Alocação Dinâmica e Transparente de Computadores Ociosos em Java

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Alocação Dinâmica e Transparente de Computadores Ociosos em Java"

Transcrição

1 Alocação Dinâmica e Transparente de Computadores Ociosos em Java Márcia Cristina Cera, Rodrigo Righi e Marcelo Pasin {cera, rodrigor, Universidade Federal de Santa Maria - UFSM Laboratório de Sistemas de Computação - LSC VI Workshop em Sistemas Computacionais de Alto Desempenho

2 2/25 Roteiro

3 3/25 Programar paralelo de forma intuitiva Arquiteturas paralelas com memória distribuída Sistemas distribuídos Modelos paralelos - programador controla paralelismo Java RMI Assíncrono

4 4/25 Nossa Proposta Cadeo - Controle e alocação dinâmica de estações ociosas Objetivos Possibilitar a utilização de computadores disponíveis em arquiteturas paralelas Desenvolver aplicações de forma simples e intuitiva Oferecer transparência de localização e dinamicidade

5 5/

6 6/25 Rede Aglomerado

7 6/25 Rede Aglomerado

8 6/25 Rede Aglomerado

9 6/25 Rede Aglomerado

10 7/25 Rede Aglomerado

11 7/25 Rede Aglomerado A s= {...}

12 7/25 Rede Aglomerado E A s= {...} E

13 8/25 Decisões de Projeto Linguagem de Programação: Java Linguagem orientada a objetos Write once, run anywhere Modelo de Programação Necessidade de invocação assíncrona de métodos remotos Assincronismo oferecido pelo ProActive Objetos Ativos Migração Comportamento na Perda de Computadores As tarefas em execução serão migradas para computadores disponíveis

14 8/25 Decisões de Projeto Linguagem de Programação: Java Linguagem orientada a objetos Write once, run anywhere Modelo de Programação Necessidade de invocação assíncrona de métodos remotos Assincronismo oferecido pelo ProActive Objetos Ativos Migração Comportamento na Perda de Computadores As tarefas em execução serão migradas para computadores disponíveis

15 8/25 Decisões de Projeto Linguagem de Programação: Java Linguagem orientada a objetos Write once, run anywhere Modelo de Programação Necessidade de invocação assíncrona de métodos remotos Assincronismo oferecido pelo ProActive Objetos Ativos Migração Comportamento na Perda de Computadores As tarefas em execução serão migradas para computadores disponíveis

16 9/25 Decisões de Projeto Modelo das Aplicações Paralelas Tarefas são implementadas em objetos remotos Tarefas podem ser representadas por: Chamadas a métodos: dependentes da execução das chamadas remotas - modelo dividir para conquistar Objetos ativos: chamadas representam interações entre tarefas - modelo sacola de tarefas

17 9/25 Decisões de Projeto Modelo das Aplicações Paralelas Tarefas são implementadas em objetos remotos Tarefas podem ser representadas por: Chamadas a métodos: dependentes da execução das chamadas remotas - modelo dividir para conquistar Objetos ativos: chamadas representam interações entre tarefas - modelo sacola de tarefas

18 9/25 Decisões de Projeto Modelo das Aplicações Paralelas Tarefas são implementadas em objetos remotos Tarefas podem ser representadas por: Chamadas a métodos: dependentes da execução das chamadas remotas - modelo dividir para conquistar Objetos ativos: chamadas representam interações entre tarefas - modelo sacola de tarefas

19 10/25 Decisões de Projeto Foco Principal do Trabalho Estruturação e criação de uma base funcional para o sistema Esta base deve facilmente poder receber adaptações Oferecer transparência de localização e dinamicidade Emprego de políticas de decisão ad hoc

20 11/25 Interação entre Cadeo e Aplicação Paralela Interface proporciona a interação, de forma transparente, entre aplicação e Cadeo Interação acontece através de um objeto da classe Cadeo Métodos da classe: fork() - instancia tarefas remotamente size() - informa tamanho do aglomerado dinâmico em um determinado momento stop() - indica o final da execução da aplicação

21 12/25 Exemplo de Aplicação Paralela - Tarefa 1. public class Tarefa implements Serializable{ 2. String mensagem; 3. public Tarefa() { 4. /* Construtor da Classe */ 5. } 6. public trabalho(parâmetros) { 7. /* Realiza algum processamento */ 8. retorna Resultado; 9. } 10. }

22 13/25 Exemplo de Aplicação Paralela - Principal 1. public class Principal { 2. public static void main(string[] args) { 3. Cadeo c = new Cadeo(endereço_alocador); 4. Tarefa t[] = new Tarefa[num_tarefas]; 5. Resultado res[] = new Resultado[num_tarefas]; 6. for(int i = 0; i < num_tarefas; i++){ 7. t[i]=(tarefa)c.fork(tarefa.class.getname(), new Object[]{}); 8. res[i] = t[i].trabalho(parâmetros); 9. } 10. c.stop(); 11. } 12. }

23 14/25 Metas da Aplicação Desenvolvida Resultados Metas da Aplicação Desenvolvida Resultados 4

24 15/25 Metas da Metas da Aplicação Desenvolvida Resultados Sobre uma determinada aplicação Escolha do tamanho do grão estática dinâmica

25 16/25 Funcionamento da Aplicação Metas da Aplicação Desenvolvida Resultados Escravo Mestre Escravo Escravo

26 16/25 Funcionamento da Aplicação Metas da Aplicação Desenvolvida Resultados Escravo Mestre Escravo Escravo

27 16/25 Funcionamento da Aplicação Metas da Aplicação Desenvolvida Resultados Escravo Mestre Escravo Escravo

