Conferência Anual 2017 da OPACC Lidiane Nascimento Rocha

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Conferência Anual 2017 da OPACC Lidiane Nascimento Rocha"

Transcrição

1 Contabilidade Pública Situação Atual em Cabo Verde Conferência Anual 2017 da OPACC Lidiane Nascimento Rocha

2 Sumário 1. CONTEXTUALIZAÇÃO 2. LEGISLAÇÃO 3. SISTEMA DE CONTABILIDADE PÚBLICA 4. NOTAS FINAIS

3 1. Contextualização Segundo: i. Mota (2009) a Contabilidade Pública regista a previsão da receita e a fixação da despesa estabelecidas no orçamento público aprovado para o exercício, escritura a execução orçamentária, faz a comparação entre a previsão e a realização das receitas e das despesas, revela as variações patrimoniais, demonstra o valor do patrimônio e controla as operações de crédito, a dívida ativa, os créditos e asobrigações. ii. iii. Wagner Luiz Marques (2008) a Contabilidade pública é o ramo que regista, controla e demonstra a execução dos orçamentos, dos actos e factos das entidades públicas do património público e suas variações. Cabo Verde (DL n.º 29/2001 Regula o Regime Financeiro e Contabilístico do SPA) - A Contabilidade Pública, constitui um dos instrumentos privilegiados das Finanças Públicas, traduzindo-se num conjunto de regras jurídicas e técnicas aplicáveis à descrição, execução e controlo das operações financeiras e dos fenómenos económicos dos organismos públicos.

4 1. Contextualização Do exposto: i. É facto que enquanto que o privado recorre da contabilidade para avaliação e mensuração dos lucros, a sector público recorre da contabilidade para avaliação da gestão: por um lado de onde vem, como e quanto arrecadado e por outro lado quanto, quem, como foi gasto e com que finalidade orçamento programático e por resultados. ii. Tendo como principal foco a avaliação da gestão, a Contabilidade Pública visa, ainda, prevenir riscos e corrigir eventuais desvios garantindo o equilíbrio das contas públicas, através do cumprimento das metas fiscais avaliação da execução e decisão de contenção/cativos. iii. Constitui um importante instrumento para os órgãos de controlo (interno, externo e político), bem como estatístico (INE, BCV, FMI ).

5 Sumário 1. CONTEXTUALIZAÇÃO 2. LEGISLAÇÃO 3. SISTEMA DE CONTABILIDADE PÚBLICA 4. NOTAS FINAIS

6 2. Legislação Não basta conhecermos os princípios e as técnicas da contabilidade, é indispensável conhecer todos os dispositivos legais relativamente à Administração Pública: Lei n.º 78/V/98, de 7-12: Lei do Enquadramento Orçamental Decreto-Lei n.º 22/99, de 26-4: Utilização de meios informáticos na contabilidade pública. Lei n.º 79/VI/2005, de 5-9: Regime Financeiro das Autarquias Locais. Decreto-Lei n.º 37/2011, de 30-11: Classificador Orçamental das Receitas, Despesas e Activos. Decreto-Lei n.º 29/2001, de 19-11: Regime Financeiro à Contabilidade e ao controlo do SAP: DR nº 1/2007, de 15-1: Fundo de Maneio DR nº 2/2007, de 15-1: Controlador Financeiro DR nº 3/2007, de 15-1: Ordenador financeiro. Decreto-Lei 10/2006, de 30.01: Plano Nacional de Contabilidade Pública. Decreto-Lei n 10/2012, de 2-04: Estabelece o regime jurídico da Tesouraria do Estado DUC

7 2. Legislação Para além dos diplomas de âmbito orçamental e contabilístico a que ter em devida conta os diplomas relativos a: i. Recrutamento e gestão de recursos humanos ii. iii. iv. Aquisições Públicas Gestão do Património do Estado Institutos, Fundos e Serviços Autónomos v. Normativos do Tribunal de Contas

8 Sumário 1. CONTEXTUALIZAÇÃO 2. LEGISLAÇÃO 3. SISTEMA DE CONTABILIDADE PÚBLICA 4. NOTAS FINAIS

9 3. Sistema de Contabilidade Pública SIGOF Liquidação Recebimento Cabimentação (Sector) Autorização (Sector) Verificação (MF_CF) Liquidação (DGPOG - Sector) Pagamento (MF_Tesouro) Input Contabilidade Pública (Organização Contabilística-art.º 91 do Decreto Lei 29/2001 ) Dimensão Orçamental Dimensão Patrimonial Dimensão Analítica Dimensão Contingencial Outputs SIM - CM Informação Financeira, Mapas de Execução Orçamental Demonstrações Financeiras

10 3. Sistema de Contabilidade Pública PNCP Dimensões (Decreto Lei 10/2006 Plano Nacional de Contabilidade Pública) Dimensões (DL 29/2001) Classes (DL 10/2006) Contabilidade Patrimonial Classe 1 a 7 Contabilidade Orçamental Contabilidade Analítica Classe 8 Classe 9 (livre) Decreto-Lei n.º 37/2011, de 30-11: Classificador Orçamental das Receitas, Despesas e Activos. Contabilidade Extrapatrimonial Classe 0

11 3. Sistema de Contabilidade Pública PNCP Dimensão Patrimonial CLASSE 1 - Disponibilidades CLASSE 2 - Terceiros CLASSE 3 - Existências CLASSE 4 - Imobilizações Contas do Balanço Patrimonial CLASSE 5 - Situação Liquida e Dívida Pública CLASSE 6 - Custos e Perdas CLASSE 7 - Proveitos e Ganhos Contas de Resultados

12 3. Sistema de Contabilidade Pública Dimensão Orçamental (PNCP-classe 8 vs D-L n.º 37/2011) Classificação Económica das Receitas (01) Engloba todas as receitas fiscais e não fiscais e de capital arrecadas pela Administração Financeira do Estado. As receitas públicas estão classificadas por categoria económica e agrupam-se em quatro capítulos: Impostos, Segurança Social, Transferências e Outras Receitas. Classificação das Despesas (02; 07, ) Classificação dos Activos Não Financ. (03.01;07) As despesas publicas estão classificadas por categorias: Económica (Natureza) Orgânica (Quem) Funcional (Área) Programática (Finalidade) Classificação dos Activos e Passivos Financ. (03.02/03) Natureza dos Activos e Passivos Financeiros do Mercado Interno e do externo

13 3. Sistema de Contabilidade Pública PNCP Dimensão Orçamental vs Dimensão Patrimonial Contabilidade Orçamental Contabilidade Patrimonial Artigo 92º do DL 29/2001: é o sistema que tem por objecto a descrição, o conhecimento, o acompanhamento e o controlo: da previsão das receitas, suas alterações e modificações bem como da sua liquidação e recebimento. da dotação inicial das despesas, suas alterações e modificações, seu cabimento, compromisso, liquidação e pagamento. Regime Puro de Caixa Exercício Financeiro Despesa na totalidade dos bens Artigo 93º DL 29/2001: é o sistema que produz as informações contabilísticas sobre a situação económica, financeira, patrimonial e contingencial dos serviços públicos e suas relações com o exterior. Perdas prováveis Regime dos acréscimos Acumulado Desgaste de utilização

