Estratégia. em Supply Chain. LOGÍSTICOS NO BRASIL Um mapa dos condomínios logísticos e suas principais características. LOGÍSTICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estratégia. em Supply Chain. LOGÍSTICOS NO BRASIL Um mapa dos condomínios logísticos e suas principais características. LOGÍSTICA"

Transcrição

1 LOGÍSTICA SUPPLY CHAIN MANAGEMENT N O 39 ANO VII MARÇO & ABRIL 2014 R$25,00 editora OPINIÕES Condomínios logísticos Por Alex Cecolim Política Econômica e Logística Por Paulo Guedes Cadeia de Suprimentos: Desafio do Varejo Por Edgard Liberali Filho Imprevisibilidade de demanda Por Alexandre Gonçalves ISSN Estratégia em Supply Chain Como o Supply Chain pode ser fonte de vantagem competitiva e transformar seu negócio? Por Cadu Nascimento e Cassio Azevedo Como manter a eficiência do Supply Chain em mercados emergentes? Por Aakash Deep, Craig Rawlings, Ganesan Ramachandran e Roque Cifu GUIA DE CONDOMÍNIOS LOGÍSTICOS NO BRASIL Um mapa dos condomínios logísticos e suas principais características. e mais: O desafio logístico num ano de Copa do Mundo Fórum Martins de Logística 2013 Integração e colaboração na cadeia de suprimentos Logística Reversa do pósvendas no e-commerce de um varejista Colunas: Gestão em Foco, Carreira em Foco e Supply Chain Council

2 edição 39 ano VII março & abril :: Como o Supply Chain pode ser fonte de vantagem competitiva e transformar seu negócio Você possiu uma estratégia de supply chain? Como criá-la? Como desenvolvê-la? Por: Cadu Nascimento e Cassio Azevedo 36:: Como manter a eficiência do Supply Chain em mercados emergentes? Algumas ideias sobre o que pode ser feito para manter a eficiência das cadeias de suprimento com foco em mercados emergentes. Por: Aakash Deep, Craig Rawlings, Ganesan Ramachandran e Roque Cifu 48:: Guia de Condomínios Logísticos no Brasil Um mapa dos condomínios logísticos e suas principais características. 10:: O desafio logístico num ano de Copa do Mundo Quais serão os principais desafios da logística no ano de 2014? Por: Celso Peyerl 18:: Fórum Martins de Logística 2013 Saiba como foi o Fórum Martins de Logística de 2013, que tem por objetivo compartilhar informações entre os profissionais da área. 22:: Coluna Supply Chain Council Os 5 principais desafios na gestão do Supply Chain Por: Joseph (Joe) Francis e Élcio Grassia 24:: Adequando-se à imprevisibilidade de demanda Determinando de forma mais adequada qual a estratégia adotada para atender a demanda de forma mais apropriada e eficiente. Por: Alexandre Gonçalves 42:: Coluna Carreira em Foco Fugir da concorrência! Como encontrar oportunidades nunca anunciadas? Por: Antonio J. Ornellas 66:: Logística Reversa do pós-vendas no e-commerce de um varejista Conheça o funcionamento dos processos de logística reversa de pós-venda utilizados no e-commerce de uma rede varejista. Por: Juliana Pontini e Raquel Janissek-Muniz 80:: Coluna Gestão em Foco No limite do caos Por: Donald Neumann 82:: Integração e colaboração na cadeia de suprimentos Exercitando a visão colaborativa e integradora entre os diversos atores da cadeia de suprimentos. Por: Helio Meirim 84:: A Política Econômica e a Infraestrutura Logística Uma avaliação crítica sobre as consequências que a falta de investimento no setor de logística pode trazer. Por: Paulo Guedes 88:: A Cadeia de Suprimentos e o Constante Desafio do Varejo A logística deve garantir processos eficientes que sustentem as vendas, já que não pode resolver todos os problemas que causam a ruptura. Por: Edgard Liberali Filho 92:: Condomínios logísticos Flexibilidade de expansão e compartilhamento de custos para operadores. Por: Alex Cecolim

3 :: artigo O desafio logístico num ano de Copa copa do mundo Mundo Imagine na Copa! É provável que todos já tenham falado ou ao menos ouvido essa expressão uma dúzia de vezes desde que o Brasil foi anunciado como país-sede da Copa de A preocupação não é sem fundamento. O histórico longínquo e recente do Brasil demonstra que as coisas são feitas de última hora, de qualquer jeito e a qualquer preço. É como se existisse uma mensagem subliminar que (usando um trocadilho infame para momento) aos 45 minutos do segundo tempo, o juiz mandará levantar a placa com os minutos de acréscimo necessários para que o País resolva todos os problemas. Em 3 de junho de 2003, 11 anos antes da Copa do Mundo, o Brasil oficializou a sua candidatura a sede. Após visitar quatro estádios brasileiros, Maracanã, Morumbi, Mineirão e Beira-Rio, o presidente da FIFA, Joseph Blatter enfatizou em abril de 2007 que o Brasil não tinha nenhum estádio em condições de sediar a Copa. Meses antes o então presidente Lula havia dito que o Brasil precisaria de 12 novos estádios. *1 Em 30 de outubro de 2007 o Brasil é confirmado como país-sede da Copa do Mundo de O que mudou desde então? Depois de longos seis anos. Não falemos apenas de estádios ou da infraestrutura diretamente ligada a eles e necessária para acolher o evento, como centros de comunicação, treinamentos de segurança e tantos outros. Pensemos especialmente na mudança tão necessária de mind set que poderia ter ajudado o País a preparar-se de maneira adequada para o Celso Peyerl Formado em Filosofia e Ciências da Computação. Possui pós-graduação pela Fundação Getúlio Vargas (FGV SP). Atua há mais de 10 anos em empresas de bens de consumo líderes em seu segmento, onde tem contribuído de maneira decisiva para o aperfeiçoamento do negócio. Liderou projetos na América Latina, EUA e Europa. É professor de cursos de pós-graduação em logística e palestrante em eventos nacionais e internacionais. Atualmente é o diretor de Supply Chain do Grupo L Occitane do Brasil. 10

