Criatividade Assistida por Computadores

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Criatividade Assistida por Computadores"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS ESCOLA DE INFORMÁTICA PROGRAMA DE PÓS GRADUACÃO EM INFORMÁTICA Criatividade Assistida por Computadores por Ulisses Andrade Cava Trabalho Individual I TI 2009/1 003 Orientador: Prof. Dr. Stanley Loh

2 2 Pelotas, agosto de 2009 SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS...3 RESUMO...4 ABSTRACT INTRODUÇÃO DEFINIÇÃO DE CRIATIVIDADE CLASSIFICAÇÕES DA CRIATIVIDADE TEORIAS DA CRIATIVIDADE: CAUSAS E EXPLICAÇÕES DESENVOLVENDO A CRIATIVIDADE AS TÉCNICAS DE CRIATIVIDADE ADOÇÃO DE TÉCNICAS DE CRIATIVIDADE POR ORGANIZAÇÕES TECNOLOGIA E CRIATIVIDADE ALGUNS SOFTWARES DE APOIO À CRIATIVIDADE O USO DA TECNOLOGIA DO APOIO À CRIATIVIDADE NA EDUCAÇÃO AVALIAÇÃO DE SOFTWARE DE APOIO A CRIATIVIDADE CONCLUSÃO...43 REFERÊNCIAS...44

3 3 LISTA DE FIGURAS Figura 4.1. O modelo em duas camadas do pensamento criativo...15 Figura 9.1: Ferramenta Mind Manager...31 Figura 9.2: Ferramenta Axon...33 Figura 9.3: Uma agenda no GroupSystems...33 Figura 9.4: Exemplo de descrição de processo no GroupSystem...34 Figura 9.5: Ferramenta Maxthink...35 Figura 9.6: Ferramenta Serious Creativity...36 Figura 9.7 Processador de idéias, IdeaPro, uma dos três sistemas da ferramenta Serious Creativity...36 Figura 9.8: Material de referência (Idearef) usado como apoio aos outros módulos da ferramenta Serious Creativity...37 Figura 9.9: Sistema Viras, um mundo virtual colaborativo...37

4 4 RESUMO A criatividade é chave no mundo atual. A tecnologia não poderia deixar de envolver no desenvolvimento da mesma. Já existem muitos softwares que apóiam a criatividade que são adotados por grandes companhias em todo mundo. Muitos deles aplicam em forma de software consagradas técnicas de estimulação de pensamento criativo desenvolvidas nos últimos 50 anos de pesquisa. Algumas avaliações já têm sido realizadas do efeito de tais softwares no desenvolvimento das habilidades criativas do ser humano. Há muito que se pode ainda aperfeiçoar em educação para unir computadores e desenvolvimento da criatividade. O desafio da Criatividade Assistida por Computador está recém começando. Palavras chave: Criatividade Assistida por Computadores

5 5 TITLE: COMPUTER AIDED CREATIVITY ABSTRACT Creativity is central to the contemporary world. Technology couldn t stay away from committing itself to helping develop it. There are already many software systems that support creativity and are adopted by big companies all around the world. Many of those systems apply now traditional creativity techniques developed along the last 50 years. Some evaluations have been done about the effectiveness of such systems in developing creative skills in human beings. There are still a lot of room to enhancing, specially in the educational field to unite computers and creativity development. The challenge of Computer Aided Creativity is just beginning. Palavras chave: Computer aided creativity

6 6 1 INTRODUÇÃO A capacidade de criar está no cerne da natureza do homem. Toda a dinâmica cultural é fruto dessa habilidade de inovar constantemente proporcionada pela imaginação (mais importante que o conhecimento, segundo Einstein), habilidade própria dessa espécie única sobre o planeta e que somos nós. Especialmente no mundo humano atual, constituído de organizações, muitas delas globalizadas, a criatividade é amplamente reconhecida como um fator chave que leva a estabelecer e manter vantagens competitivas (EAGLESTONE 2002). Há grande necessidade de empregados criativos que dominem a arte de desenvolver novas idéias para que as organizações mantenham se inovadoras (HERBJORNSEN 2003). Deve se lembrar que a taxa de inovações dos mercados cresce sem parar e, para se manterem competitivas, a habilidade das organizações para sustentar criatividade em seus produtos e processos e membros torna se fundamental (HERBJORNSEN 2003). Em ambientes ambíguos e que mudam rapidamente, o processo do pensamento criativo é especialmente importante na medida em que o desenvolvimento de soluções inovadoras permite o aumento no entendimento de situações problemáticas, a descoberta de muitos problemas, a produção de múltiplas soluções diferentes do passado e a expansão da base de competências das firmas (SFERTZI 2000). A criatividade é necessária para resolver problemas concretos, reais e complexos, facilitar a adaptação à mudança, otimizar a performance das organizações e mudar a atitude do staff das mesmas. Obviamente a criatividade é importante também em todos os estágios do P&D (SFERTZI 2000). Alguns resultados esperados de processos de criatividade são (SFERTZI 2000): Inovação através de idéias de novos produtos e processos; Melhoramento contínuo de produtos e serviços; Aumento da produtividade Eficiência; Rapidez;

7 7 Flexibilidade; Qualidade de produtos e serviços; Alta performance. Técnicas de criatividade podem ser aplicadas em quase todas as áreas funcionais da empresa (SFERTZI 2000) : planejamento estratégico, desenvolvimento de produto, aperfeiçoamento de serviços, estratégia funcional, finanças, recursos humanos, marketing, gerenciamento de informações, design do produto, projeto de software, gerenciamento da qualidade, etc. A capacidade de pensamento criativo no local de trabalho é uma habilidade genérica que os empregadores altamente valorizam em seus empregados (NORTHCOTT 2007). Estudantes que aprenderam as habilidades de gerar conceitos criativos que são únicos e usáveis têm o potencial de terem mais sucesso na equipe de trabalho de uma organização. Embora a criatividade seja encarada como uma habilidade básica da empregabilidade, trata se de uma qualidade que falta em estudantes universitários (NORTHCOTT 2007). Se se pensar em termos de empreendedorismo, a criatividade é mais necessária ainda já que a criação de organizações por pessoas proativas e com iniciativas é algo bem mais complexo e desafiador e que exigem o pensamento criativo em maior medida ainda. A criatividade aparece em muitos campos. Ela pode se manifestar nas artes (pintura, escultura, sinfonias, canções, poemas, peças, literatura). Ela também se manifesta na área de design com produtos de consumo, design gráfico e arquitetura. Assim como em inovações em engenharia e design de interfaces de usuário. Também aparece nas habilidades científicas (resolução de problemas, descobertas, mudanças epistemológicas) e em aplicações industriais (criação de função de produtos, design artístico de produtos, etc) (SCHNEIDERMANN 2006) (BUISINE 2007). Pesquisadores, incluindo Shneiderman, argumentaram que processos criativos são essenciais para as atividades do dia a dia. Usam se aí os mesmos processos que o artista ou o designer, com a mesma natureza mal estruturada da tarefa, a geração, a representação e a avaliação de idéias (COUGHLAN 2008). Vale lembrar que a criatividade tem um valor humanizante individual muito importante. É fonte de satisfação e prazer para o ser humano participar de empreendimentos criativos ou produzir algo de original e que é avaliado como útil de alguma maneira e usufruído pela sociedade. Pode se dizer que a produção criativa é fator de auto realização e mesmo de saúde integral do ser humano, além de, como enfatizado no início desta seção, fator que o distingue das outras espécies.

