DIREITOS HUMANOS NO BRASIL E O GRUPO TORTURA NUNCA MAIS/RJ.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIREITOS HUMANOS NO BRASIL E O GRUPO TORTURA NUNCA MAIS/RJ."

Transcrição

1 DIREITOS HUMANOS NO BRASIL E O GRUPO TORTURA NUNCA MAIS/RJ. Cecília Maria Bouças Coimbra* Eduardo Passos** Regina Benevides de Barros*** (...) Os direitos humanos não nos obrigarão a abençoar as alegrias do capitalismo liberal do qual eles participam ativamente. Não há Estado (dito) democrático que não esteja totalmente comprometido nesta fabricação da miséria humana. (G. Deleuze). O tema dos Direitos Humanos é muito antigo na história da civilização, mas ganha um sentido particular construído no interior do capitalismo. A noção que herdamos de defesa dos direitos humanos, portanto, nasce das lutas travadas pela burguesia européia contra o absolutismo estando marcada, desde seu início, pelos princípios da individualidade e da universalidade. Tais princípios são indissociáveis da noção de propriedade privada e da conseqüente distinção entre direito público e direito privado. Segundo as formulações dos teóricos do Direito no século XVIII, é a partir da propriedade tomada como direito natural inalienável que os demais direitos do indivíduo decorrem. Mesmo a instância pública é explicada, doravante, como resultado da concessão de parcelas da liberdade e do direito do indivíduo constituindo-se, assim, em uma instância pública de regulação e de proteção dos interesses privados/individuais. A universalidade, portanto, é o princípio norteador da defesa dos direitos do indivíduo e toda luta pelos Direitos Humanos assenta-se no pressuposto de um fundamento da humanidade, fundamento que se confunde com o sentimento de propriedade definidor da experiência individual burguesa. Os princípios da revolução burguesa de 1789 são afirmados como naturais já que refletindo a essência do que é o humano. Têm-se, então, um determinado rosto para os direitos humanos desde a primeira declaração produzida no bojo da luta realizada em 1789 até a de 1948, Declaração Universal dos Direitos Humanos, promulgada pela Organização das Nações Unidas após a II Grande Guerra Mundial e em pleno período da chamada guerra fria. Como Marx já havia denunciado em A Questão judaica (1844), há um caráter excessivamente abstrato e universalista na definição dos Direitos Humanos que se apoia em um fundamento absoluto - o da natureza humana. A crítica de autores marxistas como Bobbio[1] indica a ahistoricidade e a não contextualização que define o homem como categoria a priori e, portanto, naturalizada. Mas não é só no contraste entre os ideários burguês e marxista que a discussão se faz. Na verdade, há muitos outros matizes que podem ser verificados no campo dos Direitos Humanos diferenciando posições do ponto de vista jurídico e filosófico[2]. Acompanhando esses debates, verificamos que, desde o século XVIII, eles se assentam em polaridades que separam de modo evidentemente artificial domínios dos direitos: direitos civis e políticos em oposição aos direitos econômicos, sociais e culturais; direitos concernentes à esfera pública e à esfera privada. Essa lógica binarizante se, por um lado, reflete na Declaração de 1948 um mundo polarizado pela guerra fria, encontra outras expressões a partir das reconfigurações do capitalismo no mundo globalizado e transnacional [3]. Assim como o capitalismo vem, nos últimos dois séculos, se modulando e ganhando diferentes rostos, o debate sobre os Direitos Humanos experimenta também alterações guardando, entretanto, uma lógica argumentativa de base. A axiomática capitalista, sabemos, suporta variação com a condição de que certos princípios constituintes não

2 sejam rompidos. Uma lógica binária parece permanecer inalterada, seja nas modulações do capitalismo, seja nas variações dos discursos acerca dos Direitos Humanos. Essa lógica se faz a partir de uma oposição primeira que parece se manter nas suas diferentes manifestações: tratase da oposição entre os que têm direito e aqueles que não têm direito. Assim, sempre estiveram de fora desses direitos à vida e à dignidade os segmentos pauperizados e percebidos como marginais: os deficientes de todos os tipos, os desviantes, os miseráveis. A estes, efetivamente, os direitos humanos sempre foram e continuam sendo negados, uma vez que são definidos como segmentos sub-humanos porque, de alguma forma, comprometeriam a essência do homem. Não há dúvida, portanto, que esses direitos, proclamados nas mais variadas declarações[4], têm uma nítida posição discriminatória: de classe, de gênero, de etnia, de religião, de povos. Eis, então, um problema central que convulsiona o discurso acerca dos Direitos Humanos, pois se essa lógica binarizante é facilmente articulável com o princípio do individualismo, não acontece o mesmo com o princípio da universalidade. Defender os direitos do indivíduo, respeitar as identidades, defender as propriedades, é manter-se na lógica da distinção entre o eu e o outro, o meu e o teu, o próprio e o impróprio. Por outro lado, a defesa da universalidade dos Direitos Humanos não se faz sem que se experimente nas suas lutas concretas um embaraço. Como garantir o direito a todos se, de fato, o todo da humanidade se organiza em binarismos? Esse embaraço, recentemente, ganha uma importante expressão nas tentativas de criação de uma Corte Penal Internacional para tratar as violações aos Direitos Humanos. Veja, por exemplo, as dificuldades relativas à tentativa de julgamento internacional do ditador chileno general Augusto Pinochet, apesar do avanço que se obteve pois, pela primeira vez na história, importantes segmentos internacionais foram favoráveis e mesmo pressionaram para que o julgamento se efetivasse. Entretanto, essas dificuldades ou embaraços atestam ainda a precariedade de uma prática de luta pelos Direitos Humanos com âmbito efetivamente universal.[5] A questão que se coloca agora é a da necessidade de mantermos, ainda, essa articulação entre o tema dos Direitos Humanos e os princípios do individualismo e o da universalidade. E se colocamos em questão esses princípios não podemos fazê-lo sem desestabilizar essa lógica binarizante a eles associada. Queremos pensar uma outra lógica de construção das lutas pelos Direitos Humanos, lógica que diante da multiplicidade de expressões do humano não se comprometa com a organização desse diverso em blocos de oposição. Essa lógica da multiplicidade, consequentemente, impõe que, no lugar de tomar os Direitos Humanos como pautados pela noção de indivíduo, possamos defini-los como defesa ativa dos processos de individuação. Simondon[6] nos ajuda a dar conta desta distinção entre indivíduo e individuação definindo este último como processo ontogenético de diferenciação ou, como prefere o autor, resolução parcial e relativa que se manifesta em um sistema contendo potenciais e guardando uma certa incompatibilidade por relação a si mesmo *7+. A individuação pressupõe, portanto, um processo de produção do indivíduo, processo que vai se realizando por um potencial de diferenciação (em especial, uma diferenciação por relação a si). Substituir a noção de indivíduo pela noção de individuação nos permite fazer da luta pelos Direitos Humanos, uma luta pelos processos de diferenciação que fazem com que o humano nunca seja completamente definido por uma categoria como classe, gênero, etnia, religião, povos. Por outro lado, o princípio de universalidade do homem como fundamento absoluto, essência ou natureza, é substituído por um processo de universalização do compromisso com a vida. A questão da universalidade dos Direitos Humanos ganha, portanto, um outro sentido, dizendo respeito menos a uma universalidade do homem e mais à possibilidade de mobilização ou

