ANÁLISE DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS NA INDÚSTRIA DE COMPUTADORES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS NA INDÚSTRIA DE COMPUTADORES"

Transcrição

1 ANÁLISE DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS NA INDÚSTRIA DE COMPUTADORES Pauo H. Parra Sívio R. I. Pires Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção UNIMEP, Via Santa Bárbara Iracemápois, km 1, Santa Bárbara do Oeste, SP, CEP , e-mai: v.10, n.1, p.1-15, abr Resumo Nos útimos anos a competição tem crescido significativamente no mundo industria, provocando o surgimento de novos desafios e oportunidades na forma de organizar e gerenciar a produção. Nesse contexto, a gestão da cadeia de suprimentos (Suppy Chain Management SCM) tem emergido como uma nova e promissora maneira de obter vantagens competitivas no mercado. Por sua vez, a indústria de computadores apresenta um conjunto de fatores que dificutam uma gestão mais efetiva da cadeia de suprimentos, em razão, principamente, da veocidade das inovações tecnoógicas no setor. Este trabaho tem por objetivo básico apresentar uma anáise gera da gestão da cadeia de suprimentos na indústria de computadores, com foco na cadeia de abastecimento. O estudo teve o suporte de uma pesquisa conduzida em um grande e representativo produtor mundia de computadores que opera no Brasi. Paavras-chave: gestão da cadeia de suprimentos, indústria de computadores, gestão da cadeia de abastecimento.

2 2 Parra & Pires Anáise da Gestão da Cadeia de Suprimentos na Indústria de Computadores 1. Introdução A competição entre empresas industriais cresceu significativamente desde o início dos anos 90. Atuamente, muitas empresas, mesmo ocaizadas em países em processo de industriaização, têm enfrentado mercados atamente competitivos, com novos e crescentes critérios para competir e garantir a própria sobrevivência. Marcas e companhias gobais tendem a dominar a maioria dos mercados, com tendência para o marketing mundia de produtos. Não somente a marca tem se tornado comum aos diferentes mercados individuais, como também muitos produtos têm caminhado para uma padronização goba e para customizações ocais. Christopher (1997) também reata que, ao mesmo tempo, a empresa de casse mundia tem revisado seu foco de atuação, possibiitando o surgimento de fontes de fornecimento para produção em dimensão goba. Nesse contexto, o níve de competitividade industria tem imposto ao mercado novos padrões de custo, quaidade, desempenho de entregas e fexibiidade, o que gera uma série de novos desafios e fontes de vantagem competitiva nas empresas. Dentre as novas maneiras de obter vantagens surgidas nos útimos anos, tem se destacado muito a gestão da cadeia de suprimentos (suppy chain management SCM), a qua tem emergido como novo modeo gerencia e competitivo para as empresas industriais. Adicionamente, as compras externas de bens e serviços respondem por grande parte dos recursos financeiros das empresas, favorecendo a visão de que a cadeia de abastecimento é um campo vita a ser exporado (Sack et a., 1996). Por sua vez, nos útimos anos, a indústria de informática, mais especificamente a indústria de computadores, tornou-se uma das mais representativas e infuentes do mundo. Entretanto, apresenta uma série de particuaridades que tendem a dificutar uma gestão eficaz de sua cadeia de suprimentos. Tais características não são excusivas dessa indústria, mas potenciaizam-se nea, principamente pea competição acirrada em níve mundia que é marcada pea veocidade nas inovações tecnoógicas introduzidas, bem como peos curtos cicos de vida de produtos e modeos. Assim, este trabaho tem por objetivo básico apresentar uma anáise gera da gestão da cadeia de suprimentos da indústria de computadores, com foco na cadeia de abastecimento (inbound). A anáise apresentada teve o suporte de um estudo de caso conduzido em um grande e representativo produtor mundia de computadores que opera no Brasi. A seguir, o artigo apresenta uma sucinta revisão do tema gestão de cadeias de suprimentos, o qua serve de base conceitua para as anáises a serem apresentadas posteriormente. 2. Gestão da cadeia de suprimentos Conforme reatado, nos útimos anos a gestão da cadeia de suprimentos tem emergido como modeo competitivo estratégico e gerencia para empresas industriais. Segundo Poirier & Reiter (1997), uma cadeia de suprimentos (suppy chain) é um sistema por meio do qua empresas e organizações entregam produtos e serviços a seus consumidores, em uma rede de organizações interigadas. Recentemente, aguns autores têm atribuído à SCM o status de fiosofia de negócios, e diversas definições e visões têm sido encontradas na iteratura (Svensson, 2002). Neste trabaho será considerado que a SCM trata basicamente da integração hoística dos processos de negócios (business process) por intermédio da cadeia produtiva, com objetivo de atender o consumidor fina mais efetivamente, isto é, sendo eficiente e eficaz simutaneamente (Pires et a., 2001). A SCM também pode ser considerada uma visão expandida, atuaizada e, sobretudo, hoística da administração tradiciona de materiais, abrangendo a gestão de toda a cadeia produtiva de forma estratégica e integrada.

3 GESTÃO & PRODUÇÃO, v.10, n.1, p.1-15, abr A SCM pressupõe, fundamentamente, que as empresas devem definir suas estratégias competitivas e funcionais por meio de posicionamentos (como fornecedores e como cientes) nas cadeias produtivas em que se inserem (Pires, 1998). De maneira gera, a SCM busca intensificar, somar e ampificar os benefícios de uma gestão integrada da cadeia de suprimentos. Assim, as estratégias e as decisões deixam de ser formuadas e firmadas sob a perspectiva de uma única empresa e passam a fazer parte da cadeia produtiva como um todo. A SCM também introduz uma importante mudança no modeo competitivo ainda vigente em muitas empresas, ao considerar que cada vez mais a competição no mercado tende a ocorrer no níve das cadeias produtivas e não apenas no níve das unidades de negócios (isoadas), como estabeecia o tradiciona trabaho de Porter (1980). Isso resuta em um modeo competitivo com base no fundamento de que cada vez mais a competição se dará entre unidades de negócios virtuais, ou seja, entre cadeias produtivas. Assim, atuamente, as mais efetivas práticas na SCM visam obter unidade de negócio virtua, a qua consegue manter a maioria dos benefícios da tradiciona integração vertica, eiminando as desvantagens em termos de custo e perda de fexibiidade inerentes a ea (Vomann & Cordon, 1996). Uma unidade de negócios virtua é formada peo conjunto de unidades (geramente representadas por empresas distintas) que compõem determinada cadeia produtiva, conforme iustra a Figura 1. Em gera, pode-se afirmar que o modeo competitivo e gerencia da SCM enfatiza que cada cadeia produtiva agirá como organização virtua de negócios, devendo se preocupar com a competitividade de produtos e serviços perante o consumidor fina e com o desempenho da cadeia produtiva como um todo. 2.1 Reestruturação e consoidação da cadeia de suprimentos Nos útimos anos, um dos piares da SCM no mundo industria tem sido o processo de reestruturação e consoidação das bases de fornecedores e cientes. Basicamente, esse processo seeciona (geramente reduz) e aprofunda as reações com um conjunto seeto de fornecedores e cientes com os quais se deseja estabeecer parceria. Fornecedores Fabricantes Distribuidores Consumidores Cadeia de suprimentos Unidades de negócio Tipos de competição Figura 1 Competição entre unidades de negócios virtuais (Pires, 1998).

