Gerir o Domínio Público Ferroviário com Inteligência Geográfica Rodrigo Dourado

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gerir o Domínio Público Ferroviário com Inteligência Geográfica Rodrigo Dourado"

Transcrição

1 Rodrigo Dourado

2 Agenda Grupo REFER Direção de Gestão Cadastral e Licenciamento Dados do negócio e Informação geográfica Funções do SIG no Património Visualizadores FLEX Ações Futuras

3 Grupo REFER REFER REFER Telecom REFER Património REFER Engineering Direção de Gestão de Estações e Administração do Património Direção de Gestão Cadastral e Licenciamentos Direção Comercial e Valorização

4 Missão Conhecer e manter atualizado o cadastro (terrenos e edifícios) do Domínio Público Ferroviário e do Domínio Privado da REFER Aquisição Realizar todos os processos de expropriação necessários à concretização de novos investimentos ferroviários Alienação Atualização Proceder à alienação de pequenas áreas de terreno confinantes com o DPF e conduzir todos os processos de desafetação de bens imóveis do DPF para domínio privado da REFER Garantir o cumprimento da legislação em vigor (DL 276/2003) relativamente a todas as construções confinantes ou vizinhas do DPF de forma a: Acautelar que não haja invasão do DPF Garantir condições de segurança da infraestrutura e circulação ferroviária Permitir possíveis ampliações da infraestrutura ferroviária Fiscalização Denominador comum: LIMITE DO DOMÍNIO PÚBICO FERROVIÁRIO

5 Cadastro e SIG Missão Conhecer e manter atualizado o cadastro (terrenos e edifícios) do Domínio Público Ferroviário e do Domínio Privado da REFER. Mundo Real Rec. Humanos Hardware Software Sistema de Informação Geográfica + Gestão Documental Dados Gestão do Património Objetivos Inventariação cadastral Desenvolver e definir as ferramentas necessárias para a gestão integrada de todos os terrenos e edifícios. Desenvolver competências por forma a potenciar prestação de serviços ao nível da gestão patrimonial

6 Expropriações Missão Realizar todos os processos de expropriação necessários à concretização de novos investimentos ferroviários. Retificação Traçado Objetivos Melhorar a formação técnica dos colaboradores Suportar a atividade em ferramentas informáticas (tecnologia SAP e de informação geográfica) Minimizar custos nas indemnizações aos expropriados (por exemplo, análise rigorosa das áreas a expropriar)

7 Alienações e Concessões Missão Proceder à alienação de pequenas áreas de terreno confinantes com o DPF e conduzir todos os processos de desafetação de bens imóveis do DPF para domínio privado da REFER. Legislação Objetivos Aumentar as receitas da REFER Articular com todas as entidades envolvidas por forma a reduzir o tempo de publicação do despacho de desafetação Potenciar novas oportunidades de negócio Alienação

8 Licenciamentos Missão Garantir o cumprimento da legislação em vigor (DL 276/2003) relativamente a todas as construções confinantes ou vizinhas do DPF. Licenciamento Objetivos Atingir a meta dos 20 dias para o tempo de resposta (prazo legal da maioria das solicitações externas) Continuar com o trabalhos de organização do arquivo histórico (primeiras aquisições de terrenos para construção das linhas) Recuperar assuntos não concluídos que transitaram de anos anteriores

9 Limite do Domínio Público Ferroviário Autos de delimitação Alienações Aquisições/Expropriações Iniciais com mais de 150 anos Nos últimos 20 anos (muitas regularizações) Novos projetos expropriativos Plantas de Comissão

10 Autos de Delimitação Definem pontualmente o DPF Materializa um acordo sobre limite de propriedade entre REFER e seus confinantes

11 Dados do negócio e Informação geográfica Georreferenciação grosseira Consulta e atualização morosa Cruzamento de dados difícil Consolidar geometria com documentos aquisitivos Informação divergente para um mesmo local Volume de dados

12 SIG e Integração (mudança de paradigma) BD Edifícios REFER Google Earth Bessel-Bone Triangulação de Lisboa Datum 73 Lisboa Hayford-Gauss WGS84 Conversão para o sistema de referência ETRS89 PT -TM06

13 Cadastro: Problema vs. Solução? Problema: Não é possível gerir o património que não se conhece A dispersão e vastidão não permite o cadastro de todos os bens imóveis sem despender muitos recursos. A dinâmica própria do DPF requer atualização permanente O problema existe a nível nacional Como resolver? Formação adequada às necessidades para todos os técnicos envolvidos Estabelecer uma plataforma informática única e centralizada (centro de dados) capaz de alojar toda a informação geográfica patrimonial. Priorizar áreas a cadastrar que tenham maior potencial de retorno ou de acordo com as necessidades (sem hipotecar o dia a dia )

14 Identificar prioridades - Conhecer o Território Nos 10 Lugares com maior nº de habitantes existe apenas 2,7% da rede ferroviária Nacional, no entanto, neles residem 40% dos habitantes Linha de Sintra (Lisboa, Amadora, Agualva-Cacém e Algueirão-Mem Martins) com 17,5 km Linha do Norte atravessa 4 lugares do top-10 (Lisboa, Porto, Coimbra e Gaia) numa extensão total de 22 km Lisboa é o lugar com maior número de linhas (8) com extensão total de 43,5 km Cerca de localidades atravessadas por caminho-de-ferro, das quais 45% correspondem a Lugares com número de alojamentos residual

15 Funções do SIG no Património Identificar incoerências em parcelas expropriadas, alienadas ou concessionadas Visualizar e gerir informação relativa a protocolos, contratos, plantas, etc. Analisar a informação de uma forma mais expedita e apoiando a tomada de decisão Identificar áreas excedentes à operação ferroviária permitindo a rentabilização das mesmas Centralizar informação Inventariação o património existente Identificar zonas de ocupação ilegal Partilha de Informação pelo o Grupo

