23000.[_][_][_][_][_][_]/200[_]-[_][_]

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "23000.[_][_][_][_][_][_]/200[_]-[_][_]"

Transcrição

1 Número do Processo: [_][_][_][_][_][_]/200[_]-[_][_] Para uso exclusivo do MEC. NOME DA MANTENEDORA NOME DA MANTIDA Instituto de Ensino Superior Social e Tecnológico IESST Faculdade de Ciências Sociais e Tecnológicas - FACITEC Solicita o(a) Credenciamento como Centro de Educação Tecnológica Denominação Pretendida para o CET X Autorização para funcionamento do : NOME DO CURSO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES ÁREA PROFISSIONAL INFORMÁTICA Cidade TAGUATINGA UF DF Data Versão 04/08/2005 FINAL

2 S U M Á R I O 1. INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO E ENVIO DESTA SOLICITAÇÃO DA MANTENEDORA PESSOA FÍSICA DA MANTENEDORA PESSOA JURÍDICA DA INSTITUIÇÃO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO DA MANTENEDORA DIRIGENTE PRINCIPAL DA MANTENEDORA IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO MANTIDA CORPO DIRIGENTE DA INSTITUIÇÃO MANTIDA HISTÓRICO DA MANTENEDORA E DA INSTITUIÇÃO MANTIDA AS ATIVIDADES PRINCIPAIS DA INSTITUIÇÃO MANTIDA ÁREAS DE ATUAÇÃO DA INSTITUIÇÃO MANTIDA DESCRIÇÃO DE PARTICIPAÇÃO DO CORPO DOCENTE NAS ATIVIDADES DE DIREÇÃO DA INSTITUIÇÃO MANTIDA TABELA RESUMO DE INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS OFERECIDOS PELA INSTITUIÇÃO MANTIDA DETALHAMENTO DOS CURSOS OFERECIDOS PELA MANTIDA MECANISMO INSTITUCIONALIZADO PERMANENTE DE ARTICULAÇÃO COM SEGMENTOS PRODUTIVOS A QUE ESTÃO VINCULADOS OS CURSOS PARA DEFINIÇÃO DA OFERTA DE CURSOS, VAGAS E PARA ATUALIZAÇÃO CURRICULAR PLANEJAMENTO ECONÔMICO E FINANCEIRO... ERRO! INDICADOR NÃO DEFINIDO Quadro detalhado de receitas... Erro! Indicador não definido. 5. DO PROJETO PARA O CURSO PROPOSTO DADOS GERAIS DO CURSO PROPOSTO Denominação Dados do responsável pela elaboração do projeto Dados do coordenador do curso Regime de matrícula Total de vagas anuais Carga horária ORGANIZAÇÃO E DESENVOLVIMENTO CURRICULAR Justificativa da oferta do curso Finalidades e objetivos do curso Perfil Profissional de Conclusão Fluxograma do curso (representação gráfica do percurso de formação) Organização curricular (disposição em módulos, disciplinas, projetos e outros.) Outros itens do projeto pedagógico Flexibilidade Curricular Planilha para Avaliação da Organização e Desenvolvimento Curricular CORPO DOCENTE E COORDENADOR Plano de Carreira Docente Previsto Política de Aperfeiçoamento/Qualificação/Atualização Docente Prevista pelo Curso Coordenador do Curso Regime de trabalho, Titulação e Currículo Titulação, Regime de trabalho e Currículo Vitae do Corpo Docente somente do 1º ano INFRA ESTRUTURA Infra-Estrutura Física e Recursos Materiais Plano de Expansão Tecnólogo em Redes de Computadores 2

3 Sub-Planilha para Avaliação da Infra Estrutura Física e de Materiais Infra-Estrutura de Acessibilidade às Pessoas Portadoras de Necessidades Especiais Infra-Estrutura de Informática Infra-Estrutura de Laboratórios Específicos à Área do Curso Biblioteca Planilha de Consolidação da Avaliação da Infra-Estrutura PARECER FINAL DA COMISSÃO TÉCNICA PLANILHA DE AVALIAÇÃO FINAL PARECER FINAL DA COMISSÃO VERIFICADORA SUGESTÕES DA COMISSÃO VERIFICADORA PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DO CURSO ANALISADO ANEXOS Tecnólogo em Redes de Computadores 3

4 Instruções para o preenchimento e envio desta Solicitação. Esta Solicitação está dividida em três partes: Trâmites do MEC, Projeto e Anexos. Projeto e Anexos devem ser encadernados conjuntamente em espiral Trâmites do MEC Protocolização do Processo de Autorização/Credenciamento no MEC Para protocolizar o processo de Autorização de Curso e/ou Credenciamento de CET s, a mantenedora ou seu representante legal deverá dar entrada do mesmo no Protocolo MEC/SEMTEC apresentando: 1. Requerimento assinado pelo Dirigente da Mantenedora ou seu representante legal, solicitando a autorização para a oferta de curso e/ou credenciamento de CET, Portaria Ministerial N 1.647/99. (modelo a seguir) REQUERIMENTO AUTORIZAÇÃO DE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA PORTARIA MINISTERIAL Nº 1647/2001 PARA USO DA SEMTEC/MEC Senhor Ministro da Educação, Em atendimento ao art. 1 da Portaria Ministerial n.º 1647/2001, de 25 de novembro de 1999, O Instituto de Ensino Superior Social e Tecnológico IESST com sede na cidade de Taguatinga - DF mantenedor Faculdade de Ciências Sociais e Tecnológicas - FACITEC, representado pelo seu presidente HÉLIO FELIS PALAZZO, vem solicitar o autorização do Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores. A Instituição proponente assume o compromisso de atender os requisitos legais e técnicos, bem como os padrões de qualidade da área para o projeto de autorização do curso acima referido, nos termos do art. 2 da Portaria Ministerial n.º 1647/1999. Compromete-se ainda a atender ao disposto na Portaria Ministerial n.º 1.679, de 02 de dezembro de 1999, no que se refere à infra-estrutura necessária aos portadores de necessidades especiais Nesta data, a Instituição requer à SEMTEC a designação de comissão para avaliar as condições iniciais existentes para a oferta do curso proposto. O presente documento é firmado pelo Dirigente da Mantenedora proponente e pelas testemunhas abaixo qualificadas. Taguatinga, 04 de agosto de HÉLIO FELIS PALAZZO Presidente de Ensino Superior Social e Tecnológico IESST Testemunhas: Nome: CPF: Nome: CPF: 2. Original da guia de recolhimento. O recolhimento deverá ser realizado através de depósito em conta-corrente no Banco do Brasil, agência nº , conta nº , tendo como favorecido a Secretaria da Educação Média e Tecnológica (Portaria MEC 445/2000). Indicar, no comprovante de depósito, o código da natureza da solicitação, que no caso de Autorização de Curso de Nível Tecnológico da Educação Profissional deverá ser: e no caso de Credenciamento ou Recredenciamento como Centro de Educação Tecnológica deverá ser: Tecnólogo em Redes de Computadores 4

5 Incluir original da GUIA DE DEPÓSITO IDENTIFICADO de cada curso, nos anexos. 3. Uma cópia impressa do presente formulário, com respectivos anexos. 4. Dois disquetes contendo arquivo com a versão do formulário impresso do item anterior em formato Rich Text Format (RTF); O nome do arquivo deve começar com a sigla ou então, de forma abreviada, com o nome da mantenedora. Em seguida, de forma abreviada, ou a área ou nome do curso. (ex.: UspComercio.rtf ou FaapTuriEcologico.rtf). O arquivo com formulário pode ser obtido no endereço Tramitação do Processo de Autorização de CST / Credenciamento de CET na SEMTEC 1. O Protocolo encaminhará o processo de autorização de curso e/ou credenciamento de centro de educação tecnológica para a CASTEC Área de Supervisão e Avaliação Profissional de Educação Tecnológica. 2. A CASTEC: 2.1. Fará a análise preliminar do processo, observando a documentação apresentada Designará a Comissão Técnica para Avaliação do projeto apresentado. A designação deverá ser acordada entre o Presidente da Comissão de Especialistas da Área Profissional do Curso e a CASTEC. Será enviado um ofício da CASTEC para a Instituição estabelecendo a data de distribuição do processo e o prazo para conclusão da análise técnica O processo será distribuído para a Comissão Técnica, via cópia eletrônica, a qual terá 3(três) meses para conclusão da análise técnica. (incluindo o atendimento das solicitações da Comissão, pela mantida) Caso seja necessária a prorrogação do prazo determinado, a Instituição e/ou a Comissão Técnica deverá encaminhar um ofício para a CASTEC, justificando a prorrogação de tal solicitação. Caberá à CASTEC conceder ou não a prorrogação Após a conclusão dos trabalhos da Comissão Técnica, em caso de recomendação positiva quanto à realização da visita de verificação, o representante da instituição deverá assinar termo de compromisso solicitando a visita da mesma e encaminhá-lo à CASTEC. A CASTEC designará a Comissão Verificadora que será composta pelos membros da Comissão Técnica mais um especialista que representará a CASTEC, bem como agendará a visita de verificação através de comunicação, por meio eletrônico, aos envolvidos. Esta comunicação trará todas as instruções necessárias para a realização da visita Após o agendamento da visita, caberá ao Presidente da Comissão de Verificação: elaborar o Cronograma de Atividades; divulgar o cronograma aos demais membros da comissão; divulgar, por meio eletrônico, o cronograma à instituição mantenedora e mantida responsáveis pelo projeto Concluída a verificação in loco, a Comissão Verificadora terá 30 dias para elaborar o relatório conclusivo e enviar à CASTEC Após receber o relatório final da Comissão Verificadora, a CASTEC preparará relatório final à SEMTEC, com a recomendação de autorizar ou não a oferta do curso. Tecnólogo em Redes de Computadores 5

