ANEXO II TERMO DE REFERÊNCIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANEXO II TERMO DE REFERÊNCIA"

Transcrição

1 ANEXO II TERMO DE REFERÊNCIA 1. DO OBJETO 1.1 Cntrataçã de empresa especializada em Gestã Inteligente e Integrada de Dcuments para a prestaçã de serviçs descrits neste Term de Referencia e seus anexs. 2. DA JUSTIFICATIVA 2.1 Em Dezembr de 2009 fram cntratads s serviçs de rganizaçã, tratament e digitalizaçã da dcumentaçã de esclas extintas. Tal cntrataçã previu nã só a rganizaçã e tratament da referida dcumentaçã cm também redesenh ds prcesss peracinais inerentes à Gestã Eletrônica de Dcuments (GED) bjetivand principalmente a melhria d atendiment de requerentes riunds de tais instituições. Os trabalhs fram desenvlvids pr td an de 2010 e deverá ser finalizad n iníci de 2011 cm a cnclusã d tratament de 100% da dcumentaçã sb a guarda da SEEDUC, e transferência d armazenament para as instalações da Cntratada. Para peracinalizaçã d atendiment ds dcuments já rganizads/tratads e prcessament de nvas demandas de tratament, decrrentes de encerrament de esclas que regularmente finalizam suas atividades, necessári se faz a cntrataçã de serviçs, cuja definiçã d escp esteja agra vinculada a atendiment da demanda e cuja quantidade estimada encntra-se descriminada n quadr acima pr item de serviçs, pssibilitand assim, a cntinuidade da peracinalizaçã ds prcesss desenvlvids e recém implantads e atendiment n padrã de qualidade utrra cmprmetida, devid a ineficiência ds prcesss até entã adtads. 3. DAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MÍNIMAS EXIGIDAS 3.1 Gerenciament Eletrônic de Dcuments Digitalizaçã Escp de dcuments Pderã ser prcessads dcuments ds seguintes tips: A0, A1, A2, A3, A4, Ofíci de diferentes gramaturas (50-180g/m2) e micrfrmas diversas (micrfichas, cartã janela, micrfilmes, etc.) Fase de preparaçã e triagem de dcuments A fase de recebiment, cnferência ds dcuments e micrfrmas u micrfilmes serã realizads pela CONTRATADA. Os dcuments e / u micrfrmas/micrfilmes serã entregues à Cntratada, acmpanhads de uma relaçã seqüencial cntend númer e cnteúd ds mesms, na casiã da entrega d material a ser trabalhad. Nã havend prblemas durante a cnferência, s dcuments, micrfrmas u micrfilmes deverã ser encaminhads para a área de prduçã. Qualquer diferença existente nesta cnferência deverá ser cmunicada imediatamente a respnsável da Cntratante para devidas prvidências. O acerv de dcuments e / u micrfrmas/micrfilmes da Cntratante será, após a digitalizaçã, mantid em arquivs rdenads seqüencialmente pr númer, até ser incinerad u enviad para depósit a ser indicad pela Cntratante. Td prcessament deverá ser executad cm cnceit de ltes, cm bjetiv de garantir a integridade de td prcess. Os critéris de rganizaçã e criaçã ds ltes deverã ser

2 definids de cmum acrd cm a Cntratante, bservand as características de indexaçã e cmpsiçã ds dcuments, desde que sejam atingidas as expectativas de prcessament. Cada lte deverá receber uma identificaçã única durante td prcess de cnversã, e deverá brigatriamente cnter atributs que facilitem sua identificaçã futura, tais cm númer da remessa, quantidade de dcuments, respnsáveis pel prcess, entre utrs, garantind a integridade d prcess cm um td e criand um primeir nível de infrmaçã de cntrle e auditria sistêmica Digitalizaçã ds dcuments em papel Após s ltes terem sid devidamente cadastrads n sistema de captura, s dcuments e / u micrfrmas/micrfilmes, deverã ser digitalizads através de um módul específic para esta finalidade. A digitalizaçã ds dcuments deverá ser executada em cnfrmidade cm as especificações abaix: Tips de imagem de captura: Clraçã: Pret e branc (bitnal), escala de cinza u clrida; Resluçã: 200 DPI a 600 DPI; Frmat d Arquiv de Imagem: TIFF CCITT G4, JPG u PDF; As estações de digitalizaçã deverã estar cnectadas a scanners de alt desempenh de captura e/u grande área de captaçã de imagens, de acrd cm tip de papel a ser cnvertid Dcument Imaging Têm-se cm requisits mínims da aplicaçã d Dcument Imaging: Definiçã de brilh e cntraste da imagem; Definiçã da resluçã (DPI); Definiçã d tamanh d riginal; Digitalizaçã cntínua; Digitalizaçã Batch; Pssibilidade de imprtaçã de imagens/arquivs eletrônics pré-existentes em md assistid u batch; Pssibilidade de imprtaçã de imagens/arquivs eletrônics através de arquivs n padrã XML, pssibilitand a criaçã autmática de batches n sistema de prduçã; Pssibilidade de criaçã de perfis de digitalizaçã específics para cada tip de dcument, cnfrme s recurss dispníveis n scanner em utilizaçã; Suprte a dcuments clrids e em tns de cinza; Frmats: TIFF G4, JPEG u PDF; Alinhament da imagem (Deskew); Remçã de sujeiras (Despeckle); Remçã de smbras (Deshade); Remçã de linhas hrizntais e verticais; Repar de caracteres; Eliminaçã/limpeza de brdas pretas; Melhrament da imagem de znas previamente definidas; Pssibilidade de criaçã de perfis de tratament de imagem; Pssibilidade de indexaçã autmática u manual cm dupla digitaçã; Leitura de códig de barras padrões; Pssibilidade de leitura de códig de barras em quatr diferentes rientações: 0º, 90º, 180º e 270 º; Leitura de patch cdes; Definiçã de znas para registr da página (page registratin); Definiçã de znas para separaçã lógica ds dcuments; Definiçã de znas para identificaçã autmática d frmulári;

3 Definiçã de grups de camps d tip OMR; Validaçã de camps através de banc de dads pré-existentes, sem a necessidade de criaçã de códig; Verificaçã d camp indexad cm recurs de aut-zm; Pssibilidade de indexaçã remta através d ambiente WEB; Recurs nativ de exprtaçã de índices para arquiv tip text ASCII; Recurs nativ de exprtaçã de índices para banc de dads via ODBC nível 3; Permitir a custmizaçã de móduls para liberaçã ds dads para sistemas específics; Pssibilidade de efetuar simultaneamente a liberaçã de dads para múltipls meis de armazenament; Permitir definir frmat d arquiv de imagem de saída, pel mens ns padrões TIFF grup 3 e 4, single/multipage, BMP, PCX, JPG, CALS, PDF e PCX. Pssuir recurs nativ que pssibilite a geraçã de arquivs PDF (imagens e text) mantend as características riginais d dcument. Pssibilidade de definir níveis de usuári diferenciads, permitind ttal cntrle de acess as móduls d sistema; Prver dads de estatística e desempenh; Gerenciament/cntrle ds ltes, cm pssibilidade de alteraçã da rdem riginal ds móduls de prcessament d flux de trabalh; Pssibilidade de implementaçã d flux de trabalh via Internet; Pssuir ttal integraçã entre tds s móduls d sistema; Pssibilidade de custmizaçã da interface d usuári, através da implementaçã de códig em linguagem cm suprte a COM Cmpnent Object Mdel. Facilidade de adequaçã d ambiente de prduçã através de telas gráficas sem a necessidade de prgramaçã; Suprte a ambiente Windws XP Pr / Windws 2003 Server u superir; Cmpatibilidade cm scanners de prduçã através de interface SCSI u de desempenh superir; Cmpatibilidade cm drivers ISIS; Cntrle de Qualidade A etapa de cntrle de qualidade das imagens deverá ser respnsável pela checagem ds resultads btids na etapa de digitalizaçã ds dcuments, avaliand a qualidade da imagem captada, bem cm a seqüência e integridade ds dcuments digitalizads. A sluçã de captaçã deverá permitir descarte de imagens indesejáveis, tais cm páginas separadras e verss em branc, bem cm a inserçã e atualizaçã de páginas ns dcuments integrantes d lte em avaliaçã Indexaçã A indexaçã pderá ser d tip manual u autmátic. Integrações cm base de dads pré-existentes para cruzament de dads também se fazem necessáris n escp d prjet, visand a integraçã da sluçã cm aplicações legad. Deverá ser utilizada sluçã tecnlógica de Dcument Imaging capaz de se adequar as diferentes tips de indexaçã e dcuments, a qual deverá cnter: Cntrle de acess as indexadres; Cntrle de prduçã, retrnand relatóris gerenciais para acmpanhament; Sistemática para digitaçã; Pssibilidade de indexaçã autmática u manual cm dupla digitaçã; Validaçã da indexaçã cm regras pré-definidas (exempl: CPF); Validaçã da indexaçã em base de dads pré-existente; Alinhament d text, Text Deskew; Remçã de sujeiras, Despeckle; Remçã de smbras, Deshade; Remçã de linhas hrizntais e verticais; Repar de caracteres; Eliminaçã/limpeza de brdas pretas; Melhrament da imagem de znas previamente definidas;