3 implicação dos diferentes homens na luta pela criação e preservação das diferentes manifestações da vida humana. Nessa outra perspectiva podemos pensar os Direitos Humanos como o direito a diferentes modos de viver e estar no mundo. No Brasil, a luta pelos direitos humanos emergiu com mais força nos movimentos contra a ditadura instaurada pelo golpe militar contra o governo de João Goulart em Em especial, essa luta se efetivou, na segunda metade dos anos 70, através dos movimentos sociais em confronto com o governo militar e o período repressivo por ele instaurado. Estes movimentos, a um só tempo de resistência à ditadura e de luta em defesa dos direitos humanos, politizaram o cotidiano nos locais de trabalho e moradia, inventando outras formas de fazer política. Novos personagens entraram em cena como novos sujeitos políticos *8+ que, no cotidiano, lutavam por melhores condições de vida, trabalho, salário, moradia, alimentação, educação, saúde e pela democratização da sociedade. As experiências políticas criadas a partir da segunda metade da década de 70 foram, de fato, constituídas com os estilhaços *9+ do golpe de 1964 e com o AI-5 *10+, em Os sobreviventes, ao resgatarem criticamente as várias experiências de oposição nos anos 60 e 70, criaram nos bairros e, logo a seguir, nas fábricas, políticas que substituíram as tradicionalmente implementadas. A partir, principalmente, das crises da Igreja, das esquerdas e do sindicalismo que a ditadura acirrou e aprofundou forjaram-se diferentes práticas: algumas ligadas à teologia da libertação *11+, outras que repensaram as propostas marxistas, a oposição armada à ditadura e o próprio movimento sindical. Emergiram, desses novos movimentos sociais, dessas novas práticas, outras maneiras de construir a política dos direitos humanos. Vários grupos surgiram resistindo às violências cometidas e lutando contra a impunidade vigente. Ainda hoje, tais grupos persistem na disposição de resistir considerando as condições concretas de existência daqueles que continuam sendo marginalizados. Os anos 80, no Brasil, apesar dos ecos dos novos movimentos sociais, caracterizou-se pela vitória do conservadorismo. Em 1979 foi sancionada a Lei da Anistia, bastante limitada e estreita, deixando muitos opositores políticos de fora e criando uma estranha figura jurídica denominada crimes conexos que pretendeu dar anistia aos torturadores. A economia sofreu quedas sem precedentes e a recessão tornou-se um fato. Daí, a grande participação que, ao longo de 1983 e 1984 teve a Campanha das Diretas Já pelas eleições democráticas para presidente da República. A ditadura não mais se sustentava. Entretanto, apesar da enorme mobilização da sociedade, as eleições continuaram indiretas. Mais uma vez, em nossa história, o pacto entre as elites se fez e garantiu-se, como pretendiam os militares, uma transição lenta, gradual e segura. Mantinha-se o poder em mãos conservadoras preservando-se a impunidade e esquecendo-se de toda nossa história recente. Somente em 1989, ocorreu a primeira eleição direta para Presidente da República após o golpe de Nesses anos 80, assistiu-se a uma competente campanha, principalmente nos meios de comunicação de massa, que sutilmente associava o aumento da criminalidade ao fim da ditadura militar. A violência tornou-se o tema nacional preferido pela mídia, pelos políticos e pelas elites, em especial, nos estados do Rio de Janeiro e São Paulo. Com as eleições para governadores, em 1983, a vitória da oposição nesses dois estados trouxe ao debate, ainda que timidamente, o tema dos direitos humanos. Nesse mesmo momento, veicula-se fortemente, através dos meios de comunicação de massa, a questão do aumento da violência nesses dois estados que vem acompanhada de campanhas defendendo o auto-armamento da população, os linchamentos, o policiamento ostensivo e fardado nas ruas. A abertura dos debates acerca dos direitos humanos no início da década de 80 é, assim, acompanhada por um discurso conservador e, paradoxalmente, contra os direitos humanos. Não é difícil entrever nesses discursos contra os direitos humanos e sobre a insegurança gerada pelo aumento da criminalidade um diagnóstico de

4 que tudo está mudando para pior, de que os pobres querem direitos e que se quer dar direitos até para bandidos *12+. Deve-se considerar que, nos anos 80 no Brasil, a nova ordem mundial se impõe: Estado mínimo, livre mercado, livre comércio, privatizações, marketing, rotação rápida, capitalismo financeiro, isolamento tecnocrático, cultura-mercado, dentre outros. É o neo-liberalismo com seus corolários de globalização que gera o que Pegoraro (1996) chamou de paradigma da insegurança *13+. As ameaças de desestabilização da economia e de catástrofe social têm sido conjuradas pelas elites que governam nosso país com discursos sobre eficiência, leis do mercado, competitividade, necessidade de privatizações e livre comércio. Foi nesse contexto que surgiu, em 1985, no Rio de Janeiro, o Grupo Tortura Nunca Mais, o primeiro de muitos outros que, ao longo da década de 90, aparecem em alguns estados brasileiros, como: São Paulo, Pernambuco, Minas Gerais, Bahia, Alagoas, Paraná. Falar desse movimento, fundado por ex-presos políticos, familiares de mortos e desaparecidos políticos e cidadãos que se indignam com a prática cotidiana e banalizada da tortura, é falar de questões que continuam sendo colocadas para debaixo do tapete por diferentes governos civis, eleitos nas urnas. É falar do comprometimento e conivência com a ditadura militar ( ) de todos esses governos que, desde 1985 com a chamada Nova República - substituíram os militares. É falar dos desaparecidos políticos figura perversa inventada pela ditadura brasileira, nos anos 70, exportada para os demais regimes de força latino-americanos que até hoje não tiveram seus restos mortais entregues a seus familiares e amigos. É, portanto, esclarecer as circunstâncias em que ocorreram centenas de assassinatos perpetrados contra os opositores políticos durante aquele período. É esclarecer todos esses crimes cometidos em nome da segurança nacional e lembrar uma parte recente de nossa história, uma história que tem sido sistematicamente negada. A luta dos Grupos Tortura Nunca Mais é a luta para escrever a história dos vencidos *14+ que não consta nos livros da história oficial. Torna-se necessário e atual pensar que memória histórica vem sendo construída em nosso país.[15] Sabemos que há várias maneiras de se narrar a história. Uma visão sempre esquecida é a que tem sido forjada pelos diferentes movimentos populares nas suas lutas cotidianas, nas suas resistências e na sua teimosia em continuar existindo. Nestas histórias, sempre negadas, os segmentos subalternizados não são meros espectadores, como têm sido apresentados, mas produtores de acontecimentos. Assim, o processo de produção da memória coletiva é um importante instrumento de confronto entre grupos sociais. A história que nos tem sido imposta seleciona e ordena os fatos segundo alguns critérios e interesses construindo, com isso, zonas de sombras, silêncios e esquecimentos. A história oficial tem construído desconhecimentos sobre os embates ocorridos em nosso país, como se os vencidos não tivessem estado presentes no cenário político, apagando até mesmo seus projetos e utopias. Documentos confidenciais do período da ditadura militar talvez nos sejam úteis, tendo em vista a orientação que se pretendia dar aos acontecimentos, naquela época. Dizia o documento do Centro de Informações da Aeronáutica (CISA), carimbado de reservado : A imprensa noticia e os Órgãos de Informação costumam referir-se aos bandos terroristas e subversivos que agem no território nacional, como ORGANIZAÇÃO. É comum ler-se que a Organização VPR, a Organização ALN[16], etc., realizou essa ou aquela AÇÃO...

5 A conotação que o termo Organização sugere, é o de uma verdadeira Instituição, algo assim como a Organização das Nações Unidas, a Organização dos Estados Americanos, etc. dando ao público uma visão distorcida e permitindo que o bando terrorista se apresente ao público como coisa organizada, bem estruturada, solidificada, baseada em filosofia, doutrina e propósitos profundamente fundamentados, como se fosse uma Instituição de Amparo à Infância ou Associação dos Pais de Família...Por outro lado, a notícia do cometimento de uma AÇÃO apresenta um conotativo de força, energia, batalha. Parece-nos que é inteligente substituir a palavra Organização pela palavra bando, cuja conotação sugere quadrilha de ladrões, banditismo, dando a idéia de ilegalidade, amoralidade, falta de civilidade. A palavra AÇÃO substituída por assalto, crime, roubo, chantagem, assassinato, etc., dará ao público a idéia depreciativa do acontecido, despida de conotação de força, energia, batalha, ressaltando o sentido de injustiça, arbitrariedade, desespero, brutalidade, mesquinhez. Este Centro a partir de 1ºde abril próximo passará a utilizar em seus documentos essas palavras (...) e sugere que o SNI e o MJ[17], em seus relacionamentos com os diversos órgãos de imprensa, busquem a cooperação desses veículos, no sentido de evitar as palavras Organização e Ação (...)*18+ Em resposta a este documento, enviado a todos os órgãos de informação no Brasil (civis e militares), o DOPS/RJ*19+, além de concordar com a sugestão do CISA, acrescentava que: (...). A bem da verdade, essa resolução já vem sendo utilizada pelo Governo Uruguaio, através de legislação especial, proibindo aos órgãos de imprensa, a menção do nome: TUPAMAROS, sendo-lhes usado como substituto, os termos: sediciosos, insurretos. (...) Cumpria, entretanto, não ficar tal proposição no âmbito dos órgãos de segurança, mas também, ser empregado pelos órgãos de comunicação (...)[20] Malgrado todos estes esforços, esta história não tem conseguido silenciar a produção cotidiana de uma outra história da qual têm participado, ativamente, grupos de Direitos Humanos, como o Grupo Tortura Nunca Mais. Os responsáveis por crimes cometidos naquele período, como seqüestros, prisões ilegais, torturas, cárcere privado, assassinatos e ocultação de cadáveres, até hoje não foram responsabilizados e sequer julgados. Ao contrário, continuam sendo premiados e promovidos, exercendo altas funções em diferentes governos municipais, estaduais e mesmo no âmbito federal. O mínimo que se tem conseguido em alguns casos, com o apoio e pressão das entidades internacionais de direitos humanos, é o afastamento de algumas dessas pessoas, comprometidas com crimes contra a humanidade, dos cargos que vêm ocupando. Assim, uma outra frente de luta dos Tortura Nunca Mais tem sido também ações contra a impunidade. É preciso lembrar que, naquele passado recente, o opositor político foi seqüestrado, torturado, isolado, assassinado, desaparecido e enterrado como indigente, perpetuando-se assim, a tortura sobre seus familiares e amigos. Hoje, as mesmas práticas são aplicadas aos pobres em geral, aos excluídos, aos também chamados perigosos. O seu extermínio tem sido plenamente justificado como uma limpeza social, aplaudido pelas elites e por muitos segmentos médios de nossa sociedade. Como nos anos de chumbo, nesses tempos neoliberais, o inimigo interno deve ser não somente calado, mas exterminado. [21]

