MODELOS QUANTITATIVOS NA GESTÃO DE ESTOQUE: UM ESTUDO EM UMA EMPRESA DO SEGMENTO ATACADISTA DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MODELOS QUANTITATIVOS NA GESTÃO DE ESTOQUE: UM ESTUDO EM UMA EMPRESA DO SEGMENTO ATACADISTA DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUCIANA CARDOSO MODELOS QUANTITATIVOS NA GESTÃO DE ESTOQUE: UM ESTUDO EM UMA EMPRESA DO SEGMENTO ATACADISTA DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CRICIÚMA, JUNHO DE 2010

2 1 LUCIANA CARDOSO MODELOS QUANTITATIVOS NA GESTÃO DE ESTOQUE: UM ESTUDO EM UMA EMPRESA DO SEGMENTO ATACADISTA DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO Trabalho de Fim e de Conclusão de Curso, apresentado para obtenção do grau de Bacharel no curso de Ciências Contábeis da Universidade do Extremo Sul Catarinense, UNESC. Orientador: Cleyton de Oliveira Ritta, MSc CRICIÚMA, JUNHO DE 2010

3 2 LUCIANA CARDOSO MODELOS QUANTITATIVOS NA GESTÃO DE ESTOQUE: UM ESTUDO EM UMA EMPRESA ATACADISTA DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO Trabalho de Fim e de Conclusão de Curso, aprovado pela Banca Examinadora para obtenção do grau de Bacharel no curso de Ciências Contábeis da Universidade do Extremo Sul Catarinense, UNESC, com Linha de Pesquisa em Contabilidade Gerencial. Orientador: Cleyton de Oliveira Ritta, MSc CRICIUMA, JUNHO DE 2010 BANCA EXAMINADORA Prof. Cleyton de Oliveira Ritta, MSc - Orientador Adroaldo Bilésimo - Examinador 1 Ademir Borges - Examinador 2

4 3 Dedico este trabalho a minha mãe e a minha vó, por sempre estar ao meu lado, ao meu esposo por compartilhar meus ideais, com incentivos para realização deste sonho.

5 4 AGRADECIMENTOS A Deus, por me dar força e coragem para enfrentar este desafio e guiar meus caminhos; Ao meu marido, que tanto me apoio e incentivou para que eu conseguisse concluir este curso; Ao professor Cleyton de Oliveira Ritta, pela orientação e diretrizes seguras, por sua paciência e dedicação durante todo o período de pesquisa; Aos perseverantes professores que contribuíram para desenvolver nosso potencial profissional e social; Enfim, a todos que me deram apoio e incentivo para a elaboração deste trabalho.

6 5 RESUMO CARDOSO, Luciana. Modelos Quantitativos na Gestão de Estoque: um estudo em uma empresa do segmento atacadista de materiais de construção p. Orientador: Cleyton de Oliveira Ritta. Trabalho de Conclusão de Curso de Ciências Contábeis. Universidade do Extremo Sul Catarinense UNESC. Criciúma SC Os estoques tendem a ter uma importância significativa na maioria das empresas atacadistas, geralmente quando se comercializa grandes variedades de produtos. A intenção do presente trabalho é apresentar métodos quantitativos na gestão dos níveis de estoque, com a finalidade de sugerir aos gestores melhorias no que tange a gestão desse ativo. Na intenção de unir conceitos teóricos e a pratica foi realizado um estudo descritivo de caráter qualitativo e quantitativo por meio de estudo de caso. Os resultados foram apresentados em 5 etapas: identificação das maiores e menores quantidades vendidas dos produtos em estoques, identificação dos maiores e menores preços de compra dos produtos, definição da curva ABC, definição dos estoques máximos e mínimos dos produtos e sugestões de melhorias no que tange à gestão dos estoques na empresa investigada. Através das informações das maiores e menores vendas e preço de aquisição, foi possível evidenciar os estoques excedentes da empresa. Os dados reunidos nesse estudo fornecem subsídios relevantes para a determinação adequada dos itens em estoque com maior valor de venda, resultado determinado através da classificação ABC. As definições dos níveis de estoque possibilitaram considerar a percepção do gestor quanto às quantidades adequadas de cada mercadoria. Por fim foi sugerido a atualização do sistema de controle da empresa em estudo, pelos métodos quantitativos apresentados neste trabalho, e assim melhorar a gestão dos materiais. Conclui-se que com utilização da Curva ABC, os gestores responsáveis pelos estoques, passam a dedicar maior controle para um percentual menor de itens, porem com maior valor de venda para empresa. Palavras-chave: Administração de materiais, Comércio atacadista, Níveis de estoque.

7 6 LISTA DE QUADROS Quadro 1: Classificação de estoques Quadro 2: Custos dos estoques Quadro 3: Critérios de avaliação dos estoques Quadro 4: Comparativo entre os critérios de avaliação dos estoques Quadro 5: Conflitos interdepartamentais em relação aos níveis de estoques Quadro 6: Razões a favor e contra aos níveis de estoques Quadro 7: Evolução histórica da logística empresarial Quadro 8: Percentual de representação dos itens da Curva ABC Quadro 9: Cobertura de estoque Quadro 10: Métodos matemáticos utilizados para a determinação do nível do estoque de segurança Quadro 11: Famílias dos produtos... 41

8 7 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1: Curva ABC Gráfico 2: Curva ABC empresa Alfa Gráfico 3: Curva ABC dos materiais hidrálicos Grafico 4: Curva ABC ferragens /ferramentas Gráfico 5: Curna ABC dos materiais de pintura Gráfico 6: Curva ABC dos materiais elétricos... 52

9 8 LISTA DE TABELAS Tabela 1: Classes da Curva ABC Tabela 2: Elaboração da Curva ABC com base anual em valores monetários Tabela 3: Classificação da Curva ABC Tabela 4: Parâmetros da Curva ABC Tabela 5: Maiores e menores vendas médias mensais e dia de estoque Tabela 6: Maiores e menores preços de aquisição das mercadorias e excesso de estoque Tabela 7: Classificação por ordem decrescente do custo total Tabela 8: Parâmetro da Curva ABC Tabela 9: Estoque máximo e mínimo em quantidades Tabela 10: Estoque máximo e mínimo em R$ Tabela 11: Os maiores giros de estoque... 57

10 9 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ABAD Associação Brasileira de Atacadistas e Distribuidores ABC Curva ABC CMM Consumo Médio Mensal CMP Custo Médio Ponderado Emax Estoque Máximo Emim Estoque Mínimo Ga Grau de atendimento GE Giro do Estoque PEPS Primeiro a Entrar Primeiro a Sair Qa Quantidade atendida Qn Quantidade demandada TR Tempo de Reposição UEPS Último a Entrar Primeiro a Sair Unid. - Unidades

11 10 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO Tema e Problema Objetivos da Pesquisa Objetivo Geral Objetivos Específicos Justificativa Metodologia da Pesquisa FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Conceituações dos Estoques Classificação de Estoques Controle de Estoque Custos Associados aos Estoques Custo Financeiro do Estoque Critérios para Avaliação dos Estoques Inventários dos Estoques Objetivo e Função de Estoque Evolução da Logística Empresarial relacionada aos Estoques Modelos Matemáticos Aplicados a Gestão de Estoques Curva ABC Elaboração da Curva ABC Classificação da Curva ABC Gráfico da Curva ABC Sistema de Máximos e Mínimos Estoque Máximo (EMax) Estoque Mínimo (EMin) Giro de Estoque (GE) DESCRIÇÃO E ANÁLISE DOS DADOS Empresa Alfa Distribuidora Atacadista de Materiais de Construção Ltda Caracterização da Empresa Estrutura do Estoque na Empresa Classificação dos Estoques com base na curva ABC... 45

12 3.2.1 Elaboração da Curva ABC Parâmetro da Curva ABC Curva ABC do Material Hidráulico Curva ABC das Ferrages e Ferramentas Curva ABC dos Materiais de Pintura Curva ABC dos Materiais Elétricos Níveis de Estoques Estoques Mínimos e Máximos Giro do Estoque Sugestões CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS

13 12 1 INTRODUÇÃO Neste capitulo elucida-se a importância do tema e problema. Em seguida descrevem-se os objetivos da pesquisa. Logo após demonstram-se a justificativa e enquadramento metodológico do estudo. 1.1 Tema e Problema A gestão de estoques sempre foi um tema relevante para as empresas brasileiras. Segundo Associação Brasileira de Atacadista e Distribuidores (ABAD, 2003), na época inflacionária, manter estoques elevados poderia ser uma forma mais adequada de se obter maiores lucros, pois a reposição dos materiais dava-se a preços mais caros. Sendo assim, as empresas priorizavam grandes quantidades de estoques como garantia de valorização do capital investido. Atualmente com a economia estabilizada e a inflação sob controle, fatores como o nível de estoques e a crescente competitividade obrigou as organizações a observar seus conceitos e formas de controle, a fim de permitir uma redução de gastos e a otimização dos resultados. De acordo com Assaf Neto (2002, p.159) são poucos os setores da economia que não apresentam como aspecto fundamental a administração financeira dos estoques. A maioria das empresas precisa investir nesse ativo para manter suas atividades operacionais. Dessa forma, destaca-se a importância da gestão de estoques no segmento atacadista, pois este setor realiza a intermediação entre os fabricantes e os comerciantes varejistas. Os distribuidores atacadistas têm a função de adquirir grandes quantidades de itens de diferentes fabricantes. Seus fornecedores exigem um lote mínimo de compra que normalmente é maior que a demanda imediata. Logo, os distribuidores assumem um risco substancial no processo de comercialização entre o fabricante e o comércio varejista. Assim, os comerciantes atacadistas podem oferecer a seus clientes certa variedade de mercadorias proveniente de diversos fornecedores em menores quantidades. Estas empresas aliviam os fabricantes do encargo de manutenção e distribuição dos estoques aos postos de venda. Por isso, neste segmento a gestão

