoso (doença congênita que se caracteriza pela intolerância total da pelo ao sol, com queimaduras externas, lesões crônicas e tumores múltiplos) e nevo displásico (lesões escuras da pele com alterações celulares précancerosas) Tumores de Ewing (Tumor de Askin) Para Infocâncer (2004), a causa é desconhecida. Não parece ser hereditária. São tumores extremamente raros em negros e asiáticos. 2.7 CONSIDERAÇÕES FINAIS DO CAPÍTULO Neste capítulo foi visto sobre o que é oncologia, câncer, as causas, os estágios, seus tratamentos e tipos de cânceres, a seguir começaremos a conhecer as tecnologias a serem utilizadas para o desenvolvimento do projeto.

15 29 3 BUSINESS INTELLIGENCE BI Neste capítulo serão abordados assuntos como Business Intelligence, evolução dos sistemas de apoio à decisão, além de aspectos sobre Data Warehouse (Armazém de Dados), os elementos básicos, arquitetura, suas etapas de construção, o modelo de dados utilizado, o que são os metadados e um estudo sobre data mart. Também será abordado o tema Data Mining, relatando seu funcionamento, etapas e técnicas. Inicialmente é importante o entendimento dos termos que constituem esse conceito: Business (negócio) e Intelligence (inteligência), ou seja, inteligência de negócio. O objetivo do BI está em servir de auxilio para tratamento da base de dados existente, de forma a melhorar o processo de tomada de decisão. O BI engloba o uso de ferramentas sofisticadas, como por exemplo, a Inteligência Artificial (IA), propiciando informações mais trabalhadas, gerando uma base de conhecimento, obtida através da base de dados existente, sendo disseminado pela empresa em um contínuo processo de verificação e aprimoramento. De acordo com Data Warehouse (1999) apud Smaniotto (2001), BI é a união de conceitos e metodologias, utilizando-se de fatos que forneçam suporte a tomada de decisão. Para MV2 (2001) apud Smaniotto (2001), BI ou Inteligência Empresarial tem como objetivo apresentar informações de maneira e formato corretos e em tempo hábil para dar suporte à tomada de decisões. A figura abaixo demonstra uma visão geral da arquitetura de um BI: Figura 2. Visão Geral da Arquitetura de um Business Intelligence (ALCÄNTARA, 2003)

16 30 Conceituando seus componentes: operacional: são os dados do dia-a-dia da empresa. Segundo Inmon (1997), "é denominado desta forma, pois, está relacionado com operações de negócios diárias da corporação". staging area (SA): é área de tratamento, padronização e transformação da informação. Também denominadas por Inmon (1997) como "camada de integração e transformação". operational data store (ODS): Para Inmon (1997), ODS é uma base de dados integrada, volátil, de valores correntes, e que contém somente dados detalhados. data warehouse (DW): Para Kimball (1998), é a fonte de dados para consultas na organização, ou seja, a união de todos os Data Marts já constituídos. data mart (DM): Segundo Kimball (1998), que os data marts são subconjuntos de um DW completo. near line store (NLS): armazenagem complementar ao DW, a fim de manter dados raramente acessados (INMON, 1997). exploration warehouse (EW): Para Inmon (1997), um ambiente ideal para análises pesadas e inexploradas ainda por serem efetuadas, isolado do warehouse corporativo. metadados: Pode-se definir metadados como os dados que definem os elementos de dados da arquitetura BI. ETL: Sigla derivada de Extract, Transformation and Load, consiste no processo de busca dos dados de sua origem para serem utilizadas em um ambiente BI, sua transformação, padronização e posterior carga no DW (ou DM ou ODS). OLAP: Advindo da expressão On-Line Analytic Processing, Kimball (1998), define como a atividade de consulta e apresentação de dados textuais e numéricos em um DW. Drill: Operação de detalhamento (drill-down) ou agregação (drill-up, também conhecido como roll-up) em um processo OLAP (INMON, 1997).

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É DATA WAREHOUSE?... 2 3. O QUE DATA WAREHOUSE NÃO É... 4 4. IMPORTANTE SABER SOBRE DATA WAREHOUSE... 5 4.

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É DATA WAREHOUSE?... 2 3. O QUE DATA WAREHOUSE NÃO É... 4 4. IMPORTANTE SABER SOBRE DATA WAREHOUSE... 5 4. SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É DATA WAREHOUSE?... 2 3. O QUE DATA WAREHOUSE NÃO É... 4 4. IMPORTANTE SABER SOBRE DATA WAREHOUSE... 5 4.1 Armazenamento... 5 4.2 Modelagem... 6 4.3 Metadado... 6 4.4

Leia mais

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES TUMORES Tumores, também chamados de neoplasmas, ou neoplasias, são alterações celulares que provocam o aumento anormal dos tecidos corporais envolvidos. BENIGNO: são considerados benignos quando são bem