14 3. Sistema de Contabilidade Pública PNCP Dimensão Orçamental vs Dimensão Patrimonial RECEITA: Contabilidade Orçamental Abertura do orçamento Modificações ao orçamento da receita Liquidação Recebimento DESPESA: Abertura do orçamento Modificações ao orçamento da despesa Cabimento Compromisso Liquidação Pagamento Défice ou Superavit Contabilidade Patrimonial Reconhecimento do Direito Cobrança Reconhecimento da Obrigação Pagamento Situação Económica, Financeira e Patrimonial

15 Contabilidade Patrimonial Contabilidade Orçamental 3. Sistema de Contabilidade Pública PNCP Dimensão Orçamental 805 vs Despesas Dimensão com Cobertura Financeira Patrimonial 805 Despesas com Cobertura Financeira 801 Despesas Disponíveis (CO/CF/CE) 808 Despesas Liquidadas (CO/CF/CE) 805 Despesas 807 Despesas com (CO/CF/CE) Cobertura Comprometidas Financeira (CO/CF/CE) (CO/CF/CE) (CO/CF/CE) (0) (2) (3) Despesas Liquidadas (CO/CF/CE) 808 Despesas Liquidadas (CO/CF/CE) 806 Despesas Cabimentadas (CO/CF/CE) 806 Despesas Cabimentadas (CO/CF/CE) Despesas Disponíveis (CO/CF/CE) 806 Despesas Cabimentadas (CO/CF/CE) 805 Despesas 807 com Despesas Cobertura Comprometidas 8090 Financeira Despesas (CO/CF/CE) Realizadas Efectivas 808 Despesas Liquidadas (CO/CF/CE) (CO/CF/CE) (CO/CF/CE) 0) Cabimentação (Sector) Autorização (Sector) (2)(1) (3) Verificação (MF_CF) Liquidação (DGPOG - Sector) (3) (4) Pagamento (MF_Tesouro) 8090 Despesas Realizadas Efectivas 8090 Despesas (CO/CF/CE) Realizadas Efectivas (CO/CF/CE) Despesas Liquidadas XXXXX Despesas com Cobertura Financeira (CO/CF/CE) (1) Despesas Liquidadas 8091 (CO/CF/CE) Despesas Realizadas Virtuais 806 Despesas Cabimentadas (CO/CF/CE) (CO/CF/CE) (3) (4) (1) (2) Despesas Liquidadas XXXXX 8090 Despesas Realizadas Efectivas (CO/CF/CE) (1) (4) 900 (1) Despesas Realizadas Virtuais (CO/CF/CE) 8091 Despesas Realizadas Virtuais NIF Fornecedores, (CO/CF/CE) C/C MN MI Ano Corrente. Fulano (2) 900 (2) 100 (1) Despesas Cabimentadas (CO/CF/CE) Cabimentação, Autorização e Verificação são actos sem impacto Patrimonial 8090 Despesas Realizadas Efectivas (CO/CF/CE) 1) (2) Despesas (4) Liquidadas 900 XXXXX (1) Despesas Liquidadas XXXXX DO no Tesouro em MN Movimentada 8091 pela Despesas DGCI Realizadas Virtuais NIF Fornecedores, (CO/CF/CE) C/C MN MI Ano Corrente. Fulano (5) (2) (2) 900 (1) (2) DO no Tesouro em MN Movimentada pela DGCI DO no Tesouro em MN Movimentada pela NIF DGCI Fornecedores, C/C MN MI Corrente. Fulano (2) (2) (2) 100 Estado e OAP R-IUR-E Trabalho Independente (2) 100 (1) 1.0 Estado e OAP R-IUR-E Trabalho

16 Sumário 1. CONTEXTUALIZAÇÃO 2. LEGISLAÇÃO 3. SISTEMA DE CONTABILIDADE PÚBLICA 4. NOTAS FINAIS

17 DESAFIOS 4. Notas Finais Implementação efectiva do PNCP vs Inventariação, avaliação e registo de todo o património do Estado. Órgãos de Soberania, Institutos Públicos, Fundos e Serviços Autónomos 100% no sistema, bem como Agência Reguladoras e Câmaras Municipais (SIM) Aprovação da Nova Lei de Base do Orçamento: 1. Novos prazos de prestação de contas 2. Prestação de contas numa óptica de resultados 3. Aumento da abertura do perímetro de prestação de contas vs consolidação Implementação da CNNC e consequentemente a actualização dos diplomas e regulamentos da contabilidade pública, as melhores prática Internacionais.

18 Subsectores consolidados e a serem consolidados: 4. Notas Finais

19 GANHOS 4. Notas Finais Contas do Estado com uma imagem mais verdadeira e apropriada da situação financeira, Execução orçamental e patrimonial. Informações Orçamental, Financeira e Patrimonial em tempo real, determinante para o processo decisório dos Gestores Públicos e do Governo. Mais transparência e melhores condições de avaliação pelos órgão de auditoria e supervisão, bem como da sociedade em geral e parceiros nacionais e internacionais. Conhecer a real capacidade de geração de fluxos do Estado.

20 Obrigada!

PROVA ESCRITA DE CONHECIMENTOS PARTE ESPECIFICA (REF G1)

PROVA ESCRITA DE CONHECIMENTOS PARTE ESPECIFICA (REF G1) PROVA ESCRITA DE CONHECIMENTOS PARTE ESPECIFICA (REF G1) A duração desta prova é de 30 minutos MATERIAL O material desta prova é constituído por este caderno de questões e pela folha de respostas para

Leia mais

Sumário. Serviço Público e Administração Pública

Sumário. Serviço Público e Administração Pública Sumário Capítulo 1 Contabilidade Pública 1.1 Conceito 1.2 Objeto 1.3 Objetivo 1.4 Campo de Aplicação 1.5 Exercício Financeiro 1.6 Regime Orçamentário e Regime Contábil 1.6.1 Regime de Caixa 1.6.2 Regime

Leia mais

MESTRADO EM GESTÃO DE EMPRESAS

MESTRADO EM GESTÃO DE EMPRESAS MESTRADO EM GESTÃO DE EMPRESAS Sistemas de Informação Contabilística e Financeira Documentação avulsa de apoio 2007/2008 Contabilidade O que é? Ciência? Técnica? Instrumento? uma boa solução, como sistema

Leia mais

CONTROLE DE CONTEÚDO - TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE SÃO PAULO ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA: CONTABILIDADE (TRE-SP AJAC)

CONTROLE DE CONTEÚDO - TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE SÃO PAULO ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA: CONTABILIDADE (TRE-SP AJAC) CONTROLE DE CONTEÚDO - TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE SÃO PAULO ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA: CONTABILIDADE (TRE-SP AJAC) 1 Ortografia oficial. GRAMÁTICA E INTERPRETAÇÃO DE TEXTO DA LÍNGUA PORTUGUESA CONTEÚDO