6 No Brasil, em sintonia com os outros países da América Latina, a luta pelos Direitos Humanos tem sido a forma de resistirmos aos mecanismos repressivos que assumiram a forma de aparelhos de Estado nos anos 60. Pois se no Primeiro Mundo, a democracia mais consolidada impediu que o movimento contracultural desses anos fosse combatido por aparelhos de Estado autoritários, conosco as experimentações das décadas 60/70 tiveram como correlato a formação de um governo ditatorial que usou o Estado para massacrar a vida. Conhecer essa história e inventar outras maneiras de viver são importantes instrumentos para que se possa não só fazer frente às políticas que produzem/fortalecem uma certa natureza para os direitos humanos, como também apostar em outras frentes de luta em defesa dos processos de diferenciação. Pois, se naqueles anos 60, a juventude brasileira em suas experiências de combate ao instituído teve que se confrontar com a reação de um regime autoritário, que lhe impôs a tortura, a morte, a clandestinidade ou o silêncio, a luta pelos Direitos Humanos hoje continua entre nós como a defesa das diferentes manifestações da vida humana. Afirmar esta outra história, outras subjetividades e os direitos humanos como direitos que a todos implicam é o que pretendemos. * Psicóloga, Professora Adjunta da Universidade Federal Fluminense, Doutora em Psicologia pela Universidade de São Paulo (Pós-Doc), Presidente do Grupo Tortura Nunca Mais/RJ (GTNM/RJ) e da Comissão Nacional de Direitos Humanos do Conselho Federal de Psicologia. ** Psicólogo, Professor Adjunto da Universidade Federal Fluminense, Doutor em Psicologia. Integrante do Projeto Clínico- Grupal do GTNM/RJ *** Psicóloga, Professora Adjunta da Universidade Federal Fluminense, Doutora em Psicologia Clínica;. Integrante do Projeto Clínico- Grupal do GTNM/RJ [1] BOBBIO, N. Presente e Futuro dos Direitos do Homem - a Era dos Direitos. Rio de Janeiro: Campus, 1992 [2] DORNELLES, J.R. W. Sobre a Fundamentação histórica e filosófica dos Direitos Humanos. Revista Direitos Humanos Gajop., ed esp, 50 Anos da Declaração, nov/dez, [3] SANÉ, P. Garantir les libertés individuelles. Le Monde Diplomatique, 52, juillet/août, 2000, pp [4] Sobre o assunto consultar: COIMBRA, C. M.B. Cidadania Ainda Recusada: o Plano Nacional de Direitos Humanos e a Lei sobre Mortos e Desaparecidos Políticos in Conselho Federal de Psicologia (Org.) - Psicologia, Ética e Direitos Humanos Brasília: Casa do Psicólogo, 2000, [5] CHEMILLIER-GENDREAU, M. Universalité des droits humains. Le Monde Diplomatique, 52, juillet/août, 2000, pp Ainda sobre o tema, consultar COIMBRA, C. M. B. Imunidade ou Impunidade? Público, 48, agosto, [6+ SIMONDON, G. L individuation psychique et collective. Paris: Aubier, 1989.

7 [7] Ibidem, p.12 [8] SADER, E Quando Novos Personagens Entram em Cena Rio de Janeiro: Paz e Terra, [9] Termo utilizado por TELLES, V. S. Anos 70: Experiências e Práticas Cotidianas in KRISCHKE, P. J. e MAINWARING, S. (orgs.) A Igreja nas Bases em Tempo de Transição Porto Alegre: L± CEDEC, 1986, Sobre o assunto, consultar também COIMBRA, C. M. B. Guardiães da Ordem: Uma Viagem pelas Práticas Psi no Brasil do Milagre Rio de Janeiro: Oficina do Autor, [10] O Ato Institucional número 5 (AI-5), de 13 de dezembro de 1968, deu continuidade aos atos arbitrários do governo ditatorial a partir do golpe militar de Entretanto, este ato é considerado o golpe dentro do golpe, a vitória da chamada linha dura que instituiu a ditadura sem disfarces: o terrorismo de Estado. O terceiro presidente militar, general Médice, realizou um dos mais violentos e repressivos governos da história do Brasil, quando o regime militar consolidou a sua forma mais brutal de atuação. [11] A Teologia da Libertação foi um movimento que, nos anos 70, expandiu-se, em especial entre o clero jovem da América Latina, trazendo um forte compromisso social. Em 1968, houve em Medellín, na Colômbia a Segunda conferência dos Bispos latinoamericanos que se comprometeu na luta contra as causas sociais da miséria, traduzindo os ensinamentos do Concílio Vaticano II para a realidade do 3º mundo. A Teologia da Libertação nasceu desse movimento. [12] In CALDEIRA, T. P. do R. Direitos Humanos ou Privilégios de Bandidos? Desventuras da Democratização Brasileira in Novos Estudos CEBRAP São Paulo, nº. 30, julho/91, [13] PEGORARO, J. S. El Control Social Y El Paradigma de la Inseguridad, in ETIAM Crime, Culpa y Castigo - Buenos Aires, nº. 2, 1996, [14] GAGNEBIN, J. M. Cacos da História São Paulo, Brasiliense, 1986, pp.19,20. [15] Sobre o assunto consultar COIMBRA, C. M. B. Produzindo Esquecimento: histórias negadas Rio de Janeiro, trabalho apresentado na University of the Wertern Cape, 1999, mimeogr. [16] A VPR (Vanguarda Armada Revolucionária), grupo clandestino de luta contra a ditadura foi criada em A ALN (Ação Libertadora Nacional), também grupo clandestino contra o regime militar, foi criada em 1967 por Carlos Marighella (morto pela ditadura) como uma dissidência do PCB (Partido Comunista Brasileiro). [17] O SNI ( Serviço Nacional de Informações) foi criado em 13/6/64 após o golpe militar para coordenar os trabalhos do recém inaugurado Conselho de Segurança Nacional. No início do anos 70, cresceu a tal ponto que se transformou na 4ª Força Armada, embora não militarizada. Foi o órgão da repressão mais importante dentro e fora do país, tendo agências espalhadas por todo território nacional, em cada Ministério, Empresa estatal ou privada, Universidade, Governo Estadual e Municipal. O MJ, refere-se ao Ministério da Justiça, órgão federal que trata das questões de justiça de nosso país. [18] Informação nº 156 CISA/RJ, 19/03/71 Ministério da Aeronáutica/Gabinete do Ministro, p.01, aspas no original.

