A Utilização do Data Warehouse com a Internet

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Utilização do Data Warehouse com a Internet"

Transcrição

1 A Utilização do Data Warehouse com a Internet ROBERTO MURUCCI VISONÁ 1 MARCOS ROBERTO MARCONDES 2 EsAEx - Escola de Administração do Exército, Rua Território do Amapá, Nº 455, Pituba, Salvador BA, Brasil 1 2 Resumo: Este artigo é direcionado para prover conhecimento básico sobre como funciona a proposta de Data Warehouse, desde as idéias mais básicas: o que são armazéns de dados e metadados; como é feita a mineração dos dados para geração das informações organizacionais; qual a arquitetura e quais as características de um bom sistema de Data Warehouse. Apresentam-se alguns exemplos concretos de como a aplicação dessa ferramenta traz resultados positivos, chegando até o ponto principal que é a sua utilização em sites, através de um Data Webhouse, para obtenção de informações que permitirão traçar perfis e identificar os anseios dos usuários. Finalizando, será demonstrado onde o Exército Brasileiro pode utilizar essa ferramenta, melhorando ainda mais a imagem da instituição perante seus usuários e a nação. Palavras-chaves. Banco de Dados, Data Mining, Data Warehouse, Data Webhouse, Mineração de Dados, Armazém de Dados. Abstract: This article is directed to provide basic knowledge about how the proposal of Data Warehouse functions, since its basic ideas: what data storages and metadata are, how data mining is done to generate organizational information; which architecture and characteristics a good Data Warehouse System presents. Some real examples how the application such tool brings positive results are given, the main point which its use in sites, by means of a Data Webhouse, in order to obtain information that reach allows to trace profiles and to identify users wishes. Concluding, it will be demonstrated where the Brazilian Army will be able to use these tools is shown, improving the image of the institution before its users and the nation. Keywords. Database, Data Mining, Data Warehouse, Data Webhouse. 1. Introdução Com a evolução da tecnologia de informação e o crescimento do uso de computadores interligados, praticamente todas as organizações de médio e grande porte estão utilizando sistemas informatizados para realizar seus processos mais importantes, o que com o passar do tempo acaba gerando uma enorme quantidade de dados relacionados aos negócios, mas não relacionados entre si. Estes dados, armazenados em um ou mais sistemas operacionais de uma organização, são recursos que, de modo geral, raramente servem como recurso estratégico no seu estado original. Os sistemas convencionais de informática não são projetados para gerar e armazenar as informações estratégicas, o que torna os dados vagos e sem valor para o apoio ao processo de tomada de decisões das organizações. Com o passar do tempo estes bancos de dados passam a conter verdadeiros tesouros de informação sobre vários procedimentos de clientes e da própria organização. Toda esta informação pode ser usada para melhorar seus procedimentos, permitindo que a organização detecte tendências e características disfarçadas e reaja rapidamente a um evento que ainda pode estar por vir. No entanto, a maioria das organizações é incapaz de aproveitar totalmente o que está armazenado em seus arquivos. Esta informação preciosa está na verdade implícita escondida sob uma montanha de dados, e não pode ser descoberta utilizando-se sistemas de gerenciamento de banco de dados convencionais. As decisões, que normalmente são tomadas com base na experiência dos administradores, poderiam também ser baseadas em fatos históricos, que foram armazenados pelos diversos sistemas de informação utilizados pelas organizações. A quantidade de informação armazenada em bancos de dados está explodindo e ultrapassando a habilidade técnica e a capacidade humana na sua interpretação, tanto que os Bancos de Dados hoje são medidos hoje em gigabytes e terabytes. A necessidade de transformar estes terabytes de dados em informações significativas é óbvia. Felizmente, técnicas computacionais foram desenvolvidas para analisar os dados, ou ao menos ajudar o analista a encontrar ordem no caos: conhecimento. Com o advento da Internet, as organizações passaram a utilizá-la cada vez mais no seu dia a dia. Com isso começou-se a perceber que até mesmo a seqüência de navegação poderia definir perfis e gerar oportunidades para conhecer todos os participantes

2 da organização. Os sites expostos na internet procuram se utilizar de artifícios para captura e armazenamento destas informações e, através de ferramentas de DW, extrair informações, às vezes escondidas, para nortear e planejar futuras ações organizacionais. 2. Conceitos Essenciais Para uma maior abrangência das informações aqui oferecidas, é necessário tecer algumas premissas básicas que embasarão o objetivo final deste artigo Armazém de Dados Em termos simples, um Armazém de Dados, em inglês Data Warehouse(DW), pode ser definido como um banco de dados especializado, o qual integra e gerencia o fluxo de informações a partir dos bancos de dados corporativos e fontes de dados externas à organização. É construído para que tais dados possam ser armazenados e acessados de forma que não sejam limitados por tabelas e linhas estritamente relacionais. Sua função é tornar as informações corporativas acessíveis para o seu entendimento, gerenciamento e uso. Como é uma ferramenta separada dos bancos de dados operacionais, as consultas dos usuários não impactam nestes sistemas, que ficam resguardados de alterações indevidas ou perdas de dados Metadados No universo da tecnologia da informação, a necessidade de documentação tona-se cada vez mais sensível. Sistemas cada vez maiores e emaranhados de computadores interligados vão surgindo, assim como cada vez mais se torna claro o desejo por informações cada vez mais rápidas e precisas. Mas onde isto nos leva a falar sobre metadados? documentar também as informações tornou-se vital para a sobrevivência de projetos de Armazéns de Dados. Os Metadados são fundamentais para que todo o processo de pesquisa, seja quais forem as rotinas ou algoritmos usados para tal, possa encontrar as informações necessárias às diversas solicitações feitas pelos usuários, os verdadeiros donos da informação. Metadados são normalmente definidos como "dados sobre os dados". Podem ser definidos também como uma abstração dos dados, ou dados de mais alto nível que descrevem dados de um nível inferior. Os metadados possuem um papel de grande importante na administração de dados, mas para os sistemas de Data Warehouse são considerados de suma importância pois é a partir deles que as informações serão processadas, verificadas, atualizadas e consultadas. Como os usuários de DW procuram por fatos não usuais e relações não conhecidas, eles precisam examinar os dados e, para isso, necessitam conhecer a estrutura e o significado destes, o que não ocorre em um ambiente operacional onde os usuários trabalham com aplicações que contém as definições de dados embutidas e simplesmente interagem com as telas do sistema, sem precisar conhecer como os dados são mantidos internamente no banco de dados. Geralmente, os metadados podem ser apresentados em três camadas diferentes: Metadados operacionais: definem a estrutura dos dados mantidos pelos bancos operacionais, usados pelas aplicações de produção da empresa; Metadados centrais: são orientados por assunto e definem como os dados transformados devem ser interpretados. Incluem definições de agregação e campos calculados, assim como visões sobre cruzamentos de assuntos; Metadados do nível do usuário: organizam os metadados para conceitos que sejam familiares e adequados aos usuários finais Mineração de Dados Um sistema de DW somente conseguirá atingir sua plenitude útil se possuir boas ferramentas para sua exploração. Dessa necessidade nasceu o termo Data Mining. Partindo do princípio que um DW possui bases de dados altamente trabalhadas e uma ótima estrutura de metadados, as estruturas de Data Mining passaram a ter uma grande importância. É através delas que se consegue atingir as especificidades de informação solicitadas pelos mais diversos nichos de uma organização. Com a crescente competitividade entre estas organizações, as solicitações além de precisas passaram a ser solicitadas com uma velocidade cada vez maior, visto que o futuro é o ponto crucial do planejamento. As Ferramentas de mineração de dados tem o papel desbravador de descobrir previamente características dos dados, sejam relacionamentos, dependências ou tendências. São baseadas em algoritmos que constróem blocos de inteligência artificial, redes neurais e regras de indução, tornandose parte da estrutura informacional em que as decisões são formadas. Sua premissa é uma argumentação ativa, isto é, em vez do usuário definir o problema, selecionar os dados e as ferramentas para análise, as ferramentas do Data Mining pesquisam automaticamente os mesmos e procuram anomalias e possíveis relações, identificando assim problemas que não tinham sido identificados antes. 3. Data Warehouse No seu nível mais fundamental, Data Warehouse é um repositório de informações para suportar decisões. Ele coleta dados a partir de diversas aplicações de uma organização, integra os dados em áreas lógicas de assuntos dos negócios, armazena a informação de forma que ela fique acessível e compreensível a pessoas não técnicas responsáveis pela tomada de decisões e entrega de informações aos tomadores de decisão. O desenvolvimento dos Data Warehouse segue uma metodologia própria, distinta da que é

