CARTOGRAFIA HISTÓRICA E CONCEITUAL DA BIBLIOMETRIA / INFORMETRIA NO BRASIL 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CARTOGRAFIA HISTÓRICA E CONCEITUAL DA BIBLIOMETRIA / INFORMETRIA NO BRASIL 1"

Transcrição

1 1 SUB-TEMA 2 Metrias da Comunicação científica: da bibliometria/informetria à webmetria Pierre Ohayon UFRJ CARTOGRAFIA HISTÓRICA E CONCEITUAL DA BIBLIOMETRIA / INFORMETRIA NO BRASIL 1 Lena Vania Ribeiro Pinheiro IBICT 2 Giselle Santos Silva Bolsista IC, CNPq 3 Abordagem histórica da Bibliometria / Informetria no Brasil, tendo por alicerces teóricos o pensamento de Solla Price e a evolução conceitual, com o objetivo de analisar a origem e percurso desta área, em especial no IBICT, instituição pioneira na introdução da Bibliometria, no início da década de Produção de dissertações e teses na pós-graduação do Instituto, seus respectivos orientadores e orientandos, gerações acadêmicas, enfoques e tendências em linhas de pesquisa, complementados pela identificação de outros focos de produção bibliométrica em nosso País. A promoção de cursos e eventos técnico-científicos, bem como a criação de grupos de pesquisa sobre a questão, apontam a expansão e fortalecimento das metrias da comunicação científica no Brasil e perspectivas promissoras pela convergência de competências e experiências acadêmicas em programas de pós-graduação, linhas e grupos de pesquisa. Palavras-chaves: Bibliometria no Brasil; Informetria; Conceitos; Dissertações e teses; IBICT 1. Alicerces teóricos 1

2 2 Ao pensarmos as profundas transformações do mundo contemporâneo, que se a- centuam na chamada Sociedade da Informação e do Conhecimento e a tornaram uma sociedade em rede, não podemos deixar de apontar as mudanças na ciência e tecnologia, decorrentes dessa nova ordem. Ainda em 1987, no seu discurso sobre as ciências publicado em várias edições, Boaventura da Silva (2002) afirma, de forma contundente:... os progressos científicos dos últimos trinta anos são de tal ordem dramáticos que os séculos que nos precederam desde o século XVI..., até o século XIX não são mais do que uma préhistória longínqua. Basta retroceder aos estudos de Derek de Solla Price (1976a) sobre o desenvolvimento da ciência moderna, que comprovaram a regularidade de seu crescimento até então, a partir do século 17, foco nucleador da revolução científica. Naturalmente, os campos do conhecimento enfrentam tais mudanças, desde as teóricas, a começar pela inter e transdisciplinaridade, às instrumentais, no uso de tecnologias de informação e comunicação TIC s. A Ciência da Informação, não só por ser um campo do conhecimento contemporâneo, como jovem ciência que é, bem como por sua natureza interdisciplinar e utilização intensiva das TIC s, está muito exposta à nova ordem tecnocultural. A partir dessas considerações iniciais, questões podem ser levantadas: os princípios, teorias, metodologias e leis da Bibliometria ainda são válidos atualmente, ou melhor, qual o seu papel na Ciência da Informação contemporânea? No Brasil e, particularmente no IBICT, introdutor e difusor da Bibliometria no Brasil, essas metodologias continuam a ser estudadas? Qual a sua relevância? Houve expansão da área? Este trabalho procura responder a algumas dessas questões e tem por objetivo principal analisar, em abordagem histórica e conceitual, o percurso da Bibliometria no Brasil, particularmente o seu desenvolvimento no IBICT, por meio de dissertações e teses do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação, convênio IBICT- UFRJ, bem como identificar a produção científica e competências de outras origens institucionais e mais recentes. A fonte adotada para o levantamento das dissertações e teses foi a listagem existente na Coordenação de Ensino, Pesquisa, Ciência e Tecnologia da Informação, do IBICT, elaborada com base no livro de atas das respectivas defesas. 2

3 3 Para identificação da produção científica em outras instituições foram utilizados, como ferramenta de busca e recuperação da informação na Internet, o Diretório dos Grupos de Pesquisas, do CNPq 4, complementado pela Plataforma Lattes, também do CNPq. No Diretório foram adotados os descritores Bibliometria, Informetria, Cientometria, avaliação de C&T e indicadores de C&T e dos nomes levantados foi verificada, para confirmação, a produtividade sobre essas questões. É oportuno esclarecer que, embora o Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação tenha funcionado no começo por mandato acadêmico com a UFRJ, a partir de 1983 por convênio, e de 2004 a 2008 com a UFF, as orientações quase na sua totalidade estão concentradas em pesquisadores e professores do IBICT, exceto na fase inicial, quando o Instituto ainda não havia titulado seu corpo docente e coube a professores estrangeiros ou de outras instituições essa responsabilidade. As relações acadêmicas com a UFRJ eram concretizadas pela presença de professores dessa Universidade em co-orientações, bancas, seminários e, da parte do IBICT, por aulas na graduação de Comunicação. Já no Programa com a UFF, o corpo docente era constituído pelas duas instituições convenentes mas, ainda assim, a única dissertação em Bibliometria foi orientada por professor do IBICT. 2 Caminhos entrecruzados da Bibliometria Estudar Bibliometria implica, necessariamente, em conhecimentos teóricos de História da Ciência, Sociologia da Ciência, Epistemologia, Estatística, Matemática, entre outros campos. Na Ciência da Informação, a disciplina Comunicação Científica é a base da Bibliometria, tanto que podemos afirmar que não é possível estudar Bibliometria, sem a passagem pela Comunicação Científica, embora o inverso seja viável. Entre os historiadores da ciência que mais contribuíram para os alicerces teóricos da Bibliometria, Price ( ), já mencionado, é um dos expoentes, com seus princípios e teorias e cuja produção científica é considerada, por Xavier Polanco (1995), trabalho fundador da Cientometria. A autora principal do presente trabalho sempre buscou, no pensamento de Price (1976a, 1976b), as bases teóricas para o estudo da Comunicação Científica e da Bibliometria, especialmente nas questões relativas ao caráter cumulativo da ciência, expansão da comunidade científica, padrões de produtividade científica, periódicos científicos, seu crescimento e importância. 3

4 4 Guardadas as devidas proporções e diferenças, é oportuno retomar a alguns princípios e teorias de Price, como o colégio invisível, e lembrar que a filosofia de sua formação, em torno de um campo do conhecimento ou área de interesse, a inexistência de uma instituição ou um lugar pré-determinado de aglutinação, um não-lugar, o aproximam dos colegiados do ciberespaço, de Gresham Jr. (1994) ou das comunidades virtuais, de acordo com a definição de Pierre Lévy (1998): Seus membros estão reunidos pelos mesmos núcleos de interesses (...). Ela vive sem lugar de referência estável: em toda a parte onde se encontram seus membros móveis...ou em parte alguma.... Por outro lado, um dos prognósticos de Price (1978) concretizou-se parcialmente, o da inexistência de autorias individuais a partir dos anos 1980, hipótese levantada pela constatação da forte incidência e rapidez no aumento do volume de trabalhos em colaboração. Mas, nessa pesquisa, ele tinha por fonte o Chemical Abstracts, portanto, um determinado campo do conhecimento, e a comunicação científica tem padrões específicos para cada área, dinâmicos no espaço e tempo, o que envolve não somente as condições socioculturais mas todo o sistema de ciência e tecnologia, com sua política, infra-estrutura de recursos humanos, laboratórios, informação e fomento, entre outros. Mas, ainda assim, as pesquisas de Price continuam a ser o alicerce para o estudo e compreensão da Bibliometria, nos intrincados meandros de suas redes científicas e sociotécnicas, no que ele próprio denominou ciência da ciência. Este reconhecimento é tanto mais relevante pela constatação de Egghe (2005), do crescente interesse e do maior número de fascículos de periódicos dedicados ao assunto, o que ele atribui tanto à Sociedade da Informação quanto à Informetria como uma disciplina da Ciência da Informação, ainda que seja também objeto de pesquisa de outras áreas, entre as quais as mencionadas no início deste tópico. Os e- xemplos citados foram o Information Processing and Management e o volume de artigos publicados no JASIST - Journal of the American Society of Information Science and Technology e no Scientometrics. 3. Primeiras definições e rede conceitual no tempo Na rede conceitual que se estabelece em torno das metrias em geral, cabe inicialmente recorrer a Urbizagástegui Alvarado (1984), no seu artigo A Bibliometria no 4

5 5 Brasil, no qual atribui a termos muito em voga nos anos de 1920, como biometria, psicometria e econometria, a criação da sociometria para se ocupar de problemas relativos ao socius (sócio, companheiro) e ao metrium (medida). Este autor, por sua vez, busca os seus fundamentos na definição de sociometria como estudo sobre a evolução e organização dos grupos e sobre a posição dos indivíduos nos grupos, a partir de análises matemáticas e técnicas experimentais (MORENO apud URBIZAGÁSTEGUI ALVARADO, 1984). Daí a sociometria teria chegado, nos anos 1960, à Ciência da Informação e outras áreas. Em trabalho apresentado na primeira CIPECC, Pinheiro e colaboradores (2006) relacionam os diferentes termos existentes e sua evolução no tempo, sem discutir conceitos, o que ora se concretiza. A primeira definição, durante muito tempo desconhecida, foi de Paul Otlet, em 1934, na sua obra Traité de Documentation, na qual Bibliometria seria: a parte definida da bibliologia que se ocupa da medida ou quantidade aplicada aos livros, referente à contagem de páginas, de palavras e de outros de seus elementos. Naturalmente esta primeira concepção, embora trate de medida, não corresponde à idéia aceita até hoje, traçada por Pritchard (1969) como todos os estudos que buscam quantificar os processos de comunicação escrita ou a aplicação de métodos matemáticos para livros e outros meios de comunicação. Outro termo que aparece é Cientometria 5, que Price (1969) considera pesquisas quantitativas de todas as coisas relativas à ciência e aquelas às quais se pode atribuir esse nome, enquanto para Polanco (1995) corresponde ao estudo quantitativo da ciência e da tecnologia, ou também tecnometria. Numa relação da Cientometria com a Bibliometria e no alargamento do conceito, Raan (1988) afirma, sobre a primeira, que pode-se considerar como uma bibliometria especializada no domínio da ICT. Todavia, a cientometria designa, de uma maneira geral, a aplicação de métodos estatísticos a dados quantitativos (econômicos, humanos, bibliográficos), característicos do estudo da ciência. Outro termo surge, em 1987, Informetria, cunhado e adotado pela FID - Federação Internacional de Documentação para designar o conjunto de atividades métricas relativas à informação, cobrindo também a Bibliometria e a Cientometria (EGGHE; ROUSSEAU, 1990). 5

