A pesquisa acadêmica stricto sensu no Brasil sobre a inteligência competitiva

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A pesquisa acadêmica stricto sensu no Brasil sobre a inteligência competitiva"

Transcrição

1 A pesquisa acadêmica stricto sensu no Brasil sobre a inteligência competitiva Sandely Fernandes de Araújo (UFRN) Anatália Saraiva Martins Ramos (UFRN) Resumo Diferenciar-se dos concorrentes, oferecendo produtos e serviços que agreguem valor ao seu cliente, é um dos objetivos mais perseguidos pelas empresas que lutam para se tornar ou permanecer competitivas num mercado tão selvagem e vulnerável. Para obter esta diferenciação a empresa precisa conhecer e monitorar seus concorrentes, pois a sobrevivência de uma organização depende cada vez mais de sua capacidade de antecipação às ameaças e oportunidades que surgem no ambiente. A implementação otimizada do processo de Inteligência Competitiva (IC) tem propiciado às empresas o monitoramento de seus concorrentes, através de análises sistematizadas de informações relevantes para a definição das estratégias empresariais a serem adotadas. Este estudo se propõe a verificar a pesquisa acadêmica no Brasil sobre a Inteligência Competitiva, a partir de dissertações de mestrado e de teses de doutorado defendidas no período de 1987 a As variáveis analisadas nos vinte e sete trabalhos encontrados foram: as universidades onde foram defendidas e respectivas áreas acadêmicas, a periodicidade da produção, o nível de conhecimento, e as abordagens e temas trabalhados. Os resultados revelam concentração de trabalhos na UFRGS, UFSC, UNB e UFRJ. As áreas acadêmicas que mais produzem são a Administração, Engenharia de Produção e Ciências da Informação. Palavras chave: Inteligência competitiva, Dissertação de mestrado, Tese de Doutorado. 1. Introdução A sobrevivência no atual ambiente de negócios depende da construção e aplicação de uma boa estratégia, apoiada em inovação e criatividade, o que exigirá da organização conhecer e antever o que ocorre ao redor do empreendimento, percebendo as ameaças e antecipando as oportunidades de crescimento. As atividades que permitem o monitoramento do ambiente através da captura e da análise de informações concorrenciais corresponde ao que se denomina de Inteligência Competitiva (IC). Por ser uma das principais ferramentas auxiliares em um processo de tomada de decisões estratégicas, a Inteligência Competitiva não é mais um privilégio exclusivo do Estado, como instituição, como o era até pouco tempo, mas, sim, uma necessidade de organizações envolvidas em qualquer tipo de competição, independente do seu status ou aspecto jurídico. Este cenário tem despertado o interesse pelo estudo do processo de Inteligência Competitiva (IC) atualmente utilizado em organizações que almejam o sucesso, em razão da interdependência global e do surgimento do que se convencionou chamar de sociedade do conhecimento. O presente artigo tem por objetivo realizar um levantamento das dissertações de mestrado e teses de doutorado defendidas no período de 1987 a 2003, para visualizar o cenário da pesquisa acadêmica sobre a Inteligência Competitiva, no Brasil. ENEGEP 2004 ABEPRO 5035

2 A estrutura do trabalho compreende esta introdução; um embasamento teórico sobre a Inteligência Competitiva; a metodologia utilizada durante a pesquisa; os resultados e discussão, os quais enfatizarão a quantidade de dissertações e teses defendidas, as áreas acadêmicas em que tais pesquisas foram realizadas, em quais instituições de ensino, a periodicidade das defesas, quais os níveis de conhecimento, e quais as principais abordagens e temas focados; e, por fim, a conclusão do estudo com as considerações finais sobre os dados analisados. 2. Inteligência competitiva A disputa por mercado tem impulsionado as empresas a buscar por vantagens competitivas, através da implementação de estratégias que agregam valor ao seu negócio. Para definir as melhores estratégias é preciso obter informações críticas para o desempenho da empresa, em especial, informações sobre a concorrência. Para Porter (1986), a estratégia competitiva envolve o posicionamento de um negócio de modo a maximizar o valor das características que o distinguem de seus concorrentes. Em conseqüência, um aspecto central da formulação da estratégia é a análise detalhada da concorrência. O processo de Inteligência Competitiva é responsável pela estruturação de procedimentos para a coleta e análise sistematizada de informações de mercado e da concorrência, como também pela definição de processos que irão auxiliar na identificação de oportunidades de negócio. A Inteligência Competitiva é um processo informacional proativo que conduz à melhor tomada de decisões, seja ela estratégica ou operacional. É um processo sistemático, que visa a descobrir as forças que regem os negócios, reduzir risco e conduzir o tomador de decisão a agir antecipadamente, bem como proteger o conhecimento gerado. (ABRAIC, 2001) Para Lima e Souza (2003), o emprego da Inteligência Competitiva proporciona tanto ganhos de efetividade operacional interna e externa necessários ao estabelecimento da vantagem competitiva, quanto a renovação oportuna desta ao longo do tempo. Porter, por sua vez, argumenta que a estratégia deve ser distinguida da eficácia operacional, porque envolve a escolha de um conjunto de atividades fundamentalmente diferente para entregar uma combinação única de valor, em vez de executar essencialmente o mesmo conjunto de atividades melhor que os concorrentes (GHEMAWAT, 2000). De acordo com Tarapanoff apud Cardoso Júnior (2003), a Inteligência Competitiva é um processo perfeitamente sintonizado com a Era do Conhecimento e constitui, do ponto de vista teórico, uma nova metodologia, uma nova abordagem e síntese teórica, para o planejamento e administração estratégica das organizações e para sua tomada de decisão. 3. Metodologia Do ponto de vista dos seus objetivos, este estudo se classifica como exploratório, por não ter o intuito de fornecer explicações para o fenômeno em observação, mas sim para identificar e explorar a situação apresentada. Na fase de coleta de dados, foi realizada uma pesquisa on-line no banco de teses do site da CAPES (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) e na biblioteca digital de teses e dissertações do site do IBICT (Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia), para verificar as dissertações de mestrado e teses de doutorado defendidas no período de 1987 a Com o intuito de conseguir a totalidade de trabalhos publicados, a busca no site da CAPES foi feita ano a ano, utilizando-se a palavra-chave inteligência ENEGEP 2004 ABEPRO 5036

