SUSTENTABILIDADE, PRODUÇÃO MAIS LIMPA E LOGÍSTICA REVERSA EM UMA INDÚSTRIA CALÇADISTA: ESTUDO DE CASO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SUSTENTABILIDADE, PRODUÇÃO MAIS LIMPA E LOGÍSTICA REVERSA EM UMA INDÚSTRIA CALÇADISTA: ESTUDO DE CASO"

Transcrição

1 ISSN SUSTENTABILIDADE, PRODUÇÃO MAIS LIMPA E LOGÍSTICA REVERSA EM UMA INDÚSTRIA CALÇADISTA: ESTUDO DE CASO Luiz Eduardo de Carvalho Chaves (UNIFRAN) Tadeu melo Junior (FATEC) Cristiano Fugeiro Ferreira (UNIFRAN) Resumo Neste artigo serão apresentadas as vantagens econômicas e ambientais de uma indústria calçadista que implementou a Produção Mais Limpa (P+L) na reciclagem de borracha em um ciclo fechado, envolvendo processo produtivo e logística. Um estudoo de viabilidade técnica, mencionando o benefício financeiro adquirido na reciclagem na fabricação calçadista, validou este artigo. A metodologia de Intensidade de Material do Wuppertal Institute foi aplicada para avaliar o impácto do passivo quando não é inserido na natureza na escala da biosfera como consequência da redução de emissões por conta da intervenção da produção mais limpa e da logística reversa, comparando com o financeiro. Palavras-chaves: : Indústria calçadista; Produção Mais Limpa; Ciclo fechado; Reciclagem; pó de borracha.

2 1.INTRODUÇÃO Ao falarmos de mundo contemporâneo e marco desenvolvimentista, podemos citar a Revolução Industrial, a Segunda Guerra Mundial e a Informática veio para acelerar ainda mais este desenvolvimento, propiciando a Globalização que tornou o mundo muito pequeno, um lugar muito próximo de qualquer outro e os negócios se tornaram grandiosos sem qualquer preocupação com o meio ambiente, o que valia era o lucro e o mercado. Passivos de diversos graus de degradação foram sendo descartados no meio ambiente, gerando inclusive mudanças climáticas significativas. Os resultados econômicos aos olhos capitalistas foram excelentes, ambientalmente os fatores ecológicos foram extremamente negativos, com impactos ambientais, em vários casos, comprometendo gerações. A partir da década de 80 iniciou-se, mundialmente, uma forma de pensar e agir diferente, aonde o ambiente e os seus autores, biótico e abiótico, tivessem a preferência sobre as atividades e pelo menos, o lucro deveria vir em paralelo com medidas sustentáveis e essa posição se alastrou para as empresas, pessoas, sociedade, escolas, pesquisa, enfim, para o dia a dia das pessoas. Hoje temos uma crescente conscientização dos diversos segmentos da sociedade com relação à necessidade da preservação ambiental, colocando em cheque antigos costumes praticados em nossos lares, no trabalho, pelas empresas, pelos governos, enfim, pela sociedade. Novas formas de se fazer e novas tecnologias limpas começaram a surgir, que culminou com a elaboração de uma norma, pegando carona em outra, a da qualidade (ISO 9000), que veio para estabelecer requisitos para as empresas gerenciarem seus produtos e processos, para que eles não agridam o meio ambiente, que os seres vivos não sofram com os resíduos gerados e sim beneficiados. Esta norma foi chamada de ISO Sistema de Gestão Ambiental. Hoje os processos industriais precisam se adequar a Política nacional de Resíduos Sólidos que dispõe sobre as diretrizes gerais aplicáveis aos resíduos sólidos no país. Para melhor entender, um trecho retirado da Política Nacional de Resíduo sólido, 2010, diz; a proteção da saúde pública e da qualidade do meio ambiente, não geração, redução, reutilização e tratamento de resíduos sólidos, bem como destinação final ambientalmente adequada dos rejeitos, educação ambiental e integração dos catadores de materiais recicláveis nas ações que envolvam o fluxo de resíduos sólidos entre outras orientações. A logística reversa é um instrumento de desenvolvimento econômico e social, caracterizado pelo conjunto de ações, procedimentos e meios destinados a viabilizar a coleta e a restituição dos resíduos sólidos ao setor empresarial, para reaproveitamento e reciclagem, em seu ciclo ou em outros ciclos produtivos, ou outra destinação final ambientalmente adequada, conforme citou Guarniera, A implementação da produção mais limpa (P+L) no tratamento do passivo gerado na fabricação de artefatos de borracha com vantagens econômicas e ambientais alinhada a um ciclo fechado e logística reversa é o principal objetivo desse estudo. Nesse ocorreu a destinação correta do resíduo sólido em um sistema fechado que foi criado. Será mostrado o ganho financeiro com o reuso do passivo modificado e os ganhos ambientais, comparando-os. Para Donaire (1999) na atualidade, o fator ambiental tem ganhado importância na avaliação da estratégia de marketing, pois as alterações da legislação ambiental e a crescente conscientização dos consumidores têm feito surgir riscos potencias e novas oportunidades de 2

3 comercialização de bens e serviços, que devem ser adequadamente avaliadas para garantir a competitividade da empresa e preservar sua imagem e responsabilidade social. A indústria é a principal fonte de emissão de substâncias nocivas, e afim de educar os empresários para a sustentabilidade, será apresentado como objetivo geral as vantagens econômicas e ambientais em uma indústria de borracha calçadista que implementou os conceitos de Produção Mais Limpa como decisão estratégica na reciclagem dos passivos de borracha gerados no processo. Como objetivo específico: - Apresentar o processo de reciclagem do passivo de borracha transformando-o em matéria prima; - Analisar as vantagens econômicas e ambientais presentes no processo de reciclagem na Produção Mais Limpa através da metodologia de Intensidade de Material (Wuppertal Institute).. A evolução dos processos produtivos, considerando todas as etapas que compõem o ciclo de atividades industriais, desde a matéria prima até o descarte após a vida útil do produto por parte do consumidor, e voltando a geração de novos recursos para matéria prima é o objetivo maior. 2. REFERENCIAL 2.1 Processo PCP MATÉRIA-PRIMA ALMOXARIFADO TERCEIRIZAÇÃO MISTURA Retrabalh o PREPARAÇÃO Engenhari a VULCANIZAÇÃO REFUGO MONTAGEM DO SAPATO EXPEDIÇÃO CLIENTE 3

