2012 RELATÓRIO E CONTAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2012 RELATÓRIO E CONTAS"

Transcrição

1 indicadores enquadramento resultados demonstrações perspectivas eventos análise RELATÓRIO E CONTAS página 999 índice

2 MENSAGEM DO PRESIDENTE presidente fernando adão da fonseca D ois mil e doze foi um ano de muitos desafios, que a Unicre venceu com total sucesso, fortalecida pela melhoria contínua nos seus processos e pela capacidade que manifestou de restringir os seus custos num contexto conjuntural de contracção dos negócios. A Unicre terminou o ano com um desempenho em linha com o orçamento e conseguiu cumprir, com êxito, os resultados ambiciosos do seu plano estratégico 2010-, que agora terminou, reforçando os elevados níveis de solidez que sempre a caracterizaram. Ao longo do triénio acentuaram-se as tendências macroeconómicas de quebra do consumo com correspondente reflexo nas compras e no crédito, de pressão sobre as margens e de flutuação das condições de acesso ao funding. A essas dificuldades a Unicre contrapôs a prudência nas decisões da atribuição do crédito, o controlo dos custos e a oferta no momento adequado de soluções de valor para os seus clientes. Pelo impacto na abertura de novas oportunidades de negócio e/ou na fidelização de clientes, merecem especial referência o lançamento da solução de pagamentos para comerciantes e de operações de cartões pré-pagos para diferentes sectores de actividade, o alargamento dos serviços pagos através dos cartões de crédito e o enfoque no cross selling, em particular na venda de seguros de adesão facultativa. Tudo isto foi feito sem descurar as exigências do Projecto Mais Máquina, projecto de alteração da plataforma aplicacional que se espera venha a dar frutos já no ano corrente e que constituiu um permanente estímulo ao empenho, à coesão e ao profissionalismo continuadamente demonstrado por todos os colaboradores. A terminar, não posso deixar de referir a importância da confiança que os accionistas sempre depositaram no Conselho de Administração, apoiando-nos e desafiando- -nos a ir sempre mais longe no cumprimento da missão de tornar a Unicre numa empresa líder em soluções de pagamento, reconhecida internacionalmente pela qualidade e pela competitividade dos seus produtos. página PÁGINA 1 índice

3 ÍNDICE * Clique no capítulo que pretende consultar Mensagem do Presidente 1 01 PRINCIPAIS INDICADORES 3 02 A UNICRE Situação Institucional Accionistas Órgãos Sociais Organograma Missão, Visão e Valores Imagem Corporativa Serviço ao Cliente Desenvolvimento Sustentável e Responsabilidade Social Principais Eventos de ENQUADRAMENTO DA ACTIVIDADE 15 A economia mundial 16 A economia nacional A ACTIVIDADE DA UNICRE Actividade Comercial em Acquirer Emissão Crédito Serviços de Apoio a Emissores As Pessoas Ambiente social Projectos estruturantes Mais Potencial Mais Canal Mais Máquina Tecnologia Projectos da Áreas Comerciais GESTÃO DE RISCO PERSPECTIVAS FUTURAS ANÁLISE FINANCEIRA Síntese e Principais Indicadores Conta de Resultados Balanço PROPOSTA DE APLICAÇÃO DOS RESULTADOS NOTAS FINAIS GOVERNAÇÃO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS NOTAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CERTIFICAÇÃO LEGAL DE CONTAS RELATÓRIO E PARECER FISCAL FORMULÁRIO 146 PÁGINA 2 página 2 2

4 PRINCIPAIS INDICADORES PRINCIPAIS 01INDICADORES página PÁGINA 3

5 PRINCIPAIS INDICADORES Milhares de euros. Percentagem. Pontos percentuais SÍNTESE DE INDICADORES 2011 Variação Valor % BALANÇO Activo líquido 306,2 309,4 (3,2) (1,0%) Crédito a clientes líquido 237,5 233,8 3,7 1,6% Capitais próprios 73,2 64,6 8,6 13,3% CONTA DE EXPLORAÇÃO Margem Financeira ajustada (1) 38,4 36,7 1,7 4,6% Produto bancário (2) 70,8 72,1 (1,3) (1,8%) Custo de estrutura (3) 45,4 48,9 (3,5) (7,2%) Resultado operacional 25,4 23,2 2,2 9,7% Resultado antes de impostos 12,0 12,8 (0,8) (6,2%) Resultado líquido 8,3 8,7 (0,4) (4,8%) RÁCIOS RENDIBILIDADE Rendibilidade dos capitais próprios médios (ROE) 11,6% 13,9% (2,3 p.p.) Resultado antes de impostos / Capitais próprios médios (4) 16,8% 20,3% (3,6 p.p.) Rendibilidade do activo médio (ROA) 2,7% 3,0% (0,3 p.p.) Resultado antes dos impostos /Activo líquido médio (4) 3,9% 4,4% (0,5 p.p.) Produto bancário (2) / Activo líquido médio (4) 23,3% 24,9% (1,6 p.p.) QUALIDADE DO CRÉDITO Crédito com incumprimento (5) / Crédito total 10,0% 8,7% 1,3 p.p. Crédito com incumprimento, líquido (6) / Crédito total líquido 4,3% 3,8% 0,5 p.p. Cobertura do Crédito vencido há mais de 90 dias (11) 148,2% 143,8% 4,5 p.p. Crédito em risco (12) / Crédito total 9,8% 8,6% 1,2 p.p. Crédito em risco, líquido (13) / Crédito total, líquido 4,1% 3,6% 0,5 p.p. página PÁGINA 4

6 PRINCIPAIS INDICADORES Milhares de euros. Percentagem. Pontos percentuais SÍNTESE DE INDICADORES 2011 Variação Valor % EFICIÊNCIA Cost-to-Income 62,4% 65,6% (3,3 p.p.) Custos de estrutura (3) / Produto bancário (2) 64,1% 67,9% (3,8 p.p.) Custo com Pessoal /Produto bancário (2) 22,0% 24,4% (2,3 p.p.) SOLVABILIDADE (7) Fundos próprios totais 53,1 49,5 3,6 7,2% Requisitos de fundos próprios (8) 28,9 29,2 (0,4) (1,2%) Rácio de adequação de Fundos próprios totais 14,7% 13,6% 1,2 p.p. Rácio de adequação de Fundos próprios da base 11,4% 11,1% 0,3 p.p. COLABORADORES Número de colaboradores activos (9) (16,0) (5,8%) Activo líquido por colaborador (10) 1,14 1,11 0,0 2,3% Produto bancário por colaborador (10) 0,26 0,26 0,0 1,5% 1 Proveitos do produto Cash Advance em Conta considerados em Margem Financeira (Juros e Rendimentos similares) e excluídos de Rendimentos de Serviços e Comissões 2 Margem financeira, rendimento de títulos, comissões líquidas, resultados em operações financeiras e outros resultados de exploração - instrução n.º 23/2011 do Banco de Portugal 3 Custos com pessoal, fornecimentos e serviços de terceiros e amortizações do exercício 4 O cálculo do activo líquido médio e dos capitais próprios médios para além dos valores daquelas rubricas nos extremos do intervalo, inclui também os valores registados em cada um dos trimestres intermédios - instrução n.º 23/2011 do Banco de Portugal 5 Crédito vencido há mais de 90 dias + Crédito de cobrança duvidosa reclassificado com vencido para efeitos de provisionamento instrução n.º 23/2011 do Banco de Portugal 6 Crédito com incumprimento (provisões para crédito vencido + provisões para crédito de cobrança duvidosa) instrução n.º 23/2011 do Banco de Portugal 7 Em conformidade com o framework da instrução n.º 23/2011 do Banco de Portugal, com exclusão da retenção do Resultado Líquido 8 Cálculo dos requisitos de fundos próprios em conformidade com as regras de Basileia II 9 Em 31 de Dezembro 10 Cálculo efectuado com base no número médio de colaboradores activos 11 Inclui provisões para Riscos Gerais de Crédito 12 Crédito em risco em conformidade com a Instrução n.º 23/2011 do Banco de Portugal 13 Crédito em risco (provisões para crédito vencido + provisões para crédito de cobrança duvidosa) intrução n.º 23/2011 do Banco de Portugal página PÁGINA 5