3 competitiva. No site do IBICT, por sua vez, os dados foram capturados a partir da busca avançada, em período indeterminado, já que o site não dispõe da opção do período de defesa a ser pesquisado. Na fase de análise e discussão dos resultados foram utilizados quadros com demonstrações quantitativas, seguidas de comentários sobre os pontos com maior incidência e correlações de dados levantados. Sobre os temas e abordagens trabalhados nas dissertações e teses, foi realizada uma análise qualitativa destacando os assuntos que foram mais referenciados e, em seguida, um agrupamento por similaridade contextual. 4. Resultados e discussão 4.1. Quantidade de teses Após análise dos dados, verificou-se a existência de vinte e sete trabalhos nos níveis de mestrado, doutorado e pós-graduação profissionalizante, defendidos no Brasil, registrados nos bancos de teses do site da CAPES e do IBICT, no período de 1987 a 2003, que abordavam assuntos relacionados ao tema Inteligência Competitiva. Há a possibilidade deste número não expressar a real totalidade de trabalhos defendidos até o ano de 2003, devido a limitação encontrada por esta pesquisa ao perceber que o site da CAPES só disponibiliza as dissertações e teses defendidas até o ano de 2002, e pela observação de poucos trabalhos disponíveis para acesso no site do IBICT Áreas acadêmicas Os dados apresentados na Tabela 1 revelam as áreas acadêmicas que estão produzindo informações e conhecimento científico sobre a Inteligência Competitiva no Brasil, nos últimos anos. Áreas Acadêmicas Quantidade Percentual Administração 12 44,5% Engenharia de Produção 7 25,9% Ciências da Informação 4 14,8% Comunicação e Semiótica 1 3,7% Engenharia Civil 1 3,7% Engenharia da Computação 1 3,7% Transportes 1 3,7% Total % Tabela 1 - Áreas acadêmicas de defesa das dissertações de mestrado e teses de doutorado sobre Inteligência Competitiva, no Brasil, no período de 1987 a 2003 Dentre as sete áreas acadêmicas listadas, as três de maior destaque quanto ao número de trabalhos defendidos são: Administração, com 12 dissertações e teses, equivalente a 44,5% do total; Engenharia de Produção, com 7 trabalhos defendidos (25,9%); e Ciências da Informação, com 4 (14,8%). Estas três áreas correspondem a 85,2% do total de 27 trabalhos acadêmicos de pós-graduação stricto sensu, embora tenha sido observado o interesse, mesmo que pouco expressivo, de outras áreas pelo tema Inteligência Competitiva. Outras informações puderam ser coletadas sobre as áreas acadêmicas acima citadas, fazendo uma correlação com as suas instituições de ensino, como segue: a área de Administração tem trabalhado o tema IC na UFRGS, USP, FGV/SP, FGV/RJ, UFBA, UFPB; a área de Engenharia de Produção explorou o referido tema na UFSC e UFRJ; e a área de Ciências da Informação, por sua vez, na UFRJ e UNB. As áreas de Comunicação e Semiótica, Engenharia Civil, Engenharia da Computação e Transportes, são da PUC/SP, UFRJ, Instituto de Pesquisas Tecnológicas de São Paulo, e UNB, respectivamente. ENEGEP 2004 ABEPRO 5037

4 4.3. Instituições de ensino As instituições de ensino superior que estão produzindo mais dissertações e teses sobre Inteligência Competitiva são as universidades federais, embora tenha sido observada a participação de universidades particulares e de um instituto de pesquisas tecnológicas. Instituições de Ensino Superior Quantidade Percentual UFRGS 7 26,0% UFSC 5 18,5% UFRJ 4 14,8% UNB 4 14,8% FGV/RJ 1 3,7% FGV/SP 1 3,7% Instituto de Pesquisas Tecnológicas/SP 1 3,7% PUC/SP 1 3,7% UFBA 1 3,7% UFPB 1 3,7% USP 1 3,7% Tabela 2 - Instituições de ensino superior onde foram defendidas as dissertações de mestrado e teses de doutorado sobre Inteligência Competitiva, no período de 1987 a Conforme dados da Tabela 2, a UFRGS tem a primeira colocação quanto ao número de dissertações e teses defendidas sobre a Inteligência Competitiva, com 26,0% do total; em seguida, a UFSC, com 18,5%; e numa terceira colocação a UFRJ e a UNB, com 14,8% (cada). Observa-se, então, um cenário de elevado nível de concentração, tendo em vista que os pesquisadores de vinte dissertações e teses, equivalente a 74,1% do total, pertencem a essas quatro universidades. Localizando-as geograficamente, percebe-se um maior interesse pelo tema nos cursos de pós-graduação das instituições de ensino superior das regiões sul e sudeste, com vinte e um trabalhos, o equivalente a 77,8% do total pesquisado. Os estados sede dessas instituições são: Rio Grande do Sul e Santa Catarina com uma universidade (cada) e 44% dos trabalhos apresentados; e Rio de Janeiro e São Paulo com duas e quatro instituições, respectivamente, correspondendo a 33% de defesa dos trabalhos Periodicidade As dissertações de mestrado e teses de doutorado que enfocam a Inteligência Competitiva foram defendidas entre 1993 e 2003, conforme demonstra a Tabela 3. Era de interesse deste estudo verificar também as teses já defendidas no ano de 2004, mas o banco de teses da CAPES, onde foi possível coletar o maior número de trabalhos, só disponibiliza, para acesso on-line, as dissertações e teses até o ano de Ano da Defesa Quantidade Percentual ,7% ,7% ,4% ,5% ,2% ,1% ,7% ,7% Tabela 3 - Anos de defesa de dissertações de mestrado e teses de doutorado sobre IC, no Brasil. Como pode ser facilmente observado, o período em que houve maior ocorrência de defesa de dissertações e teses nessa área foi de 1999 a 2001, com um crescimento de até 100% neste ENEGEP 2004 ABEPRO 5038