4 Figura: Elaborado pelo autor O processo de fabricação de borracha tem várias fases indo da compra da matéria prima até o cliente, conforme descrito acima. A empresa em estudo tem funcionários e é fabricante de calçados em Franca, SP. Sua produção mensal é de pares por mês, o que por ano totalizam pares. Em borracha significa um consumo mensal de Kg/mês. Este volume de borracha gera em torno de 1,2% de refugo no processo e 1,0% em devolução. O refugo era entregue a uma empresa que jogava em um lixo, sabe-se lá aonde e para isso recebia R$0,80/Kg. Cada formulação para a produção de um tipo de borracha leva em torno de 14 matérias prima divididas em cinco categorias; 1) Elastômeros 2) Cargas de enchimento e/ou reforço: negro de fumo, pó de borracha, etc 3) Plastificantes: óleos aromáticos, nafténicos, parafínicos e DOP 4) Agentes vulcanizantes: Ativadores, Aceleradores e o Vulcanizante 5) Aditivos: Resinas, protetores, pigmentos, etc. Processo antes da intervenção MATÉRIA PRIMA Elastômeros Cargas Plastificantes Agentes vulcanizantes Aditivos REFUGO BORRACHA INTERNO CLIENTE Destino Variado? FABRICAÇÃO DE PRODUTOS DE BORRACHA CLIENTE Fluxograma do processo antes da intervenção (elaborado pelos autores) O refugo pode ocorrer em diversos pontos do processo e no cliente, mas o problema não esta aonde ocorre, mas depois, o que se fáz com o mesmo. Antes o refugo era levado para um lixão na cidade, sem qualquer preocupação. Com a implantação da reciclagem em ciclo fechado em conjunto com a logística reversa, o processo foi alterado para esta nova configuração, que não envia mais nada ao lixo de passivo de borracha, pois em um ciclo fechado reciclou todo este passivo. Isso pode ser 4

5 feito ao separar os refugos nas diversas partes do processo, bem como devolução por qualidade, para que o fornecedor de pó de borracha, a indústria Ouro Preto, transforme este refugo em pó de borracha com granolumetria especial, de 50 mash, normalmente o mercado utiliza de 30mash. Obtendo um produto de altíssima qualidade. MATÉRIA PRIMA Elastômeros Cargas Plastificantes Agentes vulcanizantes Aditivos INDÚSTRIA CALÇADISTA REFUGO BORRACHA INTERNO CLIENTE CLIENTE EMPRESA TERCERIZADA OURO PRETO BORRACHAS MICRONIZAÇÃO 60 MESH MATÉRIA PRIMA PARA COMPOSTO DE BORRACHA Processo produtivo modificado (elaborado pelo autor) 2.2 Produção Mais Limpa A indústria é a principal fonte de emissão de substâncias nocivas, e por anos, o avanço tecnológico manteve seu foco no aprimoramento de processos e produtos e seus reflexos na competitividade. Segundo Mano et. al (2005) a expressão educação ambiental foi utilizada pela primeira vez na Conferencia de Educação da Universidade de Kelle na Grã-Bretanha, em A partir dessa data, passou a ter uma dimensão cada vez mais importante para a formação de cidadãos com conhecimento do ambiente total, preocupados com os problemas associados a esse espaço que o cerca e com atitude, motivações, envolvimentos e habilidades para trabalhar, individual e coletivamente, em busca de soluções para resolver as dificuldades atuais e prevenir os futuros desajustes relacionados a sustentabilidade, busca-se com isso formas de gerenciar e melhorar as relações entre a sociedade humana e o ambiente, de modo integrado e sustentável. Brandão (2006) define sustentabilidade como um resultado favorável no qual a vida na Terra é mantida indefinidamente, denominando como desenvolvimento sustentável os princípios e processos para alcançar este resultado. Em termos econômicos é a renda proporcionada pelo planeta e não pelo capital natural que a toda atividade econômica depende. Segundo Silva et al (2008), as noções atuais de desenvolvimento sustentável diferenciam-se amplamente da idéia de crescimento presente na teoria econômica clássica. Atualmente, em termos gerais, os agentes econômicos precisam relacionar-se com a sociedade e voltar-se também para as questões ambientes, para que possam agregar valores aos produtos: valores éticos e morais, para que possam maximizar seus lucros. Assim, no 5

6 momento em que se expandem os movimentos sociais baseados na preocupação com o meio ambiente, passou-se a tratar desenvolvimento sustentável como uma harmonização entre crescimento econômico e conservação da natureza. Na Figura 1, um modelo de interação humana que segundo Giannetti e Almeida (2007) demonstra o fluxo que se referem aos princípios da sustentabilidade. Este modelo apresenta o ideal para convergir o desenvolvimento sócio-econômico sustentável, pois apresentam os recursos e serviços ambientais como base do desenvolvimento almejado. Na verdade, esses recursos são a fonte da real prosperidade humana, além de demonstrar que a sociosfera e a econosfera estão dentro da biosfera, chamando a atenção que esses não podem utilizar mais do que as capacidades intrínsecas do meio ambiente. Modelo de sustentabilidade ambiental. Fonte: Giannetti e Almeida (2006) A Produção Mais Limpa visa melhorar a eficiência, a lucratividade e a competitividade das empresas, enquanto protege o ambiente, o consumidor e o trabalhador. É um conceito de melhoria contínua que tem por conseqüência tornar o processo produtivo cada vez menos agressivos ao homem e ao meio ambiente. A implementação da Produção Mais Limpa resulta numa redução significativa dos resíduos, emissões e custos. Cada ação no sentido de reduzir o uso de matérias-primas e energia, prevenir ou reduzir a geração de resíduos, pode aumentar a produtividade e trazer benefícios econômicos para a empresa (Giannetti e Almeida 2006). Conforme o SENAI Produção mais Limpa é aplicação de uma estratégia técnica, econômica e ambiental integrada aos processos e produtos, a fim de aumentar a eficiência no uso de matérias-primas, água e energia, através da não geração, minimização ou reciclagem dos resíduos e emissões geradas, com benefícios ambientais, de saúde ocupacional e econômica. Outro fator importante que merece exclusividade por se tratar especificamente do assunto desse trabalho é que a Produção Mais Limpa se caracteriza pelo processo de reciclagem que de conforme Giannetti e Almeida (2006) Não são considerados parte da Produção Mais Limpa o tratamento de efluentes, a incineração a até a reciclagem de resíduos fora do processo de produção, pois não implicam na diminuição na fonte e sim de maneira reativa e corretiva. A P+L prioriza os esforços dentro de cada processo isolado, colocando a reciclagem externa entre as ultimas opções a considerar 6

