A Reconversão da Faixa de Protecção das Linhas de Transporte de Energia da RNT

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Reconversão da Faixa de Protecção das Linhas de Transporte de Energia da RNT"

Transcrição

1 A Reconversão da Faixa de Protecção das Linhas de Transporte de Energia da RNT

2 Servidão Administrativa

3 A servidão administrativa é um encargo imposto por disposição de lei sobre um determinado prédio em proveito da utilidade pública de uma coisa. A legislação em vigor impõe aos proprietários, com algumas restrições, o dever de suportar a servidão de passagem das linhas, mediante justa indemnização dos prejuízos causados.

4 No caso das servidões das linhas eléctricas os proprietários dos terrenos onde se acham estabelecidas linhas são obrigados a não consentir nem conservar neles plantações que possam prejudicar aquelas linhas na sua exploração.

5 FaixadeProtecçãodaslinhasdaRNT

6 On.º3doartigo28ºdoDR1/92,de18deFevereiro, estabelece que com vista a garantir a segurança de exploração das linhas a zona de protecção terá uma largura máxima de 45 metros, limitada por duas rectas paralelas distanciadas 22,5 metros do eixo do traçado, onde se pode cortar ou decotar as árvores necessárias para garantir a distância mínima de segurança.

7

8 Áreas dos usos do solo na faixa de protecção às linhas da RNT, são aproximadamente: N.º total km ÁREA (ha) de linha % Linhas MAT , ,5 100,00% Floresta , ,5 38,82% Matos 8.213, ,2 21,63% Águas Interiores 689,2 153,1 1,81% Agricultura , ,4 32,89% Outros usos 1.841,9 409,3 4,85% Nota: tendo por base o Inventário Florestal Nacional IFN5( )

9 Áreas dos povoamentos florestais por espécie de árvores dominantes e tipo de ocupação florestal na faixa de protecção àslinhasdarnt: Nota: tendo por base o Inventário Florestal Nacional IFN5( ) N.º total km ÁREA (ha) de linha % Linhas MAT , ,5 100,0% Pinheiro-bravo ,4 25,6% Eucalipto ,6 21,4% Sobreiro ,2 20,7% Azinheira ,1 11,9% Carvalhos ,1 4,3% Pinheiro-manso ,5 3,8% Castanheiro ,4 0,9% Acácias 17 3,9 0,1% Outras folhosas ,0 2,4% Outras resinosas ,8 0,7% Áreas ardidas ,2 2,9% Áreas de corte raso ,5 1,0% Outras áreas arborizadas ,6 4,3%

10 Redes de Faixa de Gestão de Combustível

11 Com a entrada em vigor do DL n.º 124/2006, de 28 de Junho (republicadopelodln.º17/2009,de14 de Janeiro), são criadas as Redes de Defesa da Floresta Contra Incêndios, as quais concretizam territorialmente, de forma coordenada, a infra-estruturação dos espaços rurais decorrente da estratégia do planeamento de defesa da floresta contra incêndios.

12 As faixas de gestão de combustível são constituídas por redes primárias, secundárias e terciárias, sendo que as secundárias desenvolvem-se também sobre as linhas de transporte e distribuição de energia eléctrica.

13 O mesmo diploma legal prevê a obrigatoriedade, por parte da entidade responsável pela sua exploração, de gerir o combustível numa faixa correspondente à projecção vertical dos cabos condutores exteriores acrescidos de uma faixa de largura não inferior a 10 metros para cada um dos lados ao longo das linhas de transporte e de distribuição de energia eléctrica em alta e muito alta tensão.

14 A gestão de combustível engloba: Abate de árvores de forma a manter a distância entre as copasdasárvoresnomínimode4metros. Desramaçãodasárvoresem50%daalturadaárvoresatéque esta atinja os 8 metros, altura a partir da qual a desramação devealcançarnomínimo4macimadosolo. Limpezas de matos, de forma a que o fitovolume total não exceda2.000m 3 /ha.

15 Reconversão da Faixa de Protecção

16 A instalação e manutenção de linhas eléctricas integradas em áreas florestais revestem-se de particular importância, obrigando a grandes cuidados. A acumulação de combustíveis, a falta de adaptação das espécies à estação, as densidades elevadas, a monocultura de espécies e muitos outros factores, associados à presença de linhas eléctricas, incrementam exponencialmente o risco de acidente.

17 A reconversão da faixa de protecção de uma linha consiste alteração da ocupação das espécies florestais existentes, através da eliminação dos cepos das árvores abatidas e na consequente rearborização com espécies que permitam cumprir as distâncias mínimas de segurança entre os cabos condutores e a vegetação.

18 Preparação do terreno para a plantação

19 Preparação do terreno para a plantação

20 Rearborização da faixa de protecção à linha As espécies a propor aos proprietários na rearborização depende fundamentalmente das condições edafo-climáticas da estação, do risco de incêndio e a sua compatibilidade com a presença da linha(baixo porte e crescimento lento).

21 Rearborização da faixa de protecção à linha Espécies que têm sido propostas aos proprietários: Pinheiro-manso (Pinus pinea L.) Sobreiro (Quercus suber L.) Azinheira (Quercus rotundifolia Lam.) Castanheiro(Castanea sativa Mill.) Carvalho alvarinho (Quercus robur L.) Carvalho negral (Quercus pyrenaica Willd.) Carvalho cerquinho (Quercus faginea L.) Oliveira (Olea europaea L. var. europaea) Medronheiro (Arbutus unedo L.)

22 Rearborização da faixa de protecção à linha

23 Rearborização da faixa de protecção à linha

24 Rearborização da faixa de protecção à linha

25 Rearborização da faixa de protecção à linha Linha Batalha - Lavos Linha Batalha - Lavos Linha Batalha - Lavos

26 Rearborização da faixa de protecção à linha

27 Rearborização da faixa de protecção à linha

28 Rearborização da faixa de protecção à linha

29 Rearborização da faixa de protecção à linha

30 Rearborização da faixa de protecção à linha

31 N.ºdeárvoresplantadasatéfimde N.ºdeárvoresplantadasatéfimde

32 Áreaplantadaaté ha 300,00 285,00 250,00 239,44 200,00 202,63 213,68 213, ,00 155,37 137, , , ,00 0, Áreaplantadaaté ha

33 Esta operação apresenta as seguintes vantagens: Valorização da paisagem promovendo, ao mesmo tempo, a variedade de espécies vegetais. Maior rentabilização da exploração dos solos, por parte dos proprietários e em harmonia com a linha. Compatibilização da vegetação com a presença da linha, evitando simultaneamente a proliferação de espécies de rápido crescimento que afectam a exploração da infra-estrutura.

