Comunicado aos alunos. Duvidas mandar para: Livros: Informática para Concurso Público vol.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Comunicado aos alunos. Duvidas mandar para: profanadeinformatica@yahoo.com.br. Livros: Informática para Concurso Público vol."

Transcrição

1 Comunicado aos alunos Duvidas mandar para: Livros: Informática para Concurso Público vol. I e II Questões Comentadas (AFRF/2005, TRF/2005, TCM SP/2006, ICMS SP/2006, ICMS PB/2006, ICMS MT SUL/2006, BANCO DO BRASIL SP/2006, BANCO DO BRA- SIL DF/2006, BANCO DO BRASIL MS MT e TO/2006, CAIXA ECONOMICA FEDE- RAL/2006, TRE SP/2006, AUDITOR FISCAL DO TRABALHO/2006, IBGE/2006, TRANSPETRO/2006). Ambos no site no site, click em LIVROS, escolher a PESQUI- SAR POR NOME DO AUTOR, na janela buscar, digitar ANA LUCIA CASTILHO, click enter. A pesquisa deve ser feita por nome de autor, pois tenho livros em editoras diferentes. BLOG: DICA: Copie as mensagens publicadas p/ seu disco rígido, é um bom material p/ estudo, escolhi as perguntas que o examinador faria na prova p/ vc., através do procedimento: posicione o ponteiro do mouse no inicio do texto que se quer copiar, aperte o botão da direita, arraste o ponteiro até onde quer; Ctrl C (copiar) e Ctrl V (colar) em um editor de texto. Não esqueça de salvar. BOA SORTE NA PROVA - 1

2 Yvane Mossoró-RN Olá querida profa. Sou do curso de Analista MPU da unidade LFG na cidade de Mossoró-RN.Parabenizo-a pelo excelente trabalho e didática aplicados nas aulas,com certeza, além de passar seu recado,desmistifica o assunto polêmico e por vezes dificílimo nas provas que é a Informática.Aulas prazerosas que nos dá com tanto humor,nos faz esquecer da tão árdua tarefa de aprender e assim tornar-se fáceis de assimilar. A dúvida é em relação a aula de 07/12 a respeito das memórias e variações da ROM.Você citou 3 variações de memórias ROM.Onde se encaixa a memória Flash ROM ou FEPROM citada no livro do prof.joão Antônio como sendo a 4a. variação da ROM? Abraço! Querida professora, Vamos só lembrar: Memória Flash ROM Pode ter o seu conteúdo apagado eletricamente. Com isto, é possível gravar e apagar o conteúdo da memória mesmo com a memória instalada no circuito (desde que o circuito seja construído com estas funções, é claro). Tornase, com isto, muito mais prático apagar e reprogramar este tipo de memória ROM, pois não é necessário remover a memória do circuito nem expô-la à luz ultra-violeta, como ocorre com a EPROM. A diferença da Flash-ROM para a EEPROM é que na Flash-ROM não é possível apagar somente um determinado endereço dentro da memória e reprogramar apenas um dado, isto é, na Flash-ROM é necessário reprogramar toda a memória, mesmo quando desejamos alterar apenas um único dado. É importante notar que, apesar de determinados tipos de memória ROM poderem ter seus dados apagados e escritos novamente pelo fabricante, isto não "transforma" uma memória ROM em RAM, pois, o procedimento de gravação de um novo programa dentro de uma ROM é um procedimento relativamente demorado, ao contrário do que ocorre na RAM, onde um novo dado gravado é imediatamente armazenado no interior da memória. FEPROM (FLASH ERASABLE PROGRAMMABLE READ ONLY MEMORY) Tipo de memória não volátil similar à EEPROM, mas onde o apagar só pode ser feito em blocos ou no chip completo. EEPROM (ELECTRICALLY ERASABLE PROGRAMMABLE READ ONLY MEMORY) Dispositivo de armazenamento não volátil que usa uma técnica de anulação ou reprogramação de bytes ou words electricamente, durante a operação normal do sistema. Em contraste com a RAM, a escrita demora mais tempo do que a leitura, para não falar de um custo maior e de uma maior densidade. É apropriada para o armazenamento de pequenas quantidades de dados cuja alteração não é frequente (ex: configuração do hardware). Portanto, Memória Flash ROM é tipo de memória ROM que pode ter seus dados apagados e escritos novamente pelo fabricante, isto não "transforma" - 2

3 uma memória ROM em RAM. FEPROM similar à EEPROM. Então a Memória Flash ROM não é FEPROM, cuidado c/ as definições. Desculpe a demora muito serviço. Caso tenha mais duvidas ou não entendeu escreva outra vez. Só uma colocação final, não citei a FEPRON na aula ou apostila, pq. Não cai p/ o usuário final que vai fazer prova, só p/ o técnico, vc(s) já tem muita coisa p/ estudar, ficar perdendo tempo não dá. Grata Profa ANA de Informática Marta Denise As questões são referentes a prova do TRF 1ª região aplicada no dia 03 de Dezembro de 2006 Questão 16 Por que ao item I está correto? Está errada mesmo, certo II e III. Questão 19 O WWW é conceito de hipertexto? Por que na apostila está como recurso de pesquisa. Correto, recurso de pesquisa é o recurso mais utilizado mas pelo fato de ser um sistema tem mais de uma utilização. Caso não tenha entendido escreva outra vez, se eu demorar, motivo muito trabalho. obs: Em anexo a prova. grata Grata Profa ANA de Informática Rosiane B. de Souza Curitiba-PR. Prezada Profª Ana: Na apostila de informática que baixei do site LFG, os números dos exercícios, bem como as respectivas páginas que se encontram, não correspondem com os efetuados na aula do último dia 07/12/2006 (19:00 às 22:45). O material do site é datado de 12/08/06. Gostaria de saber se a apostila é essa mesmo ou se existe alguma versão mais atualizada. Sem mais, agradeço a atenção dispensada. Não é a sua apostila, essa foi usada no curso da PF, foi bom vc. avisar. Estou passando o e_mail das pessoas responsaveis, sem contar que estou mando uma cópia do e_mail p/ elas. - 3

4 E_mails dos responsaveis:juliana Milki IFG Fernanda Braga - Pedagógico - LFG Andréa coordenadora IFG Grata Profa ANA de Informática Profª Ana: Acuso, nesta data , a resolução do problema da apostila. No site LFG, a- pós realização do login, fui em calendário 2006/ Meta Final Analista MPU- e consegui baixar o material de apoio, inclusive a apostila de Informática. Agradeço sinceramente a atenção dispensada. Rosiane B. de Souza. Ok Grata Profa ANA de Informática Leticia Araujo Pereira Olá!!! Professora Ana Lúcia. Quero lhe dar parabéns pela didática e pela excelente aulas de técnico do MPU (LFG). Você domina o assunto e isso nos dá segurança. Você é !!! Gostaria que você mandasse para o meu o material da aula de técnico do MPU, já que eu não consigo abrir o material do site não sei o porquê. Tenho me saído muito bem nas provas de Informáticas dos concursos que eu tenho feito no meu Estado, tudo graças à você. Muito Obrigado. Não vejo a hora de navegar no seu blog. Já me falaram que é ótimo. Aguardo o material do técnico do MPU. Um grande abraço e muitas felicidades!!! Eu não posso mandar o material p/ vc., mas estou enviando seu e_mail a coordenação p/ eles enviarem a vc. Caso vc. quera falar com eles, os e_mails são: Juliana Milki IFG Fernanda Braga - Pedagógico - LFG Andréa coordenadora IFG Grata Profa ANA de Informática - 4

