4º Prêmio Inovação em Educação SINEPE- RS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "4º Prêmio Inovação em Educação SINEPE- RS"

Transcrição

1 4º Prêmio Inovação em Educação SINEPE- RS O PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA O USO DOS TABLETS NA SALA DE AULA: da alfabetização digital a criação de conhecimento Escola de Educação Básica Feevale Escola de Aplicação Categoria: Gestão Pedagógica Novo Hamburgo, agosto de 2013.

2 1 O PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA O USO DOS TABLETS NA SALA DE AULA: da alfabetização digital a criação de conhecimento Estudos apontam que há um descompasso entre o potencial das tecnologias digitais no contexto educativo e o seu uso efetivo para impulsionar os processos de ensino e de aprendizagem (CONOLE, 2013). Também pesquisas nacionais mostram, que apesar de todo o investimento realizado para a introdução das tecnologias da informação e comunicação (TIC) na educação, o uso efetivo do computador e da Internet pelos professores, nas atividades com os alunos, ainda se caracteriza como um grande desafio. Dentre as maiores dificuldades destacam- se problemas de infraestrutura e a necessidade de formação de professores (TIC EDUCAÇÃO 2011, 2012). O Projeto de Padrões de Competência em TIC para Professores, desenvolvido pela UNESCO, tem por objetivo apresentar diretrizes que possam orientar e impulsionar novas práticas educativas combinando habilidades em TIC com inovações em pedagogia, currículo e organização escolar. A proposta da UNESCO contempla três abordagens complementares: alfabetização digital, aprofundamento do conhecimento e criação de conhecimento (UNESCO, 2009). Este trabalho apresenta um relato de experiência envolvendo a proposta de formação de professores para uso dos tablets na sala de aula, desenvolvida no âmbito do projeto Educanet, na Escola de Educação Básica Escola de Aplicação Feevale/RS. Resultados parciais apontam para um avanço na proposta curricular, contemplando os tablets como artefatos tecnológicos digitais.

3 1.1 Apresentação da instituição educacional Em 27 de fevereiro de 1989 foi criada a Escola de 2º Grau Feevale, para o funcionamento dos cursos de Formação Técnica de Desenhista de Calçados e Acessórios, de Contabilidade e de 2º Grau como formação geral, oferecendo à comunidade um trabalho de inserção na região do Vale do Sinos. Nessa ocasião, a Federação de Estabelecimentos de Ensino Superior Feevale justificava a criação desta escola como sendo um espaço de aplicação para os acadêmicos dos cursos de Pedagogia, de Educação Física e de Educação Artística, possibilitando, também, os estágios exigidos por esses cursos, que eram os oferecidos na época. O ano letivo de 1989 iniciou no dia 1º de março, com uma equipe de 14 professores, para atender a 117 alunos matriculados. Uma das atividades daquele ano foi a fundação do Grêmio Estudantil, no dia 19 de junho. Em 28 de janeiro de 1994, surgiu, por iniciativa de um grupo de pais, a Escola de 1º Grau, tendo iniciado com uma turma de Jardim de Infância e outra de 6ª série, conforme Projeto de Implantação Gradativa de Séries. Nessa trajetória, muitas modificações e melhorias aconteceram, como a integralidade da educação básica, a implementação de novos cursos técnicos, muitos investimentos na criação de novos laboratórios, projetos interdisciplinares, organização curricular por ciclos e oferecimento de várias atividades no turno inverso, desde práticas esportivas a oficinas no currículo ampliado, assim como a mudança do nome da escola. A Escola de Educação Básica Feevale Escola de Aplicação passou a ter essa denominação em 2003, atendendo não só a exigências legais, mas, também, inserindo- se na indissossiabilidade entre Ensino, Pesquisa e Extensão da Feevale. Atualmente, a Escola de Educação Básica Feevale Escola de Aplicação conta com uma equipe pedagógica completa, com orientadoras e supervisoras, organização colegiada, toda a infraestrutura do Campus I, equipe de agentes patrimoniais, bem como estreita parceria junto ao Instituto de Ciências Humanas, Letras e Artes (ICHLA) e aos demais Institutos da Feevale. Conta, também, com a Associação de Pais e Professores (APP), que, ao longo desse tempo, vem contribuindo com o crescimento e a valorização do trabalho desenvolvido na escola, promovendo eventos e aproximando pais/mães, professores(as) e alunos(as).

4 A escola tem como missão oportunizar ao educando a construção do conhecimento, proporcionando a continuidade e a conclusão da educação básica, a partir de um ensino inovador, tendo a pesquisa como princípio educativo, respeitando os tempos de aprendizagem dos sujeitos, visando à formação de cidadãos éticos e críticos. A partir de uma concepção sociointeracionista, a Escola de Educação Básica Feevale - Escola de Aplicação compreende a educação como construção coletiva permanente, baseada nos princípios de convivência, solidariedade, justiça, respeito, valorização da vida na diversidade e na busca do conhecimento. Nessa perspectiva, utiliza- se de uma metodologia cooperativa e participativa, que contribua na construção da autonomia. 1.2 Cenário, relevância e viabilidade A Escola de Aplicação tem como proposta pedagógica o uso das tecnologias da informação e comunicação (TIC) de forma integrada às atividades curriculares, baseada em uma perspectiva que busca articular o trabalho docente às atividades de aprendizagem realizadas em laboratório de informática. Desde 2012 a Escola de Aplicação Feevale mantém o projeto EDUCANET, que tem por objetivo oportunizar diferentes espaços de interação para impulsionar práticas educativas inovadoras com o uso das tecnologias da informação e comunicação. Destacam- se como objetivos específicos do projeto: - oportunizar, aos professores, experiências no uso de diferentes tecnologias da informação e comunicação no contexto educativo; - selecionar aplicativos para dispositivos móveis que possam ser utilizados em projetos educativos; - selecionar e analisar ferramentas web com potencial para uso na sala de aula. O projeto EDUCANET foi contemplado no 3º Prêmio Inovação em Educação SINEPE- RS (categoria Bronze área fim). O relatório apresentou o histórico do projeto, que iniciou articulado com a proposta de formação de professores da Universidade Feevale e intitulado Coruja Digital, mas que depois focou no uso das TIC na Escola de Aplicação Feevale, especialmente as experiências no uso da Sala Conectada e das primeiras experiências no uso dos tablets na educação, passando a se chamar Educanet.