Leia mais

Março/2011. Sumário PREFEITURA MUNICIPAL DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM...1

Março/2011. Sumário PREFEITURA MUNICIPAL DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM...1 Março/2011 Sumário PREFEITURA MUNICIPAL DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM...1 2 RELATÓRIO CONCLUSIVO DE CONTROLE INTERNO - BALANÇO ANUAL 2010 Com fulcro no artigo 70 da Constituição Federal; artigo 75 da Lei

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE MACAU CURSO DE DIREITO EM LÍNGUA PORTUGUESA ANO LECTIVO 2007/2008 ECONOMIA PÚBLICA 2º ANO PLANO DO CURSO

FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE MACAU CURSO DE DIREITO EM LÍNGUA PORTUGUESA ANO LECTIVO 2007/2008 ECONOMIA PÚBLICA 2º ANO PLANO DO CURSO FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE MACAU CURSO DE DIREITO EM LÍNGUA PORTUGUESA ANO LECTIVO 2007/2008 ECONOMIA PÚBLICA 2º ANO PLANO DO CURSO PARTE I INTRODUÇÃO 1) Economia Pública objecto da disciplina

Leia mais

A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO de transparência

A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO de transparência A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO de transparência Prof. Ms. Valmir Leôncio da Silva Conselheiro do CRCSP Coordenador Técnico da Escola de Contas do TCMSP O livro: A Arte da Guerra A) Desconheça o inimigo

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Contabilidade Sectorial e Consolidação de Contas

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Contabilidade Sectorial e Consolidação de Contas INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÂO DE COIMBRA Aprovação do Conselho Pedagógico 30/3/2016 Aprovação do Conselho Técnico-Científico 20/4/2016 Ficha de Unidade

Leia mais

SATAPOCAL -FICHA DE APOIO TÉCNICO Nº 8 /2007/RC

SATAPOCAL -FICHA DE APOIO TÉCNICO Nº 8 /2007/RC FAT revista em Março de 2008 1. QUESTÃO E SUA RESOLUÇÃO 1.1. QUESTÃO COLOCADA Deve o IVA ser incluído nos movimentos contabilísticos a efectuar nas fases de cabimento, compromisso e pagamento para registar

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO CEARÁ

CAPACITAÇÃO EM CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO CEARÁ Pacote I Área Nº Disciplinas Horas / Aula 03 Procedimentos Contábeis Orçamentários I PCO I Procedimentos Contábeis Orçamentários II PCO II 05 Procedimentos Contábeis Patrimoniais I PCP I Fundamentos 06

Leia mais

Sumário. LRF_Book.indb 15 19/03/ :29:01

Sumário. LRF_Book.indb 15 19/03/ :29:01 Sumário Capítulo 1 Disposições Gerais... 1 1.1. Introdução... 1 1.2. Objetivo da obra... 6 1.3. Apresentando a LRF... 6 1.4. Origem da LRF... 7 1.5. Previsão constitucional para implementação da LRF...

Leia mais

Programa. Finanças Públicas 2.º Ano Turmas A/B/Noite Ano Lectivo 2012/2013. Professor Doutor Eduardo Paz Ferreira. Introdução

Programa. Finanças Públicas 2.º Ano Turmas A/B/Noite Ano Lectivo 2012/2013. Professor Doutor Eduardo Paz Ferreira. Introdução Programa Finanças Públicas 2.º Ano Turmas A/B/Noite Ano Lectivo 2012/2013 Professor Doutor Eduardo Paz Ferreira Introdução I. Aspectos gerais 1. As Finanças Públicas. Questões de ordem geral 2. Fixação

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS INFORMAÇÃO MENSAL E TRIMESTRAL

PRESTAÇÃO DE CONTAS INFORMAÇÃO MENSAL E TRIMESTRAL REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE MINISTERIO DE FINANÇAS E COOPERAÇÃO INTERNACIONAL DIRECÇÃO DE CONTABILIDADE PUBLICA SEMINARIO SOBRE A RESPONSABILIZAÇÃO FINANCEIRA E PRESTAÇÃO DE CONTAS PRESTAÇÃO

Leia mais

Relatório de Gestão Ano de 2015

Relatório de Gestão Ano de 2015 Relatório de Gestão Ano de 2015 Página 1 de 13 Índice Índice... 2 Capítulo I... 3 1. Introdução... 3 1.1. Sistema Contabilístico... 3 1.2. O Relatório de Gestão... 3 2. Dados Estatísticos da Freguesia...

Leia mais

4. O Sector Público Administrativo em Portugal

4. O Sector Público Administrativo em Portugal 4. O Sector Público Administrativo em Portugal 4.1 Estrutura e Competências 4.1.1.Âmbito e estrutura do SPA: descentralização política e administrativa 4.1.2 Administração Central e Segurança Social 4.1.3

Leia mais

Contabilidade e Gestão Financeira

Contabilidade e Gestão Financeira Contabilidade e Gestão Financeira Contabilidade Demonstrações Financeiras MESG - Mestrado Engenharia de Serviços e Gestão FEUP 2010 Rui Padrão Funções Património Passivo Eq. Fund. Factos patr. Inventário

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS CÂMARA MUNICIPAL DE OURO BRANCO MG EXERCÍCIO DE 2014

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS CÂMARA MUNICIPAL DE OURO BRANCO MG EXERCÍCIO DE 2014 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS CÂMARA MUNICIPAL DE OURO BRANCO MG EXERCÍCIO DE 2014 DIRETRIZES CONTÁBEIS Tendo em vista as inovações da Contabilidade no Setor Público, o Poder Legislativo

Leia mais

PERMANENTE

PERMANENTE BALANÇO PATRIMONIAL EM 30 DE JUNHO DE 2009 E 2008 A T I V O 30.06.2009 30.06.2008 ATIVO CIRCULANTE 62.969 46.291 DISPONIBILIDADES 46 47 APLICAÇÕES INTERFINANCEIRAS DE LIQUIDEZ 13.419 593 APLICAÇÕES EM

Leia mais

Capítulo I Constituição do Orçamento

Capítulo I Constituição do Orçamento REPÚBLICA DE ANGOLA ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º 2/03 de 7 de Janeiro O Orçamento Geral do Estado é o principal instrumento da política económica e financeira que expresso em termos de valores, para um

Leia mais

FUNÇÃO E FUNCIONAMENTO DAS CONTAS 1 - SISTEMA ORÇAMENTÁRIO

FUNÇÃO E FUNCIONAMENTO DAS CONTAS 1 - SISTEMA ORÇAMENTÁRIO FUNÇÃO E FUNCIONAMENTO DAS CONTAS 1 - SISTEMA ORÇAMENTÁRIO 1.1 - Subsistema da Receita 1.1.1 - RECEITA ORÇADA Demonstra a receita estimada pela Lei de Meios. É creditada pela inscrição da receita prevista

Leia mais

3.0 DOS BALANÇOS 3.1. BALANÇO ORÇAMENTÁRIO

3.0 DOS BALANÇOS 3.1. BALANÇO ORÇAMENTÁRIO 3.0 DOS BALANÇOS 3.1. BALANÇO ORÇAMENTÁRIO O Balanço Orçamentário é a Demonstração sintética do confronto entre a Receita Prevista, a Despesa Fixada e o que foi realizado no exercício, tanto em receitas