8 8 O presente texto explora o tema da criatividade, em geral, a tecnologia computadorizada que pode lhe dar suporte, assim como as possibilidades de desenvolvimento do potencial criativo usando os computadores em geral. No capítulo 1 são analisadas definições da criatividade enquanto que no capítulo 2 são revisadas algumas classificações que ajudam a entender aprofundar o conceito que por sua natureza é ainda muito aberto a variações. No Capítulo 3 apresentam se algumas teorias que procuram explicar a criatividade. Nos capítulos 4 e 5 são revisadas as abordagens ao desenvolvimento da criatividade assim como apresentadas algumas técnicas básicas para geração de idéias criativas. No capítulo 6, descreve se o uso que as organizações modernas têm feito de técnicas de criatividade. A tecnologia associada à criatividade e a apresentação de algumas softwares de apoio à criatividade são apresentadas nos capítulos 7 e 8. A criatividade e a tecnologia no âmbito da educação são tratadas no capítulo 9 enquanto no capítulo 10 e último são esboçadas algumas abordagens para avaliação de softwares de apoio à Criatividade. Os desafios à Criatividade Assistida por Computador estão ainda começando. Há um horizonte muito promissor para a tecnologia relacionada ao desenvolvimento das habilidades mentais superiores do ser humano. A educação criativa apoiada por computador promete muitos capítulos para os próximos anos.

9 9 2 DEFINIÇÃO DE CRIATIVIDADE Há muitas definições de criatividade, variando amplamente umas das outras (STRAVAKIS 2003)(ERIK 2004)(SFERTZI 2000)(NORTHCOTT 2007). Há também uma grande quantidade de literatura que explora a criatividade e o pensamento criativo, assim como muitas teorias e abordagens descrevendo e medindo tais conceitos (NORTHCOTT 2007). Algumas definições falam em geração imaginativa de novas idéias envolvendo uma inovação ou solução de problemas (SFERTZI 2000). Outras propõem que a solução criativa pode simplesmente integrar conhecimento existente de um modo diferente. Há ainda a investigação em torno da idéia de surpresa que leva a uma descrição do pensamento criativo como uma habilidade de descobrir idéias que são surpreendentes e mesmo assim inteligíveis (NORTHCOTT 2007). Um quarto tipo de definição envolve a geração de idéias não previamente disponíveis assim como a geração de diferentes maneiras de ver os eventos, tudo isso como fator crucial para ações criativas. Não obstante todas essas versões, na sua acepção mais comum e integradora, a criatividade é definida como um processo culminando na produção de resultados que têm algum nível de novidade e valor (ou é apropriado, é usável) (COUGHLAN 2008) (SAUNDERS 2008) (SFERTZI 2000)(NORTHCOTT 2007). Há vertentes que enfatizam que a criatividade é mais um esforço colaborativo manifestado na relação com algum suporte tecnológico (no sentido geral do termo) do que um traço individual (SUNDHOLM 2004). Os teóricos tradicionais,no entanto, dentro da ciência cognitiva trataram conceitos como inteligência, talento, criatividade, dom, habilidade e cognição como algo interno e particularmente como traços ou propriedade de mentes individuais (SUNDHOLM 2004). Essa visão tem sido criticada por perspectivas situadas ou distribuídas de cognição (SUNDHOLM 2004). Nessa abordagem, a habilidade e o talento são parte da transação entre indivíduo e ambiente. Parte dessa transação são por exemplo artefatos de vários tipos (papéis, lápis, computadores...). Seguindo essa linha de raciocínio, um importante objetivo de educadores e designers seria providenciar ambientes através dos quais as interações criativas e o talento possam emergir (SUNDHOLM 2004). A criatividade ainda pode ser vista como um diálogo, como uma transação social e comunicativa entre indivíduos que compartilham uma meta comum.

10 10 Mihaly Csikszentmihalyi argumenta que a criatividade não pode ser definida isolada da sociedade e da cultura. Essas instâncias têm um papel essencial na produção e avaliação do trabalho criativo (SAUNDERS 2008). Além disso, o processo criativo está, segundo esse autor, nas interações entre indivíduo, sociedade e cultura (SAUNDERS 2008). Muito da nossa inteligência e criatividade resulta da memória coletiva de comunidades de prática e de artefatos e tecnologias que os envolvem, o que é chamado de inteligência coletiva (NAKAKOJIL 2000). A criatividade colaborativa baseia se assim na comunicação e no diálogo como veículo para inovação (ADA 2008).

11 11 3 CLASSIFICAÇÕES DA CRIATIVIDADE Há várias distinções teóricas que são feitas por diversos pensadores da criatividade. Boden, por exemplo, introduziu a diferenciação entre criatividade histórica e psicológica, um sendo social histórica e a outra individual (KAN 2008). Na criatividade P os conceitos e idéias são novos para a pessoa que os concebeu, enquanto que na criatividade H as idéias são verdadeiramente novas e nunca foram pensadas antes (STRAVAKIS 2003). A criatividade é com freqüência denominada pensamento divergente em oposição ao pensamento convergente. O último está associado a uma atividade lógica razoavelmente previsível enquanto o primeiro, a atividades com resultados menos previsíveis e lógicos (EAGLESTONE 2002). A arte do pensamento divergente supõe o enfrentamento dos problemas de várias maneiras e pensar em soluções não familiares e incomuns (ERIK 2004). O pensamento divergente e o convergente são em verdade fases complementares de um procedimento: o divergente gera múltiplas soluções para um problema e o convergente filtra e focaliza numa solução apropriada (NORTHCOTT 2007). Shneiderman distingue a criatividade revolucionária da evolucionária (ERIK 2004)(SHNEIDERMAN 1999). Por exemplo, a descoberta do DNA como dupla hélice pertence à criatividade revolucionária. Já a evolucionária, tende a aplicar paradigmas existentes, refinando, aprofundando e associando os. Ao contrário da revolucionária, a evolucionária se baseia na construção da novidade a partir de componentes presentes. Um exemplo,segundo Shneiderman,são médicos fazendo diagnósticos de câncer. A criatividade evolucionária é mais facilmente suportada por ferramentas de software, mas eventualmente estas também oferecem a possibilidade de ajudar a produzir novidades revolucionárias. (ERIK 2004)(SHNEIDERMANN 1999) Ainda se pode conceber um terceiro nível de criatividade, segunda Shneiderman (SHNEIDERMAN 1999). Trata se da criatividade impromptu, como,por exemplo, uma conversação brilhante, uma improvisação musical, educação criativa dos filhos por parte dos pais. Essas atividades são mais espontâneas e constituem criatividade em

12 12 senso amplo, mas elas seriam mais difíceis de suportar via software (SHNEIDERMANN 1999). Com outro enfoque, Boden propõe a diferenciação de três tipos de criatividade (SFERTZI 2000): a) A criatividade combinatorial, que envolve a combinação de idéias familiares; b) A criatividade exploratória, que envolve a geração de novas idéias pela exploração de conceitos estruturados; c) A criatividade transformacional, que envolve a transformação de alguma dimensão da estrutura, de modo a uma nova estrutura ser gerada (SFERTZI 2000). Howard Gardner propõe a separação da criatividade em dois tipos(saunders 2008): a) Criatividade Pequena C: é a criatividade de todo o dia, que se usa para resolver problemas e produzir algum trabalho; b) Criatividade Grande C: é o tipo de criatividade que muda a sociedade através do impacto do trabalho sobre outros (SAUNDERS 2008). Em (HERBJORNSEN 2003) são citados dois modos do pensamento criativo: criatividade em tempo real e criatividade em multi estágio. Na em tempo real, há improvisação e são demandados resultados em curto período de tempo. Na em multi estágio, há tempo suficiente para geração e seleção de idéias (HERBJORNSEN 2003).

