AULA 1. - O tempo de determinada localidade, que esta sempre mudando, é compreendido dos elementos:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AULA 1. - O tempo de determinada localidade, que esta sempre mudando, é compreendido dos elementos:"

Transcrição

1 AULA Definição de tempo e clima - Quando falamos de tempo meteorológico estamos falando sobre as condições da atmosfera em um determinado local e um tempo específico. - O tempo de determinada localidade, que esta sempre mudando, é compreendido dos elementos: Temperatura do ar, pressão atmosférica, umidade, nebulosidade, precipitação, visibilidade e intensidade e direção do vento. - Medindo e/ou observando esses elementos do tempo em determinado intervalo de tempo, vários anos, obtém-se a média do tempo meteorológico ou o clima de uma região especifica. - Consequentemente o clima de uma determinada região representa a soma dos eventos diários de tempo dessa região em grande período. - Assim, enquanto o clima é determinado pelo estado médio da atmosfera, o tempo meteorológico está associado à variabilidade diária. - Ainda, conceito de clima inclui o conceito de eventos extremos de tempo, como por exemplo, as ondas de calor no Hemisfério Norte. A freqüência de eventos extremos nos ajuda a distingui entre climas que tem a médias similares e a variabilidade de determinado clima. Resumindo, o clima de determinada região é caracterizado pelo estado médio da atmosfera ou pela média das condições de tempo meteorológico (temperatura, pressão e ventos, umidade e precipitação) em determinados números de anos, bem como, com desvio padrão associado a essa média. 1

2 Elementos do clima: temperatura, pressão, intensidade e direção do vento, umidade, precipitação, nebulosidade e visibilidade. Nas Figuras 1, 2 e 3 encontramos campos de umidade relativa, precipitação e temperatura dos dias 10 de janeiro de 2006 e 2007 e a média destas variáveis para o período de 1997 a Nessas figuras podemos observar a configuração destas variáveis para um determinado dia, representando o tempo deste dia, e a média destas variáveis para um longo período. Pode-se perceber que a configuração destas variáveis para um determinado dia é bem mais perturbada que a média para um longo período. Isto acontece devido à filtragem das flutuações ou perturbações que se verifica no dia a dia, ou do tempo de determinada região. 2

3 Figura 1 - Campos de umidade relativa dos dias 10 de janeiro de 2006 e 2007 e a média desta variável para o período de 1997 a

4 Figura 2 - Campos de precipitação dos dias 10 de janeiro de 2006 e 2007 e a média desta variável para o período de 1997 a

5 Figura 3 - Campos de temperatura dos dias 10 de janeiro de 2006 e 2007 e a média desta variável para o período de 1997 a Fatores que regulam o clima 5

6 1) A intensidade da radiação solar incidente na superfície. 2) Latitude 3) A distribuição de continente e oceano 4) As correntes oceânicas 5) O relevo/altitude Questões Onde é observado maior aquecimento, sobre as áreas continentais ou sobre os oceanos adjacentes? Onde é observado maior variabilidade da temperatura entre o inverno e o verão, nos oceanos ou sobre os continentes? Quais são as principais diferenças climáticas no campo de temperatura entre o HS e HN? As diferenças climáticas tendem a ser maiores entre os HS e HN em janeiro ou julho e por que? A que fatores estão associados aos lugares mais quentes e frios do planeta? 6

7 Figura 4 Média da temperatura do ar na superfície para janeiro e julho no período de 1997 a

8 1.3 Tipos de Clima - Classificação de Köppen Os fatores climáticos interagem e produzem diferentes climas sobre o planeta. A similaridade entre o clima de determinadas regiões permite a divisão da Terra em regiões climáticas. A classificação de Köppen foi estabelecida em 1900, com modificações em 1918 e Esta classificação é baseada nas médias mensais e anuais de temperatura e precipitação e também na sazonalidade da precipitação. Köppen considera cinco tipos climáticos principais, designados por uma letra maiúscula: A - Clima tropical chuvoso Todos os meses têm temperatura média acima de 18ºC, assim essas regiões não apresentam estações sazonais bem definidas. B - Clima seco Baixa precipitação em maior parte do ano, com precipitação média anual abaixo de 500 mm. C - Clima temperado quente Com verões quentes e invernos amenos; A temperatura média do mês mais frio é menor que 18ºC e acima de -3ºC. D - Clima temperado frio A temperatura média dos meses mais quente excede 10ºC e a dos meses mais frios está abaixo de 3ºC, ocorre no interior dos continentes. E - Climas polares Invernos e verões extremamente frios; a temperatura média do mês mais quente é inferior a 10ºC. - Os subtipos de clima segundo Koppen 8

9 2ª letra minúscula para os climas A, C e D, representa as características do regime de chuva: f: sempre úmido (mês menos chuvoso com precipitação superior a 60mm). m: chuvas de monção e predominantemente úmido. s: chuvas de inverno (mês menos chuvoso com precipitação inferior a 60mm). w: chuvas de verão (mês menos chuvoso com precipitação inferior a 60mm). 2ª letra - maiúscula apenas para o clima B: S: clima semi-árido (chuvas anuais entre 250 e 500mm). W: clima árido ou desértico (chuvas anuais menores que 250mm). 2ª letra - maiúscula, apenas para o clima E: T: clima de tundra (pelo menos um mês com temperaturas médias entre 0ºC e 10ºC). F: clima de calota de gelo (todos os meses do ano com médias de temperatura inferiores a 0ºC). 3ª letra - minúscula, representa a temperatura característica de uma região apenas para os climas C e D: a: verões quentes (mês mais quente com média igual ou superior a 22ºC). b: verões brandos (mês mais quente com média inferior a 22ºC e no máximo três meses com médias acima de 10ºC). c: frio o ano todo (a temperatura média do mês mais quente é inferior a 22ºC e no máximo três meses com médias acima de 10ºC, com o mês mais frios com temperatura média superior a 38ºC). 3ª letra - minúscula, apenas para o clima B: h: quente (temperatura anual média igual ou superior a 18ºC). k: frio (temperatura anual média inferior a 18ºC). 9

10 Figura 5 - Classificação de tipo de clima. Fonte: wikipedia Composição da atmosfera 10

11 A atmosfera é uma camada relativamente fina de gases e material particulado (aerossóis) que envolve a Terra. Para efeito de comparação, o raio da Terra é de aproximadamente 6500km e a espessura da atmosfera é de aproximadamente 100km, ou seja, a espessura da atmosfera corresponde apenas a 1,5% do raio da terra. Ainda, praticamente toda a massa da atmosfera está contida nos primeiros 32 km. Composição da atmosfera por volume e porcentagem GÁS VOLUME NITROGÊNIO (N2) 780,840 PPMV (78.084%) OXIGÊNIO (O2) 209,460 PPMV (20.946%) ARGÔNIO (AR) 9,340 PPMV (0.9340%) DIÓXIDO DE CARBONO (CO2) 383 PPMV (0.0383%) OZÔNIO 0,00006 % HÉLIO (HE) METANO (CH4) HIDROGENIO (H2) 5.24 PPMV PPMV 0.55 PPMV Vapor d agua Entre 1 e 4% 11

12 Figura 6 - Composição da atmosfera. Apesar do nitrogênio e o oxigênio ocupar aproximadamente 99% do volume da atmosfera, estes gases têm pouca influência sobre o clima. Embora o dióxido 12

13 de carbono, o vapor d'água e o ozônio apresentem baixa concentração na atmosfera, estes são importantes para os fenômenos meteorológicos, devido às suas interações com a radiação solar e terrestre. O vapor d'água é um dos mais variáveis gases na atmosfera e apresenta baixa concentração na atmosfera (Figura 7). Sua concentração é aproximadamente 4% do volume atmosfera. Sobre os desertos e regiões polares esta concentração pode ser menor que 1% e nas regiões tropicais em tono de 15%. A importância do vapor d'água no clima esta associada à sua grande capacidade de absorção da radiação terrestre ou radiação de onda longa. Assim, o vapor d'água contribui para a retenção de calor na baixa atmosfera. A água é a única substância que pode existir nos três estados (sólido, líquido e gasoso) nas temperaturas e pressões existentes normalmente sobre a Terra e a passagem de um estado para outro, está associado à liberação e absorção de calor latente. Calor absorvido em uma região pode ser transportado para outros locais e aí então liberado, aquecendo a atmosfera local e contribuindo para a formação de nuvens e/ou modificações na circulação atmosférica. A Figura 7 mostra a distribuição espacial da climatologia umidade específica nos meses de janeiro e fevereiro entre os anos de 1997 e 2007 no nível de pressão de 1000hPa. Nesta Figura podemos perceber que maior parte do vapor d água encontra-se nas regiões oceânicas tropicais do planeta, onde existe maior disponibilidade de água e as temperatura são mais altas. Sobre os continentes nota-se que haverá maior disponibilidade de água nos meses de verão, quando a temperatura ai encontra-se mais alta. 13

