Nanopartículas de insulina para administração oral

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Nanopartículas de insulina para administração oral"

Transcrição

1 Carolina Jacinto Correia Nanopartículas de insulina para administração oral Orientação Professora Doutora Catarina Pinto Reis Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias Escola de Ciências e Tecnologias de Saúde Lisboa 2014

2

3 Carolina Jacinto Correia Nanopartículas de insulina para administração oral Dissertação de Mestrado Integrado em Ciências Farmacêuticas apresentada na Universidade Lusófona de Humanidade e Tecnologias/Escola de Ciências e Tecnologias da Saúde Orientação Professora Doutora Catarina Pinto Reis Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias Escola de Ciências e Tecnologias de Saúde Lisboa 2014

4 Prefiro escorregar nos becos lamacentos, Redemoinhar aos ventos, Como farrapos, arrastar os pés sangrentos, A ir por aí... Se vim ao mundo, foi Só para desflorar florestas virgens, E desenhar meus próprios pés na areia inexplorada! O mais que faço não vale nada. José Régio Cântico Negro

5 Dedicatória A presente dissertação é dedicada aos meus pais que sempre me deram todo o apoio, ao longo dos 5 anos de curso, para o concretizar deste objectivo.

6 Agradecimentos Os principais agradecimentos recaiem sobre os meus pais e os meus avôs que sempre estiveram do meu lado e sem eles tudo seria mais difícil. Agradeço especialmente à Ana pela paciência e por ter estado sempre do meu lado nos momentos mais complicados ao longo deste caminho. A todos os meus amigos que sempre estiveram presentes agradeço por todo o opoio e carinho demonstrado.

7 Resumo Atualmente, a Diabetes Mellitus é uma patologia de elevada prevalência comgraves consequências e a administração subcutânea de insulina para alguns tipos de Diabetesé fundamental para o controlo metabólico dos doentes retardando o desenvolvimento das várias complicações inerentes, como sejam as complicações neurológicas, micro e macrovasculares. Porém, a procura de uma cura efetiva sem a necessidade de insulinoterapia tem desencadeado o desenvolvimento de várias abordagens. A administração de insulina a partir de vias de administração não invasivas como, por exemplo, a oral apresenta inúmeras vantagens. No entanto, a baixa biodisponibilidade dos péptidos condiciona a sua entrada no mercado. Atualmente, a Nanotecnologia desempenha um papel relevante em diversas áreas, nomeadamente, no desenvolvimento de novos sistemas terapêuticos. O presente trabalho engloba uma revisão da Nanotecnologia aplicada à insulina e um desenvolvimento de um método de produção de nanopartículas de insulina, recorrendo a um polímero biodegradável e biocompatível e a um sistema emulsivo, para posterior administração oral. Palavras chave: Diabetes Mellitus, oral, insulina, nanopartículas, emulsão múltipla Universidade Lusofona de Humanidades e Tecnologias-Escola de Ciencias e Tecnologias da Saúde 5

8 Abstract Nowadays, Diabetes Mellitus is a highly prevalent disease which generates negative consequences and subcutaneous administration of insulin in some type of Diabetes is critical for metabolic control in diabetics, delaying the development of inherent complications, such as neurologic, micro and macrovascular. The research for an effective cure, without insulin therapyhas triggered the development of several approaches. The administration of insulin throughnon-invasive routes like oral shows numerous advantages. However, the low oral bioavailability of peptides generally delays its entry into the market. Currently, Nanotechnology plays an important role in several fields including the development of new therapeutic systems. This work includes an overview of Nanotechnology applied to insulin and the development of the production method of insulin nanoparticles using of a biodegradable and biocompatible polymer and a emulsion system for potential oral administration. Keywords: Diabetes Mellitus, oral, insulin, nanoparticles, multiple emulsion Universidade Lusofona de Humanidades e Tecnologias-Escola de Ciencias e Tecnologias da Saúde 6

9 Abreviaturas, siglas, acrónimos e símbolos ACPNanoesferas de carbono anfotéricas ADN Ácido desoxirribonucleico AS-ODNPoli-L-lisina-bromidrato e oligonucleótidos anti-sense ATGGlobulina anti-timócito ATPAdenosina trifosfato BRADAgente de regeneração β para a Diabetes CTTomografia computorizada CTLA4-IgAbatacept CSSulfato de condroitina DPP-4Inibidor da dipeptidil peptidase-4 EEEficiência de encapsulação FDAFood and Drug Administration GSKGlaxoSmithKline GIP Inibidor polipeptídico gástrico GI Gastrointestinal GLP-1Glucagon-like peptide-1 GNPsNanopartículas de ouro GAD65Isoforma 65-kD do ácido glutâmico descarboxilase GRAS Geralmente reconhecido como seguro G-CSFFator de estimulação de colónias granulocitárias Hb A1C Hemoglobina glicosilada HLAAntigénio humano leucocitário HMPC (Hidroxipropil) metilcelulose HPLCCromatografia líquida de alta eficiência ICH Conferência Internacional de Harmonização IDFFederação Internacional da Diabetes IRS-1Substrato 1 do receptor da insulina IFIH1Helicase interferão induzida MMMassa molecular MRSAStaphylococcus aureus resistente à meticilina Universidade Lusofona de Humanidades e Tecnologias-Escola de Ciencias e Tecnologias da Saúde 7

10 MDIInalador de dose medida NODDiabéticosnão obesos OHGrupo hidroxilo OKT3Muromonab CD3 PEGPolietilenoglicol PDCPAPolimetacrilato dimetilaminoetilo tiolado PAAÁcido poliacrílico PAHHidrocloreto de poli (alilamina) PDIInalador de pó seco PDI Índice de polidispersividade PLGAÁcido poli (láctico-co-glicólico) PLAÁcido poli (láctico) PCLPolicaprolactona piponto isoeléctrico PPEsPromotores da permeabilidade paracelular SRESistema retículo-endotelial SEMMicroscopia electrónica de varrimento SiNPNanopartículas de sílica SLNNanopartículas sólidas lipídicas SGLT-2Tranportador 2 da glicose dependente do sódio TNFαFator de necrose tumoral Universidade Lusofona de Humanidades e Tecnologias-Escola de Ciencias e Tecnologias da Saúde 8

11 Índice Resumo... 5 Abstract... 6 Abreviaturas Índice de figuras Índice de tabelas Índice de equações Introdução Capítulo I. Insulina 1 Insulina como um marco na história Origem e estrutura química Controlo da secreção Propriedades farmacológicas Mecanismo de ação Efeitos adversos Estratégias para a independência de insulina exógena Imunosupressores Antigénios específicos Anti-inflamatórios Terapia celular Hormonas Terapia regenerativa Transplantes Desenvolvimentos futuros...27 Capítulo II. Diabetes Mellitus 2 Diabetes Mellitus como uma patologia prevalente Classificação clínica Diagnóstico e tratamento Universidade Lusofona de Humanidades e Tecnologias-Escola de Ciencias e Tecnologias da Saúde 9

12 2.2.1.Tipos de Insulina Incretinas Antidiabéticos Orais Sinais e Sintomas Complicações Capítulo III. Nanotecnologia 3 Nanotecnologia como abordagem revolucionaria Nanopartículas para administração de insulina Alternativas à administração subcûtanea Administração bucal Admistração nasal Administração pulmonar Administração transdérmica Administração oral Capítulo IV. Projecto 4 Contextualização do projeto de investigação: Nanotecnologia Polímero Método de produção Aspetos toxicológicos Resultados Prespetivas futuras...55 Conclusão Bibliografia Universidade Lusofona de Humanidades e Tecnologias-Escola de Ciencias e Tecnologias da Saúde 10

13 Índice de figuras Figura 1. Biossíntese da insulina...17 Figura 2. Mecanismo homeostático da glicose Insulina e glucagon...18 Figura 3. Secreção de insulina mediante estimulação...19 Figura 4. Mecanismo de ação da insulina...20 Figura 5. Aumento em 55% da incidência da Diabetes a nível mundial, de 2013 a Figura 6. Desenvolvimento de uma úlcera diabética em 10 dias...35 Figura 7. Hidrólise do PLGA...49 Figura 8. Etapas do sistema múltiplo emulsivo (A/O/A)...51 Figura 9. Microfotografia em microscopia electrónica de varrimento da formulação D mostrando um grande número de nanopartículas esféricas. Escala = 100µm 53 Figura 10. Cromatograma representativo da insulina (tempo de retenção a 16,34 min)...54 Universidade Lusofona de Humanidades e Tecnologias-Escola de Ciencias e Tecnologias da Saúde 11