6 6 Com o advento da Internet / Web e o uso desse recurso para estudos quantitativos em redes eletrônicas, mais duas terminologias são criadas: webmetria e netometria. Webmetria 6 refere-se a métricas na Web / Internet e redes sociais, tais como de citação e de colaboração (EGGHE, 2005). Já netometria, termo introduzido em 1995 por Bossy, em artigo no Solaris, teve como ponto de partida o trabalho intensivo com e na Internet e seu interesse em descobrir as suas repercussões nas comunidades científicas, consideradas ampliadas pela rede, e na Cientometria. Segundo esta autora brasileira, na Internet podemos observar a ciência em ação e há perspectivas de integração de diferentes aspectos da atividade sócio-cognitiva da ciência e suas relações com a transferência de tecnologia (BOSSY, 1995). Sobre os conceitos e definições para as diferentes metrias, constatamos também hierarquias pensadas de forma distinta, por diversos autores. Se for considerada a cronologia, a cadeia conceitual partiria da Bibliometria, seguida da Cientometria, Informetria e finalizaria com a Webmetria e Netometria, este último termo praticamente não utilizado, exceto pela autora (BOSSY, 1995) que o criou e adotou. Para Egghe (2005), Informetria engloba a Bibliometria, a Cientometria e a Webometria, sendo definido como um termo mais amplo, abrangendo todos os estudos métricos relacionados com a Ciência da Informação, incluindo Bibliometria (bibliografias, bibliotecas...), Cientometria (política científica, análise de citação, avaliação de pesquisa...) Webometria (métricas na Web, na Internet e outras redes sociais, tais como citação e redes de colaboração). Para as autoras do presente trabalho, o termo mais abrangente seria Cientometria, correspondendo a estudos métricos de natureza política (política de C&T), econômica (investimentos em C&T, PIB), social (população versus número de pesquisadores, doutores), enquanto a Informetria, composta por métodos estatísticos e matemáticos para medir a informação, qualquer que seja o suporte, abrigaria a Bibliometria, com o mesmo tipo de medição, mas para a informação em documento impresso e a Webmetria, em geral, aplicaria essa metodologia para medir a informação na Web, utilizando mecanismos de busca e softwares específicos. Todos esses métodos gerariam indicadores, que são o seu produto, assim explicitados por Raan (1988): Os estudos quantitativos da ciência e da tecnologia representam o campo da pesquisa no qual se utiliza métodos e técnicas matemáticas, estatísticas e de análise de dados, a fim de reunir, manipular, interpretar e prever 6

7 7 uma variedade de características tais como desempenho, desenvolvimento e dinâmica da ciência e da tecnologia. As discussões conceituais antecedem e são fundamentais até para a compreensão das linhas de pesquisa e abordagens seguidas no Brasil, enfocadas no próximo tópico. De acordo com o pensamento das autoras, conforme foi visto, a Informetria abrigaria a Bibliometria, portanto, estes dois termos, neste artigo, a partir daqui serão apresentados juntos: Bibliometria / Informetria. 4. Produção científica em Bibliometria/ Informetria no Brasil No Brasil, numa visão histórica, podemos identificar dois tipos de fontes de produção científica e de disseminação de métodos bibliométricos / informétricos: um no IBICT e outro de pesquisadores individualmente, de diferentes órgãos de ensino e pesquisa, que começam a se configurar como um esforço institucional, com tendência à formação de grupos de pesquisa em metrias da informação. A primeira fonte, o IBICT, no seu duplo papel de Instituto de pesquisa voltado à informação científica e tecnológica - ICT e Ciência da Informação, gerador de produtos e serviços de informação, como infra-estrutura de C&T, muito naturalmente tendeu aos estudos de informação impressa, Bibliometria, visando mais à gestão da informação. A segunda fonte, originada de estudos sociais da ciência, nasce de preocupações com a política de ciência e tecnologia e caracteriza-se pela abordagem da Cientometria e geração de indicadores. Na análise de ambas, a seguir, embora essas distinções sejam claras no início dos estudos, seu desenvolvimento caminha para a convergência, tendo os autores oriundos do IBICT, embora predominantemente no foco já mencionado, gradativamente direcionado suas pesquisas para aspectos de política de C&T,avaliação e indicadores. Isto não significa que dissertações e teses nessa temática não tenham sido desenvolvidas no Instituto, mesmo no início, ainda que fosse privilegiada mais a linha bibliométrica / informétrica. 4.1 Produção científica no IBICT Em nosso País, a introdução da Bibliometria se deve a Tefko Saracevic, da Case Western Reserve University 7, na qualidade de professor do primeiro Mestrado em Ciência da Informação do Brasil e da América Latina, iniciativa do então IBBD, Instituto Brasileiro de Bibliografia e Documentação, a partir de 1976 IBICT, e que funcio- 7

8 8 nou durante os primeiros anos, por mandato acadêmico da UFRJ, conforme já explicado. A disciplina ministrada por Saracevic, que incluía Bibliometria, era Processamento de dados na Documentação, posteriormente Sistema de Recuperação da Informação, sob a responsabilidade da Professora Gilda Braga, sua orientanda e seguidora, que deu continuidade às aulas e orientações na linha iniciada por seu mestre. A presença de professores estrangeiros na pós-graduação do País era um procedimento natural, no momento em que ainda havia poucos brasileiros pós-graduados. Assim, outros professores participaram da formação de mestres em Ciência da Informação do IBICT-UFRJ e orientaram dissertações até o ano de 1981, conforme assinalado por Pinheiro e Loureiro (1995): Frederick Wilfrid Lancaster (34 orientações), Tefko Saracevic (13 orientações), LaVahn Marie Overmyer, Bert Roy Boyce e Jack Mills, 2 orientações cada, além de John Joseph Eyre, Ingetraut Dahlberg e Suman Datta. Assim, o papel irradiador do IBICT, em Bibliometria, está concentrado sobretudo em dissertações e na produção científica daí decorrente, tanto por parte dos precursores quanto dos alunos que, titulados e exercendo o magistério no IBICT e em universidades, continuaram pesquisas nessa linha e as disseminaram em artigos e comunicações em congresso. É oportuno esclarecer que no IBICT, como não havia prática regular de publicações conjuntas orientando / orientador, a partir das dissertações e teses, a produção, significativa, como veremos a seguir, ficou muito confinada ao documento original das dissertações que, quando disseminadas em outros canais como artigos, por exemplo, eram identificadas somente pelo nome do orientando, algumas vezes sem remeter ou identificar sua origem em dissertação ou tese, o que certamente obscureceu o papel do IBICT e seu pioneirismo na pesquisa em Bibliometria e na difusão dessa metodologia no Brasil, questão a qual retornaremos. Nesse mapeamento, o artigo de Urbizagástegui Alvarado (1984), ele próprio egresso do IBICT, como mestrando, e estudioso dedicado a questões bibliométricas, especialmente Lotka, é fundamental. Sua pesquisa foi desenvolvida essencialmente para responder a algumas perguntas, entre as quais: Qual o centro difusor da bibliometria no Brasil? Quais são seus difusores? Atuam na frente de pesquisa da área?. 8

9 9 Conforme o objetivo do presente estudo, foram levantadas as dissertações e teses desenvolvidas no IBICT, distribuídas por décadas, sendo as primeiras, nos anos 1970, apresentadas no quadro 1. Quadro 1: Dissertações do IBICT-UFRJ, ANO PRODUÇÃO % , , , , , , , ,7 Total % Na década de 1970 pode ser observada uma produtividade regular de dissertações, defendidas em todos os anos, dois a partir do início do Mestrado, sendo as primeiras, no mesmo ano e dia (20 de dezembro de 1972), de Laura Maria de Figueiredo, Distribuição da literatura geológica brasileira: estudo bibliométrico, e de Gilda Maria Braga, Relações bibliométricas entre a frente de pesquisa (research front) e revisões de literatura: estudo aplicado à Ciência da Informação, ambas orientadas por Tefko Saracevic, da primeira geração de orientadores, denominados por Urbizagástegui introdutores. O levantamento desse autor, utilizando diversas fontes disponíveis, à época, vai até 1983 e indica um total de 78 trabalhos gerados nesse período, no Brasil, o que representa um número significativo, distribuído principalmente entre dissertações e teses (43,5%), artigos de periódicos (33,3%) e 5,4% de comunicações em anais de congresso (URBIZAGÁSTEGUI ALVARADO,1984). Deste levantamento constam duas teses, identificadas na lista anexada ao artigo do autor, defendidas no exterior, a primeira de Gilda Braga, Dynamics of scientific communication: an application to science funding policy, aprovada na Case Western Reserve University, em 1977, e a segunda de Heloisa T. Christóvão, na Philadelphia Drexel University, em 1983, cujo titulo foi: The aging of the literature of biomedical sciences in developed and underdeveloped countries. Conforme pode ser constatado, a tese de Braga (1977) trata diretamente de política científica e a de Christóvão (1983) enfoca de forma indireta essa questão, ao abordar países desenvolvidos e em desenvolvimento. Tanto Braga quanto Christóvão representam a segunda geração de 9