28 17/25 Granularidade das tarefas Metas da Aplicação Desenvolvida Resultados Escolha arbitrária de granularidades Execução entre dois computadores Pentium III duais Tempos (em segundos) das granularidades das tarefas granularidade Computação Comunicação

29 18/25 Influência da utilização do Cadeo Metas da Aplicação Desenvolvida Resultados ProActive X Cadeo Ambiente estático de execução com 7 computadores Pentium III duais Distribuição: 1 computador executa o mestre e os demais os escravos

30 19/25 Influência da utilização do Cadeo Metas da Aplicação Desenvolvida Resultados Tempos (em segundos) obtidos em ambiente estático granularidade ProActive Cadeo

31 20/25 Testes com Ambiente Dinâmico Metas da Aplicação Desenvolvida Resultados Quanto custa a migração num ambiente dinâmico? Dinamicidade do sistema é simulada Freqüência de dinamicidade formaliza a simulação

32 21/25 Metas da Aplicação Desenvolvida Resultados Testes com Ambiente Dinâmico 600 "medias" 500 tempo (segundos) Frequencia

33 22/25 Considerações Finais Trabalhos Futuros Considerações Finais Trabalhos Futuros

34 23/25 Considerações Finais Considerações Finais Trabalhos Futuros Cadeo administra computadores disponíveis em sistemas distribuídos Diferencial: transparência Provê escalonamento em dois níveis Pequena sobrecarga

35 24/25 Trabalhos Futuros Considerações Finais Trabalhos Futuros Possibilitar a implementação de aplicações no modelo dividir para conquistar; Pesquisar políticas de escalonamento e balanceamento de cargas que melhor se enquadram no contexto do sistema; Investigar alternativas ao uso da migração de objetos.

36 Alocação Dinâmica e Transparente de Computadores Ociosos em Java Márcia Cristina Cera, Rodrigo Righi e Marcelo Pasin {cera, rodrigor, Universidade Federal de Santa Maria - UFSM Laboratório de Sistemas de Computação - LSC VI Workshop em Sistemas Computacionais de Alto Desempenho

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Marcelo Lobosco DCC/UFJF Comunicação em Sistemas Distribuídos Aula 06 Agenda Modelo Cliente-Servidor (cont.) Invocação Remota de Método (Remote Method Invocation RMI) Visão Geral

Leia mais

OBJETOS DISTRIBUÍDOS E INVOCAÇÃO REMOTA

OBJETOS DISTRIBUÍDOS E INVOCAÇÃO REMOTA OBJETOS DISTRIBUÍDOS E INVOCAÇÃO REMOTA SUMÁRIO Introdução Comunicação entre objetos distribuídos Eventos e Notificações 1.INTRODUÇÃO Middleware oferece: Transparência de localização Independência de protocolos

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Prof. Adriano Avelar Site: www.adrianoavelar.com Email: eam.avelar@gmail.com Relembrando... Mecanismos de Comunicação Middleware Cenário em uma rede Local

Leia mais

FBV - Linguagem de Programação II. Um pouco sobre Java

FBV - Linguagem de Programação II. Um pouco sobre Java FBV - Linguagem de Programação II Um pouco sobre Java História 1992: um grupo de engenheiros da Sun Microsystems desenvolve uma linguagem para pequenos dispositivos, batizada de Oak Desenvolvida com base

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Comunicação Remota Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br 1 Comunicação entre processos está no coração de todo sistema distribuído. Não tem sentido estudar sistemas distribuídos

Leia mais

Uma Introdução à Arquitetura CORBA. O Object Request Broker (ORB)

Uma Introdução à Arquitetura CORBA. O Object Request Broker (ORB) Uma Introdução à Arquitetura Francisco C. R. Reverbel 1 Copyright 1998-2006 Francisco Reverbel O Object Request Broker (ORB) Via de comunicação entre objetos (object bus), na arquitetura do OMG Definido

Leia mais

Java 2 Standard Edition. Fundamentos de. Objetos Remotos. Helder da Rocha www.argonavis.com.br

Java 2 Standard Edition. Fundamentos de. Objetos Remotos. Helder da Rocha www.argonavis.com.br Java 2 Standard Edition Fundamentos de Objetos Remotos Helder da Rocha www.argonavis.com.br 1 Sobre este módulo Este módulo tem como objetivo dar uma visão geral, porém prática, da criação e uso de objetos

Leia mais

THREADS EM JAVA. George Gomes Cabral

THREADS EM JAVA. George Gomes Cabral THREADS EM JAVA George Gomes Cabral THREADS Fluxo seqüencial de controle dentro de um processo. Suporte a múltiplas linhas de execução permite que múltiplos processamentos ocorram em "paralelo" (em computadores

Leia mais

Programação OO em Java. Profa Andréa Schwertner Charão DELC/CT/UFSM

Programação OO em Java. Profa Andréa Schwertner Charão DELC/CT/UFSM Programação OO em Java Profa Andréa Schwertner Charão DELC/CT/UFSM Sumário Classes abstratas Interfaces Tipos genéricos Coleções Classes abstratas São classes que não podem ser instanciadas, porque representam

Leia mais

Computação Paralela. Desenvolvimento de Aplicações Paralelas João Luís Ferreira Sobral Departamento do Informática Universidade do Minho.