13 13 4 TEORIAS DA CRIATIVIDADE: CAUSAS E EXPLICAÇÕES Na antigüidade a criatividade era vista como inspiração divina ou como uma forma de loucura (KNELLER 1976). No renascimento a criatividade é considerada como algo saudável e como intuição altamente desenvolvida. O criador é um tipo de pessoa rara. Trata se da noção de gênio (KNELLER 1976). O associacionismo do século XIX via as novas idéias como manufaturadas a partir das velhas por um processo de tentativas e erros (KNELLER 1976). Para a psicanálise, a criatividade origina se de conflito dentro do inconsciente (id). A novidade e originalidade que se expressam no humor e na fantasia remetem mais ao inconsciente que ao consciente (KNELLER 1976), Para E.G. Schachtel, em oposição às idéias psicanalíticas de que a criatividade exprime impulsos anteriores, ela resulta antes em abertura ao mundo exterior, ou seja, maior receptividade à experiência (KNELLER 1976). Para Carl Rogers, criatividade é auto realização, motivada pela ânsia do indivíduo de se realizar (KNELLER 1976). J.P. Guilford, um grande pioneiro do estudo científico da criatividade, propôs um modelo do intelecto com 120 fatores ou capacidades. Eles formam duas classes principais: memória e pensamento. Neste último está incluído o pensamento divergente que tende a ocorrer onde o problema ainda está por descobrir e onde não existe ainda meio assentado de resolvê lo (KNELLER 1976). Segundo Guilford, há 11 fatores no pensamento divergente. Alguns dos mais importantes são: fluência (capacidade de gerar muitas idéias), flexibilidade (capacidade de gerar idéias variadas), originalidade (capacidade de gerar idéias novas) e elaboração (capacidade de detalhar a informação). (KNELLER 1976) A. H. Koestler fornece o conceito de bissociação como básico para explicar a criatividade. Ele consiste na conexão de níveis de experiência ou sistemas de

14 14 referência (KNELLER 1976). Gutemberg teria chegado à idéia da imprensa com tipos móveis através de uma poderosa bissociação. William James foi um dos primeiros filósofos que ressaltaram a importância do ambiente na criatividade superando o aspecto genético. James desafiou explicitamente Galton que defendia que o gênio criativo era algo hereditário. Depois de mais de um século, pesquisadores acreditam em geral que o ambiente tem um papel essencial em facilitar processos de pensamento criativo.(kung WONG 2007). Findly e Lumsden acreditam que a criatividade é o resultado do estabelecimento de novas ligações entre os neurônios em resposta a estrutura sócio cultural existente (KUNG WONG 2007). Haveria uma complexa interação entre 5 aspectos da existência humana no desenvolvimento do potencial criativo (KUNG WONG 2007): o genótipo; o desenvolvimento do cérebro; o fenótipo cognitivo que é o modo de pensamento desenvolvido de um modo determinado pela genética e pelo ambiente; o ambiente físico; o ambiente sócio cultural. Csikszentmihalyi observa que a performance criativa de um indivíduo é devida a três fatores (KUNG WONG 2007): o domínio: os símbolos,regras e procedimentos estabelecidos(ex: biologia, matemática); a pessoa; o campo : as pessoas que controlam o que é ou pode ser aceito como domínio; funcionam como porteiros (SHNEIDERMANN 2006). Esse mesmo autor desenvolveu a idéia de fluxo que é um estado da mente em que um indivíduo está executando um trabalho num nível apropriado de desafio entre ansiedade e tédio (SHNEIDERMANN 2006). Os indivíduos que estão em estado de fluxo estão focados em suas tarefas e movendo se em direção a suas metas, em geral com pequena consciência de seu ambiente (SHNEIDERMANN 2006). Uma área de acordo geral é a importância de quatro fatores (CHANG 2001): produto, processo,

15 15 indivíduo e ambiente O produto criativo é mais provavelmente o resultado de um indivíduo imaginativo trabalhando num ambiente que o apóia, engajado em processos que conduzem à criatividade (CHANG 2001). Sigmund Freud e Carl Jung começaram o estudo formal da criatividade no início do século XX (HERBJORNSEN 2003). Eles queriam determinar a fonte da motivação criativa dos indivíduos. Alguns anos depois, em 1926, Wallas propôs que o processo criativo tomava a forma de quatro passos(herbjornsen 2003) : preparação, incubação, iluminação e verificação. Seu modelo serviu de base para muitos desenvolvimentos e refinamentos ao longo dos anos. Enquanto Freud mudou o foco do produto para o indivíduo, Wallas acrescentou o processo de criação. Com essa descoberta caiu o véu de mistério que cobria a criatividade (HERBJORNSEN 2003). Agora se tinha um processo que se poderia seguir para se conseguir resultados criativos. A atitude correta é importante quando se tenta ser criativo. As crianças em geral são mais propensas a brincadeiras que os adultos. O jogo e o divertir se é muito importante para o processo criativo, uma vez que retira a crítica e a seriedade excessiva que poderiam asfixiar a geração de idéias.(herbjornsen 2003). A criatividade incorpora dois tipos de conhecimento : declarativo (a informação factual retida) e procedural (o conhecimento de como fazer as coisas). Diversos estudos psicológicos sugerem que o pensamento criativo está ligado a conhecimento, motivação, descoberta de problemas, ideação e avaliação (NORTHCOTT 2007). A figura a seguir ilustra o modelo descrito.

16 16 Figura 4.1. O modelo em duas camadas do pensamento criativo (NORTHCOTT 2007) A teoria dos dois hemisférios do cérebro também ajuda na compreensão da criatividade. O lado direito é responsável pelo ritmo, cor, devaneio, imaginação, espaço e habilidade para se mover pelas dimensões e música (BUZAN 1988). O momento de eureka!, quando alguém de repente vê a solução de um problema, correlaciona se com atividade incrementada do cérebro direito, mesmo quando o problema é verbal (BOSSOMAIER 2005). De Bono, descreve dois estágios do pensamento criativo (EAGLESTONE 2002). Há o estágio da percepção: como olhamos para o mundo, os conceitos e as percepções que formamos; e há o estágio do processamento: o que fazemos com as percepções. Ele afirma que a lógica só pode ser usada no segundo estágio já que ela requer conceitos e percepções para funcionar. De Bono cunhou o termo pensamento lateral para se referir ao pensamento criativo. Muitos traços são atribuídos ao indivíduo criador. Por exemplo, (KNELLER 1976) inteligência superior à média mas não no ápice da escala; consciência (indivíduo extremamente bem informado); fluência (produção de muitas idéias); flexibilidade; originalidade; elaboração; ceticismo (espírito crítico); persistência; dada ao brinquedo intelectual; humor; inconformismo; auto confiança.

17 17 5 DESENVOLVENDO A CRIATIVIDADE Criatividade não é uma qualidade inata de umas poucas pessoas selecionadas (SFERTZI 2000). A criatividade está presente em todos. Pode ser aprendida, praticada, e desenvolvida usando técnicas adequadas. Muita pesquisa foi feita sobre a criatividade no campo da psicologia cognitiva para se entender como o cérebro funciona e desenvolver técnicas e métodos que possam ajudar as pessoas a serem criativas sejam individualmente ou em grupo (HERBJORNSEN 2003). Num capítulo do livro Handbook of Creativity(STERNBERG 1999), Nickerson oferece 12 passos para ensinar criatividade: estabelecer o propósito e a intenção; construir habilidades básicas; encorajar a aquisição de conhecimento de domínio específico; estimular e recompensar a curiosidade e exploração; focar no domínio e na competição consigo mesmo; promover crenças que ajudem na persistência quando atravessa dificuldades; prover equilíbrio; prover oportunidades de escolha e descoberta; desenvolver autogerenciamento (habilidades metacognitivas); ensinar técnicas e estratégias para facilitar a performance criativa. Em (KUNG WONG 2007), Aireti postula nove fatores sociais positivos para se criar uma sociedade e cultura criativa: disponibilidade de meios culturais;