14 do estoque ganha uma dimensão estratégica. A utilização de ferramentas para análise e planejamento de ações, além de medidas voltadas para otimizar os estoques são fundamentais, pois as empresas possuem grandes quantidades em estoques. Diante das constatações percebe-se a elevada importância da gestão de estoque nas organizações atacadista, e dessa forma chega-se a seguinte pergunta de pesquisa: De que forma a classificação dos produtos utilizando a curva ABC, pode contribuir para o gerenciamento do nível de estoque em uma empresa atacadista de materiais de construção? Objetivos de Pesquisa O presente trabalho tem por seguintes objetivos: Objetivo Geral Este trabalho tem por objetivo geral apresentar uma forma de administração dos estoques, por meio de modelos quantitativos aplicados à otimização da gestão dos níveis de estoque com evidência na curva ABC, como uma forma de gerenciamento e controle desses, direcionado para o segmento atacadista de materiais de construção Objetivos Específicos Para atender o objetivo geral têm-se os seguintes objetivos específicos: identificar as maiores e menores quantidade vendidas dos produtos em estoques; identificar os maiores e menores custos de aquisição dos produtos em estoques; definir a curva ABC dos produtos; definir estoques máximos e mínimos dos produtos;

15 14 investigada. sugerir melhorias no que tange à gestão dos estoques na empresa 1.3 Justificativa As empresas atacadistas movimentam grandes quantidades e variedades de produtos de diferentes fornecedores. Desse modo, necessitam comprar em grande volume para conseguirem melhores preços em relação aos comerciantes varejistas. Seus fornecedores estipulam quantidades míninas de compra, por isso, as decisões de compra envolvem uma análise do risco de falta ou de excesso de materiais em estoques. Uma gestão inadequada de estoque pode proporcionar uma falha no controle de mercadorias e, consequentemente, a perda de vendas e a insatisfação do cliente. Por outro lado, o excesso gera problemas operacionais como o aumento dos custos de manutenção, redução da lucratividade, não liquidez do capital de giro, necessidade de maior espaço físico e obsolescência de materiais. Neste sentido, Coronado (2001, p. 77), menciona que o gestor da área de estoque deve ter uma visão global da cadeia de suprimento, para poder otimizar os resultados econômicos em conformidade com as áreas de vendas e compras. Dessa forma, é necessário buscar informações sobre o histórico das quantidades vendidas além de uma análise da demanda para não prejudicar a operacionalidade da empresa. A contribuição teórica do estudo ocorre por meio do levantamento bibliográfico sobre o tema e o aprofundamento das técnicas de controles de estoques com o enfoque no segmento atacadista. Salienta-se que estas empresas possuem a necessidade de uma gestão mais eficiente no controle de seus estoques. A contribuição prática dá-se pela utilização de modelos quantitativos para gestão dos estoques na empresa em estudo, com a finalidade de propiciar melhores níveis de estoque das mercadorias, auxiliando assim, a tomada de decisão e aperfeiçoamento do processo de gestão. Os modelos quantitativos permitem identificar os produtos de maior importância econômica e com maior demanda. E assim, melhorar a análise de compra evitando alto investimento em produtos ociosos e a maximização dos resultados.

16 Em relação à contribuição social, este trabalho aborda a importância da gestão do estoque para as empresas do segmento atacadista. O estudo apresenta a aplicação e utilidade dos modelos matemáticos em um segmento que demanda uma otimização do controle de estoque. Dessa forma, a pesquisa contribui para o entendimento e a consolidação do uso dos modelos quantitativos no gerenciamento dos estoques Metodologia da Pesquisa Este estudo caracteriza-se como um estudo de caso de caráter descritivo, com abordagem do problema de forma quantitativa por meio de fontes bibliográficas. Os trabalhos do tipo estudo de caso, segundo Diehl e Tatim (2004, p.52), referem-se a um estudo profundo e exaustivo de um ou de poucos objetivos, de maneira que permita seu amplo e detalhado conhecimento, tarefa praticamente impossível mediante os outros delineamentos considerados. A empresa investigada é a Alfa Distribuidor Atacadista de Materiais de Construção Ltda. É uma entidade de pequeno porte que atua no setor atacadista de materiais de construção e comercializa suas mercadorias na região Sul de Santa Catarina. O foco da pesquisa é a gestão dos estoques devido a sua importância para a organização. Este estudo é uma pesquisa descritiva. Para Vieira (2007, p. 65), este tipo de pesquisa objetiva conhecer e interpretar a realidade sem nela interferir para modificá-la. Dessa forma, o estudo descreve as características da gestão dos estoques com a finalidade de proporcionar um controle racional das mercadorias estocadas, evitando os excessos e falta, possibilitando um equilíbrio entre a demanda e o fornecimento. Ou possibilitar um grau razoável de disponibilidade de um determinado produto em relação a sua demanda. Gerenciando grandes variedades de itens ao menor risco de falta e ao menor desembolso possível. Quanto à abordagem do problema a pesquisa é quantitativa, pois utiliza modelos matemáticos para a compreensão das relações encontradas na empresa investigada. Segundo Richardson (1989, p. 29) esse tipo de abordagem caracterizase pelo emprego de quantificação tanto na modalidade de coleta de informações, como no tratamento dessas através de técnica estatísticas, desde a mais simples

17 como percentual, média, desvio padrão, as mais complexas, como coeficiente de correlação, análise de regressão etc. A pesquisa bibliográfica, de acordo com Oliveira (1997, p. 199) tem por finalidade conhecer as diferentes formas de contribuição científica, que se realizaram sobre um determinado assunto ou fenômeno. Neste sentido Silva (2003, p. 60), mostra que a mesma explica um tema ou problema com base em referências teóricas já publicadas em livros, revistas, periódicos, artigos científicos entre outros. Portanto, na construção desta pesquisa utilizam-se livros, artigos, trabalhos de conclusão de curso que abordaram a temática em estudo. 16

18 17 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Neste capítulo descreve-se sobre a gestão de estoque. Primeiramente apresenta-se conceito desse ativo. Bem como seus métodos e procedimentos de controle e avaliação. Na sequência evidencia-se a logística empresarial e o comportamento do estoque ao longo de sua evolução. Por último algumas técnicas tradicionais de gestão como a curva ABC e os sistemas de estoque máximos e mínimos. 2.1 Conceituações dos Estoques Estoques são ativos adquiridos e mantidos pelas empresas para futuras vendas ou para utilizarem no processo de produção. Segundo Arnold (1999, p. 265) os estoques são materiais e suprimentos que uma empresa ou instituição mantém, seja para vender ou para fornecer insumos ou suprimentos para o processo de produção. Estes ativos são destinados a venda ou produção e estão ligados com o objetivo e atividade da empresa. Segundo Viana (2002, p. 109) pode-se definir estoque como: a) materiais, mercadorias ou produtos acumulados para utilização posterior, de modo a permitir o atendimento regular das necessidades dos usuários para a continuidade das atividades da empresa, sendo o estoque gerado, consequentemente, pela impossibilidade de prever-se a demanda com exatidão; b) reserva para ser utilizada em tempo oportuno. A razão para manter estoque esta relacionada com a dificuldade de se conhecer a demanda futura. Dessa forma, torna-se necessário um nível de estoque para assegurar o atendimento aos clientes, no momento que houver a procura ou permitir a continuidade do processo de produção. Martins (2001) enfatiza que a administração dos estoques deve priorizar as funções de compra e critérios de controle para garantir um nível ideal de estoques que proporcione o atendimento aos clientes e ao processo de fabricação. Nos últimos anos a gestão de estoque tem sofrido transformações. Os profissionais desta área têm como objetivo proporcionar um melhor desempenho econômico proveniente das ações de movimentação e gestão de produtos e

19 equipamentos. Um controle adequado de materiais propicia o uso eficiente dos estoques e a minimização das necessidades de capital. Na área financeira, manter os estoques em nível mínimo possível tende a garantir que o capital investido não esteja sendo aplicado em recursos excessivos. Dessa forma, evita que falte dinheiro para suprir as necessidades de caixa no dia a dia. Já para a área de vendas manutenção de estoques em níveis elevados garante que todos os clientes serão atendidos rapidamente, evitando assim, a falta de produtos. A gestão de estoque busca conciliar da melhor maneira possível os objetivos diferentes de cada área sem prejudicar a operacionalidade da empresa. (CORONADO, 2001). O gerenciamento do estoque estabelece critérios e políticas para o controle dos níveis máximos e mínimos garantindo a flexibilidade operacional e comercial da empresa Classificação de Estoques Os estoques podem ser classificados em cinco diferentes tipos, conforme demonstrado no Quadro 01. Matéria-Prima Estoques Produtos em Processos Produtos Acabados Produtos em Trânsito Produto em Consignação Quadro 1 Classificação de Estoques Fonte: Adaptado conforme (NBC T Estoques) Descrição Material básico que irá receber um processo de transformação. Corresponde a todos os itens que já entraram em processo produtivo, mais ainda não são produtos acabados. Produtos prontos para serem vendidos Corresponde a todos os produtos despachados que ainda não chegaram ao destino. Disponibilidade de mercadoria, para um cliente visando uma venda futura, no qual os materiais continuam sendo de propriedade do fornecedor. Segundo Arnold (1999), os estoques de matérias-primas são aqueles que ainda não entraram no processo produtivo e estão à disposição da produção. Os estoques de produtos em processos, conforme Martins et al (2002), são os materiais que começam a sofrer alterações, mas estão incompletos. Os produtos acabados