7 De acordo com o SENAI, traz para as empresas vantagens ambientais e econômicas devido à preocupação de não gerar mais resíduos e emissões que afetem o meio ambiente, e como conseqüência reduz gastos desnecessários e contribui para a imagem da empresa. As vantagens ambientais da Produção mais Limpa são de evitar a poluição antes que ela seja gerada, isto é, com consciência e entendimento sobre o impacto ao meio ambiente principalmente na eliminação de resíduos, no controle da poluição, no uso racional de energia, na melhoria da saúde e segurança do trabalho, com produtos e embalagens ambientalmente adequadas já no planejamento do produto, as embalagens dos produtos devem ser eliminadas ou minimizadas. As vantagens econômicas da Produção mais limpa são aparentes em longo prazo, pois no início do projeto é investido capital na adoção de novas tecnologias e modificações de processos existentes. Essas vantagens incluem aumento na eficiência do processo gerando redução permanente de custos totais através do uso eficiente de matérias-primas, água e energia, e da redução de resíduos e emissões gerados além de boas práticas operacionais. Portanto conclui-se que é necessário implementar a Produção Mais Limpa na reciclagem de produtos no processo interno de produção, pois de um lado terá vantagens econômicas de outro estar consciente que está fazendo a coisa certa Cuidar do habitat natural com vantagens ambientais. 2.3 Cálculo da Intensidade de Material: Vantagens Ambientais A extração de recursos da natureza (ecossistemas) fez com que o Instituto Wuppertal (2008) desenvolvesse um método para avaliar as mudanças ambientais. A retirada de material do ecossistema é sempre maior que a quantidade a ser utilizada. Quanto maior os níveis de processamento, maior serão as perdas e consequentemente, maior a diferença entre o retirado e o utilizado. Esta retirada se da em diversos compartimentos ambientais, que são classificados em Abióticos, Bióticos, água e ar. Segundo ODUM (1981), os compartimentos interagem entre si, sendo o Biótico o conjunto de todos os organismos vivos e decompositores e o Abiótico, o conjunto de fatores não vivos de um ecossistema, mas que influenciam no meio Biótico, como temperatura, pressão, pluviosidade do relevo, etc. A quantidade de material de cada compartimento usado para suprir um dado material é chamado de Intensidade de Material. O cálculo se faz pegando o fluxo de entrada de massa, expresso em unidades correspondentes, multiplicando pelo fator MIF ( Mass Intensity Factors), que será a quantidade de matéria necessária para produzir uma unidade de fluxo de entrada. 2.4 Indústria calçadista No site spdesign coloca que o processo produtivo na indústria de calçados caracteriza-se pela sua descontinuidade, com o fluxo de produção ocorrendo entre estágios bastante distintos entre si. As cinco principais etapas são: Modelista: estilista-modelista cabe idealizar o produto final, considerando aspectos como as tendências da moda, os materiais a serem utilizados, a definição dos modelos e das formas que compõem o calçado, além de adequar a manufaturabilidade do produto, adaptando a sua concepção às condições e características do processo produtivo, inclusive no que tange a custos. Já ao modelista técnico cabe adaptar os novos modelos e projetos para a fabricação, verificando a escalação de modelos, palmilhas, solas e outros componentes, a comprovação dos cortes escalados e a programação de navalhas. Corte: Na etapa de corte, a matéria-prima é cortada de acordo com as determinações definidas na modelagem. As diferenças entre os processos tradicionais e os mais avançados é, 7

8 em grande parte, determinado pelo tipo de matéria-prima utilizado e seu grau de homogeneidade/ heterogeneidade. Costura ou Pesponto: de acordo com o tipo de calçado, as várias peças que compõem o cabedal são costurados, dobrados, picotados ou colados, e enfeites e fivelas podem ser aplicados. Nesta etapa o predomínio manual é total. Nesta fase também se terceiriza muito. Montagem: Na etapa de montagem, o cabedal é unido ao solado. Os processos de união são bastante variados, envolvendo costura, prensagem ou colagem. A colocação de saltos, biqueiras e palmilhas também é realizada nesta etapa. Acabamento: o calçado é desenformado e passa pelos retoques finais: colocação de forro, pintura, enceramento, etc. MODELAGEM FABRICAÇÃO PLACA BORRACHA CORTE RECICLAGEM MICRONIZAÇÃO COSTURA REFUGO MONTAGEM ACABAMENTO CLIENTE Indústria calçadista: elaborado pelos autores (Fonte). 3. ESTUDO DE CASO 8

9 Este estudo de caso tem por objetivo relatar um exemplo de aplicação do conceito de produção mais limpa em uma indústria calçadista, com significativa expressão no seu segmento de atuação. A empresa apoiou a implementação do programa Produção Mais Limpa como uma decisão estratégica, principalmente na mudança do paradigma sobre a abordagem da questão do refugo. O projeto tem como objetivo reciclar o refugo de borracha gerado internamente ou oriundos de clientes, através de um fornecedor que processará o passivo, granulando e micronizando transformando em uma matéria prima para a produção de compostos de borracha para a produção do solado do sapato. A vantagem de se utilizar o pó de borracha da própria borracha, é que sua compatibilidade é muito maior do que de um pó de borracha de outra formulação. Com essa visão objetiva-se a produtividade com responsabilidade ambiental, ou seja, todo o passivo ambiental gerado na fabricação de artefatos de borracha será utilizado em formulação de borracha, após micronização, como carga de enchimento ou aditivo para eliminar bolhas na vulcanização. No processo de definir o fornecedor, foi desenvolvido junto ao mesmo, uma micronização menor, com o mesmo custo e com um padrão de qualidade bem maior. Antes se usava com 30 mesh e passou-se a utilizar com 50 mesh. A Vantagem Econômica e Vantagem Ambiental podem ser mensuradas e mais, comparadas Processo de micronização Os refugos de borracha internos ou não são inspecionados e, se necessários, limpos (retirada de terra, matéria estranha, etc.). Em seguida são colocados em uma máquina para serem granulados, que é a trituração de forma a ficar com tamanhos de partícula em torno de 6 a 8 mm. Após este processo, os granulados serão colocados em uma máquina micronizadora, que irá passar os grânulos para 50 mesh. Nestas condições isentos de umidade e matéria estranha, estão prontos para serem utilizados como matéria prima em compostos de borracha Metodologia A metodologia selecionada para avaliar o resultado da implementação da reciclagem de borracha em uma empresa calçadista consiste em avaliar as vantagens econômicas, os resultados técnicos e Intensidade de Material. A seguir uma breve descrição desta última ferramenta Intensidade de Material No presente trabalho só os benefícios específicos em economia de material (borracha) decorrentes da intervenção P+L são avaliados. Os valores de MIF usados estão na Tabela 1 Tab. 1 - Fatores de Intensidade de Material usados no presente trabalho Borracha (SBR)* a dados da Europa Fatores de Intensidade de Material Material Abiótico Material Biótico Água Ar 5,70 146,

10 4 RESULTADOS E DISCUSSÃO 4.1 Vantagens econômicas e comerciais na reciclagem do passivo de borracha. Segue os números para melhor visualizar a vantagem; Produção anual de borracha: Kg ; Refugo anual de borracha (1,2% + 1,0%): Kg: O pó de borracha no mercado custa R$1,8/Kg O gasto anual com o recolhimento do refugo de borracha era 5.322Kg * R$0,80 = R$4.257,60 sem garantias de uma destinação final ecologicamente correta, portanto, sujeito a penalidades legais no futuro; Benefícios financeiros: R$4257,60, imediatamente após a sua implementação. Vantagem comercial No momento, estão sendo implantadas as seguintes condições: 1. É a utilização de um selo verde e a divulgação em todos os meios que a empresa é uma empresa realmente preocupada com o meio ambiente. 2. Colocar na negociação de um novo pedido com o cliente, que o seu passivo de borracha, desde que seja entregue na fábrica será dada uma destinação ecologicamente correta (dar certificado). Uma certeza, será o aumento nas vendas. A empresa para produzir os Kg/ano, utiliza Kg de pó de borracha, ou seja, ainda compra quatro vêzes mais o que esta reciclando, portanto, tem muito para receber de passivo dos clientes. 3. Com o pó mais fino, sua aparência melhorou, ficou mais liso Viabilidade técnica da colocação do pó de borracha no composto de borracha. A compatibilidade é muito maior com o pó oriundo da mesma formulação 4.3 Resultados ambientais: intensidade de materiais Observa-se que as quantidades economizadas de borracha levam a uma expressiva economia de material em escala global (Tabelas 2), e os cálculos tiveram como base Kg, que representa o que retornou e deixou de ser comprado. Tab. 2 - Material economizado com a reciclagem Fatores de Intensidade de Material Abiotic matter Biotic matter Water Air Borracha: (g/g) a , ,3 10