10 10 orientadores, sendo a primeira protagonista da história da Bibliometria no Brasil, com inúmeras orientações, conforme veremos a seguir. Sua intensa atuação nessa especialidade pode ser comprovada até hoje, pelos cursos recentes ministrados, na qualidade de especialista-visitante do IBICT, um dos quais por vídeo conferência com alunos do Rio de Janeiro e de Brasília. Suas atividades de ensino e pesquisa nessa bolsa culminaram no Workshop de Metrias da Comunicação Científica: Bibliometria, Informetria, Cientometria e Webmetria. (http://www.ibict.br/noticia.php?id=534), realizado nos dias 20 e 21 de agosto de Na década de 1980, embora a produtividade de dissertações tenha diminuído, a regularidade continua, com a ausência de dissertações apenas nos anos de 1986 a 1987, conforme pode ser visto no quadro 2. Quadro 2: Dissertações IBICT-UFRJ, ANO PRODUÇÃO % , , , , , , , ,28 Total % Este é um período em que os professores estrangeiros já não fazem parte do corpo docente do Programa e, conseqüentemente, não mais orientam, portanto, esse papel passa completamente para professores brasileiros do IBICT, sobretudo Gilda Braga, que orienta a grande maioria. Ao mesmo tempo começa a aparecer uma terceira geração, no caso, Lena Vania Ribeiro Pinheiro, orientanda da Professora Gilda Braga e que inicia as suas orientações nessa fase. Tanto na década anterior como nesta de 1980 são estudadas e aplicadas diferentes leis e princípios bibliométricos, como as leis de Bradford, Zipf, Lotka, Goffman, frente de pesquisa ou elitismo, característica das pesquisas desenvolvidas no IBICT, pouco constatadas em outras instituições. Na década de 1990 a produtividade se mantém, numa distribuição também sistemática a cada ano, com lacunas em 1994, 98 e 99, o que pode começar a refletir a a- 10

11 11 posentadoria da Professora Gilda Braga, em 1999, cujo afastamento de orientações começou nos anos anteriores, tendo a última sido em 1996 (Quadro 3). Quadro 3: Dissertações IBICT-UFRJ, ANO PRODUÇÃO % , , , , , , ,66 Total % As questões, nessa década, envolvem principalmente estudos de literatura, produtividade científica e citações em diferentes áreas (Veterinária, Ciência da Informação, Física Nuclear, Educação, Química, Comunicação e Arqueologia) ou de periódicos científicos, na linha de produtividade e núcleos básicos (Lei de Bradford), também em diversos campos do conhecimento (História, Fruticultura Tropical e Subtropical, Agricultura, Educação) aparecendo, ainda, análises de literatura tomando como material dissertações e teses. A queda do número de dissertações sobre Bibliometria, que começou a ser observada no final dos anos 1990, se acentua a partir de 2000, tanto que faltando apenas dois anos para a década se encerrar, apenas cinco dissertações e uma tese de doutorado (a única nessa temática até hoje) foram desenvolvidas adotando a Bibliometria / Informetria, conforme é mostrado no quadro 4. Quadro 4 : Dissertações e tese IBICT-UFRJ e IBICT-UFF, ANO PRODUÇÃO % * 49, , , ** 16,6 Total 6 100% * Duas dissertações e uma tese ** Única dissertação em Bibliometria do convênio IBICT-UFF Do total geral de 1972 a 2008 foram levantadas 57 dissertações, sendo uma tese e, embora o convênio a partir de 2004 tenha sido com a UFF, todas foram orientadas 11

12 12 por professor do Instituto, o que comprova a convergência para o IBICT, na pesquisa em Bibliometria/ Informetria e aplicação dessa metodologia. A produtividade por orientação é apresentada no quadro 5, no qual estão retratadas as três gerações de orientadores no IBICT e considerados os orientadores principais, e não os co-orientadores, numa continuidade e atualização do artigo de URBI- ZAGÁSTEGUI ALVARADO (1984). ORIENTADOR ORIENTANDO-ANO TOTAL BRAGA, Gilda, IBICT (Carvalho, 1975); (Sá, 1976); (Braga, H.,1979); 17 (Christóvão,1979); (Ferrez, 1981); (Pinheiro, 1982); (Costa, 1982); (Nascimento, 1983); (Neri, 1984); (Peixoto, 1985); (Cavalcanti, 1989); (Souza, 1989); (Barreto, 1991); (Coelho, 1991)*; (Russo, 1992);(Santos, 1992); (Maranhão, 1996). PINHEIRO, Lena Vania R., (Rodrigues Garcia, 1988) ; (Valois, 1990); (Coutinho, 9 IBICT 1991); (Brasil, 1992)*; (Silva, J. 1995)*; (Sou- za,1995)*; (Martins, 2000); (Silva, M. 2000); (Nicolau, 2008). SARACEVIC, Tefko, professor (Braga, G. 1972); (Figueiredo, 1972); (Fernandez, 9 visitante 1973); (Ippolito, 1973); (Maia, 1973);(Dussilek, 1974); (Di Giorgi, 1974); (Paranhos, 1975); (Oliveira, 1976). FIGUEIREDO; Laura Maia, (Gomes, 1977); (Gusmão, 1977);(Nosetti Menendez, 4 IBICT 1978); (Rodrigues, 1981). LANCASTER, Frederick (Barbosa, 1979); (Queiroz, 1979); (Ribeiro, 1979). 3 Wilfrid, professor visitante SOUZA, Rosali F. de, IBICT (Weltman, 1992)*; (Decourt, B, 1993); Pedrini 3 (2000). Quadro 5: Orientadores e orientandos, distribuídos por ano de titulação * Orientações nas quais participaram co-orientadores. Nessa relação, dois professores são os pioneiros ou primeira geração, Saracevic e Lancaster. O maior volume de orientações está dividido entre professores do IBICT e os estrangeiros, sendo Gilda Braga, da segunda geração acadêmica,. a grande irradiadora dessa metodologia, concentrando 17 orientações, seguida de uma orientanda sua, Pinheiro, terceira geração, já formando a quarta. Outra professora do Instituto, Laura Maia Figueiredo, faleceu em 1994, e a Professora Rosali Souza está atualmente mais dedicada à organização do conhecimento, embora ainda oriente nessa temática, tanto que a única tese (Pedrini, 2000), foi por ela orientada. 12

13 13 Diversos professores, a maioria do IBICT (três hoje aposentadas, Helena Braga, Heloisa Christóvão e Maria de Nazaré Pereira), orientaram esporadicamente dissertações e teses em Bibliometria / Informetria, com apenas um orientando, indicado entre parênteses: ALBAGLI, Sarita, IBICT (Mousinho, 2001); BOYCE, Bert Roy, professor visitante (Caldeira, 1974); BRAGA, Helena M. Pereira, IBICT (Braga, L., 1982); CARVALHO, Maria Martha de, UFMG (Campos, 1980); CRISTOVÃO; Heloísa Tardin, IBICT (Mello, 1991); FERREIRA, Délia Valério, CLAF (Lopez Roblero, 1974);GARCIA, Maria Lucia de Andrade, UFMG (Carvalho, 1976); GONZÁLEZ DE GÓMEZ, Maria Nélida, IBICT (Rocha, 1997); KOSOVSKI, Ester, UFRJ (Lima, 1992); MACHADO, Ubaldino Dantas, Embrapa (Souza,1982); e PEREIRA, Maria de Nazaré Freitas, IBICT (Figueiredo Neto, 2003). Após este mapeamento da produção científica em Bibliometria / Informetria gerada no IBICT, no próximo tópico serão identificados pesquisadores também especialistas nas metrias da comunicação científica, atuantes em diferentes instituições brasileiras. 4.2 Produção Científica em outras instituições A segunda fonte de estudos e pesquisas em Bibliometria / Informetria e Cientometria, conforme explicitado no tópico 4, é composta mais por professores, individualmente, e, em menor escala, por pesquisadores de uma mesma instituição, representando um esforço coletivo. Outro aspecto a ser destacado é a área de atuação desses pesquisadores, formada por dois conjuntos: um dos que não exercem atividades em Ciência da Informação, mas desenvolvem pesquisas em metrias da comunicação científica ou indicadores de C&T e, o segundo, daqueles que atuam nessa área, com graduações distintas. Do primeiro grupo fazem parte os professores Léa Velho (UNICAMP), Rogério Meneghini, (USP), Pierre Ohayon (UFRJ/FACC), e Jacqueline Leta (UFRJ/Ciências Biológicas); e, do segundo, aqueles que exercem atividades de ensino e pesquisa nesse campo, entre os quais Jaime Robredo (UnB), Dinah Población ( USP), Susana Mueller (UNB), Ida Stumpf (UFRS), Maria Cristina Piumbato Hayashi ( UFSCAR) e Raimundo Nonato Macedo dos Santos (UFSC). Estes pesquisadores destacam-se nesse tema, por sua produção sistemática, relevante e mais longa no tempo, o que 13

14 14 não significa que este trabalho tenha esgotado o assunto ou esteja completo, e menos ainda desmereça outros pesquisadores que geram conhecimento em metrias, eventualmente ou de forma regular, como os da Embrapa e da Universidade Federal do Paraná, por exemplo. O primeiro grupo é iniciado pela Professora Lea Velho, da UNICAMP, nome dos mais expressivos e com produção intensa, no Brasil e exterior, com forte atuação na Política Científica e Tecnológica, o que inclui indicadores de C&T. A autora pesquisa na área desde o início da década de 80, nessa fase focando citações (VELHO e KRIGE, 1984 e VELHO, 1986) e manifestando a sua inquietação sobre como medir a ciência (1985). Lea Velho segue uma linha de estudos sociais da ciência desde o início, o que se justifica por seu doutorado em Política Científica e Tecnológica, pela Science Policy Research Unit - SPRU, University of Sussex, em 1985, diferentemente das dissertações iniciais do IBICT, algumas mais quantitativas. No entanto, também é constatada a forte influência do historiador da ciência Solla Price, que participou do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação, IBICT-UFRJ, na qualidade de conferencista, bem como de fundamentos teóricos em estudos sociais da ciência, recorrendo a autores como Ziman, Kuhn, Merton, Bronowski e Bunge, entre outros. A produtividade de Velho, quantitativa e qualitativamente expressiva, tem sua temática direcionada também à produção e uso do conhecimento, à formação de recursos humanos para pesquisa e cooperação internacional, sem se afastar das metrias da comunicação científica e de suas preocupações desde sempre, com os indicadores (LIMA e VELHO, 2008). A literatura produzida por Lea Velho é conhecida e reconhecida por pesquisadores e professores do IBICT, que a citam bastante em suas pesquisas em Ciência da Informação. O pesquisador Rogério Meneghini, da USP, cientista de renome nacional e internacional em Bioquímica, a partir do final da década de 1980 passou a se dedicar à comunicação científica, política de C&T e indicadores, questões sobre as quais publicou relevantes trabalhos, no exterior e no Brasil. Uma de suas primeiras publicações nessa linha trata de indicadores alternativos de avaliação da produção científica no Brasil (MENEGHINI, 1988). O Professor Meneghini foi um dos criadores do SciELo e em alguns de seus trabalhos tem contado com a colaboração de especialistas em ICT, como Abel Packer, da Bireme, o que pode ser exemplificado por uma de suas 14

