Protocolo. Principais Imunossupressores utilizados em TCTH

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Protocolo. Principais Imunossupressores utilizados em TCTH"

Transcrição

1 Protocolo Principais Imunossupressores utilizados em TCTH Versão eletrônica atualizada em Abril 2012

2 Não específificos Coritocosteróides Metotrexate Específicos - LT Inibidores Calcineurina Micofenolato de mofetila (MMF) Sirolimus (Rapamicina) Globulina antitimocítica (ATG) Anticorpos monoclonais CORTICOSTERÓIDES Prednisolona ou prednisona 1-2mg/kg/dia/15 dias retirada paulatina Retirada abrupta: Flare Tópico cutâneo (hidrocortizona/triancinolona o,1%) Tópico Pulmonar (Budesonida) Tópico TGI (Beclometasona)

3 METOTREXATE Antimetabólito Análogo da aminopeterina Antagonista do ácido fólico 1948 Inibe dihidrofolato redutase (DHFR) Inibe proliferação celular Profilaxia da DECH (expansão de linfócitos T) específico Uso endovenoso MTX (+CSA ou FK560) D+1 (15mg/m2) D+3, D+6, D+11 (10mg/m2) Resgate com Leucovorin 24hs após ( opcional ) Doses menores de MTX podem ser utilizados de acordo com protocolo Mielotóxico mucosite, hepatotóxico, nefreotóxico Situações de cautela (solicitar exames no dia da infusão) Ascite e derrames Mucosite IV Creatinina > 2mg/dl e BT > 5mg/dl Fonte de CTH cordão umbilical

4 CICLOSPORINA USO: Profilaxia e tratamento da DECH Lipofílica secreção biliar Citocromo P metabólitos Imunossupressores Nefrotóxicos Via oral (cápsula / solução (100mg/ml) Absorção influenciada por gordura/dieta Copo de vidro Dose usual: 10mg/kg (5mg/kg 12/12hs) Via Endovenosa Dose usual: 3mg/kg (1,5mg/kg 12/12hs 3hs) Crianças: infusão mais lenta até em 24hs Nível sérico desejado: ng/dl Nível sérico a cada 2-3 dias SEMPRE antes da infusão da dose da manhã Nível mais frequente em pacientes críticos ou em uso de novas drogas Diminui Nível Sérico Fenitoína Fenobarbital Carbamazepin a Rifampicina Octerotride Trimetropim Primidona Naficilina Aumenta Nível Sérico Eritromicina Cetaconazol Itraconazol Voriconazol Fluconazol Diltiazen Verapamil Nicardipina Acetazolamida Alcool Colchicina Imipenen

5 Fluoroquinolona s VORICONAZOLE: Iniciar com 50% da dose Checar nível 24-48hs após início das drogas acima Efeitos colaterais Renal: Insuficiência renal, HAS, hipomagnesemia Hepática: VOD, Icterícia, Sd hepato-renal, TGO/TGP SNC: sonolência, cefaléia, ansiedade, depressão, tremor, convulsão Miscelânea: Hirsutismo, Flushing, PTT, cefaléia, DM, hipertrofia gengival, acne, náuseas/vômitos Tacrolimus (FK 560) Antibiótico macrolídeo (streptomyces tsukubaensis) Mesmo mecanismo de ação da CSA Lipofílico absorção não depende de sais biliares Rápida e extensa distribuição vezes mais potente que CSA Maior vantagem x CSA Menor nefrotoxicidade Permite menor dose de MTX Via oral (cápsula 1mg Brasil) Dose usual: 2-4 vezes dose endovenosa

6 Via Endovenosa Dose usual: 0,015-0,03mg/kg Infusão em 24hs Nível sérico desejado: 5-15 ng/dl Nível sérico a cada 2-3 dias SEMPRE antes da infusão da dose da manhã Micofenolato de Mofetila (MMF) Princípio ativo: Micofenolato ácido Penicillium Atividade bactericida, fungicida, antiviral, imunossupressora Inibe linfócitos B e T Profilaxia da DECH aguda: MMF + CSA Tratamento da DECH refratária Via oral 15mg/kg/dose 12/12hs Dose máxima usual: 1gr 12/12hs Via endovenosa 15mg/kg/dose 8/8hs Toxicidade: Hematológica e TGI Nível sérico desejado: Não há consenso OBS: Micofenolato de Sódio (360mg = 500mg do MMF)

7 Sirolimus (Rapamicina) Macrolídeo atividade antifúngica Streptomycies hygroscopicus Rapa Nui Liga-se a mesma proteína que FK560 Mecanismo diferente: inibe mtor (target of rapa) Inibe ciclo celular G1-S Inibe resposta a IL-2 USO: Tratamento de DECHa/c: segunda linha Benefício: inibe CMV (considerar uso em situações de refratariedade ou dificil controle) dislipidemia Via oral:2mg/dia nível sérico: 5-10 ng/ml Toxicidade Mesmas de macrolídeos Diarréia, hepatotoxicidade, citopenias, cefaléia, atrofia testicular, HAS, Globulina Antitimocítica (ATG) Imunoglobulina policlonal Cavalo ou coelho x timo humano Alta variabilidade de lote e animal USO: Doadores não relacionados profilaxia DECH Brasil: Somente de coelho Dose: 5mg/kg (0,5-1,5-1,5-1,5)

8 Reações adversas Reações anafilactóides aguda e doença do soro (profilaxia com solumedrol 1mg/kg durante sua utililização) Depleção de células T in vivo Atraso na reconstituição imune Infecção por EBV - monitorização de carga viral PTLD com > 1000 cópias de EBV: Rituximab Aumento de infecções bacterianas Anticorpos monoclonais (vide protocolo de DECH) Inibidor do TNF alpha (Infliximab Etanercept) Infliximab Etanercept Inibidor do receptor da IL-2 Daclizumab Basiliximab Ontak (Denileukin Diftitox) Anti-CD3: OKT-3 Anti-CD52: Alemtuzumab Infliximab (Etanercept ) Inibidor do TNF alpha solúvel precursor TNFalpha Quimérico: humano/murino Dose: 0,4mg/kg/dose (Max 25mg) SC, 2x/sem

9 USO: DECH refratária / 1ª. Linha (+PDN) Melhor resposta: TGI (70%) Toxicidade Infecção Daclizumab (Zenapax ) Inibidor do receptor da IL-2 (CD25) Dose:1mg/kg dias 1, 4, 8, 15, 21, 28 USO: DECHa refratária 50% resposta global FOTOAFÉRESE EXTRA-CORPÓREA Uso Linfoma cutâneo de células T Doenças auto imunes - esclerodermia DECH aguda e crônica pele e fígado Transplantes de órgãos sólidos rejeição INDICAÇÃO EM DECH: Aguda ou crônica corticorefratário de acordo com discussão com equipe de TMO e banco de sangue MECANISMO DE AÇÃO 8-methoxypsoralen (8-MOP): agente causa dano no DNA Fotoativação do 8-MOP causa DNA-intercalation Indução de apoptose de linfócitos: 5% dos Linfocitos circulantes