Computação Paralela. Desenvolvimento de Aplicações Paralelas João Luís Ferreira Sobral Departamento do Informática Universidade do Minho. Computação Paralela Desenvolvimento de Aplicações Paralelas João Luís Ferreira Sobral Departamento do Informática Universidade do Minho Outubro 2005 Desenvolvimento de Aplicações Paralelas Uma Metodologia

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Departamento de Ciência da Computação

Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Departamento de Ciência da Computação Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Departamento de Ciência da Computação LP: Laboratório de Programação Apontamento 2 Prof. ISVega Fevereiro de 2004 Ciclo de Programação CONTEÚDO 2.1 Ciclo de

Leia mais

Implementando uma Classe e Criando Objetos a partir dela

Implementando uma Classe e Criando Objetos a partir dela Análise e Desenvolvimento de Sistemas ADS Programação Orientada a Obejeto POO 3º Semestre AULA 04 - INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO (POO) Parte: 2 Prof. Cristóvão Cunha Implementando uma Classe

Leia mais

Programação Orientada a Objetos Prof. Rone Ilídio UFSJ/CAP

Programação Orientada a Objetos Prof. Rone Ilídio UFSJ/CAP Programação Orientada a Objetos Prof. Rone Ilídio UFSJ/CAP 1) Introdução Programação Orientada a Objetos é um paradigma de programação bastante antigo. Entretanto somente nos últimos anos foi aceito realmente

Leia mais

Computação Paralela. Uma framework para aplicações concorrentes João Luís Ferreira Sobral Departamento do Informática Universidade do Minho

Computação Paralela. Uma framework para aplicações concorrentes João Luís Ferreira Sobral Departamento do Informática Universidade do Minho Computação Paralela Uma framework para aplicações concorrentes João Luís Ferreira Sobral Departamento do Informática Universidade do Minho Dezembro 2005 Fases de desenvolvimento de aplicações paralelas

Leia mais

Invocação Remota MC704

Invocação Remota MC704 Invocação Remota MC704 Aplicações distribuídas Aplicação distribuída: conjunto de processos que cooperam entre si para prover um serviço ou realizar uma computação normalmente processos precisam invocar

Leia mais

Linguagem de Programação Orientada a Objeto. Introdução a Orientação a Objetos Professora Sheila Cáceres

Linguagem de Programação Orientada a Objeto. Introdução a Orientação a Objetos Professora Sheila Cáceres Linguagem de Programação Orientada a Objeto Introdução a Orientação a Objetos Professora Sheila Cáceres Introdução a Orientação a Objetos No mundo real, tudo é objeto!; Os objetos se relacionam entre si

Leia mais

Invocação de Métodos Remotos

Invocação de Métodos Remotos Invocação de Métodos Remotos Java RMI (Remote Method Invocation) Tópicos Tecnologia RMI Introdução Modelo de camadas do RMI Arquitetura Fluxo de operação do RMI Passos para implementação Estudo de caso

Leia mais

Chamadas Remotas de Procedimentos (RPC) O Conceito de Procedimentos. RPC: Programa Distribuído. RPC: Modelo de Execução

Chamadas Remotas de Procedimentos (RPC) O Conceito de Procedimentos. RPC: Programa Distribuído. RPC: Modelo de Execução Chamadas Remotas de Chamada Remota de Procedimento (RPC) ou Chamada de Função ou Chamada de Subrotina Método de transferência de controle de parte de um processo para outra parte Procedimentos => permite

Leia mais

Programação OO em Java. Profa Andréa Schwertner Charão DELC/CT/UFSM

Programação OO em Java. Profa Andréa Schwertner Charão DELC/CT/UFSM Programação OO em Java Profa Andréa Schwertner Charão DELC/CT/UFSM Sumário Classes abstratas Interfaces Tipos genéricos Coleções Introdução GUI Classes abstratas São classes que não podem ser instanciadas,

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS CUP Disk Memoey CUP Memoey Disk Network CUP Memoey Disk Remote Method Invocation (RMI) Introdução Solução JAVA para Objetos Distribuídos Um objeto existe em uma máquina É possível

Leia mais

Java TM e o Modelo de Objetos

Java TM e o Modelo de Objetos Java TM e o Modelo de Objetos Java Deployment Course: Aula 1 por Jorge H C Fernandes (jorge@dimap.ufrn.br) DIMAp-UFRN Java e o Modelo de Objetos Objetivos desta Aula Introduzir conceitos básicos do modelo

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 3 Invocação de Objetos

Leia mais

Invocação de Métodos Remotos RMI (Remote Method Invocation)

Invocação de Métodos Remotos RMI (Remote Method Invocation) Invocação de Métodos Remotos RMI (Remote Method Invocation) Programação com Objetos Distribuídos Um sistema de objetos distribuídos permite a operação com objetos remotos A partir de uma aplicação cliente

Leia mais

Avaliação do Uso de Xen em Ambientes de Computação de Alto Desempenho

Avaliação do Uso de Xen em Ambientes de Computação de Alto Desempenho Avaliação do Uso de Xen em Ambientes de Computação de Alto Desempenho Márcio Parise Boufleur Guilherme Piegas Koslovski Andrea Schwertner Charão LSC - Laboratório de Sistemas de Computação UFSM - Universidade

Leia mais

Como foi exposto anteriormente, os processos podem ter mais de um fluxo de execução. Cada fluxo de execução é chamado de thread.