6 2.8. Em caso de indeferimento do pleito, será expedido uma notificação à Instituição interessada sobre a não autorização do curso, bem como as possíveis sanções previstas nos termos do artigo 35 do Decreto Presidencial 3860/2001. Recebida a notificação, a Instituição interessada poderá apresentar recurso à SEMTEC, observado o prazo de (30)trinta dias contados da expedição da notificação. Na apreciação do recurso anterior, a SEMTEC poderá solicitar a manifestação do CNE sobre a matéria No caso de decisão final favorável, a SEMTEC encaminhará minuta de portaria de autorização de funcionamento do curso ou de credenciamento de Centro de Educação Tecnológica ao Senhor Ministro de Estado da Educação. Preenchimento do Projeto Após a publicação do despacho e da portaria ministerial de autorização do curso, a Instituição deverá dirigir-se à CASTEC para receber cópia da portaria em questão e do projeto final do curso, juntamente com o relatório da CASTEC e o relatório da comissão verificadora. A SEMTEC informará a instituição mantida sobre o encerramento do processo e providências finais. Todas as páginas devem ser numeradas seqüencialmente. A formatação deste formulário não pode ser alterada. As poucas exceções estão observadas no próprio tópico. Existem dois tipos de espaços para preenchimento: Espaço com linha tracejada é para uso exclusivo do MEC. Para uma maior clareza, alguns espaços contam ainda com a legenda Exclusivo do MEC, portanto, não devem ser preenchidos pela instituição; Espaço com linha cheia é para uso da instituição de ensino. Utilizar tamanho de página A4, parágrafo com espaço simples e fonte Arial 12. Não deve haver prejuízo de informações por limitação dos espaços reservados à instituição, porém, seja claro, objetivo e conciso na exposição. Determinados quadros possuem indicativos de limitação quanto ao número de linhas/páginas. Preenchimento dos Anexos Todas as páginas devem ser numeradas seqüencialmente, sendo que devem ser uma continuação da numeração deste formulário. As páginas de documentos ou cópias de documentos podem ser numeradas à mão. Todos os documentos e/ou cópias solicitados devem ser colocados nos anexos e devem seguir a ordem do índice. Legislação que Rege os Cursos Superiores de Tecnologia Constituição Federal Lei Federal No de 24/11/1995 Lei Federal Nº de 20/12/ Arts. 3 o e 4 o dispõem sobre as avaliações periódicas das instituições e dos cursos de nível superior a serem realizadas pelo MEC (avaliação de condições de oferta e exame nacional de cursos (provão)). - Estabelece a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei Federal No de - Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Tecnólogo em Redes de Computadores 6

7 27/04/1999 Educação Ambiental e dá outras providências. Lei Federal Nº de 19/12/2000 Dec. Federal Nº de 17/04/1997 Dec. Federal Nº /07/2001 Dec. MEC Nº de 11/07/2001 Port. MEC Nº 1670-A de 30/11/1994 Port. MEC Nº 971 de 22/08/1997 Port. MEC Nº de 16/07/1999 Port. MEC/SESU Nº de 23/09/1999 Port. MEC Nº de 25/11/1999 Port. MEC Nº de 02/12/1999 Port. MEC/SEMTEC Nº 27 de 02/03/ 2000 Port. MEC/SEMTEC Nº 28 de 02/03/2000 Port. MEC Nº 445 de 31/03/2000 Port. MEC Nº de 20/06/2001 Port. MEC Nº de 12/07/2001 Port. MEC Nº de 12/07/2001 Port. MEC Nº 1945 de 29/08/2001 Res. CNE/CES Nº 02 de 07/04/1998 Res. CNE/CES Nº 03 de 20/07/1998 Parecer CNE/CES Nº 436 de 02/04/ Estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção de acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências. - Regulamenta o parágrafo 2º do art. 36 e os arts. 39 a 42 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. - Dispõe sobre a organização do ensino superior, a avaliação de cursos e instituições, e dá outras providências. - Acresce dispositivo ao Decreto nº 3.860, de 9 de julho de 2001, que dispõe sobre a organização do ensino superior e a avaliação de cursos e instituições. - Dispõe sobre alterações de disciplinas que compõem os currículos plenos de estabelecimentos isolados de ensino superior, federais e particulares. - Define os procedimentos para o cumprimento do disposto no art. 18, do Decreto nº de 19 de agosto de Define mecanismos de supervisão das condições de acesso aos cursos de graduação do sistema federal de ensino. - Regulamenta o art. 19 da Portaria Ministerial nº 1.120, de 16 de julho de Dispõe sobre o credenciamento de centros de educação tecnológica e a autorização de cursos de nível tecnológico da educação profissional (considerando-se o disposto na Lei Nº /95, na Lei Nº 9.394/96, e no Decreto Nº 2.406/97). - Dispõe sobre requisitos de acessibilidade de pessoas portadoras de deficiências, para instruir os processos de autorização e de credenciamento de cursos, e de credenciamento de instituições. - Fixa os períodos de março a junho e de agosto a novembro para realização da análise técnica e meritórias dos processos de reconhecimento de cursos de nível tecnológico da educação profissional. - Fixa o período de fevereiro a março para realização técnica e meritória dos processos de credenciamento de centros de educação tecnológica e/ou autorização de novos cursos de nível tecnológico da educação profissional. - Dispõe sobre o recolhimento de taxa para solicitações de credenciamento ou recredenciamento como Centro de Educação Tecnológica ou a autorização ou reconhecimento de cursos de nível superior, como sobre as despesas em decorrência das visitas de verificação. - Os cursos superiores de tecnologia, supervisionados pela SEMTEC, estão excluídos da suspensão constante do art. 1º da Portaria nº 1.098/ Estabelece critérios e procedimentos para o processo de recredenciamento de instituições de educação superior do sistema federal de ensino. - Estabelece procedimentos de autorização de cursos fora de sede por universidades. - Estabelece prazos para a solicitação de reconhecimento e renovação de reconhecimento de cursos superiores. - Estabelece indicadores para comprovar a produção intelectual institucionalizada, para fins de credenciamento, nos termos do Art. 52, inciso I, da Lei 9.394/96 de 20 de dezembro de Dispõe sobre a alteração de turnos de funcionamento de cursos das instituições de educação superior não universitárias. - Disciplina sobre os Cursos Superiores de Tecnologia Formação de tecnólogos. Homologado em 5 de abril de 2001 e publicado em 6 de abril de 2001 no Diário Oficial. Parecer CNE/CEB Nº 17 - Estabelece as diretrizes operacionais para educação profissional em nível Tecnólogo em Redes de Computadores 7