11 Um reaproveitamento de 5.322Kg de borracha corresponde a ,4 Kg de material no nível abiótico, a na água e 8781,3 Kg no ar. Os benefícios financeiros em um ano pelo aproveitamento de Kg de borracha são de R$4.257,60, o que da uma razão de 1,25Kg/R$. Quando se considera a escala global, por cada real, há um benefício de ,7 de material que não é modificado nem retirado dos ecossistemas e quando se verifica um ganho financeiro de R$4.257,60 tem-se um razão de 191,60 material/r$. 5. CONCLUSÕES Vivemos em um planeta limitado de recursos naturais e o limite da ambição humana é ilimitada, portanto, somente a concientização aliada a normas internacionais e leis protetoras e reais, aonde o ganho e a natureza possam andar paralelamente, ou seja, com o uso consciente dos recursos praticando a sustentabilidade. A preocupação com o meio ambiente transcende o indivíduo indo das comunidades as empresas e vice versa, por isso a sua prática deve ser sistêmica e contínua. Na produção a gestão ambiental deve estar presente em todo o ciclo da produção. Um dos gatilhos dessa conscientização se dá nas empresas, dessa forma, os funcionários de chão-de-fábrica ambientalmente educados se aliam para a melhoria das condições de vida do planeta. Uma das formas de manter o meio ambiente saudável para as gerações futuras é através da educação ambiental que começa pelos gestores de produção que implementam conceitos de Produção Mais Limpa e conseqüentemente dissemina o conhecimento para todos os colaboradores. É possível estabelecer metas de redução na geração de resíduos no meio ambiente mesmo na pequena indústria calçadista. A implementação da Produção Mais Limpa apresenta vantagens econômicas e ambientais, portanto, o que se vê são somente ganhos, então porque não fazê-lo? Quando comparamos a razão do ganho financeiro e ambiental verificamos primeiramente, que não há perda, não há prejuízo, de uma forma geral, todos ganham, mas o meio ambiente muito mais. Porque não praticar a produção mais limpa com sustentabilidade se não há perda por parte da empresa? Quando comparamos os ganhos, não há dúvida de que houve ganho financeiro, mas o ganho ambiental foi muito maior e justifica qualquer medida neste sentido: Ganho Financeiro Ganho Ambiental Reaproveitamento -Kg R$ 4.267, , ,00 Razão ganho/kg 1,25 191,6 O ganho ambiental é muito grande, por sí só já justificaria o seu uso, imagina tendo ganho financeiro, é quase uma obrigação praticar a sustentabilidade. As empresas devem se estruturar de maneira a buscar adequações em seus processos, com o objetivo de identificar os produtos existentes que poderiam ser melhorados, e as fases do ciclo de produção que poderiam se adequar a critérios ambientalmente aceitáveis. Há muito que se fazer na prevenção da degradação do ecossistema, reconhecer esta necessidade já nos parece um grande avanço no contexto econômico financeiro. 11

12 É necessário que se incentivem programas direcionados a eficiência energética para que as empresas brasileiras adotem a disseminação de uma nova consciência ambiental na Governança Corporativa, que além de preservar o meio ambiente, proporciona vantagens econômicas. Essas vantagens se alastram além das fronteiras, haja visto que nos países mais desenvolvidos esta prática é ganhadora de pedido, ou seja, condição para se vender é praticar a sustentabilidade e/ou produção mais limpa(p+l). Os benefícios ambientais podem ser avaliados quantitativamente usando uma metodologia adequada. Isto permite acompanhar o desempenho da empresa quando é efetuada uma intervenção de P+L. É possível obter informações em escala global confrontando aspectos ambientais e financeiros. Se ganhamos na avaliação quantitativa, muito mais ganhamos na qualitativa com verdadeiramente mais qualidade de vida. Claro que a avaliação qualitativa é muito mais representativa no ponto de vista ambiental pois demonstra o quanto tivemos de ganho real para o meio ambiente e isso faz com que o limite de nossos recursos se mantenha em níveis controláveis e nosso planeta um lugar cada véz melhor para morar. REFERÊNCIAS BRANDÃO, C.E. L. Sustentabilidade e governança corporativa. In: Uma década de governança corporativa - História do IBGC, marcos e lições da experiência. São Paulo: Saraiva, GUARNIERE ODUM O, H.T Analyzing and Modeling Grassland Biomes (Review). Bioscience 31(10): PADRÃO EDITORIAL, Revista. CONSUMIDOR MODERNO. São Paulo: Padrão Editorial Ltda. Ed. Julho de DONAIRE, D. Gestão Ambiental na Empresa. São Paulo, Editora Atlas, GIANNETTI, B.F. ALMEIDA, C.M.B.V. Ecologia Industrial: Conceitos, ferramentas e aplicações. São Paulo, Editora Edgard Blücher, MANO, E. B; PACHECO, E.B.A.V.; BONELLI, C.M. Meio ambiente, poluição e reciclagem. 1ª ed. São Paulo: Edgard Blucher, SENAI.RS. Implementação de Programas de Produção mais Limpa. Porto Alegre, Centro Nacional de Tecnologias Limpas SENA-RS/UNIDO/INEP, SILVA, J. Ultemar. Responsabilidade Sócio-ambiental como diferencial competitivo nas Organizações do Século XXI. In Consciência e Desenvolvimento sustentável nas Organizações. São Paulo: Campus, Wuppertal Institute. Calculating MIPs, resources productivity of products and services. Available from: [accessed April 2008]. Wuppertal Institute.Available from: [accessed April 2008]. ( Acesso em março 2013). 12

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br.

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br. Marketing Ambiental Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. O que temos visto e ouvido falar das empresas ou associado a elas? Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br 2 3 Sílvia

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

ACONTECENDO? O QUE ESTÁ O QUE PODEMOS FAZER?

ACONTECENDO? O QUE ESTÁ O QUE PODEMOS FAZER? O QUE ESTÁ ACONTECENDO? O futuro é uma incógnita. As tendências são preocupantes, mas uma coisa é certa: cada um tem de fazer sua parte. Todos somos responsáveis. A atual forma de relacionamento da humanidade

Leia mais

Estudo de Caso: Aplicação de Produção Mais Limpa no Processo de Embalagem de Soquetes de Luminárias

Estudo de Caso: Aplicação de Produção Mais Limpa no Processo de Embalagem de Soquetes de Luminárias Estudo de Caso: Aplicação de Produção Mais Limpa no Processo de Embalagem de Soquetes de Luminárias BENVENUTI, T. a*, MAFFESSONI, D. b, TONIN, B. P. b a. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO GESTAO AMBIENTAL LUCAS SAMUEL MACHADO RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Doverlandia 2014 LUCAS SAMUEL MACHADO RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Trabalho de Gestão Ambiental

Leia mais

Sindicato da Indústria de Calçados, Componentes para Calçados de Três Coroas

Sindicato da Indústria de Calçados, Componentes para Calçados de Três Coroas Sindicato da Indústria de Calçados, Componentes para Calçados de Três Coroas Responsável pelo Projeto: Sindicato da Indústria de Calçados, Componentes para Calçados de Três Coroas. 2015 CONCEITOS DE SUSTENTABILIDADE