14 Índice de tabelas Tabela I. Testes de diagnóstico e escala de valores para a determinação da Diabetes Mellitus...31 Tabela II. Tipos de insulina, a duração de ação e o regime posológico recorrente...32 Tabela III. Várias classes de anti-diabéticos e principais diferenças 34 Tabela IV. Tipos de sistemas, granulometria, estudos modelo e aspetos relevantes de estudos com nanopartículas de insulina...40 Tabela V. Sistemas orais, métodos, granulometria e aspetos relevantes de estudos com nanopartículas de insulina...46 Tabela VI. Métodos, tipo de fármacos encapsulados e granulometria de estudos que recorreram à utilização de nanopartículas de PLGA...49 Tabela VII. Variação dos parâmetros em estudos nos vários lotes produzidos...50 Tabela VIII. Granulometria, índice de polidispersividade e EE dos diferentes lotes...53 Universidade Lusofona de Humanidades e Tecnologias-Escola de Ciencias e Tecnologias da Saúde 12

15 Índice de equações Equação I. Determinação da eficiência de encapsulação (EE)...47 Equação II. Forças de deformação: p é a pressão exercida, y a tensão interfacial entre fases distintas e r o raio da gotícula...51 Universidade Lusofona de Humanidades e Tecnologias-Escola de Ciencias e Tecnologias da Saúde 13

16 Introdução A Diabetes Mellitus é uma patologia, de elevada prevalência mundial, que se caracteriza por desequilíbrios a nível metabólico. Atualmente, existem quatro formas distintasde manifestação da Diabetes que se expressam consoante os marcadores imunológicos, os sinais e os sintomas característicos de cada tipo.ainda que sejam utilizadosantidiabéticos orais, a administração subcûtanea de insulina representa em muitos casos a melhor alternativa terapêutica para o controlo e minimização do impacto desta patologia na vida de muitos diabéticos. Apesar da existência de diversos tipos de insulina no mercado, a procura de uma cura efetiva sem a necessidade de insulino terapia desencadeou o desenvolvimento de várias abordagens que tem sido testadas ao longo do tempo. Assim, promover o desenvolvimento de células β, contrariar os mecanismos imunológicos de destruição celular, aumentar a sensibilidade á atuação desta hormona, manipular células estaminais, desenvolver um bio pâncreas totalmente funcional ou mesmo controlar os níveis de resposta pancreática, tem sido alguns dos pressupostos inerentes á diminuição das necessidades de insulina exógena. Embora a via parentérica seja a única forma de administração global, são várias as condionantesexistentes. A via oral surge assim como uma alternativa vantajosa, no entanto, o baixo tempo de semi vida em circulação sistémica e a baixa biodisponibilidade das proteínas dificultam a sua introdução no mercado como uma alternativa viável. Deste modo, com o objectivo de aumentar a biodisponibilidade oral têm sido desenhados vários sistemas como os lipossomas, os dendrímeros, as micropartículas, os nanotubos de carbono e particularmente as nanopartículas poliméricas que associado á sua granulometria na escala sub-celular são sistemas biocompatíveis. A nanomedicina representa assim uma solução para o desenvolvimento futuro deste tipo de sistemas. Atualmente, existem no mercado, não só diversos sistemas terapêuticos na escala nanométrica, como inovações transversais a diversas áreas tais como do diagnóstico, da imagiologia, da cosmética, nos dispositivos implantáveis entre outras. Universidade Lusofona de Humanidades e Tecnologias-Escola de Ciencias e Tecnologias da Saúde 14

17 Na presente monografia encontra-se descrito o desenvolvimento inicial de um projeto na área da nanotecnologia que envolve a produção de nanopartículas poliméricas de insulina para administração oral. Deste modo, a produção das nanopartículas a partir de um sistema múltiplo emulsivo do tipo A/O/A foi a abordagem escolhida tendo o PLGA 1 sido o polímero de eleição. Globalmente foi analisado o efeito na alteração de diferentes parâmetros e os vários lotes produzidos foram avaliados em três aspectos essenciais, granulometria, morfologia e eficiência de encapsulação. Assim, o estudo granulométrico foi efetuado por espectroscopia de correlação fotónica tendo sido avaliados o tamanho médio das partículas e o índice de polidispersividade, a morfologia foi analisada por SEM 2 e a eficiência de encapsulação determinada por HPLC 3. A formulação D obteve assim os melhores resultados, com um tamanho médio de 396nm e um PDI 4 de 0,19 foi verificada a presença de nanopartículas esféricas e monodispersas sem a presença de aglomerados sendo a eficiência de encapsulação na ordem dos 65%. 1 Ácido poli (láctico-co-glicólico) 2 Microscopia electrónica de varrimento 3 Cromatografia líquida de alta eficiência 4 Índice de polidispersividade Universidade Lusofona de Humanidades e Tecnologias-Escola de Ciencias e Tecnologias da Saúde 15

18 1 Insulina como um marco na história Decorria o ano de 1869 quando Langerhans, um jovem médico alemão descreve o pâncreas como contendo dois tipos de células, umas que produziam o fluido pancreático e outras como sendo um mistério. Vinteanos passaram até que Minkowski e Von Mering ao realizarem uma pancreatomia a um cão perceberam como a Diabetes se desenvolvia estudando as consequências de tal intervenção. Mais tarde, o termo insulina foi finalmente proposto por Meyer, mas foi apenas em 1921 que Banting e Best verdadeiramente a identificaram ao fazerem a sua extracção a partir dos ductos pancreáticos de um cão [1]. A utilização terapêutica da insulina foi pois um marco revolucionário na história da medicina tendo sido considerado um sucesso o primeiro tratamento com esta hormona num jovem de 14 anos internado num hospital em Toronto, Canadá em 1922 [1]. Durante os anos 30,a insulina foi tecnologicamente modificadatendo sido lançada no mercado com a adição de protamina de zinco, conferindo-lhe uma maior flexibilidade e longa duração. Mas, foi só mais tarde que a primeira insulina biosintética humana foi lançada, uma vez que até então eram apenas utilizados análogos de origem bovina e suína. Os avanços sustentados pela genética sucederamse, principalmente, pela necessidade de se diminuírem os riscos de reações adversas e pela procura de um maior controlo ao nível da duração da sua ação. Em 1996, a primeira insulina lispro produzida a partir de DNA recombinante foiaprovada pela FDA tendo sido lançada com o nome de Humalog [2]. Atualmente, as insulinas de origem humana e as insulinas recombinantes substituíram as de origem animal no controlo da Diabetes Mellituse a sua via de administração continua a ser exclusivamente parentérica. 1.1) Origem e estrutura química A insulina é um polipeptídeo secretado sob a forma de pré pro hormona pelas células β que constituem os ilhéus pancreáticos de Langerhans. Após a sua síntese, esta é rapidamente transportada até ao retículo endoplasmático,onde pela ação de enzimas proteolíticas sofre um processo de clivagemoriginando, assim, a pró-insulina [3]. Como descrito na Figura 1, estruturalmente, a insulina é composta por duas cadeias Universidade Lusofona de Humanidades e Tecnologias-Escola de Ciencias e Tecnologias da Saúde 16

19 ligadas por pontes dissulfureto, a A com 21 aminoácidos e a B com 30 aminoácidos, que resultam da clivagem da pró-insulina pela perda do polipéptido C ao nível das micro vesículas do aparelho de Golgi. Figura 1. Biossíntese da insulina (Retirado Joshi, 2007). A baixas concentrações, a molécula insulina encontra-se como um monómero, mas à medida que as concentrações aumentam, ocorre um processo de agregação em que se formam dímeros e hexâmeros [4]. Entre vários factores, omeio onde se encontra a proteína vai condicionar os diversos estados moleculares, uma vez que o ph, a concentração de sais e até determinados iões podem originar diversos equilíbrios [4]. Paralelamente, a insulina é uma molécula anfotérica cuja carga é determinada pelo ph do meio. O seu ponto isoelectrico (pi) varia entre os 5,3 e os 5,4 e a sua massa molecular (MM) é, aproximadamente, de 6 KDa [5]. Universidade Lusofona de Humanidades e Tecnologias-Escola de Ciencias e Tecnologias da Saúde 17