18 18 abertura a estímulos culturais; ênfase em tornar se e não apenas em ser; acesso livre a meios culturais para todos os cidadãos sem discriminação; liberdade depois de severa opressão e exclusão absoluta; exposição a diferentes e contrastantes estímulos culturais; tolerância para visões divergentes; interação com pessoas significativas; promoção de incentivos e prêmios. Em (KUNG WONG 2007), Feldhusen e Treffinger fazem dez recomendações para estabelecer um clima criativo em qualquer ambiente: o espaço de aprendizagem deveria ser proativamente capaz de aceitar qualquer idéia ou resposta incomum dos estudantes; o espaço deveria ajudar estudantes a perceber erros e atender padrões aceitáveis numa atmosfera de apoio o espaço pode tomar ciência dos interesses e idéias dos estudantes; o espaço provê suficiente tempo para os estudantes pensarem e desenvolverem suas idéias criativas; o espaço é capaz de estabelecer clima de respeito mútuo aceitação entre estudantes ou entre estudantes e professores; o espaço reconhece que a criatividade acontece em todas as áreas do currículo; o espaço facilita atividades de aprendizagem divergente; o espaço cria uma atmosfera de apoio e calorosa que provê liberdade e segurança para o pensamento exploratório; o espaço oferece escolhas aos estudantes e os deixam envolver se no processo de tomada de decisão; o espaço demonstra o valor do envolvimento apoiando as idéias e soluções dos alunos aos problemas e projetos.

19 19 Um outro importante componente da formação de clima criativo é a estimulação(kung WONG 2007). Um ambiente favorável à criatividade deveria provocar estimulação na exploração e avaliação de idéias. Wallach e Kogan (KUNG WONG 2007) já haviam destacado a importância de um clima de jogo e brincadeira durante exercícios individuais de criatividade. Esse ambiente de brincadeira forma um clima criativo que permite que os indivíduos sejam livres para explorar, compartilhar e avaliar seu pensamento criativo. Muitos pontos que aumentam ou encorajam a criatividade das organizações são (SFERTZI 2000): ser feliz, ser divertido; manter aberto os canais de comunicação; confianças: falhas são aceitas; contato com fontes externas de informação; independência, tomada de iniciativa; apoiar a contribuição em tomada de decisão participativa por parte dos empregados; experimentar com novas idéias.

20 20 6 AS TÉCNICAS DE CRIATIVIDADE Técnicas de apoio, incluindo ferramentas computadorizadas (modelos de inteligência artificial, software para processadores de idéias, sistemas de informação, etc.), são desenvolvidas para promover e gerar criatividade, quebrar idéias fixas, estimular a imaginação assim como definir as condições onde a criatividade ocorre (o ambiente ou clima criativo) (SFERTZI 2000). Há numerosas técnicas que podem ser classificadas de muitas maneiras (SFERTZI 2000). Uma classificação pode ser a distinção entre técnicas analíticas e técnicas intuitivas (SFERTZI 2000). Técnicas analíticas seguem um padrão linear de pensamento ou seqüência de passos., como por exemplo a técnica os 5W e H (quem, o quê, quando, onde, por quê, e como; em inglês, who, what, when, where, why, how). Elas têm melhor aplicação para questões mais analíticas e específicas (SFERTZI 2000). Elas estimulam diferentes maneiras de organizar informação conhecida e ajudam a abordar problemas de novos ângulos (SFERTZI 2000). Técnicas intuitivas são menos estruturadas (SFERTZI 2000). Elas tendem a pular passos numa seqüência e provêm uma resposta total de uma só vez, como por exemplo a técnica do wishful thinking (consiste em pensar em soluções ideais sem reparar em limitações de recursos), sendo mais apropriadas para problemas menos estruturados. Uma outra classificação pode ser feita entre técnicas que são mais apropriadas para gerar criatividade em indivíduos e técnicas que geram criatividade em grupos(sfertzi 2000). Uma terceira classificação poderia ser em técnicas que se baseiam no pensamento divergente e as que se baseiam em pensamento convergente (SFERTZI 2000). Conceitos fundamentais para todas as técnicas são (SFERTZI 2000): suspensão do julgamento prematuro e ausência de filtragem de idéias; uso de intermediários impossíveis;

21 21 criar analogias e metáforas, através de símbolos, encontrando similaridades entre a situação que se deseja compreender e uma outra que já se compreende; construir situações imaginárias e ideais (inventar a visão ideal); encontrar maneiras de fazer a visão ideal acontecer; relacionar coisas ou que idéias que não estavam co relacionadas antes; gerar muitas soluções para os problemas. Existem inúmeras técnicas específicas para estimular a criatividade. A seguir apresentamos brevemente algumas delas. Uma técnica que vem cada vez sendo mais empregada é a dos Mapas Mentais. Eles são usados no passo divergente (BUISINE 2007). O princípio por trás dos mapas é a lógica associativa, sendo usados para definir problemas que estão sendo abordados (BUISINE 2007). Seu funcionamento básico é assim: um campo a explorar é escrito num retângulo central e os participantes expressam suas associações livres em relação a esse conceito (BUISINE 2007); essas idéias são escritas em novos blocos em torno do central, formando uma coroa de idéias. O mapeamento mental é dito funcionar do jeito que o cérebro funciona (BUZAN 1988). Serve para pensar mais criativamente, e resolver problemas mais efetivamente (BUZAN 1988). É uma técnica não linear e permite acessar de maneira maior a inteligência humana (BUZAN 1988). A técnica mais conhecida de todas é o Brainstorming ou tempestade de idéias.desenvolvida em 1941 por Alex Osborn, a técnica pretende encorajar idéias num grupo adiando a emissão de juízos críticos (MICHALKO 1999). A idéia é criar clima de desinibição. De 6 a 12 pessoas discutem um problema, enquanto um membro registra as sugestões. Ao fim se revisam e se organizam as idéias (MICHALKO 1999). Os dois princípios básicos da Tempestade Cerebral são (MICHALKO 1999): Quantidade gera qualidade Adiar julgamentos O procedimento é (MICHALKO 1999): 1. Selecionar o problema; 2. Escolher os participantes; 3. Escolher o local; 4. Selecionar líder do grupo; 5. Selecionar alguém para registrar todas as idéias que o grupo sugerir;

22 22 6. Fazer follow up (por exemplo, oferecer um almoço depois da reunião); 7. Avaliar idéias. O papel do líder é fundamental. Entre outras atribuições cabe lhe organizar uma pauta e a enviar a todos os convidados, focalizar o desafio, encorajar qualquer idéia, quanto mais extravagante melhor e assim por diante (MICHALKO 1999). Tudo que há de novo é apenas acréscimo ou modificação de algo que já existia (MICHALKO 1999). Esse é o princípio básico da técnica SCAMPER. Trata se de uma lista de perguntas estimuladoras. Alex Osborn foi o pioneiro na versão inicial dessa técnica. As perguntas são: S = Substituir? C= Combinar? A= Adaptar? M= Modificar? = Magnificar? P= pôr em uso para outros fins? E = Eliminar ou minimizar R= Reverter? = Reorganizar? O procedimento é o seguinte (MICHALKO 1999): 1. Defina o desafio ou assunto; 2. Faça as perguntas sugeridas pela lista SCAMPER. Fazer perguntas é como dar pancadinhas em volta de um problema como se bate em azulejos à procura de pontos ocos (MICHALKO 1999).