7 A UNICRE 02 A UNICRE página PÁGINA 6

8 A UNICRE Fundada a 17 de Abril de 1974, como empresa especializada na emissão e gestão de cartões de pagamento, a Unicre, em Dezembro de 2005, alterou os seus Estatutos, passando a ter como objecto social a prática de todas as operações permitidas aos bancos, com excepção da recepção de depósito: Nessa data adoptou a denominação social de Unicre Instituição Financeira de Crédito, S.A.. Na actualidade, a actividade da empresa centra-se em quatro áreas: emissão e gestão de cartões de crédito, concessão de crédito pessoal, serviços associados à aceitação de cartões em estabelecimentos comerciais e prestação de serviços especializados relacionados com cartões de pagamento, a outras instituições financeiras e entidades afins SITUAÇÃO INSTITUCIONAL Accionistas CAPITAL SOCIAL A Unicre Instituição Financeira de Crédito, S.A. tem um capital social no montante de euros, representado por de acções, integralmente subscritas e realizadas e com um valor nominal de 5 euros cada. ESTRUTURA ACCIONISTA No final de, a Unicre apresentava a seguinte estrutura accionista: ESTRUTURA ACCIONISTA Percentagem Montante % (milhares de euros) Banco Comercial Português, S.A. 31, Banco Santander Totta, S.A. 21, Banco BPI, S.A. 20, Banco Espírito Santo, S.A. 17,50 1,750 Caixa Económica Montepio Geral 3, Banco Internacional do Funchal, S.A. 1, Banco Bilbao & Vizcaya Argentaria (Portugal), S.A. 0,95 95 Banco do Brasil AG Sucursal em Portugal 0,36 36 Caixa Central de Crédito Agrícola Mútuo, C.R.L. 0,36 36 Barclays Bank, Plc 0,36 36 BPI Banco Português de Investimento, S.A. 0,36 36 Banco Popular de Portugal 0,36 36 Banco Activo Bank, S.A. 0, , Capital 100, página PÁGINA 7

9 A UNICRE Órgãos Sociais Até Março de Após Março de MESA DA ASSEMBLEIA-GERAL António Pedro Sá Alves Sameiro (Presidente) Eugénio Fernando Jesus Quintais Lopes (Secretário) CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Fernando Adão da Fonseca (Presidente) Amadeu Ferreira de Paiva (Vogal) António Farinha Morais (Vogal) António Palma Ramalho (Vogal) Isabel Ramos de Almeida (Vogal) João Eduardo da Silva Freixa (Vogal) Miguel de Bragança (Vogal) COMISSÃO EXECUTIVA Fernando Adão da Fonseca (Presidente) Amadeu Ferreira de Paiva (Vogal) Isabel Ramos de Almeida (Vogal) CONSELHO FISCAL António Luna Vaz (Presidente) Jorge Manuel Arriaga da Cunha (Vogal) João Aníbal Torres Martins (Vogal) Eugénio Fernando Jesus Quintais Lopes (Suplente) REVISOR OFICIAL DE CONTAS Deloitte & Associados, SROC, S.A., representada por Paulo Alexandre de Sá Fernandes MESA DA ASSEMBLEIA-GERAL António Pedro Sá Alves Sameiro (Presidente) Eugénio Fernando Jesus Quintais Lopes (Secretário) CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Fernando Adão da Fonseca (Presidente) Amadeu Ferreira de Paiva (Vogal) António Farinha Morais (Vogal) Isabel Ramos de Almeida (Vogal) João Freixa (Vogal) Pedro de Castro e Almeida (Vogal) Rui Teixeira (Vogal) COMISSÃO EXECUTIVA Fernando Adão da Fonseca (Presidente) Amadeu Ferreira de Paiva (Vogal) Isabel Ramos de Almeida (Vogal) CONSELHO FISCAL António Luna Vaz (Presidente) Jorge Manuel Arriaga da Cunha (Vogal) João Aníbal Torres Martins (Vogal) Eugénio Fernando Jesus Quintais Lopes (Suplente) REVISOR OFICIAL DE CONTAS Deloitte & Associados, SROC, S.A., representada por Paulo Alexandre de Sá Fernandes. página PÁGINA 8

10 A UNICRE 2.2 ORGANOGRAMA O Conselho de Administração da Unicre foi eleito para o triénio 2010-, na Assembleia-Geral de 24 de Agosto de A gestão corrente da sociedade foi delegada por deliberação do Conselho de Administração, de 20 de Setembro de 2010 e de acordo com os números 3 a 8 do artigo 407º do Código das Sociedades Comerciais e do número 2 do artigo 21º dos estatutos da sociedade, numa Comissão Executiva constituída pelo Presidente do Conselho de Administração, Fernando Adão da Fonseca, também designado Presidente da Comissão Executiva, e pelos Administradores Amadeu Ferreira de Paiva e Isabel Ramos de Almeida. Direcção de estratégia e Controlo de Gestão Direcção Redunicre Marketing Vendas Retalho Vendas Grandes Contas Projectos Especiais Serviço a Clientes Desenvolvimento de Novos Produtos Gestão de Riscos e Compliance Direcção de Emissão Marketing e CRM Comercial Serviço a Clientes Marketing Estratégico Gabinete Corporativo Direcção de Serviços de Apoio Gestão de Transacções Reclamadas Apoio Emissores e Acquirers Conselho de Administração Direcção de Risco de Crédito Acompanhamento e Modelos Avaliação e Atribuição Recuperação Interna de Dívida Recuperação Externa de Dívida Auditoria e Controlo Interno Direcção Financeira e de Meios Financeira e Contabilística Controlo Processamento e Facturação Compras e Meios Recursos Humanos Direcção de sistemas de Informação Desenvolvimento Exploração Sistemas e Comunicações Gestão de Processos e Projectos Analistas de Negócio página PÁGINA 9

11 A UNICRE 2.3 MISSÃO, VISÃO E VALORES MISSÃO A missão da Unicre é facilitar a vida das pessoas e das empresas, oferecendo eficientes soluções de pagamento e de crédito, cómodas, fiáveis e seguras baseadas, entre outras, em cartões de pagamento, bem como serviços associados, configurando uma proposta de valor competitiva e assente em condições de sustentabilidade. VISÃO Ser reconhecida pela sociedade como a melhor referência nos pagamentos com cartão. VALORES Os valores da empresa decoram o ambiente de trabalho, bem como os espaços sociais e a sua divulgação é reforçada pela associação a afirmações da autoria de várias personalidades públicas, que inspiram o dia-a-dia dos colaboradores e visitantes da empresa. RELACIONÁVEL INOVAÇÃO PROFISSIONAL TECNOLÓGICA BEM-ESTAR ÚTIL FIÁVEL SOLIDEZ AFÁVEL página PÁGINA 10

12 A UNICRE 2.4 IMAGEM CORPORATIVA A imagem da Unicre é consistente com a partilha dos valores transversais às marcas institucionais Unicre, Unibanco e Redunicre e dos serviços associados a cada uma, estando alinhadas do ponto de vista comunicacional e tendo na letra U o denominador comum. Acompanhando este posicionamento também as respectivas assinaturas, Inovação e Confiança e Um cartão sempre consigo, pugnam pelo alinhamento e realçam a disponibilidade, proximidade e inovação dos produtos e serviços oferecidos aos diferentes segmentos de clientes, a par do destaque da experiência e fiabilidade da empresa, na sua área de actuação. 2.5 SERVIÇO AO CLIENTE PLATAFORMA MULTI CANAL O serviço aos clientes, na área da emissão, na aceitação de cartões de pagamento e na prestação de serviços especializados a outras entidades é uma área fundamental da empresa. O serviço ao Cliente da Unicre assenta numa plataforma multi canal, sendo prestado através do telefone, personalizado, websites, portal de serviços da Redunicre, chats (nas versões click 2call e click2chat) e quatro balcões de atendimento. A empresa está fisicamente presente em Lisboa e em três representações distribuídas pelas cidades do Porto, Faro e Funchal, nas quais transversalmente a mesma equipa assume funções comerciais e de atendimento aos clientes Unibanco e Redunicre. PRINCÍPIOS DE ACTUAÇÃO A actuação do serviço a Clientes da Unicre pauta-se por um conjunto de princípios: Saber ouvir os clientes Procurar a excelência no atendimento Promover a proximidade Maximizar a satisfação das necessidades Comunicar com clareza Agir com transparência Ajudar a optimizar as infra-estruturas tecnológicas, detectando oportunidades de melhoria e desenvolvimento. SATISFAÇÃO DOS CLIENTES No Relatório Semestral do Banco de Portugal a Unicre apresentou, em, uma média de sete reclamações por cada cem mil contratos, sendo a média do sistema bancário de quinze para cada cem mil. Nesta avaliação comparativa a Unicre mantém-se, consecutivamente, como a empresa nacional, que página PÁGINA 11