Leia mais

GOVERNANÇA CORPORATIVA SUSTENTÁVEL E VANTAGEM NA IMPLEMENTAÇÃO DA PRODUÇÃO MAIS LIMPA: UM ESTUDO DE CASO

GOVERNANÇA CORPORATIVA SUSTENTÁVEL E VANTAGEM NA IMPLEMENTAÇÃO DA PRODUÇÃO MAIS LIMPA: UM ESTUDO DE CASO 31 de Julho a 02 de Agosto de 2008 GOVERNANÇA CORPORATIVA SUSTENTÁVEL E VANTAGEM NA IMPLEMENTAÇÃO DA PRODUÇÃO MAIS LIMPA: UM ESTUDO DE CASO Oduvaldo Vendrametto (UNIP) oduvaldov@uol.com.br José Benedito

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL APRESENTAÇÃO Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL Introdução SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento

Leia mais

FACCAMP - FACULDADE DE CAMPO LIMPO PAULISTA CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA Campo Limpo Paulista - Maio 2013

FACCAMP - FACULDADE DE CAMPO LIMPO PAULISTA CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA Campo Limpo Paulista - Maio 2013 FACCAMP - FACULDADE DE CAMPO LIMPO PAULISTA CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA Campo Limpo Paulista - Maio 2013 DISCIPLINA - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL Integrantes: Adriano de Oliveira RA: 14759 Karina

Leia mais

A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO NO CONTROLE DO MEIO AMBIENTE

A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO NO CONTROLE DO MEIO AMBIENTE 546 A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO NO CONTROLE DO MEIO AMBIENTE Irene Caires da Silva 1, Ana Carlina Toni Pereira 2, Carlile Serafim Pestana 2, Fernando Henrique Grigoletto dos Santos 2, Henrique

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE Revista Ceciliana Jun 5(1): 1-6, 2013 ISSN 2175-7224 - 2013/2014 - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA

Leia mais

POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO

POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO Política da QUALIDADE A satisfação do cliente está na base das operações do Grupo Volvo. A Qualidade é um pré

Leia mais

Guia de sustentabilidade para plásticos

Guia de sustentabilidade para plásticos Guia de sustentabilidade para plásticos Maio 2014 1 2 3 4 5 6 7 8 Introdução... 4 Contextualização dos plásticos... 6 Composição dos móveis e utensílios de plásticos...7 Requerimentos para materiais que

Leia mais

A EMPRESA COMO MODELO DE SUSTENTABILIDADE. Barbara Augusta PAULETO¹ RGM 071257 Fabiane Aparecida RODRIGUES¹ RGM 072625

A EMPRESA COMO MODELO DE SUSTENTABILIDADE. Barbara Augusta PAULETO¹ RGM 071257 Fabiane Aparecida RODRIGUES¹ RGM 072625 A EMPRESA COMO MODELO DE SUSTENTABILIDADE Barbara Augusta PAULETO¹ RGM 071257 Fabiane Aparecida RODRIGUES¹ RGM 072625 Renato Francisco Saldanha SILVA² Ailton EUGENIO 3 Resumo Muitas empresas mostram ser

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO DOS ENGENHEIROS DE PRODUÇÃO NA GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL

A PARTICIPAÇÃO DOS ENGENHEIROS DE PRODUÇÃO NA GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. A PARTICIPAÇÃO DOS ENGENHEIROS DE PRODUÇÃO NA GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL Júlio César de Almeida (FASA) julioc.almeida@hotmail.com Gisele Figueiredo Braz

Leia mais

Produção Mais Limpa Como Aplicar na Indústria Química

Produção Mais Limpa Como Aplicar na Indústria Química Produção Mais Limpa Como Aplicar na Indústria Química Apresentação: José Leildon QSA - ASSESSORIA EMPRESARIAL Ltda 2 Abordagem tradicional - controle corretivo Recursos Naturais Produtos Ambiente Rejeitos

Leia mais

Ingrid Maria Furlan Öberg

Ingrid Maria Furlan Öberg Desenvolvimento Sustentável Gestão Ambiental Ingrid Maria Furlan Öberg Relação Homem x Ambiente no modelo de desenvolvimento da sociedade moderna NATUREZA Fonte de recursos ilimitados Depósito de resíduos

Leia mais

AULA 5 SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL. Professor: ALAN Coordenador: Prof. LAÉRCIO

AULA 5 SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL. Professor: ALAN Coordenador: Prof. LAÉRCIO 1 Professor: ALAN Coordenador: Prof. LAÉRCIO 1 2 Reconheça o que está ao alcance dos seus olhos, e o que está oculto tornar-se-á claro para você. Jesus de Nazaré 2 3 1. Citar as principais contribuições

Leia mais

MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA

MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA 1 MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA Felipe Rogério Pereira (UniSALESIANO Araçatuba/SP) HerculesFarnesi Cunha ( Docente das Faculdades Integradas de Três Lagoas- AEMS e UniSALESIANO

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER Conceito LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER É uma área da logística que atua de forma a gerenciar e operacionalizar o retorno de bens e materiais, após sua venda e consumo, às suas origens, agregando

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

Visão Sustentável sobre o Desenvolvimento de Embalagens

Visão Sustentável sobre o Desenvolvimento de Embalagens Fórum Varejo Sustentável Alternativas de Embalagens no Varejo Visão Sustentável sobre o Desenvolvimento de Embalagens Eloísa E. C. Garcia CETEA / ITAL VISÃO DE SUSTENTABILIDADE Consumo Sustentável é saber

Leia mais

A Sustentabilidade e as Empresas. Conceito Básico de. Sustentabilidade Exemplificação. Gestão Ambiental e Responsabilidade Social.

A Sustentabilidade e as Empresas. Conceito Básico de. Sustentabilidade Exemplificação. Gestão Ambiental e Responsabilidade Social. Gestão Ambiental e Responsabilidade Social Aula 2 A Sustentabilidade e as Empresas Prof. Esp. Felipe Luiz Conceito Básico de Contextualização Sustentabilidade Exemplificação Responsabilidade Social Cidadania

Leia mais

Secretaria Municipal de meio Ambiente

Secretaria Municipal de meio Ambiente PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL O presente Programa é um instrumento que visa à minimização de resíduos sólidos, tendo como escopo para tanto a educação ambiental voltada

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

MEIO AMBIENTE COMO UMA QUESTÃO DE NEGÓCIOS OBJETIVOS

MEIO AMBIENTE COMO UMA QUESTÃO DE NEGÓCIOS OBJETIVOS MEIO AMBIENTE COMO UMA QUESTÃO DE NEGÓCIOS OBJETIVOS Prover uma compreensão básica : do desenvolvimento da abordagem das empresas com relação às questões ambientais, dos benefícios provenientes de melhorias

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: O CASO DE UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: O CASO DE UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: O CASO DE UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA Angelica Raquel Negrele de Faria (UNICENTRO), Izamara de Oliveira Ferreira (UNICENTRO), Prof. Silvio Roberto Stefano (Orientador),

Leia mais

Energia, Sustentabilidade e Produção Mais Limpa. Prof. Dr. Douglas Wittmann. São Paulo - 2015

Energia, Sustentabilidade e Produção Mais Limpa. Prof. Dr. Douglas Wittmann. São Paulo - 2015 Energia, Sustentabilidade e Produção Mais Limpa Prof. Dr. Douglas Wittmann São Paulo - 2015 Prof. Dr. Douglas Wittmann Doutor em Ciências (USP). Mestre em Engenharia de Produção (UNIP). Pós-graduado em

Leia mais

O quadro abaixo mostra que a disposição dos resíduos em aterros é aquela que traz menos benefícios ambientais