5 Infoco Foz. Bom dia Professora Ana Por favor poderia informar onde os alunos para analista judiciario poderiam encontrar sua apostila? ou então poderia nos enviar? obrigada OK, segundo o que o pedagogico, está na área reservada ao aluno, mas vou mandar seu e_mail p/ o pedagogico. Inclusive vc(s) mesmo podem escrever p/ eles. Os e_mails: Juliana Milki IFG Fernanda Braga - Pedagógico - LFG Grata Profa ANA de Informática Rodrigo Julião Palmas Tocantins Boa noite professora, meu nome é Rodrigo e moro em Palmas Tocantins e estudo há 2 anos para agente da Polícia Federal e já me considero um bom concorrente. Mas estou começando a estudar também para perito em informática da PF. E estou desesperado por material para perito. Eu só consigo livros acadêmicos que tem outro foco! Você pode me ajudar. Obrigado OK, Informática para Concurso Público vol. I e II Que aborda os seguintes assuntos: Fundamentos (CPU; MEMÓRIAS; PERIFÉ- RICOS; BACKUP; SITEMA DE NUMERAÇÃO, etc); Comunicação de Dados (VoIP, Bluetooth, Banda Larga, ADSL, etc); Redes (Internet, Intranet, Extranet, Wi-Fi, VPN); Segurança na Rede (Aspectos Legais, Auditoria, SYWARES, PHISHING SCAN, SSL, etc); Programas: Comerciais (Windows, todas as versões; Word; Excel; Power Point; Internet Explorer; etc), Livres (LINUX; O- PEN OFFICE, WRITER, CALC, BASE, IMPRESS, DRAW, MATH); Programação (Da estrutura a Orientada a Objeto); Analise (Ciclo de Vida do Sistema, do Clássico ao Espiral, CMM, PSP, SPICE, RUP, UML, etc. ); Ferramentas utilizadas para construção de um Sistema (Dbf, DER, Top-Down, etc. ); Banco de Dados ( SGBD, SQL, Oracle, Datawarehouse, OLAP, DB2, etc.); Outros Assuntos: Engenharia de Software, Ferramentas para o desenvolvimento CASE, Conceito de Orientação a Objeto, Sistema de Informação, Sistemas Operacionais (DOS, MVS, LINUX avançado), Arquitetura de Máquina, Sistemas de Numeração e suas operações, Tipos de Protocolos, Software Livre na Administração Pública Brasileira. - 5

6 No site no site, click em LIVROS, escolher a PESQUI- SAR POR NOME DO AUTOR, na janela buscar, digitar ANA LUCIA CASTILHO, click enter. A pesquisa deve ser feita por nome de autor, pois tenho livros em editoras diferentes. Principalmente o volume II, é só p/ técnicas. Grata Profa ANA de Informática Ana Priscila Amapá Olá professora Ana! Sou sua aluna aqui do Amapá (longe né!!) - Analista MPU - e não consigo acessar seu material pelo site do lfg, por isso, solicito a sra, isto é, se possível, o envio de cópia do seu material via , pois vamos ter aula na segunda dia 11 e fica complicado acompanhar a aula sem o material de apoio. obrigada!! Eu não posso mandar o material p/ vc., mas estou enviando seu e_mail a coordenação p/ eles enviarem a vc. Caso vc. quera falar com eles, os e_mails são: Juliana Milki IFG Fernanda Braga - Pedagógico - LFG Andréa coordenadora IFG Grata Profa ANA de Informática Francis Bom dia prof. Ana, Gostaria de saber o que é uma janela pop-up. No meu computador, qdo eu abro uma determinada janela de internet, diz que o Pop-Up tá bloqueado. O que é isso? Obrigada, OK, alguns sites são programados para abrir caixas com propaganda e demais assuntos que podem atrapalhar a produtividade. Essas caixas são chamadas de pop-ups. Muito cuidado c/ os pop-ups, pois pode trazer phishing scam, uma pessoa mal-intencionada tenta obter informações como números de cartões de crédito, senhas, dados de contas ou outras informações pessoais convencendo você a fornecê-las sob pretextos enganosos. Portanto é bom bloquer qualquer pop-ups. - 6

7 Só uma pergunta, onde vc. assistiu aula comigo? Grata Profª ANA de Informática Juliana Granville Curitiba/PR Desculpe a demora, muito trabalho. Em anexo, um texto sobre DVD que eu gosto muito, creio que vai tirar suas duvidas. Caso tenha mais duvidas ou não entendeu, escreva outra vez. Grata Profª ANA de Informática O texto que estava em anexo. Tipos de DVD Introdução Ao comprar um gravador de DVD ou mídias de DVD para gravação, muita gente fica confusa com tanta variedade: DVD-RAM, DVD-ROM, DVD-R, DVD+R, DVD-RW e DVD+RW. Ainda há nomes como Dual Layer, Double Layer e tecnologias mais recentes, como HD-DVD e Blu-ray. Afinal, qual a diferença entre cada tipo? Qual escolher? Por que existe tanta variedade? É o que você verá a seguir. DVD em mídia CD é chamado de mini-dvd mais nem todos os DVD players tocam. O NERO faz isso para você. Os mini-dvd são DVD de diametro reduzido, da mesma forma que os mini-cd O que é DVD (Digital Versatile Disc ou Digital Video Disc) É um tipo de mídia para armazenamento de dados ou para ser usado em aplicações multimídia. Do mesmo tamanho que um CD comum, o DVD surpreende logo de início por sua alta capacidade de armazenamento dados, feito possível graças a algumas técnicas no processo de gravação. Todos os esquemas e normas de desenvolvimento do DVD são mantidos pelo grupo DVD Forum (www.dvdforum.org), entidade formada pelas principais companhias que atuam nesse mercado. A maioria delas são indústrias de eletrônicos. - 7

8 No início de seu desenvolvimento, a intenção dos fabricantes era conseguir mercado voltado às aplicações de vídeo, até então dominada pelas tradicionais fitas VHS. Com isso, o DVD conseguiu obter sucesso rapidamente, mas enfrentou vários problemas também: os primeiros DVDs (com 4,7 GB, conhecidos por DVD-5) produzidos foram testados em vários modelos de equipamentos, de diversos fabricantes e apresentaram alguns problemas relacionados com a qualidade de vídeo. Dependendo da marca, o disco nem era lido. Graças aos problemas iniciais, melhorias foram sendo disponibilizadas, até que os fabricantes começaram a ter expectativa de que os CDs fossem perdendo espaço no mercado e o DVD começasse a tornar-se um padrão definitivo de armazenamento e para aplicações de vídeo, o que vem ocorrendo de forma progressiva. Os tipos de DVD O DVD (Digital Versatile Disc ou Digital Video Disc) tirou, com merecimento, o lugar das tradicionais fitas VHS em aplicações de vídeo. Com os custos cada vez menores dos gravadores e mídias, agora é a vez dos CDs graváveis e regraváveis (CD-R e CD-RW, respectivamente) perderem parte de seu mercado. O problema é que, ao contrário do que acontece com os CDs, os DVDs possuem vários tipos de mídia. Veja os mais comuns: :: DVD-ROM O DVD-ROM é o tipo mais comum, pois é usado, por exemplo, para armazenar filmes. Assim como um CD de programa ou de música, já vem com seu conteúdo gravado de fábrica. Não é possível apagar ou regravar dados nesse tipo de DVD. :: DVD-RAM Este é um tipo de DVD gravável e regravável. Sua principal vantagem em relação aos outros padrões é sua vida útil: um DVD-RAM suporta mais de 100 mil gravações, sendo muito útil para backups (cópias de segurança) periódicos. Além disso, esse tipo de DVD geralmente pode ser usado sem um programa de gravação, como se fosse um HD. Os primeiros DVDs do tipo possuíam 2,9 GB de capacidade e ficavam dentro de uma capa protetora, devido a sensibilidade da mídia à sujeira e a marcas de dedo. Versões seguintes surgiram oferecendo capacidade de gravação de 4,7 GB à 9,4 GB, não necessitando mais de tal capa. - 8

9 Mídia DVD-RAM :: DVD-R Este tipo é um dos que tem maior aceitação nos mais diversos aparelhos. É a melhor opção para a gravação de filmes, pois é aceito por praticamente todos os DVDplayers, com exceção para alguns dos primeiros modelos. O DVD-R, assim como o seu antecessor CD-R, só aceita gravação uma única vez e, após isso, seus dados não podem ser apagados. Sua capacidade de armazenamento padrão é de 4,7 GB. :: DVD+R Este tipo é equivalente ao DVD-R, inclusive na capacidade de armazenamento, que é de 4,7 GB. O DVD+R também só pode ser gravado uma única vez e não permite a eliminação de seus dados. O que o DVD-R tem de diferente do DVD+R, então? Pouca coisa, sendo a principal diferença o fato dos dados gravados em um DVD+R serem mais rapidamente acessados do que em um DVD-R, característica proveniente do processo de fabricação deste último, que é ligeiramente distinto. Mesmo assim, essa diferença no acesso aos dados é pouco perceptível, pelo menos é o que acusou os testes feitos aqui no InfoWester. :: DVD-RW O DVD-RW é equivalente ao CD-RW, pois permite a gravação e a regravação de dados. A grande maioria dos DVD-players recentes são totalmente compatíveis com DVD-RW, mas exigem que a mídia esteja fechada para executar filmes. Mídia "aberta" significa que você pode inserir dados de maneira gradativa, como em um disquete. Porém, se você fechá-la (isso é feito através do software de gravação), a gravação de novas informações é impossibilitada, sendo necessário formatar o DVD-RW para reutilizá-lo. Assim como seu "irmão" DVD-R, a capacidade de armazenamento padrão do DVD-RW é de 4,7 GB. :: DVD+RW Este formato tem quase as mesmas características do seu rival DVD-RW, inclusive na capacidade de armazenamento, cujo padrão também é de 4,7 GB. No DVD+RW também é necessário fechar a mídia para a execução de filmes em DVD-players. Na prática, sua diferença em relação ao DVD-RW está na velocidade de gravação ligeiramente maior e na possibilidade de uso de tecnologias como "Lossless linking" e "Mount Rainier" que permitem, respectivamente, interromper uma gravação sem causar erros e alterar dados de apenas um setor sem necessidade de formatar o disco. - 9