20 são os produtos finalizados e disponíveis para venda (POZO, 2007). Já os produtos em trânsito são aqueles que já saíram da expedição, mas ainda não chegaram ao destino. (MARTINS et al, 2002) Os produtos em consignação, são os materiais disponibilizados para um cliente, sendo de propriedade do fornecedor ate que seja efetuada a venda. Em caso contrário são devolvidos sem ônus. Logo, as empresas possuem algum desses tipos de estoque e são utilizados para atender seus clientes ou para utilizar no processo produtivo. Assim, verifica-se que a necessidade de estocar é proveniente do desequilíbrio existente entre a demanda e o fornecimento dos materiais Controle de Estoque Os controles procuram mensurar o desempenho das atividades e servem para prevenir falhas e efetuar correções nos processos. Eles funcionam como um centro de informações, facilitando a tomada de decisões com o objetivo de maximizar os resultados. Atkinson et al (2000) aduzem que controle é o conjunto de métodos e ferramentas que os membros da organização usam para mantê-la na trajetória e a assim alcançar objetivos estipulados. Em relação aos controles na área de estoques, Martins et al (2000), asseveram que eles consistem em uma série de ações ou procedimentos que possibilitam aos administradores verificarem se os estoques estão sendo bem utilizados. Dias (1993, p. 196) sugere uma lista dos principais procedimentos utilizados no controle de estoque: a) determinar o que deve permanecer em estoque. Quantidade de itens; b) determinar quando se devem reabastecer os estoques. Periodicidade; c) determinar quanto de estoque será necessário para um intervalo de tempo predeterminado; d) acionar o departamento de compras para efetuar as aquisições; e) controlar o estoque em termos de quantidade e valor e fornecer informações sobre a posição do estoque; f) receber, armazenar e atender os produtos conforme suas necessidades; g) inventariar periodicamente para avaliar as quantidades e o estado físico dos produtos estocados; h) identificar e retirar do estoque os itens obsoletos e danificados

21 Neste sentido, o controle auxilia na manutenção dos estoques e dá suporte ao departamento de compras, pois os acúmulos indevidos de materiais são oriundos de erros de pedidos, deficiências na análise da demanda e falta de controle dos produtos. A gestão de estoques é uma etapa crucial no ciclo de vida de uma organização, pois é por meio dos controles de estoque que se pode dimensionar o volume de compras, a previsão de necessidade de capital, e o volume adequado de vendas a fim de aumentar os resultados Custos Associados aos Estoques O valor de custo do estoque de uma empresa comercial inclui todos os custos de aquisição, bem como outros custos incorridos para trazer os estoques à sua condição e localização atuais. Bruni (2004). Os custos de aquisição compreendem o preço de compra, os impostos de importação e outros tributos, bem como os custos de transporte, seguro e manutenção. Dias (1996) observa que todo e qualquer material armazenado gera determinados custos que são: a) Custos de capital (juros, depreciação e seguros); b) Custos com pessoal (salários, encargos sociais); c) Custos com edificação (aluguel, impostos, energia elétrica e conservação) e d) Custos de manutenção (deterioração, obsolescência e equipamento). O processo de armazenagem compreende os custos fixos e variáveis. Os custos fixos são compostos pelos juros, depreciação, seguros, benefícios a funcionários e folha de pagamento, utilização de imóvel alugado, impostos e energia elétrica. Os custos variáveis abrangem os custos de manutenção de estoque, obsolescência, deterioração e custos de perda. Segundo Martins (2001), os custos de estoques podem ser separados em três áreas principais: Custo de manutenção de estoque; Custo de pedido; Custos de falta. O Quadro 02 demonstra exemplos de cada um dos custos:

22 21 Custos Custo de Manutenção de Estoque Custo de Pedido Custo de Falta de Estoque Quadro 2 - Custos dos Estoques Fonte: Adaptado de Garcia et AL (2006). Exemplos -Custo de Oportunidade -Obsolescência -Seguros -Custo de Armazenagem e manuseio -Impostos -Custo de Pedir, Requisitar um Produto. -Custo de Entrega. (Frete) -Custo com Processo de Pagamento. -Existência de desconto em compras de grande quantidade. -Perda de Venda. -Pagamento de Multas Contratuais. -Deterioração de Imagem da Empresa. Os custos de manutenção são os custos proporcionais a quantidade armazenada e está relacionado ao tempo em que as mercadorias permanecem no estoque. O custo de oportunidade representa a perda de receitas por ter o capital investido no estoque empatado ao invés de ter investido em outros ativos com maior liquidez. Os custos de pedido são os custos referentes à aquisição de novas mercadorias. Já os custos pela falta de estoque estão relacionados à venda que não pode ser concretizada devido à inexistência de produto. (BOWERSOX, 2007). Ballou (2006) ressalta que a compensação entre os custos de aquisição, de manutenção e de falta de estoque, é preponderante para determinação da política de estoque. Logo, o objetivo da compensação será a determinação da quantidade que deverá ser pedido para reposição de um determinado material. Caso uma empresa optar por ter grandes quantidades de estoque, vai reduzir o preço de compra do produto, devido ao desconto recebido em razão da grande quantidade adquirida. Porém pode aumentar os custos de armazenagem aumentando o risco de perda por deterioração ou obsolescência. Os gestores precisam avaliar os custos e os benefícios para determinarem o melhor nível de estoques para a empresa. Pois as estratégias de administração de materiais devem ser realizadas com um máximo de critérios a fim de proporcionar a maximização dos resultados.

23 Custo Financeiro do Estoque Os administradores constantemente se deparam com a necessidade de reduzir estoque sem prejudicar o nível de serviços, pois esse ativo requer grandes imobilizações de capital. Conforme Bowersox (2001), o custo financeiro do estoque faz referência a um possível rendimento que o capital imobilizado teria, caso fosse aplicado em algum outro projeto da empresa. Segundo (FIGUEREDO et al, 2003, p.398), o custo financeiro de estoque trata-se de um custo de oportunidade, não esta ligado a um desembolso e também não aparece em nenhuma conta ou nota de pagamento. O custo de oportunidade se refere a uma possível perda de rendimentos pela opção por uma determinada alternativa em detrimento de outra. Seu calculo pode ser feito em função da diferença de resultado entre duas alternativas, observado as possíveis receitas e custos das mesmas. O custo de oportunidades é o montante de capital investido em estoque que poderia ser alocado em outros investimentos com melhores resultados. Para Faria e Costa (2005), o custo de oportunidade de manter estoques é inerente ao tipo de investimento que se faria caso os recursos não fossem aplicados nesses ativos. Fica a critério dos gestores a conciliação da melhor opção para a organização, sendo que enquanto houver estoque, continuará existindo a necessidade de mensurar o seu custo e avaliar o seu retorno sobre o capital investido. 2.2 Critérios para Avaliação dos Estoques Na avaliação dos estoques existem três critérios de análise conforme demonstrado no Quadro 03:

24 23 Critérios UEPS, também conhecido como LIFO (last-in, first-out) PEPS, conhecido também como FIFO (first-in, first aut), Custo Médio Ponderado Quadro 3 - Critérios de Avaliação dos Estoques Fonte: Adaptado de Ferreira (2007). Metodologias o custo do estoque é obtido como se as unidades mais recentes adicionadas ao estoque (última a entrar) fossem as primeiras unidades vendidas (primeira a sair). Pressupõe-se, deste modo que o estoque final consiste nas unidades mais antigas e são avaliados aos custos dos mesmos, as mercadorias vendidas se refletem no custo das mercadorias compradas mais recentemente. apura que as primeiras mercadorias que entram no estoque vão sair primeiro, deste modo a empresa atribuirá às mercadorias estocadas os custos mais recentes. este critério é usado nas empresas em que os seus estoques tenham um controle permanente, e que a cada aquisição, o seu preço médio seja atualizado. Segundo a Norma de Contabilidade NBC T os estoques devem ser atribuídos pelo uso do critério primeiro a entrar, primeiro a sair (PEPS), ou pelo critério do custo médio ponderado, a entidade deve usar o mesmo critério de custeio para todos os estoques. Ressalta-se que o método PEPS é importante para os itens que apresentam prazo de validade pequeno. Ao contrário do método PEPS, o critério UEPS gerencia as operações de entrada e saída de mercadorias, tomando por base a avaliação do estoque pelo valor da última compra, as quantidades que ficam em estoques são valorizadas pelos primeiros custos unitários e as que saem são valorizadas pelos últimos custos unitários. Segundo Bruni e Fama (2004), o método UEPS é o mais utilizado gerencialmente, pois os preços mais recentes são utilizados para as baixas dos materiais. Assim, o estoque final tende a ficar avaliado pelos valores mais antigos. Nesta metodologia o Custo da Mercadoria Vendida (CMV) fica maior do que o apurado pelo método PEPS. Cabe observar que método UEPS não é aceito pela legislação do Imposto de Renda para fins de apuração do resultado e a respectiva tributação das pessoas jurídicas, visto poder evidenciar um custo maior e um lucro menor. O Quadro 04 evidencia um comparativo entre os três critérios de avaliação dos estoques.