O quadro abaixo mostra que a disposição dos resíduos em aterros é aquela que traz menos benefícios ambientais VANTAGES PROJETO PEGASUS E RECICLAGEM ENERGÉTICA O problema do lixo é extremamente grave em nosso país. Estimativas baseadas nos dados do IBGE mostram que no País são geradas diariamente cerca de 140 mil

Leia mais

Gestão Ambiental e Gerenciamento de Riscos

Gestão Ambiental e Gerenciamento de Riscos CONCURSO PETROBRAS TÉCNICO(A) AMBIENTAL JÚNIOR Gestão Ambiental e Gerenciamento de Riscos Questões Resolvidas QUESTÕES RETIRADAS DE PROVAS DA BANCA CESGRANRIO DRAFT Produzido por Exatas Concursos www.exatas.com.br

Leia mais

COMPLEXO AMBIENTAL DIRETORIA INDUSTRIAL AMÉRICA LATINA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENERGIA

COMPLEXO AMBIENTAL DIRETORIA INDUSTRIAL AMÉRICA LATINA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENERGIA COMPLEXO AMBIENTAL FIAT DIRETORIA INDUSTRIAL AMÉRICA LATINA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENERGIA VALORES EQUIPE DA GESTÃO AMBIENTAL ALTA ADMINISTRAÇÃO ENGENHARIA AMBIENTAL e ENERGIA U. OP. PRENSAS U. OP. FUNILARIA

Leia mais

SEPARAR PRA QUÊ? Idealizadoras. Eduarda Ramires Silveira. Evelyn Victória Cardoso Lopes. Mel Suzane Santos Marques. Voluntários

SEPARAR PRA QUÊ? Idealizadoras. Eduarda Ramires Silveira. Evelyn Victória Cardoso Lopes. Mel Suzane Santos Marques. Voluntários SEPARAR PRA QUÊ? Idealizadoras Eduarda Ramires Silveira Evelyn Victória Cardoso Lopes Mel Suzane Santos Marques Voluntários Joyce Thaís Mendes Alves Sílvia Rocha Pena Rodrigues Luíza Almeida Dias de Carvalho

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Federação das Indústrias do Estado da Bahia FIEB. Conselho de Meio Ambiente COMAM

APRESENTAÇÃO. Federação das Indústrias do Estado da Bahia FIEB. Conselho de Meio Ambiente COMAM APRESENTAÇÃO A FIEB, através do seu Conselho de Meio Ambiente - COMAM, vem realizando desde o ano de 2000, o Prêmio FIEB Desempenho Ambiental. Em suas duas primeiras edições o Prêmio abrangeu as categorias

Leia mais

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 Critérios Descrições Pesos 1. Perfil da Organização Breve apresentação da empresa, seus principais produtos e atividades, sua estrutura operacional

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO

POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO Política de SEGURANÇA Política de SEGURANÇA A visão do Grupo Volvo é tornar-se líder

Leia mais

Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda.

Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda. Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda. Resumo Com a globalização e os avanços tecnológicos, as empresas estão operando num ambiente altamente competitivo e dinâmico. As organizações que quiserem

Leia mais

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS LOGÍSTICA REVERSA E A RESPONSABILIDADE EMPRESARIAL Os bens industriais apresentam ciclos de vida útil de algumas semanas ou de alguns anos, após o que serão descartados

Leia mais

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade 1. Introdução O ciclo dos produtos na cadeia comercial não termina quando, após serem usados pelos consumidores, são descartados. Há muito se fala em reciclagem e reaproveitamento dos materiais utilizados.

Leia mais

Conjunto de pessoas que formam a força de trabalho das empresas.

Conjunto de pessoas que formam a força de trabalho das empresas. 1. OBJETIVOS Estabelecer diretrizes que norteiem as ações das Empresas Eletrobras quanto à promoção do desenvolvimento sustentável, buscando equilibrar oportunidades de negócio com responsabilidade social,

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

Eixo Temático ET-03-004 - Gestão de Resíduos Sólidos VANTAGENS DA LOGÍSTICA REVERSA NOS EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS

Eixo Temático ET-03-004 - Gestão de Resíduos Sólidos VANTAGENS DA LOGÍSTICA REVERSA NOS EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS 198 Eixo Temático ET-03-004 - Gestão de Resíduos Sólidos VANTAGENS DA LOGÍSTICA REVERSA NOS EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS Isailma da Silva Araújo; Luanna Nari Freitas de Lima; Juliana Ribeiro dos Reis; Robson

Leia mais

PRODUÇÃO INDUSTRIAL CRESCIMENTO ECONÔMICO

PRODUÇÃO INDUSTRIAL CRESCIMENTO ECONÔMICO UNIVERSIDADE DE CAIAS DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO Produção mais Limpa: O Caso do Arranjo Produtivo Local Metal-Mecânico Mecânico Automotivo da Serra Gaúcha Eliana Andréa

Leia mais

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO 1 CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS LEANDRO PANTOJO 1 PETERSON ROBERTO DE LARA 2 VAGNER FUSTINONI 3 RENATO FRANCISCO SALDANHA SILVA 4 VALDECIL DE SOUZA 5 RESUMO O objetivo deste trabalho será

Leia mais

O meio ambiente e o planejamento estratégico

O meio ambiente e o planejamento estratégico O meio ambiente e o planejamento estratégico Roberto Sanches Garcia, Prof.Dr.Alfredo Colenci Junior Mestrado em Tecnologia: Gestão, Desenvolvimento e Formação. CEETEPS - São Paulo SP Brasil roberto.sanches4@terra.com.br;

Leia mais

Segurança, Meio Ambiente e Saúde QHSE

Segurança, Meio Ambiente e Saúde QHSE Segurança, Meio Ambiente e Saúde QHSE Preservação e Conservação A preservação é o esforço para proteger um ecossistema e evitar que ele seja modificado. Depende também da presença e ação do homem sobre

Leia mais

INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO

INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO Aula 8 a A Engenharia e o Meio Ambiente Parte I Edgar Aberto de Brito PRIMEIRA PARTE As questões ambientais e os problemas para a engenharia. ENGENHARIA

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

Governança Corporativa, Responsabilidade Ambiental e Social. Prof. Wellington

Governança Corporativa, Responsabilidade Ambiental e Social. Prof. Wellington Governança Corporativa, Responsabilidade Ambiental e Social Prof. Wellington APRESENTAÇÃO AULA 1 Wellington Prof de pós-graduação na USJT desde 2003 Sócio diretor da WP projetos e produções Coordenador

Leia mais

ATO DA COMISSÃO DIRETORA Nº 4, DE 2013.

ATO DA COMISSÃO DIRETORA Nº 4, DE 2013. ATO DA COMISSÃO DIRETORA Nº 4, DE 2013. Institui a Política de Responsabilidade Socioambiental do Senado Federal. A COMISSÃO DIRETORA DO SENADO FEDERAL, no uso da competência que lhe foi conferida pelo

Leia mais

O sucesso da política depende do forte comprometimento de cada um dos envolvidos no processo, de governo e empresas até consumidores.

