ANÁLISE DO CONTROLE POSTURAL DE CRIANÇAS NASCIDAS PREMATURAS E A TERMO DO PERÍODO NEONATAL AOS SEIS MESES RESUMO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DO CONTROLE POSTURAL DE CRIANÇAS NASCIDAS PREMATURAS E A TERMO DO PERÍODO NEONATAL AOS SEIS MESES RESUMO"

Transcrição

1 ANÁLISE DO CONTROLE POSTURAL DE CRIANÇAS NASCIDAS PREMATURAS E A TERMO DO PERÍODO NEONATAL AOS SEIS MESES Amanda Martins Campos 1,4 ; Renan Neves Urzêda,4 ; Thalita Galdino de Oliveira,4 ; Cibelle Kayenne Martins Roberto Formiga 3,4,5 ; Maria Beatriz Martins Linhares 5 1 Bolsista PBIC/UEG, Voluntário Iniciação Científica PVIC/UEG, 3 Pesquisadora Orientadora, 4 Curso de Fisioterapia, Unidade Universitária de Goiânia, ESEFFEGO, UEG, 5 Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da Universidade de São Paulo, USP. RESUMO O objetivo do presente estudo foi avaliar através da Escala Motora Infantil de Alberta (Alberta Infant Motor Scale - AIMS) o controle postural de um grupo de crianças nascidas prematuras e a termo do período neonatal aos seis meses de idade. Participaram do estudo 140 bebês pré-termo que freqüentaram o Hospital Materno Infantil de Goiânia-GO. Em relação às posturas avaliadas pela AIMS, foi constatado que os bebês pré-termo foram mais atrasados que os bebês a termo na postura prona no período neonatal e aos quatro meses de idade corrigida; na postura supina aos três meses; na postura sentada aos dois, três e cinco meses; e atraso na postura em pé do período neonatal aos dois meses de idade. Os resultados deste trabalho mostraram que quanto às características dos bebês pré-termo, o baixo peso ao nascer e a prematuridade moderada foram os fatores de risco presentes em toda a amostra. Quando comparadas as pontuações alcançadas na AIMS em relação a cada postura, observou-se um maior atraso dos bebês pré-termo, com valores estatisticamente significativos em determinadas faixas etárias. Palavras-chave: bebês pré-termo; controle postural; desenvolvimento motor. Introdução O termo desenvolvimento refere-se a alterações no nível de funcionamento de um indivíduo ao longo do tempo. O processo de desenvolvimento está relacionado com a individualidade do aprendiz. Cada indivíduo tem época peculiar para a aquisição e para o desenvolvimento de habilidades motoras e cognitivas. O desenvolvimento é relacionado à idade, mas não depende dela, sofrendo uma alteração contínua ao longo do ciclo da vida, 1

2 envolvendo as necessidades biológicas subjacentes, ambientais e ocupacionais, que influenciam o desempenho e as habilidades motoras dos indivíduos (Piek, 1998). A Escala Motora Infantil de Alberta (Alberta Infant Motor Scale - AIMS) é uma medida observacional do desempenho motor de bebês. A escala é composta por 58 itens, subdivididos em quatro categorias de acordo com a postura do bebê em prono, supino, sentado e em pé. O instrumento avalia os componentes das seqüências do desenvolvimento motor da criança a partir de 38 semanas de idade gestacional (IG) até 18 meses de idade corrigida. (Piper e Darrah, 1994). Lopes (003) avaliou o desenvolvimento motor de um grupo de lactentes brasileiros, saudáveis e nascidos a termo, durante os seis primeiros meses de vida, comparando com um grupo de bebês canadenses da escala AIMS. O estudo concluiu que o desenvolvimento motor no 6º mês de vida é caracterizado como um período de relativa variabilidade, de transição; a tendência geral do desenvolvimento motor normal dos lactentes a termo avaliados é similar a 5% dos padrões de normalidade descritos na escala. Restiffe (004) realizou um estudo longitudinal de avaliação do desenvolvimento motor de bebês nascidos prematuros até os seis meses de idade corrigida utilizando a AIMS e verificou que os bebês pré-termo apresentam um padrão motor distinto quando comparados com os bebês canadenses da escala usada. Com base nas características distintas entre o bebê nascido pré-termo e a termo, o presente estudo objetivou avaliar o controle postural de um grupo de crianças nascidas prematuras e a termo do período neonatal aos seis meses de idade. Material e Métodos a) Amostra: Constituiu-se de 140 bebês pré-termo (IG < 37 semanas) que freqüentaram o Hospital Materno Infantil de Goiânia-GO. Os critérios de inclusão foram: lactentes pré-termo e baixo-peso ao nascimento (menor ou igual a.500g). Os lactentes do grupo a termo foram da amostra do estudo de Lopes (003), nascidos de 38 a 4 semanas de gestação; peso ao nascimento maior ou igual a.500g; sem complicações durante a gestação; que receberam alta junto com a mãe e que não foi observado qualquer anormalidade no dia da avaliação com a AIMS. b) Aspectos Éticos: O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa Humana e Animal vinculado ao Hospital Materno Infantil de Goiânia GO (HMI-GO). c) Local do Estudo: A coleta dos dados e avaliação dos bebês foi realizada no HMI- GO e os dados analisados no Núcleo Interdisciplinar de Pesquisa da ESEFFEGO.

3 d) Materiais: Foram utilizados para coletas de dados os seguintes materiais: ficha de coleta de dados do nascimento da criança, ficha de Registro da AIMS (Piper e Darrah, 1994); sala de avaliação do HMI-GO, material de estimulação visual, câmera filmadora, fitas para registro de dados, computador e programas Excel e SPSS para análise dos mesmos. e) Procedimentos: Os bebês foram avaliados mensalmente pela AIMS e por meio da análise dos vídeos foi obtida a pontuação da criança em cada postura: prona, supina, sentada e em pé. O resultado obtido pelos bebês pré-termo foram comparados com o desempenho dos bebês a termo. Para tanto, foi realizado o teste de comparação de grupos pelo teste t de Student para grupos independentes, considerando nível de significância de 0,05. Resultados e discussão A presente amostra teve uma média de 33 semanas de idade gestacional, 51% nascida de parto cesárea, 57% do sexo masculino e com peso médio de 1.586g. A média do tempo de internação dos bebês foi de 35 dias. Nas tabelas a seguir são apresentados os resultados da comparação do controle postural dos bebês pré-termo e a termo nas posturas prono, supino, sentado e em pé. Os resultados estatisticamente significativos foram destacados em negrito ( 0,05). Tabela 1. Comparação do controle postural em prono entre bebês pré-termo e a termo Grupos Valores RN 1 mês meses 3 meses 4 meses 5 meses 6 meses 1 1,7 1,4,7,3 3,4 3,8 5,1 5,5 6 6,9 8,3 0, 0,7 0,8 1,4 1, 3,4 4,5 0,01 0, 0,09 0,06 0,03 Na tabela 1 verifica-se que os bebês pré-termo apresentam maior atraso no período neonatal e aos 4 meses de idade corrigida. Ao nascimento, o bebê apresenta pouco controle dos músculos da cabeça e do pescoço, apesar disso deve ser capaz de realizar alguns movimentos, mesmo que esses sejam através de reflexos, como o reflexo de liberação das vias aéreas. Nos primeiros dias após o nascimento as crianças geralmente não são capazes de levantar a cabeça, embora estas tentativas já sejam observadas (Gallahue e Ozmun, 003). De modo geral, os bebês pré-termo apresentam peso e estatura inferiores aos bebês a termo, podendo interferir na posição que o cuidador da criança escolhe para mantê-la no berço. Muitas vezes a criança não é colocada na posição prono por receio de que esta se 3