25 24 Critérios Estoque Final CMV Lucro Bruto PEPS Maior Menor Maior UEPS Menor Maior Menor CMP Médio Médio Médio Quadro 4 Comparativo entre os Critérios de Avaliação dos Estoques Fonte: Bruni (2004, p. 57). De acordo com o Quadro 04, o critério do Custo Médio Ponderado, apresenta seus resultados pela média, os critério UEPS e o PEPS, apresentam seus resultados a maior ou a menor no que se refere ao CMV. O critério do custo médio ponderado fica em termos médios, e desse modo é geralmente mais utilizado pelas empresas que não possuem inventário permanente e sim o inventario periódico. Então o critério aceito pela legislação do imposto de renda é o Custo Médio Ponderado (CMP) e o PEPS Inventários dos Estoques O estoque de uma empresa pode ser monitorado por meio do inventário permanente e periódico. O controle permanente é um sistema de inventário que possibilita, permanentemente, a obtenção de informação quanto aos estoques no que tange às saídas, entradas e os custos das mercadorias. O inventário periódico é um sistema adotado pelas empresas que não mantém controle das quantidades e valores das mercadorias existentes. (ALMEIDA, 1996). O controle periódico não dispõe de informações suficientes para a apuração do resultado, sendo necessário o levantamento físico sempre que se quiser apurar o resultado ou levantar o balanço. De acordo com Bruni (2004, p.50): O sistema de inventário periódico é quando uma empresa não possui controle contínuo dos estoques. O consumo só pode ser verificado após os inventários (contagem física dos estoques), em geral quando do fechamento do Balanço Patrimonial, e posteriormente avaliação de acordo com critérios legais. Neves (1997) ressalta que o controle permanente diferentemente do controle periódico, a qualquer momento se tem informação das mercadorias em estoque, é feito um controle individual das quantidades existente de cada item, com informações referentes à quantidade, preço unitário, valor total, quantidade

26 consumida. Este tipo de controle contínuo permite verificar a movimentação das mercadorias além de facilitar o cálculo do custo da mercadoria vendida a qualquer momento. A utilização do inventário para o controle físico dos estoques é imprescindível para uma gestão eficiente dos materiais. Pois facilita a visualização da movimentação em um determinado período e propicia análises para melhor administrar os estoques Objetivo e Função de Estoque O objetivo principal de uma organização com certeza é maximizar o lucro sobre o capital investido em instalações, equipamentos, financiamentos, estoques, entre outros. De modo mais específico, Pozo (2004) ressalta que o principal objetivo da gestão de estoque é otimizar o investimento nestes ativos mediante o uso eficiente dos controles, minimizando o capital investido na estocagem de insumos ou mercadorias. A Gestão de estoque fornece dados necessários para além do controle e conhecimento dos materiais, tenha capacidade de proporcionar um melhor desempenho financeiro na organização. Neste sentido, Dias (1995) afirma que uma das principais funções do sistema de controle de estoque é fornecer informações sobre a posição desse ativo. Isso facilita o processo de gestão, e permite uma redução nos tempos de reposição, melhora da qualidade do atendimento ao cliente e oferece facilidades nas negociações entre fornecedores e clientes. Messias (1993) complementa que comumente existem conflitos quanto aos níveis de estoques sob a ótica dos departamentos de finanças, vendas, produção e compra. Cada segmento estabelece preceitos diferentes de acordo com cada um de seus objetivos. O Quadro 05 apresenta esses conflitos de acordo com cada departamento relacionados aos níveis elevados de estoques.

27 Matéria Prima (alto estoque) Material em Processo (alto - estoque) Produto Acabado (alto estoque) Dpto. de Compras desconto sobre as quantidades a serem compradas. Dpto. de Produção nenhum risco de falta de materiais e grandes lotes de fabricação. Dpto. de Vendas entregas rápidas, boa imagem, melhores vendas. 26 Dpto. Financeiro capital investido perda financeira. Dpto Financeiro maior risco de perdas e obsolescência e aumento do custo de manutenção Dpto. Financeiro Capital investido, maior custo de armazenagem. Quadro 5 Conflitos Interdepartamentais em Relação aos Níveis de Estoques Fonte: Dias (1993, p. 24) Assim, observa-se que no setor financeiro, manter os níveis de estoque no mínimo possível tende a garantir que o capital da empresa não esteja sendo mal aplicado em recursos excessivos. No setor de compras, sem um controle adequado pode-se adquirir grandes quantidades de materiais sem maiores necessidades. Para o setor de vendas, manter níveis elevados de estoques assegura que todos os clientes serão atendidos prontamente. Já para o setor de produção tem-se a preocupação de não interromper a produção e atrasos na fabricação.

28 27 O Quadro 06 destaca as razões a favor e contra aos estoques: Razões a Favor dos Estoques Os estoques, quando próximos ao cliente, proporcionam satisfação às altas expectativas dos mesmos. Esse alto Melhorar o nível de serviço ao cliente nível de disponibilidade geralmente também acaba resultando o aumento do nível de vendas. Embora a manutenção de estoques gere custos adicionais, sua utilização acaba reduzindo custos Reduzir os custos de produção operacionais, que possibilita operações de produção mais prolongada e equilibrada. O custo com o excesso de estoque é compensado pela redução dos preços obtidos na compra de um maior volume. Por requerer menos manuseio consegue-se reduzir custos com transportes despachando em Economia de escala em compras e quantidades maiores. Essa prática requer níveis elevados transporte de estoque em ambos os extremos do canal de transporte, porém a redução de custos com transporte justifica a manutenção de estoque. Quando se espera uma alta nos preços futuros, é Antecipação de preços completamente justificável um estoque maior resultante das compras antecipadas. Incertezas dos prazos de produção e transporte Choques não planejados Custo de oportunidade Problemas com a qualidade Variações nos prazos ao longo da cadeia de suprimento podem provocar incertezas impactando os custos operacionais e o nível de serviço ao cliente. Portanto os estoques são usados em vários pontos do canal de suprimento para reduzir o impacto destas variações e facilitar as operações. Situações como: greves, desastres naturais, aumento imprevisto da demanda, atrasos no abastecimento são contingências que afetam o sistema logístico. Os estoques podem apresentar algum grau de proteção, mantendo o sistema em funcionamento até que os efeitos desses choquem passem. Razões Contra os Estoques A maior fatia do custo de manutenção de estoque é o custo de oportunidade. Pois absorvem capital que poderia ter utilização mais rentável se aplicado no aumento da produtividade e a competitividade. Problemas com qualidade. Estoques podem afastar a atenção da existência de problemas de qualidade. Quando estes aparecem, reduzir os estoques em virtude ao capital investido é quase sempre a primeira medida que se pensa, pois corrigir os problemas com qualidade pode ser mais demorado. Quadro 6 - Razões a Favor e Contra aos Níveis de Estoques Fonte: Ballou (2006). Logo, cabe estabelecer um equilíbrio entre as razões, para que não seja prejudicial à operacionalidade da empresa e assim, permitir níveis adequados de estoques.

29 Evoluções da Logística Empresarial relacionada aos Estoques Para iniciar este tópico precisa-se fazer uma definição do conceito de logística. Segundo Ching (2001), O conceito de logística, existente desde a década de 40, foi utilizado pelas forças armadas norte-americanas. Ele relacionava-se com todo o processo de aquisição e fornecimento de materiais durante a Segunda Guerra Mundial evitando que o exército no campo de batalha ficasse sem suprimentos suficientes para manter as estratégias de guerra. Entende-se como logística, o gerenciamento do fluxo físico de materiais. De acordo Pozo (2004), após a segunda guerra mundial, ocorreram mudanças no ambiente empresarial, onde o cenário econômico favorecia maior demanda de bens e consumo. A indústria procurou preencher as lacunas da demanda existente, aproveitando a capacidade dos novos processos de produção em série. Desta forma, a logística passou a atuar na questão da distribuição de produtos, visando atender a demanda aquecida. Fase 1ª 2ª 3ª 4ª O Quadro 07 apresenta a evolução da logística empresarial Característica Após a segunda guerra mundial, o estoque era o pulmão entre a manufatura e os depósitos dos centros de distribuição, não havia sistemas sofisticados de comunicação e de informática, os pedidos de venda eram preenchidos manualmente. Para efetuar um pedido demandava muito recurso humano nas operações de pesquisa, preço e as demais condições de suprimento junto aos fornecedores. Atualmente o custo de efetuar pedido é geralmente pouco expressivo, devido às facilidades de comunicação e de processamento de dados. A Integração Rígida caracterizava-se por uma busca inicial da racionalização integrada da cadeia de suprimento (área de compra, venda, produção e estoque), porém ainda muito rígida, porque não permite a correção dinâmica do planejamento ao longo do tempo, um departamento fazia seu planejamento isolado das demais áreas da empresa não havia integração entre os setores. Nesta fase os profissionais de Marketing foram gradativamente sugerindo aos consumidores aspirações por novos produtos diversificados. Esse aumento na variedade de produtos ocasionou acréscimo acentuado nos estoques, passando a ser necessária maior racionalização da cadeia de suprimentos, visando menores custos e maior eficiência. Integração Flexível teve seu inicio no fim da década de 1980, e ainda esta sendo implementada por muitas empresas. É caracterizada pela integração dinâmica e flexível entre integrantes da cadeia de suprimentos, em dois níveis: dentro da empresa e nas relações da empresa com seus fornecedores e clientes. Nesta fase a informática já havia se desenvolvido bastante possibilitando uma integração dinâmica, procurando manter baixos níveis de estoques. Integração Estratégica possui uma característica que a distingue da quarta fase das demais. É uma nova concepção no tratamento dos problemas logísticos de forma integrada. Nesta fase as empresas buscam a redução dos estoques ao mesmo tempo maior qualidade do serviço logístico, para alcançar seus objetivos. Muitas empresas passaram a terceirizar algumas de suas atividades e buscaram parceiros como fornecedores e clientes. As empresas passaram a buscar soluções novas, usando a logística para ganhar competitividade, deste modo a logística passou a ser elemento diferenciador de cunho estratégico na busca de maiores fatias no mercado. Quadro 7 - Evolução Histórica da Logística Empresarial Fonte: Novaes (2001),

30 Observa-se que a estratégica da logística consiste em minimizar os recursos necessários por cada área da empresa e assim, tornar disponíveis os produtos e serviços requeridos, no tempo certo, no local certo e em condições adequadas. O emprego da logística nas organizações caracteriza-se como um conjunto de atividades de compra, movimentação e armazenagem que organiza os fluxos de circulação dos materiais desde a aquisição até o consumo final. Segundo Bowersox e Closs (2001), a logística antes da década de 1950, era uma atividade puramente funcional sem nenhum conceito ou teoria formal de logística integrada. Atualmente os fluxos de materiais e informações gerenciais passam a desenvolver essas atividades de forma integrada e coordenada com a gestão de estoque, de compras e de transporte com o intuito de otimizar o resultado empresarial Modelos Quantitativos Aplicados na Gestão de Estoques Nesta seção apresenta-se os principais modelos quantitativos pertinentes a gestão de estoques. Primeiramente destaca-se a metodologia da Curva ABC em seguida descreve-se o Sistema Mínino e Máximo. Por fim, destaca-se a importância da análise do giro dos estoques Curva ABC A curva ABC conhecida como princípio dos 80/20 ou lei de Pareto, foi desenvolvida por Vilfredo Pareto, na Itália, por volta do ano de 1897 por meio da elaboração de um estudo de distribuição de renda e riqueza da população local. Neste estudo, Pareto notou que grande percentagem da renda total concentrava-se nas mãos de uma pequena parcela da população, numa proporção de aproximadamente 80% e 20% respectivamente. (POZO, 2004). Em relação à gestão de estoques, a utilização da metodologia da Curva ABC determina o grau de importância dos materiais, permitindo controlar os níveis desse ativo de acordo com os itens com maior valor de venda.