3 normalmente aplicada ao projeto de bancos de dados para fins transacionais. Seu objetivo é unir as expectativas dos usuários em termos de análise e tomada de decisão, com os dados disponíveis. A modelagem adotada prioriza o desempenho nas consultas, chamada de modelagem dimensional ou esquema-estrela. Sua construção inclui ainda a limpeza de dados, que dará aos mesmos uma maior consistência para utilização na tomada de decisão Características Para uma compreensão mais objetiva das diferenças e peculiaridades encontradas quando se fala sobre SGBDs convencionais e Sistemas de Data Warehouse, vamos estabelecer uma quadro comparativo, como se segue abaixo: Características SGBD DW Objetivo Rotina Diária Analise do do Negócio negócio Uso Operacional Informativo Operações Inclusão, Carga e alteração e Consulta exclusão. Nº de usuários Milhares Centenas Tipo de usuário Operadores Tomadores de Decisão Interação do Pré-definida Pré-definida usuário e ad-hoc Tipos de dados Dados Dados operacionais Analíticos Volume de dados Megabytes ou gigabytes Gigabytes ou Terabytes Histórico 60 a 90 dias 5 a 10 anos Redundância Não Ocorre Ocorre Estrutura Estática Variável Manutenção Mínima Constante Volume de Acesso Dezenas Milhares Atualização Contínua Real- Periódica em Time Batch Verificação de Integridade A Cada Transação A Cada Atualização Índices Poucos e Simples Muitos e Complexos O DW é um banco de dados contendo dados extraídos do ambiente de produção da empresa, que foram selecionados e depurados, tendo sido otimizados para processamento de consulta e não para processamento de transações. Em geral, um DW requer a consolidação de outros recursos de dados além dos armazenados em bancos de dados relacionais, incluindo informações provenientes de planilhas eletrônicas, tabelas, documentos, etc. É importante considerar, no entanto, que um DW não contem apenas dados resumidos, podendo conter também dados primitivos. É desejável prover ao usuário a capacidade de aprofundar-se num determinado tópico, investigando níveis de agregação menores ou mesmo o data primitivo, permitindo também a geração de novas agregações ou correlações com outras variáveis. Além do mais, é extremamente difícil prever todos os possíveis dados resumidos que serão necessários: limitar o conteúdo de um DW apenas a dados resumidos significa limitar os usuários apenas às consultas e análises que eles puderem antecipar frente a seus requisitos atuais, não deixando qualquer flexibilidade para novas necessidades, o que descaraterizaria a própria essência do DW Arquitetura Para ser útil, o DW deve ser capaz de responder a consultas avançadas de maneira rápida, sem deixar de mostrar detalhes relevantes à resposta solicitada. Para isso ele deve possuir uma arquitetura que permita coletar, manipular e apresentar os dados de forma eficiente e rápida. Porém, a construção de um DW eficiente para servir de suporte a decisões exige mais do que simplesmente carregar dados dos sistemas atuais para um banco de dados maior. Deve-se considerar que os dados provenientes de vários sistemas podem conter redundâncias e diferenças, necessitando ser filtradas antes de serem passadas para o DW. O estudo de uma arquitetura permite compreender como o DW faz para armazenar, integrar, comunicar, processar e apresentar os dados que os usuários utilizarão em suas decisões. Sua arquitetura pode variar conforme o tipo de assunto abordado, pois as necessidades também variam de empresa para empresa. É possível definir uma arquitetura genérica onde praticamente todas as camadas necessárias são apresentadas ou arquiteturas que utilizam somente algumas das camadas definidas, como as arquiteturas em duas e três camadas. A arquitetura genérica é composta pela camada dos dados operacionais e outras fontes de dados que são acessados pela camada de acesso aos dados. As camadas de gerenciamento de processos, transporte e DW formam o centro da arquitetura e são elas as responsáveis por manter e distribuir os dados. A camada de acesso à informação é formada por ferramentas que possibilitam os usuários extrair informações do DW. Todas as camadas desta arquitetura interagem com o dicionário de dados, os metadados, e com o gerenciador de processos. Camada de Fontes Externas: é composto pelos dados dos sistemas operacionais das empresas e informações provenientes de fontes externas que serão integradas para compor o DW; Camada de Acesso à Informação: envolve o hardware e o software utilizado para obtenção de relatórios, planilhas, gráficos e consultas. É nesta camada que os usuários finais interagem com o DW, utilizando ferramentas de manipulação, análise e apresentação dos dados,