5 intervalo. Observa-se, nos dois anos seguintes, uma forte queda do interesse pelo tema Inteligência Competitiva nos trabalhos de pós-graduação. No entanto, há a possibilidade de outros trabalhos terem sido defendidos nos anos de 2002 e 2003 e não estarem disponíveis, para acesso on-line, nas bases de dados das fontes pesquisadas por este estudo Nível de conhecimento O nível de conhecimento predominante é o de mestrado, com dezenove dissertações defendidas (70,4%), de acordo com a Tabela 4, a seguir. A área de Administração é a que mais tem abordado o tema Inteligência Competitiva, representando 52,6% das dissertações de mestrado, vindo em seguida a área de Engenharia de Produção da UFSC e UFRJ, a área de Ciências da Informação da UFRJ e UNB, e a área de Transportes da UNB com uma participação neste cenário. Áreas Nível de Conhecimento Acadêmicas Mestrado Doutorado Profissionalizante Administração 10-2 Engenharia de Produção Ciências da Informação Comunicação e Semiótica Engenharia Civil Engenharia da Computação Transportes Total Tabela 4 - Nível de conhecimento, por área acadêmica, das dissertações e teses defendidas sobre Inteligência Competitiva, no Brasil, no período de 1987 a No nível de doutorado, as cinco teses encontradas (18,5% do total) foram defendidas por pesquisadores dos cursos de Engenharia de Produção, Comunicação e Semiótica, e Engenharia Civil, os quais estão vinculados às instituições UFSC, PUC/SP e UFRJ, respectivamente. Os trabalhos do nível profissionalizante, o equivalente a 11,1% do total, foram desenvolvidos por estudantes das áreas de Administração da UFRGS e de Engenharia da Computação do Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo Abordagens e temas As abordagens e temas explorados pelos pesquisadores das vinte e sete dissertações de mestrado e teses de doutorado sobre Inteligência Competitiva, serão apresentadas a seguir, como resultado de uma análise qualitativa em torno dos temas e resumos dos referidos trabalhos. Modelos de IC: Proposta, desenvolvimento e aplicação de modelos envolvidos na concepção, estruturação e operacionalização de sistemas de informação de inteligência estratégica, dedicados à análise da concorrência. Nestes trabalhos, observou-se a exploração de diversos modelos, tais como: o modelo de Ciclo de Inteligência que estabelece os passos metodológicos para a estruturação de um programa de Inteligência Competitiva; o modelo de rede de IC, utilizado para análise do ambiente englobando aglomerações econômicas de um estado; modelo de gestão para a produção do conhecimento sensível à Inteligência Competitiva e necessário ao planejamento e gestão estratégica; modelo de cooperação entre organizações localizado na interface entre a Pequenas e Micro Empresas e Instituições de Ensino Superior; e o modelo de Inteligência Empresarial Estratégica para a implementação de gestão de novos negócios. Tais estudos ENEGEP 2004 ABEPRO 5039

6 ocorreram em empresas da indústria alimentícia, de prestação de serviços de atendimento bancário, de serviço de transporte urbano e através de cooperação de empresas de pequeno porte com instituições de ensino superior. Comportamento de uso da IC: Verificação e análise do comportamento de alguns grupos de empresas quanto à implementação das atividades de IC num mesmo ramo de atividade, evidenciando a importância da utilização da IC para obtenção de um melhor posicionamento estratégico no mercado nacional e internacional. Dos trabalhos realizados com este propósito, observou-se a existência de pesquisas em grupos de empresas da indústria moveleira, de pequenas e médias indústrias do setor calçadista, de um pólo metalmecânico e da indústria petroquímica. Aplicação da IC: Identificação dos tipos de informação que influenciam na formulação de ações estratégicas para a empresa. Utilização da IC como processo de suporte à tomada de decisão. Aplicação da atividade de IC para uma melhor organização de um segmento turístico, visando tornar-se competitivo em relação a outros roteiros turísticos. As empresas, campo destes estudos, fazem parte da indústria petroquímica, da prestação de serviços de telecomunicação, de entrega de encomendas e correspondências no âmbito nacional e do setor turístico. Ferramentas de IC: Criação e Implementação de ferramentas de armazenamento e análise utilizadas durante o processo de IC, tais como Data Warehousing e Data Mining, na indústria alimentícia, no setor de transporte, e no setor varejista de automóveis. Internet e IC: Utilização da Internet como ambiente e ferramenta efetiva de um processo de IC, e como portal de relacionamento com o mercado, através das práticas do e- commerce. Gestão do Conhecimento e IC: Integração da Gestão do Conhecimento com a IC, para a criação da Inteligência Coletiva nas organizações e a contribuição efetiva do conhecimento e dos ativos intangíveis como vantagem competitiva sustentável, estudo este realizado em empresa de consultoria em informação. Importância da Gestão do Conhecimento e da IC na estratégia da produção de uma indústria coureira, verificando também se os sistemas de informação que suportam estas atividades estão alinhados com a estratégica empresarial. Abordagens da IC: A Inteligência Tecnológica como mecanismo com potencial de gerar conhecimento para subsidiar a gestão dos recursos tecnológicos em um instituto de pesquisas tecnológicas, garantindo sua sobrevivência no mercado em que atuam. Proposta de sistematização das diferentes abordagens para a IC, a partir de uma análise bibliográfica e avaliação de estudos de casos, englobando as tendências de utilização da IC em determinados segmentos de mercado. Outro enfoque: Contextualização dos programas de IC dentro da teoria da criação do conhecimento de Nonaka e Takeuchi. Outras informações relacionadas às abordagens mais exploradas pelos autores das dissertações e teses sobre Inteligência Competitiva, poderão ser visualizadas no Quadro 1, a seguir. Dar-se-á destaque às instituições de ensino e áreas acadêmicas as quais os autores estão vinculados, e respectiva quantidade de trabalhos defendidos. ENEGEP 2004 ABEPRO 5040