4 evento mundial, de modo que os benefícios fossem permanentes para a população e para o País em termos de investimentos em infraestrutura. O Brasil teve a oportunidade única de prepararse de maneira exemplar, investindo de forma a mudar radicalmente a infraestrutura do País. Isso traria um resultado de médio e longo prazo bem maior que o sexto título mundial. A tendência é dizer que a oportunidade está sendo mal aproveitada e que, possivelmente, nos restará apenas a fútil alegria de erguer a Copa. Isso caso nossos coirmãos portugueses não estraguem a nossa festa com o atual melhor jogador do mundo, o Cristiano Ronaldo. Ou mesmo os hermanos argentinos ou a Alemanha que desponta como favorita. E qual é o desafio logístico num ano de Copa do Mundo? Olhando para alguns pontos importantes da logística, este artigo não tem a pretensão de esgotar o assunto. Ao contrário, é apenas um embrião para uma discussão mais profunda e saudável. O texto navega pelos aspectos logísticos atualmente mais evidentes e procura contribuir com dados e opinião mostrando nossa realidade. Apresenta também uma análise com fontes oficiais sobre a situação dos investimentos em infraestrutura ao mesmo tempo em que tenta colaborar com ideias e insights sobre o assunto. LOGÍSTICA DE PASSAGEIROS Talvez esse tema seja um dos que mais preocupa a organização do torneio, a situação dos aeroportos. Todos nós assistimos diariamente a reportagens e mais reportagens sobre as longas filas nos balcões de check in, além dos atrasos nas chegadas e saídas de voos. Caos diário provocado pela falta de espaço físico para acomodar passageiros e bagagens. O Brasil recebeu pouco mais de 6 milhões de turistas em 2013, recorde histórico. Número 17% menor que o esperado para 2014 e, grande parte dele concentrado nos meses de junho e julho durante o mundial. Não temos histórico positivo em planejar e executar eventos com grande concentração de pessoas. A Jornada Mundial da Juventude está aí para nos lembrar disso. O número de viajantes internos mais que triplicou desde O acesso de milhares de pessoas aos voos, seja pelo baixo custo das passagens, seja pelo crescimento econômico de uma camada importante da população, deve ajudar a tornar o cenário dos aeroportos Talvez esse tema seja um dos que mais preocupa a organização do torneio: a situação dos aeroportos. ainda mais complicado. De acordo com documento oficial do Conselho Nacional de Turismo *2 o Brasil apresentava o seguinte cenário em 2011: carência de planos diretores de turismo em Estados e Municípios; ausência do estabelecimento de padrões mínimos para os cursos, que possam incorporar a demanda de empresários, trabalhadores e políticas públicas voltadas ao desenvolvimento do turismo; carência de infraestrutura básica (acessibilidade, mobilidade urbana, saneamento); carência de infraestrutura turística (sinalização turística, equipamentos receptivos, centros de convenções e feiras, terminais de passageiros e atracadores, infraestrutura aeroportuária e aeronáutica); limitação de oferta aérea e rodoviária, face à falta de infraestrutura; precariedade dos terminais; falta de integração entre modais; falta de interconectividade da malha aeroviária doméstica x internacional; excesso de movimentação nos principais aeroportos; condições das vias; (nota do autor: apontado no documento como uma fraqueza); Imagem Brasil (insegurança). É difícil ser otimista e olhar para os pontos anteriores e crer que eles evoluíram na qualidade e velocidade necessárias para o atendimento da demanda que o Brasil tem, seja para a Copa, seja para manter o País funcionando de forma competitiva. Até dias atrás falávamos da carência de oferta de voos para várias cidades (ex.: Manaus) e o quanto isso estava inflacionando o preço das passagens. As companhias aéreas vivem anos difíceis e a Copa do Mundo pode ser o viés da navalha para melhorar as margens corroídas. Para evitar o exagero nos preços de passagens aéreas, o governo acaba de anunciar* 3 o aumento de oferta de voos. É verdade que o efeito nos preços já pode ser sentido de imediato (veja box), mas é verdade também que isso deve provocar um aumento ainda maior da demanda sobre a infraestrutura local dos aeroportos já saturados e que, provavelmente, não irão suportar o altíssimo fluxo de passageiros. Exemplo disso é Cuiabá que deve ter um aumento médio de 48% durante o período dos jogos. Fala-se em construir um terminal provisório de lona segundo a 11

5 ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann *5. Mas isso não é exclusividade de Cuiabá, Fortaleza deve seguir o mesmo caminho.* 6 No documento do Ministério do Turismo de 2011, já era citada a Precariedade dos terminais como uma das fraquezas do Brasil para o quadriênio Ao que tudo indica, o documento apresenta um bom diagnóstico da situação, mas as ações, geralmente provenientes de análises dessa natureza, parecem que não tiveram ressonância. Vivemos um cenário de infraestrutura obsoleta fruto de anos de descaso e esquecimento que agora precisa renascer das cinzas. Isso deveria ser feito de maneira planejada e com forte investimento em portos e aeroportos e não com o famoso jeitinho brasileiro. A famosa gambiarra. Estarmos presos a, praticamente, somente um canal para o transporte em massa para grandes distâncias, o aéreo. Num país continental como o nosso, onde poderíamos utilizar como alternativa o deslocamento ferroviário entre algumas capitais, particularmente no SE, isso não é possível. Erros estratégicos, mesmo no passado mais recente, nos forçam a utilizar somente o transporte aéreo, sem possibilidade de desafogar este modal. Eu imagino que durante a Copa teremos uma mudança de hábito das pessoas. O viajante interno, já escaldado pela rotina caótica dos aeroportos, provavelmente evitará viajar durante o período dos jogos. Decisão sensata. É provável que deixem as viagens para depois da Copa, uma vez que antecipar as coisas não é muito comum na nossa cultura. As próprias empresas devem refazer seus calendários internos evitando viagens de negócios durante esse período. Não devem expor os seus executivos de maneira desnecessária, seja pela complexidade da situação, seja pelo aumento do risco que situações como essa representam. Executivos de grandes empresas estão antecipando o calendário de negócios de 2014, tentando ganhar o jogo no primeiro semestre. Alguns acreditam que o fechamento de negócios deve diminuir bastante durante o torneio. Se for assim, do ponto de vista dos negócios, 2014 terá o ac e o DC (Antes e Depois da Copa). Oficialmente ainda não foi decretado nenhum feriado, mas é certo que as empresas de um modo geral liberarão os funcionários ou mesmo não terão expediente nos dias de jogos do Brasil. Isso está assustando muitos empresários que terão a produtividade de suas empresas afetada. Existem várias estimativas para o tamanho do prejuízo. Não é possível precisar qual realmente será o montante.* 7 Pelos anúncios de investimentos já feitos (e os que ainda serão) não deveremos ter problemas com o aluguel de carros. As ofertas dos grandes players foram aumentadas, o que deve gerar equilíbrio entre oferta e demanda. O mesmo não se aplica para a sinalização de trânsito em língua estrangeira que é praticamente inexistente nas entradas e saídas das cidades. LOGÍSTICA DE MATERIAIS CARGA AÉREA Com menos de 1% de participação na matriz de transportes do Brasil, o transporte aéreo de cargas ao mesmo tempo deverá sofrer um enorme impacto, mas representando um pequeno potencial ofensor na matriz como um todo. O transporte de cargas está longe de ser a primeira prioridade das empresas aéreas. Muito antes vêm os passageiros e suas bagagens entre outros tantos que cortam a frente da carga. Durante o período dos jogos essa situação deve ser bastante agravada, com o aumento do fluxo de passageiros e suas bagagens. Empresas que dependem desse modal devem estar atentas e planejar rotas alternativas ou mesmo o uso de outra modalidade quando isso for possível. As indústrias farmacêuticas e de vacinas, as empresas de transporte de materiais perecíveis entre outras devem ser as mais impactadas uma vez que o transporte aéreo ocupa um importante percentual de sua matriz interna de transportes. Em 2013, durante a Copa das Confederações, essas empresas experimentaram uma deterioração na ordem ,2% ,8% % não pavimentadas pavimentadas total de km de rodovias Gráfico 1. Extensão da malha rodoviária brasileira. Valores em km / Dados de