10 Re-infusão de linfócitos apotóticos: Anti inflamatorio Altera apresentação de antígenos imunomodulação TABELAS 1, 2, 3: Principais drogas e procedimentos imunossupressores ou imunomoduladores e seus mecanismos de ação Droga Classe Mecanismo de ação CSA/Tacrolimus Inibidor can Ca+ Bloqueia ativação LT (IL-2) MTX Antimetabólito Inibição da diidrofolato redutase Inibe multiplicação de LT PDN e MPDN Anti inflamat. Apoptose, inibe interleucinas/taxia MMF Inibe síntese purina Inibe proliferação de LT e B Sirolimus Macrolídeo Bloqueia ativação LT (IL-2) ATG Ac Policlonal Anti LT Alemtuzumab Ac Monoclonal Anti-CD52 - LT

11 MTX Classe Mec. Ação Efeitos Colaterais Obs anti- inibição reversível da Mielossupressão, mucosite, Ajuste segundo metabólito diidrofolato redutase, fotossensibilidade I.Renal, I. mucosite, I. inibe multiplicação de Hepática, Pneumonite renal e linfócitos intersticial hepática! CsA antibiótico macrolídeo Inibição de LT ativado, revenindo a transcrição de IL-2(+ eficiente quando adm. antes da estimulação antigênica) Renal: I.Renal, HAS Hepática: ~VOD, Icterícia, sd hepato-renal, encefalopatia, transaminases SNC: sonolência, cefaléia, ansiedade, depressão, tremor, convulsão, Hirsutismo, Flushing, PTT Ajuste segundo creatinina! Drogas que inibem p450 nível sérico e as que estimulam nível sérico Pdn MPdn corticóide Apoptose. Estabilização da memb. lisossomal do leucócito. Inibe quimiotaxia. Inibe liberação de citocinas (IL-1, IL-2, IL-6, IFN γ, TNFα) Hiperglicemia, Hipertensão Insônia, euforia, depressão, cefaléia, Gastrite, úlcera, Sd. Cushing, Atrofia de pele, Necrose asséptica, Miopatia, I. Adrenal, Pseudotumor cerebral Rapamicina Se liga ao FKligante de proteínas (= FK506) mecan. diferente. Tacrolimus estrutura semelhante à CsA, liga no mesmo receptor intracelular (imunofilina) Mec. Ação Efeito primário independente de Ca2+, incluindo: Atua mais tarde (na transição G1 S) Previne a ativação de LT dependente de fator de crescimento, Não previne produção autócrine e liberação de fator de crescimento por LT ativados produção e resposta a linfocinas Tem efeito biológico distinto da CsA Downregulation de eventos críticos para transcrição de citocinas, progressão de G0 para G1, crescimento autócrine. LT recebe sinal do alloag, mas sua expansão e resposta GHVD está FK506 = X CsA (potência) Resposta É mais efetiva na profilaxia Síndrome RAPA Lesões de pele ulcerativas, alopécia, proliferação do ducto biliar GVHD AGUDO LIMITADO Resposta GVL É alternativa à CsA em terapia de resgate em pacientes que: persistem com rejeição aguda efeitos adversos significativos Nefrotoxicidade (CsA = Tacrolimus) CsA tem + HAS, hipercolesterolemia, hirsutismo e hiperplasia gengival. Tacrolimus tem + DM e alguns tipos de neurotoxicidade (tremor e parestesia)

12 Talidomida MMF Propriedades imunossupressoras, antibacteriana, antifúngica, anti-viral, anti-tumor PUVA Exposição de LT fotoativados pelo Psoralem a UVA UDCA Ácido biliar hidrofílico não tóxico Mec. Ação Efeito imunossupressor Bloqueia a síntese de novo da guanosina Linfócitos são dependentes desta via, não possui vias alternativas. Altera a expressão de mol. de adesão leucocitária redução do processo inflamatório pontes covalentes entre alças de DNA imunossupressão transcrição de DNA e mitoses proliferação de LT e atividade NK Altera produção de IL-2 Ativa via supressora de citocinas bilirrubina em 33% Fosfatase alcalina em 32% TGO em 37% Resposta rash, sedação, neutropenia limitante Em refratários 20% de resposta, sobrevida (76 x 48%) dose de prednisona EC hematológicos não descontinuaram tto. 60%, > efeito cutâneo se iniciado precocemente 300 a 600mg VO

Imunossupressores e Agentes Biológicos

Imunossupressores e Agentes Biológicos Imunossupressores e Agentes Biológicos Histórico Início da década de 1960 Transplantes Prof. Herval de Lacerda Bonfante Departamento de Farmacologia Doenças autoimunes Neoplasias Imunossupressores Redução

Leia mais

04/06/2015. Imunologia dos Transplantes. Bases imunológicas da rejeição do enxerto

04/06/2015. Imunologia dos Transplantes. Bases imunológicas da rejeição do enxerto Imunologia dos Transplantes Dayse Locateli Transplante: ato de transferir células, tecidos ou órgãos de um lugar para outro. Indivíduo doador Receptor Dificuldades: Técnicas Cirúrgicas Quantidade de doadores

Leia mais

21/08/14. Farmacologia da Inflamação Drogas Modificadoras de Doença. Ciclo de Atualização em Farmacologia. DMARDs

21/08/14. Farmacologia da Inflamação Drogas Modificadoras de Doença. Ciclo de Atualização em Farmacologia. DMARDs Ciclo de Atualização em Farmacologia Farmacologia da Inflamação Drogas Modificadoras de Doença Drogas Modificadoras de Doença - DMARDs @ Diasese-modifying antirheumatoid drugs; @ Suprimem em parte ou totalmente

Leia mais

PRINCIPAIS COMPLICAÇÕES DE DROGAS IMUNOBIOLÓGICAS EM UTILIZAÇÃO NO BRASIL

PRINCIPAIS COMPLICAÇÕES DE DROGAS IMUNOBIOLÓGICAS EM UTILIZAÇÃO NO BRASIL PRINCIPAIS COMPLICAÇÕES DE DROGAS IMUNOBIOLÓGICAS EM UTILIZAÇÃO NO BRASIL Dra. Ana Cristina de Medeiros Ribeiro Reumatologista do HC FMUSP e CEDMAC Doutoranda pela FMUSP IMUNOBIOLÓGICOS NO BRASIL Anti-TNF

Leia mais

Imunologia dos Tr T ansplantes

Imunologia dos Tr T ansplantes Imunologia dos Transplantes Base genética da rejeição Camundongos isogênicos - todos os animais possuem genes idênticos Transplante de pele entre animais de linhagens diferentes rejeição ou aceitação depende

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DO ESTADO DA SAÚDE DIRETORIA DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA - DAF

ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DO ESTADO DA SAÚDE DIRETORIA DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA - DAF Termo de Esclarecimento e Responsabilidade Imunosupressores Eu, (nome do(a) paciente), abaixo identificado(a) e firmado(a), declaro ter sido informado( a) claramente sobre todas as indicações, contra-indicações,

Leia mais

Diagnosis and prevention of chronic kidney allograft loss

Diagnosis and prevention of chronic kidney allograft loss Diagnosis and prevention of chronic kidney allograft loss Brian J Nankivell, Dirk RJ Kuypers Lancet 2011; 378: 1428-37 Moisés Carminatti Últimas décadas: avanços no conhecimento acerca da imunologia do

Leia mais

André Castro Lyra Prof. Adjunto Doutor do Departamento de Medicina da Universidade Federal da Bahia Médico - Pesquisador do Hospital São Rafael

André Castro Lyra Prof. Adjunto Doutor do Departamento de Medicina da Universidade Federal da Bahia Médico - Pesquisador do Hospital São Rafael XVI Workshop Internacional de Hepatites Virais de Pernambuco V Simpósio de Transplante Hepático e Hipertensão Porta Brasil/ Inglaterra 03/05/12 a 05/05/12 André Castro Lyra Prof. Adjunto Doutor do Departamento

Leia mais

Cuidados com Drogas Imunossupressoras. Bartira De Aguiar Roza Carla Fatima de Paixao Nunes

Cuidados com Drogas Imunossupressoras. Bartira De Aguiar Roza Carla Fatima de Paixao Nunes Cuidados com Drogas Imunossupressoras Bartira De Aguiar Roza Carla Fatima de Paixao Nunes com Drogas Imunossupressoras Nome Genérico Ciclosporina 4 Nome Comercial Sandimmum Neoral 4 Categoria Imunossupressor

Leia mais

Diário Oficial Imprensa Nacional

Diário Oficial Imprensa Nacional Diário Oficial Imprensa Nacional REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL BRASÍLIA - DF.Nº 140 DOU 20/07/12 seção 1 p.69 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE PORTARIA Nº 666, DE 17 DE JULHO DE 2012

Leia mais

PROTOCOLO CLÍNICO E DIRETRIZES TERAPÊUTICAS IMUNOSSUPRESSÃO EM TRANSPLANTE RENAL

PROTOCOLO CLÍNICO E DIRETRIZES TERAPÊUTICAS IMUNOSSUPRESSÃO EM TRANSPLANTE RENAL Circular 468/2011 São Paulo, 21 de dezembro de 2011. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) PROTOCOLO CLÍNICO E DIRETRIZES TERAPÊUTICAS IMUNOSSUPRESSÃO EM TRANSPLANTE RENAL Diário Oficial da União Nº 239, Seção

Leia mais

Diário Oficial. REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Imprensa Nacional

Diário Oficial. REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Imprensa Nacional Diário Oficial REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Imprensa Nacional BRASÍLIA - DF Nº 142 DOU de 25/07/08 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE CONSULTA PÚBLICA Nº 7, DE 24 DE JULHO DE 2008. A Secretária

Leia mais

Azatioprina, Ciclosporina, Micofenolato de Mofetila, Micofenolato de Sódio, Sirolimo,Tacrolimo, Everolimo e Imunoglobulina Humana

Azatioprina, Ciclosporina, Micofenolato de Mofetila, Micofenolato de Sódio, Sirolimo,Tacrolimo, Everolimo e Imunoglobulina Humana Termo de Esclarecimento e Responsabilidade Azatioprina, Ciclosporina, Micofenolato de Mofetila, Micofenolato de Sódio, Sirolimo,Tacrolimo, Everolimo e Imunoglobulina Humana Eu, (nome do(a) paciente), declaro

Leia mais

Protocolo. Transplante de células-tronco hematopoiéticas nas hemoglobinopatias

Protocolo. Transplante de células-tronco hematopoiéticas nas hemoglobinopatias Protocolo Transplante de células-tronco hematopoiéticas nas hemoglobinopatias Versão eletrônica atualizada em Abril 2012 Embora a sobrevida dos pacientes com talassemia major e anemia falciforme (AF) tenha

Leia mais

Anestesia no paciente transplantado cardiaco

Anestesia no paciente transplantado cardiaco Anestesia no paciente transplantado cardiaco Dr João Henrique Silva joaohen@terra.com.br Insuficiência cardiaca refratária Miocardiopatia dilatada Defeitos congenitos Doença valvular Disfunção de transplante

Leia mais

Imunossupresão inicial no transplante renal

Imunossupresão inicial no transplante renal Imunossupresão inicial no transplante renal Curso Pré-Congresso da SPN 28 de Março de 2012 André L. Weigert Unidade de Transplantação Antonio Pina Serviço de Nefrologia do HSC/CHLO; Departamento de Farmacologia

Leia mais

Corticóides na Reumatologia

Corticóides na Reumatologia Corticóides na Reumatologia Corticóides (CE) são hormônios esteróides produzidos no córtex (área mais externa) das glândulas suprarrenais que são dois pequenos órgãos localizados acima dos rins. São produzidos

Leia mais

Farmacologia da Imunossupressão

Farmacologia da Imunossupressão Farmacologia da Imunossupressão Mestrado em Bioquímica Farmacologia Molecular e Celular 2012 Elsa Brandão Joana Melo Ricardo Amorim Farmacologia da Imunossupressão i Índice Resumo... 1 Introdução... 2

Leia mais

Tipos de enxertos. Tipos de Enxertos: Tipos de Enxertos: O que é um transplante? Imunologia dos Transplantes. Singênicos

Tipos de enxertos. Tipos de Enxertos: Tipos de Enxertos: O que é um transplante? Imunologia dos Transplantes. Singênicos O que é um transplante? Imunologia dos Transplantes Prof.Dr. Gilson Costa Macedo Processo de retirada de células, tecidos ou órgãos, chamados enxertos, de um indivíduo e a sua inserção em um indivíduo

Leia mais

FARMACOLOGIA. INTERVENÇÕES FARMACOLÓGICAS - SISTEMA IMUNOLÓGICO Professor Fernando Magro. 2006/2007 Aula desgravada por Filipa Costa e Joana Ferreira

FARMACOLOGIA. INTERVENÇÕES FARMACOLÓGICAS - SISTEMA IMUNOLÓGICO Professor Fernando Magro. 2006/2007 Aula desgravada por Filipa Costa e Joana Ferreira FARMACOLOGIA INTERVENÇÕES FARMACOLÓGICAS - SISTEMA IMUNOLÓGICO Professor Fernando Magro 2006/2007 Aula desgravada por Filipa Costa e Joana Ferreira NOTA: Dentro dos quadros a tracejado estão informações

Leia mais

I. Este protocolo envolve: QUIMIOTERAPIA MIELOABLATIVA COM RESGATE DE CÉLULAS TRONCO HEMATOPOÉTICAS DE DOADOR APARENTADO HAPLOIDÊNTICO

I. Este protocolo envolve: QUIMIOTERAPIA MIELOABLATIVA COM RESGATE DE CÉLULAS TRONCO HEMATOPOÉTICAS DE DOADOR APARENTADO HAPLOIDÊNTICO Protocolo Transplante de células tronco hematopoéticas de doador parcialmente compatível (haploidêntico) utilizando-se regime de condicionamento não mieloablativo associado a ciclofosfamida pós transplante

Leia mais

IMUNOLOGIA DOS TRANSPLANTES

IMUNOLOGIA DOS TRANSPLANTES IMUNOLOGIA DOS TRANSPLANTES O transplante como forma de tratamento para inúmeras deficiências do organismo tem apresentado grandes avanços nos últimos anos. Embora muitas das questões básicas relativas

Leia mais

Laboratório. Apresentação de Valcyte. Valcyte - Indicações. Contra-indicações de Valcyte. Advertências. Roche. fr. c/ 60 compr. rev. de 450mg.