4 incluindo-se as ferramentas de data mining e visualização; Camada de Acesso aos Dados: esta camada faz a ligação entre as ferramentas de acesso à informação e os bancos de dados operacionais. Esta camada se comunica com diferentes sistemas de bancos de dados, sistemas de arquivos e fontes sob diferentes protocolos de comunicação, o chamado Acesso Universal de Dados; Camada de Metadados: são as informações que descrevem os dados utilizados pela empresa, envolvendo informações como, descrições de registros, comandos de criação de tabelas, diagramas Entidade/Relacionamentos e dados de um dicionário de dados. É necessário que exista uma grande variedade de metadados no ambiente de DW para que ele mantenha sua funcionalidade e os usuários não precisem se preocupar onde residem os dados ou a forma com que estão armazenados; Camada de Gerenciamento de Processos: é responsável pelo gerenciamento dos processos que contribuem para manter o DW atualizado e consistente. Está envolvida com o controle das várias tarefas que devem ser realizadas para construir e manter as informações do dicionário de dados e do DW; Camada de transporte: gerencia o transporte de informações pelo ambiente de rede. Inclui a coleta de mensagens e transações e se encarrega de entregá-las em locais e tempos determinados. Também é usada para isolar aplicações operacionais ou informacionais do formato real dos dados nas duas extremidades; Camada do Data Warehouse: é o DW propriamente dito, corresponde aos dados utilizados para obter informações. Pode ser simplesmente uma visão lógica ou virtual dos dados, podendo não envolver o armazenamento dos mesmos ou armazenar dados operacionais e externos para facilitar seu acesso e manuseio Casos Clássicos Quando se fala nesta infinidade de informações, tudo pode parecer extremamente complicado e sem muita visualização prática. Na verdade, grandes exemplos, por mais que possam parecer esdrúxulos, foram obtidos através de sistemas de DW. As situações citadas abaixo, ilustram perfeitamente está prática e foram responsáveis pelo principal motivo da existência das organizações comerciais, o lucro: Uma das grandes redes americanas de varejo descobriu, em seu gigantesco armazém de dados, que havia uma associação de vendas entre cervejas e fraldas descartáveis. Homens que saíam a noite para comprar fraldas para seus filhos quase sempre aproveitavam para levar também algumas latinhas para casa. Os produtos passaram a ser expostos lado a lado em toda a rede. Resultado: a venda dos 2 produtos aumentou sensivelmente. Outra rede varejista descobriu que a venda de colírios aumentava em véspera de feriados e passou a promoções neste período. O Banco Itaú reduziu sua conta de correio com malas-diretas a um quinto e ainda aumentou a taxa de retorno de suas promoções de 2% para 30% simplesmente analisando através de um sistema de DW toda a movimentação financeira de seus 3 milhões de clientes e descobrindo assim as tendências de investimento de cada um. A Sprint, empresa americana de telefonia a longa distância, desenvolveu um método capaz de prever com 61% de segurança se um consumidor trocaria de companhia telefônica dentro de um período de dois meses. Com um marketing agressivo, conseguiu evitar a deserção de clientes e uma perda de 35 milhões de dólares em faturamento. Outra empresa de telefonia detectou quatro grandes empresas eram responsáveis por mais da metade das chamadas de manutenção de sua rede. Ao detectar que um delas estava prestes a trocar de prestadora, fez reparos necessários imediatamente, convencendo-a de que era confiável manter-se como cliente. Esses são apenas alguns exemplos de como a manutenção de um banco de dados de informações históricas sobre o negócio da organização e sua estrutura, ao se utilizar de ferramentas de DW, pode gerar lucros, diminuir despesas, e satisfazer clientes e funcionários das mesmas. 4. Data Webhouse A Internet veio para ficar e com ela uma imensa gama de pessoas que, até então, sequer se aproximaria de microcomputador. Esta enchente de usuários, chamados internautas, passou a ver a grande rede como uma fonte de informações preciosas que os permitiria alcançar, em segundos e cliques, países do outro lado do mundo. Por trás disso surge uma outra enxurrada de informações a serem divulgadas, comércio e demonstrações. O que parecia perfeito se transformou numa teia tão complexa que tornou-se difícil para os internautas se localizarem. Por outro lado, as organizações também desaparecem no meio deste mesmo emaranhado. Uma simples palavra colocada num dos vários sites de busca retorna centenas ou milhares de indicativos, complicando ainda mais a vidas de quem navega pela Web. Esta breve explanação, mostra precisamente o único caminho a ser seguidos por estas organizações, o conhecimento dos seus visitantes virtuais A Nova Onda A popularização da Web fez com que as mais diversas organizações voltassem seus esforços para a grande rede virtual. O primeiro grande alavancador desde processo foi o advento do comércio eletrônico.

5 Tornou-se muito prático tanto adquirir serviços e produtos quanto oferecê-los via internet. Com o aumento circunstancial do fator segurança, esse processo foi se tornando cada vez mais atrativo. Hoje troca-se todo tipo de informação pela Web. Isso faz com que um mundo de conhecimento gire em poucos segundos. Analisando a Web vemos que ela representa um fonte de dados relativos aos indivíduos e seus comportamentos durante a interação com sites através de browsers. A esta seqüência de interação damos o nome de seqüência de cliques ou clickstream Análise da Seqüência de Clicks A Seqüência de cliques é, literalmente, um registro de todos os gestos de interação feitos por qualquer visitante a um site divulgado pela Web. Ao capturar cada clique, seleção, preenchimento de campo, ordenação de execução e outras atividades realizadas pelo usuário no acesso às páginas de um site, estamos criando subsídios para uma análise posterior, que permitirá identificar o perfil de trabalho de cada usuário. De compras a cadastros, suas preferências e tendências, até mesmo quais campos eles gostam ou não de preencher em um cadastro, níveis de desistência na solicitação de uma informação, o grau de erro em encontrar o que desejam, tudo isso e muito mais que fará com que as organizações possam estar sempre aperfeiçoando seus sites e oferecendo soluções cada vez mais personalizadas aos seus usuários. Esta nova fonte de dados tem um potencial para agregar valor às fontes de dados tradicionais. Apesar de estes dados estarem desorganizados e sem nenhum tratamento, se corretamente processados, eles têm o potencial para fornecer à organização detalhes importantes sobre a utilização de seus sites. Os dados não estruturados da seqüência de cliques são trazidos para o Data Webhouse para serem analisados isoladamente ou combinados com outras fontes de dados convencionais. Se a organização possui informações sobre cada clique de seus clientes, ou seja, o caminho seguido por eles dentro de seu site, provavelmente ela poderá responder a uma série de perguntas. Qual o local mais visitado do site? Dentre o principal objetivo da organização, qual área e mais acessada? Qual o local mais supérfluo ou visitado com menos freqüência no site? Que página do seu site é vista como "Sessão Final", onde os usuários geralmente encerram a sessão? Onde um novo usuário clica nas primeiras visitas, de acordo com seu perfil? Como este novo usuário se comporta para encontrar o que lhe interessa? Qual o perfil de navegação do usuário? O usuário realiza o maior objetivo da empresa? O usuário reclama muito freqüentemente? Como induzir o usuário a se registrar no site para que seja possível conhecer mais sobre ele? Quantas visitas o usuário faz antes de se registrar? Essas e muitas outras questões baseiam-se na análise de algumas combinações complexas dos passos registrados para cada visitante do site. Como os sites são organizados em uma estrutura de árvore hierárquica, essa seqüência de passos descreve o caminho percorrido através dessa árvore. Mas um grande questionamento é o fato de como se reconhecer o usuário se este não se registrou no site e com isso não habilita um login e uma senha. Quando um computador está conectado a uma rede interna ou a internet, a comunicação flui em ambos os sentidos, isso dá margem a um artifício muito comum, apesar de não ser muito cavalheiresco, que é a inserção de cookies no computador do usuário, quando este visita o site da organização. estes cookies são informações que podem ser acessadas durante a visita a um site. Essas informações identificam univocamente o usuário e com isso faz com que se possa reconhecer quando este acessa novamente o portal da organização Utilização dos Resultados Uma analogia entre um usuário físico e um usuário virtual, num exemplo comercial, seria o acompanhamento de um cliente durante sua visita a uma loja física, ou seja, um acompanhamento para descobrir o que o cliente olhou, quanto tempo ele olhou, o que ele escolheu, o que ele rejeitou e assim por diante e não somente registrar o seu pedido. No caso de uma loja virtual, as informações sobre a seqüência de cliques que representem o comportamento de um cliente podem indicar tipos de adequações que podem ser realizadas no processo de navegação do site para este cliente em particular, ou seja, quais informações devem ser focadas e quais podem ser retiradas por não serem de seu interesse. Num outro exemplo, podemos pensar numa companhia telefônica. A fonte de dados tradicional deste tipo de negócio informa quais são os números telefônicos que se comunicaram e qual foi a duração das chamadas. Mas esta fonte não tem condições de informar uma classificação para a comunicação estabelecida, se pessoal ou profissional e tão pouco o grau de satisfação dos seus clientes ou o motivo da escolha desta companhia para efetuar suas ligações. Uma das grandes utilizações que se pode encontrar hoje, com relação a informações obtidas através do armazenamento do clickstream, é a personalização de sites de acordo com o perfil dos usuários. Baseado nisso, empresas de comércio eletrônico podem oferecer produtos de acordo com tipos de produtos consultados pelo comprador, universidades podem montar sites para seus estudantes, de acordo com suas áreas de atuação, bancos podem oferecer produtos na área de atuação do cliente, em suma,diversas organizações podem atuar de n formas diversas seus usuários.

