AVALIAÇÃO DE PROPRIEDADES DE ARGAMASSAS ESTABILIZADAS AO LONGO DO SEU TEMPO DE UTILIZAÇÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO DE PROPRIEDADES DE ARGAMASSAS ESTABILIZADAS AO LONGO DO SEU TEMPO DE UTILIZAÇÃO"

Transcrição

1 AVALIAÇÃO DE PROPRIEDADES DE ARGAMASSAS ESTABILIZADAS AO LONGO DO SEU TEMPO DE UTILIZAÇÃO Daniel Tregnago Pagnussat UCS Universidade de Caxias do Sul Brasil Dalira Vidor UCS Universidade de Caxias do Sul País Brasil Angela Borges Masuero Universidade Federal do Rio Grande do Sul Brasil Resumo: O uso de argamassas estabilizadas através do uso de aditivos específicos que retardam a hidratação do cimento Portland, para aumentar o tempo de utilização das mesmas, ainda é uma técnica pouco disseminada no Brasil, carecendo estudos sobre suas propriedades nos estados fresco e endurecido. Assim, este trabalho tem por objetivo avaliar o comportamento de três diferentes argamassas estabilizadas, em comparação a uma argamassa de revestimento convencional. Os resultados indicam a manutenção propriedades das argamassas estabilizadas ao longo do seu tempo de utilização depende do tipo de argamassa utilizada. Palavras chave: argamassas; aditivos estabilizadores; trabalhabilidade; propriedades físicas. 1. INTRODUÇÃO A padronização e a industrialização de materiais e componentes para o setor da construção civil é um importante aspecto para a garantia de qualidade das edificações. No Brasil, em particular, o grande aumento do número de construções verificado nos últimos anos tem exigido cada vez mais por parte dos gestores um controle maior sobre os produtos e processos, algo nem sempre fácil de ser alcançado, face à grande variabilidade na produção de alguns insumos dentro do canteiro de obras. Mesmo que o mercado de argamassas industrializadas esteja consolidado, ainda é grande a utilização de argamassas moldadas in loco, através da mistura de aglomerantes (em geral cimento Portland e cal hidratada), agregados, água e eventualmente algum tipo de aditivo. O uso de argamassas estabilizadas abastecidas em silos, dosadas em central e entregues prontas no canteiro de obra é outra interessante alternativa para a padronização e garantida de homogeneidade de produção. Seu uso, no entanto, é muitíssimo pequeno no Brasil, ficando restrito a alguns mercados regionais bem específicos. Para possibilitar o fornecimento de grandes volumes de argamassa pronta às obras, faz-se necessário, dentre

2 outros fatores, retardar o início da pega, bem como de garantir a manutenção da trabalhabilidade durante seu tempo de utilização. Para isto, destaca-se o uso de aditivos estabilizadores específicos, que retardam a hidratação do cimento Portland durante um período pré-estabelecido. Como regra geral, aditivos ou adições devem sempre ser empregados após uma avaliação criteriosa, devendo ser feito um balanço entre as vantagens e desvantagens advindas de seu emprego[1]. As principais características das argamassas fazem referência direta às funções que estas devem desempenhar. Segundo Cincotto et al. [2], deve-se esperar que as argamassas cumpram determinados requisitos de acordo com o estado em que se encontram, no período da preparação, no qual a argamassa se encontra em estado fresco, e no período após a aplicação, desde o seu endurecimento até o período de uso da edificação, onde o material encontra-se em estado endurecido. Na tabela 01 estão apresentadas as propriedades esperadas nos dois estados: Tabela 01 Propriedades esperadas das argamassas nos estados fresco e endurecido ESTADO FRESCO Consistência e manutenção de consistência Coesão Tixotropia Plasticidade Retenção de água Conteúdo de ar incorporado Adesão inicial Trabalhabilidade ESTADO ENDURECIDO Resistência mecânica Resistência a ataques químicos Capacidade de deformação Retração Aderência Condutividade térmica Resistência ao congelamento Permeabilidade (Fonte: Adaptado de Cincotto et al.[2]) Segundo Bauer [3], argamassas devem apresentar plasticidade para se deformar no momento do lançamento e da aplicação sobre a superfície do substrato, fluidez para envolver a rugosidade do substrato, e retenção de água para facilitar sua aplicação. Entende-se, portanto, que a plasticidade e a consistência adequadas são as propriedades relacionadas ao parâmetro de trabalhabilidade necessário ao uso deste tipo de material. Além disso, diversos autores [1] [3] [4] reiteram também as propriedades no estado endurecido, tais como capacidade de absorver deformações, aderência e resistência mecânica como fundamentais para garantir o desempenho e a vida útil de elementos à base de argamassas. Dentro deste cenário, este trabalho tem por objetivo avaliar três diferentes argamassas estabilizadas a partir do uso de aditivos retardadores de hidratação do cimento Portland, comparativamente à uma argamassa convencional de cimento, cal hidratada e areia, quanto à manutenção de algumas de suas propriedades ao longo do tempo, em função do seu tempo de estabilização.

3 2. PROGRAMA EXPERIMENTAL Para a execução deste trabalho, foi definido um planejamento experimental, o qual está descrito suscintamente a seguir. Os experimentos foram executados no Laboratório de Tecnologia Construtiva da Universidade de Caxias do Sul, laboratório certificado pela ISO/IEC [5], onde foram definidos os ensaios realizados, tendo como base normas técnicas brasileiras específicas [6] [7] [8] [9] [10] [11] [12]. Os dados referentes a estes ensaios foram organizados nas tabelas e figuras descritas no capítulo de resultados e posteriormente analisados. 2.1 Materiais utilizados Para a realização dos ensaios foram utilizados os materiais abaixo descritos. Como aglomerantes, foram utilizados cimento Portland Pozolânico CP IV 32, com até 40% de substituição por cinza volante, classificado segundo a NBR 5736 [13], e para a argamassa de referência também a cal hidratada CH-II, classificada segundo a NBR 7175 [14]. Como agregados miúdos, foram utilizadas diferentes tipos de areias, conforme cada grupo de argamassas estudadas. A classificação das areias utilizadas no estudo constam nas tabelas 02 e 3. Tabela 02 Classificação das areias utilizadas no estudo experimental Tipo/procedência Areia quartzosa de rio Areia quartzosa de rio Areia quartzosa de cava Areia de britagem de basalto Características das areias utilizadas Classificação do agregado Módulo de Finura [6] Dimensão Máxima Característica em mm [6] Areia média 2,85 2,4 Areia média fina 1,29 1,2 Areia fina 1,04 0,6 Areia média grossa 3,12 4,8 Foram utilizados também para conformação das argamassas, água de abastecimento local e dois diferentes tipos de aditivos, fornecidos por um fabricante internacional de produtos químicos para concretos e argamassas: um aditivo estabilizador de hidratação do cimento Portland e outro aditivo incorporador de ar, à base de polioxietileno alcalino e de outros compostos de síntese hidrocarbonados. Por questões comerciais, o fabricante não disponibilizou maiores informações técnicas destes aditivos.

4 Peneiras (mm) Tabela 03 Granulometria das areias utilizadas no estudo experimental AGREGADOS MIÚDOS UTILIZADOS Areia fina Areia média fina Areia média % % % Acumulada Acumulada Acumulada Areia média grossa % Acumulada 4, , , , , , , Fundo TOTAL Proporcionamento das argamassas O proporcionamento das argamassas foi estabelecido a partir de um estudo piloto realizado anteriormente pelo fabricante de aditivos em conjunto com o laboratório de pesquisa deste trabalho, onde foi fixado um consumo de 220 kg/m³ de cimento para todas as argamassas estabilizadas, o que resultou em um proporcinamento de 1: 5,97 (aglomerante/agregado, em massa). A relação a/c foi mantida constante em 1,00. Foram, então, produzidas três diferentes argamassas estabilizadas, utilizando-se as areias média fina ( Arg.- traço 01 ), média ( Arg.- traço 02 ) e uma composição de 50% de areia de britagem (média grossa) e 50% areia fina ( Arg.- traço 03 ), materiais estes descritos anteriormente na tabela 02. As duas primeiras areias constituíam-se em amostras comumente utilizadas regionalmente para a produção de argamassas de revestimento/assentamento, ao passo que a composição de 50% de areia fina e 50% de areia média grossa oriunda de britagem de basalto teve por objetivo adequar a curva granulométrica da areia de britagem, comumente utilizada em concretos na região sul do Brasil (onde foi desenvolvido este estudo), visando sua utilização também para a produção de argamassas. Os aditivos utilizados foram dosados a partir das especificações do fabricante e do estudo piloto realizado, resultando em um teor (em relação a massa de cimento) de 0,4% de aditivo incorporador de ar e 0,9% de aditivo retardador de hidratação. Além dessas argamassas, foi produzida uma argamassa convencional (não estabilizada) para comparação com as demais, tendo sido estabelecido um traço de uso comum em obra de 1:1:6 em volume (areia seca, posteriormente desdobrado em massa em laboratório), chamada Arg.-traço 04.

5 2.2 Produção das argamassas e ensaios realizados As argamassas foram produzidas em uma betoneira de eixo inclinado, com capacidade de máxima de 120 litros. Após a produção das mesmas, estas foram acondicionadas em recipientes como os ilustrados na figura 01, sempre com uma lâmina de água sobre sua superfície, conforme orientação do fabricante de aditivos, onde permaneceram durante um período de 30 horas (ou até o momento que não se encontravam mais estabilizadas, prejudicando sua utilização), sendo retiradas amostras periodicamente para a realização dos ensaios de caracterização. Para os ensaios no estado fresco foram retiradas amostras com 0, 1, 2, 3,4, 6, 8, 10, 24 e 30 horas. Para os ensaios no estado endurecido, foram moldados corpos-de-prova imediatamente após a produção das argamassas (0 hrs) e após 30 hrs, nas argamassas que ainda encontravam-se estabilizadas, ou seja, com condições de trabalhabilidade e uso. Figura 01 Amostras das argamassas ensaiadas: (a)argamassa traço 01; (b) argamassa traço 02 (a) (b) Os ensaios realizados no estado fresco incluíram a determinação do índice de consistência [8] e densidade de massa no estado fresco [9], ao passo que os ensaios no estado endurecido foram os de absorção de água por capilaridade [10], densidade de massa no estado endurecido [11], resistência à tração e à compressão [12]. 3. RESULTADOS Este capítulo descreve os resultados obtidos a partir do programa experimental. 3.1 Resultados dos ensaios no estado fresco A seguir, na tabela 04 e na figura 02 encontram-se os resultados obtidos no ensaio de índice de consistência, realizado conforme recomendações da NBR [8]. Observa-se que as argamassas 1, 2 e 3 apresentaram pequenas variações de consistência nas primeiras 10 horas. Passadas 24 horas da produção, as amostras dos traços 01 e 02 ainda apresentavam boa trabalhabilidade, embora já houvesse queda no índice de consistência. Já a argamassa 3 apresentou queda ainda mais expressiva de trabalhabilidade entre a 10ª e 24ª hora após sua produção, de modo que já não reunia mais condições de ser conformada, em um claro indicativo de que o aditivo estabilizador já não conseguiu manter as reações de hidratação do cimento inibidas. Na figura 03 podem ser observadas duas amostras após 24 horas de ensaio, ainda com trabalhabilidade adequada para uso.

6 Tempo de produção da argamassa Tabela 04 Índice de Consistência médio ao longo do tempo das argamassas estudadas ÍNDICE DE CONSISTÊNCIA (mm) Arg. - Traço 01 Arg. - Traço 02 Arg. - Traço 03 Arg. - Traço 04 0hr 257, hr ,5 252, hs ,5 247,5 192,5 3hs 252,5 212,5 237,5 172,5 4hs 242, , hs 232,5 207,5 227, hs 247,5 197,5 217,5-10hs 237,5 212,5 182,5-24hs 217, hs 182,5 182,5 - - Figura 02 Influência do tempo na perda de consistência das argamassas estudadas

7 Figura 03 Aspecto das argamassas após 24 horas da sua produção(a) argamassa - traço 01; (b) argamassa - traço 02 Nota-se que as argamassas dos dois primeiros traços mantiveram sua consistência por um período maior que as amostras dos traços 03 e 04. Enquanto as duas primeiras amostras tiveram queda expressiva na trabalhabilidade após 30 horas, a argamassa de traço 03, embora tenha partido de um espalhamento inicial maior, já não apresentava mais condições de trabalho passadas 10 horas do momento de produção. Na figura 04, é possível observar a medição do espalhamento desta amostra nos dois momentos citados. Na composição deste traço foi utilizada a areia de britagem e a areia fina. Notou-se que, apesar desta amostra ter recebido a mesma quantidade de aditivo dos dois primeiros traços, o desempenho foi menor do que o observado nas anteriores. Isto se deve possivelmente à compatibilidade entre os aditivos e a granulometria dos agregados utilizados, bem como ao fato de que a areia de britagem possui mais de 12% de material pulverulento em sua composição, o que pode estar prejudicando o desempenho da argamassa produzida com ela. Figura 04 - (a) Argamassa 03 após sua produção; (b) Argamassa 03 após 10 horas de produção A amostra produzida a partir do traço 04, conforme esperado, perdeu consideravelmente a trabalhabiliade após 3 horas, sendo que após 6 horas de produção, já não era mais possível realizar o ensaio de consistência. Cabe salientar que uma argamassa sem aditivos tem seu tempo de utilização restrito entre 2,5 à 3 horas após a produção, equivalente ao tempo de início de pega do cimento. Na figura a seguir, podem ser observados os aspectos da amostra durante a realização do ensaio.

8 Figura 05 - (a) traço 04 após 0 horas; (b) traço 04 após 3 horas; (b) traço 04 após 6 horas Observou-se que a granulometria da areia média fina da argamassa 01, associada aos aditivos, influenciou de maneira benéfica na trabalhabilidade da argamassa produzida. A argamassa obtida a partir da areia média utilizada no proporcionamento 02 apresentou um desempenho semelhante ao primeiro, porém, perdeu a trabalhabilidade mais rapidamente. Destaca-se ainda que no manuseio das amostras, durante a execução do ensaio, foi observado que a argamassa 01 apresentava um aspecto mais homogêneo, ao passo que a argamassa 02 apresentava um aspecto mais áspero, em função de sua granulometria. Na sequência, as tabelas 05e 06 ilustram os resultados dos ensaios de densidade de massa no estado fresco e de ar incorporado, este último calculado a partir do ensaio de densidade de massa, através das prescrições da NBR [9]. Tabela 05 Resultados do ensaio de densidade de massa DENSIDADE DE MASSA NO ESTADO FRESCO (kg/m³) Tempo Traço 01 Traço 02 Traço 03 Traço 04 0hr hr hs hs hs hs hs hs hs hs

9 Tabela 06 Resultados do ensaio de teor de ar incorporado TEOR DE AR INCORPORADO (%) Tempo Traço 01 Traço 02 Traço 03 Traço 04 0hr 9,82 8,23 2,79 1,98 1hr 7,30 5,34 2,86 1,61 2hs 6,00 5,20 2,90 1,72 3hs 6,55 5,52 2,78 2,63 4hs 5,78 6,36 2,86 0,40 6hs 7,13 6,55 2,80-8hs 7,73 5,92 2,24-10hs 7,68 4,89 0,84-24hs 5,26 4, hs 4,83 5, Com base nos dados obtidos, foi possível observar que de forma geral, a argamassa do traço 01 apresentou densidade de massa menor que as demais, ou seja, a quantidade de ar incorporado foi maior. A argamassa produzida a partir do traço 02 apresentou valores de densidade de massa mais altos que a primeira, e consequentemente menor quantidade de ar incorporado à mistura. Observa-se também que a argamassa produzida a partir do traço 03, apresentou uma densidade de massa maior que as duas primeiras amostras, incorporando uma quantidade muito pequena de ar. O comportamento desta amostra foi semelhante ao comportamento do traço 04, onde não foi utilizado nenhum aditivo. Pode-se dizer que este é mais um indicativo, assim como os visto no ensaio de consistência, de que a argamassa do traço 03 não apresentou boa compatibilidade com os aditivos utilizados, possivelmente em função da sua granulometria. É importante salientar também que a quantidade de ar incorporado ficou abaixo do esperado para todos os traços. Isso se deve possivelmente ao tempo e à sequência de colocação dos aditivos à mistura, que talvez não tenham sido feitos de forma otimizada. Os mesmos foram inseridos praticamente em sequência, sendo que o fabricante indicou, posteriormente, que o ideal seria inserir o aditivo incorporador de ar e misturá-lo minutos antes da inserção do aditivo retardador. 3.2 Resultados dos ensaios no estado endurecido A tabela 07 ilustra os resultados do ensaio de absorção por capilaridade. Na comparação feita entre os corpos-de-prova moldados a partir da mesma argamassa, tanto no traço 01, quanto no traço 02, não foram identificadas diferenças significativas na quantidade de água absorvida pelos corpos-de-prova moldados logo após o preparo em relação aos moldados após 30 horas. Esta comparação não foi realizada para as amostras dos traços 03 e 04, uma vez que não foi possível moldar os corpos-de-prova às 30 horas, pois estas já não apresentavam mais condições de trabalho.

10 Tabela 06 absorção de água por capilaridade ABSORÇÃO DE ÁGUA POR CAPILARIDADE (%) Arg. - Traço 01-0hs Arg. - Traço 01-30hs Arg. - Traço 02 Arg. - Traço 02-30hs Arg - Traço 03 Arg - Traço 04 Absorção aos 10 min. 0,48 0,54 0,33 0,60 0,70 1,21 Absorção aos 90 min. 1,10 1,18 0,64 0,97 1,46 2,70 A tabela 07 ilustra os resultados de densidade de massa no estado endurecido. Tabela 02 - ensaio de determinação da densidade de massa no estado endurecido DENSIDADE DE MASSA APARENTE NO ESTADO ENDURECIDO Traço 01 Traço 01-30hs Traço 02 Traço 02-30hs Traço 03 Traço 04 Kg/m³ Percebe-se o aumento da densidade de massa, quando se compara os corpos-de-prova moldados logo após o preparo, em relação aos corpos moldados após 30 horas de produção das argamassas, comportamento observado nas argamassas 01 e 02. Pode-se dizer que este é mais um indicativo de que as argamassas de fato perderam parte do ar incorporado pelo aditivo entre o momento da produção e às 30 horas. Este fato pôde ser comprovado também na análise do ensaio de teor de ar incorporado no estado fresco descrito anteriormente, onde os valores obtidos foram compatíveis com a queda de trabalhabilidade dos traços 01 e 02, indicado no índice de consistência durante o período entre 24 e 30 horas. Contudo, essa perda não alterou de forma considerável as argamassas estabilizadas, que permaneceram com boas condições de moldabilidade. Interessante notar, contudo, que este aumento da densidade de massa no estado endurecido não teve efeito sobre a absorção de água por capilaridade, descrita anteriormente. A seguir, nas figuras 06 e 07, podem ser observados os resultados obtidos no ensaios de resistência à tração na flexão e compressão. Figuras 06 e 07 - Ensaios de resistência à tração e compressão das argamassas Percebe-se que os valores encontrados foram bem elevados. Além disso, os corpos-deprova das argamassas 01 e 02 moldados logo após o preparo, apresentam resistência

11 levemente superior aos de mesmo traço moldados após 30 horas, o que em um primeiro momento, face aos resultados de densidade de massa no estado endurecido, não seria o esperado. Uma possível causa, que demandaria investigação, seria verificar se o aditivo estabilizador, apesar de retardar as reações de hidratação, não está permitindo que uma pequena parte do cimento esteja reagindo, mesmo durante o tempo de manutenção da trabalhabilidade da argamassa nas primeiras 24 horas, prejudicando a formação da resistência final. Porém, uma vez que ainda não foram realizadas análises estatísticas dos dados, tampouco estudos mais aprofundados sobre o tema, não é possível afirmar a ocorrência de queda significativa de resistência ao longo do tempo, sendo necessário, portanto, maiores estudos para verificação deste comportamento. 4. Considerações Finais Através deste estudo foi possível verificar como algumas das propriedades de argamassas que utilizam aditivos estabilizadores de hidratação se comportam, ao longo deste tempo de estabilização para manutenção da trabalhabilidade. Pode-se perceber que é notável a interação entre o tipo e a granulometria dos agregados utilizados no desempenho dos aditivos incorporadores de ar e estabilizadores de hidratação. De forma geral, a manutenção da trabalhabilidade pode ser alcançada com o uso deste aditivos. Todavia, é preciso estudar mais profundamente como o desempenho das argamassas será afetado em outras propriedades, ao longo do tempo, com o uso de tais aditivos, não só nos ensaios aqui propostos, mas também em outros como por exemplo em ensaios de aderência à tração de revestimentos de argamassa de paredes e tetos. 5. Agradecimentos Os autores agradecem à empresa de aditivos químicos para construção civil que forneceu as amostras para a realização deste trabalho. REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS [1] RECENA, Fernando Antonio Piazza. Conhecendo Argamassa. Porto Alegre: EDIPUCRS, [2] CINCOTTO, Maria Alba; SILVA, Maria Angélica Covelo; CASCUDO, Helena Caresek. Argamassas de revestimento: características, propriedade e métodos de ensaio São Paulo: Instituto de Pesquisas Tecnológicas, [3] BAUER, Elton (Editor). Revestimentos de argamassa: características e peculiaridades. Brasília: LEM-UnB; Sinduscon, [4] BAÍA, Luciana Leone Maciel; SABBATINI, Fernando Henrique. Projeto e execução de revestimento de argamassa. São Paulo: O Nome da Rosa, [5] ABNT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR ISO/IEC Requisitos gerais para competência de laboratórios de ensaio e calibração. Rio de Janeiro, [6] ABNT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Agregados Determinação da composição granulométrica. NBR NM 248. Rio de Janeiro: ABNT, 2003.

12 [7] ABNT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Agregados - Terminologia. NBR Rio de Janeiro: ABNT, 2.ed. / [8] ABNT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Argamassa para assentamento e revestimento de paredes e tetos Preparo da mistura e determinação do índice de consistência. NBR Rio de Janeiro: ABNT, [9] ABNT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Argamassa para assentamento e revestimento de paredes e tetos Determinação da densidade de massa e do teor de ar incorporado. NBR Rio de Janeiro: ABNT, 2.ed. / [10] ABNT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Argamassa para assentamento e revestimento de paredes e tetos - Determinação da absorção de água por capilaridade e do coeficiente de capilaridade. NBR Rio de Janeiro: ABNT, [11] ABNT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Argamassa para assentamento e revestimento de paredes e tetos Determinação da densidade de massa aparente no estado endurecido. NBR Rio de Janeiro: ABNT, 2.ed. / [12] ABNT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Argamassa para assentamento e revestimento de paredes e tetos Determinação da resistência à tração na flexão e à compressão. NBR Rio de Janeiro: ABNT, 2.ed. / [13] ABNT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Cimento Portland pozolànico. NBR Rio de Janeiro: ABNT, Versão corrigida, [14] ABNT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Cal hidratada para argamassas Requisitos. NBR Rio de Janeiro: ABNT, 2003.

Revestimentos de Argamassa Conceitos P R O M O Ç Ã O

Revestimentos de Argamassa Conceitos P R O M O Ç Ã O Revestimentos de Argamassa Conceitos P R O M O Ç Ã O TECNOLOGIA DA ARGAMASSA Conceitos Sistema de Revestimento de Argamassa Desempenho do sistema Materiais Constituintes Dosagem Escolha do Sistema de Revestimento

Leia mais

PRODUÇÃO DE CONCRETO COM USO DE AGREGADOS RECICLADOS ORIUNDOS DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL 1

PRODUÇÃO DE CONCRETO COM USO DE AGREGADOS RECICLADOS ORIUNDOS DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL 1 PRODUÇÃO DE CONCRETO COM USO DE AGREGADOS RECICLADOS ORIUNDOS DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL 1 Daniela Dolovitsch De Oliveira 2, Felipe Dalla Nora Soares 3, Giovanni Dos Santos Batista 4, Júlia Regina

Leia mais

ESTUDO DA APLICABILIDADE DA ARGAMASSA PRODUZIDA A PARTIR DA RECICLAGEM DE RESÍDUO SÓLIDO DE SIDERURGIA EM OBRAS DE ENGENHARIA

ESTUDO DA APLICABILIDADE DA ARGAMASSA PRODUZIDA A PARTIR DA RECICLAGEM DE RESÍDUO SÓLIDO DE SIDERURGIA EM OBRAS DE ENGENHARIA ESTUDO DA APLICABILIDADE DA ARGAMASSA PRODUZIDA A PARTIR DA RECICLAGEM DE RESÍDUO SÓLIDO DE SIDERURGIA EM OBRAS DE ENGENHARIA 1. Introdução O impacto ambiental gerado pela exploração dos recursos minerais

Leia mais

Argamassas mistas. Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira

Argamassas mistas. Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Argamassas mistas Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Argamassas mistas de cimento, cal e areia destinadas ao uso em alvenarias e revestimentos Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Fonte: NBR 7200:1998 NBR 13529:2013

Leia mais

Disciplina: Materiais de Construção Civil I. Carga horária: 80 h/a Período: 2º

Disciplina: Materiais de Construção Civil I. Carga horária: 80 h/a Período: 2º Disciplina: Materiais de Construção Civil I Ano letivo: Carga horária: 80 h/a Período: 2º Pré-requisito: ------ EMENTA Origem dos materiais utilizados na construção civil, suas propriedades físico-químicas,

Leia mais

Associação Educativa Evangélica UniEvangélica Curso de Engenharia Civil Professora Moema Castro, MSc.

Associação Educativa Evangélica UniEvangélica Curso de Engenharia Civil Professora Moema Castro, MSc. Associação Educativa Evangélica UniEvangélica Curso de Engenharia Civil Professora Moema Castro, MSc. M A T E R I A I S D E C O N S T R U Ç Ã O C I V I L I I AGREGADOS ARGAMASSA A n á p o l i s, 2 0 1

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina CIV360 Materiais de Construção Civil I

Programa Analítico de Disciplina CIV360 Materiais de Construção Civil I Catálogo de Graduação 016 da UFV 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de Engenharia Civil - Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Número de créditos: 4 Teóricas Práticas Total Duração em

Leia mais

ARGAMASSAS E CONCRETOS DOSAGEM ABCP

ARGAMASSAS E CONCRETOS DOSAGEM ABCP ARGAMASSAS E CONCRETOS DOSAGEM ABCP Definição: DOSAGEM é o proporcionamento adequado e mais econômico de materiais: cimento, água, agregados, adições e aditivos. Definição: Segundo a NBR 12.655 existem

Leia mais

Avaliação das propriedades mecânicas de argamassa colante com adição mineral (diatomita)

Avaliação das propriedades mecânicas de argamassa colante com adição mineral (diatomita) Avaliação das propriedades mecânicas de argamassa colante com adição mineral (diatomita) Andressa Varela da Rocha Silva¹, Hugo Alessandro Almeida Diniz¹, Janiele Alves Eugênio Ribeiro², Valtencir Lucio

Leia mais

APLICAÇÃO DE RESÍDUO DE CINZAS DE CARVÃO MINERAL APLICADOS NA PRODUÇÃO DE CONCRETOS E ARGAMASSAS

APLICAÇÃO DE RESÍDUO DE CINZAS DE CARVÃO MINERAL APLICADOS NA PRODUÇÃO DE CONCRETOS E ARGAMASSAS APLICAÇÃO DE RESÍDUO DE CINZAS DE CARVÃO MINERAL APLICADOS NA PRODUÇÃO DE CONCRETOS E ARGAMASSAS Rodney Cascaes Júnior 1 ; Msc. Lucimara Aparecida Schambeck Andrade 2 (orientadora) RESUMO: O uso de novos

Leia mais

Pasta e argamassa de cimento Portland para recuperação estrutural

Pasta e argamassa de cimento Portland para recuperação estrutural TEMA 3 Caracterização de materiais Pasta e argamassa de cimento Portland para recuperação estrutural Profa. Dra. Sandra Maria de Lima 1,a, Graduanda Tecgo Controle de Obras Rafaela Tyeme Moreira Tatsuno

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO Nº Ensaios de caracterização e desempenho de argamassa para chapisco colante

RELATÓRIO TÉCNICO Nº Ensaios de caracterização e desempenho de argamassa para chapisco colante RELATÓRIO TÉCNICO Nº 113 595-205 Ensaios de caracterização e desempenho de argamassa para chapisco colante CENTRO DE TECNOLOGIA DE OBRAS DE INFRAESTRUTURA Laboratório de Materiais de Construção Civil Cliente:

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 5 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO

Leia mais

Usina Fortaleza - Rua São Paulo, 02 - Engenho Novo Barueri SP

Usina Fortaleza - Rua São Paulo, 02 - Engenho Novo Barueri SP PÁGINA 01/05 RELATÓRIO DE ENSAIO : Ensaio em argamassa texturizada INTERESSADO : Usina Fortaleza - Rua São Paulo, 02 - Engenho Novo Barueri SP REFERÊNCIA : n/d NATUREZA DO TRABALHO : Determinação da resistência

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DO DESEMPENHO NO ESTADO FRESCO E ENDURECIDO DE ARGAMASSAS ESTABILIZADAS DE 36H E 72H

ESTUDO COMPARATIVO DO DESEMPENHO NO ESTADO FRESCO E ENDURECIDO DE ARGAMASSAS ESTABILIZADAS DE 36H E 72H ESTUDO COMPARATIVO DO DESEMPENHO NO ESTADO FRESCO E ENDURECIDO DE ARGAMASSAS ESTABILIZADAS DE 36H E 72H POLIANA BELLEI (1) ; ANA CLAÚDIA JANTSCH (2) ; ALDO LEONEL TEMP (3) ; GIOVANA RETZLAFF NUNES (4)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Núcleo de Gestão de Atividades de Pesquisa INFORMAÇÕES GERAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Núcleo de Gestão de Atividades de Pesquisa INFORMAÇÕES GERAIS Título do projeto: Influência da temperatura da água de cura na resistência à compressão axial das argamassas estruturais Coordenador (a): Cleidson Carneiro Guimarães Vice-Coordenador (a): -- PPGCI: 1691

Leia mais

PRODUÇÃO DE CONCRETO DE ALTA RESISTÊNCIA (CAR) A PARTIR DE SEIXO DE RIO, COMO AGREGADO GRAÚDO, E A ADIÇÃO DE SÍLICA ATIVA

PRODUÇÃO DE CONCRETO DE ALTA RESISTÊNCIA (CAR) A PARTIR DE SEIXO DE RIO, COMO AGREGADO GRAÚDO, E A ADIÇÃO DE SÍLICA ATIVA PRODUÇÃO DE CONCRETO DE ALTA RESISTÊNCIA (CAR) A PARTIR DE SEIXO DE RIO, COMO AGREGADO GRAÚDO, E A ADIÇÃO DE SÍLICA ATIVA INTRODUÇÃO Laerte Melo Barros 1, Carlos Benedito Santana da Silva Soares 2 Thiago

Leia mais

A Influência dos Tipos de Cura na Resistência Mecânica do Concreto

A Influência dos Tipos de Cura na Resistência Mecânica do Concreto A Influência dos Tipos de Cura na Resistência Mecânica do Concreto Carolina dos Santos Silva, Hellen Karina Pereira Alkimin, Larissa Alves Matos e Nara Miranda de Oliveira Cangussu Resumo O controle da

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO TEOR DE CAL HIDRATADA NAS PROPRIEDADES DE ARGAMASSAS DE CIMENTO, CAL E AREIA

A INFLUÊNCIA DO TEOR DE CAL HIDRATADA NAS PROPRIEDADES DE ARGAMASSAS DE CIMENTO, CAL E AREIA A INFLUÊNCIA DO TEOR DE CAL HIDRATADA NAS PROPRIEDADES DE ARGAMASSAS DE CIMENTO, CAL E AREIA Karoline A. Melo Universidade Federal de Pernambuco - Brasil melokarol@gmail.com Marylinda S. França Universidade

Leia mais

Sumário. 1 Concreto como um Material Estrutural 1. 2 Cimento 8

Sumário. 1 Concreto como um Material Estrutural 1. 2 Cimento 8 Sumário 1 Concreto como um Material Estrutural 1 O que é o concreto? 2 O bom concreto 3 Materiais compósitos 4 Papel das interfaces 5 Forma de abordagem do estudo do concreto 6 2 Cimento 8 Produção do

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE ARGAMASSAS INDUSTRIALIZADAS DOS ESTADOS DO PARANÁ E SANTA CATARINA SEGUNDO A NBR 13281/2005

CARACTERIZAÇÃO DE ARGAMASSAS INDUSTRIALIZADAS DOS ESTADOS DO PARANÁ E SANTA CATARINA SEGUNDO A NBR 13281/2005 CARACTERIZAÇÃO DE ARGAMASSAS INDUSTRIALIZADAS DOS ESTADOS DO PARANÁ E SANTA CATARINA SEGUNDO A NBR 13281/2005 Narciso Gonçalves da Silva (1), Marienne do Rocio de Mello Maron da Costa (2), Rodrigo Kanning

Leia mais

Prof. Aline Fernandes de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010

Prof. Aline Fernandes de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010 de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010 DEFINIÇÃO. Mistura de aglomerantes e agregados com água, possuindo capacidade de endurecimento (NBR 7200).. São materiais de construção constituídos por uma mistura

Leia mais

PERFIS DE DESEMPENHO E QUALIDADE PARA AS ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO ESTABILIZADAS. Prof Elton Bauer UnB Dezembro/2014

PERFIS DE DESEMPENHO E QUALIDADE PARA AS ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO ESTABILIZADAS. Prof Elton Bauer UnB Dezembro/2014 UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA UnB FACULDADE DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTRUTURAS E CONSTRUÇÃO CIVIL PECC PRÊMIO CBIC DE INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO PARA A VF

EXERCÍCIOS DE REVISÃO PARA A VF a) Descreva a ruptura do concreto, relatando o seu comportamento quando submetido à tensões de compressão até 30% da ruptura, entre 30 e 50%, entre 50% e 75% e de 75% até o colapso. b) Defina cura do concreto,

Leia mais

ANÁLISE EXPERIMENTAL DA RESISTÊNCIA DE ADERÊNCIA À TRAÇÃO EM REVESTIMENTOS ARGAMASSADOS

ANÁLISE EXPERIMENTAL DA RESISTÊNCIA DE ADERÊNCIA À TRAÇÃO EM REVESTIMENTOS ARGAMASSADOS ANÁLISE EXPERIMENTAL DA RESISTÊNCIA DE ADERÊNCIA À TRAÇÃO EM REVESTIMENTOS ARGAMASSADOS RESUMO Lucas Borsatto Schmitz (1), Jakson Fábio Bitencourt Araújo (2) UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense

Leia mais

AULA 6 ARGAMASSA continuação

AULA 6 ARGAMASSA continuação AULA 6 ARGAMASSA continuação Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dra. Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil ARGAMASSAS - PROPRIEDADES

Leia mais

22º CBECiMat - Congresso Brasileiro de Engenharia e Ciência dos Materiais 06 a 10 de Novembro de 2016, Natal, RN, Brasil

22º CBECiMat - Congresso Brasileiro de Engenharia e Ciência dos Materiais 06 a 10 de Novembro de 2016, Natal, RN, Brasil CARACTERIZAÇÃO DE ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO PRODUZIDAS COM SUBSTITUIÇÃO PARCIAL E TOTAL DO AGREGADO MIÚDO NATURAL PELO RESÍDUO DE AREIA DE FUNDIÇÃO FENÓLICA J. M. Casali; T. F. Miguel; L. Dominguini;

Leia mais

Materiais de Construção Civil. Aula 06. Aglomerantes e Cal

Materiais de Construção Civil. Aula 06. Aglomerantes e Cal Materiais de Construção Civil Aula 06 Aglomerantes e Cal Taciana Nunes Arquiteta e Urbanista Definição Aglomerante é o material ativo, ligante, cuja principal função é formar uma pasta que promove a união

Leia mais

Propriedades da Argamassa com Areia Artificial para Revestimento de Alvenaria.

Propriedades da Argamassa com Areia Artificial para Revestimento de Alvenaria. Propriedades da Argamassa com Areia Artificial para Revestimento de Alvenaria. Paulo H. Ishikawa FATEC-SP Brasil paulo.ishikawa@uol.com.br Luiz Pereira-de-Oliveira C_MADE/UBI Portugal luiz.oliveira@ubi.pt

Leia mais

Avaliação do Comportamento de Vigas de Concreto Autoadensável Reforçado com Fibras de Aço

Avaliação do Comportamento de Vigas de Concreto Autoadensável Reforçado com Fibras de Aço Avaliação do Comportamento de Vigas de Concreto Autoadensável Reforçado com Fibras de Aço Alexandre Rodrigues de Barros Paulo César Correia Gomes Aline da Silva Ramos Barboza Universidade Federal De Alagoas

Leia mais

AULA 6 ARGAMASSA. Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dra. Carmeane Effting. 1 o semestre 2015

AULA 6 ARGAMASSA. Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dra. Carmeane Effting. 1 o semestre 2015 AULA 6 ARGAMASSA Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dra. Carmeane Effting 1 o semestre 2015 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil ARGAMASSAS DEFINIÇÃO Materiais

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE PRODUÇÃO DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO PARA ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE PRODUÇÃO DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO PARA ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE PRODUÇÃO DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO PARA ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS Doutoranda Alessandra Lorenzetti de Castro alcastro@sc.usp.br Prof. Dr. Jefferson B. L. Liborio liborioj@sc.usp.br

Leia mais

AGLOMERANTES. FMC Profª Bárbara Silvéria

AGLOMERANTES. FMC Profª Bárbara Silvéria AGLOMERANTES FMC Profª Bárbara Silvéria Aglomerantes Definição Aglomerante é o material ativo, ligante, em geral pulverulento, cuja principal função é formar uma pasta que promove a união entre os grãos

Leia mais

Solo-cimento UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. SNP38D53 Técnicas de Melhoramento de Solos

Solo-cimento UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. SNP38D53 Técnicas de Melhoramento de Solos UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL SNP38D53 Técnicas de Melhoramento de Solos Solo-cimento Prof.: Flavio A. Crispim (FACET/SNP-UNEMAT) SINOP - MT 2015 Técnicas de melhoramento

Leia mais

f xm - Resistência média das amostras f xk ALVENARIA ESTRUTURAL Blocos: Propriedades desejáveis : Resistência à compressão: MATERIAIS

f xm - Resistência média das amostras f xk ALVENARIA ESTRUTURAL Blocos: Propriedades desejáveis : Resistência à compressão: MATERIAIS Alvenaria Ministério Estruturalda Educação Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Construção Civil II ( TC-025) Blocos: Propriedades desejáveis : Resistência à compressão: Função da relação

Leia mais

MACO II PUC GO Professora Mayara Moraes

MACO II PUC GO Professora Mayara Moraes MACO II PUC GO Professora Mayara Moraes Argamassas NBR13281 Histórico 1º. registro de emprego na construção: Pré-História Piso polido de 180 m² feito com pedras e argamassa cal e areia: ~ 7000 a 9000

Leia mais

CADERNOS TÉCNICOS DAS COMPOSIÇÕES DE ARGAMASSAS LOTE 1

CADERNOS TÉCNICOS DAS COMPOSIÇÕES DE ARGAMASSAS LOTE 1 CADERNOS TÉCNICOS DAS COMPOSIÇÕES DE ARGAMASSAS LOTE 1 GRUPO ARGAMASSAS LOTE 01 A CAIXA apresenta o grupo de composições de serviços que representam a produção de argamassas, que serão incorporadas ao

Leia mais

Ensaios de Retração de Argamassas nos Estados Fresco e Endurecido Contribuição para a normalização brasileira

Ensaios de Retração de Argamassas nos Estados Fresco e Endurecido Contribuição para a normalização brasileira Ensaios de Retração de Argamassas nos Estados Fresco e Endurecido Contribuição para a normalização brasileira Pedro Kopschitz Xavier Bastos Univ. Federal de Juiz de Fora, Brasil. pedrokop@terra.com.br

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DE ARGAMASSAS DE ASSENTAMENTO E REVESTIMENTO PRODUZIDAS COM RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO GERADOS EM CANTEIRO DE OBRAS

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DE ARGAMASSAS DE ASSENTAMENTO E REVESTIMENTO PRODUZIDAS COM RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO GERADOS EM CANTEIRO DE OBRAS 1 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DE ARGAMASSAS DE ASSENTAMENTO E REVESTIMENTO PRODUZIDAS COM RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO GERADOS EM CANTEIRO DE OBRAS G.D.A. Bastos (1), J.A. Cerri (2) Alameda Prudente

Leia mais

Por: Marco Antonio Pozzobon M. Eng.

Por: Marco Antonio Pozzobon M. Eng. Por: Marco Antonio Pozzobon M. Eng. O que é ARGAMASSA? Mistura homogênea de agregados miúdos, aglomerantes inorgânicos e água, contendo ou não aditivos, com propriedades de aderência e endurecimento, podendo

Leia mais

AVALIAÇÃO DE ARGAMASSAS COMPOSTAS PELO CIMENTO PORTLAND CP IV-32 E PELA ADIÇÃO MINERAL DE METACAULIM PARA ELABORAÇÃO DE CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL

AVALIAÇÃO DE ARGAMASSAS COMPOSTAS PELO CIMENTO PORTLAND CP IV-32 E PELA ADIÇÃO MINERAL DE METACAULIM PARA ELABORAÇÃO DE CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL AVALIAÇÃO DE ARGAMASSAS COMPOSTAS PELO CIMENTO PORTLAND CP IV-32 E PELA ADIÇÃO MINERAL DE METACAULIM PARA ELABORAÇÃO DE CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL Autores: ANDERSON RENATO VOBORNIK WOLENSKI - Universidade

Leia mais

DOSAGEM DE CONCRETO. DOSAGEM é o proporcionamento adequado. e mais econômico dos materiais: Cimento Água Areia Britas Aditivos

DOSAGEM DE CONCRETO. DOSAGEM é o proporcionamento adequado. e mais econômico dos materiais: Cimento Água Areia Britas Aditivos DOSAGEM DE CONCRETO DEFINIÇÃO DOSAGEM é o proporcionamento adequado e mais econômico dos materiais: Cimento Água Areia Britas Aditivos 2 1 DOSAGEM Ingredientes Execução 3 MATERIAIS CONSTITUINTES ou a receita

Leia mais

ANÁLISE DAS PROPRIEDADES DE ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO COM ADIÇÃO DE FIBRAS DE POLIPROPILENO

ANÁLISE DAS PROPRIEDADES DE ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO COM ADIÇÃO DE FIBRAS DE POLIPROPILENO ANÁLISE DAS PROPRIEDADES DE ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO COM ADIÇÃO DE FIBRAS DE POLIPROPILENO Resumo Géssica Centofante * Carlos Mauricio Dagostini ** As fibras são materiais inertes que vêm sendo utilizados

Leia mais

INFLUÊNCIA DE CONDIÇÕES DE PRODUÇÃO DE ARGAMASSA EM OBRA NA CLASSIFICAÇÃO SEGUNDO A NBR 13281

INFLUÊNCIA DE CONDIÇÕES DE PRODUÇÃO DE ARGAMASSA EM OBRA NA CLASSIFICAÇÃO SEGUNDO A NBR 13281 INFLUÊNCIA DE CONDIÇÕES DE PRODUÇÃO DE ARGAMASSA EM OBRA NA CLASSIFICAÇÃO SEGUNDO A NBR 13281 BASTOS, Pedro K. X. (1); COUTO, Mariana L. (2) (1) Universidade Federal de Juiz de Fora - pedrokop@terra.com.br

Leia mais

CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO

CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( X ) TECNOLOGIA CONTROLE

Leia mais

TECNOLOGIA DE ARGAMASSAS

TECNOLOGIA DE ARGAMASSAS TECNOLOGIA DE ARGAMASSAS Prof. Dr a Marienne do Rocio M.Maron da Costa mariennecosta@uol.com.br Tópico da Disciplina TC 034 Materiais III Departamento de Construção Civil- DCC Universidade Federal do Paraná

Leia mais

Eduardo Pereira(A), Lucas Peres de Souza(A), Isac José da Siva(B), Marienne do R. M. M. da Costa(A)

Eduardo Pereira(A), Lucas Peres de Souza(A), Isac José da Siva(B), Marienne do R. M. M. da Costa(A) Influência do comportamento reológico de argamassas colantes na resistência de aderência de placas cerâmicas assentadas sobre revestimentos cerâmicos antigos Eduardo Pereira(A), Lucas Peres de Souza(A),

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE BLOCOS INTERTRAVADOS COM RESÍDUO DE PNEU RECICLADO

AVALIAÇÃO DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE BLOCOS INTERTRAVADOS COM RESÍDUO DE PNEU RECICLADO AVALIAÇÃO DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE BLOCOS INTERTRAVADOS COM RESÍDUO DE PNEU RECICLADO Anaaiara Varela dos Santos Aluna de Iniciação Científica do Curso de Tecnologia em Construção de Edifícios aninha.varela@hotmail.com

Leia mais

ENTECA 2003 IV ENCONTRO TECNOLÓGICO DA ENGENHARIA CIVIL E ARQUITETURA

ENTECA 2003 IV ENCONTRO TECNOLÓGICO DA ENGENHARIA CIVIL E ARQUITETURA 252 ENTECA 2003 INFLUÊNCIA DO TIPO DE CIMENTO, DO TRAÇO E DA ORIENTAÇÃO SOLAR NA PROPRIEDADE DE ESTANQUEIDADE À ÁGUA DE ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO Eduardo Mesquita Cortelassi (1); Thalita Gorban Ferreira

Leia mais

Universidade Federal do Ceará. Curso de Engenharia Civil. Aula 3: Argamassa. Prof. Eduardo Cabral

Universidade Federal do Ceará. Curso de Engenharia Civil. Aula 3: Argamassa. Prof. Eduardo Cabral Universidade Federal do Ceará Curso de Engenharia Civil Aula 3: Argamassa Prof. Eduardo Cabral Definição e Histórico Piso de 180m 2 no sul da Galiléia entre 7.000a.C. e 9.000a.C. Laje de 25cm de espessura

Leia mais

ANÁLISE DE DIFERENTES TIPOS DE ARGAMASSA DE REVESTIMENTO

ANÁLISE DE DIFERENTES TIPOS DE ARGAMASSA DE REVESTIMENTO RESUMO ANÁLISE DE DIFERENTES TIPOS DE ARGAMASSA DE REVESTIMENTO Gustavo Spillere Bif (1); Fernando Pelisser (2) UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense (1)gustavobif@hotmail.com (2)fep@unesc.net

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Controle tecnológico, materiais de construção, caracterização de materiais.

PALAVRAS-CHAVE Controle tecnológico, materiais de construção, caracterização de materiais. 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PROPRIEDADES DE ARGAMASSAS ESTABILIZADAS AO LONGO DO TEMPO DECORRIDO DO SEU PREPARO 1

AVALIAÇÃO DE PROPRIEDADES DE ARGAMASSAS ESTABILIZADAS AO LONGO DO TEMPO DECORRIDO DO SEU PREPARO 1 XVI ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO Desafios e Perspectivas da Internacionalização da Construção São Paulo, 21 a 23 de Setembro de 2016 AVALIAÇÃO DE PROPRIEDADES DE ARGAMASSAS ESTABILIZADAS

Leia mais

Argamassas de Revestimento

Argamassas de Revestimento Argamassas de Revestimento q Argamassa de revestimento é utilizada para revestir paredes, muros e tetos, os quais, geralmente, recebem acabamentos como pintura, cerâmicos, laminados, etc; q O revestimento

Leia mais

ESTUDO PARA A APLICAÇÃO DE RESIDUOS DE CERAMICA VERMELHA NA PRODUÇÃO DE ARGAMASSAS CIMENTICIAS

ESTUDO PARA A APLICAÇÃO DE RESIDUOS DE CERAMICA VERMELHA NA PRODUÇÃO DE ARGAMASSAS CIMENTICIAS ESTUDO PARA A APLICAÇÃO DE RESIDUOS DE CERAMICA VERMELHA NA PRODUÇÃO DE ARGAMASSAS CIMENTICIAS Julia Thais de Oliveira Cardoso Faculdade de Engenharia Civil CEATEC julia.toc@puccamp.edu.br Nádia Cazarim

Leia mais

PLANO DE AULA MACO II Professor Marcelo Cândido de Paula.

PLANO DE AULA MACO II Professor Marcelo Cândido de Paula. Disciplina: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II Curso: ENGENHARIA CIVIL Código Créditos Carga horária Período Co-requsito Pré-requisito ENG 2301 6 90 6º - ENG 1071 EMENTA Argamassa: Conceito, classificação, propriedades,

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS DE CCA NO TRAÇO DE CONCRETO PARA FABRICAÇÃO DE BLOCOS PRÉ-MOLDADOS

UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS DE CCA NO TRAÇO DE CONCRETO PARA FABRICAÇÃO DE BLOCOS PRÉ-MOLDADOS UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS DE CCA NO TRAÇO DE CONCRETO PARA FABRICAÇÃO DE BLOCOS PRÉ-MOLDADOS FRANCIELLI PRIEBBERNOW PINZ 1 ; STAEL AMARAL PADILHA 2 CHARLEI MARCELO PALIGA 3 ; ARIELA DA SILVA TORRES 4 1 Universidade

Leia mais

Caracterização da Matriz de Argamassas para Alvenaria Utilizando Rejeitos das Indústrias de Cerâmica Vermelha e de Sanitários

Caracterização da Matriz de Argamassas para Alvenaria Utilizando Rejeitos das Indústrias de Cerâmica Vermelha e de Sanitários Caracterização da Matriz de Argamassas para Alvenaria Utilizando Rejeitos das Indústrias de Cerâmica Vermelha e de Sanitários Juzélia Santos da Costa a,b, Celso Aparecido Martins b, João Baptista Baldo

Leia mais

MÓDULO DE ELASTICIDADE DINÂMICO DE ARGAMASSA DE REVESTIMENTO

MÓDULO DE ELASTICIDADE DINÂMICO DE ARGAMASSA DE REVESTIMENTO MÓDULO DE ELASTICIDADE DINÂMICO DE ARGAMASSA DE REVESTIMENTO Narciso Gonçalves da Silva (UTFPR) ngsilva@cefetpr.br Vicente Coney Campiteli (UEPG) vicente@uepg.br Resumo A qualidade e a durabilidade de

Leia mais

Palavras-chave: Resíduo de construção e demolição (RCD), argamassa, fissuração. 1 Universidade Federal do Pampa, Alegrete/RS, Brasil

Palavras-chave: Resíduo de construção e demolição (RCD), argamassa, fissuração. 1 Universidade Federal do Pampa, Alegrete/RS, Brasil Avaliação de Resíduo de Construção e Demolição de Cor Cinza e Vermelho em Argamassa de Revestimento RUDNITSKI Jonas C. 1,a, NAKANISHI Elizabete Y.B. 2,b, MOHAMAD Gihad 3,c 1 Universidade Federal do Pampa,

Leia mais

ÁREA DE TECNOLOGIA - LABORATÓRIO RELATÓRIO DE ENSAIO N O 84891

ÁREA DE TECNOLOGIA - LABORATÓRIO RELATÓRIO DE ENSAIO N O 84891 ÁREA DE TECNOLOGIA - LABORATÓRIO 1/10 RELATÓRIO DE ENSAIO N O 84891 Interessado: Chimica Edile do Brasil Ltda. Endereço: Rod. Cachoeiro X Safra BR 482, km 06 Cachoeiro de Itapemirim/ES CEP: 83707-700 Referência:

Leia mais

ANÁLISE QUÍMICA DO FILITO

ANÁLISE QUÍMICA DO FILITO ANÁLISE QUÍMICA DO FILITO SILÍNDRICO...45,00 ALUMÍNIO...33,10 TITÂNIO...1,00 FERRO...2,00 CÁLCIO...0,10 MAGNÉSIO...2,20 SÓDIO...0,70 POTÁSSIO...11,20 PERDA AO FOGO... 5,30 TOTAL...100,60 NATUREZA DO TRABALHO

Leia mais

ESTUDO DE ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO COM INIBIDORES DE HIDRATAÇÃO

ESTUDO DE ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO COM INIBIDORES DE HIDRATAÇÃO ESTUDO DE ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO COM INIBIDORES DE HIDRATAÇÃO RESUMO Suelem Michels Ruppenthal (1); Fernando Pelisser (2) UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense (1)suelem_m_r@hotmail.com; (2)fep@unesc.net

Leia mais

Caracterização das argamassas para revestimento externo utilizadas em Belém/PA (Brasil): estudo do comportamento no estado fresco

Caracterização das argamassas para revestimento externo utilizadas em Belém/PA (Brasil): estudo do comportamento no estado fresco Caracterização das argamassas para revestimento externo utilizadas em Belém/PA (Brasil): estudo do comportamento no estado fresco Ludmila R. S. de Mattos 1 ; Denise C. C. Dal Molin 2 Universidade Federal

Leia mais

Argamassa Colante. Argamassa Colante. Areia fina. Aditivos. Adições

Argamassa Colante. Argamassa Colante. Areia fina. Aditivos. Adições Argamassa Colante Argamassa Colante q As argamassas colantes são formadas pela composição de agregados, aglomerantes, aditivos, água e eventualmente adições. Cimento Portland Areia fina Argamassa Colante

Leia mais

Disco de neoprene Ø 5x10 cm INFORMAÇÕES ADICIONAIS TIPO MONTAGEM OPERACIONAL MANTENÇAO HISTÓRIA OUTROS VIDEO MANUAL LINKS

Disco de neoprene Ø 5x10 cm INFORMAÇÕES ADICIONAIS TIPO MONTAGEM OPERACIONAL MANTENÇAO HISTÓRIA OUTROS VIDEO MANUAL LINKS Prensas para ensaios de Compressão/Tração na flexão DISCOS DE NEOPRENE PARA FACEADOR ELASTOMÉRICO (ARGAMASSA) ASTM C 1231 Standard Practice for Use of Unbonded Caps in Determination of Compressive Strength

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA SUBSTITUIÇÃO PARCIAL DO AGREGADO MIÚDO POR PÓ DE FELDSPATO NA ARGAMASSA DE REVESTIMENTO.

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA SUBSTITUIÇÃO PARCIAL DO AGREGADO MIÚDO POR PÓ DE FELDSPATO NA ARGAMASSA DE REVESTIMENTO. ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA SUBSTITUIÇÃO PARCIAL DO AGREGADO MIÚDO POR PÓ DE FELDSPATO NA ARGAMASSA DE REVESTIMENTO. Adriana Bonetti Pedro (1), Elaine Guglielmi Pavei Antunes (2). UNESC Universidade do Extremo

Leia mais

PLANO DE AULA MACO II Professor Marcelo Cândido de Paula.

PLANO DE AULA MACO II Professor Marcelo Cândido de Paula. Disciplina: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II Curso: ENGENHARIA CIVIL Código Créditos Carga horária Período Co-requsito Pré-requisito ENG 2301 6 90 6º - ENG 1071 EMENTA Argamassa: Conceito, classificação, propriedades,

Leia mais

O que são agregados? Agregados 2

O que são agregados? Agregados 2 AGREGADOS O que são agregados? Agregados 2 O que são agregados? Agregados 3 O que são agregados? Agregados 4 O que são agregados? ABNT NBR 9935/2005: Material sem forma ou volume definido, geralmente inerte,

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE ARGAMASSA DE REVESTIMENTO A BASE DE CAL E ADITIVADA. Palavras-Chave: Revestimento argamassado, incorporador de ar, cal hidratada.

CARACTERIZAÇÃO DE ARGAMASSA DE REVESTIMENTO A BASE DE CAL E ADITIVADA. Palavras-Chave: Revestimento argamassado, incorporador de ar, cal hidratada. CARACTERIZAÇÃO DE ARGAMASSA DE REVESTIMENTO A BASE DE CAL E ADITIVADA Frederico Hobold Filho (1); Fernando Pelisser (2) UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense (1)fred_hobold@hotmail.com (2)fep@unesc.net

Leia mais

ARGAMASSA PRODUZIDA COM CIMENTO, CAL E AGREGADO DE CERÂMICA VERMELHA PARA RESTAURAÇÃO DE UM BANCO

ARGAMASSA PRODUZIDA COM CIMENTO, CAL E AGREGADO DE CERÂMICA VERMELHA PARA RESTAURAÇÃO DE UM BANCO ARGAMASSA PRODUZIDA COM CIMENTO, CAL E AGREGADO DE CERÂMICA VERMELHA PARA RESTAURAÇÃO DE UM BANCO Natan de Oliveira Ferreira (1). Juzelia Santos da Costa (2). Rua Birigui, Quadra 23, Casa 21 Santa Isabel

Leia mais

Dosagens e aplicações de concretos estruturais de acordo com as classes de consistência da NBR 8953: de março de 2016

Dosagens e aplicações de concretos estruturais de acordo com as classes de consistência da NBR 8953: de março de 2016 Dosagens e aplicações de concretos estruturais de acordo com as classes de consistência da NBR 8953:2015 31 de março de 2016 O concreto dosado em central e a norma NBR 8953:2015 O CONCRETO E A NBR 8953:2015

Leia mais

5. Limitações: A argamassa 1201 Matrix Assentamento de Vedação e Encunhamento não deve ser utilizada para assentamento de blocos silico-calcário.

5. Limitações: A argamassa 1201 Matrix Assentamento de Vedação e Encunhamento não deve ser utilizada para assentamento de blocos silico-calcário. 1. Descrição: A argamassa 1201 Matrix Assentamento de Vedação e Encunhamento é indicado para o assentamento de blocos para alvenaria de vedação e fixação de alvenarias (blocos de concreto, cerâmicos, e

Leia mais

8/2/2011 AGLOMERANTES. Definição: Exemplos: Aglomerantes. Nomenclatura. Relação Pega x Endurecimento. Propriedades. Argila Gesso Cal Cimento Betume

8/2/2011 AGLOMERANTES. Definição: Exemplos: Aglomerantes. Nomenclatura. Relação Pega x Endurecimento. Propriedades. Argila Gesso Cal Cimento Betume Definição: AGLOMERANTES Aglomerantes são materiais ativos, geralmente pulverulentos, que entram na composição das pastas, argamassas e concretos. Nomenclatura Exemplos: Aglomerantes Aglomerantes = materiais

Leia mais

Argamassas e Equipamentos

Argamassas e Equipamentos Componentes: Argamassas e Equipamentos Engº Fábio Campora Argamassa Equipamentos Logística de obra Equipe de aplicação Argamassa Definição Argamassa Mistura homogênea de agregados miúdos, aglomerantes

Leia mais

Capítulo 26. Argamassas

Capítulo 26. Argamassas Capítulo 26 Argamassas Helena Carasek Universidade Federal de Goiás Definição Argamassas são materiais de construção, com propriedades de aderência e endurecimento, obtidos a partir da mistura homogênea

Leia mais

NBR 14081/2004. Argamassa colante industrializada para assentamento de placas cerâmicas Requisitos

NBR 14081/2004. Argamassa colante industrializada para assentamento de placas cerâmicas Requisitos NBR 14081/2004 Argamassa colante industrializada para assentamento de placas cerâmicas Requisitos OBJETIVO: Fixar as condições exigíveis para argamassas colantes industrializadas destinadas ao assentamento

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL ESTUDO COMPARATIVO ENTRE AS ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO EXTERNO: PREPARADA EM OBRA, INDUSTRIALIZADA FORNECIDA EM SACOS, E ESTABILIZADA

Leia mais

Soluções Completas Para o Seu Projeto.

Soluções Completas Para o Seu Projeto. Soluções Completas Para o Seu Projeto. Há mais de 50 anos a Argatex oferece soluções para construção civil, sempre com os princípios de oferecer produtos de alta qualidade que simplifiquem e otimizem a

Leia mais

IPEN-CNEN/SP Biblioteca Terezine Arantes Ferraz Normas incorporadas ao catálogo março 2017

IPEN-CNEN/SP Biblioteca Terezine Arantes Ferraz Normas incorporadas ao catálogo março 2017 IPEN-CNEN/SP Biblioteca Terezine Arantes Ferraz Normas incorporadas ao catálogo março 2017 ABNT ISO TR 14049 2014 Gestão ambiental: avaliação do ciclo de vida; exemplos ilustrativos de como aplicar a ABNT

Leia mais

Boas práticas para compra e recebimento do concreto. Belo Horizonte, 14 de outubro de 2016 Engº Flávio Renato Pereira Capuruço

Boas práticas para compra e recebimento do concreto. Belo Horizonte, 14 de outubro de 2016 Engº Flávio Renato Pereira Capuruço Boas práticas para compra e recebimento do concreto Belo Horizonte, 14 de outubro de 2016 Engº Flávio Renato Pereira Capuruço Cadeia Construtiva: Fluxo simplificado de informações Projetista o que comprar

Leia mais

A) DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DISCIPLINA: ENG 2301 Materiais de Construção Civil II PROFESSOR: Mayara Queiroz Moraes Custódio TURMA: B01 SUBTURMA: 1; 2

A) DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DISCIPLINA: ENG 2301 Materiais de Construção Civil II PROFESSOR: Mayara Queiroz Moraes Custódio TURMA: B01 SUBTURMA: 1; 2 A) DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DISCIPLINA: ENG 2301 Materiais de Construção Civil II PROFESSOR: Mayara Queiroz Moraes Custódio TURMA: B01 SUBTURMA: 1; 2 B) EMENTA Argamassa: conceito, classificação, propriedades,

Leia mais

Caracterização de argamassas para assentamento de alvenaria de tijolo

Caracterização de argamassas para assentamento de alvenaria de tijolo Caracterização de argamassas para assentamento de alvenaria de tijolo M. F. Paulo Pereira, José B. Aguiar, Aires Camões e Hélder M. A. Cruz University of Minho Portugal 18 e 19 de Março, LNEC, Lisboa 1.

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO CONCRETO CONVENCIONAL E DO CONCRETO ALTERNATIVO COM PÓ DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL UTILIZANDO

ESTUDO COMPARATIVO DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO CONCRETO CONVENCIONAL E DO CONCRETO ALTERNATIVO COM PÓ DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL UTILIZANDO 20 a 22 de Junho de 2016 - São Paulo/SP ESTUDO COMPARATIVO DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO CONCRETO CONVENCIONAL E DO CONCRETO ALTERNATIVO COM PÓ DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL UTILIZANDO CIMENTO COMPOSTO

Leia mais

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO II CÓDIGO: IT837 CRÉDITOS: T2-P2 INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO II CÓDIGO: IT837 CRÉDITOS: T2-P2 INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO II CÓDIGO: IT837 CRÉDITOS: T2-P2 INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO OBJETIVO DA DISCIPLINA: Fornecer ao aluno as informações necessárias sobre a constituição,

Leia mais

matriais Os aditivos são usados para aumentar a coesão da mistura ainda fresca. 6) Aço: de acordo com as especificações brasileiras.

matriais Os aditivos são usados para aumentar a coesão da mistura ainda fresca. 6) Aço: de acordo com as especificações brasileiras. matriais 5) Aditivos: de acordo com as especificações brasileiras. Nas argamassas industrializadas a cal é substituída por aditivos, plastificantes ou incorporadores de ar. Os aditivos são usados para

Leia mais

Conheça os produtos industrializados existentes no mercado e veja dicas para compra, recebimento e armazenamento

Conheça os produtos industrializados existentes no mercado e veja dicas para compra, recebimento e armazenamento Argamassas de revestimento Conheça os produtos industrializados existentes no mercado e veja dicas para compra, recebimento e armazenamento Reportagem: Gisele C. Cichinelli As argamassas de revestimento

Leia mais

DISCUSSÃO ATUAL NÃO CONFORMIDADE DO CONCRETO

DISCUSSÃO ATUAL NÃO CONFORMIDADE DO CONCRETO DISCUSSÃO ATUAL NÃO CONFORMIDADE DO CONCRETO Concretos fornecidos podem não estar atingindo a resistência à compressão pedida nos projetos estruturais. Polêmica envolve construtores, concreteiras, projetistas

Leia mais

PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DIREÇÃO ASSISTENTE DE ENSINO - DAE

PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DIREÇÃO ASSISTENTE DE ENSINO - DAE DEPARTAMENTO: Engenharia Civil PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: Materiais de Construção 2001 SIGLA: MCC2001 CARGA HORÁRIA TOTAL: 54 TEORIA: 36 PRÁTICA: 18 CURSO(S): Engenharia Civil SEMESTRE/ANO: 2014/1 PRÉ-REQUISITOS:

Leia mais

Sumário. Conceitos. Produção e consumo. Conceitos Produção e consumo Tipos e aplicações Composição química Características Leitura obrigatória

Sumário. Conceitos. Produção e consumo. Conceitos Produção e consumo Tipos e aplicações Composição química Características Leitura obrigatória PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL TR Tecnologia dos Revestimentos Aula 4 Argamassas de revestimento: cal e areia Sumário Conceitos Produção e consumo Tipos e aplicações Composição química Características

Leia mais

ESTUDO SOBRE A POSSIBILIDADE DA SUBSTITUIÇÃO DE AGREGADO NATURAL EM ARGAMASSA POR RESÍDUO DE EXTRAÇÃO DE PEDRAS SEMIPRECIOSAS 1

ESTUDO SOBRE A POSSIBILIDADE DA SUBSTITUIÇÃO DE AGREGADO NATURAL EM ARGAMASSA POR RESÍDUO DE EXTRAÇÃO DE PEDRAS SEMIPRECIOSAS 1 ESTUDO SOBRE A POSSIBILIDADE DA SUBSTITUIÇÃO DE AGREGADO NATURAL EM ARGAMASSA POR RESÍDUO DE EXTRAÇÃO DE PEDRAS SEMIPRECIOSAS 1 Guilherme Amaral De Moraes 2, Marcos Tres 3, Jessamine Pedroso De Oliveira

Leia mais

Palavras-chave: Argamassas, Cinza de Casca de Arroz, Blocos Cerâmicos. 1 Universidade Federal do Pampa, Alegrete, Brasil

Palavras-chave: Argamassas, Cinza de Casca de Arroz, Blocos Cerâmicos. 1 Universidade Federal do Pampa, Alegrete, Brasil Estudo da Viabilidade Técnica no Uso de Cinza de Casca de Arroz na Produção de Argamassas de Assentamento e Revestimento em Bloco Estrutural e de Vedação LEMES Silênia P.S. 1,a, NAKANISHI Elizabete Y.B.

Leia mais

Substrato utilizado: Alvenaria de blocos cerâmicos ranhurados, conforme Figura 01. Não houve regularização do substrato com aplicação de chapisco.

Substrato utilizado: Alvenaria de blocos cerâmicos ranhurados, conforme Figura 01. Não houve regularização do substrato com aplicação de chapisco. LABORATÓRIO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL LMCC ENDEREÇO: Cidade Universitária Camobi, Santa Maria/RS CEP 97105 900 TELEFONE: (55) 220 8608 (Fax) Direção 220 8313 Secretaria 220 8468 Ensaios E-MAIL:

Leia mais

ANÁLISE EXPERIMENTAL DE COMPATIBILIDADE DAS ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO E ENCUNHAMENTO

ANÁLISE EXPERIMENTAL DE COMPATIBILIDADE DAS ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO E ENCUNHAMENTO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Carla Louise Henz ANÁLISE EXPERIMENTAL DE COMPATIBILIDADE DAS ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO E ENCUNHAMENTO Porto

Leia mais

INFLUÊNCIA DA SUCÇÃO DE ÁGUA PELO SUBSTRATO NA RESISTÊNCIA À TRAÇÃO E NO MÓDULO DE DEFORMAÇÃO DE ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO

INFLUÊNCIA DA SUCÇÃO DE ÁGUA PELO SUBSTRATO NA RESISTÊNCIA À TRAÇÃO E NO MÓDULO DE DEFORMAÇÃO DE ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO INFLUÊNCIA DA SUCÇÃO DE ÁGUA PELO SUBSTRATO NA RESISTÊNCIA À TRAÇÃO E NO MÓDULO DE DEFORMAÇÃO DE ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO RESUMO BASTOS, Pedro Kopschitz X. (1); CINCOTTO, Maria Alba (2) (1) Universidade

Leia mais

Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco. TR Tecnologia dos Revestimentos

Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco. TR Tecnologia dos Revestimentos PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco TR Tecnologia dos Revestimentos Aula 05 Argamassas para revestimento: dosagem Prof. Dr. Alberto

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA REOLOGIA DAS ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO NA MINIMIZAÇÃO DO SURGIMENTO DE MANIFESTAÇÕES PATOLÓGICAS POR DESCOLAMENTO

A INFLUÊNCIA DA REOLOGIA DAS ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO NA MINIMIZAÇÃO DO SURGIMENTO DE MANIFESTAÇÕES PATOLÓGICAS POR DESCOLAMENTO PATOLOGIAS DAS CONSTRUÇÕES A INFLUÊNCIA DA REOLOGIA DAS ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO NA MINIMIZAÇÃO DO SURGIMENTO DE MANIFESTAÇÕES PATOLÓGICAS POR DESCOLAMENTO Carina Mariane Stolz (1); Angela Borges Masuero

Leia mais

Influência do processo de cura em concreto convencional em seis idades

Influência do processo de cura em concreto convencional em seis idades Influência do processo de cura em concreto convencional em seis idades Andressa Varela da Rocha Silva¹, Hugo Alessandro Almeida Diniz¹, Janiele Alves Eugênio Ribeiro², Samuel Silva de Oliveira¹, Valtencir

Leia mais

Tecnologia das construções

Tecnologia das construções Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Civil Tecnologia da Construção Civil I Revestimentos argamassados Execução de edificações Revestimentos argamassados

Leia mais

RESUMO ABSTRACT 1. INTRODUÇÃO

RESUMO ABSTRACT 1. INTRODUÇÃO I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO 18-21 julho 04, São Paulo. ISBN 85-89478-08-4. ARGAMASSA INDUSTRIALIZADA: INFLUÊNCIA DO

Leia mais