14 Figura 7 - Média da umidade específica em 1000hPa para janeiro e julho no período de 1997 a Figura 8 Média da umidade específica em 700hPa para janeiro e julho no período de 1997 a Embora a concentração do CO 2 na atmosfera seja de apenas 0,03%, este é o segundo elemento da atmosfera mais importante para o clima. O CO 2 é um eficiente absorvedor da 14

15 energia emitida pela Terra (onda longa), assim este elemento tem grande influência sobre o fluxo de energia através da atmosfera. A queima de combustíveis fósseis, tais como o carvão, petróleo e gás natural, tem aumentado a concentração deste gás na atmosfera. O dióxido de carbono é absorvido pelas águas dos oceanos ou usado pelas plantas para a fotossíntese, mas mesmo assim, uma grande quantidade permanece na atmosfera. Assim, este é o principal gás responsável pelas mudanças climáticas observadas no planeta. A Figura 9 mostra a série temporal da taxa de crescimento da concentração de CO 2 na atmosfera. Observa-se que entre 1850 e 1955 essa taxa era menor que 1 ppm/ano. Já entre 1965 e 2005 observou-se aumento dessa taxa com valores entre 1 ppm/ano a 2 ppm/ano no final deste período. As taxas de crescimento de CO 2 na atmosfera estimadas para os diversos cenários de mudanças climáticas são acima dos valores observados no período de 2000 a Figura 9 Taxa de crescimento da quantidade de CO2. Fonte: Wikipedia. 15

16 Figura 9 A Série temporal da concentração de CO2 entre 1958 a Fonte: Circulação geral da atmosfera 16

17 A primeira causa para os movimentos do ar (vento) é a energia solar, num processo de conversão de energia térmica em energia cinética. As diferenças de absorção da energia solar nas várias regiões da Terra determinam o movimento do ar. Essas diferenças são provocadas principalmente pelas diferenças de latitude (Figura 10 e 11) e como também por diferentes capacidades térmicas da superfície. Figura 10 - Variação da energia solar na Terra em função do seu eixo de inclinação em relação plano de rotação em relação ao Sol. 17

18 Figura Variação sazonal da energia solar na Terra em função do seu eixo de inclinação em relação plano de rotação em relação ao Sol. 18

19 Circulação de Hadley e Ferrel O aquecimento da atmosfera pela energia solar é feito principalmente de maneira indireta, ou seja, a superfície da Terra absorve a energia solar, se aquece e transfere calor para atmosfera. Este calor é transportado para as regiões mais altas da atmosfera através das circulações de grande escala. Entre o equador e aproximadamente 30 de latitude a circulação se dirige para o equador na superfície e para os pólos em altos níveis, formando a chamada célula de Hadley. A convecção na região equatorial libera calor latente em altos níveis gerando uma região de baixa pressão, assim forma-se um gradiente de pressão meridional. Essa diferença de pressão entre o Equador e os trópicos causa o movimento desta célula de Hadley em direção ao pólo. A circulação de Ferrel está situada aproximadamente entre 30 e 60 de latitude e é oposta à da célula de Hadley. Em baixos níveis esta circulação se dirige ao pólo. Em altos níveis a circulação é para o equador. A terceira célula é a circulação polar. Com escoamento em direção pólo em altos níveis e em direção ao equador em superfície. 19

20 Fig Circulação de Hadley e Ferrel. 20

21 Circulação de Walker Nos altos níveis da região tropical observa-se uma circulação zonal, denominada de Circulação de Walker por Bjerknes em 1969, em homenagem a Sir Gilbert Walker, um cientista inglês que estudou diversos aspectos da circulação atmosférica e oceânica da atmosfera, principalmente às relacionadas as do Oceano Pacífico Tropical nos anos 20 do século XX. A Circulação de Walker (Fig.13 e 14) é causada pela forca de gradiente de pressão que resulta do sistema de alta pressão sobre o leste do Pacifico e do sistema de baixa pressão sobre a Indonésia, como também esta associada aos padrões de convecção sobre a região tropical. Esta apresenta ramo ascendente sobre a Indonésia e América do Sul e ramo descendente sobre o Pacifico leste. Fig Circulação de Walker sobre o Pacífico. Fig Circulação de Walker sobre a atmosfera tropical. 21

22 Brisa marítima A brisa marítima é conseqüência do aquecimento desigual da superfície. Assim, o vento observado nas áreas litorâneas ocorre em resposta à diferença de temperatura entre a superfície d água e a superfície terrestre. As brisas marítimas ocorrem mais freqüentemente, ou com maior intensidade, em dias quentes do verão e primavera, quando a temperatura da superfície continental é normalmente maior que a temperatura do oceano (Figura 15). No início da manhã as duas superfícies apresentam pequena diferença de temperatura. Assim, a pressão sobre as duas superfícies é aproximadamente a mesma. Algumas horas depois, a superfície continental estará mais aquecida que a superfície marítima. Isto ocorre devido às características térmicas da água. Esta substância, em grande volume, é capaz de absorver grande quantidade de energia. A temperatura da água permanece relativamente constante através do dia, assim, o ar sobre a água não é tão aquecido como sobre a superfície continental. Uma vez que o ar quente é menos denso que o ar frio, o ar sobre o continente se expande em resposta ao aquecimento. Esta expansão do ar leva a um incremento da distância entre as superfícies de pressão constante, ou isóbaras. Sobre a superfície marinha, onde o ar é aquecido vagarosamente, tal expansão não ocorre, ou ocorre com uma intensidade menor, Assim, a distância entre as isóbaras, permanece pouco alterada. Em resposta ao aquecimento, uma área de alta pressão se desenvolve sobre o continente, enquanto que uma área de baixa pressão se desenvolve sobre o oceano em altos níveis. A forca de gradiente de pressão resultante irá ocasionar o surgimento de um fluxo da região de alta para baixa pressão, ou do continente em direção ao oceano. 22

23 Uma vez que a pressão em qualquer área é determinada pelo peso da coluna acima desta, a acumulação de ar em mais altos níveis causa um decréscimo da pressão em baixos níveis e vice-versa. Através da continuidade de massa, movimentos verticais são induzidos, com movimentos ascendentes sobre o continente e descendente sobre o oceano. Desta forma, estabelece-se também um gradiente de pressão também em baixos níveis, que gera escoamento do oceano para o continente em baixos níveis. Figura 15 - Configuração esquemática da brisa marinha. 23

24 Brisa terrestre Em noites claras a diferença de temperatura entre o mar e o continente produz escoamento do continente para o oceano. Este escoamento é chamado de brisa terrestre (Figura 16). As brisas terrestres ocorrem em qualquer época do ano. No entanto são mais comuns durante o outono e o inverno, quando a água do mar é mais aquecida que a superfície continental. No período da noite a superfície continental se resfria rapidamente, resultando em um resfriamento do ar acima dessa superfície. Uma vez que o ar sobre o continente se resfria mais rapidamente que o ar sobre a água, a diferença de temperatura é estabelecida, com o ar mais frio sobre o continente e mais aquecido sobre o oceano. Em resposta ao resfriamento do continente, uma área de baixa pressão se desenvolve em altos níveis, enquanto que sobre o oceano se desenvolve uma região de alta pressão. Esta configuração resulta em uma força de gradiente de pressão, com escoamento do oceano para o continente em altos níveis. Através da continuidade massa, sobre a superfície continental é gerado um centro de alta pressão e sobre o oceano é gerado um centro de baixa. Desta forma, estabelece-se também um gradiente de pressão, que gera escoamento do continente para o oceano em baixos níveis. 24