Leia mais

Sistemas de Apoio à Decisão (SAD) - Senado

Sistemas de Apoio à Decisão (SAD) - Senado Sistemas de Apoio à Decisão (SAD) - Senado DW OLAP BI Ilka Kawashita Material preparado :Prof. Marcio Vitorino Sumário OLAP Data Warehouse (DW/ETL) Modelagem Multidimensional Data Mining BI - Business

Leia mais

Data Warehousing. Leonardo da Silva Leandro. CIn.ufpe.br

Data Warehousing. Leonardo da Silva Leandro. CIn.ufpe.br Data Warehousing Leonardo da Silva Leandro Agenda Conceito Elementos básicos de um DW Arquitetura do DW Top-Down Bottom-Up Distribuído Modelo de Dados Estrela Snowflake Aplicação Conceito Em português:

Leia mais

Data Warehouses. Alunos: Diego Antônio Cotta Silveira Filipe Augusto Rodrigues Nepomuceno Marcos Bastos Silva Roger Rezende Ribeiro Santos

Data Warehouses. Alunos: Diego Antônio Cotta Silveira Filipe Augusto Rodrigues Nepomuceno Marcos Bastos Silva Roger Rezende Ribeiro Santos Data Warehouses Alunos: Diego Antônio Cotta Silveira Filipe Augusto Rodrigues Nepomuceno Marcos Bastos Silva Roger Rezende Ribeiro Santos Conceitos Básicos Data Warehouse(DW) Banco de Dados voltado para

Leia mais

Modelo de dados do Data Warehouse

Modelo de dados do Data Warehouse Modelo de dados do Data Warehouse Ricardo Andreatto O modelo de dados tem um papel fundamental para o desenvolvimento interativo do data warehouse. Quando os esforços de desenvolvimentos são baseados em

Leia mais

Data Warehouse Processos e Arquitetura

Data Warehouse Processos e Arquitetura Data Warehouse - definições: Coleção de dados orientada a assunto, integrada, não volátil e variável em relação ao tempo, que tem por objetivo dar apoio aos processos de tomada de decisão (Inmon, 1997)

Leia mais

5 Estudo de Caso. 5.1. Material selecionado para o estudo de caso

5 Estudo de Caso. 5.1. Material selecionado para o estudo de caso 5 Estudo de Caso De modo a ilustrar a estruturação e representação de conteúdos educacionais segundo a proposta apresentada nesta tese, neste capítulo apresentamos um estudo de caso que apresenta, para

Leia mais

Adriano Maranhão BUSINESS INTELLIGENCE (BI),

Adriano Maranhão BUSINESS INTELLIGENCE (BI), Adriano Maranhão BUSINESS INTELLIGENCE (BI), BUSINESS INTELLIGENCE (BI) O termo Business Intelligence (BI), popularizado por Howard Dresner do Gartner Group, é utilizado para definir sistemas orientados

Leia mais

Aplicação A. Aplicação B. Aplicação C. Aplicação D. Aplicação E. Aplicação F. Aplicação A REL 1 REL 2. Aplicação B REL 3.

Aplicação A. Aplicação B. Aplicação C. Aplicação D. Aplicação E. Aplicação F. Aplicação A REL 1 REL 2. Aplicação B REL 3. Sumário Data Warehouse Modelagem Multidimensional. Data Mining BI - Business Inteligence. 1 2 Introdução Aplicações do negócio: constituem as aplicações que dão suporte ao dia a dia do negócio da empresa,

Leia mais

TÓPICOS AVANÇADOS EM ENGENHARIA DE SOFTWARE

TÓPICOS AVANÇADOS EM ENGENHARIA DE SOFTWARE TÓPICOS AVANÇADOS EM ENGENHARIA DE SOFTWARE Engenharia de Computação Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto OLPT x OLAP Roteiro OLTP Datawarehouse OLAP Operações OLAP Exemplo com Mondrian e Jpivot

Leia mais

Business Intelligence e ferramentas de suporte

Business Intelligence e ferramentas de suporte O modelo apresentado na figura procura enfatizar dois aspectos: o primeiro é sobre os aplicativos que cobrem os sistemas que são executados baseados no conhecimento do negócio; sendo assim, o SCM faz o

Leia mais

O que é o câncer de mama?