Como foi exposto anteriormente, os processos podem ter mais de um fluxo de execução. Cada fluxo de execução é chamado de thread. 5 THREADS Como foi exposto anteriormente, os processos podem ter mais de um fluxo de execução. Cada fluxo de execução é chamado de thread. 5.1 VISÃO GERAL Uma definição mais abrangente para threads é considerá-lo

Leia mais

EXERCÍCIOS SOBRE ORIENTAÇÃO A OBJETOS

EXERCÍCIOS SOBRE ORIENTAÇÃO A OBJETOS Campus Cachoeiro de Itapemirim Curso Técnico em Informática Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas Professor: Rafael Vargas Mesquita Este exercício deve ser manuscrito e entregue na próxima aula; Valor

Leia mais

Grupo I [6v] Considere o seguinte extracto de um programa de definição de uma calculadora apenas com a função soma de dois valores reais

Grupo I [6v] Considere o seguinte extracto de um programa de definição de uma calculadora apenas com a função soma de dois valores reais Número: Nome: Página 1 de 5 LEIC/LERC 2012/13, Repescagem do 1º Teste de Sistemas Distribuídos, 25 de Junho de 2013 Responda no enunciado, apenas no espaço fornecido. Identifique todas as folhas. Duração:

Leia mais

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO 19 CAPÍTULO 2 - CONCEITOS 25

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO 19 CAPÍTULO 2 - CONCEITOS 25 SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS LISTA DE TABELAS LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS Pág. CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO 19 CAPÍTULO 2 - CONCEITOS 25 2.1 A tecnologia de orientação a objetos 25 2.1.1 Projeto de software

Leia mais

Sistemas Paralelos e Distribuídos - 2003/2004 Curso: Matemática /Informática Sistemas Distribuídos - 2003/2004 Curso: Ensino da Informática

Sistemas Paralelos e Distribuídos - 2003/2004 Curso: Matemática /Informática Sistemas Distribuídos - 2003/2004 Curso: Ensino da Informática Java RMI - Remote Method Invocation Folha 5-1 No modelo de programação orientada a objectos, vimos que um programa consiste numa colecção de objectos que comunicam entre si através da invocação dos seus

Leia mais

Técnicas de Programação II

Técnicas de Programação II Técnicas de Programação II Aula 06 Orientação a Objetos e Classes Edirlei Soares de Lima Orientação a Objetos O ser humano se relaciona com o mundo através do conceito de objetos.

Leia mais

ESTUDO PRELIMINAR SOBRE A ESCALABILIDADE DE UM ALGORITMO GENÉTICO PARALELIZADO COM OPENMP. Mateus Fontoura Gomes da Rosa Márcia C.

ESTUDO PRELIMINAR SOBRE A ESCALABILIDADE DE UM ALGORITMO GENÉTICO PARALELIZADO COM OPENMP. Mateus Fontoura Gomes da Rosa Márcia C. ESTUDO PRELIMINAR SOBRE A ESCALABILIDADE DE UM ALGORITMO GENÉTICO PARALELIZADO COM OPENMP Mateus Fontoura Gomes da Rosa Márcia C. Cera Roteiro Introdução Problema de Roteamento de Veículos Objetivos da

Leia mais

Avaliação do Desempenho da Migração de Máquinas Virtuais em Xen

Avaliação do Desempenho da Migração de Máquinas Virtuais em Xen Avaliação do Desempenho da Migração de Máquinas Virtuais em Xen Guilherme Piegas Koslovski Márcio Parise Boufleur Andrea Schwertner Charão UFSM - Universidade Federal de Santa Maria Roteiro Introdução

Leia mais

Num sistema de objectos distribuídos, dois conceitos são fundamentais.

Num sistema de objectos distribuídos, dois conceitos são fundamentais. Folha 10-1 Java RMI - Remote Method Invocation No modelo de programação orientada a objectos, vimos que um programa consiste numa colecção de objectos que comunicam entre si através da invocação dos seus

Leia mais

Programação Orientada a Objetos

Programação Orientada a Objetos Programação Orientada a Objetos Universidade Católica de Pernambuco Ciência da Computação Prof. Márcio Bueno poonoite@marciobueno.com Fonte: Material da Profª Karina Oliveira Introdução ao Paradigma OO

Leia mais

Carga horária : 4 aulas semanais (laboratório) Professores: Custódio, Daniel, Julio foco: introdução a uma linguagem de programação Linguagem Java

Carga horária : 4 aulas semanais (laboratório) Professores: Custódio, Daniel, Julio foco: introdução a uma linguagem de programação Linguagem Java Carga horária : 4 aulas semanais (laboratório) Professores: Custódio, Daniel, Julio foco: introdução a uma linguagem de programação Linguagem Java 1 Objetivo: O aluno deverá adquirir capacidades e habilidades

Leia mais

5 Caso de estudo O cartão fidelidade

5 Caso de estudo O cartão fidelidade 5 Caso de estudo O cartão fidelidade Cartão de fidelização de clientes das distribuidoras de combustível. Definição em JAVA da classe CartaoFidelidade, que deverá apresentar uma funcionalidade semelhante

Leia mais

Introdução a Java. Hélder Nunes

Introdução a Java. Hélder Nunes Introdução a Java Hélder Nunes 2 Exercício de Fixação Os 4 elementos básicos da OO são os objetos, as classes, os atributos e os métodos. A orientação a objetos consiste em considerar os sistemas computacionais

Leia mais

Curso de Java. Orientação a objetos e a Linguagem JAVA. TodososdireitosreservadosKlais

Curso de Java. Orientação a objetos e a Linguagem JAVA. TodososdireitosreservadosKlais Curso de Java Orientação a objetos e a Linguagem JAVA Roteiro A linguagem Java e a máquina virtual Objetos e Classes Encapsulamento, Herança e Polimorfismo Primeiro Exemplo A Linguagem JAVA Principais

Leia mais

MIDDLEWARE Aplicativos RMI, RPC e eventos Camadas Protocolo Requesição-Respostal Middleware Representação Externa dos Dados Sistemas Operacionais

MIDDLEWARE Aplicativos RMI, RPC e eventos Camadas Protocolo Requesição-Respostal Middleware Representação Externa dos Dados Sistemas Operacionais RMI JAVA MIDDLEWARE Aplicativos RMI, RPC e eventos Protocolo Requesição-Respostal Camadas Middleware Representação Externa dos Dados Sistemas Operacionais RMI REMOTE METHOD INVOCATION Invocação remota