5 Para o 4º Prêmio Inovação em Educação - SINEPE- RS a Escola de Aplicação Feevale compartilha um recorte das atividades desenvolvidas no projeto Educanet, apresentando um relato de experiência envolvendo a proposta de formação de professores para uso dos tablets na sala de aula, sob a perspectiva da gestão pedagógica. A utilização dos tablets na educação iniciou em 2012, quando a escola adquiriu 20 ipads, que atualmente são utilizados na educação infantil e nos anos iniciais do ensino fundamental. O uso dos dispositivos móveis no contexto educativo, como os tablets, se apoia no modelo um a um (1:1, 1-1 ou 1 a 1). Esse modelo sugere que cada aluno tenha o seu dispositivo portátil digital, geralmente com acesso à Internet. Estudos apontam que o uso de dispositivos 1:1 na sala de aula maximiza as oportunidades de aprendizagem (ipads for Learning, 2012). Severín e Capota (2011) apresentam uma reflexão destacando três aspectos problemáticos desta definição. Do ponto de vista educacional, destacam- se dois aspectos: a) o modelo 1:1 centra a discussão na relação do aluno e seu dispositivo digital e não na essência da experiência, que envolve a forma como o aluno aproveita o dispositivo para mediar a aprendizagem; b) o modelo destaca as vantagens de cada aluno administrar o seu dispositivo, não abordando outras possibilidades que impulsionem o uso compartilhado e colaborativo destas tecnologias. Do ponto de vista tecnológico, Severin e Capota (2011) destacam que, como os alunos já vêm utilizando diferentes dispositivos pessoais digitais, como notebooks, celulares e tablets, e articulando diferentes experiências coordenadas em diferentes plataformas, a noção de um dispositivo por aluno pode se tornar anacrônica em pouco tempo. Assim, Severin e Capota (2011) propõem um modo diferente de entender o modelo 1:1. Conforme os autores, em lugar de focar a relação entre aluno e dispositivo, o modelo 1:1 deveria ser entendido como a relação entre um aluno e sua aprendizagem, conforme tabela 1. Tabela 1: Modelo 1:1 (Fonte: Severín e Capota, 2011, p. 36) 1 : 1 Dispositivo digital è Uma criança Uma criança è Aprendizagem

6 Nessa perspectiva, o modelo 1:1 refere- se a relação de cada estudante e sua aprendizagem, que acontece formalmente na escola, mas que pode acontecer, também, em diferentes tempos e lugares. Assim, entende- se a educação como um processo que se desenvolve de forma ubíqua e permanente (SEVERIN, CAPOTA, 2011). Moreira (2011) também discute o modelo 1:1, destacando que este não pode se caracterizar exclusivamente pelo fato de disponibilizar equipamentos a professores e alunos. O autor concorda que a disponibilidade de tecnologia é necessária, mas não é garantia de mudanças automáticas na prática de ensino e em inovações pedagógicas. Neste estudo, assume- se que as mudanças nos processos de ensinar e de aprender não acontecem simplesmente com a inserção de novos dispositivos tecnológicos, mas é necessário reconfigurar as práticas pedagógicas. Entretanto, práticas pedagógicas inovadoras exigem competências específicas dos professores. Conforme a Unesco (2009, p.1), os professores na ativa precisam adquirir a competência que lhes permitirá proporcionar a seus alunos oportunidades de aprendizagem com apoio da tecnologia (UNESCO, 2009, p.1). Portanto, além de disponibilizar os tablets para uso na sala de aula é importante oportunizar, aos professores, espaços de formação específicos, a fim de conhecer o dispositivo e refletir sobre as possibilidades pedagógicas no contexto da sala de aula. Vários desafios foram encontrados ao longo do processo: a) organizar tempo para a formação dos professores; b) organizar os tablets para uso compartilhado, uma vez que a escola possui 20 equipamentos e algumas turmas têm em torno de 30 alunos; c) selecionar aplicativos adequados para uso, de acordo com os objetivos educativos; d) desenvolver propostas pedagógicas inovadoras com o uso dos tablets. 2 Envolvimento com os públicos de interesse O projeto envolve professores e alunos da educação infantil e anos iniciais do ensino fundamental. Atualmente a escola conta com 02 turmas de educação infantil e 06 turmas nos anos iniciais do ensino fundamental, totalizando 177 alunos e 09 professores titulares (na terceira etapa do segundo ciclo/quinto ano há bidocência). Além desses, 08 professores especialistas

7 dão aulas de Inglês, Espanhol, Arte, Música, Informática e Educação Física para as turmas, desde a educação Infantil até o última etapa do segundo ciclo/quinto ano). Até o momento apenas os professores titulares participaram do processo de formação de professores. A formação dos professores para uso dos tablets aconteceu com base na proposta Padrões de Competência em TIC para Professores, desenvolvido pela UNESCO (2009). Todos os professores das turmas envolvidos no projeto foram acompanhados de forma individual e/ou em pequenos grupos para estudos sobre o uso dos tablets na sala de aula. professores. O processo de formação está detalhado na seção 3. 3 Gestão do projeto A equipe gestora do projeto é composta por quatro integrantes: a) a diretora da Escola de Aplicação 1 e a diretora do Instituto de Ciências Humanas Letras e Artes 2, responsáveis pela gestão administrativa; b) um professor do curso Técnico em Informática 3 e uma professora- doutora do Grupo de Pesquisa em Informática na Educação 4, vinculada ao Programa de Pós- Graduação em Diversidade e Inclusão, responsáveis pela formação de professores. A equipe trabalha em parceria com a coordenação pedagógica da escola, que auxilia a organizar os encontros de formação. 3.1 Metodologia A metodologia proposta para o projeto segue as orientações do documento Padrões de Competência em TIC para Professores, desenvolvido pela UNESCO (2009), que tem por objetivo apresentar diretrizes que possam orientar e impulsionar novas práticas educativas combinando habilidades em TIC com inovações em pedagogia, currículo e organização escolar. 1 Profa. Me. Lovani Volver 2 Profa. Dra. Cristina Ennes da Silva 3 Prof. Esp. Elias Wallauer 4 Profa. Dra. Patrícia B. Scherer Bassani

8 Dessa forma, entende- se que a efetiva utilização das TIC no contexto educativo perpassa pelo processo de formação dos professores. A proposta da UNESCO (2009), embasada nos quatro pilares da aprendizagem (aprender a conviver, aprender a saber, aprender a fazer, aprender a ser), compreende a aprendizagem como um processo contínuo ao longo da vida, e delineia novas metas de aprendizagem e participação em uma sociedade de aprendizagem, com base na construção e compartilhamento de conhecimento. A proposta contempla três abordagens complementares: alfabetização digital, aprofundamento do conhecimento e criação do conhecimento (figura 1). Figura 1 Proposta para o processo de formação de professores (UNESCO, 2009) A primeira abordagem envolve a alfabetização digital do professor, para que ele possa integrar o uso das TIC ao currículo escolar padrão, à pedagogia e às estruturas de sala de aula. Entende- se que os professores devem saber como, onde e quando usar (ou não usar) a tecnologia para as atividades educativas em sala de aula, atividades de gestão ou para formação profissional do próprio docente. Na Escola de Aplicação, conforme dito anteriormente, o uso do computador na educação já é uma realidade, mas as atividades são centralizadas em laboratório de informática. Percebe- se o desafio de oportunizar aos professores o conhecimento e a experiência em novos espaços de interação, que possam oportunizar diferentes práticas educativas com o uso das TIC. Portanto, este processo de alfabetização digital envolve um movimento de (re)aprender novas possibilidades de uso do computador sob a perspectiva da mobilidade. Esta etapa de formação, que ocorreu no primeiro semestre de 2012, envolveu as seguintes atividades:

9 a) organização dos recursos tecnológicos (configurações gerais, estudo sobre o funcionamento dos tablets, especialmente a parte de gerenciamento de aplicativos); b) seleção de aplicativos pela equipe de gestão; c) formação dos professores para uso dos ipads; d) seleção de aplicativos pelos professores; e) primeiras experiências de uso de ipads com alunos da educação infantil e anos iniciais do ensino fundamental. Conforme pode- se perceber, inicialmente a equipe de formação organizou os dispositivos e instalou alguns aplicativos, especialmente de raciocínio lógico e alfabetização. Depois, os professores foram envolvidos no processo de formação e também de seleção de novos aplicativos. Nesta primeira fase de uso dos ipads as atividades com alunos envolveram entretenimento e uso de aplicativos diversos, para reforço escolar. Atividades de entretenimento foram realizadas nas primeiras vezes, para fazer um levantamento do conhecimento dos alunos sobre os dispositivos e, também, para possibilitar aos professores a familiarização com a dinâmica de uso dos ipads na sala de aula. Estas primeiras atividades foram acompanhadas pelos professores participantes da gestão do projeto. A segunda abordagem proposta pela UNESCO (2009) envolve o aprofundamento do conhecimento. Nesta etapa as mudanças devem ser amplas e ter mais impacto sobre a aprendizagem, oportunizando habilidades para experienciar e utilizar metodologias e tecnologias mais sofisticadas, impulsionando mudanças no currículo. Esta etapa foi desenvolvida durante o segundo semestre de As atividades desenvolvidas envolveram: a) reuniões individuais com professores, para analisar aplicativos adequados aos conteúdos escolares; b) seleção de novos aplicativos que pudessem integrar o planejamento. Nesta segunda fase de uso dos ipads os professores começaram a utilizar os tablets na sala de aula sem acompanhamento da equipe de formação. As atividades propostas aos alunos envolveram o uso de aplicativos para reforço aos conteúdos escolares em desenvolvimento. Portanto, as atividades propostas neste etapa, aos alunos, buscaram uma articulação entre os

10 aplicativos e a proposta de aula, mas ainda as atividades estavam muito centradas nos aplicativos. Ao longo deste primeiro semestre do ano de 2013 novos professores assumiram turmas envolvidas na proposta de uso dos tablets e estes professores passaram pelo mesmo processo de formação. Importante destacar que em 2013/01, uma parceria com os projetos de pesquisa Ensinar e aprender em/na rede 5 e Aprendizagem com Mobilidade 6, desenvolvidos junto ao Programa de Pós- Graduação em Diversidade e Inclusão da Universidade Feevale, possibilitou ampliar o acervo de aplicativos instalados para uso na Escola de Aplicação. Os projetos envolvem o estudo do uso dos tablets na educação em diferentes contextos (educação formal e informal). Também em 2013/01 percebeu- se a necessidade de organizar os aplicativos existentes nos tablets e instalar aplicativos diferenciados, que possibilitem maior participação dos alunos, por meio da inserção de vídeos, imagens, comentários e áudio, a fim de orientar as atividades da terceira etapa de formação de professores. A terceira e mais complexa das abordagens é a de criação de conhecimento, uma vez que nessa modalidade o currículo ultrapassa as fronteiras das disciplinas escolares, com a inclusão das habilidades provenientes das demandas do século XXI em direção a um novo conhecimento que envolve o aprendizado por toda a vida a habilidade de colaborar, comunicar, criar, inovar e pensar de forma crítica (UNESCO, 2009). Entende- se que esta abordagem se aproxima de uma proposta que entende os tablets como artefatos culturais. Um artefato cultural pode ser entendido como qualquer objeto produzido, que possui um significado e transmite informações sobre o sujeito e sua cultura. Desta forma, esses artefatos, carregados de significado, representam modos de ser e de estar para os sujeitos e seu meio social. 5 O projeto Ensinar e aprender em/na rede: a arquitetura de participação da web 2.0 no contexto da educação presencial, contemplado no edital MCTI/CNPq/MEC/CAPES No 18/2012 e coordenado pela Profa. Dra. Patrícia B. Scherer Bassani (Feevale), foca no uso dos tablets para impulsionar a aprendizagem colaborativa nos anos finais do ensino fundamental. O público- alvo são professores e alunos da Escola de Aplicação Feevale. 6 O projeto Aprendizagem com Mobilidade: análise do impacto do uso das tecnologias móveis no processo de ensino e aprendizagem em crianças e adolescentes com necessidade de tratamento oncológico, contemplado no edital MCTI/CNPq/MEC/CAPES Nº 07/2011 e coordenado pela Profa. Dra. Débora Barbosa (Feevale), foca na utilização das tecnologias móveis nos processos de ensino- aprendizagem de alunos em tratamento oncológico.

11 Segundo Lemos (2010), as tecnologias móveis e sem fio estão transformando a relação entre as pessoas e os espaços urbanos em que elas vivem, criando novas formas de mobilidade. Entende- se que a possibilidade de o sujeito levar consigo o objeto de estudo, ou de poder acessá- lo de qualquer lugar, potencializa o uso de dispositivos móveis na educação. Desse modo, os dispositivos móveis tipo tablets podem ser vistos na perspectiva de artefatos culturais, assumindo um enfoque desde uma perspectiva de utilização pedagógica. Portanto, a etapa de criação do conhecimento, que iniciará no segundo semestre de 2013, busca explorar práticas pedagógicas com o uso dos tablets na perspectiva de artefato cultural digital. Nesta perspectiva, busca- se superar a ênfase nos aplicativos e oportunizar atividades efetivamente integradas aos conteúdos e ao dia- a- dia dos alunos. As atividades de formação de professores nesta etapa envolvem: a) reunião geral para explicitar e discutir a proposta de uso dos tablets sob a perspectiva de artefato cultural digital; b) encontros individuais com os professores para planejamento das atividades; c) acompanhamento dos professores da equipe de formação nas atividades com os alunos, caso necessário. Algumas propostas para uso dos tablets incluem: a) articulação entre diferentes espaços: laboratório de informática, sala de aula e ambiente aberto; b) utilização de aplicativos que possibilitem a criação de conteúdos, como caderno digital, mapa conceitual, entre outros; c) possibilidade de articular diferentes mídias: áudio, imagem e vídeo. Assim, entende- se que a efetiva utilização dos tablets no contexto educativo perpassa por um processo de formação docente que envolva tanto a apropriação individual dos dispositivos móveis, quando a compreensão do potencial do modelo 1:1 para o desenvolvimento de práticas pedagógicas inovadoras.