16 Valorização patrimonial Após o definição do DPF, torna-se possível identificar bens imóveis valorizáveis. Catálogo de edifícios, espaços e terrenos a valorizar: Concessão Alienação Publicação online do catálogo de património disponível Atitude proactiva vs. reativa, no que diz respeito à valorização patrimonial. Abertura ao investimento privado que valorize e preserve o património ferroviário. A valorização tem um forte impacto positivo na imagem da REFER e do setor ferroviário O inverso também é verdade

17 Alguns números Km de limite DPF 183 ha Concessões marcos de propriedade Edifícios georreferenciados (70%) parcelas (500 alienação)

18 Visualizadores FLEX Edição de Edifícios e Alienações Informação Cadastral

19 Ações Futuras Continuação do trabalho de inventariação cadastral Apostar na estruturação e centralização de informação em base de dados geográfica Organização e digitalização da documentação que se encontra dispersa em arquivos Formação de colaboradores de áreas não-geográficas Promover a disseminação e partilha de IG pelo Grupo REFER Colaboração com a DG Território no âmbito do SiNErGIC

20 Obrigado

Cadastro, Gestão e Manutenção do Património da REFER com recurso aos Sistemas de Informação Geográfica

Cadastro, Gestão e Manutenção do Património da REFER com recurso aos Sistemas de Informação Geográfica Cadastro, Gestão e Manutenção do Património da REFER com recurso aos Sistemas de Informação Geográfica 1. Introdução Ao longo de mais de 150 anos da existência do caminho de ferro em Portugal, foram muitos

Leia mais

A Importância e o Papel Central do SIG- Empresarial da EP na Gestão de Infraestruturas Rodoviárias

A Importância e o Papel Central do SIG- Empresarial da EP na Gestão de Infraestruturas Rodoviárias A Importância e o Papel Central do SIG- Empresarial da EP na Gestão de Infraestruturas Rodoviárias Rui Ribeiro e Luís Correia EP Gabinete de Sistemas de Informação Agenda Os Sistemas de Informação na EP

Leia mais

18 de novembro de 2015 Auditório Escola Profissional Gustave Eiffel

18 de novembro de 2015 Auditório Escola Profissional Gustave Eiffel 18 de novembro de 2015 Auditório Escola Profissional Gustave Eiffel Patrocínio Apoio Patrocinadores Globais APDSI A Rede Rodoferroviária da IP Partilhar o conhecimento para uma gestão mais eficiente Geocompetitivo

Leia mais

Sistema de Informação Geográfica da Ascendi

Sistema de Informação Geográfica da Ascendi Sistema de Informação Geográfica da Ascendi Eliana Carreira Eliana Carreira Direcção de Engenharia Agenda Ascendi Problemas e Metas Evolução do SIG Ascendi Arquitectura Software SIG Ascendi Principais

Leia mais

NOÇÕES DE GEOPROCESSAMENTO. Módulo 3

NOÇÕES DE GEOPROCESSAMENTO. Módulo 3 NOÇÕES DE GEOPROCESSAMENTO Módulo 3 Sistema Metropolitano de Informações Georreferenciadas MetroGeo Curso Noções de Geoprocessamento Módulo 3 Oscar Ricardo M. Schmeiske Programação Curso Noções de Geoprocessamento

Leia mais

Projeto: Implantação de Sistema Objetivo

Projeto: Implantação de Sistema Objetivo Projeto: Implantação de Sistema Objetivo Permitir ao aluno o contato com sistemas de informação gerenciais e com algumas fases de implantação de sistemas, como, análise do sistema, definição da matriz

Leia mais

11.253.503. 3.100.000 Contribuintes. São Paulo em Números 60.000 200.000. 70.000 Logradouros Públicos. 2.000.000 Lotes. Quadras.

11.253.503. 3.100.000 Contribuintes. São Paulo em Números 60.000 200.000. 70.000 Logradouros Públicos. 2.000.000 Lotes. Quadras. São Paulo em Números 3.100.000 Contribuintes 2.000.000 Lotes 25 Secretarias 1.530 km 2 Área Municipal 96 Distritos 31 Subprefeituras 34 Autarquias, Empresas e outros 11.253.503 Habitantes 60.000 Quadras

Leia mais

Sistema Informação Geográfico

Sistema Informação Geográfico Sistema Informação Geográfico Autoridade Tributária e Aduaneira Judas Gonçalves IT Project Manager Agenda Enquadramento; Sistema de Informação Geográfico da AT: - Base de Dados Geográfica Centralizada;

Leia mais

MANUAL DE APOIO. Processos de delimitação e de aprovação de Áreas de Reabilitação Urbana e de Operações de Reabilitação Urbana

MANUAL DE APOIO. Processos de delimitação e de aprovação de Áreas de Reabilitação Urbana e de Operações de Reabilitação Urbana MANUAL DE APOIO Processos de delimitação e de aprovação de Áreas de Reabilitação Urbana e de Operações de Reabilitação Urbana Abril de 2013 MANUAL DE APOIO Processos de delimitação e de aprovação de Áreas

Leia mais

Balanced Scorecard. Objectivos Estratégicos Actual Acumulado Anual

Balanced Scorecard. Objectivos Estratégicos Actual Acumulado Anual Balanced Scorecard Ano: 2012 Período: Dezembro Objectivos Estratégicos Actual Acumulado Anual Contribuir para o aumento da eficiência e eficácia da despesa pública 78,37% 121,27% 122,26% Criar as condições

Leia mais

Soluções em Sistemas de Informação para. Gestão Fundiária. Ministérios do Desenvolvimento Agrário e da Defesa INCRA SIPAM

Soluções em Sistemas de Informação para. Gestão Fundiária. Ministérios do Desenvolvimento Agrário e da Defesa INCRA SIPAM Soluções em Sistemas de Informação para Gestão Fundiária SIPAM INCRA Ministérios do Desenvolvimento Agrário e da Defesa Execução de Georreferenciamento Em 2009: Programa Terra Legal é criado; O serviço

Leia mais

Soluções em Sistemas de Informação para. Gestão Fundiária. Ministérios do Desenvolvimento Agrário e da Defesa INCRA SIPAM

Soluções em Sistemas de Informação para. Gestão Fundiária. Ministérios do Desenvolvimento Agrário e da Defesa INCRA SIPAM Soluções em Sistemas de Informação para Gestão Fundiária SIPAM INCRA Ministérios do Desenvolvimento Agrário e da Defesa Execução de Georreferenciamento Em 2009: Programa Terra Legal é criado; O serviço

Leia mais

Infraestrutura de Dados Espaciais na REFER. João Carlos Silva (REFER)

Infraestrutura de Dados Espaciais na REFER. João Carlos Silva (REFER) João Carlos Silva (REFER) João Carlos Silva REFER / REFER Telecom OpenGIS Standards / RNID AGENDA Caso de Sucesso Desafio inicial e a Solução Solução Tecnológica Factos e Números Componente Financeira

Leia mais

. ORegistro Imobiliário (PARA OS DADOS LEGAIS) e;. O Cadastro Imobiliário (PARA OS DADOS GEOMÉTRICOS).