31 SEBRAE (2009) define o grau de importância dos itens da seguinte forma: a) investimento financeiro no volume de estoque; b) importância no processo produtivo; c) importância no planejamento estratégico e, d) sazonalidades e tendências. Mediante a classificação da curva ABC, consegue-se diferentes níveis de controle com base na importância relativa do bem. Seguindo a regra de Pareto, os itens são classificados em três categorias denominadas A, B, C conforme Tabela 1: 30 Tabela 1 - Classes da Curva ABC Classe Descrição Valor total Itens A São os itens mais importantes que devem receber atenção especial. Em média os itens da classe A correspondem a 80% do valor total e no máximo a 20% dos itens estudados. 80% 20% B São itens intermediários. Em média os itens da Classe B correspondem a 15% do valor total e 30% dos itens estudados. 15% 30% C São itens de menor importância, embora a quantidade seja grande, a importância desses itens para o valor total é pouco significante. Geralmente os itens da Classe C correspondem a apenas 5% do valor total e representam 50% dos itens. Fonte: Adaptado de (POZO 2004). 5% 50% A partir desta classificação priorizam-se os itens da classe A, devido à maior importância econômica, por representarem 80% do valor dos itens em estoque e 20% do volume. Desta forma, os itens da classe A receberão sistematicamente maior atenção em relação aos materiais da classe C. Conforme Arnold (1999, p. 284), a Curva ABC, aplicada na administração de estoque segue um padrão em que: a. cerca de 20% dos itens correspondem a aproximadamente 80% da utilização em valores monetários. b. cerca de 30% dos itens correspondem a aproximadamente 15% da utilização em valores monetários. c. cerca de 50% dos itens correspondem aproximadamente 5% da utilização monetária. d. as porcentagens são aproximadas e não devem ser tomadas como absolutas. Os itens mais importantes são em pequenos números e de alto valor, e devem ser controlados rigidamente. Este controle torna-se possível, pois será feito sobre uma variedade mínima correspondente a 20% da quantidade de mercadorias. Porém possuem um alto valor econômico de estoque. Os itens C representam cerca de 5% do valor total do estoque. Desse modo, manter um estoque extra dessa

32 classe acrescenta pouco ao valor de estoque, por tanto deve ser mantido sempre um estoque disponível. Segundo Martins et al (2001, p. 162): 31 a análise ABC é uma das formas mais usuais de se examinar estoques. Essa analise consiste na verificação, em certo espaço de tempo (normalmente 6 meses ou 1 ano), do consumo, em valor monetário ou quantidade, dos itens de estoque, para que eles possam ser classificados em ordem decrescente de importância. Aos itens mais importantes de todos, segundo a ótica do valor ou da quantidade, dá se denominação itens classe A, aos intermediários, itens classe B, e aos menos importantes, itens classe C. Analisar as quantidades de itens em estoque individualmente é uma tarefa difícil e muitas vezes desnecessária. Por isso, é conveniente a classificação desses itens em classe, grupos ou família, visando um melhor controle. Essas classificações possibilitam dar prioridade para os itens de maior demanda e um controle menos rigoroso para os que possuem menor giro ou importância Elaboração da Curva ABC Na montagem da Curva ABC primeiramente, deve ser efetuado o levantamento dos dados referente ao problema a ser resolvido. Pozo (2007, p. 93) observa que para montagem da Curva ABC são necessários quatro passos: 1) levantando todos os itens do problema em um determinado período de tempo com seus respectivos dados de sua quantidades, preço unitário e preços totais; 2) em seguida colocam-se todos os itens em uma tabela em ordem decrescente de valor total e sua somatória, esta tabela deve estar composta das seguintes colunas: item, nome ou número da peça, preço unitário, preço total do item e porcentagem; 3) próximo passo é dividir cada valor total de cada item pela somatória total de todos os itens e colocar a porcentagem obtida em sua respectiva coluna; 4) finalmente, devemos dividir todos os itens em classe A, B, C, de acordo com nossa prioridade e tempo disponível para tomar decisão sobre o problema. Considerando a utilização anual em valores monetários, o procedimento de classificação, segundo Arnold (1999, p.284), pode ser considerado da seguinte forma:

33 32 1. determinar a utilização anual de cada item. 2. multiplicar a utilização anual para cada item pelo respectivo custo, para obter sua utilização total anual em valores monetários. 3. fazer uma lista dos itens de acordo com sua utilização anual em valores monetários. 4. calcular a utilização anual em valores monetários. 5. examinar a distribuição da utilização anual e classificar os itens nos grupos A, B, C, com base na porcentagem de utilização anual. A Tabela 2 exemplifica a elaboração da Curva ABC. Tabela 2 - Elaboração da Curva ABC com Base Anual em Valores Monetários Itens CMV Custo Unitário (R$) Custo Total (R$) Custo Total em % , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,30 Total Fonte: (ARNOLD, 1999). Para obter a utilização anual da quantidade de estoque, precisa-se do Custo Mercadoria Vendida (CMV) de cada item considerando os últimos doze meses e o custo unitário em moeda corrente. Com esses dados calcula-se o custo total multiplicando-se a quantidade média de cada item pelo seu custo unitário. Para obter-se o percentual correspondente ao custo total divide-se o custo total unitário pelo custo total e multiplica-se esta razão por 100.

34 Classificação da Curva ABC Uma vez calculados os custos de todos os itens, esses devem ser organizados de forma decrescente de valor e apropriados nas classes A, B ou C. Seguindo a regra de Pareto, os itens da classe A normalmente correspondem a 20% em quantidade e 80% do valor, já os itens B representam 30% da quantidade e 15% do valor, enquanto os itens da classe C equivalem a 50% da quantidade e 5% do valor. (BERTAGLIA, 2003). A Tabela 3 exemplifica a classificação da Curva ABC. Tabela 3 - Classificação da Curva ABC Itens CMV Custo Unitário (R$) Custo Total (R$) Custo Total em % Classificação Decrescente Classificação ABC , ,75 10 A , ,69 9 A , ,84 8 B , ,75 7 B , ,40 6 B , ,05 5 C , ,30 4 C , ,04 3 C , ,66 2 C , ,52 1 C Total Fonte: (ARNOLD, 1999) Os itens são selecionados até a soma chegar próximo do valor de corte determinado pela classificação ABC. O ponto de corte da classe A é 80%, o valor mais próximo a 80% será o ponto de corte, a classe B corresponde a 15% e a classe C a 5%. Neste exemplo a classificação 10 e 9 contemplam a soma de 78,44%, que neste caso é o ponto de corte. A classe B representa 16,99% e a classe C corresponde a 4,57% do valor.

35 Para calcular o percentual de representatividade dos itens em quantidades na classificação ABC, utiliza-se a fórmula do Quadro 8: 34 A= Quantidade de itens A encontrados * 100 = 2 * 100 = 20% Total de itens 10 B= Quantidade de itens A encontrados * 100 = 3 * 100 = 30% Total de itens 10 C= Quantidade de itens A encontrados * 100 = 5 * 100 = 50% Total de itens 10 Quadro 8 - Percentual de Representação dos Itens da Curva ABC Fonte: (Bertaglia, 2003). Dispondo dos percentuais dos itens e dos valores, obtêm-se os parâmetros para a Curva ABC. Tais parâmetros estão apresentados na Tabela 4: Tabela 4 Parâmetros da Curva ABC Classe % dos Valores % dos Itens A 78,44 20% B 16,99 30% C 4,57 50% TOTAL % Fonte: (ARNOLD, 1999) Os resultados obtidos da classe A, não corresponde a uma proporção exata de Segundo Pozo (2004), esse valor é representativo, o administrador poderá definir a porcentagem utilizada em cada classe, dividindo os itens conforme o total vendido. Ou seja, itens com o mesmo valor total ou valores aproximados farão parte da classe A numa proporção aproximada de 80% do valor e 20% em relação aos itens em estoque.

CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE Carla Milanesi de Oliveira - carla_mila_lala@hotmail.com RESUMO

CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE Carla Milanesi de Oliveira - carla_mila_lala@hotmail.com RESUMO CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE Carla Milanesi de Oliveira - carla_mila_lala@hotmail.com RESUMO Nos dias atuais, uma das áreas que mais se desenvolvem dentro das organizações sem dúvida é a Gestão dos Estoques,

Leia mais

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Engenharia de Custos e Orçamentos Turma 01 10 de outubro de 2012 A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma

Leia mais

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Marília

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Marília Armazenagem e controle Prof. Paulo Medeiros FATEC - Marília Armazenagem Armazenagem e manuseio de mercadorias são componentes essenciais do conjunto de atividades logísticas.seus custos podem absorver

Leia mais

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque.

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. RAZÕES PARA MANTER ESTOQUES A armazenagem de mercadorias prevendo seu uso futuro exige investimento por parte da organização. O ideal seria

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL Data: 10/12/1998 Maurício Lima INTRODUÇÃO Um dos principais desafios da logística moderna é conseguir gerenciar a relação entre custo e nível de serviço (trade-off).