12 3.2 Estratégias A tabela 1 apresenta as estratégias de desenvolvimento das atividades envolvendo os tablets na sala de aula. Tabela 1 - Tablets na sala de aula Semestre Atividade Detalhamento Apropriação tecnológica Atividade realizada pela equipe gestora Seleção de aplicativos Seleção e análise de aplicativos, para subsidiar o início das atividades com tablets e iniciar processo de formação de professores. Formação de professores (etapa 1- Curso de formação de 2012/01 alfabetização digital) professores para a apropriação no uso dos tablets e aplicativos Seleção e análise de aplicativos Atividade realizada ao longo do processo de formação com os professores envolvidos no projeto Primeiras experiências no uso dos tablets Apresentação dos tablets aos alunos e acompanhamento da aula junto com a professora 2012/ /01 Formação de professores (etapa 2 aprofundamento do conhecimento) Seleção e análise de aplicativos Tablets na sala de aula Divulgação do projeto Reuniões para discussão e planejamento sobre o uso dos tablets na sala de aula (em grupo e individual) Seleção e análise de aplicativos que possam integrar o planejamento Efetivo uso dos tablets na sala de aula, realizado pelos professores (sem acompanhamento da equipe de formação) Apresentação de trabalho no Seminário Internacional de Educação (SIE 2012 Feevale) Desenvolvimento de aplicativos Primeiras experiências em andamento, mediante parceria com os cursos da Computação. Formação de professores (professores novos) Instalação de novos aplicativos Seleção e análise de aplicativos Espaço de formação para professores novos na escola, para a apropriação no uso dos tablets e aplicativos. Parceria com projeto de pesquisa Aprendizagem com Mobilidade. Seleção de análise de aplicativos que possam orientar as

13 Semestre Atividade Detalhamento atividades da terceira etapa de formação de professores (etapa 3 criação do conhecimento) 2013/02 Formação de professores (etapa 3 criação do conhecimento) Divulgação do projeto a) reunião geral para explicitar e discutir a proposta de uso dos tablets sob a perspectiva de artefato cultural digital; b) encontros individuais com os professores para planejamento das atividades; c) acompanhamento dos professores da equipe de formação nas atividades com os alunos, caso necessário. - Mesa- redonda no Encontro Nacional de Língua e Literatura 2013 (ENALLI/Feevale) em agosto; - Artigo aceito para apresentação no 5 o Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação, em novembro. 3.3 Recursos Para a realização deste projeto os seguintes recursos foram utilizados: a) Recursos materiais: - Tablets: 20 ipads. b) Recursos humanos: - 16h de atividades semanais, divididas em dois professores responsáveis pelo processo de formação. c) Recursos financeiros: o projeto tem apoio financeiro da Feevale. 3.4 Aspectos inovadores relacionados à prática Destacam- se os seguintes aspectos inovadores relacionados à prática proposta: a) os dispositivos móveis do tipo tablets são uma tecnologia recente e há poucos estudos sobre o seu uso na educação; b) a parceria com Programa de Pós- Graduação em Diversidade e Inclusão da Universidade Feevale, por meio dos pesquisadores do Grupo de Pesquisa em Informática na

14 Educação, constitui importante articulação para fortalecer teoricamente a proposta e compartilhar resultados; c) o processo de formação de professores, teoricamente embasado na proposta da UNESCO (2009), respeita a organização escolar, especialmente no que se refere ao tempo destinado à formação. Além disso, oportuniza que o processo de formação de professores seja complementado na prática, por meio do acompanhamento, pela equipe de gestão, das intervenções em sala de aula. 4 Resultados alcançados Considerando os aspectos quantitativos, todos os professores titulares da educação infantil e anos iniciais do ensino fundamental participaram do processo de formação e estão utilizando os ipads na sala de aula (09 professores titulares). Em relação aos aspectos qualitativos, destaca- se: a) os professores da educação infantil e dos anos iniciais do ensino fundamental estão utilizando os tablets no contexto educativo, de forma autônoma; b) o uso dos tablets enfoca, principalmente, atividades centradas nos aplicativos; os tablets ainda são utilizados para atividades de reforço escolar; c) os professores estão familiarizados com as possibilidades dos tablets e começam sugerir novas possibilidades de aplicativos para instalação. Entretanto, novas possibilidades estão delineadas para 2013/02, visando aplicar uma proposta de uso dos tablets na educação considerando- os como artefatos digitais: a) explorar novos aplicativos que permitam a integração de mídias; b) explorar e experienciar atividades em diferentes espaços; c) explorar a articulação de atividades em diferentes dispositivos, como desktops, notebooks e smartphones. Além disso, é importante ampliar o processo de formação para incluir os 08 professores especialistas.

15 5 Considerações finais A partir da experiência documentada neste projeto, entende- se que a proposta de formação de professores adotada está oportunizando diferentes práticas pedagógicas, envolvendo o uso de dispositivos móveis, tipo tablets. Importante destacar que o processo de formação de professores realizado com base na proposta da Unesco (2009) mostrou- se um importante balizador das atividades propostas. O processo de formação, que teve início com a alfabetização digital dos professores, seguiu com o a fase de aprofundamento do conhecimento, onde as novas práticas estão sendo integradas de forma articulada ao currículo, e agora encontra- se na fase de criação do conhecimento, onde novas e diferentes perspectivas irão ser exploradas e experienciadas. Entretanto, percebe- se que ainda são vários os desafios, a fim de consolidar a prática docente em novos espaços de interação, especialmente o tempo destinado para a formação dos professores e o seu envolvimento no processo de seleção e análise de aplicativos. Entende- se que este trabalho em desenvolvimento na Escola de Aplicação da Feevale constitui importante referência para escolas que planejam a inserção dos dispositivos móveis no contexto educativo. Referências CONOLE, Grainne. Designing for learning in an open world. UK: Springer, ipads for Learning. Disponível em: < Acesso em: mar, MOREIRA, Manuel A. Los efectos del modelo 1:1 en el cambio educativo en las escuelas: evidencias y desafíos para las políticas iberoamericanas. Revista iberoamericana de educación. n.º 56 (2011), pp SEVERÍN, Eugenio, CAPOTA, Christine Capota. La computación uno a uno: nuevas perspectivas. Revista iberoamericana de educación. n.º 56 (2011), pp TIC EDUCAÇÃO Pesquisa sobre o uso das tecnologias de informação e comunicação no Brasil. São Paulo: Comitê Gestor da Internet no Brasil, UNESCO. Padrões de Competência em TIC para Professores

O processo de formação de professores para o uso dos tablets na sala de aula: da alfabetização digital a criação de conhecimento

O processo de formação de professores para o uso dos tablets na sala de aula: da alfabetização digital a criação de conhecimento O processo de formação de professores para o uso dos tablets na sala de aula: da alfabetização digital a criação de conhecimento Patrícia B. Scherer Bassani 1 (FEEVALE) Elias Wallauer 2 (FEEVALE) Lovani

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Dourados 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Letras - Inglês Obs.: Para proposta

Leia mais

ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO

ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO 1. DIMENSÃO PEDAGÓGICA 1.a) ACESSIBILIDADE SEMPRE ÀS VEZES NUNCA Computadores, laptops e/ou tablets são recursos que estão inseridos na rotina de aprendizagem dos alunos, sendo possível

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL A língua espanhola na Educação Básica A implantação da língua espanhola por meio da lei federal 11.161, que diz respeito à sua oferta

Leia mais

Plano de Ação. Colégio Estadual Ana Teixeira. Caculé - Bahia Abril, 2009.