Leia mais

Programação Orientada a Objetos em Java. Threads Threads Threads. Threads

Programação Orientada a Objetos em Java. Threads Threads Threads. Threads Universidade Federal do Amazonas Departamento de Ciência da Computação IEC481 Projeto de Programas Programação Orientada a Objetos em Java Threads Threads Threads Threads Professor: César Melo Slides baseados

Leia mais

Tutorial RMI (Remote Method Invocation) por Alabê Duarte

Tutorial RMI (Remote Method Invocation) por Alabê Duarte Tutorial RMI (Remote Method Invocation) por Alabê Duarte Este tutorial explica basicamente como se implementa a API chamada RMI (Remote Method Invocation). O RMI nada mais é que a Invocação de Métodos

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Ciência da Computação Sistemas Distribuídos Professor Ciro Barbosa

Universidade Federal de Juiz de Fora Ciência da Computação Sistemas Distribuídos Professor Ciro Barbosa Universidade Federal de Juiz de Fora Ciência da Computação Sistemas Distribuídos Professor Ciro Barbosa Web Service Plínio Antunes Garcia Sam Ould Mohamed el Hacen Sumário Introdução conceitual O Web Service

Leia mais

Objetos Distribuídos - Programação Distribuída Orientado a Objetos. Luiz Affonso Guedes

Objetos Distribuídos - Programação Distribuída Orientado a Objetos. Luiz Affonso Guedes Objetos Distribuídos - Programação Distribuída Orientado a Objetos Luiz Affonso Guedes Introdução Conceitos básicos programação distribuída + programação orientada a objetos = Objetos distribuídos Motivação

Leia mais

1) De acordo com o trecho de código escrito na linguagem JAVA, responda a questão abaixo:

1) De acordo com o trecho de código escrito na linguagem JAVA, responda a questão abaixo: 1) De acordo com o trecho de código escrito na linguagem JAVA, responda a questão abaixo: boolean[][] bool = new boolean[5][5]; for(int v = 0; v < bool.length; v++) { for(int f = 0; f < bool[v].length;

Leia mais

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Java RMI

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Java RMI Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Java RMI Francisco José da Silva e Silva Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Departamento de Informática / UFMA http://www.lsd.deinf.ufma.br 19 de agosto

Leia mais

Linguagem Java. Arquitetura e Ambiente de Desenvolvimento. Arquitetura e Ambiente de Desenvolvimento Prof. Anderson Augustinho Uniandrade

Linguagem Java. Arquitetura e Ambiente de Desenvolvimento. Arquitetura e Ambiente de Desenvolvimento Prof. Anderson Augustinho Uniandrade Linguagem Java de Desenvolvimento Máquina Virtual Um código intermediário, chamado de bytecode, é gerado quando um programa Java é compilado. Este bytecode é interpretado pelas máquinas virtuais java (JVMs)

Leia mais

Enterprise Java Beans

Enterprise Java Beans Enterprise Java Beans Prof. Pasteur Ottoni de Miranda Junior DCC PUC Minas Disponível em www.pasteurjr.blogspot.com 1-O que é um Enterprise Java Bean? O Entertprise Java Bean (EJB) é um componente server-side

Leia mais

A ) O cliente terá que implementar uma interface remota. . Definir a interface remota com os métodos que poderão ser acedidos remotamente

A ) O cliente terá que implementar uma interface remota. . Definir a interface remota com os métodos que poderão ser acedidos remotamente Java RMI - Remote Method Invocation Callbacks Folha 9-1 Vimos, na folha prática anterior, um exemplo muito simples de uma aplicação cliente/ servidor em que o cliente acede à referência remota de um objecto

Leia mais

Paradigmas da Programação PPROG. Linguagem JAVA. Interfaces. (Livro Big Java, Late Objects Capítulo 9) Nelson Freire (ISEP DEI-PPROG 2013/14) 1/33

Paradigmas da Programação PPROG. Linguagem JAVA. Interfaces. (Livro Big Java, Late Objects Capítulo 9) Nelson Freire (ISEP DEI-PPROG 2013/14) 1/33 PPROG Paradigmas da Programação Linguagem JAVA Interfaces (Livro Big Java, Late Objects Capítulo 9) Nelson Freire (ISEP DEI-PPROG 2013/14) 1/33 PPROG Motivação para usar Interfaces Definição de Interface

Leia mais

Professor: Douglas Sousa Cursos de Computação

Professor: Douglas Sousa Cursos de Computação Linguagem de Programação C# Professor: Douglas Sousa Cursos de Computação Agenda Conceitos Básicos; Principais Características; Visual Studio; Meu Primeiro Programa; A Linguagem C#; Sistemas de Tipos;

Leia mais

SISTEMA DISTRIBUÍDO DE MONITORAMENTO/DETERMINAÇÃO DE SERVIÇOS E RECURSOS DIPONÍVEIS DE UM AMBIENTE DE GRID COMPUTACIONAL

SISTEMA DISTRIBUÍDO DE MONITORAMENTO/DETERMINAÇÃO DE SERVIÇOS E RECURSOS DIPONÍVEIS DE UM AMBIENTE DE GRID COMPUTACIONAL SISTEMA DISTRIBUÍDO DE MONITORAMENTO/DETERMINAÇÃO DE SERVIÇOS E RECURSOS DIPONÍVEIS DE UM AMBIENTE DE GRID COMPUTACIONAL Thais Cabral de Mello, Bruno Schulze, Luis Rodrigo de Oliveira Gonçalves 1 Laboratório