Laboratório. Apresentação de Valcyte. Valcyte - Indicações. Contra-indicações de Valcyte. Advertências. Roche. fr. c/ 60 compr. rev. de 450mg. Laboratório Roche Apresentação de Valcyte fr. c/ 60 compr. rev. de 450mg. Valcyte - Indicações Valcyte (cloridrato de valganciclovir) é indicado para o tratamento de retinite por citomegalovírus (CMV)

Leia mais

Transplante de Células Tronco Hematopoéticas

Transplante de Células Tronco Hematopoéticas 20 Congresso Multidisciplinar em Oncologia do Hospital Mãe de Deus Transplante de Células Tronco Hematopoéticas Enfermeira Fabiane Marek Especialista em Enfermagem Oncológica Unidade de Ambiente Protegido

Leia mais

Pós operatório em Transplantes

Pós operatório em Transplantes Pós operatório em Transplantes Resumo Histórico Inicio dos programas de transplante Dec. 60 Retorno dos programas Déc 80 Receptor: Rapaz de 18 anos Doador: criança de 9 meses * Não se tem informações

Leia mais

PARECER DO GATS nº 20/08

PARECER DO GATS nº 20/08 PARECER DO GATS nº 20/08 Responsável: Sandra de Oliveira Sapori Avelar Data de elaboração: 10 de julho de 2008. TEMA: INFLIXIMABE NA DOENÇA DE CROHN INTRODUÇÃO: A doença de Crohn é uma condição inflamatória

Leia mais

Tratamento Sistêmico Clássico. Copyright AMBULATÓRIO DE PSORÍASE MARCELO ARNONE AMBULATÓRIO DE PSORÍASE HOSPITAL DAS CLÍNICAS FMUSP

Tratamento Sistêmico Clássico. Copyright AMBULATÓRIO DE PSORÍASE MARCELO ARNONE AMBULATÓRIO DE PSORÍASE HOSPITAL DAS CLÍNICAS FMUSP Tratamento Sistêmico Clássico MARCELO ARNONE AMBULATÓRIO DE PSORÍASE HOSPITAL MARCELO DAS CLÍNICAS ARNONE FMUSP AMBULATÓRIO DE PSORÍASE HOSPITAL DAS CLÍNICAS FMUSP Tratamento Sistêmico Clássico Acitretina

Leia mais

Os grupos de risco que constam da Norma nº 009/2015 de 01/06/2015, são agora atualizados (Quadro I), ficando a Norma n.º 009/2015 revogada.

Os grupos de risco que constam da Norma nº 009/2015 de 01/06/2015, são agora atualizados (Quadro I), ficando a Norma n.º 009/2015 revogada. NÚMERO: 011/2015 DATA: 23/06/2015 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: Vacinação contra infeções por Streptococcus pneumoniae de grupos com risco acrescido para doença invasiva pneumocócica (DIP).

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO. Amethopterin; 4-Amino-4-deoxy-10-methylpteroyl-L-glutamic Acid; -Methopterin;t; Méthotrexate; Methotrexatum; MTX.

IDENTIFICAÇÃO. Amethopterin; 4-Amino-4-deoxy-10-methylpteroyl-L-glutamic Acid; -Methopterin;t; Méthotrexate; Methotrexatum; MTX. IDENTIFICAÇÃO Nome Metotrexato Fórmula Molecular C20H22N8O5 Peso molecular 454,44 DCB / DCI 05884 - metotrexato CAS 59-05-2 INCI Não aplicável Denominação Não aplicável botânica Sinonímia Amethopterin;

Leia mais

MODELO DE BULA IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO: FAMOX famotidina

MODELO DE BULA IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO: FAMOX famotidina MODELO DE BULA IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO: FAMOX famotidina Comprimidos de 20 mg: embalagem com 10 comprimidos. Comprimidos de 40 mg: embalagem com 10 comprimidos. USO ADULTO USO ORAL Composições completas:

Leia mais

cápsulas de liberação prolongada tacrolimo

cápsulas de liberação prolongada tacrolimo MODELO DE BULA Prograf XL cápsulas de liberação prolongada tacrolimo IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES Cápsulas em blister, em caixa com 50 cápsulas de 0,5 mg Cápsulas em

Leia mais

IMUNIDADE AOS TUMORES IMUNIDADE AOS TRANSPLANTES

IMUNIDADE AOS TUMORES IMUNIDADE AOS TRANSPLANTES IMUNIDADE AOS TUMORES IMUNIDADE AOS TRANSPLANTES IMUNIDADE AOS TUMORES Neoplasias Histórico Classificação : linhagem celular, histomorfologia e comportamento clínicobiológico. Carcinogênese experimental

Leia mais

Folinac Folinato de Cálcio. Hipolabor Farmacêutica Ltda. Comprimido Simples. 15mg

Folinac Folinato de Cálcio. Hipolabor Farmacêutica Ltda. Comprimido Simples. 15mg Folinac Folinato de Cálcio Hipolabor Farmacêutica Ltda. Comprimido Simples 15mg 1 Folinac folinato de cálcio NOME GENÉRICO: folinato de cálcio FORMA FARMACÊUTICA: Comprimido simples APRESENTAÇÃO: 15mg

Leia mais

De acordo com a idade e com os esquemas recomendados, as crianças e jovens de risco para DIP serão vacinados com:

De acordo com a idade e com os esquemas recomendados, as crianças e jovens de risco para DIP serão vacinados com: NÚMERO: 0/05 DATA: /06/05 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: Vacinação contra infeções por Streptococcus pneumoniae de grupos com risco acrescido para doença invasiva pneumocócica (DIP). Idade pediátrica

Leia mais

ANTIFÚNGICOS MICOSES

ANTIFÚNGICOS MICOSES ANTIFÚNGICOS MICOSES Fungos patogênicos Infectam diretamente o hospedeiro oportunistas Raramente causam infecções, mas aproveitam os momentos de queda da resistência imunológica Fungos Células mais complexas

Leia mais

04/06/2012. Sem conflito de interesses. Utilização de imunossupressores e agentes biológicos nas pneumopatias intersticiais associadas às colagenoses.