13 A UNICRE ocupa um lugar cimeiro no ranking das empresas com menor índice de reclamações. O alcance deste alto patamar resulta da aplicação dos princípios do serviço ao cliente e da sua monitorização, com recurso a um conjunto de técnicas de avaliação que medem o nível de satisfação dos clientes. Nos inquéritos realizados e no decurso dos resultados do cliente mistério registou-se, em, um índice de satisfação médio na ordem dos 85%. PROVEDOR DO CLIENTE Os padrões do serviço ao cliente são também confirmados pela intervenção do Provedor ao Cliente. Esta figura tem como principais funções a análise e resolução das reclamações, de forma independente e isenta, a promoção dos direitos, garantias e interesses legítimos dos clientes, o reforço da adopção de medidas que contribuam para a melhoria da qualidade do serviço e a criação de um clima de diálogo, consenso e mediação de potenciais diferendos com os clientes. Durante o ano de o Provedor de Cliente recebeu e tratou setenta e quatro reclamações dos clientes da empresa, que foram encaminhadas para resolução pelos serviços. consistente, útil e coerente com os valores e objectivos estratégicos que a empresa anualmente se propõe alcançar, definidos com os accionistas e partilhados com os colaboradores, clientes e a comunidade em geral, destacando-se a que está localizada na área geográfica da sede da empresa Iniciativas no Domínio Social Apesar do contexto de forte restrição orçamental, a Unicre manteve em o seu apoio a diversas iniciativas no domínio social. APOIO A NECESSIDADES ESPECÍFICAS DA COMUNIDADE Neste âmbito destacam-se as acções de proximidade, das quais são exemplo a dotação financeira à Paróquia de S. Sebastião da Pedreira para apoio a pessoas carenciadas e o incentivo à participação e apoio às acções do Banco Alimentar. Num âmbito mais global e como exemplo da predisposição para a intervenção no terreno, realça-se a oferta de uma cadeira de rodas, personalizada e adaptada à situação especifica de uma criança de seis anos com paralisia cerebral, fruto de um esforço concertado e repartido entre as doações particulares dos colaboradores e uma subvenção institucional. 2.6 DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E RESPONSABILIDADE SOCIAL A Unicre desenvolveu em um conjunto de iniciativas tendo como princípios a sustentabilidade e a intervenção social CRIAÇÃO DA BOLSA DE VOLUNTÁRIOS DA UNICRE Iniciou-se a organização de uma Bolsa de Voluntários, formada por colaboradores da empresa, no activo e reformados, com o objectivo de se mobilizar mais pessoas para prestarem apoio a outros colaboradores e a projectos de Instituições Particulares de página PÁGINA 12

14 A UNICRE Solidariedade Social, que apresentem um trabalho social relevante e que constituam uma mais valia substancial para a sociedade civil Iniciativas no Domínio Ambiental ALTERAÇÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO A Unicre alterou o sistema de iluminação recorrendo a um novo sistema de iluminação LED. Foi a primeira empresa nacional, do sector financeiro, a incorporar esta nova solução. O novo sistema para além de ser mais eficiente do ponto de vista ecológico, permitindo reduzir o CO2 em toneladas por ano, permite uma poupança no consumo de electricidade na ordem dos 68%. A instalação foi realizada em todo o edifício sede. INFORMAR PARA MUDAR Manteve-se ao longo do ano a comunicação de ideias e exemplos destinados a incentivar a adopção de atitudes ecologicamente responsáveis Iniciativas no Domínio Económico CARTÃO EM PARCERIA COM A FUNDAÇÃO DO GIL O cartão presente Alegria, pré-pago e não nominativo, resultou de uma parceria entre a Unicre e a Fundação do Gil. Quem recebe o cartão pode usá-lo para comprar o que quiser, no local que desejar, e quem o oferece ajuda a reintegração social de crianças e jovens internados, que se encontram em risco social e beneficiam da acção social daquela instituição, contribuindo, com dois euros. COMUNICAÇÃO MAIS DIGITAL A floresta é cada vez mais reconhecida como um espaço de importância fundamental para a manutenção dos valores naturais e para a melhoria da qualidade de vida das populações, desempenhando um papel relevante no âmbito da biodiversidade e no plano económico. Neste contexto, a utilização dos meios digitais na comunicação com os clientes ganha cada vez mais importância, destacando-se, ao longo do ano, o incentivo à adesão aos extractos digitais, tendo por base o objectivo da acentuada redução do uso de papel e a racionalização das operações internas de tratamento de correio. página PÁGINA 13

15 A UNICRE irofevereiromarçoab 2.7 PRINCIPAIS EVENTOS EM 1.º semestre 2.º semestre JunhoJulhoAgostoSetem Realização da Assembleia-Geral da Unicre Lançamento do cartão pré-pago Pingo Doce Lançamento do cartão pré-pago Pingo Doce vembrodezembro JaneiroF Reunião Geral da Empresa Unicre associa-se ao programa PME Digital Comemoração do 38.º Aniversário da empresa MarçoAbrilMaioJunh Lançamento do cartão pré pago IKEA Realização da Assembleia-Geral da Unicre (para colaboradores da marca) ostosetembrooutubronovembrod Campanha de notoriedade Participação no congresso da APED do Unibanco Lançamento da solução neirofevereiromarçoa Unibanco Seguros renova o site Lançamento das Soluções de Crédito Unibanco ojunhojulhoagostosetem Lançamento do cartão GIL Distribuição do cartão pré-pago Ticket Restaurant Redunicre disponibiliza ao Banco Alimentar funcionalidade mbrodezembro para aceitação de doações através de cartões JaneiroFe Lançamento do cartão Clube fashion Unicre é eleita uma das Melhores Empresas para trabalhar de rçoabrilmaiojunhoju Lançamento do produto Redunicre Pagamentos Recorrentes página PÁGINA 14 índice ÍNDICE

16 ENQUADRAMENTO DA ACTIVIDADE ENQUADRAMENTO DA 03ACTIVIDADE página PÁGINA 15

17 ENQUADRAMENTO DA ACTIVIDADE EVOLUÇÃO DAS TAXAS DE REFERÊNCIA Percentagem 6,0% 5,0% 4,0% 3,0% 2,0% 1,0% Reserva Federal Americana Banco central Europeu DADOS GERAIS DA ECONOMIA PORTUGUESA Variação Homóloga % PIB E 2013P Consumo Privado 1,4-1,7-3,0-1,9 Consumo Público 2,1-3,6-5,5-3,6 Formação Bruta de Capital Fixo -4,9-11,6-14,4-8,5 dos quais: Equipamento -4,3-11,3-10,3-0,0 Exportações 8,7 7,3 4,1 2,0 Importações 5,3-4,3-6,9-3,4 0,0% jan.06 mai.06 set.06 jan.07 mai.07 set.07 jan.08 mai.08 set.08 jan.09 mai.09 set.09 jan.10 mai.10 set.10 jan.11 mai.11 set.11 jan.12 mai.12 set A ECONOMIA PORTUGUESA No âmbito do processo de ajustamento da economia portuguesa iniciado em 2011,verificou-se, em, uma evolução negativa da actividade económica. Em, o PIB Português contraiu 3,0% face a 2011, em consequência da retracção em todas as suas componentes, com excepção das Exportações. O Consumo Privado registou uma queda de -5,5 % em muito influenciado pela redução do rendimento disponível das famílias e pela confiança dos consumidores, que se degradou com especial relevo no início do ano. Desemprego 10,8 12,6 16,3 16,4 Taxa de Poupança das famílias* 9,8 9,4 9,9 9,7 IHPC 1,4 3,6 2,8 0,9 Balança da Conta Corrente** -8,7-6,6-0,1-3,1 Défice Público** -9,6-6,9-4,1-2,5 Dívida Pública 93,3 101,6 119,1 123,5 * Poupança Bruta/Rendimento Bruto Disponível ** Percentagem do PIB FONTE Comissão Europeia; FMI; Eurostat; Banco de Portugal INDICADORES DE CONFIANÇA Portugal. Saldo de Respostas Externas v.c.s Indústria Serviços jan 2011 jun 2011 dez 2011 jun dez Consumidores FONTE Banco de Portugal página PÁGINA 16 17