15 15 mais recentes publicações (MUGNAINI ; PACKER ; MENEGHINI, 2008) e também tem publicado em colaboração com Jacqueline Leta, (MENEGHINI ; LETA, 2002), incluída entre os autores estudados. Ainda no primeiro grupo, o Professor Pierre Ohayon, da Faculdade de Administração e Ciências Contábeis-FACC, da UFRJ, tem toda a sua formação e pós-graduação em Administração e a gestão e avaliação de C&T são os pontos focais de suas atividades de ensino e pesquisa, desde os meados da década de Uma de suas primeiras publicações foi a comunicação em congresso sobre a avaliação de C&T brasileira (MARCOVITCH, OHAYON, 1984) e o artigo sobre indicadores na Petrobrás (MORAES; OHAYON; LEITÃO,1989). Na continuidade de suas pesquisa e entre as mais recentes, Ohayon propôs um modelo para a avaliação de programas de pesquisa, desenvolvimento tecnológico e inovação (OHAYON, ROSENBERG, 2007). Sua atividade para formação de recursos humanos em avaliação de programas e projetos em C&T é intensa, especialmente em cursos de curta duração. Encerra este grupo a professora da UFRJ Jacqueline Leta, a mais jovem, mas com expressiva e consistente produção científica, no Brasil e exterior. Oriunda da área de Ciências Biológicas, tem mestrado e doutorado em Gestão, Educação e Difusão de Ciências, também pela UFRJ. Sua especialidade é a produção científica nacional, daí ter publicado, como co-autora, o livro O perfil da ciência brasileira (MEIS, LETA, 1996).Dedica-se especialmente a indicadores de C&T, o que inclui a pósgraduação brasileira, na sua relação com a produtividade científica (LETA, LANNES, MEIS, 1997), além de estudos de gênero, no caso, da presença feminina na ciência no Brasil. O segundo grupo, vinculado à Ciência da Informação, tem no Professor Jaime Robredo um dos precursores da área no Brasil. Com formação acadêmica em Química, inclusive pós-doutorado na Holanda, exerceu atividades no Serviço de Documentação do Instituto do Vidro, em Paris, por mais de dez anos. No Brasil, a partir de 1974 continuou nessa linha de estudos e tem devotado a sua vida acadêmica à Ciência da Informação. Um dos seus primeiros trabalhos foi elaborado na década de 1970 ( ROBREDO, 1975) e o foco de suas pesquisa são as técnicas bibliométricas nos processos de indexação e recuperação da informação, bem como listas básicas de periódicos, inclusive em Agricultura. 15

16 16 Atualmente, Jaime Robredo é líder do Grupo de Pesquisa de Representação e Organização da Informação e do Conhecimento, que inclui entre as linhas de pesquisa Estudos Métricos de Informação ( Informetria) e um de seus mais recentes trabalhos, nesse assunto, data de 2005 (ROBREDO, J. ; CANTANHEDE, R. S., 2005). Participa de seu Grupo de Pesquisa a professora Marisa Brascher, também da UnB, que já apresenta produção em Bibliometria. Na mesma Universidade, a Professora Suzana Mueller também há longo tempo dedica-se à Comunicação Científica, é líder de Grupo de pesquisa com o mesmo nome, e foi coordenadora do GT7 -Produção e Comunicação da Informação Científica, da Ancib ( ). A temática de seus estudos têm sido o periódico científico, incluindo o estabelecimento de listas básicas, e produção científica. Sobre essas questões tem publicado inúmeros trabalhos, adotando metodologias quantitativas, desde o início dos anos 1990 (MUELLER, 1991), continuando nessa abordagem até os dias atuais, conforme comprova um de seus mais recentes trabalhos ( MUELLER, 2008). A professora Sely Costa é outra líder do Grupo de Comunicação Científica, com estudos voltados ao acesso aberto, que incluem indicadores de sustentabilidade de periódicos eletrônicos brasileiros Outra professora da Ciência da Informação é Dinah Población, da USP, que há muito anos desenvolve pesquisa sobre produção científica em diferentes campos do conhecimento como Saúde (POBLACIÓN, 1986), e especialmente na Ciência da Informação, numa contribuição relevante para o mapeamento dessa área e seu desenvolvimento. Como decorrência dessas pesquisas a professora fundou, em 1992, o Núcleo de Pesquisa de Produção Científica, na USP/ECA (http://www.eca.usp.br/nucleos/pc/projeodonpcnacomunidadecientfica.htm), que congrega inúmeros pesquisadores e cuja produção tem sido disseminada em diversas publicações. Entre os trabalhos mais recentes merece destaque um artigo sobre produção científica em Ciência da Informação (POBLACIÓN, 2005) Em outra Universidade, a Federal do Rio Grande do SUL- UFRGS, a Professora Ida Stumpf, além de ser líder do Grupo de Pesquisa Comunicação Científica, abrangendo as metrias, também coordena o GT-Grupo de Trabalho da ANCIB nessa disciplina. Na sua atuação acadêmica, principalmente a partir dos anos 2000, tem produzido e orientado nessa linha, na pós-graduação, na qual conta com o reforço da Profa. Sonia Caragnato. Nas suas pesquisas os métodos bibliométricos são aplica- 16

17 17 dos sobretudo à produção cientifica da Comunicação e da Ciência da Informação, o que inclui análises de citação (STUMPF, I. R. C. ; MESQUITA, R. M. A., 2004). Com produção em metrias, especialmente dos anos 2000 em diante, a professora Maria Cristina Hayashi, da UFSC, tem formação em Ciências Sociais e pósgraduação em Educação, daí suas pesquisas com aplicação nessa área, abrangendo Educação Especial e Educação jesuítica. Seus numerosos trabalhos abordam principalmente a produção científica das áreas mencionadas, a mais recente deste ano (HAYASHI, M. C. P. I. et al., 2008). Encerra o grupo de pesquisadores com atuação em Ciência da Informação, o Professor Raimundo Nonato Macedo dos Santos, anteriormente na PUCCAMP e hoje na UFSCAR. Graduado em Engenharia Civil, passou a se dedicar às metrias da comunicação científica nos anos 1990, o que pode ter sido decorrência de seu mestrado e doutorado na Université Aix Marseille III, na qual professores adotam métodos bibliométricos, tendo como recurso softwares especialmente desenvolvidos nessa Universidade.Entre os seus trabalhos, que analisam principalmente a produção da Ciência da Informação, um dos mais recentes trata das dissertações e teses ( SANTOS, R.N.M. et al., 2007) Considerando que o objetivo deste tópico do trabalho foi abordar pesquisadores fora do IBICT, deixa de ser analisada a produção da autora principal deste texto e que foi um dos nomes levantados nos Grupos de Pesquisa com o enfoque das mestrias da comunicação científica e do qual participa a professora Gilda Braga. 5. Convergências e perspectivas promissoras para as metrias no Brasil As abordagens teóricas e aplicações bibliométricas e informétricas entre pesquisadores brasileiros especialistas em metrias da comunicação científica, consideradas as áreas de atuação e de formação, e órgãos de origem, verificadas no decorrer deste trabalho, apontam para diversidade, convergências, fortalecimento e expansão desse campo de estudos, comprovados pelos cursos, crescimento de grupos de pesquisas e produtividade, novos eventos e associações. Do lado do IBICT, o retorno da professora Gilda Braga ao Programa de Pós- Graduação em Ciência da Informação e seus cursos recentes de mestrias da comu- 17

18 18 nicação científica e a criação do GEM Grupo de Estudos em Metrias, reunindo profissionais de informação de diferentes instituições (UFRJ, FIOCRUZ, PUC-Rio, Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, COMLURB, VTLS, entre outros) trazem um novo sopro para revitalização da Bibliometria / Informetria. A recém inserção dos professores Pierre Ohayon e Jacqueline Leta no Programa de Pós- Graduação em Ciência da Informação, novamente em convênio do IBICT com a UFRJ completa o quadro altamente favorável aos avanços desses estudos. Institucionalmente, alguns fatos são importantes no Instituto: a atuação do Grupo de Pesquisa Comunicação e Divulgação Científicas, que abriga estudos bibliométricos / informétricos e a implantação do LABCOM Laboratório de Pesquisas em Comunicação Científica, que proporciona infra-estrutura tecnológica para o desenvolvimento de estudos e pesquisas nessa linha. Não podem deixar de ser mencionados os repositórios de acesso livre, movimento liderado por Helio Kuramoto: o SEER - Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas e a BDTD - Biblioteca Digital de Teses e Dissertações, do IBICT, rico material a ser explorado para geração de indicadores. Nas Universidades foi constatado o crescimento e fortalecimento de grupos dedicados às metrias da comunicação científica, na UnB, USP, UFRJ e UFRGS, até num esforço inter-institucional, por exemplo, de participação de pesquisadores de diferentes instituições, num mesmo Grupo de Pesquisas, o que pode ser exemplificado com a UnB e IBICT e UnB e UFRG, inclusive no desenvolvimento de pesquisa conjuntas. São forças acadêmicas para impulsionar, intensificar e expandir estudos e pesquisas em metrias da comunicação científica, além de outras iniciativas e produção científica detectadas na Universidade do Paraná, Embrapa, inclusive Embrapa Amazônia Oriental, FIOCRUZ e outras entidades. Por outro lado, a institucionalização da pesquisa tem sido fortalecida por uma série de iniciativas e eventos. Na Bireme, o SciELo abre maiores possibilidades de estudos bibliométricos, pelo instrumental disponível e, ao mesmo tempo, para o desenvolvimento, de forma mais sistemática, de pesquisas com cientistas de determinados campos do conhecimento, como Meneghini, e especialistas em Ciência da Informação, por exemplo, Abel Packer e estatísticos, como Rogério Mugnaini. Reuniões como o CRICS - Congresso de Informação em Ciências da Saúde têm privilegiado a comunicação científica e as metrias, cujo melhor exemplo é o mais recente, o oitavo, realizado de 16 a 19 de setembro de 2008, tendo entre os temas 18