4 Pssibilidade de criaçã de perfis de tratament de imagem; Leitura de códig de barras ns padrões: Cdebar, Interleaved 2 f 5, Cde 128, Linear 2 f 5, Cde 39, UPC-A, EAN 8 and 13 e UPC-E; Pssibilidade de leitura de códig de barras em quatr diferentes rientações: 0º, 90º, 180º e 270º; Definiçã de znas para separaçã lógica ds dcuments; Definiçã de znas para identificaçã autmática d frmulári; Verificaçã d camp indexad cm recurs de aut-zm; OCR / ICR / Recnheciment de códig de barras, cm frma de auxíli n prcess de indexaçã; Assinatura Digital e Sel Crnlógic A implantaçã de tecnlgias de certificaçã digital e de administraçã e segurança de redes e sistemas é fatr fundamental para prjet e cnstitui diferencial únic em relaçã as prjets de Gerenciament Eletrônic de Dcuments. Demanda-se um cnjunt de medidas e cuidads que privilegiam a segurança. Desde a digitalizaçã até a cnsulta de dcuments, há a necessidade premente de garantir tds s aspects de integridade, autrizaçã, autenticaçã e privacidade. Dis aspects fundamentais sã exigências para a implantaçã adequada e cnfrme da segurança da sluçã tecnlógica: us de certificads digitais, sels crnlógics (cas necessári), recnhecids pela ICP Brasil. Ambs s aspects cnstituem a garantia de peracinalizaçã de um ambiente segur, própri, inclusive, para a implantaçã de nvas platafrmas peracinais crprativas ttalmente digitais. Certificads digitais prvêem cntrle das perações sensíveis: acess a dcuments de acess restrit, assinatura digital de dcuments, autrizaçã de transações, prcediments de natureza executiva u gerencial. A CONTRATADA deverá assinar digitalmente tdas as imagens digitalizadas, a critéri da CONTRATANTE, tend para iss que s certificads digitais sejam frnecids pela CONTRATADA. 3.2 Recnheciment e prcessament de imagens OCR/ICR de dcuments eletrônics A cnversã textual através de recnheciment de padrões (OCR e ICR) deverá ser executada em imagens de dcuments: nã-estruturads, semi-estruturads e estruturads. A rigem das imagens pderá ser d prcess de captura da CONTRATADA u de imagens pré-existentes da CONTRATANTE. Para iss será necessária uma fase de recnheciment textual, autmatizada, através de um sftware de recnheciment de padrões, send que a sluçã deverá pssuir brigatriamente as seguintes características técnicas: Recnheciment e caracteres impresss e escrits à mã; Recnheciment de caracteres cmuns à língua prtuguesa; Recnheciment de cedilha e caracteres acentuads cmuns à língua prtuguesa (ç,á,à,ã,é,ê,í,ó,ô,õ,ú, entre utrs); Funcinament cm múltiplas instâncias d prdut, em diferentes cmputadres cnectads via rede lcal; Divisã balanceada da carga de imagens entre s diverss cmputadres envlvids n prcess; O recnheciment deve gerar um arquiv textual cm mesm layut da imagem digitalizada, respeitand a dispsiçã d text em clunas e áreas existentes n riginal; Geraçã de arquivs n frmat PDF, cntend a imagem digitalizada e s texts recnhecids; Técnicas de vting (vtaçã) cm us de n mínim 02 engines de recnheciment; Após recnheciment arquiv resultante nã deverá sfrer qualquer tip de crreçã manual, send brigatória à manutençã das referências entre text existente na imagem digitalizada e text recnhecid. Essas aplicações a serem desenvlvidas deverã cntemplar a utilizaçã de dicináris de dads, palavras-chave e mecanisms de aprendizad, cm frma de validaçã das infrmações, de maneira a pssibilitar uma mair assertividade n text recnhecid.

5 N arquiv PDF, diante da impssibilidade de recnheciment de uma palavra, frase u trech de frase, esta deve ser substituída pel trech da imagem crrespndente, na exata psiçã nde deveria estar text recnhecid; Suprte de recnheciment para 3 (três) diferentes tips de dcuments: estruturads, semiestruturads e nã-estruturads. Cm se trata de uma tecnlgia de recnheciment, arquiv resultante pssivelmente nã terá a cmpletude d cnteúd recnhecid, prtant, pderá ser slicitad que a CONTRATADA execute a cmplementaçã d cnteúd pr mei de digitaçã manual. Pdend ainda crrer cass ns quais s arquivs nã deverã sfrer qualquer tip de crreçã manual, send necessári desenvlviment de aplicações que executem um prcessament adicinal respnsável pela eliminaçã de grandes vlumes de texts ininteligíveis e incrrets, send brigatória a manutençã das referências entre text existente na imagem digitalizada e text recnhecid. Essas aplicações a serem desenvlvidas deverã cntemplar a utilizaçã de dicináris de dads, palavraschave e mecanisms de aprendizad, cm frma de validaçã das infrmações, de maneira a pssibilitar uma mair assertividade n text recnhecid. Devid à pssibilidade de características diferentes de acrd cm cada prjet, a qualidade e resluçã das referidas imagens exigirá um percentual de acert mínim a ser definid em fase de labratóri. A taxa pderá variar de acrd cm a legibilidade, qualidade, tipgrafia, gramatura e em acrd cm tip estruturad, nã-estruturad e semi-estruturad d dcument, que será medida na entrega das imagens e índices, e será avaliada através de amstra esclhida pela CONTRATANTE freqüentemente. Os arquivs gerads n frmat PDF irã cmpr a base d aplicativ de pesquisa textual. Pr cnta diss, deve ser desenvlvida uma interface para carga em ltes nessa base. 3.3 Gestã de Dcuments Físics Organizaçã e tratament de dcuments físics Td prcess de gestã dcumental deverá ser gerenciad pr um prfissinal de nível superir em biblitecnmia u em arquivlgia e deverá cmpreender. Triagem, seleçã e classificaçã dcumental; Preparaçã ds dcuments, que cntempla um prcess de retirada de gramps, clipes e qualquer utr material que nã faça parte ds dcuments e que venha a prejudicar prcess de manipulaçã, armazenament e cnsulta; Higienizaçã cm prcess preventiv cntra a cntaminaçã ds dcuments; Acndicinament em caixas Bx padrã; Planilhament ds dcuments para sua indexaçã em sistema de infrmaçã, quand pssível, cm aprveitament da indexaçã efetuada na cnversã ds dcuments para imagem digital u micrfilmes; Cadastr em sistema de gestã dcumental infrmatizad, cnfrme requisits abaix listads: O sistema de gestã de dcuments físics deverá prver as seguintes funcinalidades mínimas: Armazenament extern e gestã de dcuments físics Os serviçs pretendids se destinam a rganizaçã, acndicinament, guarda e gerenciament de d acerv incremental ativ das unidades da CONTRATANTE, de frma a preservar a integridade ds papeis, cnservand as infrmações neles cntidas e permitir, sempre que necessári, resgate ds mesms para sua reativaçã u simplesmente cnsulta. A EMPRESA caberá a custódia e gerenciament das caixas fechadas, send de respnsabilidade da CONTRATANTE, pr mei de seus prepsts, manusei d cnteúd das mesmas, cabend a estes ntificar a Empresa sempre que huver retirada de dcuments para sua reativaçã.