Competências avaliadas pela ICF

Competências avaliadas pela ICF Competências avaliadas pela ICF ð Estabelecendo a Base: 1. Atendendo as Orientações Éticas e aos Padrões Profissionais Compreensão da ética e dos padrões do Coaching e capacidade de aplicá- los adequadamente

Leia mais

RESENHA DO LIVRO - INTELIGÊNCIAS MÚLTIPLAS A Teoria na Prática Howard Gardner

RESENHA DO LIVRO - INTELIGÊNCIAS MÚLTIPLAS A Teoria na Prática Howard Gardner RESENHA DO LIVRO - INTELIGÊNCIAS MÚLTIPLAS A Teoria na Prática Howard Gardner Introdução Histórico Inteligência Múltipla X Educação Avaliação A Pluralidades das Inteligências INTRODUÇÃO A principal idéia

Leia mais

13 Teoria das inteligências múltiplas - Conteúdo

13 Teoria das inteligências múltiplas - Conteúdo Introdução Concepções de inteligência Inteligência para Gardner Inteligência e criatividade Tipos de inteligências Inteligência linguística e lógico-matemática Inteligência espacial e corporal-cinestésica

Leia mais

Módulo 6: Inteligência Artificial

Módulo 6: Inteligência Artificial Módulo 6: Inteligência Artificial Assuntos: 6.1. Aplicações da IA 6.2. Sistemas Especialistas 6.1. Aplicações da Inteligência Artificial As organizações estão ampliando significativamente suas tentativas

Leia mais

SISTEMAS INTELIGENTES DE APOIO À DECISÃO

SISTEMAS INTELIGENTES DE APOIO À DECISÃO SISTEMAS INTELIGENTES DE APOIO À DECISÃO As organizações estão ampliando significativamente suas tentativas para auxiliar a inteligência e a produtividade de seus trabalhadores do conhecimento com ferramentas

Leia mais

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral 9.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) O Processo Unificado (RUP) Processo Unificado: Visão Geral 9.2 Encaixa-se na definição geral de processo:

Leia mais

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem Coordenação: Juliana Cristina Braga Autoria: Rita Ponchio Você aprendeu na unidade anterior a importância da adoção de uma metodologia para a construção de OA., e também uma descrição geral da metodologia

Leia mais

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram Esquema de Palestra I. Por Que As Pessoas Compram A Abordagem da Caixa Preta A. Caixa preta os processos mentais internos que atravessamos ao tomar uma

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

É preciso amor pra poder pulsar

É preciso amor pra poder pulsar Autismo: ideias e práticas inclusivas É preciso amor pra poder pulsar Eugênio Cunha eugenio@eugeniocunha.com www.eugeniocunha.com O que fazer para educar essas crianças? Como podem trabalhar escola e

Leia mais

OS JOGOS DIDÁTICOS ONLINE NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO FORMAL

OS JOGOS DIDÁTICOS ONLINE NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO FORMAL ELIANE ROSA DO ORIÊNTE FABIANA DA SILVA BEZERRA FANÇA JEISEBEL MARQUES COUTINHO JÉSSICA MEIRE DE ALMEIDA GOMES JÚLIA DA SILVA MELIS OS JOGOS DIDÁTICOS ONLINE NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

Leia mais

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial Sumário executivo À medida que as organizações competem e crescem em uma economia global dinâmica, um novo conjunto de pontos cruciais

Leia mais

O que é a ciência de dados (data science). Discussão do conceito. Luís Borges Gouveia Universidade Fernando Pessoa Versão 1.

O que é a ciência de dados (data science). Discussão do conceito. Luís Borges Gouveia Universidade Fernando Pessoa Versão 1. O que é a ciência de dados (data science). Discussão do conceito Luís Borges Gouveia Universidade Fernando Pessoa Versão 1.3, Outubro, 2015 Nota prévia Esta apresentação tem por objetivo, proporcionar

Leia mais

Inteligência Artificial

Inteligência Artificial Inteligência Artificial As organizações estão ampliando significativamente suas tentativas para auxiliar a inteligência e a produtividade de seus trabalhadores do conhecimento com ferramentas e técnicas

Leia mais

3 OOHDM e SHDM 3.1. OOHDM

3 OOHDM e SHDM 3.1. OOHDM 32 3 OOHDM e SHDM Com a disseminação em massa, desde a década de 80, de ambientes hipertexto e hipermídia, principalmente a Web, foi identificada a necessidade de elaborar métodos que estruturassem de

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA CRIATIVIDADE NO CONTEXTO ESCOLAR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA CRIATIVIDADE NO CONTEXTO ESCOLAR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA CRIATIVIDADE NO CONTEXTO ESCOLAR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: INSTITUTO MUNICIPAL DE ENSINO SUPERIOR DE SÃO MANUEL AUTOR(ES):

Leia mais

de sistemas para recuperação de informação em interfaces de bibliotecas online.

de sistemas para recuperação de informação em interfaces de bibliotecas online. 1 Introdução Na época atual, as certezas definitivas já deram sinais de cansaço e à medida que avança a tecnologia, a sociedade se reformula. O conhecimento estabelecido durante séculos antes confinados

Leia mais

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1 Página 1 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL As pessoas que supervisionam as atividades das outras e que são responsáveis pelo alcance dos objetivos nessas organizações são os administradores. Eles tomam decisões,

Leia mais

Taxonomia da aprendizagem

Taxonomia da aprendizagem Taxonomia da aprendizagem Taxonomia de Bloom Desde 1948, um grupo de educadores assumiu a tarefa de classificar metas e objetivos educacionais. Eles propuseram-se a desenvolver um sistema de classificação

Leia mais

O Paradigma da nova liderança

O Paradigma da nova liderança O Paradigma da nova liderança Robert B. Dilts Um dos mais importantes conjuntos de habilidades Um dos mais importantes conjuntos de habilidades necessárias num mundo em transformação são as habilidades

Leia mais

Eixo Tecnológico: DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL E SOCIAL

Eixo Tecnológico: DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL E SOCIAL Administração Central Unidade do Ensino Médio e Técnico GFAC Grupo de Formulação e Análises Curriculares Eixo Tecnológico: DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL E SOCIAL CAPÍTULO 3 PERFIL PROFISSIONAL DE CONCLUSÃO

Leia mais

Turma 1222 Unidade Curricular INTERFACE HOMEM-COMPUTADOR Professor CLÁUDIA SANTOS FERNANDES Aula 4 Abordagens Teóricas em IHC

Turma 1222 Unidade Curricular INTERFACE HOMEM-COMPUTADOR Professor CLÁUDIA SANTOS FERNANDES Aula 4 Abordagens Teóricas em IHC Turma 1222 Unidade Curricular INTERFACE HOMEM-COMPUTADOR Professor CLÁUDIA SANTOS FERNANDES Aula 4 Abordagens Teóricas em IHC Introdução -Apesar de IHC ser uma área bastante prática, muitos métodos, modelos

Leia mais

TCC2036. fevereiro de 2006. Pricila Kohls dos Santos. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS. pricilas.ead@pucrs.