34 Redução dos custos de manutenção despendidos anualmente pela empresa nas faixas de protecção às linhas. Diminuição do risco de incêndio, que se insere igualmente na estratégia nacional de combate aos incêndios florestais e cumpre a legislação em vigor que preconiza a criação de Redes de Faixa de Gestão de Combustível sobre os corredores das linhas de transporte de electricidade, de acordo com os Planos Municipais de Defesa da Floresta Contra Incêndios.

35 Co-responsabilização dos proprietários pela gestão das zonas intervencionadas. Aumento dos ciclos de intervenção na área da faixa de protecção à linha. Melhor aceitação dos proprietários, possibilitandolhes obter outro tipo de rendimento com a exploração do solo e de forma compatível com a presença da linha.

36 Quebrar a monoespecificidade do coberto vegetal existente na área envolvente à faixa de protecção. Barreira estratégica ao avanço do fogo. Reduzir o tempo de exposição do solo aos agentes erosivos e, portanto, contribuir para a sua não degradação.

37 Período : Área total reconvertida: 415 ha N.º total de árvores plantadas: Período (objectivo): Área total reconvertida: ha N.º total de árvores plantadas:

38

Gestão de vegetação nas faixas de servidão das redes de transporte de eletricidade. Uma mudança de paradigma. Maiode 2016

Gestão de vegetação nas faixas de servidão das redes de transporte de eletricidade. Uma mudança de paradigma. Maiode 2016 Gestão de vegetação nas faixas de servidão das redes de transporte de eletricidade. Uma mudança de paradigma. Maiode 2016 A REN na qualidade de concessionária da Rede Nacional de Transporte de Eletricidade,

Leia mais

Redes de defesa da floresta contra incêndios FGC Aplicação do Regime Jurídico das Ações de Arborização e Rearborização

Redes de defesa da floresta contra incêndios FGC Aplicação do Regime Jurídico das Ações de Arborização e Rearborização Redes de defesa da floresta contra incêndios FGC Aplicação do Regime Jurídico das Ações de Arborização e Rearborização PENELA 05 setembro de 2015 Redes de defesa da floresta contra incêndios Legislação

Leia mais

A gestão de vegetação nas faixas de servidão das redes de transporte de eletricidade e a defesa da floresta contra incêndios

A gestão de vegetação nas faixas de servidão das redes de transporte de eletricidade e a defesa da floresta contra incêndios A gestão de vegetação nas faixas de servidão das redes de transporte de eletricidade e a defesa da floresta contra incêndios Maio de 2016 O DL n.º 124/2006, de 28 de Junho (republicado pelo DL n.º 17/2009,

Leia mais

Ficha de Projeto Simplificado

Ficha de Projeto Simplificado Ficha de Projeto Simplificado ICNF/DCNF Registo n.º Data de submissão do projeto (dd/mm/aa) Índice 1 - Elementos gerais 1.1 - Identificação do requerente 1.2 - Identificação e localização da área de intervenção

Leia mais

Enquadramento da utilização da biomassa na União Europeia

Enquadramento da utilização da biomassa na União Europeia Enquadramento da utilização da biomassa na União Europeia Cristina Santos 1 Enquadramento na EU 2 Disponibilidades 3 Estratégia nacional 1 Enquadramento Directiva 2001/77/CE relativa às energia renováveis

Leia mais

É uma floresta de árvores originárias do próprio território. Neste caso, a floresta autóctone portuguesa é toda a floresta formada por árvores

É uma floresta de árvores originárias do próprio território. Neste caso, a floresta autóctone portuguesa é toda a floresta formada por árvores É uma floresta de árvores originárias do próprio território. Neste caso, a floresta autóctone portuguesa é toda a floresta formada por árvores originárias do nosso país, como é o caso do carvalho, do medronheiro,

Leia mais

Relatório de Execução

Relatório de Execução Arborização dos Terrenos anexos à Divisão Equipamento Departamento de Servidões RNT 1. INTRODUÇÃO O presente relatório diz respeito à empreitada de arborização dos terrenos anexos à, levada a cabo no âmbito

Leia mais

PLANO REGIONAL DE ORDENAMENTO DO PINHAL INTERIOR SUL

PLANO REGIONAL DE ORDENAMENTO DO PINHAL INTERIOR SUL PLANO REGIONAL DE ORDENAMENTO DO PINHAL INTERIOR SUL Objectivos específicos comuns a) Diminuir o número de ignições de incêndios florestais; b) Diminuir a área queimada; c) Promover o redimensionamento

Leia mais

ALTERAÇÃO AO REGULAMENTO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE S. JOÃO

ALTERAÇÃO AO REGULAMENTO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE S. JOÃO ALTERAÇÃO AO REGULAMENTO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE S. JOÃO DA PESQUEIRA Os artigos 48.º e 49.º do Regulamento do PDM de S. João da Pesqueira passam a ter a seguinte redacção: Artigo 48.º Espaços Agrícolas

Leia mais

RESINAGEM EM PORTUGAL Situação Actual e Perspectivas Futuras

RESINAGEM EM PORTUGAL Situação Actual e Perspectivas Futuras RESINAGEM EM PORTUGAL Situação Actual e Perspectivas Futuras ÍNDICE 1. Enquadramento da atividade 2. Fileira da resina em Portugal 3. Perspetivas futuras para o desenvolvimento 4. Notas finais 1. Enquadramento

Leia mais

Agenda 21 Agricultura e Floresta. Seminário Temático O FUTURO DA AGRICULTURA, FLORESTA E DESPOVOAMENTO DA REGIÃO. Nordeste 21 PRÓXIMOS SEMINÁRIOS

Agenda 21 Agricultura e Floresta. Seminário Temático O FUTURO DA AGRICULTURA, FLORESTA E DESPOVOAMENTO DA REGIÃO. Nordeste 21 PRÓXIMOS SEMINÁRIOS PRÓXIMOS SEMINÁRIOS 23 de Maio - ESTRATÉGIAS DA GESTÃO DE ÁGUA e RESÍDUOS, em Macedo de Cavaleiros Seminário Temático O FUTURO DA AGRICULTURA, FLORESTA E DESPOVOAMENTO DA REGIÃO Agenda 21 Local do Helena

Leia mais

O sobreiro, os montados e a cortiça

O sobreiro, os montados e a cortiça O sobreiro, os montados e a cortiça Um património universal Uma herança a preservar Armando Sevinate Pinto Lisboa, 15 de Setembro de 2011 O sobreiro (Quercus Suber) Família: Fagáceas Género: Quercus 30