6 Será de respnsabilidade da CONTRATADA Transprte (retirada) para Transferência (retirada) ds dcuments, tant ns lcais da atual CONTRATADA, quant nas Unidades da CONTRATANTE. A CONTRATADA deverá pssuir meis infrmatizads de cnsulta (ilimitada) pela internet, de md a pssibilitar e agilizar as slicitações de resgate das caixas cntend s dcuments, através ds seus indexadres. A CONTRATADA deverá armazenar, em lcal adequad, nde haja garantia da integridade ds papeis, pr mei d cntrle de umidade, temperatura e luminsidade, bem cm a segurança cntra incêndi, e infestaçã de pragas u de quaisquer elements que pssam danificá-ls. As cnsultas as dcuments pderã crrer n dmicíli da CONTRATADA u da CONTRATANTE, u em lcal preestabelecid pelas partes. N decrrer da cntrataçã haverá inclusões de dcuments a acerv custdiad, send neste cas, encarads cntratualmente cm cresciment vegetativ, situaçã em que receberã mesm tratament da implantaçã, u seja, deverã ser indexads, cnfrme padrã estabelecid. Na casiã, a pedid da CONTRATANTE, deverá ser frnecid td material necessári para acndicinament, transprte e armazenament. É de respnsabilidade da CONTRATADA s custs cm transprte, mã de bra e insums destas retiradas. Hje existe um acerv de 120 Mil caixas d tip Bx, que deverã ser migradas para licitante vencedr. O Praz de Migraçã deverá ser realizad em n máxim 2 Meses. Fica estabelecid que s prazs de migraçã/implantaçã pderã ser prrrgads, pr mais 30 (trinta) dias, cm aval da CONTRATANTE. A CONTRATADA deverá executar s serviçs técnics de armazenagem, guarda de dcuments, bservad tds s cuidads iniciais na implantaçã. A CONTRATADA deverá estabelecer, durante períd de implantaçã, um prgrama de atendiment de cnsultas as dcuments d acerv sb sua respnsabilidade, de frma a atender n praz máxim de 5 (cinc) dias crrids, a slicitaçã da Unidade, a partir da entrada d acerv referente a dcument slicitad, em seu armazém, independente ds acervs ainda a serem reclhids. A CONTRATADA deverá executar armazenament, gerenciament e guarda das caixas padrã, cntend a dcumentaçã bjet deste prjet, respnsabilizand-se pela rdenaçã e rganizaçã de frma a atender prntamente às slicitações de resgate ds dcuments em seu pder. A CONTRATADA deverá manter um serviç de manipulaçã de Caixa Padrã para cnsulta, expurg u saída definitiva. A CONTRATADA deverá manter um cntrle de baixa de tds s dcuments que eventualmente sejam resgatads pr representante da CONTRATANTE, send de respnsabilidade exclusiva da Unidade a certificaçã da baixa, devend ser criads mecanisms para tant. Findada a implantaçã d serviç a CONTRATADA deverá realizar inventári d acerv sb sua tutela, nde identificará cada caixa bem cm seu cnteúd, elabrand dcument que será encaminhand à Gestã de Cntrats da CONTRATANTE. O Inventári de que trata item anterir será parte integrante da presente cntrataçã, send este cndiçã para pagament mensal da prestaçã de serviç de Guarda d Acerv, após períd estipulad para a implantaçã. Tal inventári de verá ser atualizad mensalmente de acrd cm as entradas e saídas de dcuments n períd.

7 A CONTRATADA deverá nmear um prepst para cntat cm a CONTRATANTE, bem cm cm as Unidades envlvidas n cntrat, devend este ter pderes para tmar decisões e slucinar questões atinentes à execuçã ds serviçs. Na rganizaçã da infrmaçã, a CONTRATADA deverá relacinar s dcuments que cada caixa cntiver, send essa infrmaçã acrescentada a banc de dads de prntuáris. Td prcess de gestã dcumental deverá ser gerenciad pr um prfissinal de nível superir em biblitecnmia u em arquivlgia e deverá cmpreender. Triagem, seleçã e classificaçã dcumental; Preparaçã ds dcuments, que cntempla um prcess de retirada de gramps, clipes e qualquer utr material que nã faça parte ds dcuments e que venha a prejudicar prcess de manipulaçã, armazenament e cnsulta; Higienizaçã cm prcess preventiv cntra a cntaminaçã ds dcuments; Acndicinament em caixas Bx padrã; Planilhament ds dcuments para sua indexaçã em sistema de infrmaçã, quand pssível, cm aprveitament da indexaçã efetuada na cnversã ds dcuments para imagem digital u micrfilmes; Cadastr em sistema de gestã dcumental infrmatizad, cnfrme requisits abaix listads: Os indexadres que deverã ser utilizads para cntrle de arquivament ds dcuments deverã cntemplar n mínim: An Série Nme Escla A CONTRATADA cmprmete-se a manter mais abslut sigil sbre tds s dcuments que lhe frem cnfiads, sb pena de respnder, n cas de vilaçã d sigil, quer pr si, quer pr parte de seus funcináris, pr perdas e dans, sem prejuíz da respnsabilidade criminal decrrente d at. A Empresa deverá dispnibilizar, via Internet, dcumentaçã digitalizada para cnsulta das unidades, quand slicitads pr este mei Execuçã ds serviçs - Cnsulta A Empresa deverá atender as slicitações de cnsulta u entrega ds dcuments, as quais pderã ser realizadas pr telefne, fac-símile u de 2ª a 6ª feira n hrári cmercial. Estima-se pr vlta de 200 Cnsultas pr dia cm a média de 20 imagens, que deverã ser atendidas através de digitalizaçã pr demanda. Send assim a estimativa de digitalizaçã mensal sb demanda é de 84 Mil imagens mês. Os dcuments também pderã ser cnsultads pelas Unidades via Internet, para tant a CONTRATADA deverá digitalizar dcument requerid. Esta digitalizaçã deverá ser exprtada para sistema de Cntent Management da CONTRATANTE. Caberá à CONTRATADA e/u seus prepsts bservar que smente pderã dispnibilizar s dcuments as prfissinais autrizads pela CONTRATANTE, s quais deverã prtar autrizaçã da Unidade Requisitante e dcument de identificaçã. Em cas de Slicitaçã Urgente praz de atendiment deverá ser de n máxim 6 Hras, e uma slicitaçã caracterizada cm Nrmal deverá atender praz de 48 Hras. 3.4 Serviçs Técnics Especializads Para cnseguir atender cm qualidade a grande demanda pr prjets, a CONTRATADA deve garantir s padrões de integraçã de sluções, descrit a seguir, basead na idéia de prver uma linha de

8 prduçã de sluções que atendam as necessidades específicas, bedecend a padrões préestabelecids de qualidade e de ECM/BPMS/SOA e utrs. Seguind prcess de desenvlviment de sftware basead n UP Unified Prcess, que pssibilita a utilizaçã das melhres práticas de desenvlviment de sftware cm desenvlviment iterativ, gerenciament de requisits, arquiteturas baseadas em cmpnentes, mdelagem visual, verificaçã cntínua da qualidade e cntrle de mudanças n sftware, a CONTRATADA será respnsável pr: Fazer a especificaçã ds sistemas a serem desenvlvids e desenhar a sluçã prpsta; Prduzir códig d sistema, utilizand biblitecas de bjets de maneira a trnar códig reutilizável; Implantar sistemas que tenham sid testads e aprvads dentr de padrões de qualidade, cm a devida dcumentaçã; Dar treinament e suprte as usuáris, n cas d desenvlviment de sistemas que requeiram essas atividades; Realizar a manutençã crretiva e evlutiva ds sistemas desenvlvids; Gerir prjet de maneira a cumprir rigrsamente prazs e rçaments estipulads. É imprtante salientar que s prazs de cada sluçã deverã se basear na técnica de estimativa de esfrç de Análise de Pnts de Cas de Us, e negciads cm cliente levand em cnsideraçã a cmplexidade de suas funcinalidades e a taxa de prduçã da equipe. As sluções desenvlvidas sb demanda da CONTRATADA deverã ter aceite técnic da área de Tecnlgia da Infrmaçã para ser hmlgada. Na casiã deverã ser entregues: tda a dcumentaçã necessária sbre a arquitetura, integraçã e administraçã d sftware, bem cm diagramas de classe, Apstila Curs Desenvlviment, Manual de Instalaçã, Manual d Usuári 3.5 Análise de Prcesss A implantaçã de prjets requer uma avaliaçã prévia de td prcess. Esta avaliaçã tem cm bjetiv prmver a racinalizaçã d prcess e seu redesenh (se necessári) antes da implementaçã da nva tecnlgia. Esta atividade deverá ser executada pela CONTRATADA bedecend às etapas de trabalh definidas a seguir Fase 1: Definiçã ds Prcesss Os bjetivs desta fase sã: - definir e aprvar junt a cntratante (s) prcess(s) a ser (em) mapeads e reavaliads. - definir escp d subprjet Análise de Prcess e estabelecer uma estimativa de praz para as fases seguintes. Cm base nessas estimativas de praz e nas priridades da rganizaçã (u unidade rganizacinal), s prcesss sã selecinads para a fase d Cm É Fase 2: Levantament e Análise da Situaçã Atual Nesta fase deverá ser determinad cm prcess atual funcina (funções, fluxs, dcuments envlvids e a respectiva tempralidade para arquivament, etc), ser identificadas as prtunidades para aperfeiçament ( Descnexões ) e cletar sugestões, questões, idéias que pssam cntribuir para a melhria d prcess. Nesta fase deverã ser prduzids s seguintes prduts/dcuments: Mapas de prcesss Os mapas de prcesss representand flux de atividades executadas pelas áreas envlvidas n prcess, a lista ds dcuments representads n flux, vlumes, peridicidade de emissã e tempralidade para arquivament;

