PROVA OBJETIVA LÍNGUA PORTUGUESA TEXTO 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROVA OBJETIVA LÍNGUA PORTUGUESA TEXTO 1"

Transcrição

1 LÍNGUA PORTUGUESA TEXTO 1 Posso tomar banho após a refeição? Tomar banho frio ou entrar numa piscina depois de ter comido não oferece riscos. O que não se deve fazer é qualquer tipo de exercício físico intenso, como nadar ou surfar. Isso desvia o sangue do estômago para os músculos que estão trabalhando. Após as refeições, boa parte do seu sangue vai para o estômago e o intestino a fim de realizar uma digestão adequada. Ao praticar esportes depois de comer, a pessoa fica com dificuldades na digestão e acaba passando mal (enjôo, suor frio e tontura). Tomar banhos longos e quentes dilata os vasos sangüíneos da pele e também acaba desviando o sangue do estômago. (Marcelo Duarte O guia dos curiosos) 01 - Posso tomar banho depois de uma refeição? ; segundo o texto, a melhor resposta para essa pergunta é: (A) Sim, pois isso nenhum mal faz; (B) Sim, pois a digestão se processa normalmente; (C) Não, pois isso traz problemas graves; (D) Sim, mas é desaconselhável, pois os exercícios físicos prejudicam; (E) Sim, desde que não sejam demorados e com água quente Os atos de nadar e surfar são citados no texto como: (A) exemplos de exercícios que devem ser evitados; (B) atos que em nada prejudicam; (C) atividades que auxiliam na digestão; (D) prejudiciais ao desenvolvimento físico; (E) causadores de problemas nos intestinos Tomar banho frio ou entrar numa piscina depois de ter comido não oferece riscos. ; essa afirmação inicial, segundo o texto, não está totalmente completa, pois para isso é preciso que o ato de tomar banho frio ou entrar numa piscina: (A) só ocorra após refeições leves; (B) aconteça somente após o almoço e não após o jantar; (C) não envolva exercício físico intenso; (D) não se destine a nadar ou surfar; (E) se destine a trabalhos de recuperação física Entre as frases abaixo, aquela que modifica o sentido da frase inicial do texto é: (A) Não oferece riscos tomar banho frio ou entrar numa piscina depois de ter comido; (B) Não oferece riscos entrar numa piscina ou tomar banho frio depois de ter comido; (C) Entrar numa piscina ou tomar banho frio depois de ter comido não oferece riscos; (D) Entrar numa piscina depois de ter comido ou tomar banho frio não oferece riscos; (E) Depois de ter comido, entrar numa piscina ou tomar banho frio não oferece riscos O antônimo da palavra sublinhada corretamente indicado é: (A)...exercício físico intenso... = leve; (B)...boa parte de seu sangue... = má; (C) Após as refeições... = depois de; (D)...dilata os vasos sangüíneos... = amplia; (E)...uma digestão adequada. = imprecisa Pela leitura do texto, a resposta dada pelo autor se apóia em: (A) dados resultantes de pesquisas; (B) informações de autoridades médicas; (C) conhecimentos pessoais do autor; (D) opiniões superficiais de caráter popular; (E) depoimentos de autoridades da área da saúde O segmento entre parênteses enjôo, suor frio e tontura representa: (A) as causas de quem pratica esportes depois de comer; (B) exemplos de problemas derivados da prática de esportes após as refeições; (C) conseqüências de quem toma banho quente e demorado antes de comer; 3

2 (D) exemplificação de exercícios intensos; (E) males resultantes da não obediência dos conselhos médicos As dificuldades na digestão, fisicamente falando, derivam do (da): (A) os músculos estarem trabalhando; (B) enjôo, suor frio e tontura; (C) mudança de temperatura do corpo; (D) desvio do sangue de sua tarefa digestiva; (E) excesso de sangue no aparelho digestivo Após as refeições, boa parte do SEU sangue... ; o possessivo sublinhado tem como referente: (A) o autor; (B) o autor e o leitor; (C) o leitor; (D) qualquer pessoa; (E) quem pratica esportes O segmento em que a correspondência entre o segmento sublinhado e o seu valor semântico NÃO está correta é: (A) Posso tomar banho depois de uma refeição? = após; (B)...a fim de realizar uma digestão adequada. = com a finalidade de; (C)...como nadar ou surfar. = tal qual; (D)...vai para o estômago... = na direção de; (E) Ao praticar esportes... = depois de. SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE 11 - Entre as diretrizes do Sistema Único de Saúde inscritas no Capítulo 2, Seção 2 (da Saúde), artigo 198 da Constituição Federal de 1988, inclui-se: (A) participação da comunidade; (B) prioridade para o atendimento hospitalar; (C) centralização das ações de saúde no governo federal; (D) financiamento privado da saúde; (E) regulação do setor de saúde suplementar Segundo a lei de 19/09/90 (Lei Orgânica da Saúde), são critérios para o estabelecimento de valores a serem transferidos a estados, Distrito Federal e municípios: (A) (B) (C) (D) (E) desempenho técnico, econômico e financeiro no período atual; perfil epidemiológico da população a ser coberta; participação paritária dos usuários no conselho de saúde; eficiência na arrecadação de impostos; prioridade para o atendimento hospitalar As funções de controle e avaliação em saúde devem ser realizadas por/pelo(s): (A) conselhos de comunidade; (B) governador do estado; (C) presidente da república; (D) todos os níveis do sistema de saúde; (E) órgãos próprios das Secretarias de Saúde Quanto à acessibilidade da população aos bens e serviços de saúde, analise as seguintes assertivas: 1 - A localização de um serviço de saúde deve levar em conta a distância e os meios de transporte disponíveis. 2 - As normas e técnicas devem adequar-se aos hábitos e costumes da população. 3 - A demanda de saúde deve se adequar à oferta de serviços de saúde. Está(ão) correta(s) somente a(s) assertiva(s): (A) 1; (B) 1 e 2; (C) 1 e 3; (D) 2 e 3; (E) 1, 2 e 3. 4

3 15 - As ações e serviços públicos de saúde integram uma rede regionalizada e hierarquizada e constituem um sistema único que visa: (A) atendimento voltado para atividades preventivas; (B) atendimento integral, com prioridade para as atividades preventivas, sem prejuízo dos serviços assistenciais; (C) atendimento voltado apenas para as atividades assistenciais; (D) apenas ações de promoção da saúde; (E) apenas ações de prevenção secundária Segundo o Ministério da Saúde, a educação em saúde é um dos pilares da: (A) campanha de imunização; (B) assistência hospitalar; (C) vigilância epidemiológica; (D) promoção da saúde; (E) medicina de alta complexidade Segundo o artigo 200 do Capítulo 2, Seção 2 (da Saúde), ao Sistema Único de Saúde compete, nos termos da lei, entre outras, as seguintes atribuições, EXCETO: (A) colaborar na proteção do meio ambiente, nele compreendido o do trabalho; (B) executar as ações de vigilância sanitária e epidemiológica, bem como as de saúde do trabalhador; (C) ordenar a formação de recursos humanos na área de saúde; (D) participar da formulação da política e da execução das ações de saneamento básico; (E) prover cobertura de pensão e aposentadoria dos eventos de doença, invalidez, morte, incluídos os resultantes de acidentes do trabalho, velhice e reclusão Quanto ao financiamento do Sistema Único de Saúde, é correto dizer que: (A) depende da contribuição direta dos usuários; (B) é de responsabilidade única do orçamento dos municípios; (C) depende unicamente do orçamento dos estados; (D) depende majoritariamente da CPMF; (E) é de responsabilidade das três esferas de governo e cada uma deve assegurar o aporte regular de recursos ao respectivo fundo de saúde No Brasil, o Sistema Único de Saúde estabelece como competência municipal a(o): (A) vigilância sanitária de portos e aeroportos; (B) coordenação da rede de laboratórios de saúde pública e hemocentros; (C) execução de serviços de vigilância epidemiológica e saúde do trabalhador; (D) financiamento pleno dos recursos para o setor de saúde local; (E) plena coordenação da rede hospitalar, inclusive a terciária e a privada Permitir o acesso à tecnologia de alto custo apenas aos cidadãos que possuam seguros privados de saúde contraria um dos princípios básicos do SUS e significa ausência de: (A) integridade; (B) hierarquização; (C) universalização; (D) municipalização; (E) eqüidade. 5