O que é o câncer de mama? O que é o câncer de mama? As células do corpo normalmente se dividem de forma controlada. Novas células são formadas para substituir células velhas ou que sofreram danos. No entanto, às vezes, quando células

Leia mais

Bloco Administrativo

Bloco Administrativo Bloco Administrativo BI Business Intelligence Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Business Intelligence, que se encontra no Bloco Administrativo. Todas informações aqui

Leia mais

DATA WAREHOUSE. Introdução

DATA WAREHOUSE. Introdução DATA WAREHOUSE Introdução O grande crescimento do ambiente de negócios, médias e grandes empresas armazenam também um alto volume de informações, onde que juntamente com a tecnologia da informação, a correta

Leia mais

PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO

PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO SENADO FEDERAL PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Previna o câncer do colo do útero apresentação O câncer do colo do útero continua matando muitas mulheres. Especialmente no Brasil,

Leia mais

Prova INSS RJ - 2007 cargo: Fiscal de Rendas

Prova INSS RJ - 2007 cargo: Fiscal de Rendas Prova INSS RJ - 2007 cargo: Fiscal de Rendas Material de Apoio de Informática - Prof(a) Ana Lucia 53. Uma rede de microcomputadores acessa os recursos da Internet e utiliza o endereço IP 138.159.0.0/16,

Leia mais

ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP- 42883

ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP- 42883 ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP- 42883 Renata Loretti Ribeiro 2 Introdução O câncer representa uma causa importante de morbidez e mortalidade, gerador de efeitos que

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI Noções de sistemas de informação Turma: 01º semestre Prof. Esp. Marcos Morais

Leia mais

Resumo dos principais conceitos. Resumo dos principais conceitos. Business Intelligence. Business Intelligence

Resumo dos principais conceitos. Resumo dos principais conceitos. Business Intelligence. Business Intelligence É um conjunto de conceitos e metodologias que, fazem uso de acontecimentos e sistemas e apoiam a tomada de decisões. Utilização de várias fontes de informação para se definir estratégias de competividade

Leia mais

BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios-

BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios- UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS, HUMANAS E SOCIAIS BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios- Curso: Administração Hab. Sistemas de Informações Disciplina: Gestão de Tecnologia

Leia mais

Tópicos Avançados Business Intelligence. Banco de Dados Prof. Otacílio José Pereira. Unidade 10 Tópicos Avançados Business Inteligence.

Tópicos Avançados Business Intelligence. Banco de Dados Prof. Otacílio José Pereira. Unidade 10 Tópicos Avançados Business Inteligence. Tópicos Avançados Business Intelligence Banco de Dados Prof. Otacílio José Pereira Unidade 10 Tópicos Avançados Business Inteligence Roteiro Introdução Níveis organizacionais na empresa Visão Geral das

Leia mais

Data Warehouses Uma Introdução

Data Warehouses Uma Introdução Data Warehouses Uma Introdução Alex dos Santos Vieira, Renaldy Pereira Sousa, Ronaldo Ribeiro Goldschmidt 1. Motivação e Conceitos Básicos Com o advento da globalização, a competitividade entre as empresas

Leia mais

Identificar as mudanças que acontecem na forma e no uso de apoio à decisão em empreendimentos de e-business. Identificar o papel e alternativas de

Identificar as mudanças que acontecem na forma e no uso de apoio à decisão em empreendimentos de e-business. Identificar o papel e alternativas de 1 Identificar as mudanças que acontecem na forma e no uso de apoio à decisão em empreendimentos de e-business. Identificar o papel e alternativas de relatórios dos sistemas de informação gerencial. Descrever

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Data Warehouse - Conceitos Hoje em dia uma organização precisa utilizar toda informação disponível para criar e manter vantagem competitiva. Sai na

Leia mais

Módulo 2. Definindo Soluções OLAP

Módulo 2. Definindo Soluções OLAP Módulo 2. Definindo Soluções OLAP Objetivos Ao finalizar este módulo o participante: Recordará os conceitos básicos de um sistema OLTP com seus exemplos. Compreenderá as características de um Data Warehouse

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Lembrando... Aula 4 1 Lembrando... Aula 4 Sistemas de apoio

Leia mais

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama Cancro da Mama O Cancro da Mama é um tumor maligno que se desenvolve nas células do tecido mamário. Um tumor maligno consiste num grupo de células alteradas (neoplásicas) que pode invadir os tecidos vizinhos

Leia mais

Sistemas de Informação Gerenciais (SIG)

Sistemas de Informação Gerenciais (SIG) Faculdade de Engenharia - Campus de Guaratinguetá Sistemas de Informação Gerenciais (SIG) Prof. José Roberto Dale Luche Unesp Um SISTEMA DE INFORMAÇÃO é um conjunto de componentes inter-relacionados, desenvolvidos

Leia mais

Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence

Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence Juntamente com o desenvolvimento desses aplicativos surgiram os problemas: & Data Warehouse July Any Rizzo Oswaldo Filho Década de 70: alguns produtos de BI Intensa e exaustiva programação Informação em

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

O que é câncer de mama?