Leia mais

A Nova Visão Financeira do Estado. Conferência Serviços Partilhados e Compras Públicas

A Nova Visão Financeira do Estado. Conferência Serviços Partilhados e Compras Públicas A Nova Visão Financeira do Estado Conferência Serviços Partilhados e Compras Públicas A Nova Visão Financeira do Estado AGENDA 1. Enquadramento 2. Perspetiva sobre a situação atual 3. Elementos da nova

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL Autarquia Federal Lei n 5.905/73 RELATÓRIO PRESTAÇÃO DE CONTAS DO 1º SEMESTRE/2016

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL Autarquia Federal Lei n 5.905/73 RELATÓRIO PRESTAÇÃO DE CONTAS DO 1º SEMESTRE/2016 RELATÓRIO PRESTAÇÃO DE CONTAS DO 1º SEMESTRE/2016 CONTROLADORIA COREN-RS Ementa: Análise das Demonstrações Contábeis do COREN-RS referente ao primeiro trimestre de 2016. BALANÇO PATRIMONIAL 1. No período

Leia mais

SOCIEDADES GESTORAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO Sociedade... SITUAÇÃO ANALÍTICA EM / / SALDOS DEVEDORES

SOCIEDADES GESTORAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO Sociedade... SITUAÇÃO ANALÍTICA EM / / SALDOS DEVEDORES Anexo à Instrução nº 20/96 SOCIEDADES GESTORAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO Sociedade... SITUAÇÃO ANALÍTICA EM / / SALDOS DEVEDORES 10 - CAIXA VALORES (em contos) 11 - DEPÓSITOS À ORDEM NO BANCO DE PORTUGAL

Leia mais

1 - O GRUPO DE TRABALHO INICIALMENTE ESTUDARAM AS NORMAS E CONVERGIRAM O NOVO PLANO DE CONTAS

1 - O GRUPO DE TRABALHO INICIALMENTE ESTUDARAM AS NORMAS E CONVERGIRAM O NOVO PLANO DE CONTAS 1 - O GRUPO DE TRABALHO INICIALMENTE ESTUDARAM AS NORMAS E CONVERGIRAM O NOVO PLANO DE CONTAS 2 ASSOCIAÇÃO DE CONTAS E TESTES SIMULANDO BALANCETES NO NOVO PADRÃO. 3 DESENVOLVIMENTO DE TODOS OS EVENTOS

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL DE CONTABILIDADE Planificação anual de Contabilidade Geral e Analítica. 12ºano

CURSO PROFISSIONAL DE CONTABILIDADE Planificação anual de Contabilidade Geral e Analítica. 12ºano CURSO PROFISSIONAL DE CONTABILIDADE Planificação anual de Contabilidade Geral e Analítica Turmas I Professora: Célia Ventura 12ºano 1 - Estrutura e Finalidades da disciplina Componente da formação Técnica;

Leia mais

Ramo da ciência contábil que aplica, no. prestação de contas; e o necessário suporte para a instrumentalização do

Ramo da ciência contábil que aplica, no. prestação de contas; e o necessário suporte para a instrumentalização do NBC TSP 16.1 - Conceituação, Objeto e Campo de Aplicação - CASP CONCEITO OBJETIVO ABRANGÊNCIA ENTIDADES DO OBJETO SETOR PÚBLICO Ramo da ciência contábil que aplica, no processo Fornecer gerador informações

Leia mais

Organização da Disciplina. Contabilidade Pública. Aula 6. Contextualização. Balanço Orçamentário. Instrumentalização.

Organização da Disciplina. Contabilidade Pública. Aula 6. Contextualização. Balanço Orçamentário. Instrumentalização. Contabilidade Pública Aula 6 Prof. Me. Ely Celia Corbari Organização da Disciplina Conteúdos da aula Análise e interpretação dos demonstrativos contábeis de gestão Contextualização O objetivo da contabilidade

Leia mais

FREGUESIA DE MONÇÃO E TROVISCOSO

FREGUESIA DE MONÇÃO E TROVISCOSO União das Freguesias de Monção e Troviscoso Concelho de Monção FREGUESIA DE MONÇÃO E TROVISCOSO Regulamento de Controlo Interno 1 Regulamento do Sistema de Controlo Interno da Freguesia de Monção e Troviscoso

Leia mais

Seminário de Alto Nível sobre a Supervisão do Orçamento Legislativo & Controlo Externo das Finanças Públicas nos PALOP e Timor Leste

Seminário de Alto Nível sobre a Supervisão do Orçamento Legislativo & Controlo Externo das Finanças Públicas nos PALOP e Timor Leste Seminário de Alto Nível sobre a Supervisão do Orçamento Legislativo & Controlo Externo das Finanças Públicas nos PALOP e Timor Leste Março de 2015 1996 1999: AUTOMATIZAÇÃO DOS PROCESSOS Lei sobre Unicidade

Leia mais

II Demonstrações Financeiras

II Demonstrações Financeiras R ELATÓRIO E CONTA DE GERÊNCIA II Demonstrações Financeiras R E L A T Ó R I O E C O N T A D E G E R Ê N C I A 2 0 1 1 índice Índice (numeração conforme a indicação no POCAL) índice... 1 5 - Balanço...

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 E 2008 ATIVO CIRCULANTE

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 E 2008 ATIVO CIRCULANTE BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 E 2008 A T I V O 31.12.2009 31.12.2008 ATIVO CIRCULANTE 77.677 45.278 DISPONIBILIDADES 46 45 APLICAÇÕES INTERFINANCEIRAS DE LIQUIDEZ 1.641 314 APLICAÇÕES EM

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 04 /2001-2ªSecção

RESOLUÇÃO Nº 04 /2001-2ªSecção RESOLUÇÃO Nº 04 /2001-2ªSecção INSTRUÇÕES Nº 01/2001 2ª S INSTRUÇÕES PARA A ORGANIZAÇÃO E DOCUMENTAÇÃO DAS CONTAS DAS AUTARQUIAS LOCAIS E ENTIDADES EQUIPARADAS, ABRANGIDAS PELO PLANO OFICIAL DE CONTABILIDADE

Leia mais

PAINEL 3: "Desafios e Perspectivas face a Nova lei de finanças públicas e o processo de Convergência aos padrões internacionais"

PAINEL 3: Desafios e Perspectivas face a Nova lei de finanças públicas e o processo de Convergência aos padrões internacionais PAINEL 3: "Desafios e Perspectivas face a Nova lei de finanças públicas e o processo de Convergência aos padrões internacionais" PLS 229: Inovações, Riscos e oportunidades NATAL - RN 20 de Outubro de 2016

Leia mais

FREGUESIA DE OLIVEIRA DO DOURO

FREGUESIA DE OLIVEIRA DO DOURO FREGUESIA DE OLIVEIRA DO DOURO REGULAMENTO DE CONTROLO INTERNO Página 1 Artigo 1º Objecto 1 - O presente regulamento tem por objectivo estabelecer as regras, métodos e procedimentos de controlo que permitam

Leia mais

Sumário Capítulo 1 Orçamento Público Atividade financeira do Estado 1.2. Aspectos gerais do Orçamento Público 1.3. Conceitos 1.4. Tipos/Técnicas orçamentárias 1.4.1. Orçamento Tradicional/Clássico 1.4.2.