8 de 03/12/1997 Parecer CNE/CES Nº 776 de 03/12/1997 Parecer CNE/CP 95/98 de 02/12/1998 Parecer CNE/CP 98/99 de 06/07/1999 Parecer CNE/CES de 23/11/1999 Port. MEC Nº 64 de 12/01/2001 Parecer CNE/CES 583 de 04/04/2001 Parecer CNE/CES Nº 575 de 04/04/2001 Edital MEC/SESU Nº 04/97 de 10/12/1997 nacional. - Orienta para as diretrizes curriculares dos cursos de graduação. - Regulamenta o processo seletivo para acesso a cursos de graduação de universidades, centros universitários e instituições isoladas de ensino superior. - Regulamenta o processo seletivo para acesso a cursos de graduação de universidades, centros universitários e instituições isoladas de ensino superior. - Estabelece critérios para autorização e reconhecimento de cursos de instituições de ensino superior. - Dispõe sobre os procedimentos para o reconhecimento de cursos/habilitações de nível tecnológico da educação profissional (cursos superiores de tecnologia) e sua renovação no sistema federal de ensino. - Orienta para as diretrizes curriculares dos cursos de graduação. - Consulta sobre carga horária de cursos superiores. - Convoca as instituições de ensino superior a apresentar as novas Diretrizes Curriculares dos cursos superiores. Legislação específica de CET e CEFET Lei Federal Nº de 30/06/1978 Lei Federal Nº de 31/10/1989 Lei Federal Nº de 30/06/1993 Lei Federal Nº de 28/09/1993 Lei Federal Nº de 08/12/1994 Lei Federal Nº de 27/05/1998 Dec. Federal No de 21/06/1992 Dec. Federal Nº de 27/11/1997 Dec. Federal Nº de 17/05/2000 Dec. Federal Nº de 31/01/2001 Port. MEC Nº de 19/12/ Dispõe sobre a transformação das Escolas Técnicas Federais de Minas Gerais, do Paraná, e Celso Suckow da Fonseca, do Rio de Janeiro, em Centros Federais de Educação Tecnológica. - Dispõe sobre a transformação da Escola Técnica Federal do Maranhão em Centro Federal de Educação Tecnológica. - Dispõe sobre a criação de Escolas Técnicas e Agrotécnicas e dá outras providências. Cria a Escola Técnica Federal de Roraima e respectivo quadro de pessoal. - Cria o Centro Federal de Educação Tecnológica da Bahia, nos termos da Lei nº 6.545, de 30 de junho de 1978, por transformação da Escola Federal da Bahia e incorpora o Centro de Educação Tecnológica da Bahia CENTEC. - Dispõe sobre a instituição do Sistema Nacional de Educação Tecnológica e dá outras providências. - Artigo 47: altera o parágrafo 3º da Lei Federal nº 8.948/94. Artigo 66: revoga os arts. 1º, 2º e 9º da Lei Federal nº 8.948/94. - Regulamenta a Lei nº 6.545, de 30 de junho de 1978, e dá outras providências. - Regulamenta a Lei Federal nº (trata de Centros de Educação Tecnológica). - Dá nova redação ao art. 8º do Decreto Federal nº 2.406/97 (trata da autonomia dos Centros Federais de Educação Tecnológica). - Altera a redação do art. 5º do decreto Federal nº 2.406/97, que regulamenta a Lei Federal nº 8.948/94 (trata da autonomia dos Centros de Educação Tecnológica Privados). - Estabelece diretrizes para elaboração do projeto institucional para implantação de novos CEFETs. Tecnólogo em Redes de Computadores 8

9 Legislação do Ensino a Distância Dec. Federal Nº de 10/02/1998 Dec. Federal Nº de 27/04/1998 Portaria MEC Nº 301 de 07/04/ Regulamenta o art. 80 da LDB (Lei nº 9.394/96). - Altera a redação dos arts. 11 e 12 do decreto nº 2.494, de 10 de fevereiro de 1998, que regulamenta o disposto no art. 80 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de Normatiza os procedimentos de credenciamento de instituições para a oferta de cursos de graduação e educação profissional tecnológica a distância. DA MANTENEDORA PESSOA FÍSICA Os seguintes documentos ou suas cópias autenticadas deverão estar presentes nos anexos na seqüência abaixo indicada: (nas versões impressa e eletrônica ) Demonstração de experiência e qualificação profissional vinculada à atividade proposta como mantenedora de instituição de ensino. Utilizar o modelo de Currículo (CV) para coordenador e docentes. A documentação comprobatória não precisa ser anexada, porém deverá estar disponível quando da visita da Comissão Verificadora. Os seguintes documentos ou suas cópias autenticadas deverão estar presentes nos anexos na seqüência abaixo indicada: (somente na versão impressa ) Cópia de documento de identidade. Prova de inscrição no Cadastro Geral de Pessoas Físicas (CPF). Prova de domicílio. Documentação relativa à regularidade fiscal: Prova de regularidade com a Fazenda Federal. Prova de regularidade com a Fazenda Estadual. Prova de regularidade com a Fazenda Municipal do seu domicílio. Demonstração de patrimônio e capacidade financeira própria para manter instituições de ensino. Tecnólogo em Redes de Computadores 9

10 DA MANTENEDORA PESSOA JURÍDICA Os seguintes documentos ou suas cópias autenticadas deverão estar presentes nos anexos na seqüência abaixo indicada: (nas versões impressa e eletrônica) Demonstração de experiência e qualificação profissional dos dirigentes, vinculada à atividade proposta. Utilizar o modelo de Currículo (CV) para coordenador e docentes. A documentação comprobatória não precisa ser anexada, porém deverá estar disponível quando da visita da Comissão Verificadora. Os seguintes documentos ou suas cópias autenticadas deverão estar presentes nos anexos na seqüência abaixo indicada: ( somente na versão impressa ) Prova de inscrição no Cadastro Geral de Contribuintes (CGC) ou no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ). Prova de inscrição no cadastro de contribuintes estadual, se houver, relativa à sede da mantenedora, pertinente a seu ramo de atividade. Prova de inscrição no cadastro de contribuintes municipal, se houver, relativa à sede da mantenedora, pertinente a seu ramo de atividade. Prova de regularidade com a Fazenda Federal. Prova de regularidade relativa à Seguridade Social (INSS). Prova de regularidade relativa ao Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS). Prova de regularidade com a Fazenda Estadual. Prova de regularidade com a Fazenda Municipal do município da sede da mantenedora, ou outra equivalente na forma da lei. Cópia do registro comercial em caso de empresa individual. Cópia do ato constitutivo: estatuto ou contrato social em vigor devidamente registrado, em se tratando de sociedades comerciais. Cópia dos documentos de eleição de seus administradores (quando for o caso). Cópia do ato constitutivo, no caso de sociedades civis acompanhada de eleição da diretoria. Demonstração de patrimônio e capacidade financeira própria para manter instituições de ensino. Tecnólogo em Redes de Computadores 10

11 DA INSTITUIÇÃO DE ENSINO Identificação da mantenedora. Nome: INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR SOCIAL E TECNOLÓGICO IESST CNPJ: / End.: CSG 09 LOTES 15/16 Cidade: Taguatinga UF: DF CEP: Fone: (061) / / Fax: (61) Dirigente principal da mantenedora Exclusivo do MEC Comissão Verificadora. Nome: HÉLIO FELIS PALAZZO End.: SMT conjunto 20 casa 15 Cidade: Taguatinga UF: DF CEP: Fone: (61) Fax: (61) Identificação da instituição mantida Exclusivo do MEC Comissão Verificadora. Nome: FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E TECNOLÓGICAS - FACITEC CNPJ: / End.: CSG 09 LOTES 15/16 Cidade: Taguatinga UF: DF CEP: Fone: (061) / / Fax: (61) Exclusivo do MEC Comissão Verificadora. Tecnólogo em Redes de Computadores 11

12 4.4 - Corpo dirigente da instituição mantida Dirigente Principal da Instituição de Ensino Cargo: Nome: Diretor Geral BRÁULIO PEREIRA LINS End.: Quadra 205 Lote 04 Bloco B Apt. 401 Praça Jandaia Cidade: Águas claras UF: DF CEP: Fone: (61) / Fax: (61) Diretor de Ensino Cargo: Nome: Diretor Acadêmico ELAINE BARBOSA SANTANA End.: Quadra 13 Conjunto E Casa 04 Cidade: Sobradinho UF: DF CEP: Fone: (61) / Fax: (61) Dirigente da Unidade de Ensino a Qual Pertence o Curso (No caso de instituição multi campi ou multi unidades) Cargo: Nome: Diretor Acadêmico ELAINE BARBOSA SANTANA End.: Quadra 13 Conjunto E Casa 04 Cidade: Sobradinho UF: DF CEP: Fone: (61) / Fax: (61) Dirigente ao qual está subordinado o Coordenador do Curso Cargo: Nome: Diretor Acadêmico ELAINE BARBOSA SANTANA End.: Quadra 13 Conjunto E Casa 04 Cidade: Sobradinho UF: DF CEP: Fone: (61) / Fax: (61) Tecnólogo em Redes de Computadores 12