20 1.2) Controlo da secreção Como resposta a vários estímulos, a insulina é secretada (Figura 2). Embora certas substâncias promovam um aumento da secreção,nomeadamente,determinadas proteínas(arginina, lisina, leucina e alanina), os cetoácidos,os estrogéneos, a acetilcolina, a colecistocinina, o glucagon, as sulfonilureias entre outras,são os níveis plasmáticosde glicose que assumemo papel de maior preponderância nesta autoregulação através de um mecanismo de feedback negativo. Figura 2. Mecanismo homeostático da glicose Insulina e glucagon. Inicialmente, o processo desenrola-se com a entrada de glicose nas células β através de receptores membranares (Figura 3).Após a sua entrada, esta é oxidada atuando como um sensor de glicose.sabe-se que níveis plasmáticos inferiores a 90mg/dL não induzem a secreção desta hormona[5]. Ao haver um aumento da disponibilidade de ATP, os canais de potássio encerram ocorrendo um influxo de cálcio que permite a exocitose das microvesículas que contêm esta hormona [3]. Assim, a insulina é difundida para a corrente sanguínea, atuando primeiramente ao nível do tecido hepático, onde exerce um papelcrucial na regulação metabólica. Universidade Lusofona de Humanidades e Tecnologias-Escola de Ciencias e Tecnologias da Saúde 18

21 Figura 3. Secreção de insulina mediante estimulação (Retirado de Alila Medical Images). 1.3) Propriedades farmacológicas Perturbações ao nível da secreção de insulina e no seu mecanismo de ação levam ao aparecimento da Diabetes Mellitus, uma patologia crónica caracterizada por episódios de cetoacidose e níveis elevados de glicose plasmática [6]. Deste modo, a insulinoterapia adquire um papel fundamental em muitos casos, procurando minimizar o impacto nefasto das consequências exercidas a nível metabólico que condicionam o funcionamento de todos os processos biológicos, principalmente, a nível microvascular. Consoante as necessidades terapêuticas individuais, a escolha do tratamento envolve de uma forma geral, as insulinas de acção rápida, curta, intermédia ou lenta/longa permitindo uma maior flexibilidade e uma diminuição no número de doses administradas. No entanto, a via de administração parentérica que recorre àutilização diária de injeções subcutâneas de insulina têm várias condicionantes pelo que existe uma grande procura de novas soluções ao nível da indústria farmacêutica. Universidade Lusofona de Humanidades e Tecnologias-Escola de Ciencias e Tecnologias da Saúde 19

22 1.4) Mecanismo de ação O receptor da insulina é uma cinase das tirosinas, ou seja, tem a capacidade de transferir grupos fosfato do ATP em resíduos de tirosina a nível intracelular das células alvo. É constituído por duas subunidadesα no domínio extracelular e duas subunidades β que constituem o domínio transmembranar [7]. Assim, conforme descrito na Figura4, para que o processo se desenrole forma-se inicialmente um complexo hormona/receptor ao nível da membrana plasmática,induzindo um conjunto de autofosforilações de vários substratos, sendo o mais conhecido o receptor da insulina-1 (IRS-1), com a ativação consequente de várias proteínas intracelulares que alteram a sua atividade gerando uma resposta biológica. Os receptores GLUT que se encontram em constante turnover são os transportadores específicos responsáveis pela entrada de glicose nas células e a sua formação está dependente dos níveis plasmáticos de insulina [7]. Figura 4. Mecanismo de ação da insulina (Retirado de Haller, 2005). Na maioria dos tecidos, a entrada da glicose é dependente da ligaçãoda insulina ao receptor, no entanto, a nível neuronal e hepático o processo é independente [7]. Universidade Lusofona de Humanidades e Tecnologias-Escola de Ciencias e Tecnologias da Saúde 20

23 Para além de facilitar a entrada de glicose a nível celular, a insulina desempenha um papel muito importante na regulação do metabolismo dos hidratos de carbonoe dos lípidos [7]. A nível hepático ocorre uma estimulação para o armazenamento de glicose sob a forma de glicogénio, havendo simultaneamente uma inibição da atividade da glicose-6-fosfatase, a enzima responsável pela difusão da glicose na corrente sanguínea. Quando os níveis de glicogénio no fígado são elevados, ocorre um aumento de síntese de ácidos gordos que são transformados em lipoproteínas que intervêm posteriormente na produção de triglicerídeos ao nível dos adipócitos. A insulina ao inibir a ação das lipases promove, igualmente,uma acumulação de ácidos gordos nestes tecidos. Quando os níveis de glicose plasmática diminuem, a secreção de insulina diminui, pelo que ocorre a reversão dos efeitos acima referidos, intervindo hormonas de contra-regulação como,por exemplo,o glucagon, o cortisol e a epinefrina. Por outro lado, a somatostatina produzida essencialmente ao nível do hipotálamo inibe a secreção de insulina e de glucagon a nível pancreático. 1.5) Efeitos adversos Hipoglicémia Apenas20% da quantidade inicial da insulina administrada pela via subcutânea atinge o fígado, sendo este valor independentemente da concentração de glicose plasmática [8]. Consequentemente, um dos problemas gerados pelas baixas concentrações de insulinano tecido hepático são os picos de hipoglicémia que podem levar ao coma ou até mesmo àmorte. Lipodistrofias Injecções repetidas no mesmo local podem levar ao aparecimento de lipodistrofias,gerando a perda de tecido adiposo e, consequentemente,alteraçõesna taxa de absorção local de insulina. Reacções anafiláticas Embora não frequentes podem ocorrer em indivíduos que retomam a utilização de insulinoterapia. Nestes casos, a insulina funciona como um antigénio. Ao ser Universidade Lusofona de Humanidades e Tecnologias-Escola de Ciencias e Tecnologias da Saúde 21

24 reconhecido pelo sistema imunitário como um corpo estranho há a indução da produção de anticorpos anti-insulina [8]. Ganho de peso Inicialmente, o corpo tende a adaptar-se a correções ao nível dos processos catabólicos [4]. Alergias locais Atualmente com o elevado grau de pureza das insulinas produzidas por recombinação genética não é comum acontecerem reacções de hipersensibilidade.no entanto, a administração de suspensões de insulina aumenta a frequência dos casos [8]. Adesão àterapêutica O desconforto psicológico associado à administração deinjeções diárias para um controlo eficaz dos níveis glicémicos pode condicionar a terapêutica, e deste modo, levar ao aparecimento de complicações a curto prazo. 1.6) Estratégias para a independênciada insulina exógena Um tratamento sem insulinoterapia seria de facto um avanço considerável no tratamento da Diabetes Mellitus, e muitos passos têm sido dados nessa direção sustentados por um maior conhecimento ao nível das vias metabólicas e das estruturas biomoleculares. Deste modo, a possibilidade de reversãodos danos ao nível das células β, administração de outras hormonas reguladoras,a possibilidade de transplantes celulares viáveis, ou através do desenvolvimento de um pâncreas artificial totalmente funcional e biocompatível são hipóteses cada vez mais plausíveis, e que visam encontrar uma cura efetiva. No entanto, contornar os processos imunológicos biológicos, a variabilidade intra- e interindividual e evitar a toxicidade dos vários sistemas terapêuticos, constituem os principais obstáculosao desenvolvimento destas abordagens. Universidade Lusofona de Humanidades e Tecnologias-Escola de Ciencias e Tecnologias da Saúde 22

25 1.6.1) Imunossupressores O primeiro grande ensaio clínico de imunossupressão para o tratamento da Diabetes Mellitus tipo I foi realizado nos anos 80 envolvendo a utilização de ciclosporina A[9]. Apesar dos tratamentos a longo prazo terem restaurado a normoglicémia através da preservação de células β, o que levou a uma redução na necessidade de insulinoterapia, a intensa toxicidade renal associada desencadeou um abandono precoce do ensaio [10, 11]. Mais tarde, decorria o ano de 1985 quando Eisenbarth e a sua equipa reportaram os efeitos verificados com a administração de ATG (globulina anti-timocítica). De facto, as necessidades de insulina exógena diminuíram devido ao atraso na destruição das células β, mas os elevados níveis de trombocitopenia condicionaram o estudo [12]. Recentemente com o desenvolvimento de anticorpos monoclonais surgiu uma nova abordagem promissora sendo que a sua elevada especificidade para o alvo e o baixo risco inerente são pontoscentrais na sua intervenção terapêutica. A utilização do anticorpo OKT3 com acção anti-cd3, um tipo de receptor expresso na superfície das células T, permitiu a remissão completa da Diabetes Mellitus tipo I.No entanto, em alguns casos ocorreu uma super estimulação das células T pelo que a sua utilização revelou ser inadequada[13]. Paralelamente, Pescovitiz e a sua equipa demonstraram um aumento da capacidade funcional das células β através da utilização do rituximab, um anticorpo anti-cd20 com ação ao nível das células β.no entanto, não se evidenciaram alterações na necessidade de insulinoterapia e nos níveis de péptido C [14] quando concluída a fase II dos ensaios clínicos. Recentemente, foram testados os efeitos do abatacept (CTLA4-Ig) na progressão da Diabetes Mellitus tipo I. O seu mecanismo de ação envolve a inibição de uma via metabólica de ativação das células T podendo assim proteger as células remanescentes de um ataque auto-imune[15, 16]. Muitas questões se levantam relativamente aos períodos de maior eficácia aquando a administração de agentes imunossupressores, uma vez que a resposta imunológica é condicionada por diferenças horárias e pelos diferentes ciclos biológicos. Universidade Lusofona de Humanidades e Tecnologias-Escola de Ciencias e Tecnologias da Saúde 23