Leia mais

I SIMPÓSIO MINEIRO DE CONTABILIDADE APLICADA NO SETOR PÚBLICO

I SIMPÓSIO MINEIRO DE CONTABILIDADE APLICADA NO SETOR PÚBLICO I SIMPÓSIO MINEIRO DE CONTABILIDADE APLICADA NO SETOR PÚBLICO A CONVERGÊNCIA DAS NORMAS INTERNACIONAIS AO SETOR PÚBLICO MARIA DA CONCEIÇAO BARROS DE REZENDE SITUAÇAO DA CONTABILIDADE PÚBLICA NO BRASIL

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2015

RELATÓRIO DE GESTÃO 2015 RELATÓRIO DE GESTÃO 2015 ÍNDICE 1. Nota Introdutória... 3 2. Relatório... 4 3. Receitas... 4 4. Receitas Próprias... 6 5. Transferências... 6 6. Despesas... 8 7. Encargos de Funcionamento... 9 8. Rácios

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: Introdução: Serviço Público. Administração Pública. Contabilidade Pública. Regimes Contábeis.

Resumo Aula-tema 01: Introdução: Serviço Público. Administração Pública. Contabilidade Pública. Regimes Contábeis. Resumo Aula-tema 01: Introdução: Serviço Público. Administração Pública. Contabilidade Pública. Regimes Contábeis. Ainda hoje no Brasil, são raras as pesquisas e publicações na área da Contabilidade Pública

Leia mais

ITG 1000 PME s Giovana Garcia

ITG 1000 PME s Giovana Garcia ITG 1000 PME s Giovana Garcia Você bem preparado para o futuro da profissão. 1 RESOLUÇÃO CFC N.º 1.418/12 Aprova a ITG 1000 Modelo Contábil para Microempresa e Empresa de Pequeno Porte. X RESOLUÇÃO CFC

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Plano de Contas 01 a 30 de Abril de 2016 Folha: 1 Prefeitura Municipal Demonstracao. Unidade Gestora: CONSÓRCIO - CISGA

Estado do Rio Grande do Sul Plano de Contas 01 a 30 de Abril de 2016 Folha: 1 Prefeitura Municipal Demonstracao. Unidade Gestora: CONSÓRCIO - CISGA Estado do Rio Grande do Sul Plano de Contas 01 a 30 de Abril de 2016 Folha: 1 1.0.0.0.0.00.00.00.00.00 ATIVO 994.183,15 D 181.380,01 162.761,34 1.012.801,82 D 1.1.0.0.0.00.00.00.00.00 ATIVO CIRCULANTE

Leia mais

Contabilidade Governamental p/ CNMP Analista Apoio Técnico Especializado: Contabilidade Prof. M. Sc. Giovanni Pacelli Aula 18

Contabilidade Governamental p/ CNMP Analista Apoio Técnico Especializado: Contabilidade Prof. M. Sc. Giovanni Pacelli Aula 18 CNMP Pessoal, vou comentar as questões da prova. 34. Determinado ente público arrecadou, no mês de fevereiro de 2015, receita de impostos no valor de R$ 180.000,00, concomitante ao fato gerador. Considere

Leia mais

MANUAL DE CONTABILIDADE PARA JURISTAS ÍNDICE

MANUAL DE CONTABILIDADE PARA JURISTAS ÍNDICE MANUAL DE CONTABILIDADE PARA JURISTAS ÍNDICE CAPÍTULO I. DEFINIÇÕES E DIVISÕES DA CONTABILIDADE 1 DEFINIÇÕES DE CONTABILIDADE 2 DIVISÕES DA CONTABILIDADE CAPÍTULO II. ANÁLISE DOS PRINCIPAIS CONCEITOS CONTABILÍSTICOS

Leia mais

TJ-BA Analista Área Administrativa

TJ-BA Analista Área Administrativa TJ-BA Analista Área Administrativa Pessoal, vou comentar as questões da prova da área administrativa. Conhecimentos Específicos 41 Em um determinado ente da Federação, foi implantado um sistema de controle

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS relativo às contas individuais do exercício de dois mil e nove do Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados, pessoa colectiva de direito público

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PARAÍSO DO NORTE ESTADO DO PARANÁ

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PARAÍSO DO NORTE ESTADO DO PARANÁ PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PARAÍSO DO NORTE ESTADO DO PARANÁ Av. Tapejara, 88 CEP 87.780-000 Fone: (44) 3431 1132 CNPJ 75.476.556/0001-58 www.paraisodonorte.pr.gov.br DECRETO Nº 58/2012 SÚMULA: Dispõe

Leia mais

O PAPEL DO LEGISLATIVO NO PROCESSO ORÇAMENTÁRIO. Ari Vainer Outubro de 2012

O PAPEL DO LEGISLATIVO NO PROCESSO ORÇAMENTÁRIO. Ari Vainer Outubro de 2012 O PAPEL DO LEGISLATIVO NO PROCESSO ORÇAMENTÁRIO Ari Vainer Outubro de 2012 I - INTRODUÇÃO AS FASES DO PROCESSO ORÇAMENTÁRIO 1 Elaboração da Proposta Orçamentária; 2 Análise, Votação e Aprovação da Lei

Leia mais

Contabilidade Aplicada ao Setor Público p/ Auditor Interno/SP

Contabilidade Aplicada ao Setor Público p/ Auditor Interno/SP Contabilidade Aplicada ao Setor Público p/ Pessoal, vou comentar as questões da prova. 16. Observe o demonstrativo consolidado geral a seguir. O demonstrativo consolidado geral apresentado pela Prefeitura

Leia mais

A prestação de contas no SIIAL

A prestação de contas no SIIAL CCDRC e os Municípios da Região Centro Sessão de análise e debate A prestação de contas no SIIAL Sistema Integrado de Informação da Administração Local CCDRCentro 31 de janeiro de 2012 - Metodologia de

Leia mais

Contabilidade e Fiscalidade :

Contabilidade e Fiscalidade : : caminho e efeitos das alterações António Demétrio Gervásio Lérias A tributação das empresas incide fundamentalmente sobre o seu rendimento real (art. 104.º, 2, CRP) O lucro tributável das pessoas coletivas

Leia mais

Lei n.º /2015. de de

Lei n.º /2015. de de Lei n.º /2015 de de Considerando o impacto significativo que as alterações do comportamento do preço do barril de petróleo no mercado internacional têm, ao nível das finanças públicas e do mercado cambial,

Leia mais

BALANÇA DE PAGAMENTOS Balança de Pagamentos Externos de Portugal Valores Líquidos Base de transacções Balança de Pagamentos Externos