Plano de Ação. Colégio Estadual Ana Teixeira. Caculé - Bahia Abril, 2009. Plano de Ação Colégio Estadual Ana Teixeira Caculé - Bahia Abril, 2009. IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE ESCOLAR Unidade Escolar: Colégio Estadual Ana Teixeira Endereço: Av. Antônio Coutinho nº 247 bairro São

Leia mais

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 11 de maio de 2011 Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 1 ANÁLISE DOS RESULTADOS DO SPAECE-ALFA E DAS AVALIAÇÕES DO PRÊMIO ESCOLA NOTA DEZ _ 2ª Etapa 1. INTRODUÇÃO Em 1990, o Sistema de Avaliação

Leia mais

Conecta Positivo 2014 MANTER E INOVAR. Assessoria da Área de Informática Educativa

Conecta Positivo 2014 MANTER E INOVAR. Assessoria da Área de Informática Educativa Conecta Positivo 2014 MANTER E INOVAR Assessoria da Área de Informática Educativa http://tinyurl.com/avaliacao-spe Assessoria da Área de Informática Educativa Marileusa G. de Souza mgsouza@positivo.com.br

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

ENSINO DIGITAL E INOVAÇÃO: PANORAMA EAD FURG POSSIBILIDADES E DESAFIOS

ENSINO DIGITAL E INOVAÇÃO: PANORAMA EAD FURG POSSIBILIDADES E DESAFIOS ENSINO DIGITAL E INOVAÇÃO: PANORAMA EAD FURG POSSIBILIDADES E DESAFIOS Profa. Dra. Ivete Martins Pinto Secretária Geral de Educação a Distância Coordenadora UAB/FURG Presidente da Associação Universidade

Leia mais

ASSESSORIA PEDAGÓGICA PORTFÓLIO DE PALESTRAS E OFICINAS

ASSESSORIA PEDAGÓGICA PORTFÓLIO DE PALESTRAS E OFICINAS Dificuldades de Palestra EF e EM Todas Conscientizar sobre as dificuldades de aprendizagem aprendizagem que podem ser manifestadas pelos alunos numa sala de aula e sugerir ações de encaminhamento, conforme

Leia mais

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social II Fórum de Informação em Saúde IV Encontro da Rede BiblioSUS O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social Maria de Fátima Ramos Brandão Outubro/2007 1 Apresentação O Projeto Casa Brasil Modelos

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE SONDAGEM DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

QUESTIONÁRIO DE SONDAGEM DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DADOS DE IDENTIFICAÇÃO ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA ADJUNTA DE ENSINO SECRETARIA ADJUNTA DE PROJETOS ESPECIAIS QUESTIONÁRIO DE SONDAGEM DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DADOS DE IDENTIFICAÇÃO URE: ESCOLA:

Leia mais

VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR!

VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR! Eleições 2014 Faculdade de Odontologia UFRJ VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR! PLANO DE TRABALHO EQUIPE - CHAPA 1: Diretor - Maria Cynésia Medeiros de Barros Substituto Eventual do Diretor - Ednilson

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

Mídia e Tecnologia: experiência do jornal escolar no Projeto Mais Educação na Escola Marechal Rondon em Santa Maria/RS 1

Mídia e Tecnologia: experiência do jornal escolar no Projeto Mais Educação na Escola Marechal Rondon em Santa Maria/RS 1 Mídia e Tecnologia: experiência do jornal escolar no Projeto Mais Educação na Escola Marechal Rondon em Santa Maria/RS 1 Janilce Silva Praseres 2 Sandra Antonina Barrozo de Oliveira 3 Universidade Federal

Leia mais

Introdução a EaD: Um guia de estudos

Introdução a EaD: Um guia de estudos MÓDULO BÁSICO PROFESSORES FERNANDO SPANHOL E MARCIO DE SOUZA Introdução a EaD: Um guia de estudos Realização: guia de estudo SUMÁRIO UNIDADE 1 ORGANIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 1.1 Entendendo a EaD 5

Leia mais

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE IV. CÂMARA TEMÁTICA DA EDUCACÃO, CULTURA E DESPORTOS Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE Meta 1 Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola; Meta 2 Até 2010, 80% e,

Leia mais

As Tecnologias de Informação e Comunicação para Ensinar na Era do Conhecimento

As Tecnologias de Informação e Comunicação para Ensinar na Era do Conhecimento As Tecnologias de Informação e Comunicação para Ensinar na Era do Conhecimento Nirave Reigota Caram Universidade Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: nirave.caram@usc.br Comunicação Oral Pesquisa em Andamento

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Gestão 2013-2017 Plano de Trabalho Colaboração, Renovação e Integração Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Goiânia, maio de 2013 Introdução Este documento tem por finalidade apresentar o Plano de Trabalho

Leia mais

Cenários de inovação para a educação na sociedade digital

Cenários de inovação para a educação na sociedade digital Cenários de inovação para a educação na sociedade digital Maria Elizabeth Bianconcini de Almeida Paulo Dias Bento Duarte da Silva Organizadores Cenários de inovação para a educação na sociedade digital

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Formulação de Conteúdos Educacionais Programa Nacional de Tecnologia Educacional

Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Formulação de Conteúdos Educacionais Programa Nacional de Tecnologia Educacional Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Formulação de Conteúdos Educacionais Programa Nacional de Tecnologia Educacional SEB DCE CGMID COGTEC PROINFO SEB SECRETARIA DE EDUCAÇÃO

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 1 Programa Institucional de Bolsa a Iniciação a Docência do Curso de Educação Física Licenciatura da Universidade Federal de Santa

Leia mais

Da Natureza, Personalidade Jurídica e Identificação. Art. 1º O Colégio da Polícia Militar do Estado de Goiás, neste Regimento

Da Natureza, Personalidade Jurídica e Identificação. Art. 1º O Colégio da Polícia Militar do Estado de Goiás, neste Regimento SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR UNIDADE POLIVALENTE GABRIEL ISSA REGIMENTO INTERNO TÍTULO I Das Disposições Preliminares

Leia mais

O futuro da educação já começou

O futuro da educação já começou O futuro da educação já começou Sua conexão com o futuro A 10 Escola Digital é uma solução inovadora para transformar a sua escola. A LeYa traz para a sua escola o que há de mais moderno em educação, a

Leia mais

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Adriana Cristina Lázaro e-mail: adrianaclazaro@gmail.com Milena Aparecida Vendramini Sato e-mail:

Leia mais

Transferência Jovem de Futuro: Estratégias de Comunicação

Transferência Jovem de Futuro: Estratégias de Comunicação Transferência Jovem de Futuro: Estratégias de Comunicação MISSÃO DO CSFX Transferência Jovem de Futuro: Formar, por meio de uma educação libertadora Estratégias e cristã, cidadãos críticos de Comunicação

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE

PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE Rafaela Souza SANTOS, Valquiria Rodrigues do NASCIMENTO, Dayane Graciele dos SANTOS, Tamíris Divina Clemente URATA, Simara Maria Tavares

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Informação e Comunicação CURSO: Tecnólogo em Sistemas para Internet FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL. De acordo a LDB 9394/96 o Ensino Fundamental, juntamente com a Educação Infantil e o Ensino Médio, compõe a Educação básica.