18 ENQUADRAMENTO DA ACTIVIDADE O mercado de crédito prosseguiu a tendência de queda verificada nos últimos dois anos, sendo esta mais evidente no crédito ao consumo e nos empréstimos a sociedades não financeiras. EMPRÉSTIMOS CONCEDIDOS POR INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS RESIDENTES Variação Homóloga % 5,1 4,0 0,9 0,2-1,5 nov.2010 fev.2011 FONTE Banco de Portugal mai.2011 ago.2011 nov.2011 Total Consumo Habitação Outros fins Sociedades Não Financeiras -2,8-3,9-6,4-8,0-10,3 O crédito vencido a particulares (consumo e habitação) manteve a tendência de crescimento situando-se no final de em 3,8%. A taxa de sinistralidade do crédito ao consumo atingiu um valor perto dos 12% no final de, mais 1,5% do que em fev. mai. ago. nov. EVOLUÇÃO DO CRÉDITO VENCIDO A PARTICULARES Percentagem 8,5% 8,1% 3,0% 11,7% 11,5% 3,8% 1,7% 2,1% nov.2010 fev.2011 FONTE Banco de Portugal mai.2011 ago.2011 Total Consumo Habitação Outros fins Apesar de um constante decréscimo das taxas de referência, ficou marcado, à semelhança de 2011, pelo crescimento do diferencial entre as taxas de financiamento e as taxas de referência, reflexo da contínua instabilidade e incerteza dos mercados financeiros. EVOLUÇÃO DO CUSTO DE FINANCIAMENTO Percentagem em fim de período Taxa do BdP Operações > 1M 6,18 6,11 6,16 5,89 5,76 5,93 5,73 5,56 5,39 5,06 5,35 5,3 5,62 5,49 5,05 nov.2011 fev. mai. ago. Taxa Euribor 5 Meses nov. 1,68 1,71 1,62 1,52 1,32 1,18 0,98 0,91 0,86 0,84 0,58 0,46 0,37 0,33 0,29 set.2011 set.2011 set.2011 set.2011 set.2011 set.2011 set.2011 set.2011 set.2011 set.2011 set.2011 set.2011 set.2011 set.2011 set.2011 FONTE Banco de Portugal página PÁGINA 17 18

19 A ACTIVIDADE DA UNICRE A ACTIVIDADE DA 04UNICRE página PÁGINA 18 19

20 A ACTIVIDADE DA UNICRE 4.1 ACTIVIDADE COMERCIAL EM Acquiring RESUMO DA ACTIVIDADE Em a Redunicre manteve a sua actividade focada na consolidação da oferta de produtos e serviços inovadores, na obtenção de ganhos de eficiência, num contexto de grande instabilidade económico-financeira. A facturação de compras registou, em, um decréscimo de 5,8%, resultante, da quebra de confiança dos consumidores portugueses e da forte redução do consumo, apesar do robusto crescimento da facturação com cartões estrangeiros. Esta quebra foi mais acentuada no segundo e quarto trimestres (decréscimo homólogo de 6,5% e 6,2%, respectivamente). O valor das transacções de compras com cartões alcançou os 14,6 milhares de milhões de euros, totalizando o número de transacções de 364 milhões. A aceitação de pagamentos de compras com cartões estrangeiros registou um incremento de 7,1%, reflectindo a crescente imagem de Portugal como destino turístico de eleição, (principalmente Lisboa) e o aumento contínuo do número de turistas, de elevado poder de compra, brasileiros e angolanos. O número de estabelecimentos aderentes à Redunicre, cerca de 47,8 mil, e o número de terminais, cerca de 75,9 mil, apresentaram, por sua vez, face a 2011,decréscimos de 3,2% e 5,5%, respectivamente. A actividade comercial centrou-se no reforço da divulgação e comercialização de soluções de aceitação de pagamentos, agregadoras de serviços complementares para o comerciante e que acrescentaram comodidade para o utilizador do cartão. Nestas destacam-se a plataforma Redunicre E-Commerce, os Pagamentos Integrados para Hotelaria e o DCC (Dynamic Currency Conversion). A captação de estabelecimentos, por sua vez, focalizou-se em sectores considerados internamente como prioritários, pelo seu potencial saúde, oficinas, ensino por forma a minorar o aumento do número de encerramentos em outros sectores de comércio. Potenciando as vantagens da oferta de um serviço completo ao comerciante, foi realizado um esforço suplementar para o desenvolvimento e disponibilização de um terminal que abarca todas as marcas internacionais com expressão em Portugal e um maior número de serviços, com valor acrescentado, associados num único dispositivo Este terminal aceita as marcas VISA, MasterCard, Diners, Discover, JCB e AMEX (neste caso por acordo com o acquirer Millennium BCP) e realiza operações de conversão de moeda ou de impressão de talões de reembolso Tax Free. página PÁGINA 19 20

21 A ACTIVIDADE DA UNICRE SOLUÇÃO PAGAMENTOS INTEGRADOS HOTELARIA A Solução de Pagamentos Integrados para Hotelaria foi instalada no Hotel Conrad, a primeira unidade hoteleira nacional com serviços de seis estrelas, galardoada internacionalmente pela sua qualidade. Foram, ainda, assinados acordos comerciais para a instalação da Solução de Pagamentos Integrados em mais 80 unidades hoteleiras, entre elas, os Hotéis Grupo Pestana, Hotéis Tivoli, Hotéis Altis, Hotel Ritz, Hotel Crowne Plaza, Hotel Sheraton Algarve e Hotel Hilton. DYNAMIC CURRENCY CONVERSION (DCC) Reconhecendo as potencialidades do produto realizou-se uma acção de formação junto dos comerciantes com DCC, ao nível do front-office e back-office para um melhor aproveitamento das vantagens desta solução. Esta acção surtiu efeitos muito positivos, uma vez que a facturação convertida cresceu 40% face a Considerando a relevância estratégica do DCC, para o sector do turismo, ao longo de o serviço foi ampliado à conversão de três novas moedas - o Real Brasileiro, o Kuanza e o Rublo. O DCC esteve ainda em destaque no Congresso da APED, evento em que a Redunicre participou com um stand promocional, tendo o momento sido comercialmente capitalizado para promover também as soluções Tax Free e Redunicre E-Commerce. REDUNICRE E-COMMERCE Em Outubro de, esta solução foi alvo de divulgação no e-show, um evento nacional, dedicado ao E-Commerce em Portugal. No final de, os comerciantes que utilizavam esta plataforma, registaram um aumento de facturação e de transacções de 14% e 21%, respectivamente, face ao período homólogo de A concretização de uma parceria com a Ogone, permitiu fechar acordos com a Worten, Continente On-line (venda de livros escolares) e La Redoute, que passaram a processar as suas transacções no canal Web usando a solução Redunicre E-Commerce. página PÁGINA 20 21