10 Dual Layer e Double Layer Se você acha que 4,7 GB de capacidade em um disco como o DVD é muita coisa, saiba que é possível ter quase o dobro com tecnologias como Dual Layer e Double Layer. Um DVD que tenha Dual Layer (também conhecido como DVD-9) é capaz de armazenar 8,5 GB de dados por padrão. Isso é possível graças à aplicação de duas camadas de dados em um único lado da mídia. Para isso, uma camada é feita de um material que dá efeito de "semi-transparência", permitindo que o laser do a- parelho consiga acessar a segunda camada "atravessando" a primeira. Até o fechamento deste artigo, a tecnologia Dual Layer estava disponível apenas em DVDs graváveis, isto é, em DVD-R e em DVD+R. Havia rumores de que o mesmo aconteceria com mídias regraváveis (DVD-RW e DVD+RW), mas nada havia sido confirmado até então. E a tecnologia Double Layer? Há quem pense que mídias Double Layer são aquelas que permitem gravação em ambos os lados do DVD. Porém, isso é um engano. Mídias assim são denominadas "double side" ou "face dupla". A tecnologia Double Layer é, na verdade, equivalente ao padrão Dual Layer. O que acontece é que o primeiro tipo é a denominação padrão do DVD-R que possui tal tecnologia (também chamados de DVD-R DL). O segundo, por sua vez, é aplicado em mídias DVD+R. Você vai entender o motivo dessa duplicidade no próximo tópico. DVD Forum X DVD Alliance DVD+R Double Layer Agora que você já conhece os tipos de DVDs mais importantes, deve estar querendo saber o motivo de tamanha variedade. A resposta, em poucas palavras, está em uma disputa entre duas entidades: DVD Forum e DVD+RW Alliance. O consórcio DVD Forum é formado por gigantes como Time Warner, Pionner e Toshiba para apoiar as especificações dos padrões DVD-ROM, DVD-RAM, DVD-R e DVD- RW. Por sua vez, o consórcio DVD+RW Alliance (ou DVD Alliance) foi constituído inicialmente por empresas como Dell, HP e Sony para apoiar outros padrões de DVD, cuja diferenciação é feita pelo sinal de positivo nos nomes (DVD+R e DVD+RW) e pelo uso do termo "Double Layer" nas mídias com duas camadas. O DVD Forum detém os direitos sobre o logotipo (visto abaixo) da tecnologia DVD, razão pela qual os fabricantes de DVD+R e DVD+RW não inserem essa imagem nas embalagens de tais produtos. Todavia, algumas dessas empresas exibem um logotipo com os dizeres RW em tais mídias, mesmo naquelas que são somente graváveis (DVD+R), o que pode gerar confusão. - 10

11 Os dois grupos começaram a disputar mercado, cada qual defendendo seus formatos. Isso fez com que alguns fabricantes disponibilizassem gravadores de DVDs compatíveis apenas com DVD-R/RW e outros o fizessem somente para os formatos DVD+R/RW. Quem venceu essa disputa? Ninguém. Todos os padrões oferecidos acabaram sendo bem aceitos. Eis a razão da existência de tantos formatos. Como as empresas não demoraram a se dar conta disso, é cada vez mais comum encontrar gravadores de DVD compatíveis com todos os formatos (o que fez com que a maior parte de tais companhias apoiasse os dois consórcios). Para evitar problemas de incompatibilidade, é recomendável adquirir esse tipo de aparelho. - 11

12 Outros tipos Há outras tecnologias que são semelhantes ao DVD no mercado. Por exemplo, a Sony utiliza uma mídia denominada UMD (Universal Media Disc) em seu console PSP (PlayStation Portable). Porém, há dois padrões que merecem destaque porque podem ser os substitutos do DVD de maneira definitiva: o HD DVD e o Blu-Ray. Abaixo, uma descrição breve de ambas as tecnologias: :: HD-DVD O HD-DVD (High Definition Digital Versatile Disc) foi desenvolvido graças ao trabalho conjunto de várias empresas, entre elas Toshiba e Microsoft. Sua capacidade padrão de armazenamento de dados é de 15 GB (ou 4 horas de vídeo em alta definição) ou 30 GB, no caso de mídias com duas camadas. Como o próprio nome indica, seu uso é apropriado para aplicações de vídeo com alta qualidade de imagem. A tecnologia HD-DVD é tido como um dos possíveis sucessores do DVD pelos seguintes motivos: - É aprovado pelo consórcio DVD Forum; - A estrutura de um HD-DVD é semelhante ao de um DVD convencional, inclusive na espessura da camada de gravação, que é de 0,6 mm, barateando os custos de fabricação; - O HD-DVD tem melhor proteção contra cópias, para a alegria de Hollywood. :: Blu-Ray A tecnologia Blu-ray foi desenvolvida pela Blu-ray Disc Association (DBA), entidade formada por empresas como LG, Pionner, Sony, Samsung, Dell e HP. Assim como o HD-DVD, tem grande potencial para ser o substituto natural do DVD. Seu principal diferencial é sua capacidade de armazenamento de dados: 25 GB em uma única camada, equivalente a 6 horas de vídeo em alta definição. O nome dessa tecnologia é oriundo de seu laser de 405 nanômetros (o DVD utiliza laser de 650 nanômetros, aproximadamente) de cor violeta, que permite gravar mais dados em uma mídia do mesmo tamanho de um CD, já que o feixe é mais fino. A denominação "Blu-ray" faz referência ao termo "raio azul". Na verdade, azul em inglês é blue, mas a letra "e" foi retirada do nome porque em alguns países a expressão "blue ray" é comumente usada, sendo proibido registrá-la. Finalizando - 12

13 Como nenhum tipo de DVD possui características fortemente negativas, o melhor é ter um aparelho compatível tanto com DVD-ROM, DVD-RAM, DVD-R e DVD-RW, quanto com DVD+R e DVD+RW, pois até no preço essas mídias são parecidas. No entanto, para aparelhos mais antigos, talvez seja melhor priorizar o DVD-R/RW, pela chance da compatibilidade ser maior.se você deseja saber mais sobre DVD, as seguintes referências para este artigo são recomendáveis: Gravador Sony DRU- 820A: compatível com todos os formatos - DVD Forum; - DVD+RW Alliance; - Wikipedia. Tipos de DVD Fórum O grupo DVD Fórum criou alguns formatos para a fabricação de mídias DVD. A diferença entre os formatos esta na capacidade de armazenamento. Além do DVD-5, já citado anteriormente e que conta com 4,7 GB, tem-se o DVD-9 (8,5 GB) e o DVD-10 (9,4 GB). Este último é, na verdade, dois DVD-5 fundidos. Explica-se: no DVD-10 os dois lados da mídia são usados. Como cada lado possui 4,7 GB, logo tem-se 9,4 GB de capacidade de armazenamento. O grande problema do DVD-10 - e que certamente o fez não ser popular - foi o fato de não ser possível utilizar um de seus lados para escrita. Além disso, na maioria dos aparelhos leitores é necessário trocar o DVD de lado, caso um chegasse ao final, assim como acontecia com os clássicos discos de vinil. O DVD-9, por sua vez, se apresentou como uma solução: até então praticamente ignorado, ele tem um grande diferencial: 8,5 GB de capacidade de armazenamento em um único lado do disco. Explica-se: esse tipo usa duas camadas (Dual Layer) onde podem ser armazenados dados. Elas ficam fundidas, podendo apenas ser distinguidas pelo laser do aparelho leitor. Este primeiro lê a camada externa e então, se for o caso, atravessa essa camada até chegar à interna. Isso tornou-se possível ao se fundirem 2 discos cujas faces se encontram voltadas para o mesmo lado. Esse tipo de DVD não é tão popular porque o processo de fusão entre as camadas é extremamente complicado e portanto, caro. Conforme pode ser visto abaixo, existem outros tipos de DVD, além dos que já foram citados. Repare que o nome dos tipos é diferenciado por um número (DVD-5, DVD-9, etc). O número escolhido é correspondente ao valor aproximado da capacidade de armazenamento de cada tipo. Assim, DVD-5 tem esse nome porque esse tipo suporta 4,7 GB de armazenamento (4,7 é um valor próximo de 5). DVD-18 tem esse nome porque esse tipo suporta pouco mais de 17 GB de armazenamento e assim por diante. - 13