19 19 políticas e programas em informação e comunicação científica e estado da arte da comunicação científica. Como experiência preparatória para o ISSI -International Society for Scientometrics and Informetrics, planejado para julho de 2009, no Rio de Janeiro, foi realizado o EBBC- 1º Encontro Brasileiro de Bibliometria e Cienciometria. Nesses três eventos deve ser ressaltada a participação de representantes das diferentes fontes da produção científica em Bibliometria / Informetria no Brasil, estudadas neste trabalho: IBICT, UNICAMP, UFRJ e BIREME. Finalmente, o evento no qual está sendo apresentado este trabalho, a II Conferência Ibero-Americana de Publicações Eletrônicas no Contexto de Comunicação Científica, reunindo a maioria das instituições e pesquisadores mapeados neste estudo, presentes no Comitê Científico, nos Workshops, como instrutores, em palestras, trabalhos apresentados e no desempenho de atividades de coordenação e relatoria de mesas. Esta Conferência representa a integração de competências e experiências diversificadas na revitalização, aprofundamento e expansão das metrias de comunicação científica, num aceno de perspectivas promissoras. Conceptual and historical cartography of Bibliometrics / Informetrics in Brazil. Abstract Historical approach of Bibliometrics/Informetrics in Brazil, theoretically and conceptually based upon the ideas of Solla Price in order to analyze this area s origins and trajectory specially at IBICT s, a pioneer institute in introducing Bibliometrics, in the beginning of the 70 s. Analysis was done in dissertation and theses of IBICT s graduate program, including advisors and advisees, academic generations, foci and tendencies in research trends, complemented by the identification of other foci of Bibliometric production in our Country. Promotion of courses and technical-scientific events, as well as the creation of research groups on the subject point out to the expansion and strengthening of Metrics of Scientific Communication in Brazil; it also points out to promising perspectives caused by the convergence of academic competence and experience in graduate programs, trends and research groups. 19

20 20 Key words: Bibliometrics in Brazil; Informetrics; Concepts; Theses and Dissertations; IBICT 1 Trabalho oriundo da pesquisa A Ciência da Informação no Brasil: historiografia de uma área contemporânea no cenário nacional, na qual a autora principal é coordenadora. Trata-se do prosseguimento a estudos semelhantes sobre aspectos históricos e mapeamento, não somente da Ciência da Informação, no Brasil, como de suas disciplinas constituintes, conforme já ocorreu com a Inteligência Competitiva. 2 Pesquisadora e professora do IBICT- Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia, Doutora em Comunicação e Cultura, UFRJ 3 Graduanda em Museologia, da UNIRIO. 4 A experiência em ensino e pesquisa da autora principal deste trabalho confirma os resultados encontrados no Diretório de Grupos de Pesquisa, do CNPq. 5 Pela etimologia, Cientometria deriva de Scientia, do latim, daí cientistas e científico, em português, ou Scientometrics, em inglês, portanto, a denominação cienciometria não seria correta em nossa língua, embora comumente utilizada em espanhol. 6 Na literatura aparece o termo webometria e, em maior escala, webmetria, adotado no presente trabalho. 7 Tefko Saracevic, engenheiro elétrico nascido na Croácia e hoje naturalizado americano, quando veio ao Brasil era professor da Case Western University, em Cleveland, Ohio, e hoje está na Rutgers State University of New Jersey, na School of Communications, Information and Library Studies. Dedica sua vida à Ciência da Informação, é um dos mais importantes teóricos da área, com numerosa e relevante produção científica, reconhecida internacionalmente. Sua obra apresenta mais de mil citações no Science Citation Index e mais de ( três mil e quinhentas) citações a seus artigos no JASIST,de 1956 a 2004, segundo o Web of Science. Referências BOSSY, M. The last of the litter: netometrics. Solaris Information Communication, Paris, n.2, Disponível em: Acesso em: 15 set BRAGA, G. M. Dynamics of scientific communication: an application to science funding policy. Cleveland, Case Western Reserve University, (Doctoral thesis) Supervisor: Tefko Saracevic BRAGA, Gilda Maria. Relações bibliométricas entre a frente de pesquisa (research front) e revisões da literatura: estudo aplicado a Ciência da Informação. 20 dez Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) CNPq/IBBD-UFRJ, Rio de Janeiro. Orientador: Tefko Saracevic. CHRISTÓVÃO, Heloísa Tardin. Da comunicação informal à comunicação formal: identificação da frente de pesquisa através de filtros de qualidade. 22 fev Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) CNPq/IBICT-UFRJ, Rio de Janeiro. Orientadora: Gilda Maria Braga. 20

FONTES OU RECURSOS DE INFORMAÇÃO: CATEGORIAS E EVOLUÇÃO CONCEITUAL * 1. TENTANDO CLARIFICAR QUESTÕES CONCEITUAIS E DE TRADUÇÃO

FONTES OU RECURSOS DE INFORMAÇÃO: CATEGORIAS E EVOLUÇÃO CONCEITUAL * 1. TENTANDO CLARIFICAR QUESTÕES CONCEITUAIS E DE TRADUÇÃO 1 FONTES OU RECURSOS DE INFORMAÇÃO: CATEGORIAS E EVOLUÇÃO CONCEITUAL * Lena Vania Ribeiro Pinheiro, IBICT 1. TENTANDO CLARIFICAR QUESTÕES CONCEITUAIS E DE TRADUÇÃO Alguns termos técnicos de Ciência da

Leia mais

MAPEANDO AS CORRELAÇÕES ENTRE PRODUTIVIDADE E INVESTIMENTOS DE BOLSAS EM PROGRAMAS DE PÓSGRADUAÇÃO: o caso da Universidade Federal de Goiás

MAPEANDO AS CORRELAÇÕES ENTRE PRODUTIVIDADE E INVESTIMENTOS DE BOLSAS EM PROGRAMAS DE PÓSGRADUAÇÃO: o caso da Universidade Federal de Goiás MAPEANDO AS CORRELAÇÕES ENTRE PRODUTIVIDADE E INVESTIMENTOS DE BOLSAS EM PROGRAMAS DE PÓSGRADUAÇÃO: o caso da Universidade Federal de Goiás Dalton Lopes Martins (UFG) dmartins@gmail.com Arlon Silva (UFG)

Leia mais

Um olhar sobre a Educomunicação enquanto prática em expansão

Um olhar sobre a Educomunicação enquanto prática em expansão Um olhar sobre a Educomunicação enquanto prática em expansão Cláudio Messias 1 Resumo Investigamos, por meio de pesquisa quantitativa e qualitativa, referenciais que dão sustentação à expansão da prática

Leia mais

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO

Leia mais

A PRODUÇÃO DE DISSERTAÇÕES E TESES NA PERSPECTIVA DA CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO

A PRODUÇÃO DE DISSERTAÇÕES E TESES NA PERSPECTIVA DA CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO 22 a 24 de julho de 205 A PRODUÇÃO DE DISSERTAÇÕES E TESES NA PERSPECTIVA DA CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO INTRODUÇÃO Eva Dayane Jesus dos Santos Bibliotecária da Universidade do Estado da Bahia eva@uneb.br Marivaldina

Leia mais

Análise da Colaboração Científica sobre Empresas de Base Tecnológica. Analysis of Scientific Collaboration on Technology-Based Firms

Análise da Colaboração Científica sobre Empresas de Base Tecnológica. Analysis of Scientific Collaboration on Technology-Based Firms Análise da Colaboração Científica sobre Empresas de Base Tecnológica Analysis of Scientific Collaboration on Technology-Based Firms Meire Ramalho de Oliveira, mestranda, UFSCar, mro_ufscar@yahoo.com.br

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES Maria Helena Machado de Moraes - FURG 1 Danilo Giroldo - FURG 2 Resumo: É visível a necessidade de expansão da Pós-Graduação no Brasil, assim

Leia mais

AGROECOLOGIA E EDUCAÇÃO DO CAMPO: pesquisa, ação e reflexão a partir das escolas do campo no município de Goiás-GO 1

AGROECOLOGIA E EDUCAÇÃO DO CAMPO: pesquisa, ação e reflexão a partir das escolas do campo no município de Goiás-GO 1 AGROECOLOGIA E EDUCAÇÃO DO CAMPO: pesquisa, ação e reflexão a partir das escolas do campo no município de Goiás-GO 1 SOUZA, Murilo M. O. 2 ; COSTA, Auristela A. 2 ; SANT ANNA, Thiago S. 3 ; SILVA, Fábio

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE COLABORATIVO TIDIA-AE PELO GRUPO DE GERENCIAMENTO DO VOCABULÁRIO CONTROLADO DO SIBiUSP - BIÊNIO 2011-2013

UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE COLABORATIVO TIDIA-AE PELO GRUPO DE GERENCIAMENTO DO VOCABULÁRIO CONTROLADO DO SIBiUSP - BIÊNIO 2011-2013 UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE COLABORATIVO TIDIA-AE PELO GRUPO DE GERENCIAMENTO DO VOCABULÁRIO CONTROLADO DO SIBiUSP - BIÊNIO 2011-2013 Adriana Nascimento Flamino 1, Juliana de Souza Moraes 2 1 Mestre em Ciência

Leia mais

Inovação no acervo e acesso de informações: o sistema de repositório institucional nos Tribunais de Contas do Brasil

Inovação no acervo e acesso de informações: o sistema de repositório institucional nos Tribunais de Contas do Brasil Powered by TCPDF (www.tcpdf.org) Inovação no acervo e acesso de informações: o sistema de repositório institucional nos Tribunais de Contas do Brasil Sílvia Maria Berté Volpato (TCE/SC) - silviaberte@hotmail.com

Leia mais

Guia Básico de Utilização da Biblioteca Virtual da FAPESP. Thais Fernandes de Morais Fabiana Andrade Pereira

Guia Básico de Utilização da Biblioteca Virtual da FAPESP. Thais Fernandes de Morais Fabiana Andrade Pereira Guia Básico de Utilização da Biblioteca Virtual da FAPESP Thais Fernandes de Morais Fabiana Andrade Pereira Centro de Documentação e Informação da FAPESP São Paulo 2015 Sumário Introdução... 2 Objetivos...