O que é câncer de mama? Câncer de Mama O que é câncer de mama? O câncer de mama é a doença em que as células normais da mama começam a se modificar, multiplicando-se sem controle e deixando de morrer, formando uma massa de células

Leia mais

DATA WAREHOUSE. Rafael Ervin Hass Raphael Laércio Zago

DATA WAREHOUSE. Rafael Ervin Hass Raphael Laércio Zago DATA WAREHOUSE Rafael Ervin Hass Raphael Laércio Zago Roteiro Introdução Aplicações Arquitetura Características Desenvolvimento Estudo de Caso Conclusão Introdução O conceito de "data warehousing" data

Leia mais

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho Câncer de Próstata Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho O que é próstata? A próstata é uma glândula que só o homem possui e que se localiza na parte baixa do abdômen. Ela é um órgão muito pequeno, tem

Leia mais

Chapter 3. Análise de Negócios e Visualização de Dados

Chapter 3. Análise de Negócios e Visualização de Dados Chapter 3 Análise de Negócios e Visualização de Dados Objetivos de Aprendizado Descrever a análise de negócios (BA) e sua importância par as organizações Listar e descrever brevemente os principais métodos

Leia mais

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186 Câncer de Pulmão Todos os tipos de câncer podem se desenvolver em nossas células, as unidades básicas da vida. E para entender o câncer, precisamos saber como as células normais tornam-se cancerosas. O

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

Data Warehouse. Debora Marrach Renata Miwa Tsuruda

Data Warehouse. Debora Marrach Renata Miwa Tsuruda Debora Marrach Renata Miwa Tsuruda Agenda Introdução Contexto corporativo Agenda Introdução Contexto corporativo Introdução O conceito de Data Warehouse surgiu da necessidade de integrar dados corporativos

Leia mais

Qual é a função dos pulmões?

Qual é a função dos pulmões? Câncer de Pulmão Qual é a função dos pulmões? Os pulmões são constituídos por cinco lobos, três no pulmão direito e dois no esquerdo. Quando a pessoa inala o ar, os pulmões absorvem o oxigênio, que é levado

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE IV: Fundamentos da Inteligência de Negócios: Gestão da Informação e de Banco de Dados Um banco de dados é um conjunto de arquivos relacionados

Leia mais

Business Intelligence Um enfoque gerencial para a Inteligência do Negócio.Efrain Turban e outros.tradução. Bookman, 2009.

Business Intelligence Um enfoque gerencial para a Inteligência do Negócio.Efrain Turban e outros.tradução. Bookman, 2009. REFERÊNCIAS o o Business Intelligence Um enfoque gerencial para a Inteligência do Negócio.Efrain Turban e outros.tradução. Bookman, 2009. Competição Analítica - Vencendo Através da Nova Ciência Davenport,

Leia mais

BUSINESS INTELLIGENCE, O ELEMENTO CHAVE PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES.

BUSINESS INTELLIGENCE, O ELEMENTO CHAVE PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES. Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 88 BUSINESS INTELLIGENCE, O ELEMENTO CHAVE PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES. Andrios Robert Silva Pereira, Renato Zanutto

Leia mais

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS:

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: As mamas (ou seios) são glândulas e sua função principal é a produção de leite. Elas são compostas de lobos que se dividem em porções menores, os lóbulos, e ductos, que

Leia mais

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Sistema Tipos de sistemas de informação Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Um sistema pode ser definido como um complexo de elementos em interação (Ludwig Von Bertalanffy) sistema é um conjunto

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO DW NA ANVISA

IMPLANTAÇÃO DO DW NA ANVISA IMPLANTAÇÃO DO DW NA ANVISA Bruno Nascimento de Ávila 1 Rodrigo Vitorino Moravia 2 Maria Renata Furtado 3 Viviane Rodrigues Silva 4 RESUMO A tecnologia de Business Intelligenge (BI) ou Inteligência de

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

Banco de Dados - Senado

Banco de Dados - Senado Banco de Dados - Senado Exercícios OLAP - CESPE Material preparado: Prof. Marcio Vitorino OLAP Material preparado: Prof. Marcio Vitorino Soluções MOLAP promovem maior independência de fornecedores de SGBDs

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO Gabinete do Vereador DR. JAIRINHO DECRETA:

CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO Gabinete do Vereador DR. JAIRINHO DECRETA: PROJETO DE LEI Nº 442/2005 Despacho DISPÕE SOBRE A OBRIGATORIEDADE DE REALIZAÇÃO DE EXAME SOROLÓGICO PRÉ-NATAL EM MULHERES GRÁVIDAS PARA DIAGNÓSTICO PRECOCE DE VÍRUS DA AIDS, DAS HEPATITES B E C E DOS

Leia mais

e-business A IBM definiu e-business como: GLOSSÁRIO

e-business A IBM definiu e-business como: GLOSSÁRIO Através do estudo dos sistemas do tipo ERP, foi possível verificar a natureza integradora, abrangente e operacional desta modalidade de sistema. Contudo, faz-se necessário compreender que estas soluções

Leia mais

Estudar os Sistemas de Processamento de Transação (SPT)

Estudar os Sistemas de Processamento de Transação (SPT) Estudar a Colaboração Empresarial. Objetivos do Capítulo Estudar os Sistemas de Processamento de Transação (SPT) Identificar o papel e alternativas de relatórios dos sistemas de informação gerencial. Estudar