13 Exclusivo do MEC Comissão Verificadora Histórico da mantenedora e da instituição mantida. O Mantenedor da Faculdade de Ciências Sociais e Tecnológicas - FACITEC é o Instituto de Ensino Superior Social e Tecnológico - IESST com sede no Distrito Federal, na cidade de Taguatinga, situado à QS 05, Rua 312, Lotes 08/12 -CEP: , fones (061) , , , e e site A Faculdade de Ciências Sociais e Tecnológicas é uma instituição de ensino superior, Credenciada pela Portaria MEC 292, de DOU Nº 35-E, de , Seção 1, Mantida pelo Instituto de Ensino Superior Social e Tecnológico - IESST, com Estatuto Registrado sob nº PJ 1.370, do Livro ALE, em , Microfilmado sob nº , do Cartório do Núcleo Bandeirante do 1º Ofício de Notas, Registro Civil e Protestos, Títulos e documentos e Pessoas Jurídicas, Av. Central, Área Especial 12, Bloco K, N. Bandeirante - DF, CNPJ nº /0, com sede na QS 05, Rua 312, Lotes 08/12 - Taguatinga - DF DF (061) / / / , Distrito Federal, tem como finalidade precípua disseminar por todos os meios e modalidades, o ensino, a pesquisa e a extensão. O presidente do Instituto de Ensino Superior Social e Tecnológico - IESST é o Administrador HÉLIO FELIS PALAZZO, idealizador do projeto FACITEC, empresário, radicado em Brasília a mais de 20 anos. Possui formação de nível superior, com bacharelado em Administração. A Mantenedora O Mantenedor da Faculdade de Ciências Sociais e Tecnológicas - FACITEC é o Instituto de Ensino Superior Social e Tecnológico - IESST com sede no Distrito Federal, na cidade de Taguatinga, situado à QS 05, Rua 312, Lotes 08/12 -CEP: , fones (061) , , , e e site A Mantida A mantida, Faculdade de Ciências Sociais e Tecnológicas - FACITEC é uma instituição de ensino superior, com sede na QS 05, Rua 312, Lotes 08/12 - Taguatinga - DF em , (061) / / / e e site A FACITEC foi credenciada pelo Ministério da Educação, através da Portaria MEC Nº 292, de , publicada no Diário Oficial da União Nº 35-E, de , Seção 1, página 72. O atual Diretor Geral da Instituição é o Prof. Bráulio Pereira Lins, Brasileiro, casado, graduado em Administração de empresas pela Universidade Paraíba de Educação, Licenciado em Controle de Qualidade e Organização de Norma pela Universidade Paraíba de Educação e Especialista em Educação Profissional Tecnólogo em Redes de Computadores 13

14 pela Universidade de Oklahoma/EUA. Participou como representante da SEMTEC/MEC no Congresso Técnico da OIT e OEI, sobre Desenvolvimento da Educação Profissional no Mercosul (Chile); atuou ainda como representante da SEMTEC/MEC na Comissão de Tecnologia do Mercosul (Argentina). Em sua carreira profissional atuou como Diretor do Programa do Sistema Federal de Educação Profissional / SEMTEC/MEC; Coordenador de Execução do Programa de Expansão da Educação Profissional PROEP; Diretor do Centro Federal de Educação e Tecnologia da Paraíba - CEFET/PB; Diretor Substituto do PROEP/SEMTEC/MEC e Substituto do Secretário da SEMTEC/MEC. Documentos Jurídicos fiscal da FACITEC DOCUMENTO NÚMERO DATA DE EMISSÃO Cartão de Inscrição no CNPJ / CPF / /07/1999 Certidão de Dívida Ativa da União AFA.AB90.9ABB 26/11/2001 Inscrição estadual/municipal / /05/2000 Certidão Negativa de Débito - INSS Certidão Negativa de Débito - FGTS /11/2001 Estatutos registrados sob o Nº Locação do prédio onde se localiza Unidade I QS 05 rua 312 lotes, 08/12 Taguatinga- DF PJ 1.370, do Livro ALE, do Cartório do Núcleo Bandeirante - 1º Ofício de Notas, Registro Civil e Protestos, Títulos e Documentos e Pessoas Jurídicas. Contrato de locação registrado em Cartório VALIDADE 23/11/2001 Indeterminado Exclusivo do MEC Comissão Verificadora As atividades principais da instituição mantida. A mantida, Faculdade de Ciências Sociais e Tecnológicas - FACITEC é uma instituição de ensino superior, desenvolvendo atividades de ensino, pesquisa, extensão, assistência e prestação de serviços Áreas de atuação da instituição mantida. Exclusivo do MEC Comissão Verificadora. Informar quais as áreas profissionais são atendidas por seus cursos (Parecer CNE-CES 436/2001) Comunicação, Construção Civil, Gestão, Informática, Indústria, Telecomunicações, Turismo e hospitalidade. Tecnólogo em Redes de Computadores 14

15 Exclusivo do MEC Comissão Verificadora Descrição de participação do Corpo Docente nas atividades de direção da instituição mantida. A administração da FACITEC é exercida nos seguintes níveis e órgãos: O Conselho Superior - CONSU, órgão superior deliberativo em matéria didático-científica, administrativa, disciplinar e técnico de coordenação e assessoramento superior é constituído pelos seguintes membros: I - Presidente da Mantenedora ou seu representante; II - Diretor-Geral (Presidente do Conselho Superior); III - Diretor Acadêmico (Vice-Presidente do Conselho Superior); IV - Diretor Administrativo e Financeiro - DIRAF; V - Coordenador Geral do Instituto Superior de Educação - ISE; VI - Coordenador do Geral do Centro de Desenvolvimento Tecnológico - CEDTEC; VII - Coordenador Geral de Ciências Jurídicas COJUR; VIII Coordenador de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão - COPEX; IX - Coordenadores de Curso; X - 2 (dois) representantes do corpo docente; XI - 1 (um) representante do corpo discente; XII - 1 (um) representante da comunidade. O Presidente da Mantenedora, Diretor-Geral, Diretor Acadêmico, Diretor de Campus, Diretor Administrativo e Financeiro e Coordenadores Gerais e de curso são membros natos do Conselho Superior. Os representantes docente e discente, serão eleitos pelos seus pares para mandato de 02 (dois) anos, podendo ser reconduzidos. O representante da comunidade terá mandato de 02 (dois) anos. Os membros do Conselho Superior serão designados por Portaria do Diretor-Geral. O Conselho Superior reúne-se ordinariamente no início e no fim de cada semestre letivo em datas previamente estabelecidas no calendário acadêmico e extraordinariamente, sempre que convocado pelo seu presidente ou por requerimento de 2/3 de seus membros, sempre com convocação prévia de 48 (quarenta e oito) horas, mediante edital. O Colegiado de Curso é o órgão responsável pela coordenação didática e a integração de estudos nos cursos oferecidos pela Faculdade. O Colegiado de Curso será constituído de: Tecnólogo em Redes de Computadores 15

16 I. Um presidente, sendo este o Coordenador de Curso. II. Um professor indicado pelo Diretor, dentre os membros da FACITEC. III. Um professor eleito por seus pares, dentre os membros do Departamento da FACITEC. IV. Um representante discente, eleito por seus pares com esta finalidade. Obs: Os representantes mencionados nos incisos III e IV terão mandato de 2 (dois) anos. São atribuições do Colegiado de Curso: I. Estabelecer o perfil profissional e a proposta pedagógica do curso. II. Elaborar o seu regimento interno. III. Elaborar, analisar e avaliar o currículo dos Cursos e suas alterações. IV. Analisar, aprovar e avaliar os planos de ensino das disciplinas dos cursos, propondo alterações quando necessárias. V. Fixar normas quanto à matricula e à integralização dos cursos, respeitando o estabelecido pelo Sistema Federal de Educação. VI. Deliberar sobre os pedidos de prorrogação de prazo para conclusão dos cursos. VII. Deliberar, em grau de recurso, sobre decisões do Presidente do Colegiado de Curso. VIII. Exercer as demais atribuições conferidas por lei e neste Regimento. São atribuições do Presidente do Colegiado de Curso (Coordenador do Curso) a administração e o gerenciamento do curso, conforme deliberações do Colegiado de Curso e do Conselho Superior, orientar e fiscalizar o cumprimento, por parte dos professores do curso, dos Planos de Atividades, dos Planos de Ensino das respectivas disciplinas e dos projetos de pesquisa e extensão. Coordenação de curso Para cada curso ofertado pela FACITEC haverá um Coordenador de Curso, sendo este indicado, ad nutum, pelo Diretor da Faculdade. São atribuições do Coordenador de Curso: I. administrar e o gerenciar o Curso, conforme deliberações do Colegiado de Curso e do Conselho Superior; II. orientar e fiscalizar o cumprimento, por parte dos professores, dos Planos de Atividades, dos Planos de Ensino das respectivas disciplinas e dos projetos de pesquisa e extensão. Exclusivo do MEC Comissão Verificadora. Tecnólogo em Redes de Computadores 16