4 4 Parra & Pires Anáise da Gestão da Cadeia de Suprimentos na Indústria de Computadores Assim, nesse processo serão decididos quais reacionamentos entre consumidores, fornecedores e provedores de serviço são mais ou menos importantes na otimização da SCM (Coins et a., 1997). Segundo Pires (1998), esse processo pode ser dividido em duas etapas básicas de transformação e mehoria da SCM: a reestruturação e a consoidação. Por reestruturação entende-se a simpificação da cadeia de suprimentos, com o objetivo de mehorar principamente sua eficiência. A questão básica dessa etapa é com quem a empresa pretende construir parcerias e simpificar os processos de comunicação. Na maioria das vezes, a reestruturação acaba incorrendo na redução do número de fornecedores e, eventuamente, do número de cientes. Um exempo dessa situação, menos comum, é a soicitação de agumas empresas para que pequenos cientes comprem por meio de distribuidores e não diretamente, reduzindo o número de cientes diretos e os custos decorrentes de ta prática. Já a consoidação consiste no aprofundamento e no estreitamento das reações de parceria e canais de comunicação com a base de fornecedores e cientes após a reestruturação. Contudo, o sucesso dessa etapa requer postura de confiança, cooperação e reação ganha ganha entre os componentes da cadeia produtiva. No que tange à formação de parcerias entre as organizações, Cooper & Gardner (1993) indicam cinco pontos importantes no estabeecimento e na consoidação do reacionamento, os quais vão aém da reciprocidade. São ees: Assimetria: refete a habiidade de uma organização em exercer poder, infuência ou controe sobre outra. Reciprocidade: é baseada na mutuaidade benéfica em atingir objetivos comuns. Contrária à assimetria, a reciprocidade estabeece reação positiva entre as partes, pois impica cooperação, coaboração e coordenação entre as partes. Eficiência: aparece quando há necessidade interna de a empresa mehorar a reação custo/benefício de agum processo. Sendo assim, ea transferirá para uma outra organização um processo ineficiente. Estabiidade: refete a tentativa de adaptar ou reduzir as incertezas de agum negócio, ou seja, as empresas que utiizam essa razão buscam parcerias que hes garantam um futuro mais confiáve. Legitimidade: a egitimidade refete como os resutados e as atividades de uma empresa são justificados. Por exempo, um negócio com uma grande montadora de automóveis pode ajudar a estabeecer a egitimidade de um pequeno fabricante de autopeças. 2.2 Gobaização da cadeia de suprimentos Conforme reatado na introdução deste trabaho, as marcas e as companhias gobais dominam muitos mercados. Ao ongo das útimas décadas houve forte tendência para o marketing mundia de produtos sob a administração de grandes marcas, como Coca-Coa, IBM, Toyota, Microsoft, dentre outras. Aém de as marcas serem comuns nos mercados de cada país individuamente, os produtos também sofreram uma padronização gera. Ao mesmo tempo, as companhias gobais revisaram seu antigo enfoque (mais regiona) e atuamente procuram recursos em base goba (Christopher, 1997). Essas companhias procuram ampiar seus negócios pea ógica da expansão dos mercados e da redução dos custos por economias de escaa na compra de insumos e na produção, sendo cada vez mais comum o uso de operações concentradas de manufatura. Contudo, apesar dessa ógica, deve-se reconhecer que há certos desafios à empresa goba. Primeiro, os mercados mundiais não são homogêneos e ainda requerem customizações ocais em muitas categorias de produtos. Segundo, há

5 GESTÃO & PRODUÇÃO, v.10, n.1, p.1-15, abr eevado níve de compexidade ogística na execução de uma SCM em âmbito goba, o que pode resutar em custos atos e prazos excessivamente ongos para os ead times de entregas. O custo do transporte, em razão do uso de fontes de fornecimento distantes, pode se sobrepor a possíveis reduções de custo obtidas pea economia de escaa. A tendência para o uso de manufatura e marketing em escaa goba está evidenciando a SCM e seus processos ogísticos como fatores críticos de sucesso. A compexidade da tarefa ogística é infuenciada por fatores como número crescente de produtos, curtos cicos de vida do produto e crescimento do mercado e do número de canais de fornecimento. 2.3 Gestão estratégica de ead times na cadeia de suprimentos De acordo com Christopher (1997), os cientes em todos os mercados industriais estão cada vez mais sensíveis ao tempo. Em outras paavras, ees o vaorizam e isso se refete em seus comportamentos de compra. Cada vez mais os compradores procuram fornecedores que ofereçam menores prazos e atendam a seus requisitos de quaidade. Nos mercados de consumo, os cientes escohem entre as marcas disponíveis no momento. Portanto, se a marca preferida não estiver no estoque, provavemente será adquirida uma substituta. Segundo Christopher & Braithwaite (1989), há três fatores de pressão nos mercados sensíveis ao tempo: redução dos cicos de vida dos produtos; esforço para manter estoques reduzidos; mercados voáteis com base em previsões poucos confiáveis. A redução do cico de vida dos produtos faz com que se diminua o tempo disponíve para desenvover e ançar novos produtos. Assim, a habiidade de gerenciar adequadamente o desenvovimento, a fabricação e os processos ogísticos dos produtos torna-se eemento-chave na estratégia competitiva de uma empresa. O esforço para manter estoques reduzidos é um dos fenômenos mais pronunciados nos útimos anos no mundo industria. Sejam estoques de matérias-primas, de materiais em processo de produção, de componentes ou de produtos acabados, a pressão tem sido para a iberação do capita nees apicado, o que, conseqüentemente, reduz os custos de manutenção. Um probema constante que afige a maioria das organizações, especiamente aqueas que produzem para estoque, é a incerteza das previsões. Não importa quão sofisticadas sejam as técnicas de previsão empregadas, a voatiidade dos mercados eva essas previsões a estarem sempre sujeitas a erros. Os erros de previsão tendem a provocar aumento indesejado nos ead times de compras e produção. 3. Gestão da cadeia de abastecimento na indústria de computadores Conforme definido anteriormente, uma cadeia de suprimentos abrange o fuxo de materiais e informações desde a fonte de matéria-prima primária até a entrega do produto acabado ao consumidor fina. Assim, toda empresa industria inserida em uma cadeia de suprimentos apresenta uma cadeia de abastecimento (inbound chain) e uma de distribuição (outbound). Neste trabaho o interesse reside no estudo da cadeia de abastecimento da indústria de computadores, com o objetivo de: apresentar uma anáise da gestão da cadeia de suprimentos, verificando a infuência de agumas de suas estratégias no desempenho de sua cadeia de abastecimento; estruturar os eementos-chave para o aprimoramento da cadeia de abastecimento do setor.

6 6 Parra & Pires Anáise da Gestão da Cadeia de Suprimentos na Indústria de Computadores A pesquisa foi conduzida com base, principamente, na anáise da reaidade e em dados de uma empresa representativa e íder na indústria de computadores, a qua atua gobamente e apresenta operações de manufatura no Brasi. A empresa que serviu de base para o estudo não será identificada, sendo o trabaho conduzido de forma exporatória. Em termos de taxonomia de métodos de pesquisa, foi utiizada a chamada pesquisa ação ou de observação participante (Dane, 1990). Nesse caso, o pesquisador participa diretamente ou está envovido com os eventos e/ou fenômenos observados. Esse fato fez com que significativo voume de conhecimento tácito (não formaizado) da empresa estudada e do setor industria pudesse ser reatado no decorrer do trabaho. O estudo foi subdividido em três etapas distintas, identificando: as principais características da indústria de computadores; o modeo predominante de gestão da cadeia de suprimentos; os eementos-chave de aprimoramento da cadeia de abastecimento. 3.1 Características da indústria de computadores Pode-se afirmar que a indústria de computadores apresenta uma série de características que dificutam a gestão eficaz de sua cadeia de suprimentos. Essas características não são excusivas desse tipo de indústria, mas potenciaizamse pea veocidade e peas constantes inovações. Essas características são: curtos cicos de vida; grande número de produtos; baixa previsibiidade da demanda; grande variabiidade do mercado; grande customização de atendimento; muitos canais de fornecimento. Os curtos cicos de vida dos produtos ocorrem em função das constantes inovações tecnoógicas no setor. Dessa maneira, as empresas se vêem obrigadas a ançar novos produtos constantemente, acompanhando o ritmo aceerado da inovação na indústria. O grande número de produtos associa-se à diversidade de apicações dos computadores. Essa diversidade abrange desde um computador pessoa até um servidor de grande porte, ou seja, para cada necessidade específica há um produto diferenciado. A baixa previsibiidade da demanda tem sua origem em diversos fatores, com destaque para a enorme gama de produtos e também para a grande variabiidade do mercado. Assim, podese dizer que a previsibiidade da demanda tende a ser inversamente proporciona ao número de produtos e/ou mercados, os quais são enormes nesse tipo de indústria. A grande variabiidade do mercado se deve à constante busca por parte da indústria em prover souções/produtos para todo o tipo de necessidade. Isso faz com que o mercado se torne cada vez mais ampo e diferenciado. Já a grande customização de atendimento associa-se a dois fatores centrais. O primeiro reaciona-se ao fato de que os consumidores/ mercado estão cada vez mais exigentes, demandando produtos que atendam a suas necessidades específicas. Já o segundo reaciona-se à concorrência acirrada desse tipo de indústria, cuja customização de atendimento apresenta uma estratégia eficiente de aumento de vendas. O constante aumento dos canais de abastecimento ocorre em função da gobaização, que se encontra em estágio bem avançado na indústria de computadores, ou seja, o processo de gobaização fomenta a mutipicação dos canais de fornecimento.