Leia mais

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO MESTRADO SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO Justificativa A equipe do mestrado em Direito do UniCEUB articula-se com a graduação, notadamente, no âmbito dos cursos de

Leia mais

DIMENSÕES INTEGRADORAS DO ENSINO E PESQUISA DE ÉTICA PROFISSIONAL EM BIBLIOTECONOMIA E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO NO BRASIL:

DIMENSÕES INTEGRADORAS DO ENSINO E PESQUISA DE ÉTICA PROFISSIONAL EM BIBLIOTECONOMIA E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO NO BRASIL: DIMENSÕES INTEGRADORAS DO ENSINO E PESQUISA DE ÉTICA PROFISSIONAL EM BIBLIOTECONOMIA E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO NO BRASIL: um olhar a partir da UFSC e da UNESP-Marília FRANCISCO DAS CHAGAS DE SOUZA (em estágio

Leia mais

PALESTRANTES. TÍTULO DA PALESTRA: Organização da informação à luz da Ciência da Informação: impactos na circulação do saber em Unidades de Informação.

PALESTRANTES. TÍTULO DA PALESTRA: Organização da informação à luz da Ciência da Informação: impactos na circulação do saber em Unidades de Informação. DIA: 16 de novembro (segunda feira). PALESTRANTES TÍTULO DA PALESTRA: Organização da informação à luz da Ciência da Informação: impactos na circulação do saber em Unidades de Informação. PROFESSOR(A):

Leia mais

Como fazer uma Revisão Bibliográfica

Como fazer uma Revisão Bibliográfica Como fazer uma Revisão Bibliográfica Objetivos da Revisão Bibliográfica Aprendizado sobre uma determinada área Levantamento dos trabalhos realizados anteriormente sobre o mesmo tema Identificação e seleção

Leia mais

Ciências Humanas. Relatoria. Grupo de Trabalho (GT1) I Seminário de Avaliação da Pós- Graduação da Universidade Brasília

Ciências Humanas. Relatoria. Grupo de Trabalho (GT1) I Seminário de Avaliação da Pós- Graduação da Universidade Brasília I Seminário de Avaliação da Pós- Graduação da Universidade Brasília Relatoria Grupo de Trabalho (GT1) Realização Decanato de Pesquisa e Pós-Graduação (DPP) da Universidade de Brasília Brasília DF, 6 a

Leia mais

Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias

Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias Profa. Dra. Lillian Maria Araújo de Rezende Alvares Coordenadora-Geral de Pesquisa e Manutenção de Produtos

Leia mais

CHAMADA DE ARTIGOS do SUPLEMENTO TEMÁTICO A EDUCAÇÃO POPULAR EM SAÚDE NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE

CHAMADA DE ARTIGOS do SUPLEMENTO TEMÁTICO A EDUCAÇÃO POPULAR EM SAÚDE NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE 1 CHAMADA DE ARTIGOS do SUPLEMENTO TEMÁTICO A EDUCAÇÃO POPULAR EM SAÚDE NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE No dia 16 de novembro último, durante o 10o Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva, realizado em Porto

Leia mais

PROCESSO DE CRIAÇÃO E EXPANSÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO-SENSU EM EDUCAÇÃO/EDUCAÇÃO ESPECIAL NO BRASIL

PROCESSO DE CRIAÇÃO E EXPANSÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO-SENSU EM EDUCAÇÃO/EDUCAÇÃO ESPECIAL NO BRASIL PROCESSO DE CRIAÇÃO E EXPANSÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO-SENSU EM EDUCAÇÃO/EDUCAÇÃO ESPECIAL NO BRASIL SILVA, Régis Henrique dos Reis - NUPEFI/CEPAE/UFG SILVA, Sarah Maria de Freitas Machado - ESEFEGO/UEG

Leia mais

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012 COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Ensino PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO DE PUBLICAÇÃO DESTE DOCUMENTO:

Leia mais

Biblioteca Virtual em Medicina Veterinária e Zootecnia

Biblioteca Virtual em Medicina Veterinária e Zootecnia Biblioteca Virtual em Medicina Veterinária e Zootecnia Elaborado por: Rosa Maria Fischi São Paulo 2008 Coordenação: Universidade de São Paulo Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia Biblioteca Virginie

Leia mais

Metodologia Científica. Profa. Alessandra Martins Coelho

Metodologia Científica. Profa. Alessandra Martins Coelho Metodologia Científica Profa. Alessandra Martins Coelho julho/2014 Ementa O Sistema acadêmico brasileiro. O conhecimento científico e outros tipos de conhecimento. Virtudes do texto técnico Modalidades

Leia mais

Ensino da Estatística na Educação Básica: Ferramenta Computacional como proposta para o processo pedagógico

Ensino da Estatística na Educação Básica: Ferramenta Computacional como proposta para o processo pedagógico Ensino da Estatística na Educação Básica: Ferramenta Computacional como proposta para o processo pedagógico José Carlos Coelho Saraiva 1 GD6 Educação Matemática, Tecnologias Informáticas e Educação à Distância

Leia mais

A DIVULGAÇÃO DAS PESQUISAS DE DOCENTES DO DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA

A DIVULGAÇÃO DAS PESQUISAS DE DOCENTES DO DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A DIVULGAÇÃO DAS PESQUISAS DE DOCENTES DO DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA Glauciane Marques de Assis Berteloni 1 ; Maria

Leia mais

COLABORAÇÃO E PRODUTIVIDADE CIENTÍFICA NA UFRJ: identificação de autores por tipo de vínculo (2010)

COLABORAÇÃO E PRODUTIVIDADE CIENTÍFICA NA UFRJ: identificação de autores por tipo de vínculo (2010) COLABORAÇÃO E PRODUTIVIDADE CIENTÍFICA NA UFRJ: identificação de autores por tipo de vínculo (2010) 1 INTRODUÇÃO Roberto Mario Lovón Canchumani (IBCT) roblovonc@yahoo.com Jacqueline Leta (UFRJ) jleta@bioqmed.ufrj.br

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

Estratégias de e-learning no Ensino Superior

Estratégias de e-learning no Ensino Superior Estratégias de e-learning no Ensino Superior Sanmya Feitosa Tajra Mestre em Educação (Currículo)/PUC-SP Professora de Novas Tecnologias da Anhanguera Educacional (Jacareí) RESUMO Apresentar e refletir

Leia mais

Zeny Duarte Professora e Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação - Ufba

Zeny Duarte Professora e Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação - Ufba DA GRADUAÇÃO EM ARQUIVOLOGIA AO MESTRADO E DOUTORADO Zeny Duarte Professora e Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação - Ufba Refletir sobre a preparação de um profissional arquivista

Leia mais

O blog no processo de ensino e aprendizagem em Ciências: horizontes e possibilidades

O blog no processo de ensino e aprendizagem em Ciências: horizontes e possibilidades O blog no processo de ensino e aprendizagem em Ciências: horizontes e possibilidades Rodolfo Fortunato de Oliveira Universidade Estadual Júlio de Mesquita Filho UNESP, Bauru/SP rodolfo_fdeoliveira@hotmail.com

Leia mais

EQUIVALÊNCIA E A MATRIZ COMPANHEIRA P

EQUIVALÊNCIA E A MATRIZ COMPANHEIRA P Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais Campus Rio Pomba Coordenação de Cursos de Pós-Graduação e Pesquisa PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

Leia mais

PROJETO FEDERAÇÃO LUSÓFONA DE BIBLIOTECAS DIGITAIS EM CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO

PROJETO FEDERAÇÃO LUSÓFONA DE BIBLIOTECAS DIGITAIS EM CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO PROJETO FEDERAÇÃO LUSÓFONA DE BIBLIOTECAS DIGITAIS EM CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO Ferreira, S. M. S.P. 1 Universidade de São Paulo, Escola de Comunicações de Artes Weitzel, S. R. 2 Universidade Federal do

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO 1 EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO MESTRADO: A) DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DAS LINHAS 1 e 2: Organizações e Estratégia e Empreendedorismo e Mercado

Leia mais

A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História

A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História 1. Apoio institucional. Clara manifestação de apoio por parte da IES proponente, expressa tanto no provimento da infraestrutura necessária,

Leia mais

CENÁRIO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO NO BRASIL, INFLUÊNCIAS E TENDÊNCIAS

CENÁRIO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO NO BRASIL, INFLUÊNCIAS E TENDÊNCIAS VIII ENANCIB Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da 28 a 31 de outubro de 2007 Salvador Bahia Brasil GT 1 Estudos Históricos e Epistemológicos da Comunicação oral CENÁRIO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA

Leia mais

TECNOLOGIAS E EDUCAÇÃO: A CONSTITUIÇÃO DE UM CORPUS DE PESQUISA Moema Gomes Moraes PUC-GO/UFG Agência Financiadora: CAPES PROSUP

TECNOLOGIAS E EDUCAÇÃO: A CONSTITUIÇÃO DE UM CORPUS DE PESQUISA Moema Gomes Moraes PUC-GO/UFG Agência Financiadora: CAPES PROSUP TECNOLOGIAS E EDUCAÇÃO: A CONSTITUIÇÃO DE UM CORPUS DE PESQUISA Moema Gomes Moraes PUC-GO/UFG Agência Financiadora: CAPES PROSUP Resumo O propósito deste trabalho é apresentar o processo de constituição

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia

Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia A Coppe Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia nasceu disposta a ser um sopro de renovação na

Leia mais

RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207

RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207 1201 RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207 1202 RESUMOS DE PROJETOS ENSINO, APRENDIZAGEM E FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM LETRAS: IDENTIDADES E CRENÇAS

Leia mais

Bolsas Templeton para Professores Visitantes

Bolsas Templeton para Professores Visitantes Bolsas Templeton para Professores Visitantes Ciência, Filosofia e Teologia na América Latina Ian Ramsey Centre (IRC) for Science and Religion University of Oxford Chamada Objetivo e Resumo As Bolsas Oxford

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

A estruturação de Grupos de Pesquisa

A estruturação de Grupos de Pesquisa A estruturação de Grupos de Pesquisa Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós- Graduação O que é um Grupo de Pesquisa? Um conjunto de indivíduos organizados hierarquicamente em torno de uma ou, eventualmente, duas

Leia mais

FONTES PARA O ESTUDO DO TURISMO

FONTES PARA O ESTUDO DO TURISMO REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA TURISMO PERIODICIDADE SEMESTRAL ANO III EDIÇÃO NÚMERO 4 JANEIRO DE 2006 FONTES PARA O ESTUDO DO TURISMO GUARALDO, Tamara de S. Brandão ACEG Faculdade de Ciências Humanas docente