6 Além disso, com a criação de cadastros de usuários, pode-se direcionar o envio de s com informações nas áreas de interesse destes, felicitações pela passagem de aniversários, dia das mães, dia dos pais, dia das crianças, etc. Tudo isto é feito com o principal intuito de fazer o usuário se encantar e se identificar com a organização. 5. Conclusão A Web é uma forma de relacionamento muito diferentes das tradicionais, um grande desafio. Existem questões intrínsecas que merecem atenção como distribuição geográfica global e anonimato dos usuários, além das questões relativas ao nível de exigência do usuário e a evolução dos websites. O Conhecimento maior sobre essa tecnologia permitirá aos responsáveis pelas organizações descobrir novas maneiras de diferenciar sua organização num mundo totalmente globalizado, deixando-os mais seguros para definirem as metas e adotarem diferentes estratégias, conseguindo assim visualizar novas formas de garantir o que é mais difícil dos usuários atuais, a fidelização. No âmbito militar a utilização do Data Webhouse na internet aberta ao público em geral e na sua intranet, a EbNet, poderá ser a chave para medir o grau de satisfação dos membros da força, assim como descobrir como a instituição é vista pela sociedade e o que é mais principal, descobrir o que esta sociedade espera do Exército Brasileiro. Se a organização não tiver como medir este grau de satisfação, a qualidade dos seus sites e a relevância das informações disponibilizadas, faltarão a ela subsídios para atender bem os mesmos. Com a utilização do Data Webhouse, a força poderá responder melhor aos anseios de seus usuários a partir do conhecimento do seu comportamento e de suas expectativas. Se deixarmos os pensamentos fluírem em uma tempestade mental, no futuro, tudo isso agregado a reconhecimento de voz e imagem, poderemos ter por exemplo, sites para inscrições em concurso sem a necessidade de envio de papeis pelos correios já com a imagem do candidatos e links de pagamento com débito da taxa diretamente nas contas dos mesmos, emissão de identidades militares e alterações de dados cadastrais de membros da força diretamente em sites, eliminando assim todo o tramite físico de papeis, personalização de sites de acordo com o perfil de cada usuário, sendo ele militar ou não, tudo isso convergindo para um imenso banco de dados que servirá de subsídio para todos estes tópicos. Referências (ANDREATTO, 1999) ANDREATTO, RICARDO. Construindo um Data Warehouse e Analisando Suas Informações Com Data Mining e Olap. Faculdade de Ciências Administrativas de Valinhos, Valinhos, Disponível em datawarehouses.hpg.ig.com.br/index.htm. (CIELO, 1999) CIELO, IVÃ. Data Warehouse x Data Mart: Como eles podem ajudá-lo Disponível em (CIELO, 2000) CIELO, IVÃ. Construindo um Sistema de Apoio à Decisão Disponível em (DAL ALBA, 2002) DAL ALBA, ADRIANO. Um Estudo Sobre Data Warehouse. Universidade de Caxias do Sul, Caxias do Sul. Disponível em (DWBRASIL, 2002) DWBRASIL. Histórico do Data Warehouse. Disponível em dwbrasil.com.br/html/artdw_carac.html (DWBRASIL, 2003) DWBRASIL. Características do Data Warehouse. Disponível em dwbrasil.com.br/html/artdw_carac.html (FREITAS, 1999) FREITAS, LUCAS. Entrevista com Ralph Kimball: Novos Segredos dos Armazéns de Dados. Revista Computerworld edição de outubro, (GUROVITZ, 1997) GUROVITZ, HÉLIO. O Que Cerveja Tem a Ver com Fraldas? Revista InfoExame, edição de setembro, (INFOBRÁS, 2003) INFOBRÁS PROJETOS & SISTEMAS. Data Mining. Disponível em (KIMBALL, 1999) KIMBALL, RALPH. Como Levar seu DW ao Fracasso Traduzido por Luiz Cláudio Paz. Disponível em datawarehouse.inf.br/. (PARENTE, 1999) PARENTE, DANIEL. Data Warehouse: Identificando os Possíveis Pontos que Podem Levá-lo ao Fracasso Disponível em (UFRJ, 2003) DATAWARE UFRJ. Banco de Dados de Projetos e Monografias da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Disponível em (VIEIRA, 2000) VIEIRA, FERNANDO. Alguns Conceitos sobre Data Warehouse. Disponível em (VILAROUCA, 2000) JÚNIOR, JOSAFÁ VILAROUCA. Acerte nos Dados. Disponível em

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Data Warehouse - Conceitos Hoje em dia uma organização precisa utilizar toda informação disponível para criar e manter vantagem competitiva. Sai na

Leia mais

DATA WAREHOUSE. Introdução

DATA WAREHOUSE. Introdução DATA WAREHOUSE Introdução O grande crescimento do ambiente de negócios, médias e grandes empresas armazenam também um alto volume de informações, onde que juntamente com a tecnologia da informação, a correta

Leia mais

No mundo atual, globalizado e competitivo, as organizações têm buscado cada vez mais, meios de se destacar no mercado. Uma estratégia para o

No mundo atual, globalizado e competitivo, as organizações têm buscado cada vez mais, meios de se destacar no mercado. Uma estratégia para o DATABASE MARKETING No mundo atual, globalizado e competitivo, as organizações têm buscado cada vez mais, meios de se destacar no mercado. Uma estratégia para o empresário obter sucesso em seu negócio é

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI Noções de sistemas de informação Turma: 01º semestre Prof. Esp. Marcos Morais

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015. Big Data Analytics:

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015. Big Data Analytics: Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015 Big Data Analytics: Como melhorar a experiência do seu cliente Anderson Adriano de Freitas RESUMO