4 23 - Dos achados laboratoriais abaixo, os mais característicos da síndrome nefrótica são: (A) hematúria, hiponatremia e hiperlipidemia; (B) leucocitúria, hipocalcemia e hiperproteinemia; (C) proteinúria, hipercalemia e hipocalcemia; (D) proteinúria, hipoalbuminemia e hiperlipidemia; (E) cilindrúria, hiperproteinemia e hipomagnesemia. CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO NEFROLOGIA 21 - As alterações do equilíbrio eletrolítico e ácido-base mais comumente encontradas em pacientes com insuficiência renal são: (A) hipermagnesemia e alcalose metabólica; (B) hipocalemia e acidose respiratória; (C) hipercalemia e acidose metabólica; (D) alcalose respiratória e hiponatremia; (E) hipercalcemia e acidose metabólica Um paciente portador de tuberculose pulmonar está em tratamento com esquema tríplice (isoniazida, rifampicina e pirazinamida) há 30 dias. Está melhor do quadro pulmonar, mas relata a presença de febre de 38 o C, artralgias e eritema principalmente no abdome. Diurese normal. Os exames mostram: HT 40%, leucócitos /mm 3 com eosinófilos 10% e bastões 5%. Uréia 120mg% e creatinina 5,5mg%. Assinale a alternativa que MELHOR retrata o quadro atual do paciente: (A) Pneumonia ativa como complicação da tuberculose; (B) Insuficiência renal aguda por nefrite tubulointersticial aguda provavelmente pela rifampicina; (C) Tuberculose do trato urinário com insuficiência renal aguda; (D) Glomerulonefrite aguda provavelmente relacionada à micobactéria; (E) Insuficiência renal aguda provavelmente por depleção de volume A necrose tubular aguda é uma freqüente causa de insuficiência renal aguda em pacientes hospitalizados. O achado abaixo característico desta situação é: (A) Sódio (Na) urinário > 20mEq/L ou Fração de excreção de Na > 1%; (B) Sódio (Na) urinário < 10mEq/L ou Fração de excreção de Na < 1%; (C) Osmolalidade urinária < 100 mos/kg, sugerindo urina muito diluída; (D) Relação uréia/creatinina plasmática > 40/1, sugerindo grande reabsorção tubular da uréia; (E) Densidade urinária < Os pacientes portadores de diabetes mellitus que evoluem com nefropatia avançada podem apresentar hipoaldosteronismo hiporreninêmico com acidose tubular renal tipo IV, cuja alteração metabólica característica é: (A) hipocalemia; (B) hiponatremia; (C) hipocalcemia; (D) hipernatremia; (E) hipercalemia Um paciente que apresenta hipertensão arterial de causa indefinida e, na avaliação complementar, acusa a presença de alcalose metabólica, hipocalemia e atividade plasmática da renina baixa, a principal hipótese diagnóstica é: (A) hipertensão arterial essencial; (B) glomerulonefrite com insuficiência renal; (C) hipertireoidismo; 6

5 (D) hiperaldosteronismo primário; (E) hipertensão renovascular Uma paciente de 25 anos foi internada com quadro de eritema malar, artrite, palidez cutânea, vômitos, hipertensão arterial e edema de membros inferiores. A avaliação complementar mostrou: HT 22%, uréia 210mg%, creatinina 10,5mg%, K 7,2mEq/L, HCO 3 8mEq/L, EAS com 40 hem./campo e proteinúria ++/4+, FAN positivo, anti-dna positivo e C3 baixo. Uma US mostrou rins de tamanho normal. A biópsia renal revelou nefrite lúpica, cuja lesão mais provável é: (A) glomerulonefrite proliferativa difusa (classe IV da OMS); (B) glomerulopatia membranosa (classe V da OMS); (C) glomerulonefrite focal (classe III da OMS); (D) glomerulonefrite esclerosante (classe VI da OMS); (E) glomerulonefrite mesangeal (classe II da OMS) Um homem de 60 anos apresenta quadro de insuficiência renal crônica e está em hemodiálise por cateter de duplo-lume na veia jugular interna direita, enquanto aguarda a confecção de fístula. Após 2 semanas, inicia febre persistente, calafrios esporádicos, dores no corpo, taquipnéia. Está mais pálido e surgiu um sopro cardíaco que não havia antes. O espaço de Traube parece ocupado. PA 90 x 60mmHg e FC 122bpm, FR 36irpm. Os exames mostraram: HT 24%, leucócitos , bastões 16%, VHS 110mm, glicose 108mg%, uréia 156mg e creatinina 11,2mg%. A situação mais provável é: (A) O quadro clínico sugere uma pneumonia aguda em um paciente imunossuprimido; deve-se tratá-lo com penicilina parenteral e manter sua diálise normalmente. (B) (C) O diagnóstico sugere endocardite aguda; deve-se colher hemoculturas, fazer um ecocardiograma, retirar o cateter e iniciar vancomicina e aminoglicosídeo. O quadro clínico é de bacteremia isolada; deve-se apenas retirar o cateter duplo-lume e observar a evolução clinica. (D) O diagnóstico é de infecção relacionada ao cateter; deve-se apenas trocá-lo por outro no mesmo sítio para manter a diálise. (E) O paciente tem infecção ativa; deve-se retirar o cateter e confeccionar uma fístula arterio-venosa imediatamente para mantê-lo em diálise Uma paciente que apresenta quadro clínico de LES com glomerulonefrite proliferativa difusa com crescentes celulares na biópsia renal e insuficiência renal aguda, poderá responder melhor à seguinte combinação terapêutica: (A) inibidores da ECA e bloqueadores do canal de cálcio; (B) corticóide e metotrexato; (C) corticóide e ciclofosfamida; (D) clorambucil e metotrexato; (E) inibidores da ECA e diurético de alça Com relação à Síndrome de Goodpasture, pode-se afirmar que: (A) é característico o depósito linear de imunoglobulinas ao longo da membrana basal glomerular; (B) é uma importante causa de síndrome nefrótica; (C) a insuficiência renal aguda é rara nesta doença; (D) o complemento sérico C3 sempre está baixo; (E) o principal marcador diagnóstico é a presença do anticorpo anti-citoplasma de neutrófilos (ANCA) Em uma paciente com história de retardo mental e do crescimento, PA normal, que apresenta poliúria e polidipsia e nos exames laboratoriais encontram-se alcalose metabólica, hipocalemia, hiperaldosteronismo e hiperreninemia, a hipótese diagnóstica mais provável é: (A) Granulomatose de Wegener; 7

6 (B) Síndrome de Alport; (C) Síndrome de Bartter; (D) Síndrome de Cushing; (E) Doença de Adison. (E) a presença de osteíte fibrosa grave e progressiva, calcifilaxia, hipercalcemia persistente e níveis de PTH intacto > 1.000pg/mL são algumas das indicações de paratireoidectomia A amiloidose secundária é uma condição que pode levar à glomerulopatia e insuficiência renal. Uma freqüente causa de amiloidose renal secundária é: (A) leucemia mielóide crônica; (B) esclerose sistêmica progressiva; (C) anemia falciforme; (D) artrite reumatóide; (E) lupus eritematoso sistêmico Com relação à nefropatia diabética, é correto afirmar que: (A) no diabetes mellitus tipo II a nefropatia costuma surgir somente após 25 a 30 anos da doença; (B) a nefropatia com insuficiência renal surge freqüentemente sem associação com a hipertensão arterial e retinopatia; (C) é indicação absoluta para utilização de bloqueadores do canal de cálcio e hipoglicemiante oral; (D) a diálise só deve ser introduzida quando a filtração glomerular for abaixo de 5ml/min; (E) a microalbuminúria é um marcador precoce e o uso de inibidores da ECA é eficaz para retardar a progressão da nefropatia Com relação à osteodistrofia renal, é INCORRETO afirmar que: (A) a doença óssea nos pacientes em diálise é devida principalmente ao hiperparatireodismo secundário; (B) o objetivo principal do tratamento é manter o produto cálcio x fósforo < 70 e o nível de PTH intacto < 25 pg/ml; (C) a elevação do PTH sérico é secundária à retenção de fosfato, hipocalcemia e redução dos níveis de calcitriol; (D) a osteíte fibrosa cística é a principal manifestação e é caracterizada principalmente por reabsorção subperiosteal ao exame radiológico; 35 - Um paciente de 40 anos, com cirrose hepática, em pós-operatório de transplante hepático, foi internado no CTI e evoluiu nas primeiras horas com insuficiência renal aguda caracterizada por anúria, congestão pulmonar importante, acidose metabólica e hipercalemia. Sua PA foi 70 x 40mmHg, sob noradrenalina, em ventilação mecânica, com PO 2 62mmHg e FiO 2 100%. A melhor abordagem com relação à diálise para este paciente é a seguinte: (A) Há absoluta indicação de hemodiálise convencional de 2 a 3 horas de duração com ultrafiltração média de 4.000mL. (B) Deve-se optar por diálise peritoneal devido à (C) coagulopatia e instabilidade hemodinâmica. Deve-se tentar melhorar o quadro de choque, manipulando a amina vasopressora e, assim que possível, iniciar hemodiálise contínua. (D) A conduta ideal é a utilização de diurético de alça em altas doses e reposição de soluções colóides para aumentar a volemia. (E) Não se deve realizar qualquer procedimento dialítico, pois o paciente está fora de possibilidade terapêutica Constituem grupos de alto risco para insuficiência renal aguda relacionada ao uso de contraste iodado durante exames radiológicos: 8