8 [19] Os DOPS( Departamentos de Ordem Política e Social), órgãos vinculados aos Governos dos Estados através das Secretarias de Segurança Pública eram encarregados de investigar ações políticas que colocavam em risco a segurança do regime. Foram criados nos anos 30 com o objetivo de acompanhar as ações dos cidadãos considerados perigosos como os anarquistas, comunistas, dentre outros. Órgãos do sistema repressivo que, além do acompanhamento efetuavam prisões e, utilizavam, abundantemente práticas de tortura. [20] Informação de 22/03/71 Estado da Guanabara Secretaria de Segurança Pública, Departamento de Ordem Política e Social/Divisão de Operações/Serviço de Buscas Especiais, p.1, aspas e grifo no original. [21] Sobre o assunto consultar COIMBRA, C. M. B. Discurso sobre Segurança Pública e Produção de Subjetividades: Violência urbana e alguns de seus efeitos São Paulo, Trabalho de Pós - Doutorado, USP, 1998.

Psicologia, Direitos Humanos e Neoliberalismo *

Psicologia, Direitos Humanos e Neoliberalismo * REVISTA PSICOLOGIA POLÍTICA Psicologia, Direitos Humanos e Neoliberalismo * Psychology, Human Rigths and Neo-Liberalism Cecília M. B. Coimbra ** gtnm@alternex.com.br Resumo Este trabalho aponta algumas

Leia mais

COMISSÃO DE CULTURA PROJETO DE LEI Nº 3388, DE 2012

COMISSÃO DE CULTURA PROJETO DE LEI Nº 3388, DE 2012 COMISSÃO DE CULTURA PROJETO DE LEI Nº 3388, DE 2012 Dá o nome de Ponte Herbert de Souza Betinho, à atual Ponte Presidente Costa e Silva, localizada do km 321 ao 334, na BR 101/RJ. Autor: Deputado Chico

Leia mais

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo II: Conselhos dos Direitos no Brasil

Leia mais

ABERTURA DOS ARQUIVOS DA DITADURA (CIVIL) MILITAR

ABERTURA DOS ARQUIVOS DA DITADURA (CIVIL) MILITAR CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X ABERTURA DOS ARQUIVOS DA DITADURA (CIVIL) MILITAR Cesar

Leia mais

50 anos depois, ainda vivemos o horror

50 anos depois, ainda vivemos o horror Especial 50 anos do golpe 50 anos depois, ainda vivemos o horror Tratar o passado de violações é constatar que o presente está marcado pela continuidade das violências por João Ricardo W. Dornelles publicado

Leia mais

Em busca do arquivo perdido: a Assessoria Especial de Segurança e Informação da Universidade Federal do Espírito Santo (AESI/Ufes).

Em busca do arquivo perdido: a Assessoria Especial de Segurança e Informação da Universidade Federal do Espírito Santo (AESI/Ufes). Em busca do arquivo perdido: a Assessoria Especial de Segurança e Informação da Universidade Federal do Espírito Santo (AESI/Ufes). RESUMO: O principal objetivo deste artigo é apresentar os problemas relacionados

Leia mais

A DITADURA BRASILEIRA DE 1964

A DITADURA BRASILEIRA DE 1964 A DITADURA BRASILEIRA DE 1964 Dalmo A. Dallari * 1. A DITADURA E SUAS VARIANTES A história da humanidade tem sido uma confirmação reiterada do acerto da advertência do eminente político e historiador inglês

Leia mais

Proposta de Recomendações. GT dos Trabalhadores da CNV

Proposta de Recomendações. GT dos Trabalhadores da CNV Proposta de Recomendações GT dos Trabalhadores da CNV DOS CRIMES CONTRA A HUMANIDADE 1. Reconhecer e acatar as normas do direito internacional sobre crimes contra a humanidade. Ratificação da Convenção

Leia mais

Por que defender o Sistema Único de Saúde?

Por que defender o Sistema Único de Saúde? Por que defender o Sistema Único de Saúde? Diferenças entre Direito Universal e Cobertura Universal de Saúde Cebes 1 Direito universal à saúde diz respeito à possibilidade de todos os brasileiros homens

Leia mais

Manifesto da Frente Independente pela Memória, Verdade e Justiça-MG. 7 de novembro de 2012

Manifesto da Frente Independente pela Memória, Verdade e Justiça-MG. 7 de novembro de 2012 Manifesto da Frente Independente pela Memória, Verdade e Justiça-MG 7 de novembro de 2012 Nós, da Frente Independente pela Verdade, Memória e Justiça-MG, viemos a público manifestar nossa concepção sobre

Leia mais

Capítulo. A ditadura militar no Brasil

Capítulo. A ditadura militar no Brasil Capítulo A ditadura militar no Brasil ARQUIVO/O GLOBO 1 Do golpe militar ao AI-5 O golpe militar de 1964 João Goulart é derrubado pelos militares, em 31 de março de 1964, por meio de um golpe, apoiado

Leia mais

1) Qual foi o contexto em que foi criada a lei 5.766/71?

1) Qual foi o contexto em que foi criada a lei 5.766/71? Entrevista com Cecília Coimbra (CRP 05/1780), psicóloga, professora da UFF e presidente do Grupo Tortura Nunca Mais/RJ. 1) Qual foi o contexto em que foi criada a lei 5.766/71? No Brasil, de 1970 a 1974,

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

Por uma Cultura da Paz Vera Maria Candau

Por uma Cultura da Paz Vera Maria Candau Por uma Cultura da Paz Vera Maria Candau Não é fácil situar-nos diante da questão da paz na atual situação do mundo e do nosso país. Corremos o risco ou de negar a realidade ou de não reconhecer o sentido

Leia mais

Acerca da Luta Armada

Acerca da Luta Armada VALOR E VIOLÊNCIA Acerca da Luta Armada Conferência Pronunciada no Anfiteatro de História da USP em 2011 Wilson do Nascimento Barbosa Professor Titular de História Econômica na USP Boa noite! Direi em

Leia mais

Acesso aos Arquivos da Ditadura: Nem Perdão, nem Talião: Justiça!

Acesso aos Arquivos da Ditadura: Nem Perdão, nem Talião: Justiça! Acesso aos Arquivos da Ditadura: Nem Perdão, nem Talião: Justiça! Tânia Miranda * A memória histórica constitui uma das mais fortes e sutis formas de dominação. A institucionalização da memória oficial

Leia mais

DITADURAS DE SEGURANÇA NACIONAL NA AMÉRICA LATINA ENRIQUE SERRA PADRÓS 2012

DITADURAS DE SEGURANÇA NACIONAL NA AMÉRICA LATINA ENRIQUE SERRA PADRÓS 2012 DITADURAS DE SEGURANÇA NACIONAL NA AMÉRICA LATINA ENRIQUE SERRA PADRÓS 2012 ANTECEDENTES GUERRA FRIA - REVOLUÇÃO BOLIVIANA (1952) - INTERVENÇÃO NA GUATEMALA (1954) - QUEDA DE GETÚLIO VARGAS (1954) - QUEDA

Leia mais

Propostas dos GTs da Conferência Municipal de São Paulo. Princípios e diretrizes de Segurança Pública

Propostas dos GTs da Conferência Municipal de São Paulo. Princípios e diretrizes de Segurança Pública Propostas dos GTs da Conferência Municipal de São Paulo Princípios e diretrizes de Segurança Pública Eixo 1 1. Fortalecimento do pacto federativo; 2. Municipalização da Segurança Pública; 3. Estabelecer

Leia mais

Jornada Pedagógica Pastoral 2011. Divane Nery

Jornada Pedagógica Pastoral 2011. Divane Nery Jornada Pedagógica Pastoral 2011 Divane Nery Uma Breve História dos Direitos da Criança e do Adolescente no Brasil Por Gisella Werneck Lorenzi* Até 1900 Final do Império e início da Republica Não se tem

Leia mais

ANÁLISE DAS CATEGORIAS SUBVERSÃO E RESISTÊNCIA A PARTIR DA RELAÇÃO IGREJA- ESTADO DURANTE A DITADURA MILITAR NO BRASIL Camila da Silva Portela *

ANÁLISE DAS CATEGORIAS SUBVERSÃO E RESISTÊNCIA A PARTIR DA RELAÇÃO IGREJA- ESTADO DURANTE A DITADURA MILITAR NO BRASIL Camila da Silva Portela * ANÁLISE DAS CATEGORIAS SUBVERSÃO E RESISTÊNCIA A PARTIR DA RELAÇÃO IGREJA- ESTADO DURANTE A DITADURA MILITAR NO BRASIL Camila da Silva Portela * Este artigo traz indagações referentes a uma pesquisa mais

Leia mais

Os limites da soberania do Estado e a efetividade dos Direitos Humanos

Os limites da soberania do Estado e a efetividade dos Direitos Humanos Os limites da soberania do Estado e a efetividade dos Direitos Humanos Érika Maria Rodrigues de Castro Faculdade Direito CCHSA erikamrcastro@hotmail.com Resumo: O presente resumo tem por objetivo principal

Leia mais

TÍTULO: A VIOLAÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS NO PERÍODO DA DITADURA MILITAR BRASILEIRA E A SUA CONSEQUÊNCIA JURÍDICA NO BRASIL ATUAL

TÍTULO: A VIOLAÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS NO PERÍODO DA DITADURA MILITAR BRASILEIRA E A SUA CONSEQUÊNCIA JURÍDICA NO BRASIL ATUAL TÍTULO: A VIOLAÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS NO PERÍODO DA DITADURA MILITAR BRASILEIRA E A SUA CONSEQUÊNCIA JURÍDICA NO BRASIL ATUAL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: DIREITO INSTITUIÇÃO:

Leia mais

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL THOMAS HOBBES LEVIATÃ ou MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL Thomas Hobbes é um contratualista teoria do contrato social; O homem natural / em estado de natureza para Hobbes não é

Leia mais

MENSAGEM AOS ALUNOS DA UNIVERSIDADE FMU

MENSAGEM AOS ALUNOS DA UNIVERSIDADE FMU MENSAGEM AOS ALUNOS DA UNIVERSIDADE FMU OS REFUGIADOS: * A MAIOR TRAGÉDIA HUMANA DA NOSSA ÉPOCA * A AMEAÇA DE MORTE VIOLENTA DOS REFUGIADOS * E A MORTE CERTA PELA MISÉRIA E PELA FOME * DESAFIO DE UMA UNIVERSIDADE

Leia mais

A América Latina na Guerra Fria A ditadura militar no Brasil

A América Latina na Guerra Fria A ditadura militar no Brasil ID/ES Tão perto e ainda tão distante A 90 milhas de Key West. Visite Cuba. Cartão postal de 1941, incentivando o turismo em Cuba. 1 Desde a Revolução de 1959, Cuba sofre sanções econômicas dos Estados

Leia mais

Capacitação em Educação em Direitos Humanos. FUNDAMENTOS HISTÓRICO- FILOSÓFICOS DOS DIREITOS HUMANOS Módulo 1.8

Capacitação em Educação em Direitos Humanos. FUNDAMENTOS HISTÓRICO- FILOSÓFICOS DOS DIREITOS HUMANOS Módulo 1.8 Capacitação em Educação em Direitos Humanos FUNDAMENTOS HISTÓRICO- FILOSÓFICOS DOS DIREITOS HUMANOS Módulo 1.8 1 FUNDAMENTOS HISTÓRICO-FILOSÓFICOS DOS DIREITOS HUMANOS Direitos Humanos: sua origem e natureza

Leia mais

TESE DAS/DOS ESTUDANTES DO FÓRUM ABERTO PELA DEMORATIZAÇÃO DA USP AO XI CONGRESSO DE ESTUDANTES DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

TESE DAS/DOS ESTUDANTES DO FÓRUM ABERTO PELA DEMORATIZAÇÃO DA USP AO XI CONGRESSO DE ESTUDANTES DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO TESE DAS/DOS ESTUDANTES DO FÓRUM ABERTO PELA DEMORATIZAÇÃO DA USP AO XI CONGRESSO DE ESTUDANTES DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DIREITO À VERDADE, MEMÓRIA E JUSTIÇA POR UMA COMISSÃO DA VERDADE DA USP A ditadura

Leia mais

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo III: Conselhos dos Direitos no

Leia mais

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador ANTONIO ANASTASIA

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador ANTONIO ANASTASIA PARECER Nº, DE 2015 Da COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 237, de 2013, que define crime conexo, para fins do disposto no art. 1º, 1º, da Lei nº 6.683,

Leia mais

Portanto, a conjuntura pós-1970 foi marcada pelo protagonismo de entidades e pessoas que

Portanto, a conjuntura pós-1970 foi marcada pelo protagonismo de entidades e pessoas que Os vigilantes da ordem: a cooperação DEOPS/SP e SNI e a suspeição aos movimentos pela anistia (1975-1983). Pâmela de Almeida Resende 1 Mestrado em História Social pela Universidade Estadual de Campinas

Leia mais

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ (Conjur, 10/12/2014) Alexandre de Moraes Na luta pela concretização da plena eficácia universal dos direitos humanos o Brasil, mais

Leia mais

A América Central continental Guatemala, Costa Rica, Honduras, Nicarágua e El Salvador já foram parte do

A América Central continental Guatemala, Costa Rica, Honduras, Nicarágua e El Salvador já foram parte do p. 110 A América Central continental Guatemala, Costa Rica, Honduras, Nicarágua e El Salvador já foram parte do México até sua independência a partir de 1823; Em 1839 tornam-se independentes fracasso da

Leia mais

MÍDIA E VIOLÊNCIA COMO OS JORNAIS RETRATAM A VIOLÊNCIA E A SEGURANÇA PÚBLICA NA BAIXADA FLUMINENSE. Silvia Ramos

MÍDIA E VIOLÊNCIA COMO OS JORNAIS RETRATAM A VIOLÊNCIA E A SEGURANÇA PÚBLICA NA BAIXADA FLUMINENSE. Silvia Ramos MÍDIA E VIOLÊNCIA COMO OS JORNAIS RETRATAM A VIOLÊNCIA E A SEGURANÇA PÚBLICA NA BAIXADA FLUMINENSE Silvia Ramos A pesquisa mídia e violência O Centro de Estudos de Segurança e Cidadania da Universidade

Leia mais

PROJETO MUTAÇÕES: Cada um na sua, mas todos ligados em rede O mundo e o planeta Urbanização e cidades Globalização: o mundo em toda parte

PROJETO MUTAÇÕES: Cada um na sua, mas todos ligados em rede O mundo e o planeta Urbanização e cidades Globalização: o mundo em toda parte PROJETO MUTAÇÕES: O início do século XXI impressiona não apenas pelo volume das mudanças que se efetivaram em todos os campos da ação humana, mas também na velocidade com que elas têm se processado. Em

Leia mais

Golpe Militar: As Mudanças na Grade Curricular do Estado de Santa Catarina. múltiplas dimensões foram pouco analisadas de forma globalmente

Golpe Militar: As Mudanças na Grade Curricular do Estado de Santa Catarina. múltiplas dimensões foram pouco analisadas de forma globalmente Golpe Militar: As Mudanças na Grade Curricular do Estado de Santa Catarina. RESUMO O Regime Militar brasileiro, implantado por um golpe de Estado em 1964, durou vinte e um anos e mudou a face do país.

Leia mais

DESMISTIFICANDO OS DIREITOS HUMANOS NO BRASIL

DESMISTIFICANDO OS DIREITOS HUMANOS NO BRASIL 71 DESMISTIFICANDO OS DIREITOS HUMANOS NO BRASIL Maria Isabel Ferreira Marques email: mariaisabelmarques@outlook.com; Vinicius de Aguiar Pessotti - email: viniciusap@globo.com; Rodrigo Pinheiro Féres -

Leia mais

ANOS DE CHUMBO: O QUE FAZER PARA QUE TUDO SEJA APENAS HISTÓRIA. Marcos Rolim 1

ANOS DE CHUMBO: O QUE FAZER PARA QUE TUDO SEJA APENAS HISTÓRIA. Marcos Rolim 1 ANOS DE CHUMBO: O QUE FAZER PARA QUE TUDO SEJA APENAS HISTÓRIA Marcos Rolim 1 O novo Chefe do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República, General José Elito Siqueira, afirmou, em sua

Leia mais

POLÍCIA E POLÍTICA: RELAÇÕES ESTADOS UNIDOS/AMÉRICA LATINA Police and Politics: the United States/Latin America relations

POLÍCIA E POLÍTICA: RELAÇÕES ESTADOS UNIDOS/AMÉRICA LATINA Police and Politics: the United States/Latin America relations POLÍCIA E POLÍTICA: RELAÇÕES ESTADOS UNIDOS/AMÉRICA LATINA Police and Politics: the United States/Latin America relations Andréa Roloff Lopes * HUGGINS, Martha K. Polícia e Política: relações Estados Unidos/América

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO 1. Na teoria contratualista, o surgimento do Estado e a noção de contrato social supõem que os indivíduos abrem mão de direitos (naturais)

Leia mais

Circular nº 019/2014 Brasília, 21 de fevereiro de 2014. Às seções sindicais, secretarias regionais e aos Diretores do ANDES-SN

Circular nº 019/2014 Brasília, 21 de fevereiro de 2014. Às seções sindicais, secretarias regionais e aos Diretores do ANDES-SN Circular nº 019/2014 Brasília, 21 de fevereiro de 2014 Às seções sindicais, secretarias regionais e aos Diretores do ANDES-SN Companheiros, Encaminhamos, para conhecimento, o texto intitulado 50 anos do

Leia mais

Mostra de Cinema Marcas da Memória da Comissão de Anistia

Mostra de Cinema Marcas da Memória da Comissão de Anistia Mostra de Cinema Marcas da Memória da Comissão de Anistia Sobre a Mostra Este projeto tem como objetivo promover sessões públicas e gratuitas de cinema, ao longo de uma semana, dedicadas à memória e à

Leia mais

Juristas Leigos - Direito Humanos Fundamentais. Direitos Humanos Fundamentais

Juristas Leigos - Direito Humanos Fundamentais. Direitos Humanos Fundamentais Direitos Humanos Fundamentais 1 PRIMEIRAS NOÇÕES SOBRE OS DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS 1. Introdução Para uma introdução ao estudo do Direito ou mesmo às primeiras noções de uma Teoria Geral do Estado

Leia mais

Rever ou não rever. Eis a questão? O debate atual sobre a lei de anistia de 1979.

Rever ou não rever. Eis a questão? O debate atual sobre a lei de anistia de 1979. Rever ou não rever. Eis a questão? O debate atual sobre a lei de anistia de 1979. Comunicação apresentada no I Seminário Nacional Práticas Sociais, Narrativas Visuais e Relações de Poder, Universidade

Leia mais

Aspectos Psicológicos da Educação em Direitos Humanos

Aspectos Psicológicos da Educação em Direitos Humanos Aspectos Psicológicos da Educação em Direitos Humanos Profª. Dda. Maria de Nazaré Tavares Zenaide Universidade Federal da Paraíba (UFPB) Não bastam boas leis, uma boa Constituição, é preciso que as pessoas

Leia mais

que se viver com dignidade, o que requer a satisfação das necessidades fundamentais. O trabalho é um direito e um dever de todo cidadão.

que se viver com dignidade, o que requer a satisfação das necessidades fundamentais. O trabalho é um direito e um dever de todo cidadão. Osdireitosdohomemedocidadãonocotidiano (OscarNiemeyer,1990) "Suor, sangue e pobreza marcaram a história desta América Latina tão desarticulada e oprimida. Agora urge reajustá-la num monobloco intocável,

Leia mais

Período pré-colonial

Período pré-colonial CHILE Período pré-colonial O navegador português Fernão de Magalhães, a serviço do rei da Espanha, foi o primeiro europeu a visitar a região que hoje é chamada de Chile. Os mapuches, grande tribo indígena

Leia mais

EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS

EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS Sandra Regina Paes Padula * Gostaria aqui fazer um breve histórico de como surgiu os Direitos Humanos para depois entendermos como surgiu a Educação em Direitos Humanos.

Leia mais

Título: Conflitos teológicos e políticos da Igreja Católica Brasileira presente nos artigos das revistas: Hora Presente e Permanência.

Título: Conflitos teológicos e políticos da Igreja Católica Brasileira presente nos artigos das revistas: Hora Presente e Permanência. Título: Conflitos teológicos e políticos da Igreja Católica Brasileira presente nos artigos das revistas: Hora Presente e Permanência. Nome: Glauco Costa de Souza (Graduando Unesp/Assis). e-mail: glaucojerusalem@hotmail.com

Leia mais

Campanha de combate e prevenção à Violência Contra a Mulher.

Campanha de combate e prevenção à Violência Contra a Mulher. Campanha de combate e prevenção à Violência Contra a Mulher. Vamos juntos trabalhar em prol da vida! BRASIL É CAMPEÃO DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA NUM RANKING DE 54 PAÍSES fonte: Sociedade Mundial de Vitimologia,

Leia mais

Na ditadura não a respeito à divisão dos poderes (executivo, legislativo e judiciário). O ditador costuma exercer os três poderes.

Na ditadura não a respeito à divisão dos poderes (executivo, legislativo e judiciário). O ditador costuma exercer os três poderes. Ditadura: É uma forma de governo em que o governante (presidente, rei, primeiro ministro) exerce seu poder sem respeitar a democracia, ou seja, governa de acordo com suas vontades ou com as do grupo político

Leia mais

FELIPE CARCELIANO Nº 10 JENNIFER SANTAROZA DE SOUZA Nº 20 NATHALIA NOVAES Nº 30 GEOGRAFIA TEMA VIII HAITI E.E. DR. JOÃO THIENNE.

FELIPE CARCELIANO Nº 10 JENNIFER SANTAROZA DE SOUZA Nº 20 NATHALIA NOVAES Nº 30 GEOGRAFIA TEMA VIII HAITI E.E. DR. JOÃO THIENNE. FELIPE CARCELIANO Nº 10 JENNIFER SANTAROZA DE SOUZA Nº 20 NATHALIA NOVAES Nº 30 GEOGRAFIA TEMA VIII HAITI E.E. DR. JOÃO THIENNE Nova Odessa SP Maio / 2014 1 JENNIFER SANTAROZA DE SOUZA FELIPE CARCELIANO

Leia mais

DECLARAÇÃO FINAL CÚPULA DOS POVOS NA RIO+20 POR JUSTIÇA SOCIAL E AMBIENTAL EM DEFESA DOS BENS COMUNS, CONTRA A MERCANTILIZAÇÃO DA VIDA.

DECLARAÇÃO FINAL CÚPULA DOS POVOS NA RIO+20 POR JUSTIÇA SOCIAL E AMBIENTAL EM DEFESA DOS BENS COMUNS, CONTRA A MERCANTILIZAÇÃO DA VIDA. DECLARAÇÃO FINAL CÚPULA DOS POVOS NA RIO+20 POR JUSTIÇA SOCIAL E AMBIENTAL EM DEFESA DOS BENS COMUNS, CONTRA A MERCANTILIZAÇÃO DA VIDA. Movimentos sociais e populares, sindicatos, povos, organizações da

Leia mais

PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA

PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA Memorial da Resistência de São Paulo PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA Cemitério de Areia Branca Endereço: Avenida Nossa Senhora de Fátima, 854 Areia Branca, Santos, SP. Classificação: Cemitério Identificação

Leia mais

Como o Brasil enfrenta a exploração sexualcomercial de crianças e adolescentes

Como o Brasil enfrenta a exploração sexualcomercial de crianças e adolescentes Como o Brasil enfrenta a exploração sexualcomercial de crianças e adolescentes 1. Introdução Fenômeno dos mais graves de nosso tempo, a exploração sexual-comercial de crianças e adolescentes não deve ser

Leia mais

O respeito dos direitos humanos e a integração: uma concordância garantida?

O respeito dos direitos humanos e a integração: uma concordância garantida? DIREITOS HUMANOS O respeito dos direitos humanos e a integração: uma concordância garantida? Síntese das conferências e discussões da sexta-feira, 19 de setembro de 1997 Presidente: Sr. Carlos Baraibar

Leia mais

Simpósio da FFLCH. Bia Barbosa Jornalista

Simpósio da FFLCH. Bia Barbosa Jornalista Maio 2013 Simpósio da FFLCH Revista Adusp Transição conservadora, direitos humanos e luta por verdade e justiça Bia Barbosa Jornalista Daniel Garcia 92 No Brasil como no Chile, a transição conservadora

Leia mais

HELENA NAVARRO GIMENEZ

HELENA NAVARRO GIMENEZ HELENA NAVARRO GIMENEZ O ASSISTENTE SOCIAL NA GESTÃO ESTADUAL DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E A APLICABILIDADE DO CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL NESSE ESPAÇO DE ATUAÇÃO O presente artigo tem por objetivo

Leia mais

Justiça e Segurança Pública no Brasil Hoje: Algumas Notas Introdutórias

Justiça e Segurança Pública no Brasil Hoje: Algumas Notas Introdutórias Justiça e Segurança Pública no Brasil Hoje: Algumas Notas Introdutórias Cecília M. B. Coimbra Prendam os suspeitos de sempre (Chefe de Polícia no filme Casablanca) As políticas de segurança pública no

Leia mais

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO 1 - INTRODUÇÃO Séc. XIX consolidação da burguesia: ascensão do proletariado urbano (classe operária) avanço do liberalismo.

Leia mais

Nossas Claudias, nossos Amarildos

Nossas Claudias, nossos Amarildos Universidade Federal do Espírito Santo Vitória/Espírito Santo Aluna: Jéssyka Bernardone Saquetto (27) 99775-3657 E-mail jbsaquetto@gmail.com Aluna: Laís Rocio de Mello (27) 99835-5099 E-mail laismrocio@gmail.com

Leia mais

DIREITOS HUMANOS COMO CONTRAVENÇÃO E ARMA

DIREITOS HUMANOS COMO CONTRAVENÇÃO E ARMA HISTÓRIA CULTURAL: ESCRITAS, CIRCULAÇÃO, LEITURAS E RECEPÇÕES Universidade de São Paulo USP São Paulo SP 10 e 14 de Novembro de 2014 DIREITOS HUMANOS COMO CONTRAVENÇÃO E ARMA RETÓRICA : CRÍTICA E RECEPÇÃO

Leia mais

O GOLPE DE 64 E O REGIME MILITAR (1964-1985): O governo dos generais

O GOLPE DE 64 E O REGIME MILITAR (1964-1985): O governo dos generais 1 O GOLPE DE 64 E O REGIME MILITAR (1964-1985): O governo dos generais Lourival de Oliveira Santos 2 Santos, Lourival de Oliveira. C681g O golpe de 64 e o regime militar (1694-1985) o governo dos generais

Leia mais

CARTA ABERTA À PRESIDENTA DILMA ROUSSEFF E ÀS AUTORIDADES POLÍTICAS E JUDICIÁRIAS BRASILEIRAS SOBRE A REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL

CARTA ABERTA À PRESIDENTA DILMA ROUSSEFF E ÀS AUTORIDADES POLÍTICAS E JUDICIÁRIAS BRASILEIRAS SOBRE A REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL Boaventura de Sousa Santos Coimbra, 20 de Julho de 12015 CARTA ABERTA À PRESIDENTA DILMA ROUSSEFF E ÀS AUTORIDADES POLÍTICAS E JUDICIÁRIAS BRASILEIRAS SOBRE A REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL DAS VIOLÊNCIAS

Leia mais

Memorando ao Presidente brasileiro por ocasião da visita de Irene Khan, Secretária-Geral da Anistia Internacional, ao Brasil

Memorando ao Presidente brasileiro por ocasião da visita de Irene Khan, Secretária-Geral da Anistia Internacional, ao Brasil Memorando ao Presidente brasileiro por ocasião da visita de Irene Khan, Secretária-Geral da Anistia Internacional, ao Brasil A missão da Anistia Internacional, liderada pela Secretária-Geral, oferece uma

Leia mais

ENEM 2014 - Caderno Rosa. Resolução da Prova de História

ENEM 2014 - Caderno Rosa. Resolução da Prova de História ENEM 2014 - Caderno Rosa Resolução da Prova de História 5. Alternativa (E) Uma das características basilares do contato entre jesuítas e os povos nativos na América, entre os séculos XVI e XVIII, foi o

Leia mais

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo)

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Os ideais e a ética que nortearam o campo da educação Comenius: A educação na escola deve

Leia mais

O contexto social e institucional da violência

O contexto social e institucional da violência O contexto social e institucional da violência Alba Zaluar NUPEVI - IMS/ UERJ A discussão sobre a violência no Brasil adquiriu grande importância nos últimos dez anos, passando a mobilizar cientistas sociais,

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ÉTICA E SERVIÇO SOCIAL: Elementos para uma breve reflexão e debate. Perspectiva de Análise Teoria Social Crítica (Marx e alguns marxistas)

Leia mais

OS HOMENS TAMBÉM NECESSITAM DA PROTEÇÃO ESPECIAL PREVISTA NA LEI MARIA DA PENHA?

OS HOMENS TAMBÉM NECESSITAM DA PROTEÇÃO ESPECIAL PREVISTA NA LEI MARIA DA PENHA? OS HOMENS TAMBÉM NECESSITAM DA PROTEÇÃO ESPECIAL PREVISTA NA LEI MARIA DA PENHA? Narra os fundamentos legais e constitucionais que garantem somente às mulheres uma política especial de proteção afirmativa,

Leia mais

desarquivando a ditadura MEMÓRIA E JUSTIÇA NO BRASIL

desarquivando a ditadura MEMÓRIA E JUSTIÇA NO BRASIL CECÍLIA MACDOWELL SANTOS EDSON TELES JANAÍNA DE ALMEIDA TELES ORGANIZADORES Linga-Bibliothek Linga A/906170 desarquivando a ditadura MEMÓRIA E JUSTIÇA NO BRASIL VOLUME II EDITORA HUCITEC São Paulo, 2009

Leia mais

Temas Governo de Vargas 1930-1945), Populismo (1945-1964) Ditadura Militar (1964-1985) e República Nova (Redemocratização do Brasil) (1985-2010)

Temas Governo de Vargas 1930-1945), Populismo (1945-1964) Ditadura Militar (1964-1985) e República Nova (Redemocratização do Brasil) (1985-2010) Trabalho de História Recuperação _3ºAno Professor: Nara Núbia de Morais Data / /2014 Aluno: nº Ens. Médio Valor: 40 Nota: Temas Governo de Vargas 1930-1945), Populismo (1945-1964) Ditadura Militar (1964-1985)

Leia mais

1 a Questão: (2,0 pontos) APRESENTAÇÃO

1 a Questão: (2,0 pontos) APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO Para dar uma definição compreensível de revolução, diremos que ela é uma tentativa de substituir o poder estabelecido por outro poder, usando meios ilegais. Esses meios, geralmente, implicam

Leia mais

Período Democrático e o Golpe de 64

Período Democrático e o Golpe de 64 Período Democrático e o Golpe de 64 GUERRA FRIA (1945 1990) Estados Unidos X União Soviética Capitalismo X Socialismo Governo de Eurico Gaspar Dutra (1946 1950) Período do início da Guerra Fria Rompimento

Leia mais

Direito à Verdade: a situação brasileira frente ao sistema interamericano

Direito à Verdade: a situação brasileira frente ao sistema interamericano DOSSIÊ Direito à Verdade: a situação brasileira frente ao sistema interamericano São Paulo, 3 de novembro de 2011. Na ultima semana observamos uma grande movimentação no Brasil e Uruguai em torno de mudanças

Leia mais

A RESPONSABILIDADE DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA EM MATÉRIA DE POLÍTICA INTERNACIONAL. Fábio Konder Comparato *

A RESPONSABILIDADE DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA EM MATÉRIA DE POLÍTICA INTERNACIONAL. Fábio Konder Comparato * A RESPONSABILIDADE DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA EM MATÉRIA DE POLÍTICA INTERNACIONAL Fábio Konder Comparato * Dispõe a Constituição em vigor, segundo o modelo por nós copiado dos Estados Unidos, competir

Leia mais

Morte brasileira: a trajetória de um país

Morte brasileira: a trajetória de um país Retratos da violência Morte brasileira: a trajetória de um país A morte é um grande personagem. De capuz e foice na mão, comove plateias no mundo todo. Mas será esse mesmo o perfil da morte brasileira?

Leia mais

ECONOMIA SOLIDÁRIA Embrião de uma nova sociedade

ECONOMIA SOLIDÁRIA Embrião de uma nova sociedade ECONOMIA SOLIDÁRIA Embrião de uma nova sociedade Economia Lenita Gripa - ICF O termo ECONOMIA vem do grego OIKOS = CASA e NOMOS = NORMAS ou LEI. Economia é a arte de cuidar da casa; normas, jeito, maneira

Leia mais

Prova de Conhecimentos Específicos

Prova de Conhecimentos Específicos HISTÓRIA Prova de Conhecimentos Específicos 1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Ao analisar a Corte de Luis XIV na França, o pensador alemão Norbert Elias afirmou: Numa sociedade em que cada manifestação pessoal

Leia mais

O desafio da violência, a questão democrática e os direitos humanos no Brasil

O desafio da violência, a questão democrática e os direitos humanos no Brasil O desafio da violência, a questão democrática e os direitos humanos no Brasil João Ricardo W. Dornelles* No contexto da globalização hegemonizada pelo modelo neoliberal, sociedades semi-perifericas 1,

Leia mais

EUA: Expansão Territorial

EUA: Expansão Territorial EUA: Expansão Territorial Atividades: Ler Livro didático págs. 29, 30 e 81 a 86 e em seguida responda: 1) Qual era a abrangência do território dos Estados Unidos no final da guerra de independência? 2)

Leia mais

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Este documento faz parte do Repositório Institucional do Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org O Movimento Social Palestino rumo ao FME O Fórum Mundial da Educação na Palestina será realizado

Leia mais

I Semana de Educação Matemática da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia UESB.

I Semana de Educação Matemática da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia UESB. I Semana de Educação Matemática da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia UESB. Tema: Educação Inclusiva. Palestrante: Professor Nivaldo Vieira Santana Inicialmente desejo agradecer aos organizadores

Leia mais

1904 (XVIII). Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial

1904 (XVIII). Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial Décima Oitava Sessão Agenda item 43 Resoluções aprovadas pela Assembléia Geral 1904 (XVIII). Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial A Assembléia Geral,

Leia mais

Terceiro Setor - fator de confluência na ação social do ano 2000

Terceiro Setor - fator de confluência na ação social do ano 2000 Terceiro Setor - fator de confluência na ação social do ano 2000 Alceu Terra Nascimento O terceiro setor no Brasil, como categoria social, é uma "invenção" recente. Ele surge para identificar um conjunto

Leia mais

Aula 14 Regime Militar Prof. Dawison Sampaio

Aula 14 Regime Militar Prof. Dawison Sampaio Aula 14 Regime Militar 1 Contexto do Regime Militar Contexto interno: Colapso do Populismo (polêmica das Ref. de Base) Contexto externo: Guerra Fria e os interesses dos EUA (risco de cubanização do Brasil

Leia mais

A presente mesa é uma forma de ampliar o debate proposto pelo II. Seminário DIREITOS HUMANOS E QUESTÃO SOCIAL NA AMÉRICA LATINA,

A presente mesa é uma forma de ampliar o debate proposto pelo II. Seminário DIREITOS HUMANOS E QUESTÃO SOCIAL NA AMÉRICA LATINA, GESTÃO SOCIAL E CONTROLE DA BARBÁRIE Estela Scheinvar Registremos, antes de mais nada, o fato de que os chamados direitos humanos, os droits de l homme [...] nada mais são do que direitos dos membros da

Leia mais

VIOLÊNCIA NO TRABALHO EM AMERICA LATINA UMA FORMA DE DISCRIMINAÇÃO NO EMPREGO RISCO PARA A SAÚDE DOS TRABALHADHORES

VIOLÊNCIA NO TRABALHO EM AMERICA LATINA UMA FORMA DE DISCRIMINAÇÃO NO EMPREGO RISCO PARA A SAÚDE DOS TRABALHADHORES VIOLÊNCIA NO TRABALHO EM AMERICA LATINA UMA FORMA DE DISCRIMINAÇÃO NO EMPREGO RISCO PARA A SAÚDE DOS TRABALHADHORES FORMA DE DISCRIMINAÇÃO E VIOLAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS A violência é global e sistêmica.

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES PAIR

PROGRAMA NACIONAL DE ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES PAIR Presidência da República Secretaria de Direitos Humanos Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Departamento de Políticas Temáticas dos Direitos da Criança e do Adolescente

Leia mais

DEMOCRACIA VIVA 37 DEZEMBRO 2007. Dez anos de compromisso com a informação crítica e cidadã

DEMOCRACIA VIVA 37 DEZEMBRO 2007. Dez anos de compromisso com a informação crítica e cidadã DEMOCRACIA VIVA 37 DEZEMBRO 2007 Dez anos de compromisso com a informação crítica e cidadã 34 DEMOCRACIA VIVA Nº 37 ARTIGO Ivônio Barros* Política Nacional de Direitos Humanos sob a ótica cidadã VANOR

Leia mais

A atuação da Anistia Internacional durante o regime militar brasileiro

A atuação da Anistia Internacional durante o regime militar brasileiro A atuação da Anistia Internacional durante o regime militar brasileiro Durante o regime militar brasileiro, a organização Anistia Internacional (AI), trabalhou na defesa de presos políticos e na divulgação

Leia mais

CARTA DO COMITÊ BRASILEIRO DE DEFENSORAS/ES DOS DIREITOS HUMANOS À MINISTRA DA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

CARTA DO COMITÊ BRASILEIRO DE DEFENSORAS/ES DOS DIREITOS HUMANOS À MINISTRA DA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CARTA DO COMITÊ BRASILEIRO DE DEFENSORAS/ES DOS DIREITOS HUMANOS À MINISTRA DA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Brasília,12 de Dezembro de 2012. O Comitê Brasileiro de Defensoras/es

Leia mais

Israel usa prisões políticas para reprimir palestinos

Israel usa prisões políticas para reprimir palestinos Em março de 2002, a situação na Cisjordânia havia se complicado. Em resposta a Segunda Intifada, as forças armadas israelenses aumentaram ainda mais a repressão dentro dos territórios palestinos, colocando

Leia mais

ATIVIDADES ON LINE 9º ANO DITADURA MILITAR

ATIVIDADES ON LINE 9º ANO DITADURA MILITAR ATIVIDADES ON LINE 9º ANO DITADURA MILITAR 1-"O movimento de 31 de março de 1964 tinha sido lançado aparentemente para livrar o país da corrupção e do comunismo e para restaurar a democracia, mas o novo

Leia mais

3. Autonomia frente aos partidos e parlamentares e Independência em relação aos patrões e governos

3. Autonomia frente aos partidos e parlamentares e Independência em relação aos patrões e governos Eixo III: Programa de trabalho para a direção do SISMMAC Continuar avançando na reorganização do magistério municipal com trabalho de base, organização por local de trabalho, formação política e independência

Leia mais

A POLÍTICA DE EDUCAÇÃO NO BRASIL: DA DITADURA MILITAR AO PROCESSO DE REDEMOCRATIZAÇÃO INTRODUÇÃO

A POLÍTICA DE EDUCAÇÃO NO BRASIL: DA DITADURA MILITAR AO PROCESSO DE REDEMOCRATIZAÇÃO INTRODUÇÃO V SIMPÓSIO REGIONAL DE FORMACAO PROFISSIONAL 1 E XXI A POLÍTICA DE EDUCAÇÃO NO BRASIL: DA DITADURA MILITAR AO PROCESSO DE REDEMOCRATIZAÇÃO Ana Carolina de Paula 1 Carla Thomaz Januário 2 Solange da Cruz

Leia mais

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 128/2012

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 128/2012 PROJETO DE LEI Nº 128/2012 Altera a Lei nº 14.485, de 19 de julho de 2007, com a finalidade de incluir no Calendário Oficial de Eventos da Cidade de São Paulo o Dia Municipal de Combate a Homofobia, a

Leia mais

S N I. ORGANOGRAMA DO SISNI (Sistema Nacional de Informações) Demais informações e informes. Informações e informes estratégicos

S N I. ORGANOGRAMA DO SISNI (Sistema Nacional de Informações) Demais informações e informes. Informações e informes estratégicos ORGANOGRAMA DO SISNI (Sistema Nacional de Informações) Poder Judiciário Poder Legislativo (Eventual) Presidência da República S N I C. S. N. Ministros de Estado Ministérios Militares Exército (CIE) E M

Leia mais

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL ÍNDICE Pensamento Social...2 Movimentos Sociais e Serviço Social...2 Fundamentos do Serviço Social I...2 Leitura e Interpretação de Textos...3 Metodologia Científica...3

Leia mais

Maringá-PR, Brasil, Primavera de 2013.

Maringá-PR, Brasil, Primavera de 2013. UNIDADE, LUTA E PROGRESSO Dr. Ronelson Furtado Balde Advogado - Membro da Ordem dos Advogados do Brasil Pós-graduado em Direito do Trabalho e Previdenciário INTRODUCÃO A população da Guiné-Bissau passa

Leia mais