7 GESTÃO & PRODUÇÃO, v.10, n.1, p.1-15, abr Essas características foram divididas em três grandes grupos, apresentados na Figura 2, que iustra os principais desafios encontrados pea SCM na indústria de computadores. Pea reevância na SCM e, em especia, na gestão da cadeia de abastecimento, agumas características próprias da indústria de computadores serão destacadas a seguir Unidades de negócios Em razão de sua compexidade, a indústria de computadores não costuma ser tratada como eemento único, visto que há mercados e produtos diferenciados que forçam a segmentação do setor. Para iustrar, pode-se citar o caso de um profissiona ibera que deseja mehorar seus serviços adquirindo um computador, o que difere em muito de uma empresa que busca um novo servidor para expandir seus negócios. Tendo em vista essa diferenciação no mercado, a indústria de computadores usuamente divide sua atuação em três unidades de negócio distintas: unidade de consumidores; unidade corporativa; unidade de servidores. Em seguida, essas unidades de negócio serão anaisadas sob a perspectiva de três dimensões que consideramos básicas no setor: o mercado, o produto e a fabricação. Unidade de consumidores A unidade de consumidores envove todos os produtos e acessórios votados à utiização pessoa de um computador. A característica desse mercado é a atuação no varejo, ou seja, o ciente fina normamente é uma pessoa física que busca um equipamento para sua casa, escritório ou pequena empresa. PRODUTOS curtos cicos grande número de produtos DEMANDA baixa previsibiidade grande variabiidade de mercado grande customização de atendimento FORNECIMENTO muitos canais de abastecimento Figura 2 Principais desafios da SCM na indústria de computadores.

8 8 Parra & Pires Anáise da Gestão da Cadeia de Suprimentos na Indústria de Computadores Já os produtos dessa unidade de negócio apresentam um cico de vida extremamente curto (de 3 a 6 meses) em função da constante evoução tecnoógica que se apica a esse tipo de produto (hardware e software). Aém disso, os produtos dessa unidade possuem duas segmentações caras. A primeira é caracterizada por computadores de baixo custo, com certa tecnoogia agregada, e a segunda, por computadores com tecnoogia mais avançada, ato poder de processamento e, conseqüentemente, preço mais eevado. Quanto à fabricação, tem-se a produção em grande escaa, votada ao abastecimento dos estoques dos centros de distribuição e geramente associada a uma pequena diversidade de produtos finais. Unidade corporativa A unidade corporativa engoba produtos e acessórios destinados tanto a empresas grandes como pequenas. Quanto ao mercado, tem-se que a útima geração em tecnoogia não está em primeiro pano, mas a diferenciação, ou seja, preza-se pea configuração, peo atendimento, pea execução e pea entrega diferenciada. Os produtos dessa divisão possuem um cico de vida médio (de 6 a 12 meses), mas com grande diversidade de tipos (famíias), projetados para cada tipo de apicação. Outra particuaridade está reacionada à customização, muitas vezes requerida peos cientes, que pode envover a configuração de agum componente (hardware) ou até mesmo de sistemas operacionais (software). Em reação à fabricação, tem-se basicamente o atendimento de ordens (pedidos). Esse tipo de atendimento torna a fabricação uma atividade compexa, em razão da grande variedade de produtos e ordens a executar. Em contrapartida, apresenta processos de fabricação otimizados, por se tratarem de produtos com cico de vida reativamente médio. Unidade de servidores Essa divisão está votada para a fabricação de servidores, cassificados como computadores de médio porte. Nessa unidade tem-se um mercado votado para médias e grandes empresas, bem como centros de pesquisa. Especificamente no Brasi, pode-se dizer que esse mercado está em pena expansão, diante do crescimento do segmento de teecomunicações e apicações da Internet. Os produtos dessa unidade apresentam cico de vida médio (de 6 a 12 meses) e com pequena gama de variação. Outra particuaridade desse grupo está na grande variedade de itens opcionais atreados à compra do produto em si. Já no que tange à f abricação, tem-se nesta divisão a presença de um produto com baixo voume de produção, mas com ato vaor agregado. Sendo assim, sua execução se dá estritamente por meio de pedidos de cientes, que termina na maioria das vezes com a entrega direta, sem intermédio de distribuidores. Essa reação entre as unidades de negócio e a perspectiva das três dimensões (mercado, produto e fabricação) é iustrada na Tabea Configuração do produto Na indústria de computadores, usuamente o computador é tratado como unidade de processamento centra (centra processing unit CPU). Essa unidade de processamento é formada pea montagem de diversos eementos que juntos formam um produto fina. Esses eementos são: microprocessador, tecado, disco rígido, paca processadora, foppy drive, CD drive, paca gráfica, DVD drive, paca de fax/modem, memória, paca de rede, embaagem, chassis, documentação e software. Esses eementos podem ser estruturados em dois grupos: a pataforma, que varia conforme o produto, e os configuradores, que definem o produto fina efetivamente, conforme iustra a Tabea 2.

9 GESTÃO & PRODUÇÃO, v.10, n.1, p.1-15, abr Tabea 1 Reação entre as unidades de negócio e as três dimensões anaisadas. Unidade de Dimensão negócio Mercado Produto Fabricação Consumidores Enfoque no custo Ciente no varejo Curto cico de vida Baixa variedade Atos voumes para estoque Corporativos Enfoque na diferenciação Cientes corporativos Médio cico de vida Ata variedade Customização contra ordens Servidores Enfoque na diferenciação Cientes corporativos Médio cico de vida Ata variedade Baixos voumes Customização contra ordens Tabea 2 Componentes básicos de um computador. Grupo Pataforma Configuradores Componentes Chassis Tecado Paca processadora Paca gráfica Embaagem Documentação Software Microprocessador Memória Disco rígido DVD drive Foppy drive CD drive Paca de fax/modem Paca de rede A combinação entre pataforma e configuradores gera inúmeras possibiidades para cada produto. Por exempo, um produto com 5 variações para cada um dos 8 configuradores e 4 pataformas diferentes gerará um tota de 160 combinações Posicionamento de materiais O mercado de computadores é extremamente sensíve em termos de variações de voume, pois ida com produtos de ata tecnoogia e com inovações acontecendo a todo o momento. Por sua vez, a inovação requer a maior fexibiidade possíve no posicionamento (disponibiizar para uso) de materiais, pois é por intermédio da exceência desse posicionamento que se garante o atendimento do ciente fina. No entanto, a fexibiidade precisa estar atreada a baixos níveis de inventário, bem como a atos giros de estoque, pois disso depende a saúde financeira das empresas. Atuamente, na indústria de computadores tem-se cada vez mais a apicação de estratégias de posicionamento de materiais que se dão principamente pea anáise dos seguintes fatores: vaor do materia; voume do materia; origem do fornecedor; tipo de frete.