Leia mais

SEMINÁRIO mais e melhor pinhal

SEMINÁRIO mais e melhor pinhal SEMINÁRIO mais e melhor pinhal Painel 2 - Incentivo ao investimento: aumentar a rentabilidade do pinhal Instalação e Condução a Custos Mínimos Cantanhede, 14/12/2012 Rui Rosmaninho I. ENQUADRAMENTO GERAL

Leia mais

PLANO REGIONAL DE ORDENAMENTO FLORESTAL DO ALENTEJO LITORAL. Objectivos específicos comuns

PLANO REGIONAL DE ORDENAMENTO FLORESTAL DO ALENTEJO LITORAL. Objectivos específicos comuns PLANO REGIONAL DE ORDENAMENTO FLORESTAL DO ALENTEJO LITORAL a) Diminuir o número de ignições de incêndios florestais. b) Diminuir a área queimada. c) Controlar e erradicar o nemátodo da madeira do pinheiro

Leia mais

Relatório da Base de Abastecimento para Produtores de Biomassa

Relatório da Base de Abastecimento para Produtores de Biomassa Relatório da Base de Abastecimento para Produtores de Biomassa www.sustainablebiomasspartnership.org Versão 1.1 Fevereiro 2016 Para mais informações sobre as Ferramentas SBP e para ver toda a documentação

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL SOBRE SILVICULTURA PREVENTIVA DE ÁREAS PÚBLICAS E PRIVADAS PREÂMBULO

REGULAMENTO MUNICIPAL SOBRE SILVICULTURA PREVENTIVA DE ÁREAS PÚBLICAS E PRIVADAS PREÂMBULO REGULAMENTO MUNICIPAL SOBRE SILVICULTURA PREVENTIVA DE ÁREAS PÚBLICAS E PRIVADAS PREÂMBULO Nos últimos tempos tem sido possível constatar no concelho de Montalegre uma diminuição progressiva da área florestal.

Leia mais

6º CONGRESSO FLORESTAL NACIONAL,

6º CONGRESSO FLORESTAL NACIONAL, SPCF 6º CONGRESSO FLORESTAL NACIONAL, Ponta Delgada, Outubro 2009 POSTERS TEMA 7 852 O Papel das Folhosas e dos Povoamentos Mistos nos Planos Regionais de Ordenamento Florestal L.F. Nunes 12, F.C. Rego

Leia mais

Relatório da Base de Abastecimento para Produtores de Biomassa

Relatório da Base de Abastecimento para Produtores de Biomassa Relatório da Base de Abastecimento para Produtores de Biomassa www.sustainablebiomasspartnership.org Versão 1.1 Fevereiro 2016 Para mais informações sobre as Ferramentas SBP e para ver toda a documentação

Leia mais

Incêndios florestais e ordenamento do território

Incêndios florestais e ordenamento do território Incêndios florestais e ordenamento do território Departamento de Gestão de Áreas Classificadas, Públicas e de Proteção Florestal Rui Almeida Coimbra 03 de dezembro de 2013 Seminário Gestão Territorial

Leia mais

Oleiros: floresta de oportunidades

Oleiros: floresta de oportunidades Oleiros: floresta de oportunidades Departamento de Gestão e Produção Florestal Conceição Ferreira valor dos recursos florestais para a sociedade Importância do setor florestal - fileiras industriais desenvolvidas

Leia mais

A perigosidade e o risco de incêndio florestal em ambiente SIG

A perigosidade e o risco de incêndio florestal em ambiente SIG A perigosidade e o risco de incêndio florestal em ambiente SIG Rui Almeida Porto, 8 de Junho Vamos começar por: A percepção do risco Risco Investimento de risco Manobra arriscada Risco de vida Risco de

Leia mais

Comercialização de produtos diferenciados na perspectiva do produtor Alfredo Sendim. Exploração Familiar. Produção Extensiva. Montado 1.

Comercialização de produtos diferenciados na perspectiva do produtor Alfredo Sendim. Exploração Familiar. Produção Extensiva. Montado 1. Exploração Familiar Produção Extensiva Montado 1.900 ha Herdade do Freixo do Meio Montemor-o-Novo Alentejo- Portugal Montado = Eco-Eficiência O Montado é um agro-ecossistema produtivo, que resulta da acção

Leia mais

FLORESTA UNIDA. Floresta Unida:

FLORESTA UNIDA. Floresta Unida: Floresta Unida: Endereço : Rua João Luso, n.º2, 1.º andar 3200 246 Lousã E Mail Geral : florestaunida.pt@florestaunida.com E Mail Departamento Florestal : dep.florestal.pt@florestaunida.com Telefone Fixo

Leia mais

Sistema de Informação Geográfica para gestão de resíduos florestais. Sistema de Informação Geográfica para gestão de resíduos florestais

Sistema de Informação Geográfica para gestão de resíduos florestais. Sistema de Informação Geográfica para gestão de resíduos florestais Nuno Pedro 1, Cristina Alegria 1, Paulo Fernandez 1 José Massano 1 Filipe Afonso 1, Isabel Castanheira 1 1 Instituto Politécnico de Castelo Branco, Escola Superior Agrária, Castelo Branco, Portugal npedro@ipcb.pt

Leia mais

Jornadas Locais sobre Sustentabilidade. A Atividade Produtiva como Suporte de Biodiversidade nos Montado de Sobro. Pinhal Novo

Jornadas Locais sobre Sustentabilidade. A Atividade Produtiva como Suporte de Biodiversidade nos Montado de Sobro. Pinhal Novo Jornadas Locais sobre Sustentabilidade A Atividade Produtiva como Suporte de Biodiversidade nos Montado de Sobro Pinhal Novo Abril de 2017 Floresta Portuguesa 1. Composição da floresta portuguesa (IFN

Leia mais

Processos de candidatura e metodologia de avaliação de projetos

Processos de candidatura e metodologia de avaliação de projetos Processos de candidatura e metodologia de avaliação de projetos Fórum empresarial - Portugal 2020 Beja, 22 de março de 2016 ENQUADRAMENTOS Março de 2016 AJUDAS AO INVESTIMENTO 2 ENQUADRAMENTOS PDR 2020

Leia mais

Projecto Criar Bosques

Projecto Criar Bosques Projecto Criar Bosques Apoio do GREEN CORK Criação de bosques autóctones na Serra Alvão e Baião Relatório Intermédio Época de plantação 2009/2010 Julho de 2010 1. Introdução A Quercus A.N.C.N. apresentou,

Leia mais

PLANO REGIONAL DE ORDENAMENTO FLORESTAL DO ALGARVE Objectivos específicos comuns a) Diminuir o número de ignições de fogos florestais; b) Diminuir a