7 Abordagens Instituições Áreas Acadêmicas Quantidade Modelos de IC UFSC Engenharia de Produção 3 USP Administração 1 UFRGS Administração 1 FGV/SP Administração 1 FGV/RJ Administração 1 UNB Transportes 1 Comportamento de Uso da IC UFRGS Administração 3 UNB Ciências da Informação 1 Aplicação da IC UFRGS Administração 1 UFBA Administração 1 UNB Ciências da Informação 1 IPT/SP Engenharia da Computação 1 Ferramentas da IC UFPB Administração 1 UFRJ Engenharia Civil 1 UFSC Engenharia de Produção 1 Internet e IC UFRJ Ciências da Informação 1 UFSC Engenharia da Produção 1 Gestão do Conhecimento e IC PUC/SP Comunicação e Semiótica 1 UFRGS Administração 2 Quadro 1 Abordagens das dissertações e teses sobre Inteligência Competitiva, defendidas no Brasil. 5. Considerações Finais Nos mercados competitivos e dinâmicos, as empresas necessitam saber quais ações devem implementar para maximizar suas chances de sucesso e sobrevivência, não só a curto, mas e principalmente, a longo prazo. Tais ações devem ser fundamentadas a partir da análise de informações críticas para o negócio. Gerar competitividade através da utilização do processo de inteligência competitiva na redefinição das estratégias, é uma prática que vem sendo utilizada por empresas que percebem a importância de monitorar seus concorrentes e de conhecer o ambiente no qual está inserido. Entretanto, é importante destacar que a otimização do uso da inteligência competitiva na definição das estratégias empresariais não é uma tarefa fácil. Sendo a inteligência competitiva uma área emergente de conhecimento, muitas questões sobre a sua eficaz implementação nas organizações de diversos setores da economia precisam ainda ser melhor investigadas e definidas. Diante desta realidade, pesquisadores dos níveis de conhecimento de mestrado e doutorado vêm realizando estudos sobre a utilização do processo de Inteligência Competitiva em ambientes organizacionais, no Brasil, no período de 1987 a Tais pesquisadores estavam vinculados, no período da defesa, a onze instituições de ensino superior, com destaque para a UFRGS, UFSC, UFRJ e UNB. Eles faziam parte de cursos de mestrado ou doutorado de apenas sete áreas acadêmicas, com grande concentração nas áreas de Administração, Engenharia de Produção e Ciências da Informação. Dentre os temas pesquisados, verificou-se uma similaridade contextual que propiciou o agrupamento dos temas trabalhados em algumas abordagens, principalmente as com enfoque direcionado para a proposta de elaboração e implementação de modelos de Inteligência Competitiva, assim como para a análise de uso prático e verificação de potencialidades de utilização deste processo de monitoramento concorrencial em empresas e aglomerados econômicos de diversos ramos de atividade. Outras abordagens que também se destacaram ENEGEP 2004 ABEPRO 5041

8 foram as relacionadas à utilização de ferramentas de armazenamento, análise e consulta para a execução do processo de IC, e a sua integração com conceitos de gestão do conhecimento. Compreender como o processo de Inteligência Competitiva funciona dentro do ambiente empresarial pode influenciar de maneira positiva no redirecionamento das estratégias. Para isto, os gestores devem definir qual o modelo e quais ferramentas e atividades de Inteligência Competitiva são mais condizentes com a realidade da empresa, para então utilizá-las. Percebe-se, portanto, que muitas dessas questões já estão sendo analisadas por pesquisadores de instituições de ensino superior, dando um direcionamento aos administradores das empresas campo desses estudos, e retratando o cenário brasileiro de utilização do processo de Inteligência Competitiva pelas organizações. Referências ABRAIC. Perguntas freqüentes sobre inteligência competitiva. Disponível em <http://www.abraic.org.br/faqs.asp> Acesso em 22/01/2004. CAPES, Banco de teses. Disponível em Acesso em 28 de abril de CARDOSO JR, Walter F. A inteligência competitiva aplicada nas organizações do conhecimento como modelo de inteligência empresarial estratégica para implementação e gestão de novos negócios. 2003, 209 f. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, GHEMAWAT, Pankaj. A estratégia e o cenário dos negócios: textos e casos. Porto Alegre: Bookman, IBICT. Biblioteca digital de teses e dissertações. Disponível em Acesso em 28 de abril de LIMA, Mariana C. C. e SOUZA, Francier P. Inteligência competitiva como estratégia empresarial em micro e pequenas empresas. Anais em CD ROM do XXIII ENEGEP, Ouro Preto MG, 21 a 24 de outubro de PORTER, Michel E. Estratégia competitiva: técnicas para análise de indústria e da concorrência. 7ª ed. Rio de Janeiro: Campus, ENEGEP 2004 ABEPRO 5042