BALANÇA DE PAGAMENTOS Balança de Pagamentos Externos de Portugal Valores Líquidos Base de transacções Balança de Pagamentos Externos ÍNDICE DE QUADROS Parte I ESTATÍSTICAS MONETÁRIAS E FINANCEIRAS Balanço do Banco de Portugal Dez 1947-Dez 1956... 11 Balanço do Banco de Portugal Dez 1957-Dez 1965... 12 Balanço do Banco de Portugal Mar

Leia mais

Índice 1 Identificação da Entidade 2 Referencial Contabilístico de Preparação das Demostrações Financeiras 3 Principais Politicas Contabilísticas 4 Políticas contabilísticas, alterações nas estimativas

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS Nos termos do disposto no Artigo 242.º do Decreto-Lei n.º 94-B/98, de 17 de Abril, compete ao Instituto de Seguros de Portugal

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA. Gestão Financeira 1 Prof.ª Thays Silva Diniz 1º Semestre 2010

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA. Gestão Financeira 1 Prof.ª Thays Silva Diniz 1º Semestre 2010 ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Gestão Financeira 1 Prof.ª Thays Silva Diniz 1º Semestre 2010 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Cap.1 A decisão financeira e a empresa 1. Introdução 2. Objetivo e Funções da

Leia mais

DATA 29/05/2014 Pagina 2 2.1.3.1.1.00.00.00 FORNECEDORES E CONTAS A PAGAR NACIONAIS A CURTO PR S C 0,00 582,25 3.432,21 2.849,96 C 2.1.3.1.1.01.00.00

DATA 29/05/2014 Pagina 2 2.1.3.1.1.00.00.00 FORNECEDORES E CONTAS A PAGAR NACIONAIS A CURTO PR S C 0,00 582,25 3.432,21 2.849,96 C 2.1.3.1.1.01.00.00 DATA 29/05/2014 Pagina 1 1.0.0.0.0.00.00.00 ATIVO S D 26.200,85 197.350,24 153.749,66 69.801,43 D 1.1.0.0.0.00.00.00 ATIVO CIRCULANTE S D 15.643,04 197.350,24 153.614,51 59.378,77 D 1.1.1.0.0.00.00.00

Leia mais

PROCEDIMENTO CRÉDITOS A RECEBER DE TRIBUTOS A RECUPERAR OU COMPENSAR RESPONSABILIDADE Coordenação-Geral de Contabilidade e Custos da União.

PROCEDIMENTO CRÉDITOS A RECEBER DE TRIBUTOS A RECUPERAR OU COMPENSAR RESPONSABILIDADE Coordenação-Geral de Contabilidade e Custos da União. PROCEDIMENTO CRÉDITOS A RECEBER DE TRIBUTOS A RECUPERAR OU COMPENSAR 1 REFERÊNCIAS 1.1 - RESPONSABILIDADE Coordenação-Geral de Contabilidade e Custos da União. 1.2 - COMPETÊNCIA - Portaria/STN N. 833,

Leia mais

FREGUESIA DE VILA DE FRADES (MUNICÍPIO DE VIDIGUEIRA)

FREGUESIA DE VILA DE FRADES (MUNICÍPIO DE VIDIGUEIRA) FREGUESIA DE VILA DE FRADES (MUNICÍPIO DE VIDIGUEIRA) Regulamento de Controlo Interno da Freguesia de Vila de Frades Artigo 1º Objecto 1- O presente regulamento tem por objectivo estabelecer as regras,

Leia mais

OFICIO N. 1986/2012 Franca, em 23 de Julho de NOVA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO Estudos Iniciais

OFICIO N. 1986/2012 Franca, em 23 de Julho de NOVA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO Estudos Iniciais OFICIO N. 1986/2012 Franca, em 23 de Julho de 2012 NOVA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO Estudos Iniciais Parte I - Registro do Orçamento 1. Previsão da Receita Orçamentária O Orçamento para o exercício

Leia mais

Faço saber que a CÂMARA MUNICIPAL DE BELÉM estatui e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a CÂMARA MUNICIPAL DE BELÉM estatui e eu sanciono a seguinte Lei: Estima a Receita e fixa a Despesa do Município de Belém, para o exercício de 2016. O PREFEITO MUNICIPAL DE BELÉM, Faço saber que a CÂMARA MUNICIPAL DE BELÉM estatui e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º

Leia mais

Contabilidade Pública. Aula 2. Apresentação. Aula 2. Orçamento Público. O orçamento nacional deve ser equilibrado

Contabilidade Pública. Aula 2. Apresentação. Aula 2. Orçamento Público. O orçamento nacional deve ser equilibrado Contabilidade Pública Aula 2 Apresentação Prof. Me. Adilson Lombardo Aula 2 Orçamento Público: conceito e finalidades. O orçamento nacional deve ser equilibrado As dívidas públicas devem ser reduzidas...

Leia mais

INSTRUTIVO N.º 18/2016 de 08 de Agosto

INSTRUTIVO N.º 18/2016 de 08 de Agosto INSTRUTIVO N.º 18/216 de 8 de Agosto ASSUNTO: PRESTAÇÃO DE INFORMAÇÃO SOBRE A COMPOSIÇÃO DOS FUNDOS PRÓPRIOS E RÁCIO DE SOLVABILIDADE Havendo necessidade de regulamentar o envio de informação a ser prestada

Leia mais

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais. PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais.  PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL PLANO DE CURSO PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL Formação para Profissionais + 2.000 Cursos Disponíveis A Melhor e Maior Oferta de Formação em Portugal + 1.300 Cursos na

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Contabilidade Financeira I

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Contabilidade Financeira I INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÂO DE COIMBRA Aprovação do Conselho Pedagógico 28/10/2015 Aprovação do Conselho Técnico-Científico 16/12/2015 Ficha de

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO ORÇAMENTAL E PATRIMONIAL DO POCAL, APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 54-A/99, DE 22 DE FEVEREIRO

CLASSIFICAÇÃO ORÇAMENTAL E PATRIMONIAL DO POCAL, APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 54-A/99, DE 22 DE FEVEREIRO Classe 0 Contas do controlo orçamental e de ordem* 01 Orçamento Exercício corrente* 02 Despesas 021 Dotações iniciais* 022 Modificações orçamentais* 0221 Transferências de dotações 02211 Reforços* 02212

Leia mais

79/V/98. (Objecto. IUP- Imposto Único sobre o Património

79/V/98. (Objecto. IUP- Imposto Único sobre o Património 1º (Objecto A presente lei cria o Imposto Único sobre o Património (IUP) que se gere pelos princípios e normas previstos nesta lei e pelo respectivo regulamento. 2º IUP- Imposto Único sobre o Património

Leia mais

Sumário EDITAL SISTEMATIZADO CONTABILIDADE APRESENTAÇÃO DO LIVRO... 23

Sumário EDITAL SISTEMATIZADO CONTABILIDADE APRESENTAÇÃO DO LIVRO... 23 EDITAL SISTEMATIZADO CONTABILIDADE... 19 APRESENTAÇÃO DO LIVRO... 23 PARTE I CONTABILIDADE GERAL CAPÍTULO I NOÇÕES DE CONTABILIDADE... 27 1. Noções de Contabilidade... 27 1.1. Conceitos, objetivos, campo