9 Lista de Descnexões As descnexões, cmumente relacinadas a prblemas, sã prtunidades de melhrias d prcess; Lista de Sugestões/Questões/Idéias Os questinaments, prpstas e sugestões de melhrias d prcess Fase 3: Redesenh d Prcess O prcess deverá ser redesenhad de md a permitir a utilizaçã timizada da ferramenta n prcess em questã. O prcess redesenhad pela cntratada deverá ser submetid à validaçã e aprvaçã da cntratante. Prduts desta etapa: Mapa d Prcess Redesenhad; Lista ds requisits materiais e rganizacinais a serem preenchids para a efetiva implantaçã d prcess redesenhad; Plan de Implantaçã integrand crngrama de implantaçã d nv prcess cm crngrama de implantaçã da sluçã a ser adtada. Aluguel de platafrma sistêmica de ECM / BPMS / SOA (instalaçã, suprte e manutençã) 3.6 ECM Na publicaçã, gestã e armazenament de dcuments eletrônics e imagens se faz necessári uma aplicaçã de Enterprise Cntent Management cm s seguintes requisits: Esta platafrma deverá ser dispnibilizada em frmat de licenciament pr usuári para a CONTRATANTE atendend s seguintes requisits mínims Administraçã e Cnfiguraçã d ECM Autenticaçã de usuáris cm certificads digitais, ICP Brasil e lgin e senha; Suprtar a criaçã de pastas, sub-pastas e dcuments em níveis hierárquics de frma parametrizada; Suprtar a criaçã de perfis de acess e cntrle de permissã a dcuments, pastas e arquivs para s usuáris e seu grup; Criaçã de tips de dcuments, grups de dcuments, índices e tips de índices; Criaçã de tips de pastas e índices de pastas; Gerenciament de usuáris da aplicaçã; Gerenciament de grups de usuáris da aplicaçã; Armazenament e gerenciament ds índices pel SGBD; Armazenament e gerenciament ds dcuments eletrônics pel Filesystem; Gerenciament d LOG da aplicaçã através de relatóris. Cntrle de Versões; Buscas e Cnsultas d Cntent Manager Visualizaçã ds seguintes frmats: MS-Office (DOC, XLS, PPT e VSD), BMP, TIFF, JPEG, PNG, PDF e HTML; Permitir a inclusã de antações sbre a imagem ds dcuments de frma que nã altere cnteúd riginal d dcument, permitind ainda que seja cnfigurad md de exibiçã das ntas; Visualizaçã cm funcinalidades de: Rtaçã; Zm; Navegaçã; Armazenar uma lista das pesquisas mais freqüentes; Armazenar a QUERY da cnsulta cnstruída;

10 Interface WEB e visualizadres cm plugins Captura de Dcuments Captura / Imprtaçã Definiçã de brilh e cntraste da imagem; Definiçã da resluçã (DPI); Definiçã d tamanh d dcument riginal; Cntrle de seleçã de áreas; Digitalizaçã cntínua; Digitalizaçã remta (WEB); Digitalizaçã em md Batch; Pssibilidade de imprtaçã de imagens/arquivs eletrônics pré-existentes em md assistid u batch; Pssibilidade de criaçã de perfis de digitalizaçã específics para cada tip de dcument, cnfrme s recurss dispníveis n scanner em utilizaçã; Suprte a dcuments clrids e em tns de cinza; Tratament das imagens Alinhament da imagem (Deskew); Remçã de sujeiras (Despeckle); Remçã de smbras (Deshade) Remçã de linhas hrizntais e verticais; Repar de caracteres; Eliminaçã / limpeza de brdas pretas; Melhrament da imagem de znas previamente definidas; Pssibilidade de criaçã de perfis de tratament de imagem; Indexaçã Pssibilidade de indexaçã autmática u manual cm dupla digitaçã; Leitura de códig de barras padrões; Pssibilidade de leitura de códig de barras; Leitura de patch cdes; Definiçã de znas para registr da página (page registratin); Definiçã de znas para separaçã lógica ds dcuments; Definiçã de znas para identificaçã autmática d frmulári; Validaçã de camps através de banc de dads pré-existentes, sem a necessidade de criaçã de códig; Verificaçã d camp indexad cm recurs de aut-zm; Pssibilidade de indexaçã remta através d ambiente WEB; Liberaçã ds dads Recurs nativ de exprtaçã de índices para arquiv tip text ASCII; Recurs nativ de exprtaçã de índices para banc de dads via ODBC nível 03; Permitir a custmizaçã de móduls para liberaçã ds dads para sistemas específics; Pssibilidade de efetuar simultaneamente a liberaçã de dads para múltipls meis de armazenament; Permitir definir frmat d arquiv de imagem de saída; Gerenciament d ambiente Pssibilidade de definir níveis de usuári diferenciads, permitind ttal cntrle de acess as móduls d sistema; Prver dads de estatística e desempenh; Gerenciament/cntrle ds ltes, cm pssibilidade de alteraçã da rdem riginal ds móduls de prcessament d flux de trabalh; Pssibilidade de implementaçã d flux de trabalh via Internet; Integraçã e cmpatibilidade Facilidade de adequaçã d ambiente de prduçã através de telas gráficas sem a necessidade de prgramaçã; Suprte a ambiente Windws 9X/NT u superir;

11 Cmpatibilidade cm scanners de prduçã através de interface SCSI u de desempenh superir; Cmpatibilidade cm driver ISIS u TWAIN; Requisits Nã-Funcinais brigatóris d ECM Prtabilidade para Sistemas de Gerenciament de Banc de Dads (SGBD) de mercad; Tecnlgia multi platafrma (interperabilidade); Sistema escalnável; Platafrma J2EE (Java); 3.7 BPM Os prcesss de uma rganizaçã, sejam eles crítics u administrativs, permeiam diferentes departaments e sistemas de TI. Cm aument da cmplexidade ds negócis e de TI, as rganizações passaram a enfrentar dificuldades n gerenciament de prcesss, dentre elas: Autmaçã de prcesss Aument da escala Melhria d nível de serviç a cidadã Alinhament das áreas de negóci cm a área de TI Adequaçã ds prcesss as nvas necessidades de negóci Dificuldades de integraçã BPMS (Business Prcess Management System) é uma ferramenta de sftware para gestã integrada de prcesss visand transpr estas dificuldades, prpiciand à rganizaçã uma prtunidade de atender nvas demandas. Uma platafrma de BPMS (Business Prcess Management System) deve abranger tdas as etapas d cicl de vida ds prcesss: análise, mdelagem/desenh, simulaçã, implementaçã, execuçã, mnitraçã e timizaçã. 3.8 Requisits técnics e funcinais para a sluçã de BPMS Sftware de BPMS (Business Prcess Management System) cm móduls integrads de mdelagem de prcesss, desenvlviment, mtr de execuçã ds prcesss, infra-estrutura de serviçs e integraçã, interface de acess web e mnitrament de prcesss. Sã requisits brigatóris para este sftware: Arquitetura de Sftware O sftware d servidr de aplicaçã necessári para BPMS deverá ser fertad pel licitante cm parte integrante da sluçã Suprte as sistemas peracinais Windws e Linux. Oferecer recurss que permitam atuar em td cicl d prcess, desde a mdelagem inicial passand pel desenvlviment, integraçã, publicaçã, simulaçã e mnitrament ds prcesss. Deverá suprtar arquitetura multicamada, cm separaçã entre s cmpnentes da arquitetura que deverã incluir, n mínim: servidr de dads, servidr de aplicaçã, interface de acess e de administraçã web, além das estações de trabalh para desenvlviment. Oferecer suprte a Web Services. Pssuir mecanism para expr prcesss de integraçã desenhads na ferramenta cm serviçs n padrã web (também cnhecids cm WebServices), de maneira autmática. Para garantir a cmpatibilidade e mair flexibilidade de infra-estrutura, s serviçs gerads através deste ambiente, incluind s prcesss gerads em BPEL, devem ser