4 sufoque, assim a criança deixa de ter experiências motoras nesta posição. Outro fator que podem influenciar é o maior número de intercorrências clínicas e maior tempo de internação devido dos bebês pré-termo, o que leva a manutenção de grandes períodos sobre uma mesma postura no leito (Manacero e Nunes, 008). Os mesmos fatores que influenciaram o desenvolvimento motor no recém-nascido pode ter influenciado o atraso aos 4 meses, em que o bebê a termo realiza apoio estável nos antebraços, permitindo o inicio dos movimentos de rastejamento pela criança. A pouca experimentação dos bebês pré-termo nesta postura leva ao pobre desenvolvimento de força e estabilidade da cintura escapular, controle de extensão cervical e tronco superior (Piek, 1998). Tabela. Comparação do controle postural supino entre bebês pré-termo e a termo Grupos Valores RN 1 mês meses 3 meses 4 meses 5 meses 6 meses,5 3,5 3,6 4, 4,5 4,9 6 5,8 6,5 6,4 1, 1, 1 1, 0,9 0,8,1 0,8 8 0,17 0,04 0,6 0,71 0,87 Na tabela os bebês pré-termo apresentaram atraso apenas aos 3 meses de idade corrigida. Um bebê a termo nesta idade deve ser capaz de trazer a cabeça e as mãos à linha média contra a gravidade, o que exige coordenação e controle da cintura escapular. (Gallahue e Ozmun, 003). O desenvolvimento motor em bebês pré-termo acontece de modo caudo-cefálico o que pode explicar a pontuação inferior deste grupo em relação aos bebês a termo que apresentam desenvolvimento motor de modo céfalo-caudal. Outro fator significante que pode influenciar o desenvolvimento motor na postura supina é o aumento do tônus muscular que é apresentado pelos bebês pré-termo, o que pode dificultar a aquisição de habilidades motoras. Tabela 3. Comparação do controle postural sentado entre bebês pré-termo e a termo Grupos Valores RN 1 mês meses 3 meses 4 meses 5 meses 6 meses 0,1 0,9 0,9 1,4,8,8 4 5,4 6,3 0, 0,7 3,6 0,15 0,79 0,03 0,05 0,07 0,04 4

5 Na tabela 3 os bebês pré-termo apresentaram atraso aos dois, três e cinco meses de idade corrigida. No º mês o bebê já deve ser capaz de controlar a cabeça quando colocado e apoiado na postura sentada. No 3º mês o bebê deverá apresentar controle ainda melhor da musculatura da cabeça e pescoço, podendo apresentar ainda, ação sinergista de músculos da cintura escapular para ganho de estabilidade. Já no 5º mês o bebê deverá apresentar bom controle de cabeça e tronco superior e estabilidade pélvica ainda não suficiente para a retirada do apoio, fator que é evidenciado pela inclinação anterior do tronco e presença de apoio anterior das mãos (Gallahue e Ozmun, 003). Os resultados obtidos revelam que os bebês pré-termos apresentaram pontuações na AIMS inferiores aos bebês a termo. Pouca ou nenhuma experiência na postura sentada (por receio do criador em colocar a criança na postura referida), baixo desenvolvimento de força muscular e estabilidade de cintura pélvica, encurtamento muscular são fatores que podem contribuir para um ineficiente desenvolvimento motor na posição sentada, podendo assim levar a um atraso na aquisição do engatinhar e por conseqüência no alcance da marcha. Tabela 4. Comparação do controle postural em pé entre bebês pré-termo e a termo Grupos Valores RN 1 mês meses 3 meses 4 meses 5 meses 6 meses 0,7 1, 1,3 1,6,1,5,7 0 0,8 1,3 <0,001 0,01 <0,001 0,08 0, Na tabela 4 observa-se que os bebês pré-termo foram mais atrasados no período neonatal aos meses. Colocado de pé, o recém nascido deverá manter uma flexão fisiológica simétrica manifestando o reflexo da marcha automática. No 1º mês, o bebê será capaz de ficar em pé com apoio e apresentará reação positiva de suporte com os membros inferiores em semi-extensão. No mês, quando em pé com apoio, deve retificar um pouco mais a coluna, mantendo a cabeça alinhada com os ombros e o quadril atrás destes. Os resultados encontrados mostraram que o desempenho dos bebês pré-termo na avaliação da AIMS foi inferior ao desempenho dos bebês a termo na faixa etária referida. A prematuridade dos bebês avaliados pode justificar a menor pontuação obtida, dada a imaturidade do sistema nervoso central e demais sistemas orgânicos; influenciando negativamente o desenvolvimento das reações posturais, de equilíbrio, mudanças no tônus muscular, substituição dos movimentos primitivos, entre outros. 5

6 Conclusões Os resultados deste trabalho mostraram que em comparação aos bebês nascidos a termo, os bebês prematuros apresentaram maior atraso dos bebês pré-termos, em determinadas faixas etárias. Além disso, a utilização da escala AIMS permitiu avaliar adequadamente o desenvolvimento dos bebês do estudo, pois consistiu em uma medida utilizada tanto para fins de classificação, como para comparação de desenvolvimento de bebês de amostras diferenciadas. Referências Bibliográficas GALLAUHE, D. L.; & OZMUN, J. C. Compreendendo o Desenvolvimento Motor..ed.São Paulo: Phorte Editora LTDA, 003. LOPES, V. B. Desenvolvimento Motor de Bebês segundo a Alberta Infant Motor Scale (AIMS). Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de São Carlos, 003. MANACERO, S.; NUNES, M. L. Avaliação do sistema motor de prematuros nos primeiros meses de vida na Escala Motora Infantil de Alberta. Jornal de Pediatria, 84 (1), 53-59, 008. PIEK, J.P. The Influence of Preterm Birth on Early Motor Development. In: Piek, J.P. (Ed). Motor Behavior and Human Skill: A multidisciplinary approach. Human Kinetics, United States of America, 1998, p PIPER, M.C., & DARRAH, J. Motor assessment of the developing infant. EUA.: W. B. Saunders Company, RESTIFFE, A.P. O desenvolvimento motor dos recém-nascidos pré-termos nos primeiros seis meses de idade corrigida segundo Alberta Infant Motor Scale: um estudo de coorte. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo,

DESENVOLVIMENTO MOTOR DE BEBÊS NASCIDOS PRÉ- TERMO DE ACORDO COM O SEXO

DESENVOLVIMENTO MOTOR DE BEBÊS NASCIDOS PRÉ- TERMO DE ACORDO COM O SEXO Introdução O nascimento prematuro é um problema de saúde pública mundial, e um dos mais significativos na perinatologia. Nasceram aproximadamente 12,87 milhões bebês prematuros no mundo, apenas em 2005,

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DOS PRINCIPAIS FATORES DE RISCO BIOLÓGICOS E AMBIENTAIS NO DESENVOLVIMENTO MOTOR DE BEBÊS PRÉ-TERMO

IDENTIFICAÇÃO DOS PRINCIPAIS FATORES DE RISCO BIOLÓGICOS E AMBIENTAIS NO DESENVOLVIMENTO MOTOR DE BEBÊS PRÉ-TERMO IDENTIFICAÇÃO DOS PRINCIPAIS FATORES DE RISCO BIOLÓGICOS E AMBIENTAIS NO DESENVOLVIMENTO MOTOR DE BEBÊS PRÉ-TERMO Thalita Galdino de Oliveira 2,4 ; Renan Neves Urzêda 1,4 ; Amanda Martins Campos 2,4 ;

Leia mais

Título do Trabalho: Correlação entre dois instrumentos para avaliação do desenvolvimento motor de prematuros

Título do Trabalho: Correlação entre dois instrumentos para avaliação do desenvolvimento motor de prematuros Introdução O acompanhamento do desenvolvimento infantil consiste em uma das mais importantes estratégias básicas de saúde, demonstrando significante eficácia (SILVA; MAIA; LOPES; CARDOSO, 2013). Nesse