. ORegistro Imobiliário (PARA OS DADOS LEGAIS) e;. O Cadastro Imobiliário (PARA OS DADOS GEOMÉTRICOS). A IMPORTÂNCIA DOS CONVÊNIOS COM OS CARTÓRIOS E A RECEITA FERAL PARA PURAÇÃO DOS DADOS DA CERTIDÃO DÍVIDA ATIVA. 1 INTRODUÇÃO O 1.1 A CIDA ARACAJU CAPITAL DO ESTADO SERGIPE /BRASIL POPULAÇÃO SERGIPE 1.939.426

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

Unidade orgânica/áreas de atividades. Inspetor- Geral. Subinspetor- Geral

Unidade orgânica/áreas de atividades. Inspetor- Geral. Subinspetor- Geral MODELO A MAPA DE PESSOAL 05 (Estrutura de mapa de pessoal - artigo 5º LVCR) Atribuições/Competências/Atividades Unidade orgânica/áreas de atividades Inspetor- Geral Subinspetor- Geral Diretor de Serviços

Leia mais

REGULAMENTO ORGÂNICO DOS SERVIÇOS DO ISA

REGULAMENTO ORGÂNICO DOS SERVIÇOS DO ISA Deliberação nº /2011 Considerando que, nos termos do nº 3 do artigo 12º dos Estatutos do Instituto Superior de Agronomia, compete ao Conselho de Gestão do Instituto Superior de Agronomia (ISA), aprovar,

Leia mais

MAPA DE PESSOAL (POSTOS DE TRABALHO)

MAPA DE PESSOAL (POSTOS DE TRABALHO) s CONSELHO DIRETIVO 1 1 2 Subtotal 1 1 0 0 0 0 0 0 0 2 Gestão Financeira, dos Recursos Humanos, da Documentação, do Património e da Informática e Comunicações DIRECÇÃO DE SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS

Leia mais

Conferência Sistemas de Informação Geográfica - Que Políticas, afinal?

Conferência Sistemas de Informação Geográfica - Que Políticas, afinal? Conferência Sistemas de Informação Geográfica - Que Políticas, afinal? Graciosa Delgado Judas Gonçalves 22 OUT 2014 CADASTRO PREDIAL E SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICO AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA

Leia mais

GPA O SIG NA GESTÃO E ACOMPANHAMENTO DA IMPLEMENTAÇÃO DE MEDIDAS DE MINIMIZAÇÃO NA VERTENTE DE PATRIMÓNIO CULTURAL

GPA O SIG NA GESTÃO E ACOMPANHAMENTO DA IMPLEMENTAÇÃO DE MEDIDAS DE MINIMIZAÇÃO NA VERTENTE DE PATRIMÓNIO CULTURAL GPA O SIG NA GESTÃO E ACOMPANHAMENTO DA IMPLEMENTAÇÃO DE MEDIDAS DE MINIMIZAÇÃO NA VERTENTE DE PATRIMÓNIO CULTURAL EDIA DUARTE CARREIRA EDIA, S.A. Miguel Martinho, Paulo Marques, Valdemar Canhão, Rui Carraça

Leia mais

Balanço das Medidas do Domínio de Valorização do Capital Humano e Gestão de Apoio à Segurança Social

Balanço das Medidas do Domínio de Valorização do Capital Humano e Gestão de Apoio à Segurança Social Balanço das do Domínio de Valorização do Capital Humano e Gestão de Apoio à Segurança Social Dr. Hugo Brás ENAD. 31 de Agosto de 2015 AGENDA Academia INSS Transferência de Conhecimento Apoio Operacional

Leia mais

Medida Provisória nº 691/2015

Medida Provisória nº 691/2015 Medida Provisória nº 691/2015 Brasília, Setembro/2015 AUDIÊNCIA PÚBLICA SENADO GESTÃO DE IMÓVEIS DA UNIÃO APERFEIÇOAMENTO DO MARCO LEGAL- MP 691/2015 Alienação de terrenos em áreas urbanas consolidadas

Leia mais

Serviços de Informática Lógica de Serviços Partilhados de Sistemas e Tecnologias de Informação

Serviços de Informática Lógica de Serviços Partilhados de Sistemas e Tecnologias de Informação Lógica de Serviços Partilhados de Sistemas e Tecnologias de Informação 05-03-2015 1 Sumário: Missão dos Serviços de Informática da UAlg Atribuições dos Serviços de Informática Estrutura dos Serviços de

Leia mais

O USO DO SIG NA ADMINISTRAÇÃO E AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS DA COMPANHIA IMOBILIÁRIA DE BRASÍLIA TERRACAP

O USO DO SIG NA ADMINISTRAÇÃO E AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS DA COMPANHIA IMOBILIÁRIA DE BRASÍLIA TERRACAP O USO DO SIG NA ADMINISTRAÇÃO E AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS DA COMPANHIA IMOBILIÁRIA DE BRASÍLIA TERRACAP Thais Borges Sanches Lima e Bruno Tamm Rabello Setembro/2012 Introdução 1. Experiência de um grupo de

Leia mais

Informação Geográfica (SIG) Inês Pinto Instituto de Investigação Cientifica Tropical