O sucesso da política depende do forte comprometimento de cada um dos envolvidos no processo, de governo e empresas até consumidores. ECONOMIA - 19/08/14 BRIEFING DE POSICIONAMENTO SOBRE A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS 1. CONTEXTO Posicionamento geral para quaisquer entrevistas realizadas no âmbito da terceira edição do projeto

Leia mais

PRODUÇÃO MAIS LIMPA (P+L)

PRODUÇÃO MAIS LIMPA (P+L) Workshops Meio Ambiente Convênio -CIESPCIESP PRÁTICAS DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA (P+L) Flávio de Miranda Ribeiro Gerente da Divisão de Sustentabilidade e Questões Globais - - 27/05/2010 1. INTRODUÇÃO ESTRUTURA

Leia mais

Logística, Competitividade e Sustentabilidade

Logística, Competitividade e Sustentabilidade Logística, Competitividade e Sustentabilidade Porque a Surya é diferente? A Surya fabrica cosméticos naturais e orgânicos pensando na saúde e no bem estar das pessoas e natureza. Sobre a Surya Brasil Empresa

Leia mais

Certificação de qualidade e sustentabilidade da Indústria têxtil e da moda. Guia para iniciar a certificação

Certificação de qualidade e sustentabilidade da Indústria têxtil e da moda. Guia para iniciar a certificação Certificação de qualidade e sustentabilidade da Indústria têxtil e da moda Guia para iniciar a certificação EDITORIAL Os desafios do desenvolvimento sustentável ampliam a importância das iniciativas da

Leia mais

Prof. Paulo Medeiros

Prof. Paulo Medeiros Prof. Paulo Medeiros Em 2010 entrou em vigor no Brasil a lei dos Resíduos Sólidos. Seu objetivo principal é diminuir a destinação incorreta de resíduos ao meio ambiente. Ela define que todas as indústrias,

Leia mais

Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A.

Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A. Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A. Autoria: Silas Dias Mendes Costa 1 e Antônio Oscar Santos Góes 2 1 UESC, E-mail: silas.mendes@hotmail.com 2 UESC, E-mail:

Leia mais

A RESPONSABILIDADE SOCIAL INTEGRADA ÀS PRÁTICAS DA GESTÃO

A RESPONSABILIDADE SOCIAL INTEGRADA ÀS PRÁTICAS DA GESTÃO A RESPONSABILIDADE SOCIAL INTEGRADA ÀS PRÁTICAS DA GESTÃO O que isto tem a ver com o modelo de gestão da minha Instituição de Ensino? PROF. LÍVIO GIOSA Sócio-Diretor da G, LM Assessoria Empresarial Coordenador

Leia mais

Logística Reversa. Guia rápido

Logística Reversa. Guia rápido Logística Reversa Guia rápido 1 Apresentação Em 2010 foi sancionada pelo Governo Federal, a Política Nacional de Resíduos Sólidos, na qual, dentre outros temas, constam exigências às empresas quanto à

Leia mais

Produto mais sustentável

Produto mais sustentável Produto mais sustentável De maneira geral, um produto pode ser considerado mais sustentável por diversas razões: a) processo de fabricação com baixo impacto: consiste em produtos que eliminaram ingredientes

Leia mais

Política de Saúde, Segurança e Meio Ambiente

Política de Saúde, Segurança e Meio Ambiente Política de Saúde, Segurança e Meio Ambiente Política Global Novartis 1 de março de 2014 Versão HSE 001.V1.PT 1. Introdução Na Novartis, nossa meta é ser líder em Saúde, Segurança e Meio Ambiente (HSE).

Leia mais

Consumo Consciente e Sustentabilidade. Uma estratégia para minimizar os impactos ambientais nas indústrias

Consumo Consciente e Sustentabilidade. Uma estratégia para minimizar os impactos ambientais nas indústrias s5 Consumo Consciente e Sustentabilidade Uma estratégia para minimizar os impactos ambientais nas indústrias Slide 1 s5 Aplicar a dinâmica Recursos Escassos ss08476; 22/09/2010 Objetivo Promover reflexão

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

CURSO: GESTÃO AMBIENTAL

CURSO: GESTÃO AMBIENTAL CURSO: GESTÃO AMBIENTAL OBJETIVOS DO CURSO Objetivos Gerais O Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental tem por objetivo formar profissionais capazes de propor, planejar, gerenciar e executar ações

Leia mais

Mensagens ambientais da HP

Mensagens ambientais da HP Mensagens ambientais da HP Definição da promessa Projeto para o meio ambiente Por ser líder ambiental há décadas no setor tecnológico, a HP faz a diferença com um projeto abrangente de estratégia ambiental,

Leia mais

Sustentabilidade no Grupo Boticário. Atuação com a Rede de Franquias

Sustentabilidade no Grupo Boticário. Atuação com a Rede de Franquias Sustentabilidade no Grupo Boticário Atuação com a Rede de Franquias Mais de 6.000 colaboradores. Sede (Fábrica e Escritórios) em São José dos Pinhais (PR) Escritórios em Curitiba (PR) e São Paulo (SP).

Leia mais

ANALISE DO COMPORTAMENTO SOCIOAMBIENTAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PALMAS

ANALISE DO COMPORTAMENTO SOCIOAMBIENTAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PALMAS ANALISE DO COMPORTAMENTO SOCIOAMBIENTAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PALMAS XAVIER, Patrícia Alves Santana LIMA, Suzany Saraiva GOMES, Alan Rios RESUMO O presente estudo teve como objetivo analisar

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL

ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL MENDONÇA, Ana Maria Gonçalves Duarte. Universidade Federal de Campina Grande. E-mail: Ana.duartemendonca@gmail.com RESUMO

Leia mais

A Produção de Empreendimentos Sustentáveis

A Produção de Empreendimentos Sustentáveis A Produção de Empreendimentos Sustentáveis Arq. Daniela Corcuera arq@casaconsciente.com.br www.casaconsciente.com.br A construção sustentável começa a ser praticada no Brasil, ainda com alguns experimentos

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

LIMPA EM PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Maria Teresa Baggio Rossi. 20 de maio de 2009

LIMPA EM PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Maria Teresa Baggio Rossi. 20 de maio de 2009 BARREIRAS À IMPLEMENTAÇÃO DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA EM PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Maria Teresa Baggio Rossi 20 de maio de 2009 Agenda Ambiente Empresarial Fator Motivador Objetivo

Leia mais

22/06/2015. Cronograma finalização da disciplina GA I. Instrumentos de Gestão Ambiental. ambiental. Auditoria Ambiental

22/06/2015. Cronograma finalização da disciplina GA I. Instrumentos de Gestão Ambiental. ambiental. Auditoria Ambiental Cronograma finalização da disciplina GA I Instrumentos de Gestão Ambiental São ferramentas que auxiliam o gestor no seu plano de gestão ambiental Política e Legislação Ambiental Licenciamento Ambiental

Leia mais

Logística Reversa. Conceito de Logística. Reversa 15/09/2011. Objetivos da aula. e o Meio Ambiente

Logística Reversa. Conceito de Logística. Reversa 15/09/2011. Objetivos da aula. e o Meio Ambiente Logística Reversa e o Meio Ambiente Objetivos da aula 1. Estabelecer as relações entre os canais de distribuição diretos e os canais reversos; 2. Identificar as diferentes categorias de canais de distribuição

Leia mais

PROJETO DE CURSO FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA - FIC CERTIFICAÇÃO E PRÁTICA AMBIENTAL

PROJETO DE CURSO FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA - FIC CERTIFICAÇÃO E PRÁTICA AMBIENTAL PROJETO DE CURSO FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA - FIC CERTIFICAÇÃO E PRÁTICA AMBIENTAL Tiago Sandes Costa Floresta 2013 CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA - FIC 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO: 1.1. Título:

Leia mais

O papel da empresa na relação com o meio natural

O papel da empresa na relação com o meio natural Gestão Ambiental O papel da empresa na relação com o meio natural Visão Tradicional Empresa Consumidor Compreensão Básica: - Relações econômicas determinadas pela Oferta/Procura -Visão do lucro como o

Leia mais

Nome e contato do responsável pelo preenchimento deste formulário Luiz Antônio Jaeger (21) 9702 9194 luizantonio@parme.com.br parme@parme.com.