10 10 Parra & Pires Anáise da Gestão da Cadeia de Suprimentos na Indústria de Computadores A anáise desses fatores serve como instrumento condutor de informações da atividade de panejamento de materiais, que apresenta três momentos distintos na indústria de computadores: O primeiro trata da introdução de novos produtos, em que se destacam as etapas de desenvovimento de produtos/materiais e também a introdução de novas tecnoogias. Nesse momento, todos os esforços são canaizados para que a introdução ocorra no prazo previsto. O segundo envove a sustentação do produto ao ongo de sua vida, em que o foco passa a ser atender a pedidos de cientes, mas com vaores mínimos de estoque, bem como atos giros de inventário. Já o terceiro abrange o fim de vida de um produto, em que o objetivo principa é fazer com que o produto tenha o menor índice de obsoescência possíve, ou seja, busca-se um fim de vida com sobra zero de materiais. A Tabea 3 iustra esses momentos e suas respectivas prioridades. 3.2 Modeo predominante de gestão da cadeia de suprimentos (SCM) O modeo predominante de SCM na indústria de computadores se adequa as suas características intrínsecas. Contudo, a adoção de determinadas estratégias na SCM incorre em agumas impicações negativas, as quais afetam diretamente o desempenho da cadeia de abastecimento. A seguir, apresenta-se uma anáise dessa questão sob a perspectiva de três eementos principais: o produto, a demanda e o abastecimento. Produtos Conforme reatado, a indústria de computadores requer constante redução dos cicos de vida e aumento da variedade de produtos. Para suportar essa característica, adota-se a estratégia de introduzir o maior número possíve de novos produtos, diferenciando-os cada vez mais. A primeira impicação negativa da adoção dessa estratégia consiste no aumento da compexidade da gestão do cico de vida dos produtos, uma vez que novos produtos são ançados a todo o momento e para cada produto há necessidade de perfeita administração de suas quatro fases de vida: a introdução, o crescimento, a maturidade e o decínio. A segunda impicação negativa associa-se ao aumento da gama de materiais, pois na maioria das vezes esses materiais não são intercambiáveis entre os produtos. Sendo assim, há muitos materiais específicos para cada produto, ou até mesmo para cada variação de produto. Essas impicações negativas geram uma série de efeitos na cadeia de suprimentos, reduzindo sobremaneira seu desempenho. Esses efeitos variam desde um consideráve aumento na entropia da gestão do cico de vida dos produtos até o aumento dos índices de obsoescência de produtos e materiais em gera. Cabe embrar que o fator obsoescência se potenciaiza nessa indústria em função de sua constante renovação tecnoógica. Tabea 3 Prioridades do panejamento de materiais. Etapa Introdução Sustentação Fim de vida Prioridades do panejamento de materiais Atendimento à data de introdução Atendimento a ordens Giro de estoque Baixo inventário Índice de obsoescência zero

11 GESTÃO & PRODUÇÃO, v.10, n.1, p.1-15, abr Outro efeito marcante é o aumento dos índices de inventário e a baixa fexibiidade dos materiais, que tendem a cobrir uma enorme gama em termos de abrangência, mas geramente têm baixo níve de intercambiabiidade de partes. Esses fatores tornam incompatíveis os objetivos de maior fexibiidade e baixo inventário, pois grandes variedades de materiais requerem atos níveis de estoque para proporcionar fexibiidade satisfatória. Demanda As características da indústria de computadores no tocante à demanda apontam grande variabiidade de mercado, baixa previsibiidade e grande customização de atendimento. Para suportar essas características, adotam-se, muitas vezes, modeos centraizados de gestão da demanda, agrupando, dessa forma, todas as unidades de negócio. A primeira impicação negativa dessa estratégia consiste na enorme dificudade em impementar a gestão da demanda. Essa dificudade é decorrente da adoção de um modeo único de gestão da demanda, que não permite formas diferenciadas de interação da demanda para cada unidade de negócio. As unidades de negócio atuam em segmentos de mercado distintos e, portanto, possuem objetivos diferenciados. Sendo assim, esses objetivos também requerem modeos de gestão diferenciados. A segunda impicação negativa consiste na tota fata de acuracidade das previsões, muitas vezes em função da centraização da gestão da demanda. Essa centraização induz a erros, pois deturpa a visibiidade de condições específicas de mercados regionais e atrapaha o reacionamento entre fabricação e marketing. De maneira gera, essas duas impicações negativas incorrem na fata de acuracidade das previsões da empresa. Por sua vez, essa fata de acuracidade gera uma série de efeitos negativos na cadeia de abastecimento. O primeiro efeito negativo associa-se ao faho posicionamento de materiais, em função dos ongos ead-times das commodities adquiridas, muitas vezes, de fornecedores da Ásia e com grandes tempos de trânsito e/ou desenvovimento. Como os materiais são posicionados com base nas previsões de vendas, tem-se que sua não acuracidade incorre em ineficiência de suporte ao atendimento de cientes (fexibiidade) ou em redução dos giros de inventários. Esses dois efeitos são danosos ao retorno do capita investido pea empresa, pois com o não atendimento de cientes perdem-se vendas e diminui-se o ucro íquido. Já na redução dos giros de inventário tem-se aumento do capita investido. O segundo efeito da fata de acuracidade associa-se ao ato índice de obsoescência, originado na enorme diversidade de produtos e materiais. Essa diversidade prejudica o desempenho da atividade de gestão do cico de vida dos produtos. Abastecimento A atua indústria de computadores envove uma base reativamente grande, e em expansão, de canais de abastecimento. Geramente, para suportar essa característica adota-se a estratégia da integração eetrônica com todos os fornecedores de primeiro níve (first tier suppiers). A impicação negativa dessa estratégia devese ao fato de haver interigação eetrônica somente entre fornecedores de primeiro níve. Conforme dito anteriormente, uma gestão efetiva da cadeia de suprimentos requer interigação de todos os níveis produtivos, ou seja, de sua virtua unidade de negócio. O efeito dessa impicação negativa reaciona-se à fata de visibiidade de toda a cadeia de suprimento. A visibiidade somente do primeiro níve incorre em muitos erros de aocação de recursos, pois nem sempre os fornecedores desse primeiro níve repassam a seus subfornecedores a mesma informação de demanda. Por sua vez, essa quebra do cana de informação gera distorções na aocação de recursos de toda a cadeia, acarretando perdas de fexibiidade de atendimento a cientes.

12 12 Parra & Pires Anáise da Gestão da Cadeia de Suprimentos na Indústria de Computadores 3.3 Eementos-chave para o aprimoramento da cadeia de abastecimento Objetivando promover mehorias na cadeia de abastecimento da indústria de computadores, esta parte do estudo de caso buscará apresentar os eementos-chave para o aprimoramento: o desenvovimento de produtos, a gestão da demanda e o fornecimento integrado. Esses eementos são iustrados na Figura Desenvovimento de produtos Conforme descrito anteriormente, a redução dos cicos de vida e o aumento da gama de produtos são características típicas da indústria de computadores. Assim, quaquer que seja a estratégia reacionada ao desenvovimento de produtos tem por obrigatoriedade considerar essas características. A proposta aqui apresentada sugere mudanças no desenvovimento de produtos, as quais se dividem em: redução da gama de produtos; impementação de estrutura moduar; aumento da intercambiabiidade de partes. A redução da gama de produtos, em princípio, aparenta ser uma estratégia equivocada, pois induz ao pensamento de perda de mercado. Contudo, anáises reveam que mais de 80% do faturamento das empresas se concentra em reduzido número de produtos. Portanto, a redução da gama de produtos faz com que o foco das vendas se vote para os produtos que reamente contribuem para o faturamento. No que tange à cadeia de abastecimento, essa redução é extremamente benéfica, pois simpifica e reduz o número de materiais adquiridos e controados. Essa simpificação, por sua vez, proporcionaria um aumento da eficiência nos controes de obsoescência e de inventários. Já a estrutura moduar é um conceito que visa minimizar os efeitos prejudiciais da constante redução dos cicos de vida dos computadores. Nesse conceito, os produtos são desenvovidos a partir de móduos que, juntos, determinam a configuração fina. Basicamente, esses móduos seriam divididos em dois grupos, já apresentados, a pataforma e os configuradores. DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS redução da gama de produtos impementação de estrutura moduar intercambiabiidade de partes GESTÃO DA DEMANDA modeos específicos de interação entre demanda e manufatura FORNECIMENTO INTEGRADO interigação da cadeia de abastecimento Figura 3 Eementos de aprimoramento da cadeia de abastecimento.