TCC2036. fevereiro de 2006. Pricila Kohls dos Santos. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS. pricilas.ead@pucrs. 1 O PEDAGOGO EM MULTIMEIOS E INFORMÁTICA EDUCATIVA E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A EFICÁCIA DA UTILIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA EDUCAÇÃO TCC2036 fevereiro de 2006 Pricila Kohls dos Santos

Leia mais

Capítulo 3 Gerenciadores de EaD baseada na Internet

Capítulo 3 Gerenciadores de EaD baseada na Internet 57 Capítulo 3 Gerenciadores de EaD baseada na Internet Hoje em dia ter a Internet como aliada é um recurso indispensável para qualquer educador ou responsável por treinamento corporativo que atue em qualquer

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO AULA 2. MBA Gestão de TI. Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com

DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO AULA 2. MBA Gestão de TI. Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO AULA 2 MBA Gestão de TI Luciano Roberto Rocha www.lrocha.com 2 3 Um otimista vê uma oportunidade em cada calamidade; um pessimista vê uma calamidade em

Leia mais

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process)

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Diferentes projetos têm diferentes necessidades de processos. Fatores típicos ditam as necessidades de um processo mais formal ou ágil, como o tamanho da equipe

Leia mais

DESIGN DISCIPLINAS QUE PODEM SER OFERECIDAS PARA OUTROS CURSOS CURSO DE ORIGEM DA DISCIPLINA NOME DA DISCIPLINA EMENTA C.H. OBSERVAÇÕES PREVISÃO

DESIGN DISCIPLINAS QUE PODEM SER OFERECIDAS PARA OUTROS CURSOS CURSO DE ORIGEM DA DISCIPLINA NOME DA DISCIPLINA EMENTA C.H. OBSERVAÇÕES PREVISÃO DISCIPLINAS QUE PODEM SER OFERECIDAS PARA OUTROS CURSOS CURSO DE ORIGEM DA DISCIPLINA DESIGN NOME DA DISCIPLINA EMENTA C.H. OBSERVAÇÕES PREVISÃO Raciocínio Lógico Matemática Financeira A disciplina trata

Leia mais

2 Trabalhos Relacionados

2 Trabalhos Relacionados 2 Trabalhos Relacionados Neste capítulo serão descritos alguns modelos para o design de sistemas interativos e suas limitações, apontando as motivações práticas e teóricas para se criar novas representações

Leia mais

Algumas propriedades dos objetos:

Algumas propriedades dos objetos: Orientação a Objetos Vivemos num mundo de objetos. Esses objetos existem na natureza, nas entidades feitas pelo homem, nos negócios e nos produtos que usamos. Eles podem ser categorizados, descritos, organizados,

Leia mais

TESTE VOCACIONAL PROF. BRUNO AUGUSTO COLÉGIO SÃO JOSÉ

TESTE VOCACIONAL PROF. BRUNO AUGUSTO COLÉGIO SÃO JOSÉ TESTE VOCACIONAL PROF. BRUNO AUGUSTO COLÉGIO SÃO JOSÉ S I S T E M A P O S I T I V O D E E N S I N O Na escola, você prefere assuntos ligados à: a) Arte, esportes e atividades extracurriculares b) Biologia

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK. Cesar Eduardo Freitas Italo Alves

MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK. Cesar Eduardo Freitas Italo Alves MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK Cesar Eduardo Freitas Italo Alves A ORIGEM DO MSF (MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK) Baseado na experiência da empresa na construção de softwares como Office e Windows e

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB

TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB Gestão do Conhecimento hoje tem se materializado muitas vezes na memória organizacional da empresa. O conteúdo

Leia mais

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes 1 SÉRIE DESENVOLVIMENTO HUMANO FORMAÇÃO DE LÍDER EMPREENDEDOR Propiciar aos participantes condições de vivenciarem um encontro com

Leia mais

Desenvolvimento ágil de software

Desenvolvimento ágil de software Desenvolvimento ágil de software Desenvolvimento ágil de software (do inglês Agile software development) ou Método ágil é um conjunto de metodologias de desenvolvimento de software. O desenvolvimento ágil,

Leia mais

Apresentação por Leonardo Melo melo.leonardo@ieee.org Universidade Federal de Juiz de Fora PET Elétrica IEEE Institute Of Electrical and Electronics

Apresentação por Leonardo Melo melo.leonardo@ieee.org Universidade Federal de Juiz de Fora PET Elétrica IEEE Institute Of Electrical and Electronics Apresentação por Leonardo Melo melo.leonardo@ieee.org Universidade Federal de Juiz de Fora PET Elétrica IEEE Institute Of Electrical and Electronics Engineers Prefácio O Engenheiro 2020 Como será ou deveria

Leia mais

FERRAMENTAS DE CRIATIVIDADE MAPA MENTAL (MIND MAP)

FERRAMENTAS DE CRIATIVIDADE MAPA MENTAL (MIND MAP) FERRAMENTAS DE CRIATIVIDADE MAPA MENTAL (MIND MAP) 1. O que é Mapa Mental (Mind Map) é um diagrama usado para representar palavras, idéias, tarefas ou outros itens ligados a um conceito central e dispostos

Leia mais

Identificando necessidades e estabelecendo requisitos

Identificando necessidades e estabelecendo requisitos Identificando necessidades e estabelecendo requisitos Resumo A importância de requisitos Diferentes tipos de requisitos Coleta de dados para requisitos Descrição de tarefas: Cenários Casos de uso Casos

Leia mais

CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Franco Vieira Sampaio 1 Atualmente a informática está cada vez mais inserida no dia a dia das empresas, porém, no início armazenavam-se os dados em folhas,

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

1.1 O Homem, o Artista e a Sociedade

1.1 O Homem, o Artista e a Sociedade 1 INTRODUÇÃO Esse trabalho insere-se na área que começa a ser conhecida como Criatividade Computacional. Este termo definitivamente existe e, por paradoxal que possa parecer, envolve um amplo espectro

Leia mais

Elementos essenciais para criar a Jornada do Cliente. para qualquer nível de profissional de marketing

Elementos essenciais para criar a Jornada do Cliente. para qualquer nível de profissional de marketing 3 Elementos essenciais para criar a Jornada do Cliente para qualquer nível de profissional de marketing Elementos essenciais para criar a Jornada do Cliente para qualquer nível de profissional de marketing

Leia mais

Como transformar a sua empresa numa organização que aprende

Como transformar a sua empresa numa organização que aprende Como transformar a sua empresa numa organização que aprende É muito interessante quando se fala hoje com profissionais de Recursos Humanos sobre organizações que aprendem. Todos querem trabalhar em organizações

Leia mais

CONSTRUINDO UM JOGO EDUCATIVO UTILIZANDO O SOFTWARE DE AUTORIA ADOBE FLASH

CONSTRUINDO UM JOGO EDUCATIVO UTILIZANDO O SOFTWARE DE AUTORIA ADOBE FLASH CONSTRUINDO UM JOGO EDUCATIVO UTILIZANDO O SOFTWARE DE AUTORIA ADOBE FLASH Francielly Falcão da Silva¹, Samuel Carlos Romeiro Azevedo Souto², Mariel José Pimentel de Andrade³ e Alberto Einstein Pereira

Leia mais

Balanceamento de carga: Conceitos básicos

Balanceamento de carga: Conceitos básicos Balanceamento de carga: Conceitos básicos Introdução A tecnologia de balanceamento de carga está viva e está bem; de fato, ela é a base sobre a qual operam os application delivery controller (ADCs). A

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

LEAN-CURSOS E WORKSHOPS Cursos otimizados para as necessidades do Cliente Cursos Padrão Workshops de Capacitação

LEAN-CURSOS E WORKSHOPS Cursos otimizados para as necessidades do Cliente Cursos Padrão Workshops de Capacitação LEAN-CURSOS E WORKSHOPS Cursos otimizados para as necessidades do Cliente Cursos Padrão Workshops de Capacitação Serviços : Cursos e workshops especialmente criados para capacitar a sua organização no

Leia mais

Guia do Nexus. O Guia Definitivo para o Nexus: O exoesqueleto do desenvolvimento Scrum escalado. Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Scrum.