6 de 6 a 7% no modal aéreo. Basicamente devido a atrasos e cortes de pistas para embarque. Isso impactou muito o negócio considerando a grande dependência para as entregas em menos de 48h de produtos perecíveis. Outro fator é a baixa oferta de opções de companhias aéreas prestadoras do serviço de forma qualificada para esse tipo de produto e na quantidade necessária. CARGA RODOVIÁRIA Sendo o principal meio de transportes do País, correspondendo a mais de 60%, o modal rodoviário é um dos que mais sofrem com o esquecimento e abandono do governo. É claro que não podemos esquecer a forma inconsequente como é tratado o transporte ferroviário, mas considerando-se a significância do rodoviário na matriz, era de se esperar uma atenção maior por parte de quem tem a capacidade e obrigação de fazer os investimentos necessários. Segundo dados do Sistema Nacional de Viação *8, publicados pela CNT (Confederação Nacional de Transportes) em sua Pesquisa de Rodovias 2013 *9, existem no Brasil km de rodovias, dos quais apenas km são pavimentados, isto é, 11,8% da malha. Entre as rodovias pavimentadas, km são federais. Destes, apenas 8% são de pista dupla (5.203 km), e 2,1% (1.376 km) são vias em fase de duplicação; os demais 89,9% são de pista simples. Veja gráfico 1. Comparado com outros países, o Brasil apresenta grande deficiência em termos de infraestrutura rodoviária. Numa comparação da malha pavimentada em relação à área territorial temos o resultado conforme gráfico 2. Como todos sabemos, rodovias deficientes aumentam o custo de manutenção dos veículos, além do consumo de combustível, lubrificantes, pneus e freios. Ainda de acordo com a pesquisa, o acréscimo médio do custo operacional devido às condições do pavimento das rodovias brasileiras é de 25%. Segundo a pesquisa, se o pavimento de todas as rodovias tivesse classificação Boa ou Ótima, em 2013, seria possível uma economia de até 5% no consumo de combustível, o que representa 661 milhões de litros de óleo diesel (R$ 1,39 bilhão). No entanto, apenas 36,2% foram considerados satisfatórios (Ótimo ou Bom) e 63,8% recebeu nota Regular/Ruim/Péssimo. Importante salientar que o modal rodoviário é o maior e mais importante para o País, além do que, o índice anterior é agravado pelas condições precárias de manutenção de muitas das estradas consideradas pavimentadas, pela falta de segurança (roubos) e a falta de suporte ao usuário em outras. É bem possível que turistas europeus e americanos sintam saudades de casa ao tentarem dirigir pelas estradas brasileiras. Sempre ouvimos sobre a falta de investimentos na construção e manutenção das rodovias. Na verdade é preciso dizer que tivemos um aumento de 1.000% entre 2003 e 2011, saindo de menos de R$1bi para mais de R$11bi investidos. Mas também é necessário dizer que os números entraram numa curva descendente após É interessante notar que o valor investido é significativamente menor que o valor aprovado para o biênio , , ,0 44,8 41,6 23,8 eua china austrália rússia canadá brasil Gráfico 2. Densidade da malha pavimentada por País. Valores km pavimentados/1.000km 2 Fonte: Pesquisa CNT de Rodovias