ENSINO FUNDAMENTAL. De acordo a LDB 9394/96 o Ensino Fundamental, juntamente com a Educação Infantil e o Ensino Médio, compõe a Educação básica. ENSINO FUNDAMENTAL De acordo a LDB 9394/96 o Ensino Fundamental, juntamente com a Educação Infantil e o Ensino Médio, compõe a Educação básica. Art. 32 "o Ensino Fundamental, com duração mínima de oito

Leia mais

GESTÃO DA EDUCAÇÃO MUNICIPAL E INDICADORES DE DESEMPENHO: CASO DA REDE MUNICPAL DE ENSINO DE ESTEIO

GESTÃO DA EDUCAÇÃO MUNICIPAL E INDICADORES DE DESEMPENHO: CASO DA REDE MUNICPAL DE ENSINO DE ESTEIO GESTÃO DA EDUCAÇÃO MUNICIPAL E INDICADORES DE DESEMPENHO: CASO DA REDE MUNICPAL DE ENSINO DE ESTEIO Autoras: Elisane Cristina Kolz Rieth Lisandra Schneider Scheffer Marilan de Carvalho Moreira Observatório

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TOR)

TERMO DE REFERÊNCIA (TOR) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO, DIVERSIDADE E INCLUSÃO DIRETORIA DE POLÍTICAS PARA EDUCAÇÃO DO CAMPO E DIVERSIDADE COORDENAÇÃO GERAL DE EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

PROJETO DE INFORMÁTICA EDUCATIVA DE CAMPO LIMPO PAULISTA-SP

PROJETO DE INFORMÁTICA EDUCATIVA DE CAMPO LIMPO PAULISTA-SP PROJETO DE INFORMÁTICA EDUCATIVA DE CAMPO LIMPO PAULISTA-SP ADRIANA DE CÁSSIA GALLANI XAVIER RODRIGUES Coordenadora do Ensino Fundamental I Secretaria Municipal de Educação adriana.rodrigues@campolimpopaulista.sp.gov.br

Leia mais

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA O CURSO DE FISIOTERAPIA

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA O CURSO DE FISIOTERAPIA MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA O CURSO DE FISIOTERAPIA MONTES CLAROS - MG SUMÁRIO 1. Introdução 4 2. Obrigatoriedade das atividades complementares 5 3. Modalidades de Atividades Complementares

Leia mais

Portal de conteúdos Linha Direta

Portal de conteúdos Linha Direta Portal de conteúdos Linha Direta Tecnologias Educacionais PROMOVEM SÃO Ferramentas Recursos USADAS EM SALA DE AULA PARA APRENDIZADO SÃO: Facilitadoras Incentivadoras SERVEM Necessárias Pesquisa Facilitar

Leia mais

Aprendizagem com Mobilidade: experiências com o uso de tecnologias móveis envolvendo crianças e adolescentes em tratamento oncológico

Aprendizagem com Mobilidade: experiências com o uso de tecnologias móveis envolvendo crianças e adolescentes em tratamento oncológico Aprendizagem com Mobilidade: experiências com o uso de tecnologias móveis envolvendo crianças e adolescentes em tratamento oncológico Novo Hamburgo RS abril 2013 Débora Nice Ferrari Barbosa Universidade

Leia mais

* As disciplinas por ocasião do curso, serão ofertadas aos alunos em uma sequência didática.

* As disciplinas por ocasião do curso, serão ofertadas aos alunos em uma sequência didática. MATRIZ CURRICULAR* Disciplina CH Integração 20 Planejamento e Gestão em Educação a Distância 40 Cultura Virtual, Pensamento e Construção do Conhecimento na Educação a Distância 40 Noções de Gestão de Projetos

Leia mais

ANAIS DA 66ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC - RIO BRANCO, AC - JULHO/2014

ANAIS DA 66ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC - RIO BRANCO, AC - JULHO/2014 1 ANAIS DA 66ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC - RIO BRANCO, AC - JULHO/2014 O Pibid: ações de formação de professores que impactam a escola e a universidade Maurivan Güntzel Ramos mgramos@pucrs.br O presente texto

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

REDES SOCIAIS COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS DA NATUREZA

REDES SOCIAIS COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS DA NATUREZA REDES SOCIAIS COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS DA NATUREZA Guilherme Garcez Cunha, UNIPAMPA Campus Dom Pedrito, guilhermecunha@unipampa.edu.br; Franciele B. de O. Coelho,

Leia mais

Projeto Escola com Celular

Projeto Escola com Celular Projeto Escola com Celular Rede Social de Sustentabilidade Autores: Beatriz Scavazza, Fernando Silva, Ghisleine Trigo, Luis Marcio Barbosa e Renata Simões 1 Resumo: O projeto ESCOLA COM CELULAR propõe

Leia mais

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações a serem implementadas nos câmpus do Instituto. A identidade

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO: PEDAGOGIA

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO: PEDAGOGIA SUBPROJETO: PEDAGOGIA Alfabetizar letrando com as tecnologias INTRODUÇÃO A escola necessita formar seu aluno a aprender a ler o mundo, ter autonomia para buscar seu conhecimento, incentivá-lo a ser autor

Leia mais

PROJETO BRINQUEDOTECA: BRINCANDO E APRENDENDO

PROJETO BRINQUEDOTECA: BRINCANDO E APRENDENDO INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE FLORESTA ISEF PROJETO BRINQUEDOTECA: BRINCANDO E APRENDENDO FLORESTA PE 2013 SUMÁRIO I. JUSTIFICATIVA II. OBJETIVO A. GERAIS B. ESPECIFICOS III. DESENVOLVIMENTO IV. CRONOGRAMA

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO

ESTÁGIO SUPERVISIONADO FACULDADE EDUCACIONAL DE MEDIANEIRA MISSÃO: FORMAR PROFISSIONAIS CAPACITADOS, SOCIALMENTE RESPONSÁVEIS E APTOS A PROMOVEREM AS TRANSFORMAÇÕES FUTURAS. ESTÁGIO SUPERVISIONADO LETRAS COM HABILITAÇÃO EM LÍNGUA

Leia mais

ANEXO II EDITAL Nº 80/2013/PIBID/UFG PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

ANEXO II EDITAL Nº 80/2013/PIBID/UFG PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID ANEXO II EDITAL Nº 80/2013/PIBID/UFG PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID FORMULÁRIO DE DETALHAMENTO DO SUBPROJETO POR ÁREA DE CONHECIMENTO 1. Nome da Instituição: Universidade

Leia mais

PROJETO DE VIVÊNCIA 2016.1

PROJETO DE VIVÊNCIA 2016.1 FACULDADE PIO DÉCIMO LICENCIATURA EM QUÍMICA ENSINO DE QUÍMICA ÁREA 4 PROF a MARIA ANTÔNIA ARIMATÉIA FREITAS QUESTÃO 01 Com base na projeção da população brasileira para o período 2010-2040 apresentada

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série).