17 4.9 - Tabela resumo de informações sobre os cursos oferecidos pela instituição mantida CURSO HABILITAÇÃO VAGAS TURNO AUTORIZAÇÃO Administração* Marketing 0 Noturno Portaria 292 de 15/02/01 Administração* Análise de Sistemas Gerenciais 50 Noturno Portaria 292 de 15/02/01 Comunicação Social Jornalismo 40 Noturno Portaria 2983 de 18/12/01 Comunicação Social Jornalismo 40 Matutino Portaria 2983 de 18/12/01 Comunicação Social Pup. Propaganda 40 Noturno Portaria 2983 de 18/12/01 Comunicação Social Pup. Propaganda 40 Matutino Portaria 2983 de 18/12/01 Sistema de Informação 50 Noturno Portaria 1044 de 09/04/02 Direito 40 Matutino Portaria 129 de 12/01/04 Direito 40 Noturno Parecer CES/CNE 080/2005 Normal Superior Mag. Ensino Fundamental 50 Matutino Portaria 2720 de 03/09/04 Normal Superior Mag. Ensino Fundamental 50 Noturno Portaria 2720 de 03/09/04 Turismo 50 Noturno Portaria 2719 de 03/09/04 * O curso de Administração e respectivas habilitação são reconhecidos conforme Portaria MEC 4375 de 29/12/2004, D.O.U. 31/12/2004 NOME DO CURSO Nº de Vagas Candidatos Vagas CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL TÉCNICO AUTORIZADOS Nº de Turmas Total Alunos Conceito ENC CURSOS SUPERIORES DE GRADUAÇÃO AUTORIZADOS Comunicação Social em Jornalismo 40 2, Comunicação Social em Publicidade e Propaganda 40 2, Sistemas de Informação 50 7, Direito 80 14, Pedagogia 100 2, Turismo 50 3, CURSOS SUPERIORES DE GRADUAÇÃO RECONHECIDOS Administração em Análise de Sistemas Gerenciais 50 5, Administração em Marketing 50 3, Nome do curso CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO CREDENCIADOS Nº de Vagas Cand. Vagas Nº de Turmas Tot. de Alunos Avaliação CAPES Administração em gestão pública Ainda não avaliado pela CAPES Administração em gestão estratégica Ainda não avaliado pela CAPES Direito Civil Ainda não avaliado pela CAPES Tecnólogo em Redes de Computadores 17

18 Matemática e Estatística 40 0, Ainda não avaliado pela CAPES Desenvolvimento Humano em Situação de Risco Psicossocial Ainda não avaliado pela CAPES Redes e Segurança da Informação Ainda não avaliado pela CAPES O primeiro processo seletivo para os cursos de Pós-Graduação lato sensu da FACITEC encontram-se com inscrições abertas até o dia 05 de novembro de LEGENDA Nº de Vagas Número de vagas para ingresso no curso. Candidatos Vagas Número de candidatos por vaga no último processo seletivo. Nº de Turmas Número de turmas de todo o curso Total Alunos Número total de alunos de todo o curso Conceito ENC Conceito obtido no Exame Nacional de Cursos. (Quando houver) Exclusivo do MEC Comissão Verificadora Detalhamento dos cursos oferecidos pela mantida Nome do Curso Administração em Análise de Sistemas Gerenciais Nível Status Regime de Matricula Periodicidade Letiva Graduação Reconhecido Seriado Semestral Período Turma Nº de alunos Período Turma Nº de alunos Período Turma Nº de alunos 1º sem. A 45 2º sem. A 32 3º sem. A 16 4º sem. A 32 5º sem. A 19 6º sem. A 14 7º sem. A 18 8º sem. A 14 Nível Status LEGENDA se é Técnico, Graduação ou Pós-graduação (Especialização, Mestrado e Doutorado). se o curso está Autorizado, em Processo de Reconhecimento ou Reconhecido. Matricula por Crédito ou seriado ou módulo ou... Periodicidade Letiva se é Anual, Semestral, Quadrimestral, Trimestral, Bimestral, etc. Exclusivo do MEC Comissão Verificadora. Nome do Curso Administração em Marketing Tecnólogo em Redes de Computadores 18

19 Nível Status Regime de Matricula Periodicidade Letiva Graduação Reconhecido Seriado Semestral Período Turma Nº de alunos Período Turma Nº de alunos Período Turma Nº de alunos 1º sem. A 48 2º sem. A 46 3º sem. A 31 4º sem. A 35 5º sem. A 39 6º sem. A 17 7º sem. A 10 8º sem. A 10 LEGENDA Nível se é Técnico, Graduação ou Pós-graduação (Especialização, Mestrado e Doutorado). Status se o curso está Autorizado, em Processo de Reconhecimento ou Reconhecido. Matricula por Crédito ou seriado ou módulo ou... Periodicidade Letiva se é Anual, Semestral, Quadrimestral, Trimestral, Bimestral, etc. Exclusivo do MEC Comissão Verificadora. Nome do Curso Comunicação Social em Jornalismo (NOTURNO) Nível Status Regime de Matricula Periodicidade Letiva Graduação Reconhecido Seriado Semestral Período Turma Nº de alunos Período Turma Nº de alunos Período Turma Nº de alunos 1º sem. A 24 2º sem. A 22 3º sem. A 14 4º sem. A 31 5º sem. A 0 6º sem. A 24 7º sem. A 12 8º sem. A 20 LEGENDA Nível se é Técnico, Graduação ou Pós-graduação (Especialização, Mestrado e Doutorado). Status se o curso está Autorizado, em Processo de Reconhecimento ou Reconhecido. Matricula por Crédito ou seriado ou módulo ou... Periodicidade Letiva se é Anual, Semestral, Quadrimestral, Trimestral, Bimestral, etc. Exclusivo do MEC Comissão Verificadora. Nome do Curso Comunicação Social em Jornalismo (MATUTINO) Nível Status Regime de Matricula Periodicidade Letiva Tecnólogo em Redes de Computadores 19

20 Graduação Reconhecido Seriado Semestral Período Turma Nº de alunos Período Turma Nº de alunos Período Turma Nº de alunos 1º sem. A 43 2º sem. A 38 3º sem. A 22 4º sem. A 31 5º sem. A 17 6º sem. A 15 LEGENDA Nível se é Técnico, Graduação ou Pós-graduação (Especialização, Mestrado e Doutorado). Status se o curso está Autorizado, em Processo de Reconhecimento ou Reconhecido. Matricula por Crédito ou seriado ou módulo ou... Periodicidade Letiva se é Anual, Semestral, Quadrimestral, Trimestral, Bimestral, etc. Exclusivo do MEC Comissão Verificadora. Tecnólogo em Redes de Computadores 20

23000.[_][_][_][_][_][_]/200[_]-[_][_]

23000.[_][_][_][_][_][_]/200[_]-[_][_] Número do Processo: 23000.[_][_][_][_][_][_]/200[_]-[_][_] Para uso exclusivo do MEC. NOME DA MANTENEDORA NOME DA MANTIDA CENTRO DE ENSINO SUPERIOR INAP LTDA. FACULDADE TECNOLÓGICA INAP FAT INAP Solicita

Leia mais

23000.[0][0][4][7][2][8]/200[4]-[4][8]

23000.[0][0][4][7][2][8]/200[4]-[4][8] Número do Processo: 23000.[0][0][4][7][2][8]/200[4]-[4][8] Para uso exclusivo do MEC. NOME DA MANTENEDORA NOME DA MANTIDA Ministério da Educação Centro Federal de Educação Tecnológica de Pernambuco CEFET-

Leia mais

DECRETO Nº 3.860, DE 9 DE JULHO DE 2001

DECRETO Nº 3.860, DE 9 DE JULHO DE 2001 DECRETO Nº 3.860, DE 9 DE JULHO DE 2001 Dispõe sobre a organização do ensino superior, a avaliação de cursos e instituições, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições

Leia mais

23000.[0][0][3][8][9][1]/200[2]-[2][1]

23000.[0][0][3][8][9][1]/200[2]-[2][1] Número do Processo: 23000.[0][0][3][8][9][1]/200[2]-[2][1] Para uso exclusivo do MEC. NOME DA MANTENEDORA NOME DA MANTIDA Instituto de Ensino Superior de Bauru S/C Ltda. CETEP Centro de Educação Tecnológica

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE GOIÁS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA AMBIENTAL MODALIDADE GESTÃO AMBIENTAL.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE GOIÁS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA AMBIENTAL MODALIDADE GESTÃO AMBIENTAL. Número do Processo: 23000.014513/2003-54 Para uso exclusivo do MEC. NOME DA MANTENEDORA NOME DA MANTIDA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE GOIÁS Solicita o Reconhecimento

Leia mais

23000.[_][_][_][_][_][_]/200[_]-[_][_] UNIÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA - PETROLINA

23000.[_][_][_][_][_][_]/200[_]-[_][_] UNIÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA - PETROLINA Número do Processo: 23000.[_][_][_][_][_][_]/200[_]-[_][_] Para uso exclusivo do MEC. NOME DA MANTENEDORA NOME DA MANTIDA UNIÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA - PETROLINA

Leia mais

RESOLUÇÃO CSA N.º 07, DE 23 DE SETEMBRO DE 2014

RESOLUÇÃO CSA N.º 07, DE 23 DE SETEMBRO DE 2014 RESOLUÇÃO CSA N.º 07, DE 23 DE SETEMBRO DE 2014 Estabelece o Regulamento para a Oferta de Cursos de Pós Graduação Lato Sensu das Faculdades Ponta Grossa. A Presidente do Conselho Superior de Administração

Leia mais

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 09/2014

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 09/2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS Campus Universitário Viçosa, MG 36570-000 Telefone: (31) 3899-2127 - Fax: (31) 3899-1229 - E-mail: soc@ufv.br RESOLUÇÃO

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO Art. 1º O colegiado de curso é órgão consultivo da Coordenação de Curso, destinado a subsidiar a

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011)