Leia mais

INFLUÊNCIA DO RISCO CLÍNICO NEONATAL NO DESENVOLVIMENTO DE BEBÊS PREMATUROS DE 2 A 8 MESES DE IDADE

INFLUÊNCIA DO RISCO CLÍNICO NEONATAL NO DESENVOLVIMENTO DE BEBÊS PREMATUROS DE 2 A 8 MESES DE IDADE INFLUÊNCIA DO RISCO CLÍNICO NEONATAL NO DESENVOLVIMENTO DE BEBÊS PREMATUROS DE 2 A 8 MESES DE IDADE Amanda Martins Campos 1 ; Renan Neves Urzêda 1 ; Thalita Galdino de Oliveira 2 ; Cibelle Kayenne Roberto

Leia mais

DIFERENÇAS NA MOTRICIDADE AMPLA E FINA DE LACTENTES DE RISCO PARA DESVIOS NO DESENVOLVIMENTO NEUROMOTOR

DIFERENÇAS NA MOTRICIDADE AMPLA E FINA DE LACTENTES DE RISCO PARA DESVIOS NO DESENVOLVIMENTO NEUROMOTOR DIFERENÇAS NA MOTRICIDADE AMPLA E FINA DE LACTENTES DE RISCO PARA DESVIOS NO DESENVOLVIMENTO NEUROMOTOR Josy Paula Souza Vieira 1,4 ; Martina Estevam Brom Vieira 2,4 ; Cibelle Kayenne Martins Roberto Formiga

Leia mais

Palavras-chaves: desenvolvimento neuropsicomotor; bebês pré-termo; tipo de amamentação.

Palavras-chaves: desenvolvimento neuropsicomotor; bebês pré-termo; tipo de amamentação. INFLUÊNCIA DA AMAMENTAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO NEUROPSICOMOTOR DE BEBÊS PRÉ-TERMO Josy Paula Souza Vieira 1,4 ; Martina Estevam Brom Vieira 2,4 ; Patrícia D Angelles Pereira 2,4 ; Cibelle Kayenne Martins

Leia mais

Avaliação do desenvolvimento infantil de criança filhas de mães soropositivas

Avaliação do desenvolvimento infantil de criança filhas de mães soropositivas Avaliação do desenvolvimento infantil de criança filhas de mães soropositivas PROFA. DRA. CRISTINA DOS SANTOS CARDOSO DE SÁ CURSO DE FISIOTERAPIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO Introdução Dados epidemiológicos:

Leia mais

Desenvolvimento Motor e Reflexos Primitivos. Ft. Ms. Livia Marcello Zampieri

Desenvolvimento Motor e Reflexos Primitivos. Ft. Ms. Livia Marcello Zampieri Desenvolvimento Motor e Reflexos Primitivos Ft. Ms. Livia Marcello Zampieri Desenvolvimento motor A maturação motora da criança se dá nos sentidos: Caudal Céfalo Proximal Distal Desenvolvimento fetal Desenvolvimento

Leia mais

ESTIMULAÇÃO PRECOCE DE PREMATUROS E COM BAIXO PESO VISANDO A ADEQUAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO MOTOR

ESTIMULAÇÃO PRECOCE DE PREMATUROS E COM BAIXO PESO VISANDO A ADEQUAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO MOTOR ESTIMULAÇÃO PRECOCE DE PREMATUROS E COM BAIXO PESO VISANDO A ADEQUAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO MOTOR RESUMO A prematuridade associada ao baixo peso é considerada um fator determinante para uma maior imaturidade

Leia mais

RULA (RAPID UPPER LIMB ASSESSMENT)

RULA (RAPID UPPER LIMB ASSESSMENT) www.campusesine.net RULA (RAPID UPPER LIMB ASSESSMENT) O método RULA (Rapid Upper Limb Assessment) foi desenvolvido por Lynn McAtamney e Nigel Corlett (1993) na Universidade de Nottingham. É um método

Leia mais

Desenvolvimento do RN. Kelly Alves Terapeuta Ocupacional

Desenvolvimento do RN. Kelly Alves Terapeuta Ocupacional Desenvolvimento do RN Kelly Alves Terapeuta Ocupacional HISTÓRICO Meados século XIX: crianças eram ignoradas pela medicina, [...] ser sem alma não existiam instituições de cuidados às crianças altas as

Leia mais

Fisioterapia Aquática Funcional na Paralisia Cerebral

Fisioterapia Aquática Funcional na Paralisia Cerebral Fisioterapia Aquática Funcional na Paralisia Cerebral Estudo de Caso O caso clínico a seguir apresentado foi desenvolvido no período de 4 meses, setembro a dezembro de 2009, e teve como paciente uma menina

Leia mais

PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE A ATUAÇÃO DA TERAPIA OCUPACIONAL COM BEBÊS PREMATUROS

PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE A ATUAÇÃO DA TERAPIA OCUPACIONAL COM BEBÊS PREMATUROS PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE A ATUAÇÃO DA TERAPIA OCUPACIONAL COM BEBÊS PREMATUROS Tainá de Oliveira Castelanelli Jáima Pinheiro de Oliveira Instituição de origem dos autores: UNESP Marília/SP Eixo Temático:

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA UTILIZAÇÃO DE ESCALAS DE DESENVOLVIMENTO NO ACOMPANHAMENTO DE PREMATUROS DE ALTO RISCO

IMPORTÂNCIA DA UTILIZAÇÃO DE ESCALAS DE DESENVOLVIMENTO NO ACOMPANHAMENTO DE PREMATUROS DE ALTO RISCO IMPORTÂNCIA DA UTILIZAÇÃO DE ESCALAS DE DESENVOLVIMENTO NO ACOMPANHAMENTO DE PREMATUROS DE ALTO RISCO FERNANDA TEODORO ESTEVAM COELHO PAULA CAROLINE DOS SANTOS HELENARA SALVATI BERTOLOSSI MOREIRA UNIVERSIDADE

Leia mais

IDADE GESTACIONAL, ESTADO NUTRICIONAL E GANHO DE PESO DURANTE A GESTAÇÃO DE PARTURIENTES DO HOSPITAL SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PELOTAS RS

IDADE GESTACIONAL, ESTADO NUTRICIONAL E GANHO DE PESO DURANTE A GESTAÇÃO DE PARTURIENTES DO HOSPITAL SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PELOTAS RS IDADE GESTACIONAL, ESTADO NUTRICIONAL E GANHO DE PESO DURANTE A GESTAÇÃO DE PARTURIENTES DO HOSPITAL SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PELOTAS RS Autor(es): LEIVAS, Vanessa Isquierdo; GONÇALVES, Juliana Macedo;

Leia mais

Avaliação do Desenvolvimento Neuropsicomotor. Profa. Dra. Juliana Gurgel Giannetti Departamento de Pediatria

Avaliação do Desenvolvimento Neuropsicomotor. Profa. Dra. Juliana Gurgel Giannetti Departamento de Pediatria Profa. Dra. Juliana Gurgel Giannetti Departamento de Pediatria 1. Conceitos 2. Embriologia do SNC 3. Maturação psicomotora no primeiro ano de vida Emergência de formas, de função e de comportamento que

Leia mais

Fase de Movimentos Rudimentares Desenvolvimento motor durante a infância Um livro em Branco com páginas escritas

Fase de Movimentos Rudimentares Desenvolvimento motor durante a infância Um livro em Branco com páginas escritas Fase de Movimentos Rudimentares Desenvolvimento motor durante a infância Um livro em Branco com páginas escritas Fase do Movimento Rudimentar O domínio das capacidades de movimento rudimentar do bebê é

Leia mais

Bem estar e produtividade no trabalho

Bem estar e produtividade no trabalho Bem estar e produtividade no trabalho Camila Greco Müller dos Santos Fisioterapeuta Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro Especialista em osteopatia, terapia manual e biomecânica clínica O bem-estar