13 GESTÃO & PRODUÇÃO, v.10, n.1, p.1-15, abr A pataforma teria maior estabiidade em seu cico de vida e seria totamente adaptáve às constantes trocas de configuradores. Nesse conceito, pataforma e configuradores possuiriam cicos de vida independentes e predeterminados, cada um associado a sua inovação tecnoógica. Dessa maneira, haveria diversas introduções de configuradores associadas à mesma pataforma. O conceito moduar é extremamente favoráve ao aprimoramento da cadeia de abastecimento, pois permite mehor controe do cico de vida dos produtos, já que a base de controe mudaria de inúmeras CPUs para aguns móduos. Esse aprimoramento proporcionaria mehorias significativas nos índices de obsoescência, advindas de um gerenciamento de fim de vida de produtos mais estruturado, bem como de um mehor controe de introdução de novos produtos. O aumento da intercambiabiidade de partes é fundamenta ao aprimoramento da gestão de materiais, pois permite atender a diversos produtos a partir de uma base reduzida de suprimentos. A proposta seria ampiar a intercambiabiidade por meio dos móduos, utiizando um mesmo configurador em diversas pataformas. Assim, os produtos finais apresentariam várias combinações diferentes, geradas a partir de um número imitado de móduos. Essa intercambiabiidade proporcionaria o aprimoramento do uso dos materiais, que, por sua vez, permitiria significativa redução dos níveis de inventário e, também, mehorias nos níveis de fexibiidade de posicionamento de materiais Gestão da demanda A baixa previsibiidade do ampo mercado de computadores faz com que a previsão da demanda se torne uma atividade extremamente compexa e cercada de erros. Uma proposta para reduzir as margens de erros das previsões seria rever a estratégia predominante de gestão da demanda pea impementação de modeos específicos de interação entre demanda e manufatura para cada unidade de negócio. Essa estratégia se fundamenta no princípio básico de que os mercados das unidades de negócio são diferenciados e apresentam características próprias. Dessa maneira, também são necessários modeos diferenciados de gestão da demanda e, por conseguinte, diferenciadas formas de interação da gestão com a manufatura. Na proposta de aprimoramento haveria dois processos distintos de manufatura: a produção para estoque (make to stock MTS) e a produção sob encomenda (make to order MTO). A produção para estoque seria mais apropriada para a unidade de negócios de consumidores, visto que apresenta as seguintes características: estratégia competitiva com base no custo; baixa variedade de produtos; grandes voumes; definição dos produtos que serão fabricados. Para essa unidade, um modeo de atendimento baseado em ordens não é muito eficaz, visto que os cientes desse mercado somente compram o que está na prateeira. Também é ineficiente a tentativa de customizar o atendimento nesse mercado, visto que seus cientes priorizam o fator custo e não a diferenciação. Portanto, a estratégia competitiva mais adequada para essa unidade de negócio seria o enfoque no custo. Outro fator importante é que, com a expansão da Internet, essa unidade de negócio apresenta o maior voume de produção. Por sua vez, esses voumes seriam mais adequados a uma produção em massa. Em outro extremo, tem-se que a produção sob encomenda se adequaria mehor às unidades de negócio corporativo e de servidores, visto que eas apresentam as seguintes características: estratégia competitiva com base na diferenciação; grande variedade de produtos;

14 14 Parra & Pires Anáise da Gestão da Cadeia de Suprimentos na Indústria de Computadores necessidade de capabiidade para quaquer voume; postergação da definição fina do produto. A diferenciação no atendimento é um ponto extremamente reevante nos mercados dessas duas divisões, pois cada vez mais seus cientes (mercado corporativo) buscam souções customizadas para suas necessidades. Portanto, a estratégia competitiva mais adequada a essas unidades de negócio seria o enfoque na diferenciação. Dessa maneira, a adoção de um modeo MTO associado à proposta de estrutura moduar faria com que o ponto de desacopamento se aproximasse da rea entrada de pedidos. Essa proximidade proporcionaria mehor posicionamento de materiais, advindo de um controe mais eficaz das previsões de vendas, que seriam feitas em móduos. Sendo assim, a fabricação (junção dos móduos) teria início somente no ato do recebimento de pedidos. Outro fator benéfico dessa proposta é a fexibiidade de posicionamento de materiais, visto que aguns poucos móduos poderiam atender a uma gama variada de combinações de produtos finais Fornecimento integrado Conforme citado anteriormente, tem-se na indústria de computadores um constante aumento dos canais de fornecimento. Por sua vez, esse aumento gera efeitos negativos, que poderiam ser minimizados com a interigação da cadeia de abastecimento. Essa proposta se baseia no crescimento horizonta dos canais de abastecimento (anteriormente descritos) que, por sua vez, dificuta a tota visibiidade da aocação de recursos. Na indústria de computadores, tem-se a presença de vários fornecedores estratégicos postados em diversas camadas. Dessa maneira, a interigação somente com o primeiro níve não proporciona a visibiidade de toda a cadeia, conforme discutido anteriormente. A proposta aqui apresentada não seria interigar todas as camadas de todos os fornecedores, mas daqueas estrategicamente importantes. Essa interigação permitiria mehor visibiidade de aocação de recursos de toda a cadeia produtiva, fazendo com que a previsão de vendas de computadores fosse transferida para os fornecedores estratégicos, independentemente da camada (first tiers, second tiers, etc.) em que ees se encontrem. Sendo assim, pode-se dizer que essa mehor visibiidade proporcionaria mehor posicionamento de materiais que, por sua vez, permitiria mehor atendimento aos cientes. 4. Considerações finais Atuamente, é notória a crescente importância estratégica da SCM em diversos setores industriais, em especia na indústria de computadores tratada neste artigo. Entretanto, a SCM é um tema extremamente ampo e o foco da pesquisa reaizada se imitou à gestão da cadeia de abastecimento (inbound), ou seja, às reações dos fornecedores (upstream) da empresa estudada. A anáise reaizada em uma grande empresa do setor sugere a necessidade de constante aprimoramento da SCM, visando a resutados positivos não somente no âmbito das empresas produtoras de computadores, mas também para seus fornecedores e para a cadeia de abastecimento em gera. Esses benefícios estão igados a mehorias em aguns processos, como previsões de vendas, racionaização de produtos e materiais e interigação das camadas de fornecedores. A anáise apontou que o aprimoramento da cadeia de abastecimento necessariamente está atreado à revisão da SCM como um todo, sugerindo que a possíve racionaização dessa cadeia estaria igada à revisão de sua estratégia de SCM. Dessa maneira, o resutado de uma possíve mehoria de desempenho, conforme sugerido neste artigo, necessariamente estaria inserido na redefinição e/ou ateração das estratégias de SCM das empresas do setor.

15 GESTÃO & PRODUÇÃO, v.10, n.1, p.1-15, abr Finamente, cabe observar que, embora baseada em um estudo de caso em uma grande e representativa empresa mutinaciona produtora de computadores, a pesquisa indica que muitas das questões aqui tratadas são representativas do setor industria e não apenas de uma grande empresa. Nesse caso, as imitações intrínsecas às pesquisas exporatórias e o cuidado com a não identificação da empresa estudada não permitem avançar mais no reato da anáise. Referências Bibiográficas CHRISTOPHER, M. Logística e gerenciamento da cadeia de suprimentos. São Pauo: Pioneira, CHRISTOPHER, M.; BRAITHWAITE, A. Managing strategic ead times. London: Logistics Information Management Pubications, COLLINS, R. S.; BECHLER, K.; PIRES, S. Outsourcing in the automotive industry: from JIT to moduar consortia. European Management Journa, v. 15, n. 5, oct COOPER, M. C.; GARDNER, J. T. Buiding good business reationships More than just partnering or strategic aiances. Internationa Journa of Physica Distribution & Logistics Management, v. 23, n. 6, DANE, F. C. Research methods. Bemont, Caifornia: Brooks/Coe, PIRES, S. Gestão da cadeia de suprimentos e o modeo do consórcio moduar. Revista de Administração/USP, São Pauo, v. 33, n. 3, PIRES, S.; BREMER, C.; SANTA EULÁLIA, L.; GOULART, C. Suppy chain and virtua enterprises: comparisons, migration and a case study. Internationa Journa of Logistics: Research and Appications, v. 4, n. 3, POIRIER, C. C.; REITER, S. E. Otimizando sua rede de negócios. São Pauo: Futura, PORTER, M. Competitive strategy. New York: Free Press, SLACK, N. et a. Administração da produção. São Pauo: Atas, SVENSSON, G. The theoretica foundation of suppy chain management a functionaist theory of marketing. Internationa Journa of Physica Distribution & Logistics Management, v. 32, n. 9, VOLLMANN, T. E.; CORDON, C. Suppy chain management. Business Briefing Manufacturing 2000, Forum. n. 18, Lausanne: IMD, Summer AN ANALYSIS OF SUPPLY CHAIN MANAGEMENT IN THE COMPUTER INDUSTRY Abstract During the ast years, competition has increased significanty in the industria word and has created a set of new chaenges and opportunities in the way of organizing and managing the production. In this context, suppy chain management has emerged as a new and promising frontier for reaching competitive advantages within the marketpace. On the other hand, the computer industry shows a series of characteristics that make difficut to achieve effectiveness in the suppy chain management, due mainy to the speed of the technoogica innovations in the sector. This artice has the basic purpose of showing a genera anaysis of the suppy chain management within the computer industry and with focus on its inbound chain. The research was supported by a research conducted in a arge and representative wordwide computer manufacturer operating in Brazi. Key words: suppy chain management, computer industry, inbound chain management.