25 Figura 16 - Configuração esquemática da brisa terrestre. 25

26 1.6 - Circulação atmosférica em baixos níveis sobre a América do Sul O escoamento observado a leste dos Andes em baixos níveis é chamado de jato de baixos níveis (JBN; Figura 17). O JBN tem um importante papel no transporte de umidade da região tropical para as regiões subtropicais da América do Sul. Assim, esse sistema tem forte influência sobre os padrões de precipitação sobre a América do Sul. Com a intensificação deste jato observa-se chuva mais intensa na região subtropical e diminuição da precipitação sobre as regiões mais ao norte. Figura 17 - Média da velocidade e direção do vento em 850hPa para DJF de 1990 a

27 1.8 - Sistemas convectivos sobre a América do Sul Zona de Convergência do Atlântico Sul A Zona de Convergência do Atlântico Sul (ZCAS) é caracterizada por uma faixa de nebulosidade convectiva que se estende da região Amazônica até o Atlântico subtropical (Figura 18), nos meses de primavera e verão. Esta nebulosidade é resultado da interação da convecção tropical com sistemas extratropicais, como as zonas frontais (Figura 19). A ZCAS tem papel importante na precipitação da América do Sul durante os meses de primavera e verão e está associada diretamente com a precipitação sobre a região Amazônica, Sudeste e Nordeste do Brasil. Figura 18 - Imagem do satélite GOES em 01/01/2007 as 18GMT. 27

28 Figura 19 - Imagem do satélite GOES em 01/05/2007 as 18GMT. 28

29 Zona de Convergência Intertropical A nebulosidade observada na região equatorial em torno do globo é a característica mais evidente da Zona de Convergência Intertropical (ZCIT; Fig. 20). A ZCIT também esta associada à zona de confluência dos ventos alísios e máxima convergência de umidade, zona de máxima temperatura da superfície do mar. A ZCIT possui um deslocamento nortesul ao longo do ano. Alcançando sua posição mais ao norte durante o verão do Hemisfério Norte e a sua posição mais ao sul durante o mês de abril. A precipitação nas regiões norte e nordeste do Brasil está associada ao deslocamento meridional da ZCIT. A ZCIT também está envolvida na manutenção do balanço térmico global. Este sistema localizado no ramo ascendente da célula de Hadley, transfere calor e umidade da região tropical para as latitudes subtropicais. Figura 20 - Imagem do satélite GOES em 17/04/2007 as 21GMT. 29

30 Frentes frias Uma frente fria consiste no avanço do ar frio sobre o ar quente (Fig. 21). O ar frio, por ser mais denso, passa por baixo do ar quente, fazendo este subir, dando origem a nuvens de grande desenvolvimento vertical, os Cumulus Nimbus (Cb). Essa faixa de nebulosidade pode se estende por centenas a milhares de quilômetros de largura e milhares de quilômetros de comprimento. Observa-se a ocorrência de chuvas intensas com a passagem destas frentes e acentuado gradiente de temperatura após a passagem de uma frente fria, é comum observar queda de temperatura da ordem de 5 a 10 C. Os sistemas frontais atuam durante todo o ano sobre a América do Sul, com maior freqüências sobre as latitudes mais altas. Observa-se maior passagem destes sistemas nos mês de inverno, com grande influência sobre a temperatura do ar nas regiões subtropicais da América do Sul. No entanto, no verão esses sistemas têm grande influência na convecção sobre a América do Sul e através da interação entre a atmosfera tropical e estes sistemas observa-se a formação da ZCAS. Figura 21 - Representação esquemática de uma frente fria. Fonte: Wikipedia. 30

31 1.9 - Característica da precipitação sobre a América do Sul A Figura 22 apresenta a climatologia ( ) da precipitação sobre a América do Sul e oceanos adjacentes para o período de dezembro a fevereiro (DJF), marco a maio (MAM), junho a agosto (JJA) e de setembro a novembro (SON). Para a maior parte da América do Sul a estação chuvosa acontece entre os meses de DJF e o período mais seco acontece em JJA. Assim como também para a região do norte Fluminense (Figura 23). Nessa Figura encontra-se a precipitação média mensal da região do Norte Fluminense. Observa-se que nos meses de verão a precipitação mensal nessa região é acima de 100 mm. Nos meses de DJF observa-se duas bandas de precipitação bem definidas, uma estendendo-se da região tropical em direção a região sudeste da América do Sul associada à Zona de Convergência do Atlântico Sul (ZCAS) e outra se estendendo do Atlântico equatorial em direção a Amazônia associada à ZCIT. Em MAM observa-se uma faixa de precipitação intensa associada à ZCIT mais ao sul e uma região com precipitação menos intensa associada a passagens dos sistemas frontais. Nesse período ocorre o principal período chuvoso sobre o norte do Nordeste, associado ao deslocamento da ZCIT para sul. Em JJA a precipitação associada à ZCIT enfraquece e observa-se uma diminuição acentuada da precipitação sobre quase toda a América do Sul, exceto sobre o norte da Amazônia, leste do Nordeste e sul do Brasil. Em SON tem-se o início da pré-estação chuvosa sobre maior parte do Brasil, observando-se a ocorrência da alguns eventos de ZCAS. 31

32 Figura 22 - Distribuição sazonal da precipitação sobre a América do Sul. 32

33 Figura 23 - Média climatológica da precipitação na região do norte Fluminense. 33

Temperatura Pressão atmosférica Umidade

Temperatura Pressão atmosférica Umidade O CLIMA Elementos do clima Temperatura Pressão atmosférica Umidade São responsáveis por caracterizar os climas. TEMPERATURA Corresponde à quantidade de calor. Pressão atmosférica Força que o peso do ar

Leia mais

MONITORAMENTO ATMOSFÉRICO NOÇÕES SOBRE A ATMOSFERA TERRESTRE

MONITORAMENTO ATMOSFÉRICO NOÇÕES SOBRE A ATMOSFERA TERRESTRE EMED - Empreendimentos Educacionais Ltda Centro de Formação Profissional BOM PASTOR MONITORAMENTO ATMOSFÉRICO NOÇÕES SOBRE A ATMOSFERA TERRESTRE Centro de Formação Profissional Colégio Bom Pastor Curso

Leia mais

MODELOS DE CIRCULAÇÃO. Teorias sobre a circulação geral da atmosfera

MODELOS DE CIRCULAÇÃO. Teorias sobre a circulação geral da atmosfera MODELOS DE CIRCULAÇÃO Teorias sobre a circulação geral da atmosfera Circulação do Ar nos Centros de Alta e Baixa Pressão Estados de Tempo Centro de Baixas Pressões ou Depressão ou ciclone Convergência

Leia mais

Circulação Geral da Atmosfera

Circulação Geral da Atmosfera Circulação global: conjunto complexo de ondas e vórtices ciclônicos e anticiclônicos em formação, desenvolvimento, movimento e em declínio Médias temporais retiram os padrões transitórios sistemas são

Leia mais

Troposfera: é a camada que se estende do solo terrestre (nível do mar) até atingir 12 quilômetros de altitude. Conforme a altitude se eleva, a

Troposfera: é a camada que se estende do solo terrestre (nível do mar) até atingir 12 quilômetros de altitude. Conforme a altitude se eleva, a ATMOSFERA A atmosfera é uma camada formada por argônio, hélio, dióxido de carbono, ozônio, vapor de água e, principalmente, por nitrogênio e oxigênio. Essa camada é de fundamental importância para a manutenção

Leia mais

ATIVIDADE AVALIATIVA

ATIVIDADE AVALIATIVA Climatologia 2. Atmosfera Terrestre ATIVIDADE AVALIATIVA Valor: 1,0 Tempo para responder: 15min 1) Qual a importância da concentração dos gases que compõe a atmosfera terrestre, em termos físicos e biológicos?