Leia mais

Ensinar ciências fazendo ciência com professores e alunos da educação básica

Ensinar ciências fazendo ciência com professores e alunos da educação básica Ensinar ciências fazendo ciência com professores e alunos da educação básica Pavão, Antonio, C.¹, Rocha, Claudiane, F..S.², Silva, Ana, P.³ Espaço Ciência - www.espacociencia.pe.gov.br pavao@ufpe.br¹,

Leia mais

PUBLICAÇÃO CIENTÍFICA RESULTANTE DAS DISSERTAÇÕES E TESES EM EDUCAÇÃO FÍSICA NO BRASIL

PUBLICAÇÃO CIENTÍFICA RESULTANTE DAS DISSERTAÇÕES E TESES EM EDUCAÇÃO FÍSICA NO BRASIL PUBLICAÇÃO CIENTÍFICA RESULTANTE DAS DISSERTAÇÕES E TESES EM EDUCAÇÃO FÍSICA NO BRASIL Alexandre Soares dos Santos 1. Jose Dorival Gleria 2. Michele Silva Sacardo 3. RESUMO Saber se as dissertações e teses,

Leia mais

A CLASSIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA BRASILEIRA ATRAVÉS DO QUALIS i

A CLASSIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA BRASILEIRA ATRAVÉS DO QUALIS i XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS (SNBU) Salvador, BA, 22 a 27 de outubro de 2006 Tema central: Acesso Livre à Informação Científica e Bibliotecas Universitárias Eixo temático: Sub-tema:

Leia mais

REDES DE COLABORAÇÃO NA PRODUÇÃO CIENTÍFICA BRASILEIRA EM BIOLOGIA EVOLUTIVA: 2000-2012

REDES DE COLABORAÇÃO NA PRODUÇÃO CIENTÍFICA BRASILEIRA EM BIOLOGIA EVOLUTIVA: 2000-2012 REDES DE COLABORAÇÃO NA PRODUÇÃO CIENTÍFICA BRASILEIRA EM BIOLOGIA EVOLUTIVA: 2000-2012 Dirce Maria Santin (UFRGS) dirsantin@yahoo.com.br Samile Andrea de Souza Vanz (UFRGS) samilevanz@terra.com.br Ida

Leia mais

Maria Helena de Lima Hatschbach, Gilda Olinto

Maria Helena de Lima Hatschbach, Gilda Olinto Maria Helena de Lima Hatschbach, Gilda Olinto Resumo: de comunicação e informação e a consequente necessidade de formação de recursos humanos um teste online de Competência em Informação, o Research Readiness

Leia mais

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A indissociabilidade entre ensino/produção/difusão do conhecimento

Leia mais

Ministério da Educação. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Diretoria de Avaliação. 20.enfe@capes.gov.br

Ministério da Educação. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Diretoria de Avaliação. 20.enfe@capes.gov.br COMUNICADO Nº 001/2013 ÁREA DE ENFERMAGEM ATUALIZAÇÃO DO WEBQUALIS DA ÁREA REF. 2011 Brasília, 11 de janeiro de 2013. No WebQualis da Área 20 Enfermagem do ano de 2010 constavam 784 periódicos classificados

Leia mais

PRODUÇÃO CIENTÍFICA DOS PROGRAMAS DE PÓS- GRADUAÇÃO DE EXCELÊNCIA NO BRASIL: colaboração internacional e impacto na área de Zootecnia

PRODUÇÃO CIENTÍFICA DOS PROGRAMAS DE PÓS- GRADUAÇÃO DE EXCELÊNCIA NO BRASIL: colaboração internacional e impacto na área de Zootecnia PRODUÇÃO CIENTÍFICA DOS PROGRAMAS DE PÓS- GRADUAÇÃO DE EXCELÊNCIA NO BRASIL: colaboração internacional e impacto na área de Zootecnia Fabio Sampaio Rosas (UNESP) fabiosrosas@hotmail.com Maria Cláudia Cabrini

Leia mais

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Resumo Gabriel Mathias Carneiro Leão1 - IFPR, UFPR Rosane de Fátima Batista Teixeira2 - IFPR Grupo de Trabalho Cultura, Currículo e Saberes

Leia mais

Reunião do Comitê Consultivo da BVS Enfermagem Brasil

Reunião do Comitê Consultivo da BVS Enfermagem Brasil Reunião do Comitê Consultivo da BVS Enfermagem Brasil Apresentação O presente documento tem como objetivo registrar e documentar a Reunião do proposto Comitê Consultivo da BVS Enfermagem realizada no dia

Leia mais

Aline de Souza Santiago (Bolsista PIBIC-UFPI), Denis Barros de Carvalho (Orientador, Departamento de Fundamentos da Educação/UFPI).

Aline de Souza Santiago (Bolsista PIBIC-UFPI), Denis Barros de Carvalho (Orientador, Departamento de Fundamentos da Educação/UFPI). A Produção de pesquisas sobre Educação dos Programas de Pós-graduação (Mestrados e Doutorados) cadastrados na Biblioteca Digital de Teses e Dissertações BDTD. Aline de Souza Santiago (Bolsista PIBIC-UFPI),

Leia mais

MAPAS CONCEITUAIS NAS PESQUISAS DO NÚCLEO DE ETNOGRAFIA EM EDUCAÇÃO

MAPAS CONCEITUAIS NAS PESQUISAS DO NÚCLEO DE ETNOGRAFIA EM EDUCAÇÃO MAPAS CONCEITUAIS NAS PESQUISAS DO NÚCLEO DE ETNOGRAFIA EM EDUCAÇÃO Autor: Riselda Maria de França Oliveira Universidade Estadual do Rio de Janeiro - riseldaf@hotmail.com Co-autor: Marcelo Alex de Oliveira

Leia mais

EDITORAÇÃO ELETRÔNICA DE PERIÓDICOS DA ÁREA DE BIBLIOTECONOMIA E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO: A UTILIZAÇÃO DE SOFTWARE LIVRE

EDITORAÇÃO ELETRÔNICA DE PERIÓDICOS DA ÁREA DE BIBLIOTECONOMIA E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO: A UTILIZAÇÃO DE SOFTWARE LIVRE EDITORAÇÃO ELETRÔNICA DE PERIÓDICOS DA ÁREA DE BIBLIOTECONOMIA E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO: A UTILIZAÇÃO DE SOFTWARE LIVRE Eliane Apolinário Vieira Priscila Marylin de Almeida Arlete Inocencia Menezes Roni

Leia mais

Mapa da Educação Financeira no Brasil

Mapa da Educação Financeira no Brasil Mapa da Educação Financeira no Brasil Uma análise das iniciativas existentes e as oportunidades para disseminar o tema em todo o País Em 2010, quando a educação financeira adquire no Brasil status de política

Leia mais

Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO

Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO Versão Março 2008 1 Introdução Este documento tem por objetivo

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS MISSÃO DO CURSO A concepção do curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas está alinhada a essas novas demandas

Leia mais

Apresentação. Critérios SciELO Brasil para admissão de periódicos e procedimentos do processo de seleção

Apresentação. Critérios SciELO Brasil para admissão de periódicos e procedimentos do processo de seleção Seleção SciELO Brasil: critérios e procedimentos para a admissão e permanência de periódicos científicos na coleção Fabiana Montanari Lapido BIREME/OPAS/OMS Unidade SciELO VI Encontro Internacional de

Leia mais

POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP

POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP 1. POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP 1.1. Objetivos Nas últimas décadas as bibliotecas passaram por mudanças

Leia mais

PESQUISA EM EDUCAÇÃO

PESQUISA EM EDUCAÇÃO PESQUISA EM EDUCAÇÃO O que é Pesquisa? O que é Pesquisa? 1. Ato ou efeito de pesquisar. 2. Indagação ou busca minuciosa para averiguação da realidade; investigação. 3. Investigação e estudo sistemáticos,

Leia mais

FORMULÁRIO DE PROGRAMA DE EXTENSÃO

FORMULÁRIO DE PROGRAMA DE EXTENSÃO Registro na Extensão Nº: Em / / FORMULÁRIO DE PROGRAMA DE EXTENSÃO 1 - Identificação: 1.1 - Título 1 : 1.2 - Área Temática Principal (assinalar apenas uma área temática, aquela que melhor define o problema

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais

COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012

COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Letras e Linguística PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO

Leia mais

Projeto BVS-SP-1.9 Publicação eletrônica de textos completos em Saúde Pública (15 de outubro de 1999)

Projeto BVS-SP-1.9 Publicação eletrônica de textos completos em Saúde Pública (15 de outubro de 1999) BIREME/OPAS/OMS BVS Saúde Pública Projeto BVS-SP-1.9 Publicação eletrônica de textos completos em Saúde Pública (15 de outubro de 1999) 1. Introdução Este documento descreve o projeto para o desenvolvimento

Leia mais

Palavras-chave: Projeto de ensino; reprovação em Matemática; monitoria.

