Zona Vulnerável a Nitratos-Tejo. Condicionalidades e Obrigações. Agricultura Presente, um Projeto com Futuro

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Zona Vulnerável a Nitratos-Tejo. Condicionalidades e Obrigações. Agricultura Presente, um Projeto com Futuro"

Transcrição

1 Zona Vulnerável a Nitratos-Tejo Condicionalidades e Obrigações Agricultura Presente, Agricultura Presente, um Projeto com Futuro um Projecto com Futuro Santarém 28 de fevereiro de 2015

2 Agenda 1. Definição de Zona Vulnerável a Nitratos 2. Enquadramento da Diretiva Nitratos e objetivos 3. Destinatários e intervenientes 4. Obrigações e cuidados a ter 5. Considerações finais 2

3 1. Definição de Zona Vulnerável a Nitratos Consideram-se zonas vulneráveis, as áreas que drenam para águas poluídas ou águas suscetíveis de serem nas quais se pratiquem atividades agrícolas suscetíveis de contribuir para a poluição das mesmas. Fonte: 3

4 1. Definição de Zona Vulnerável a Nitratos Proteger que águas? Águas doces superficiais utilizadas ou destinadas à produção de água para consumo humano; Águas subterrâneas; Lagoas, outras massas de água doce, estuários e águas costeiras. 4

5 1. Definição de Zona Vulnerável a Nitratos (ciclo simplificado do azoto no solo) Amónio sob a forma gasosa Azoto (N 2 ) na forma gasosa Chuva e Rega Resíduos Fertilizantes c/ amónio Fertilizantes Animais e plantas c/ nitratos mortos Nitratos (NO 3 - ) Azoto Orgânico Amónio (NH 4 + ) Nitrificação por bactérias Percolação Fixação de azoto por bactérias Decomposição por bactérias Adaptado de: 5

6 1. Definição de Zona Vulnerável a Nitratos Riscos dos nitratos em excesso: 6

7 2. Enquadramento e objetivos um problema da Europa Adaptado de: %2025.JPG 7

8 2. Enquadramento e objetivos as Zonas Vulneráveis de Portugal Continental 9 sistemas aquíferos classificados como zonas vulneráveis (Portaria n.º 164/2010, de 16 de Março) Área total: ha ZV do Tejo: ha (cerca de 60% da área total) Fonte: 8

9 2. Enquadramento e objetivos a Zona Vulnerável do Tejo ZV do Tejo: ha Programa de ação para as zonas vulneráveis de Portugal continental (Portaria n.º 259/2012, de 28 de agosto) 9

10 Objetivos da Diretiva Nitratos 2. Enquadramento e objetivos Grandes objetivos Reduzir a poluição das águas causada ou induzida por nitratos de origem agrícola Impedir a propagação desta poluição Objetivo Específico Recuperar o bom estado das massas de água Objetivo Estratégico Desafetar a zona vulnerável após recuperação do bom estado das massas de água Avaliação do estado da água de 4 em 4 anos 10

11 3. Destinatários e intervenientes Destinatários: Agricultores titulares de explorações agrícolas localizadas nas zonas vulneráveis; No caso das culturas sem solo, os agricultores ficam obrigados a apresentar um plano de utilização das águas drenadas junto da DRAP, sujeito a validação por esta. Entidades com competências: (DRAPLVT) Controlo anual ao nível da parcela ou de parcelas homogéneas; Agência Portuguesa do Ambiente, I.P. (APA) Rede de monitorização para controlo da concentração de nitratos nas águas subterrâneas; Direção-Geral de Agricultura e Desenvolvimento Rural (DGADR) Acompanhamento, ao nível nacional, da implementação do Programa de Ação das Zonas vulneráveis. 11

12 4. Obrigações e cuidados a ter Agricultores Proceder à identificação das parcelas no isip Aplicação de boas práticas agrícolas Práticas em terrenos Gestão da rega declivosos 4.3 Gestão da fertilização Gestão dos efluentes pecuários

13 4.1 Obrigações e cuidados a ter Práticas em terrenos declivosos Tabela Limitações às culturas e às práticas agrícolas Valor do IQFP Floricultura e culturas hortícolas ao ar livre Arvenses, forrageiras e pastagens temporárias Culturas arbóreas e arbustivas Pastagens permanentes [Consultar Anexo III da Portaria 259/2012 de 28 de agosto] 13

14 4.2 Obrigações e cuidados a ter: Gestão da rega Princípios gerais: Gerir a água no sentido de evitar ou reduzir ao mínimo as suas perdas por escorrimento à superfície do solo ou por infiltração; Proporcionar condições favoráveis para uma eficiente absorção dos nitratos pelo raizame das culturas. Adotar o método de rega mais apropriado e dimensionar adequadamente o sistema de rega em função de: Características do solo e topografia do terreno; Qualidade e quantidade de água disponível; Sistema cultural; Condições climáticas. 13

15 4.2 Obrigações e cuidados a ter: Gestão da rega Procedimentos na FERTIRREGA: Iniciar a aplicação dos fertilizantes depois de se ter gasto 20 a 25% da quantidade total de água e terminar quando faltar 10 a 20% da mesma; Não regar nas faixas de segurança estabelecidas relativamente a cursos de água, captações de água subterrânea, albufeiras e lagoas; Impermeabilização dos canais e estanquicidade das tubagens que transportam água de rega como fertilizantes. 14

16 4.2 Obrigações e cuidados a ter: Gestão da rega Determinação da quantidade de azoto na água: Contabilizar o azoto existente na água de rega para a fertilização das culturas Reduz a aplicação nas culturas, de azoto sob a forma de fertilizante Por exemplo: Teor em nitratos (mg/l) Quantidade de azoto (kg) em 1000 m 3 de água Quantidade de azoto (kg) em 5000 m 3 de água 25 5, , ,

17 4.3 Obrigações e cuidados a ter: Gestão da fertilização Técnicas de aplicação Em solos com excesso de água Épocas de aplicação Gestão da fertilização Em terrenos adjacentes a massas de água Plano de fertilização Registo da fertilização 16

18 4.3 Obrigações e cuidados a ter: Em terrenos adjacentes a massas de água DISTÂNCIAS MÍNIMAS DE SEGURANÇA SEM APLICAÇÃO DE FERTILIZANTES (minerais ou orgânicos) 20 a 100 m Fonte: 17

19 4.3 Obrigações e cuidados a ter: Plano de fertilização ao nível da parcela PLANO DE FERTILIZAÇÃO Prever a fertilização (F) Quantidade máxima de azoto a aplicar às culturas Prever as disponibilidades de Azoto Análises antes/após instalação das culturas Quantidade de N nos resíduos do precedente cultural Prever as necessidades de Azoto (N) Cultura Produtividade esperada N Solo (Ns) N água rega (Na) Foliares (N) N resíduos (Nr) N cultura (N) F culturas anuais = N (Ns + Na + Nr) F culturas arbóreas e arbustivas = N (Ns + Na) Balanço 18