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série). INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE A EJA 1- Você se matriculou em um CURSO DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA). Esse curso tem a equivalência do Ensino Fundamental. As pessoas que estudam na EJA procuram um curso

Leia mais

CURSO REDES DE COMPUTADORES ALANA CAMILA ARICLÉCIO DOMINGOS EUDES JUNIOR HILDERLENE GOMES

CURSO REDES DE COMPUTADORES ALANA CAMILA ARICLÉCIO DOMINGOS EUDES JUNIOR HILDERLENE GOMES 1 CURSO REDES DE COMPUTADORES ALANA CAMILA ARICLÉCIO DOMINGOS EUDES JUNIOR HILDERLENE GOMES CANINDÉ 2013 2 ALANA CAMILA ARICLÉCIO DOMINGOS EUDES JUNIOR HILDERLENE GOMES Trabalho realizado como requisito

Leia mais

Os 3 erros mais comuns na adoção dos tablets na sala de aula - e como você pode evitá-los

Os 3 erros mais comuns na adoção dos tablets na sala de aula - e como você pode evitá-los Os 3 erros mais comuns na adoção dos tablets na sala de aula - e como você pode evitá-los Visite mosyle.com e blog.mosyle.com 2015 Mosyle. Todos os direitos reservados. Nos últimos anos, as escolas passaram

Leia mais

Consulta Pública ESTRATÉGIAS

Consulta Pública ESTRATÉGIAS Plano Municipal de Educação PME Secretaria Municipal de Educação São Francisco do Sul Fórum Municipal de Educação Consulta Pública META 3: Universalizar, até 2016, o atendimento escolar para toda a população

Leia mais

LICENCIATURA EM MATEMÁTICA. IFSP Campus São Paulo AS ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS

LICENCIATURA EM MATEMÁTICA. IFSP Campus São Paulo AS ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS LICENCIATURA EM MATEMÁTICA IFSP Campus São Paulo AS ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS O componente curricular denominado Atividades Acadêmico-Científico- Culturais foi introduzido nos currículos

Leia mais

O ENSINO DE ESPANHOL COMO LE COM OS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PLATAFORMA MOODLE*

O ENSINO DE ESPANHOL COMO LE COM OS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PLATAFORMA MOODLE* 1 O ENSINO DE ESPANHOL COMO LE COM OS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PLATAFORMA MOODLE* Resumo Este trabalho se propõe a analisar o curso de extensão universitária CESB (Curso de Espanhol Básico) para

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

Infraestrutura de EaD para apoio a cursos presenciais. Prof. ª Dra. Christine da Silva Schröeder ICEAC/SEaD/FURG christine1004sch@gmail.

Infraestrutura de EaD para apoio a cursos presenciais. Prof. ª Dra. Christine da Silva Schröeder ICEAC/SEaD/FURG christine1004sch@gmail. Infraestrutura de EaD para apoio a cursos presenciais Prof. ª Dra. Christine da Silva Schröeder ICEAC/SEaD/FURG christine1004sch@gmail.com Perspectivas de análise: EAD e mudança Perspectivas de análise:

Leia mais

MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 02/2010 Estabelece Normas Operacionais Complementares em conformidade com o Parecer CNE/CEB nº 06/2010, Resoluções CNE/CEB nº 02/2010

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Professores Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Objetivos do Curso 01 - Tenho conhecimento do Projeto Pedagógico do Curso.

Leia mais

AS NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS E A INCLUSÃO

AS NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS E A INCLUSÃO AS NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS E A INCLUSÃO Francelina Elena Oliveira Vasconcelos (france.vasconcelos@gmail.com) Rosilda Teixeira de Freitas (rosildafreitas@farrapo.com.br) Resumo Neste trabalho

Leia mais

O USO DE SOFTWARES EDUCATIVOS: E as suas contribuições no processo de ensino e aprendizagem de uma aluna com Síndrome de Down

O USO DE SOFTWARES EDUCATIVOS: E as suas contribuições no processo de ensino e aprendizagem de uma aluna com Síndrome de Down O USO DE SOFTWARES EDUCATIVOS: E as suas contribuições no processo de ensino e aprendizagem de uma aluna com Síndrome de Down Ana Paula de Oliveira Schmädecke 1 Andreia dos Santos Dias 2 Resumo: Este trabalho

Leia mais

AS TIC COMO ESTRATÉGIA DE AMPLIAÇÃO DA INTERNACIONALIZAÇÃO ACADÊMICA DA PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

AS TIC COMO ESTRATÉGIA DE AMPLIAÇÃO DA INTERNACIONALIZAÇÃO ACADÊMICA DA PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU AS TIC COMO ESTRATÉGIA DE AMPLIAÇÃO DA INTERNACIONALIZAÇÃO ACADÊMICA DA PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Santa Cruz do Sul RS Maio/2013 LANZARINI, Joice Nunes - UNISC - joice@unisc.br OLIVEIRA, Cláudio J.

Leia mais

Curso de Pedagogia Ementário da Matriz Curricular 2010.2

Curso de Pedagogia Ementário da Matriz Curricular 2010.2 1ª FASE 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL A Biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão neurológica nos processos básicos: os sentidos

Leia mais

REGULAMENTO CURSO DESCENTRALIZADO

REGULAMENTO CURSO DESCENTRALIZADO REGULAMENTO CURSO DESCENTRALIZADO I Nome do curso PROTAGONISMO JUVENIL - GRÊMIO ESTUDANTIL E A FORMAÇÃO CIDADÃ NO ESPAÇO ESCOLAR II Apresentação: descrição do curso O curso capacitará os participantes

Leia mais

Centros Juvenis de Ciência e Cultura Documento-Base

Centros Juvenis de Ciência e Cultura Documento-Base Documento-Base 1. Contexto Garantir educação de qualidade é um dos grandes desafios deste início de século para a Bahia e para o Brasil. No ensino médio, a Bahia tem encontrado dificuldades para avançar

Leia mais

Ministério da Educação. Primavera 2014. Atualização do Redesenho do Currículo

Ministério da Educação. Primavera 2014. Atualização do Redesenho do Currículo Ministério da Educação Primavera 2014 Atualização do Redesenho do Currículo Em 2010, o Ministério da Educação começou a transformar o sistema educacional de British Columbia, Canadá, Ensino Infantil Médio

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

CADERNO DE ORIENTAÇÃO DIDÁTICA PARA INFORMÁTICA EDUCATIVA: PRODUÇÃO COLABORATIVA VIA INTERNET

CADERNO DE ORIENTAÇÃO DIDÁTICA PARA INFORMÁTICA EDUCATIVA: PRODUÇÃO COLABORATIVA VIA INTERNET 1 CADERNO DE ORIENTAÇÃO DIDÁTICA PARA INFORMÁTICA EDUCATIVA: PRODUÇÃO COLABORATIVA VIA INTERNET 04/2007 Mílada Tonarelli Gonçalves CENPEC - Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária

Leia mais

FATEC EaD TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO INTERDISCIPLINAR SÃO PAULO 2014

FATEC EaD TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO INTERDISCIPLINAR SÃO PAULO 2014 1 FATEC EaD TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO INTERDISCIPLINAR SÃO PAULO 2014 2 Sumário 1. Introdução... 3 2. Finalidade do Projeto Interdisciplinar... 3 3. Disciplinas Contempladas... 4 4. Material