Leia mais

Sistemas Distribuídos RPC x RMI. Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br

Sistemas Distribuídos RPC x RMI. Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br Sistemas Distribuídos RPC x RMI Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br Roteiro da Aula Chamada Remota a Procedimento Definição Passagem de Parâmetros STUBS Semântica de Falhas 2 RPC Chamada Remota a

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE REFLEXÃO COMPUTACIONAL EM UM GERENCIADOR DE ARQUIVOS DISTRIBUÍDOS

UTILIZAÇÃO DE REFLEXÃO COMPUTACIONAL EM UM GERENCIADOR DE ARQUIVOS DISTRIBUÍDOS UTILIZAÇÃO DE REFLEXÃO COMPUTACIONAL EM UM GERENCIADOR DE ARQUIVOS DISTRIBUÍDOS Maurício Capobianco Lopes (FURB) mclopes@furb.rct-sc.br Fabrício Jailson Barth fjbarth@inf.furb.rct-sc.br RESUMO Este trabalho

Leia mais

Exemplos práticos do uso de RMI em sistemas distribuídos

Exemplos práticos do uso de RMI em sistemas distribuídos Exemplos práticos do uso de RMI em sistemas distribuídos Elder de Macedo Rodrigues, Guilherme Montez Guindani, Leonardo Albernaz Amaral 1 Fábio Delamare 2 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande

Leia mais

Multithreading. Programação Orientada por Objectos com Java. Ademar Aguiar. MRSC - Programação em Comunicações

Multithreading. Programação Orientada por Objectos com Java. Ademar Aguiar. MRSC - Programação em Comunicações Programação Orientada por Objectos com Java www.fe.up.pt/~aaguiar ademar.aguiar@fe.up.pt 1 Multithreading 154 Objectivos Ser capaz de: Explicar os conceitos básicos de multithreading Criar threads múltiplos

Leia mais

Modificador static e Pacotes. Alberto Costa Neto DComp - UFS

Modificador static e Pacotes. Alberto Costa Neto DComp - UFS Modificador static e Pacotes Alberto Costa Neto DComp - UFS 1 Roteiro Modificador static Pacotes 2 Modificador static Instanciando a classe Funcionário matricula nome cpf salario salario-min getmatricula()

Leia mais

Sistemas Operacionais Aula 06: Threads. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com

Sistemas Operacionais Aula 06: Threads. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com Sistemas Operacionais Aula 06: Threads Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com Objetivos Introduzir o conceito de thread Discutir as APIs das bibliotecas de threads Pthreads, Win32

Leia mais

Construção de novas Classes em Java. Classes Atributos Métodos Herança...

Construção de novas Classes em Java. Classes Atributos Métodos Herança... Construção de novas Classes em Java Classes Atributos Métodos Herança... 1 Exemplo Representação em UML Java (Unified Modeling Language) Stack items : Vector Stack( ) push( ) pop( ) isempty( ) finalize(

Leia mais

Programação Orientada a Objetos em Java

Programação Orientada a Objetos em Java Programação Orientada a Objetos em Java Rone Ilídio da Silva Universidade Federal de São João del-rei Campus Alto Paraopeba 1:14 1 Objetivo Apresentar os principais conceitos de Programção Orientada a

Leia mais

Middleware de Aplicações Paralelas/Distribuídas

Middleware de Aplicações Paralelas/Distribuídas Computação Paralela Middleware de Aplicações Paralelas/Distribuídas João Luís Ferreira Sobral Departamento do Informática Universidade do Minho Outubro 2005 Principais aspectos a gerir pelo Middleware

Leia mais

SOA Introdução. SOA Visão Departamental das Organizações

SOA Introdução. SOA Visão Departamental das Organizações 1 Introdução A Organização é a forma pela qual nós coordenamos nossos recursos de todos os tipos para realizar o trabalho que nos propusemos a fazer. A estrutura de nossas organizações manteve-se basicamente

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE INFORMÁTICA. Sistemas Distribuídos

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE INFORMÁTICA. Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE INFORMÁTICA Sistemas Distribuídos Mestrado em Ciência da Computação 1o. Semestre / 2006 Prof. Fábio M. Costa fmc@inf.ufg.br www.inf.ufg.br/~fmc/ds-msc2006 Aula

Leia mais

Comandos de repetição For (inicialização; condição de execução; incremento/decremento) { //Código }

Comandos de repetição For (inicialização; condição de execução; incremento/decremento) { //Código } Este documento tem o objetivo de demonstrar os comandos e sintaxes básicas da linguagem Java. 1. Alguns passos para criar programas em Java As primeiras coisas que devem ser abordadas para começar a desenvolver

Leia mais

2 Orientação a objetos na prática

2 Orientação a objetos na prática 2 Orientação a objetos na prática Aula 04 Sumário Capítulo 1 Introdução e conceitos básicos 1.4 Orientação a Objetos 1.4.1 Classe 1.4.2 Objetos 1.4.3 Métodos e atributos 1.4.4 Encapsulamento 1.4.5 Métodos

Leia mais

Herança. Alberto Costa Neto DComp - UFS

Herança. Alberto Costa Neto DComp - UFS Herança Alberto Costa Neto DComp - UFS 1 Motivação Vimos como se faz encapsulamento e a importância de fazê-lo... Contudo, também é possível fazer encapsulamento em algumas linguagens não OO O que mais

Leia mais

Categorias de Padrões

Categorias de Padrões Categorias de Padrões Padrão Arquitetural ou Estilo Arquitetural Padrão de Design (Design Patterns) Idiomas Categorias de Padrões ESTILOS ARQUITETURAIS PADRÕES DE DESIGN IDIOMAS Padrões de Design Os subsistemas