20 4.3 Obrigações e cuidados a ter: Plano de fertilização ao nível da parcela Periodicidade das análises: Análises Terra Parâmetro obrigatório de análise Pelo menos um dos seguintes: azoto total; azoto nítrico; matéria orgânica Horticultura e floricultura (ar livre) Horticultura e floricultura (estufa) Arbóreas e arbustivas Restantes culturas Anual Anual Quadrienal Quadrienal Água (1) Teor em nitratos (NO 3 ) Anual Anual Anual Anual Foliares Azoto; fósforo; potássio; cálcio; magnésio; enxofre; ferro; manganês; zinco; cobre e boro Não aplicável Não aplicável Anual Não aplicável Nota: (1) Poderão realizar-se de 4 em 4 anos se a variabilidade for inferior a 20% relativamente à média dos últimos 3 anos Mais espaçadas mediante parecer da DRAPLVT 19

21 4.3 Obrigações e cuidados a ter: Registo de fertilização ao nível da parcela REGISTO DE FERTILIZAÇÃO TOTAL (F total) Fertilização Mineral Fertilização Orgânica < 250 kg N orgânico/ha Quantidade máxima de azoto a aplicar às culturas F efluentes pecuários F excreta F outros tipos Outros valores de N permitidos < 170 kg N/ha Histórico produtividades Parecer DRAPLVT 20

22 4.4 Obrigações e cuidados a ter: Gestão de efluentes pecuários Deposição temporária, distribuição e incorporação de estrumes no solo Permitida em medas ou pilhas; Distribuição até 48 horas ou até 30 dias se o solo for impermeabilizado e a meda protegida; Incorporação até ao máximo de 24 horas após a sua distribuição. 21

23 4.4 Obrigações e cuidados a ter: Gestão de efluentes pecuários DISTÂNCIAS MÍNIMAS DE SEGURANÇA SEM DEPOSIÇÃO DE ESTRUMES Adaptado de: 22

24 4.4 Obrigações e cuidados a ter: Gestão de efluentes pecuários Aplicação e incorporação de chorumes no solo Com equipamento de injeção direta para reduzir perdas de azoto por volatilização e libertação de maus cheiros; A incorporação deve ser realizada logo após a aplicação até um máximo de 4 horas. 23

25 6. Obrigações e cuidados a ter: Gestão de efluentes pecuários Armazenamento de efluentes pecuários Na construção das infraestruturas de armazenamento: É obrigatória a sua impermeabilização; Assegurar para as nitreiras e reservatórios de chorumes, uma capacidade de armazenamento para o período mínimo de 120 dias, caso não seja demonstrado sistema alternativo. 24

26 4.4 Obrigações e cuidados a ter: Gestão de efluentes pecuários DISTÂNCIAS MÍNIMAS DE SEGURANÇA SEM PERNOITA, PARQUEAMENTO DE GADO OU SISTEMAS DE ABEBERAMENTO 25

27 4.4 Obrigações e cuidados a ter: Gestão de efluentes pecuários O armazenamento dos efluentes pecuários não pode exceder um período superior a 12 meses; Todos os agricultores com atividade pecuária devem: Possuir documentos que demonstrem a utilização, o encaminhamento ou o destino dos efluentes produzidos, por ano civil; Arquivar na exploração, durante 5 anos todos os registos referentes esta atividade. 26

28 4. Obrigações e cuidados a ter Resumo das Obrigações Critérios Obrigações Cuidados a ter Explorações em ZV Inscrição em isip CBPA e aplicação da portaria Culturas sem solo Práticas em terrenos declivosos Gestão da rega Gestão da fertilização Plano de gestão das águas drenadas IQFP Correta gestão Fertirega Épocas de aplicação de fertilizantes Terrenos adjacentes a meios hídricos Plano e ficha de registo Autorização prévia da DRAPLVT Limitações às culturas e práticas agrícolas (mobilizações e revestimento) Aplicação uniforme, criar condições a uma boa adsorção, oportunidade e dotação eficiente Épocas de proibição Condições meteorológicas Situações excesso água no solo e solos gelados Distâncias mínimas de segurança Análises de terra, água de rega e foliares Quantidade máxima de azoto a fornecer às culturas Manter documentação arquivada 5 anos 27

29 4. Obrigações e cuidados a ter Resumo da Obrigações Critérios Obrigações Cuidados a ter Gestão dos efluentes pecuários Aplicação de efluentes orgânicos Instalações pecuárias Deposição temporária Registos gestão de efluentes pecuários Distâncias mínimas de segurança Sistema de drenagem próprio Capacidade de armazenamento Impermeabilização Duração do armazenamento Localização e proteção da meda Manutenção e atualização Quantidade máxima de azoto total por hectare e por ano Manter documentação arquivada 5 anos 28

30 5. Considerações finais Cumprir com as obrigações legais é uma necessidade para proteger o ambiente e salvaguardar o seu usufruto pelas gerações seguintes; O incumprimento das medidas previstas está sujeito a sanções, conforme previsto no artigo 10.º do Decreto-lei n.º 235/97, de 3 de setembro, com a redação que lhe foi dada pelo Decreto-Lei n.º 68/99, de 11 de março: Coimas (valores entre 72,70 a 3635,13 que é elevado a ,39 para pessoas coletivas); e/ou restituição de parte ou totalidade de Ajudas no âmbito do Pedido Único ou outras. Poderão igualmente ser aplicadas sanções a Portugal por incumprimento das metas estabelecidas pela Comissão Europeia. 29

31 5. Considerações finais Necessário manter os registos atualizados; É importante que os agricultores estejam associados para receberem: - apoio técnico; - auxílio na organização e arquivo de toda a documentação; - Apoio nas ações de controlo e fiscalização. 30

32 Obrigada pela vossa atenção! Telefone: Agricultura Presente, Agricultura Presente, um Projeto com Futuro um Projecto com Futuro Esta apresentação teve por base documentação da DGADR referente à aplicação da Diretiva Nitratos

Portaria nº 259/2012 de 28 de agosto Direção Regional de Agricultura e Pescas de Lisboa e Vale do Tejo

Portaria nº 259/2012 de 28 de agosto Direção Regional de Agricultura e Pescas de Lisboa e Vale do Tejo Portaria nº 259/2012 de 28 de agosto Fernanda Fenyves Agenda 1. Definição de Zona Vulnerável a Nitratos 2. Enquadramento da Diretiva Nitratos e objetivos 3. Destinatários e intervenientes 4. Obrigações

Leia mais

Agrícola. Substítulo. Programa de Ação (Portaria 259/2012 de 28 de agosto) Pinhal Novo_ g Fernanda Fenyves - DAOT

Agrícola. Substítulo. Programa de Ação (Portaria 259/2012 de 28 de agosto) Pinhal Novo_ g Fernanda Fenyves - DAOT Zona Vulnerável Título da Apresentação a Nitratos de Origem Agrícola Substítulo Programa de Ação (Portaria 259/2012 de 28 de agosto) Pinhal Novo_ 21-04-2017g Fernanda Fenyves - DAOT Agenda A importância