Informação Geográfica (SIG) Inês Pinto Instituto de Investigação Cientifica Tropical Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica (SIG) Inês Pinto Instituto de Investigação Cientifica Tropical DEFINIÇÃO DE SIG As definições são condicionadas pelo ambiente em que surgem e pela realidade

Leia mais

Plataforma SIG da EDIA: um sistema misto. 2º Encontro de Utilizadores QGIS Portugal. Duarte Carreira. 2 de Junho, 2014 - Coimbra

Plataforma SIG da EDIA: um sistema misto. 2º Encontro de Utilizadores QGIS Portugal. Duarte Carreira. 2 de Junho, 2014 - Coimbra 2º Encontro de Utilizadores QGIS Portugal Plataforma SIG da EDIA: um sistema misto Duarte Carreira 2 de Junho, 2014 - Coimbra Agenda EDIA Plataforma SIG Desafios Soluções escolhidas Notas técnicas Reflexões

Leia mais

Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR. Ano de 2010

Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR. Ano de 2010 Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR Cargo/Carreira/Categoria Área de formação académica e/ou profissional Nº PT/Área Formação Número de postos de trabalho Observações

Leia mais

Panorama do Sistema de Automação Topográfica - POSIÇÃO

Panorama do Sistema de Automação Topográfica - POSIÇÃO Panorama do Sistema de Automação Topográfica - POSIÇÃO MundoGEO#Connect LatinAmerica 2013 18 a 20 de Junho São Paulo Brasil Apresentado por: Danilo Sidnei dos Santos Gerente e Desenvolvedor do Posição

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 8.2 - NOTAS AO BALANÇO E A DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 Indicação e justificação das disposições do POCAL que, em casos excecionais, devidamente fundamentados e sem

Leia mais

Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR. Ano de 2011

Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR. Ano de 2011 Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR Cargo/Carreira/Categoria Área de formação académica e/ou profissional Nº PT/Área Formação Número de postos de trabalho Observações

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE PROGRAMAS DE GESTÃO DE DOCUMENTOS NO ÓRGÃOS E ENTIDADES INTEGRANTES DO SIGA

A IMPORTÂNCIA DE PROGRAMAS DE GESTÃO DE DOCUMENTOS NO ÓRGÃOS E ENTIDADES INTEGRANTES DO SIGA V ENCONTRO TÉCNICOS DOS INTEGRANTES DO SISTEMA DE GESTÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO SIGA, DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL V SEMINÁRIO A GESTÃO DE DOCUMENTOS ARQUIVÍSTICOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL

Leia mais

sistematizar e otimizar todos os processos de patrimoniação

sistematizar e otimizar todos os processos de patrimoniação A plataforma FAMS melhora ou substitui as funcionalidades da gestão patrimonial dos ERP mais implementados no mercado, integrando-se facilmente com eles através de processos automatizados. Sistema WebBased,

Leia mais

Investir em Moçambique Aspectos jurídicos do Investimento Imobiliário. Manuel Camarate de Campos

Investir em Moçambique Aspectos jurídicos do Investimento Imobiliário. Manuel Camarate de Campos Manuel Camarate de Campos logo_rsalp Investir em Moçambique Coimbra, 3 de Novembro de 2014 Investimento imobiliário? Habitação (condomínios, moradias, habitação social) Centros comerciais/retail Parks

Leia mais

Tarefas Geográficas. uma solução para atualização cartográfica num município. Alexandrina Meneses Engª Geógrafa

Tarefas Geográficas. uma solução para atualização cartográfica num município. Alexandrina Meneses Engª Geógrafa Tarefas Geográficas uma solução para atualização cartográfica num município Alexandrina Meneses Engª Geógrafa SUMÁRIO 1. GABINETE DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA 2. TAREFAS GEOGRÁFICAS 3. CONCLUSÕES 1. GABINETE

Leia mais

ESTATUTOS DOS SERVIÇOS DE AÇÃO SOCIAL DA UNIVERSIDADE DE LISBOA

ESTATUTOS DOS SERVIÇOS DE AÇÃO SOCIAL DA UNIVERSIDADE DE LISBOA ESTATUTOS DOS SERVIÇOS DE AÇÃO SOCIAL DA UNIVERSIDADE DE LISBOA Artigo 1.º Natureza Os Serviços de Ação Social da Universidade de Lisboa, adiante designados por SASULisboa, são uma pessoa coletiva de direito

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE LAGOA SANTA. Gabinete do Prefeito

PREFEITURA MUNICIPAL DE LAGOA SANTA. Gabinete do Prefeito CADASTRO MOBILIÁRIO MUNICIPAL DIGITAL PRODUZIDO A PARTIR DE AEROFOTOS DO VETOR NORTE DA RMBH Projeto submetido ao Edital de Chamamento Público n. 01/2012 do Conselho Deliberativo de Desenvolvimento Metropolitano

Leia mais

18 de novembro de 2015 Auditório Escola Profissional Gustave Eiffel

18 de novembro de 2015 Auditório Escola Profissional Gustave Eiffel 18 de novembro de 2015 Auditório Escola Profissional Gustave Eiffel Patrocínio Apoio Patrocinadores Globais APDSI Apresentação Geocompetitivo 2015 Novembro 2015 Apresentação Evolução do da NOS do estão

Leia mais

Regulamento de Inventário e Cadastro do Património

Regulamento de Inventário e Cadastro do Património Regulamento de Inventário e Cadastro do Património União das Freguesias de Benavila e Valongo Rua 25 de Abril, 35 7480-226 BENAVILA NIF 510 835 084 Telefones: 242 434 251 / 242 434 231 Fax: 242 434 242

Leia mais

FAQ Sistema de Informação do Licenciamento de Operações de Gestão de Resíduos (SILOGR)

FAQ Sistema de Informação do Licenciamento de Operações de Gestão de Resíduos (SILOGR) FAQ Sistema de Informação do Licenciamento de Operações de Gestão de Resíduos (SILOGR) 1. O que é o SILOGR?... 2 2. O que mudou no novo SILOGR?... 2 3. Como posso pesquisar no SILOGR os estabelecimentos