CENÁRIO BRASILEIRO DAS PESQUISAS ACADÊMICAS SOBRE GESTÃO DO CONHECIMENTO

CENÁRIO BRASILEIRO DAS PESQUISAS ACADÊMICAS SOBRE GESTÃO DO CONHECIMENTO CENÁRIO BRASILEIRO DAS PESQUISAS ACADÊMICAS SOBRE GESTÃO DO CONHECIMENTO Paulo Eduardo de Carvalho Costa Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN Professor Dr. Reidson Pereira Gouvinhas Universidade

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO 1 EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO MESTRADO: A) DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DAS LINHAS 1 e 2: Organizações e Estratégia e Empreendedorismo e Mercado

Leia mais

Gestão Estratégica de Marketing

Gestão Estratégica de Marketing Gestão Estratégica de Marketing A Evolução do seu Marketing Slide 1 O Marketing como Vantagem Competitiva Atualmente, uma das principais dificuldades das empresas é construir vantagens competitivas sustentáveis;

Leia mais

Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença?

Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença? Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença? * Daniela Ramos Teixeira A Inteligência vem ganhando seguidores cada vez mais

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS BRASILEIRAS E PORTUGUESAS

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS BRASILEIRAS E PORTUGUESAS 1 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS BRASILEIRAS E PORTUGUESAS São Carlos SP Abril 2011 Euro Marques Júnior USP eurojr@uol.com.br Educação Universitária Serviços

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu PORTFÓLIO ESPECIALIZAÇÃO / MBA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Sumário ÁREA: CIÊNCIAS DA SAÚDE... 2 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO: PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO... 2 ÁREA: COMUNICAÇÃO E LETRAS...

Leia mais

BIBLIOTECA VIRTUAL EM SAÚDE PSICOLOGIA BVS-PSI

BIBLIOTECA VIRTUAL EM SAÚDE PSICOLOGIA BVS-PSI BIBLIOTECA VIRTUAL EM SAÚDE PSICOLOGIA BVS-PSI ANÁLISE DAS REFERÊNCIAS DAS DISSERTAÇÕES E TESES APRESENTADAS AOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA Trabalho integrado da Rede Brasileira de Bibliotecas

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

Para a citação deste material como referência, favor seguir conforme abaixo:

Para a citação deste material como referência, favor seguir conforme abaixo: Para a citação deste material como referência, favor seguir conforme abaixo: ALVARELI, Luciani Vieira Gomes. Novo roteiro para elaboração do projeto de trabalho de graduação. Cruzeiro: Centro Paula Souza,

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS Elane de Oliveira, UFRN 1 Max Leandro de Araújo Brito, UFRN 2 Marcela Figueira de Saboya Dantas, UFRN 3 Anatália Saraiva Martins Ramos,

Leia mais

Vantagens Competitivas (de Michael Porter)

Vantagens Competitivas (de Michael Porter) Vantagens Competitivas (de Michael Porter) CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTE: SOARES, Claudio César. Introdução ao Comércio Exterior Fundamentos Teóricos do Comércio Internacional.

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES Maria Helena Machado de Moraes - FURG 1 Danilo Giroldo - FURG 2 Resumo: É visível a necessidade de expansão da Pós-Graduação no Brasil, assim

Leia mais

A PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE INTELIGÊNCIA COMPETITIVA E VANTAGEM COMPETITIVA:

A PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE INTELIGÊNCIA COMPETITIVA E VANTAGEM COMPETITIVA: A PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE INTELIGÊNCIA COMPETITIVA E VANTAGEM COMPETITIVA: UMA ANÁLISE DAS PUBLICAÇÕES NO ENANPAD ENTRE OS ANOS DE 010 014. Ronaldo Maciel Guimarães 1. RESUMO Como o mercado vem sofrendo

Leia mais

4 Cursos de nível superior no Brasil para formação de Designers de Games

4 Cursos de nível superior no Brasil para formação de Designers de Games 4 Cursos de nível superior no Brasil para formação de Designers de Games Este Capítulo apresenta o levantamento realizado dos cursos de nível superior no Brasil voltados para a formação de Designers de

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO 1 MESTRADO: EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO A) DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DAS LINHAS 1 e 2: Estudos Organizacionais e Sociedade e Marketing e Cadeias

Leia mais

PARTE III Introdução à Consultoria Empresarial

PARTE III Introdução à Consultoria Empresarial FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 1ª série Empreendedorismo Administração A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensino-aprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto de atividades

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

O CLIENTE COMO FONTE DE INFORMAÇÃO PARA INOVAÇÃO: INTEGRAÇÃO ENTRE AS DIMENSÕES CLIENTES E RELACIONAMENTO

O CLIENTE COMO FONTE DE INFORMAÇÃO PARA INOVAÇÃO: INTEGRAÇÃO ENTRE AS DIMENSÕES CLIENTES E RELACIONAMENTO O CLIENTE COMO FONTE DE INFORMAÇÃO PARA INOVAÇÃO: INTEGRAÇÃO ENTRE AS DIMENSÕES CLIENTES E RELACIONAMENTO Aliny Francielly de Oliveira Formada em Administração, atuante nos segmentos comércio varejista

Leia mais

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ Acadêmica de Administração Geral na Faculdade Metropolitana de Maringá /PR - 2005 RESUMO: A atividade comercial

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA UTILIZANDO TECNOLOGIAS

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA UTILIZANDO TECNOLOGIAS I Mostra de Iniciação Científica I MIC 23 e 24 de setembro de 2011 Instituto Federal Catarinense Campus Concórdia Concórdia SC INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CAMPUS CONCÓRDIA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES

Leia mais

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites 5 Conclusão Trade Marketing é um termo conhecido por grande parte dos profissionais das áreas comercial e de marketing, principalmente entre as indústrias de bens de consumo. Muitas empresas já incluíram

Leia mais

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Leia mais

Introdução. Objetivos do Curso

Introdução. Objetivos do Curso Introdução A nova dinâmica dos negócios, principalmente relacionada ao meio industrial, impele uma realidade de novos desafios para a indústria nacional. O posicionamento do Brasil como liderança global

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

Pós-Graduação em Marketing de Moda

Pós-Graduação em Marketing de Moda Pós-Graduação em Marketing de Moda Público alvo Indicado para profissionais com formação em Moda, Design, Marketing, Comunicação, Arquitetura, dentre outros, e que atuem ou desejem atuar na área de Moda,

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

Giselle Mesquita. Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Iniciação Científica das Faculdades Integradas Simonsen.