Nome e contato do responsável pelo preenchimento deste formulário Luiz Antônio Jaeger (21) 9702 9194 luizantonio@parme.com.br parme@parme.com. PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE SUSTENTABILIDADE 2012 FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO Categoria Franqueador Pleno Dados da empresa Razão Social Franquipar Franqueadora e Licenciadora de Marcas Ltda. Nome fantasia Parmê

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO COMPRAS GOVERNAMENTAIS

SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO COMPRAS GOVERNAMENTAIS SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO COMPRAS GOVERNAMENTAIS Alice Viana Soares Monteiro Secretária de Estado de Compras Governamentais sob o aspecto da Sustentabilidade Compra Pública Sustentável ou Licitação

Leia mais

PÓS-CONSUMO: a logística reversa - fragmentos de leitura.

PÓS-CONSUMO: a logística reversa - fragmentos de leitura. 1 PÓS-CONSUMO: a logística reversa - fragmentos de leitura. É do conhecimento de todos que o consumo é uma constante na contemporaneidade. Em decorrência, os gestores das organizações planejam e operacionalizam

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

COP 2013 COMMUNICATION ON PROGRESS PACTO GLOBAL DAS NAÇÕES UNIDAS

COP 2013 COMMUNICATION ON PROGRESS PACTO GLOBAL DAS NAÇÕES UNIDAS COP 2013 COMMUNICATION ON PROGRESS PACTO GLOBAL DAS NAÇÕES UNIDAS 2003 É criada a G-COMEX ÓLEO & GÁS com o objetivo de prover soluções logísticas sob medida para o mercado de óleo, gás, energia e indústria

Leia mais

LIXO PARA VOCÊ: ARTE PARA NÓS UM PROJETO DE REEDUCAÇÃO AMBIENTAL

LIXO PARA VOCÊ: ARTE PARA NÓS UM PROJETO DE REEDUCAÇÃO AMBIENTAL LIXO PARA VOCÊ: ARTE PARA NÓS UM PROJETO DE REEDUCAÇÃO AMBIENTAL Rafael Antônio Nunes COURA³;Milena Alves da Silva SOUZA³; Isabela Fatima Silveira MARTINS³; Cássia Maria Silva NORONHA¹ e Eriks Tobias VARGAS².

Leia mais

Qualidade e Sustentabilidade na Construção Civil

Qualidade e Sustentabilidade na Construção Civil Qualidade e Sustentabilidade na Construção Civil Série ISO 9000: Modelo de certificação de sistemas de gestão da qualidade mais difundido ao redor do mundo: Baseada na norma ISO 9000 No Brasil: a ABNT

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

TESTE SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIO Nº 001/2014 DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS MUNICÍPIO DE MARMELEIRO-PR

TESTE SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIO Nº 001/2014 DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS MUNICÍPIO DE MARMELEIRO-PR TESTE SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIO Nº 001/2014 DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS MUNICÍPIO DE MARMELEIRO-PR CADERNO DE PROVA CARGO: ESTAGIÁRIO DO DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE

Leia mais

Parecer Técnico nº 08/2014

Parecer Técnico nº 08/2014 Parecer Técnico nº 08/2014 INTERESSADO: ASSUNTO: ABRANGÊNCIA: Setor Industrial de Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico do Estado do Paraná Plano de Logística Reversa Estadual PROTOCOLO: 13.352.187-9

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 ZOOTECNIA/UFG DISCIPLINA DE GPA Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 Introdução EVOLUÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL Passou por três grandes etapas: 1ª. Os problemas ambientais são localizados

Leia mais

CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL COLÓQUIO EMPREGOS VERDES E CONSTRUÇÕES SUSTENTÁVEIS 20.08.2009

Leia mais

Curso Sustentabilidade e Saúde Humana:

Curso Sustentabilidade e Saúde Humana: Curso Sustentabilidade e Saúde Humana: Ações individuais para melhorias em todo o planeta Nosso maior desafio neste século é pegar uma idéia que parece abstrata desenvolvimento sustentável e torná-la uma

Leia mais

PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS

PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS Gestão de Administração e Finanças Gerência de Desenvolvimento Humano e Responsabilidade Social Junho/2014 Desenvolvimento Sustentável Social Econômico

Leia mais

Política de Responsabilidade So cio Ambiental

Política de Responsabilidade So cio Ambiental Política de Responsabilidade So cio Ambiental Sumário 1. FINALIDADE:... 4 2. ABRANGÊNCIA:... 4 3. DIVULAGAÇÃO... 4 4. IMPLEMENTAÇÃO... 4 5. SUSTENTABILIDADE EM NOSSAS ATIVIDADES... 4 6. REVISÃO DA POLÍTICA...

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Cristina R. Wolter Sabino de Freitas Departamento Ambiental O mundo será obrigado a se desenvolver de forma sustentável, ou seja, que preserve

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

Diretrizes de Sustentabilidade Carelink

Diretrizes de Sustentabilidade Carelink 1 Para a, o que é sustentabilidade? É a forma mais eficaz para alcançarmos resultados consistentes, buscando soluções integradas que envolvam aspectos sociais, tecnológicos, econômicos e ambientais, de

Leia mais

PAPEL DO GESTOR AMBIENTAL NA EMPRESA

PAPEL DO GESTOR AMBIENTAL NA EMPRESA PAPEL DO GESTOR AMBIENTAL NA EMPRESA Copyright Proibida Reprodução. NECESSIDADE EMERGENTE - Apresentam-se hoje, em países desenvolvidos e em desenvolvimento, as preocupações com a sustentabilidade empresarial

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a SISTEMAS INTEGRADOS Prof. Eduardo Oliveira Bibliografia adotada: COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, 2001. ISBN: 8522429936 LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

Lei 12.305/10 Decreto 7.404/10

Lei 12.305/10 Decreto 7.404/10 A EXPERIÊNCIA BRASILEIRA EM LOGÍSTICA REVERSA A INICIATIVA DO SETOR DE HIGIENE PESSOAL, PERFUMARIA E COSMÉTICOS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Lei 12.305/10

Leia mais

Do lixo ao valor. O caminho da Logística Reversa

Do lixo ao valor. O caminho da Logística Reversa Do lixo ao valor O caminho da Logística Reversa O problema do lixo A sociedade, hoje, vive com um grande desafio: o lixo. Calcula-se que, por dia, no Brasil, são gerados 1 Kg de resíduos por habitante.

Leia mais

Aliança Resíduo Zero Brasil

Aliança Resíduo Zero Brasil Aliança Resíduo Zero Brasil carta de adesão 1. Introdução A extensão dos problemas socioambientais, envolvendo o consumo e a geração de resíduos no Brasil, originam-se em grande parte nas questões econômicas,

Leia mais