Leia mais

MATERIAL DIDÁTICO: APLICAÇÕES EMPRESARIAIS SISTEMA DE APOIO À DECISÃO (SAD)

MATERIAL DIDÁTICO: APLICAÇÕES EMPRESARIAIS SISTEMA DE APOIO À DECISÃO (SAD) AULA 07 MATERIAL DIDÁTICO: APLICAÇÕES EMPRESARIAIS SISTEMA DE APOIO À DECISÃO (SAD) JAMES A. O BRIEN MÓDULO 01 Páginas 286 à 294 1 AULA 07 SISTEMAS DE APOIO ÀS DECISÕES 2 Sistemas de Apoio à Decisão (SAD)

Leia mais

DATA WAREHOUSE NO APOIO À TOMADA DE DECISÕES

DATA WAREHOUSE NO APOIO À TOMADA DE DECISÕES DATA WAREHOUSE NO APOIO À TOMADA DE DECISÕES Janaína Schwarzrock jana_100ideia@hotmail.com Prof. Leonardo W. Sommariva RESUMO: Este artigo trata da importância da informação na hora da tomada de decisão,

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Lembrando... Aula 4 1 Lembrando... Aula 4 Sistemas de apoio

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

CRM - Customer Relationship Management

CRM - Customer Relationship Management Profª Carla Mota UCB 2014 Unid 2 aula1 CRM - Customer Relationship Management Estratégia de negócio voltada ao entendimento e a antecipação das necessidades dos clientes atuais e potenciais de uma empresa.

Leia mais

srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo

srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo CBSI Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação BI Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Tópicos Especiais em Sistemas de Informação Faculdade de Computação Instituto

Leia mais

Data Warehouse Processos e Arquitetura

Data Warehouse Processos e Arquitetura Data Warehouse - definições: Coleção de dados orientada a assunto, integrada, não volátil e variável em relação ao tempo, que tem por objetivo dar apoio aos processos de tomada de decisão (Inmon, 1997)

Leia mais

Data Webhouse. FABIANO AUGUSTO GOMES* fabiano_ag@yahoo.com.br. IREMAR NUNES DE LIMA** iremar.prof@newtonpaiva.br

Data Webhouse. FABIANO AUGUSTO GOMES* fabiano_ag@yahoo.com.br. IREMAR NUNES DE LIMA** iremar.prof@newtonpaiva.br Data Webhouse FABIANO AUGUSTO GOMES* fabiano_ag@yahoo.com.br IREMAR NUNES DE LIMA** iremar.prof@newtonpaiva.br Resumo Visando atender à necessidade de melhorar a qualidade de seus sites e conhecer o comportamento

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

CRM. Customer Relationship Management

CRM. Customer Relationship Management CRM Customer Relationship Management CRM Uma estratégia de negócio para gerenciar e otimizar o relacionamento com o cliente a longo prazo Mercado CRM Uma ferramenta de CRM é um conjunto de processos e

Leia mais

Identificar as mudanças que acontecem na forma e no uso de apoio à decisão em empreendimentos de e-business. Identificar o papel e alternativas de

Identificar as mudanças que acontecem na forma e no uso de apoio à decisão em empreendimentos de e-business. Identificar o papel e alternativas de 1 Identificar as mudanças que acontecem na forma e no uso de apoio à decisão em empreendimentos de e-business. Identificar o papel e alternativas de relatórios dos sistemas de informação gerencial. Descrever

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS Capítulo 7 ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS 7.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Por que as empresas sentem dificuldades para descobrir que tipo de informação precisam ter em seus sistemas de informação?

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

Data Warehousing. Leonardo da Silva Leandro. CIn.ufpe.br

Data Warehousing. Leonardo da Silva Leandro. CIn.ufpe.br Data Warehousing Leonardo da Silva Leandro Agenda Conceito Elementos básicos de um DW Arquitetura do DW Top-Down Bottom-Up Distribuído Modelo de Dados Estrela Snowflake Aplicação Conceito Em português:

Leia mais

ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA

ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA INTRODUÇÃO O projeto de um banco de dados é realizado sob um processo sistemático denominado metodologia de projeto. O processo do

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Manual do Usuário. E-DOC Peticionamento Eletrônico TST

Manual do Usuário. E-DOC Peticionamento Eletrônico TST E-DOC Peticionamento APRESENTAÇÃO O sistema E-DOC substituirá o atual sistema existente. Este sistema permitirá o controle de petições que utiliza certificado digital para autenticação de carga de documentos.

Leia mais

Data Warehouse. Debora Marrach Renata Miwa Tsuruda

Data Warehouse. Debora Marrach Renata Miwa Tsuruda Debora Marrach Renata Miwa Tsuruda Agenda Introdução Contexto corporativo Agenda Introdução Contexto corporativo Introdução O conceito de Data Warehouse surgiu da necessidade de integrar dados corporativos

Leia mais

Resumo dos principais conceitos. Resumo dos principais conceitos. Business Intelligence. Business Intelligence

Resumo dos principais conceitos. Resumo dos principais conceitos. Business Intelligence. Business Intelligence É um conjunto de conceitos e metodologias que, fazem uso de acontecimentos e sistemas e apoiam a tomada de decisões. Utilização de várias fontes de informação para se definir estratégias de competividade

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO

FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO COMO AS MUDANÇAS NAS ORGANIZAÇÕES ESTÃO IMPACTANDO A ÁREA DE RECURSOS HUMANOS Paola Moreno Giglioti Administração

Leia mais

5 Estudo de Caso. 5.1. Material selecionado para o estudo de caso

5 Estudo de Caso. 5.1. Material selecionado para o estudo de caso 5 Estudo de Caso De modo a ilustrar a estruturação e representação de conteúdos educacionais segundo a proposta apresentada nesta tese, neste capítulo apresentamos um estudo de caso que apresenta, para

Leia mais

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Prof a.:lillian Alvares Fóruns óu s/ Listas de discussão Espaços para discutir, homogeneizar e compartilhar informações, idéias

Leia mais

Interatividade aliada a Análise de Negócios

Interatividade aliada a Análise de Negócios Interatividade aliada a Análise de Negócios Na era digital, a quase totalidade das organizações necessita da análise de seus negócios de forma ágil e segura - relatórios interativos, análise de gráficos,

Leia mais

04/08/2012 MODELAGEM DE DADOS. PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS. Aula 1. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc.

04/08/2012 MODELAGEM DE DADOS. PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS. Aula 1. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. MODELAGEM DE DADOS PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS Aula 1 Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. @ribeirord 1 Objetivos: Apresenta a diferença entre dado e informação e a importância

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani BI Business Intelligence A inteligência Empresarial, ou Business Intelligence, é um termo do Gartner Group. O conceito surgiu na década de 80 e descreve

Leia mais

Gestão. Práticas. Editorial. Geovanne. Acesse online: 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) 03 e 04

Gestão. Práticas. Editorial. Geovanne. Acesse online: 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) 03 e 04 Práticas de Gestão Editorial Geovanne. 02 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) Como faço isso? Acesse online: 03 e 04 www. No inicio da década de 90 os

Leia mais

Tecnologia gerando valor para a sua clínica.