22 A ACTIVIDADE DA UNICRE No último trimestre de, foi lançada e disponibilizada a solução Payments. Esta solução criada pela Unicre, tanto na vertente comercial como tecnológica - permite aos comerciantes aceitarem pagamentos à distância através de cartões bancários, de forma segura, sem que para isso tenham necessidade de desenvolver uma loja virtual ou qualquer tipo de integração. SOLUÇÃO CARTÃO DISTRIBUIÇÃO Durante consolidou-se a operação do cartão de distribuição, registando-se um crescimento homólogo no final do ano de 23% no número de transacções e de 29% no volume de facturação. INTERACÇÃO COM OS BANCOS A actividade com os bancos de apoio das soluções Redunicre teve como principais vectores: A introdução de novos produtos adaptados a conquistar os sub-segmentos mais expostos da actividade comercial bancária; Uma revisão do processo e reestruturação das acções de angariação, seguindo a evolução dos desafios e necessidades do mercado, com o objectivo de recuperar, em conjunto com as entidades bancárias de apoio, mais competitividade e ganhos de eficiência na operação. EFICIÊNCIA OPERACIONAL De uma forma consistente, a actividade desenvolvida em pautou-se pela melhoria sistemática dos processos e reorganização/racionalização de recursos do Call Center, Serviço a Clientes, Marketing e Vendas. SEGURANÇA Ao nível de segurança, a prevenção mereceu especial atenção, alterando-se procedimentos, modelos de contratos e criando-se mais ferramentas de controlo de risco. Estas medidas permitiram melhorar os níveis de conhecimento dos clientes e aumentar as garantias de redução do risco. página PÁGINA 21 22

Linha Específica para o Sector do Turismo

Linha Específica para o Sector do Turismo Linha de Crédito PME Investe III Linha Específica para o Sector do Turismo Objectivos Esta Linha de Crédito, criada no âmbito da Linha PME Investe III, visa facilitar o acesso ao crédito por parte das

Leia mais

Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas

Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas Linha de Crédito PME Investe III Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas Objectivos Esta Linha de Crédito, criada no âmbito da Linha PME Investe III, visa facilitar o acesso ao crédito por parte

Leia mais

PME Investe III Sector do Turismo

PME Investe III Sector do Turismo PME Investe III Sector do Turismo Linha Turismo de Habitação e Turismo em Espaço Rural Objectivos Esta Linha de Crédito, criada no âmbito da Linha Específica PME Investe III do Sector do Turismo, visa

Leia mais

relatório e contas relatório e contas

relatório e contas relatório e contas 999 Capítulo 02 Mensagem do Presidente A acrescer às dificuldades e à imprevisibilidade do contexto económico que Portugal tem vivido nos últimos anos, foi um ano em que as mudanças tecnológicas, concorrenciais

Leia mais

PME Investe III Sector do Turismo

PME Investe III Sector do Turismo PME Investe III Sector do Turismo Linha Turismo de Habitação e Turismo em Espaço Rural Beneficiários Poderão beneficiar desta linha as empresas que: Comprovem ser Micro e Pequenas Empresas através da certificação

Leia mais

Linha Específica para o Sector do Turismo

Linha Específica para o Sector do Turismo Linha de Crédito PME Investe III Linha Específica para o Sector do Turismo Objectivos Esta Linha de Crédito, criada no âmbito da Linha PME Investe III, visa facilitar o acesso ao crédito por parte das

Leia mais

Linha de Crédito PME Investe II

Linha de Crédito PME Investe II Linha de Crédito PME Investe II Condições e procedimentos I - CONDIÇÕES GERAIS DA LINHA DE CRÉDITO 1. Beneficiários: PME, tal como definido na Recomendação 2003/361CE da Comissão Europeia, certificadas

Leia mais

Santander Totta. Santander Totta. Especializado no Negócio de PME

Santander Totta. Santander Totta. Especializado no Negócio de PME Santander Totta Santander Totta Especializado no Negócio de PME O Banco Santander Totta está integrado num dos maiores Grupos Financeiros a nível Mundial. Distingue-se pela sua capacidade de oferecer as

Leia mais

PME Investe III Sector do Turismo

PME Investe III Sector do Turismo PME Investe III Sector do Turismo Linha de Apoio à Tesouraria Beneficiários Poderão beneficiar desta linha as empresas que: Tenham um volume de facturação anual inferior a 150 milhões de euros Desenvolvam

Leia mais

28 PME Líder CRITÉRIOS. Bloomberg News

28 PME Líder CRITÉRIOS. Bloomberg News 28 PME Líder CRITÉRIOS Bloomberg News CRITÉ RIOS COMO CHEGAR A PME LÍDER Atingir o Estatuto PME Líder é a ambição de muitas empresas. É este o primeiro passo para chegar a PME Excelência. Saiba o que precisa

Leia mais

Banking. Estudos de Remuneração 2012

Banking. Estudos de Remuneração 2012 Estudos de 2012 Estudos de Banking 2012 2 Nota preliminar pág. 3 Técnico de Tesouraria pág. 4 Banking Técnico de Controlo de Crédito pág. 5 Analista de Crédito Técnico de Back-Office Técnico de Derivados

Leia mais

Vale Projecto - Simplificado

Vale Projecto - Simplificado IDIT Instituto de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica Vale Projecto - Simplificado VALES Empreendedorismo e Inovação Associados Parceiros / Protocolos IDIT Enquadramento Vale Projecto - Simplificado

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 07/SI/2010 1 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos

Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos 27 LEADERSHIP AGENDA a inovação na gestão do relacionamento compensa Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos A participação activa dos cidadãos é vital para a promoção

Leia mais

COMUNICADO Resultados Consolidados do BCP no segundo trimestre de 2003

COMUNICADO Resultados Consolidados do BCP no segundo trimestre de 2003 BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Praça D. João I, 28, Porto Mat. CRC do Porto: 40.043 NIPC: 501.525.882 Capital Social Registado: 3.257.400.827 Euros COMUNICADO Resultados Consolidados

Leia mais

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um Sr. Vice-Governador do BNA; Srs. Membros do Conselho de Administração do BNA; Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Sr Representante das Casas de Câmbios Srs. Directores e responsáveis

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN]

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Frederico Mendes & Associados Sociedade de Consultores Lda. Frederico Mendes & Associados é uma

Leia mais

Linhas Gerais de Orientação Estratégica 2016-2018 Programa de Ação e Orçamento para 2016

Linhas Gerais de Orientação Estratégica 2016-2018 Programa de Ação e Orçamento para 2016 Linhas Gerais de Orientação Estratégica 2016-2018 Programa de Ação e Orçamento para 2016 dezembro de 2015 2015-11-25 Pág. 1 I. Introdução II. Plano Estratégico - Linhas Gerais de Orientação Estratégica

Leia mais

Open Course: Techniques of Financial Engineering

Open Course: Techniques of Financial Engineering Open Course: Techniques of Financial Engineering Objectivos a atingir Delimitar os domínios da Gestão financeira a curto prazo da Gestão financeira a médio m e a longo prazo; Realçar ar a importância da

Leia mais

Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado. Batalha, 8 Julho de 2010

Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado. Batalha, 8 Julho de 2010 Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado Batalha, 8 Julho de 2010 As vossas necessidades... O apoio aos Empreendedores e às PME s

Leia mais

Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011

Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011 Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011 Proveitos Operacionais de 55,8 milhões EBITDA de 3,1 milhões Margem EBITDA de 5,6% EBIT de 0,54 milhões Resultado Líquido negativo

Leia mais

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Senhores Accionistas, De acordo com o disposto na Lei e nos Estatutos, vem o Conselho de Administração apresentar o seu Relatório de Gestão, o Balanço e Contas, bem

Leia mais

SOLUÇÕES SANTANDER TURISMO

SOLUÇÕES SANTANDER TURISMO SOLUÇÕES SANTANDER TURISMO Atendendo a que o turismo é um sector estratégico na economia nacional e considerando que a APAVT tem tido um papel fundamental no desenvolvimento do turismo nacional, o acordo

Leia mais

Cremos ser de extrema importância a vossa presença e participação.