Leia mais

TIPOS DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS CIRURGIA QUIMIOTERAPIA SISTÊMICA

TIPOS DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS CIRURGIA QUIMIOTERAPIA SISTÊMICA TIPOS DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS Prof a Dra. Nise H. Yamaguchi Prof a Dra Enf a Lucia Marta Giunta da Silva Profª. Dra. Enf a Maria Tereza C. Laganá A abordagem moderna do tratamento oncológico busca mobilizar

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

O que é Câncer? Estágio de Iniciação

O que é Câncer? Estágio de Iniciação O que é Câncer? O câncer é definido como um tumor maligno, mas não é uma doença única e sim um conjunto de mais de 200 patologias, caracterizado pelo crescimento descontrolado de células anormais (malignas)

Leia mais

SAD orientado a DADOS

SAD orientado a DADOS Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Sistemas de Informação Prof.: Maico Petry SAD orientado a DADOS DISCIPLINA: Sistemas de Apoio a Decisão SAD orientado a dados Utilizam grandes repositórios

Leia mais

III EGEPUB/COPPE/UFRJ

III EGEPUB/COPPE/UFRJ Luiz Otávio Zahar III EGEPUB/COPPE/UFRJ 27/11/2014 O que é a próstata? A próstata é uma glândula pequena que fica abaixo da bexiga e envolve o tubo (chamado uretra) pelo qual passam a urina e o sêmen.

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

DESMISTIFICANDO O CONCEITO DE ETL

DESMISTIFICANDO O CONCEITO DE ETL DESMISTIFICANDO O CONCEITO DE ETL Fábio Silva Gomes da Gama e Abreu- FSMA Resumo Este artigo aborda os conceitos de ETL (Extract, Transform and Load ou Extração, Transformação e Carga) com o objetivo de

Leia mais

Pollyanna Pereira Nascimento 1, 3 ; Andréia Juliana Leite Rodrigues 2,3.

Pollyanna Pereira Nascimento 1, 3 ; Andréia Juliana Leite Rodrigues 2,3. CONHECIMENTO ESPECÍFICO SOBRE O CÂNCER NÃO AUMENTA CONSCIENTIZAÇÃO. Pollyanna Pereira Nascimento 1, 3 ; Andréia Juliana Leite Rodrigues 2,3. 1 Voluntária Iniciação Científica PVIC/UEG 2 Pesquisadora Orientadora

Leia mais

O que é câncer de estômago?

O que é câncer de estômago? Câncer de Estômago O que é câncer de estômago? O câncer de estômago, também denominado câncer gástrico, pode ter início em qualquer parte do estômago e se disseminar para os linfonodos da região e outras

Leia mais

Capítulo 2 Data Warehousing

Capítulo 2 Data Warehousing Capítulo 2 Data Warehousing Objetivos de Aprendizado Compreender as definições e os conceitos básicos dos data warehouses Compreender as arquiteturas de data warehousing Descrever os processos usados no

Leia mais

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante.

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante. CÂNCER DE MAMA Dr. José Bél Mastologista/Ginecologista - CRM 1558 Associação Médico Espírita de Santa Catarina AME/SC QUANDO PEDIR EXAMES DE PREVENÇÃO Anualmente, a mulher, após ter atingindo os 35 ou

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE PLUG-INS KETTLE PARA GERAÇÃO DE MONDRIAN SCHEMA A PARTIR DE BASES RELACIONAIS, UTILIZANDO A METODOLOGIA AGILE ROLAP.

DESENVOLVIMENTO DE PLUG-INS KETTLE PARA GERAÇÃO DE MONDRIAN SCHEMA A PARTIR DE BASES RELACIONAIS, UTILIZANDO A METODOLOGIA AGILE ROLAP. DESENVOLVIMENTO DE PLUG-INS KETTLE PARA GERAÇÃO DE MONDRIAN SCHEMA A PARTIR DE BASES RELACIONAIS, UTILIZANDO A METODOLOGIA AGILE ROLAP. Eduardo Cristovo de Freitas Aguiar (PIBIC/CNPq), André Luís Andrade

Leia mais

Disciplina: Patologia Oral 4 e 5º períodos CÂNCER BUCAL. http://lucinei.wikispaces.com. Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira

Disciplina: Patologia Oral 4 e 5º períodos CÂNCER BUCAL. http://lucinei.wikispaces.com. Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira Disciplina: Patologia Oral 4 e 5º períodos CÂNCER BUCAL http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 Sigmund Freud ( 1856-1939, 83 anos ) durante 59 anos, mais de 20 charutos/dia

Leia mais

Fonoaudiologia Oncológica Introdução

Fonoaudiologia Oncológica Introdução Fonoaudiologia Oncológica Introdução M.Sc. Profª Viviane Marques Fonoaudióloga, Neurofisiologista e Mestre em Fonoaudiologia Coordenadora da Pós-graduação em Fonoaudiologia Hospitalar da UVA Chefe da Equipe