04/06/2012. Sem conflito de interesses. Utilização de imunossupressores e agentes biológicos nas pneumopatias intersticiais associadas às colagenoses. Utilização de imunossupressores e agentes biológicos nas pneumopatias intersticiais associadas às colagenoses. Ronaldo A. Kairalla Disciplina de Pneumologia - InCor Faculdade de Medicina da Universidade

Leia mais

Aplicação das células mesenquimatosas na transplantação de medula óssea. Projecto IPOFG,IST- IBB, LT Apoios: APCL, JMS 2008

Aplicação das células mesenquimatosas na transplantação de medula óssea. Projecto IPOFG,IST- IBB, LT Apoios: APCL, JMS 2008 Aplicação das células mesenquimatosas na transplantação de medula óssea Projecto IPOFG,IST- IBB, LT Apoios: APCL, JMS 2008 Doenças potencialmente tratáveis com transplantação de medula óssea Leucemias

Leia mais

TEMA: RITUXIMABE PARA A LEUCEMIA LINFOCÍTICA

TEMA: RITUXIMABE PARA A LEUCEMIA LINFOCÍTICA Data: 17/05/2013 NOTA TÉCNICA 73 /2013 Medicamento Material Procedimento Cobertura x Solicitante: Juíza Vanessa Guimarães da Costa Vedovotto Número do processo: TEMA: RITUXIMABE PARA A LEUCEMIA LINFOCÍTICA

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. São pequenas partículas originadas do citoplasma dos megacariócitos na medula óssea, desprovidas de núcleo (sem capacidade de síntese

Leia mais

ZIDOVUDINA (AZT) ZIDOVUDINA ANTI-RETROVIRAL

ZIDOVUDINA (AZT) ZIDOVUDINA ANTI-RETROVIRAL (AZT) Nome Genérico: zidovudina Classe Química: análogo de nucleosídeo, inibidor da transcriptase reversa Classe Terapêutica: anti-retroviral, antivirótico Forma Farmacêutica e Apresentação: Zidovudina

Leia mais

FLUCONAZOL Brainfarma Indústria Química e Farmacêutica S.A. Cápsulas 150mg

FLUCONAZOL Brainfarma Indústria Química e Farmacêutica S.A. Cápsulas 150mg FLUCONAZOL Brainfarma Indústria Química e Farmacêutica S.A. Cápsulas 150mg I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: FLUCONAZOL Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 APRESENTAÇÕES fluconazol cápsulas de 150

Leia mais

Imunossupressor; inibidor da IMPDH

Imunossupressor; inibidor da IMPDH CellCept micofenolato de mofetila Roche Imunossupressor; inibidor da IMPDH IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome do produto: CellCept Nome genérico: micofenolato de mofetila Forma farmacêutica, via de administração

Leia mais

Iniciação. Angiogênese. Metástase

Iniciação. Angiogênese. Metástase Imunidade contra tumores Câncer Cancro, tumor, neoplasia, carcinoma Características: Capacidade de proliferação Capacidade de invasão dos tecidos Capacidade de evasão da resposta imune Câncer Transformação

Leia mais

A Introdução dos Biológicos no Tratamento da Psoríase: experiência da Enfermagem em um Centro de Infusões

A Introdução dos Biológicos no Tratamento da Psoríase: experiência da Enfermagem em um Centro de Infusões A Introdução dos Biológicos no Tratamento da Psoríase: experiência da Enfermagem em um Centro de Infusões Enfª Resp. Téc. Ana Cristina de Almeida CIP-Centro de Infusões Pacaembú Agente Biológicos Os biológicos

Leia mais

Cloroquina, Hidroxicloroquina, Sulfassalazina, Metotrexato, Ciclosporina,Leflunomida, Agentes anti-citocinas

Cloroquina, Hidroxicloroquina, Sulfassalazina, Metotrexato, Ciclosporina,Leflunomida, Agentes anti-citocinas Termo de Esclarecimento e Responsabilidade Cloroquina, Hidroxicloroquina, Sulfassalazina, Metotrexato, Ciclosporina,Leflunomida, Agentes anti-citocinas Eu, (nome do (a) paciente), abaixo identificado (a)

Leia mais

fluconazol Cápsula 150mg

fluconazol Cápsula 150mg fluconazol Cápsula 150mg MODELO DE BULA COM INFORMAÇÕES AO PACIENTE fluconazol Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999. APRESENTAÇÕES Cápsula 150mg Embalagens contendo 1, 2 e 500 cápsulas. USO ORAL

Leia mais

Terapia medicamentosa

Terapia medicamentosa www.printo.it/pediatric-rheumatology/pt/intro Terapia medicamentosa Versão de 2016 13. Medicamentos biológicos Nos últimos anos foram introduzidas novas perspetivas terapêuticas com substâncias conhecidas

Leia mais

Profissional de Saúde. Perguntas Frequentes

Profissional de Saúde. Perguntas Frequentes Profissional de Saúde Perguntas Frequentes Índice Qual o objetivo deste livreto? O que eu devo saber sobre ipilimumabe? O que eu devo saber sobre reações adversas importantes? O que eu devo discutir com

Leia mais

Q & BROCHURA DE PERGUNTAS E RESPOSTAS PARA PROFISSIONAIS DE SAÚDE. VFEND (voriconazol) Oral/Intravenoso

Q & BROCHURA DE PERGUNTAS E RESPOSTAS PARA PROFISSIONAIS DE SAÚDE. VFEND (voriconazol) Oral/Intravenoso Q & BROCHURA DE PERGUNTAS E RESPOSTAS PARA PROFISSIONAIS DE SAÚDE VFEND (voriconazol) Oral/Intravenoso ÍNDICE 1 Qual a finalidade desta brochura?... 3 2 O que é o VFEND (voriconazol)?... 3 3 O que devo

Leia mais

a)tipo de transplante: Autólogo, alogênico e alogênico não aparentado

a)tipo de transplante: Autólogo, alogênico e alogênico não aparentado Protocolo Profilaxia e tratamento de infecções bacterianas, fúngicas e virais em pacientes submetidos a transplante de células progenitoras hematopoéticas (TCPH) Versão eletrônica atualizada em Abril 2012

Leia mais

Modelo de bula -paciente Fluconazol 150 mg. Fluconazol. Cápsulas 150 mg

Modelo de bula -paciente Fluconazol 150 mg. Fluconazol. Cápsulas 150 mg Fluconazol Cápsulas 150 mg 0 I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO fluconazol Medicamento genérico Lei nº 9.787 de 1999. FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES fluconazol 150 mg: embalagens com 1 e 2 cápsulas COMPOSIÇÃO

Leia mais

Forum de Debates INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA EM. Rui Toledo Barros Nefrologia - HCFMUSP rbarros@usp.br