7 20 18, ,9 13,6 13, ,8 8,7 10,3 7,8 10,3 11,2 9, ,1 1,8 2,6 0,9 3,2 2,0 5,6 5,4 4,1 2,6 5,0 5,1 4, até set/13 autorizado Gráfico 3. Evolução do investimento federal em infraestrutura rodoviária. Valores em R$ bilhões correntes ( ). Fonte: Pesquisa CNT de Rodovias pago 2012/13, mostrando a dificuldade do governo federal em administrar os investimentos. Veja gráfico 3. Nos últimos 10 anos estavam autorizados, mas não foram investidos, mais de R$ 41bi, o que poderia ter representado um fator importante em termos de segurança nas estradas e produtividade para o transporte. Em 2013 (dados até setembro) voltamos a patamares semelhantes a Um ano antes da escolha do Brasil como país-sede da Copa do Mundo. Não é possível dimensionar de forma precisa as novas dificuldades que a Copa do Mundo irá adicionar para o transporte rodoviário de cargas em geral, especialmente as de alto valor agregado como eletro-eletrônicos e medicamentos, mas é de se esperar que as autoridades (Polícia Rodoviária Federal e Estadual) foquem no trânsito de pessoas nos meses da Copa e na manutenção da ordem e segurança dos grandes eventos de imensidão pública. Os roubos de cargas tendem a aumentar. Desde agora é visível o aumento com custos de gerenciamento de risco (PGR) e existe previsão de falta de escoltas devido ao aumento da demanda uma vez que elas serão requisitadas pelas delegações das seleções, pela imprensa internacional, por políticos e por celebridades nacionais e internacionais. Dá a impressão que pouca diferença fez o fato de o País ter sido selecionado para receber um evento dessa magnitude. Mais ainda, que pouco se fez em termos de investimento de médio e longo prazo. OUTROS TRANSPORTES DE CARGA Com cerca de 25% de representatividade, o transporte ferroviário é o segundo mais importante da matriz de transportes no Brasil. Para este setor, o PIL (Programa de Investimento em Logística) lançado em agosto de 2012 praticamente não saiu do papel. Cerca de 11 mil quilômetros de ferrovias e cerca de R$ 55bi de investimentos são apenas sonho. Com o objetivo de desafogar a malha rodoviária, o governo estuda medidas de incentivo à cabotagem (o Procabotagem). O incentivo viria na forma de redução de impostos de importação caso a empresa invista na construção de embarcações. O objetivo é praticamente dobrar o número de embarcações. Priorizando a construção de porta-contêineres, graneleiros e cargueiros. Os principais problemas do plano estão no fato de que a cabotagem, apesar de proporcionar custos competitivos, apresenta um longo tempo de viagem, infraestrutura deficiente e, principalmente, falta de integração com outros modais de transporte. É claro, sem falar que isso é um plano de médio prazo e não traria nenhum efeito para ENTREGA URBANA A distribuição nos grandes centros consumidores é, a cada dia, um desafio maior. A necessidade de atendimento às regras de circulação nas zonas de restrição aliadas ao crescimento da demanda são apenas dois dos vários fatores que impactam essa atividade. Por outro lado, a entrega urbana acaba por contribuir para incrementar os problemas das grandes cidades, especialmente aqueles relacionados aos congestionamentos. Segundo o CSCMP Council of Supply Chain Ma- 14

8 nagement Professionals a entrega urbana representa cerca de 30% do volume de tráfego nas grandes cidades. No período dos jogos haverá grande concorrência pelo espaço público nas ruas, ao mesmo tempo em que haverá (assim se espera) um crescimento da demanda causado pelo aumento do consumo, fruto também do grande número de turistas. Imagina-se que o poder público deverá anunciar ações para tentar reduzir os impactos no trânsito dos grandes centros. Pontos facultativos, feriados escolares e acirramento das regras de restrição de circulação estarão, provavelmente, entre os mecanismos utilizados pelo governo. Isso, no entanto, não soluciona o problema já existente de falta de mobilidade e complexidade na entrega urbana. Em São Paulo discute-se a ampliação do rodízio municipal. Seriam mais 371 km de vias totalizando 400 novas vias. O que ainda não está claro é a forma como serão tratadas alternativas para o transporte de passageiros e cargas na cidade. Essa não é uma medida de difícil implementação, mas possui enorme repulsa pública. Normalmente não é feita em anos de eleição. Na edição de setembro/outubro desta revista *10, no artigo Distribuição Urbana: Oportunidades e Desafios, Marco Antonio Oliveira Neves faz uma excelente análise do tema e apresenta uma lista completa de ações que, se bem aplicadas, poderiam contribuir para mitigação do problema da mobilidade urbana. Entre elas, algumas de grande impacto: ampliação da rede de metrô; barateamento do transporte público; desenvolvimento de sistemas tarifários que levem em consideração a distância viajada no transporte público. O carro é um dos itens de maior desejo na população. O fato é que desde a década de 60 o governo tem dado incentivos de maneira sistemática à indústria automobilística. No começo pela necessidade do desenvolvimento e fortalecimento da indústria nacional, depois pela dependência criada em relação a um segmento que se tornou tão forte e com sindicatos tão atuantes como vimos na década de 80. Nos últimos anos houve mais incentivo com a redução do IPI que, ao mesmo tempo em que colaborou com a renovação da frota, também fez aumentar a quantidade de veículos nas ruas. C M Y CM MY CY CMY K O EFEITO MANIFESTAÇÕES Até o dia 29 de janeiro deste ano, 31 ônibus foram queimados somente na cidade de São Paulo. Compondo a impressionante média de mais de uma ocorrência a cada 24 horas. O número de manifestações não é possível afirmar com precisão. Boa parte delas começa e termina sem ser noticiada. Rolezinhos, blackblocs, prisões, depredação do patrimônio público, abuso de poder... esses serão alguns dos temas mais ouvidos em junho e julho quando o Imagine na Copa! tiver saído de moda por decurso de tempo. Como isso afetará o transporte de produtos no chamado last mile? O trânsito já saturado dos grandes centros sofrerá um grande impacto nos dias de jogos nas cidades-sede. Milhares de pessoas se deslocarão de seus trabalhos para voltar para suas casas. Muitos irão assistir nas centenas de telões que serão instalados pelo Brasil afora. O fato é que

9 em resumo: PASSAGEIROS MATERIAIS ENTREGA URBANA CENáRIO Falta de infraestrutura aumento do número de viajantes internos baixa oferta e alto custo superlotação e falta de assentos CENáRIO atraso nas cargas aéreas em função da sobrecarga dos aeroportos Malha rodoviária defi ciente e limitada Falta de opções de players no modal aéreo aumento do custo e da insegurança CENáRIO congestionamento restrição de circulação de veículos Migração da mão-de-obra para outros setores Transporte coletivo insufi - ciente Manifestações e insegurança da carga AÇãO antecipar calendário de negócios evitar viagens nos dias de jogos incentivar o uso de teleconferências AÇãO planejar rotas avaliar uso de modais alternativos rever pgrs e contratos de segurança de carga rever contratos e slas AÇãO planejar demanda no período da copa em conjunto com os principais clientes antecipação de entregas buscar horários alternativos haverá um contingente excepcional de pessoas e carros nas ruas. nas grandes cidades como são paulo, rio de Janeiro e brasília o trânsito caótico já é esperado pelo acúmulo de pessoas e grande quantidade de transporte individual. nas cidades menores, algumas delas sediando pela primeira vez um evento mundial deste porte, a inexistência de cultura de organizar tais eventos e de receber enorme quantidade de visitantes aliada ao despreparo das autoridades locais poderá transformar o trânsito num caos. as manifestações e atos públicos (estamos em ano de eleições!) devem dividir o mesmo espaço com todos os demais. Neste cenário é que se coloca o desafi o da entrega e da segurança da carga. este será o ano das manifestações. CONCLUSãO o ano da copa do Mundo no brasil não será um ano fácil para a logística. Os desafi os históricos (situação dos terminais de passageiros / condições das estradas / desafi os da mobilidade urbana) continuam presentes e, a menos de cinco meses do torneio, não dispomos mais de tempo para vencê-los. além disso, teremos novos desafi os jamais enfrentados anteriormente como as manifestações públicas e os atos políticos quase que diários. A esses desafi os outros tantos mais irão juntar-se: concentração de turistas em curto período de tempo, 16