26 1.6.2) Antigénios específicos Os auto-antigénios intervenientes na resposta imunológica podem ser utilizados para eliminar padrões de auto-reatividade das células T, ativar e expandir tregs nos tecidos alvo, atuando como reguladores da atividade imunológica. Através de modelos genéticos confirmou-se que a insulina e a pró-insulina atuavam como iniciadores do processo de auto-imunidade responsável pela destruição das células β [17-20]. Num estudo efetuado em ratos diabéticos não obesos (NOD), ao ser induzida uma mutação num aminoácido que codifica para o péptido B:9-23 da insulina, removeu-se um epítopo reconhecido pelo CD4 das células T, prevenindo-se assim qualquer tipo de Diabetes [21, 22]. Num estudo paralelo foi administrada insulina humana de cadeia B concomitantemente com uma injeção de DNA plasmídeo contendo pró-insulina. Os resultados demonstraram uma extensa indução, especificamente auto antigénica, da atividade regulatória das células T [23]. Vários estudos têm demonstrado a importância do ácido glutâmico descarboxilase (GAD65) na prevenção da destruição das células β evidenciando uma redução no declínio do péptido C [24, 25]. Atualmente, decorre um ensaio clínico relativo à capacidade sinérgica de associação entre o Diamyd (GAD65), vitamina D e o ibuprofeno na preservação da capacidade secretória das células β e o impacto do seu perfil de segurança nos processos biológicos [26] ) Anti-inflamatórios Maioritariamente as doenças crónicas tais como as metabólicas têm um padrão de inflamação associado que contribui para o agravamento das consequências fisiopatológicas. Assim, várias estratégias recorrendo a agentes anti-inflamatóriostêm sido desenvolvidas e testadas. Recentemente, a administração de etanercept originou uma redução na perda do péptido C através de um bloqueio do factor de necrose tumoral alfa (TNFα)[27,28]. Os dados sugerem o fator idade como crucial. De fato, a Diabetes do tipo I foi revertidaem ratos NOD mais jovens. No entanto, em indivíduos mais velhos o processo foi acelerado [29]. Universidade Lusofona de Humanidades e Tecnologias-Escola de Ciencias e Tecnologias da Saúde 24

27 A utilização de antagonistas dos receptores IL-1βtem sido descrita como benéfica em indivíduos que apresentem ambas as formas patológicas da doença. Em ensaios clínicos envolvendo indivíduos diabéticos do tipo II, a administração de anakinra possibilitou um melhor controlo do perfil glicémico, diminuiu o padrão inflamatório, aumentou a sensibilidade celular à ação da insulina e induziu um aumento na produção de pró-insulina [30]. Outras terapias utilizadas no tratamento da Diabetes Mellitus tipo 1 incluem o Gleevec, um inibidor da tirosina cinase, atualmente no mercado como antineoplásico usado no tratamento de leucemias [31] e a proteína α-1 anti-tripsina, inibidora da atividade da serina protease. O efeito protetor desta proteína nos ilhéus pancreáticostem sido demonstrado em ensaios in vitro e in vivo[32]. De uma forma geral, impedem os efeitos apoptóticos celulares ao reduzirem a atividade das caspases 3, retardando assim a progressão da doença ) Terapia celular Em 2007, Voltarelli e a sua equipa foram os primeiros a reportar resultados que indicavam um quadro de insulino independência por um período médio de 16 meses, envolvendo um transplante de células estaminais do tecido hematopoético com a administração simultânea de ciclofosfamida, fator de estimulação de colónias granulocitárias (G-CSF) e ATG [33, 34]. Sendo este tipo de abordagem relativamente agressiva do ponto de vista toxicológico, muitas questões se levantaram relativamente ao custo/benefício. A utilização de células dendríticas é atualmente uma realidade clínica devido à capacidade de obtenção de uma resposta tolerogénica [35-38].Estas células para além e induzirem anergia por contacto celular direto ou através das citocinas promovem uma estimulação na produção de tregs e uma diminuição das células T auto-reativas prevenindo a diabetes em ratos NOD. O principal ponto de foco após um ensaio clínico de fase I coma administração de injeções de poli-l-lisina-bromidrato e oligonucleótidos anti-sense(as-odn) tratadas com células dendríticas foi a total ausência de efeitos adversos [39, 40]. Universidade Lusofona de Humanidades e Tecnologias-Escola de Ciencias e Tecnologias da Saúde 25

Disciplina de BIOQUÍMICA do Ciclo Básico de MEDICINA Universidade dos Açores. 1º Ano ENSINO PRÁTICO DIABETES MELLITUS

Disciplina de BIOQUÍMICA do Ciclo Básico de MEDICINA Universidade dos Açores. 1º Ano ENSINO PRÁTICO DIABETES MELLITUS Disciplina de BIOQUÍMICA do Ciclo Básico de MEDICINA Universidade dos Açores 1º Ano ENSINO PRÁTICO DIABETES MELLITUS Diabetes Mellitus É a doença endócrina mais comum encontrada na clínica; - Caracterizada

Leia mais

Diabetes INVESTIGAÇÕES BIOQUÍMICAS ESPECIALIZADAS

Diabetes INVESTIGAÇÕES BIOQUÍMICAS ESPECIALIZADAS DIABETES Diabetes INVESTIGAÇÕES BIOQUÍMICAS ESPECIALIZADAS Homeostasia da glucose ACÇÃO DA INSULINA PÂNCREAS Gluconeogénese Glicogenólise Lipólise Cetogénese Proteólise INSULINA GO GO GO GO GO Absorção

Leia mais

Hormonas e mensageiros secundários

Hormonas e mensageiros secundários Hormonas e mensageiros secundários Interrelação entre os tecidos Comunicação entre os principais tecidos Fígado tecido adiposo hormonas sistema nervoso substratos em circulação músculo cérebro 1 Um exemplo

Leia mais

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES 5.5.2009 Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES Introdução Diabetes Mellitus é uma doença metabólica, causada pelo aumento da quantidade de glicose sanguínea A glicose é a principal fonte de energia

Leia mais

Tratamento de diabetes: insulina e anti-diabéticos. Profa. Dra. Fernanda Datti

Tratamento de diabetes: insulina e anti-diabéticos. Profa. Dra. Fernanda Datti Tratamento de diabetes: insulina e anti-diabéticos Profa. Dra. Fernanda Datti Pâncreas Ilhotas de Langerhans células beta insulina células alfa glucagon células gama somatostatina regulação das atividades

Leia mais

Aula 10: Diabetes Mellitus (DM)

Aula 10: Diabetes Mellitus (DM) Aula 10: Diabetes Mellitus (DM) Diabetes Mellitus (DM) Doença provocada pela deficiência de produção e/ou de ação da insulina, que leva a sintomas agudos e a complicações crônicas características; Insulina:

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel DIABETES MELLITUS Diabetes mellitus Definição Aumento dos níveis de glicose no sangue, e diminuição da capacidade corpórea em responder à insulina e ou uma diminuição ou ausência de insulina produzida

Leia mais

Células A (25%) Glucagon Células B (60%) Insulina Células D (10%) Somatostatina Células F ou PP (5%) Polipeptídeo Pancreático 1-2 milhões de ilhotas

Células A (25%) Glucagon Células B (60%) Insulina Células D (10%) Somatostatina Células F ou PP (5%) Polipeptídeo Pancreático 1-2 milhões de ilhotas Instituto Biomédico Departamento de Fisiologia e Farmacologia Disciplina: Fisiologia II Curso: Medicina Veterinária Pâncreas Endócrino Prof. Guilherme Soares Ilhotas Células A (25%) Glucagon Células B

Leia mais

VI - Diabetes hiperglicémia

VI - Diabetes hiperglicémia VI - Diabetes A Diabetes mellitus é uma doença caracterizada por deficiência na produção da insulina, aumento da sua destruição ou ineficiência na sua acção. Tem como consequência principal a perda de

Leia mais

24 de Outubro 5ª feira insulinoterapia Curso Prático Televoter

24 de Outubro 5ª feira insulinoterapia Curso Prático Televoter 2013 Norte 24 de Outubro 5ª feira insulinoterapia Curso Prático Televoter António Pedro Machado Simões-Pereira Descoberta da insulina Insulina protamina Insulina lenta Lispro - análogo de acção curta Glulisina

Leia mais

Que tipos de Diabetes existem?