14 Tipo Face Nº de camadas DVD-5 simples 1 4,7 DVD-9 simples 2 8,5 DVD-10 dupla 1 9,4 DVD-14 dupla 1 em uma face e 2 na outra Capacidade em GB 13,2 DVD-18 dupla 2 17 O porquê de tanta capacidade O DVD-5, conforme já foi dito, possui 4,7 GB de espaço. Um CD comum tem 650 MB de capacidade, porém possui as mesmas dimensões que o DVD. Sendo assim, como é possível ao DVD ter tamanho poder de armazenamento? A "mágica" ocorre no processo de fabricação da mídia do DVD, onde o espaçamento entre as trilhas foi reduzido de 1,6 mícrons (usado nos CDs) para 0,74 mícrons. Já o menor tamanho do dado que pode ser gravado na superfície do disco caiu de 0,83 (usado nos CDs) para 0,40 mícrons. Por fim, o comprimento de onda do laser dos aparelhos leitores caiu de 780 nanômetros (usado com CDs) para aproximadamente 650 nanômetros, o que é suficiente para a leitura. Como o feixe do laser é menor, a camada protetora do DVD tem que ser mais fina, do contrário o laser não conseguiria atravessá-la. Controle geográfico As empresas de filmes são as principais beneficiárias do DVD atualmente, principalmente pelo fato dessa tecnologia ter substituído as tradicionais fitas VHS. No entanto, tais companhias se uniram para criar uma divisão geográfica, onde um DVD fabricado em uma determinada região não funciona nas outras, numa tentativa de amenizar a pirataria. Essa divisão é feita em seis partes, conforme mostra a tabela abaixo. Se por exemplo, um DVD fabricado no Canadá (região 1) for lido em um aparelho fabricado no Japão, o DVD não será acessível. Para que isso seja possível, é dado aos a- parelhos leitores de DVD um código da região na qual ele foi vendido. Assim, o aparelho só rodará filmes que tiverem o código da região compatível com ele. Vale citar que se o disco não possuir nenhum código, poderá rodar em qualquer drive de DVD, em qualquer parte do mundo. Também vale dizer que um disco pode ter mais de um código, podendo rodar nas regiões correspondentes. Veja abaixo, as 6 divisões regionais existentes para o uso dos DVDs: Região Continentes/países - 14

15 1 Estados Unidos e Canadá. 2 Europa, África do Sul, Oriente Médio e Japão. 3 4 Sudeste e leste da Ásia, incluindo Hong Kong. infowester América Central e do Sul, Caribe, Austrália, Nova Zelândia e Ilhas do Pacífico. 5 Rússia, Índia, África, Coréia do Norte e Mongólia. 6 China. Finalizando Os DVDs não são usados apenas para a distribuição de filmes. Sua utilização nos computadores cresce constantemente, devido ao acesso cada vez menos custoso a aparelhos e mídias graváveis e regraváveis. Para tirar proveito dessa tecnologia, é importante conhecer os tipos de DVD existentes atualmente. Para isso, leia este artigo do InfoWester, que trata justamente desse assunto, e pode ser tido com uma continuação deste texto Tatyanne Marinelle Corrêa MS Olá Ana! Sou da "área de informática", entre aspas mesmo... pois praticamente não atuei na área desde que me formei em 1996, ao menos não com programação nem desenvolvimento, em outras áreas fiz poucas coisas, mas gostaria de relembrar aquilo que alguma vez aprendi na vida e aprender tudo que é novo para mim pois informática é muito dinâmica e eu tinha ficado estática no tempo. Pretendo fazer concursos nesta área (principalmente por que além de ser mais bacana trabalhar com informática ao invés de trabalhar com montanhas de processos - como eu trabalho hoje - a concorrência é bem menor...) E aí que gostaria de saber se posso contar com sua ajuda pois o programa para área específica de informática especialmente para nível superior é bem mais ampla... O que poderia fazer para me a- - 15

16 judar a voltar a este mundo da informática dominando todas as informações que são necessárias ao conhecimento que é explorado pelos examinadores...??? Primeiramente gostaria de passar (classificada é claro) para o MPU e tribunais como TRE s por exemplo minha intensão é garantir uma vaga... por isso em nível de ensino médio (que a muito tempo estou estudando as matérias de direito) pretendo continuar prestando para técnico área administrativa que tem mais vagas... Mas ao mesmo tempo quero arriscar para nível superior na área de informática. Futuramente quando já tiver alcançado mais conhecimentos de informática quero prestar para o TCU e para Perito da Polícia Federal (que você também quer) ambos para nível superior em informática a carreira é ótima... Então o que me diz??? Exploraria as questões de concursos de informática comigo mesmo que eu fizesse as perguntas mais medíocres imaginais e inimaginaveis? Faço uma proposta para você: Se eu conseguir uma vaga na área de informática destes concursos que mencionei o primeiro salário que eu receber é seu! Eu sei que eu consigo, mas também sei que sozinha sem ter o apoio e os ensinamentos de alguém que tenha o conhecimento que você tem eu não vou a lugar nenhum... Espero poder contar com sua ajuda. Comprei um de seus livros o Vol. II, não há estoque do Vol. I na Saraiva como falou, encomendei no ESUD - rede LFG de MS - que é mais barato... mas eles já falaram que está em falta e não sabem quando irá chegar... Gostaria de saber sobre seu livro de questões comentadas... ele abrange questões de concursos específicos para área de informática? Ps. Tentei acessar a ESAF para ver a prova que você comentou mas parece que a prova será dia 17/12 ainda... Oi, gostaria de te ajudar, mas não tenho tempo, é muito trabalho. Mas o livro que vc. comprou, é o resumo que o técnico tem que saber p/ prova de informática, o volume I é mais basico. Somando c/ a apostila e o livro de questões comentadas, vc. terá quase 75 % dos assuntos que cairam na prova. DICA: Copie as mensagens publicadas p/ seu disco rígido, é um bom material p/ estudo, através do procedimento: posicione o ponteiro do mouse no inicio do texto que se quer copiar, aperte o botão da direita, arraste o ponteiro até onde quer ; Ctrl C ( copiar ) e Ctrl V ( colar ) em um editor de texto. Não esqueça de salvar. - 16

CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO INFORMÁTICA BÁSICA AULA 05. Docente: Éberton da Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com 25/06/2014

CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO INFORMÁTICA BÁSICA AULA 05. Docente: Éberton da Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com 25/06/2014 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE INFORMÁTICA BÁSICA AULA 05 Docente: Éberton da Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com 25/06/2014 Armazenamento Secundário BENEFÍCIOS

Leia mais

ARMAZENAMENTO SECUNDÁRIO

ARMAZENAMENTO SECUNDÁRIO ARMAZENAMENTO SECUNDÁRIO ARMAZENAMENTO SECUNDÁRIO Benefícios do Armazenamento Secundário: Espaço: grande quantidade de espaço disponível; Confiabilidade: altamente confiável; Conveniência: usuários autorizados

Leia mais

Desafio 1 INFORMÁTICA PARA O TRT

Desafio 1 INFORMÁTICA PARA O TRT Desafio 1 INFORMÁTICA PARA O TRT Queridos alunos, vencem o desafio os 3 primeiros alunos a enviar as respostas corretas para o meu e-mail, mas tem que acertar todas... ;-) Vou começar a responder os e-mails

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. João Inácio

ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. João Inácio ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. João Inácio Memórias Memória: é o componente de um sistema de computação cuja função é armazenar informações que são, foram ou serão manipuladas pelo sistema. Em outras

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO O que é a Informática? A palavra Informática tem origem na junção das palavras: INFORMAÇÃO + AUTOMÁTICA = INFORMÁTICA...e significa, portanto, o tratamento da informação

Leia mais

Hardware Básico. Outros Dispositivos de Armazenamento. Professor: Wanderson Dantas