10 a dificuldade com a língua, falta de condições de segurança em eventos, despreparo coletivo e o jeitinho brasileiro. É previsível que negócios não ligados ao evento tenham uma diminuição nos dois meses pré-evento e especialmente durante a Copa do Mundo. As menores empresas talvez tenham de lançar mão de demissões uma vez que os investimentos em negócios não-copa tendem a diminuir e a pressão pela sobrevivência será grande. Obviamente essa situação será minimizada ou amenizada num ano de eleição. Deverá haver uma migração da mão-de-obra para a área de serviços e para o varejo que estarão em alta *11 e demandando mais que as outras. As preocupações aqui são a falta de qualificação e de treinamento nessa passagem e o possível volume de demissões no período pós-copa. A recomendação é que as empresas (e mesmo as pessoas físicas) elaborem planos detalhados e os executem. Construam Planos de Contingência e mitiguem os riscos. Concentrem esforços em soluções criativas que ajudem a vencer os já conhecidos problemas e tenham a velocidade de mudar as coisas no caso de imprevistos. Em tempo, em janeiro deste ano, Estocolmo na Suécia, anunciou a sua desistência em tentar sediar os Jogos Olímpicos de Inverno em O prefeito da cidade, agora ex-candidata a sede, afirmou que eles têm outras necessidades como a construção de moradias. O primeiroministro disse que aceitar os jogos seria especular com dinheiro público *12. Vale lembrar que a Suécia é o 7º país em Índice de Desenvolvimento Humano (IDH). O Brasil é o 85º, muito atrás do Cazaquistão que é o 69º *13. E que venha o hexa! : tems.com.br azenagem. tica da. o r TEC/UFRJ. as, Referências: *1 - *2 - *3 - e *4 - Tela Chapa e *5 - *6 - *7 - *8 - Dados do SNV de 1º de abril de 2013 *9 - Pesquisa CNT de Rodovias Disponível para download em *10 - Revista Mundo Logística. Ed. 36, páginas 8-19 *11 - *12 - e *13 - Aço ico OP 2008

Maior parte da extensão de rodovias avaliadas tem problema

Maior parte da extensão de rodovias avaliadas tem problema Mais de 100 mil km percorridos Maior parte da extensão de rodovias avaliadas tem problema Estudo da CNT mostra que 57,3% têm alguma deficiência no estado geral; 86,5% dos trechos são de pista simples e

Leia mais

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo O artigo aborda relações entre logística, formação profissional e infra-estrutura do país. São debatidas questões sobre a evolução da logística no Brasil, a preparação educacional do profissional de logística

Leia mais

COPA DO MUNDO FIFA 2014 BRASIL. Oportunidades e Desafios

COPA DO MUNDO FIFA 2014 BRASIL. Oportunidades e Desafios COPA DO MUNDO FIFA 2014 BRASIL Oportunidades e Desafios COPA DO MUNDO - OPORTUNIDADES Um evento esportivo do porte de uma Copa do Mundo é como uma grande vitrine do país no exterior e corresponde a um

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL

A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL 04/05/2011 Senado Federal - Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo O BRASIL EM NÚMEROS BASE PARA O CRESCIMENTO Os investimentos nas áreas

Leia mais

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm ESTUDO DA CNT APONTA QUE INFRAESTRUTURA RUIM AUMENTA CUSTO DO TRANSPORTE DE SOJA E MILHO As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm impacto significativo na movimentação

Leia mais

As condições de acessibilidade e mobilidade nas cidades receptoras. Diretoria de Engenharia - DE

As condições de acessibilidade e mobilidade nas cidades receptoras. Diretoria de Engenharia - DE As condições de acessibilidade e mobilidade nas cidades receptoras Diretoria de Engenharia - DE Cidades candidatas e seus aeroportos Aeroportos da INFRAERO primeira e última imagem que o turista estrangeiro

Leia mais

MANUAL DA AVIAÇÃO Jogos Olímpicos e Paralímpicos 2016

MANUAL DA AVIAÇÃO Jogos Olímpicos e Paralímpicos 2016 MANUAL DA AVIAÇÃO Jogos Olímpicos e Paralímpicos 2016 Pela primeira vez, o setor de aviação está lançando todas as diretrizes operacionais com mais de 300 dias de antecedência, o que contribui decisivamente

Leia mais

Como a Copa do Mundo 2014 vai movimentar o Turismo Brasileiro

Como a Copa do Mundo 2014 vai movimentar o Turismo Brasileiro Como a Copa do Mundo 2014 vai movimentar o Turismo Brasileiro O estudo Destaques Os 10 principais emissores 10 Chegadas internacionais Viagens domésticas Cidades sedes Viagens dos brasileiros ao exterior

Leia mais

OPORTUNIDADES E DESAFIOS DA INFRAESTRUTURA LO- GÍSTICA BRASILEIRA FRENTE AO CENÁRIO INTERNACIONAL. Tatiana Torres

OPORTUNIDADES E DESAFIOS DA INFRAESTRUTURA LO- GÍSTICA BRASILEIRA FRENTE AO CENÁRIO INTERNACIONAL. Tatiana Torres OPORTUNIDADES E DESAFIOS DA INFRAESTRUTURA LO- GÍSTICA BRASILEIRA FRENTE AO CENÁRIO INTERNACIONAL Tatiana Torres Em um país com tantas deficiências em termos de gestão, investimentos e política pública,

Leia mais

Bruno Batista Diretor Executivo da CNT Brasília, Abril de 2009

Bruno Batista Diretor Executivo da CNT Brasília, Abril de 2009 Gargalos no Sistema de Transporte de Cargas no Brasil Bruno Batista Diretor Executivo da CNT Brasília, Abril de 2009 Panorama do Transporte Composição da Matriz de Transportes comparação outros países

Leia mais

Planejamento da Mobilidade Urbana em Belo Horizonte

Planejamento da Mobilidade Urbana em Belo Horizonte Seminário de Mobilidade Urbana Planejamento da Mobilidade Urbana em Belo Horizonte Celio Bouzada 23 de Setembro de 2015 Belo Horizonte População de Belo Horizonte: 2,4 milhões de habitantes População da

Leia mais

POR QUE INTERIORIZAR O TRANSPORTE AÉREO?