Leia mais

CIRCULAÇÃO ATMOSFÉRICA

CIRCULAÇÃO ATMOSFÉRICA CIRCULAÇÃO ATMOSFÉRICA DEFINIÇÃO Corresponde ao movimento do ar atmosférico em escala global e região. A circulação atmosférica ocorre devido aos diferentes gradientes de: -Pressão atmosférica; -Temperatura;

Leia mais

ATMOSFERA é o nome dado à camada gasosa que envolve os planetas. No caso da atmosfera terrestre ela é composta por

ATMOSFERA é o nome dado à camada gasosa que envolve os planetas. No caso da atmosfera terrestre ela é composta por ATMOSFERA é o nome dado à camada gasosa que envolve os planetas. No caso da atmosfera terrestre ela é composta por inúmeros gases que ficam retidos por causa da força da gravidade e do campo magnético

Leia mais

FATORES CLIMÁTICOS Quais são os fatores climáticos?

FATORES CLIMÁTICOS Quais são os fatores climáticos? Quais são os fatores climáticos? o Latitude A distância a que os lugares se situam do equador determina as suas características climáticas. Por isso, existem climas quentes, temperados e frios. o Proximidade

Leia mais

Debate: Aquecimento Global

Debate: Aquecimento Global Clima Debate: Aquecimento Global Aquecimento Resfriamento Ação Natural Ação antrópica (Homem) 1ª Hipótese: O que aconteceria com o clima se a Terra fosse plana? 2ª Hipótese: O que aconteceria com o clima

Leia mais

2ª Bimestre 1º Prova. Capítulos 7, 8 e 9. Clima e Formações Vegetais.

2ª Bimestre 1º Prova. Capítulos 7, 8 e 9. Clima e Formações Vegetais. 2ª Bimestre 1º Prova. Capítulos 7, 8 e 9. Clima e Formações Vegetais. Tempo estado momentâneo; condições atmosféricas ou meteorológicas de um dado momento ou lugar: * Tempo frio, quente, chuvoso, seco...

Leia mais

UNIDADE 4. TRANSFERÊNCIA DE ENERGIA NO SISTEMA ATMOSFERA- OCEANO. Conteúdo

UNIDADE 4. TRANSFERÊNCIA DE ENERGIA NO SISTEMA ATMOSFERA- OCEANO. Conteúdo UNIDADE 4. TRANSFERÊNCIA DE ENERGIA NO SISTEMA ATMOSFERA- OCEANO Conteúdo 4.1 POR QUE A ATMOSFERA E O OCEANO SE MOVEM CONTINUAMENTE?... 2 4.2 BALANÇO DE CALOR DO OCEANO E ATMOSFERA... 4 4.3 BALANÇO DE

Leia mais

Dinâmica Climática. Capítulo 7

Dinâmica Climática. Capítulo 7 Dinâmica Climática Capítulo 7 Definições TEMPO (atmosférico) é o estado momentâneo da atmosfera num determinado lugar devido a combinação da temperatura, umidade, ventos e nebulosidade. Esta em constante

Leia mais

BOLETIM PROJETO CHUVA - 22 DE JUNHO DE 2011

BOLETIM PROJETO CHUVA - 22 DE JUNHO DE 2011 BOLETIM PROJETO CHUVA - 22 DE JUNHO DE 2011 Condições Climáticas Na carta de Temperatura da Superfície do Mar (TSM), que pode ser analisado através da Figura 1a, são observadas anomalias positivas de TSM

Leia mais

1) Observe a imagem a seguir:

1) Observe a imagem a seguir: Exercícios on line Geografia Prof. Dinário Equipe Muriaé 1º Ano 1) Observe a imagem a seguir: Vista do Monte Everest O fator determinante para o clima da área retratada pela imagem é: a) a latitude. b)

Leia mais

Ensino Fundamental II Avaliação Objetiva Ciências Naturais & Geografia Professora Maristela & Leila 3 Bimestre Valor: 4,0

Ensino Fundamental II Avaliação Objetiva Ciências Naturais & Geografia Professora Maristela & Leila 3 Bimestre Valor: 4,0 Ensino Fundamental II Avaliação Objetiva - 2010 5ª Série Ciências Naturais & Geografia Professora Maristela & Leila 3 Bimestre Valor: 4,0 Conteúdos Atmosfera; Clima; Efeito Estufa Preste atenção! Os itens

Leia mais

PROFº CLAUDIO F. GALDINO - GEOGRAFIA

PROFº CLAUDIO F. GALDINO - GEOGRAFIA PROFº CLAUDIO F. GALDINO - GEOGRAFIA AQUELA QUE TRAZ EMOÇÃO. PARA VOCÊ E SEU IRMÃO!!!A Oferecimento Fábrica de Camisas Grande Negão CLIMA E TEMPO SÃO IGUAIS? Clima: é a sucessão habitual dos tipos de tempo

Leia mais

SER340 - Sensoriamento Remoto dos Oceanos Ensaio Teórico: Dinâmica dos Oceanos

SER340 - Sensoriamento Remoto dos Oceanos Ensaio Teórico: Dinâmica dos Oceanos SER340 - Sensoriamento Remoto dos Oceanos Ensaio Teórico: Dinâmica dos Oceanos Sandro Klippel 3 de outubro de 2012 A Terra recebe radiação solar na forma de ondas curtas, absorvendo cerca de 65% dessa

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS DE TEMPO E CLIMA

INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS DE TEMPO E CLIMA INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS DE TEMPO E CLIMA Glauber Lopes Mariano Faculdade de Meteorologia Universidade Federal de Pelotas E-mail: glauber.mariano@ufpel.edu.br Meteorologia Ciência que estuda os fenômenos

Leia mais

Geografia. Climas Do Brasil. Professor Luciano Teixeira.

Geografia. Climas Do Brasil. Professor Luciano Teixeira. Geografia Climas Do Brasil Professor Luciano Teixeira www.acasadoconcurseiro.com.br Geografia CLIMAS DO BRASIL Tempo x Clima Tempo meteorológico estado momentâneo da atmosfera. Clima sucessão habitual

Leia mais

CLIMA versus TEMPO DEFINIÇÕES

CLIMA versus TEMPO DEFINIÇÕES CLIMA versus TEMPO http://image.br.weather.com/web/maps/pt_br/weather/forecast/brazil_outlook_day1_720_pt.jpg 1 DEFINIÇÕES» CLIMA: Sucessão habitual dos tipos de tempo num determinado local.» TEMPO: É

Leia mais

Teleconexões Precipitação

Teleconexões Precipitação Teleconexões Precipitação Realizado por: Mafalda Morais, nº 31326 Rita Soares, nº 31157 Elsa Vieira, nº26297 Modificações em alguns parâmetros do sistema climático, (tais como albedo da superfície, vegetação,

Leia mais

Tempo e Clima. Professor Daniel Fonseca

Tempo e Clima. Professor Daniel Fonseca Tempo e Clima Professor Daniel Fonseca Tempo Tempo é a condição atmosférica temporária... Ou seja, pode mudar de uma hora para outra... Previsão do tempo Clima Clima é a condição atmosférica períodica,

Leia mais

O que são chuvas? Podemos entender por precipitação como sendo o retorno do vapor d água atmosférica no estado líquido ou sólido à superfície da

O que são chuvas? Podemos entender por precipitação como sendo o retorno do vapor d água atmosférica no estado líquido ou sólido à superfície da O que são chuvas? Podemos entender por precipitação como sendo o retorno do vapor d água atmosférica no estado líquido ou sólido à superfície da terra. Formas de precipitação: chuva, neve, granizo, orvalho

Leia mais

GABARITO 4ª LISTA DE EXERCÍCIOS

GABARITO 4ª LISTA DE EXERCÍCIOS GABARITO 4ª LISTA DE EXERCÍCIOS 1) O aquecimento diferenciado entre continente e oceano com gradientes de temperatura de + ou - 1 C por 20 km, promove fluxos de energia diferentes para a atmosfera, causando

Leia mais

grande extensão horizontal, homogênea. A homogeneidade é caracterizada pela uniformidade na temperatura e umidade do ar.

grande extensão horizontal, homogênea. A homogeneidade é caracterizada pela uniformidade na temperatura e umidade do ar. 9.1 Massas de Ar Massa de ar: corpo de ar, caracterizado por uma grande extensão horizontal, homogênea. A homogeneidade é caracterizada pela uniformidade na temperatura e umidade do ar. Cobrem centenas

Leia mais

Clima. Professora: Jordana Costa

Clima. Professora: Jordana Costa Clima Professora: Jordana Costa É comum, em nosso dia a dia, indagarmos sobre a situação do tempo. Será que vai esfriar? Será que vai chover? A propósito, você sabe qual é a diferença entre tempo e clima?