Forum de Debates INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA EM. Rui Toledo Barros Nefrologia - HCFMUSP rbarros@usp.br Forum de Debates Sociedade Paulista de Reumatologia INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA EM PACIENTE COM LES Rui Toledo Barros Nefrologia - HCFMUSP rbarros@usp.br Resumo do Caso Feminino, i 43 anos diagnóstico prévio

Leia mais

N o 35. Março 2015. O mieloma múltiplo é uma. MIELOMA MÚLTIPLO: Novo Medicamento no tratamento contra o Câncer de Medula Óssea

N o 35. Março 2015. O mieloma múltiplo é uma. MIELOMA MÚLTIPLO: Novo Medicamento no tratamento contra o Câncer de Medula Óssea N o 35 Março 2015 Centro de Farmacovigilância da UNIFAL-MG Site: www2.unifal-mg.edu.br/cefal Email: cefal@unifal-mg.edu.br Tel: (35) 3299-1273 Equipe editorial: prof. Dr. Ricardo Rascado; profa. Drª. Luciene

Leia mais

Daniela Gorga do Amaral. Residente de 3 ano da Disciplina de Gastroenterologia Pediátrica da Escola Paulista de Medicina/UNIFESP

Daniela Gorga do Amaral. Residente de 3 ano da Disciplina de Gastroenterologia Pediátrica da Escola Paulista de Medicina/UNIFESP Daniela Gorga do Amaral Residente de 3 ano da Disciplina de Gastroenterologia Pediátrica da Escola Paulista de Medicina/UNIFESP Introdução Transplante hepático: -Principal tratamento para várias hepatopatias

Leia mais

FLUCANIL. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Cápsula 150mg

FLUCANIL. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Cápsula 150mg FLUCANIL Geolab Indústria Farmacêutica S/A Cápsula 150mg Flucanil impede o crescimento de fungos por inibir que esses microrganismos sintetizem compostos (esteroides) necessários à sua sobrevivência.

Leia mais

PORTARIA Nº 344, DE 20 DE JUNHO DE 2008(*)

PORTARIA Nº 344, DE 20 DE JUNHO DE 2008(*) PORTARIA Nº 344, DE 20 DE JUNHO DE 2008(*) O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições, Considerando a Portaria nº 2.8/GM, de 06 de novembro de 200, que aprova a estrutura e o detalhamento

Leia mais

Resposta imunológica a. Ronei Luciano Mamoni

Resposta imunológica a. Ronei Luciano Mamoni Resposta imunológica a tumores Ronei Luciano Mamoni Tumores Conceitos gerais Neoplasias conceito Neoplasia (neo= novo + plasia = tecido) é o termo que designa alterações celulares que acarretam um crescimento

Leia mais

Monitorização do Paciente em uso de Imunobiológicos. Copyright AMBULATÓRIO DE PSORÍASE MARCELO ARNONE AMBULATÓRIO DE PSORÍASE

Monitorização do Paciente em uso de Imunobiológicos. Copyright AMBULATÓRIO DE PSORÍASE MARCELO ARNONE AMBULATÓRIO DE PSORÍASE Monitorização do Paciente em uso de Imunobiológicos MARCELO ARNONE AMBULATÓRIO DE PSORÍASE HOSPITAL MARCELO DAS CLÍNICAS ARNONE FMUSP AMBULATÓRIO DE PSORÍASE HOSPITAL DAS CLÍNICAS FMUSP Moduladores de

Leia mais

MODELO DE BULA PACIENTE RDC 47/09

MODELO DE BULA PACIENTE RDC 47/09 MODELO DE BULA PACIENTE RDC 47/09 Fungiciden fluconazol APRESENTAÇÃO Solução para infusão injetável de 2 mg/ml em cartucho contendo 1 frasco de 100 ml. VIA DE ADMINISTRAÇÃO: INTRAVENOSA (SOLUÇÃO PARA INFUSÃO)

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2009

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2009 CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2009 Medicina - Especialização - TMO Este Caderno contém as questões discursivas de Conhecimentos Específicos correspondentes ao curso descrito acima. Confira se este

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DO ESTADO DA SAÚDE DIRETORIA DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA - DAF

ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DO ESTADO DA SAÚDE DIRETORIA DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA - DAF Termo de Esclarecimento e Responsabilidade Naproxeno, Cloroquina, Hidroxicloroquina, Sulfassalazina, Metotrexato, Azatioprina, Ciclosporina, Leflunomida, Metilprednisolona, Adalimumabe, Certolizumabe Pegol,

Leia mais

Portaria nº 221 de 02 de Abril de 2002.

Portaria nº 221 de 02 de Abril de 2002. Portaria nº 221 de 02 de Abril de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, e, Considerando a necessidade de estabelecer Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas

Leia mais

AIDS PERINATAL. Licia Moreira UFBA

AIDS PERINATAL. Licia Moreira UFBA Licia Moreira UFBA Definição de AIDS na CRIANÇA Toda criança com menos de 13 anos com evidência laboratorial de infecção Uma amostra de soro repetidamente positiva em teste como ELISA, IFI (pesquisa de

Leia mais

Não tome remédio sem o conhecimento do seu médico, pode ser perigoso para a saúde.

Não tome remédio sem o conhecimento do seu médico, pode ser perigoso para a saúde. CLINFAR Composição - CLINFAR Cada comprimido contém: Sinvastatina...5 mg Excipientes (ácido ascórbico, ácido cítrico, amido de mi-lho, butilhidroxianisol, celulose microcristalina, estearato de magnésio,

Leia mais

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE Este relatório é uma versão resumida do relatório técnico

Leia mais

II Congresso Internacional de Neuro-Oncologia. Tema: Tratamento da doença Leptomeníngea

II Congresso Internacional de Neuro-Oncologia. Tema: Tratamento da doença Leptomeníngea II Congresso Internacional de Neuro-Oncologia Módulo: Doença Metastática para Sistema Nervoso central Bloco: Manejo das Lesões Múltiplas Tema: Tratamento da doença Leptomeníngea Aknar Calabrich Oncologia

Leia mais

MINI BULA LIPISTATINA

MINI BULA LIPISTATINA MINI BULA LIPISTATINA - APRESENTAÇÃO: Sinvastatina 10 mg: caixas com 10, 20 e 30 comprimidos revestidos. USO ADULTO COMPOSIÇÃO: Cada comprimido revestido de Sinvastatina 10 mg contém:sinvastatina 10 mg

Leia mais

SC TRANSPLANTES CNCDO/SC

SC TRANSPLANTES CNCDO/SC Portaria nº 221 Portaria nº 221 de 02 de Abril de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, e, Considerando a necessidade de estabelecer Protocolo Clínico e Diretrizes

Leia mais

Alquilantes Diretrizes para Quimioterapia e Modificações das Dosagens Farm. William Rotea Junior Mostardas nitrogenadas Nitrosuréias Triazenos Etileniminas Alquilsulfonados Divisão Celular Mostardas Quimioterápicos

Leia mais

Transplante de células tronco hematopoiéticas alogênico e doença do enxerto contra o hospedeiro aguda (DECHa): uma revisão da profilaxia e tratamento.