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO BURGO, Rodrigo Navarro Sanches, RIBEIRO, Talita Cristina dos Santos, RODRIGUES,

Leia mais

Princípios da Engenharia de Software Aula 01

Princípios da Engenharia de Software Aula 01 Princípios da Engenharia de Software Aua 01 Prof.: José Honorato Ferreira Nunes honorato.nunes@bonfim.ifbaiano.edu.br Materia cedido por: Frankin M. Correia frankin.correia@bonfim.ifbaiano.edu.br Objetivo

Leia mais

Just-in-time. Podemos dizer que estamos usando a técnica. Conceito

Just-in-time. Podemos dizer que estamos usando a técnica. Conceito A UU L AL A Just-in-time Podemos dizer que estamos usando a técnica ou sistema just-in-time ou, abreviadamente, JIT, quando produzimos ago sem desperdício de matéria-prima; quando soicitamos e utiizamos

Leia mais

Problemas comuns Desenvolvimento e Design de Sistemas Web Categorias de problemas Exemplo de problema de funcionamento

Problemas comuns Desenvolvimento e Design de Sistemas Web Categorias de problemas Exemplo de problema de funcionamento Desenvovimento e Design de Sistemas Web Probemas comuns Web Sites ma definidos e projetados Necessidade de atuaização constante das informações: eternamente em construção Evoução extremamente rápida da

Leia mais

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5.1 Conceitos e definições do supply chain management O conceito ou definição do SCM é algo recente na literatura especializada, datado mais precisamente da metade

Leia mais

A primeira fase da normalização

A primeira fase da normalização U L A A primeira fase da normaização A partir do momento em que o homem entra na era industria e inicia a produção em massa, isto é, a fabricação de um mesmo produto em grande quantidade, surge uma grande

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção Curso de Engenharia de Produção Noções de Engenharia de Produção Logística: - II Guerra Mundial; - Por muito tempo as indústrias consideraram o setor de logística de forma reativa e não proativa (considera

Leia mais

Cursos Profissionalizantes

Cursos Profissionalizantes Cursos Profissionaizantes O Teecurso Profissionaizante foi feito para você que está à procura de profissionaização; para você que está desempregado e precisa aprender uma profissão; para você que já estuda

Leia mais

MANUAL DE IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA VIÁRIA REQUISITOS DA NORMA ISO 39001

MANUAL DE IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA VIÁRIA REQUISITOS DA NORMA ISO 39001 MANUAL DE IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA VIÁRIA REQUISITOS DA NORMA ISO 39001 branca A P R E S E N TA Ç Ã O Construindo um novo futuro Para tornar-se íder goba em souções de transporte

Leia mais

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Estratégia Competitiva é o conjunto de planos, políticas,

Leia mais

DIAGNÓSTICO E PROPOSTA PARA UTILIZAÇÃO DO ESTOQUE DE SEGURANÇA EM PRODUTOS ACABADOS DE UMA EMPRESA DE PLÁSTICOS. *E-mail: elpidio@unisc.

DIAGNÓSTICO E PROPOSTA PARA UTILIZAÇÃO DO ESTOQUE DE SEGURANÇA EM PRODUTOS ACABADOS DE UMA EMPRESA DE PLÁSTICOS. *E-mail: elpidio@unisc. DIAGNÓSTICO E PROPOSTA PARA UTILIZAÇÃO DO ESTOQUE DE SEGURANÇA EM PRODUTOS ACABADOS DE UMA EMPRESA DE PLÁSTICOS Epídio O. B. Nara 1 *, Leirson Eckert 2, Jaqueine de Moraes 3 1 SPI - Sistemas de Processos

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Preparando a organização para o mundo digital

Preparando a organização para o mundo digital Ideas Preparando a organização para o mundo digita Por que você pode estar fazendo as perguntas erradas O mundo digita está em todas as partes e vem, aparentemente, ameaçando as maneiras mais tradicionais

Leia mais

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes.

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes. Logística Empresarial Aula 6 Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II Prof. Me. John Jackson Buettgen Contextualização Conceitos Importantes Fluxos logísticos É o movimento ou

Leia mais

Informações sobre os Cursos. Gestão do Comércio e Negócios. Gestão Estratégica de Pessoas. com Ênfase em BI (Business Intelligence)

Informações sobre os Cursos. Gestão do Comércio e Negócios. Gestão Estratégica de Pessoas. com Ênfase em BI (Business Intelligence) Rua Eucides da Cunha, 377 Centro de Osasco 0800 771 77 44 www.fipen.edu.br Centra de Informações Gestão Estratégica de Pessoas Gestão da Produção e Logística Gestão do Comércio e Negócios Gestão de Serviços

Leia mais

Coaching, treinamentos e palestras

Coaching, treinamentos e palestras Coaching, treinamentos e paestras Somos Couto Nós acreditamos que o potencia humano é o fator determinante do sucesso nas organizações e na sociedade. Dessa forma, nossa missão e visão nos inspiram em

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1

Introdução e Planejamento Cap. 1 BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br L

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas.

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. Logística e Distribuição Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Histórico O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. A história mostra que

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

Atuais objetivos da normalização

Atuais objetivos da normalização A U L A Atuais objetivos da normaização Você agora vai estudar a útima parte deste assunto: os atuais objetivos da normaização. Pode-se dizer que a primeira fase da normaização, por vota de 1900 até os

Leia mais

MINHA VISÃO DO CAP 16 REOLOGIA DOS SISTEMAS COLOIDAIS

MINHA VISÃO DO CAP 16 REOLOGIA DOS SISTEMAS COLOIDAIS 16 REOLOGIA DOS SISTEMAS COLOIDAIS Os processos de ateração da estabiidade à agregação dos sistemas cooidais evam, em aguns casos, à separação em macro fases, isto é, contatos de fase ou coaescência e,

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Nesta aula, vamos estudar a urbanização

Nesta aula, vamos estudar a urbanização Condomínios e faveas: a urbanização desigua A UU L AL A Nesta aua, vamos estudar a urbanização brasieira, que se caracteriza pea rapidez e intensidade de seu ritmo. Vamos comprender como o crescimento

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

Análise de Segurança Estática em Sistemas de Potência

Análise de Segurança Estática em Sistemas de Potência Universidade Federa do Rio de Janeiro Escoa Poitécnica Departamento de Engenharia Eétrica NOTAS DE AULA Anáise de Segurança Estática em Sistemas de Potência Prof. Carmen Lucia Tancredo Borges, D.Sc Juiana

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO PROFESSOR: HAMIFRANCY MENESES 1 TÓPICOS ABORDADOS DEFINIÇÃO DE CANAL

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

Certificado uma vez, aceito em toda parte Por que usar um organismo de certificação acreditado

Certificado uma vez, aceito em toda parte Por que usar um organismo de certificação acreditado Certificado uma vez, aceito em toda parte Por que usar um organismo de certificação acreditado A certificação de terceira-parte de sistemas de gestão é, com frequência, um requisito especificado para atuação

Leia mais

34 Ritmos e movimentos da população mundial

34 Ritmos e movimentos da população mundial A U A UL LA Ritmos e movimentos da popuação mundia Nessa aua, vamos estudar o crescimento da popuação mundia reacionando-o com as mudanças ocorridas na sociedade. Vamos conhecer o modeo expicativo da desaceeração

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Fonte: Tipos de Sistemas de Informação (Laudon, 2003). Fonte: Tipos de Sistemas

Leia mais

CONCURSO DE DESIGN FEDESIGN

CONCURSO DE DESIGN FEDESIGN CONCURSO DE DESIGN A Fábrica do Empresário é um projeto promovido pea Associação de Desenvovimento Empresaria da Benedita ADEB, que pretende assumirse como a oportunidade de promover o tecido empresaria

Leia mais

Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como:

Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como: Fascículo 4 Gestão na cadeia de suprimentos Cadeias de suprimentos Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como:

Leia mais

Evolução estratégica do processo de compras ou suprimentos de bens e serviços nas empresas

Evolução estratégica do processo de compras ou suprimentos de bens e serviços nas empresas Evolução estratégica do processo de compras ou suprimentos de bens e serviços nas empresas Ataíde Braga Introdução A aquisição de bens e serviços a serem utilizados na produção e na revenda de produtos

Leia mais

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc.