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO MOTOR E AS IMPLICAÇÕES DA DESNUTRIÇÃO: UM ESTUDO COMPARATIVO DE CRIANÇAS NA FAIXA ETÁRIA DE 4 A 5 ANOS

O DESENVOLVIMENTO MOTOR E AS IMPLICAÇÕES DA DESNUTRIÇÃO: UM ESTUDO COMPARATIVO DE CRIANÇAS NA FAIXA ETÁRIA DE 4 A 5 ANOS O DESENVOLVIMENTO MOTOR E AS IMPLICAÇÕES DA DESNUTRIÇÃO: UM ESTUDO COMPARATIVO DE CRIANÇAS NA FAIXA ETÁRIA DE 4 A 5 ANOS CHRYSTIANE VASCONCELOS DE ANDRADE TOSCANO JORGE LOPES CAVALCANTE NETO ALESSANDRA

Leia mais

Fase dos Movimentos Reflexos

Fase dos Movimentos Reflexos 07/10/2014 Fase dos Movimentos Reflexos Os movimentos do Bebê Movimentos Reflexos O estudo dos reflexos e dos padrões de comportamento estereotipados dos bebês revela informações úteis para a compreensão

Leia mais

ANÁLISE DO CRESCIMENTO CORPORAL DE CRIANÇAS DE 0 À 2 ANOS EM CRECHES MUNICIPAIS DE GOIÂNIA

ANÁLISE DO CRESCIMENTO CORPORAL DE CRIANÇAS DE 0 À 2 ANOS EM CRECHES MUNICIPAIS DE GOIÂNIA ANÁLISE DO CRESCIMENTO CORPORAL DE CRIANÇAS DE 0 À 2 ANOS EM CRECHES MUNICIPAIS DE GOIÂNIA Juliana Campos Rodovalho 1 ; Ana Karolina Paiva Braga 1 ; Cibelle Kayenne Martins Roberto Formiga 2 ; Lílian Fernanda

Leia mais

RPG. Reeducação Postural Global

RPG. Reeducação Postural Global RPG Reeducação Postural Global Criador do Método Philippe Emanuel Souchard Físico/Fisioterapeuta Criado em 1980 O que é a RPG? Micro e macro-ajustamento do sistema músculo-esquelético em decoaptação,detorção,

Leia mais

Período de Realização. De 3 de julho à 15 de setembro de População em geral. Sujeitos da Ação

Período de Realização. De 3 de julho à 15 de setembro de População em geral. Sujeitos da Ação Objetivos: Pesquisa Nacional sobre Saúde e Nutrição PNSN (1989) O objetivo central desta pesquisa foi apurar os indicadores da situação nutricional da população brasileira. Procurou-se observar quem eram

Leia mais

Crescimento e Desenvolvimento Humano

Crescimento e Desenvolvimento Humano Crescimento e Desenvolvimento Humano Capacidades física e Motoras durante o processo de crescimento e Desenvolvimento Humano Desenvolvimento e Crescimento Humano Para se entender o processo de desenvolvimento

Leia mais

ANÁLISE DESCRITIVA DAS INTOXICAÇÕES POR MEDICAMENTOS EM GOIÁS

ANÁLISE DESCRITIVA DAS INTOXICAÇÕES POR MEDICAMENTOS EM GOIÁS ANÁLISE DESCRITIVA DAS INTOXICAÇÕES POR MEDICAMENTOS EM GOIÁS Luciana de Melo Borges 1,3 ; Naiana Kelly Silva Bitencourt 1,3 ; Sueli Martins de Freitas Alves 2,3 1 Bolsista PBIC/UEG 2 Pesquisadora - Orientadora

Leia mais

AVALIAÇÃO DA IDADE GESTACIONAL PELO MÉTODO NOVO DE BALLARD NEW BALLARD SCORE (NBS) Paulo R. Margotto Chefe da Unidade de Neonatologia/HRAS

AVALIAÇÃO DA IDADE GESTACIONAL PELO MÉTODO NOVO DE BALLARD NEW BALLARD SCORE (NBS) Paulo R. Margotto Chefe da Unidade de Neonatologia/HRAS AVALIAÇÃO DA IDADE GESTACIONAL PELO MÉTODO NOVO DE BALLARD NEW BALLARD SCORE (NBS) Paulo R. Margotto Chefe da Unidade de Neonatologia/HRAS O NBS é um método de avaliação da idade gestacional (IG) de recém-nascido

Leia mais

Coluna lombar. Características gerais: 5 vértebras 1 curvatura lordose fisiológica

Coluna lombar. Características gerais: 5 vértebras 1 curvatura lordose fisiológica COLUNA LOMBAR Coluna lombar Características gerais: 5 vértebras 1 curvatura lordose fisiológica 2 tipos de Articulações: Intervertebral cartilaginosa Proc. Articulares - sinovial Coluna lombar Coluna lombar

Leia mais

PROPOSTA DE UM PROGRAMA DE PRÁTICA EM GRUPO COMPOSTO POR FISIOTERAPIA, YOGA E MUSICOTERAPIA PARA PACIENTES COM DOENÇA DE PARKINSON

PROPOSTA DE UM PROGRAMA DE PRÁTICA EM GRUPO COMPOSTO POR FISIOTERAPIA, YOGA E MUSICOTERAPIA PARA PACIENTES COM DOENÇA DE PARKINSON Rev Bras Neurol. 52(3):12-19, 2016 PROPOSTA DE UM PROGRAMA DE PRÁTICA EM GRUPO COMPOSTO POR FISIOTERAPIA, YOGA E MUSICOTERAPIA PARA PACIENTES COM DOENÇA DE PARKINSON PROPOSAL FOR A PROGRAMME OF PRACTICE

Leia mais

O PROCESSO DO ALEITAMENTO MATERNO EM RECÉM-NASCIDO DE BAIXO PESO

O PROCESSO DO ALEITAMENTO MATERNO EM RECÉM-NASCIDO DE BAIXO PESO Karina Cristina Sousa Macedo Michelle Rigamonte Bulk Alves Selma Aparecida Cardoso O PROCESSO DO ALEITAMENTO MATERNO EM RECÉM-NASCIDO DE BAIXO PESO Bragança Paulista 2007 Karina Cristina Sousa Macedo Michelle

Leia mais

ESTUDOS DE COORTE. Baixo Peso Peso Normal Total Mãe usuária de cocaína

ESTUDOS DE COORTE. Baixo Peso Peso Normal Total Mãe usuária de cocaína UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE MEDICINA PREVENTIVA DISCIPLINA DE EPIDEMIOLOGIA ESTUDOS DE COORTE 1) Com o objetivo de investigar

Leia mais

Variação sociolinguistica e aquisição semântica: um estudo sobre o perfil lexical pelo teste ABFW numa amostra de crianças em Salvador-BA

Variação sociolinguistica e aquisição semântica: um estudo sobre o perfil lexical pelo teste ABFW numa amostra de crianças em Salvador-BA Variação sociolinguistica e aquisição semântica: um estudo sobre o perfil lexical pelo teste ABFW numa amostra de crianças em Salvador-BA Palavras-chave: Desenvolvimento Infantil; Linguagem; Sociedades.