Giselle Mesquita. Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Iniciação Científica das Faculdades Integradas Simonsen. Giselle Mesquita O uso da contabilidade na formação do preço e no planejamento das vendas: um estudo empírico sobre micro e pequenas empresas da zona oeste da cidade do Rio de Janeiro. Projeto de pesquisa

Leia mais

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA Daniela Vaz Munhê 1 Jenifer Oliveira Custódio Camara 1 Luana Stefani 1 Murilo Henrique de Paula 1 Claudinei Novelli 2 Cátia Roberta Guillardi

Leia mais

A PRODUÇÃO DE DISSERTAÇÕES E TESES NA PERSPECTIVA DA CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO

A PRODUÇÃO DE DISSERTAÇÕES E TESES NA PERSPECTIVA DA CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO 22 a 24 de julho de 205 A PRODUÇÃO DE DISSERTAÇÕES E TESES NA PERSPECTIVA DA CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO INTRODUÇÃO Eva Dayane Jesus dos Santos Bibliotecária da Universidade do Estado da Bahia eva@uneb.br Marivaldina

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com. ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.br CPC Conceito Preliminar de Curso 1 - Nota dos Concluintes no ENADE

Leia mais

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento Profa. Marta Valentim Marília 2014 Modelos,

Leia mais

Pós-Graduação em GESTÃO DO AGRONEGÓCIO

Pós-Graduação em GESTÃO DO AGRONEGÓCIO Pós-Graduação em GESTÃO DO AGRONEGÓCIO Ingresso agosto de 2016 Informações: (51) 3218-1355 ernani.neto@espm.br O Curso tem por objetivo capacitar os participantes na utilização de práticas contemporâneas

Leia mais

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.)

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Resenha Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Patrícia Morais da Silva 1 Superar as expectativas do mercado atendendo de forma satisfatória as demandas dos clientes

Leia mais

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Resumo. Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Autor: Danilo Humberto Dias Santos Orientador: Walteno Martins Parreira Júnior Bacharelado em Engenharia da Computação

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 553 A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Irene Caires da Silva 1, Tamires Fernanda Costa de Jesus, Tiago Pinheiro 1 Docente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Discente

Leia mais

Curso de ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

Curso de ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Curso de ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ÁREA DO CONHECIMENTO: Engenharia. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Engenharia de Produção. PERFIL PROFISSIONAL: Este

Leia mais

Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013

Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a suas atividades em 1944

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2517 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO DATA DE CRIAÇÃO: 29/07/2013

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2517 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO DATA DE CRIAÇÃO: 29/07/2013 Impresso por: RODRIGO DIAS Data da impressão: 07/08/2013-18:06:16 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2517 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO DATA

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

www.unioeste.br/portaldainformacao

www.unioeste.br/portaldainformacao PORTAL DA INFORMAÇÃO DA UNIOESTE Página de acesso livre ao conhecimento. www.unioeste.br/portaldainformacao PORTAL DA INFORMAÇÃO DA UNIOESTE A P R E S E N T A Ç Ã O O Portal da Informação da Unioeste é

Leia mais

Formação do Engenheiro de Produção: Competências Acadêmicas e Profissionais

Formação do Engenheiro de Produção: Competências Acadêmicas e Profissionais Formação do Engenheiro de Produção: Competências Acadêmicas e Profissionais Propriedade Intelectual e seu impacto nos programas de pós-graduação XVI ENCEP Encontro Nacional de Coordenadores de Cursos de

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS MISSÃO DO CURSO Formar profissionais de elevado nível de consciência crítica, competência técnica empreendedora, engajamento ético

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Resumo: A finalidade desse documento é apresentar o projeto de planejamento

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Existem três níveis distintos de planejamento: Planejamento Estratégico Planejamento Tático Planejamento Operacional Alcance

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

3. Estratégia e Planejamento

3. Estratégia e Planejamento 3. Estratégia e Planejamento Conteúdo 1. Conceito de Estratégia 2. Vantagem Competitiva 3 Estratégias Competitivas 4. Planejamento 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Administração de Pequenas Empresas

Leia mais

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE CENECISTA DE SETE LAGOAS

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

2.2 ATIVIDADES Atividade 4.2.3 - Formular as sistemáticas de planejamento e avaliação das escolas para uso na implantação do PDE.