Hardware Básico. Outros Dispositivos de Armazenamento. Professor: Wanderson Dantas Hardware Básico Outros Dispositivos de Armazenamento Professor: Wanderson Dantas Unidades Ópticas Unidades ópticas usam um feixe de laser para ler e gravar (no caso das unidades e mídias que permitem

Leia mais

Informática para Concursos 1 leitejuniorbr@yahoo.com.br

Informática para Concursos 1 leitejuniorbr@yahoo.com.br QUESTÕES TRE / TJ FCC 2007 CARGO: TÉCNICO JUDICIÁRIO ÁREA QUESTÃO 11 -. Com relação a hardware, é correto afirmar que: (A) Computadores com placas-mãe alimentadas por fontes ATX suportam o uso do comando

Leia mais

Informática Aplicada. Aula 2 Windows Vista. Professora: Cintia Caetano

Informática Aplicada. Aula 2 Windows Vista. Professora: Cintia Caetano Informática Aplicada Aula 2 Windows Vista Professora: Cintia Caetano AMBIENTE WINDOWS O Microsoft Windows é um sistema operacional que possui aparência e apresentação aperfeiçoadas para que o trabalho

Leia mais

Informática Aplicada Revisão para a Avaliação

Informática Aplicada Revisão para a Avaliação Informática Aplicada Revisão para a Avaliação 1) Sobre o sistema operacional Windows 7, marque verdadeira ou falsa para cada afirmação: a) Por meio do recurso Windows Update é possível manter o sistema

Leia mais

Computação I. Profa. Márcia Hellen Santos marciasantos@uepa.br

Computação I. Profa. Márcia Hellen Santos marciasantos@uepa.br Computação I Profa. Márcia Hellen Santos marciasantos@uepa.br MÓDULO I- Introdução à Informática Hardware Hardware? HARDWARE é a parte física do computador. É o conjunto de componentes mecânicos, elétricos

Leia mais

Estrutura e funcionamento de um sistema informático

Estrutura e funcionamento de um sistema informático Estrutura e funcionamento de um sistema informático 2006/2007 Sumário de trabalho. Memórias principais e memórias secundárias. Ficha 2 Revisão da aula anterior 3 Memórias informáticas Memórias principais,

Leia mais

sobre Hardware Conceitos básicos b Hardware = é o equipamento.

sobre Hardware Conceitos básicos b Hardware = é o equipamento. Conceitos básicos b sobre Hardware O primeiro componente de um sistema de computação é o HARDWARE(Ferragem), que corresponde à parte material, aos componentes físicos do sistema; é o computador propriamente

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Memória Externa Material adaptado e traduzido de: STALLINGS, William. Arquitetura e Organização de Computadores. 5ª edição Tipos de Memória Externa Disco Magnético

Leia mais

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas O conteúdo deste documento tem como objetivos geral introduzir conceitos mínimos sobre sistemas operacionais e máquinas virtuais para posteriormente utilizar

Leia mais

SENAI São Lourenço do Oeste. Introdução à Informática. Adinan Southier Soares

SENAI São Lourenço do Oeste. Introdução à Informática. Adinan Southier Soares SENAI São Lourenço do Oeste Introdução à Informática Adinan Southier Soares Informações Gerais Objetivos: Introduzir os conceitos básicos da Informática e instruir os alunos com ferramentas computacionais

Leia mais

Prof. Daniel Gondim danielgondimm@gmail.com. Informática

Prof. Daniel Gondim danielgondimm@gmail.com. Informática Prof. Daniel Gondim danielgondimm@gmail.com Informática Componentes de um SC Hardware X Software Memória do Computador Hardware X Software Toda interação dos usuários de computadores modernos é realizada

Leia mais

Introdução à redes de computadores

Introdução à redes de computadores 1/8 Introdução à redes de computadores Faz todo o sentido ligar os computadores em rede. Você não precisa ter uma impressora, um HD de grande capacidade, um gravador de DVDs e conexão via ADSL para cada

Leia mais

Informática. Informática. Valdir

Informática. Informática. Valdir Informática Informática Valdir Questão 21 A opção de alterar as configurações e aparência do Windows, inclusive a cor da área de trabalho e das janelas, instalação e configuração de hardware, software

Leia mais

Informática. Informática. Valdir. Prof. Valdir

Informática. Informática. Valdir. Prof. Valdir Prof. Valdir Informática Informática Valdir Prof. Valdir Informática Informática PROVA DPF 2009 Julgue os itens subseqüentes, a respeito de Internet e intranet. Questão 36 36 - As intranets, por serem

Leia mais

Pós-Graduação em Educação: Novos Paradigmas GUIA DO ALUNO

Pós-Graduação em Educação: Novos Paradigmas GUIA DO ALUNO GUIA DO ALUNO Prezado(a) Aluno(a), O Guia do Aluno é um instrumento normativo que descreve os padrões de qualidade dos processos acadêmicos e administrativos necessários ao desenvolvimento dos cursos de

Leia mais

Fundamentos de Hardware

Fundamentos de Hardware Fundamentos de Hardware Unidade 8 - Periféricos de armazenamento Curso Técnico em Informática SUMÁRIO PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO... 3 DISCO RÍGIDO (HD)... 3 TECNOLOGIAS DE TRANSFERÊNCIA... 3 IDE/ATA/PATA...

Leia mais

GABARITO COMENTADO DE HARDWARE 1) Falsa O texto mostrado, descreve que o Pen Drive possui 8.192MB ou seja, 8 Gigas de Memória. Já a questão menciona que o texto exibido contém uma memória com capacidade

Leia mais

Prof. Maurício Bueno. Também chamada de secundária, externa ou de massa; Não volátil; Armazena dados para utilização posterior.

Prof. Maurício Bueno. Também chamada de secundária, externa ou de massa; Não volátil; Armazena dados para utilização posterior. CPU Memória Principal Barramento (Bus) Memória Auxiliar Disp. E/S MEM AUXILIAR Também chamada de secundária, externa ou de massa; Não volátil; Armazena dados para utilização posterior. Tecnologia Magnética:

Leia mais

COMPUTADORES PC. Prof.: MARCIO HOLLWEG mhollweg@terra.com.br 24/11/2009 CRONOGRAMA INFORMÁTICA - BANRISUL EDITAL

COMPUTADORES PC. Prof.: MARCIO HOLLWEG mhollweg@terra.com.br 24/11/2009 CRONOGRAMA INFORMÁTICA - BANRISUL EDITAL CRONOGRAMA INFORMÁTICA - BANRISUL Prof.: MARCIO HOLLWEG mhollweg@terra.com.br AULAS 1 E 2 CONCEITOS BÁSICOS/HARDWARE AULA 3 SISTEMA OPERACIONAL WINDOWS AULA 4 EXCEL AULA 5 WORD AULA 6 CALC E WRITER AULAS

Leia mais

Conceitos Básicos sobre Sistema de Computação

Conceitos Básicos sobre Sistema de Computação Conceitos Básicos sobre Sistema de Computação INFORMÁTICA -É Ciência que estuda o tratamento automático da informação. COMPUTADOR Equipamento Eletrônico capaz de ordenar, calcular, testar, pesquisar e

Leia mais

Por razões, é requerido um módulo de E/S, que deve desempenhar duas funções principais:

Por razões, é requerido um módulo de E/S, que deve desempenhar duas funções principais: Entrada e Saída Além do processador e da memória, um terceiro elemento fundamental de um sistema de computação é o conjunto de módulos de E/S. Cada módulo se conecta com o barramento do sistema ou com

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO O que é a Informática? A palavra Informática tem origem na junção das palavras: INFORMAÇÃO + AUTOMÁTICA = INFORMÁTICA...e significa, portanto, o tratamento da informação

Leia mais

DOMÍNIO PRODUTIVO DA INFORMÁTICA - CONCURSO BB 2015 -

DOMÍNIO PRODUTIVO DA INFORMÁTICA - CONCURSO BB 2015 - DOMÍNIO PRODUTIVO DA INFORMÁTICA - CONCURSO - Professor Esp. Wellington de Oliveira Graduação em Ciência da Computação Pós-Graduação em Docência do Ensino Superior Pós-Graduação MBA em Gerenciamento de

Leia mais

02. A extensão padrão para arquivos de áudio digital no ambiente Windows é:

02. A extensão padrão para arquivos de áudio digital no ambiente Windows é: Prova sobre informática para concursos. 01 A definição de Microcomputador é: a) Equipamento com grade capacidade de memória principal (256 Megabytes), vários processadores, alta velocidade de processamento.