Leia mais

Data Warehouse. Djenane Cristina Silveira dos Santos¹, Felipe Gomes do Prado¹, José Justino Neto¹, Márcia Taliene Alves de Paiva¹

Data Warehouse. Djenane Cristina Silveira dos Santos¹, Felipe Gomes do Prado¹, José Justino Neto¹, Márcia Taliene Alves de Paiva¹ Data Warehouse. Djenane Cristina Silveira dos Santos¹, Felipe Gomes do Prado¹, José Justino Neto¹, Márcia Taliene Alves de Paiva¹ ¹Ciência da Computação Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI) MG Brasil

Leia mais

Tratamento do câncer no SUS

Tratamento do câncer no SUS 94 Tratamento do câncer no SUS A abordagem integrada das modalidades terapêuticas aumenta a possibilidade de cura e a de preservação dos órgãos. O passo fundamental para o tratamento adequado do câncer

Leia mais

srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo

srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo CBSI Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação BI Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Tópicos Especiais em Sistemas de Informação Faculdade de Computação Instituto

Leia mais

Módulo 5. Implementando Cubos OLAP

Módulo 5. Implementando Cubos OLAP Módulo 5. Implementando Cubos OLAP Objetivos Compreender a importância da manipulação correta da segurança nos dados. Conhecer as operações que podem ser realizadas na consulta de um cubo. Entender o uso

Leia mais

Fundamentos de oncologia. Você sabe o que é o câncer e como ele se desenvolve em nosso corpo?

Fundamentos de oncologia. Você sabe o que é o câncer e como ele se desenvolve em nosso corpo? BIOLOGIA Cláudio Góes Fundamentos de oncologia 1. Introdução Você sabe o que é o câncer e como ele se desenvolve em nosso corpo? Nesta unidade, você verá que o termo câncer refere-se a uma variedade de

Leia mais

ONCOGÊNESE UNESC FACULDADES ENFERMAGEM ONCOLOGIA PROFª FLÁVIA NUNES O QUE É O CÂNCER PROCESSO FISIOPATOLÓGICO 16/08/2015

ONCOGÊNESE UNESC FACULDADES ENFERMAGEM ONCOLOGIA PROFª FLÁVIA NUNES O QUE É O CÂNCER PROCESSO FISIOPATOLÓGICO 16/08/2015 UNESC FACULDADES ENFERMAGEM ONCOLOGIA PROFª FLÁVIA NUNES ONCOGÊNESE O QUE É O CÂNCER Câncer é o nome dado a um conjunto de mais de 100 doenças que têm em comum o crescimento desordenado (maligno) de células

Leia mais

Prevenção em dobro. Eixo de Prevenção do Câncer ganha segunda Unidade Móvel CAPA

Prevenção em dobro. Eixo de Prevenção do Câncer ganha segunda Unidade Móvel CAPA Prevenção em dobro Eixo de Prevenção do Câncer ganha segunda Unidade Móvel O eixo de Prevenção do Câncer do Programa Cuide-se+ acaba de ganhar um importante reforço no atendimento aos trabalhadores das

Leia mais

Um novo tipo de câncer

Um novo tipo de câncer Um novo tipo de câncer Cirurgias menos invasivas e tratamentos personalizados são algumas das apostas da ciência para o câncer de cabeça e pescoço. Em visita ao Brasil, médico especialista na área apresenta

Leia mais

Modelagem de Sistemas de Informação

Modelagem de Sistemas de Informação Modelagem de Sistemas de Informação Professora conteudista: Gislaine Stachissini Sumário Modelagem de Sistemas de Informação Unidade I 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO...1 1.1 Conceitos...2 1.2 Objetivo...3 1.3

Leia mais

Gerenciamento de Dados e Gestão do Conhecimento

Gerenciamento de Dados e Gestão do Conhecimento ELC1075 Introdução a Sistemas de Informação Gerenciamento de Dados e Gestão do Conhecimento Raul Ceretta Nunes CSI/UFSM Introdução Gerenciando dados A abordagem de banco de dados Sistemas de gerenciamento

Leia mais

CAPÍTULO 7. SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO (SAD) SISTEMAS DE SUPORTE À DECISÃO (SSD)

CAPÍTULO 7. SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO (SAD) SISTEMAS DE SUPORTE À DECISÃO (SSD) 1 CAPÍTULO 7. SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO (SAD) SISTEMAS DE SUPORTE À DECISÃO (SSD) A necessidade dos SAD surgiu em decorrência de diversos fatores, como, por exemplo: Competição cada vez maior entre as

Leia mais

A importância da. nas Organizações de Saúde

A importância da. nas Organizações de Saúde A importância da Gestão por Informações nas Organizações de Saúde Jorge Antônio Pinheiro Machado Filho Consultor de Negócios www.bmpro.com.br jorge@bmpro.com.br 1. Situação nas Empresas 2. A Importância

Leia mais

Azul. Novembro. cosbem. Mergulhe nessa onda! A cor da coragem é azul. Mês de Conscientização, Preveção e Combate ao Câncer De Próstata.