Leia mais

Componentes do Ambiente. Leonardo Rodrigues EEEFM GRAÇA ARANHA

Componentes do Ambiente. Leonardo Rodrigues EEEFM GRAÇA ARANHA Componentes do Ambiente Leonardo Rodrigues EEEFM GRAÇA ARANHA Bióticos: Seres vivos Microorganismos Animais Plantas Bióticos: Seres vivos Microorganismos Animais Plantas Abióticos: Físico Químico Luz Temperatura

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DA PRECIPITAÇÃO SOBRE O BRASIL NO VERÃO E OUTONO DE 1998.

CARACTERÍSTICAS DA PRECIPITAÇÃO SOBRE O BRASIL NO VERÃO E OUTONO DE 1998. CARACTERÍSTICAS DA PRECIPITAÇÃO SOBRE O BRASIL NO VERÃO E OUTONO DE 1998. Nuri Calbete (nuri@cptec.inpe.br), Iracema F.A.Cavalcanti (iracema@cptec.inpe.br), Mario F.L.Quadro (mario@cptec.inpe.br) Centro

Leia mais

FUNDAMENTOS DE METEREOLOGIA ESCOLA NÁUTICA FABIO REIS. Prof. Fabio Reis INICIAR CLIK AQUI CURRÍCULO

FUNDAMENTOS DE METEREOLOGIA ESCOLA NÁUTICA FABIO REIS. Prof. Fabio Reis INICIAR CLIK AQUI CURRÍCULO FUNDAMENTOS DE METEREOLOGIA ESCOLA NÁUTICA FABIO REIS Prof. Fabio Reis CURRÍCULO INICIAR CLIK AQUI FUNDAMENTOS DE METEREOLOGIA ATMOSFERA E AQUECIMENTO DA TERRA ESCOLA NÁUTICA FABIO REIS VAPOR DE ÁGUA -

Leia mais

Programação do Curso. Disposição I Atmosfera DISPOSIÇÃO NO MEIO-AMBIENTE

Programação do Curso. Disposição I Atmosfera DISPOSIÇÃO NO MEIO-AMBIENTE Programação do Curso Carga horária Formação Específica Tecnologias limpas 48 Gerenciamento das emissões 96 Disposição no meio ambiente 36 Análise de risco e segurança industrial 36 Gerenciamento estratégico

Leia mais

Diferenciando Tempo e Clima

Diferenciando Tempo e Clima Diferenciando Tempo e Clima A atmosfera terrestre é essa instável camada gasosa que nos cerca, retida pela força da gravidade e fundamental à manutenção da vida no nosso planeta. Isso é possível e m função

Leia mais

CÓDIGO DA VAGA: TP03 QUESTÕES DE MÚLTIPLAS ESCOLHAS

CÓDIGO DA VAGA: TP03 QUESTÕES DE MÚLTIPLAS ESCOLHAS QUESTÕES DE MÚLTIPLAS ESCOLHAS 1. A Zona de Convergência do Atlântico Sul (ZCAS) é definida como uma persistente faixa de nebulosidade orientada no sentido noroeste- sudeste, que se estende do sul da Amazônia

Leia mais

Geografia Capítulo 5. Climatologia INTRODUÇÃO

Geografia Capítulo 5. Climatologia INTRODUÇÃO Geografia Capítulo 5 Climatologia INTRODUÇÃO Tempo Atmosférico e Clima Tempo: São as condições atmosféricas apresentadas por um determinado lugar, num determinado momento. É uma combinação passageira dos

Leia mais

O CLIMA DA TERRA: Processos, Mudanças e Impactos

O CLIMA DA TERRA: Processos, Mudanças e Impactos O CLIMA DA TERRA: Processos, Mudanças e Impactos Prof. TÉRCIO AMBRIZZI, Ph.D. Professor Titular ambrizzi@model.iag.usp.br Departamento de Ciências Atmosféricas Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências

Leia mais

GEOGRAFIA. Prof. Daniel San.

GEOGRAFIA. Prof. Daniel San. GEOGRAFIA Prof. Daniel San daniel.san@lasalle.org.br Climatologia TEMPO Condição meteorológica Atual, momentânea Elementos Climáticos CLIMA Sucessão de tempos (mínimo de 30 anos) Fatores Climáticos Temperatura

Leia mais

Novembro de 2012 Sumário

Novembro de 2012 Sumário 29 Novembro de 2012 Sumário BOLETIM DIÁRIO DO TEMPO... 2 Boletim do Tempo para 29 de Novembro... 2 Previsão do Tempo para o dia 30 de Novembro de 2012 (24 horas)... 3 Tendência para o dia 01 de Dezembro

Leia mais

Escola Estadual Senador Filinto Müller. Tipos De Clima

Escola Estadual Senador Filinto Müller. Tipos De Clima Escola Estadual Senador Filinto Müller Tipos De Clima Trabalho De Geografia Tipos De Clima Nome: João Vitor, Wuanderson N:09, 23. Equatorial Clima quente e úmido durante o ano todo, em regiões localizadas

Leia mais

CLIMA, representado pela TEMPRATURAe PRECIPITAÇÃO. Fatores secundários: geologia e relevo

CLIMA, representado pela TEMPRATURAe PRECIPITAÇÃO. Fatores secundários: geologia e relevo Clima e a Hidrologia Hidrologia Global X Hidrologia Local O fator que exerce maior influência sobre a hidrologia local é o CLIMA, representado pela TEMPRATURAe PRECIPITAÇÃO Fatores secundários: geologia

Leia mais

Localização : em áreas de baixas latitudes, ao longo da linha equatorial.

Localização : em áreas de baixas latitudes, ao longo da linha equatorial. Curso Completo Professor João Felipe Geografia Tipos de Clima No Brasil e no Mundo CLIMA EQUATORIAL Localização : em áreas de baixas latitudes, ao longo da linha equatorial. 1 Apresentam baixas pressões

Leia mais

Última aula: Radiação solar e terrestre Hoje: Variação Sazonal e Diurna da Temperatura Próxima aula: Vapor d água/nuvens/estabilidade vertical

Última aula: Radiação solar e terrestre Hoje: Variação Sazonal e Diurna da Temperatura Próxima aula: Vapor d água/nuvens/estabilidade vertical Última aula: Radiação solar e terrestre Hoje: Variação Sazonal e Diurna da Temperatura Próxima aula: Vapor d água/nuvens/estabilidade vertical A órbita da Terra em torno do Sol não é circular: em janeiro

Leia mais

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes Clima e Formação Vegetal O clima e seus fatores interferentes O aquecimento desigual da Terra A Circulação atmosférica global (transferência de calor, por ventos, entre as diferentes zonas térmicas do

Leia mais

Zona de Convergência Intertropical. Características gerais

Zona de Convergência Intertropical. Características gerais Universidade de São Paulo USP Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas IAG Departamento de Ciências Atmosféricas ACA Meteorologia Sinótica Zona de Convergência Intertropical Características

Leia mais

ESTADO MÉDIO OBSERVADO NA ATMOSFERA DINÂMICA DO CLIMA

ESTADO MÉDIO OBSERVADO NA ATMOSFERA DINÂMICA DO CLIMA Pressão e Massa na Atmosfera ESTADO MÉDIO OBSERVADO NA ATMOSFERA DINÂMICA DO CLIMA INTRODUÇÃO. Centro de baixas pressões é uma região em que o ar relativamente quente se eleva e favorece a formação de

Leia mais

MECANISMOS DE TROCAS TÉRMICAS ESQUEMA P/ EXPLICAÇÃO DOS MECANISMOS DE TROCAS TÉRMICAS SECAS

MECANISMOS DE TROCAS TÉRMICAS ESQUEMA P/ EXPLICAÇÃO DOS MECANISMOS DE TROCAS TÉRMICAS SECAS MECANISMOS DE TROCAS TÉRMICAS ESQUEMA P/ EXPLICAÇÃO DOS MECANISMOS DE TROCAS TÉRMICAS SECAS MECANISMOS DE TROCAS TÉRMICAS MECANISMOS DE TROCAS TÉRMICAS SECAS MECANISMOS DE TROCAS TÉRMICAS ÚMIDAS MECANISMOS

Leia mais

Camada onde se dão a vida e os fenômenos meteorológicos. As temperaturas são menores quanto maiores forem as altitudes.