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO CONSELHO UNIVERSITÁRIO

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO CONSUN Nº 07/2010 Define e regulamenta o funcionamento dos programas de pós-graduação stricto sensu O Conselho Universitário da Universidade

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Ato: Resolução Nº 009/2010- CONSUP

REGIMENTO INTERNO Ato: Resolução Nº 009/2010- CONSUP Pág. 1 de 10 DO PROGRAMA DE PÓS- DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DOS CURSOS Art. 1 o A Pró-Reitoria de Pesquisa e Inovação é o órgão

Leia mais

EDITAL INSTITUCIONAL DE EXTENSÃO N 84, DE 23 DE JULHO DE

EDITAL INSTITUCIONAL DE EXTENSÃO N 84, DE 23 DE JULHO DE O Diretor Geral do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão Campus São Luís Centro Histórico, no uso de suas atribuições, torna público que estarão abertas no período de 24/07/2014

Leia mais

EDITAL 04/2014 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO FINANCEIRA DE INSTITUIÇÕES FILANTRÓPICAS E ORGANIZAÇÕES SOCIAIS

EDITAL 04/2014 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO FINANCEIRA DE INSTITUIÇÕES FILANTRÓPICAS E ORGANIZAÇÕES SOCIAIS EDITAL 04/2014 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO FINANCEIRA DE INSTITUIÇÕES FILANTRÓPICAS E ORGANIZAÇÕES SOCIAIS A Faculdade Católica Dom Orione, Araguaína TO, torna pública a abertura das inscrições para

Leia mais

Proposta de Resolução Ementa:

Proposta de Resolução Ementa: Proposta de Resolução Ementa: Dispõe sobre a regulamentação de Título de Especialista e de Especialista Profissional Farmacêutico e sobre normas e procedimentos para seu registro O Conselho Federal de

Leia mais

EDITAL INSTITUCIONAL DE EXTENSÃO N 03, DE 03 DE JULHO DE 2015.

EDITAL INSTITUCIONAL DE EXTENSÃO N 03, DE 03 DE JULHO DE 2015. O Diretor Geral do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão Campus Imperatriz-MA, no uso de suas atribuições, torna público que estarão abertas no período de 01/07/2015 a 22/07/2015

Leia mais

FACULDADE DE CAMPINA GRANDE DO SUL Credenciada pela Portaria MEC nº 381/2001, de 05/03/2001 D.O.U. 06/03/2001

FACULDADE DE CAMPINA GRANDE DO SUL Credenciada pela Portaria MEC nº 381/2001, de 05/03/2001 D.O.U. 06/03/2001 FACULDADE DE CAMPINA GRANDE DO SUL Credenciada pela Portaria MEC nº 381/2001, de 05/03/2001 D.O.U. 06/03/2001 RESOLUÇÃO Nº.06/2008 Dispõe sobre a Normatização do Programa. de Cursos de Pós-Graduação Lato

Leia mais

Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu

Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu VICE-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu CAPÍTULO I DA FINALIDADE E DA ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO Art. 1º Os Programas de

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 Curso Superior em Tecnologia em Design de Moda Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 047, de 16 de outubro de 2006. (Modificada pela Res. 039/2012 e 002/2013)

RESOLUÇÃO N o 047, de 16 de outubro de 2006. (Modificada pela Res. 039/2012 e 002/2013) RESOLUÇÃO N o 047, de 16 de outubro de 2006. (Modificada pela Res. 039/2012 e 002/2013) Aprova o Regulamento Geral dos Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

REGULAMENTO 1- DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO GERAL

REGULAMENTO 1- DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO GERAL REGULAMENTO 1- DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO GERAL 1.1 - O Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Comunicação: Imagens e Culturas Midiáticas constitui-se em atividade de Ensino do Departamento de Comunicação

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENGENHARIA ELÉTRICA Ifes Campus Vitória TÍTULO I DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO GERAL

REGIMENTO INTERNO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENGENHARIA ELÉTRICA Ifes Campus Vitória TÍTULO I DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO GERAL REGIMENTO INTERNO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENGENHARIA ELÉTRICA Ifes Campus Vitória TÍTULO I DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1º - O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO, NATUREZA, FINALIDADES E OBJETIVOS DOS CURSOS Art. 1. Os Cursos de Pós-Graduação Lato sensu do Instituto Federal de Rondônia

Leia mais

REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Res. Consun nº 96/10, de 24/11/10. Art. 1º Art. 2º Art. 3º Art. 4º TÍTULO I DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA. Resolução nº 01/2010

CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA. Resolução nº 01/2010 CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Resolução nº 01/2010 Regulamenta a pós-graduação lato sensu nas modalidades semipresencial e à distância O Diretor do Centro de Educação

Leia mais

Padrões de Qualidade para os Cursos de Graduação em Direito

Padrões de Qualidade para os Cursos de Graduação em Direito MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE DIREITO APRESENTAÇÃO: Padrões de Qualidade para os Cursos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 62 DE 26 DE SETEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 62 DE 26 DE SETEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 62 DE 26 DE SETEMBRO DE 2013 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 45ª Reunião Ordinária, realizada no dia 26 de setembro de 2013, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA REGIMENTO INTERNO DA FACULDADE DE MATEMÁTICA, CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES, UFPA.

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I Dos Objetivos. CAPÍTULO II Da Estrutura Acadêmica

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I Dos Objetivos. CAPÍTULO II Da Estrutura Acadêmica UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MIDIAS NA EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I Dos Objetivos Art. 1º. A Especialização em Mídias na Educação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1 de 03 de Abril de 2000

RESOLUÇÃO Nº 1 de 03 de Abril de 2000 RESOLUÇÃO Nº 1 de 03 de Abril de 2000 EMENTA: Estabelece normas para a organização e funcionamento de cursos de especialização (pósgraduação lato sensu) na Universidade. O CONSELHO COORDENADOR DE ENSINO,

Leia mais

EDITAL INSTITUCIONAL DE EXTENSÃO N 25, DE 12 DE AGOSTO DE 2013.

EDITAL INSTITUCIONAL DE EXTENSÃO N 25, DE 12 DE AGOSTO DE 2013. EDITAL INSTITUCIONAL DE EXTENSÃO N 25, DE 12 DE AGOSTO DE 13. O Diretor Pró-Tempore do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão Campus São João dos Patos, no uso de suas atribuições,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 30/6/2014, Seção 1, pág. 30. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 30/6/2014, Seção 1, pág. 30. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 30/6/2014, Seção 1, pág. 30. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Fundação Universidade Federal de Mato Grosso

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO I DOS OBJETIVOS E DA ESTRUTURAÇÃO GERAL DO MESTRADO Art.

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIGRANRIO

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIGRANRIO UNIVERSIDADE DO GRANDE RIO Prof. José de Souza Herdy Reconhecida pela Portaria MEC 940/94 D.O.U. de 16 de Junho de 1994 PRÓ - REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROPEP REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE

Leia mais

FACULDADE 7 DE SETEMBRO LABORATÓRIO DE PESQUISA DE OPINIÃO E MERCADO

FACULDADE 7 DE SETEMBRO LABORATÓRIO DE PESQUISA DE OPINIÃO E MERCADO FACULDADE 7 DE SETEMBRO LABORATÓRIO DE PESQUISA DE OPINIÃO E MERCADO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO, FINS E OBJETIVOS Art. 1º As presentes normas visam regulamentar e disciplinar, em termos de sua administração,

Leia mais

CAPÍTULO I Das definições preliminares, das e dos objetivos.

CAPÍTULO I Das definições preliminares, das e dos objetivos. Resolução n.º 03/2010 Regulamenta os Cursos de Pós-Graduação da Faculdade Campo Real. O CONSU Conselho Superior, por meio do Diretor Geral da Faculdade Campo Real, mantida pela UB Campo Real Educacional

Leia mais

Título I Das Disposições Preliminares. TÍTULO II Do Processo Seletivo. TÍTULO III Da matrícula

Título I Das Disposições Preliminares. TÍTULO II Do Processo Seletivo. TÍTULO III Da matrícula Regulamento do Processo Seletivo para ingresso nos cursos de Graduação Bacharelado e Licenciatura e Graduação Tecnológica da Faculdade Paulus de Tecnologia e Comunicação. Missão Institucional Promover

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO RESOLUÇÃO Nº. 10/2015 Criar e aprovar o Curso de Pós-Graduação MBA em Gestão Empreendedora

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROMOÇÃO DE SAÚDE (PPGPS) CAPÍTULO I INTRODUÇÃO GERAL

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROMOÇÃO DE SAÚDE (PPGPS) CAPÍTULO I INTRODUÇÃO GERAL Texto Aprovado CONSU Nº 2011-26 - Data: 09/06/11 REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROMOÇÃO DE SAÚDE (PPGPS) CAPÍTULO I INTRODUÇÃO GERAL Art. 1º Este regimento estabelece as atribuições,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 30, DE 28 DE ABRIL DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 30, DE 28 DE ABRIL DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 30, DE 28 DE ABRIL DE 2011 Dispõe sobre as normas para a pós-graduação na modalidade lato sensu ofertada pela Universidade Federal do Pampa. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: DINÂMICA REGIONAL E ALTERNATIVAS DE SUSTENTABILIDADE. CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO DO PROGRAMA

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL - UAB

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL - UAB EDITAL Nº 068/2012-UAB-UEM A Coordenadora da UAB da Universidade Estadual de Maringá, no uso das atribuições, TORNA PÚBLICO A abertura de inscrições do processo seletivo para contratação de TUTOR (A DISTÂNCIA)

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO RESOLUÇÃO Nº. 07/2015 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO Aprova a criação do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, em nível

Leia mais

PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA REGULAMENTO

PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA REGULAMENTO PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA REGULAMENTO TÍTULO I : DAS DISPOSIÇÕES GERAIS TÍTULO II : DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Capítulo 1: Das atribuições do

Leia mais

Regulamento dos Programas de Pós-graduação Stricto Sensu em Ensino de Ciências e em Ensino de Ciências e Matemática.