Leia mais

Serviços Web: Introdução

Serviços Web: Introdução Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Maranhão Objetivos Nesta aula

Leia mais

Implementação de Classe e Auto-Relacionamento em Java

Implementação de Classe e Auto-Relacionamento em Java UTFPR DAELN - Disciplina de Fundamentos de Programação II ( IF62C ). 1 Implementação de Classe e Auto-Relacionamento em Java 1)Introdução Um modelo de Diagrama de Classes representa a estrutura definida

Leia mais

Programação por Objectos. Java

Programação por Objectos. Java Programação por Objectos Java Parte 2: Classes e objectos LEEC@IST Java 1/24 Classes (1) Sintaxe Qualif* class Ident [ extends IdentC] [ implements IdentI [,IdentI]* ] { [ Atributos Métodos ]* Qualif:

Leia mais

Objetos Distribuídos. Nazareno Andrade

Objetos Distribuídos. Nazareno Andrade Objetos Distribuídos Nazareno Andrade O Problema Orientação a objetos é um paradigma poderoso Modularidade, extensibilidade, manutenibilidade Porque distribuir os objetos: Localidade dos objetos Tolerância

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUIDOS

SISTEMAS DISTRIBUIDOS 1 2 Caracterização de Sistemas Distribuídos: Os sistemas distribuídos estão em toda parte. A Internet permite que usuários de todo o mundo acessem seus serviços onde quer que possam estar. Cada organização

Leia mais

Curso Adonai QUESTÕES Disciplina Linguagem JAVA

Curso Adonai QUESTÕES Disciplina Linguagem JAVA 1) Qual será o valor da string c, caso o programa rode com a seguinte linha de comando? > java Teste um dois tres public class Teste { public static void main(string[] args) { String a = args[0]; String

Leia mais

Orientação a Objetos com Java

Orientação a Objetos com Java Orientação a Objetos com Java Julio Cesar Nardi julionardi@yahoo.com.br 2011/2 Apresentação 3: Orientação Objetos: Conceitos Básicos Objetivos: Compreender os Conceitos Básicos da Orientação a Objetos;

Leia mais

Capítulo 2. Charm++ 16

Capítulo 2. Charm++ 16 2 Charm++ O Charm++ é uma linguagem orientada a objetos para programação paralela baseada em C++ (34). Ela possui uma biblioteca de execução para suporte a computação paralela que se chama Kernel do Charm

Leia mais

Introdução ao C# . Visão geral do.net Framework

Introdução ao C# . Visão geral do.net Framework Introdução ao C# Microsoft.NET (comumente conhecido por.net Framework - em inglês: dotnet) é uma iniciativa da empresa Microsoft, que visa uma plataforma única para desenvolvimento e execução de sistemas

Leia mais

Projeto de Software Orientado a Objeto

Projeto de Software Orientado a Objeto Projeto de Software Orientado a Objeto Ciclo de Vida de Produto de Software (PLC) Analisando um problema e modelando uma solução Prof. Gilberto B. Oliveira Estágios do Ciclo de Vida de Produto de Software

Leia mais

INE5380 - Sistemas Distribuídos

INE5380 - Sistemas Distribuídos INE5380 - Sistemas Distribuídos Object Request Broker e CORBA Por: Léo Willian Kölln - 0513227-4 Novembro de 2006 ORB Object Request Broker ORB aqui será tratado como um Middleware que permite a construção

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Aula 4 Msc. Daniele Carvalho Oliveira Doutoranda em Ciência da Computação - UFU Mestre em Ciência da Computação UFU Bacharel em Ciência da Computação - UFJF Migração de Código Em

Leia mais

Tecnologia Java. Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br

Tecnologia Java. Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br Tecnologia Java Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br Origem da Tecnologia Java Projeto inicial: Oak (liderado por James Gosling) Lançada em 1995 (Java) Tecnologia

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o. PROFESSOR: Andrey DISCIPLINA: Técnicas Alternativas de Programação AULA: 05 APRESENTAÇÃO: Nesta aula vamos ver como se faz a criação de Métodos

Leia mais

Arquitetura JEE Introdução à Camada de Negócios: Enterprise Java Beans (EJB) Marcos Kalinowski (kalinowski@ic.uff.br)

Arquitetura JEE Introdução à Camada de Negócios: Enterprise Java Beans (EJB) Marcos Kalinowski (kalinowski@ic.uff.br) Arquitetura JEE Introdução à Camada de Negócios: Enterprise Java Beans (EJB) (kalinowski@ic.uff.br) Agenda Arquiteturas Web em Java (Relembrando) Arquitetura Java EE Introdução a Enterprise Java Beans

Leia mais

Threads e Concorrência em Java (Material de Apoio)

Threads e Concorrência em Java (Material de Apoio) Introdução Threads e Concorrência em Java (Material de Apoio) Professor Lau Cheuk Lung http//www.inf.ufsc.br/~lau.lung INE-CTC-UFSC A maioria dos programas são escritos de modo seqüencial com um ponto

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 3 Virtualização de Sistemas 1. Conceito Virtualização pode ser definida

Leia mais

Programação Concorrente em java - Exercícios Práticos Abril 2004

Programação Concorrente em java - Exercícios Práticos Abril 2004 Programação Concorrente em java - Exercícios Práticos Abril 2004 1. Introdução As threads correspondem a linhas de controlo independentes no âmbito de um mesmo processo. No caso da linguagem JAVA, é precisamente

Leia mais

Introdução a Threads Java

Introdução a Threads Java Introdução a Threads Java Prof. Gerson Geraldo Homrich Cavalheiro Universidade Federal de Pelotas Departamento de Informática Instituto de Física e Matemática Pelotas RS Brasil http://gersonc.anahy.org