Guia do Nexus. O Guia Definitivo para o Nexus: O exoesqueleto do desenvolvimento Scrum escalado. Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Scrum. Guia do Nexus O Guia Definitivo para o Nexus: O exoesqueleto do desenvolvimento Scrum escalado Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Scrum.org Tabela de Conteúdo Visão Geral do Nexus... 2 O Propósito

Leia mais

MUSICALIZANDO ATRAVÉS DA INFORMÁTICA

MUSICALIZANDO ATRAVÉS DA INFORMÁTICA 1 MUSICALIZANDO ATRAVÉS DA INFORMÁTICA 039-TC-B5 05/2005 Cláudia Valéria Nascimento de Araújo Unicarioca claudia@idgrupo.net Carla Araújo Forte Unicarioca - carlaaforte@yahoo.com.br Denise Voigt Kallás

Leia mais

O LÚDICO: JOGOS, BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS NA CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Simone Helen Drumond Ischkanian

O LÚDICO: JOGOS, BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS NA CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Simone Helen Drumond Ischkanian O LÚDICO: JOGOS, BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS NA CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL. O projeto - o lúdico: jogos, brinquedos e brincadeiras na construção do processo de aprendizagem

Leia mais

Criatividade e Brainstorm no Design

Criatividade e Brainstorm no Design João Gomes - Doutor em arquitetura e urbanismo pela USP. Mestre em estruturas ambientais urbanas pela USP e designer industrial pela FAAP. Professor de cursos de graduação e Pós-graduação em design. Consultor

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO 514502 INTRODUÇÃO AO DESIGN Conceituação e história do desenvolvimento do Design e sua influência nas sociedades contemporâneas no

Leia mais

Aprendizes do Futuro: como incorporar conhecimento e transformar realidades Eduardo Carmello

Aprendizes do Futuro: como incorporar conhecimento e transformar realidades Eduardo Carmello Aprendizes do Futuro: como incorporar conhecimento e transformar realidades Eduardo Carmello Para suportar as intensas mudanças nos próximos 10 anos, Aprendizes do Futuro compreendem que é necessário criar

Leia mais

Interação Humano Computador IHC

Interação Humano Computador IHC Universidade Federal do Vale do São Francisco -UNIVASF Colegiado de Engenharia de Computação IHC Prof. Jorge Cavalcanti Jorge.cavalcanti@univast.edu.br www.twitter.com/jorgecav Informações Gerais da Disciplina

Leia mais

AMERICAN ASSOCIATION OF SCHOOL LIBRARIANS PARÂMETROS PARA O APRENDIZ DO SÉCULO 21

AMERICAN ASSOCIATION OF SCHOOL LIBRARIANS PARÂMETROS PARA O APRENDIZ DO SÉCULO 21 AMERICAN ASSOCIATION OF SCHOOL LIBRARIANS PARÂMETROS PARA O APRENDIZ DO SÉCULO 21 CONVICÇÕES COMPARTILHADAS A leitura é uma janela para o mundo. A leitura é uma competência fundamental para a aprendizagem,

Leia mais

Unified Modeling Language UML - Notações

Unified Modeling Language UML - Notações Unified Modeling Language UML - Notações Prof. Ms. Elvio Gilberto da Silva elvio@fmr.edu.br UML Ponto de Vista É gerada com propósito geral de uma linguagem de modelagem visual usada para especificar,

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Comunidades de Prática Grupos informais e interdisciplinares de pessoas unidas em torno de um interesse

Leia mais

A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica articulada com integração das TIC

A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica articulada com integração das TIC A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica articulada com integração das TIC ALVES,S.S.S 1 A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica

Leia mais

2 Auto-sintonia de Bancos de Dados e Agentes de Software

2 Auto-sintonia de Bancos de Dados e Agentes de Software 2 Auto-sintonia de Bancos de Dados e Agentes de Software A uso da abordagem de agentes de software 1 pode trazer benefícios a áreas de aplicação em que é necessário construir sistemas autônomos, ou seja,

Leia mais

Identificação rápida de gargalos Uma forma mais eficiente de realizar testes de carga. Um artigo técnico da Oracle Junho de 2009

Identificação rápida de gargalos Uma forma mais eficiente de realizar testes de carga. Um artigo técnico da Oracle Junho de 2009 Identificação rápida de gargalos Uma forma mais eficiente de realizar testes de carga Um artigo técnico da Oracle Junho de 2009 Identificação rápida de gargalos Uma forma mais eficiente de realizar testes

Leia mais

INTEGRAÇÃO DOS PARADIGMAS CONTEMPORÂNEOS DA EDUCAÇÃO COM OS PILARES DA EDUCAÇÃO PARA O SÉCULO XXI 1 E ABORDAGENS DA ANÁLISE TRANSACIONAL.

INTEGRAÇÃO DOS PARADIGMAS CONTEMPORÂNEOS DA EDUCAÇÃO COM OS PILARES DA EDUCAÇÃO PARA O SÉCULO XXI 1 E ABORDAGENS DA ANÁLISE TRANSACIONAL. 1 INTEGRAÇÃO DOS PARADIGMAS CONTEMPORÂNEOS DA EDUCAÇÃO COM OS PILARES DA EDUCAÇÃO PARA O SÉCULO XXI 1 E ABORDAGENS DA ANÁLISE TRANSACIONAL Paradigmas da educação Competências Paradigmas contemporâneos

Leia mais

Perfil de Competências de Gestão. Nome: Exemplo

Perfil de Competências de Gestão. Nome: Exemplo Perfil de Competências de Gestão Nome: Exemplo Data: 8 maio 2008 Perfil de Competências de Gestão Introdução Este perfil resume como é provável que o estilo preferencial ou os modos típicos de comportamento

Leia mais

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio.

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio. Proposta Pedagógica Visão: Ser um centro de excelência em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio que busca alcançar a utopia que tem de pessoa e sociedade, segundo os critérios do evangelho, vivenciando

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS

GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS Graduação PROCESSOS GERENCIAIS 1.675 HORAS Prepara os estudantes para o empreendedorismo e para a gestão empresarial. Com foco nas tendências

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

Princípios de Design TRADUÇÃO DE TATIANE CRISTINE ARNOLD, DO ARTIGO IBM DESIGN: DESIGN PRINCIPLES CHECKLIST.

Princípios de Design TRADUÇÃO DE TATIANE CRISTINE ARNOLD, DO ARTIGO IBM DESIGN: DESIGN PRINCIPLES CHECKLIST. Princípios de Design TRADUÇÃO DE TATIANE CRISTINE ARNOLD, DO ARTIGO IBM DESIGN: DESIGN PRINCIPLES CHECKLIST. Um software deve ser projetado para simplificar tarefas e criar experiências positivas para

Leia mais

DIFERENCIAÇÃO PEDAGÓGICA. Formadora: Patrícia Almeida

DIFERENCIAÇÃO PEDAGÓGICA. Formadora: Patrícia Almeida DIFERENCIAÇÃO PEDAGÓGICA Formadora: Patrícia Almeida CONTEÚDOS Diferenciar Porquê? Teoria das Inteligências Múltiplas. Estilos de Aprendizagem. Hierarquia das Necessidades de Maslow. Modelo Ecológico.

Leia mais

IDC TECHNOLOGY SPOTLIGHT

IDC TECHNOLOGY SPOTLIGHT IDC TECHNOLOGY SPOTLIGHT A importância da inovação em fornecedores de sistemas, serviços e soluções para criar ofertas holísticas Julho de 2014 Adaptado de Suporte a ambientes de datacenter: aplicando

Leia mais

Unidade III PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior

Unidade III PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Unidade III PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Sobre esta aula Gestão do conhecimento e inteligência Corporativa Conceitos fundamentais Aplicações do

Leia mais

O USO INTELIGENTE DO COMPUTADOR NA EDUCAÇÃO José A. Valente NIED - UNICAMP

O USO INTELIGENTE DO COMPUTADOR NA EDUCAÇÃO José A. Valente NIED - UNICAMP O USO INTELIGENTE DO COMPUTADOR NA EDUCAÇÃO José A. Valente NIED - UNICAMP INTRODUÇÃO O que seria a utilização do computador na educação de maneira inteligente? Seria fazer aquilo que o professor faz tradicionalmente

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS Eixo: Políticas para a Infância e Formação de Professores Contempla as produções acadêmico-científicas que tratam de ações políticas e legislações referentes à Educação Infantil e a infância. Aborda pesquisas