PLANO REGIONAL DE ORDENAMENTO FLORESTAL DO ALGARVE Objectivos específicos comuns a) Diminuir o número de ignições de fogos florestais; b) Diminuir a PLANO REGIONAL DE ORDENAMENTO FLORESTAL DO ALGARVE Objectivos específicos comuns a) Diminuir o número de ignições de fogos florestais; b) Diminuir a área queimada; c) Promover o redimensionamento das explorações

Leia mais

O Risco dos Incêndios Florestais

O Risco dos Incêndios Florestais Estratégias de Gestão do Risco de Incêndio Florestal, 18 de Março, Lisboa O Risco dos Incêndios Florestais Paulo Fernandes Dept. Ciências Florestais e Arquitectura Paisagista, Universidade de Trás-os-Montes

Leia mais

Gestão eficaz de biomassa florestal. Nuno Rocha Pedro ESA IPCB

Gestão eficaz de biomassa florestal. Nuno Rocha Pedro ESA IPCB Gestão eficaz de biomassa florestal Nuno Rocha Pedro ESA IPCB Equipa Profª Cristina Alegria Prof. Paulo Fernandez Prof. José Massano Eng. Filipe Afonso Fileiras florestais Fileira da madeira Fileira da

Leia mais

REGIME JURÍDICO DA (RE)ARBORIZAÇÃO. João Pinho Departamento de Gestão e Produção Florestal

REGIME JURÍDICO DA (RE)ARBORIZAÇÃO. João Pinho Departamento de Gestão e Produção Florestal REGIME JURÍDICO DA (RE)ARBORIZAÇÃO João Pinho Departamento de Gestão e Produção Florestal Ação de Esclarecimentos Arborização e Rearborização de Espécies Florestais Ourém, 05 de fevereiro de 2014 A proposta

Leia mais

A xestión do recurso micolóxico. Un valor engadido para os proprietarios

A xestión do recurso micolóxico. Un valor engadido para os proprietarios A xestión do recurso micolóxico. Un valor engadido para os proprietarios Fungos simbiontes Podem viver em parceria com algas (formando os líquenes) ou associados a raízes de plantas (formando as micorrizas).

Leia mais

5.º INVENTÁRIO FLORESTAL NACIONAL Apresentação do Relatório Final. Direcção Nacional de Gestão Florestal

5.º INVENTÁRIO FLORESTAL NACIONAL Apresentação do Relatório Final. Direcção Nacional de Gestão Florestal 5.º INVENTÁRIO FLORESTAL NACIONAL Apresentação do Relatório Final Direcção Nacional de Gestão Florestal SEFDR 7 de Setembro de 2010 1. INOVAÇÕES 1.ª cobertura aerofotográfica digital Utilização de software

Leia mais

Ficha do Aluno. UM BOSQUE PERTO DE SI Vamos construir o mapa dos Ecossistemas Florestais Portugueses

Ficha do Aluno. UM BOSQUE PERTO DE SI Vamos construir o mapa dos Ecossistemas Florestais Portugueses UM BOSQUE PERTO DE SI Vamos construir o mapa dos Ecossistemas Florestais Portugueses Ficha do Aluno Nome do Bosque / Local: Parque da Paz, Almada Distrito: Setúbal Concelho: Almada Freguesia: Cova da Piedade

Leia mais

PINHEIRO MANSO APFPB. Associação de Produtores Florestais do Planalto Beirão - APFPB

PINHEIRO MANSO APFPB. Associação de Produtores Florestais do Planalto Beirão - APFPB 1 APFPB implementou-se com o intuito de assegurar a competitividade do setor florestal de uma forma sustentável no distrito de Viseu, concelho de Carregal do Sal, promovendo o Associativismo, o Ordenamento

Leia mais

nome do indicador ÁREA AGRÍCOLA E FLORESTAL COM ELEVADO VALOR NATURAL

nome do indicador ÁREA AGRÍCOLA E FLORESTAL COM ELEVADO VALOR NATURAL nome do indicador ÁREA AGRÍCOLA E FLORESTAL COM ELEVADO VALOR NATURAL unidades de medida - Área em ha - Peso das áreas agrícolas de elevado valor natural na SAU (%) - Peso da área florestal de elevado

Leia mais

0 1 2 Km MAPA DO ENQUADRAMENTO GEOGRÁFICO DO MUNICÍPIO DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO LIMITES ADMINISTRATIVOS ENQUADRAMENTO NACIONAL

0 1 2 Km MAPA DO ENQUADRAMENTO GEOGRÁFICO DO MUNICÍPIO DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO LIMITES ADMINISTRATIVOS ENQUADRAMENTO NACIONAL MAPA DO ENQUADRAMENTO GEOGRÁFICO DO ENQUADRAMENTO NACIONAL Portugal Limite de Distrito Monte Agraço Elaboração: 15 de Maio de 2012 Fonte(s): CAOP 2012 - IGP (2012) MAPA Nº 01 MAPA HIPSOMÉTRICO DO ALTITUDE

Leia mais

Oportunidades do uso múltiplo

Oportunidades do uso múltiplo Oportunidades do uso múltiplo Seminário Floresta As Oportunidades do Uso Múltiplo João Pinho FORESTIS Braga, 22 de Março de 2012 1. uso múltiplo introdução Uso múltiplo da floresta? «Somente a floresta,

Leia mais

O Estado da Arte do Sector Florestal na Região Centro

O Estado da Arte do Sector Florestal na Região Centro O Estado da Arte do Sector Florestal na Região Centro Hugo Jóia (Eng.º) Licenciatura Eng.º Florestal Mestrado em Gestão Recursos Florestais Secretário Geral Fórum Florestal Dirigente da OPAFLOR (Associação

Leia mais

Departamento de Conservação da Natureza e Florestas de Lisboa e Vale do Tejo Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF,IP)

Departamento de Conservação da Natureza e Florestas de Lisboa e Vale do Tejo Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF,IP) Departamento de Conservação da Natureza e Florestas de Lisboa e Vale do Tejo Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF,IP) Planeamento e Defesa do Território Setúbal, 28.02.2014 Sumário

Leia mais

Definição da metodologia e avaliação quantitativa e qualitativa da biomassa florestal residual

Definição da metodologia e avaliação quantitativa e qualitativa da biomassa florestal residual Definição da metodologia e avaliação quantitativa e qualitativa da biomassa florestal residual Sónia Figo M i r a n d a do C o r v o 3 0 d e S e t e m b r o 2 0 0 8 Localização e enquadramento geográfico

Leia mais

Planos Regionais de Ordenamento Florestal

Planos Regionais de Ordenamento Florestal Planos Regionais de Ordenamento Florestal Dia Regional Norte do Engenheiro 2016 José Aranha Eng.º Florestal j_aranha@utad.pt j.aranha.utad@gmail.com Teatro-Cinema Fafe 17 de Setembro de 2016 PROF Planos