CURSO PREPARATÓRIO PARA CERTIFICAÇÃO

CURSO PREPARATÓRIO PARA CERTIFICAÇÃO Cnteúd prgramátic CURSO PREPARATÓRIO PARA CERTIFICAÇÃO Este é cnteúd prgramátic d curs preparatóri n nv prgrama CDO-0001 para a certificaçã CmpTIA CDIA+. CONCEITUAL ECM Apresentaçã ds cnceits envlvids

Leia mais

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas,

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas, Vsft ids Acess Web Cntrle de acess e pnt A Vsft desenvlveu uma sluçã baseada em sftware e hardware para cntrle de acess e u pnt que pde ser utilizada pr empresas de qualquer prte. Cm us da tecnlgia bimétrica

Leia mais

EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA VERSÃO Eikn Dcuments 2007 Service Pack 5 (2.9.5) Fevereir de 2010 DATA DE REFERÊNCIA DESCRIÇÃO Sftware para implantaçã de sistemas em GED / ECM (Gerenciament Eletrônic

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

GERENCIAMENTO DE DOCUMENTOS, CONTEÚDO E PROCESSOS GED/ECM. Solução de Gestão Eletrônica de Documentos Acadêmicos

GERENCIAMENTO DE DOCUMENTOS, CONTEÚDO E PROCESSOS GED/ECM. Solução de Gestão Eletrônica de Documentos Acadêmicos GERENCIAMENTO DE DOCUMENTOS, CONTEÚDO E PROCESSOS GED/ECM Sluçã de Gestã Eletrônica de Dcuments Acadêmics OBJETIVOS DA SOLUÇÃO BENEFÍCIOS GERAIS A Sluçã ECMDOC de Gestã de Dcuments Acadêmics, tem cm principais

Leia mais

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas,

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas, Vsft ids Pnt Web Cntrle de acess e pnt A Vsft desenvlveu uma sluçã baseada em sftware e hardware para cntrle de acess e u pnt que pde ser utilizada pr empresas de qualquer prte. Cm us da tecnlgia bimétrica

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis PCP Vensis PCP O PCP é módul de planejament e cntrle de prduçã da Vensis. Utilizad n segment industrial, módul PCP funcina de frma ttalmente integrada a Vensis ERP e permite às indústrias elabrar

Leia mais

MASTERCOMP ESCOLA DE INFORMÁTICA

MASTERCOMP ESCOLA DE INFORMÁTICA www.mastercmp.net 1 www.mastercmp.net www.mastercmp.net INFORMAÇO ES ADICIONAIS DO CURSO DE PROMODEL E MS PROJECT Prgramaçã: Carga hrária: 32 Hras Lcal: Sã Sebastiã d Paraís MG Prgramas usads n curs: MS

Leia mais

ARQUITETURA E INSTALAÇÃO PROTHEUS 11

ARQUITETURA E INSTALAÇÃO PROTHEUS 11 ARQUITETURA E INSTALAÇÃO PROTHEUS 11 OBJETIVO Infraestrutura e tecnlgia d Prtheus sã a base de uma sluçã de gestã empresarial rbusta, que atende a tdas as necessidades de desenvlviment, persnalizaçã, parametrizaçã

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO UC_REQ-MK_ACF-001 27/01/2015 00 1 / 12 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 2 Objetiv... 2 Públic Alv... 2 Escp... 2 Referências... 2 DESCRIÇÃO GERAL DO PRODUTO... 2 Características d Usuári... 2 Limites, Supsições e

Leia mais

Workflow. José Palazzo Moreira de Oliveira. Mirella Moura Moro

Workflow. José Palazzo Moreira de Oliveira. Mirella Moura Moro Pdems definir Wrkflw cm: Wrkflw Jsé Palazz Mreira de Oliveira Mirella Mura Mr "Qualquer tarefa executada em série u em paralel pr dis u mais membrs de um grup de trabalh (wrkgrup) visand um bjetiv cmum".

Leia mais

CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI

CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI 6.1 Requisits de Capacidade e Experiência d Prestadr A ANEEL deveria exigir um puc mais quant a estes requisits, de frma a garantir uma melhr qualificaçã da empresa a ser cntratada.

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA Prcess: E-03/002.112/2012 Data: 08 / 03 / 2012 Fls.: 170 ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA 1 1. OBJETO DO OBJETO Cntrataçã de empresa especializada em Gestã Inteligente e Integrada de Dcuments para a prestaçã

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

Academia FI Finanças

Academia FI Finanças Academia FI Finanças A Academia é melhr caminh para especializaçã dentr de um tema n ERP da SAP. Para quem busca uma frmaçã cm certificaçã em finanças, mais indicad é participar da próxima Academia de

Leia mais

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software).

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software). HARDWARE e SOFTWARE O Cmputadr é cmpst pr duas partes: uma parte física (hardware) e utra parte lógica (sftware). Vcê sabe qual é a diferença entre "Hardware" e "Sftware"? Hardware: é nme dad a cnjunt

Leia mais

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS CONTEÚDO 1. Intrduçã... 3 2. Requisits de Sftware e Hardware:... 3 3. Usuári e Grups:... 3 3.1. Cnfigurand cm Micrsft AD:... 3 3.2. Cnfigurand s Grups e Usuáris:...

Leia mais

REQUISITOS DE DESEMPENHO DA SOLUÇÃO artº 3º C E. Baixos constrangimentos e largura de banda aceitável para o utilizador.

REQUISITOS DE DESEMPENHO DA SOLUÇÃO artº 3º C E. Baixos constrangimentos e largura de banda aceitável para o utilizador. Dispnível n prdut Dispnível após Serviçs de custmizaçã/ adaptaçã Dispníveel após Serviçs de desenvlviment/ integraçã Ntas explicativas (se necessári) Arquitectura Tecnlógica artº 2 C E a. Cnstituiçã de

Leia mais

^i * aesíqn e=> ~omunícc3ç:c30

^i * aesíqn e=> ~omunícc3ç:c30 ^i * aesíqn e=> ~munícc3ç:c30 CONTRATO DE LICENÇA DE USO DO SISTEMA - SUBMIT CMS Web Site da Prefeitura de Frei Martinh - Paraíba 1. IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTE Prefeitura Municipal de Frei Martinh

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 7 1. OBJETIVO Este prcediment estabelece prcess para cncessã, manutençã, exclusã e extensã da certificaçã de sistema de segurança cnfrme ABNT NBR 15540. 2. DOCUMENTOS COMPLEMENTARES - ABNT NBR 15540:2013:

Leia mais

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo:

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo: Gestã d Escp 1. Planejament da Gestã d Escp: i. Autrizaçã d prjet ii. Definiçã d escp (preliminar) iii. Ativs em cnheciments rganizacinais iv. Fatres ambientais e rganizacinais v. Plan d prjet i. Plan

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais 53 3 Frmulaçã da Metdlgia 3.1. Cnsiderações Iniciais O presente capítul tem cm finalidade prpr e descrever um mdel de referencia para gerenciament de prjets de sftware que pssa ser mensurável e repetível,

Leia mais

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30)

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30) UNIP Brasília - Crdenaçã CG/CW/GR/AD Senhres Aluns, Seguem infrmações imprtantes sbre PIM: 1. O QUE É? - Os PIM (Prjet Integrad Multidisciplinar) sã prjets brigatóris realizads els aluns ds curss de graduaçã

Leia mais

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis Manutençã Vensis Manutençã É módul que permite gerenciament da manutençã de máquinas e equipaments. Prgramaçã de manutenções preventivas u registr de manutenções crretivas pdem ser feits de frma