Leia mais

FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3

FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3 1 FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3 RESUMO: Este trabalho tem a intenção de demonstrar a

Leia mais

Logistica e Distribuição

Logistica e Distribuição Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição A Atividade de Gestão de Estoque Primárias Apoio 1 2 3 4 Conceitulizando Estoque ESTOQUES são grandes volumes de matérias

Leia mais

Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas

Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas Paula Michelle Purcidonio (UTFPR) ppurcidonio@ig.com.br Kazuo Hatakeyama (UTFPR) hatakeyama@pg.cefetpr.br Resumo Com a atual competitividade

Leia mais

A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO

A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO Este artigo cientifico, apresenta de maneira geral e simplificada, a importância do capital de giro para as empresas,

Leia mais

Curva ABC. Cada uma destas curvas nos retorna informações preciosas a respeito de nossos produtos

Curva ABC. Cada uma destas curvas nos retorna informações preciosas a respeito de nossos produtos Curva ABC A curva ABC tem por finalidade determinar o comportamento dos produtos ou dos clientes. Podemos desenvolver diversos tipos de curvas ABC contendo os seguintes parâmetros: 1. Produto X Demanda

Leia mais

Palavras-Chave: Controle de Estoque, Análise ABC e Gestão de Estoque.

Palavras-Chave: Controle de Estoque, Análise ABC e Gestão de Estoque. IMPLANTAÇÃO DE FERRAMENTAS PARA CONTROLE DE ESTOQUE Estudo de caso em uma Fábrica de Ração Wemerson de Freitas Borges 1 Prof. Ms. Jordânia Louse Silva Alves 2 RESUMO No Brasil, a gestão de estoques é um

Leia mais

PLANEJAR, ELABORAR E CUMPRIR METAS

PLANEJAR, ELABORAR E CUMPRIR METAS PLANEJAR, ELABORAR E CUMPRIR METAS Fernanda Micaela Ribeiro Theiss Prof. Ademar Lima Júnior Centro Universitário Leonardo da Vinci UNIASSELVI Bacharelado em Ciências Contábeis (CTB 561) 14/05/2012 RESUMO

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS ANA BEATRIZ DALRI BRIOSO¹, DAYANE GRAZIELE FANELLI¹, GRAZIELA BALDASSO¹, LAURIANE CARDOSO DA SILVA¹, JULIANO VARANDAS GROPPO². 1 Alunos do 8º semestre

Leia mais

Análise Econômico-Financeira

Análise Econômico-Financeira Universidade Federal do Pará Curso de Ciências Contábeis Departamento de Contabilidade Análise Econômico-Financeira Gilvan Pereira Brito 0301007601 Belém-Pará 2007 1 Universidade Federal do Pará Curso

Leia mais

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS)

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS) NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS) Temas para Discussão 1) DISPOSIÇÕES GERAIS 2) DEFINIÇÕES GERAIS 3) CARACTERÍSTICAS E ATRIBUTOS DA INFORMAÇÃO DE CUSTOS 4) EVIDENCIAÇÃO

Leia mais

PASSO 8 IMPLANTANDO OS CONTROLES

PASSO 8 IMPLANTANDO OS CONTROLES PASSO 8 IMPLANTANDO OS CONTROLES Ter o controle da situação é dominar ou ter o poder sobre o que está acontecendo. WWW.SIGNIFICADOS.COM.BR Controle é uma das funções que compõem o processo administrativo.

Leia mais

Confederação Nacional da Indústria. - Manual de Sobrevivência na Crise -

Confederação Nacional da Indústria. - Manual de Sobrevivência na Crise - RECOMENDAÇÕES PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Manual de Sobrevivência na Crise - Janeiro de 1998 RECOMENDAÇÕES PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Manual de Sobrevivência na Crise - As empresas, principalmente

Leia mais

Gestão de Estoques em Materiais de uso Hospitalar: Análise de Modelo utilizado num Hospital Universitário Público (Estudo de Caso)

Gestão de Estoques em Materiais de uso Hospitalar: Análise de Modelo utilizado num Hospital Universitário Público (Estudo de Caso) Gestão de Estoques em Materiais de uso Hospitalar: Análise de Modelo utilizado num Hospital Universitário Público (Estudo de Caso) Edimar Alves Barbosa (UFCG) eab@cct.ufcg.edu.br Luciano Gomes de Azevedo

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

Elementos Operacionais e Não Operacionais nas Demonstrações Contábeis

Elementos Operacionais e Não Operacionais nas Demonstrações Contábeis Elementos Operacionais e Não Operacionais nas Demonstrações Contábeis Autoria: Clóvis Luís Padoveze Resumo As demonstrações publicadas de acordo com o formato aprovado pelos órgãos regulatórios, tanto

Leia mais

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR PRESIDENTE

Leia mais

se o tratamento foi adequado, ficaremos curados e felizes por termos solucionado a doença que estava nos prejudicando. No campo empresarial a

se o tratamento foi adequado, ficaremos curados e felizes por termos solucionado a doença que estava nos prejudicando. No campo empresarial a Gestão Financeira Quando temos problemas de saúde procuramos um médico, sendo ele clínico geral ou especialista, conforme o caso. Normalmente, selecionamos um médico bastante conhecido e com boas referências

Leia mais

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem e controle Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem Armazenagem e manuseio de mercadorias são componentes essenciais do conjunto de atividades logísticas.seus custos podem absorver

Leia mais

CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE DATA: 08/02/2015. HORÁRIO: das 09 às 12 horas

CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE DATA: 08/02/2015. HORÁRIO: das 09 às 12 horas Realização: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE CURSO: BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE. Fabiana Carvalho de Oliveira Graduanda em Administração Faculdades Integradas de Três Lagoas FITL/AEMS

GESTÃO DE ESTOQUE. Fabiana Carvalho de Oliveira Graduanda em Administração Faculdades Integradas de Três Lagoas FITL/AEMS GESTÃO DE ESTOQUE Fabiana Carvalho de Oliveira Graduanda em Administração Faculdades Integradas de Três Lagoas FITL/AEMS Higino José Pereira Neto Graduando em Administração Faculdades Integradas de Três

Leia mais

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão A Análise das Demonstrações Financeiras Este artigo pretende apoiar o jovem empreendedor, informando-o de como utilizar os

Leia mais

SIMCO 5.0 SIMULAÇÃO COMERCIAL

SIMCO 5.0 SIMULAÇÃO COMERCIAL SIMCO 5.0 SIMULAÇÃO COMERCIAL MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. BERNARD SISTEMAS LTDA. Florianópolis, Janeiro de 2008. Todos os direitos são reservados. Nenhuma

Leia mais

SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. BERNARD SISTEMAS LTDA. Florianópolis, Julho de 2007. Todos os

Leia mais

Descrição do processo de priorização para tomada de tempos: Pesquisa ação em uma empresa job shop de usinados aeronáuticos.

Descrição do processo de priorização para tomada de tempos: Pesquisa ação em uma empresa job shop de usinados aeronáuticos. Descrição do processo de priorização para tomada de tempos: Pesquisa ação em uma empresa job shop de usinados aeronáuticos. Tatiana Sakuyama Jorge Muniz Faculdade de Engenharia de Guaratingüetá - Unesp

Leia mais

METODOLOGIA GERAL DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

METODOLOGIA GERAL DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS METODOLOGIA GERAL DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Camila Pires Cremasco Gabriel 1 Luis Roberto Almeida Gabriel Filho 2 Thiago Ariceto 3 Chádia Priscila Cardoso Gonçalves 4 Matheus Choueri 5 RESUMO: A definição

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Controle de Estoque

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Controle de Estoque Módulo Suprimentos Controle de Estoque Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Suprimentos Controle de Estoque. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

SIND 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA.

SIND 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. SIND 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. BERNARD SISTEMAS LTDA. Florianópolis, Fevereiro de 2007. Todos os direitos são reservados. Nenhuma

Leia mais

Estoque é um ativo que ninguém PRINCÍPIOS DO GERENCIAMENTO DO INVENTÁRIO. Quais os mais importantes e como podem ser aplicados no armazém

Estoque é um ativo que ninguém PRINCÍPIOS DO GERENCIAMENTO DO INVENTÁRIO. Quais os mais importantes e como podem ser aplicados no armazém PRINCÍPIOS DO GERENCIAMENTO DO INVENTÁRIO Quais os mais importantes e como podem ser aplicados no armazém Estoque é um ativo que ninguém deseja, mas que toda empresa deve ter. O santo padroeiro do gerenciamento

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

BALANCETES E RELATÓRIOS

BALANCETES E RELATÓRIOS Matéria - Contabilidade SUMÁRIO 1. Considerações Iniciais 2. Balancetes NBC T 2.7 3. Modelos de Balancetes 4. Relatórios 4.1. Relatórios por área de responsabilidade BALANCETES E RELATÓRIOS 5. Balancetes

Leia mais

Unidade II. Unidade II

Unidade II. Unidade II Unidade II REESTRUTURAÇÃO FINANCEIRA NAS ORGANIZAÇÕES Neste módulo, estudaremos como ocorre a reestruturação financeira nas empresas, apresentando um modelo de planejamento de revitalização, com suas características

Leia mais

Gestão Estratégica de Estoques um Estudo em Grupo de Empresas do Setor de Móveis

Gestão Estratégica de Estoques um Estudo em Grupo de Empresas do Setor de Móveis Gestão Estratégica de Estoques um Estudo em Grupo de Empresas do Setor de Móveis Hélio José Reis Aguiar arthouse@hotmail.com Faculdade de Guaçuí Simone de Souza simones@ifes.edu.br IFES Guarapari Flávio

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro Matheus de Aguiar Sillos matheus.sillos@pmlog.com.br AGV Logística Rua Edgar Marchiori, 255, Distrito

Leia mais

ANÁLISE DE DESEMPENHO ECONÔMICO FINANCEIRO DE UMA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO DE PLÁSTICOS DA REGIÃO SUL DE SC

ANÁLISE DE DESEMPENHO ECONÔMICO FINANCEIRO DE UMA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO DE PLÁSTICOS DA REGIÃO SUL DE SC UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS MARINA DE FRANÇA ANÁLISE DE DESEMPENHO ECONÔMICO FINANCEIRO DE UMA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO DE PLÁSTICOS DA REGIÃO SUL DE

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I

GESTÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I GESTÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I BALANÇO PATRIMONIAL 2 CONCEITO É a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente, numa determinada data, o Patrimônio e o Patrimônio Líquido

Leia mais

Previsão da Necessidade de Capital de Giro utilizando os preceitos do Modelo de Entrada- Saída de Leontief

Previsão da Necessidade de Capital de Giro utilizando os preceitos do Modelo de Entrada- Saída de Leontief Previsão da Necessidade de Capital de Giro utilizando os preceitos do Modelo de Entrada- Saída de Leontief Adriano Antonio Nuintin Andréa Salvi Carlos Alberto Grespan Bonacim Evandro Marcos Saidel Ribeiro

Leia mais

Marília Gottardi 1 Rodrigo Altério Pagliari 2 Rosemary Gelatti 3 FEMA 4

Marília Gottardi 1 Rodrigo Altério Pagliari 2 Rosemary Gelatti 3 FEMA 4 CUSTEIO VARIÁVEL COMO SUPORTE À TOMADA DE DECISÃO EMPRESARIAL Marília Gottardi 1 Rodrigo Altério Pagliari 2 Rosemary Gelatti 3 FEMA 4 RESUMO: Inicialmente a contabilidade tinha o objetivo de controlar

Leia mais

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007.