Leia mais

MRS LOGÍSTICA S.A. EXERCÍCIO DE 2012

MRS LOGÍSTICA S.A. EXERCÍCIO DE 2012 MRS LOGÍSTICA S.A. 4ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2012 Rio de Janeiro, 30 de Abril, 2013. Prezados Senhores Debenturistas, Na qualidade de Agente Fiduciário

Leia mais

Diretiva INSPIRE CONTRIBUTOS PARA O SISTEMA DE MONITORIZAÇÃO TERRITORIAL NA REGIÃO NORTE BRAGA 26 DE NOVEMBRO DE 2015

Diretiva INSPIRE CONTRIBUTOS PARA O SISTEMA DE MONITORIZAÇÃO TERRITORIAL NA REGIÃO NORTE BRAGA 26 DE NOVEMBRO DE 2015 Diretiva INSPIRE CONTRIBUTOS PARA O SISTEMA DE MONITORIZAÇÃO TERRITORIAL NA REGIÃO NORTE BRAGA 26 DE NOVEMBRO DE 2015 As fontes As fontes SOLO URBANO SOLO RURAL R F C N PU / PP INFRAESTRUTURAIS ACOLHIMENTO

Leia mais

Eng.º José Pinto Leite

Eng.º José Pinto Leite Dia 27 de Maio Investimento e sustentabilidade Eng.º José Pinto Leite Programa Polis Congresso LIDER A 09 Sustentabilidade e o POLIS José Manuel Pinto Leite IST 27/05/2009 1 Sustentabilidade e o POLIS

Leia mais

DECRETO Nº 7.929, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2013

DECRETO Nº 7.929, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2013 CÂMARA DOS DEPUTADOS Centro de Documentação e Informação DECRETO Nº 7.929, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2013 Regulamenta a Lei nº 11.483, de 31 de maio de 2007, no que se refere à avaliação da vocação logística

Leia mais

VETORIZAÇÃO DO CADASTRO GEOMÉTRICO DA PROPRIEDADE RÚSTICA DO CONCELHO DE ALJUSTREL

VETORIZAÇÃO DO CADASTRO GEOMÉTRICO DA PROPRIEDADE RÚSTICA DO CONCELHO DE ALJUSTREL VETORIZAÇÃO DO CADASTRO GEOMÉTRICO DA PROPRIEDADE RÚSTICA DO CONCELHO DE ALJUSTREL Lisboa, Setembro 2015 Inês Guerreiro Sara Santos - CM Aljustrel OBJETIVOS Converter para formato vetorial, o cadastro

Leia mais

SIG VOLTADO PARA A FISCALIZAÇÃO DA ATIVIDADE PROFISSIONAL DE ARQUITETO E URBANISTA

SIG VOLTADO PARA A FISCALIZAÇÃO DA ATIVIDADE PROFISSIONAL DE ARQUITETO E URBANISTA www.caubr.gov.br SIG VOLTADO PARA A FISCALIZAÇÃO DA ATIVIDADE PROFISSIONAL DE ARQUITETO E URBANISTA Máximo Miqueles Coordenador de Geotecnologia CAU/BR São Paulo, SP 07 de maio de 2014 SISTEMA IGEO OBJETIVO

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

Através de projectos estruturantes, 1. construir as referências da modernidade dos países e das regiões, 2. criar redes sólidas de suporte ao

Através de projectos estruturantes, 1. construir as referências da modernidade dos países e das regiões, 2. criar redes sólidas de suporte ao Desenvolvimento Através de projectos estruturantes, 1. construir as referências da modernidade dos países e das regiões, 2. criar redes sólidas de suporte ao desenvolvimento económico, 3. mobilizar os

Leia mais

01. Câmara Municipal. 02. Secretaria Municipal de Governo. 03. Gabinete do Vice-Prefeito. 04. Procuradoria Geral do Município

01. Câmara Municipal. 02. Secretaria Municipal de Governo. 03. Gabinete do Vice-Prefeito. 04. Procuradoria Geral do Município Estrutura Administrativa e Principais 01. Câmara Municipal - Lei Orgânica do Município de Teresina, de 05 de abril de 1991. - Votar o Orçamento Anual e o Plano Plurianual, bem como autorizar abertura de

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE ALENQUER (nos termos da Lei n.º 12-A/2008, de 27 de Fevereiro)

CÂMARA MUNICIPAL DE ALENQUER (nos termos da Lei n.º 12-A/2008, de 27 de Fevereiro) Mapa Resumo dos postos de por cargo/carreira/categoria CARGO/CATEGORIAS/CARREIRAS A criar TOTAL Obs. Diretor de departamento 2 2 Chefe de divisão 6 6 Direção intermédia 3.º grau 2 2 Comandante Operacional

Leia mais

Programa de Estudos e Pesquisas 2009

Programa de Estudos e Pesquisas 2009 Programa de Estudos e Pesquisas 2009 DIRETORIA DE ESTUDOS E PESQUISAS Ana Paula Vitali Janes Vescovi Rodrigo Lorena Redirecionamento Estratégico IJSN Missão "Prover conhecimento social, econômico e territorial

Leia mais

Planejamento Urbano e a Dinâmica da Cidade. Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Secretaria de Urbanismo - SMU

Planejamento Urbano e a Dinâmica da Cidade. Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Secretaria de Urbanismo - SMU Planejamento Urbano e a Dinâmica da Cidade Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Secretaria de Urbanismo - SMU Dinâmica do Licenciamento Evolução da Área Licenciada 1980-2011 5,3 mil Evolução da Área

Leia mais

Reabilitação Urbana Sustentabilidade Caso Coimbra

Reabilitação Urbana Sustentabilidade Caso Coimbra Reabilitação Urbana Sustentabilidade Caso Coimbra Sustentabilidade (visões): -Económica -Ambiental -Social Reabilitação Urbana (Dec.-Lei nº307/2009): Intervenção integrada sobre o tecido urbano existente,

Leia mais

LEI DOS INSTRUMENTOS

LEI DOS INSTRUMENTOS LEI DOS INSTRUMENTOS LEI Nº 2.333 DE 06 DE OUTUBRO DE 2006 Dispõe sobre os Instrumentos de Política Urbana no Município de Itápolis. MAJOR AVIADOR MOACYR ZITELLI, Prefeito do Município de Itápolis, Estado

Leia mais

Relatório de Inventário & Cadastro Patrimonial

Relatório de Inventário & Cadastro Patrimonial Relatório de Inventário & Cadastro Patrimonial Exercício 2 0 1 3 Uma adequada gestão do património municipal é o ponto de partida para que de forma clara se providencie e planeie, sustentadamente, as atividades

Leia mais

Entidade Visada: ANACOM Autoridade Nacional de Comunicações; PT Comunicações, S.A.; EDP Distribuição de Energia, S.A.