Tecnologia gerando valor para a sua clínica. Aumente a eficiência de seu negócio O sclínica é a ferramenta ideal para a gestão de clínicas de diagnóstico. Desenvolvido a partir das necessidades específicas deste mercado, oferece uma interface inteligente,

Leia mais

SERVICE DESK MANAGER SDM. Manual do Sistema - DPOI

SERVICE DESK MANAGER SDM. Manual do Sistema - DPOI SERVICE DESK MANAGER SDM Manual do Sistema - DPOI Conteúdo SERVICE DESK MANAGER SDM... 1 Manual do Sistema - DPOI... 1 INTRODUÇÃO... 4 ACESSO AO SISTEMA... 5 OPÇÕES DO SISTEMA... 6 SISTEMA... 7 Pesquisar

Leia mais

BUSINESS INTELLIGENCE, O ELEMENTO CHAVE PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES.

BUSINESS INTELLIGENCE, O ELEMENTO CHAVE PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES. Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 88 BUSINESS INTELLIGENCE, O ELEMENTO CHAVE PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES. Andrios Robert Silva Pereira, Renato Zanutto

Leia mais

O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA

O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA PRÁTICA 1) TÍTULO O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA 2) DESCRIÇÃO DA PRÁTICA - limite de 8 (oito) páginas: A Ouvidoria da Caixa, responsável pelo atendimento, registro,

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

Fornecendo Inteligência, para todo o mundo, a mais de 20 anos.

Fornecendo Inteligência, para todo o mundo, a mais de 20 anos. Fornecendo Inteligência, para todo o mundo, a mais de 20 anos. Fundada em 1989, a MicroStrategy é fornecedora líder Mundial de plataformas de software empresarial. A missão é fornecer as plataformas mais

Leia mais

CURSO: Orientações. MÓDULOS: Orientações/Calendário/Links. Curso 3/3 2009. Contato com o suporte: Nome.: Empresa.: Data.: / / E-mail.

CURSO: Orientações. MÓDULOS: Orientações/Calendário/Links. Curso 3/3 2009. Contato com o suporte: Nome.: Empresa.: Data.: / / E-mail. CURSO: Orientações MÓDULOS: Orientações/Calendário/Links Curso 3/3 2009 Contato com o suporte: Tel.:11-3857-9007 ramal 4 Fax.: 11-3857-9007 ramal 211 Cellular: 11-9333-21 E-mail.: suporte@webcontabil.com.br

Leia mais

DATA WAREHOUSE. Rafael Ervin Hass Raphael Laércio Zago

DATA WAREHOUSE. Rafael Ervin Hass Raphael Laércio Zago DATA WAREHOUSE Rafael Ervin Hass Raphael Laércio Zago Roteiro Introdução Aplicações Arquitetura Características Desenvolvimento Estudo de Caso Conclusão Introdução O conceito de "data warehousing" data

Leia mais

Data Warehousing Visão Geral do Processo

Data Warehousing Visão Geral do Processo Data Warehousing Visão Geral do Processo Organizações continuamente coletam dados, informações e conhecimento em níveis cada vez maiores,, e os armazenam em sistemas informatizados O número de usuários

Leia mais

Data Warehouse - DW ADM. MARTÍN GLASS CRA/MT 4742

Data Warehouse - DW ADM. MARTÍN GLASS CRA/MT 4742 Data Warehouse - DW Data Warehouse (Armazém de Dados) é um depósito integrado de informações, disponíveis para análise e para a construção de filtros de busca; Centraliza informações localizadas em diferentes

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu. Gestão e Tecnologia da Informação

PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu. Gestão e Tecnologia da Informação IETEC - INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu Gestão e Tecnologia da Informação BAM: Analisando Negócios e Serviços em Tempo Real Daniel Leôncio Domingos Fernando Silva Guimarães Resumo

Leia mais

Prof. Lucas Santiago

Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Administração de Sistemas de Informação Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação são classificados por

Leia mais

Quais tipos de informações nós obteremos para este produto

Quais tipos de informações nós obteremos para este produto Termos de Uso O aplicativo Claro Facilidades faz uso de mensagens de texto (SMS), mensagens publicitárias e de serviços de internet. Nos casos em que houver uso de um serviço tarifado como, por exemplo,

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

SOFTWARE DE GERENCIAMENTO DE MÃO DE OBRA MÓVEL DA MOTOROLA UMA ESTRUTURA IDEAL PARA GERENCIAMENTO DE TAREFAS AUTOMATIZADO E INTELIGENTE EM TEMPO REAL

SOFTWARE DE GERENCIAMENTO DE MÃO DE OBRA MÓVEL DA MOTOROLA UMA ESTRUTURA IDEAL PARA GERENCIAMENTO DE TAREFAS AUTOMATIZADO E INTELIGENTE EM TEMPO REAL SOFTWARE DE GERENCIAMENTO DE MÃO DE OBRA MÓVEL DA MOTOROLA UMA ESTRUTURA IDEAL PARA GERENCIAMENTO DE TAREFAS AUTOMATIZADO E INTELIGENTE EM TEMPO REAL MANTENHA SUA MÃO DE OBRA, UM DOS CUSTOS MAIS ONEROSOS

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br @ribeirord Pesquisa e Propagação do conhecimento: Através da Web, é possível

Leia mais

PRIAD: GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM CLIENTES

PRIAD: GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM CLIENTES PRIAD: GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM CLIENTES ALUNO RA: ASSINATURA: DATA: / / AS RESPOSTAS DEVERRÃO SER TOTALMENTE MANUSCRITAS Prof. Claudio Benossi Questionário: 1. Defina o que é Marketing? 2. Quais são

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Tipos de SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução 2 n As organizações modernas competem entre si para satisfazer as necessidades dos seus clientes de um modo

Leia mais

A Evolução dos Sistemas Operacionais

A Evolução dos Sistemas Operacionais Capítulo 3 A Evolução dos Sistemas Operacionais Neste capítulo, continuaremos a tratar dos conceitos básicos com a intensão de construirmos, agora em um nível mais elevado de abstração, o entendimento

Leia mais

INTRODUÇÃO A PORTAIS CORPORATIVOS

INTRODUÇÃO A PORTAIS CORPORATIVOS INTRODUÇÃO A PORTAIS CORPORATIVOS Conectt i3 Portais Corporativos Há cinco anos, as empresas vêm apostando em Intranet. Hoje estão na terceira geração, a mais interativa de todas. Souvenir Zalla Revista

Leia mais

http://www.publicare.com.br/site/5,1,26,5480.asp

http://www.publicare.com.br/site/5,1,26,5480.asp Página 1 de 7 Terça-feira, 26 de Agosto de 2008 ok Home Direto da redação Última edição Edições anteriores Vitrine Cross-Docking Assine a Tecnologística Anuncie Cadastre-se Agenda Cursos de logística Dicionário

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE ATIVIDADES DE IDENTIFICAÇÃO, LOCALIZAÇÃO E TRATAMENTO DE DADOS NA CONSTRUÇÃO DE UM DATA WAREHOUSE