POR QUE INTERIORIZAR O TRANSPORTE AÉREO? CONECTANDO O BRASIL CONECTANDO O BRASIL POR QUE INTERIORIZAR O TRANSPORTE AÉREO? O Brasil é um país de 8 milhões de quilômetros quadrados de área. Esse imenso território demanda ser integrado por uma

Leia mais

Como a Copa do Mundo 2014 vai movimentar o Turismo Brasileiro

Como a Copa do Mundo 2014 vai movimentar o Turismo Brasileiro Como a Copa do Mundo 214 vai movimentar o Turismo Brasileiro 9 dias O estudo As empresas Principais conclusões a 9 dias da Copa 1 principais emissores 1 Desempenho das cidades-sede Chegadas internacionais

Leia mais

Diálogos Governo -Sociedade Civil COPA 2014. O que o Brasil já ganhou com a Copa

Diálogos Governo -Sociedade Civil COPA 2014. O que o Brasil já ganhou com a Copa Diálogos Governo -Sociedade Civil COPA 2014 O que o Brasil já ganhou com a Copa 2 O que o Brasil já ganhou com a Copa Investimentos A Copa do Mundo é um grande investimento para todos brasileiros Os únicos

Leia mais

Caio Luiz de Carvalho Presidente

Caio Luiz de Carvalho Presidente Caio Luiz de Carvalho Presidente Os desafios do Brasil Deixar de ser espectador e se tornar ator do processo. Todos os brasileiros. Profissionais ou espectadores, envolvidos diretamente ou não. Muitas

Leia mais

BALANÇO DO SETOR METROFERROVIÁRIO 2012/2013

BALANÇO DO SETOR METROFERROVIÁRIO 2012/2013 BALANÇO DO SETOR METROFERROVIÁRIO 2012/2013 O setor se reúne para divulgar seus números, que refletem a importância dos trilhos para a mobilidade dos brasileiros Aumento de 8% no número de passageiros

Leia mais

Frotistas tecnologia 72

Frotistas tecnologia 72 tecno Frotistas 72 Por Luiz Carlos Beraldo Há opiniões controversas no mundo dos empresários brasileiros de transportes quando o assunto trata do futuro dos veículos comerciais. Alguns apostam que não

Leia mais

Estudo A INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES NO BRASIL

Estudo A INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES NO BRASIL Estudo A INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES NO BRASIL Índice Introdução...03 Copa de 2014 e Olimpíadas 2016...06 Infraestrutura de transportes...09 Imprensa e relevância sobre o tema...13 O que esperar da malha

Leia mais

Entrevistas pessoais com as 80 maiores empresas de turismo no Brasil;

Entrevistas pessoais com as 80 maiores empresas de turismo no Brasil; 10ª edição / 2014 Apresentação Entrevistas pessoais com as 80 maiores empresas de turismo no Brasil; Série histórica iniciada em 2004 Pesquisa complementar ao BDET (Boletim de Desempenho Econômico do Turismo),

Leia mais

2.8 Infraestrutura. Por que Infraestrutura? Comparação Internacional

2.8 Infraestrutura. Por que Infraestrutura? Comparação Internacional 2.8 Infraestrutura Por que Infraestrutura? Uma rede eficaz de transportes intermodal é fundamental para a competitividade da indústria. A logística eficiente permite a realização das entregas dos insumos

Leia mais

A NAVEGAÇÃO DE CABOTAGEM COMO SOLUÇÃO DE LOGÍSTICA COSTEIRA PARA O BRASIL Thiago Gonçalves Maio de 2014

A NAVEGAÇÃO DE CABOTAGEM COMO SOLUÇÃO DE LOGÍSTICA COSTEIRA PARA O BRASIL Thiago Gonçalves Maio de 2014 A NAVEGAÇÃO DE CABOTAGEM COMO SOLUÇÃO DE LOGÍSTICA COSTEIRA PARA O BRASIL Thiago Gonçalves Maio de 2014 SOBRE LOG-IN QUEM SOMOS? Quem Somos Números 96% 96% DE REDUÇÃO EM EMISSÕES DE CO 2 EM RELAÇÃO AO

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE VIAÇÃO E TRANSPORTES. (Do Sr. JÂNIO NATAL) Senhor Presidente,

CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE VIAÇÃO E TRANSPORTES. (Do Sr. JÂNIO NATAL) Senhor Presidente, COMISSÃO DE VIAÇÃO E TRANSPORTES REQUERIMENTO N O, DE 2011 (Do Sr. JÂNIO NATAL) Requer a realização de Audiência Pública para debater questões relativas à aviação civil brasileira. Senhor Presidente, Requeiro,

Leia mais

Foto: Samsung Divulgação

Foto: Samsung Divulgação ESPAÇOS EDIFÍCIOS EMPRESAS 42 DIGITAL SIGNAGE Seguindo as mudanças no consumo Brasil alcança o segundo maior crescimento mundial em número de passageiros em aeroportos nos primeiros meses deste ano. O

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.951

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.951 ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.951 A ATIVIDADE TURÍSTICA E O SEGMENTO DE EVENTOS. PERSPECTIVAS DE CRESCIMENTO GRAÇAS À COPA

Leia mais

Oportunidade: efeitos socioeconômicos 2006-2014. Preparativos: sorteio final e venda de ingressos

Oportunidade: efeitos socioeconômicos 2006-2014. Preparativos: sorteio final e venda de ingressos Introdução: função do COL Oportunidade: efeitos socioeconômicos 2006-2014 Preparativos: sorteio final e venda de ingressos O legado já começou Conclusão Introdução: função do COL Oportunidade: efeitos

Leia mais

LOGÍSTICA. O Sistema de Transporte

LOGÍSTICA. O Sistema de Transporte LOGÍSTICA O Sistema de Transporte O TRANSPORTE 1. Representa o elemento mais importante do custo logístico; MODALIDADE (UM MEIO DE TRANSPORTE) MULTIMODALIDADE (UTILIZAÇÃO INTEGRADA DE MODAIS) Tipos de

Leia mais

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 COMUNICADO No: 58 Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 10 de dezembro de 2015 (Genebra) - A International Air Transport Association (IATA) anunciou