Entidade Visada: ANACOM Autoridade Nacional de Comunicações; PT Comunicações, S.A.; EDP Distribuição de Energia, S.A. Processo: R-36/04 Entidade Visada: ANACOM Autoridade Nacional de Comunicações; PT Comunicações, S.A.; EDP Distribuição de Energia, S.A. Assunto: Ordenamento do território servidões administrativas propriedade

Leia mais

IMPACTOS NO MAPEAMENTO CADASTRAL

IMPACTOS NO MAPEAMENTO CADASTRAL IMPACTOS NO MAPEAMENTO CADASTRAL PMSP Prefeitura do Município de São Paulo SIURB Secretaria da Infra-Estrutura Urbana CONVIAS Departamento de Controle de Uso de Vias Públicas CONVIAS 3 - Divisão de Topografia

Leia mais

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais Secretaria Nacional de Programas Urbanos CONCEITOS Área Urbana Central Bairro ou um conjunto de bairros consolidados com significativo acervo edificado

Leia mais

Uma rede que nos une

Uma rede que nos une Uma rede que nos une Uma rede que nos une O IMTT - Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres, I.P. é um organismo da Administração Central, dotado de autonomia administrativa e financeira,

Leia mais

Coren-MG - Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão Modelos de Soluções

Coren-MG - Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão Modelos de Soluções Coren-MG - Tecnologia da Informação Sistema Integrado de Gestão Modelos de Soluções Infraestrutura Projeto Inicial de Infraestrutura Formação de equipe de TI interna; Estruturação de Datacenter; Redução

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO À DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE RESERVA LEGAL

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO À DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE RESERVA LEGAL À DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE RESERVA LEGAL Documentação prevista na Lei Federal 12.51 de 25 de maio de 2012: 1 - identificação do proprietário ou possuidor rural; 2 - comprovação

Leia mais

MÓDULO IV - Gestão social da valorização imobiliária para a inclusão territorial

MÓDULO IV - Gestão social da valorização imobiliária para a inclusão territorial MÓDULO IV - Gestão social da valorização imobiliária para a inclusão territorial Produção social da valorização imobiliária A valorização imobiliária é definida por: Distribuição de investimentos públicos

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Sustentável da Unidade Familiar. 9 de agosto de 2011

Plano de Desenvolvimento Sustentável da Unidade Familiar. 9 de agosto de 2011 Plano de Desenvolvimento Sustentável da Unidade Familiar 9 de agosto de 2011 Agricultura familiar é a forma de produção em que predominam: interação entre gestão, trabalho e direção do processo produtivo;

Leia mais

PROTEKTO ACTFAST. Soluções para Segurança Pública. Porque todos os segundos contam

PROTEKTO ACTFAST. Soluções para Segurança Pública. Porque todos os segundos contam PROTEKTO Porque todos os segundos contam Soluções para Segurança Pública A resposta às ocorrências no âmbito da segurança pública, têm de ser imediatas, eficientes e eficazes. Cada resposta operacional,

Leia mais

ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL

ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL 1 SUMÁRIO DIAGNÓSTICO GERAL...3 1. PREMISSAS...3 2. CHECKLIST...4 3. ITENS NÃO PREVISTOS NO MODELO DE REFERÊNCIA...11 4. GLOSSÁRIO...13 2 DIAGNÓSTICO GERAL Este diagnóstico é

Leia mais

COMPATIBILIZANDO CADASTROS

COMPATIBILIZANDO CADASTROS COMPATIBILIZANDO CADASTROS EM PROJETO SIG Cristiane Vaz Domingues cristiane.vaz@uol.com.br FOTOGRAFIA Hoje nas instituiçõesições públicas existem: informações repetidas e/ou complementares distribuídas

Leia mais

Contributos para a. geográfica em Portugal. Rui Pedro Julião Subdirector-Geral rpj@igeo.pt

Contributos para a. geográfica em Portugal. Rui Pedro Julião Subdirector-Geral rpj@igeo.pt Contributos para a reutilização da informação geográfica em Portugal Rui Pedro Julião Subdirector-Geral rpj@igeo.pt Tópicos Enquadramento Bases para a reutilização da informação geográfica Próximos passos

Leia mais

Administração Pública Eletrónica 2014 - O Que Falta Fazer?

Administração Pública Eletrónica 2014 - O Que Falta Fazer? Administração Pública Eletrónica 2014 - O Que Falta Fazer? 4 de junho de 2014 Auditório Adriano Moreira ISCSP PATRCINADORES PRATA Com a Colaboração Científica Patrocinadores Globais APDSI Da Interoperabilidade

Leia mais

ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA

ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA INTRODUÇÃO O projeto de um banco de dados é realizado sob um processo sistemático denominado metodologia de projeto. O processo do

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VIANA ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Gabinete do Prefeito DECRETO Nº 286/2014

PREFEITURA MUNICIPAL DE VIANA ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Gabinete do Prefeito DECRETO Nº 286/2014 DECRETO Nº 286/2014 Dispõe sobre o recadastramento imobiliário do município de Viana. O PREFEITO MUNICIPAL, Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais que lhe conferem a Lei Orgânica do

Leia mais

O Projecto de Alta Velocidade em Portugal. Lisboa, 17 de Novembro de 2008

O Projecto de Alta Velocidade em Portugal. Lisboa, 17 de Novembro de 2008 O Projecto de Alta Velocidade em Portugal Lisboa, 17 de Novembro de 2008 Sinopse Histórica Sinopse Histórica Dez/2000 Criação da RAVE Jan/2001 Criação do AVEP Jun/2002 Início dos Estudos de Viabilidade