Transplante de células tronco hematopoiéticas alogênico e doença do enxerto contra o hospedeiro aguda (DECHa): uma revisão da profilaxia e tratamento. 09/32-06/211 Rev. bras. alerg. imunopatol. Copyright 2009 by ASBAI ARTIGO DE REVISÃO Transplante de células tronco hematopoiéticas alogênico e doença do enxerto contra o hospedeiro aguda (DECHa): uma revisão

Leia mais

CICLOSPORINA PARA DERMATITE ATÓPICA REFRATÁRIA

CICLOSPORINA PARA DERMATITE ATÓPICA REFRATÁRIA Medicamento X Data: 30/09/2013 Nota Técnica 238 2013 Solicitante: Juiz de Direito JOSÉ CARLOS DE MATOS Material Procedimento Cobertura Número do processo: 0362.13.009927-2. Réu: Município de João Monlevade

Leia mais

Caso Clínico Mariana Sponholz Araujo Grupo de Doenças Intersticiais Pulmonares Divisão de Pneumologia - InCor Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Caso Clínico Masculino, 59 anos Dispnéia

Leia mais

PROTOCOLO CLÍNICO E DIRETRIZES TERAPÊUTICAS PARA IMUNOSSUPRESSÃO NO TRANSPLANTE HEPÁTICO EM PEDIATRIA

PROTOCOLO CLÍNICO E DIRETRIZES TERAPÊUTICAS PARA IMUNOSSUPRESSÃO NO TRANSPLANTE HEPÁTICO EM PEDIATRIA Circular 590/2013 São Paulo, 2 de Dezembro de 2013. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) PROTOCOLO CLÍNICO E DIRETRIZES TERAPÊUTICAS PARA IMUNOSSUPRESSÃO NO TRANSPLANTE HEPÁTICO EM PEDIATRIA Diário Oficial da

Leia mais

Questionário para Entrevistas investigação de RAM Nome do paciente: Nome do entrevistador: Data: / /

Questionário para Entrevistas investigação de RAM Nome do paciente: Nome do entrevistador: Data: / / Questionário para Entrevistas investigação de RAM Nome do paciente: Nome do entrevistador: Data: / / A. Medicamentos que utiliza Nome fármaco Nome comercial dose Via administração Data início Data fim

Leia mais

TRATAM ENTO M ULTIDISCIPLINAR DO ENF. RIVALDO LIRA

TRATAM ENTO M ULTIDISCIPLINAR DO ENF. RIVALDO LIRA TRATAM ENTO M ULTIDISCIPLINAR DO ENF. RIVALDO LIRA Papeldo enferm eiro Administrar o serviço de enfermagem; Consultas de Enfermagem; Administração da QT (ambulatorial e internado); Punção de acessos para

Leia mais

RETIFICAÇÕES DIVERSAS

RETIFICAÇÕES DIVERSAS Circular 340/2014 São Paulo, 10 de Junho de 2014. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) RETIFICAÇÕES DIVERSAS Diário Oficial da União Nº 109, Seção 1, terça-feira, 10 de junho de 2014 Prezados Senhores, Segue para

Leia mais

Zoltec fluconazol. APRESENTAÇÕES Zoltec cápsulas de 150 mg em embalagens contendo 1 ou 2 cápsulas.

Zoltec fluconazol. APRESENTAÇÕES Zoltec cápsulas de 150 mg em embalagens contendo 1 ou 2 cápsulas. Zoltec fluconazol I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Zoltec Nome genérico: fluconazol APRESENTAÇÕES Zoltec cápsulas de 150 mg em embalagens contendo 1 ou 2 cápsulas. VIA DE ADMINISTRAÇÃO:

Leia mais

SÍNDROME DE HIPER-IgM

SÍNDROME DE HIPER-IgM SÍNDROME DE HIPER-IgM Esta brochura é para ser usada pelos pacientes e pelas suas famílias e não deve substituir o aconselhamento de um imunologista clínico. 1 Também disponível: AGAMAGLOBULINEMIA LIGADA

Leia mais

FLUCONAZOL EMS S/A. Cápsula. 150 mg

FLUCONAZOL EMS S/A. Cápsula. 150 mg FLUCONAZOL EMS S/A Cápsula 150 mg I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: Nome genérico: fluconazol VIA DE ADMINISTRAÇÃO: ORAL USO ADULTO fluconazol Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 APRESENTAÇÕES fluconazol

Leia mais

RESIDÊNCIA MÉDICA 2015

RESIDÊNCIA MÉDICA 2015 NOME INSCRIÇÃO SALA LUGAR DOCUMENTO DATA DE NASC ESPECIALIDADE PROVA DISSERTATIVA TRANSPLANTE DE RIM ASSINATURA DO CANDIDATO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS Faculdade de Ciências Médicas LOTE SEQ RESIDÊNCIA

Leia mais

Imunologia (2002/03), Prof. Carlos Sinogas. Helena Costa, Pedro Vale, Ricardo Águas. - A Doença Graft vs. Host -

Imunologia (2002/03), Prof. Carlos Sinogas. Helena Costa, Pedro Vale, Ricardo Águas. - A Doença Graft vs. Host - Imunologia (2002/03), Prof. Carlos Sinogas Helena Costa, Pedro Vale, Ricardo Águas Transplantes e Rejeição - A Doença Graft vs. Host - Helena Costa n.º 15377 Pedro Vale n.º 14827 Ricardo Águas n.º 15147

Leia mais

Tuberculose e imunobiológicos. Cláudia Henrique da Costa Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Tuberculose e imunobiológicos. Cláudia Henrique da Costa Universidade do Estado do Rio de Janeiro Tuberculose e imunobiológicos Cláudia Henrique da Costa Universidade do Estado do Rio de Janeiro Mycobacterium tuberculosis Mycobacterium tuberculosis 10 micrômetros. Domina o mundo Dois bilhões de pessoas

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA N 13, DE 26 DE JULHO DE 2013 HELVÉCIO MIRANDA MAGALHÃES JÚNIOR SECRETÁRIO DE ATENÇÃO À SAÚDE

CONSULTA PÚBLICA N 13, DE 26 DE JULHO DE 2013 HELVÉCIO MIRANDA MAGALHÃES JÚNIOR SECRETÁRIO DE ATENÇÃO À SAÚDE CONSULTA PÚBLICA N 13, DE 26 DE JULHO DE 2013 O Secretário de Atenção à Saúde torna pública, nos termos do inciso II do art. 34 c/c art. 59 do Decreto nº 4.176, de 28 de março de 2002, minuta de Portaria

Leia mais

Se qualquer uma destas condições se aplicar a você, informe ao seu médico antes de administrar Sandimmun

Se qualquer uma destas condições se aplicar a você, informe ao seu médico antes de administrar Sandimmun SANDIMMUN ciclosporina APRESENTAÇÕES Sandimmun 50 mg/ml embalagens contendo 10 ampolas de concentrado para solução de infusão intravenosa de 1 ml ou 5 ml. VIA INTRAVENOSA USO ADULTO E PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO

Leia mais

Descrição/ especificação técnica: Pó cristalino branco a quase branco, com especificação de 98 a 101% de Aciclovir.