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Vamos nos conhecer Danillo Tourinho Sancho da Silva, M.Sc Bacharel em Administração, UNEB Especialista em Gestão da Produção

Leia mais

É preciso fabricar adubo?

É preciso fabricar adubo? A U L A A U L A Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ É preciso fabricar adubo? O que você vai aprender Eementos essenciais para as pantas Fertiizantes NPK O que é um sa Queima da amônia Produção de ácido

Leia mais

Artigo publicado. na edição 17. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2010

Artigo publicado. na edição 17. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2010 Artigo publicado na edição 17 Assine a revista através do nosso site julho e agosto de 2010 www.revistamundologistica.com.br :: artigo 2010 Práticas Logísticas Um olhar sobre as principais práticas logísticas

Leia mais

ANÁLISE DOS ESTOQUES EM PROCESSO DE UM SISTEMA DE PRODUÇÃO DE CABINAS ATRAVÉS DE SIMULAÇÃO

ANÁLISE DOS ESTOQUES EM PROCESSO DE UM SISTEMA DE PRODUÇÃO DE CABINAS ATRAVÉS DE SIMULAÇÃO ANÁLISE DOS ESTOQUES EM PROCESSO DE UM SISTEMA DE PRODUÇÃO DE CABINAS... 17 ANÁLISE DOS ESTOQUES EM PROCESSO DE UM SISTEMA DE PRODUÇÃO DE CABINAS ATRAVÉS DE SIMULAÇÃO João Giberto Zaa Fiho Arthur José

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

Leiaute ou arranjo físico

Leiaute ou arranjo físico Leiaute ou arranjo físico A UU L AL A Quaquer posto de trabaho, incusive o nosso, está igado aos demais postos de trabaho, num oca quaquer de uma empresa. Esse oca pode ser uma área grande ou pequena.

Leia mais

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão 1 Roteiro da Apresentação Definições Cadeia de Suprimentos Logística Gestão da Cadeia de Suprimentos

Leia mais

Aula 2º bim. GEBD dia16/10

Aula 2º bim. GEBD dia16/10 Aula 2º bim. GEBD dia16/10 Compras e Manufatura (produção) O ciclo de compras liga uma organização a seus fornecedores. O ciclo de manufatura envolve a logística de apoio à produção. O ciclo de atendimento

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA A informação sempre esteve presente em todas as organizações; porém, com a evolução dos negócios, seu volume e valor aumentaram muito, exigindo uma solução para seu tratamento,

Leia mais

Manual de Referência de Vendas para Fornecedores de Fotocopiadoras

Manual de Referência de Vendas para Fornecedores de Fotocopiadoras Obtenha mais com as ofertas A4 da Lexmark Manua de Referência de Vendas para Fornecedores de Fotocopiadoras Aguns factos importantes sobre os equipamentos A4 da Lexmark Os MFP s A4 constituem o equipamento

Leia mais

Relação entre setores

Relação entre setores Reação entre setores Na empresa existem outros tipos de trabaho aém daquees que produzem bens, como automóveis, geadeiras etc. Esses trabahos precisam de pessoas especiaizadas para que toda a empresa possa

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI 19/04 Recursos e Tecnologias dos Sistemas de Informação Turma: 01º semestre

Leia mais

Soluções de software para a Plataforma de Soluções da Lexmark

Soluções de software para a Plataforma de Soluções da Lexmark Pataforma de Souções da Lexmark Souções de software para a Pataforma de Souções da Lexmark A Pataforma de Souções da Lexmark é uma estrutura de apicações criada por programadores da Lexmark que proporciona

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS DEFINIÇÃO DE CADEIAS DE SUPRIMENTOS (SUPLLY CHAIN) São os processos que envolvem fornecedores-clientes e ligam empresas desde a fonte inicial de matéria-prima até o ponto

Leia mais

Sistema de Administração da Produção

Sistema de Administração da Produção Sistema de Administração da Produção (Extraído do livro Planejamento, Programação e Controle da Produção Enrique Correa e Irineu Gianesi e Mauro Caon Ed Atlas, 2001) 1. Definição São sistemas de Informação

Leia mais

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM 5/5/2013 1 ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING 5/5/2013 2 1 Os SI nas organizações 5/5/2013 3 Histórico Os Softwares de SI surgiram nos anos 60 para controlar estoque

Leia mais

O Supply Chain Evoluiu?

O Supply Chain Evoluiu? O Supply Chain Evoluiu? Apresentação - 24º Simpósio de Supply Chain & Logística 0 A percepção de estagnação do Supply Chain influenciada pela volatilidade do ambiente econômico nos motivou a entender sua

Leia mais

Introdução à Matemática Financeira Intervalar: Análise Intervalar de Investimentos

Introdução à Matemática Financeira Intervalar: Análise Intervalar de Investimentos Introdução à Matemática Financeira Intervaar: náise Intervaar de Investimentos Gabriea do Carmo Pantoa Duarte Depto de Informática e Matemática picada, CCET, UFRN 5907-970, Nata, RN E-mai: gabrieapantoa@yahoo.com.br

Leia mais

Logística e Valor para o Cliente 1

Logística e Valor para o Cliente 1 1 Objetivo da aula Esta aula se propõe a atingir os seguintes objetivos: 1. Discutir a importância do gerenciamento da interface entre marketing e logística. 2. Reconhecer a necessidade de entender os

Leia mais

PARECER DOS RECURSOS

PARECER DOS RECURSOS Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE Concurso Púbico de Ingresso no Magistério Púbico Estadua EDITAL Nº 21/2012/SED PARECER DOS RECURSOS CARGO: Professor de Educação Física 11) Segundo

Leia mais

O que se espera de um sistema de administração da produção?

O que se espera de um sistema de administração da produção? O que se espera de um sistema de administração da produção? O que se espera de um sistema de administração da produção? Segundo Corrêa (2001), independente da lógica que utilize, os sistemas da administração

Leia mais

Sistemas de Informação Gerenciais

Sistemas de Informação Gerenciais Faculdade Pitágoras de Uberlândia Pós-graduação Sistemas de Informação Gerenciais Terceira aula Prof. Me. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com Maio -2013 Governança

Leia mais

1- Objetivos e métodos

1- Objetivos e métodos Resumo: O dinamismo e a competitividade sempre caracterizaram a indústria automobilística, a qual está em constante busca por inovações que agreguem valor ao seu processo produtivo, reduzindo custos com

Leia mais

2. Revisão bibliográfica

2. Revisão bibliográfica 17 2. Revisão bibliográfica 2.1. Logística de transportes A Logística recebeu diversas denominações ao longo dos anos: distribuição física, distribuição, engenharia de distribuição, logística empresarial,

Leia mais

no SRM do que no CRM está na obtenção da certificação de qualidade ISO 9001. Para que o Fabricante de Cilindros mantenha o referido certificado de

no SRM do que no CRM está na obtenção da certificação de qualidade ISO 9001. Para que o Fabricante de Cilindros mantenha o referido certificado de 81 8 Conclusões O último capítulo da dissertação visa tecer conclusões a respeito do trabalho e sugerir algumas recomendações de estudos futuros. A presente dissertação teve como objetivos propor um modelo,

Leia mais

PARECER DOS RECURSOS

PARECER DOS RECURSOS Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PROCESSO SELETIVO ADMISSÃO DE PROFESSORES EM CARÁTER TEMPORÁRIO EDITAL Nº 15/ 2012/ SED PARECER DOS RECURSOS CARGO: Professor de Tecnoogia Educaciona