Leia mais

PLANO DE AÇÃO NAS ZONAS VULNERÁVEIS CADERNO DE OBRIGAÇÕES. BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS NAS ZONAS VULNERÁVEIS (Portaria 259/2012, de 28 de agosto)

PLANO DE AÇÃO NAS ZONAS VULNERÁVEIS CADERNO DE OBRIGAÇÕES. BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS NAS ZONAS VULNERÁVEIS (Portaria 259/2012, de 28 de agosto) PLANO DE AÇÃO NAS ZONAS VULNERÁVEIS CADERNO DE OBRIGAÇÕES Consideram-se zonas vulneráveis, zonas que drenam para águas poluídas ou em risco de virem a tornar-se poluídas com nitratos. Nas zonas vulneráveis,

Leia mais

AJUDA PREENCHIMENTO DA FICHA DE REGISTO DE FERTILIZAÇÃO

AJUDA PREENCHIMENTO DA FICHA DE REGISTO DE FERTILIZAÇÃO ÍNDICE 1. NOTA PRÉVIA... 2 2. ABERTURA DA FICHA DE REGISTO PELA PRIMEIRA VEZ... 2 2.1. No Excel 2003... 3 2.2. No Excel 2007... 4 3. ESTRUTURA GERAL... 4 4. FOLHAS CULTURA... 5 4.1. Identificação (produtor

Leia mais

Parcelário (isip)

Parcelário (isip) Parcelário (isip) 14.12.2016 1. O que é o Parcelário 2. Principais Fontes de Atualização 3. Interação com outras Entidades 4. Projetos em curso 2 1. O que é o Parcelário 1.O que é o Parcelário Enquadramento

Leia mais

WORKSHOP GESTÃO DE RESÍDUOS VITIVINÍCOLAS

WORKSHOP GESTÃO DE RESÍDUOS VITIVINÍCOLAS WORKSHOP GESTÃO DE RESÍDUOS VITIVINÍCOLS Reutilização de águas residuais na rega de culturas agrícolas e valorização agrícola de lamas lda Brás Divisão de mbiente e Infraestruturas da Direção Regional

Leia mais

S.R. DA AGRICULTURA E PESCAS. Portaria Nº 44/2002 de 23 de Maio

S.R. DA AGRICULTURA E PESCAS. Portaria Nº 44/2002 de 23 de Maio S.R. DA AGRICULTURA E PESCAS Portaria Nº 44/2002 de 23 de Maio A Portaria n.º 52-A/2001, de 19 de Julho, estabelece o regime de aplicação da intervenção Medidas Agro-Ambientais do Plano de Desenvolvimento

Leia mais

Fontes de Poluição Difusa e as Diretivas no Domínio da Água

Fontes de Poluição Difusa e as Diretivas no Domínio da Água Encontro Técnico: Poluição difusa desafios para o futuro Fontes de Poluição Difusa e as Diretivas no Domínio da Água Ana Rita Lopes 03-06-2013, IPQ Sectores de atividade Diretivas comunitárias Diretivas

Leia mais

Caderno de Campo da Zona Vulnerável a Nitratos Tejo

Caderno de Campo da Zona Vulnerável a Nitratos Tejo Caderno de Campo da a Nitratos Tejo Nome do(a) Agricultor (a): Morada: Localidade: Código Postal: / Declaro que tomei conhecimento das obrigações decorrentes da legislação em vigor (Portaria n.º 259/2012,

Leia mais

MANUAL DE CONTROLO CONDICIONALIDADE AMBIENTAL CNDAMB

MANUAL DE CONTROLO CONDICIONALIDADE AMBIENTAL CNDAMB MANUAL DE CONTROLO CONDICIONALIDADE AMBIENTAL CNDAMB NITRATOS AVES e HABITATS SEGURANÇA ALIMENTAR (PRODUÇÃO VEGETAL) PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS ZONAS DE PROTEÇÃO DAS CAPTAÇÕES DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS Ano

Leia mais

Encontro Técnico Blueprint- Protecção dos recursos hídricos da Europa Perspectivas para Portugal Práticas agrícolas e qualidade da água

Encontro Técnico Blueprint- Protecção dos recursos hídricos da Europa Perspectivas para Portugal Práticas agrícolas e qualidade da água Blueprint Protecção dos recursos hídricos da Europa Perspectivas para Portugal IPQ 9 Abril 2014 Encontro Técnico Blueprint- Protecção dos recursos hídricos da Europa Perspectivas para Portugal Práticas

Leia mais

Zulmira Lopes Divisão de Leite e Lacticínios 2006

Zulmira Lopes Divisão de Leite e Lacticínios 2006 Zulmira Lopes Divisão de Leite e Lacticínios 2006 Cabe a cada estado membro preservar o seu ecossistema, de modo a promover a sua sustentabilidade e o bem-estar da população. Promover a implementação

Leia mais

EMISSOR: Ministérios do Ambiente, do Ordenamento do Território e do Desenvolvimento Regional e da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas

EMISSOR: Ministérios do Ambiente, do Ordenamento do Território e do Desenvolvimento Regional e da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas DATA: Terça-feira, 9 de Junho de 2009 NÚMERO: 111 SÉRIE I EMISSOR: Ministérios do Ambiente, do Ordenamento do Território e do Desenvolvimento Regional e da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas

Leia mais

Experiências no uso de águas residuais em irrigação em Israel

Experiências no uso de águas residuais em irrigação em Israel Experiências no uso de águas residuais em irrigação em Israel WORK SHOP- REUSO DE ÁGUAS Eng Agr Ayrton Freddi Jr Fortaleza Ce: 07 e 08 de Outubro de 2013 Linha do tempo 1937 1970 2001 2007 2012 Naan Irrigation

Leia mais

PDR Jovens Agricultores Investimentos na Exploração Agrícola

PDR Jovens Agricultores Investimentos na Exploração Agrícola PDR 2014-2020 Jovens Agricultores + 3.2 - Investimentos na Exploração Agrícola PSZ CONSULTING 2015 Índice Índice... 1 1 Prémio aos Jovens Agricultores... 2 1.1 Enquadramento... 2 1.2 Beneficiários... 2

Leia mais

LANÇAMENTO DO PROGRAMA DE APROVEITAMENTO DA ÁGUA DAS CHUVAS 3 DE OUTUBRO DE 2014, MAPUTO DIMENSÃO ENERGÉTICA DA EXPLORAÇÃO DA ÁGUA DAS CHUVAS PARA IRRIGAÇÃO DE PEQUENA ESCALA EM MOÇAMBIQUE boaventura.cuamba@gmail.com

Leia mais

POLUIÇÃO PROVOCADA POR NITRATOS DE ORIGEM AGRÍCOLA DIRECTIVA 91/676/CEE

POLUIÇÃO PROVOCADA POR NITRATOS DE ORIGEM AGRÍCOLA DIRECTIVA 91/676/CEE MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO MAR, DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO POLUIÇÃO PROVOCADA POR NITRATOS DE ORIGEM AGRÍCOLA DIRECTIVA 91/676/CEE RELATÓRIO 2008 2011 LISBOA, JULHO DE 2012 ÍNDICE 1.