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Componentes Sistema Informação Hardware - Computadores - Periféricos Software - Sistemas Operacionais - Aplicativos - Suítes Peopleware - Analistas - Programadores - Digitadores

Leia mais

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Hardware de Computadores Questionário II 1. A principal diferença entre dois processadores, um deles equipado com memória cache o

Leia mais

www.leitejunior.com.br 30/06/2008 02:44 Leite Júnior COMENTÁRIO PROVA TÉCNICO BANCÁRIO CARREIRA ADMINISTRATIVA

www.leitejunior.com.br 30/06/2008 02:44 Leite Júnior COMENTÁRIO PROVA TÉCNICO BANCÁRIO CARREIRA ADMINISTRATIVA COMENTÁRIO PROVA TÉCNICO BANCÁRIO CARREIRA ADMINISTRATIVA CONCURSO: CEF CARGO: TÉCNICO BANCÁRIO ADMINISTRATIVA GABARITO 1 DATA DA PROVA: 29/06/2008 QUESTÃO 51 Consire o uso do Windows XP com suas configurações

Leia mais

ASSISTINDO AOS NOSSOS VÍDEOS EM APARELHOS DE DVD Converta os vídeos para o formato VCD e assista aos jogos no seu DVD

ASSISTINDO AOS NOSSOS VÍDEOS EM APARELHOS DE DVD Converta os vídeos para o formato VCD e assista aos jogos no seu DVD ASSISTINDO AOS NOSSOS VÍDEOS EM APARELHOS DE DVD Converta os vídeos para o formato VCD e assista aos jogos no seu DVD Você tem (ou conhece alguém que tenha) um simples gravador de CDs? Se a resposta for

Leia mais

1. CAPÍTULO COMPUTADORES

1. CAPÍTULO COMPUTADORES 1. CAPÍTULO COMPUTADORES 1.1. Computadores Denomina-se computador uma máquina capaz de executar variados tipos de tratamento automático de informações ou processamento de dados. Os primeiros eram capazes

Leia mais

Dispositivos de Armazenamento

Dispositivos de Armazenamento Universidade Federal de Santa Maria - UFSM Departamento de Eletrônica e Computação - DELC Introdução à Informática Prof. Cesar Tadeu Pozzer Julho de 2006 Dispositivos de Armazenamento A memória do computador

Leia mais

É o UniNorte facilitando a vida de nossos docentes e discentes.

É o UniNorte facilitando a vida de nossos docentes e discentes. ACESSO REMOTO Através do Acesso Remoto o aluno ou professor poderá utilizar em qualquer computador que tenha acesso a internet todos os programas, recursos de rede e arquivos acadêmicos utilizados nos

Leia mais

MANUAL CFTV DIGITAL - LINHA LIGHT 16 CANAIS 120 FPS / VID 120-LI CONFIGURAÇÃO DO COMPUTADOR 16 Canais - 120 FPS Processador Dual Core 2.0GHZ ou superior; Placa Mãe Intel ou Gigabyte com chipset Intel;

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL Entendendo o Computador Componentes do Computador COMPONENTES DO COMPUTADOR Tabela ASCII A sigla ASCII deriva de American Standard Code for Information Interchange, ou seja, Código no Padrão Americano

Leia mais

Projeto solidário para o ensino de Informática Básica

Projeto solidário para o ensino de Informática Básica Projeto solidário para o ensino de Informática Básica Parte 2 Sistema Operacional MS-Windows XP Créditos de desenvolvimento deste material: Revisão: Prof. MSc. Wagner Siqueira Cavalcante Um Sistema Operacional

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Hardware Sistema de Entrada/Saída Visão Geral Princípios de Hardware Dispositivos de E/S Estrutura Típica do Barramento de um PC Interrupções

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES ARQUITETURA DE COMPUTADORES Aula 07: Memória Secundária MEMÓRIA SECUNDÁRIA Discos magnéticos: Organização do disco magnético em faces, trilhas e setores; Tipos de discos magnéticos Discos óticos: CD/DVD/BluRay

Leia mais

Arquitectura dos processadores

Arquitectura dos processadores Arquitectura dos processadores Outra arquitectura foi desenvolvida pela Motorola para os Apple Macintosh.(incompativel com o PC - IBM). Passaram a existir duas arquitecturas de processadores: CISC (Complex

Leia mais

Introdução. Hardware (Parte II) Informações Adicionais. Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação

Introdução. Hardware (Parte II) Informações Adicionais. Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação Introdução à Computação Hardware (Parte II) Informações Adicionais Prof. a Joseana Macêdo Fechine Régis de Araújo joseana@computacao.ufcg.edu.br

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 1866

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 1866 6.7 Operações com as Memórias: Já sabemos, conforme anteriormente citado, que é possível realizar duas operações em uma memória: Escrita (write) armazenar informações na memória; Leitura (read) recuperar

Leia mais

Capítulo 4 Livro do Mário Monteiro Introdução Hierarquia de memória Memória Principal. Memória principal

Capítulo 4 Livro do Mário Monteiro Introdução Hierarquia de memória Memória Principal. Memória principal Capítulo 4 Livro do Mário Monteiro Introdução Hierarquia de memória Memória Principal Organização Operações de leitura e escrita Capacidade http://www.ic.uff.br/~debora/fac! 1 2 Componente de um sistema

Leia mais

DOMÍNIO PRODUTIVO DA INFORMÁTICA - CONCURSO BB 2015 -

DOMÍNIO PRODUTIVO DA INFORMÁTICA - CONCURSO BB 2015 - DOMÍNIO PRODUTIVO DA INFORMÁTICA - CONCURSO - Professor Esp. Wellington de Oliveira Graduação em Ciência da Computação Pós-Graduação em Docência do Ensino Superior Pós-Graduação MBA em Gerenciamento de

Leia mais

Conceitos Básicos de Informática. Antônio Maurício Medeiros Alves

Conceitos Básicos de Informática. Antônio Maurício Medeiros Alves Conceitos Básicos de Informática Antônio Maurício Medeiros Alves Objetivo do Material Esse material tem como objetivo apresentar alguns conceitos básicos de informática, para que os alunos possam se familiarizar

Leia mais

Sistemas Operacionais Entrada / Saída. Carlos Ferraz (cagf@cin.ufpe.br) Jorge Cavalcanti Fonsêca (jcbf@cin.ufpe.br)

Sistemas Operacionais Entrada / Saída. Carlos Ferraz (cagf@cin.ufpe.br) Jorge Cavalcanti Fonsêca (jcbf@cin.ufpe.br) Sistemas Operacionais Entrada / Saída Carlos Ferraz (cagf@cin.ufpe.br) Jorge Cavalcanti Fonsêca (jcbf@cin.ufpe.br) Tópicos Princípios do hardware de E/S Princípios do software de E/S Camadas do software

Leia mais

COMENTÁRIOS DA PROVA CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - SP

COMENTÁRIOS DA PROVA CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - SP Olá pessoal, Tivemos neste último domingo (09/05/2010) a aplicação da prova da CEF para a região de SP e RJ, uma prova que todo resto Pais aguarda ansiosamente os comentários, já que servirá de base para

Leia mais

Windows 7. Sistema Operacional

Windows 7. Sistema Operacional Windows 7 Sistema Operacional FCC - 2012 - TRE-SP - Técnico Judiciário O sistema operacional de um computador consiste em um a) conjunto de procedimentos programados, armazenados na CMOS, que é ativado

Leia mais

Guia de Atualização do Windows XP para Windows 7

Guia de Atualização do Windows XP para Windows 7 Guia de Atualização do Windows XP para Windows 7 Conteúdo Etapa 1: Saiba se o computador está pronto para o Windows 7... 3 Baixar e instalar o Windows 7 Upgrade Advisor... 3 Abra e execute o Windows 7

Leia mais

Informática. Aulas: 01 e 02/12. Prof. Márcio Hollweg. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.