Leia mais

StandsSIM e Modelos de Silvicultura

StandsSIM e Modelos de Silvicultura StandsSIM e Modelos de Silvicultura Será a Foresta Portuguesa rentável? Workshop com stakeholders no âmbito do projecto SIMWOOD Susana Barreiro, João Rua, Sonia Faias, Paula Soares, João Palma, Joana Paulo,

Leia mais

Impactos socioeconómicos e ambientais da Doença da Murchidão do Pinheiro

Impactos socioeconómicos e ambientais da Doença da Murchidão do Pinheiro Seminário "A Importância da Biomassa no Mix Energético Nacional, Coimbra, março 2017 Impactos socioeconómicos e ambientais da Doença da Murchidão do Pinheiro Luís Fonseca e Isabel Abrantes Doença da Murchidão

Leia mais

ANEXO I - Organização dos objetos nas plantas dos planos territoriais A - Planta de Ordenamento ou Planta de Zonamento

ANEXO I - Organização dos objetos nas plantas dos planos territoriais A - Planta de Ordenamento ou Planta de Zonamento SUB Área de Intervenção do Plano Área de Intervenção do Plano Área de Intervenção do Plano 1 Classificação e Qualificação do Solo Solo Urbano Espaço Central 2 Classificação e Qualificação do Solo Solo

Leia mais

PLANO REGIONAL DE ORDENAMENTO FLORESTAL DO NORDESTE

PLANO REGIONAL DE ORDENAMENTO FLORESTAL DO NORDESTE PLANO REGIONAL DE ORDENAMENTO FLORESTAL DO NORDESTE Objectivos específicos comuns a) Diminuir o número de ignições de incêndios florestais; b) Diminuir a área queimada; c) Reabilitação de ecossistemas

Leia mais

ZIF Mapa 1 - Enquadramento em Carta Militar. Legenda. Legenda. Carta Militar. ZIF 88 Limite ENQUADRAMENTO

ZIF Mapa 1 - Enquadramento em Carta Militar. Legenda. Legenda. Carta Militar. ZIF 88 Limite ENQUADRAMENTO ZIF 88 Zona de Intervenção Florestal das Ribeiras da Lamarosa e Magos 364 365 366 ENQUADRAMENTO 45 46 47 5 1 km Mapa 1 - Enquadramento em IGeoE - Instituto Geográfico do Exército 1 2 4 Km ZIF 88 Zona de

Leia mais

Ordenamento do Espaço Rural

Ordenamento do Espaço Rural Ordenamento do Espaço Rural Ano lectivo 2005/2006 Capítulo 4 Ordenamento do Espaço Rural 1 4.1 A Política Nacional de Ordenamento do Território 2 Ordenamento do Território Assenta no sistema de gestão

Leia mais

O procedimento administrativo da Declaração de Utilidade Pública para efeitos de constituição de servidão administrativa.

O procedimento administrativo da Declaração de Utilidade Pública para efeitos de constituição de servidão administrativa. O procedimento administrativo da Declaração de Utilidade Pública para efeitos de constituição de servidão administrativa. Vítor Vasconcelos Nascimento Coimbra, 30 de Novembro de 2011 O procedimento administrativo

Leia mais

Resumo Público de Certificação Florestal Referencial PEFC Portugal para Sistemas de Gestão Florestal Sustentável

Resumo Público de Certificação Florestal Referencial PEFC Portugal para Sistemas de Gestão Florestal Sustentável Referencial PEFC Portugal para Sistemas de Gestão Florestal Sustentável Certificação Regional OBJECTIVO DA AUDITORIA: - Auditoria de Concessão - Avaliação da conformidade do sistema de gestão com os critérios

Leia mais

PLANO REGINAL DE ORDENAMENTO FLORESTAL DO DOURO

PLANO REGINAL DE ORDENAMENTO FLORESTAL DO DOURO PLANO REGINAL DE ORDENAMENTO FLORESTAL DO DOURO Objectivos comuns a ) Diminuir o número de ignições de incêndios florestais; b ) Diminuir a área queimada; c ) Reabilitação de ecossistemas florestais: i

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 16/X CRIAÇÃO DA ÁREA PROTEGIDA DA RESERVA ORNITOLÓGICA DO MINDELO. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º 16/X CRIAÇÃO DA ÁREA PROTEGIDA DA RESERVA ORNITOLÓGICA DO MINDELO. Exposição de motivos Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 16/X CRIAÇÃO DA ÁREA PROTEGIDA DA RESERVA ORNITOLÓGICA DO MINDELO Exposição de motivos A reserva ornitológica do Mindelo tem antecedentes históricos únicos no quadro

Leia mais

Fichas-tipo das relações entre o fogo e a floresta Portuguesa. Projeto FFP/IFAP Nº Recuperação de Áreas Ardidas

Fichas-tipo das relações entre o fogo e a floresta Portuguesa. Projeto FFP/IFAP Nº Recuperação de Áreas Ardidas Fichas-tipo das relações entre o fogo e a floresta Portuguesa Projeto FFP/IFAP Nº2004 09 002629 7 Recuperação de Áreas Ardidas Paulo Fernandes e Cláudia Guedes Departamento de Ciências Florestais e Arquitetura

Leia mais

Estimativa do Sequestro Anual de Carbono da Floresta de Eucalipto e Pinheiro Bravo em Portugal de Acordo com o Protocolo de Quioto

Estimativa do Sequestro Anual de Carbono da Floresta de Eucalipto e Pinheiro Bravo em Portugal de Acordo com o Protocolo de Quioto 36 Estimativa do Sequestro Anual de Carbono da Floresta de Eucalipto e Pinheiro Bravo em Portugal de Acordo com o Protocolo de Quioto Margarida Tomé, Marta Baptista Coelho e Paula Soares UTL. Instituto

Leia mais

Sistemas silvopastoris em Portugal: Situação Actual e Perspectivas futuras

Sistemas silvopastoris em Portugal: Situação Actual e Perspectivas futuras Sistemas silvopastoris em Portugal: Situação Actual e Perspectivas futuras Marina Meca Ferreira de Castro ESAB História Introducción à l agroforestrie (92/93) Master Pastoralisme Projecto ALWAYS (93-96)

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural 2020

Programa de Desenvolvimento Rural 2020 Programa de Desenvolvimento Rural 2020 SEMINÁRIO TÉCNICO FLORESTA E BIOMASSA contributos para a criação de novos negócios e desenvolvimento do território Medida 8 Apoios para o sector florestal no PDR2020