Descrição/ especificação técnica: Pó cristalino branco a quase branco, com especificação de 98 a 101% de Aciclovir. Material Técnico Identificação Fórmula Molecular: C 8 H 11 N 5 O 3 Peso molecular: 225,2 DCB/ DCI: 00082 aciclovir CAS: 59277-89-3 INCI: Não aplicável Sinonímia: Acicloguanosina; Aciclovirum; Aciklovír;

Leia mais

Ciências Morfofuncionais III Fármacos analgésicos

Ciências Morfofuncionais III Fármacos analgésicos Ciências Morfofuncionais III Fármacos analgésicos Professores: Felipe, Jean-Pierre e Olivia FÁRMACOS ANALGÉSICOS Analgésico é um termo coletivo para designar qualquer membro do diversificado grupo de drogas

Leia mais

O tempo médio de início da ação para psoríase: 4 semanas e para artrite reumatoide: 4 a 8 semanas.

O tempo médio de início da ação para psoríase: 4 semanas e para artrite reumatoide: 4 a 8 semanas. SANDIMMUN NEORAL ciclosporina para microemulsão APRESENTAÇÕES Sandimmun Neoral 25, 50 ou 100 mg embalagens contendo 50 cápsulas. VIA ORAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO Cada cápsula de gelatina mole

Leia mais

Transfusão de Hemocomponentes em Pediatria

Transfusão de Hemocomponentes em Pediatria Transfusão de Hemocomponentes em Pediatria Adriana Barretto de Mello hemoba@hemoba.ba.gov.br Todo sangue é fracionado em componentes Vantagens Uma doação pode ajudar vários pacientes Para manter as propriedades

Leia mais

lamotrigina Comprimido 100mg

lamotrigina Comprimido 100mg lamotrigina Comprimido 100mg MODELO DE BULA COM INFORMAÇÕES AO PACIENTE lamotrigina Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999. APRESENTAÇÕES Comprimido 100mg Embalagens contendo 30 e 60 comprimidos. USO

Leia mais

NUPLAM ISONIAZIDA + RIFAMPICINA

NUPLAM ISONIAZIDA + RIFAMPICINA NUPLAM ISONIAZIDA + RIFAMPICINA ISONIAZIDA + RIFAMPICINA D.C.B. 05126.01-0 FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES NUPLAM ISONIAZIDA + RIFAMPICINA é apresentado em: Cápsulas duras, para ADMINISTRAÇÃO ORAL,

Leia mais

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1 1. DENOMINAÇÃO DO MEDICAMENTO Protopic 0,03% pomada 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA 1 g de Protopic 0,03% pomada contém 0,3 mg de tacrolimus

Leia mais

Data: 20/01/2013 NTRR 05/2013. Medicamento X Material Procedimento Cobertura

Data: 20/01/2013 NTRR 05/2013. Medicamento X Material Procedimento Cobertura NTRR 05/2013 Solicitante: Desembargador Alyrio Ramos Número do processo: 1.0145.12.082745-9/001 Impetrato: Secretaria de Saúde de Juiz de Fora Data: 20/01/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura

Leia mais

DIRETRIZES PARA TRANSPLANTE RENAL

DIRETRIZES PARA TRANSPLANTE RENAL DIRETRIZES PR TRNSPLNTE RENL G. Karam (presidente), T. Kälble,. lcaraz, F.T. ki, K. udde, U. Humke, F. Kleinclauss, G. Nicita, J.O. Olsburgh,. Süsal Introdução s disposições e condutas em transplante renal

Leia mais

DMG Nº: FAR-PRO-TAC-000-2014 I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO. Imunosupressor. Nome do produto: Tacrolimo Nome genérico: Tacrolimo

DMG Nº: FAR-PRO-TAC-000-2014 I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO. Imunosupressor. Nome do produto: Tacrolimo Nome genérico: Tacrolimo I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Imunosupressor. Nome do produto: Tacrolimo Nome genérico: Tacrolimo APRESENTAÇÕES Cápsulas contendo 1 mg em embalagens com 100 cápsulas. Cápsulas contendo 5 mg em embalagens

Leia mais

RESPOSTA IMUNE AOS MICRORGANISMOS. Prof. Aline Aguiar de Araujo

RESPOSTA IMUNE AOS MICRORGANISMOS. Prof. Aline Aguiar de Araujo RESPOSTA IMUNE AOS MICRORGANISMOS Prof. Aline Aguiar de Araujo INTRODUÇÃO Número de indivíduos expostos à infecção é bem superior ao dos que apresentam doença, indicando que a maioria das pessoas tem condições

Leia mais

EMENTA: Utilização - Indicação - Fornecimento do Medicamento Temozolamida CONSULTA

EMENTA: Utilização - Indicação - Fornecimento do Medicamento Temozolamida CONSULTA PARECER Nº 2392/2012 CRM-PR PROCESSO CONSULTA N.º 41/2012 PROTOCOLO N. º 21582/2012 ASSUNTO: FORNECIMENTO DO MEDICAMENTO TEMOZOLAMIDA PARECERISTA: CONS. JOSÉ CLEMENTE LINHARES EMENTA: Utilização - Indicação

Leia mais

Imunossupressão no transplante renal

Imunossupressão no transplante renal Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas Portaria SAS/MS nº 712, de 13 de agosto de 2014, republicada em 14 de agosto de 2014. 1 METODOLOGIA DE BUSCA E AVALIAÇÃO DA LITERATURA Em 22 de março de 2012

Leia mais

CERTICAN everolimo. APRESENTAÇÕES Comprimidos de 0,5 mg, 0,75 mg e 1,0 mg. Embalagens com 60 comprimidos. VIA ORAL USO ADULTO

CERTICAN everolimo. APRESENTAÇÕES Comprimidos de 0,5 mg, 0,75 mg e 1,0 mg. Embalagens com 60 comprimidos. VIA ORAL USO ADULTO CERTICAN everolimo APRESENTAÇÕES Comprimidos de 0,5 mg, 0,75 mg e 1,0 mg. Embalagens com 60 comprimidos. VIA ORAL USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada comprimido contém 0,5 mg, 0,75 mg ou 1,00 mg de everolimo. Excipientes:

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 48. Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos?

PROVA ESPECÍFICA Cargo 48. Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos? 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 48 QUESTÃO 26 Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos? a) Heparina. b) Histamina. c) Fator ativador de plaquetas

Leia mais