Leia mais

AVERIGUAÇÃO DA PRESSÃO ARTERIAL NO REPOUSO E APÓS ATIVIDADE FÍSICA EM ACADÊMICOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA

AVERIGUAÇÃO DA PRESSÃO ARTERIAL NO REPOUSO E APÓS ATIVIDADE FÍSICA EM ACADÊMICOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA AVERIGUAÇÃO DA PRESSÃO ARTERIAL NO REPOUSO E APÓS ATIVIDADE FÍSICA EM ACADÊMICOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA BLOOD PRESSURE OF FINDING AT HOME AND AFTER PHYSICAL ACTIVITY IN STUDENTS OF PHYSICAL THERAPY COURSE

Leia mais

AVALIAÇÃO POSTURAL O QUE É UMA AVALIAÇÃO POSTURAL? 16/09/2014

AVALIAÇÃO POSTURAL O QUE É UMA AVALIAÇÃO POSTURAL? 16/09/2014 AVALIAÇÃO POSTURAL O QUE É UMA AVALIAÇÃO POSTURAL? A AVALIAÇÃO POSTURAL CONSISTE EM DETERMINAR E REGISTRAR SE POSSÍVEL ATRAVÉS DE FOTOS, OS DESVIOS OU ATITUDES POSTURAIS DOS INDIVÍDUOS, ONDE O MESMO É

Leia mais

TREINAMENTO AUXILIARES DE TRANSPORTE CEPEP-ISGH 2014

TREINAMENTO AUXILIARES DE TRANSPORTE CEPEP-ISGH 2014 TREINAMENTO AUXILIARES DE TRANSPORTE CEPEP-ISGH 2014 INTRODUÇÃO A transferência e a mobilização de pacientes deve ser realizada cuidadosamente por um profissional que tenha o conhecimento das áreas corporais

Leia mais

4. NATALIDADE E MORTALIDADE INFANTIL

4. NATALIDADE E MORTALIDADE INFANTIL . NATALIDADE E MORTALIDADE INFANTIL .. Introdução A taxa de natalidade e a taxa de mortalidade infantil são indicadores frequentemente utilizados na caracterização da população. O estudo da taxa de natalidade,

Leia mais

Fisiologia do Sistema Motor Somático

Fisiologia do Sistema Motor Somático Fisiologia do Sistema Motor Somático Controle Motor Efetores executam o trabalho (músculos); Ordenadores transmitem aos efetores o comando para a ação (ME, TE e CC); Controladores garantem a execução adequada

Leia mais

Estatísticas de saúde. Certificados de óbito.

Estatísticas de saúde. Certificados de óbito. Estatísticas de saúde. Certificados de óbito. A maior parte da informação que obtemos sobre os óbitos vem dos certificados de óbito (ver anexo da aula prática). Por acordo internacional, os óbitos são

Leia mais

QUAL O IMC DOS ALUNOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS AO ENSINO MÉDIO NO IFTM CAMPUS UBERLÂNDIA?

QUAL O IMC DOS ALUNOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS AO ENSINO MÉDIO NO IFTM CAMPUS UBERLÂNDIA? QUAL O IMC DOS ALUNOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS AO ENSINO MÉDIO NO IFTM CAMPUS UBERLÂNDIA? Bianca Silva Santos 1 ; Henrique Flausino de Souza 2 ; Maria Eduarda Guedes Coutinho 3 ; Maria Julia Rocha Ferreira

Leia mais

INFLUÊNCIAS DO ESTRESSE E ANSIEDADE MATERNA NOS PRIMEIROS MESES DO DESENVOLVIMENTO INFANTIL

INFLUÊNCIAS DO ESTRESSE E ANSIEDADE MATERNA NOS PRIMEIROS MESES DO DESENVOLVIMENTO INFANTIL INFLUÊNCIAS DO ESTRESSE E ANSIEDADE MATERNA NOS PRIMEIROS MESES DO DESENVOLVIMENTO INFANTIL Samya Zulmira Lôbo de Carvalho¹; Taís Chiodelli¹, Veronica Aparecida Pereira² UFGD-FCH, C. Postal 533, 79804-970

Leia mais

IMPACTO DA ARTROPLASTIA TOTAL DE QUADRIL SOBRE A QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS PORTADORES DE ARTROSE INCAPACITANTE.

IMPACTO DA ARTROPLASTIA TOTAL DE QUADRIL SOBRE A QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS PORTADORES DE ARTROSE INCAPACITANTE. CARLA CARVALHO HORN IMPACTO DA ARTROPLASTIA TOTAL DE QUADRIL SOBRE A QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS PORTADORES DE ARTROSE INCAPACITANTE. Dissertação de Mestrado em Gerontologia Biomédica Para a obtenção do

Leia mais

PROGRAMA DE ALONGAMENTO PARA CRIANÇAS DE 10 A 12 ANOS ESTUDANTES DE DANÇA CLÁSSICA

PROGRAMA DE ALONGAMENTO PARA CRIANÇAS DE 10 A 12 ANOS ESTUDANTES DE DANÇA CLÁSSICA PROGRAMA DE ALONGAMENTO PARA CRIANÇAS DE 10 A 12 ANOS ESTUDANTES DE DANÇA CLÁSSICA Introdução: Este estudo de caso seleciou 21 meninos, com idades entre 9 e 12 anos de uma turma do 2º ano da Escola do

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina NUR320 Nutrição Materno-Infantil

Programa Analítico de Disciplina NUR320 Nutrição Materno-Infantil 0 Programa Analítico de Disciplina Campus Rio Paranaíba - Campus Rio Paranaíba Número de créditos: 4 Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga horária semanal 3 1 4 Períodos - oferecimento:

Leia mais

Estatística - aulasestdistrnormal.doc 13/10/05

Estatística - aulasestdistrnormal.doc 13/10/05 Distribuição Normal Introdução O pesquisador estuda variáveis. O estatístico diz que essas variáveis são aleatórias porque elas têm um componente que varia ao acaso. Por exemplo, a variabilidade dos pesos

Leia mais

TÍTULO: ANÁLISE ANTROPOMÉTRICA DE SACROS DO SEXO MASCULINO E FEMININO DO ESTADO DE SÃO PAULO

TÍTULO: ANÁLISE ANTROPOMÉTRICA DE SACROS DO SEXO MASCULINO E FEMININO DO ESTADO DE SÃO PAULO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ANÁLISE ANTROPOMÉTRICA DE SACROS DO SEXO MASCULINO E FEMININO DO ESTADO DE SÃO PAULO CATEGORIA:

Leia mais

DESENVOLVIMENTO MOTOR DE BEBÊS INSERIDOS EM DIFERENTES PROGRAMAS DE ESTIMULAÇÃO.

DESENVOLVIMENTO MOTOR DE BEBÊS INSERIDOS EM DIFERENTES PROGRAMAS DE ESTIMULAÇÃO. DESENVOLVIMENTO MOTOR DE BEBÊS INSERIDOS EM DIFERENTES PROGRAMAS DE ESTIMULAÇÃO. MÔNICA MORCÉLLI, FABRICIO MADUREIRA, Universidade Metropolitana de Santos - FEFIS, Santos, São Paulo, Brasil e-mail: morcelli.m@gmail.com

Leia mais

NASCER PREMATURO EM PORTUGAL Epidemiologia. Organização

NASCER PREMATURO EM PORTUGAL Epidemiologia. Organização NASCER PREMATURO EM PORTUGAL Epidemiologia. Organização Em 2005 nasceram em Portugal 109 399 nados vivos, dos quais 6,6 % (7260) foram prematuros (idade gestacional abaixo das 37 semanas), 7,5% (8200)

Leia mais

TÁBUA IBGE 2015 E OS EFEITOS NOS BENEFÍCIOS DA PREVIDÊNCIA SOCIAL

TÁBUA IBGE 2015 E OS EFEITOS NOS BENEFÍCIOS DA PREVIDÊNCIA SOCIAL TÁBUA IBGE 2015 E OS EFEITOS NOS BENEFÍCIOS DA PREVIDÊNCIA SOCIAL Apesar de estarmos no final do ano de 2016, o IBGE divulgou nesta terça feira a Tábua IBGE-2015 que será utilizada pela Previdência Social,

Leia mais

Módulo 5: TEMPERATURA

Módulo 5: TEMPERATURA Atenção à saúde do Recém-nascido de Risco Superando pontos críticos Módulo 5: TEMPERATURA Como os bebês ganham e perdem calor? Por que o frio pode ser prejudicial para o bebê? E quando sentem muito calor,