Leia mais

AÇÕES DO PROGRAMA ARTE E MATEMÁTICA: POSSIBILIDADES INTERDISCIPLINARES NA EDUCAÇÃO BÁSICA

AÇÕES DO PROGRAMA ARTE E MATEMÁTICA: POSSIBILIDADES INTERDISCIPLINARES NA EDUCAÇÃO BÁSICA ISSN 2316-7785 AÇÕES DO PROGRAMA ARTE E MATEMÁTICA: POSSIBILIDADES INTERDISCIPLINARES NA EDUCAÇÃO BÁSICA Resumo Tiago Dziekaniak Figueiredo Universidade Federal do Rio Grande FURG tiago@furg.br José Alexandre

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

Dias 12 e 13 de fevereiro de 2014 João Pessoa - Paraíba

Dias 12 e 13 de fevereiro de 2014 João Pessoa - Paraíba Realização: Apoio Técnico e Institucional Secretaria do Estado da Educação Dias 12 e 13 de fevereiro de 2014 João Pessoa - Paraíba Dia 12 de fevereiro de 2014 15h Novas e antigas tecnologias devem se combinar

Leia mais

Diário Oficial 31 32 Diário Oficial Resolução SE 52, de 2-10-2014

Diário Oficial 31 32 Diário Oficial Resolução SE 52, de 2-10-2014 sexta-feira, 3 de outubro de 2014 Diário Oficial Poder Executivo - Seção I São Paulo, 124 (187) 31 32 São Paulo, 124 (187) Diário Oficial Poder Executivo - Seção I sexta-feira, 3 de outubro de 2014 Resolução

Leia mais

PROJETO CIDADÃO EM REDE: DE CONSUMIDOR A PRODUTOR DE INFORMAÇÃO SOBRE O TERRITÓRIO PLANO DE TRABALHO

PROJETO CIDADÃO EM REDE: DE CONSUMIDOR A PRODUTOR DE INFORMAÇÃO SOBRE O TERRITÓRIO PLANO DE TRABALHO PROJETO CIDADÃO EM REDE: DE CONSUMIDOR A PRODUTOR DE INFORMAÇÃO SOBRE O TERRITÓRIO PLANO DE TRABALHO CONVÊNIO DE COOPERAÇÃO TECNOLÓGICA PRODEB-UFBA PRODEB/DSS Diretoria de Sistemas e Serviços UFBA/LCAD

Leia mais

ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO PRÓ-SAÚDE/FAMEB/UFBA.

ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO PRÓ-SAÚDE/FAMEB/UFBA. UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE MEDICINA DA BAHIA - FAMEB 199 anos Grupo Gestor do Projeto Pró-Saúde (Ministério da Saúde FAMEB/UFBA) Pavilhão de Aulas da FAMEB, Av. Reitor Miguel Calmon Campus

Leia mais

Pesquisa sobre o Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação nas Escolas Brasileiras TIC Educação

Pesquisa sobre o Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação nas Escolas Brasileiras TIC Educação Pesquisa TIC Educação 2010 Coletiva de Imprensa Pesquisa sobre o Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação nas Escolas Brasileiras TIC Educação São Paulo, 09 de Agosto de 2011 CGI.br Comitê Gestor

Leia mais

A divulgação desta apresentação por Cd-Rom e no Web site do programa Educação do Instituto do Banco Mundial e feita com a autorização do autor.

A divulgação desta apresentação por Cd-Rom e no Web site do programa Educação do Instituto do Banco Mundial e feita com a autorização do autor. A divulgação desta apresentação por Cd-Rom e no Web site do programa Educação do Instituto do Banco Mundial e feita com a autorização do autor. A ESCOLA PRECISA SER VISTA COMO UMA UNIDADE FUNDAMENTAL PARA

Leia mais

Proposta de Curso de Especialização em Gestão e Avaliação da Educação Profissional

Proposta de Curso de Especialização em Gestão e Avaliação da Educação Profissional Proposta de Curso de Especialização em Gestão e Avaliação da Educação Profissional A Educação Profissional analisada sob a ótica de sua gestão e de sua avaliação de modo a instrumentalizar gestores educacionais

Leia mais

Programa de Educação Inclusiva: A educação tem muitas faces Educando e aprendendo na diversidade

Programa de Educação Inclusiva: A educação tem muitas faces Educando e aprendendo na diversidade Programa de Educação Inclusiva: A educação tem muitas faces Educando e aprendendo na diversidade 1. Educação Especial: histórico, funcionamento e legislação Para suprir a demanda da Educação Especial e

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA:2013 EMENTA OBJETIVOS

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA:2013 EMENTA OBJETIVOS EIXO TECNOLÓGICO:Ensino Superior Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Licenciatura em Física FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( x ) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE:

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Informação e Comunicação CURSO: Tecnólogo em Sistemas para Internet FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA N.º

TERMO DE REFERÊNCIA N.º MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO E DIVERSIDADE DIRETORIA DE EDUCAÇÃO INTEGRAL, DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA COORDENAÇÃO GERAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para:

Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para: Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para: Técnico em Informática na Formação de Instrutores Carga Horária: 1000 horas Estágio Curricular:

Leia mais

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Elaborada pela Diretoria de Assuntos Estudantis 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa e Extensão nos dias

Leia mais

O USO DAS TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM

O USO DAS TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM O USO DAS TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM Luiz Carlos Chiofi Universidade Estadual de Londrina - PDE luizquinzi@seed.pr.gov.br Marta Regina Furlan

Leia mais

X Encontro Nacional de Escolas de Governo

X Encontro Nacional de Escolas de Governo X Encontro Nacional de Escolas de Governo Painel Cursos de pós-graduação nas escolas de governo A experiência da Enap na oferta de cursos de pós-graduação lato sensu Carmen Izabel Gatto e Maria Stela Reis

Leia mais

FORMAÇÃO ON-LINE DE PROFESSORES PARA APRENDIZAGEM POR MEIO DE PROJETOS. São Paulo 05/2011

FORMAÇÃO ON-LINE DE PROFESSORES PARA APRENDIZAGEM POR MEIO DE PROJETOS. São Paulo 05/2011 1 FORMAÇÃO ON-LINE DE PROFESSORES PARA APRENDIZAGEM POR MEIO DE PROJETOS São Paulo 05/2011 Claudia Stippe Rodrigues Instituto Paramitas claudiastippe@institutoparamitas.org.br Mary Grace Pereira Andrioli

Leia mais

PROJETO CURSO ALUNO INTEGRADO / 2013

PROJETO CURSO ALUNO INTEGRADO / 2013 PROJETO CURSO ALUNO INTEGRADO / 2013 INSTITUIÇÃO PROPONENTE: Ministério da Educação CNPJ: 00.394.445/0124-52 SETOR RESPONSÁVEL PELO PROJETO: Secretaria de Educação Básica(SEB) ENDEREÇO: Esplanada dos Ministérios,

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE Maria Cristina Kogut - PUCPR RESUMO Há uma preocupação por parte da sociedade com a atuação da escola e do professor,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE UNIPLAC PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO E APOIO COMUNITÁRIO

UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE UNIPLAC PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO E APOIO COMUNITÁRIO UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE UNIPLAC PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO E APOIO COMUNITÁRIO Projeto do Curso de Extensão ORGANIZAÇÃO CURRICULAR NA EDUCAÇÃO

Leia mais