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Operações Terminais Armazéns AULA 3 PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. A Gestão de Estoques Definição» Os estoques são acúmulos de matériasprimas,

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Prof. Rafael Roesler Aula 5 Sumário Classificação ABC Previsão de estoque Custos

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ALINI CAVALER LOCH

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ALINI CAVALER LOCH 0 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ALINI CAVALER LOCH LOGÍSTICA: UM ESTUDO BIBLIOMÉTRICO DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA NO CONGRESSO BRASILEIRO DE CUSTOS CRICIÚMA 2012

Leia mais

ANTÓNIO BALTAZAR MORTAL PROFESSOR ADJUNTO DA ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO HOTELARIA E TURISMO DA UNIVERSIDADE DO ALGARVE

ANTÓNIO BALTAZAR MORTAL PROFESSOR ADJUNTO DA ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO HOTELARIA E TURISMO DA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ANTÓNIO BALTAZAR MORTAL PROFESSOR ADJUNTO DA ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO HOTELARIA E TURISMO DA UNIVERSIDADE DO ALGARVE GLOSSÁRIO DE CONTABILIDADE ANALÍTICA NOVEMBRO 2001 NOTA PRÉVIA O principal objectivo

Leia mais

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_...

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... Página 1 de 14 CONTABILIDADE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Considerações ROTEIRO 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO

Leia mais

Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 42

Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 42 Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 42 2.8. GESTÃO DE DUPLICATAS A RECEBER Entre os objetivos do gestor financeiro destaca-se como principal a maximização do

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE: OS DESAFIOS DOS ITENS DE MRO E A IMPORTÂNCIA DOS INDICADORES DE PERFORMANCE

GESTÃO DE ESTOQUE: OS DESAFIOS DOS ITENS DE MRO E A IMPORTÂNCIA DOS INDICADORES DE PERFORMANCE GESTÃO DE ESTOQUE: OS DESAFIOS DOS ITENS DE MRO E A IMPORTÂNCIA DOS INDICADORES DE PERFORMANCE Barbara Batista Povoa (UFES ) barbara_povoa@hotmail.com A gestão de estoques vem ganhando cada vez mais espaço

Leia mais

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR CUSTOS DOS PRODUTOS I NOÇÕES GERAIS 1. CLASSIFICAÇÃO DOS CUSTOS Existem diversas classificações de custos, as quais variam em função das finalidades a que se destinam. As principais classificações são:

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS página 1 07. Onde é classificado o Subgrupo Estoques no plano de contas? 01. São acontecimentos que ocorrem na empresa e que não provocam alterações no Patrimônio: A) Atos Administrativos

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas IAS 7 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 7 (REVISTA EM 1992) Demonstrações de Fluxos de Caixa

Manual do Revisor Oficial de Contas IAS 7 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 7 (REVISTA EM 1992) Demonstrações de Fluxos de Caixa IAS 7 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 7 (REVISTA EM 1992) Demonstrações de Fluxos de Caixa Esta Norma Internacional de Contabilidade revista substitui a NIC 7, Demonstração de Alterações na

Leia mais

DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL

DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL É examinar a situação de uma empresa e determinar seus pontos fortes e fracos em relação a: sua organização; sua capacidade gerencial; seu know-how tecnológico; sua capacidade

Leia mais

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem e controle Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem Armazenagem e manuseio de mercadorias são componentes essenciais do conjunto de atividades logísticas.seus custos podem absorver

Leia mais

Capítulo 1. Capítulo 2. Capítulo 3. Contabilidade gerencial: panorama... 1. Contabilidade gerencial e conceitos de custo... 23

Capítulo 1. Capítulo 2. Capítulo 3. Contabilidade gerencial: panorama... 1. Contabilidade gerencial e conceitos de custo... 23 SUMÁRIO Capítulo 1 Contabilidade gerencial: panorama... 1 O que é contabilidade gerencial?... 2 Planejamento... 3 Controle... 3 Tomada de decisões... 4 Por que a contabilidade gerencial é importante para

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS DE PEQUENO PORTE

A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS DE PEQUENO PORTE A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS DE PEQUENO PORTE Alexandre Prólico Szpyra 1 alexandre.prolico@battistella.com.br Everton Luiz do Nascimento 2 everton@tha.com.br Fabiano Salles de Andrade 3

Leia mais

A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO

A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO Luiz Carlos Bresser-Pereira Revista Marketing n. 7, vol. II, 1968: 24-32. Um programa mercadológico é um instrumento para se pensar com antecedência, para se estabelecer

Leia mais

ASPECTOS CONCEITUAIS OBJETIVOS planejamento tomada de decisão

ASPECTOS CONCEITUAIS OBJETIVOS planejamento tomada de decisão FACULDADES INTEGRADAS DO TAPAJÓS DISCIPLINA: CONTABILIDADE GERENCIAL PROFESSOR: JOSÉ DE JESUS PINHEIRO NETO ASSUNTO: REVISÃO CONCEITUAL EM CONTABILIDADE DE CUSTOS ASPECTOS CONCEITUAIS A Contabilidade de

Leia mais

PROJETO SABER CONTÁBIL EXAME DE SUFICIÊNCIA DICAS PARA RESOLUÇÕES DAS QUESTÕES CONTABILIDADE DE CUSTOS E GERENCIAL

PROJETO SABER CONTÁBIL EXAME DE SUFICIÊNCIA DICAS PARA RESOLUÇÕES DAS QUESTÕES CONTABILIDADE DE CUSTOS E GERENCIAL PROJETO SABER CONTÁBIL EXAME DE SUFICIÊNCIA DICAS PARA RESOLUÇÕES DAS QUESTÕES CONTABILIDADE DE CUSTOS E GERENCIAL Braulino José dos Santos TERMINOLOGIAS Terminologia em custos Gasto Investimento Custo

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Texto para as questões de 31 a 35 conta saldo despesa de salários 10 COFINS a recolher 20 despesas de manutenção e conservação 20 despesa de depreciação 20 PIS a recolher 30 despesas

Leia mais

ÍNDICES FINANCEIROS E LUCRATIVIDADE - UM ESTUDO DOS ÍNDICES DE RENTABILIDADE

ÍNDICES FINANCEIROS E LUCRATIVIDADE - UM ESTUDO DOS ÍNDICES DE RENTABILIDADE 1 ÍNDICES FINANCEIROS E LUCRATIVIDADE - UM ESTUDO DOS ÍNDICES DE RENTABILIDADE Giselle Damasceno da Silva Graduanda em Ciências Contábeis pela UFPA RESUMO Este estudo, parte da necessidade de utilização

Leia mais

Gestão Empresarial para Logística, com duração de 220 horas.

Gestão Empresarial para Logística, com duração de 220 horas. ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO O presente curso é composto de quatro módulos, a saber: MÓDULO I MÓDULO II MÓDULO III MÓDULO IV Gestão de Pessoas para Logística, com duração de 220 horas. Gestão Empresarial

Leia mais

Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro

Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro Faculdade Atenas Maranhense - FAMA Professor: Esp. CLEIDIANA SACCHETTO Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR

MANUAL DO FORNECEDOR PSQ 27 REVISÃO 00 Histórico da Emissão Inicial Data da Revisão 0 Data da Última Revisão Número de Página 15/01/14 15/01/14 1/14 2/14 1 - Objetivo 1.1 Escopo O conteúdo deste Manual contempla os requisitos

Leia mais

Assunto: Softwares reconhecimento, mensuração, avaliação e evidenciação.

Assunto: Softwares reconhecimento, mensuração, avaliação e evidenciação. Nota Técnica n 010/2011/GECON Vitória, 28 de dezembro de 2011. Assunto: Softwares reconhecimento, mensuração, avaliação e evidenciação. Prezados (as) Senhores (as), A presente Nota Técnica foi desenvolvida

Leia mais

Unidade II RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS

Unidade II RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Unidade II 2 TENDÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS 2.1 Gestão de compras 1 A gestão de compras assume papel estratégico na Era da competição global, devido ao volume de recursos envolvidos no processo,

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS PROF. Msc. JOSÉ VICENTE CAMPINAS - SP 2009 2 ANÁLISE

Leia mais

ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES

ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES! A análise do desempenho histórico! Análise setorial! Análise de múltiplos! Elaboração de projeções de resultados! Determinação

Leia mais

ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL - REGRAS APLICÁVEIS PARA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE

ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL - REGRAS APLICÁVEIS PARA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL - REGRAS APLICÁVEIS PARA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE Matéria Elaborada com Base na Legislação Vigente em: 26/12/2012. Sumário: 1 - INTRODUÇÃO 2 - ALCANCE DA ITG 1000 3

Leia mais

ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO. Todos os Direitos Reservados

ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO. Todos os Direitos Reservados Curso Online 1 2 ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO Todos os Direitos Reservados 3 1 O Que é Fluxo de Caixa _Fatores que Afetam o Fluxo de Caixa (Internos e Externos) _Desequilíbrio Financeiro

Leia mais

A gestão de estoque no contexto da logística

A gestão de estoque no contexto da logística A gestão de estoque no contexto da logística Beranice Maria de Lima Torquato (Instituição Toledo de Ensino) beranice@terra.com.br Resumo Esse artigo visa avaliar a gestão do estoque dentro da logística.