Cremos ser de extrema importância a vossa presença e participação. Exmos. Associados e parceiros, Chamamos a vossa atenção para o convite abaixo. Cremos ser de extrema importância a vossa presença e participação. Inscrevam-se! Convite No seguimento dos contactos mantidos

Leia mais

Consultoria de Gestão Sistemas Integrados de Gestão Contabilidade e Fiscalidade Recursos Humanos Marketing e Comunicação Consultoria Financeira JOPAC SOLUÇÕES GLOBAIS de GESTÃO jopac.pt «A mudança é a

Leia mais

LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN. Condições Gerais da Linha - Documento de Divulgação -

LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN. Condições Gerais da Linha - Documento de Divulgação - LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN Condições Gerais da Linha - Documento de Divulgação - A - Condições Gerais 1. Montante Global e Linhas Específicas: (Milhões de Euros) Montante Global da Linha 1.000 Linhas

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA

POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA POLÍTICA DE ÉTICA A Política de Ética do CPCBeja está reflectida no Código de Conduta e Ética e integra os seguintes Princípios e Orientações: - Direitos e Dignidade

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Inovação Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 02/SI/2012 1 Índice Tipologias de Investimento... 3 Condições de Elegibilidade

Leia mais

SIBS PROCESSOS cria solução de factura electrónica com tecnologias Microsoft

SIBS PROCESSOS cria solução de factura electrónica com tecnologias Microsoft SIBS PROCESSOS cria solução de factura electrónica com tecnologias Microsoft A solução MB DOX oferece uma vantagem competitiva às empresas, com a redução do custo de operação, e dá um impulso à factura

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 04/SI/2012 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

apresentação corporativa

apresentação corporativa apresentação corporativa 2 Índice 1. Apresentação da BBS a) A empresa b) Evolução c) Valores d) Missão e Visão 2. Áreas de Negócio a) Estrutura de Serviços b) Accounting/Tax/Reporting c) Management & Consulting

Leia mais

Comunicado Reuters>bcp.Is Exchange>MCP Bloomberg>bcp pl ISIN PTBCP0AM00007

Comunicado Reuters>bcp.Is Exchange>MCP Bloomberg>bcp pl ISIN PTBCP0AM00007 26 de Outubro de 2010 Actividade do Bank Millennium (Polónia) no 3º Trimestre de 2010 O Banco Comercial Português, S.A. informa que o Bank Millennium S.A. com sede em Varsóvia, Polónia, entidade na qual

Leia mais

CRÉDITO AO INVESTIMENTO NO TURISMO

CRÉDITO AO INVESTIMENTO NO TURISMO GAI GABINETE APOIO AO INVESTIDOR CRÉDITO AO INVESTIMENTO NO TURISMO PROTOCOLOS BANCÁRIOS INFORMAÇÃO SINTETIZADA CRÉDITO AO INVESTIMENTO NO TURISMO PROTOCOLOS BANCÁRIOS ÍNDICE NOVAS LINHAS DE APOIO FINANCEIRO

Leia mais

Crédito para Estudantes do Ensino Superior com Garantia Mútua

Crédito para Estudantes do Ensino Superior com Garantia Mútua Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Crédito para Estudantes do Ensino Superior com Garantia Mútua Termos de referência para as condições mínimas de acesso ao Fundo de Contragarantia Mútua,

Leia mais

Microcrédito Millennium bcp

Microcrédito Millennium bcp Microcrédito Millennium bcp 1 Índice 1. Rede Autónoma de Microcrédito do Millennium Bcp Intervenção na vertente social Parceiros envolvidos Evolução do Microcrédito 2. Modelo de Negócio Missão do Microcrédito

Leia mais

Linha de Crédito Açores Investe Condições e Procedimentos

Linha de Crédito Açores Investe Condições e Procedimentos Linha de Crédito Açores Investe Condições e Procedimentos 1. Beneficiários: 1.1 Empresas com sede na Região Autónoma dos Açores, que desenvolvam actividade enquadrada na lista de CAE s abaixo mencionadas,

Leia mais

Linha de Crédito PME Investe III

Linha de Crédito PME Investe III Linha de Crédito PME Investe III Condições e Procedimentos I - CONDIÇÕES GERAIS DA LINHA DE CRÉDITO 1. Beneficiários: empresas localizadas nas regiões do Continente, salvo quanto à Linha Específica para

Leia mais

5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS

5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS 5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS 1 PRINCIPAIS DESTAQUES [Indicadores] Indicadores 2010 2011 RECEITA Crescimento da Receita Total 19,8 3,7 Receitas Correntes / Receita Total 61 67,2 Crescimento das

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL relativa à actividade desenvolvida durante o 1º TRIMESTRE DE 2001

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL relativa à actividade desenvolvida durante o 1º TRIMESTRE DE 2001 Banif - Banco Internacional do Funchal, SA e Grupo Banif Consolidado INFORMAÇÃO TRIMESTRAL relativa à actividade desenvolvida durante o 1º TRIMESTRE DE 2001 Banif - Banco Internacional do Funchal, SA Sociedade

Leia mais

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas PME Investe VI Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas Objectivos Esta Linha de Crédito visa facilitar o acesso ao crédito por parte das micro e pequenas empresas de todos os sectores de actividade,

Leia mais

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010 CÂMARA MUNICIPAL DE SANTARÉM - R EVOLUÇÃO ADMINISTRATIVA A Autarquia de Santarém, em parceria com a PT Prime, desenvolveu um sistema de soluções integradas e inter-operantes que lhe possibilitaram operacionalizar

Leia mais

Tendo em conta objectivos de sistematização dos relatórios de controlo interno, em base individual e consolidada;

Tendo em conta objectivos de sistematização dos relatórios de controlo interno, em base individual e consolidada; Avisos do Banco de Portugal Aviso nº 3/2006 Considerando que todas as instituições de crédito e sociedades financeiras, bem como os grupos financeiros, devem possuir um sistema de controlo interno adaptado

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Plano de Prevenção de Riscos de Gestão Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Introdução No âmbito da sua actividade, o Conselho de Prevenção da Corrupção (CPC), aprovou a Recomendação n.º 1/2009,

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS ANUAL

RELATÓRIO E CONTAS ANUAL RELATÓRIO E CONTAS ANUAL 2010 MENSAGEM DO PRESIDENTE O ano de 2010 foi um ano de transição na Unicre - Instituição Financeira de Crédito, S.A., impulsionada pela modificação na sua estrutura accionista

Leia mais

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Da União Europeia vão chegar até 2020 mais de 20 mil milhões de euros a Portugal. Uma pipa de massa, nas palavras do ex-presidente da Comissão

Leia mais

capítulo 7 Relacionamento com o consumidor de seguros e de fundos de pensões

capítulo 7 Relacionamento com o consumidor de seguros e de fundos de pensões capítulo 7 Relacionamento com o consumidor de seguros e de fundos de pensões 147 Relacionamento com o consumidor de seguros e de fundos de pensões 7.1 Considerações gerais Com vista a fomentar e facilitar

Leia mais

Criamos. valor à sua empresa

Criamos. valor à sua empresa Criamos valor à sua empresa ORGANIZAÇÃO Somos o que fazemos repetidamente. Então, a excelência não é um acto isolado, mas sim um hábito. Aristóteles Compromisso A FISCOSEGUR é uma organização que presta

Leia mais

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental 1 Melhoria do desempenho ambiental implementação do Sistema de Gestão Ambiental A Caixa Geral de Depósitos (CGD) tem implementado

Leia mais

COMUNICADO. Bank Millennium na Polónia apresenta Resultados de 2005

COMUNICADO. Bank Millennium na Polónia apresenta Resultados de 2005 BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Praça D. João I, 28, Porto Mat. CRC do Porto: 40.043 NIPC: 501.525.882 Capital Social Registado: 3.588.331.338 Euros COMUNICADO Bank Millennium na

Leia mais

Consortia e-market da Fileira Moda. para o Mercado Externo

Consortia e-market da Fileira Moda. para o Mercado Externo Consortia e-market da Fileira Moda para o Mercado Externo O que é? Consórcio entre empresas da Fileira Moda e a Exponor Digital destinado a criar e explorar uma ou mais lojas online, orientada(s) para

Leia mais

Eixo I Projectos de Forte Conteúdo de Inovação Eixo II Negócio Emergentes de Pequena Escala Eixo III Iniciativas Empresarias de Interesse Regional

Eixo I Projectos de Forte Conteúdo de Inovação Eixo II Negócio Emergentes de Pequena Escala Eixo III Iniciativas Empresarias de Interesse Regional Programa FINICIA 02.02.2006 retirado de www.iapmei.pt Caracterização dos eixos de intervenção Eixo I Projectos de Forte Conteúdo de Inovação Eixo II Negócio Emergentes de Pequena Escala Eixo III Iniciativas