Que tipos de Diabetes existem? Que tipos de Diabetes existem? -Diabetes Tipo 1 -também conhecida como Diabetes Insulinodependente -Diabetes Tipo 2 - Diabetes Gestacional -Outros tipos de Diabetes Organismo Saudável As células utilizam

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA /2014

RESPOSTA RÁPIDA /2014 RESPOSTA RÁPIDA /2014 SOLICITANTE Curvelo - Juizado Especial NÚMERO DO PROCESSO DATA 3/3/2014 SOLICITAÇÃO 0209 14001499-1 Solicito de Vossa Senhoria que, no prazo de 48 horas, informe a este juízo,acerca

Leia mais

TRATAMENTO MEDICAMENTOSO DO DIABETES MELLITUS: SULFONILUREIAS E BIGUANIDAS

TRATAMENTO MEDICAMENTOSO DO DIABETES MELLITUS: SULFONILUREIAS E BIGUANIDAS UNIVERSIDADE DE UBERABA LIGA DE DIABETES 2013 TRATAMENTO MEDICAMENTOSO DO DIABETES MELLITUS: SULFONILUREIAS E BIGUANIDAS PALESTRANTES:FERNANDA FERREIRA AMUY LUCIANA SOUZA LIMA 2013/2 CRITÉRIOS PARA ESCOLHA

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS TÍTULO: DIABETES MELLITUS TIPO II E O ANTIDIABÉTICO METFORMINA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS

Leia mais

A PESSOA COM DIABETES

A PESSOA COM DIABETES A PESSOA COM DIABETES A diabetes mellitus é uma doença crónica com elevados custos humanos, sociais e económicos, em rápida expansão por todo o mundo. Calcula-se que Portugal terá, na segunda década deste

Leia mais

Os portadores de diabetes representam 30% dos pacientes que se internam em unidades coronarianas.

Os portadores de diabetes representam 30% dos pacientes que se internam em unidades coronarianas. A Diabetes é a sexta causa mais frequente de internação hospitalar e contribui de forma significativa (30% a 50%) para outras causas como cardiopatias isquêmicas, insuficiência cardíacas, AVC e hipertensão.

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS DIABETES MELLITUS Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS Segundo a Organização Mundial da Saúde, existem atualmente cerca de 171 milhões de indivíduos diabéticos no mundo.

Leia mais

Insulinização. http://www.imepen.com/niepen. Niepen Programa de Educação Continuada Educação Continuada para APS. Dra Carla Lanna Dra Christiane Leite

Insulinização. http://www.imepen.com/niepen. Niepen Programa de Educação Continuada Educação Continuada para APS. Dra Carla Lanna Dra Christiane Leite Insulinização http://www.imepen.com/niepen Niepen Programa de Educação Continuada Educação Continuada para APS Dra Carla Lanna Dra Christiane Leite CONTROLE GLICÊMICO NO BRASIL: Mendes AB, et al. Acta

Leia mais

Profa. Fernanda Oliveira Magalhães

Profa. Fernanda Oliveira Magalhães Profa. Fernanda Oliveira Magalhães Conceito Importância - Prevalência Classificação Diagnóstico Tratamento Não farmacológico Farmacológico Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes, 2011 www.diabetes.org.br

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Dra. Luciana N Cosenso Martin Disciplina de Clínica Médica FAMERP

DIABETES MELLITUS. Dra. Luciana N Cosenso Martin Disciplina de Clínica Médica FAMERP DIABETES MELLITUS Dra. Luciana N Cosenso Martin Disciplina de Clínica Médica FAMERP DIABETES MELLITUS DEFINIÇÃO Síndrome de etiologia múltipla decorrente da falta de ação de insulina e/ou da incapacidade

Leia mais

PERFIL PANCREÁTICO. Prof. Dr. Fernando Ananias. MONOSSACARÍDEOS Séries das aldoses

PERFIL PANCREÁTICO. Prof. Dr. Fernando Ananias. MONOSSACARÍDEOS Séries das aldoses PERFIL PANCREÁTICO Prof. Dr. Fernando Ananias MONOSSACARÍDEOS Séries das aldoses 1 DISSACARÍDEO COMPOSIÇÃO FONTE Maltose Glicose + Glicose Cereais Sacarose Glicose + Frutose Cana-de-açúcar Lactose Glicose

Leia mais

Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães

Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães Cecilia Sartori Zarif Residente em Clínica e Cirurgia de Pequenos Animais da UFV Distúrbio do Pâncreas Endócrino Diabete Melito

Leia mais

Incretinomiméticos e inibidores de DPP-IV

Incretinomiméticos e inibidores de DPP-IV Bruno de Oliveira Sawan Rodrigo Ribeiro Incretinomiméticos e inibidores de DPP-IV Liga de Diabetes - UNIUBE GLP-1 GLP-1 é normalmente produzido pelas células neuroendócrinas L da mucosa intestinal Sua

Leia mais

NÚMERO: 002/2011 DATA: 14/01/2011 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTO:

NÚMERO: 002/2011 DATA: 14/01/2011 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTO: NÚMERO: 002/2011 DATA: 14/01/2011 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTO: Diagnóstico e Classificação da Diabetes Mellitus Diabetes ; Diagnóstico Médicos e Enfermeiros do Serviço Nacional de Saúde Departamento

Leia mais

N o 36. Abril 2015. Insulina com duração de até 42 horas: nova opção para os insulinodependentes

N o 36. Abril 2015. Insulina com duração de até 42 horas: nova opção para os insulinodependentes N o 36 Abril 2015 Centro de Farmacovigilância da UNIFAL-MG Site: www2.unifal-mg.edu.br/cefal Email: cefal@unifal-mg.edu.br Tel: (35) 3299-1273 Equipe editorial: prof. Dr. Ricardo Rascado; profa. Drª. Luciene

Leia mais

Cadernos de. Informação. Científica. Ano 7 nº 11 2012. Diabetes Mellitus

Cadernos de. Informação. Científica. Ano 7 nº 11 2012. Diabetes Mellitus Cadernos de Informação Científica Ano 7 nº 11 2012 Diabetes Mellitus C a d e r n o s d e I n f o r m a ç ã o C i e n t í f i c a introdução O diabetes mellitus é um problema de importância crescente em

Leia mais

M E T B O L I S M O CATABOLISMO ANABOLISMO

M E T B O L I S M O CATABOLISMO ANABOLISMO METABOLISMO É o conjunto das reações químicas que ocorrem num organismo vivo com o fim de promover a satisfação de necessidades estruturais e energéticas. ...metabolismo Do ponto de vista físico-químico,

Leia mais

Visão geral dos antidiabéticos orais tradicionais: secretagogos, inibidores da alfa-glicosidase e sensibilizadores de insulina

Visão geral dos antidiabéticos orais tradicionais: secretagogos, inibidores da alfa-glicosidase e sensibilizadores de insulina Visão geral dos antidiabéticos orais tradicionais: secretagogos, inibidores da alfa-glicosidase e sensibilizadores de insulina INTRODUÇÃO O controle da hiperglicemia em longo prazo é essencial para a manutenção

Leia mais

Tipos de Diabetes. Diabetes Gestacional

Tipos de Diabetes. Diabetes Gestacional Tipos de Diabetes Diabetes Gestacional Na gravidez, duas situações envolvendo o diabetes podem acontecer: a mulher que já tinha diabetes e engravida e o diabetes gestacional. O diabetes gestacional é a

Leia mais

Diabetes Mellitus em animais de companhia. Natália Leonel Ferreira 2º ano Medicina Veterinária

Diabetes Mellitus em animais de companhia. Natália Leonel Ferreira 2º ano Medicina Veterinária Diabetes Mellitus em animais de companhia Natália Leonel Ferreira 2º ano Medicina Veterinária O que é Diabetes Mellitus? É uma doença em que o metabolismo da glicose fica prejudicado pela falta ou má absorção

Leia mais

47 Por que preciso de insulina?

47 Por que preciso de insulina? A U A UL LA Por que preciso de insulina? A Medicina e a Biologia conseguiram decifrar muitos dos processos químicos dos seres vivos. As descobertas que se referem ao corpo humano chamam mais a atenção

Leia mais

HUMALOG KWIKPEN insulina lispro (derivada de ADN* recombinante)

HUMALOG KWIKPEN insulina lispro (derivada de ADN* recombinante) 1 CDS12JUL06 HUMALOG KWIKPEN insulina lispro (derivada de ADN* recombinante) FORMAS FARMACÊUTICAS, APRESENTAÇÕES E COMPOSIÇÃO HUMALOG KWIKPEN é uma solução aquosa clara, incolor, para administração subcutânea

Leia mais

Diabetes Mellitus Tipo 1

Diabetes Mellitus Tipo 1 Diabetes Mellitus Tipo 1 Doença decorrente do mal funcionamento das células β do pâncreas, que são produtoras do hormônio insulina. Este tem a função de colocar a glicose sanguínea dentro das células.