Leia mais

Redes de empresa e inovação

Redes de empresa e inovação Redes de empresa e inovação Disciplina: Gestão da Tecnologia e da Inovação Universidade Federal do Vale do São Francisco Campus de Juazeiro BA Colegiado de Engenharia de Produção Professor MSc. Marcel

Leia mais

O ENSINO DOS DIFERENTES SABERES

O ENSINO DOS DIFERENTES SABERES O ENSINO DOS DIFERENTES SABERES Maria Celina Melchior Dados da autora Mestre em Educação, Avaliadora Institucional do INEP/SINAES/MEC, atuou como avaliadora in loco do Prêmio Inovação em Gestão Educacional

Leia mais

8 Considerações finais

8 Considerações finais 8 Considerações finais Neste trabalho, propusemo-nos a elaborar uma ferramenta epistêmica de apoio ao design de SiCo s, fundamentada na EngSem, que ajude o designer a elaborar seu projeto da comunicação

Leia mais

Prototipação de Software

Prototipação de Software UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Prototipação de Software Engenharia de Software 2o. Semestre de 2005

Leia mais

Working Paper A avaliação dos alunos em jogos de empresas Material de suporte à utilização de jogos de simulação de empresas

Working Paper A avaliação dos alunos em jogos de empresas Material de suporte à utilização de jogos de simulação de empresas Working Paper A avaliação dos alunos em jogos de empresas Material de suporte à utilização de jogos de simulação de empresas Prof. Dr. Luiz Antonio Titton Versão março, 2015 A avaliação dos alunos em jogos

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET MATRIZ CURRICULAR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET MATRIZ CURRICULAR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET MATRIZ CURRICULAR 1º SEMESTRE P101 Desenvolvimento Web 80 CE05 CE06 P102 Língua Portuguesa 40 CG08 CG13 P103 Algoritmos e Lógica de Programação 80

Leia mais

Introdução à Avaliação de Interfaces

Introdução à Avaliação de Interfaces Universidade Federal do Vale do São Francisco -UNIVASF Colegiado de Engenharia de Computação Introdução à Avaliação de Interfaces Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.twitter.com/jorgecav

Leia mais

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net Objetivos da Disciplina Conhecer os limites de atuação profissional em Web

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS RECURSOS HUMANOS

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS RECURSOS HUMANOS COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS RECURSOS HUMANOS DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte IBM Global Technology Services Manutenção e suporte técnico Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte Uma abordagem inovadora em suporte técnico 2 Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável

Leia mais

APRENDA A ESTUDAR UM GUIA PARA O SUCESSO DO ESTUDANTE

APRENDA A ESTUDAR UM GUIA PARA O SUCESSO DO ESTUDANTE APRENDA A ESTUDAR UM GUIA PARA O SUCESSO DO ESTUDANTE Leiliane Bernardes Gebrim Psicóloga CRP: 09/ 006042 Para que você tenha sucesso na sua aprendizagem é preciso que você seja um estudante ativo e comprometido

Leia mais

I SILE-Seminário Integrado de Letras Espanhol a Distância /UFSC

I SILE-Seminário Integrado de Letras Espanhol a Distância /UFSC A história da construção do conhecimento pessoal é a história da vida de cada um de nós, pois construímos esse conhecimento de uma maneira específica e individual. A teoria a respeito dos Mapas Conceituais

Leia mais

Solução de problemas em Matemática

Solução de problemas em Matemática ADAPTADO DE: ALVES, ÉRICA VALERIA; BRITO, MÁRCIA REGINA FERREIRA. ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A SOLUÇÃO DE PROBLEMAS. ANAIS DO VII EBRAPEM: ENCONTRO BRASILEIRO DE ESTUDANTES DE PÓS- GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO

Leia mais

Interface com o Usuário

Interface com o Usuário Interface com o Usuário Trabalho da disciplina optativa Computação Gráfica III 1/7 A Interface com o usuário A Interface com o Usuário é uma parte fundamental de um software; é a parte do sistema visível

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Dimensões de análise dos SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n Os sistemas de informação são combinações das formas de trabalho, informações, pessoas

Leia mais

Faça com que o CRM trabalhe da mesma maneira que o seu pessoal de vendas

Faça com que o CRM trabalhe da mesma maneira que o seu pessoal de vendas Faça com que o CRM trabalhe da mesma maneira que o seu pessoal de vendas APROVEITE AS TECNOLOGIAS DE HOJE PARA MAXIMIZAR A ADOÇÃO POR PARTE DOS USUÁRIOS Para os profissionais de venda, o tempo nunca havia

Leia mais

PNL Tecnologia, Metodologia e Atitude

PNL Tecnologia, Metodologia e Atitude 1 Dossiê Gilberto C. Cury Presidente da SBPNL - Sociedade Brasileira de Programação Neurolinguística Responsável por trazer a PNL ao Brasil, em 1981 gilberto@pnl.com.br PNL Tecnologia, Metodologia e Atitude

Leia mais

Coaching e Constelação Sistêmica A Dança das Ferramentas Colaboração entre estas duas metodologias trazendo resultados mais abrangentes

Coaching e Constelação Sistêmica A Dança das Ferramentas Colaboração entre estas duas metodologias trazendo resultados mais abrangentes Coaching e Constelação Sistêmica A Dança das Ferramentas Colaboração entre estas duas metodologias trazendo resultados mais abrangentes Bert Hellinger soube muito bem como integrar conhecimentos de várias

Leia mais

COMO CRIAR MAPAS CONCEITUAIS UTILIZANDO O CMAPTOOLS

COMO CRIAR MAPAS CONCEITUAIS UTILIZANDO O CMAPTOOLS COMO CRIAR MAPAS CONCEITUAIS UTILIZANDO O CMAPTOOLS Luiz Antonio Schalata Pacheco schalata@cefetsc.edu.br Sabrina Moro Villela Pacheco sabrinap@cefetsc.edu.br EDIÇÃO PRELIMINAR Sumário 1 INTRODUÇÃO...3

Leia mais

Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services

Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services - Windows SharePoint Services... Page 1 of 11 Windows SharePoint Services Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services Ocultar tudo O Microsoft Windows

Leia mais

Palavras chave: Teatro Criatividade Espontaneidade - Imaginação

Palavras chave: Teatro Criatividade Espontaneidade - Imaginação INOVAÇÃO E CRIATIVIDADE NA ESCOLA: O MÉTODO DRAMÁTICO E IMAGINAÇÃO CRIATIVA NA ESCOLA Nayara Lopes Botelho Acadêmica de Artes Cênicas do IFTO Campus Gurupi nayara_lb@hotmail.com Resumo. Edna Maria Cruz

Leia mais

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA Habilidades Computacionais 32 h/a Oferece ao administrador uma visão sobre as potencialidades da tecnologia

Leia mais

1. Apresentação. 1.1. Conexão Digital para o Desenvolvimento Social. 1.2. Engajamento na Iniciativa

1. Apresentação. 1.1. Conexão Digital para o Desenvolvimento Social. 1.2. Engajamento na Iniciativa 1. Apresentação 1.1. Conexão Digital para o Desenvolvimento Social A conexão Digital para o Desenvolvimento Social é uma iniciativa que abrange uma série de atividades desenvolvidas por ONGs em colaboração

Leia mais

Questão em foco: Colaboração de produto 2.0. Uso de técnicas de computação social para criar redes sociais corporativas

Questão em foco: Colaboração de produto 2.0. Uso de técnicas de computação social para criar redes sociais corporativas Questão em foco: Colaboração de produto 2.0 Uso de técnicas de computação social para criar redes sociais corporativas Tech-Clarity, Inc. 2009 Sumário Sumário... 2 Introdução à questão... 3 O futuro da

Leia mais