Leia mais

Linhas de Crédito PME INVESTE IV

Linhas de Crédito PME INVESTE IV Linhas de Crédito PME INVESTE IV SECTORES EXPORTADORES MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Linhas de Crédito Bonificado com Garantia Mútua UNIÃO EUROPEIA Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional Gestão Marketing

Leia mais

ADL - Associação de Desenvolvimento do Litoral Alentejano

ADL - Associação de Desenvolvimento do Litoral Alentejano SISTEMAS DE INCENTIVO À ACTIVIDADE EMPRESARIAL Sistema de Incentivos à Inovação MODCOM Modernização do Comércio Linha de Crédito - PME INVEST III ADL - Associação de Desenvolvimento do Litoral Alentejano

Leia mais

Linha PME Investe V. Millennium bcp. Maio 2010

Linha PME Investe V. Millennium bcp. Maio 2010 Linha PME Investe V Millennium bcp Maio 2010 Protocolo celebrado entre o Millennium bcp, a PME Investimentos, o IAPMEI, as Sociedades de Garantia Mútua (Norgarante, Garval, Lisgarante e Agrogarante). Disponibiliza

Leia mais

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 Jaime Andrez Presidente do CD do IAPMEI 10 de Maio de 2006 Minhas Senhoras e meus Senhores, 1. Em nome do Senhor Secretário de Estado Adjunto, da Indústria

Leia mais

Advisory(Assessoria de Gestão)

Advisory(Assessoria de Gestão) Advisory(Assessoria de Gestão) Explorar a floresta aproveitando a incerteza, sem se perder entre as árvores As empresas que estão claramente focadas na criação de valor demonstram que sabem o que fazem,

Leia mais

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES 2015 2 Formar gestores e quadros técnicos superiores, preparados científica e tecnicamente para o exercício de funções na empresa

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro

Leia mais

PME Investe III LINHAS DE CRÉDITO ÀS EMPRESAS

PME Investe III LINHAS DE CRÉDITO ÀS EMPRESAS PME Investe III LINHAS DE CRÉDITO ÀS EMPRESAS Reforço dos Capitais Permanentes Nuno Gonçalves nuno.goncalves@iapmei.pt Linhas de Crédito Linhas LINHAS DE FINANCIAMENTO VALOR Operações Entradas Operações

Leia mais

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA Introdução Nesta edição do Catálogo de Serviços apresentamos os vários tipos de serviços que compõe a actual oferta da Primavera na área dos serviços de consultoria.

Leia mais

CONFERÊNCIA DISTRIBUIÇÃO DE SEGUROS E PRODUTOS FINANCEIROS FERNANDO FARIA DE OLIVEIRA

CONFERÊNCIA DISTRIBUIÇÃO DE SEGUROS E PRODUTOS FINANCEIROS FERNANDO FARIA DE OLIVEIRA CONFERÊNCIA DISTRIBUIÇÃO DE SEGUROS E PRODUTOS FINANCEIROS FERNANDO FARIA DE OLIVEIRA 28 de Novembro de 2014 AGENDA FUNÇÕES DA BANCA E DOS SEGUROS BANCASSURANCE E ASSURBANK RACIONAL E CONDICIONANTES EVOLUÇÃO

Leia mais

4º Congresso brasileiro de meios eletrônicos de pagamento, São Paulo - Brasil, 15/10/2009 4º Congresso brasileiro de meios eletrônicos de pagamento

4º Congresso brasileiro de meios eletrônicos de pagamento, São Paulo - Brasil, 15/10/2009 4º Congresso brasileiro de meios eletrônicos de pagamento Solução Made by Um cartão à medida de cada cliente, São Paulo - Brasil, 15/10/2009 São Paulo, 15-10-2009 1 Agenda Overview Os mercado de meios eletrônicos de pagamento em Portugal Posicionamento da Caixa

Leia mais

RELATÓRIO INTERCALAR DO EXERCÍCIO DE 2015

RELATÓRIO INTERCALAR DO EXERCÍCIO DE 2015 Sumário executivo No decurso do primeiro semestre de 2015, a Administração do BNI prosseguiu de forma consistente a missão, visão e objectivos do Banco orientados no objectivo central de contribuir para

Leia mais

21º Congresso Quantificar o Futuro. Venture Lounge 23 e 24 de Novembro - CCL

21º Congresso Quantificar o Futuro. Venture Lounge 23 e 24 de Novembro - CCL 21º Congresso Quantificar o Futuro Venture Lounge 23 e 24 de Novembro - CCL Programa Data Hora Actividade 23/Nov. 11:30 Inauguração Oficial Innovation Lounge Visita efectuada ao Venture Lounge por Sua

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 2 RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 ASPECTOS MAIS RELEVANTES: SIGNIFICATIVO CRESCIMENTO DA ACTIVIDADE DESIGNADAMENTE A CAPTAÇÃO DE RECURSOS

Leia mais

INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA

INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA A Formação no ISQ A actividade de Formação do ISQ tem sido uma forte aposta enquanto factor determinante para o desenvolvimento e melhoria de desempenho dos sectores tecnológicos

Leia mais

Abertas candidaturas à Linha de Crédito PME Investe VI

Abertas candidaturas à Linha de Crédito PME Investe VI Abertas candidaturas à Linha de Crédito PME Investe VI No seguimento do quadro de apoios concedidos às empresas portuguesas no âmbito das linhas de apoio PME Investe, estão abertas a partir de 18 de Junho

Leia mais

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução:

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução: EDIÇÃO 2011/2012 Introdução: O Programa Formação PME é um programa financiado pelo POPH (Programa Operacional Potencial Humano) tendo a AEP - Associação Empresarial de Portugal, como Organismo Intermédio,

Leia mais

BANCO NACIONAL DE ANGOLA DEPARTAMENTO DE SUPERVISÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS

BANCO NACIONAL DE ANGOLA DEPARTAMENTO DE SUPERVISÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS BANCO NACIONAL DE ANGOLA DEPARTAMENTO DE SUPERVISÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO SISTEMA FINANCEIRO ANGOLANO NO SEGUNDO TRIMESTRE DE 2011 1. INTRODUÇÃO É missão do Banco Nacional

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. Designação: VICTORIA PPR Acções

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À

SISTEMA DE INCENTIVOS À SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO AVISOS PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS INOVAÇÃO PRODUTIVA EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO Elisabete Félix Turismo de Portugal, I.P. - Direcção de Investimento PRIORIDADE

Leia mais

Desenvolvimento Rural. Capital Humano. Mar e Pescas

Desenvolvimento Rural. Capital Humano. Mar e Pescas ROADSHOW 2015 4 Grandes Grupos de Apoios Desenvolvimento Rural Competitividade e Internacionalização Capital Humano Mar e Pescas Beneficiários: Entidades Privadas Como Concorrer?? PRINCIPAIS LINHAS DE

Leia mais

SISTEMA PORTUGUÊS DE GARANTIA MÚTUA

SISTEMA PORTUGUÊS DE GARANTIA MÚTUA SISTEMA PORTUGUÊS DE GARANTIA MÚTUA Prof Braga de Macedo Agosto de 2011 José Fernando Figueiredo Presidente da SPGM, das SGM e da Associação Europeia do sector AGENDA 1. NECESSIDADES DAS EMPRESAS PORTUGUESAS

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Inovação Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 04/SI/2010 1 Índice Tipologias de Investimento... 3 Condições de Elegibilidade

Leia mais

Ficha de Informação Normalizada em Matéria de Crédito aos Consumidores, em Caso de Contratação à Distância - Geral. Informação pré-contratual

Ficha de Informação Normalizada em Matéria de Crédito aos Consumidores, em Caso de Contratação à Distância - Geral. Informação pré-contratual A. Elementos de Identificação 1. Identificação da instituição de crédito Ficha de Informação Normalizada em Matéria de Crédito aos Consumidores, em Caso de Contratação à Distância - Geral Informação pré-contratual

Leia mais

Auxílio estatal N 254/2002 Portugal Linha de crédito bonificada a investimentos do sector turístico.