Informática. Aulas: 01 e 02/12. Prof. Márcio Hollweg. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM. Informática Aulas: 01 e 02/12 Prof. Márcio Hollweg UMA PARCERIA Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR Visite a loja virtual www.conquistadeconcurso.com.br MATERIAL DIDÁTICO EXCLUSIVO

Leia mais

ILHA I GERENCIAMENTO DE CONTEÚDO CMS DISCIPLINA: Introdução à Computação MÓDULO II Memórias e Processamento

ILHA I GERENCIAMENTO DE CONTEÚDO CMS DISCIPLINA: Introdução à Computação MÓDULO II Memórias e Processamento MÓDULO II Memórias e Processamento Esse módulo irá relatar sobre as memórias seus tipos e a ligação com os tipos variados de processamento. Leia atentamente todo o conteúdo e participe dos fóruns de discursão,

Leia mais

ACADEMIA DO CONCURSO PÚBLICO

ACADEMIA DO CONCURSO PÚBLICO ACADEMIA DO CONCURSO PÚBLICO INFORMÁTICA PARA CONCURSOS (jabruas@uol.com.br) 1 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. Edição de textos, planilhas e apresentações (ambiente Office, OpenOffice, BrOffice e LibreOffice).

Leia mais

Princípios de Informática

Princípios de Informática Princípios de Informática Aula 1 Introdução à Informática Universidade Federal de Santa Maria Colégio Agrícola de Frederico Westphalen Curso Técnico em Alimentos Prof. Bruno B. Boniati www.cafw.ufsm.br/~bruno

Leia mais

MANUAL INSTALAÇÃO MDMED

MANUAL INSTALAÇÃO MDMED MANUAL INSTALAÇÃO MDMED Contents 3 Indice 0 Part I Instalação MDMED 1 Equipamentos... necessários Part II 1 - Instalando 4 4 4 1 1.1 - CD... de instalação 4 2 1.2 - Escolha... o micro "Servidor" 4 3 1.3

Leia mais

INFORMÁTICA 01. 02. 03. 04. 05.

INFORMÁTICA 01. 02. 03. 04. 05. INFORMÁTICA 01. Na Internet, os dois protocolos envolvidos no envio e recebimento de e-mail são: a) SMTP e POP b) WWW e HTTP c) SMTP e WWW d) FTP e WWW e) POP e FTP 02. O componente do Windows que é necessário

Leia mais

b) Estabilizador de tensão, fonte no-break, Sistema Operacional, memória principal e memória

b) Estabilizador de tensão, fonte no-break, Sistema Operacional, memória principal e memória CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA SISUTEC DISCIPLINA: INTRODUÇÃO A COMPUTAÇÃO PROF.: RAFAEL PINHEIRO DE SOUSA ALUNO: Exercício 1. Assinale a opção que não corresponde a uma atividade realizada em uma Unidade

Leia mais

Prof. Esp. Lucas Cruz

Prof. Esp. Lucas Cruz Prof. Esp. Lucas Cruz O hardware é qualquer tipo de equipamento eletrônico utilizado para processar dados e informações e tem como função principal receber dados de entrada, processar dados de um usuário

Leia mais

Memória. Introdução. Unidades de medida de capacidade Tipos:

Memória. Introdução. Unidades de medida de capacidade Tipos: Memória Memória Introdução Motivação para ser um Sub-sistema Operações Representação da informação Princípios da organização da memória Hierarquia da memória Critérios de comparação entre memórias Unidades

Leia mais

Capítulo 1 Os Computadores e a Sua Arquitetura

Capítulo 1 Os Computadores e a Sua Arquitetura Capítulo 1 Os Computadores e a Sua Arquitetura Neste capítulo nós trataremos de alguns conceitos básicos sobre o modelo de arquitetura dos computadores modernos, seus componentes e suas principais funções.

Leia mais

Escrito por Eder DZR Sáb, 26 de Março de 2011 16:39 - Última atualização Ter, 05 de Abril de 2011 01:26

Escrito por Eder DZR Sáb, 26 de Março de 2011 16:39 - Última atualização Ter, 05 de Abril de 2011 01:26 Yo! Hoje acordei de bom humor com a vida e decidi escrever um artigo sobre Cloud Computing, a famosa navegação nas nuvens. Que coisa é essa? O que eu ganho usando isso? O que eu preciso ter para usar a

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

R S Q 0 0 1 0 1 0 1 0 0 1 1 0 Tabela 17 - Tabela verdade NOR

R S Q 0 0 1 0 1 0 1 0 0 1 1 0 Tabela 17 - Tabela verdade NOR 19 Aula 4 Flip-Flop Flip-flops são circuitos que possuem a característica de manter os bits de saída independente de energia, podem ser considerados os princípios das memórias. Um dos circuitos sequenciais

Leia mais

Informática para Banca IADES. Hardware e Software

Informática para Banca IADES. Hardware e Software Informática para Banca IADES Conceitos Básicos e Modos de Utilização de Tecnologias, Ferramentas, Aplicativos e Procedimentos Associados ao Uso de Informática no Ambiente de Escritório. 1 Computador É

Leia mais

SUMÁRIO 1. AULA 7 INTRODUÇÃO À REDES PONTO A PONTO = PARTE 1:... 2

SUMÁRIO 1. AULA 7 INTRODUÇÃO À REDES PONTO A PONTO = PARTE 1:... 2 SUMÁRIO 1. AULA 7 INTRODUÇÃO À REDES PONTO A PONTO = PARTE 1:... 2 1.1 Introdução... 2 1.2 Montando Redes Ponto-a-Ponto... 3 1.2.1 Parte lógica... 3 1.2.2 Escolhendo o sistema operacional... 3 1.2.3 Instalação

Leia mais

EXERCÍCIOS SIMULADO ELABORADO PELO PROFESSOR ANDRÉ ALENCAR

EXERCÍCIOS SIMULADO ELABORADO PELO PROFESSOR ANDRÉ ALENCAR EXERCÍCIOS SIMULADO ELABORADO PELO PROFESSOR ANDRÉ ALENCAR Com base no Windows XP, na figura ao lado, julgue os itens que se seguem: 01- É possível afirmar que ao se clicar em O que mais devo saber sobre

Leia mais

INSTITUTO MARTIN LUTHER KING CURSO PROCESSAMENTO DE DADOS DISCIPLINA: HARDWARE

INSTITUTO MARTIN LUTHER KING CURSO PROCESSAMENTO DE DADOS DISCIPLINA: HARDWARE Memória ROM Vamos iniciar com a memória ROM que significa Read Only Memory, ou seja, uma memória somente para leitura. Isso quer dizer que as instruções que esta memória contém só podem ser lidas e executadas,

Leia mais

Hardware. Prof. Luiz Carlos Branquinho Informática Básica Gestão Comercial

Hardware. Prof. Luiz Carlos Branquinho Informática Básica Gestão Comercial Hardware Prof. Luiz Carlos Branquinho Informática Básica Gestão Comercial Conteúdo Definição do hardware; Tipo e tamanho dos computadores; Família dos computadores; Elementos do hardware; Portas de comunicação.

Leia mais

MODULO II - HARDWARE

MODULO II - HARDWARE MODULO II - HARDWARE AULA 01 O Bit e o Byte Definições: Bit é a menor unidade de informação que circula dentro do sistema computacional. Byte é a representação de oito bits. Aplicações: Byte 1 0 1 0 0

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado

Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 CRIAÇÃO DA MÁQUINA VIRTUAL... 3 Mas o que é virtualização?... 3 Instalando o VirtualBox...

Leia mais

Componentes de um computador típico

Componentes de um computador típico Componentes de um computador típico Assim como em um videocassete, no qual é necessário ter o aparelho de vídeo e uma fita contendo o filme que será reproduzido, o computador possui a parte física, chamada

Leia mais

2012/2013. Profª Carla Cascais 1

2012/2013. Profª Carla Cascais 1 Tecnologias de Informação e Comunicação 7º e 8º Ano 2012/2013 Profª Carla Cascais 1 Conteúdo Programático Unidade 1 Informação/Internet Unidade 2 Produção e edição de documentos -Word Unidade 3 Produção

Leia mais

16/09/2012. Agenda. Introdução. Introdução. Introdução. Introdução. Curso Conexão Noções de Informática. Aula 1 Arquitetura de Computadores (Hardware)

16/09/2012. Agenda. Introdução. Introdução. Introdução. Introdução. Curso Conexão Noções de Informática. Aula 1 Arquitetura de Computadores (Hardware) Curso Conexão Noções de Informática Aula 1 Arquitetura de Computadores (Hardware) Agenda ; Arquitetura do Computador; ; ; Dispositivos de Entrada e Saída; Tipos de Barramentos; Unidades de Medidas. Email:

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Conceitos básicos de informática O que é informática? Informática pode ser considerada como significando informação automática, ou seja, a utilização de métodos