Leia mais

A ÁGUA É UM RECURSO ESCASSO E FUNDAMENTAL PARA A AGRICULTURA NUMA AGRICULTURA SUSTENTÁVEL É FUNDAMENTAL REDUZIR O RISCO DE POLUIÇÃO DA ÁGUA

A ÁGUA É UM RECURSO ESCASSO E FUNDAMENTAL PARA A AGRICULTURA NUMA AGRICULTURA SUSTENTÁVEL É FUNDAMENTAL REDUZIR O RISCO DE POLUIÇÃO DA ÁGUA 1 A ÁGUA É UM RECURSO ESCASSO E FUNDAMENTAL PARA A AGRICULTURA NUMA AGRICULTURA SUSTENTÁVEL É FUNDAMENTAL REDUZIR O RISCO DE POLUIÇÃO DA ÁGUA OS PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS SÃO FUNDAMENTAIS PARA A PRODUÇÃO

Leia mais

ANEXO 12 EXTERNALIDADES. Parte I Penalidades por Externalidades Ambientais

ANEXO 12 EXTERNALIDADES. Parte I Penalidades por Externalidades Ambientais ANEXO 12 EXTERNALIDADES Parte I Penalidades por Externalidades Ambientais 1. Qualidade do Ar Estabilização da concentração de NO 2 nas infra-estruturas rodoviárias que integram o Empreendimento Subconcessionado

Leia mais

4ºEncontro Riscos Zonas Costeiras 21 de Março de 2013

4ºEncontro Riscos Zonas Costeiras 21 de Março de 2013 4ºEncontro Riscos Zonas Costeiras 21 de Março de 2013 Cristina Pizarro cristina.pizarro@insa.min-saude.pt Unidade de Água e Solo Departamento de Saúde Ambiental Porto Águas Balneares Águas Superficiais

Leia mais

Elementos lineares / paisagem a integrar na área útil da parcela

Elementos lineares / paisagem a integrar na área útil da parcela Elementos lineares / paisagem a integrar na área útil da parcela (aplicação do artigo 9.º do Regulamento (UE) n.º 640/2014) 1- Introdução O artigo 9.º do Regulamento (UE) n.º 640/2014 define as regras

Leia mais

DGADR- Divisão de Gestão e Recursos Naturais

DGADR- Divisão de Gestão e Recursos Naturais DGADR- Divisão de Gestão e Recursos Naturais INIAV_ Fertilidade do Solo e Nutrição das Plantas 22 de setembro de 2015 ÍNDICE 1. Definição de VAEP 2. Benefícios VAEP 3. VAEP: procura de equilíbrio entre

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE AGRICULTURA BIOLÓGICA

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE AGRICULTURA BIOLÓGICA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE AGRICULTURA BIOLÓGICA Desde 1985 Pela Saúde da Terra e do Homem 7300 Associados de Norte a Sul do País Projeto financiado com o apoio da Comissão Europeia. A informação contida

Leia mais

ANEXO I INVESTIMENTOS EXCLUÍDOS E DESPESAS CONDICIONADAS

ANEXO I INVESTIMENTOS EXCLUÍDOS E DESPESAS CONDICIONADAS ANEXO I INVESTIMENTOS EXCLUÍDOS E DESPESAS CONDICIONADAS A INVESTIMENTOS EXCLUÍDOS: 1. No sector do leite e produtos lácteos são excluídos os investimentos: a) Que elevem o número de vacas leiteiras acima

Leia mais

Modelo Técnico da Framboesa

Modelo Técnico da Framboesa Modelo Técnico da Framboesa Orientações técnicas para a produção de framboesa, na região norte e centro de Portugal continental, em cultura protegida para o mercado em fresco A produção de framboesas possui

Leia mais

Fertirrega de pequenos frutos

Fertirrega de pequenos frutos Fertirrega de pequenos frutos Ana Barata Fernandes Hubel Agrícola, Parque Hubel Pechão, acbarataf@hubelagricola.pt Resumo A cultura de pequenos frutos encontra-se em expansão para complementar a necessidade

Leia mais

A Portaria n.º 631/2009 de 9 de Junho estabelece as normas relativas a:

A Portaria n.º 631/2009 de 9 de Junho estabelece as normas relativas a: REAP- Regime de Exercício da Actividade Pecuária Norma de preenchimento do Caderno de Campo Objectivos O Caderno de Campo constitui um documento imprescindível para assegurar uma adequada gestão dos efluentes

Leia mais

Testes de Diagnóstico

Testes de Diagnóstico INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA agrinov.ajap.pt Coordenação Técnica: Associação dos Jovens Agricultores de Portugal Coordenação Científica: Miguel de Castro Neto Instituto Superior de Estatística

Leia mais

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa TE GEE.019.02 II Nos termos do Decreto-Lei n.º 233/2004, de 14 de Dezembro, com as alterações introduzidas pelos Decretos-Lei n.º 243-A/2004, de 31 de Dezembro,

Leia mais

Gestão Efluentes Pecuários (GEP)

Gestão Efluentes Pecuários (GEP) Gestão Efluentes Pecuários (GEP) Poluição Difusa desafios para o futuro IPQ Caparica; 29 Maio 2013 H. Sales Henriques D.G. Agricultura e Desenvolvimento Rural De onde vêm? Dec.-lei 214/2008 Cria Regime

Leia mais

Projecto de PORTARIA n.º /2009. de dia de mês

Projecto de PORTARIA n.º /2009. de dia de mês Projecto de PORTARIA n.º /2009 de dia de mês O Decreto-Lei n.º 235/97, de 3 de Setembro, com a redacção que lhe foi dada pelo Decreto-Lei n.º 68/99, de 11 de Março, transpôs para o direito interno a Directiva

Leia mais

DECRETO N.º 238/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1.

DECRETO N.º 238/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1. DECRETO N.º 238/XII Estabelece o regime de acesso e de exercício da profissão de auditor de segurança rodoviária, de emissão dos respetivos títulos profissionais e de acesso e exercício da atividade de

Leia mais

Planeamento dos recursos hídricos

Planeamento dos recursos hídricos PLANOS DE GESTÃO DE REGIÃO HIDROGRÁFICA 2016-2021 Em consulta pública Jun 2015 a Fev 2016 Planeamento dos recursos hídricos Preocupações e Expecta0vas do Sector Agrícola José Nuncio 2 de Fevereiro 2016

Leia mais

Uso Sustentável da Água na Cultura do Arroz

Uso Sustentável da Água na Cultura do Arroz Uso Sustentável da Água na Cultura do Arroz O Cereal que Alimenta o Mundo Embora se trate da terceira maior cultura cerealífera do mundo, ultrapassada pelo milho e pelo trigo, é responsável por alimentar

Leia mais

Como proceder para fertilizar racionalmente o olival

Como proceder para fertilizar racionalmente o olival Como proceder para fertilizar racionalmente o olival Pedro Jordão & Encarnação Marcelo UEIS Sistemas Agrários e Florestais e Sanidade Vegetal Laboratório Químico Agrícola Rebelo da Silva (LQARS) Produtividade