Leia mais

FREGUESIA DE ARRUDA DOS VINHOS

FREGUESIA DE ARRUDA DOS VINHOS FREGUESIA DE ARRUDA DOS VINHOS lano de Activida e es Orçamento PPI 2012 À INTRODUCÃO Para cumprimento do disposto na alínea a) do n 2 do artigo 34 da lei n 169/99 de 18 de Setembro, na redacção que lhe

Leia mais

DECRETO ESTADUAL nº 52.052, de 13 de agosto de 2007

DECRETO ESTADUAL nº 52.052, de 13 de agosto de 2007 2009 DECRETO ESTADUAL nº 52.052, de 13 de agosto de 2007 Institui, no âmbito da Secretaria de Estado da Habitação Programa Estadual de Regularização de Núcleos Habitacionais Cidade Legal Comitê de Regularização

Leia mais

LEI Nº 3.921, de 25 de novembro de 2014

LEI Nº 3.921, de 25 de novembro de 2014 1 LEI Nº 3.921, de 25 de novembro de 2014 Autoriza o Poder Executivo Municipal a contratar financiamento do PMAT Programa de Modernização da Tributária e da Gestão dos Setores Sociais Básicos, do BNDES,

Leia mais

SIG do Município de Oeiras: um instrumento para a gestão Municipal. ORADOR 1 Maria João Bessa (CM de Oeiras) ORADOR 2 João Melo (Municípia, S.A.

SIG do Município de Oeiras: um instrumento para a gestão Municipal. ORADOR 1 Maria João Bessa (CM de Oeiras) ORADOR 2 João Melo (Municípia, S.A. SIG do Município de Oeiras: um instrumento para a gestão Municipal ORADOR 1 Maria João Bessa (CM de Oeiras) ORADOR 2 João Melo (Municípia, S.A.) Maria João Bessa Câmara Municipal de Oeiras SIG do Município

Leia mais

Projectar o Algarve no Futuro

Projectar o Algarve no Futuro Projectar o Algarve no Futuro Os Novos Desafios do Algarve Região Digital paulo.bernardo@globalgarve.pt 25 Maio 2007 Auditório Portimão Arena Um mundo em profunda mudança O Mundo enfrenta hoje um processo

Leia mais

Operacionalizar a Reabilitação Urbana Rui Moreira - Porto Vivo, SRU. 1 Porto Vivo, SRU, 2011

Operacionalizar a Reabilitação Urbana Rui Moreira - Porto Vivo, SRU. 1 Porto Vivo, SRU, 2011 Operacionalizar a Reabilitação Urbana Rui Moreira - Porto Vivo, SRU Conferência Promover a Reabilitação Urbana Regenerar as Cidades, Dinamizar o País A Cidade enquanto motor da coesão social, da inovação,

Leia mais

Modelo de Referência. Plano Diretor de Tecnologia da Informação PDTI 2010

Modelo de Referência. Plano Diretor de Tecnologia da Informação PDTI 2010 Modelo de Referência Plano Diretor de Tecnologia da Informação PDTI 2010 Versão 1.0 Premissas do modelo 1. Este modelo foi extraído do material didático do curso Elaboração do Plano Diretor de Tecnologia

Leia mais

QUERES SER VOLUNTÁRIO(A) NO GEOTA?

QUERES SER VOLUNTÁRIO(A) NO GEOTA? INVENTARIAÇÃO DE POPULAÇÕES DE AVIFAUNA DA RESERVA NATURAL LOCAL DO PAUL DE TORNADA - Quais os objetivos da tarefa? Manter, incrementar e divulgar os valores naturais da Reserva Natural Local do Paul de

Leia mais

INICIATIVA JESSICA. Fundo de Desenvolvimento Urbano Turismo. Faro, 22 de maio de 2013

INICIATIVA JESSICA. Fundo de Desenvolvimento Urbano Turismo. Faro, 22 de maio de 2013 INICIATIVA JESSICA Fundo de Desenvolvimento Urbano Turismo Faro, 22 de maio de 2013 O Turismo na economia Peso no PIB Peso no Emprego Peso nas Exportações Peso dos Mercados O Turismo e a Regeneração Urbana

Leia mais

Tencologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: WEB I Conteúdo: Arquitetura de Software Aula 03

Tencologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: WEB I Conteúdo: Arquitetura de Software Aula 03 Tencologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: WEB I Conteúdo: Arquitetura de Software Aula 03 Agenda 1. Arquitetura de Software 1.1.Introdução 1.2.Vantagens da Arquitetura de Software

Leia mais

Apresentação PostgreSQL 8.2/ 8.3 Domingos Martins ES

Apresentação PostgreSQL 8.2/ 8.3 Domingos Martins ES Apresentação 1 PostgreSQL 8.2/ 8.3 Domingos Martins ES v. 1.0 2 Introdução ão: Com a necessidade de manter os bens o maior tempo possível em uso, torna-se importante um acompanhamento eficiente de sua

Leia mais

FIXED ASSETS MANAGEMENT SYSTEM

FIXED ASSETS MANAGEMENT SYSTEM FIXED ASSETS MANAGEMENT SYSTEM FAMS Newsletter 2015 Gestão online do património O FAMS permite sistematizar e otimizar todos os processos de patrimoniação de bens móveis e imóveis acompanhando todo o seu

Leia mais

MANUAL DE GARANTIAS 1

MANUAL DE GARANTIAS 1 MANUAL DE GARANTIAS 1 Para a obtenção do financiamento junto à FINEP deverão ser apresentadas Garantias Reais e Pessoais cumulativamente, exceto em caso de garantia por fiança bancária e demais casos de

Leia mais

Avenida Presidente Wilson, 231 11 andar 20030-905 Rio de Janeiro- RJ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL

Avenida Presidente Wilson, 231 11 andar 20030-905 Rio de Janeiro- RJ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL MARÇO, 2015 ÍNDICE OBJETIVO 3 ESCOPO 3 DEFINIÇÕES Risco Inerente 4 DEFINIÇÕES Risco Operacional 4 DEFINIÇÕES Evento de Risco Operacional 4 FUNÇÕES E RESPONSABILIDADES