Leia mais

Informática básica Telecentro/Infocentro Acessa-SP

Informática básica Telecentro/Infocentro Acessa-SP Informática básica Telecentro/Infocentro Acessa-SP Aula de hoje: Periférico de entrada/saída, memória, vírus, Windows, barra tarefas. Prof: Lucas Aureo Guidastre Memória A memória RAM é um componente essencial

Leia mais

Como fazer Backup. Previna-se contra acidentes no disco rígido

Como fazer Backup. Previna-se contra acidentes no disco rígido Como fazer Backup Previna-se contra acidentes no disco rígido Vocês já imaginaram se, de uma hora para outra, todo o conteúdo do disco rígido desaparecer? Parece pesadelo? Pois isso não é uma coisa tão

Leia mais

O DVD. Tecnologia Digital Versatitle Disc. O aparecimento do DVD O DVD O DVD

O DVD. Tecnologia Digital Versatitle Disc. O aparecimento do DVD O DVD O DVD O DVD Tecnologia Digital Versatitle Disc O DVD O DVD designado por Digital Video Disc, actualmente conhecido por Digital Versatitle Disc. Tal como o CD o DVD é uma tecnologia que possui várias utilizações,

Leia mais

CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA. Microsoft Windows XP

CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA. Microsoft Windows XP CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA Microsoft Windows XP William S. Rodrigues APRESENTAÇÃO WINDOWS XP PROFISSIONAL O Windows XP, desenvolvido pela Microsoft, é o Sistema Operacional mais conhecido e utilizado

Leia mais

Noções de Informática TRT -RS

Noções de Informática TRT -RS Analista Judiciário 26. Um usuário do Windows 7 Professional em português clicou, a partir do Painel de Controle, nas seguintes opções: Rede e Internet; Exibir o status e as tarefas da rede; Conexão Local;

Leia mais

Guia do Usuário do Servidor do Avigilon Control Center. Versão 5.4.2

Guia do Usuário do Servidor do Avigilon Control Center. Versão 5.4.2 Guia do Usuário do Servidor do Avigilon Control Center Versão 5.4.2 2006-2014 Avigilon Corporation. Todos os direitos reservados. A menos que seja expressamente concedido por escrito, nenhuma licença é

Leia mais

GABARITO B. 1 manuel@carioca.br MPRJ TSAD TSPR TNAI/2007

GABARITO B. 1 manuel@carioca.br MPRJ TSAD TSPR TNAI/2007 EDITORA FERREIRA PROVAS MPRJ TÉCNICO SUPERIOR ADMINISTRATIVO TSAD TÉCNICO SUPERIOR PROCESSUAL TSPR TÉCNICO DE NOTIFICAÇÃO E ATOS INTIMATÓRIOS TNAI NCE UFRJ NOÇÕES DE INFORMÁTICA CORREÇÃO GABARITO COMENTADO

Leia mais

Memória principal; Unidade de Controle U C P. Unidade Lógica e Aritmética

Memória principal; Unidade de Controle U C P. Unidade Lógica e Aritmética Tecnologia da Administração Computador: origem, funcionamento e componentes básicos Parte II Sumário Introdução Origem Funcionamento Componentes Básicos Referências Sistema Binário O computador identifica

Leia mais

https://www.facebook.com/professorravelsilva Professor: Ravel Silva

https://www.facebook.com/professorravelsilva Professor: Ravel Silva Olá galera concurseira! https://www.facebook.com/professorravelsilva Dando continuidade ao nosso curso de Questões Comentadas de Informática Básica - Estilo CESPE, vamos comentar a aula 05. A partir desta

Leia mais

Introdução aos Sistemas de Computação (ISC) Curso de Administração de Negócios Eletrônicos Professor :

Introdução aos Sistemas de Computação (ISC) Curso de Administração de Negócios Eletrônicos Professor : Introdução aos Sistemas de Computação (ISC) Curso de Administração de Negócios Eletrônicos Professor : Marco Antônio Chaves Câmara Lista de Exercícios 3 Nome do Aluno : 1. Sobre as unidades de disco rígido

Leia mais

MOTAGEM E MANUTENÇÃO Hardware. Professor: Renato B. dos Santos

MOTAGEM E MANUTENÇÃO Hardware. Professor: Renato B. dos Santos MOTAGEM E MANUTENÇÃO Hardware Professor: Renato B. dos Santos 1 O computador é composto, basicamente, por duas partes:» Hardware» Parte física do computador» Elementos concretos» Ex.: memória, teclado,

Leia mais

Guia do Usuário do Servidor do Avigilon Control Center

Guia do Usuário do Servidor do Avigilon Control Center Guia do Usuário do Servidor do Avigilon Control Center Versão 5.2 PDF-SERVER5-B-Rev1_PT 2006 2014 Avigilon Corporation. Todos os direitos reservados. A menos que expressamente concedida por escrito, nenhuma

Leia mais

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 Este tutorial não tem como finalidade esgotar todas as funcionalidades do Ambiente, ele aborda de forma prática

Leia mais

Montagem e Manutenção. Luís Guilherme A. Pontes

Montagem e Manutenção. Luís Guilherme A. Pontes Montagem e Manutenção Luís Guilherme A. Pontes Introdução Qual é a importância da Montagem e Manutenção de Computadores? Sistema Binário Sistema Binário Existem duas maneiras de se trabalhar e armazenar

Leia mais

Arquitetura Genérica

Arquitetura Genérica Arquitetura Genérica Antes de tudo, vamos revisar o Modelo Simplificado do Funcionamento de um Computador. Modelo Simplificado do Funcionamento de um Computador O funcionamento de um computador pode ser

Leia mais

Fundamentos em Informática

Fundamentos em Informática Fundamentos em Informática 04 Organização de Computadores nov/2011 Componentes básicos de um computador Memória Processador Periféricos Barramento Processador (ou microprocessador) responsável pelo tratamento

Leia mais

SUMÁRIO. 6. FERRAMENTAS E APLICATIVOS ASSOCIADOS À INTERNET: navegação, correio eletrônico, grupos de discussão, busca e pesquisa...

SUMÁRIO. 6. FERRAMENTAS E APLICATIVOS ASSOCIADOS À INTERNET: navegação, correio eletrônico, grupos de discussão, busca e pesquisa... RAFAEL MACEDO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 162 QUESTÕES DE PROVAS DA BANCA ORGANIZADORA DO CONCURSO SEFAZ/MS E DE OUTRAS INSTITUIÇÕES DE MS GABARITADAS. Seleção das Questões: Prof. Rafael Macedo Coordenação

Leia mais

QUESTÕES COMENTADAS PROVAS DE INFORMÁTICA BANCO DO BRASIL

QUESTÕES COMENTADAS PROVAS DE INFORMÁTICA BANCO DO BRASIL QUESTÕES COMENTADAS PROVAS DE INFORMÁTICA BANCO DO BRASIL BANCO DO BRASIL (Aplicação: 07/10/2001) CARGO: ESCRITURÁRIO 1 C 2 C ::::... QUESTÃO 33...:::: Outro modo de realizar a mesma operação com sucesso

Leia mais

Trabalho 01 Conceitos básicos de Microinformática

Trabalho 01 Conceitos básicos de Microinformática Trabalho 01 Conceitos básicos de Microinformática Disciplina: Informática. Professor: Denis Henrique Caixeta. Valor: 4 pontos Visto no caderno 1) Quais são as características dos primeiros computadores?

Leia mais

Guia do Usuário do Avigilon Control Center Server

Guia do Usuário do Avigilon Control Center Server Guia do Usuário do Avigilon Control Center Server Versão 4.10 PDF-SERVER-D-Rev1_PT Copyright 2011 Avigilon. Todos os direitos reservados. As informações apresentadas estão sujeitas a modificação sem aviso

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 1866

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 1866 6.7 Operações com as Memórias: Já sabemos, conforme anteriormente citado, que é possível realizar duas operações em uma memória: Escrita (write) armazenar informações na memória; Leitura (read) recuperar

Leia mais

Hardware 2. O Gabinete. Unidades Derivadas do BYTE. 1 KB = Kilobyte = 1024B = 2 10 B. 1 MB = Megabyte = 1024KB = 2 20 B

Hardware 2. O Gabinete. Unidades Derivadas do BYTE. 1 KB = Kilobyte = 1024B = 2 10 B. 1 MB = Megabyte = 1024KB = 2 20 B 1 2 MODULO II - HARDWARE AULA 01 OBiteoByte Byte 3 Definições: Bit é a menor unidade de informação que circula dentro do sistema computacional. Byte é a representação de oito bits. 4 Aplicações: Byte 1

Leia mais