Leia mais

~ 5 ~ A EFETIVIDADE DAS TÉCNICAS DE ISOSTRETCHING E ALOGAMENTO ESTÁTICO NA LOMBALGIA

~ 5 ~ A EFETIVIDADE DAS TÉCNICAS DE ISOSTRETCHING E ALOGAMENTO ESTÁTICO NA LOMBALGIA ~ 5 ~ A EFETIVIDADE DAS TÉCNICAS DE ISOSTRETCHING E ALOGAMENTO ESTÁTICO NA LOMBALGIA Isadora Carneiro Kovalhuk 1 Daniela dos Santos 2 Recebido em: 20.10.2013 Aceito em: 20.11.2013 Resumo: Lombalgia é o

Leia mais

Características da gestante adolescente em estudo prospectivo de 4 anos: realidade em Teresópolis

Características da gestante adolescente em estudo prospectivo de 4 anos: realidade em Teresópolis Características da gestante adolescente em estudo prospectivo de 4 anos: realidade em Teresópolis VASCONCELOS, Marcos. Docente do curso de graduação em Medicina. SOUZA, Nathalia Vital. Discente do curso

Leia mais

Página 2 em diante devem estar contemplados os seguintes itens:

Página 2 em diante devem estar contemplados os seguintes itens: 1 TEMPLATE - Projeto de pesquisa FORMATAÇÃO Fonte: Texto: Arial ou Times New Roman, tamanho 12. Títulos: Arial ou Times New Roman, tamanho 14, negrito Espaço: duplo Margens: 2,5 cm em todas as margens

Leia mais

UNIVERSIDADE DO CEUMA UniCEUMA. Curso de Direito. Núcleo de Atividades Complementares NAC

UNIVERSIDADE DO CEUMA UniCEUMA. Curso de Direito. Núcleo de Atividades Complementares NAC 1 EDITAL NAC nº01/2016 NÚCLEO DE ESTUDOS EM VIOLÊNCIA E CIDADANIA NEVIC PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIBIC A Coordenação do, através de seu Núcleo de Atividades Complementares

Leia mais

Definições. Atraso = demora (vai recuperar?) Retardo = perda. Recupera sem alterações permanentes ou não

Definições. Atraso = demora (vai recuperar?) Retardo = perda. Recupera sem alterações permanentes ou não Atraso = demora (vai recuperar?) Definições Recupera sem alterações permanentes ou não Retardo = perda Capacidade / habilidade são constantes? Definições QI estima-se variar apenas 10 pontos para mais

Leia mais

INSTRUMENTO DE COLHEITA DE DADOS

INSTRUMENTO DE COLHEITA DE DADOS INSTRUMENTO DE COLHEITA DE DADOS 1 Sexo: - Masculino. (1) - Feminino.. (2) 2 Idade: 3 Estado Civil: - Solteiro (1) - Casado.. (2) - União de Facto (3) - Divorciado..... (4) - Separado..... (5) - Viúvo...

Leia mais

Disciplina: Ginástica Geral Capacidades Físicas. Prof. Dra. Bruna Oneda 2012

Disciplina: Ginástica Geral Capacidades Físicas. Prof. Dra. Bruna Oneda 2012 Disciplina: Ginástica Geral Capacidades Físicas Prof. Dra. Bruna Oneda 2012 Capacidades Físicas Ou habilidades físicas são o conjunto de capacidades individuais, orgânicas, musculares e neurológicas que

Leia mais

Estado nutricional de gestantes em diferentes períodos de gestação

Estado nutricional de gestantes em diferentes períodos de gestação Estado nutricional de gestantes em diferentes períodos de gestação Juliany Piazzon Gomes 1 Cristina Simões de Carvalho Tomasetti 2 Rejane Dias Neves Souza 3 RESUMO: Acompanhou-se 33 gestantes com a finalidade

Leia mais

Causas Microcefalia é o resultado do crescimento abaixo do normal do cérebro da criança ainda no útero ou na infância. A microcefalia pode ser

Causas Microcefalia é o resultado do crescimento abaixo do normal do cérebro da criança ainda no útero ou na infância. A microcefalia pode ser Microcefalia Microcefalia Microcefalia é uma condição neurológica rara em que a cabeça e o cérebro da criança são significativamente menores do que os de outras da mesma idade e sexo. A microcefalia normalmente

Leia mais

NOTA TÉCNICA N.º 110/2010/DA/SAGI/MDS

NOTA TÉCNICA N.º 110/2010/DA/SAGI/MDS NOTA TÉCNICA N.º 110/2010/DA/SAGI/MDS Assunto: Síntese do 1º. Relatório contendo os Principais Resultados da Pesquisa de Avaliação de Impacto do Bolsa Família 2ª Rodada AIBF II Data: 04 de agosto de 2010

Leia mais

TIPOS DE LESÕES. Adaptado de CHAFFIN e ANDERSON (1991) TIPO DE TRAUMA

TIPOS DE LESÕES. Adaptado de CHAFFIN e ANDERSON (1991) TIPO DE TRAUMA LESÕES NO TRABALHO TIPOS DE LESÕES TIPO DE TRAUMA CAUSA EFEITO Trauma por impacto Uma força repentina de grande intensidade Contusões, lacerações, fraturas, amputações, subluxações articulares, concussões,

Leia mais

Atuação do Terapeuta Ocupacional com criança com atraso do desenvolvimento neuropsicomotor

Atuação do Terapeuta Ocupacional com criança com atraso do desenvolvimento neuropsicomotor ISSN 0104-4931 http://dx.doi.org/10.4322/cto.2013.019 Atuação do Terapeuta Ocupacional com criança com atraso do desenvolvimento neuropsicomotor Ariana Carramaschi de Souza a, Milena de Souza Fazio Marino

Leia mais

1 OBJETO DE AVALIAÇÃO

1 OBJETO DE AVALIAÇÃO Informação- Prova de Equivalência à Frequência Educação Física Prova 28 2016 2º Ciclo do Ensino Básico O presente documento divulga informação relativa à prova de equivalência à frequência do 2º Ciclo

Leia mais

Fase Preparatória Objectivos Operacionais Estratégias / Organização Objectivos comportamentais / Componentes críticas Chamada

Fase Preparatória Objectivos Operacionais Estratégias / Organização Objectivos comportamentais / Componentes críticas Chamada Professor: Mário Santos Ano Lectivo: 2009/10 Ano: 8º Turma: A Nº Alunos: 20 Aula Nº: 1 e 2 Aula U.D. Nº: 1 e 2 de 3 Instalações: Pavilhão Data: 13-04-2010 Hora: 10h20min Duração: 75 minutos Unidade Didáctica:

Leia mais

Os escolares das Escolas Municipais de Ensino Fundamental

Os escolares das Escolas Municipais de Ensino Fundamental 16 Estado nutricional das crianças de 7 a 10 anos de idade do Município de Vinhedo (SP) em 2005 e 2008, segundo os critérios da Organização Mundial da Saúde (2007) Estela Marina Alves Boccaletto Doutoranda

Leia mais

LER A DOENÇA DO SÉCULO

LER A DOENÇA DO SÉCULO LER A DOENÇA DO SÉCULO Introdução Muitas vezes sofremos lesões que procedem de comportamentos cotidianos que não nos damos conta de ser danosos a nossa saúde até começarmos a sentir a dores que são ocasionadas

Leia mais

PROJECTO DE INVESTIGAÇÃO DESTINADO À ELABORAÇÃO DE UMA DISSERTAÇÃO ORIGINAL NO ÂMBITO DO CURSO DE MESTRADO EM EPIDEMIOLOGIA (1ª EDIÇÃO)