Leia mais

MUNICÍPIO DE BEJA AVISO

MUNICÍPIO DE BEJA AVISO MUNICÍPIO DE BEJA CÂMARA MUNICIPAL AVISO Alteração por adaptação do Plano Director Municipal de Beja ao Plano Regional de Ordenamento do Território do Alentejo Jorge Pulido Valente, Presidente da Câmara

Leia mais

O Planeamento do. Gestão e ordenamento do território

O Planeamento do. Gestão e ordenamento do território O Planeamento do Território em Portugal Gestão e ordenamento do território Henrique Miguel Pereira Enquadramento jurídico Constituição da República Lei de Bases do Ambiente (Lei 11/1987) Lei de Bases de

Leia mais

de proprietários aderentes e uma Direcção Gestora estora;

de proprietários aderentes e uma Direcção Gestora estora; Grupo de Trabalho para Análise da Problemática dos Incêndios Florestais ZIF ALDEIA DO MATO Concelho: ABRANTES Lisboa, 29 de Janeiro, 2014 A ZIF da Aldeia do Mato resumida: - Criada pela Portaria n. 889/2008,

Leia mais

Grandes Opções do Plano para 2017

Grandes Opções do Plano para 2017 INFORMAÇÃO SETEMBRO 2016 Grandes Opções do Plano para 2017 O que defende o Governo nas GOP 2017 para o sector florestal O Governo apresentou ao Conselho Económico e Social a proposta das Grandes Opções

Leia mais

Biodiesel no Vale do Paraíba: a Jatrophacomo agente do desenvolvimento sustentável

Biodiesel no Vale do Paraíba: a Jatrophacomo agente do desenvolvimento sustentável Biodiesel no Vale do Paraíba: a Jatrophacomo agente do desenvolvimento sustentável Willian J. Ferreira Getulio T. Batista will.ferreira@hotmail.com getulio@agro.unitau.br Apresentar um panorama geral do

Leia mais

Nuno de Santos Loureiro Universidade do Algarve. Combate à Desertificação e Desenvolvimento Sustentável

Nuno de Santos Loureiro Universidade do Algarve. Combate à Desertificação e Desenvolvimento Sustentável Nuno de Santos Loureiro Universidade do Algarve Combate à Desertificação e Desenvolvimento Sustentável 1992, Junho Na Conferência das Nações Unidas sobre Ambiente e Desenvolvimento, realizada no Rio de

Leia mais

A Ocupação Dispersa no Quadro dos PROT e dos PDM. O PROT - Norte. Universidade de Évora, 12 de Novembro de 2009

A Ocupação Dispersa no Quadro dos PROT e dos PDM. O PROT - Norte. Universidade de Évora, 12 de Novembro de 2009 A Ocupação Dispersa no Quadro dos PROT e dos PDM O PROT - Norte Universidade de Évora, 12 de Novembro de 2009 1 ENQUADRAMENTO PNPOT: directivas gerais Resolução do Conselho de Ministros 29/2006, de 23

Leia mais

Tipologia das relações entre fogo e floresta: conceitos e definições utilizados nas fichas

Tipologia das relações entre fogo e floresta: conceitos e definições utilizados nas fichas Tipologia das relações entre fogo e floresta: conceitos e definições utilizados nas fichas RISCO de INCÊNDIO Cargas de combustível Classificação da combustibilidade Distribuição da combustibilidade ECOLOGIA

Leia mais

Encontro Nacional de ZIF. António Louro

Encontro Nacional de ZIF. António Louro Encontro Nacional de ZIF António Louro Seia, 30 de Abril de 2013 Minifúndio e População ZIF Aldeia de Eiras 1047 hectares - 1542 propriedades - 515 proprietários - 0,7ha de dimensão média da propriedade

Leia mais

Dinâmica da ocupação florestal do solo Economia e regulação. Departamento de Gestão e Produção Florestal Conceição Ferreira

Dinâmica da ocupação florestal do solo Economia e regulação. Departamento de Gestão e Produção Florestal Conceição Ferreira Dinâmica da ocupação florestal do solo Economia e regulação Departamento de Gestão e Produção Florestal Conceição Ferreira Perspetiva histórica Fixação e arborização das dunas, 1802 José de Bonifácio Andrada

Leia mais

O projecto Biorrefina-Ter: território, floresta e desenvolvimento regional sustentável

O projecto Biorrefina-Ter: território, floresta e desenvolvimento regional sustentável O projecto Biorrefina-Ter: território, floresta e desenvolvimento regional sustentável João Nunes1,2; Paulo Serra e Silva2; Helena Freitas1,2 1 2 Universidade de Coimbra Associação Blc.Ceres.2G Plataforma

Leia mais

ESTRATÉGIA PARA O PARQUE FLORESTAL DE MONSANTO VEREADOR JOSÉ SÁ FERNANDES PELOURO DA ESTRUTURA VERDE E ENERGIA

ESTRATÉGIA PARA O PARQUE FLORESTAL DE MONSANTO VEREADOR JOSÉ SÁ FERNANDES PELOURO DA ESTRUTURA VERDE E ENERGIA ESTRATÉGIA PARA O PARQUE FLORESTAL DE MONSANTO VEREADOR JOSÉ SÁ FERNANDES PELOURO DA ESTRUTURA VERDE E ENERGIA MARÇO 2016 PLANO DE GESTÃO FLORESTAL MOBILIDADE EQUIPAMENTOS/ OFERTA SEGURANÇA/ PARQUE FLORESTAL

Leia mais

CICLO DE SEMINÁRIOS Revisão do PDM Guia Orientador. A defesa da floresta no âmbito de revisão do PDM

CICLO DE SEMINÁRIOS Revisão do PDM Guia Orientador. A defesa da floresta no âmbito de revisão do PDM CICLO DE SEMINÁRIOS Revisão do PDM Guia Orientador A defesa da floresta no âmbito de revisão do PDM Rui Rosmaninho Sertã, 18/05/2012 ÍNDICE GERAL A DEFESA DA FLORESTA NO ÂMBITO DE REVISÃO DO PDM 1.ESTADO

Leia mais

INSTALAÇÃO DA CULTURA DO MEDRONHEIRO

INSTALAÇÃO DA CULTURA DO MEDRONHEIRO DELEGAÇÃO DE CASTELO BRANCO Núcleo da Sertã INSTALAÇÃO DA CULTURA DO MEDRONHEIRO Sardoal, 9 de novembro de 205 Fátima Curado A PLANTA E SUA DISTRIBUIÇÃO Nome cientifico: Arbutus unedo; Família : Ericaceae;