Leia mais

El desarrollo del galvanizado general em Brasil em los últimos 5 años. Ulysses Nunes, Mangels - Brasil

El desarrollo del galvanizado general em Brasil em los últimos 5 años. Ulysses Nunes, Mangels - Brasil El desarrollo del galvanizado general em Brasil em los últimos 5 años Ulysses Nunes, Mangels - Brasil Mercado Galvanização Mercado Galvanização Mercado Galvanização Mercado Galvanização Desenvolvimento

Leia mais

na cidade de São Paulo

na cidade de São Paulo OBSERVATÓRIO DO TURISMO DA CIDADE DE SÃO PAULO SÃO PAULO TURISMO Copa do mundo da fifa Brasil 2014 impacto econômico na cidade de São Paulo A pesquisa Objetivo: * Identificar o movimento econômico gerado

Leia mais

Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos - ANPTrilhos

Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos - ANPTrilhos Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos - ANPTrilhos 7º Encontro de Logística e Transporte FIESP maio/2012 Conrado Grava de Souza Conselheiro ANPTrilhos Apoio: ANPTrilhos Objetivo

Leia mais

Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos - ANPTrilhos

Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos - ANPTrilhos Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos - ANPTrilhos BALANÇO DO SETOR METROFERROVIÁRIO DE PASSAGEIROS 2012/2013 Apoio: QUEM SOMOS ANPTrilhos é uma Associação Civil, sem fins

Leia mais

SITUAÇÃO ENCONTRADA NO DF EM 2007

SITUAÇÃO ENCONTRADA NO DF EM 2007 SITUAÇÃO ENCONTRADA NO DF EM 2007 Frota antiga e tecnologia obsoleta; Serviço irregular de vans operando em todo o DF 850 veículos; Ausência de integração entre os modos e serviços; Dispersão das linhas;

Leia mais

O estudo desenvolvido pela ABDIB concentrou-se em nove dimensões específicas de infraestrutura

O estudo desenvolvido pela ABDIB concentrou-se em nove dimensões específicas de infraestrutura SUMÁRIO EXECUTIVO DOS ESTUDOS DESENVOLVIDOS PELA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE INFRAESTRUTURA E INDÚSTRIAS DE BASE ABDIB SOB A ÉGIDE DO TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA N. 01/2008 (ME/CBF/ABDIB) 1. INTRODUÇÃO Como

Leia mais

A importância estratégica da Logística na Siderurgia Brasileira

A importância estratégica da Logística na Siderurgia Brasileira A importância estratégica da Logística na Siderurgia Brasileira CARLOS JR. GERENTE DE PLANEJAMENTO INTEGRADO Jun/2013 Jorge Carlos Dória Jr. Votorantim Siderurgia Votorantim Siderurgia O Grupo Votorantim

Leia mais

SUMÁRIO. Apresentação... IX Prefácio... XI

SUMÁRIO. Apresentação... IX Prefácio... XI SUMÁRIO Apresentação... IX Prefácio... XI 1. INTRODUÇÃO À GESTÃO DE FROTAS... 1 1.1. Introdução... 1 1.2. Considerações sobre a Estrutura do Transporte Rodoviário no Brasil... 2 1.3. A Estrutura Organizacional

Leia mais

DEFINIÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS E DOS DESAFIOS DO TRANSPORTE URBANO DE CARGA.

DEFINIÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS E DOS DESAFIOS DO TRANSPORTE URBANO DE CARGA. DEFINIÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS E DOS DESAFIOS DO TRANSPORTE URBANO DE CARGA. Caro participante, Agradecemos a sua presença no III Megacity Logistics Workshop. Você é parte importante para o aprimoramento

Leia mais

BRASIL 2015: O VERDADEIRO RESULTADO DA COPA

BRASIL 2015: O VERDADEIRO RESULTADO DA COPA BRASIL 2015: O VERDADEIRO RESULTADO DA COPA Brasil, 2007 PIB R$ 1,8 trilhão Alfabetização 88,6% Expec. de Vida 71,7 anos PIB per capita US$ 8.402 Fonte: ONU e IBGE Brasil, 2015 PIB R$ 2,1 trilhões Alfabetização

Leia mais

Navegação de Cabotagem

Navegação de Cabotagem Reunião Conjunta Câmaras Setoriais da Cadeia Produtiva de Milho e Sorgo e da Cadeia Produtiva de Aves e Suínos Identificação das formas de movimentação dos excedentes de milho no Brasil Navegação de Cabotagem

Leia mais

Navegação de Cabotagem no Brasil. João Guilherme Araujo. Novembro/2013

Navegação de Cabotagem no Brasil. João Guilherme Araujo. Novembro/2013 Navegação de Cabotagem no Brasil João Guilherme Araujo Novembro/2013 Agenda Porque falar de Cabotagem? Cabotagem no Brasil Pontos Favoráveis e Desfavoráveis Números da Cabotagem no Brasil Cabotagem de

Leia mais

A navegação de cabotagem no Brasil

A navegação de cabotagem no Brasil A navegação de cabotagem no Brasil Um imenso potencial com grandes desafios e barreiras João Guilherme Araujo Diretor de Desenvolvimento de Negócios ILOS - Instituto de Logística e Supply Chain Ultimamente

Leia mais

Observatório do Turismo

Observatório do Turismo USUS 2012 Observatório do Turismo Cidade de São Paulo Brasil Turismo no Mundo 9,0% Representatividade no PIB Mundial em 2011 US$ 6,3 TRILHÕES Movimentação Financeira em 2011 980 MILHÕES Viagens no Mundo,

Leia mais

ANÁLISE GUARULHOS. Edição bimestral nº 02 2010

ANÁLISE GUARULHOS. Edição bimestral nº 02 2010 ANÁLISE GUARULHOS Edição bimestral nº 02 2010 Guarulhos tem se firmado na última década como um dos principais municípios do Brasil devido ao seu alto grau de dinamismo econômico e social, aliado à sua

Leia mais

Práticas da gestão do transporte rodoviário de cargas nas empresas (Parte 1)

Práticas da gestão do transporte rodoviário de cargas nas empresas (Parte 1) Práticas da gestão do transporte rodoviário de cargas nas empresas (Parte 1) Rachel Fanti Coelho Lima O objetivo deste artigo é apresentar algumas práticas e decisões gerenciais que vêm sendo adotadas

Leia mais

A decolagem do turismo

A decolagem do turismo A decolagem do turismo OBrasil sempre foi considerado detentor de um enorme potencial turístico. Em 1994, no entanto, o país recebeu menos de 2 milhões de turistas internacionais, um contingente que, na