Leia mais

Diabetes Tipo 1 e Cirurgia em Idade Pediátrica

Diabetes Tipo 1 e Cirurgia em Idade Pediátrica Diabetes Tipo 1 e Cirurgia em Idade Pediátrica Protocolo de atuação Importância do tema Cirurgia / pós-operatório -- risco de descompensação DM1: Hiperglicemia Causas: hormonas contra-reguladoras, fármacos,

Leia mais

AS MODERNAS INSULINAS

AS MODERNAS INSULINAS AS MODERNAS INSULINAS II Congresso para Diabéticos promovido pela Aliança de Atenção ao Diabetes do Rio de Janeiro - Foto molecular da insulina humana - Izidoro de Hiroki Flumignan - médico endocrinologista

Leia mais

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Uma vida normal com diabetes Obesidade, histórico familiar e sedentarismo são alguns dos principais fatores

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 50 /2015 - CESAU Salvador, 23 de março de 2015 Objeto: Parecer. Promotoria de Justiça GESAU / Dispensação de medicamentos. REFERÊNCIA: Promotoria de Justiça de Conceição do Coité/

Leia mais

Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança

Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança Projecto Mexa-se em Bragança Organização: Pedro Miguel Queirós Pimenta Magalhães E-mail: mexaseembraganca@ipb.pt Web: http://www.mexaseembraganca.ipb.pt

Leia mais

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. sgrillo.ita@ftc.br

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. sgrillo.ita@ftc.br Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo sgrillo.ita@ftc.br Lipídeos são compostos guardados em grandes quantidades como triglicerídeos neutros e representam 90% da dieta. São altamente insolúveis, podendo ser

Leia mais

Seção 13 - Distúrbios Hormonais Capítulo 148 - Hipoglicemia

Seção 13 - Distúrbios Hormonais Capítulo 148 - Hipoglicemia Texto de apoio ao curso de especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Manual Merck Seção 13 - Distúrbios Hormonais Capítulo 148 - Hipoglicemia A hipoglicemia é um distúrbio

Leia mais

REGULAÇÃO HORMONAL DO METABOLISMO

REGULAÇÃO HORMONAL DO METABOLISMO REGULAÇÃO HORMONAL DO METABOLISMO A concentração de glicose no sangue está sempre sendo regulada A glicose é mantida em uma faixa de 60 a 90 g/100ml de sangue (~4,5mM) Homeostase da glicose Necessidade

Leia mais

PROJETO PROMOÇÃO DA SAÚDE E EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR

PROJETO PROMOÇÃO DA SAÚDE E EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR PROJETO PROMOÇÃO DA SAÚDE E EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR A Diabetes afeta cerca de 366 milhões de pessoas em todo o mundo e cerca de 1 milhão de Portugueses. A cada 7 segundos morre no Planeta Terra

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO DO CIM-RS

BOLETIM INFORMATIVO DO CIM-RS BOLETIM INFORMATIVO DO CIM-RS Insulina glargina no tratamento do diabete melito Introdução O diabete melito é uma doença crônica que apresenta uma alta prevalência mundial; acomete pacientes de todas as

Leia mais

METABOLISMO. - ATP é a moeda energética da célula

METABOLISMO. - ATP é a moeda energética da célula INTEGRAÇÃO DO METABOLISMO ESTRATÉGIAS DO METABOLISMO - ATP é a moeda energética da célula - ATP é gerado pela oxidação de moléculas de alimento: * as macromoléculas da dieta são quebradas até suas unidades

Leia mais

Rivastigmina (Port.344/98 -C1)

Rivastigmina (Port.344/98 -C1) Rivastigmina (Port.344/98 -C1) Alzheimer DCB: 09456 CAS: 129101-54-8 Fórmula molecular: C 14 H 22 N 2 O 2.C 4 H 6 O 6 Nome químico: (S)-N-Ethyl-3-[(1-dimethylamino)ethyl]-N-methylphenylcarbamate hydrogen

Leia mais

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma 8 Epidemiologia da Atividade Física & Doenças Crônicas: Diabetes Dênis Marcelo Modeneze Graduado em Educação Física Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde-UNICAMP Em pleno

Leia mais

Retinopatia Diabética

Retinopatia Diabética Retinopatia Diabética A diabetes mellitus é uma desordem metabólica crónica caracterizada pelo excesso de níveis de glicose no sangue. A causa da hiper glicemia (concentração de glicose igual ou superior

Leia mais

Diagnóstico. Exame Laboratorial. Poliúria Polidpsia Polifagia

Diagnóstico. Exame Laboratorial. Poliúria Polidpsia Polifagia Diabetes Mellitus É concebido por um conjunto de distúrbios metabólicos, caracterizado por hiperglicemia resultando de defeitos na secreção de insulina e/ou na sua atividade Report of Expert Committe on

Leia mais

Diabetes mellitus em felinos

Diabetes mellitus em felinos Definição Diabetes mellitus em felinos Profa Mestre Leila Taranti (NAYA Endocrinologia&VESP/FESB) Diabetes mellitus é definido como hiperglicemia persistente causada pela relativa ou absoluta deficiência

Leia mais

Tome uma injeção de informação. Diabetes

Tome uma injeção de informação. Diabetes Tome uma injeção de informação. Diabetes DIABETES O diabetes é uma doença crônica, em que o pâncreas não produz insulina em quantidade suficiente, ou o organismo não a utiliza da forma adequada. Tipos

Leia mais

Cartilha de Prevenção. ANS - nº31763-2. Diabetes. Fevereiro/2015

Cartilha de Prevenção. ANS - nº31763-2. Diabetes. Fevereiro/2015 Cartilha de Prevenção 1 ANS - nº31763-2 Diabetes Fevereiro/2015 Apresentação Uma das missões da Amafresp é prezar pela qualidade de vida de seus filiados e pela prevenção através da informação, pois esta

Leia mais

Cetoacidose Diabética. Prof. Gilberto Perez Cardoso Titular de Medicina Interna UFF

Cetoacidose Diabética. Prof. Gilberto Perez Cardoso Titular de Medicina Interna UFF Cetoacidose Diabética Prof. Gilberto Perez Cardoso Titular de Medicina Interna UFF Complicações Agudas do Diabetes Mellitus Cetoacidose diabética: 1 a 5% dos casos de DM1 Mortalidade de 5% Coma hiperglicêmico

Leia mais

Dose da droga administrada ABSORÇÃO Concentração da droga na circulação sistêmica DISTRIBUIÇÃO ELIMINAÇÃO Droga nos tecidos de distribuição FARMA- COCINÉ- TICA FARMACOCINÉTICA Concentração da droga no

Leia mais

A utilização da insulina

A utilização da insulina 1 Tipos de insulina Existem muitos tipos diferentes de insulina, os quais oferecem mais flexibilidade relativamente à quantidade e ao momento preciso de apanhar as injeções necessárias, tornando mais fácil

Leia mais

DIABETES MELLITUS PATRÍCIA DUPIM

DIABETES MELLITUS PATRÍCIA DUPIM DIABETES MELLITUS PATRÍCIA DUPIM Introdução É um conjunto de doenças metabólicas que provocam hiperglicemia por deficiência de insulina Essa deficiência pode ser absoluta, por baixa produção, ou relativa

Leia mais

1. Introdução. Digestão, Absorção e Transporte:

1. Introdução. Digestão, Absorção e Transporte: 1. Introdução Todas as células do corpo necessitam de nutrição tendo este que lhe ser fornecido. O aparelho digestivo, com a colaboração importante do aparelho circulatório, forma como que uma refeição

Leia mais

É diabético ou está integrado num grupo de risco? Conheça os sintomas, os tipos e as complicações desta doença.