7 (A) insuficiência renal prévia, insuficiência cardíaca grave, nefropatia diabética e mieloma múltiplo; (B) hipertensão arterial, hepatopatia crônica e idosos; (C) pneumonia ativa, passado de infarto miocárdico e síndrome nefrótica; (D) hiponatremia grave, aneurisma aórtico e desidratação; (E) hipertensão renovascular, presença de rim único normal e infecção urinária Assinale o(s) distúrbio (s) do metabolismo ácido-base presente(s) nesta gasometria arterial: ph 7,25; pco 2 32; po 2 88; HCO 3 8,0; Sat. O 2 97,5%: (A) acidose respitarória; (B) alcalose metabólica; (C) acidose metabólica; (D) alcalose respiratória; (E) acidose metabólica e respiratória (distúrbio misto) Um paciente foi internado com síndrome urêmica, PA 180 x 100mmHg e seus exames mostraram: uréia 300mg%, creatinina 16mg%, potássio 8,2mEq/L, Na 128mEq/L, cálcio 7,5mg%, HCO3 12mEq/L, ECG com ondas T apiculadas e simétricas. Para o tratamento deste paciente, de imediato, as medidas mais apropriadas são: (A) gluconato de cálcio, bicarbonato de sódio, solução glicoinsulínica e hemodiálise urgente; (B) soro fisiológico para hiponatremia e gluconato de cálcio para hipocalcemia; (C) administrar furosemida e tratar a hipertensão arterial com captopril ou nifedipina; (D) prescrever dieta para nefropatia, fazer diurético e encaminhar para realizar fístula arteriovenosa para hemodiálise eletivamente; (E) admitir o paciente em programa de CAPD após colocação de cateter de Tenckhoff Com relação à síndrome hepato-renal, é correto afirmar que: (A) é a presença de insuficiência hepática que ocorre em um paciente com insuficiência renal aguda de qualquer etiologia; (B) o sódio urinário é um marcador diagnóstico quando (C) acima de 20 meq/l; o uso de dopamina está estabelecido como droga vasodilatadora renal, melhorando o prognóstico da doença; (D) a doença se inicia a partir de uma grande vasodilatação esplâncnica e melhora com a reposição e albumina associada com terlipressina parenteral (análogo do ADH); (E) a mortalidade é baixa quando se faz hemodiálise precocemente Com relação ao tratamento da litíase renal, pode-se afirmar que: (A) os diuréticos de alça são indicados para reduzir a excreção de cálcio; (B) a litíase por ácido úrico pode ser controlada com alcalinização urinária e hidratação; (C) a acidose tubular renal tipo II pode estar associada à litíase por cálcio; (D) a litíase por oxalato de cálcio pode ser controlada com alcalinização urinária; (E) em ph urinário ácido ocorre maior solubilidade do ácido úrico e menor formação de cálculos Um paciente jovem foi trazido ao hospital por amigos com quadro de agitação, desidratação, oligúria e taquipnéia. Tinha relato de ter ido a uma festa na noite anterior e havia lesão com crostas em ambas as narinas internamente. PA 160 x 100mmHg, FC 110 bpm. Seus exames foram: HT 44%, leucócitos 8200/mm 3, plaquetas /mm 3, uréia 210mg%, creatinina 8,5mg%, cálcio 7,0mg%, fósforo 9,5mg%, K 6,7mEq/L, CPK UI/L. A condição clínica mais provável para justificar o quadro deste paciente é: (A) nefrite tubulointersticial aguda; 9

8 (B) insuficiência renal aguda por provável leptospirose; (C) insuficiência renal aguda por desidratação; (D) glomerulonefrite aguda; (E) insuficiência renal aguda por rabdomiólise Com relação à glomerulopatia membranosa, é correto afirmar que: (A) púrpura de Henoch-Schönlein; (B) anemia falciforme; (C) síndrome de Churg-Strauss; (D) poliarterite microscópica; (E) púrpura trombocitopênica trombótica. (A) as espículas ao longo da membrana basal glomerular são características à coloração pela prata; (B) ocorre principalmente em crianças entre 2 e 8 anos; (C) o mecanismo patogênico mais aceito é deposição de complexos imunes no mesângio e no espaço subendotelial; (D) é uma das causas mais comuns de síndrome nefrítica; (E) não se deve realizar transplante renal nos pacientes com esta lesão pelo risco alto de recorrência no enxerto (80%) A crioglobulinemia mista (vasculite) e a glomerulopatia membranoproliferativa estão associadas mais freqüentemente a: (A) infecção pelo vírus HIV; (B) hepatite C; (C) hepatite B; (D) infecção pelo citomegalovirus; (E) infecção herpética Um homem de 28 anos apresenta história de hematúria desde os 12 anos e evolui agora com insuficiência renal e proteinúria de 3,6g/24h, além de perda de sua audição neurossensorial. A hipótese diagnóstica mais provável para o caso em questão é: (A) nefrite da IgA (Doença de Berger); (B) glomerulonefrite difusa aguda (GNDA); (C) nefrite lúpica; (D) síndrome de Alport; (E) síndrome de von Hippel-Lindau Um paciente portador de insuficiência renal crônica foi submetido a transplante renal doador vivo (irmão), controlado com corticóide, ciclosporina e micofenolato mofetil. Saiu da sala operatória com boa diurese e sua creatinina caiu de 8mg% para 2,5mg% no sexto dia de transplante. No sétimo dia apresentou ganho de peso, hipertensão arterial, oligúria, febre, dor no enxerto e sua creatinina foi 3,5mg%. A conduta mais adequada para o caso é: (A) iniciar tratamento com anticorpo monoclonal anti-cd3 (OKT3), mesmo sem biópsia do enxerto; (B) suspender a ciclosporina, pois o quadro clínico é típico de nefrotoxicidade; (C) iniciar pulsoterapia com metilprednisolona, pois o mais provável é que seja rejeição aguda ao enxerto; (D) o quadro é de infecção aguda pelo citomegalovirus e deve-se iniciar ganciclovir venoso; (E) deve-se iniciar tratamento para infecção pulmonar ou urinária, uma vez que está imunossuprimido A anemia hemolítica microangiopática, trombocitopenia, insuficiência renal, febre e manifestações neurológicas são característicos de: 47 - As síndromes de neoplasias endócrinas múltiplas (NEM tipo 2 e tipo 3) estão associadas à seguinte condição abaixo: 10