Palavras-chave: Projeto de ensino; reprovação em Matemática; monitoria. REPROVAÇÃO EM MATEMÁTICA NO ENSINO SUPERIOR: UMA TENTATIVA DE REDUZIR OS ALTOS ÍNDICES Profa. Dra. Camila Pinto da Costa Universidade Federal de Pelotas camila.ufpel@gmail.com Profa. Dra. Rejane Pergher

Leia mais

principalmente na UFES (três), na UFSCar (dois) e a UERJ (dois). Em 2005 a produção tem ápice com doze estudos em diferentes universidades.

principalmente na UFES (três), na UFSCar (dois) e a UERJ (dois). Em 2005 a produção tem ápice com doze estudos em diferentes universidades. A PRODUÇÃO CIENTÍFICA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL/INCLUSÃO ESCOLAR NA PERSPECTIVA DA PESQUISA-AÇÃO: REFLEXÕES A PARTIR DE SEUS CONTEXTOS Mariangela Lima de Almeida UFES Agência Financiadora: FAPES Num contexto

Leia mais

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO Thiago Tavares Borchardt Universidade Federal de Pelotas thiago tb@hotmail.com Márcia Souza da Fonseca Universidade Federal de Pelotas

Leia mais

Ciência Política no Brasil: história, conceitos e métodos

Ciência Política no Brasil: história, conceitos e métodos Ciência Política no Brasil: história, conceitos e métodos PROJETO APRESENTADO PELA ABCP À FUNDAÇÃO FORD E AO INSTITUTE FOR INTERNATIONAL EDUCATION (IIE). Leonardo Avritzer Carlos R. S. Milani Rachel Meneguello

Leia mais

PERFIL DOS DOCENTES DE PÓS-GRADUAÇÕES COM ENFOQUES EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA

PERFIL DOS DOCENTES DE PÓS-GRADUAÇÕES COM ENFOQUES EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PERFIL DOS DOCENTES DE PÓS-GRADUAÇÕES COM ENFOQUES EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA Humarah Danielle de Lima Vasconcelos e-mail: humarah@hotmail.com Alda Leaby dos Santos Xavier

Leia mais

BIBLIOTECA DIGITAL DE TESES E DISSERTAÇÕES E OS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO: UMA INTERAÇÃO NECESSÁRIA

BIBLIOTECA DIGITAL DE TESES E DISSERTAÇÕES E OS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO: UMA INTERAÇÃO NECESSÁRIA BIBLIOTECA DIGITAL DE TESES E DISSERTAÇÕES E OS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO: UMA INTERAÇÃO NECESSÁRIA Cláudia Oliveira de Moura Bueno 1, Odete Jacomini da Silva 1 Liliane Juvência Azevedo Ferreira 1 Bibliotecárias,

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

Planejamento Estratégico. Departamento de Antropologia / Programa de Pós-Graduação em Antropologia - UFPR

Planejamento Estratégico. Departamento de Antropologia / Programa de Pós-Graduação em Antropologia - UFPR Planejamento Estratégico Departamento de Antropologia / Programa de Pós-Graduação em Antropologia - UFPR Visão Oferecer ensino de excelência em nível de Graduação e Pós-Graduação; consolidar-se como pólo

Leia mais

PROGRAMA DO CURSO DE FORMAÇÃO EM ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL E DE CARREIRA (OPC)

PROGRAMA DO CURSO DE FORMAÇÃO EM ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL E DE CARREIRA (OPC) PROGRAMA DO CURSO DE FORMAÇÃO EM ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL E DE CARREIRA (OPC) Realização: INSTITUTO DO SER Orientação Profissional e de Carreira em parceria com o INSTITUTO BRASILEIRO DE GESTÃO DE NEGÓCIOS

Leia mais

PROGRAMA DO CURSO DE FORMAÇÃO EM ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL E DE CARREIRA (OPC)

PROGRAMA DO CURSO DE FORMAÇÃO EM ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL E DE CARREIRA (OPC) PROGRAMA DO CURSO DE FORMAÇÃO EM ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL E DE CARREIRA (OPC) Realização: INSTITUTO DO SER Orientação Profissional e de Carreira em parceria com o INSTITUTO BRASILEIRO DE GESTÃO DE NEGÓCIOS

Leia mais

Perfil de Produção Bibliográfica dos Programas Brasileiros de Pós-Graduação em Ciência da Computação

Perfil de Produção Bibliográfica dos Programas Brasileiros de Pós-Graduação em Ciência da Computação Perfil de Produção Bibliográfica dos Programas Brasileiros de Pós-Graduação em Ciência da Computação Jesús P. Mena-Chalco 1, Luciano A. Digiampietri 2, Leonardo B. Oliveira 3 1 Centro de Matemática, Computação

Leia mais

COMUNICADO n o 003/2012 ÁREA DE MATERIAIS ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 23 de Maio de 2012 CURSO: MESTRADO PROFISSIONAL

COMUNICADO n o 003/2012 ÁREA DE MATERIAIS ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 23 de Maio de 2012 CURSO: MESTRADO PROFISSIONAL COMUNICADO n o 003/2012 ÁREA DE MATERIAIS ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 23 de Maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Materiais PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO DE PUBLICAÇÃO DESTE DOCUMENTO:

Leia mais

Regulamento Programa Institucional de Bolsa de Iniciação Científica Sênior do Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá

Regulamento Programa Institucional de Bolsa de Iniciação Científica Sênior do Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá Regulamento Programa Institucional de Bolsa de Iniciação Científica Sênior do I. CONSIDERAÇÕES GERAIS ART. 1º - Este regulamento tem por objetivo orientar a apresentação, tramitação, aprovação, execução,

Leia mais

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES Nome dos autores: Gislaine Biddio Rangel¹; Ana Beatriz Araujo Velasques². 1 Aluna do Curso

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Nicia Cristina Rocha Riccio nicia@ufba.br Introdução Com o advento das tecnologias de informação e comunicação (TICs) a Educação a Distância (EAD) ganha

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS E SUBPROJETOS DE PESQUISA

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS E SUBPROJETOS DE PESQUISA MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS E SUBPROJETOS DE PESQUISA O projeto deve, OBRIGATORIAMENTE, ser elaborado pelo Coordenador do Projeto (titulação mínima Mestre PBIC/UniEVANGÉLICA; titulação mínima Doutor

Leia mais

MBA IBMEC 30 anos. No Ibmec, proporcionamos a nossos alunos uma experiência singular de aprendizado. Aqui você encontra:

MBA IBMEC 30 anos. No Ibmec, proporcionamos a nossos alunos uma experiência singular de aprendizado. Aqui você encontra: MBA Pós - Graduação QUEM SOMOS Para pessoas que têm como objetivo de vida atuar local e globalmente, ser empreendedoras, conectadas e bem posicionadas no mercado, proporcionamos uma formação de excelência,

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES Tânia de Sousa Lemos 1 ; Ana Beatriz Araujo Velasques 2 1 Aluna do Curso de Arquitetura e

Leia mais

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ BIREME - OPAS - OMS CENTRO DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA CICT PROJETO BVS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS BRASIL

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ BIREME - OPAS - OMS CENTRO DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA CICT PROJETO BVS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS BRASIL FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ - OPAS - OMS CENTRO DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA CICT PROJETO BVS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS BRASIL Rio de Janeiro 2002 Doenças Infecciosas e Parasitárias na BVS

Leia mais

e Inovação Contemporâneas

e Inovação Contemporâneas DOCUMENTO RESULTANTE DO Simpósio Ciências Humanas e Sociais nas Políticas de Ciência, Tecnologia e Inovação Contemporâneas Realizado pelo Fórum de Ciências Humanas, Ciências Sociais e Ciências Sociais

Leia mais

MEDIANDO A VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE BELÉM

MEDIANDO A VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE BELÉM MEDIANDO A VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE BELÉM Paulo Rogério de Souza GARCIA 1 (FIBRA) Resumo: O presente artigo trata do projeto de extensão da FIBRA junto à Escola Mário Barbosa no ano de 2012 a

Leia mais

A EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ÂMBITO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO NO BRASIL Régis Henrique dos Reis Silva UFG e UNICAMP regishsilva@bol.com.br 1.

A EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ÂMBITO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO NO BRASIL Régis Henrique dos Reis Silva UFG e UNICAMP regishsilva@bol.com.br 1. A EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ÂMBITO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO NO BRASIL Régis Henrique dos Reis Silva UFG e UNICAMP regishsilva@bol.com.br 1. INTRODUÇÃO Este estudo tem como objeto de análise o processo de

Leia mais

Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde

Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde Objetivo: Apresentar o Modelo da BVS: conceitos, evolução, governabilidade, estágios e indicadores. Conteúdo desta aula

Leia mais

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO A universidade vivencia, em seu cotidiano, situações de alto grau de complexidade que descortinam possibilidades, mas também limitações para suas

Leia mais

Política de C & T > Indicadores O retorno do investimento Avaliação revela alto grau de eficiência em quatro programas da FAPESP Fabrício Marques

Política de C & T > Indicadores O retorno do investimento Avaliação revela alto grau de eficiência em quatro programas da FAPESP Fabrício Marques Pesquisa FAPESP - Maio 2008 - Edição 147 Política de C & T > Indicadores O retorno do investimento Avaliação revela alto grau de eficiência em quatro programas da FAPESP Fabrício Marques Quatro grandes

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DE UM PROGRAMA (MESTRADO) NOTA 3

CARACTERÍSTICAS DE UM PROGRAMA (MESTRADO) NOTA 3 CAPES - ÁREA DE ENSINO DE CIÊNCIAS E MATEMÁTICA ÁREA 46 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA PROGRAMAS ACADÊMICOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CARACTERÍSTICAS DE UM PROGRAMA (MESTRADO) NOTA 3 Para obter nota

Leia mais

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística?

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? Universidade de São Paulo benjamin@usp.br Synergies-Brésil O Sr. foi o representante da Letras junto à CAPES. O Sr. poderia explicar qual

Leia mais

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Apresentação: O presente plano de trabalho incorpora, na totalidade, o debate e indicativo do coletivo docente e discente do Centro de Educação e

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2004 Ano Base 2001_2002_2003 SOCIOLOGIA CAPES Período de Avaliação: 2001-2002-2003 Área de Avaliação: SOCIOLOGIA

Leia mais

EDUNIOESTE CATÁLOGO DE PUBLICAÇÕES REVISTAS CIENTÍFICAS DA UNIOSTE

EDUNIOESTE CATÁLOGO DE PUBLICAÇÕES REVISTAS CIENTÍFICAS DA UNIOSTE UNIOESTE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO CONSELHO EDITORIAL DA EDUNIOESTE EDUNIOESTE CATÁLOGO DE PUBLICAÇÕES ===================================== REVISTAS

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

ANÁLISE DE CITAÇÕES EM LITERATURA INGLESA NAS DISSERTAÇÕES DO PROGRAMA DE MESTRADO EM BIOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA

ANÁLISE DE CITAÇÕES EM LITERATURA INGLESA NAS DISSERTAÇÕES DO PROGRAMA DE MESTRADO EM BIOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA ANÁLISE DE CITAÇÕES EM LITERATURA INGLESA NAS DISSERTAÇÕES DO PROGRAMA DE MESTRADO EM BIOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA Eixo temático: Análise de Citação Modalidade: Apresentação oral 1 INTRODUÇÃO

Leia mais

Educação além dos limites da sala de aula

Educação além dos limites da sala de aula Educação além dos limites da sala de aula Como a Brightspace passou a fazer parte da vida de 20.000 alunos da Universidade Tiradentes Visão Geral Com mais de 50 anos de tradição e reconhecido pioneirismo

Leia mais