Leia mais

Artigo publicado na Revista CEPPG Nº 24 1/2011 ISSN 1517-8471 Páginas 37 à 44 RESUMO

Artigo publicado na Revista CEPPG Nº 24 1/2011 ISSN 1517-8471 Páginas 37 à 44 RESUMO CONTROLE DE QUALIDADE NA AVALIAÇÃO DE UM ESTOQUE Andre Luis de Souza Neto 1 RESUMO O presente trabalho justifica-se pela discussão do grande papel da avaliação e controle da qualidade de um estoque em

Leia mais

ÁREA DE CONHECIMENTOS CONTÁBEIS

ÁREA DE CONHECIMENTOS CONTÁBEIS ÁREA DE CONHECIMENTOS CONTÁBEIS 1. O Patrimônio Líquido divide-se em: a) Investimentos, Reservas de Capital, Reservas de Lucros e Lucros ou Prejuízos Acumulados. b) Capital Social, Reservas de Capital,

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIOS PARA UMA EMPRESA DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS 1

ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIOS PARA UMA EMPRESA DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS 1 ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIOS PARA UMA EMPRESA DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS 1 Jéssica Schreiber Boniati 2, Eusélia Pavéglio Vieira 3. 1 Trabalho de conclusão de curso apresentado ao curso

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 1 Trimestre de 2012 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 5 RISCO DE MERCADO... 8 6

Leia mais

ANÁLISE DO PROCESSO DE GESTÃO DE ESTOQUES EM UMA EMPRESA DE MATERIAIS DE HIGIENE E LIMPEZA LOCALIZADA EM CRICIÚMA - SANTA CATARINA

ANÁLISE DO PROCESSO DE GESTÃO DE ESTOQUES EM UMA EMPRESA DE MATERIAIS DE HIGIENE E LIMPEZA LOCALIZADA EM CRICIÚMA - SANTA CATARINA ANÁLISE DO PROCESSO DE GESTÃO DE ESTOQUES EM UMA EMPRESA DE MATERIAIS DE HIGIENE E LIMPEZA LOCALIZADA EM CRICIÚMA - SANTA CATARINA Daiane Milioli Dagostin 1 Wagner Blauth 2 RESUMO Atualmente as empresas

Leia mais

Bacharelado CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Parte 6

Bacharelado CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Parte 6 Bacharelado em CIÊNCIAS CONTÁBEIS Parte 6 1 NBC TG 16 - ESTOQUES 6.1 Objetivo da NBC TG 16 (Estoques) O objetivo da NBC TG 16 é estabelecer o tratamento contábil para os estoques, tendo como questão fundamental

Leia mais

Informações e orientações para organização do processo decisório

Informações e orientações para organização do processo decisório Informações e orientações para organização do processo decisório Prof. Pedro Paulo H. Wilhelm, Dr. Eng. Prod (Dep. Economia) WILHELM@FURB.BR Prof. Maurício C. Lopes, Msc. Eng. Prod. (Dep. Computação) MCLOPES@FURB.BR

Leia mais

CONTABILIDADE GERENCIAL

CONTABILIDADE GERENCIAL CONTABILIDADE GERENCIAL PROF. DANIEL VIEGAS RIBAS FILHO 1º SEMESTRE/2014 APOSTILA DESENVOLVIDA COM BASE NA PRODUÇÃO DA PROF. MARISA GOMES DA COSTA Caracterização da contabilidade gerencial A contabilidade

Leia mais

Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes

Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes Em 31 de dezembro de 2012 Índice Página Relatório dos auditores

Leia mais

MÓDULO 2 PLANEJAMENTO LOGÍSTICO ASSOCIADO AO TRANSPORTE

MÓDULO 2 PLANEJAMENTO LOGÍSTICO ASSOCIADO AO TRANSPORTE MÓDULO 2 PLANEJAMENTO LOGÍSTICO ASSOCIADO AO TRANSPORTE 2.1 - Níveis de Planejamento O planejamento logístico tenta responder aos questionamentos de: O QUE? QUANDO? COMO? Nos níveis estratégico, tático

Leia mais

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS Gestão Estratégica de Estoques/Materiais Prof. Msc. Marco Aurélio C. da Silva Data: 22/08/2011 O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS 2 1 GESTÃO DE ESTOQUE Demanda Adequação do Estoque Investimento Série de ações

Leia mais

Neste contexto, o Fluxo de Caixa torna-se ferramenta indispensável para planejamento e controle dos recursos financeiros de uma organização.

Neste contexto, o Fluxo de Caixa torna-se ferramenta indispensável para planejamento e controle dos recursos financeiros de uma organização. UNIDADE II FLUXOS DE CAIXA Em um mercado competitivo, a gestão eficiente dos recursos financeiros, torna-se imprescindível para o sucesso da organização. Um bom planejamento do uso dos recursos aliado

Leia mais

DEFINIÇÃO DE MIX DE PRODUÇÃO COM USO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR E CUSTOS EMPRESARIAIS

DEFINIÇÃO DE MIX DE PRODUÇÃO COM USO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR E CUSTOS EMPRESARIAIS DEFINIÇÃO DE MIX DE PRODUÇÃO COM USO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR E CUSTOS EMPRESARIAIS Resumo A proposta deste trabalho é realizar um estudo de programação linear para definir a viabilidade da produção, assim

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA APOSTILA DE ESTUDO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Marcelo Cauduro de Castro - Mestre mccastro@terra.com.br MINI CURRÍCULO: Marcelo Cauduro de Castro é Mestre em Administração de Empresas pela Universidade Federal

Leia mais

MB Consultoria. ConsultoriaemGestãoparaa ExcelênciaemseusNegócios

MB Consultoria. ConsultoriaemGestãoparaa ExcelênciaemseusNegócios emgestãoparaa ExcelênciaemseusNegócios Apresentação A é uma empresa jovem que conta com parceiros qualificados nas áreas de contabilidade, administração, direito, especialistas em finanças, controladoria

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 03 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

2. Revisão bibliográfica

2. Revisão bibliográfica 17 2. Revisão bibliográfica 2.1. Logística de transportes A Logística recebeu diversas denominações ao longo dos anos: distribuição física, distribuição, engenharia de distribuição, logística empresarial,

Leia mais

Aplicação do modelo de apuração de resultado sob a ótica da gestão econômica à micro e pequena indústria de panificação: um estudo de caso.

Aplicação do modelo de apuração de resultado sob a ótica da gestão econômica à micro e pequena indústria de panificação: um estudo de caso. Aplicação do modelo de apuração de resultado sob a ótica da gestão econômica à micro e pequena indústria de panificação: um estudo de caso. Francisco Carlos Fernandes (FURB) fernandes.francisco@uol.com.br

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901 SIDNEY SOARES DE LIMA 05010004401 TURMA: 01030 TURNO: NOITE PLANO DE NEGÓCIOS

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS EM SAÚDE. Os custos das instituições

GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS EM SAÚDE. Os custos das instituições GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS EM SAÚDE Os custos das instituições Dra Janice Donelles de Castro - Professora do Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Programa de

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DOS PILARES DA MPT NO DESEMPENHO OPERACIONAL EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE COSMÉTICOS. XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011

IMPLANTAÇÃO DOS PILARES DA MPT NO DESEMPENHO OPERACIONAL EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE COSMÉTICOS. XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011 IMPLANTAÇÃO DOS PILARES DA MPT NO DESEMPENHO OPERACIONAL EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE COSMÉTICOS. XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011 Rogério Carlos Tavares 1, José Luis Gomes da Silva² 1 Universidade de

Leia mais

A seguir, a correção da prova de Contador da Prefeitura de Niterói. Não vislumbramos possibilidade de recursos.

A seguir, a correção da prova de Contador da Prefeitura de Niterói. Não vislumbramos possibilidade de recursos. Olá, meus amigos! A seguir, a correção da prova de Contador da Prefeitura de Niterói. Não vislumbramos possibilidade de recursos. Forte abraço. Gabriel Rabelo/Luciano Rosa. Sigam nossas redes sociais!

Leia mais

A nova visão da. Contabilidade Aplicada ao Setor Público

A nova visão da. Contabilidade Aplicada ao Setor Público A nova visão da Contabilidade Aplicada ao Setor Público Constituição Federal Lei de Responsabilidade Fiscal 101/2000 Lei 4.320/64 Finanças Públicas Lei 12.249/2010 Conselho Federal de Contabilidade Lei

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante)

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) FLUXO DE CAIXA Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) Brainstorming: Chuva de ideias ou Toró de parpite: O QUE É FLUXO DE CAIXA? (Objetivo: Saber

Leia mais

ASPECTOS GERAIS NA ELABORAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS EMPRESAS

ASPECTOS GERAIS NA ELABORAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS EMPRESAS ASPECTOS GERAIS NA ELABORAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS EMPRESAS Resolução CFC nº 1.418/2012 ITG 1000. CONVÊNIO CRCGO / SCESGO NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE MODELO CONTÁBIL PARA MICROEMPRESA

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 19ª REGIÃO SERVIÇO DE CONTROLE INTERNO PLANO DE AUDITORIA DE LONGO PRAZO

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 19ª REGIÃO SERVIÇO DE CONTROLE INTERNO PLANO DE AUDITORIA DE LONGO PRAZO PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 19ª REGIÃO SERVIÇO DE CONTROLE INTERNO PLANO DE AUDITORIA DE LONGO PRAZO PARA O PERÍODO DE 2014 A 2017 NOVEMBRO - 2013 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cespe Cebraspe FUB2015 Aplicação: 2015 Julgue os itens a seguir, com relação aos fatos descritos e seus efeitos nas demonstrações contábeis, elaboradas conforme a Lei n.º 6.404/1976

Leia mais