PROJECTO DE INVESTIGAÇÃO DESTINADO À ELABORAÇÃO DE UMA DISSERTAÇÃO ORIGINAL NO ÂMBITO DO CURSO DE MESTRADO EM EPIDEMIOLOGIA (1ª EDIÇÃO) PROJECTO DE INVESTIGAÇÃO DESTINADO À ELABORAÇÃO DE UMA DISSERTAÇÃO ORIGINAL NO ÂMBITO DO CURSO DE MESTRADO EM EPIDEMIOLOGIA (1ª EDIÇÃO) Prevalência e Factores de Sucesso do Aleitamento Materno no Hospital

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE Informação Prova de Equivalência à Frequência Prática 3º Ciclo do Ensino Básico 2014/2015 Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 julho Aprovado em Conselho Pedagógico de 06

Leia mais

AVALIAÇÃO DA COLUNA VERTEBRAL

AVALIAÇÃO DA COLUNA VERTEBRAL AVALIAÇÃO DA COLUNA VERTEBRAL COLUNA CERVICAL FUNÇÕES: Suporte e estabilidade à cabeça Dar mobilidade à cabeça Abrigar, conduzir e proteger a medula espinhal e a artéria vertebral INSPEÇÃO Postura Global

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Enfermagem. Educação em Saúde. Período Pós-Parto

PALAVRAS-CHAVE Enfermagem. Educação em Saúde. Período Pós-Parto 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PROJETO CONSULTA

Leia mais

Baixo ganho ponderal. em bebês em Aleitamento Materno Exclusivo ENAM Honorina de Almeida; Douglas Nóbrega Gomes

Baixo ganho ponderal. em bebês em Aleitamento Materno Exclusivo ENAM Honorina de Almeida; Douglas Nóbrega Gomes Baixo ganho ponderal em bebês em Aleitamento Materno Exclusivo ENAM 2010 Honorina de Almeida; Douglas Nóbrega Gomes Introdução Baixo ganho ponderal em bebês em AME causa grande angústia profissional e

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIRG CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIRG (FONTE 12) Nome do autor (FONTE 12) TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA (FONTE 12)

FUNDAÇÃO UNIRG CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIRG (FONTE 12) Nome do autor (FONTE 12) TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA (FONTE 12) FUNDAÇÃO UNIRG CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIRG (FONTE 12) Nome do autor (FONTE 12) TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA (FONTE 12) GURUPI TO MÊS, ANO. MODELO DE FOLHA DE ROSTO NOME DO ALUNO (FONTE 12) TÍTULO DO PROJETO

Leia mais

QUESTIONÁRIO ACADEMIA PRATIQUE FITNESS AVALIAÇÃO FÍSICA

QUESTIONÁRIO ACADEMIA PRATIQUE FITNESS AVALIAÇÃO FÍSICA QUESTIONÁRIO ACADEMIA PRATIQUE FITNESS AVALIAÇÃO FÍSICA NOME: UNIDADE: 1) QUAL O PROCEDIMENTO ADEQUADO DO AVALIADOR QUANDO O ALUNO CHEGA NA RECEPÇÃO? A) ESPERAR O RECEPCIONISTA ATENDER. B) ENTREGAR O PARQ

Leia mais

ANÁLISE POSTURAL EM UNIVERSITÁRIOS

ANÁLISE POSTURAL EM UNIVERSITÁRIOS ANÁLISE POSTURAL EM UNIVERSITÁRIOS Syndel Souza Stefanes-UNICENTRO (ssyndyy@hotmail.com) Isabely de Oliveira- UNICENTRO (isabely_07@hotmail.com) Ana Luiza Ferreira da Rocha UNICENTRO (analuizarocha@hotmail.com)

Leia mais

16. pesquisa sobre o serviço de recepção do acompanhamento de pré-natal

16. pesquisa sobre o serviço de recepção do acompanhamento de pré-natal 16. pesquisa sobre o serviço de recepção do acompanhamento de pré-natal Perfil das Gestantes/ Puérperas da Rede de Proteção à Mãe Paulistana RELATÓRIO À MARÇO DE 2015 45 17. pesquisa sobre o serviço de

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA BIOMECÂNICA PARA O PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA: OBSERVANDO UMA BRINCADEIRA INFANTIL *

IMPORTÂNCIA DA BIOMECÂNICA PARA O PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA: OBSERVANDO UMA BRINCADEIRA INFANTIL * IMPORTÂNCIA DA BIOMECÂNICA PARA O PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA: OBSERVANDO UMA BRINCADEIRA INFANTIL * IVAN SILVEIRA DE AVELAR, ** REGINA QUEIROZ SILVA, ** TAÍSSA RAMALHO,** ADRIANO SERRANO ** E MARCUS

Leia mais

6. Análise dos Resultados

6. Análise dos Resultados 87 6. Análise dos Resultados Os dados coletados através da Avaliação Ergonômica: avaliação observacional da sala de informática, do RULA, dos Questionários e da Avaliação Postural Computadorizada aponta

Leia mais

ANEXO II CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE TÍTULOS

ANEXO II CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE TÍTULOS ANEXO II CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE TÍTULOS - Regulamento da Titulação - Regulamento da Produção Científica - Regulamento da Experiência Profissional Regulamento da Titulação Nesta categoria os examinadores

Leia mais

NOÇÕES DO SISTEMA ESQUELÉTICO OU

NOÇÕES DO SISTEMA ESQUELÉTICO OU NOÇÕES DO SISTEMA ESQUELÉTICO OU SISTEMA LOCOMOTOR OBJETIVOS Identificar as estruturas e funções dos ossos do sistema locomotor; Analisar a importância deste sistema para processo de movimentação e locomoção;

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UMA CAMISOLA QUE PROPORCIONE O ALEITAMENTO MATERNO

DESENVOLVIMENTO DE UMA CAMISOLA QUE PROPORCIONE O ALEITAMENTO MATERNO DESENVOLVIMENTO DE UMA CAMISOLA QUE PROPORCIONE O ALEITAMENTO MATERNO Nunes, Caroline; Tecnologa; Universidade Católica de Pelotas carolinepnune@gmail.com Ribeiro, Marília; Acadêmica; Universidade Católica

Leia mais

II SEMANA ACADÊMICA DA UNIVERSIDADE CEUMA - CAMPUS IMPERATRIZ

II SEMANA ACADÊMICA DA UNIVERSIDADE CEUMA - CAMPUS IMPERATRIZ II SEMANA ACADÊMICA DA UNIVERSIDADE CEUMA - CAMPUS IMPERATRIZ EDITAL Nº 01 Imperatriz MA 2016 A Universidade Ceuma torna público o edital de convocação para inscrição na II SEMANA ACADÊMICA do campus Imperatriz,

Leia mais

Série criada para: Ciatalgia - piora extensão

Série criada para: Ciatalgia - piora extensão Mobilização da Coluna (fase 1) - ADM Ativa Deitado, pés no chão. Junte as palmas das mãos a frente com o braço esticado e mova para um lado, mantenha e mova para o outro. Alongamento da Coluna - Pernas

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE FISIOTERAPIA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE FISIOTERAPIA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE FISIOTERAPIA CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES DO MAGISTÉRIO SUPERIOR Edital nº 05, de 11 de fevereiro

Leia mais

Avaliação prospectiva da Osteocalcina em adolescentes usuárias de anticoncepcional oral de baixa dosagem: um ano de acompanhamento

Avaliação prospectiva da Osteocalcina em adolescentes usuárias de anticoncepcional oral de baixa dosagem: um ano de acompanhamento Avaliação prospectiva da Osteocalcina em adolescentes usuárias de anticoncepcional oral de baixa dosagem: um ano de acompanhamento Stefany Hellen Sousa Martins, Tamara Beres Lederer Goldberg, Talita Poli

Leia mais

CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 PLANO DE CURSO

CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 PLANO DE CURSO CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 Componente Curricular: Fisioterapia em Neonatologia Código: Fisio 223 Pré-requisito: Desenvolvimento Humano