Auxílio estatal N 254/2002 Portugal Linha de crédito bonificada a investimentos do sector turístico. COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 26.07.2002 C (2002) 2943 Assunto: Auxílio estatal N 254/2002 Portugal Linha de crédito bonificada a investimentos do sector turístico. Excelência, PROCEDIMENTO Por carta n.º

Leia mais

CARTÕES UNIBANCO APRESENTAÇÃO

CARTÕES UNIBANCO APRESENTAÇÃO CARTÕES UNIBANCO APRESENTAÇÃO A UNICRE UNICRE Instituição Financeira de Crédito, S.A Especialista em cartões de pagamento desde 1974 Sede: Av. António Augusto de Aguiar, 122 Lisboa www.unicre.pt Emissora

Leia mais

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ECONOMIA. Portaria n.º 1502/2002 de 14 de Dezembro

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ECONOMIA. Portaria n.º 1502/2002 de 14 de Dezembro MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ECONOMIA Portaria n.º 1502/2002 de 14 de Dezembro A Resolução do Conselho de Ministros n.º 103/2002, de 17 de Junho, publicada em 26 de Julho, que aprovou o PPCE - Programa

Leia mais

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente Grupo Pestana suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O trabalho de consolidação de informação permitiu desde logo abrir novas possibilidades de segmentação, com base num melhor conhecimento

Leia mais

Estudo de Remuneração 2015

Estudo de Remuneração 2015 2015 SECRETARIAL & MANAGEMENT SUPPORT Temporary & permanent recruitment www.pagepersonnel.pt Editorial Page Personnel ir ao encontro do talento A Page Personnel recruta para os seus clientes os melhores

Leia mais

Soluções CA para a Agricultura, Agro-Indústria Floresta e Mar

Soluções CA para a Agricultura, Agro-Indústria Floresta e Mar Soluções CA para a Agricultura, Agro-Indústria Floresta e Mar Quem somos O Grupo Crédito Agrícola é um Grupo Financeiro de âmbito nacional, integrado por um vasto número de bancos locais Caixas Agrícolas

Leia mais

Global Incentives Solutions*

Global Incentives Solutions* Incentives Solutions Global Incentives Solutions* Informação sobre incentivos ao investimento Número 6, Outubro de 2007 *connectedthinking What s hot Assinatura dos Programas Operacionais (PO) No passado

Leia mais

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço Política de Produto e Serviço Publicado em julho 2012 1 Fundada em 1876, a Caixa Geral de Depósitos (CGD) é o maior grupo financeiro nacional, atuando em diferentes áreas, designadamente na banca comercial,

Leia mais

Guia de Medidas de Apoio à Contratação

Guia de Medidas de Apoio à Contratação Guia de Medidas de Apoio à Contratação Incentivos financeiros e parafiscais de apoio à contratação Conteúdo do Guia Enquadramento Estágios Emprego Apoio à Contratação Via Reembolso da TSU Apoio à Contratação

Leia mais

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO PROMOÇÃO DA SAÚDE PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA DOENÇA REDUÇÃO DE DANOS E REINSERÇÃO

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO PROMOÇÃO DA SAÚDE PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA DOENÇA REDUÇÃO DE DANOS E REINSERÇÃO Para efectuar o projecto a que se propõe elaborar deve ler o Regulamento de Programa de Apoio Financeiro ao abrigo da Portaria n.º 1418/2007, de 30 de Outubro, bem como o aviso de abertura do concurso.

Leia mais

Financiamento das PME. Evolução fiscal e regulatória. Carlos Loureiro. 28 de Novembro de 2014. 2014 Deloitte

Financiamento das PME. Evolução fiscal e regulatória. Carlos Loureiro. 28 de Novembro de 2014. 2014 Deloitte Financiamento das PME Evolução fiscal e regulatória Carlos Loureiro 28 de Novembro de 2014 1 Temas a discutir Abordagem da temática Financiamento bancário: Panaceia ou factor de restrição? As alternativas

Leia mais

V I D A A T I V A. Emprego Qualificado. Desempregados. APOIO ÀS Start-Up`s

V I D A A T I V A. Emprego Qualificado. Desempregados. APOIO ÀS Start-Up`s V I D A A T I V A Formar e I n t e g r a r Emprego Qualificado Desempregados APOIO ÀS Start-Up`s APOIO AO EMPREENDEDORISMO Apresentar os elementos centrais da intervenção do IEFP no apoio ao Empreendedorismo:

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Princípios aplicáveis ao desenvolvimento dos Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno das Empresas de Seguros As melhores práticas internacionais na regulamentação

Leia mais

SIALM SISTEMA DE INCENTIVOS DE APOIO LOCAL A MICROEMPRESAS 1 SIALM SISTEMA DE INCENTIVOS DE APOIO LOCAL A MICROEMPRESAS

SIALM SISTEMA DE INCENTIVOS DE APOIO LOCAL A MICROEMPRESAS 1 SIALM SISTEMA DE INCENTIVOS DE APOIO LOCAL A MICROEMPRESAS 1 SIALM 2 OBJETIVO COMPLEMENTARIDADE O SIALM Sistema de Incentivos de Apoio Local a Microempresas foi criado pela Portaria n.º 68, de 15 de fevereiro, e enquadra-se no Programa Valorizar, estabelecido

Leia mais

INDICE. 2. A quem serve e para que serve 3. 3. Modalidades 4. 4. Breve resenha histórica internacional 6. Principais etapas de evolução 7

INDICE. 2. A quem serve e para que serve 3. 3. Modalidades 4. 4. Breve resenha histórica internacional 6. Principais etapas de evolução 7 INDICE Pág. 1. O que é o Factoring 2 2. A quem serve e para que serve 3 3. Modalidades 4 4. Breve resenha histórica internacional 6 5. O mercado de Factoring em Portugal Principais etapas de evolução 7

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS

RESULTADOS CONSOLIDADOS 2012 RESULTADOS CONSOLIDADOS Lisboa, 8 de Fevereiro de 2013 A presente informação anual não foi sujeita a auditoria. Processo de Recapitalização A 31 de Dezembro de 2012 foi anunciada a aprovação por parte

Leia mais

Apresentação do Sistema de Pagamentos. Easypay Tel +351 21 261 79 30 Fax +351 21 361 79 29 correio@easypay.pt

Apresentação do Sistema de Pagamentos. Easypay Tel +351 21 261 79 30 Fax +351 21 361 79 29 correio@easypay.pt Apresentação do Sistema de Pagamentos 2012 ÍNDICE 01 05 PORQUÊ EASYPAY EASYAPPS 02 06 COMO FUNCIONA SOBRE EASYPAY 03 07 PARA QUEM PARCERIAS 08 CONTACTOS 2 01 PORQUÊ EASYPAY Aumente as suas vendas aceitando

Leia mais

crédito ao investimento no turismo

crédito ao investimento no turismo Turismo de Portugal, I.P. Rua Ivone Silva, lote 6 1050-124 Lisboa Tel 211 140 200 Fax 211 140 830 apoioaoempresario@turismodeportugal.pt www.turismodeportugal.pt crédito ao investimento no turismo p r

Leia mais

Preçário UNICRE - INSTITUICAO FINANCEIRA DE CREDITO, INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS DE CRÉDITO

Preçário UNICRE - INSTITUICAO FINANCEIRA DE CREDITO, INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS DE CRÉDITO Preçário UNICRE - INSTITUICAO FINANCEIRA DE CREDITO, SA INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS DE CRÉDITO Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo da

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

SOFINLOC, Instituição Financeira de Crédito, S. A. Sede: Rua General Firmino Miguel, N.5-14. - 1600 LISBOA NIPC 501 370 048 / C.R.C.

SOFINLOC, Instituição Financeira de Crédito, S. A. Sede: Rua General Firmino Miguel, N.5-14. - 1600 LISBOA NIPC 501 370 048 / C.R.C. SOFINLOC, Instituição Financeira de Crédito, S. A. Sede: Rua General Firmino Miguel, N.5-14. - 1600 LISBOA NIPC 501 370 048 / C.R.C. Lisboa nº 3 053 BALANÇO EM 31.12.2006 Valores em milhares de Euros Dez-06

Leia mais