É diabético ou está integrado num grupo de risco? Conheça os sintomas, os tipos e as complicações desta doença. PORTAL DA SAÚDE Diabetes É diabético ou está integrado num grupo de risco? Conheça os sintomas, os tipos e as complicações desta doença. Devidamente tratada, a diabetes não impede o doente de ter uma vida

Leia mais

PÂNCREAS ENDÓCRINO E A REGULAÇÃO DA GLICEMIA. Prof. Hélder Mauad

PÂNCREAS ENDÓCRINO E A REGULAÇÃO DA GLICEMIA. Prof. Hélder Mauad PÂNCREAS ENDÓCRINO E A REGULAÇÃO DA GLICEMIA Prof. Hélder Mauad PÂNCREAS SOMATOSTATINA ENDÓCRINO A somatostatina é classificada como um hormônio inibitório, cujas principais ações Além são: da

Leia mais

Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável

Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável Apesar de ainda não existir cura definitiva para esse problema de saúde crônico, uma diferenciação entre essa patologia e a sensibilidade ao glúten

Leia mais

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA ÂNGELA MENDONÇA LIGA DE DIABETES A intervenção nutricional pode melhorar o controle glicêmico. Redução de 1.0 a 2.0% nos níveis de hemoglobina

Leia mais

A utilização da insulina

A utilização da insulina 1 Tipos de insulina Existem muitos tipos diferentes de insulina, os quais oferecem mais flexibilidade relativamente à quantidade e ao momento preciso de apanhar as injeções necessárias, tornando mais fácil

Leia mais

IMS Health Diabetes Mellitus Overview 2014

IMS Health Diabetes Mellitus Overview 2014 IMS Health Diabetes Mellitus Overview 2014 Portugal 2014 SOBRE A IMS HEALTH Operando em mais de 100 países, a IMS Health é fornecedora e líder mundial de soluções aplicadas às indústrias farmacêuticas

Leia mais

FÁRMACOS UTILIZADOS NO

FÁRMACOS UTILIZADOS NO UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MEDICINA SAÚDE DO ADULTO E DO IDOSO IV FÁRMACOS UTILIZADOS NO TRATAMENTO DO DIABETES MELLITUS TRATAMENTO FARMACOLÓGICO DO

Leia mais

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes.

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pâncreas Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pancreatite aguda Pancreatite crônica Cistos pancreáticos Câncer de Pancrêas Pancreatite aguda O pâncreas é um órgão com duas funções básicas:

Leia mais

Lipossomas e as suas aplicações na actualidade

Lipossomas e as suas aplicações na actualidade Universidade de Évora Departamento de Química Célia Antunes Lipossomas e as suas aplicações na actualidade Os lipossomas foram descobertos em 1960 pelo cientista inglês Alec Bangham. No entanto, somente

Leia mais

Objectivos gerais do ciclo de estudos:

Objectivos gerais do ciclo de estudos: Informações Gerais e Oferta Formativa de Cursos Avançados 1º Edição (2015-2019) Programa de Doutoramento em Ciências Biológicas Aplicadas à Saúde PhD program in Biological Sciences Applied to Health Objectivos

Leia mais

D I R E T O R I A D E S A Ú D E

D I R E T O R I A D E S A Ú D E Saúde In Forma Junho/2013 Dia 26 de Junho Dia Nacional do Diabetes Diabetes é uma doença metabólica caracterizada por um aumento anormal da glicose ou açúcar no sangue. A glicose é a principal fonte de

Leia mais

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NO PERFIL LIPÍDICO E GLICÊMICO DE PACIENTES HIV POSITIVOS QUE FAZEM USO DE ANTIRETROVIRAIS

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NO PERFIL LIPÍDICO E GLICÊMICO DE PACIENTES HIV POSITIVOS QUE FAZEM USO DE ANTIRETROVIRAIS ALTERAÇÕES METABÓLICAS NO PERFIL LIPÍDICO E GLICÊMICO DE PACIENTES HIV POSITIVOS QUE FAZEM USO DE ANTIRETROVIRAIS Greice Rodrigues Bittencourt Introdução A terapia antiretroviral contemporânea (TARV) baseado

Leia mais

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ CUSTO ENERGÉTICO DA GRAVIDEZ CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO FETAL SÍNTESE DE TECIDO MATERNO 80.000 kcal ou 300 Kcal por dia 2/4 médios 390 Kcal depósito de gordura- fase

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Profa. Ms. Priscilla Sete de Carvalho Onofre

DIABETES MELLITUS. Profa. Ms. Priscilla Sete de Carvalho Onofre MELLITUS Profa. Ms. Priscilla Sete de Carvalho Onofre O Diabetes Mellitus (DM) é uma doença crônicas não transmissíveis (DCNT), de alta prevalência cujos fatores de risco e complicações representam hoje

Leia mais

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA NUTRIÇÃO QUÍMICA CELULAR PROFESSOR CLERSON CLERSONC@HOTMAIL.COM CIESC MADRE CLÉLIA CONCEITO CONJUNTO DE PROCESSOS INGESTÃO, DIGESTÃO E ABSORÇÃO SUBSTÂNCIAS ÚTEIS AO ORGANISMO ESPÉCIE HUMANA: DIGESTÃO ONÍVORA

Leia mais

Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI

Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI INFORMAÇÕES NUTRICIONAIS Porção de 100g (1/2 copo) Quantidade por porção g %VD(*) Valor Energético (kcal) 64 3,20 Carboidratos 14,20 4,73 Proteínas 1,30 1,73 Gorduras

Leia mais

Corticóides na Reumatologia

Corticóides na Reumatologia Corticóides na Reumatologia Corticóides (CE) são hormônios esteróides produzidos no córtex (área mais externa) das glândulas suprarrenais que são dois pequenos órgãos localizados acima dos rins. São produzidos

Leia mais

Os efeitos endocrinológicos na cirurgia da obesidade.

Os efeitos endocrinológicos na cirurgia da obesidade. Os efeitos endocrinológicos na cirurgia da obesidade. Dr. Izidoro de Hiroki Flumignan Médico endocrinologista e sanitarista Equipe CETOM Centro de Estudos e Tratamento para a Obesidade Mórbida. Diretor

Leia mais

DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS 18/9/2014

DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS 18/9/2014 UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª.: FLÁVIA NUNES O Diabetes Mellitus configura-se hoje como uma epidemia mundial, traduzindo-se em grande desafio para os sistemas de saúde de todo o mundo. O envelhecimento

Leia mais

Butylene Glycol; Water (Aqua); Dihydromyricetin. Modelador do tecido adiposo: a solução cosmética para o tratamento da gordura localizada.

Butylene Glycol; Water (Aqua); Dihydromyricetin. Modelador do tecido adiposo: a solução cosmética para o tratamento da gordura localizada. Produto INCI Definição MYRICELINE Butylene Glycol; Water (Aqua); Dihydromyricetin Modelador do tecido adiposo: a solução cosmética para o tratamento da gordura localizada. Propriedades Os tratamentos cosméticos

Leia mais

Profa. Susana M.I. Saad Faculdade de Ciências Farmacêuticas Universidade de São Paulo

Profa. Susana M.I. Saad Faculdade de Ciências Farmacêuticas Universidade de São Paulo XIV Congresso Brasileiro de Nutrologia Simpósio ILSI Brasil Probióticos e Saúde Profa. Dra. Susana Marta Isay Saad Departamento de Tecnologia Bioquímico-Farmacêutica USP e-mail susaad@usp.br Alimentos

Leia mais

Carlos Sinogas - Biotecnologia 2014/15

Carlos Sinogas - Biotecnologia 2014/15 Terapia genética Técnica para corrigir efeitos de genes responsáveis por patologias Métodos Inserção de gene normal para substituição de gene não funcional Correcção do gene anormal (mutações especí?icas,

Leia mais

DOCUMENTO DE APOIO AO ESTUDO BIOLOGIA 12.º

DOCUMENTO DE APOIO AO ESTUDO BIOLOGIA 12.º DOCUMENTO DE APOIO AO ESTUDO BIOLOGIA 12.º Avisos 1. Este documento apenas serve como apoio parcial às aulas de Biologia 12.º ano parte da Unidade 2 e Unidade 3 - leccionadas na Escola Secundária Morgado

Leia mais

QUESTÃO 40 PROVA DE BIOLOGIA II. A charge abaixo se refere às conseqüências ou características da inflamação. A esse respeito, é INCORRETO afirmar:

QUESTÃO 40 PROVA DE BIOLOGIA II. A charge abaixo se refere às conseqüências ou características da inflamação. A esse respeito, é INCORRETO afirmar: 22 PROVA DE BIOLOGIA II QUESTÃO 40 A charge abaixo se refere às conseqüências ou características da inflamação. A esse respeito, é INCORRETO afirmar: a) Se não existisse o processo inflamatório, os microorganismos

Leia mais

Bioenergética. Profa. Kalyne de Menezes Bezerra Cavalcanti

Bioenergética. Profa. Kalyne de Menezes Bezerra Cavalcanti Bioenergética Profa. Kalyne de Menezes Bezerra Cavalcanti Natal/RN Fevereiro de 2011 Substratos para o exercício O corpo utiliza nutrientes carboidratos, gorduras e proteínas consumidos diariamente para

Leia mais

HUMALOG MIX 25 KWIKPEN insulina lispro (25% de insulina lispro e 75% de insulina lispro protamina) Derivada de ADN* Recombinante D.C.B.