Leia mais

Desenvolvendo o Pensamento Matemático em Diversos Espaços Educativos A MATEMÁTICA EM SITUAÇÕES QUE ENGLOBAM ALIMENTAÇÃO E SAÚDE

Desenvolvendo o Pensamento Matemático em Diversos Espaços Educativos A MATEMÁTICA EM SITUAÇÕES QUE ENGLOBAM ALIMENTAÇÃO E SAÚDE A MATEMÁTICA EM SITUAÇÕES QUE ENGLOBAM ALIMENTAÇÃO E SAÚDE Modelagem e Educação Matemática (MEM) GT 4 Ângela Tereza Silva de SOUZA Universidade Federal da Paraíba anjinhatereza@hotmail.com RESUMO Neste

Leia mais

Prova Escrita e Prática de Educação Física

Prova Escrita e Prática de Educação Física INFORMAÇÃO ------------------------------------------------------------------------------------------------------- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita e Prática de Educação

Leia mais

Dicas de prevenção para Hérnia de Disco

Dicas de prevenção para Hérnia de Disco Dicas de prevenção para Hérnia de Disco Apresentação Olá, esse conteúdo é a realização de uma parceria entre a Cefig e a Fisioterapia Integrativa. Nesse E-book vamos abordar algumas dicas para prevenção

Leia mais

Rio de Janeiro, 31 de março de (Finalizando a aula anterior) AULA 3: A IMPORTÂNCIA DO INSTRUMENTO A VALIDADE DE CONTUDO DE UMA ESCALA

Rio de Janeiro, 31 de março de (Finalizando a aula anterior) AULA 3: A IMPORTÂNCIA DO INSTRUMENTO A VALIDADE DE CONTUDO DE UMA ESCALA Prof. Landeira-Fernandez Bioestatística Rio de Janeiro, 31 de março de 2014. (Finalizando a aula anterior) AULA 3: A IMPORTÂNCIA DO INSTRUMENTO A VALIDADE DE CONTUDO DE UMA ESCALA Quando constrói uma nova

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA NA TERCEIRA IDADE. Paraná

ATIVIDADE FÍSICA NA TERCEIRA IDADE. Paraná ATIVIDADE FÍSICA NA TERCEIRA IDADE Paraná 2 O processo de envelhecimento pode acarretar na dependência de outras pessoas para a realização de atividades de vida diária. Existem cada vez mais evidências

Leia mais

CONGRESSO BRASILEIRO DE FISIOTERAPIA DERMATO FUNCIONAL 08 a 10 DE NOVEMBRO 2012 RECIFE PE MODALIDADE PÔSTER

CONGRESSO BRASILEIRO DE FISIOTERAPIA DERMATO FUNCIONAL 08 a 10 DE NOVEMBRO 2012 RECIFE PE MODALIDADE PÔSTER CARACTERIZAÇÃO E PREVALÊNCIA DA TENSÃO PRÉ- MENSTRUAL EM MULHERES JOVENS Danielle de Oliveira Ribeiro; Barbara Evelyn Barros Guimarães; Aline Fernanda Perez Machado; Rogério Eduardo Tacani; Pascale Mutti

Leia mais

PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO GERÊNCIA DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CAMPUS UNIVERSITÁRIO GRANDE FLORIANÓPOLIS PROJETO DE EXTENSÃO COORDENAÇÃO

PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO GERÊNCIA DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CAMPUS UNIVERSITÁRIO GRANDE FLORIANÓPOLIS PROJETO DE EXTENSÃO COORDENAÇÃO PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO GERÊNCIA DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CAMPUS UNIVERSITÁRIO GRANDE FLORIANÓPOLIS PROJETO DE EXTENSÃO Saúde na Escola Unisul COORDENAÇÃO Coordenador: Ana Paula Ferreira

Leia mais

Palavras-chave: Criança. Peso ao nascer. Avaliação de deficiência.

Palavras-chave: Criança. Peso ao nascer. Avaliação de deficiência. ARTIGO ORIGINAL AVALIAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO MOTOR EM CRIANÇAS DE 0 A 18 MESES DE IDADE COM BAIXO PESO Luciana Araújo dos Reis a Isnara Teixeira de Britto b Rosângela S. Lessa c Suellen P. Freitas d Thame

Leia mais

Oito dicas para melhorar a postura corporal em sala de aula

Oito dicas para melhorar a postura corporal em sala de aula Bem-estar do professor Oito dicas para melhorar a postura corporal em sala de aula A rotina de quem ensina exige cuidados com a coluna e com a musculatura corporal. Veja como implementar estes cuidados

Leia mais

Treino para Prevenção de Quedas. O que é e como fazer

Treino para Prevenção de Quedas. O que é e como fazer Treino para Prevenção de Quedas O que é e como fazer Orientações Treino Prevenção de Quedas Com este treino você terá melhora no seu equilíbrio, força muscular e bem estar geral, reduzindo seu risco de

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. IV Seminário Internacional Sociedade Inclusiva

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. IV Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais IV Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Propostas e ações inclusivas: impasses e avanços Belo Horizonte 17 a 20 de outubro de 2006 Sessões

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE UFRN FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DO TRAIRI FACISA ESCOLA MULTICAMPI DE CIÊNCIAS MÉDICAS DO RN EMCM

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE UFRN FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DO TRAIRI FACISA ESCOLA MULTICAMPI DE CIÊNCIAS MÉDICAS DO RN EMCM UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE UFRN FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DO TRAIRI FACISA ESCOLA MULTICAMPI DE CIÊNCIAS MÉDICAS DO RN EMCM Projeto PET-Saúde GraduaSUS Santa Cruz e Caicó EDITAL PARA

Leia mais

TÍTULO: SEXAGEM FETAL:DIAGNÓTICO DO SEXO DO FETO POR REAÇÃO EM CADEIA DE POLIMERASE (PCR)

TÍTULO: SEXAGEM FETAL:DIAGNÓTICO DO SEXO DO FETO POR REAÇÃO EM CADEIA DE POLIMERASE (PCR) TÍTULO: SEXAGEM FETAL:DIAGNÓTICO DO SEXO DO FETO POR REAÇÃO EM CADEIA DE POLIMERASE (PCR) CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

TRANSIÇÃO ALIMENTAR EM RECÉM-NASCIDOS COM DISPLASIA BRONCOPULMONAR E ALEITAMENTO MATERNO

TRANSIÇÃO ALIMENTAR EM RECÉM-NASCIDOS COM DISPLASIA BRONCOPULMONAR E ALEITAMENTO MATERNO TRANSIÇÃO ALIMENTAR EM RECÉM-NASCIDOS COM DISPLASIA BRONCOPULMONAR E HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO, UERJ - RJ, BRASIL Fga. Daiana Evangelista e Fga. Andressa Oliveira INTRODUÇÃO: DISPLASIA BRONCOPULMONAR

Leia mais

MEDIDA DA FUNÇÃO MOTORA GROSSA (GMFM)

MEDIDA DA FUNÇÃO MOTORA GROSSA (GMFM) MEDIDA DA FUNÇÃO MOTORA GROSSA (GMFM) FOLHA DE PONTUAÇÃO (GMFM-88 e GMFM-66)* Nome da criança: Registro: Data da avaliação: Data de nascimento: Idade cronológica anos meses Nome do avaliador: Nível no

Leia mais

Medidas de Dispersão 1

Medidas de Dispersão 1 Curso: Logística e Transportes Disciplina: Estatística Profa. Eliane Cabariti Medidas de Dispersão 1 Introdução Uma breve reflexão sobre as medidas de tendência central permite-nos concluir que elas não

Leia mais

As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e das metas da disciplina.

As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e das metas da disciplina. Informação-Prova de Equivalência à Frequência Educação Física maio de 2016 Prova 28 2016 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais