tecnologia que move o mundo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "tecnologia que move o mundo"

Transcrição

1

2

3 tecnologia que move o mundo Capital Social: Euros Sede Social: Arroteia - Leça do Balio Apartado S. Mamede de Infesta Pessoa Colectiva: Registado na C.R.C. do Porto: Relatório de Sustentabilidade

4 2

5 Índice Volume 3 Relatório de Sustentabilidade 1. Efacec: uma empresa sustentável Mensagem do Presidente do Conselho de Administração 6 Mensagem do Presidente Executivo 8 Enquadramento a. Âmbito do Relatório 12 b. Perfil da Organização 13 c. Organização da Sociedade 16 d. Elementos Éticos da Efacec 21 e. Comunicação e Envolvimento com as Partes Interessadas 22 f. Estratégias Corporativas 26 g. Reconhecimentos Públicos 28 h. Iniciativas de Certificação e Normalização 30 i. Compromissos de Sustentabilidade Foco na Internacionalização a. A Internacionalização e a Sustentabilidade 34 b. O Caso de Effingham 35 c. Programa efapi 38 d. Imagem Comercial 40 e. Os Sistemas de Apoio à Gestão Foco na Sustentabilidade da Actividade e seu Impacto no Planeta a. A Efacec e o Ambiente 46 b. A Efacec e a Inovação Foco no Desenvolvimento de Estratégias de Apoio ao Crescimento a. Estratégias Internas de Desenvolvimento 70 b. Estratégias Externas de Desenvolvimento 80 Anexos: 1. Desempenhos Económicos Desempenhos Ambientais Desempenhos Sociais Outros Desempenhos Índice GRI Documento de Certificação Relatório de Sustentabilidade

6 4

7 Relatório de Sustentabilidade

8 O presente Relatório de Sustentabilidade procura reflectir a capacidade da Efacec de enfrentar o actual contexto de crise e relatar as iniciativas que asseguram um futuro bem sucedido, para todas as Partes Interessadas da organização. As estratégias prosseguidas denotam uma gestão que pretende ser equilibrada, confrontando as prioridades de curto prazo com as necessidades estruturais de médio e longo prazo. A capacidade de concretização da Efacec fica bem patente no processo de internacionalização em curso. A conclusão da nova fábrica de Effingham, as grandes obras no Brasil e a implementação das parcerias da Índia são apenas alguns exemplos. Porém, esta capacidade é sustentada por muitos outros aspectos da organização que são igualmente indispensáveis para o sucesso das operações. Os Valores e os Princípios corporativos da Efacec - pedras basilares da sua cultura - são expressos de forma clara, denotando o equilíbrio ético que deve nortear todas as decisões de gestão e a referida preocupação com as expectativas das suas Partes Interessadas. Assim, foi de modo natural que a Efacec iniciou em 2009 um projecto de auscultação directa de todas as suas Partes Interessadas, que certamente permitirá a integração de novas perspectivas na definição das estratégias corporativas. O presente Relatório descreve com pormenor as relações da Empresa com as suas Partes Interessadas. Verificamos com satisfação que a Efacec tem neste momento um grande número de actividades que contribuem positivamente para uma melhoria do ambiente. Para além dos negócios das Unidades Renováveis e de Ambiente, devemos destacar a recuperação de materiais da Unidade de Servicing, a participação no projecto InovGrid da EDP, os projectos de Metros Urbanos e o envolvimento no desenvolvimento da futura rede de carregamento de veículos eléctricos por parte da Unidade de Transportes. Entre as diversas relações com as Partes Interessadas, deve referir-se o estudo Great Place to Work, que caracterizou as principais preocupações dos nossos Colaboradores e o início de acções com vista à melhoria da sua satisfação. Para além de identificar oportunidades de melhoria da gestão corporativa de Recursos Humanos, o estudo permitiu ainda identificar os aspectos mais específicos de cada Unidade de Negócio e dos Serviços Partilhados. Merece também uma referência especial a realização, pela primeira vez, de um estudo de Satisfação de Clientes Internos dos Serviços Partilhados, com base no qual poderá ser melhorado o seu desempenho e aumentada a satisfação das Unidades de Negócio e de Mercado. 6

9 Em 2009, a Efacec continuou a dar uma prioridade muito especial à integração da Criatividade e da Inovação como valores corporativos essenciais. A primeira edição do programa Colombo teve um assinalável sucesso já que envolveu um grande número de Colaboradores. A Investigação e Desenvolvimento esteve também em destaque, com novos Produtos, Serviços e Soluções. A título de exemplo, pode ser referido o SmartGate da Unidade de Automação, que ganhou uma Menção Honrosa no Prémio Produto Inovação, promovido pela COTEC e Unicer. A criação da nova área de Gestão do Risco é outro dos factos mais importantes do Relatório de Sustentabilidade de Com efeito, a Sustentabilidade e a Gestão do Risco, têm relações profundas, o que aliás é patente nas próprias designações em si. A Gestão do Risco é um dos aspectos mais importantes para a formulação de uma estratégia de Sustentabilidade eficaz, merecendo por isso uma formalização, recursos e processos adequados. A Efacec tem vindo a identificar os Riscos dos seus negócios de forma cada vez mais cuidadosa, criando novas práticas preventivas que, pela sua natureza, nem sempre produzem impactos fáceis de quantificar. lugar do Prémio Desenvolvimento Sustentável, promovido pela consultora Heidrick & Struggles, bem como o Prémio de Fornecedor do Ano na área da Sustentabilidade, atribuído pela Iberdrola a nível mundial. Estes prémios motivam-nos certamente a fazer melhor em 2010! Francisco de la Fuente Sánchez Presidente do Conselho de Administração Finalmente, em 2009, o esforço da Efacec na área da Sustentabilidade mereceu dois importantes reconhecimentos públicos. A Efacec alcançou o terceiro Relatório de Sustentabilidade

10 A Efacec quer ter um protagonismo importante no desenvolvimento da nossa sociedade e escolheu a via do crescimento. Esse crescimento tem sido feito de forma sustentada, com a ambição de construir uma organização global mas também com preocupações sociais e ambientais muito fortes. Já em 2010 pretendemos atingir o valor de vendas de M, valor especialmente relevante quando comparamos com os 440 M de Adicionalmente, no sentido de garantir a nossa sustentabilidade futura, temos desenvolvido novos produtos, serviços e soluções, temos desenvolvido significativamente os nossos Colaboradores e temos fortalecido as nossas ligações à sociedade e à nossa comunidade em particular. Em 2009, na sequência do trabalho iniciado em 2007, a Efacec voltou a rever as suas estratégias corporativas, desta vez no período O processo decorreu entre Fevereiro e Julho, tendo sido realizados dois encontros corporativos de alinhamento das estratégias de todas as Unidades de Negócio e Mercado. No primeiro encontro, foram apresentados os principais desafios enfrentados pelas Unidades de Negócio e Mercado, e fixadas as estratégias de médio e longo prazo da Efacec. No segundo encontro, cada Unidade de Negócio e Mercado apresentou as suas próprias estratégias e respectivas metas de negócio. O processo de Internacionalização da Efacec tem acelerado. As estratégias de consolidação dos mercados internacionais onde estamos presentes, e o desenvolvimento das cadeias de valor das nossas soluções, produtos e serviços mais competitivos, têm hoje inúmeros exemplos de ambição mas, simultaneamente, de concretização. Por exemplo, em apenas dois anos, o acordo de construção da nova fábrica de transformadores em Effingham (EUA), deu lugar a uma unidade produtiva moderna da qual todos nos podemos orgulhar. Para além da construção da fábrica em si, foi necessário executar um complexo processo de Gestão de Recursos Humanos, envolvendo a formação durante cerca de nove meses dos engenheiros norte-americanos e a colocação de cerca de 25 Colaboradores portugueses responsáveis pelo apoio directo a este projecto. Em 2010, contamos ter já mais de 200 Colaboradores a trabalhar nas encomendas que entretanto recebemos. Ainda nos Estados Unidos, na área da Automação, a nossa subsidiária Advanced Control Systems (ACS) possibilitou-nos a entrada num novo mercado para a Efacec: o mercado jordano. No Brasil, temos tido uma actividade intensa com vista a explorar o enorme potencial deste país, nomeadamente, as oportunidades que decorrem da realização do Mundial de Futebol em 2014 e dos Jogos Olímpicos de Estamos a construir uma nova fábrica de transformadores, cuja produção irá visar o Norte e o Nordeste do Brasil. 8

11 Estamos também a executar a modernização de duas linhas de metro em S.Paulo. Na Argentina assinámos um grande contrato de modernização de uma linha-férrea próxima de Buenos Aires e estamos neste momento a executar o maior contrato de fornecimento de transformadores para a Venezuela. Entretanto, ganhámos a primeira encomenda na Bulgária que é simultaneamente o maior contrato de sempre conseguido na Europa Central. Igualmente importante foi o contrato que a Unidade de Ambiente ganhou para a concepção e construção de duas estações de tratamento e águas residuais (ETAR) na Roménia. A Unidade de Servicing conseguiu mais um sucesso no Magrebe. Celebrou com a Société Algérienne de Production de l Electricité, um contrato para a reparação de dois grandes transformadores de potência da central termoeléctrica de Marsat El Hadjaj em Oran, Argélia sendo a primeira encomenda deste cliente. Dado ao potencial de mercado que Angola representa, a Efacec iniciou o investimento para mudar as suas instalações para a zona do aeroporto de Luanda, criando condições adequadas para alojar os seus Colaboradores. Por outro lado, a empresa participa no consórcio vencedor da estação de tratamento de água (ETA) de Maputo, que diz respeito à captação, tratamento e adução de água na capital de Moçambique. Com negócios na Argélia e Roménia, a Efacec quer estender a sua actividade na área da água ao Brasil, Marrocos, Moçambique, Angola e Espanha. O objectivo específico deste processo de internacionalização não é participar isoladamente em concursos, mas sim investir nos respectivos países a médio e longo prazo. Entretanto, na África do Sul, a Efacec está a fornecer à IST/ Powertech (instalador sul-africano) equipamentos de Média Tensão. Na Índia, as parcerias na área da Aparelhagem decorreram com normalidade, permitindo-nos a necessária competitividade em termos de custos. Neste país, a Efacec continua interessada em fazer novos investimentos, nomeadamente na área dos Transformadores. Em Espanha os efeitos da crise foram especialmente notados, em especial na área da Manutenção. Merece no entanto um especial destaque o prémio atribuído pela Iberdrola à Efacec, que nos considerou fornecedores sustentáveis a nível mundial Relatório de Sustentabilidade

12 Finalmente, em Portugal, a Efacec ganhou um contrato importante de fornecimento de transformadores, disjuntores e sistemas de engenharia para reforçar a rede de transporte de energia e conseguiu assegurar a manutenção dos estádios dos três maiores clubes de futebol portugueses. No âmbito dos seus negócios, a Efacec deseja também ter um papel importante no sentido de contribuir positivamente para um planeta ambientalmente mais equilibrado. Nesse sentido, grande parte das suas actividades têm um papel muito importante na melhoria ambiental. No campo das energias renováveis, a Efacec tem expandido o seu know-how, realizando cada vez mais actividades da cadeia de valor do ambiente. No âmbito do consórcio Ventinvest, aumentou a produção de aerogeradores e de conversores electrónicos e ganhou os contratos de manutenção de parques eólicos da EDP em Portugal e Espanha. Na energia solar, para além do mega projecto MARL (maior central fotovoltaica da Europa em ambiente urbano) destacam-se as centrais que estamos a construir em Porto Santo e nas Canárias. No campo da energia das ondas, a Efacec adquiriu uma posição importante no parque da Aguçadora juntamente com a EDP. A mobilidade eléctrica, projecto fundamental para a redução de CO2 em Portugal, foi também objecto da nossa atenção, ao liderarmos o consórcio que pretende construir a rede de abastecimento de veículos eléctricos em Portugal. Nesse sentido, foi já apresentado o primeiro posto de carregamento concebido e desenvolvido com tecnologia portuguesa, produto que foi alvo de um processo de patente, algo que é relativamente raro no contexto português. Em 2009, a Efacec reabilitou pela primeira vez uma turbina e um alternador de uma central mini-hídrica da EDP. Aliás, a actividade de Servicing da Efacec contribui significativamente para a redução do uso de materiais nos equipamentos de energia. Deve destacar-se ainda a participação da Efacec no projecto InovGrid. Este projecto pretende implementar o conceito das redes inteligentes de energia em Portugal, que terá certamente um impacto muito importante na eficiência energética da rede de distribuição da energia. No âmbito deste projecto, a Efacec desenvolveu um novo produto, o SmartGate, que foi alvo de uma Menção Honrosa na segunda edição, do Prémio Produto Inovação, promovido pela COTEC e pela Unicer. Ainda em 2009 a Efacec garantiu um lugar na missão espacial BEPIColombo a Mercúrio. Vai construir o BERM (BEPIColombo Radiation Monitor), um espectrómetro para medição de radiações, cujo cliente é a agência Espacial Europeia. Entretanto, a Efacec e a Universidade do Minho iniciaram o trabalho de desenvolver protótipos para monitorizar os consumos e a qualidade da energia eléctrica, evitando perdas na distribuição. MOBI-E - Lisboa, Portugal 10

13 Conferência do BCSD Portugal (Conselho Empresarial para o Desenvolvimento Sustentável) Estes são exemplos da capacidade da nossa empresa no desenvolvimento de novos produtos. Em 2009, a Efacec voltou a incentivar os seus Colaboradores a divulgarem as suas ideias criativas. A primeira edição do programa Colombo foi extremamente bem sucedida, tendo-se obtido uma participação maciça por parte dos Colaboradores. Nas áreas de Gestão de Recursos Humanos, há várias iniciativas a destacar. Analisámos os resultados do estudo Great Place to Work (Satisfação de Colaboradores) e desencadeámos as primeiras acções de melhoria. Completámos o programa efaevolution dedicados aos Colaboradores não-quadros. Em 2009, o programa efapi avançou significativamente, proporcionando a aprendizagem de Inglês a um grande de número de Colaboradores. A Unidade de Aparelhagem iniciou também um importante projecto na área do Empowerment, que certamente terá um impacto importante no desempenho operacional. Avançámos significativamente nos programas de certificação em Qualidade, Ambiente e Segurança. Como completámos a esmagadora maioria destes programas em território nacional, estamos agora a avançar de forma decidida nas subsidiárias internacionais. Internos dos Serviços Partilhados e o Projecto Estratégia de Sustentabilidade. Este último, utiliza uma auscultação às nossas Partes Interessadas com vista à melhoria das nossas estratégias corporativas. Finalmente, interessa referir a obtenção do terceiro lugar no Prémio Desenvolvimento Sustentável, promovido pela consultora Heidrick & Struggles. Por tudo o que foi descrito considero que, as actividades desenvolvidas em 2009 mostram que para além de reconhecermos a necessidade de crescer, temos a preocupação de o fazer de forma equilibrada, factor essencial para o nosso sucesso nos próximos anos. Luís Filipe Pereira Presidente Executivo da Efacec Em 2009, demos de igual modo início a dois importantes projectos: a avaliação de Satisfação dos Clientes Relatório de Sustentabilidade

14 a. Âmbito do relatório A Efacec pretende que o seu Relatório de Sustentabilidade, de periodicidade anual, dê uma visão global das suas actividades. Os seus conteúdos têm em conta as solicitações recebidas das várias partes interessadas, dando-se especial destaque às questões mais críticas em termos dos riscos da organização, que estão devidamente identificados. O relatório 2009, cuja verificação foi efectuada pela PriceWaterhouseCoopers, entidade de fiscalização da sociedade, foi elaborado com base na estrutura da versão G3 das Directrizes para Relatórios de Sustentabilidade, promovidas pela GRI (Global Reporting Initiative), constituindo uma edição simultânea ao Relatório de Gestão e Contas Consolidadas e Individuais da Efacec. As informações prestadas referem-se sempre que possível à totalidade das empresas do universo Efacec. A actual celeridade do processo de Internacionalização em curso e as recentes aquisições efectuadas nos últimos anos, não permite no entanto ainda, o fornecimento consolidado de informações relativas a todas as subsidiárias. Deste modo, no final de cada capítulo, os desempenhos reportados são acompanhados pela indicação do âmbito a que se referem e por outras notas destinadas a clarificar as condições em que os valores dos indicadores foram obtidos. Em bem como através dos contactos abaixo, podem ser obtidas informações e esclarecimentos adicionais relacionados com os conteúdos deste relatório. Contacto Responsável Telefone Gabinete de Comunicação Corporativa Ana Cristina Lança Gabinete de Desenvolvimento Sustentável Pedro Esquivel

15 b. Perfil da organização A Efacec é uma organização portuguesa presente em cerca de 65 países nos cinco continentes (com instalações industriais em nove países), contando no final de 2009 com mais de 4500 colaboradores e mais de 1000 M de encomendas. A Efacec Capital, S.G.P.S., com sede em Arroteia (Matosinhos), tem como objecto a gestão das sociedades participadas do Grupo, que opera nos mercados através das suas subsidiárias juridicamente constituídas. A Efacec organiza-se em Unidades de Mercado (UM) -Portugal e sete UM Internacionais- e em dez Unidades de Negócio (UN). As UM têm uma presença significativa na sua região. Comercializam um portfolio completo de soluções, serviços e produtos, desenvolvem os negócios, estabelecem as relações necessárias e identificam as oportunidades. As UN são estruturas completas de recursos comerciais, engenharia, I&D, produção e logística, desenhadas para fornecer soluções, serviços e produtos, através do desenvolvimento vertical das suas cadeias de valor (desde matérias primas até às soluções, serviços e produtos). As actividades do grupo, que se desenvolvem em sectores que vão desde a energia aos transportes e à engenharia, ao ambiente, aos serviços e às energias renováveis, têm um impacto notório no desenvolvimento da nossa sociedade, com destaque para os aspectos sociais e ambientais Relatório de Sustentabilidade

16 14

17 Relatório de Sustentabilidade

18 c. Organização da Sociedade A Efacec tem como órgãos sociais da Assembleia-geral, a Comissão de Remunerações, o Fiscal Único e o Conselho de Administração, que elege uma Comissão Executiva e um Secretário da sociedade. MESA DA ASSEMBLEIA GERAL Dr. Miguel Côrte-Real Dr. Pedro da Costa Mendes Presidente Secretário CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Eng. Francisco de La Fuente Sánchez Dr. Luís Filipe da Conceição Pereira Eng. Alberto Joaquim Milheiro Barbosa Eng. Alberto de Freitas Martins Eng. Artur Fuchs Dra. Maria do Rosário Mayoral Robles Machado Simões Ventura Prof. Doutor António do Pranto Nogueira Leite Prof. Doutor Daniel Bessa Fernandes Coelho Prof. Doutor João Afonso Ramalho Sopas Pereira Bento Dr. José Manuel Gonçalves de Morais Cabral Dr. Luís Miguel Nogueira Freire Cortes Martins Presidente Vice-Presidente Vogal Vogal Vogal Vogal Vogal Vogal Vogal Vogal Vogal Prof. Nogueira Leite Dra. Maria do Rosário Ventura Dr. Morais Cabral Eng. Artur Fuchs Dr. Luís Filipe Pereira Eng. Francisco Sánchez Eng. Alberto Martins Eng. Alberto Barbosa Prof. Daniel Bessa Dr. Luís Cortes Martins Prof. João Bento (da esquerda para a direita) 16

19 COMISSÃO EXECUTIVA Dr. Luís Filipe da Conceição Pereira Eng. Alberto Joaquim Milheiro Barbosa Eng. Alberto de Freitas Martins Eng. Artur Fuchs Dra. Maria do Rosário Mayoral Robles Machado Simões Ventura Presidente Vogal Vogal Vogal Vogal SECRETÁRIO DA SOCIEDADE Dra. Joana Martins Mendes Dra. Elisa Oliveira Efectivo Suplente CONSELHO FISCAL Prof. Doutor Luís Francisco Valente de Oliveira Dra. Maria Leonor Aires Dr. Luís Black Freire de Andrade Dr. Diogo Salema da Costa Presidente Vogal Vogal Suplente REVISOR OFICIAL DE CONTAS Price Waterhouse Coopers & Associados, Sociedade e Revisores Oficiais de Contas, Lda., representada por: Dr. António Joaquim Brochado Correia, ou Dr. José Pereira Alves Dr. Hermínio António Paulos Afonso Efectivo Suplente COMISSÃO DE REMUNERAÇÕES Dr. Fernando Manuel Ferreira da Costa Gonçalves Dr. António Burnay Teixeira Dr. Luís Filipe Soares Wissman Presidente Vogal Vogal Relatório de Sustentabilidade

20 Nos termos dos estatutos da sociedade, o Conselho de Administração, composto por onze elementos, delega a gestão corrente da sociedade na Comissão Executiva, formada por cinco dos seus elementos, com pelouros específicos atribuídos. Em 2009, a sociedade manteve as decisões do Conselho de Administração de 20 de Dezembro de Deste modo, o Eng. Francisco de La Fuente Sánchez exerceu as funções de Presidente do Conselho de Administração e o Dr. Luís Filipe Pereira exerceu as funções de Presidente da Comissão Executiva. De acordo com as práticas estabelecidas, o Conselho de Administração reúne mensalmente para analisar e deliberar sobre a estratégia do Grupo e sobre os seus assuntos mais importantes, cuja decisão lhe é reservada. Do mesmo modo, a Comissão Executiva reúne semanalmente, para análise e deliberação sobre as diversas questões corporativas e de gestão da sociedade. O acompanhamento e revisão dos desempenhos das Unidades de Negócio são garantidos através da respectiva reunião mensal, tendo em consideração os pelouros atribuídos a cada elemento. A Comissão de Remunerações, cujos membros são independentes, tem como missão a aprovação das compensações fixas e variáveis dos elementos do Conselho de Administração. Em relação à compensação variável, deve destacar-se que ela não é atribuída aos elementos não-executivos do Conselho de Administração. Por outro lado, os objectivos que servem de referência à compensação variável dos elementos executivos são definidos no sistema GDD (Gestão do Desempenho e do Desenvolvimento) que é utilizado para todos os restantes Colaboradores do Grupo. A gestão das questões relativas à sustentabilidade da sociedade está naturalmente partilhada pelos membros da Comissão Executiva, facto que é visível pela forma como os pelouros estão distribuídos. Pelouros da Comissão Executiva Nome Responsabilidades Áreas de Planeamento Estratégico e Controlo de Gestão, Gestão de Risco, Aquisições e Fusões Dr. Luís Filipe Pereira Eng. Alberto Barbosa Eng. Alberto Martins Eng. Artur Fuchs Dr.ª Maria Rosário Ventura e Gestão Estratégica de Recursos Humanos e Comunicação, bem como supervisão da gestão de todas as áreas de actividade do Grupo, participando na decisão final em matérias importantes de cada uma. Supervisão e coordenação comercial do Grupo no Mercado Nacional, bem como da liderança e supervisão directas das Unidades de Negócio de Automação, Engenharia, Manutenção e Renováveis e da Unidade de Mercado Região Espanha. Liderança e supervisão directas das Unidades de Negócio de Transportes, Robótica e Ambiente e das Unidades de Mercado Região EUA, Região América Latina, Região Magreb e Região África Austral, bem como da implementação da estratégia da Efacec Marketing Internacional e da gestão corrente de todas as filiais, sucursais, agentes e escritórios de representação situados fora dos mercados definidos como Mercados Efacec. Liderança e supervisão directas das Unidades de Negócio de Transformadores, Aparelhagem e Servicing de Energia e das Unidades de Mercado Região Europa Central e Região Índia, bem como pelas Operações Industriais na área da Energia (em Portugal e nos mercados externos) e Supply Chain (matérias primas e componentes) da Efacec. Liderança e supervisão directas dos Serviços Partilhados do Grupo (tanto a nível corporativo como a nível de responsabilidade funcional nas Unidades de Mercado), incluindo as áreas Administrativo- Financeira, Jurídica, Compras Centralizadas e Serviços Gerais, Financiamentos, Fiscalidade, Seguros e Programas de Apoio, Tecnologias de Informação, Gestão Operacional de Recursos Humanos e Inovação, Qualidade e Sustentabilidade. 18

21 Em Novembro, com vista a maximizar o trade-off entre os riscos e as margens dos negócios, de modo a atingir, de forma sustentada, os objectivos de crescimento da Efacec, foi criada a nova função corporativa Chief Risk Officer, responsável pela nova Área de Gestão do Risco. A nova Área de Gestão do Risco A Área de Gestão de Risco tem a responsabilidade de assegurar uma visão integrada de todos os riscos da empresa, tanto operacionais como financeiros, assegurar a transparência de risco na empresa, definir políticas e directrizes de risco, verificar os principais riscos contratuais em projectos de topo, propor alternativas contratuais para minimizar os riscos, identificar, juntamente com as equipas de projecto, os principais riscos dos projectos em execução e estabelecer planos de acção para os riscos detectados. Compreender as particularidades dos riscos de vários países no contexto de negócios de sistemas/ equipamentos, monitorizar riscos específicos do país de implementação do projecto, analisar as implicações de risco de projectos/propostas de maior relevância e propor abordagens de mitigação apropriados. A nova Área de Gestão Estratégica de Compras Em 2009, reconhecendo a importância dos fornecedores no sucesso da Efacec, foi também criada a nova função corporativa Chief Purchasing Officer (CPO), responsável pela nova área Gestão Estratégica de Compras, que reporta directamente à Comissão Executiva. Um dos objectivos da Efacec é a adopção de uma prática de World-Class Supply Management. Deste modo, a nova Área de Gestão Estratégica de Compras adopta os seguintes princípios: Os nossos fornecedores têm uma influência decisiva sobre a nossa competitividade global; Os nossos fornecedores são parceiros, permanentemente integrados na nossa cadeia de valor; O desenvolvimento de actividades comuns e a cooperação entre os fornecedores e a Efacec conduzem à eliminação de desperdícios, à redução das existências e possibilitam um melhor tempo de passagem; Os processos de Inovação nos nossos produtos e serviços são acelerados com cross-functional teams que envolvem a participação dos nossos fornecedores; A função Supply Management é um processo apoiado pelas UNs e UMs, que visa melhorias contínuas nos custos, tempos e qualidade dos fornecedores Relatório de Sustentabilidade

22 Áreas Corporativas da Efacec Área Administrativo-Financeira Auditoria Interna Gestão do Risco Gestão Estratégica de Compras Serviços e Compras Gerais Serviços Jurídicos Sistemas de Informação Gestão Estratégica de Recursos Humanos e de Comunicação Gestão Administrativa de RH e Relações Laborais Inovação, Qualidade, Ambiente, Segurança e Desenvolvimento Sustentável Responsabilidades Supervisão e coordenação dos processos de produção de informação financeira Verificação e avaliação da actividade desenvolvida, à luz das normas e procedimentos em vigor, numa perspectiva construtiva, identificando e avaliando os riscos dos processos e sistemas de informação dos negócios do Grupo que sejam limitativos ou impeditivos da realização dos objectivos definidos e dos fins corporativos Desenvolvimento corporativo da sensibilidade ao risco, das ferramentas e dos processos necessários para monitorizar os riscos de modo a permitir a prevenção / mitigação desses riscos Implementação de uma prática de World Class Supply Management, estabelecendo relações estáveis com os fornecedores de forma a obter melhorias globais de desempenho Gestão de compras gerais de bens e serviços comuns (através da participação na empresa MDados do Grupo J. Mello), gestão de condomínios, projectos de layouts, licenciamento e obras, redes de infra-estruturas, arquivo técnico e documental, gestão da frota, gestão de comunicações, gestão de transportes e economato Apoio jurídico Análise e coordenação das actividades de conformidade legislativa Desenvolvimento e suporte do sistema de informação corporativo, apoio aos utilizadores e melhoria dos processos dos negócios Manutenção de um Sistema de Gestão Integrado de RH Definição estratégias e politicas de RH Gestão do potencial e desenvolvimento dos Quadros Superiores Gestão do processo de contratação e integração dos Quadros Superiores Disponibilização da informação de gestão RH Apoio às Unidades de Negócio Articulação/interlocução com Grupo José de Mello Área de Recursos Humanos. Supervisão dos processos administrativos de RH Gestão de relações laborais Gestão das interfaces com organizações de Colaboradores e concepção/ coordenação dos programas de Segurança e Saúde Integração das actividades corporativas de Inovação/ Qualidade/ Ambiente/ Segurança e Desenvolvimento Sustentável Coordenação dos programas de normalização Em relação ao pelouro específico da Sustentabilidade, manteve-se a estrutura anterior. Deste modo, a função Desenvolvimento Sustentável enquadra-se no âmbito da área de Inovação, Qualidade e Sustentabilidade. Esta função concentra-se nos aspectos mais específicos da Responsabilidade Social Corporativa e tem a seguinte missão: Coordenar os apoios à comunidade na forma de donativos, patrocínios, voluntariado e em espécie. Preparar documentos de reporting, qualificação para Clientes e candidaturas relacionadas com a Responsabilidade Social Corporativa. Preparar propostas que elevem a maturidade da Efacec nas áreas da Sustentabilidade. Representar externamente a Efacec em instituições e eventos relacionados com a Sustentabilidade. 20

23 d. Elementos Éticos da Efacec Em 2009, a Efacec reforçou e reviu os seus elementos éticos principais que são a Política de Gestão (código de comportamento da organização) e o Código de Ética Pessoal e Conduta (código de deveres e direitos dos Colaboradores). No que respeita à Política de Gestão, foram revistos os Princípios e explicitados os respectivos Valores. O anterior Código de Ética (com a designação Ética no Negócio) deu lugar ao novo Código de Ética Pessoal e Conduta, que no essencial mantém os mesmos Valores corporativos. A Política de Gestão e o Código de Ética Pessoal e Conduta estão formalizados e são divulgados a todas as Partes Interessadas. Os novos Colaboradores tomam conhecimento destes elementos que também estão posteriormente disponíveis na Intranet da Efacec. Em 2009 o Código de Ética Pessoal e Conduta fez também parte de acções de desenvolvimento (efainmotion e efaevolution), que proporcionaram momentos de reflexão sobre o seu conteúdo. Do mesmo modo, a Efacec utiliza estes elementos nas suas relações com Parceiros e Clientes Relatório de Sustentabilidade

tecnologia que move o mundo

tecnologia que move o mundo tecnologia que move o mundo Capital Social: 41.641.416 Euros Sede Social: Arroteia - Leça do Balio Apartado 1018-4466-952 S. Mamede de Infesta Pessoa Colectiva: 500 091 480 Registado na C.R.C. do Porto:

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN]

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Frederico Mendes & Associados Sociedade de Consultores Lda. Frederico Mendes & Associados é uma

Leia mais

Relatório. Relatório de Sustentabilidade

Relatório. Relatório de Sustentabilidade Relatório Relatório de Sustentabilidade tecnologia que move o mundo 1 2008 Relatório de Sustentabilidade 2 Índice 1 2 3 4 5 Declaração da Gestão e Enquadramento Mensagem do Presidente do Conselho de

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 04/SI/2012 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME

NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME 15.06.2010 Institucional \ Breve Introdução A NEWVISION é uma empresa Portuguesa de base tecnológica, que tem como objectivo

Leia mais

Adenda aos Critérios de Selecção

Adenda aos Critérios de Selecção Adenda aos Critérios de Selecção... Critérios de Selecção SI Qualificação PME EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 07/SI/2010 1 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

O reforço da gestão da inovação nas empresas portuguesas CCDR Algarve 6 de Maio de 2009 Isabel Caetano COTEC Portugal

O reforço da gestão da inovação nas empresas portuguesas CCDR Algarve 6 de Maio de 2009 Isabel Caetano COTEC Portugal O reforço da gestão da inovação nas empresas portuguesas CCDR Algarve 6 de Maio de 2009 Isabel Caetano COTEC Portugal COTEC PORTUGAL - ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL PARA A INOVAÇÃO A COTEC Portugal - Associação

Leia mais

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Como as pessoas tendem a imitar os seus líderes, estes devem-se empenhar e comprometer-se com o QSSA, para servirem

Leia mais

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A.

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A. POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A. Nos termos e para os efeitos do disposto no artigo 2.º, n.º 1, da Lei n.º 28/2009, de 19

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Sistema de Incentivos às Empresas O que é? é um dos instrumentos fundamentais das políticas públicas de dinamização económica, designadamente em matéria da promoção da

Leia mais

ANA obtém certificação em quatro áreas críticas com apoio da VP Consulting

ANA obtém certificação em quatro áreas críticas com apoio da VP Consulting ANA obtém certificação em quatro áreas críticas com apoio da VP Consulting Contactos: Isabel Fonseca Marketing VP Consulting Telefone: +351 22 605 37 10 Fax: +351 22 600 07 13 Email: info@vpconsulting.pt

Leia mais

Capítulo Descrição Página

Capítulo Descrição Página MANUAL DA QUALIIDADE ÍNDICE Capítulo Descrição Página 1 Apresentação da ILC Instrumentos de Laboratório e Científicos, Lda Dados sobre a ILC, sua história, sua organização e modo de funcionamento 2 Política

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental 1 Melhoria do desempenho ambiental implementação do Sistema de Gestão Ambiental A Caixa Geral de Depósitos (CGD) tem implementado

Leia mais

Relatório de Transparência

Relatório de Transparência Relatório de Transparência Exercício de 2013 Relatório de Transparência 1. Introdução Em cumprimento do disposto no art. 62-A do Dec Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro, vem esta sociedade apresentar o seu

Leia mais

MAIOR EVENTO NACIONAL PARA O CRESCIMENTO VERDE E DESENVOLVIMENTO DAS CIDADES 04 / 06 MARÇO 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA

MAIOR EVENTO NACIONAL PARA O CRESCIMENTO VERDE E DESENVOLVIMENTO DAS CIDADES 04 / 06 MARÇO 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA MAIOR EVENTO NACIONAL PARA O CRESCIMENTO VERDE E DESENVOLVIMENTO DAS CIDADES 04 / 06 MARÇO 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA Conselho Estratégico da Green Business Week Entidades Empresas convidadas

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

PT Compras: Central de Negociação e Compras da Portugal Telecom. 17 de Junho de 2010

PT Compras: Central de Negociação e Compras da Portugal Telecom. 17 de Junho de 2010 PT Compras: Central de Negociação e Compras da Portugal Telecom 17 de Junho de 2010 Agenda Missão e História da PT Compras Centralização da Função Compras Modelo de Compras da Portugal Telecom Um Modelo

Leia mais

Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique. Programa de Acção. Luis Filipe Baptista

Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique. Programa de Acção. Luis Filipe Baptista Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique Programa de Acção Luis Filipe Baptista ENIDH, Setembro de 2013 Motivações para esta candidatura A sociedade actual está a mudar muito

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Inovar para Ganhar Paulo Nordeste Portugal tem apresentado nos últimos anos casos de sucesso em inovação; como novos produtos, serviços e modelos de

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Princípios aplicáveis ao desenvolvimento dos Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno das Empresas de Seguros As melhores práticas internacionais na regulamentação

Leia mais

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE?

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? 1 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? A globalização dos mercados torna cada vez mais evidente as questões da qualidade. De facto a maioria dos nossos parceiros económicos não admite a não qualidade.

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA Introdução Nesta edição do Catálogo de Serviços apresentamos os vários tipos de serviços que compõe a actual oferta da Primavera na área dos serviços de consultoria.

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL TIPOLOGIA DE INTERVENÇÃO 3.1.1 PROGRAMA DE FORMAÇÃO-ACÇÃO PARA PME REGULAMENTO DE CANDIDATURA PARA ENTIDADES

Leia mais

NOTA METODOLÓGICA. 1. Introdução. A presente Nota Metodológica tem como principal objetivo apresentar os seguintes pontos:

NOTA METODOLÓGICA. 1. Introdução. A presente Nota Metodológica tem como principal objetivo apresentar os seguintes pontos: NOTA METODOLÓGICA Título do trabalho: Apoio à Reflexão e Conceção de possíveis ações de Investigação e Desenvolvimento (I&D) a nível nacional e internacional do Centro das Energias Renováveis e Manutenção

Leia mais

Percepção de Portugal no mundo

Percepção de Portugal no mundo Percepção de Portugal no mundo Na sequência da questão levantada pelo Senhor Dr. Francisco Mantero na reunião do Grupo de Trabalho na Aicep, no passado dia 25 de Agosto, sobre a percepção da imagem de

Leia mais

oikos desafio de profissionalização de uma ONG gestão da mudança responsabilidade perante os stakeholders

oikos desafio de profissionalização de uma ONG gestão da mudança responsabilidade perante os stakeholders oikos desafio de profissionalização de uma ONG gestão da mudança responsabilidade perante os stakeholders João José Fernandes director geral executivo jjfernandes@oikos.pt Lisboa, 24 Junho 2008 oikos desafio

Leia mais

A Comissão de Auditoria e Controlo tem entre outras as seguintes competências:

A Comissão de Auditoria e Controlo tem entre outras as seguintes competências: RELATÓRIO DAS ACTIVIDADES DA COMISSÃO DE AUDITORIA E CONTROLO DESENVOLVIDAS NO EXERCÍCIO DE 2011 I Introdução O âmbito de actuação da Comissão de Auditoria e Controlo da EDP Renováveis, SA, como Comissão

Leia mais

Reportar o desempenho de sustentabilidade de uma empresa: O caso EDP

Reportar o desempenho de sustentabilidade de uma empresa: O caso EDP 12 de Outubro 2005 Reportar o desempenho de sustentabilidade de uma empresa: O caso EDP Neves de Carvalho EDP Energias de Portugal SA Existe globalmente uma crise de credibilidade nas instituições que

Leia mais

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Plano de Prevenção de Riscos de Gestão Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Introdução No âmbito da sua actividade, o Conselho de Prevenção da Corrupção (CPC), aprovou a Recomendação n.º 1/2009,

Leia mais

Brochura GrowUpServices

Brochura GrowUpServices Brochura GrowUpServices 1. O QUE FAZEMOS 1. Quem Somos 03-12-2015 3 1. Quem Somos A GROWUPSERVICES é uma marca da GROWUPIDEAS e que actua na área da consultoria de negócios. Entre os seus sócios acumulam-se

Leia mais

AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL -

AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL - AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL - Sónia Cardoso e Sérgio Machado dos Santos Gabinete de

Leia mais

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 A aposta no apoio à internacionalização tem sido um dos propósitos da AIDA que, ao longo dos anos, tem vindo a realizar diversas acções direccionadas para

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP 16.12.2010 REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL

Leia mais

28 PME Líder CRITÉRIOS. Bloomberg News

28 PME Líder CRITÉRIOS. Bloomberg News 28 PME Líder CRITÉRIOS Bloomberg News CRITÉ RIOS COMO CHEGAR A PME LÍDER Atingir o Estatuto PME Líder é a ambição de muitas empresas. É este o primeiro passo para chegar a PME Excelência. Saiba o que precisa

Leia mais

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados;

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados; VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos e electrónicos, oferecendo

Leia mais

FICHA TÉCNICA. TÍTULO Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Relatório de Sustentabilidade 2008

FICHA TÉCNICA. TÍTULO Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Relatório de Sustentabilidade 2008 FICHA TÉCNICA TÍTULO Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Relatório de Sustentabilidade 2008 EDITOR INAC Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Rua B Edifícios 4 e Santa Cruz Aeroporto de Lisboa

Leia mais

Informação complementar ao Relatório de Governo das Sociedades referente ao Exercício de 2007

Informação complementar ao Relatório de Governo das Sociedades referente ao Exercício de 2007 BANIF SGPS S.A. Sociedade Aberta Matriculada na Conservatória do Registo Comercial do Funchal Sede Social: Rua de João Tavira, 30, 9004 509 Funchal Capital Social: 250.000.000 Euros * Número único de matrícula

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 2009 3 ÍNDICE I INTRODUÇÃO 4 II MODELO NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 5 III ÂMBITO DE APLICAÇÃO 8 IV OBJECTIVO GERAL 8 V OBJECTIVOS ESPECÍFICOS 8 VI ESTRATÉGIAS

Leia mais

Global Incentives Solutions*

Global Incentives Solutions* Incentives Solutions Global Incentives Solutions* Informação sobre incentivos ao investimento Número 6, Outubro de 2007 *connectedthinking What s hot Assinatura dos Programas Operacionais (PO) No passado

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO Pág. 2 de 16 Se está a receber este documento, isto já significa que é alguém especial para a UEM Unidade de Estruturas Metálicas SA. Convidamo-lo

Leia mais

O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO

O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO 10 O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO António Gonçalves REVISOR OFICIAL DE CONTAS 1. Introdução O presente artigo procura reflectir o entendimento

Leia mais

CURRICULUM VITAE. Desde Janeiro 2006 Responsável pela Unidade de Negócios da Lisboagás para Lisboa e Amadora.

CURRICULUM VITAE. Desde Janeiro 2006 Responsável pela Unidade de Negócios da Lisboagás para Lisboa e Amadora. CURRICULUM VITAE Nome: Nuno Miguel de Campos Matos Vaz Neto Morada: Rua João de Oliveira Miguens, 5-5º C Código Postal e Localidade: 1350-187 Lisboa Nacionalidade: Portuguesa Telefone: +351917765911 E-mail:

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE CONFLITOS DE INTERESSES E NEGÓCIOS ENTRE PARTES RELACIONADAS DA EDP

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE CONFLITOS DE INTERESSES E NEGÓCIOS ENTRE PARTES RELACIONADAS DA EDP Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE CONFLITOS DE INTERESSES E NEGÓCIOS ENTRE PARTES RELACIONADAS DA EDP 29.07.2010 REGULAMENTO SOBRE CONFLITOS DE INTERESSES E NEGÓCIOS ENTRE PARTES RELACIONADAS

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2009

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2009 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2009 1. Introdução A Rede de Língua Portuguesa de Avaliação de Impactos (REDE) é um projeto da APAI Associação Portuguesa de Avaliação de Impactes, única filiada de língua

Leia mais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais conteúdos: Programa de formação avançada centrado nas competências e necessidades dos profissionais. PÁGINA 2 Cinco motivos para prefirir a INOVE RH como o seu parceiro, numa ligação baseada na igualdade

Leia mais

Portugal Brasil Moçambique Polónia

Portugal Brasil Moçambique Polónia www.promover.pt www.greatteam.pt Portugal Brasil Moçambique Polónia QUEM SOMOS - Prestamos serviços técnicos de consultoria de gestão e formação nos diversos setores da economia. - Presentes em Lisboa,

Leia mais

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Da União Europeia vão chegar até 2020 mais de 20 mil milhões de euros a Portugal. Uma pipa de massa, nas palavras do ex-presidente da Comissão

Leia mais

40 Anos de Internacionalização A Experiência de uma Empresa de Engenharia

40 Anos de Internacionalização A Experiência de uma Empresa de Engenharia A Experiência de uma Empresa de Engenharia Victor Carneiro Presidente da Comissão Executiva da COBA www.coba.pt Fundada em 1962, a COBA, S.A0 é hoje uma das maiores empresas de Consultores de Engenharia

Leia mais

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Participamos num processo acelerado de transformações sociais, políticas e tecnológicas que alteram radicalmente o contexto e as

Leia mais

6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes

6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes Códigos de Conduta e Ética 6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes Códigos de Conduta e de Ética ETICA COMPROMISSO CONDUTA EMPRESAS PROFISSIONAL PRINCÍPIOS INDEPENDÊNCIA DEVERES CLIENTES EXIGÊNCIAS PÚBLICO

Leia mais

Business Process Management

Business Process Management 1 Business Process Management O imperativo da eficiência operacional Na constante busca pelo aumento da eficiência operacional e diminuição dos custos, as organizações procuram optimizar os seus processos

Leia mais

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO CONVÉNIO CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO ÍNDICE FINALIDADE... 2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 CONSTITUIÇÃO E GOVERNÂNCIA... 4 FINANCIAMENTO... 5 RELATÓRIOS... 5 Ficha de Adesão ao CLUSTER

Leia mais

Consultoria de Gestão Sistemas Integrados de Gestão Contabilidade e Fiscalidade Recursos Humanos Marketing e Comunicação Consultoria Financeira JOPAC SOLUÇÕES GLOBAIS de GESTÃO jopac.pt «A mudança é a

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Exposição de motivos

PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Exposição de motivos PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Exposição de motivos Tendo em consideração que a Administração Pública tem como objectivo fundamental

Leia mais

Training Manager. Certificação PwC. 7, 14 e 21 de março. www.pwc.pt/academy. Academia da PwC

Training Manager. Certificação PwC. 7, 14 e 21 de março. www.pwc.pt/academy. Academia da PwC www.pwc.pt/academy Training Manager Certificação PwC 7, 14 e 21 de março Academia da PwC As empresas líderes analisam quais as competências necessárias para o desempenho dos seus colaboradores, implementam

Leia mais

REGULAMENTO DO CONTROLO DE QUALIDADE DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS. (Artigo 68.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro)

REGULAMENTO DO CONTROLO DE QUALIDADE DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS. (Artigo 68.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro) REGULAMENTO DO CONTROLO DE QUALIDADE DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS (Artigo 68.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro) CAPÍTULO I Objectivos e caracterização do controlo de qualidade

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

XI Congresso Nacional de Engenharia do Ambiente Certificação Ambiental e Responsabilização Social nas Organizações

XI Congresso Nacional de Engenharia do Ambiente Certificação Ambiental e Responsabilização Social nas Organizações Livro de actas do XI Congresso Nacional de Engenharia do Ambiente Certificação Ambiental e Responsabilização Social nas Organizações 20 e 21 de Maio de 2011 Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias

Leia mais

Competitividade e Inovação

Competitividade e Inovação Competitividade e Inovação Evento SIAP 8 de Outubro de 2010 Um mundo em profunda mudança Vivemos um momento de transformação global que não podemos ignorar. Nos últimos anos crise nos mercados financeiros,

Leia mais

A Nossa Oferta Formativa para a Administração Pública

A Nossa Oferta Formativa para a Administração Pública A Nossa Oferta Formativa para a Administração Pública 2011 DESIGNAÇÃO A inscrição poderá DO CURSO ser efectuada Nº através DE do PREÇO site POR www.significado.pt Para mais informações, por favor contacte

Leia mais

Implementação e Consolidação da Unidade de Serviços Partilhados. Carlos Rocha

Implementação e Consolidação da Unidade de Serviços Partilhados. Carlos Rocha Apresentação do Estudo: Serviços Partilhados na Administração Pública 20 de Outubro de 2010 Sala do Senado, Reitoria da Universidade Nova de Lisboa Implementação e Consolidação da Unidade de Serviços Partilhados

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE GRUPOS EMPRESARIAIS FAMILIARES

GESTÃO ESTRATÉGICA DE GRUPOS EMPRESARIAIS FAMILIARES GESTÃO ESTRATÉGICA DE GRUPOS EMPRESARIAIS FAMILIARES Por: Luis Todo Bom Professor Associado Convidado do ISCTE Membro do Conselho Geral do IPCG Comunicação apresentada na Conferência sobre Corporate Governance

Leia mais

ASSEMBLEIA GERAL DA MARTIFER - SGPS, S.A. 10 de Abril de 2013 PROPOSTA RELATIVA AO PONTO 7 DA ORDEM DE TRABALHOS

ASSEMBLEIA GERAL DA MARTIFER - SGPS, S.A. 10 de Abril de 2013 PROPOSTA RELATIVA AO PONTO 7 DA ORDEM DE TRABALHOS ASSEMBLEIA GERAL DA MARTIFER - SGPS, S.A. 10 de Abril de 2013 PROPOSTA RELATIVA AO PONTO 7 DA ORDEM DE TRABALHOS (Apreciar sobre a renúncia do Revisor Oficial de Contas e deliberar sobre a eleição do Revisor

Leia mais

APRESENTAÇÃO. www.get-pt.com 1

APRESENTAÇÃO. www.get-pt.com 1 APRESENTAÇÃO www.get-pt.com 1 -2- CULTURA GET -1- A nossa Visão Acreditamos que o elemento crítico para a obtenção de resultados superiores são as Pessoas. A nossa Missão A nossa missão é ajudar a melhorar

Leia mais

Revolução digital Da estratégia à gestão do risco

Revolução digital Da estratégia à gestão do risco Revolução digital Neste curso serão abordadas as melhores práticas a adoptar, da estratégia à gestão de risco, perante os desafios dos diferentes meios digitais. Porquê participar neste curso? O impacto

Leia mais

A ALD Automotive no mundo

A ALD Automotive no mundo DOSSIER DE IMPRENSA A ALD Automotive no mundo A ALD Automotive é uma empresa de Aluguer Operacional e Gestão de Frotas que integra o Grupo Société Générale, um dos grupos líderes em serviços financeiros

Leia mais

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA HOMOLOGAÇÃO: José Eduardo Carvalho 14-03- Pág. 2 de 5 A Tagusgás subscreve a Política AQS da Galp Energia. A Política AQS da Tagusgás foi definida tendo em consideração os Objectivos Estratégicos do Grupo

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2014

PLANO DE ACTIVIDADES 2014 PLANO DE ACTIVIDADES 2014 A - INTRODUÇÃO O ano de 2013 que agora termina, foi decisivo para a continuidade da Fundação do Desporto. O Governo, através do Sr. Ministro-Adjunto e dos Assuntos Parlamentares,

Leia mais

GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES

GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES FICHA TÉCNICA Organização: Câmara Municipal da Amadora, Gabinete de Acção Social Equipa Técnica: Ana Costa, Rute Gonçalves e Sandra Pereira Design/Paginação: Estrelas

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão da Qualidade

Manual do Sistema de Gestão da Qualidade Formamos Pessoas! Concebemos Soluções! Manual do Sistema de Gestão da Qualidade Elaborado por Revisto por Aprovado por GT-ISO GT-ISO DT 17 de Novembro de 2011 Código do Documento : MP_DG_MSGQ Versão 2.1

Leia mais

Regulamento do Green Project Awards

Regulamento do Green Project Awards Regulamento do Green Project Awards A GCI em parceria com a Agência Portuguesa do Ambiente e a Quercus Associação Nacional de Conservação da Natureza, institui um Prémio de reconhecimento de boas práticas

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Câmara Municipal do Funchal. Divisão de Atendimento e Informação

MANUAL DA QUALIDADE. Câmara Municipal do Funchal. Divisão de Atendimento e Informação Câmara Municipal do Funchal Divisão de Atendimento e Informação INDICE Promulgação Âmbito Exclusões Hierarquia da documentação do Sistema de Gestão da Qualidade Política da Qualidade Missão e Visão Apresentação

Leia mais

BALANCED SCORECARD NA ABORDAGEM POR PROCESSOS

BALANCED SCORECARD NA ABORDAGEM POR PROCESSOS APLICAÇÃO DA METODOLOGIA BALANCED SCORECARD NA ABORDAGEM POR PROCESSOS -1- AGENDA Quem somos Modelo de Gestão Gestão por Objectivos - BSC Conclusões e Resultados -2- AGENDA Quem somos -3- O QUE FAZEMOS

Leia mais

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE CLUSTER ENERGÉTICO DE BEJA OPORTUNIDADES SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA E CRESCIMENTO ECONÓMICO A sustentabilidade energética e climática é um desígnio estratégico duplo significado. Por um lado, desenvolvimento

Leia mais

INCENTIVOS ÀS EMPRESAS NO ÂMBITO DO QREN ABERTURA DE CONCURSOS

INCENTIVOS ÀS EMPRESAS NO ÂMBITO DO QREN ABERTURA DE CONCURSOS INCENTIVOS ÀS EMPRESAS NO ÂMBITO DO QREN ABERTURA DE CONCURSOS SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO (SI INOVAÇÃO) - INOVAÇÃO PRODUTIVA Objectivos e Prioridades O presente concurso destina-se a apoiar investimentos

Leia mais

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como SISTEMA DE DIAGNÓSTICO E AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE DESENVOLVIMENTO DAS OPORTUNIDADES DE COOPERAÇÃO EM REDE Nota: documento elaborado pela INTELI Inteligência em Inovação, no âmbito da consultadoria prestada

Leia mais

2011/07/07 MQ-01/02 01/02-2011/07/07

2011/07/07 MQ-01/02 01/02-2011/07/07 MQ-01/02 01/02-2011/07/07 2011/07/07 NOTA: No caso de imprimir este documento, o mesmo passa automaticamente a Cópia Não Controlada ; a sua utilização implica a confirmação prévia de que corresponde à

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME

CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME NATUREZA DO PROGRAMA O Programa Formação-Acção PME consiste num itinerário de Formação e Consultoria Especializada (Formação-Acção Individualizada), inteiramente

Leia mais

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ORGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E FISCALIZAÇÃO

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ORGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E FISCALIZAÇÃO POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ORGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E FISCALIZAÇÃO 1. Objectivos da Política de Remuneração dos órgãos de administração e fiscalização da Companhia de Seguros Açoreana, SA (

Leia mais

Implementação e Certificação de um Sistema I+D+I. Fev. 2008

Implementação e Certificação de um Sistema I+D+I. Fev. 2008 Implementação e Certificação de um Sistema I+D+I Fev. 2008 Medeiros genda 1. Áreas de negócio Martifer; 2. Martifer Energia Equipamentos para energia S.A.; 3. Certificações Obtidas 4. Porquê IDI? 5. Objectivo

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI)

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) Setembro de 2009/ Dezembro de 2010 Índice Introdução.. 3 Etapas de intervenção... 4 Âmbito de intervenção.. 5 Objectivos estratégicos..... 5 Metas.. 5 Equipa....

Leia mais

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas GUIA DO VOLUNTÁRIO Sociedade Central de Cervejas ÍNDICE 1. A RESPONSABILIDADE SOCIAL NA SCC: O NOSSO COMPROMISSO... 3 2. O NOSSO COMPROMISSO COM O VOLUNTARIADO... 4 2.1 A ESTRUTURAÇÃO DO VOLUNTARIADO EMPRESARIAL...

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

Governo societário de Sistemas de Informação

Governo societário de Sistemas de Informação Governo societário de Sistemas de Proposta de princípios e recomendações para o governo societário de Sistemas de «Governo do Sistema de : O conjunto de práticas relativas à tomada de decisões políticas

Leia mais

Apresentação. Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares. Oliveira de Azeméis Novembro 2007

Apresentação. Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares. Oliveira de Azeméis Novembro 2007 Apresentação Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares Oliveira de Azeméis Novembro 2007 Apresentação SABE 12-11-2007 2 Apresentação O conceito de Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares (SABE) que se

Leia mais

Regulamento do EDP University Challenge 2011. EDP como empresa global de energia, líder em criação de valor, inovação e sustentabilidade.

Regulamento do EDP University Challenge 2011. EDP como empresa global de energia, líder em criação de valor, inovação e sustentabilidade. Regulamento do EDP University Challenge 2011 EDP como empresa global de energia, líder em criação de valor, inovação e sustentabilidade 2ª Edição Artigo 1º Objectivo do prémio 1. O EDP University Challenge

Leia mais

Sistemas de Incentivos

Sistemas de Incentivos Sistemas de Incentivos Apoios para PME na colaboração com entidades do SCT Lurdes Pinho (Secretária Técnica Sistemas de Incentivos ON.2) 1 Enquadramento 2 Estrutura ON.2 Eixo Prioritário FEDER % PO I -

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA

RELATÓRIO DE AUDITORIA Entidade Auditada: BIBLIOTECA MUNICIPAL SANTA MARIA DA FEIRA Tipo de Auditoria: Auditoria Interna Data da Auditoria: 09.12.2014 Duração: 1 dia Locais Auditados: Av. Dr. Belchior Cardoso da Costa / 4520-606

Leia mais

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva centro tecnológico da cerâmica e do vidro coimbra portugal Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva Victor Francisco CTCV Responsável Unidade Gestão

Leia mais

Amarante, 06 de Março de 2012 Centro de Desenvolvimento Empresarial do Norte

Amarante, 06 de Março de 2012 Centro de Desenvolvimento Empresarial do Norte Incentivos às empresas Amarante, 06 de Março de 2012 Centro de Desenvolvimento Empresarial do Norte Os Incentivos na estratégia do IAPMEI para as PME Facilitar e assistir as PME nas suas estratégias de

Leia mais

Neves & Freitas Consultores, Lda.

Neves & Freitas Consultores, Lda. A gerência: Cristian Paiva Índice 1. Introdução... 3 2. Apresentação... 4 2.2 Missão:... 4 2.3 Segmento Alvo... 4 2.4 Objectivos... 5 2.5 Parceiros... 5 2.6 Organização... 5 3. Organigrama da empresa...

Leia mais

Uma Questão de Atitude...

Uma Questão de Atitude... Uma Questão de Atitude... Catálogo de Formação 2014 1 Introdução 3 Soluções de Formação 3 Áreas de Formação 4 Desenvolvimento Pessoal 5 Comercial 12 Secretariado e Trabalho Administrativo 15 Indústrias

Leia mais

Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013

Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013 Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013 UNIÓN EUROPEA 1 de junio de 2011 3. SUMÁRIO EXECUTIVO A avaliação do Plano de

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE Aprovado em 18 de Junho de 2015 REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE ÍNDICE Artigo 1.º Instituição

Leia mais

Planeamento Estratégico. Estratégia, as Pessoas e a Melhoria Contínua

Planeamento Estratégico. Estratégia, as Pessoas e a Melhoria Contínua Planeamento Estratégico Estratégia, as Pessoas e a Melhoria Contínua AGENDA 1. O Grupo Martifer 2. As Pessoas 4. A Estratégia 5. Monitorização Ferramenta Balance Scord Card 2 GRUPO MARTIFER Dimensão: Mais

Leia mais