HUMALOG MIX 25 KWIKPEN insulina lispro (25% de insulina lispro e 75% de insulina lispro protamina) Derivada de ADN* Recombinante D.C.B. CDS12JUL06 HUMALOG MIX 25 KWIKPEN insulina lispro (25% de insulina lispro e 75% de insulina lispro protamina) Derivada de ADN* Recombinante D.C.B. 04920 APRESENTAÇÕES HUMALOG MIX 25 KWIKPEN é uma suspensão

Leia mais

Farmacologia do Pâncreas Endócrino: Insulina e Antidiabéticos ticos Orais

Farmacologia do Pâncreas Endócrino: Insulina e Antidiabéticos ticos Orais Universidade Federal Fluminense -UFF Instituto Biomédico Disciplina de Farmacologia BásicaB Farmacologia do Pâncreas Endócrino: Insulina e Antidiabéticos ticos Orais Profa. Elisabeth Maróstica Farmacologia

Leia mais

TIPOS DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS CIRURGIA QUIMIOTERAPIA SISTÊMICA

TIPOS DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS CIRURGIA QUIMIOTERAPIA SISTÊMICA TIPOS DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS Prof a Dra. Nise H. Yamaguchi Prof a Dra Enf a Lucia Marta Giunta da Silva Profª. Dra. Enf a Maria Tereza C. Laganá A abordagem moderna do tratamento oncológico busca mobilizar

Leia mais

Forma farmacêutica e apresentação: Comprimido revestido. Display contendo 25 blísteres com 6 comprimidos revestidos.

Forma farmacêutica e apresentação: Comprimido revestido. Display contendo 25 blísteres com 6 comprimidos revestidos. LACTO-PURGA bisacodil 5mg Forma farmacêutica e apresentação: Comprimido revestido. Display contendo 25 blísteres com 6 comprimidos revestidos. USO ADULTO E PEDIÁTRICO (crianças acima de 4 anos) USO ORAL

Leia mais

HUMALOG KWIKPEN insulina lispro (derivada de ADN* recombinante) D.C.B. 04920

HUMALOG KWIKPEN insulina lispro (derivada de ADN* recombinante) D.C.B. 04920 CDS19NOV10 HUMALOG KWIKPEN insulina lispro (derivada de ADN* recombinante) D.C.B. 04920 APRESENTAÇÕES HUMALOG KWIKPEN é uma solução aquosa clara, incolor, para administração subcutânea contendo 100 unidades

Leia mais

MEMBRANA PLASMÁTICA (Modelos da Ultra-Estrutura)

MEMBRANA PLASMÁTICA (Modelos da Ultra-Estrutura) MEMBRANA PLASMÁTICA (Modelos da Ultra-Estrutura) A membrana plasmática é uma estrutura altamente diferenciada, que delimita a célula e lhe permite manter a sua individualidade relativamente ao meio externo.

Leia mais

Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes

Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes Diabetes é uma doença ocasionada pela total falta de produção de insulina pelo pâncreas ou pela quantidade insuficiente da substância no corpo. A insulina

Leia mais

Diabetes. Fisiopatologia e Farmacoterapia II. Introdução. Insulina 12/02/2012. Introdução Ilhotas de Langerhans

Diabetes. Fisiopatologia e Farmacoterapia II. Introdução. Insulina 12/02/2012. Introdução Ilhotas de Langerhans Diabetes Fisiopatologia e Farmacoterapia II Profa. Ms. Renata Fontes Introdução Pâncreas: Glândula localizada atrás da parte baixa do estômago Introdução Ilhotas de Langerhans Porção endócrina do pâncreas

Leia mais

TEMA: Uso de Insulina Humalog ou Novorapid (aspart) ou Apidra (glulisina) no tratamento do diabetes mellitus

TEMA: Uso de Insulina Humalog ou Novorapid (aspart) ou Apidra (glulisina) no tratamento do diabetes mellitus NT 140/2014 Solicitante: Dr. Rodrigo Braga Ramos Juiz de Direito de Itamarandiba NUMERAÇÃO: 0325.14.000677-7 Data: 17/07/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura TEMA: Uso de Insulina Humalog

Leia mais

Neoplasias 2. Adriano de Carvalho Nascimento

Neoplasias 2. Adriano de Carvalho Nascimento Neoplasias 2 Adriano de Carvalho Nascimento Biologia tumoral Carcinogênese História natural do câncer Aspectos clínicos dos tumores Biologia tumoral Carcinogênese (bases moleculares do câncer): Dano genético

Leia mais

DM Tipo 1 e Tipo 2: Principais abordagens terapêuticas e medicamentosas Marcio Krakauer

DM Tipo 1 e Tipo 2: Principais abordagens terapêuticas e medicamentosas Marcio Krakauer DM Tipo 1 e Tipo 2: Principais abordagens terapêuticas e medicamentosas Marcio Krakauer Endocrinologista ADIABC Liga DM FMABC DOENÇA AUTO IMUNE DESTRUIÇÃO DA CÉLULA BETA INSULINOPENIA DM 1 Produção Normal

Leia mais

Na diabetes e dislipidemia

Na diabetes e dislipidemia Cuidados de saúde primários e Cardiologia NOCs e Guidelines: com tanta orientação ficamos mesmo orientados? Na diabetes e dislipidemia Davide Severino 4.º ano IFE de Cardiologia Hospital de Santarém EPE

Leia mais

Workshop em insulinoterapia CASOS CLÍNICOS. Joana Guimarães e Márcia Alves 16 de Maio de 2014

Workshop em insulinoterapia CASOS CLÍNICOS. Joana Guimarães e Márcia Alves 16 de Maio de 2014 Workshop em insulinoterapia CASOS CLÍNICOS Joana Guimarães e Márcia Alves 16 de Maio de 2014 Indicações para insulinoterapia Deficiência grave de insulina Doente magro ou normoponderal Longa duração da

Leia mais

Insulinoterapia na Diabetes tipo 2

Insulinoterapia na Diabetes tipo 2 Insulinoterapia na Diabetes tipo 2 J. Vilela Gonçalves Unidade de Diabetes Hospital CUF Infante Santo 22º Curso NEDO, Viseu, Outubro 2012 Tratamento com Insulina Diabetes tipo 1 Diabetes gestacional (

Leia mais

O QUE SABE SOBRE A DIABETES?

O QUE SABE SOBRE A DIABETES? O QUE SABE SOBRE A DIABETES? 11 A 26 DE NOVEMBRO DE 2008 EXPOSIÇÃO PROMOVIDA PELO SERVIÇO DE MEDICINA INTERNA DO HOSPITAL DE NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO, EPE DIABETES MELLITUS É uma doença grave? Estou em

Leia mais

Diabetes Mellitus e Exercício

Diabetes Mellitus e Exercício Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Prevalencia Diabetes mellitus (DM) is affecting more than 170 million people worldwide. The incidence

Leia mais

O beneficio da atividade física no tratamento do diabetes tipo 2. ALVIN. Fabiano A. Folgate. Resumo:

O beneficio da atividade física no tratamento do diabetes tipo 2. ALVIN. Fabiano A. Folgate. Resumo: O beneficio da atividade física no tratamento do diabetes tipo 2 ALVIN. Fabiano A. Folgate Resumo: O objetivo do trabalho foi analisar o beneficio do exercício físico no individuo diabético tipo 2, tratando

Leia mais

DIABETES MELLITUS ( DM ) Autor: Dr. Mauro Antonio Czepielewski www.abcdasaude.com.br/artigo.php?127

DIABETES MELLITUS ( DM ) Autor: Dr. Mauro Antonio Czepielewski www.abcdasaude.com.br/artigo.php?127 DIABETES MELLITUS ( DM ) Autor: Dr. Mauro Antonio Czepielewski www.abcdasaude.com.br/artigo.php?127 Sinônimos: Diabetes, hiperglicemia Nomes populares: Açúcar no sangue, aumento de açúcar. O que é? Doença

Leia mais