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Guia d Prcess de Sftware d MAPA Metdlgia de Desenvlviment de Sistemas Versã 1.0 Dcument cnfidencial e prprietári Versã d mdel: 1.1 Históric das Revisões Data Versã Descriçã Autr 24/03/2008 1.0 Iníci da

Leia mais

Manual de Instalação

Manual de Instalação Manual de Instalaçã Prdut: n-hst Versã d prdut: 4.1 Autr: Aline Della Justina Versã d dcument: 1 Versã d template: Data: 30/07/01 Dcument destinad a: Parceirs NDDigital, técnics de suprte, analistas de

Leia mais

Principais Informações

Principais Informações Principais Infrmações Quem é Benefix Sistemas? Frmada pr ex-executivs e equipe de tecnlgia da Xerx d Brasil, que desenvlvem e suprtam sluções e estratégias invadras para setr públic, especializada dcuments

Leia mais

Glossário das Metas Prioritárias 2010 Versão 1.2.14 Agosto/2010

Glossário das Metas Prioritárias 2010 Versão 1.2.14 Agosto/2010 Meta Priritária 5 Implantar métd de gerenciament de rtinas (gestã de prcesss de trabalh) em pel mens 50% das unidades judiciárias de 1º grau. Esclareciment da Meta Nã estã sujeits a esta meta s tribunais

Leia mais

Vensis Associação Vensis ERP Entidades, Sindicatos e Federações.

Vensis Associação Vensis ERP Entidades, Sindicatos e Federações. Vensis Assciaçã Vensis ERP Entidades, Sindicats e Federações. Vensis Assciaçã O Vensis Assciaçã é um sistema desenvlvid para entidades cm sindicats, assciações, federações, fundações e utras de natureza

Leia mais

MTur Sistema Artistas do Turismo. Manual do Usuário

MTur Sistema Artistas do Turismo. Manual do Usuário MTur Sistema Artistas d Turism Manual d Usuári Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 3 3. ACESSAR O SISTEMA... 4 4. UTILIZANDO O SISTEMA... 9 4.1. CADASTRAR REPRESENTANTE... 9 4.2. CADASTRAR

Leia mais

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 Flrianóplis, 25 de janeir de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 1) Cnsiderações Gerais: A Federaçã Nacinal ds Estudantes de Engenharia Civil

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA 1. Intrduçã e Objetivs a) O Cncurs de Ideias OESTECIM a minha empresa pretende ptenciar apareciment de prjets invadres na regiã d Oeste sempre numa perspetiva de desenvlviment ecnómic e scial. b) O Cncurs

Leia mais

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE REDES E CRONOGRAMAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE REDES E CRONOGRAMAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2 1 / 5 SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2 2.1.1 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO CRONOGRAMA DE BARRAS TIPO GANTT:...2 2.1.2 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO

Leia mais

Inscrição do Candidato ao Processo de Credenciamento

Inscrição do Candidato ao Processo de Credenciamento Inscriçã d Candidat a Prcess de Credenciament O link de inscriçã permitirá que candidat registre suas infrmações para participar d Prcess de Credenciament, cnfrme Edital. Após tmar ciência de td cnteúd

Leia mais

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE Flha 1 de 8 Rev. Data Cnteúd Elabrad pr Aprvad pr 0 16/06/2004 Emissã inicial englband a parte técnica d GEN PSE 004 Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade 1 31/01/2006 Revisã geral Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade

Leia mais

Processos de Apoio do Grupo Consultivo 5.5 Suporte Informático Direito de Acesso à Rede

Processos de Apoio do Grupo Consultivo 5.5 Suporte Informático Direito de Acesso à Rede Prcesss de Api d Grup Cnsultiv 5.5 Suprte Infrmátic Direit de Acess à Rede Suprte Infrmátic - Dcuments 5.5 Âmbit e Objectiv Frmuláris aplicáveis Obrigatóris Obrigatóris, se aplicável Frmulári de Mapa de

Leia mais

Channel. Colaboradores. Tutorial. Atualizado com a versão 3.9

Channel. Colaboradores. Tutorial. Atualizado com a versão 3.9 Channel Clabradres Tutrial Atualizad cm a versã 3.9 Cpyright 2009 pr JExperts Tecnlgia Ltda. tds direits reservads. É pribida a reprduçã deste manual sem autrizaçã prévia e pr escrit da JExperts Tecnlgia

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação Os nvs uss da tecnlgia da infrmaçã nas empresas Sistemas de Infrmaçã Prf. Marcel da Silveira Siedler siedler@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Planejament

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versã 0.0 25/10/2010 Sumári 1 Objetivs... 3 2 Cnceits... 3 3 Referências... 3 4 Princípis... 3 5 Diretrizes d Prcess... 4 6 Respnsabilidades... 5 7

Leia mais

Proposta. Projeto: VENSSO. Data 25/05/2005. Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes. Responsável. Autor (s)

Proposta. Projeto: VENSSO. Data 25/05/2005. Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes. Responsável. Autor (s) Prpsta Prjet: Data 25/05/2005 Respnsável Autr (s) Dc ID Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes Lcalizaçã Versã d Template

Leia mais

1 Criando uma conta no EndNote

1 Criando uma conta no EndNote O EndNte Basic (anterirmente cnhecid pr EndNte Web), é um sftware gerenciadr de referências desenvlvid pela Editra Thmsn Reuters. Permite rganizar referências bibligráficas para citaçã em artigs, mngrafias,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUITE LIBREOFFICE: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE TREINAMENTO

TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUITE LIBREOFFICE: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE TREINAMENTO Term de Referência Anex I - Especificaçã técnica Cntrataçã de Empresa para prestaçã de Serviçs de Treinament na suíte Libreffice TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUITE LIBREOFFICE: CONTRATAÇÃO

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Aprvad: Data: 11/09/2008 Data: 10/10/2008 Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Antecedentes_Criminais.dc

Leia mais

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil;

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil; TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE ANÁLISE DA REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVO PARA CÁLCULOS DO VALOR DO IMPAIRMENT E VIDA ÚTIL RESIDUAL, EM CONFORMIDADE COM O DISPOSTO

Leia mais

AVISO. operações urbanísticas, que evoluirá até à desmaterialização total, num curto espaço de tempo,

AVISO. operações urbanísticas, que evoluirá até à desmaterialização total, num curto espaço de tempo, AVISO NORMAS DE INSTRUÇÃO DE PROCESSOS EM FORMATO DIGITAL A Câmara Municipal de Viseu vai iniciar, n próxim dia 5 de Janeir de 2015, a implementaçã da tramitaçã eletrónica ds prcesss de licenciament/admissã

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs)

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs) MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE Técnics de Instalaçã e Manutençã de Edifícis e Sistemas (TIMs) NO SISTEMA INFORMÁTICO DO SISTEMA NACIONAL DE CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA NOS EDIFÍCIOS (SCE) 17/07/2014

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para Prcediment de Cmercializaçã. Inserid

Leia mais

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março)

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Curss Prfissinais de Nível Secundári (Decret-Lei n.º 74/2004, de 26 de Març) Família Prfissinal: 07 - Infrmática 1. QUALIFICAÇÕES / SAÍDAS PROFISSIONAIS As qualificações de nível

Leia mais

Novo Sistema Almoxarifado

Novo Sistema Almoxarifado Nv Sistema Almxarifad Instruções Iniciais 1. Ícnes padrões Existem ícnes espalhads pr td sistema, cada um ferece uma açã. Dentre eles sã dis s mais imprtantes: Realiza uma pesquisa para preencher s camps

Leia mais

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios.