9 (A) hiperaldosteronismo primário; (B) tumor produtor de desoxicorticosterona; (C) síndrome de Gitelman; (D) feocromocitoma; (E) tumor de Wilms Uma paciente de 58 anos foi internada com quadro de edema, proteinúria de 8g/24h, albumina 1,8g%, colesterol 325mg% e creatinina 1,2mg%. Sua biópsia renal revelou tratar-se de glomerulopatia membranosa. Após 1 semana de admissão evoluiu com dor lombar e hematúria microscópica, que não havia antes. Sua creatinina subiu para 4,5mg% e ela ficou oligúrica. A piora funcional renal da paciente pode ser explicada por: (A) trombose venosa renal; (B) depleção de volume por excesso de diurético; (C) hipoalbuminemia acentuada com hipovolemia efetiva; (D) provável efeito de antihipertensivos com hipoperfusão renal; (E) provável desidratação, pois tem restrição hídrica. insuficiência renal crônica em fase terminal. Sobre a hemodiálise, assinale a alternativa INCORRETA: (A) A primeira hemodiálise de um paciente crônico e urêmico deve ser curta (cerca de 2 horas), para evitar o desequilíbrio osmótico. (B) Para pacientes com pericardite urêmica, deve-se realizar hemodiálise sem anticoagulação (heparina), devido ao risco de tamponamento. (C) A hipotensão arterial no curso da diálise é uma freqüente complicação clínica, geralmente de fácil resolução. (D) Os índices mais úteis para a avaliação da eficiência da diálise são o KT/V e a redução percentual da uréia (PRU). (E) Os pacientes em hemodiálise têm baixa incidência de doenças cardiovasculares e infecciosas Pacientes com o vírus HIV podem desenvolver nefropatia com características variadas. Com relação à nefropatia do HIV, assinale a alternativa INCORRETA: (A) O tratamento pode exigir o uso de antiretrovirais, inibidores da ECA e até de corticóide, em alguns casos. (B) A principal apresentação da nefropatia do HIV é a síndrome nefrótica por glomeruloesclerose segmentar e focal (GESF) colapsante. (C) A hiponatremia devido à síndrome de secreção inapropriada do ADH (SIADH) pode estar presente nos pacientes com HIV. (D) A lesão renal mais comumente encontrada nos pacientes com o HIV é a insuficiência renal aguda por necrose tubular aguda. (E) Tanto a hemodiálise como a diálise peritoneal são boas alternativas para o controle da insuficiência renal nos pacientes com o HIV A hemodiálise é uma forma comprovadamente eficaz para o controle metabólico e de volume dos pacientes com 11

10 12

PROVA OBJETIVA LÍNGUA PORTUGUESA TEXTO 1

PROVA OBJETIVA LÍNGUA PORTUGUESA TEXTO 1 TEXTO 1 LÍNGUA PORTUGUESA Posso tomar banho após a refeição? Tomar banho frio ou entrar numa piscina depois de ter comido não oferece riscos. O que não se deve fazer é qualquer tipo de exercício físico

Leia mais

DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador

DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador aminidicionário DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador Ao paciente e seus familiares, este pequeno dicionário tem a intenção de ajudar no entendimento da doença que passou a fazer parte das suas vidas.

Leia mais

Como abordar um paciente nefropata

Como abordar um paciente nefropata Como abordar um paciente nefropata Filtra o plasma Reduz o volume do filtrado Altera sua composição!! Secreção / Reabsorção Mantem a homeostase corporal Sódio, potássio e ácidos Clearence da água livre

Leia mais

DO PACIENTE RENAL Terapia de substituição renal

DO PACIENTE RENAL Terapia de substituição renal aminidicionário DO PACIENTE RENAL Terapia de substituição renal Ao paciente e seus familiares, este pequeno dicionário tem a intenção de ajudar no entendimento da doença que passou a fazer parte das suas

Leia mais

06 - O antônimo da palavra sublinhada corretamente indicado é: 07 - O segmento entre parênteses enjôo, suor frio e tontura representa: REALIZAÇÃO 2

06 - O antônimo da palavra sublinhada corretamente indicado é: 07 - O segmento entre parênteses enjôo, suor frio e tontura representa: REALIZAÇÃO 2 TEXTO 1 LÍNGUA PORTUGUESA Posso tomar banho após a refeição? Tomar banho frio ou entrar numa piscina depois de ter comido não oferece riscos. O que não se deve fazer é qualquer tipo de exercício físico

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE NEFROLOGIA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM NEFROLOGIA

SOCIEDADE BRASILEIRA DE NEFROLOGIA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM NEFROLOGIA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM NEFROLOGIA OBJETIVOS DO PROGRAMA Objetivo Geral Capacitar o profissional médico durante os dois anos de treinamento de conteúdo programático teórico e prático essenciais,

Leia mais

ALTERAÇÕES RENAIS. Texto extraído do Editorial do Endocrinologia&Diabetes clínica e experimental vol. 7 número 3, julho/2007.

ALTERAÇÕES RENAIS. Texto extraído do Editorial do Endocrinologia&Diabetes clínica e experimental vol. 7 número 3, julho/2007. ALTERAÇÕES RENAIS E.D. teve seu diabetes diagnosticado em 1985, nessa época tinha 45 anos e não deu muita importância para os cuidados que seu médico lhe havia recomendado, sua pressão nesta época era

Leia mais

Forum de Debates INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA EM. Rui Toledo Barros Nefrologia - HCFMUSP rbarros@usp.br

Forum de Debates INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA EM. Rui Toledo Barros Nefrologia - HCFMUSP rbarros@usp.br Forum de Debates Sociedade Paulista de Reumatologia INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA EM PACIENTE COM LES Rui Toledo Barros Nefrologia - HCFMUSP rbarros@usp.br Resumo do Caso Feminino, i 43 anos diagnóstico prévio

Leia mais

Como interpretar a Gasometria de Sangue Arterial

Como interpretar a Gasometria de Sangue Arterial Como interpretar a Gasometria de Sangue Arterial Sequência de interpretação e estratificação de risco 08/01/2013 Daniela Carvalho Objectivos da Tertúlia Sequência de interpretação da GSA - Método dos 3

Leia mais

SÍNDROME NEFRÍTICA AGUDA

SÍNDROME NEFRÍTICA AGUDA SÍNDROME NEFRÍTICA AGUDA CONCEITOS Processo inflamatório agudo que envolve os glomérulos renais. GNDA é o exemplo clássico da Síndrome Nefrítica Aguda. A síndrome nefrítica é um conjunto de sinais e sintomas,

Leia mais

INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA

INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA Prof. Evandro Silva Favarato Clínica Médica de Cães e Gatos Objetivo geral Fornecer informações que permitam a construção de conhecimentos necessários para a compreensão da

Leia mais

Raniê Ralph Nefro. Atinge quase que exclusivamente o glomérulo e consequentemente este evolui para IR de maneira crônica.

Raniê Ralph Nefro. Atinge quase que exclusivamente o glomérulo e consequentemente este evolui para IR de maneira crônica. Professor Calipso. Glomerulonefrites NTA: Lesão nitidamente tubular. Repercute de maneira funcional no rim (perde função de filtração e o substrato anatômico é tipicamente tubular). Atinge quase que exclusivamente

Leia mais

Cetoacidose Diabética. Prof. Gilberto Perez Cardoso Titular de Medicina Interna UFF

Cetoacidose Diabética. Prof. Gilberto Perez Cardoso Titular de Medicina Interna UFF Cetoacidose Diabética Prof. Gilberto Perez Cardoso Titular de Medicina Interna UFF Complicações Agudas do Diabetes Mellitus Cetoacidose diabética: 1 a 5% dos casos de DM1 Mortalidade de 5% Coma hiperglicêmico

Leia mais

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO)

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) DADOS DO PACIENTE PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) Iniciais: Registro: Sexo: ( ) Feminino ( ) Masculino Data de nascimento: / /

Leia mais

8/4/2013. Anatomia. Patologia Renal. R2 do Serviço de Patologia HU/UFJF. Histologia. Circulação. Córtex renal

8/4/2013. Anatomia. Patologia Renal. R2 do Serviço de Patologia HU/UFJF. Histologia. Circulação. Córtex renal 8/4/2013 Anatomia Patologia Renal Louise Gracielle de Melo e Costa R2 do Serviço de Patologia HU/UFJF Circulação Histologia Córtex renal 1 Histologia Funções 1. Excreção de produtos de degradação metabólica

Leia mais

6/1/2014 DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO. Perfusão sanguínea

6/1/2014 DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO. Perfusão sanguínea DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO Lilian Caram Petrus, MV, Msc Equipe Pet Cor de Cardiologia Doutoranda FMVZ-USP Vice- Presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia Veterinária Estado de baixa perfusão

Leia mais

LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES

LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES MNF30 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES 1 - A duração da prova é de 4 horas, já incluído o tempo de preenchimento do cartão de respostas. 2 - O candidato que, na primeira hora de prova, se ausentar da sala

Leia mais

Padrão Resposta das Questões Discursivas

Padrão Resposta das Questões Discursivas Nefrologia Engenheiro Pediátrica Eletrônico Padrão Resposta das Questões Discursivas Questão 1 a) 1. Doença glomerular com lesões mínimas (nefrose lipoídica) 2. Síndrome Nefrótica da Infância b) Glomérulos

Leia mais

Diagnosis and prevention of chronic kidney allograft loss

Diagnosis and prevention of chronic kidney allograft loss Diagnosis and prevention of chronic kidney allograft loss Brian J Nankivell, Dirk RJ Kuypers Lancet 2011; 378: 1428-37 Moisés Carminatti Últimas décadas: avanços no conhecimento acerca da imunologia do

Leia mais

Nefropatia por IgA. Vega Figueiredo Dourado de Azevedo. 1. Introdução

Nefropatia por IgA. Vega Figueiredo Dourado de Azevedo. 1. Introdução Nefropatia por IgA Vega Figueiredo Dourado de Azevedo 1. Introdução Nefropatia por IgA é uma glomerulonefrite proliferativa mesangial caracterizada pelo depósito de IgA no mesângio 1. A apresentação clinica

Leia mais

Engenheiro Eletrônico. Nefrologia Adulto. Padrão Resposta das Questões Discursivas

Engenheiro Eletrônico. Nefrologia Adulto. Padrão Resposta das Questões Discursivas Nefrologia Adulto Engenheiro Eletrônico Padrão Resposta das Questões Discursivas Questão 1 a) Microscopia ótica: os glomérulos são normais, podendo, ocasionalmente, haver discreta hipercelularidade mesangial

Leia mais

Epidemiologia DIABETES MELLITUS

Epidemiologia DIABETES MELLITUS Epidemiologia DIABETES MELLITUS 300 milhões / mundo ( 5,9% população adulta) / Brasil : > 10 milhões Aumento progressivo : Longevidade, Síndrome metabólica Mortalidade anual : 3,8 milhões AVC, IAM... Amputação

Leia mais

Avaliação da Função Renal. Dr. Alexandre S. Fortini Divisão de Laboratório Central HC-FMUSP

Avaliação da Função Renal. Dr. Alexandre S. Fortini Divisão de Laboratório Central HC-FMUSP Avaliação da Função Renal Dr. Alexandre S. Fortini Divisão de Laboratório Central HC-FMUSP Funções do Rim Balanço hídrico e salino Excreção de compostos nitrogenados Regulação ácido-base Metabolismo ósseo

Leia mais

VIVER BEM OS RINS DO SEU FABRÍCIO AGENOR DOENÇAS RENAIS

VIVER BEM OS RINS DO SEU FABRÍCIO AGENOR DOENÇAS RENAIS VIVER BEM OS RINS DO SEU FABRÍCIO AGENOR DOENÇAS RENAIS Leia o código e assista a história de seu Fabrício Agenor. Este é o seu Fabrício Agenor. Ele sempre gostou de comidas pesadas e com muito tempero

Leia mais

FARMACOLOGIA DOS DIURÉTICOS

FARMACOLOGIA DOS DIURÉTICOS Universidade Federal Fluminense Depto. Fisiologia e Farmacologia Disciplina de Farmacologia FARMACOLOGIA DOS DIURÉTICOS Profa. Elisabeth Maróstica INTRODUÇÃO PRINCIPAIS FUNÇÕES RENAIS: Excreção de produtos

Leia mais

Renal problems in black South African children

Renal problems in black South African children Renal problems in black South African children Peter D. Thomson Division of Pediatric Nephrology, University of the Witwatersrand, South Africa Pediatric Nephrology-1997, 508-512 Objetivo Descrever características

Leia mais

INSUFICIÊNCIA RENAL. Profa. Dra.Monica Akemi Sato

INSUFICIÊNCIA RENAL. Profa. Dra.Monica Akemi Sato INSUFICIÊNCIA RENAL Profa. Dra.Monica Akemi Sato REVISÃO DE FISIOLOGIA RENAL FILTRAÇÃO GLOMERULAR TÚBULO PROXIMAL ALÇA DE HENLE CAPILAR GLOMERULAR ARTERÍOLA EFERENTE TUBULO PROXIMAL TUBULO DISTAL ESPAÇO

Leia mais

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel Insuficiência respiratória aguda O que é!!!!! IR aguda Incapacidade do sistema respiratório de desempenhar suas duas principais funções: - Captação de oxigênio para o sangue arterial - Remoção de gás carbônico

Leia mais

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 2 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local deste

Leia mais

HIPERCALCEMIA NO RECÉM NASCIDO (RN)

HIPERCALCEMIA NO RECÉM NASCIDO (RN) HIPERCALCEMIA NO RECÉM NASCIDO (RN) Cálcio Sérico > 11 mg/dl Leve e Assintomático 11-12 mg/dl Moderada Cálcio Sérico 12-14 mg/dl Cálcio Sérico > 14 mg/dl Não tratar Assintomática Não tratar Sintomática

Leia mais

LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO

LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO 1. Este caderno é constituído de 40 questões assim distribuídas: Conhecimentos Gerais, de 01 a 12; e Conhecimentos Específicos, de 13 a 40. 2. Caso o caderno esteja

Leia mais

Uso de drogas na Doença Renal Crônica: o que é de interesse do urologista

Uso de drogas na Doença Renal Crônica: o que é de interesse do urologista Uso de drogas na Doença Renal Crônica: o que é de interesse do urologista Egivaldo Fontes Ribamar Serviço de Nefrologia Hospital Universitário Clementino Fraga Filho UFRJ >> Serviço de Nefrologia Hospital

Leia mais

Abordagem do Paciente Renal F J Werneck

Abordagem do Paciente Renal F J Werneck Síndromes Nefrológicas Síndrome infecciosa: Infecciosa Nefrítica Nefrótica Urêmica Hipertensiva Calculosa - infecção do trato urinário alta: pielonefrite - Infecção do trato urinário baixa: cistite, uretrite

Leia mais

RETIFICAÇÕES DIVERSAS

RETIFICAÇÕES DIVERSAS Circular 340/2014 São Paulo, 10 de Junho de 2014. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) RETIFICAÇÕES DIVERSAS Diário Oficial da União Nº 109, Seção 1, terça-feira, 10 de junho de 2014 Prezados Senhores, Segue para

Leia mais

Médico Nefrologista TIPO 1 BRANCA

Médico Nefrologista TIPO 1 BRANCA Prefeitura do Município de Cuiabá Secretaria Municipal de Saúde Concurso Público 2014 Prova escrita Nível Superior Médico Nefrologista TIPO 1 BRANCA Informações Gerais 1. Você receberá do fiscal de sala:

Leia mais

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações 1. Introdução A evolução da epidemia causada pelo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 implica que as medidas sejam adaptadas

Leia mais

Autor. Revisão Técnica. Durval Alex Gomes e Costa

Autor. Revisão Técnica. Durval Alex Gomes e Costa Apresentação A estrutura do Guia de Interpretação de Exames, em que cada capítulo aborda um exame diferente, foi concebida para ser uma alternativa à literatura especializada na melhor interpretação possível

Leia mais

Capacitação sobre as LG de HAS, DM e DRC. Capacitação sobre as Linhas Guia de HAS e DM -DRC-

Capacitação sobre as LG de HAS, DM e DRC. Capacitação sobre as Linhas Guia de HAS e DM -DRC- Capacitação sobre as LG de HAS, DM e DRC Capacitação sobre as Linhas Guia de HAS e DM -DRC- Modelo conceitual para DRC Antecedentes potenciais da DRC Estágios da DRC Consequências da DRC Complicações Normal

Leia mais

Conceitos atuais sobre Hiperparatireoidismo Secundário Renal:

Conceitos atuais sobre Hiperparatireoidismo Secundário Renal: Conceitos atuais sobre Hiperparatireoidismo Secundário Renal: Roteiro 1. Fisiologia 2. Fisiopatologia (doença renal crônica) 3. Teorias 4. Diagnóstico precoce 5. Terapia Cálcio Fósforo Cálcio T.G.I. Fósforo

Leia mais

FUNÇÃO RENAL ACADÊMICO JOSÉ DE OLIVEIRA RODRIGUES

FUNÇÃO RENAL ACADÊMICO JOSÉ DE OLIVEIRA RODRIGUES ACADÊMICO JOSÉ DE OLIVEIRA RODRIGUES A função renal é formada por um conjunto de órgãos que filtram o sangue, produzem e excretam a urina. É constituída por um par de rins, um par de ureteres, pela bexiga

Leia mais

PROVA OBJETIVA LÍNGUA PORTUGUESA TEXTO 1

PROVA OBJETIVA LÍNGUA PORTUGUESA TEXTO 1 LÍNGUA PORTUGUESA TEXTO 1 Posso tomar banho após a refeição? Tomar banho frio ou entrar numa piscina depois de ter comido não oferece riscos. O que não se deve fazer é qualquer tipo de exercício físico

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS UROLOGIA 21. Dentre os cristais urinários relacionados a seguir, aquele que tem significado patológico, quando visto na microscopia de pequeno aumento, durante um exame

Leia mais

LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO

LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO 1. Este caderno é constituído de 40 questões assim distribuídas: Conhecimentos Gerais, de 01 a 12; e Conhecimentos Específicos, de 13 a 40. 2. Caso o caderno esteja

Leia mais

Prof. Dr. José O Medina Pestana. Hospital do Rim e Hipertensão Disciplina de Nefrologia, Universidade Federal de São Paulo

Prof. Dr. José O Medina Pestana. Hospital do Rim e Hipertensão Disciplina de Nefrologia, Universidade Federal de São Paulo INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA APÓS O TRANSPLANTE Prof. Dr. José O Medina Pestana Hospital do Rim e Hipertensão Disciplina de Nefrologia, Universidade Federal de São Paulo FUNÇÃO RETARDADA DO ENXERTO RENAL

Leia mais

FISIOLOGIA RENAL EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM

FISIOLOGIA RENAL EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM FISIOLOGIA RENAL 01. A sudorese (produção de suor) é um processo fisiológico que ajuda a baixar a temperatura do corpo quando está muito calor ou quando realizamos uma atividade

Leia mais

Protocolo de tratamento de influenza - 2011

Protocolo de tratamento de influenza - 2011 Protocolo de tratamento de influenza - 2011 Depois de definida pela Organização Mundial de Saúde (OMS) a fase pós- pandêmica, a partir de agosto de 2010, o vírus da influenza pandêmica A (H1N1) 2009 continuou

Leia mais

Anestesia no paciente transplantado cardiaco

Anestesia no paciente transplantado cardiaco Anestesia no paciente transplantado cardiaco Dr João Henrique Silva joaohen@terra.com.br Insuficiência cardiaca refratária Miocardiopatia dilatada Defeitos congenitos Doença valvular Disfunção de transplante

Leia mais

INSUFICIÊNCIA RENAL. MSc. Roberpaulo Anacleto

INSUFICIÊNCIA RENAL. MSc. Roberpaulo Anacleto INSUFICIÊNCIA RENAL MSc. Roberpaulo Anacleto A importância dos rins Os rins regulam a pressão arterial, filtram o sangue, eliminam as toxinas existentes no organismo, controlam a água e o sal no corpo,

Leia mais

Regulação dos níveis iônicos do sangue (Na +, K +, Ca 2+, Cl -, HPO 4. , K +, Mg 2+, etc...)

Regulação dos níveis iônicos do sangue (Na +, K +, Ca 2+, Cl -, HPO 4. , K +, Mg 2+, etc...) Regulação dos níveis iônicos do sangue (Na +, K +, Ca 2+, Cl -, HPO 4 2-, K +, Mg 2+, etc...) Regulação do equilíbrio hidrossalino e da pressão arterial; Regulação do ph sanguíneo (H +, HCO 3- ); Síntese

Leia mais

REGULAÇÃO HIDROELETROLÍTICA FUNÇÃO RENAL

REGULAÇÃO HIDROELETROLÍTICA FUNÇÃO RENAL REGULAÇÃO HIDROELETROLÍTICA FUNÇÃO RENAL Bioquímica Profa. Dra. Celene Fernandes Bernardes Referências Bioquímica Clínica M A T Garcia e S Kanaan Bioquímica Mèdica J W Baynes e M H Dominiczack Fundamentos

Leia mais

DOENÇA RENAL CRÔNICA TERMINAL EM HEMODIÁLISE: MUDANÇAS DE HÁBITOS E DOENÇA ÓSSEA

DOENÇA RENAL CRÔNICA TERMINAL EM HEMODIÁLISE: MUDANÇAS DE HÁBITOS E DOENÇA ÓSSEA Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2013, v. 17, n. 17, p. 196 201 DOENÇA RENAL CRÔNICA TERMINAL EM HEMODIÁLISE: MUDANÇAS DE HÁBITOS E DOENÇA ÓSSEA COSTA, Cláudia de Almeida¹; CANDIDO, Kézia de Jesus¹;

Leia mais

b) indique os exames necessários para confirmar o diagnóstico e avaliar o grau de comprometimento da doença. (8,0 pontos)

b) indique os exames necessários para confirmar o diagnóstico e avaliar o grau de comprometimento da doença. (8,0 pontos) 01 Um homem de 30 anos de idade, que morou em área rural endêmica de doença de Chagas até os 20 anos de idade, procurou banco de sangue para fazer doação de sangue e foi rejeitado por apresentar sorologia

Leia mais

Glomerulopatias Nefrite e Nefrose. Ms. Roberpaulo Anacleto

Glomerulopatias Nefrite e Nefrose. Ms. Roberpaulo Anacleto Glomerulopatias Nefrite e Nefrose Ms. Roberpaulo Anacleto I - INTRODUÇÃO Glomerulopatia: 1ª - direta e isolada 2ª - doença sistêmica Grupos: Nefrite ou S. Nefrítica Nefrose ou S. Nefrótica Latente - laboratório

Leia mais

Pós operatório em Transplantes

Pós operatório em Transplantes Pós operatório em Transplantes Resumo Histórico Inicio dos programas de transplante Dec. 60 Retorno dos programas Déc 80 Receptor: Rapaz de 18 anos Doador: criança de 9 meses * Não se tem informações

Leia mais

1- hipertensão arterial. 2- hiperglicemia. 3- presença de proteinúria. 4- ingesta proteica elevada. 5- obesidade

1- hipertensão arterial. 2- hiperglicemia. 3- presença de proteinúria. 4- ingesta proteica elevada. 5- obesidade COMO PREVENIR A DOENÇA RENAL CRÔNICA NA ATENÇÃO BÁSICA Fatores de risco para perda de função renal 1- hipertensão arterial 2- hiperglicemia 3- presença de proteinúria 4- ingesta proteica elevada 5- obesidade

Leia mais

SISTEMA CIRCULATÓRIO II

SISTEMA CIRCULATÓRIO II SISTEMA CIRCULATÓRIO II Conceito: Edema pulmonar é o acúmulo anormal de líquidos nos pulmões. Observação: se a cada batimento, o VD bombear apenas 1 gota a mais de sangue que o VE, dentro de 2 horas o

Leia mais

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: : FLÁVIA NUNES DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO ENDOCARDITE REUMÁTICA O desenvolvimento da endocardite reumática é atribuído diretamente à febre reumática, uma doença

Leia mais

Litíase urinária- Identificação dos grupos de risco e tratamento. Humberto Lopes UFJF II Encontro de Urologia do Sudeste - BH

Litíase urinária- Identificação dos grupos de risco e tratamento. Humberto Lopes UFJF II Encontro de Urologia do Sudeste - BH - Identificação dos grupos de risco e tratamento Humberto Lopes UFJF II Encontro de Urologia do Sudeste - BH 11% homens X 5,6% mulheres Brancos X negros Oxalato de cálcio 80% Recorrência 40% 5 anos, 75%