Camada onde se dão a vida e os fenômenos meteorológicos. As temperaturas são menores quanto maiores forem as altitudes. Camadas da atmosfera Composição Camadas Troposfera Camada onde se dão a vida e os fenômenos meteorológicos. As temperaturas são menores quanto maiores forem as altitudes. Estratosfera Camada onde quase

Leia mais

CONFORTO AMBIENTAL Aula 2

CONFORTO AMBIENTAL Aula 2 TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS CONFORTO AMBIENTAL Aula 2 M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira Diferença entre Tempo e Clima TEMPO: Variações diárias das condições atmosféricas. CLIMA: É a condição média

Leia mais

CC54Z - Hidrologia. Precipitação: definição, métodos de medição e grandezas características. Universidade Tecnológica Federal do Paraná

CC54Z - Hidrologia. Precipitação: definição, métodos de medição e grandezas características. Universidade Tecnológica Federal do Paraná Universidade Tecnológica Federal do Paraná CC54Z - Hidrologia Precipitação: definição, métodos de medição e grandezas características Prof. Fernando Andrade Curitiba, 2014 Objetivos da aula Definir a importância

Leia mais

Água Precipitável Elsa Vieira Mafalda Morais Rita Soares 31157

Água Precipitável Elsa Vieira Mafalda Morais Rita Soares 31157 Universidade de Aveiro Departamento de Física Dinâmica do clima Água Precipitável Elsa Vieira 26297 Mafalda Morais 31326 Rita Soares 31157 Introdução O vapor de água presente na atmosfera da Terra desempenha

Leia mais

R.: R.: 03- A latitude quadro: R.: R.:

R.: R.: 03- A latitude quadro: R.: R.: PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ========== =========== ============ =========== =========== =========== =========== =========== =========== ==

Leia mais

volume de ar sobre a superfície da Terra. OS CLIMAS NO MUNDO c Portanto: menor altitude = maior pressão maior altitude = menor pressão

volume de ar sobre a superfície da Terra. OS CLIMAS NO MUNDO c Portanto: menor altitude = maior pressão maior altitude = menor pressão OS CLIMAS NO MUNDO c lima e tempo são a mesma coisa? Vejamos. Quando em determinado momento do dia dizemos, por exemplo, que está quente e úmido, estamos nos referindo ao tempo, ou seja, às condições atmosféricas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS ATMOSFÉRICAS COORDENAÇÃO DE GRADUAÇÃO EM METEOROLOGIA PROGRAMA DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS ATMOSFÉRICAS COORDENAÇÃO DE GRADUAÇÃO EM METEOROLOGIA PROGRAMA DE DISCIPLINA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS ATMOSFÉRICAS COORDENAÇÃO DE GRADUAÇÃO EM METEOROLOGIA PROGRAMA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: METEOROLOGIA SINÓTICA 2 CÓDIGO: METR032 CARGA HORÁRIA: 80

Leia mais

ATMOSFERA, TEMPO E CLIMA

ATMOSFERA, TEMPO E CLIMA ATMOSFERA, TEMPO E CLIMA TEMPO E CLIMA TEMPO MANIFESTAÇÃO DA ATMOSFERA MOMENTO ESPECÍFICO DETERMINADO LUGAR É UM ESTADO PASSAGEIRO É INSTÁVEL CLIMA MANIFESTAÇÕES DA ATMOSFERA DIFERENTES ÁREAS DO PLANETA

Leia mais

LOCALIZAÇÃO E COORDENADAS GEOGRÁFICAS. Luiz Fernando Wisniewski

LOCALIZAÇÃO E COORDENADAS GEOGRÁFICAS. Luiz Fernando Wisniewski LOCALIZAÇÃO E COORDENADAS GEOGRÁFICAS Prof.º Luiz Fernando Wisniewski lfw.geografia@gmail.com LOCALIZAÇÃO E COORDENADAS GEOGRÁFICAS Orientação através da rosa dos ventos Paralelos e Meridianos Latitude

Leia mais

NOÇÕES DE CLIMATOLOGIA

NOÇÕES DE CLIMATOLOGIA NOÇÕES DE CLIMATOLOGIA CLIMATOLOGIA RAMO DA GEOGRAFIA QUE ESTUDA O CLIMA Sucessão habitual de TEMPOS Ação momentânea da troposfera em um determinado lugar e período. OBS: A caracterização de um CLIMA exige

Leia mais

Estado Médio Observado da Criosfera

Estado Médio Observado da Criosfera Estado Médio Observado da Criosfera Papel da Criosfera no Clima Principais características da Criosfera Ana Picado 23380 Carina Lopes 28680 Criosfera Deriva da palavra grega kryos que significa gelo A

Leia mais

O OCEANO NO CLIMA. Ressurgência Camada de Ekman Giro das circulações, Circulação termohalina ENSO. correntes oceânicas a oeste

O OCEANO NO CLIMA. Ressurgência Camada de Ekman Giro das circulações, Circulação termohalina ENSO. correntes oceânicas a oeste O OCEANO NO CLIMA Ressurgência Camada de Ekman Giro das circulações, correntes oceânicas a oeste Circulação termohalina ENSO Correntes Oceânicas Correntes oceânicas têm um papel importante no transporte

Leia mais

O QUE É O FENÔMENO EL NIÑO? EFEITOS DO EL NIÑO SOBRE O BRASIL

O QUE É O FENÔMENO EL NIÑO? EFEITOS DO EL NIÑO SOBRE O BRASIL Ver a imagem no tamanho original. www.nemrh.uema.br/meteoro/ figuras/elnino_fig3.jpg 404 x 306-47k Imagem possivelmente reduzida e protegida por direitos autorais. Remover frame Resultados de imagem» Veja

Leia mais

Revisão de Geografia. 1ª prova do 4º Bimestre PROFESSOR DANILO. d) Polar e marítima CONTEÚDO AS MASSAS DE AR. a) Conceito. c) Massas de ar no Brasil

Revisão de Geografia. 1ª prova do 4º Bimestre PROFESSOR DANILO. d) Polar e marítima CONTEÚDO AS MASSAS DE AR. a) Conceito. c) Massas de ar no Brasil Revisão de Geografia 1ª prova do 4º Bimestre PROFESSOR DANILO a) Conceito CONTEÚDO AS MASSAS DE AR Massas de ar são porções da atmosfera que se deslocam e carregam consigo as características dos lugares

Leia mais

Gabarito da 2º atividade avaliativa Disciplina: Geografia. Dinâmica climática Professor (a): Kátia Silene Data: 25/11/2015 Nome do Aluno:

Gabarito da 2º atividade avaliativa Disciplina: Geografia. Dinâmica climática Professor (a): Kátia Silene Data: 25/11/2015 Nome do Aluno: MODALIDADE: EJA Ensino Médio PERÍODO 1º Período Gabarito da 2º atividade avaliativa Disciplina: Geografia Dinâmica climática Professor (a): Kátia Silene Data: 25/11/2015 Nome do Aluno: Questão 1 Diferencie

Leia mais

Dados ambientais. Previsão do tempo. Imagem de satélite GOES

Dados ambientais. Previsão do tempo. Imagem de satélite GOES Dados ambientais. A terra recebe energia solar continuamente. A instituição recebe a radiação solar, que a através do aquecimento diurno e resfriamento noturno caracteriza o clima. Serão estudados dentro

Leia mais

BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS

BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS I N F O C L I M A BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 11 15 de julho de 2004 Número 7 Previsão de Consenso 1 CPTEC/INPE e INMET PREVISÃO DE NORMALIDADE DE CHUVAS E DE TEMPERATURAS NA MAIOR PARTE DO PAÍS

Leia mais

Clima, Vegetações e Impactos

Clima, Vegetações e Impactos Clima, Vegetações e Impactos 1. Observe o climograma de uma cidade brasileira e considere as afirmativas relacionadas a este. I. O clima representado é denominado equatorial, em cuja área está presente

Leia mais

SUBTROPICAL (SÃO GABRIEL - RS)

SUBTROPICAL (SÃO GABRIEL - RS) PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= 01- Analise as imagens.