Leia mais

ANEXO 1. SISTEMAS AGRO-PECUÁRIOS NA REGIÃO CENTRO Um retrato atualizado para melhor gestão dos efluentes pecuários no futuro

ANEXO 1. SISTEMAS AGRO-PECUÁRIOS NA REGIÃO CENTRO Um retrato atualizado para melhor gestão dos efluentes pecuários no futuro ANEXO 1 SISTEMAS AGRO-PECUÁRIOS NA REGIÃO CENTRO Um retrato atualizado para melhor gestão dos efluentes pecuários no futuro SISTEMAS AGRO-PECUÁRIOS NA REGIÃO CENTRO Um retrato atualizado para melhor gestão

Leia mais

PORTUGAL T: F: E:

PORTUGAL T: F: E: Adubos Deiba, Comercialização de Adubos, Lda. Parque Industrial da Mitrena Lotes 42-45 2910-738 Setúbal PORTUGAL T: +351 265 709 660 F: +351 265 709 665 E: comercial@adubosdeiba.com Uma Empresa: PRODUTOS

Leia mais

Balanço Bruto de Nutrientes Azoto e Fósforo

Balanço Bruto de Nutrientes Azoto e Fósforo Balanço Bruto de Nutrientes Azoto e Fósforo I - Caracterização geral Descrição: Os Balanços dos Nutrientes, azoto e fósforo, representam uma quantificação dos desequilíbrios observados entre a incorporação

Leia mais

Manutenção da Actividade Agrícola em Zonas Desfavorecidas. Agro-Ambientais e Silvo-Ambientais

Manutenção da Actividade Agrícola em Zonas Desfavorecidas. Agro-Ambientais e Silvo-Ambientais Manutenção da Actividade Agrícola em Zonas Desfavorecidas Agro-Ambientais e Silvo-Ambientais Manutenção da Actividade Agrícola em Zonas Desfavorecidas Manutenção da Actividade Agrícola fora da Rede Natura

Leia mais

Seminário: FORMAÇÃO DE FORMADORES NO ÂMBITO DO USO SUSTENTÁVEL DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS. 1 de Abril de 2016 quina@dgadr.pt

Seminário: FORMAÇÃO DE FORMADORES NO ÂMBITO DO USO SUSTENTÁVEL DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS. 1 de Abril de 2016 quina@dgadr.pt Seminário: FORMAÇÃO DE FORMADORES NO ÂMBITO DO USO SUSTENTÁVEL DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS Santarém, Auditório da ESAS Joaquina Fonseca 1 de Abril de 2016 quina@dgadr.pt PAINEL I : REGULAMENTAÇÃO RELATIVA

Leia mais

PROGRAMAS DE FERTILIZAÇÃO NOS 1 OS ANOS FILIPE COSTA. Workshop Fertilização nos primeiros anos Abril de 2014

PROGRAMAS DE FERTILIZAÇÃO NOS 1 OS ANOS FILIPE COSTA. Workshop Fertilização nos primeiros anos Abril de 2014 PROGRAMAS DE FERTILIZAÇÃO NOS 1 OS ANOS FILIPE COSTA APRESENTAÇÃO Pequena introdução teórica Apresentação do meu testemunho de fertilização NUTRIÇÃO EM FRUTICULTURA Fertilização das Culturas Arbóreas distingue-se

Leia mais

A aplicação de produtos fitofarmacêuticos no contexto da Diretiva do Uso Sustentável

A aplicação de produtos fitofarmacêuticos no contexto da Diretiva do Uso Sustentável A aplicação de produtos fitofarmacêuticos no contexto da Diretiva do Uso Sustentável Paula Mourão Workshop proteção das culturas, aplicação de produtos fitofarmacêuticos e inspeção de pulverizadores, Nelas,

Leia mais

Eficiência Energética e Certificação de Edifícios

Eficiência Energética e Certificação de Edifícios Eficiência Energética e Certificação de Edifícios DIA DA ENERGIA Energias Renováveis e Eficiência Energética nos Edifícios Instituto Universitário da Maia 29 de Maio de 2015 FRANCISCO PASSOS DIREÇÃO DE

Leia mais

Dia de Campo sobre Olival Tradicional

Dia de Campo sobre Olival Tradicional Dia de Campo sobre Olival Tradicional Vila Verde de Ficalho, 23 de setembro de 2014 José Francisco Ferragolo da Veiga jfveiga@drapal.min-agricultura.pt DRAP Alentejo Direção Regional de Agricultura e Pescas

Leia mais

11 dicas sobre amostragem do solo agrícola.

11 dicas sobre amostragem do solo agrícola. 11 dicas sobre amostragem do solo agrícola. 1 Encontre o começo. 2 Faça a sua escolha e aproveite bem os serviços. 3 Conheça as condições. 4 Seja cauteloso. 5 Delimite a área. 6 Conheça os critérios. 7

Leia mais

Fertilidade do Solo e Nutrição do Castanheiro

Fertilidade do Solo e Nutrição do Castanheiro Fertilidade do Solo e Nutrição do Castanheiro Fertilidade do Solo e Nutrição do Castanheiro Margarida Arrobas & Manuel Ângelo Rodrigues Centro de Investigação de Montanha Escola Superior Agrária de Bragança

Leia mais

HASTA PÚBLICA PARA ALIENAÇÃO DE SUCATA FERROSA E NÃO FERROSA CADERNO DE ENCARGOS

HASTA PÚBLICA PARA ALIENAÇÃO DE SUCATA FERROSA E NÃO FERROSA CADERNO DE ENCARGOS HASTA PÚBLICA PARA ALIENAÇÃO DE SUCATA FERROSA E NÃO FERROSA CADERNO DE PROC.º 1/HP/DCOP/2017 Artigo 1º - OBJETO O objeto da presente hasta pública consiste na alienação e envio a destino final de sucata

Leia mais

GUIA PRÁTICO COMPLEMENTO POR DEPENDÊNCIA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO COMPLEMENTO POR DEPENDÊNCIA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO COMPLEMENTO POR DEPENDÊNCIA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Complemento por Dependência (7013 v4.14) PROPRIEDADE Instituto da Segurança Social, I.P. AUTOR

Leia mais

GESTÃO DA ÁGUA E FERTILIZAÇÃO

GESTÃO DA ÁGUA E FERTILIZAÇÃO GESTÃO DA ÁGUA E FERTILIZAÇÃO A BASE AMBIENTAL DA PRODUTIVIDADE AGRÍCOLA II Congresso Nacional de Citricultura A água é um recurso limitado e esgotável que está sujeito a uma pressão de consumo cada vez

Leia mais

A Fertilização do mirtilo em modo de produção biológico

A Fertilização do mirtilo em modo de produção biológico A Fertilização do mirtilo em modo de produção biológico BioBaga Produção de Comercialização de pequenos frutos Objetivos BIOBAGA onde se localiza? BIOBAGA Certificações FERTILIZAÇÃO Fertilidade é a capacidade

Leia mais

Pagamento por práticas agrícolas benéficas para o clima e o ambiente- Greening

Pagamento por práticas agrícolas benéficas para o clima e o ambiente- Greening Pagamento por práticas agrícolas benéficas para o clima e o ambiente- Greening 1 Introdução Os agricultores com direito ao Regime de Pagamento Base (RPB), têm direito ao pagamento por práticas agrícolas

Leia mais

ÁGUA NA HORTICULTURA: NOVAS ATITUDES E USO SUSTENTÁVEL

ÁGUA NA HORTICULTURA: NOVAS ATITUDES E USO SUSTENTÁVEL 49º CONGRESSO BRASILEIRO DE OLERICULTURA ÁGUA NA HORTICULTURA: NOVAS ATITUDES E USO SUSTENTÁVEL José Geraldo Eugênio de França Diretor-Executivo Águas de Lindóia - SP Agosto/2009 OS DEZ MAIORES PROBLEMAS

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 7 AGRICULTURA e RECURSOS NATURAIS Informação Específica CONDICIONALIDADE E OUTROS REQUISITOS Para as medidas de desenvolvimento rural,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUÍNA MT SECRETARIA MUNICIPAL DE AGRICULTURA, MINERAÇÃO E MEIO AMBIENTE SAMMA

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUÍNA MT SECRETARIA MUNICIPAL DE AGRICULTURA, MINERAÇÃO E MEIO AMBIENTE SAMMA Palestra: Como fazer uma horta Ildamir Teixeira de Faria/Diretor de Meio Ambiente SAMMA; Roselaine Mezz/Estudante de agropecuária IFMT/Estagiaria SAMMA; PREFEITURA MUNICIPAL DE JUÍNA MT SECRETARIA MUNICIPAL

Leia mais

Titulo da Apresentação da DRAPLVT

Titulo da Apresentação da DRAPLVT Título da Apresentação Titulo da Apresentação da DRAPLVT Substítulo Alcochete Maio 2017 Objetivos Nacionais Crescimento sustentável do sector AGROFLORESTAL em TODO O TERRITÒRIO NACIONAL Aumento do valor

Leia mais

Testes de Diagnóstico

Testes de Diagnóstico Testes de Diagnóstico INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA agrinov.ajap.pt Coordenação Técnica: Associação dos Jovens Agricultores de Portugal Coordenação Científica: Miguel de Castro Neto Instituto

Leia mais

Titulo da Apresentação da DRAPLVT

Titulo da Apresentação da DRAPLVT Título da Apresentação Titulo da Apresentação da DRAPLVT Substítulo Santarém Fevereiro 2017 Objetivos Nacionais Crescimento sustentável do sector AGROFLORESTAL em TODO O TERRITÒRIO NACIONAL Aumento do

Leia mais

Resumo Não Técnico CAS Barrocas S.A. Licença Ambiental da suinicultura da Herdade da Figueirinha

Resumo Não Técnico CAS Barrocas S.A. Licença Ambiental da suinicultura da Herdade da Figueirinha CAS Barrocas S.A. Setembro 2016 Enquadramento A Suinicultura da Herdade da Figueirinha encontra-se em funcionamento desde 2014 e dispõe de título de exploração válido até 16 de janeiro de 2021 para 1980

Leia mais

1 de Outubro Dia Nacional da Água

1 de Outubro Dia Nacional da Água 1 de Outubro Dia Nacional da Água Qual a Distribuição da Águana Terra? Planeta Terra A Água ocupa cerca de ¾ da superfície terrestre. 30% Terra Água 70% 2,80% 0,01% 0,005% Água salgada Água doce 0,63%

Leia mais

PO SEUR ONDE APOSTAR?

PO SEUR ONDE APOSTAR? PENSAAR 2020: OBJETIVOS E METAS PARA AS ÁGUAS RESIDUAIS / PO SEUR ONDE APOSTAR? MANUELA MATOS PORTUGAL 2020 PORTUGAL 2020 PRINCIPAIS PRIORIDADES NO DOMÍNIO DA SUSTENTABILIDADE PRINCIPAIS PRIORIDADES NA

Leia mais

Testes de Diagnóstico

Testes de Diagnóstico INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA agrinov.ajap.pt Coordenação Técnica: Associação dos Jovens Agricultores de Portugal Coordenação Científica: Miguel de Castro Neto Instituto Superior de Estatística

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural para a Região Autónoma dos Açores 2007-2013

Programa de Desenvolvimento Rural para a Região Autónoma dos Açores 2007-2013 Programa de para a Região Autónoma dos Açores 2007-2013 PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO RURAL DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES 2007-2013 CCI: 2007PT06RPO001 Terceira Alteração Junho 2010 ESTADO MEMBRO Portugal

Leia mais

4 Reciclagem do lodo para utilização final na agricultura

4 Reciclagem do lodo para utilização final na agricultura 24 4 Reciclagem do lodo para utilização final na agricultura A reciclagem agrícola tem proporcionado inúmeros benefícios tanto para o homem quanto a natureza, logo a reciclagem transforma um simples resíduo

Leia mais

EMISSÃO DE ALVARÁ DE LICENÇA DE OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO, OBRAS DE URBANIZAÇÃO OU TRABALHOS DE REMODELAÇÃO DE TERRENOS

EMISSÃO DE ALVARÁ DE LICENÇA DE OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO, OBRAS DE URBANIZAÇÃO OU TRABALHOS DE REMODELAÇÃO DE TERRENOS Registo n.º Data / / O Funcionário EMISSÃO DE ALVARÁ DE LICENÇA DE OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO, OBRAS DE URBANIZAÇÃO OU TRABALHOS DE REMODELAÇÃO DE TERRENOS Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Cascais

Leia mais

A Política Agrícola Comum pós 2013

A Política Agrícola Comum pós 2013 PAC pós 2013 A Política Agrícola Comum pós 2013 Possíveis Cenários em Portugal Bruno Dimas Diretor Adjunto do GPP AGRO 2012 Auditório do Parque de Exposições de Braga 23 Março 2012 1 PAC pós 2013 I. Ponto

Leia mais

AVISO. 2. Identificação do posto de trabalho: O presente procedimento destina-se ao preenchimento dos seguintes postos:

AVISO. 2. Identificação do posto de trabalho: O presente procedimento destina-se ao preenchimento dos seguintes postos: AVISO ESTRUTURA DE COORDENAÇÃO DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO EM ÁFRICA DO SUL, NAMÍBIA, SUAZILÂNDIA E ZIMBABUÉ (Abertura de procedimento concursal simplificado destinado ao recrutamento local de docentes

Leia mais

Utilização de manga de plástico na instalação de uma vinha. Quinta de Valinhas Unhão Felgueiras

Utilização de manga de plástico na instalação de uma vinha. Quinta de Valinhas Unhão Felgueiras Utilização de manga de plástico na instalação de uma vinha Quinta de Valinhas Unhão Felgueiras 2013 Quinta de Valinhas Lda Pipamolhada Lda Sociedade Familiar Têm como objectivo único a produção de uvas