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

PLANO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL PLANO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL 2010 2013 INSTRUMENTOS TÉCNICOS DO CICLO ORÇAMENTÁRIO CONSIDERAÇÕES INICIAIS A Constituição de 1988 introduziu significativa alteração no sistema de planejamento e

Leia mais

Sumário. Capítulo 2. Conceitos Básicos...1. Patrimônio Contabilidade_Geral_Resumida_cap_00.indd 9 14/10/ :44:34

Sumário. Capítulo 2. Conceitos Básicos...1. Patrimônio Contabilidade_Geral_Resumida_cap_00.indd 9 14/10/ :44:34 Sumário Capítulo 1 Conceitos Básicos...1 1. Contabilidade: Conceitos, Objeto, Objetivo, Finalidade e Campo de Aplicação...1 2. Usuários da Informação Contábil...2 3. Principais Tipos de Sociedades Existentes

Leia mais

Texto de Apoio Exercícios Resolvidos Exercícios Propostos. Ana Fialho António Guerreiro

Texto de Apoio Exercícios Resolvidos Exercícios Propostos. Ana Fialho António Guerreiro Exercícios Resolvidos Exercícios Propostos Ana Fialho António Guerreiro Escola de Ciências Sociais Departamento de Gestão 2015/2016 Índice Nota Prévia 1. Introdução 1.1. A Empresa e a Contabilidade 1.2.

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO CNPJ /

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO CNPJ / UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO CNPJ 63.025.530/0001-04 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 E 2014 (VALORES EXPRESSOS EM REAIS, EXCETO QUANDO INDICADO DE OUTRA FORMA) Em atendimento

Leia mais

O sistema orçamentário como parte do sistema de planejamento

O sistema orçamentário como parte do sistema de planejamento O sistema orçamentário como parte do sistema de planejamento Eleições Programas partidários Coalisão Plataforma eleitoral Plano de Desenvolvimento e outros em andamento na Administração Pública Médio prazo

Leia mais

O que é orçamento público?

O que é orçamento público? O que é orçamento público? É a previsão de arrecadação de receitas e a fixação de despesas para um período determinado. É computar, avaliar, calcular a previsão da arrecadação de tributos e o gasto de

Leia mais

RELATÓRIO DE ENDIVIDAMENTO E DISPONIBILIDADE

RELATÓRIO DE ENDIVIDAMENTO E DISPONIBILIDADE E DISPONIBILIDADE Agosto 2013 CÂMARA MUNICIPAL DE CASCAIS DMAG DFP DOPC ÍNDICE Endividamento 3 Capital em Dívida de Empréstimos / Aplicações Financeiras 4 Evolução Mensal da Liquidez do Município 6 Limites

Leia mais

Relatório de Endividamento e Disponibilidades

Relatório de Endividamento e Disponibilidades Relatório de Endividamento e Disponibilidades 30 Setembro 2012 Câmara Municipal de Cascais 30 Setembro 2012 1 Índice Endividamento 3 Capital em Dívida de Empréstimos / Aplicações Financeiras 3 Evolução

Leia mais

Conteúdo Programático Contabilidade Geral Básica - CGB [2ª Edição]

Conteúdo Programático Contabilidade Geral Básica - CGB [2ª Edição] Conteúdo Programático Contabilidade Geral Básica - CGB [2ª Edição] CAPÍTULO I. Introdução ao Curso de Contabilidade Introdução ao Curso de Contabilidade 1. Contabilidade. 2. Contabiliza.se o quê. 3. O

Leia mais

Instituto CCR. Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício de 31 de dezembro de 2015

Instituto CCR. Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício de 31 de dezembro de 2015 Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício de 31 de dezembro de 2015 Balanço patrimonial em 31 de dezembro de 2015 (Em Reais) Ativo 2015 2014 Passivo 2015 2014 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

Contabilidade Analitica Um instrumento de transparência

Contabilidade Analitica Um instrumento de transparência CÂMARA MUNICIPAL DE ÁGUEDA Contabilidade Analitica Um instrumento de transparência 1 Objectivo da contabilidade O objectivo da contabilidade, e consequentemente do seu produto final, que são as demonstrações

Leia mais

1ª RETIFICAÇÃO DO EDITAL Nº 02, DE 06 DE SETEMBRO DE 2013

1ª RETIFICAÇÃO DO EDITAL Nº 02, DE 06 DE SETEMBRO DE 2013 1ª RETIFICAÇÃO DO EDITAL Nº 02, DE 06 DE SETEMBRO DE 2013 O Tribunal de Contas do Estado da Bahia, no uso de suas atribuições legais, nos termos estabelecidos no subitem 13.36, torna pública a seguinte

Leia mais

2. As Despesas Públicas

2. As Despesas Públicas 2. As Despesas Públicas 2.1 Enquadramento geral 2.1.1.Noção de despesas públicas 2.1.2. Classificação e tipologias de despesas públicas 2.1.3.despesa pública 2.1.4. O crescimento da despesa pública 1 Bibliografia

Leia mais

Economia e Finanças Públicas Aula T17. Bibliografia. Conceitos a reter. Cap. 5 - Orçamento do Estado (OE) Livro EFP, Cap. 12. Orçamento do Estado

Economia e Finanças Públicas Aula T17. Bibliografia. Conceitos a reter. Cap. 5 - Orçamento do Estado (OE) Livro EFP, Cap. 12. Orçamento do Estado Economia e Finanças Públicas Aula T17 Cap. 5 - Orçamento do Estado (OE) 5.1 Noção de orçamento e ciclo orçamental 5.1.1 Noção, âmbito e importância do OE 5.1.2 O conteúdo da Proposta de Lei do OE 5.1.3

Leia mais

BALANÇO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 (Montantes expressos em milhares de Kwanzas Angolanos)

BALANÇO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 (Montantes expressos em milhares de Kwanzas Angolanos) BALANÇO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 (Montantes expressos em milhares de Kwanzas Angolanos) ACTIVO 2013 2012 Disponibilidades 50,707,848 53,115,360 Aplicações de liquidez - Operações no Mercado Monetário

Leia mais

RECEITAS QUOTIZAÇÕES , ,80

RECEITAS QUOTIZAÇÕES , ,80 APM - Custos e Proveitos - Exercício de 2007 QUOTAS RECEITAS QUOTIZAÇÕES 123.798,80 123.798,80 SUBSÍDIOS CENTRO DE FORMAÇÃO 19.413,99 ENCONTRO NACIONAL PROFMAT/2007 50.450,00 GRUPO DE TRABALHO T3 38.132,00

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO CNPJ / DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DOS EXERCÍCIOS DE 2014 E 2013

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO CNPJ / DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DOS EXERCÍCIOS DE 2014 E 2013 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DOS EXERCÍCIOS DE 2014 E 2013 , DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DOS EXERCÍCIOS DE 2014 E 2013 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2013 (VALORES