Regulamento dos Programas de Pós-graduação Stricto Sensu em Ensino de Ciências e em Ensino de Ciências e Matemática. Regulamento dos Programas de Pós-graduação Stricto Sensu em Ensino de Ciências e em Ensino de Ciências e Matemática. DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1 - Os Programas de Pós-graduação Stricto Sensu estão

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO Belém-PA, janeiro/2015 REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ CAPÍTULO

Leia mais

Regimento da Pós-Graduação Stricto Sensu

Regimento da Pós-Graduação Stricto Sensu Regimento da Pós-Graduação Stricto Sensu TÍTULO I Do Regimento da Pós-Graduação Stricto Sensu Capítulo I Das Disposições Preliminares Artigo 1º - O Regime de Pós-Graduação Stricto Sensu, nos níveis de

Leia mais

Regulamento do Programa de Estudos Pós-Graduados em EDUCAÇÃO: PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO.

Regulamento do Programa de Estudos Pós-Graduados em EDUCAÇÃO: PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO. Regulamento do Programa de Estudos Pós-Graduados em EDUCAÇÃO: PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO. 1- Objetivos do Programa Artigo 1º - São objetivos do Programa: I - capacitar pessoal em nível de Mestrado Acadêmico,

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO CAPÍTULO I INTRODUÇÃO

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Texto Aprovado CONSU Resolução CONSU 2015-07 de 25/06/2015 REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Art. 1º Este regimento estabelece as atribuições, responsabilidades e

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÀRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÀRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÀRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 01/2014 Aprova o Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em nível de Especialização,

Leia mais

EDITAL INSTITUCIONAL DE EXTENSÃO N 50, DE 27 DE AGOSTO DE

EDITAL INSTITUCIONAL DE EXTENSÃO N 50, DE 27 DE AGOSTO DE O Diretor Geral Pró-Tempore do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão Campus São Luís Centro Histórico, no uso de suas atribuições, torna público que estarão abertas no período

Leia mais

U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B

U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul EDITAL Nº 031/2015 PROCESSO CLASSIFICATÓRIO DE AFASTAMENTO DE SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DA UNIDADE ORGANIZACIONAL CAMPUS BENTO GONÇALVES DO IFRS O Diretor-Geral da Unidade Organizacional

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 PRÓ-REITORIA DE ENSINO/IFMG/SETEC/MEC, DE 05 DE JUNHO DE 2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 PRÓ-REITORIA DE ENSINO/IFMG/SETEC/MEC, DE 05 DE JUNHO DE 2012. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE ENSINO Av. Professor Mario Werneck, nº 2590,

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO E DOS OBJETIVOS Art.1º - O Programa de Pós-graduação em Odontologia

Leia mais

REGULAMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS

REGULAMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS REGULAMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES Art. 1º. O Instituto Federal de Educação,

Leia mais

REGIMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO " LATO SENSU"

REGIMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO  LATO SENSU UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS PRÓ REITORIA ACADÊMICA ASSESSORIA DE PÓS GRADUAÇÃO E PESQUISA REGIMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO " LATO SENSU" CAPÍTULO I DOS CURSOS E SEUS OBJETIVOS Art. 1º A

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL - UAB EDITAL Nº 098/2012-UAB-UEM

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL - UAB EDITAL Nº 098/2012-UAB-UEM EDITAL Nº 098/2012-UAB-UEM A Coordenadora da UAB da Universidade Estadual de Maringá, no uso das atribuições, TORNA PÚBLICO: A abertura de inscrições do processo seletivo para contratação de TUTOR (PRESENCIAL)

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL - UAB EDITAL Nº 114/2014-UAB-UEM

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL - UAB EDITAL Nº 114/2014-UAB-UEM EDITAL Nº 114/2014-UAB-UEM A Coordenadora da UAB da Universidade Estadual de Maringá, no uso das atribuições, TORNA PÚBLICO: A abertura de inscrições do processo seletivo para contratação de TUTOR (PRESENCIAL)

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO: PEDAGOGIA

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO: PEDAGOGIA 1 FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS DE CRUZEIRO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO: PEDAGOGIA 2 CRUZEIRO - SP 2014 APRESENTAÇÃO De acordo com a Resolução n o 1, de 02 de fevereiro de 2004,

Leia mais

EDITAL INSTITUCIONAL DE EXTENSÃO N 04, DE 03 DE JULHODE 2015.

EDITAL INSTITUCIONAL DE EXTENSÃO N 04, DE 03 DE JULHODE 2015. EDITAL INSTITUCIONAL DE EXTENSÃO N 04, DE 03 DE JULHODE 2015. O Diretor Geral do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão Campus Imperatriz - MA, no uso de suas atribuições, torna

Leia mais

RESOLUÇÃO CFP Nº 007/01 DE 01 DE JUNHO DE 2001.

RESOLUÇÃO CFP Nº 007/01 DE 01 DE JUNHO DE 2001. RESOLUÇÃO CFP Nº 007/01 DE 01 DE JUNHO DE 2001. Aprova o Manual para Credenciamento de Cursos com finalidade de Concessão do Título de Especialista e respectivo registro. O CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL - UAB EDITAL Nº 079/2014-UAB-UEM

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL - UAB EDITAL Nº 079/2014-UAB-UEM EDITAL Nº 079/2014-UAB-UEM A Coordenadora da UAB da Universidade Estadual de Maringá, no uso das atribuições, TORNA PÚBLICO: A abertura de inscrições do processo seletivo para contratação de TUTOR (PRESENCIAL)

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 18/00 - CEPE R E S O L V E:

RESOLUÇÃO Nº 18/00 - CEPE R E S O L V E: RESOLUÇÃO Nº 18/00 - CEPE Aprova as normas básicas da atividade acadêmica dos Cursos de Graduação na modalidade de Educação à Distância da Universidade Federal do Paraná. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA

Leia mais

REGULAMENTO PROPPES (Aprovado na Reunião do Consuni em 24/9/2009) CAPÍTULO XVI DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO PROPPES (Aprovado na Reunião do Consuni em 24/9/2009) CAPÍTULO XVI DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO PROPPES (Aprovado na Reunião do Consuni em 24/9/2009) CAPÍTULO XVI DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Art. 72. Os cursos de Pós-Graduação Lato Sensu destinam-se a candidatos graduados, podendo ser

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE TÍTULO I

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE TÍTULO I 1 REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE TÍTULO I DO OBJETIVO E DA ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1.º - Este regimento estabelece as normas

Leia mais

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO Art. 1º O Laboratório de Línguas é um órgão complementar de fomento ao ensino, pesquisa, extensão, e prestação de serviços vinculado ao Centro de Letras e Ciências Humanas sob

Leia mais

TURMA 2015 EDITAL Nº 1/2015

TURMA 2015 EDITAL Nº 1/2015 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UEG PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PrP COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CÂMPUS UNIVERSITÁRIO DE LUZIÂNIA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU EM DOCÊNCIA

Leia mais

REGIMENTO TÍTULO I DOS FINS

REGIMENTO TÍTULO I DOS FINS TÍTULO I DOS FINS Programa de Pós-Graduação em Odontologia / PPgO Áreas de concentração em Estomatologia, Clínica Odontológica, Periodontia e Implantodontia, em nível de Mestrado Profissional. REGIMENTO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 05 - CONSU 13 DE JUNHO DE 2007

RESOLUÇÃO Nº. 05 - CONSU 13 DE JUNHO DE 2007 Rua Governador Luiz Cavalcante, S/N, TELEFAX (82) 3530-3382 CEP: 57312-270 Arapiraca-Alagoas RESOLUÇÃO Nº. 05 - CONSU 13 DE JUNHO DE 2007 Dispõe sobre normas e procedimentos para os Cursos de Especialização

Leia mais

O Presidente do Conselho Superior de Acadêmico (CONSEA) da Fundação Universidade

O Presidente do Conselho Superior de Acadêmico (CONSEA) da Fundação Universidade Resolução nº 200/CONSEA, de 19 de fevereiro de 2009. Altera normas para o oferecimento de cursos de pós-graduação Stricto Sensu e lato sensu, pelos Departamentos da Fundação Universidade Federal de Rondônia

Leia mais

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO TÍTULO I - APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA... 1 TÍTULO II - DOS OBJETIVOS...