Leia mais

A Regulação e o Desenvolvimento das Energias Renováveis em Cabo Verde

A Regulação e o Desenvolvimento das Energias Renováveis em Cabo Verde AGÊNCIA DE REGULAÇÃO ECONOMICA Seminário Boa Governação em Energias Renováveis 29 de Junho 1 de Julho de 2015 São Tomé e Príncipe A Regulação e o Desenvolvimento das Energias Renováveis em Cabo Verde Apresentação

Leia mais

A Bolsa Nacional de terras Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Serpa - 30 de maio de 2017

A Bolsa Nacional de terras Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Serpa - 30 de maio de 2017 Bolsa Nacional de terras Um Projeto Inovador para o Mundo Rural Articulação com Medidas de Política Diagnóstico a agricultura e floresta ocupam uma importante área do território (70%); a agricultura e

Leia mais

LISTA NACIONAL DE CULTURAS MAIORES

LISTA NACIONAL DE CULTURAS MAIORES LISTA NACIONAL DE CULTURAS MAIORES MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO MAR, DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO DIREÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E VETERINÁRIA LISTA NACIONAL DE CULTURAS MAIORES LISBOA 2012

Leia mais

GPP 11 de Maio de SESSÃO DE APRESENTAÇÃO Publicação CULTIVAR n.º 7 Cadernos de Análise e Prospetiva O Risco na Atividade Económica

GPP 11 de Maio de SESSÃO DE APRESENTAÇÃO Publicação CULTIVAR n.º 7 Cadernos de Análise e Prospetiva O Risco na Atividade Económica GPP 11 de Maio de 2017 SESSÃO DE APRESENTAÇÃO Publicação CULTIVAR n.º 7 Cadernos de Análise e Prospetiva O Risco na Atividade Económica 1 GPP Estratégias de gestão de risco de incêndio florestal: da gestão

Leia mais

Direcção-Geral dos Recursos Florestais PROGRAMA NACIONAL DE SAPADORES FLORESTAIS. Sérgio Correia COTF. Chã do Freixo.

Direcção-Geral dos Recursos Florestais PROGRAMA NACIONAL DE SAPADORES FLORESTAIS. Sérgio Correia COTF. Chã do Freixo. Direcção-Geral dos Recursos Florestais PROGRAMA NACIONAL DE SAPADORES FLORESTAIS Identificação do Gestor do Projecto Nome Sede Localidade Código Postal Sérgio Correia COTF Chã do Freixo 3200 901 Lousã

Leia mais

Opções de utilização da biomassa florestal

Opções de utilização da biomassa florestal utilização da biomassa florestal no nergético de Luís Manuel de Aguiar Teixeira Orientador: Prof. Vítor Leal nergético de Paradigma energético actual assente essencialmente nas Fontes Fósseis Consumo mundial

Leia mais

Grupo Portucel Soporcel

Grupo Portucel Soporcel Grupo Portucel Soporcel Lisboa, 10 de Novembro de 2011 09/10/08 PG001 Perfil do Grupo Portucel Soporcel > Cadeia de Valor Integração da floresta até ao papel, tendo o consumidor como objectivo. Energia

Leia mais

UNAC Workshop & Ação de Demonstração Mariana Ribeiro Telles 04 de Abril de 2013

UNAC Workshop & Ação de Demonstração Mariana Ribeiro Telles 04 de Abril de 2013 UNAC Workshop & Ação de Demonstração Mariana Ribeiro Telles 04 de Abril de 2013 1. Apresentação da APFC 2. Características e Importância económica do sector 3. Dificuldades 4. Rendimento de um povoamento

Leia mais

Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro

Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro Direcção de Serviços de Ordenamento do Território www.ccdrc.pt 1 REDES DE DEFESA DA FLORESTA CONTRA INCÊNDIOS 1. REDES PRIMÁRIAS DE FAIXAS DE

Leia mais

REGULAMENTOS. Regulamento. Florestal Municipal. Entrada em vigor: 23 de fevereiro de 2017 MUNICÍPIO DE FERREIRA DO ZÊZERE CÂMARA MUNICIPAL

REGULAMENTOS. Regulamento. Florestal Municipal. Entrada em vigor: 23 de fevereiro de 2017 MUNICÍPIO DE FERREIRA DO ZÊZERE CÂMARA MUNICIPAL REGULAMENTOS Regulamento Florestal Municipal Entrada em vigor: 23 de fevereiro de 2017 MUNICÍPIO DE FERREIRA DO ZÊZERE CÂMARA MUNICIPAL Aprovado pela Câmara Municipal por deliberação de 09/06/2016 e 10/11/2016

Leia mais

MATRIZES DE BENEFICIAÇÃO 2011/2012. TIPO DE OPERAÇÃO OBSERVAÇÕES un./jorna jorna custo/un. trabalho un./jorna jorna custo/un.

MATRIZES DE BENEFICIAÇÃO 2011/2012. TIPO DE OPERAÇÃO OBSERVAÇÕES un./jorna jorna custo/un. trabalho un./jorna jorna custo/un. OPERAÇÕES MANUAIS referência : unidade condições de condições de TIPO DE OPERAÇÃO OBSERVAÇÕES un./jorna jorna custo/un. un./jorna jorna custo/un. a)declive de 0 a 5% a)declive > a 25% Rolagem mão de obra

Leia mais

PLANO REGIONAL DE ORDENAMENTO FLORESTAL DO ALTO MINHO

PLANO REGIONAL DE ORDENAMENTO FLORESTAL DO ALTO MINHO PLANO REGIONAL DE ORDENAMENTO FLORESTAL DO ALTO MINHO Objectivos específicos comuns a) Diminuir o número de ignições de incêndios florestais; b) Diminuir a área queimada; c) Reabilitação de ecossistemas

Leia mais

PLANO DE MONITORIZAÇÃO

PLANO DE MONITORIZAÇÃO PM 01 Fuga de SF 6 Contribuição para o efeito de estufa Detecção e quantificação de fugas Todos os equipamentos com SF 6 Monitorização em contínuo Monitorização pontual --- Registo no SAP (módulo PM) Relatório

Leia mais

Balanço Marta Pinto, Conceição Almeida Universidade Católica Portuguesa. Um projeto Coordenado Cofinanciado

Balanço Marta Pinto, Conceição Almeida Universidade Católica Portuguesa. Um projeto Coordenado Cofinanciado Balanço 211-213 11.9.213 Marta Pinto, Conceição Almeida Universidade Católica Portuguesa Um projeto Coordenado Cofinanciado queremos plantar e cuidar de 1. árvores nativas até 216 e temos na área metropolitana