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac DENGUE Treinamento Rápido em Serviços de Saúde Médico 2015 Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac O Brasil e o estado de São Paulo têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos

Leia mais

SISTEMA EXCRETOR (URINÁRIO) RIO) Rins: morfologia e funcionamento Regulação hormonal Distúrbios mais comuns Excreção de compostos nitrogenados

SISTEMA EXCRETOR (URINÁRIO) RIO) Rins: morfologia e funcionamento Regulação hormonal Distúrbios mais comuns Excreção de compostos nitrogenados SISTEMA EXCRETOR (URINÁRIO) RIO) Rins: morfologia e funcionamento Regulação hormonal Distúrbios mais comuns Excreção de compostos nitrogenados Regulação osmótica SISTEMA URINÁRIO HUMANO adrenal Veia cava

Leia mais

Fibrose Cística. Triagem Neonatal

Fibrose Cística. Triagem Neonatal Fibrose Cística Triagem Neonatal Fibrose cística Doença hereditária autossômica e recessiva, mais frequente na população branca; Distúrbio funcional das glândulas exócrinas acometendo principalmente os

Leia mais

Após a leitura deste texto não deixe de ler também nossas outras postagens sobre exames laboratoriais:

Após a leitura deste texto não deixe de ler também nossas outras postagens sobre exames laboratoriais: Aula Prática Profa. Dra. Fernanda Ayala O exame de urina é usado como método diagnóstico complementar desde o século II. Trata-se de um exame indolor e de simples coleta, o que o torna muito menos penoso

Leia mais

MODELO DE TEXTO DE BULA

MODELO DE TEXTO DE BULA FUNED Captopril captopril MODELO DE TEXTO DE BULA FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO FUNED Captopril de 25 mg blíster com 10 comprimidos. USO ORAL USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada comprimido de FUNED Captopril

Leia mais

Você foi avisado pelo doutor que cuida do seu problema renal que você tem nefropatia por IgA?

Você foi avisado pelo doutor que cuida do seu problema renal que você tem nefropatia por IgA? INFORMAÇÃO para pacientes e suas famílias Você foi avisado pelo doutor que cuida do seu problema renal que você tem nefropatia por IgA? Se a resposta é sim, as informações a seguir devem lhe ajudar a compreender

Leia mais

Disciplina de BIOQUÍMICA do Ciclo Básico de MEDICINA Universidade dos Açores. 1º Ano ENSINO PRÁTICO DIABETES MELLITUS

Disciplina de BIOQUÍMICA do Ciclo Básico de MEDICINA Universidade dos Açores. 1º Ano ENSINO PRÁTICO DIABETES MELLITUS Disciplina de BIOQUÍMICA do Ciclo Básico de MEDICINA Universidade dos Açores 1º Ano ENSINO PRÁTICO DIABETES MELLITUS Diabetes Mellitus É a doença endócrina mais comum encontrada na clínica; - Caracterizada

Leia mais

Diabetes e Insuficiência Renal Crônica

Diabetes e Insuficiência Renal Crônica Diabetes e Insuficiência Renal Crônica O que é a diabetes? A diabetes mellitus, normalmente conhecida por diabetes (e em alguns países por sugar açúcar) é uma condição que ocorre quando o corpo não fabrica

Leia mais

Azatioprina, Ciclosporina, Micofenolato de Mofetila, Micofenolato de Sódio, Sirolimo,Tacrolimo, Everolimo e Imunoglobulina Humana

Azatioprina, Ciclosporina, Micofenolato de Mofetila, Micofenolato de Sódio, Sirolimo,Tacrolimo, Everolimo e Imunoglobulina Humana Termo de Esclarecimento e Responsabilidade Azatioprina, Ciclosporina, Micofenolato de Mofetila, Micofenolato de Sódio, Sirolimo,Tacrolimo, Everolimo e Imunoglobulina Humana Eu, (nome do(a) paciente), declaro

Leia mais

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Programa de Educação Tutorial PET Medicina CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Paulo Marcelo Pontes Gomes de Matos OBJETIVOS Conhecer o que é Edema Agudo

Leia mais

TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA

TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Disciplina: Farmacologia Curso: Enfermagem TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Professora: Ms. Fernanda Cristina Ferrari Controle da Pressão Arterial Sistêmica Controle Neural estimulação dos

Leia mais

PROVA PARA A RESIDÊNCIA MÉDICA EM CARDIOLOGIA, GASTROENTEROLOGIA E MEDICINA INTENSIVA CONCURSO DE SELEÇÃO 2013 PROVA DE CLÍNICA MÉDICA

PROVA PARA A RESIDÊNCIA MÉDICA EM CARDIOLOGIA, GASTROENTEROLOGIA E MEDICINA INTENSIVA CONCURSO DE SELEÇÃO 2013 PROVA DE CLÍNICA MÉDICA PROVA PARA A RESIDÊNCIA MÉDICA EM CARDIOLOGIA, GASTROENTEROLOGIA E MEDICINA INTENSIVA CONCURSO DE SELEÇÃO 2013 PROVA DE CLÍNICA MÉDICA Nome: Dia: 20 de dezembro de 2012. 01 - A conduta inicial em embolia

Leia mais

DENGUE NA GRAVIDEZ OBSTETRÍCIA

DENGUE NA GRAVIDEZ OBSTETRÍCIA DENGUE NA GRAVIDEZ Rotinas Assistenciais da Maternidade-Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro OBSTETRÍCIA É doença febril aguda, de etiologia viral, de disseminação urbana, transmitida pela

Leia mais

BULA PARA O PACIENTE CAPOTEN (captopril) 25 mg e 50 mg comprimidos

BULA PARA O PACIENTE CAPOTEN (captopril) 25 mg e 50 mg comprimidos BRISTOL-MYERS SQUIBB CAPOTEN captopril USO ORAL APRESENTAÇÃO BULA PARA O PACIENTE CAPOTEN (captopril) 25 mg e 50 mg comprimidos CAPOTEN (captopril) é apresentado como comprimidos brancos: - quadrados com

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE NEFROLOGIA

SOCIEDADE BRASILEIRA DE NEFROLOGIA NORMAS PARA CREDENCIAMENTO E RECREDENCIAMENTO DE SERVIÇOS DE TREINAMENTO EM NEFROLOGIA Curso de Especialização em Nefrologia OBJETIVOS DO PROGRAMA OBJETIVO GERAL Capacitar o profissional médico no conteúdo

Leia mais

Albumina na prática clínica

Albumina na prática clínica Uso de Albumina Humana na Prática Clínica Hemocentro-Unicamp Angela Cristina Malheiros Luzo Bioquímica Fisiologia Polipeptídio pobre em triptofano (600 aminoácido). Peso molecular ao redor de 69.000 Forma

Leia mais

Foram ainda notificados casos de síndrome nefrótica com diferentes nefropatias subjacentes.

Foram ainda notificados casos de síndrome nefrótica com diferentes nefropatias subjacentes. 25 de agosto de 2014 Interferões Beta: risco de microangiopatia trombótica e síndrome nefrótica Caro Profissional de Saúde, O INFARMED, I.P. em acordo com a Agência Europeia do Medicamento e os Titulares

Leia mais

Abordagem do Choque. Disciplina de Terapia Intensiva Ricardo Coelho Reis

Abordagem do Choque. Disciplina de Terapia Intensiva Ricardo Coelho Reis Abordagem do Choque Disciplina de Terapia Intensiva Ricardo Coelho Reis CONCEITO Hipóxia tecidual secundária ao desequilíbrio na relação entre oferta e consumo de oxigênio OU a incapacidade celular na

Leia mais

Questionário - Proficiência Clínica

Questionário - Proficiência Clínica Tema PROTEINÚRIA, HEMATÚRIA E GLOMERULOPATIAS Elaboradora Texto Introdutório Questão 1 Luciene Alves Silva, Biomédica, Gestora de Qualidade, Laboratório Central do Hospital do Rim e Hipertensão-Fundação

Leia mais

PROTOCOLO DE REGULAÇÃO DE UTI

PROTOCOLO DE REGULAÇÃO DE UTI PROTOCOLO DE REGULAÇÃO DE UTI PROTOCOLO D EREGULAÇÃO DE UTI Introdução A Política Nacional de Regulação traz como responsabilidade das três esferas do governo, em seu âmbito administrativo, o exercício

Leia mais

SISTEMA EXCRETOR PROFª CLÁUDIA LOBO

SISTEMA EXCRETOR PROFª CLÁUDIA LOBO SISTEMA EXCRETOR PROFª CLÁUDIA LOBO Excreção Mecanismo pelo qual os seres vivos recolhem seu lixo celular, como a amônia (NH 3 ), CO 2, água e sais. Desta forma, os seres vivos mantém a homeostase, isto

Leia mais

APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos de 500 mg em embalagens que contêm 10 ou 42 comprimidos.

APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos de 500 mg em embalagens que contêm 10 ou 42 comprimidos. LEIA ATENTAMENTE ESTA BULA ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Valtrex cloridrato de valaciclovir APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos de 500 mg em embalagens que contêm 10 ou

Leia mais

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição.

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. 1. Introdução: Atualmente, a transfusão de hemocomponentes é considerado um procedimento

Leia mais

COAGULOPATIAS NO PACIENTE ONCOLÓGICO. Dra Carmen Helena Vasconcellos Hospital Veterinário Botafogo - RJ

COAGULOPATIAS NO PACIENTE ONCOLÓGICO. Dra Carmen Helena Vasconcellos Hospital Veterinário Botafogo - RJ COAGULOPATIAS NO PACIENTE ONCOLÓGICO Dra Carmen Helena Vasconcellos Hospital Veterinário Botafogo - RJ HEMOSTASIA Conjunto de mecanismos que visa manter a fluidez do sangue no interior dos vasos no sistema

Leia mais

HIDRATAÇÃO NEONATAL. ISRAEL FIGUEIREDO JUNIOR israel@vm.uff.br

HIDRATAÇÃO NEONATAL. ISRAEL FIGUEIREDO JUNIOR israel@vm.uff.br ISRAEL FIGUEIREDO JUNIOR israel@vm.uff.br DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA NOS COMPARTIMENTOS 80 70 ÁGUA TOTAL 60 % ÁGUA 50 40 ÁGUA INTRA-CELULAR 30 20 10 ÁGUA EXTRA-CELULAR 0 3 6 9 1 3 5 7 9 11 13 15 IDADE EM MESES

Leia mais

CAPOX. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Comprimido 25mg e 50mg

CAPOX. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Comprimido 25mg e 50mg CAPOX Geolab Indústria Farmacêutica S/A Comprimido 25mg e 50mg Capox captopril MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento.

Leia mais

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014 Fabio Kater Multivitaminas na prevenção do câncer de mama, próstata e pulmão: caso fechado! Revisão da literatura para tipos específicos de câncer

Leia mais

Bibliografia: Capítulo 2 e 3 - Nowak Capítulo 12, 13 e 14 Fisiopatologia Fundamentos e Aplicações A. Mota Pinto Capítulo 4 S.J.

Bibliografia: Capítulo 2 e 3 - Nowak Capítulo 12, 13 e 14 Fisiopatologia Fundamentos e Aplicações A. Mota Pinto Capítulo 4 S.J. 1 3 Março INFLAMAÇÃO Conhecer os diferentes mecanismos fisiopatológicos que intervêm na resposta inflamatória Identificar os principais mediadores celulares e moleculares da inflamação Identificar os efeitos

Leia mais

GASOMETRIA ARTERIAL GASOMETRIA. Indicações 11/09/2015. Gasometria Arterial

GASOMETRIA ARTERIAL GASOMETRIA. Indicações 11/09/2015. Gasometria Arterial GASOMETRIA ARTERIAL Processo pelo qual é feita a medição das pressões parciais dos gases sangüíneos, a partir do qual é possível o cálculo do PH sangüíneo, o que reflete o equilíbrio Ácido-Básico 2 GASOMETRIA

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc Insuficiência Cardíaca Conceito É a incapacidade do coração em adequar sua ejeção às necessidades metabólicas do organismo, ou fazê-la

Leia mais

ANEXO 2: Exemplos de questões e percentual de erro dos participantes

ANEXO 2: Exemplos de questões e percentual de erro dos participantes ANEXO 2: Exemplos de questões e percentual de erro dos participantes Situação/problema Criança com desidratação e diarreia Um menino com 6 anos de idade e com peso de 18 kg, desenvolve quadro de desidratação

Leia mais

Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos

Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos Situação Epidemiológica O Brasil é responsável por 75% dos casos de dengue na América Latina A partir de 2002, houve grande aumento de casos de dengue e das

Leia mais

CAD. choque! CAD. Ricardo Duarte www.hospitalveterinariopompeia.com.br. hiperglicemia - + H + glicose. glucagon. catecolaminas cortisol GH

CAD. choque! CAD. Ricardo Duarte www.hospitalveterinariopompeia.com.br. hiperglicemia - + H + glicose. glucagon. catecolaminas cortisol GH Ricardo Duarte www.hospitalveterinariopompeia.com.br hiperglicemia CAD acidose cetose neoglicogênese glicogenólise + amino ácidos insulina insuficiente suspensão da insulina resistência insulínica deficiência

Leia mais

AUTORIA E COLABORAÇÃO

AUTORIA E COLABORAÇÃO AUTORIA E COLABORAÇÃO Natália Corrêa Vieira de Melo Graduada em Medicina pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Especialista em Clínica Médica pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)

Leia mais

Nefropatia túbulo-intersticial induzida por metais pesados (N14.3) Classificação de Schilling

Nefropatia túbulo-intersticial induzida por metais pesados (N14.3) Classificação de Schilling Síndrome nefrítica aguda (N00.-) Doença glomerular crônica (N03.-) Nefropatia túbulo-intersticial induzida por metais pesados (N14.3) Insuficiência renal aguda (N17.-) Insuficiência renal crônica (N18.-)

Leia mais

Distúrbios Hidro-eletrolíticos

Distúrbios Hidro-eletrolíticos Água Total do Organismo Distúrbios Hidro-eletrolíticos Fisioterapia Intensiva Professora Mariana Pedroso Idade H2O Feto: 90% Peso RN termo : 70% Peso Adultos: 50 a 60% do peso Corporal Mulheres e Obesos

Leia mais

INDICAÇÃO DE VACINAS ESPECIAIS (CRIE)

INDICAÇÃO DE VACINAS ESPECIAIS (CRIE) SUBPAV/SVS COORDENAÇÃO DO PROGRAMA DE IMUNIZAÇÕES INDICAÇÃO DE VACINAS ESPECIAIS (CRIE) VACINA INATIVADA CONTRA POLIOMIELITE (VIP) Crianças imunocomprometidas (com deficiência imunológica congênita ou

Leia mais

PERFIL PANCREÁTICO. Prof. Dr. Fernando Ananias. MONOSSACARÍDEOS Séries das aldoses

PERFIL PANCREÁTICO. Prof. Dr. Fernando Ananias. MONOSSACARÍDEOS Séries das aldoses PERFIL PANCREÁTICO Prof. Dr. Fernando Ananias MONOSSACARÍDEOS Séries das aldoses 1 DISSACARÍDEO COMPOSIÇÃO FONTE Maltose Glicose + Glicose Cereais Sacarose Glicose + Frutose Cana-de-açúcar Lactose Glicose

Leia mais

DIUREMIDA. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Comprimido 40mg

DIUREMIDA. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Comprimido 40mg DIUREMIDA Geolab Indústria Farmacêutica S/A Comprimido 40mg MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento. Diuremida

Leia mais

Anexo 2. Documento elaborado pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, em parceria com:

Anexo 2. Documento elaborado pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, em parceria com: Anexo 2 Recomendação para o tratamento da hipertensão arterial sistêmica Documento elaborado pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, em parceria com: Sociedade Brasileira de Cardiologia - Departamento

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 67

PROVA ESPECÍFICA Cargo 67 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 67 QUESTÃO 26 São contra-indicações absolutas à ventilação não-invasiva, EXCETO: a) Arritmias Cardíacas. b) Hemorragia Digestiva alta. c) Insuficiência Coronariana Aguda. d) Grande

Leia mais