Leia mais

Apresentações do evento GGP 2013

Apresentações do evento GGP 2013 Apresentações do evento GGP 2013 Acesse outras apresentações e vídeos das palestras no site: http://www.ggp.uerj.br Processos GIS: Benefícios e Progressos para a Gestão José Augusto da Silva Machado Gerente

Leia mais

Francisco Henrique de Oliveira

Francisco Henrique de Oliveira Programa de apoio aos municípios em tributação imobiliária Cartografia Geral e o Mapeamento Urbano Francisco Henrique de Oliveira Imagem obtida do Google Earth 01/08/08 Imagem obtida do Google Earth 01/08/08

Leia mais

Planejamento de cidades inteligentes: ganhando força através da colaboração NITERÓI

Planejamento de cidades inteligentes: ganhando força através da colaboração NITERÓI Planejamento de cidades inteligentes: ganhando força através da colaboração NITERÓI CIDADES INTELIGENTES Conceito ganhou impulso nos últimos 5 anos Uma nova economia: (Fonte: Pyke Research) mercado de

Leia mais

CARGOS E FUNÇÕES APEAM

CARGOS E FUNÇÕES APEAM CARGOS E FUNÇÕES APEAM 1. PRESIDÊNCIA A Presidência possui por finalidades a representação oficial e legal da associação, coordenação e integração da Diretoria Executiva, e o acompanhamento, avaliação,

Leia mais

O nosso ADN Quem Somos Somos um instituto público integrado na administração indireta do Estado, dotado de autonomia administrativa e financeira e património próprio, com intervenção sobre todo o território

Leia mais

O que faz nossa empresa crescer são as nossas atitudes. - Conhecer nossos clientes e o mercado para suportar as ações comerciais;

O que faz nossa empresa crescer são as nossas atitudes. - Conhecer nossos clientes e o mercado para suportar as ações comerciais; O que faz nossa empresa crescer são as nossas atitudes. Ser a melhor - Superar as metas de novos negócios; - Ampliar nossos clientes; - Conhecer nossos clientes e o mercado para suportar as ações comerciais;

Leia mais

história sucesso Otimização do controle e seguimento do faturamento mediante uma única plataforma integradora

história sucesso Otimização do controle e seguimento do faturamento mediante uma única plataforma integradora história sucesso de Otimização do controle e seguimento do faturamento mediante uma única plataforma integradora sumário executivo Empresa SAICA Setor Papel Produtos e Serviços Fabricação, comercialização,

Leia mais

MUNICÍPIO DO PORTO SANTO

MUNICÍPIO DO PORTO SANTO MUNICÍPIO DO PORTO SANTO Ponto 8 do POCAL ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS As notas apresenta neste documento correspondem à numeração no POCAL. Aquelas cuja numeração se omite, não são aplicáveis ao

Leia mais

REGULAMENTO DO CENTRO DE CONGRESSOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA

REGULAMENTO DO CENTRO DE CONGRESSOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA REGULAMENTO DO CENTRO DE CONGRESSOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA Aprovado pelo Presidente do ISEL a NOTA INTRODUTÓRIA Criado a 19 de Setembro de 2006 e tendo iniciado as suas funções a

Leia mais

Art. 1º Aprovar a Diretriz de Implantação do Sistema de Protocolo Eletrônico de Documentos (SPED) no âmbito do Exército Brasileiro.

Art. 1º Aprovar a Diretriz de Implantação do Sistema de Protocolo Eletrônico de Documentos (SPED) no âmbito do Exército Brasileiro. PORTARIA Nº 002-EME, DE 17 DE JANEIRO DE 2012. Aprova a Diretriz de Implantação do Sistema de Protocolo Eletrônico de Documentos (SPED) no âmbito do Exército Brasileiro. O CHEFE DO ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO,

Leia mais

EIXO TEMÁTICO Transporte Ferroviário de Cargas. Chefe do Projeto: Fábio Coelho Barbosa

EIXO TEMÁTICO Transporte Ferroviário de Cargas. Chefe do Projeto: Fábio Coelho Barbosa EIXO TEMÁTICO Transporte Ferroviário de Cargas Chefe do Projeto: Fábio Coelho Barbosa EIXO TEMÁTICO - Transporte Ferroviário de Cargas Pactuação e Repactuação de Metas por Trecho Pactuação e Repactuação

Leia mais

O Arquivo de Ciência e Tecnologia

O Arquivo de Ciência e Tecnologia Encontro Arquivos Científicos 3 e 4 de julho de 2014 FCSH, Lisboa O Arquivo de Ciência e Tecnologia Paula Meireles Madalena Ribeiro O Arquivo de Ciência e Tecnologia 1. Projeto de tratamento e divulgação

Leia mais

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida Apresentação Institucional Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida A empresa que evolui para o seu crescimento A VCN Virtual Communication Network, é uma integradora de Soluções Convergentes

Leia mais

Documento de Visão Sistema de Arrecadação de IPTU - SAI

Documento de Visão Sistema de Arrecadação de IPTU - SAI Sistema de Arrecadação de IPTU - SAI Versão 1.1R01 Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor (es) 12/08/2008 1.0 Documento inicial Márcio Roehe 26/08/2008 1.1 Revisão Ajustes e complementação Roberto

Leia mais

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010 CÂMARA MUNICIPAL DE SANTARÉM - R EVOLUÇÃO ADMINISTRATIVA A Autarquia de Santarém, em parceria com a PT Prime, desenvolveu um sistema de soluções integradas e inter-operantes que lhe possibilitaram operacionalizar

Leia mais

Um Novo Modelo de Financiamento dos Transportes Públicos em Portugal

Um Novo Modelo de Financiamento dos Transportes Públicos em Portugal 1 Um Novo Modelo de Financiamento dos Transportes Públicos em Portugal 2 Situação Actual (diagnóstico) 3 Situação Actual (diagnóstico) o actual modelo de financiamento dos transportes Públicos em Portugal

Leia mais