Leia mais

Como é que a água está distribuída? A distribuição da água no mundo é desigual. Por causa da diferença de precipitação, existem regiões onde a agua é

Como é que a água está distribuída? A distribuição da água no mundo é desigual. Por causa da diferença de precipitação, existem regiões onde a agua é Introdução Este trabalho destina-se a mostrar q a água de todo o mundo é muita mas a que se pode usar e beber é uma percentagem muito, mas muito pequena. Neste trabalho vamos tentar mostrar isso mesmo

Leia mais

MODELO DE DECLARAÇÃO DE RECEITAS E DESPESAS

MODELO DE DECLARAÇÃO DE RECEITAS E DESPESAS APÊNDICE 2 MODELO DE DECLARAÇÃO DE RECEITAS E DESPESAS (nota de primeira página) Projecto n :... Título do projecto:...... Nome completo do Beneficiário:... Morada:...... Formulário financeiro apresentado

Leia mais

PDR Pequenos Investimentos na Exploração Agrícola

PDR Pequenos Investimentos na Exploração Agrícola PDR 2014-2020 3.2.2 Pequenos Investimentos na Exploração Agrícola Portal dos Incentivos Maio 2015 Índice 1 Apresentação de Tema... 2 1.1 Enquadramento... 2 1.2 Beneficiários... 2 1.3 Critérios de Elegibilidade

Leia mais

Qualidade do Ar na Região do Algarve Relatório 1º Trimestre de 2015

Qualidade do Ar na Região do Algarve Relatório 1º Trimestre de 2015 Qualidade do Ar na Região do Algarve Relatório 1º Trimestre de 2015 Rede de Monitorização da Qualidade do Ar do Algarve 1 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. Metodologia 3 3. Rede de Monitorização da Qualidade do

Leia mais

Poluição de Água Superficial

Poluição de Água Superficial Poluição de Água Superficial Legislação Consolidada Data de actualização: 24/01/2011 Texto consolidado produzido pelo sistema CONSLEG do serviço das publicações oficiais das comunidades Europeias. Copyright

Leia mais

Baldios 20 de maio de 2014

Baldios 20 de maio de 2014 Baldios 20 de maio de 2014 Baldios no SIP Nº de Baldios SIP Nº de Concelhos 6.057 79 Baldios em Portugal Continental registados no Sistema de Identificação Parcelar DISTRITOS Nº BALDIOS AVEIRO 51 BRAGA

Leia mais

Plano estratégico para requalificação e valorização da rede hidrográfica da região centro

Plano estratégico para requalificação e valorização da rede hidrográfica da região centro Plano estratégico para requalificação e valorização da rede hidrográfica da região centro Conteúdos A ARH do Centro, I.P. e a nova orgânica da APA, I.P. Reabilitação da rede hidrográfica Fundo de Proteção

Leia mais

Caderno de Campo. Das. Zonas Vulneráveis

Caderno de Campo. Das. Zonas Vulneráveis Caderno de Campo Das Zonas Vulneráveis Nome do Agricultor: Morada: Nº Andar Localidade: Cód. Postal: / Zona Vulnerável : Declaro que tomei conhecimento das obrigações decorrentes da legislação em vigor,

Leia mais

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS 1.8.2014 L 230/1 II (Atos não legislativos) REGULAMENTOS REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) N. o 834/2014 DA COMISSÃO de 22 de julho de 2014 que estabelece regras para a aplicação do quadro comum de acompanhamento

Leia mais

Cuidados a ter na preparação das caldas nas explorações agrícolas PROJECTO TOPPS. ANIPLA - Todos os direitos reservados - Out'16 1

Cuidados a ter na preparação das caldas nas explorações agrícolas PROJECTO TOPPS. ANIPLA - Todos os direitos reservados - Out'16 1 Cuidados a ter na preparação das caldas nas explorações agrícolas PROJECTO TOPPS ANIPLA - Todos os direitos reservados - Out'16 1 Os 5 pontos críticos Transporte e Armazenamento Preparação da calda e Enchimento

Leia mais

6º Colóquio Nacional do Milho

6º Colóquio Nacional do Milho 6º Colóquio Nacional do Milho 11 de Fevereiro, 2011, Santarém Ana Bárbara Oliveira Divisão de Homologação e Avaliação Toxicológica, Ecotoxicológica, Ambiental e de Identidade de produtos Fitofarmacêuticos,

Leia mais

N.º Identificação Civil. N.º Identificação Civil

N.º Identificação Civil. N.º Identificação Civil Requerimento n.º data / / Pago pela guia n.º valor EXMO. SENHOR PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE FIGUEIRÓ DOS VINHOS O Funcionário, COMUNICAÇÃO PRÉVIA DE OBRA DE EDIFICAÇÃO ALTERAÇÃO À COMUNICAÇÃO PRÉVIA

Leia mais

LOGOTIPO HORIZONTAL PANTONE. Diretrizes Ambientais do Pólo Agro-industrial de Capanda

LOGOTIPO HORIZONTAL PANTONE. Diretrizes Ambientais do Pólo Agro-industrial de Capanda LOGOTIPO HORIZONTAL PANTONE Diretrizes Ambientais do Pólo Agro-industrial de Capanda Diretrizes Ambientais do Pólo Agro-industrial de Capanda Foram identificados 4 atributos ambientais, importantes para

Leia mais

ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE - APP -

ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE - APP - ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE - APP - Área de Preservação Permanente - APP (definição do Código Florestal-Lei 4771/65) Área protegida nos termos dos arts. 2º e 3º desta Lei, COBERTA OU NÃO POR VEGETAÇÃO

Leia mais

Novidades IsaMargem 2015

Novidades IsaMargem 2015 Novidades IsaMargem 2015 ÍNDICE 1. Smartphone/Tablet : ainda mais útil para controlar as suas parcelas... 2 A. Consulte todas as suas intervenções onde quiser... 2 B. Uma consulta mais simples... 3 C.

Leia mais

BOLSA NACIONAL DE TERRAS

BOLSA NACIONAL DE TERRAS DIRECÇÃO REGIONAL DE AGRICULTURA E PESCAS DO CENTRO BOLSA NACIONAL DE TERRAS Alcindo Cardoso (Eng.º Agrónomo) Gouveia, 17 de Abril de 2015 Sumário Enquadramento legal Ponto da situação Visão. Objectivos

Leia mais

EXEMPLOS DE SUCESSO NO COMBATE A INCÊNDIOS FLORESTAIS DE FAIXAS DE GESTÃO DE COMBUSTÍVEIS TRATADAS COM FOGO CONTROLADO 2008 / 2010

EXEMPLOS DE SUCESSO NO COMBATE A INCÊNDIOS FLORESTAIS DE FAIXAS DE GESTÃO DE COMBUSTÍVEIS TRATADAS COM FOGO CONTROLADO 2008 / 2010 EXEMPLOS DE SUCESSO NO COMBATE A INCÊNDIOS FLORESTAIS DE FAIXAS DE GESTÃO DE COMBUSTÍVEIS TRATADAS COM FOGO CONTROLADO 2008 / 2010 António Salgueiro www.giff.pt RESUMO DA APRESENTAÇÃO 1. Conceito base

Leia mais

atômico quando resultantes de transformação do núcleo o todo ou parte dos seres vivos rewarded . a função de garantir a lealdade da concorrência todos os setores tecnológicos

Leia mais

A água captada no furo é apenas para o abeberamento animal e limpeza dos pavilhões.