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios. Prêmi Data Pint de Criatividade e Invaçã - 2011 N an em que cmpleta 15 ans de atuaçã n mercad de treinament em infrmática, a Data Pint ferece à cmunidade a prtunidade de participar d Prêmi Data Pint de

Leia mais

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO R.M. Infrmática Cmérci e Serviç Ltda CNPJ: 04.831.742/0001-10 Av. Rdrig Otávi, 1866, Módul 22 Distrit Industrial - Manaus - AM Tel./Fax (92) 3216-3884 http://www.amaznit.cm.br e-mail: amaznit@amaznit.cm.br

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS REALIZAR MANUTENÇÃO PREDIAL

MANUAL DE PROCEDIMENTOS REALIZAR MANUTENÇÃO PREDIAL Códig: MAP-DILOG-002 Versã: 00 Data de Emissã: 01/01/2013 Elabrad pr: Gerência de Instalações Aprvad pr: Diretria de Lgística 1 OBJETIVO Estabelecer cicl d prcess para a manutençã predial crretiva e preventiva,

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO EVENTOS

MANUAL DO USUÁRIO EVENTOS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Data: 17-09-2008 Data: Aprvad: Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Events.dc

Leia mais

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA MANUAL ds LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA Objetiv 1. Oferecer as aluns a infra-estrutura e suprte necessári à execuçã de tarefas práticas, slicitadas pels prfessres, bservand s prazs estabelecids. 2. Oferecer

Leia mais

Manual do DEC Domicílio Eletrônico do Contribuinte

Manual do DEC Domicílio Eletrônico do Contribuinte GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA FAZENDA Crdenadria da Administraçã Tributária Diretria Executiva da Administraçã Tributária Manual d DEC Dmicíli Eletrônic d Cntribuinte Manual DEC (dezembr

Leia mais

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA CAMINHO PARA ELABORAÇÃO DE AGENDAS EMPRESARIAIS EM ADAPTAÇÃO ÀS MUDANÇAS DO CLIMA Prpsta de Framewrk Resultad d diálg crrid em 26 de junh de 2013, n Fórum Latin-American

Leia mais

COORDENADORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Suporte técnico

COORDENADORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Suporte técnico COORDENADORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Suprte técnic O serviç de suprte técnic tem pr bjetiv frnecer atendiment as usuáris de prduts e serviçs de infrmática da Defensria Pública. Este serviç é prvid

Leia mais

INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO

INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO A Lógica de Prgramaçã é necessária à tdas as pessas que ingressam u pretendem ingressar na área de Tecnlgia da Infrmaçã, send cm prgramadr, analista de sistemas u suprte.

Leia mais

Universidade Luterana do Brasil Faculdade de Informática. Disciplina de Engenharia de Software Professor Luís Fernando Garcia www.garcia.pro.

Universidade Luterana do Brasil Faculdade de Informática. Disciplina de Engenharia de Software Professor Luís Fernando Garcia www.garcia.pro. Universidade Luterana d Brasil Faculdade de Infrmática Disciplina de Engenharia de Sftware Prfessr Luís Fernand Garcia www.garcia.pr.br EVOLUÇÃO EM ENGENHARIA DE SOFTWARE 10 Sistemas Legads O investiment

Leia mais

Manual do Novo Pátio. Revenda. Versão 2.0

Manual do Novo Pátio. Revenda. Versão 2.0 Manual d Nv Páti Revenda Versã 2.0 1 Cnteúd INTRODUÇÃO... 3 1.LOGIN... 4 2.ANUNCIANTE... 4 2.1 Listar Usuáris... 4 2.2 Criar Usuári... 5 2.2.1 Permissões:... 6 3.SERVIÇOS... 7 3.1 Serviçs... 7 3.2 Feirã...

Leia mais

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO:

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3.1 MANUTENÇÃO CORRETIVA A manutençã crretiva é a frma mais óbvia e mais primária de manutençã; pde sintetizar-se pel cicl "quebra-repara", u seja, repar ds equipaments após a avaria.

Leia mais

Matemática / 1ª série / ICC Prof. Eduardo. Unidade 1: Fundamentos. 1 - Introdução ao Computador

Matemática / 1ª série / ICC Prof. Eduardo. Unidade 1: Fundamentos. 1 - Introdução ao Computador Unidade 1: Fundaments 1 - Intrduçã a Cmputadr Cnceits básics e Terminlgias O cmputadr é uma máquina eletrônica capaz de realizar uma grande variedade de tarefas cm alta velcidade e precisã, desde que receba

Leia mais

Manual de Instalação e Configuração

Manual de Instalação e Configuração Manual de Instalaçã e Cnfiguraçã Prdut:n-ReleaserEmbedded fr Lexmark Versã 1.2.1 Versã d Dc.:1.0 Autr: Lucas Machad Santini Data: 14/04/2011 Dcument destinad a: Clientes e Revendas Alterad pr: Release

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI GESTÃO DE PROJETOS Uma visã geral Bead n diretrizes d PMI 1 Intrduçã Objetiv da Apresentaçã O bjetiv é frnecer uma visã geral ds prcesss de Gestã de Prjets aplicads à Gestã de Empreendiments. O que é Prjet?

Leia mais

WEB MANAGER. Conhecendo o Web Manager!

WEB MANAGER. Conhecendo o Web Manager! WEB MANAGER Cnhecend Web Manager! O Web Manager é uma pdersa ferramenta para gestã de Sites, prtais, intranets, extranets e htsites. Cm ela é pssível gerenciar ttalmente seus ambientes web. Integrad ttalmente

Leia mais

CRONOGRAMA DELPHI para turmas Aproximadamente 84 horas - aulas de 2 horas

CRONOGRAMA DELPHI para turmas Aproximadamente 84 horas - aulas de 2 horas CRONOGRAMA DELPHI para turmas Aprximadamente 84 hras - aulas de 2 hras Primeira Parte Lógica de Prgramaçã 5 aulas 10 hras AULA 1 OBJETIVO 1. Cnceits básics: Algritm, Tips de Variáveis, Tips e Expressões

Leia mais

Anexo I - PROJETO BÁSICO: ESPECIFICAÇÕES DO OBJETO

Anexo I - PROJETO BÁSICO: ESPECIFICAÇÕES DO OBJETO Anex I - PROJETO BÁSICO: ESPECIFICAÇÕES DO OBJETO 1. OBJETO Aquisiçã e implantaçã de SISTEMA DE RISCO, destinad a gerenciament de riscs de crédit e a prestaçã de serviçs técnics especializads para planejament,

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO FINANCEIRO

MANUAL DO USUÁRIO FINANCEIRO SIGIO Sistema Integrad de Gestã de Imprensa Oficial MANUAL DO USUÁRIO FINANCEIRO S I G I O M A N U A L D O U S U Á R I O P á g i n a 2 Cnteúd 1 Intrduçã... 3 2 Acess restrit a sistema... 4 2.1 Tips de

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO PARA GESTÃO DE ATENDIMENTO MODELO: SIGA WEB

SISTEMA INTEGRADO PARA GESTÃO DE ATENDIMENTO MODELO: SIGA WEB SISTEMA INTEGRADO PARA GESTÃO DE ATENDIMENTO MODELO: SIGA WEB A SOLUÇÃO SIGA WEB gera e cntrla uma senha para cada cliente, utilizand cnceits WEB, INTRANET e INPOSSUINET em tdas as suas funcinalidades,

Leia mais

Versão 14.0 Junho 2015 www.psr-inc.com Contato: sddp@psr-inc.com. Representação mais detalhada da operação em cada estágio: 21 blocos

Versão 14.0 Junho 2015 www.psr-inc.com Contato: sddp@psr-inc.com. Representação mais detalhada da operação em cada estágio: 21 blocos Versã 14.0 Junh 2015 www.psr-inc.cm Cntat: sddp@psr-inc.cm SDDP VERSÃO 14.0 Nvidades Representaçã mais detalhada da peraçã em cada estági: 21 blcs Tradicinalmente, a peraçã de cada estági (semana u mês)

Leia mais

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas Perguntas frequentes sbre Prgrama Banda Larga nas Esclas 1. Qual bjetiv d Prgrama Banda Larga nas Esclas? O Prgrama Banda Larga nas Esclas tem cm bjetiv cnectar tdas as esclas públicas à internet, rede

Leia mais

Modelagem, qualificação e distribuição em um padrão para geoinformações

Modelagem, qualificação e distribuição em um padrão para geoinformações Mdelagem, qualificaçã e distribuiçã em um padrã para geinfrmações Julia Peixt 14h, 14 de junh de 2010. Mtivaçã Acerv de dads desde 1994 em diferentes áreas de pesquisa; Muitas pessas fazend muits trabalhs

Leia mais

INTEGRAÇÃO Gestão de Frete Embarcador x Datasul 11.5.3

INTEGRAÇÃO Gestão de Frete Embarcador x Datasul 11.5.3 Prdut: GFE - Prtheus Plan d Prjet INTEGRAÇÃO Gestã de Frete Embarcadr x Datasul 11.5.3 PLANO DO PROJETO 24/01/2013 Respnsável pel dcument: Jã Victr Fidelix TOTVS - 1 Prdut: GFE - Prtheus Plan d Prjet ÍNDICE

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

PROJETO SOA-SAÚDE ANEXO I ESPECIFICAÇÕES DO OBJETO

PROJETO SOA-SAÚDE ANEXO I ESPECIFICAÇÕES DO OBJETO PROJETO SOA-SAÚDE ANEXO I ESPECIFICAÇÕES DO OBJETO ÍNDICE 1 Intrduçã...4 2 Fundamentaçã...4 3 Objet...6 4 Detalhament d Objet...6 4.1 Sluçã a ser Implantada...6 4.1.1 Arquitetura Técnica da Sluçã...7 4.1.2

Leia mais

ANEXO TÉCNICO DE SERVIÇOS BEMATECH CLOUD GEMCO ANYWHERE

ANEXO TÉCNICO DE SERVIÇOS BEMATECH CLOUD GEMCO ANYWHERE 1. Definições ANEXO TÉCNICO DE SERVIÇOS BEMATECH CLOUD GEMCO ANYWHERE Este dcument cntém as especificações técnicas e requisits ds serviçs de Clud Cmputing da Bematech para Sistema Gemc Anywhere. Estes

Leia mais

Projeto de Arquitetura Objetivos. Tópicos abordados. Arquitetura de software. Vantagens da arquitetura explícita

Projeto de Arquitetura Objetivos. Tópicos abordados. Arquitetura de software. Vantagens da arquitetura explícita Prjet de Arquitetura Objetivs Apresentar prjet de arquitetura e discutir sua imprtância Explicar as decisões de prjet de arquitetura que têm de ser feitas Apresentar três estils cmplementares de arquitetura

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

PORTARIA N. 8.605 de 05 de novembro de 2013.

PORTARIA N. 8.605 de 05 de novembro de 2013. PORTARIA N. 8.605 de 05 de nvembr de 2013. Altera a Plítica de Segurança da Infrmaçã n âmbit d Tribunal Reginal d Trabalh da 4ª Regiã. A PRESIDENTE DO, n us de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO

Leia mais

SDK (Software Development Kit) do Microsoft Kinect para Windows

SDK (Software Development Kit) do Microsoft Kinect para Windows SDK (Sftware Develpment Kit) d Micrsft Kinect para Windws Os presentes terms de licença cnstituem um acrd entre a Micrsft Crpratin (u, dependend d lcal n qual vcê esteja dmiciliad, uma de suas afiliadas)

Leia mais

ORIENTAÇÕES AOS CANDIDATOS CONTEMPLADOS NO

ORIENTAÇÕES AOS CANDIDATOS CONTEMPLADOS NO ORIENTAÇÕES AOS CANDIDATOS CONTEMPLADOS NO Prezad(a) Alun(a) A mbilidade acadêmica internacinal é uma prtunidade valisa para seu cresciment individual, acadêmic e prfissinal. Nã permita que a falta de

Leia mais

SGCT - Sistema de Gerenciamento de Conferências Tecnológicas

SGCT - Sistema de Gerenciamento de Conferências Tecnológicas SGCT - Sistema de Gerenciament de Cnferências Tecnlógicas Versã 1.0 09 de Setembr de 2009 Institut de Cmputaçã - UNICAMP Grup 02 Andre Petris Esteve - 070168 Henrique Baggi - 071139 Rafael Ghussn Can -

Leia mais

Plano de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa

Plano de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa Plan de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa Escla Clégi Eng Juarez Wanderley Prfessr Fernand Nishimura de Aragã Disciplina Infrmática Objetivs Cnstruçã de um website pessal para publicaçã de atividades

Leia mais

Soluções Benefix para Varejo (NFC-e)

Soluções Benefix para Varejo (NFC-e) BENEFIX SISTEMAS E GESTÃO DE NEGÓCIOS LTDA Rua da Cnceiçã, 95, Niterói / RJ Telefne: +55 21 2621-5063 Telefne: +55 41 3353-3839 E-mail: cntat@e-benefix.cm.br Sluções Benefix para Varej (NFC-e) Sluções

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N 379, DE 19 DE OUTUBRO DE 2006 Cria e regulamenta sistema de dads e infrmações sbre a gestã flrestal n âmbit d Sistema Nacinal

Leia mais

1 Índice. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

1 Índice. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis ERP 1 Índice 1 Índice... 2 2 Vensis ERP... 3 2.1 Móduls Principais... 4 2.2 Móduls Cmplementares... 4 2.3 Infrmações Gerenciais... 5 3 Apresentaçã Detalhada Móduls Principais... 6 3.1 Características

Leia mais

Gestão Sindical Eficiente

Gestão Sindical Eficiente Gestã Sindical Eficiente Apresentaçã O Agile Sindical é a sluçã para apiar a implementaçã de uma gestã estruturada das atividades sindicais. A sluçã apresenta móduls para gerenciament ds prcesss-chave

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO ÍNDICE QUE VALORES [MASTERSAF DFE] TRAZEM PARA VOCÊ? 1. VISÃO GERAL E REQUISITOS PARA INSTALAÇÃO... 2 1.1. AMBIENTE... 2 1.2. BANCO DE DADOS... 4 2. BAIXANDO OS INSTALADORES DO DFE MASTERSAF... 5 3. INICIANDO

Leia mais

G OVER NO DO EST ADO D O CEA RÁ Secreta riadoplane jamentoeg estão. GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Secretaria do Planejamento e Gestão CONSULTA PÚBLICA

G OVER NO DO EST ADO D O CEA RÁ Secreta riadoplane jamentoeg estão. GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Secretaria do Planejamento e Gestão CONSULTA PÚBLICA Secreta riadplane jamenteg estã Secretaria d Planejament e Gestã CONSULTA PÚBLICA 1. DO OBJETO Registr de Preçs para futuras e eventuais cntratações de empresas especializas n gerenciament de impressã

Leia mais

REGULAMENTO 1- OBJETIVO

REGULAMENTO 1- OBJETIVO REGULAMENTO 1- OBJETIVO O Prgrama Nv Temp é um iniciativa da Cargill Agricla SA, que visa ferecer as seus funcináris e das empresas patrcinadras ds plans de previdência sb a gestã da CargillPrev Sciedade

Leia mais

Roteiro de Implantação Estoque

Roteiro de Implantação Estoque Rteir de Implantaçã Estque Revisã: 23/07/2004 Abrangência Versã 7.10 Cadastrs Básics Dicas: Explique a necessidade d preenchiment ds brigatóris (camps na cr azul). Verifique se cliente necessita que mais

Leia mais

Software Para Controle de Acesso e Ponto

Software Para Controle de Acesso e Ponto Sftware Para Cntrle de Acess e Pnt Características e Funcinalidades Versã 2.0 Inipass é marca registrada da Prjedata Infrmática Ltda. Tds s direits reservads à Prjedata Infrmática Ltda. Características

Leia mais

Requisitos técnicos de alto nível da URS para registros e registradores

Requisitos técnicos de alto nível da URS para registros e registradores Requisits técnics de alt nível da URS para registrs e registradres 17 de utubr de 2013 Os seguintes requisits técnics devem ser seguids pels peradres de registr e registradres para manter a cnfrmidade

Leia mais

Gerenciamento do Escopo

Gerenciamento do Escopo Pós-graduaçã Gestã Empresarial Módul GPE Gestã de Prjets Empresariais Prf. MSc Jsé Alexandre Mren prf.mren@ul.cm.br agst_setembr/2009 1 Gerenciament d Escp 3 Declaraçã d escp Estrutura Analítica d Prjet

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização CIRCULAR Data: 2007/10/10 Númer d Prcess: DSDC/DEPEB/2007 Assunt: GESTÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007 Para: Inspecçã-Geral de Educaçã Direcções Reginais de Educaçã

Leia mais

PROCESSO DE ATENDIMENTO AO CLIENTE DO GRUPO HISPASAT

PROCESSO DE ATENDIMENTO AO CLIENTE DO GRUPO HISPASAT PROCESSO DE ATENDIMENTO AO CLIENTE DO GRUPO HISPASAT GRUPO HISPASAT Mai de 2014 PRIVADO PRIVADO E CONFIDENCIAL E Dcument Dcument prpriedade prpriedade HISPASAT,S.A. da 1 Prcess de atendiment a cliente

Leia mais

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 QUALIDADE RS PGQP PROGRAMA GAÚCHO DA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 GUIA PARA CANDIDATURA SUMÁRIO 1. O PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP... 3 1.1 Benefícis... 3 2. PREMIAÇÃO... 3 2.1 Diretrizes

Leia mais