Azul. Novembro. cosbem. Mergulhe nessa onda! A cor da coragem é azul. Mês de Conscientização, Preveção e Combate ao Câncer De Próstata. cosbem COORDENAÇÃO DE SAÚDE E BEM-ESTAR Novembro Azul Mês de Conscientização, Preveção e Combate ao Câncer De Próstata. Mergulhe nessa onda! A cor da coragem é azul. NOVEMBRO AZUL Mês de Conscientização,

Leia mais

Uma aplicação de Data Warehouse para apoiar negócios

Uma aplicação de Data Warehouse para apoiar negócios Uma aplicação de Data Warehouse para apoiar negócios André Vinicius Gouvêa Monteiro Marcos Paulo Oliveira Pinto Rosa Maria E. Moreira da Costa Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ IME - Dept

Leia mais

Capítulo 1 - A revolução dos dados, da informação e do conhecimento 1 B12 4

Capítulo 1 - A revolução dos dados, da informação e do conhecimento 1 B12 4 Sumário Capítulo 1 - A revolução dos dados, da informação e do conhecimento 1 B12 4 Capítulo 2 - Reputação corporativa e uma nova ordem empresarial 7 Inovação e virtualidade 9 Coopetição 10 Modelos plurais

Leia mais

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva 2014 Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva/ Ministério da Saúde. Esta

Leia mais

PROJETO DE LEI No, DE 2009

PROJETO DE LEI No, DE 2009 PROJETO DE LEI No, DE 2009 (DO SR. CAPITÃO ASSUMÇÃO) Dispõe sobre a imunização de mulheres com a vacina contra o papilomavírus humano (HPV), na rede pública do Sistema Único de Saúde de todos os estados

Leia mais

Fundamentos da inteligência de negócios: gestão da informação e de bancos de dados

Fundamentos da inteligência de negócios: gestão da informação e de bancos de dados Fundamentos da inteligência de negócios: gestão da informação e de bancos de dados slide 1 1 Copyright 2011 Pearson Education, Inc. publishing as Prentice Hall Objetivos de estudo Como um banco de dados

Leia mais

TÉCNICAS DE INFORMÁTICA WILLIAN FERREIRA DOS SANTOS

TÉCNICAS DE INFORMÁTICA WILLIAN FERREIRA DOS SANTOS TÉCNICAS DE INFORMÁTICA WILLIAN FERREIRA DOS SANTOS Vimos em nossas aulas anteriores: COMPUTADOR Tipos de computadores Hardware Hardware Processadores (CPU) Memória e armazenamento Dispositivos de E/S

Leia mais

Data Warehouse: uma classificação de seus Custos e Benefícios

Data Warehouse: uma classificação de seus Custos e Benefícios Data Warehouse: uma classificação de seus Custos e Benefícios Marcos Paulo Kohler Caldas (CEFET-ES/CEFET-PR) marcospaulo@cefetes.br Prof. Dr. Luciano Scandelari (CEFET-PR) luciano@cefetpr.br Prof. Dr.

Leia mais

Fases para um Projeto de Data Warehouse. Fases para um Projeto de Data Warehouse. Fases para um Projeto de Data Warehouse

Fases para um Projeto de Data Warehouse. Fases para um Projeto de Data Warehouse. Fases para um Projeto de Data Warehouse Definição escopo do projeto (departamental, empresarial) Grau de redundância dos dados(ods, data staging) Tipo de usuário alvo (executivos, unidades) Definição do ambiente (relatórios e consultas préestruturadas

Leia mais

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva 2014 Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva/ Ministério da Saúde. Esta

Leia mais

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva Cartilha_Outubro Rosa_Mitos_26-09-2014.indd 1 08/10/2014 14:24:37 2014 Instituto Nacional

Leia mais

Thiago Locatelli de OLIVEIRA, Thaynara de Assis Machado de JESUS; Fernando José BRAZ Bolsistas CNPq; Orientador IFC Campus Araquari

Thiago Locatelli de OLIVEIRA, Thaynara de Assis Machado de JESUS; Fernando José BRAZ Bolsistas CNPq; Orientador IFC Campus Araquari DESENVOLVIMENTO DE AMBIENTE PARA A GESTÃO DO CONHECIMENTO RELACIONADO AOS DADOS PRODUZIDOS PELO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE TRANSITO DA CIDADE DE JOINVILLE/SC PARTE I Thiago Locatelli de OLIVEIRA, Thaynara

Leia mais

Disciplina: Patologia Bucal 5º período CÂNCER ORAL. http://lucinei.wikispaces.com. Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira

Disciplina: Patologia Bucal 5º período CÂNCER ORAL. http://lucinei.wikispaces.com. Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira Disciplina: Patologia Bucal 5º período CÂNCER ORAL http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 Sigmund Freud ( 1856-1939, 83 anos ) durante 59 anos, mais de 20 charutos/dia

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE ATIVIDADES DE IDENTIFICAÇÃO, LOCALIZAÇÃO E TRATAMENTO DE DADOS NA CONSTRUÇÃO DE UM DATA WAREHOUSE

CONSIDERAÇÕES SOBRE ATIVIDADES DE IDENTIFICAÇÃO, LOCALIZAÇÃO E TRATAMENTO DE DADOS NA CONSTRUÇÃO DE UM DATA WAREHOUSE CONSIDERAÇÕES SOBRE ATIVIDADES DE IDENTIFICAÇÃO, LOCALIZAÇÃO E TRATAMENTO DE DADOS NA CONSTRUÇÃO DE UM DATA WAREHOUSE Fabio Favaretto Professor adjunto - Programa de Pós Graduação em Engenharia de Produção

Leia mais

Apesar de ser um tumor maligno, é uma doença curável se descoberta a tempo, o que nem sempre é possível, pois o medo do diagnóstico é muito grande,

Apesar de ser um tumor maligno, é uma doença curável se descoberta a tempo, o que nem sempre é possível, pois o medo do diagnóstico é muito grande, Cancêr de Mama: É a causa mais frequente de morte por câncer na mulher, embora existam meios de detecção precoce que apresentam boa eficiência (exame clínico e auto-exame, mamografia e ultrassonografia).

Leia mais

O QUE É? O TUMOR DE WILMS

O QUE É? O TUMOR DE WILMS O QUE É? O TUMOR DE WILMS Rim O TUMOR DE WILMS O QUE SIGNIFICA ESTADIO? O QUE É O TUMOR DE WILMS? O tumor de Wilms é o tipo de tumor renal mais frequente na criança. Desenvolve-se quando células imaturas

Leia mais

DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL

DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL Enviado por LINK COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL 04-Abr-2016 PQN - O Portal da Comunicação LINK COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL - 04/04/2016 Que tal aproveitar o Dia Mundial do Câncer

Leia mais

4. Câncer no Estado do Paraná

4. Câncer no Estado do Paraná 4. Câncer no Estado do Paraná Situação Epidemiológica do Câncer Doenças e Agravos Não Transmissíveis no Estado do Paraná Uma das principais causas de morte nos dias atuais, o câncer é um nome genérico

Leia mais

Diagnóstico do câncer

Diagnóstico do câncer UNESC FACULDADES ENFERMAGEM - ONCOLOGIA FLÁVIA NUNES Diagnóstico do câncer Evidenciado: Investigação diagnóstica por suspeita de câncer e as intervenções de enfermagem no cuidado ao cliente _ investigação

Leia mais

CANCER DE COLO DE UTERO FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO

CANCER DE COLO DE UTERO FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE COLO DE UTERO FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE COLO DE UTERO O câncer de colo uterino é o câncer mais comum entre as mulheres no Brasil, correspondendo a, aproximadamente,

Leia mais

Criação e uso da Inteligência e Governança do BI

Criação e uso da Inteligência e Governança do BI Criação e uso da Inteligência e Governança do BI Criação e uso da Inteligência e Governança do BI Governança do BI O processo geral de criação de inteligência começa pela identificação e priorização de

Leia mais

CODIFICAÇÃO DE TUMORES E CLASSIFICAÇÕES UTILIZADAS EM REGISTROS DE CÂNCER

CODIFICAÇÃO DE TUMORES E CLASSIFICAÇÕES UTILIZADAS EM REGISTROS DE CÂNCER CODIFICAÇÃO DE TUMORES E CLASSIFICAÇÕES UTILIZADAS EM REGISTROS DE CÂNCER CLASSIFICAÇÕES PADRONIZADAS UTILIZADAS EM REGISTROS DE CÂNCER CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DE DOENÇAS - 10ª Revisão (CID-10) CLASSIFICAÇÃO

Leia mais

Arimide. Informações para pacientes com câncer de mama. Anastrozol

Arimide. Informações para pacientes com câncer de mama. Anastrozol Informações para pacientes com câncer de mama. AstraZeneca do Brasil Ltda. Rod. Raposo Tavares, km 26,9 CEP 06707-000 Cotia SP ACCESS net/sac 0800 14 55 78 www.astrazeneca.com.br AXL.02.M.314(1612991)

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 1.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 1.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 1.1 SISTEMA DE APOIO À DECISÃO Grupo: Denilson Neves Diego Antônio Nelson Santiago Sabrina Dantas CONCEITO É UM SISTEMA QUE AUXILIA O PROCESSO DE DECISÃO

Leia mais