2.2 ATIVIDADES Atividade 4.2.3 - Formular as sistemáticas de planejamento e avaliação das escolas para uso na implantação do PDE. Impresso por: ANGELO LUIS MEDEIROS MORAIS Data da impressão: 07/10/2013-10:07:01 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2703 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PROCESSO

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

Gestão por Processos. Gestão por Processos Gestão por Projetos. Metodologias Aplicadas à Gestão de Processos

Gestão por Processos. Gestão por Processos Gestão por Projetos. Metodologias Aplicadas à Gestão de Processos Gestão por Processos Gestão por Projetos Gestão por Processos Gestão de Processos de Negócio ou Business Process Management (BPM) é um modelo de administração que une gestão de negócios à tecnologia da

Leia mais

Mapa da Educação Financeira no Brasil

Mapa da Educação Financeira no Brasil Mapa da Educação Financeira no Brasil Uma análise das iniciativas existentes e as oportunidades para disseminar o tema em todo o País Em 2010, quando a educação financeira adquire no Brasil status de política

Leia mais

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015. Big Data Analytics:

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015. Big Data Analytics: Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015 Big Data Analytics: Como melhorar a experiência do seu cliente Anderson Adriano de Freitas RESUMO

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

Rua José de Alencar, 377/06 Menino Deus 90880.481 Porto Alegre RS Brasil fone/fax [51] 3012.1365

Rua José de Alencar, 377/06 Menino Deus 90880.481 Porto Alegre RS Brasil fone/fax [51] 3012.1365 Rua José de Alencar, 377/06 Menino Deus 90880.481 Porto Alegre RS Brasil fone/fax [51] 3012.1365 guilherme@2dayconsultoria.com patricia@2dayconsultoria.com www.2dayconsultoria.com A p r e s e n t a ç ã

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM DISCIPLINA: Gestão de Pessoas EMENTA: O sistema clássico de estruturação da gestão de recursos humanos e suas limitações: recrutamento e seleção, treinamento

Leia mais

União Metropolitana de Educação e Cultura. Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM

União Metropolitana de Educação e Cultura. Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM União Metropolitana de Educação e Cultura Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM Lauro de Freitas - BAHIA 2013 2 JUSTIFICATIVA A principal justificativa para o desenvolvimento e implementação

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

CONSIDERAÇÕES INICIAIS. CONSIDERAÇÕES SOBRE RCEs

CONSIDERAÇÕES INICIAIS. CONSIDERAÇÕES SOBRE RCEs CONSIDERAÇÕES INICIAIS CONSIDERAÇÕES SOBRE RCEs REDES DE COOPERAÇÃO: EMPRESARIAL O QUE ISTO SIGNIFICA? Uma nova forma de organização de pequenas e médias empresas Grupo de empresas em uma entidade única

Leia mais

Praticando o Conceito de Inteligência Estratégica Antecipativa (IEA) em uma Empresa de Software Médico

Praticando o Conceito de Inteligência Estratégica Antecipativa (IEA) em uma Empresa de Software Médico Praticando o Conceito de Inteligência Estratégica Antecipativa (IEA) em uma Empresa de Software Médico Pedro Freitas pedrof86@terra.com.br Henrique Freitas hf@ea.ufrgs.br Raquel Janissek-Muniz rjmuniz@ea.ufrgs.br

Leia mais

Um olhar sobre a Educomunicação enquanto prática em expansão

Um olhar sobre a Educomunicação enquanto prática em expansão Um olhar sobre a Educomunicação enquanto prática em expansão Cláudio Messias 1 Resumo Investigamos, por meio de pesquisa quantitativa e qualitativa, referenciais que dão sustentação à expansão da prática

Leia mais

Revista Inteligência Competitiva José Fonseca de Medeiros ABRAIC E A PROFISSÃO DE ANALISTA DE INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NO BRASIL

Revista Inteligência Competitiva José Fonseca de Medeiros ABRAIC E A PROFISSÃO DE ANALISTA DE INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NO BRASIL 244 ABRAIC E A PROFISSÃO DE ANALISTA DE INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NO BRASIL 1 Entrevista com Francisco Diretor de Articulação Nacional da ABRAIC, sobre a profissão de analista de inteligência competitiva

Leia mais

REDUÇÃO DE INCIDENTES DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO COMO MEIO DE COMBATE A FUGA DE INFORMAÇÔES ORGANIZACIONAIS

REDUÇÃO DE INCIDENTES DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO COMO MEIO DE COMBATE A FUGA DE INFORMAÇÔES ORGANIZACIONAIS REDUÇÃO DE INCIDENTES DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO COMO MEIO DE COMBATE A FUGA DE INFORMAÇÔES ORGANIZACIONAIS Autor(a): Tatiene Rochelle Santana Melo Coautor(es): Gliner Dias Alencar INTRODUÇÃO Com o aumento

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO - BACHARELADO MISSÃO DO CURSO Formar profissionais de elevado nível de consciência crítica, competência técnica empreendedora, engajamento

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

1 PESQUISAS ACADÊMICAS PRIVILEGIAM O PROCESSO PARA PESQUISAR EM DETRIMENTO DO PRODUTO OU RESULTADO DA PESQUISA A ALCANÇAR?

1 PESQUISAS ACADÊMICAS PRIVILEGIAM O PROCESSO PARA PESQUISAR EM DETRIMENTO DO PRODUTO OU RESULTADO DA PESQUISA A ALCANÇAR? MINIARTIGO TÍTULO GESTÃO DE PROJETOS DE PESQUISA (ACADÊMICA OU ORGANIZACIONAL) ----FERRAMENTAS TECNOLÓGICAS PARA GESTÃO ----LÓGICA DE PROJETOS ----METODOLOGIA DE PESQUISA MENSAGEM PRINCIPAL INTEGRAÇÃO

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

Planejamento de sistemas de informação.