CONSIDERAÇÕES SOBRE ATIVIDADES DE IDENTIFICAÇÃO, LOCALIZAÇÃO E TRATAMENTO DE DADOS NA CONSTRUÇÃO DE UM DATA WAREHOUSE CONSIDERAÇÕES SOBRE ATIVIDADES DE IDENTIFICAÇÃO, LOCALIZAÇÃO E TRATAMENTO DE DADOS NA CONSTRUÇÃO DE UM DATA WAREHOUSE Fabio Favaretto Professor adjunto - Programa de Pós Graduação em Engenharia de Produção

Leia mais

DIFERENCIAIS SERVIÇOS. 1. Desenvolvimento De Sites Personalizados

DIFERENCIAIS SERVIÇOS. 1. Desenvolvimento De Sites Personalizados DIFERENCIAIS Acredito que o desenvolvimento de soluções para Internet não é um trabalho qualquer, deve-se ter certa experiência e conhecimento na área para projetar sistemas que diferenciem você de seu

Leia mais

SAD orientado a DADOS

SAD orientado a DADOS Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Sistemas de Informação Prof.: Maico Petry SAD orientado a DADOS DISCIPLINA: Sistemas de Apoio a Decisão SAD orientado a dados Utilizam grandes repositórios

Leia mais

I.H.C. Inventário de Habilidades e Competências Manual de Utilização do Contratante

I.H.C. Inventário de Habilidades e Competências Manual de Utilização do Contratante I.H.C. Inventário de Habilidades e Competências Manual de Utilização do Contratante Olá, Seja bem-vindo ao Instituto Lexec. Este manual foi criado por nossa equipe para orientar nossos clientes no acesso

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 ÍNDICE Introdução...3 A Necessidade do Gerenciamento e Controle das Informações...3 Benefícios de um Sistema de Gestão da Albi Informática...4 A Ferramenta...5

Leia mais

Adriano Maranhão BUSINESS INTELLIGENCE (BI),

Adriano Maranhão BUSINESS INTELLIGENCE (BI), Adriano Maranhão BUSINESS INTELLIGENCE (BI), BUSINESS INTELLIGENCE (BI) O termo Business Intelligence (BI), popularizado por Howard Dresner do Gartner Group, é utilizado para definir sistemas orientados

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR ORGANIZAÇÃO CURRICULAR O curso Técnico em Informática, em Nível Médio Subseqüente, será organizado de forma semestral, com aulas presenciais, compostos por disciplinas, com conteúdos estabelecidos, tendo

Leia mais

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Fóruns / Listas de discussão Espaços para discutir, homogeneizar e compartilhar informações, idéias e experiências que

Leia mais

Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A PRODABEL

Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A PRODABEL Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A PRODABEL Diretoria de Sistema - DS Superintendência de Arquitetura de Sistemas - SAS Gerência de Arquitetura de Informação - GAAS

Leia mais

1. DOTPROJECT. 1.2. Tela Inicial

1. DOTPROJECT. 1.2. Tela Inicial 1 1. DOTPROJECT O dotproject é um software livre de gerenciamento de projetos, que com um conjunto simples de funcionalidades e características, o tornam um software indicado para implementação da Gestão

Leia mais

Sistemas de Produtividade

Sistemas de Produtividade Sistemas de Produtividade Os Sistemas de Produtividade que apresentaremos em seguida são soluções completas e podem funcionar interligadas ou não no. Elas recebem dados dos aplicativos de produtividade,

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. Vendas, Loja Virtual e Gestão de Comissões

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. Vendas, Loja Virtual e Gestão de Comissões Bloco Comercial Vendas, Loja Virtual e Gestão de Comissões Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos Vendas, Loja Virtual e Gestão de Comissões, que se encontram no Bloco

Leia mais

JORNAL DIÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO PARÁ www.diariodaconstrucao.com.br

JORNAL DIÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO PARÁ www.diariodaconstrucao.com.br PROPOSTA DE PROPAGANDA - ANUNCIE NO JDC Apresentação de Plano de Publicidade Online no Site O JORNAL DIÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO PARÁ atende com o nome de JDC, porque é uma empresa que tem como sua atividade

Leia mais

Estrutura de Relacionamento:

Estrutura de Relacionamento: 1 Índice Por que ter Guia de Relacionamento e Suporte?... 3 Qual a Estrutura de Relacionamento com o Cliente?... 3 Agente de Atendimento (CAT):... 3 Gerente de Contas (GC):... 3 Gerente de Serviço (GS):...

Leia mais

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo 5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo Este estudo teve como objetivo contribuir para a compreensão do uso das mídias sociais, como principal ferramenta de marketing da Casar é Fácil, desde o momento da sua

Leia mais

Módulo I - Aula 3 Tipos de Sistemas

Módulo I - Aula 3 Tipos de Sistemas Módulo I - Aula 3 Tipos de Sistemas Agora que você já conheceu algumas características dos Sistemas de Informação, nesta aula você vai aprender um pouco sobre tipos de sistemas. Você conhecerá a integração

Leia mais

UNICO... 3. Clientes/Fornecedores/Técnicos/Transportadoras/Vendedores... 5. Produtos... 6. Serviços... 6. Outros... 6. Vendas... 7. Notas Fiscais...

UNICO... 3. Clientes/Fornecedores/Técnicos/Transportadoras/Vendedores... 5. Produtos... 6. Serviços... 6. Outros... 6. Vendas... 7. Notas Fiscais... Sumário UNICO...... 3 Cadastros... 4 Clientes/Fornecedores/Técnicos/Transportadoras/Vendedores... 5 Produtos...... 6 Serviços...... 6 Outros...... 6 Vendas... 7 Notas Fiscais... 7 Estoque...8 Financeiro......

Leia mais

2. O que informatizar?

2. O que informatizar? A INFORMÁTICA NO CONSULTÓRIO MÉDICO No fascículo anterior, comentamos como a gestão de custos, mesmo sendo feita de maneira simplista, auxilia o consultório a controlar e avaliar seus resultados, permitindo

Leia mais

Gerenciamento de Dados e Gestão do Conhecimento

Gerenciamento de Dados e Gestão do Conhecimento ELC1075 Introdução a Sistemas de Informação Gerenciamento de Dados e Gestão do Conhecimento Raul Ceretta Nunes CSI/UFSM Introdução Gerenciando dados A abordagem de banco de dados Sistemas de gerenciamento

Leia mais

Questionário de entrevista com o Franqueador

Questionário de entrevista com o Franqueador Questionário de entrevista com o Franqueador O objetivo deste questionário é ajudar o empreendedor a elucidar questões sobre o Franqueador, seus planos de crescimento e as diretrizes para uma parceria

Leia mais

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Prof a Lillian Alvares

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Prof a Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Prof a Lillian Alvares Fóruns Comunidades de Prática Mapeamento do Conhecimento Portal Intranet Extranet Banco de Competências Memória Organizacional

Leia mais

OI CONTA EMPRESA MANUAL DO USUÁRIO

OI CONTA EMPRESA MANUAL DO USUÁRIO OI CONTA EMPRESA MANUAL DO USUÁRIO 1 Bem-vindo ao Oi Conta Empresa! A Oi tem o orgulho de lançar mais um produto para nossos clientes corporativos, o Oi Conta Empresa. Nele, nossos clientes poderão acessar