Leia mais

Tribunal de Contas ENTIDADES PÚBLICAS PARTICIPANTES RESOLUÇÃO

Tribunal de Contas ENTIDADES PÚBLICAS PARTICIPANTES RESOLUÇÃO RESOLUÇÃO ENTIDADES PÚBLICAS PARTICIPANTES Resolução n.º 6/2013 2ª Secção Alteração à Resolução n. o 4/2001 2. a Secção. Instruções n. o 1/2001 2. a Secção instruções para a organização e documentação

Leia mais

REGIME GERAL DAS TAXAS DAS AUTARQUIAS LOCAIS. CAPÍTULO I Princípios gerais

REGIME GERAL DAS TAXAS DAS AUTARQUIAS LOCAIS. CAPÍTULO I Princípios gerais REGIME GERAL DAS TAXAS DAS AUTARQUIAS LOCAIS CAPÍTULO I Princípios gerais Artigo 1.º Âmbito 1 A presente lei regula as relações jurídico-tributárias geradoras da obrigação de pagamento de taxas às autarquias

Leia mais

RELATÓRIO Nº 11/2016 CONTROLE INTERNO. Ementa: Análise das Demonstrações Contábeis do Coren/GO referente ao segundo trimestre de 2016.

RELATÓRIO Nº 11/2016 CONTROLE INTERNO. Ementa: Análise das Demonstrações Contábeis do Coren/GO referente ao segundo trimestre de 2016. RELATÓRIO Nº 11/2016 CONTROLE INTERNO Ementa: Análise das Demonstrações Contábeis do Coren/GO referente ao segundo trimestre de 2016. 1. Em cumprimento ao disposto no inciso VI, 2º do art. 11 da Resolução

Leia mais

Relatório Econômico 2015

Relatório Econômico 2015 Índice 2 Relatório de Auditoria... 4 Balanço... 8 Demonstração de Resultados... 12 Receitas e Despesas Reconhecidas e Demonstrações... 16 Demonstração de Fluxos de Caixa... 20 Índice 3 1 Relatório de Auditoria

Leia mais

DIREITO FINANCEIRO DESPESAS PÚBLICAS

DIREITO FINANCEIRO DESPESAS PÚBLICAS 1 DIREITO FINANCEIRO DESPESAS PÚBLICAS I. CONCEITO 1. Exceções. Exemplos de serviços esporádicos, sem despesa pública (gratuidade, não-exigência de assiduidade, regularidade e continuidade do serviço público

Leia mais

QUAR 2009 Editorial do Ministério da Educação. O documento que se apresenta é uma proposta, ainda não foi objecto de decisão superior.

QUAR 2009 Editorial do Ministério da Educação. O documento que se apresenta é uma proposta, ainda não foi objecto de decisão superior. PROPOSTA N.º 2/DE/2009 2009/03/03 QUAR 2009 Editorial do Ministério da Educação O documento que se apresenta é uma proposta, ainda não foi objecto de decisão superior. MISSÃO e VISÃO A EME é um organismo

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO INTRODUÇÃO

RELATÓRIO DE GESTÃO INTRODUÇÃO RELATÓRIO DE GESTÃO INTRODUÇÃO Os factos contabilísticos gerados ao longo do Ano de 2007, na base das directrizes da gestão da Fundação Serrão Martins, foram registados na sua contabilidade de acordo com

Leia mais

Processo de Convergência. Prof. Msc. Giovanni Pacelli

Processo de Convergência. Prof. Msc. Giovanni Pacelli Processo de Convergência Prof. Msc. Giovanni Pacelli Discussão sobre tema em discursiva: MPU/2010 - Cespe 2 Discussão sobre tema em discursiva: MPU/2010 - Cespe Prof. M. Sc. Giovanni Pacelli 3 3 Processo

Leia mais

Relatório Anual. São Rafael Sociedade de Previdência Privada

Relatório Anual. São Rafael Sociedade de Previdência Privada 2011 Relatório Anual São Rafael Sociedade de Previdência Privada Prezados Participantes: O ano de 2011 foi mais um ano marcado por muitas incertezas nas economias mundiais acarretando uma instabilidade

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS ANEXOS DOCUMENTAIS

PRESTAÇÃO DE CONTAS ANEXOS DOCUMENTAIS PRESTAÇÃO DE CONTAS ANEXOS DOCUMENTAIS ANEXOS DA EXECUÇÃO ORÇAMENTAL 3 Mapa Controlo Orçamental da Despesa por Classificação Económica 4 Mapa Controlo Orçamental da Despesa por Classificação Orgânica 6

Leia mais

MODELO DE GOVERNAÇÃO ANEXO I

MODELO DE GOVERNAÇÃO ANEXO I MODELO DE GOVERNAÇÃO ANEXO I Modelo de Governação do Fundo para a Modernização da Justiça ENQUADRAMENTO O Fundo para a Modernização da Justiça (FMJ) foi criado pelo artigo 167.º da Lei n.º 55/2010, de

Leia mais

Sumário Capítulo 1 Escrituração contábil

Sumário Capítulo 1 Escrituração contábil Sumário Capítulo 1 Escrituração contábil 01 1.1 Conceito 01 1.2 Métodos de escrituração 01 1.2.1 Método das partidas dobradas 02 1.2.1.1 Funcionamento das contas nas partidas dobradas 04 1.3 Normas legais

Leia mais

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO SUBCONTROLADORIA DE INTEGRAÇÃO DE CONTROLES AUDITORIA GERAL

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO SUBCONTROLADORIA DE INTEGRAÇÃO DE CONTROLES AUDITORIA GERAL PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO SUBCONTROLADORIA DE INTEGRAÇÃO DE CONTROLES AUDITORIA GERAL ÓRGÃO/ENTIDADE: TÍTULO DO TRABALHO: Análise contábil das operações, saldos

Leia mais

Contabilidade Financeira aos Sabados

Contabilidade Financeira aos Sabados Contabilidade Financeira aos Sabados 1 Com: 2 Técnico de Conta nº 3211 3 Modulo I Contabilidade Geral História e Noção O Património A Conta Demostrações Financeiras 4 Aula nº 3 A CONTA 5 Sumário: A Conta

Leia mais

ANÁLISE DE FLUXOS A DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA. Mestrado em Finanças Empresariais ESTGV-IPV

ANÁLISE DE FLUXOS A DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA. Mestrado em Finanças Empresariais ESTGV-IPV ANÁLISE DE FLUXOS A DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ESTGV-IPV Mestrado em Finanças Empresariais 1. O Fluxo de Caixa para a Análise Financeira A análise baseada nos fluxos visa ultrapassar algumas das limitações

Leia mais

AULA 12: DESPESA PÚBLICA

AULA 12: DESPESA PÚBLICA 1 AULA 12: DESPESA PÚBLICA João Pessoa 2016 Profª Ma. Ana Karla Lucena aklucenagomes@gmail.com Introdução 2 Glossário do Tesouro Nacional: Despesa pública é a aplicação (em dinheiro) de recursos do Estado

Leia mais