Planejamento de sistemas de informação. Planejamento de sistemas de informação. O planejamento de sistemas de informação e da tecnologia da informação é o processo de identificação das aplicações baseadas em computadores para apoiar a organização

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ

EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ O presente edital regulamenta o processo de recrutamento, seleção e ingresso de projetos empresariais na Incubadora

Leia mais

EDITAL DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Nº 01/2012

EDITAL DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Nº 01/2012 EDITAL DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Nº 01/2012 PROCEDIMENTOS DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PROJETOS EMPRESARIAIS INOVADORES PARA INGRESSO E PARTICIPAÇÃO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ IESJ. A INCUBADORA

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO PMI PULSO DA PROFISSÃO RELATÓRIO DETALHADO GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO Destaques do Estudo As organizações mais bem-sucedidas serão aquelas que encontrarão formas de se diferenciar. As organizações estão

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 2-CEPE/UNICENTRO, DE 3 DE JANEIRO DE 2011. Aprova o Curso de Especialização em Gestão Estratégica e da Inovação, modalidade regular, a ser ministrado no Campus Santa Cruz, da UNICENTRO. O

Leia mais

TÍTULO: ESTUDO DE RACIONALIZAÇAO DOS PROCESSOS DA GOVERNANÇA HOTELEIRA

TÍTULO: ESTUDO DE RACIONALIZAÇAO DOS PROCESSOS DA GOVERNANÇA HOTELEIRA TÍTULO: ESTUDO DE RACIONALIZAÇAO DOS PROCESSOS DA GOVERNANÇA HOTELEIRA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DO INSTITUTO MAUÁ DE

Leia mais

4. BANCO DE COMPETÊNCIAS PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO DE CAPACITAÇÃO DE RH

4. BANCO DE COMPETÊNCIAS PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO DE CAPACITAÇÃO DE RH 4. BANCO DE COMPETÊNCIAS PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO DE CAPACITAÇÃO DE RH 1. INTRODUÇÃO Gilson da Silva Cardoso Antonio Carlos Francisco Luciano Scandelari O mundo está experimentando

Leia mais

Aline de Souza Santiago (Bolsista PIBIC-UFPI), Denis Barros de Carvalho (Orientador, Departamento de Fundamentos da Educação/UFPI).

Aline de Souza Santiago (Bolsista PIBIC-UFPI), Denis Barros de Carvalho (Orientador, Departamento de Fundamentos da Educação/UFPI). A Produção de pesquisas sobre Educação dos Programas de Pós-graduação (Mestrados e Doutorados) cadastrados na Biblioteca Digital de Teses e Dissertações BDTD. Aline de Souza Santiago (Bolsista PIBIC-UFPI),

Leia mais

Administração de CPD Chief Information Office

Administração de CPD Chief Information Office Administração de CPD Chief Information Office Cássio D. B. Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br cassio.orgfree.com Objetivos Apresentar os principais conceitos e elementos relacionados ao profissional de

Leia mais

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS.

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS. GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS. DIPLOMA CONFERIDO: TECNÓLOGO DE

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

RESUMO DE CONCLUSÃO DE CURSO

RESUMO DE CONCLUSÃO DE CURSO RESUMO DE CONCLUSÃO DE CURSO CONCEITO Empreendedorismo é o estudo voltado para o desenvolvimento de competências e habilidades relacionadas à criação de um projeto (técnico, científico, empresarial). Tem

Leia mais

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Com uma abordagem inovadora e lúdica, o professor Paulo Gerhardt tem conquistado plateias em todo o Brasil. Seu profundo

Leia mais

EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning.

EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning. EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning. Autor(a): Gliner Dias Alencar Coautor(es): Joaquim Nogueira Ferraz Filho, Marcelo Ferreira de Lima, Lucas Correia de Andrade, Alessandra

Leia mais

REVIE Rede de Melhores Práticas para MKT e Vendas

REVIE Rede de Melhores Práticas para MKT e Vendas REVIE Rede de Melhores Práticas para MKT e Vendas Este artigo foi publicado originalmente em abril de 2009 por Daniela Ramos Teixeira no portal Meta Análise. Este é o 1º dos artigos da série que Daniela

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS 0 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS AS FUNÇÕES DA CONTROLADORIA E O PERFIL DO CONTROLLER NAS EMPRESAS INTEGRANTES DOS PRINCIPAIS

Leia mais

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES Cassia Uhler FOLTRAN 1 RGM: 079313 Helen C. Alves LOURENÇO¹ RGM: 085342 Jêissi Sabta GAVIOLLI¹ RGM: 079312 Rogério Bueno ROSA¹ RGM:

Leia mais

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Inovação da Gestão em Saneamento

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Inovação da Gestão em Saneamento Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Inovação da Gestão em Saneamento PNQS 2010 IGS SETEMBRO/2010 ORGANOGRAMA DA ORGANIZAÇÃO CANDIDATA Vice-presidência de GO Superintendência T Gerência Prod. e Desenvolvimento

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DAS FERRAMENTAS ADMINISTRATIVAS CONTEMPORÂNEAS NA GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES

A UTILIZAÇÃO DAS FERRAMENTAS ADMINISTRATIVAS CONTEMPORÂNEAS NA GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES A UTILIZAÇÃO DAS FERRAMENTAS ADMINISTRATIVAS CONTEMPORÂNEAS NA GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES André F. Soares Correia, FSM, andre.s.correia@hotmail.com¹ Virginia Tomaz Machado, FSM, vtmachado@hotmail.com²

Leia mais

Secretaria de Estado da Administração e da Previdência Departamento de Recursos Humanos Escola de Governo do Paraná SÍNTESE DAS EMENTAS PROPOSTAS

Secretaria de Estado da Administração e da Previdência Departamento de Recursos Humanos Escola de Governo do Paraná SÍNTESE DAS EMENTAS PROPOSTAS 1º MÓDULO: SÍNTESE DAS EMENTAS PROPOSTAS Economia e Sociedade do Conhecimento: Conceitos básicos: economia da informação e conhecimento. Investimentos tangíveis e intangíveis. Gestão do Conhecimento e

Leia mais

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior INTRODUÇÃO O que é pesquisa? Pesquisar significa, de forma bem simples, procurar respostas para indagações propostas. INTRODUÇÃO Minayo (1993, p. 23), vendo por

Leia mais