Leia mais

UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO (Bacharelado)

UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO (Bacharelado) UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO (Bacharelado) SISTEMA INTERNO INTEGRADO PARA CONTROLE DE TAREFAS INTERNAS DE UMA EMPRESA DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Mas como você gera sua lista de e-mail? Listei abaixo algumas das formas de construir uma lista de email marketing eficaz;

Mas como você gera sua lista de e-mail? Listei abaixo algumas das formas de construir uma lista de email marketing eficaz; E-mail marketing, muitas vezes considerada uma forma de marketing pessoal, é uma das mais valiosas ferramentas de web marketing, uma das mais visadas e mais focada pelos marqueteiros. Vamos nos concentrar

Leia mais

SI- Sistemas de Informação. Professora: Mariana A. Fuini

SI- Sistemas de Informação. Professora: Mariana A. Fuini SI- Sistemas de Informação Professora: Mariana A. Fuini INTRODUÇÃO A informação é tudo na administração de uma organização. Mas para uma boa informação é necessário existir um conjunto de características

Leia mais

Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Clarity PPM

Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Clarity PPM CUSTOMER SUCCESS STORY Maio 2014 Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Clarity PPM PERFIL DO CLIENTE Empresa: Renova Energia Indústria: Energia Funcionários: 182 (2012) Faturamento:

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL COLÉGIO ESTADUAL DE CAMPO MOURÃO EFMP PROF: Edson Marcos da Silva CURSO: Técnico em Administração Subsequente TURMAS: 1º Ano APOSTILA: nº 1 SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL Sistemas de Informação Campo

Leia mais

Manual do Usuário 2013

Manual do Usuário 2013 Manual do Usuário 2013 MANUAL DO USUÁRIO 2013 Introdução Um ambiente virtual de aprendizagem é um programa para computador que permite que a sala de aula migre para a Internet. Simula muitos dos recursos

Leia mais

Sistemas de Informação Aplicados a AgroIndústria Utilizando DataWarehouse/DataWebhouse

Sistemas de Informação Aplicados a AgroIndústria Utilizando DataWarehouse/DataWebhouse Sistemas de Informação Aplicados a AgroIndústria Utilizando DataWarehouse/DataWebhouse Prof. Dr. Oscar Dalfovo Universidade Regional de Blumenau - FURB, Blumenau, Brasil dalfovo@furb.br Prof. Dr. Juarez

Leia mais

Sistemas de Informação Gerenciais (SIG)

Sistemas de Informação Gerenciais (SIG) Faculdade de Engenharia - Campus de Guaratinguetá Sistemas de Informação Gerenciais (SIG) Prof. José Roberto Dale Luche Unesp Um SISTEMA DE INFORMAÇÃO é um conjunto de componentes inter-relacionados, desenvolvidos

Leia mais

Administração de dados - Conceitos, técnicas, ferramentas e aplicações de Data Mining para gerar conhecimento a partir de bases de dados

Administração de dados - Conceitos, técnicas, ferramentas e aplicações de Data Mining para gerar conhecimento a partir de bases de dados Universidade Federal de Pernambuco Graduação em Ciência da Computação Centro de Informática 2006.2 Administração de dados - Conceitos, técnicas, ferramentas e aplicações de Data Mining para gerar conhecimento

Leia mais

Como melhorar a tomada de decisão. slide 1

Como melhorar a tomada de decisão. slide 1 Como melhorar a tomada de decisão slide 1 P&G vai do papel ao pixel em busca da gestão do conhecimento Problema: grande volume de documentos em papel atrasavam a pesquisa e o desenvolvimento. Solução:

Leia mais

Sumário. Apresentação O que é o Centro de Gerenciamento de Serviços (CGS) NTI? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web

Sumário. Apresentação O que é o Centro de Gerenciamento de Serviços (CGS) NTI? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web Sumário Apresentação O que é o Centro de Gerenciamento de Serviços (CGS) NTI? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web Fazendo Login no Sistema Tela inicial do Portal WEB Criando um

Leia mais

Guia Rápido de Uso. Aqui seguem os tópicos tratados nesse guia, para que você aprenda a usar o Sistema HOT SMS. SUMÁRIO

Guia Rápido de Uso. Aqui seguem os tópicos tratados nesse guia, para que você aprenda a usar o Sistema HOT SMS. SUMÁRIO 1 Guia Rápido de Uso Aqui seguem os tópicos tratados nesse guia, para que você aprenda a usar o Sistema HOT SMS. SUMÁRIO 1 Acesso ao sistema...3 2 Entenda o Menu...4 3 Como enviar torpedos...6 3.1 Envio

Leia mais

Sistema de Gestão de Recursos de Aprendizagem

Sistema de Gestão de Recursos de Aprendizagem Sistema de Gestão de Recursos de Aprendizagem Ambiente Virtual de Aprendizagem (Moodle) - - Atualizado em 29/07/20 ÍNDICE DE FIGURAS Figura Página de acesso ao SIGRA... 7 Figura 2 Portal de Cursos... 8

Leia mais

Figura 1 - Processo de transformação de dados em informação. Fonte: (STAIR e REYNOLDS, 2008, p. 6, adaptado).

Figura 1 - Processo de transformação de dados em informação. Fonte: (STAIR e REYNOLDS, 2008, p. 6, adaptado). Tecnologia da Informação (TI) A tecnologia é o meio, o modo pelo qual os dados são transformados e organizados para a sua utilização (LAUDON; LAUDON, 1999). Os dados podem ser considerados como fatos básicos,

Leia mais

APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS

APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS 3.INTERNET 3.1. Internet: recursos e pesquisas 3.2. Conhecendo a Web 3.3. O que é um navegador?

Leia mais

QUALIDATA Soluções em Informática. Módulo CIEE com convênio empresas

QUALIDATA Soluções em Informática. Módulo CIEE com convênio empresas FM-0 1/21 ÍNDICE 1. MÓDULO DESKTOP(SISTEMA INSTALADO NO CIEE)... 2 Cadastro de Ofertas de Empregos:... 2 Cadastro de Eventos:... 3 Cadastro de Instituições do Curriculum:... 5 Cadastro de Cursos do Curriculum:...

Leia mais

PROCESSO CONTATO-AGENDA

PROCESSO CONTATO-AGENDA PROCESSO CONTATO-AGENDA No CRM (Gestão de Relação com o Cliente), o cliente é colocado no centro dos processos de negócio. Então, é obrigatório e fundamental o registro de qualquer contato com o mesmo,

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 1.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 1.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 1.1 SISTEMA DE APOIO À DECISÃO Grupo: Denilson Neves Diego Antônio Nelson Santiago Sabrina Dantas CONCEITO É UM SISTEMA QUE AUXILIA O PROCESSO DE DECISÃO

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

LMA, Solução em Sistemas

LMA, Solução em Sistemas LMA, Solução em Sistemas Ao longo dos anos os sistemas para gestão empresarial se tornaram fundamentais, e por meio dessa ferramenta as empresas aperfeiçoam os processos e os integram para uma gestão mais

Leia mais