A água captada no furo é apenas para o abeberamento animal e limpeza dos pavilhões. Agencia Portuguesa do Ambiente Processo de licenciamento PL20161122000994 do estabelecimento Herdade do Cortiço Projeto: Ampliação da uinicultura da Herdade do Cortiço Proponente: C.A.. BARROCA - ociedade

Leia mais

Seminário. Diretiva 98/34/CE, Diretiva 98/48/CE e Regulamento (CE) nº 764/2008: objetivos e suas implicações no Mercado Interno

Seminário. Diretiva 98/34/CE, Diretiva 98/48/CE e Regulamento (CE) nº 764/2008: objetivos e suas implicações no Mercado Interno Seminário Diretiva 98/34/CE, Diretiva 98/48/CE e Regulamento (CE) nº 764/008: objetivos e suas implicações no Mercado Interno IPQ, 30 de outubro de 013 EUROPEAN COMMISSION ENTERPRISE AND INDUSTRY DIRECTORATE-GENERAL

Leia mais

Coruche, 13 de novembro

Coruche, 13 de novembro OS PGRH E OS NOVOS HORIZONTES DE AMPLIAÇÃO DOS REGADIOS EXISTENTES E CRIAÇÃO DE NOVOS REGADIOS REGADIO NO CONTEXTO DA EUROPA 2020 Jornada de estudo e debate Coruche, 13 de novembro Índice da Apresentação

Leia mais

PROJETO RENASCENTE DE ARAUCÁRIA

PROJETO RENASCENTE DE ARAUCÁRIA PROJETO RENASCENTE DE ARAUCÁRIA Emerson de Mello Engº Civil Pós Graduado em Pericias Ambientais. IDEALIZAÇÃO DO PROJETO DR. EVANDRO PORTUGAL Juiz de Direito da Vara Cível de Araucária da região Metropolitana

Leia mais

Manejo da adubação nitrogenada na cultura do milho

Manejo da adubação nitrogenada na cultura do milho Manejo da adubação nitrogenada na cultura do milho Atualmente, pode-se dizer que um dos aspectos mais importantes no manejo da adubação nitrogenada na cultura do milho refere-se à época de aplicação e

Leia mais

Ex. mo Senhor Vice-Presidente da APA, I.P.

Ex. mo Senhor Vice-Presidente da APA, I.P. Ex. mo Senhor Vice-Presidente da APA, I.P. Assunto: Pedido de Informação Prévia sobre a possibilidade de utilização dos recursos hídricos (artigo 11º do Decreto-Lei n.º 226-A/2007, de 31 de maio) Selecione

Leia mais

Insumos Agropecuários: Fertilizantes. Cadeias Produtivas Agrícolas

Insumos Agropecuários: Fertilizantes. Cadeias Produtivas Agrícolas Insumos Agropecuários: Fertilizantes Cadeias Produtivas Agrícolas Insumos Agropecuários Segundo dados da Associação Nacional dos Distribuidores de Insumos Agrícolas e Veterinários, o mercado distribuidor

Leia mais

A Agenda de Desenvolvimento pós-2015 e os desafios para os Governos Locais. Belo Horizonte 26 de Agosto de 2015

A Agenda de Desenvolvimento pós-2015 e os desafios para os Governos Locais. Belo Horizonte 26 de Agosto de 2015 A Agenda de Desenvolvimento pós-2015 e os desafios para os Governos Locais Belo Horizonte 26 de Agosto de 2015 Os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) Em 2000, durante a Cúpula do Milênio, líderes

Leia mais

Dário Antunes Correia

Dário Antunes Correia 1 5 ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 82/2012 (S09084-201207) Nos termos do Artigo 33º do Decreto-Lei n.º 178/2006, de 5 de Setembro, com a redação conferida pelo

Leia mais

Principais aspectos da avaliação de rega por sulcos. José Manuel Gonçalves Escola Superior Agrária de Coimbra Tel.

Principais aspectos da avaliação de rega por sulcos. José Manuel Gonçalves Escola Superior Agrária de Coimbra Tel. Principais aspectos da avaliação de rega por sulcos José Manuel Gonçalves Escola Superior Agrária de Coimbra jmmg@esac.pt Tel. 239802261 Avaliação da rega Consiste na análise do sistema de rega através

Leia mais

Projecto EXPLORAÇÃO SUINÍCOLA - QUINTA DO GIÃO. Projecto de Execução

Projecto EXPLORAÇÃO SUINÍCOLA - QUINTA DO GIÃO. Projecto de Execução DECLARAÇÃO DE IMPACTE AMBIENTAL Projecto EXPLORAÇÃO SUINÍCOLA - QUINTA DO GIÃO Projecto de Execução 1. Tendo por base o Parecer Final da Comissão de Avaliação (CA), as Conclusões da Consulta Pública e

Leia mais

Emissões de gases com efeito de estufa pela agricultura

Emissões de gases com efeito de estufa pela agricultura Emissões de gases com efeito de estufa pela agricultura I - Caracterização geral Descrição: Avaliação das emissões nacionais de gases com origem na agricultura que contribuem para o efeito de estufa, agregadas

Leia mais

PGRH Planos de Gestão das Regiões Hidrográficas e Agricultura Nuno Lacasta Presidente do Conselho Diretivo da APA

PGRH Planos de Gestão das Regiões Hidrográficas e Agricultura Nuno Lacasta Presidente do Conselho Diretivo da APA PGRH Planos de Gestão das Regiões Hidrográficas e Agricultura Nuno Lacasta Presidente do Conselho Diretivo da APA Sessão A Agricultura e o Planeamento dos Recursos Hídricos em Portugal e Espanha, organizada

Leia mais

COMPOSTO ORGÂNICO Materiais Quantidade no composto

COMPOSTO ORGÂNICO Materiais Quantidade no composto Composto Orgânico COMPOSTO ORGÂNICO A quantidade de esterco produzida pelas criações é muito pequena. Não chega para toda a terra que se deseja estercar. Mas é possível aumentar essa quantidade, ajuntando-se

Leia mais

Boas Práticas de Higiene no manuseio de Alimentos visando a obtenção de alimentos seguros

Boas Práticas de Higiene no manuseio de Alimentos visando a obtenção de alimentos seguros Boas Práticas de Higiene no manuseio de Alimentos visando a obtenção de alimentos seguros O Vigilante Sanitário http://ovigilanatesanitario.wordpress.com E mail : ovigilantesanitario@hotmail.com Cada segmento

Leia mais