Leia mais

Câmara Municipal de Sesimbra DIVISÃO DE PLANEAMENTO URBANISTÍCO

Câmara Municipal de Sesimbra DIVISÃO DE PLANEAMENTO URBANISTÍCO PLANO DE URBANIZAÇÃO DA RIBEIRA DO MARCHANTE VERSÃO FINAL REGULAMENTO Câmara Municipal de Sesimbra DIVISÃO DE PLANEAMENTO URBANISTÍCO ÍNDICE TÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º - Âmbito...3 Artigo

Leia mais

Políticas florestais

Políticas florestais Políticas florestais A floresta ocupa grande parte da superfície do território continental, cerca de 35%. Conjugada com a área de matos e pastagens, que cobre aproximadamente 32%, e com as terras ocupadas

Leia mais

A Indústria Papeleira Portuguesa CELPA, Associação da Indústria Papeleira Pomos o Futuro no Papel

A Indústria Papeleira Portuguesa CELPA, Associação da Indústria Papeleira Pomos o Futuro no Papel A Indústria Papeleira Portuguesa CELPA, Associação da Indústria Papeleira Pomos o Futuro no Papel O Eucalipto em Portugal QUADRO 1 As indústrias de base florestal são responsáveis por 9,4% das exportações

Leia mais

ESTRUTURA ECOLÓGICA MUNICIPAL DE NISA. Suzete Cabaceira, Câmara Municipal de Nisa/ESA-IPCB

ESTRUTURA ECOLÓGICA MUNICIPAL DE NISA. Suzete Cabaceira, Câmara Municipal de Nisa/ESA-IPCB ESTRUTURA ECOLÓGICA MUNICIPAL DE NISA Suzete Cabaceira, Câmara Municipal de Nisa/ESA-IPCB Resumo 2 Introdução Metodologia Análise e Interpretação do Território Delimitação da EEM de Nisa Considerações

Leia mais

Estudos de Incidências Ambientais Projectos de Produção de Energia Eléctrica a partir de FER

Estudos de Incidências Ambientais Projectos de Produção de Energia Eléctrica a partir de FER NORMA DE PROCEDIMENTOS Agosto de 2005 08 / AM Tramitação dos processos de Estudos de Incidências Ambientais Projectos de Produção de Energia Eléctrica a partir de FER 1. Apresentação 2. Legislação de enquadramento

Leia mais

Pellets Power, Lda Relatório da base de abastecimento para Produtores de biomassa

Pellets Power, Lda Relatório da base de abastecimento para Produtores de biomassa Pellets Power, Lda Relatório da base de abastecimento para Produtores de biomassa www.sustainablebiomasspartnership.org Focusing on sustainable sourcing solutions Version 1.2 June 2016 NOTE: This template,

Leia mais

Art. 1º A exploração florestal em qualquer modalidade, no Estado de Santa Catarina,

Art. 1º A exploração florestal em qualquer modalidade, no Estado de Santa Catarina, PORTARIA INTERSETORIAL N 01/96 PORTARIA INTERSETORIAL N 01/96. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO E MEIO AMBIENTE, e o DIRETOR GERAL DA FUNDAÇÃO DO MEIO AMBIENTE FATMA, com fundamento nas

Leia mais

Estatísticas e dinâmicas territoriais multiescala de Portugal Continental com base na Carta de Uso e Ocupação do Solo (COS)

Estatísticas e dinâmicas territoriais multiescala de Portugal Continental com base na Carta de Uso e Ocupação do Solo (COS) Estatísticas e dinâmicas territoriais multiescala de Portugal Continental 1995-2007-2010 com base na Carta de Uso e Ocupação do Solo (COS) Mário Caetano, Cristina Igreja, Filipe Marcelino e Hugo Costa

Leia mais

Relatório Plante Bonito Patrocinador: Wetiga Hotel Área: Lagoa Misteriosa

Relatório Plante Bonito Patrocinador: Wetiga Hotel Área: Lagoa Misteriosa Instituto das Águas da Serra da Bodoquena IASB Organização não governamental sem fins lucrativos, com caráter técnico, científico e ambiental, criado em Bonito/MS por proprietários rurais, empresários,

Leia mais

Manutenção de Povoamentos de Eucalipto: Adubação e Controlo do mato. (Aspectos Práticos) José Rafael

Manutenção de Povoamentos de Eucalipto: Adubação e Controlo do mato. (Aspectos Práticos) José Rafael Manutenção de Povoamentos de Eucalipto: Adubação e Controlo do mato (Aspectos Práticos) José Rafael Abastena C. Pêra, 18 de Junho de 2016 Objectivos 1. Aumentar a produtividade 2. Reduzir custos por hectare

Leia mais

Seminário: Medidas Públicas na Gestão do Risco

Seminário: Medidas Públicas na Gestão do Risco Seminário: Estratégias de Gestão do Risco Medidas Públicas na Gestão do Risco Paulo Mateus Lisboa 18 de Março de 2010 A riqueza da nossa A riqueza da nossa TEMPO TEMPO A riqueza da nossa TEMPO A riqueza

Leia mais

Simulação da evolução de indicadores de sustentabilidade da floresta Portuguesa

Simulação da evolução de indicadores de sustentabilidade da floresta Portuguesa Simulação da evolução de indicadores de sustentabilidade da floresta Portuguesa Margarida Tomé Instituto Superior de Agronomia Centro de Estudos Florestais Brigite Botequim Joana Amaral Paulo João Freire

Leia mais

Sessão de Apresentação de Resultados do Plano Piloto do Parque Nacional da Peneda Gerês e Assinatura dos Termos de Aceitação das Decisões de

Sessão de Apresentação de Resultados do Plano Piloto do Parque Nacional da Peneda Gerês e Assinatura dos Termos de Aceitação das Decisões de Sessão de Apresentação de Resultados do Plano Piloto do Parque Nacional da Peneda Gerês e Assinatura dos Termos de Aceitação das Decisões de Financiamento do PO SEUR Orlando Alves Presidente da Câmara

Leia mais

Modelação do crescimento e da produção de pinha no pinheiro manso Ponto de situação e perspetivas

Modelação do crescimento e da produção de pinha no pinheiro manso Ponto de situação e perspetivas Modelação do crescimento e da produção de pinha no pinheiro manso Ponto de situação e perspetivas Margarida Tomé Instituto Superior de Agronomia Centro de Estudos Florestais Projetos AGRO 451: Optimização

Leia mais

Diretrizes de silvicultura para a gestão do Pinus pinea para a produção de pinha em Portugal

Diretrizes de silvicultura para a gestão do Pinus pinea para a produção de pinha em Portugal Diretrizes de silvicultura para a gestão do Pinus pinea para a produção de pinha em Portugal João Abranches Freire (1), Abel Rodrigues (2), Isabel Carrasquinho (2), Conceição Santos Silva (3), Mariana

Leia mais