Leia mais

Sistemas de Circulação Atmosférica Atuantes no Sudeste Brasileiro

Sistemas de Circulação Atmosférica Atuantes no Sudeste Brasileiro Antônio Carlos de Carvalho Melo Filho, divulgado no X Simpósio Brasileiro de Geografia Fisica Aplicada Sistemas de Circulação Atmosférica Atuantes no Sudeste Brasileiro Para o entendimento do clima de

Leia mais

BOLETIM CLIMÁTICO - NOVEMBRO 2015

BOLETIM CLIMÁTICO - NOVEMBRO 2015 BOLETIM CLIMÁTICO - NOVEMBRO 2015 1. Condições meteorológicas sobre o Brasil No mês de novembro de 2015 os valores acumulados de precipitação mais significativos ocorreram nas regiões Sul, São Paulo, e

Leia mais

ANÁLISE SINÓTICA DE UM CASO DE TEMPO SEVERO OCORRIDO NA CIDADE DE SÃO PAULO (SP) DURANTE O DIA 7 DE FEVEREIRO DE 2009

ANÁLISE SINÓTICA DE UM CASO DE TEMPO SEVERO OCORRIDO NA CIDADE DE SÃO PAULO (SP) DURANTE O DIA 7 DE FEVEREIRO DE 2009 ANÁLISE SINÓTICA DE UM CASO DE TEMPO SEVERO OCORRIDO NA CIDADE DE SÃO PAULO (SP) DURANTE O DIA 7 DE FEVEREIRO DE 2009 A partir da tarde e parte da noite do dia 7 de fevereiro de 2009 foram registradas

Leia mais

CLIMAS DO BRASIL PROF. MSC. JOÃO PAULO NARDIN TAVARES

CLIMAS DO BRASIL PROF. MSC. JOÃO PAULO NARDIN TAVARES CLIMAS DO BRASIL PROF. MSC. JOÃO PAULO NARDIN TAVARES Introdução O Brasil é um país de dimensões continentais, e a tropicalidade é uma de suas principais características, como já vimos. Ainda que se estenda

Leia mais

Estrutura Vertical da Temperatura

Estrutura Vertical da Temperatura Estrutura Vertical da Temperatura 6 7 Ana Picado 8 Carina Lopes 868 Introdução: 6 7 Temperatura: Troposfera, Estratosfera, Mesosfera e Termosfera. Termosfera: temperatura aumenta em altitude até que atinge

Leia mais

Geografia Prof. Eduardo Henriques

Geografia Prof. Eduardo Henriques Geografia Prof. Eduardo Henriques As CORRENTES MARÍTIMAS correspondem às massas de água que migrem distintos rumos ao longo dos oceanos e mares. As massas de água que se locomovem não interagem com as

Leia mais

Balanço das chuvas anômalas sobre estados de MG, RJ e ES no início da estação chuvosa 2011/2012

Balanço das chuvas anômalas sobre estados de MG, RJ e ES no início da estação chuvosa 2011/2012 Balanço das chuvas anômalas sobre estados de MG, RJ e ES no início da estação chuvosa 2011/2012 Todos os anos a Região Sudeste do Brasil é atingida por eventos extremos de chuva, que ocorrem principalmente

Leia mais

UNIDADE 3 RELAÇÕES BÁSICAS ENTRE A METEOROLOGIA E A OCEANOGRAFIA. Conteúdo

UNIDADE 3 RELAÇÕES BÁSICAS ENTRE A METEOROLOGIA E A OCEANOGRAFIA. Conteúdo UNIDADE 3 RELAÇÕES BÁSICAS ENTRE A METEOROLOGIA E A OCEANOGRAFIA Conteúdo 3.1 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 3.2 EFEITOS DO OCEANO SOBRE A ATMOSFERA... 3 3.2.1 O efeito do Oceano sobre o Tempo e Climas... 4

Leia mais

MEIO AMBIENTE E CIÊNCIAS ATMOSFÉRICAS. 2. MOVIMENTOS NA ATMOSFERA Autor da aula Autor da aula ÍNDICE

MEIO AMBIENTE E CIÊNCIAS ATMOSFÉRICAS. 2. MOVIMENTOS NA ATMOSFERA Autor da aula Autor da aula ÍNDICE MEIO AMBIENTE E CIÊNCIAS ATMOSFÉRICAS 2. MOVIMENTOS NA ATMOSFERA Autor da aula Autor da aula ÍNDICE INTRODUÇÃO RESUMO COMPETÊNCIAS PALAVRAS-CHAVE 2.1. MOVIMENTOS NA ATMOSFERA 2.1.1. Definição de pressão

Leia mais

Pressão e movimentos atmosféricos

Pressão e movimentos atmosféricos Pressão e movimentos atmosféricos Glauber Lopes Mariano Departamento de Meteorologia Universidade Federal de Pelotas E-mail: glauber.mariano@ufpel.edu.br glaubermariano@gmail.com Pressão atmosférica Peso

Leia mais

CLIMA I. Fig. 8.1 - Circulação global numa Terra sem rotação (Hadley)

CLIMA I. Fig. 8.1 - Circulação global numa Terra sem rotação (Hadley) CAPÍTULO 8 CIRCULAÇÃO ATMOSFÉRICA 1 CLIMA I 8.1 CIRCULAÇÃO GLOBAL IDEALIZADA Nosso conhecimento dos ventos globais provém dos regimes observados de pressão e vento e de estudos teóricos de movimento dos

Leia mais

PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL

PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL DEZEMBRO/JANEIRO/FEVEREIRO 2015-2016 Cooperativa de Energia Elétrica e Desenvolvimento Rural NOVEMBRO/2015 Comunicado importante da Aquaeris Meteorologia Em novembro de 2015

Leia mais

BOLETIM CLIMÁTICO SOBRE A PRIMAVERA NO ESTADO DO PARANÁ

BOLETIM CLIMÁTICO SOBRE A PRIMAVERA NO ESTADO DO PARANÁ BOLETIM CLIMÁTICO SOBRE A PRIMAVERA NO ESTADO DO PARANÁ Data da previsão: 22/09/15 Duração da Primavera: 23/09/15 (05h20) a 22/12/2015 (01h48 não ajustado ao horário de verão) Características climáticas

Leia mais

Mecanismos de transferência de calor. Anjo Albuquerque

Mecanismos de transferência de calor. Anjo Albuquerque Mecanismos de transferência de calor 1 Mecanismos de transferência de calor Quando aquecemos uma cafeteira de alumínio com água ao lume toda a cafeteira e toda a água ficam quentes passado algum tempo.

Leia mais

Universidade de Aveiro Departamento de Física. Evaporação. Elsa Vieira Mafalda Morais Rita Soares 31157

Universidade de Aveiro Departamento de Física. Evaporação. Elsa Vieira Mafalda Morais Rita Soares 31157 Universidade de Aveiro Departamento de Física Evaporação Elsa Vieira 26297 Mafalda Morais 31326 Rita Soares 31157 Introdução A evaporação é um fenómeno no qual, os átomos ou moléculas no estado líquido

Leia mais

A COMPOSIÇÃO DO AR. O ar da atmosfera é formado por uma mistura de gases, vapor d água e partículas sólidas. Sendo:

A COMPOSIÇÃO DO AR. O ar da atmosfera é formado por uma mistura de gases, vapor d água e partículas sólidas. Sendo: UNIDADE 7 O AR A COMPOSIÇÃO DO AR O ar da atmosfera é formado por uma mistura de gases, vapor d água e partículas sólidas. Sendo: 78% Nitrogênio 21% Oxigênio 1% Outros gases, vapor d água e pequenas partículas

Leia mais

estado de tempo com clima. Embora sejam conceitos diferentes, eles estão inter-ligados, uma vez que à sucessão

estado de tempo com clima. Embora sejam conceitos diferentes, eles estão inter-ligados, uma vez que à sucessão Tempo Vs Clima Muitas vezes confunde-se estado de tempo com clima. Embora sejam conceitos diferentes, eles estão inter-ligados, uma vez que à sucessão habitual do estados de tempo, que ocorrem numa área,