Leia mais

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Sistemas Distribuídos Ciência da Computação Prof. Jesus José de Oliveira Neto Web Services Web Services Existem diferentes tipos de comunicação em um sistema distribuído: Sockets Invocação

Leia mais

Laboratório I Aula 2

Laboratório I Aula 2 Laboratório I Aula 2 Prof. Msc. Anderson da Cruz Fases da Programação Implementação de Linguagens de Programação Compilação geração de código executável dependente da plataforma de execução tradução lenta

Leia mais

Relacionamentos entre objetos. Relacionamentos entre objetos. Relacionamentos entre objetos. Relacionamentos entre objetos

Relacionamentos entre objetos. Relacionamentos entre objetos. Relacionamentos entre objetos. Relacionamentos entre objetos Programação Orientada a Objetos Relacionamentos entre objetos Associação, composição e agregação Construtores e sobrecarga Variáveis de classe e de instância Reinaldo Gomes reinaldo@cefet-al.br Objetos

Leia mais

Orientação a Objetos com Java

Orientação a Objetos com Java Orientação a Objetos com Java Julio Cesar Nardi julionardi@yahoo.com.br 2011/2 Aula 01: Começando com Java Objetivos: Compreender o que é Java, OO e suas vantagens; Entender os procedimentos para criação

Leia mais

Laboratório de Computação VI JAVA IDL. Fabricio Aparecido Breve - 981648-9

Laboratório de Computação VI JAVA IDL. Fabricio Aparecido Breve - 981648-9 Laboratório de Computação VI JAVA IDL Fabricio Aparecido Breve - 981648-9 O que é Java IDL? Java IDL é uma tecnologia para objetos distribuídos, ou seja, objetos em diferentes plataformas interagindo através

Leia mais

Sobre o Professor Dr. Sylvio Barbon Junior

Sobre o Professor Dr. Sylvio Barbon Junior 5COP088 Laboratório de Programação Aula 1 Java Prof. Dr. Sylvio Barbon Junior Sylvio Barbon Jr barbon@uel.br 1 Sobre o Professor Dr. Sylvio Barbon Junior Formação: Ciência e Engenharia da Computação (2005

Leia mais

Um pouco do Java. Prof. Eduardo

Um pouco do Java. Prof. Eduardo Um pouco do Java Prof. Eduardo Introdução A tecnologia JAVA é composta pela linguagem de programação JAVA e pela plataforma de desenvolvimento JAVA. Os programas são escritos em arquivos-texto com a extensão.java.

Leia mais

Estrutura em Camadas. Estrutura em Camadas. Alcides Pamplona alcides.pamplona@gmail.com. Alcides Pamplona Linguagem de Programação CESBD 2010

Estrutura em Camadas. Estrutura em Camadas. Alcides Pamplona alcides.pamplona@gmail.com. Alcides Pamplona Linguagem de Programação CESBD 2010 Alcides Pamplona Linguagem de Programação CESBD 2010 Alcides Pamplona alcides.pamplona@gmail.com Tópicos Componentes da Estrutura Estruturando Aplicações OO em Camadas 2 Arquitetura em 1 camada Todas as

Leia mais

Informática UFRGS. Programação com Objetos Distribuídos (C. Geyer) C# Remote V0 1

Informática UFRGS. Programação com Objetos Distribuídos (C. Geyer) C# Remote V0 1 .NET Remoting Programação com Objetos Distribuídos (C. Geyer) C# Remote V0 1 Autoria Autores 1a versão Fabio Augusto Dal Castel colaboração revisão Eduardo F. Seganfredo Rodrigo Gatto C. Geyer Programação

Leia mais

Guia de Fatores de Qualidade de OO e Java

Guia de Fatores de Qualidade de OO e Java Qualiti Software Processes Guia de Fatores de Qualidade de OO e Java Versã o 1.0 Este documento só pode ser utilizado para fins educacionais, no Centro de Informática da Universidade Federal de Pernambuco.

Leia mais

Java 2 Standard Edition Como criar classes e objetos

Java 2 Standard Edition Como criar classes e objetos Java 2 Standard Edition Como criar classes e objetos Helder da Rocha www.argonavis.com.br 1 Assuntos abordados Este módulo explora detalhes da construção de classes e objetos Construtores Implicações da

Leia mais

Capítulo VI CORBA. Common Object Request Broker Architecture. [Cardoso2008] Programação de Sistemas Distribuídos em Java, Jorge Cardoso, FCA, 2008.

Capítulo VI CORBA. Common Object Request Broker Architecture. [Cardoso2008] Programação de Sistemas Distribuídos em Java, Jorge Cardoso, FCA, 2008. Common Object Request Broker Architecture [Cardoso2008] Programação de Sistemas Distribuídos em Java, Jorge Cardoso, FCA, 2008. From: Fintan Bolton Pure CORBA SAMS, 2001 From: Coulouris, Dollimore and

Leia mais

Análise e Projeto Orientados por Objetos

Análise e Projeto Orientados por Objetos Análise e Projeto Orientados por Objetos Aula 01 Orientação a Objetos Edirlei Soares de Lima Paradigmas de Programação Um paradigma de programação consiste na filosofia adotada na

Leia mais

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO Intranets FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO As intranets são redes internas às organizações que usam as tecnologias utilizadas na rede mundial

Leia mais

Programação Orientada a Objetos em Java. Herança

Programação Orientada a Objetos em Java. Herança Universidade Federal do Amazonas Departamento de Ciência da Computação IEC481 Projeto de Programas Programação Orientada a Objetos em Java Herança Professor: César Melo Slides baseados em materiais preparados

Leia mais