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1.032, DE 30 DE MARÇO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 1.032, DE 30 DE MARÇO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 1.032, DE 30 DE MARÇO DE 2011 Dispõe sobre a celebração de convênios entre os Creas e as entidades de classe e as instituições de ensino e dá outras providências. O CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA,

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC 2014 ÍNDICE CAPÍTULO I... 3 Da Constituição, Natureza, Finalidade e Objetivos dos Cursos... 3 CAPÍTULO II... 3 Da Implantação dos Cursos...

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO DA UNESP FFC/MARÍLIA. Seção I. Dos Objetivos

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO DA UNESP FFC/MARÍLIA. Seção I. Dos Objetivos REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO DA UNESP FFC/MARÍLIA Seção I Dos Objetivos Artigo 1º O Programa de Pós-Graduação em Educação da Faculdade de Filosofia e Ciências de Marília será estruturado

Leia mais

Pró Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

Pró Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Pró Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU VASSOURAS - RJ 2010 REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO - UNIVEM CAPÍTULO I DO PROGRAMA E SEUS OBJETIVOS SEÇÃO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO - UNIVEM CAPÍTULO I DO PROGRAMA E SEUS OBJETIVOS SEÇÃO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO - UNIVEM CAPÍTULO I DO PROGRAMA E SEUS OBJETIVOS SEÇÃO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Direito do Centro Universitário

Leia mais

Texto orientador para a audiência pública sobre o marco regulatório dos Cursos de Pós-graduação Lato Sensu Especialização

Texto orientador para a audiência pública sobre o marco regulatório dos Cursos de Pós-graduação Lato Sensu Especialização CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Texto orientador para a audiência pública sobre o marco regulatório dos Cursos de Pós-graduação Lato Sensu Especialização Comissão da Câmara de Educação Superior Erasto Fortes

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: DINÂMICAS TERRITORIAIS E ALTERNATIVAS DE SUSTENTABILIDADE. CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE ENERGIAS ALTERNATIVAS E RENOVÁVEIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE ENERGIAS ALTERNATIVAS E RENOVÁVEIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA EDITAL Nº 03/2011- PRORROGA O PROCESSO DE SELEÇÃO DE CANDIDATOS ÀS VAGAS DO (PPGEE) PARA INGRESSO NO ANO LETIVO DE 2012 1. Preâmbulo 1.1 A Comissão de Seleção do Programa de Pós-Graduação em Engenharia

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS EM SAÚDE (STRICTO SENSU)

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS EM SAÚDE (STRICTO SENSU) REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS EM SAÚDE (STRICTO SENSU) MESTRADO TÍTULO I DOS FINS Art. 1 o O curso de Pós-Graduação Mestrado em Tecnologias em Saúde, da Fundação Bahiana para Desenvolvimento

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA ASSOCIADO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO/UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA

REGIMENTO DO PROGRAMA ASSOCIADO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO/UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA REGIMENTO DO PROGRAMA ASSOCIADO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO/UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA TÍTULO I - DOS OBJETIVOS E DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - O Programa Associado

Leia mais

Homologa adequações no Regulamento do Programa de pós-graduação lato sensu. DA FINALIDADE E OBJETIVOS

Homologa adequações no Regulamento do Programa de pós-graduação lato sensu. DA FINALIDADE E OBJETIVOS Resolução do CS nº 11/2013 Aparecida de Goiânia, 29 de janeiro de 2013. Homologa adequações no Regulamento do Programa de pós-graduação lato sensu. O Presidente Conselho Superior, no uso de suas atribuições,

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003

RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003 RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003 Aprova Regimento do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Letras Teoria Literária e Crítica da Cultura da UFSJ O PRESIDENTE DO CONSELHO DELIBERATIVO SUPERIOR

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ. Faculdade de Economia, Administração, Atuária e Contabilidade. Mestrado Profissional em Economia EDITAL N 01/2013

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ. Faculdade de Economia, Administração, Atuária e Contabilidade. Mestrado Profissional em Economia EDITAL N 01/2013 UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ Faculdade de Economia, Administração, Atuária e Contabilidade Mestrado Profissional em Economia EDITAL N 01/2013 SELEÇÃO PARA O CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM ECONOMIA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO E DA PESQUISA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO E DA PESQUISA 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO E DA PESQUISA RESOLUÇÃO Nº 49/2002/CONEP Aprova reformulação das Normas de Pós-Graduação da UFS. O CONSELHO DO ENSINO E DA PESQUISA da Universidade

Leia mais

Regulamento do Estágio Supervisionado do Curso de Administração

Regulamento do Estágio Supervisionado do Curso de Administração CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ENSINO SUPERIOR DO ESTADO DO AMAZONAS Rua Pedro Dias Leme, 231 Bairro Flores CEP 69058-818 Manaus AM Fones: 3643-4200 FAX 3642-4243 E-mail: ciesa@ciesabr Regulamento do Estágio

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL - UAB EDITAL Nº 061/2014-UAB-UEM

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL - UAB EDITAL Nº 061/2014-UAB-UEM EDITAL Nº 061/2014-UAB-UEM A Coordenadora da UAB da Universidade Estadual de Maringá, no uso das atribuições, TORNA PÚBLICO: A abertura de inscrições para o processo seletivo de TUTORIA (A Distância) para

Leia mais

R E G I M E N T O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA INSTITUTO DE TECNOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

R E G I M E N T O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA INSTITUTO DE TECNOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ R E G I M E N T O DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA DO INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ 2 SUMÁRIO CAPÍTULO I - DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO

REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO 1972 REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS E OBJETIVOS CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º A Pós-Graduação do Centro Universitário de Goiás (UNI-ANHANGÜERA)

Leia mais

Aprovado pelo CONSUNI - UFRJ - 25 de agosto de 2011

Aprovado pelo CONSUNI - UFRJ - 25 de agosto de 2011 REGIMENTO DO INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA (COPPE) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO. Aprovado por unanimidade pelo Conselho Deliberativo da COPPE em

Leia mais

COMISSÃO ESPECIAL DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PROCESSO N o : E-03/100.029/2008 INTERESSADO: CENTRO DE ENSINO E TREINAMENTO APLICADO A PROFISSIONAIS LTDA

COMISSÃO ESPECIAL DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PROCESSO N o : E-03/100.029/2008 INTERESSADO: CENTRO DE ENSINO E TREINAMENTO APLICADO A PROFISSIONAIS LTDA Governo do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Educação CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO COMISSÃO ESPECIAL DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PROCESSO N o : E-03/100.029/2008 INTERESSADO: CENTRO DE ENSINO E TREINAMENTO

Leia mais

Universidade Positivo Resolução n o 04 de 16/04/2010 Normas Acadêmicas do Stricto Sensu

Universidade Positivo Resolução n o 04 de 16/04/2010 Normas Acadêmicas do Stricto Sensu RESOLUÇÃO N o 04 de 16/04/2010 - CONSEPE Dispõe sobre as normas das atividades acadêmicas dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu da Universidade Positivo. O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão,

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TRANSPORTES DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA MESTRADO E DOUTORADO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TRANSPORTES DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA MESTRADO E DOUTORADO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TRANSPORTES DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA MESTRADO E DOUTORADO CAPÍTULO I - OBJETIVOS DO PROGRAMA Art. 1. - O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TRANSPORTES do Departamento

Leia mais

CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO

CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO RESOLUÇÃO CONSU Nº 031 - A/2009, DE 01 DE SETEMBRO DE 2009, A Reitora do Centro Universitário Euro - Americano no, no uso de suas atribuições estatutárias, considerando a necessidade de atualizar as normas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 24/8/2009, Seção 1, Pág. 16. Portaria n 816, publicada no D.O.U. de 24/8/2009, Seção 1, Pág. 16. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá GABINETE DA REITORIA

Universidade Estadual de Maringá GABINETE DA REITORIA R E S O L U Ç Ã O N o 119/2005-CEP CERTIDÃO Certifico que a presente Resolução foi afixada em local de costume, nesta Reitoria, no dia 1º/9/2005. Esmeralda Alves Moro, Secretária. Aprova normas para organização

Leia mais

Aprovado no CEP em 13/01/2010, Resolução 02/2010 REGULAMENTO PARA OS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

Aprovado no CEP em 13/01/2010, Resolução 02/2010 REGULAMENTO PARA OS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE 1 Aprovado no CEP em 13/01/2010, Resolução 02/2010 REGULAMENTO PARA OS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PARTE I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I DAS MODALIDADES

Leia mais