Leia mais

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Programação e Controle da Produção é um conjunto de funções inter-relacionadas que objetivam comandar o processo produtivo e coordená-lo com os demais setores administrativos

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade II MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino Preço em varejo Preço Uma das variáveis mais impactantes em: Competitividade; Volume de vendas; Margens e Lucro; Muitas vezes é o mote

Leia mais

Gestão da Cadeia de Suprimentos e Logística visões 1

Gestão da Cadeia de Suprimentos e Logística visões 1 Gestão da Cadeia de Suprimentos e Logística visões 1 Objetivo da aula Esta aula se propõe a atingir os seguintes objetivos: 1. Apresentar e discutir o conceito de Cadeia de Suprimentos; 2. Apresentar e

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos ... lembrando Uma cadeia de suprimentos consiste em todas

Leia mais

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos JOGO DA CERVEJA Experimento e 2: Abordagem gerencial hierárquica e centralizada Planejamento Integrado de todos os Estágios de Produção e Distribuição Motivação para um novo Experimento Atender à demanda

Leia mais

O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia GESTÃO LOGÍSTICA. Amílcar Arantes 1

O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia GESTÃO LOGÍSTICA. Amílcar Arantes 1 GESTÃO LOGÍSTICA Capítulo - 6 Objectivos Identificação das actividades de gestão de materiais; Familiarização do conceito de Gestão em Qualidade Total (TQM); Identificar e descrever uma variedade de filosofias

Leia mais

Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia

Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia Processo de EO Procedimentos que são, ou podem ser, usados para formular as estratégias de operações que a empresa deveria adotar (SLACK,

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS Data: 10/03/2001 Peter Wanke INTRODUÇÃO Localizar instalações ao longo de uma cadeia de suprimentos consiste numa importante

Leia mais

Autor(es) FELIPE DE CAMPOS MARTINS. Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON. Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ. 1. Introdução

Autor(es) FELIPE DE CAMPOS MARTINS. Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON. Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ. 1. Introdução 19 Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: APRIMORAMENTO DA METODOLOGIA DE DIAGNOSTICO E PROPOSIÇÃO DE UM MÉTODO PARA IMPLANTAÇÃO BASEADO EM PROCESSOS DE NEGÓCIO Autor(es) FELIPE

Leia mais

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA Eduardo Saggioro Garcia Leonardo Salgado Lacerda Rodrigo Arozo Benício Erros de previsão de demanda, atrasos no ressuprimento

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade II GOVERNANÇA DE TI Estratégia e governança em TI Estratégia empresarial A palavra estratégia vem do grego strategus = "o general superior ou "generalíssimo. Strategia

Leia mais

Operação do Sistema Logístico

Operação do Sistema Logístico Operação do Sistema Logístico Prof. Ph.D. Cláudio F. Rossoni Engenharia Logística II Objetivo Entender que, possuir um excelente planejamento para disponibilizar produtos e serviços para os clientes não

Leia mais

Marcação, codificação e soluções de sistemas. Produtos químicos

Marcação, codificação e soluções de sistemas. Produtos químicos Marcação, codificação e souções de sistemas Produtos químicos Conhecemos os desafios únicos que você enfrenta em suas inhas de produção A codificação na fabricação de produtos químicos pode ser um desafio

Leia mais

MANUFATURA VIRTUAL: CONCEITUAÇÃO E DESAFIOS

MANUFATURA VIRTUAL: CONCEITUAÇÃO E DESAFIOS MANUFATURA VIRTUAL: CONCEITUAÇÃO E DESAFIOS Arthur José Vieira Porto Mariea Consoni Forenzano Souza Departamento de Engenharia Mecânica SEM, Escoa de Engenharia de São Caros USP, Av. Trabahador Sancarense,

Leia mais

SISTEMAS ERP ENTERPRISE RESOURCES PLANNING

SISTEMAS ERP ENTERPRISE RESOURCES PLANNING SISTEMAS ERP ENTERPRISE RESOURCES PLANNING SISTEMAS ERP ENTERPRISE RESOURCEES PLANNING O ERP (Planejamento de Recursos Empresariais) consiste num sistema interfuncional que tem por missão integrar e automatizar

Leia mais

Elementos das Organizações

Elementos das Organizações Elementos das Organizações > Teoria das Organizações > Teoria dos Sistemas (TGS) > Componentes das Organizações / Ambiente Recursos Estratégia Objectivos Estrutura Processos Regras Cultura Politica Pessoas

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

CONSTRUÇÃO E REFORMA MÃOS À OBRA. Cartilha de orientação ao cidadão

CONSTRUÇÃO E REFORMA MÃOS À OBRA. Cartilha de orientação ao cidadão CONSTRUÇÃO E REFORMA MÃOS À OBRA Cartiha de orientação ao cidadão Apresentação A Prefeitura Municipa de Via Veha, por intermédio da Secretaria Municipa de Desenvovimento Urbano, apresenta esta cartiha

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

do trabalho Neste módulo, você vai estudar algumas Apresentação

do trabalho Neste módulo, você vai estudar algumas Apresentação Organização do trabaho Neste móduo, você vai estudar agumas noções básicas de organização do trabaho. Na primeira aua é anaisada a importância do trabaho para o bem de cada um, da sociedade e da nação.

Leia mais

Sistemas Integrados ASI - II

Sistemas Integrados ASI - II Sistemas Integrados ASI - II SISTEMAS INTEGRADOS Uma organização de grande porte tem muitos tipos diferentes de Sistemas de Informação que apóiam diferentes funções, níveis organizacionais e processos

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA Tiago Augusto Cesarin 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

Sistemas de Informações

Sistemas de Informações Sistemas de Informações Prof. Marco Pozam- mpozam@gmail.com A U L A 0 4 Ementa da disciplina Sistemas de Informações Gerenciais: Conceitos e Operacionalização. Suporte ao processo decisório. ERP Sistemas

Leia mais

Lexmark Print Management

Lexmark Print Management Lexmark Print Management Optimize a impressão em rede e crie uma vantagem informativa com uma soução de gestão de documentos que pode ser impementada no oca ou através da nuvem. Funcionaidade Print Reease

Leia mais

Fig. A: A imagem da rede total e da rede imediata de suprimentos Fonte: Slack, Nigel e outros. Administração da Produção

Fig. A: A imagem da rede total e da rede imediata de suprimentos Fonte: Slack, Nigel e outros. Administração da Produção Fascículo 5 Projeto da rede de operações produtivas Se pensarmos em uma organização que produza algo, é impossível imaginar que essa organização seja auto-suficiente, isto é, que produza tudo o que irá

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

LOGÍSTICA E GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: CONCEITOS E DIFERENÇAS

LOGÍSTICA E GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: CONCEITOS E DIFERENÇAS 46 LOGÍSTICA E GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: CONCEITOS E DIFERENÇAS Leandro Soares Mestre em Engenharia de Produção pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil Professor

Leia mais

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING RENAN ROLIM WALENCZUK Canoas, Agosto de 2014 SUMÁRIO 1 INTODUÇÃO...03 2 ERP (ENTERPRISE

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

MODELAGEM DO PCP NO AMBIENTE DE REDES DE COOPERAÇÃO

MODELAGEM DO PCP NO AMBIENTE DE REDES DE COOPERAÇÃO MODELAGEM PCP NO AMBIENTE DE REDES DE COOPERAÇÃO 51 MODELAGEM DO PCP NO AMBIENTE DE REDES DE COOPERAÇÃO Juiano Borges de Freitas Fábio Müer Guerrini Escoa de Engenharia de São Caros Universidade de São

Leia mais

REVESTIMENTOS TÉRMICOS EM PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO NO CONTEXTO DO PROJETO ESTRUTURAL EM SITUAÇÃO DE INCÊNDIO

REVESTIMENTOS TÉRMICOS EM PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO NO CONTEXTO DO PROJETO ESTRUTURAL EM SITUAÇÃO DE INCÊNDIO REVESTIMENTOS TÉRMICOS EM PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO... 69 REVESTIMENTOS TÉRMICOS EM PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO NO CONTEXTO DO PROJETO ESTRUTURAL EM SITUAÇÃO DE INCÊNDIO Cristiane Lopes Mendes Jorge

Leia mais