Leia mais

Introdução. A importância da compreensão dos fenômenos meteorologicos Grande volume de dados

Introdução. A importância da compreensão dos fenômenos meteorologicos Grande volume de dados Introdução A importância da compreensão dos fenômenos meteorologicos Grande volume de dados Estações meteorológicas Imagens de satélite Radar Aeronaves, navios e bóias oceânicas Necessidade de rapidez

Leia mais

Massas de ar do Brasil Centros de ação Sistemas meteorológicos atuantes na América do Sul Breve explicação

Massas de ar do Brasil Centros de ação Sistemas meteorológicos atuantes na América do Sul Breve explicação Massas de ar do Brasil Centros de ação Sistemas meteorológicos atuantes na América do Sul Breve explicação Glauber Lopes Mariano Departamento de Meteorologia Universidade Federal de Pelotas E-mail: glauber.mariano@ufpel.edu.br

Leia mais

CAPÍTULO 4 TECNOLOGIA ESPACIAL NO ESTUDO DE FENÔMENOS ATMOSFÉRICOS

CAPÍTULO 4 TECNOLOGIA ESPACIAL NO ESTUDO DE FENÔMENOS ATMOSFÉRICOS INPE-8984-PUD/62 CAPÍTULO 4 TECNOLOGIA ESPACIAL NO ESTUDO DE FENÔMENOS ATMOSFÉRICOS Jorge Conrado Conforte INPE São José dos Campos 2002 C A P Í T U L O 4 T E C N O L O G I A E S P A C I A L N O E S T

Leia mais

BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS PARA O ESTADO DO PIAUÍ

BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS PARA O ESTADO DO PIAUÍ BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS PARA O ESTADO DO PIAUÍ Teresina - PI Dezembro(2015)/Janeiro(2016)/Fevereiro(2016) Rua 13 de Maio, 307, 4º, 5º e 6º Andar Centro CEP 64.001-150 - www.semar.pi.gov.br Teresina

Leia mais

A atmosfera é uma massa de ar gasosa que envolve o globo terrestre. Sua composição se divide em:

A atmosfera é uma massa de ar gasosa que envolve o globo terrestre. Sua composição se divide em: Meteorologia Introdução Meteorologia é a ciência que estuda a atmosfera, seus fenômenos e atividades. Ela é importante na aviação para proporcionar segurança e economia aos vôos. Atmosfera Terrestre A

Leia mais

Com base nos pontos foram determinadas direções intermediárias, conhecidas como. pontos : nordeste (NE), (NO), sudeste (SE) e (SO).

Com base nos pontos foram determinadas direções intermediárias, conhecidas como. pontos : nordeste (NE), (NO), sudeste (SE) e (SO). PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= 01- Complete as

Leia mais

A profundidade do oceano é de 3794 m (em média), mais de cinco vezes a altura média dos continentes.

A profundidade do oceano é de 3794 m (em média), mais de cinco vezes a altura média dos continentes. Hidrosfera Compreende todos os rios, lagos,lagoas e mares e todas as águas subterrâneas, bem como as águas marinhas e salobras, águas glaciais e lençóis de gelo, vapor de água, as quais correspondem a

Leia mais

SÍNTESE SINÓTICA MENSAL MAIO DE 2010

SÍNTESE SINÓTICA MENSAL MAIO DE 2010 SÍNTESE SINÓTICA MENSAL MAIO DE 2010 1. Acompanhamento dos principais sistemas meteorológicos que atuaram sobre América do Sul, ao norte do paralelo 40S As Figuras 1, 2 e 3 apresentam a evolução latitudinal

Leia mais

FORMAÇÕES VEGETACIONAIS AULA 7

FORMAÇÕES VEGETACIONAIS AULA 7 FORMAÇÕES VEGETACIONAIS AULA 7 Climas quentes Clima Equatorial Quente e úmido; Médias térmicas entre 24 a 28 C; Baixa amplitude térmica; Elevado índice pluviométrico, acima de 2.000 mm; Ex: Amazônia, Floresta

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO CENTRO DE ESTUDOS SUPERIORES DE IMPERATRIZ

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO CENTRO DE ESTUDOS SUPERIORES DE IMPERATRIZ UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO CENTRO DE ESTUDOS SUPERIORES DE IMPERATRIZ Disciplina: 2E321 - METEOOROLOGIA E CLIMATOLOGIA CONCEITOS INICIAIS Professor: Luiz Carlos A. dos Santos Tempo atmosférico ou

Leia mais

CLIMATOLOGIA. Profª Margarida Barros. Geografia - 2013

CLIMATOLOGIA. Profª Margarida Barros. Geografia - 2013 CLIMATOLOGIA Profª Margarida Barros Geografia - 2013 CLIMATOLOGIA RAMO DA GEOGRAFIA QUE ESTUDA O CLIMA Sucessão habitual de TEMPOS Ação momentânea da troposfera em um determinado lugar e período. ELEMENTOS

Leia mais

Colégio Salesiano Dom Bosco Parnamirim/RN. Climas do Brasil. Professores: Daniel Fonseca e Leônidas 7º Anos

Colégio Salesiano Dom Bosco Parnamirim/RN. Climas do Brasil. Professores: Daniel Fonseca e Leônidas 7º Anos Colégio Salesiano Dom Bosco Parnamirim/RN Climas do Brasil Professores: Daniel Fonseca e Leônidas 7º Anos Para entendermos os diversos climas do país O Brasil é um país de grandes dimensões, ocupando aproximadamente

Leia mais

Disciplina: Física da Terra e do Universo para Licenciatura em Geociências. Tópico 3 Umidade. Profa.: Rita Ynoue 2010

Disciplina: Física da Terra e do Universo para Licenciatura em Geociências. Tópico 3 Umidade. Profa.: Rita Ynoue 2010 Disciplina: 1400200 - Física da Terra e do Universo para Licenciatura em Geociências Tópico 3 Umidade Profa.: Rita Ynoue 2010 Revisão das aulas passadas Tópico 1: Evolução da atmosfera terrestre Composição

Leia mais

Climatologia e meteorologia

Climatologia e meteorologia Climatologia e meteorologia 1. Introdução A climatologia é a ciência que se ocupa do estudo dos climas. Os estudos climatológicos referem-se, de uma maneira geral, a territórios mais ou menos vastos e

Leia mais

CLIMATOLOGIA 1 ACA0223

CLIMATOLOGIA 1 ACA0223 CLIMATOLOGIA 1 ACA0223 Por Prof. Dr. Tércio Ambrizzi MASSAS DE AR FRENTES CICLONES EXTRA-TROPICAIS Sistemas de grande escala (escala sinótica): afetam grandes regiões (ex., parte de um continente) Longa

Leia mais

Prognóstico Climático

Prognóstico Climático Prognóstico Climático PROGNÓSTICO TRIMESTRAL Trimestre: ago/set/out - 2001 O prognóstico climático do Instituto Nacional de Meteorologia - INMET, órgão do Ministério da Agricultura e do Abastecimento,

Leia mais

PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL

PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL MARÇO/ABRIL/MAIO - 2016 Cooperativa de Energia Elétrica e Desenvolvimento Rural MARÇO/2016 El Niño 2015-2016 Observações recentes sobre a região do Oceano Pacífico Equatorial

Leia mais

Unidade 8. A Dinâmica da Atmosfera

Unidade 8. A Dinâmica da Atmosfera Unidade 8 A Dinâmica da Atmosfera O Clima Clima: Características predominantes da atmosfera em uma região ao longo do tempo. Para definir o clima de uma região, são necessários aprox. 30 anos de coleta

Leia mais

Atmosfera e o Clima. Clique Professor. Ensino Médio

Atmosfera e o Clima. Clique Professor. Ensino Médio Atmosfera e o Clima A primeira camada da atmosfera a partir do solo é a troposfera varia entre 10 e 20 km. É nessa camada que ocorrem os fenômenos climáticos. Aquecimento da atmosfera O albedo terrestre

Leia mais