Leia mais

EMBRAER ANUNCIA PERSPECTIVAS DE LONGO PRAZO PARA AVIAÇÃO Estimativas de demanda mundial abrangem os mercados de jatos comerciais e executivos

EMBRAER ANUNCIA PERSPECTIVAS DE LONGO PRAZO PARA AVIAÇÃO Estimativas de demanda mundial abrangem os mercados de jatos comerciais e executivos EMBRAER ANUNCIA PERSPECTIVAS DE LONGO PRAZO PARA AVIAÇÃO Estimativas de demanda mundial abrangem os mercados de jatos comerciais e executivos São José dos Campos, 7 de novembro de 2008 A Embraer (BOVESPA:

Leia mais

Fase 2 (setembro 2012) Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário - 2012

Fase 2 (setembro 2012) Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário - 2012 Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário - 2012 Apresentação A sondagem Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário 2012 Fase 2 apresenta a visão do empresário do transporte

Leia mais

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Profª Caroline Pauletto Spanhol Cadeia de Abastecimento Conceitos e Definições Elementos Principais Entendendo a Cadeia de Abastecimento Integrada Importância

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 2ª Ano Tema da aula: transporte e Telecomunicação Objetivo da aula:. Entender as principais formas de

Leia mais

Brochura - Panorama ILOS

Brochura - Panorama ILOS Brochura - Panorama ILOS c Custos Logísticos no Brasil - 2014 - Apresentação O tema custos é uma preocupação recorrente dos executivos de logística no Brasil. Por isso, de dois em dois anos, o ILOS vai

Leia mais

Dia Mundial sem Carro Faça sua parte, o planeta agradece!!

Dia Mundial sem Carro Faça sua parte, o planeta agradece!! Dia Mundial sem Carro Faça sua parte, o planeta agradece!! Prefira o transporte público. Além de ser menos poluente, você evitará parte do estresse do dia-a-dia; Use bicicleta ou caminhe sempre que possível.

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

Melhores e Piores no Transporte Aéreo Brasileiro

Melhores e Piores no Transporte Aéreo Brasileiro Melhores e Piores no Transporte Aéreo Brasileiro Sumário executivo Janeiro de 2008 PREFÁCIO Atrasos e cancelamentos nos vôos são problemas constantes na vida de milhões de brasileiros. A antiga excelência

Leia mais

COPA. Copa de 2014, Desafios e Oportunidades JOÃO ALBERTO VIOL. Vice-Presidente Nacional ABECE - ABCIC. 29 de Outubro 2009

COPA. Copa de 2014, Desafios e Oportunidades JOÃO ALBERTO VIOL. Vice-Presidente Nacional ABECE - ABCIC. 29 de Outubro 2009 COPA Copa de 2014, Desafios e Oportunidades JOÃO ALBERTO VIOL Vice-Presidente Nacional ABECE - ABCIC 29 de Outubro 2009 1 SINAENCO Sindicato Nacional das Empresas de Arquitetura e Engenharia Consultiva

Leia mais

São Paulo de Braços Abertos para Copa de 2014

São Paulo de Braços Abertos para Copa de 2014 São Paulo de Braços Abertos para Copa de 2014 Promoção Turística - Comitê executivo - Proposta inicial - Estrutura Turística Fecomércio 01/10/2009 Infraestrutura Comunicação Dados Comitê Integração GT

Leia mais

[ ARQUITETURA ] [ TEXTO VERENA PARANHOS ] 1 5 2 L E T S G O B A H I A DIVULGAÇÃO

[ ARQUITETURA ] [ TEXTO VERENA PARANHOS ] 1 5 2 L E T S G O B A H I A DIVULGAÇÃO [ ARQUITETURA ] [ TEXTO VERENA PARANHOS ] DIVULGAÇÃO COMPLEXO DE VIADUTOS DO IMBUÍ Projeção apresenta como será o complexo de viadutos que vai desafogar o trânsito na Avenida Paralela. As obras foram autorizadas

Leia mais

BRT Transoeste: transformando o conceito de transporte público no Rio de Janeiro

BRT Transoeste: transformando o conceito de transporte público no Rio de Janeiro BRT Transoeste: transformando o conceito de transporte público no Rio de Janeiro Richele Cabral 1 ; Eunice Horácio S. B. Teixeira 1 ; Milena S. Borges 1 ; Miguel Ângelo A. F. de Paula 1 ; Pedro Paulo S.

Leia mais

Pesquisa CNT de Rodovias 2011

Pesquisa CNT de Rodovias 2011 CNT de Rodovias 2011 Apresentadores: Thaís Vizioli e Augusto Rochadel PET - Economia - UnB 28 de outubro de 2011 Thaís Vizioli e Augusto Rochadel CNT de Rodovias 2011 Contexto Geral Introdução Contexto

Leia mais

Apresentação. Entendendo a Copa A Copa em Porto Alegre Oportunidades

Apresentação. Entendendo a Copa A Copa em Porto Alegre Oportunidades Apresentação Entendendo a Copa A Copa em Porto Alegre Oportunidades Impactos Econômicos Mega Eventos 2010 2013 Construção Civil Móveis Tecnologia da Informação 2013... Comércio e Serviços Turismo Produção

Leia mais

ANA AEROPORTOS DE PORTUGAL, SA

ANA AEROPORTOS DE PORTUGAL, SA ANA AEROPORTOS DE PORTUGAL, SA 8º CICLO DE SEMINÁRIOS TRANSPORTES & NEGÓCIOS O PAPEL DO SISTEMA AEROPORTUÁRIO NAS SOLUÇÕES LOGÍSTICAS Outubro 2006 Preâmbulo Atendendo ao modelo económico de desenvolvimento

Leia mais

Logística. Oliveira, Felipe Flausino de. O48l Logística: modais / Felipe Flausino de Oliveira. Varginha, 2015. 40 slides; il.

Logística. Oliveira, Felipe Flausino de. O48l Logística: modais / Felipe Flausino de Oliveira. Varginha, 2015. 40 slides; il. Logística Oliveira, Felipe Flausino de. O48l Logística: modais / Felipe Flausino de Oliveira. Varginha, 2015. 40 slides; il. Sistema requerido: Adobe Acrobat Reader Modo de Acesso: World Wide Web 1. Logística

Leia mais

275$163257($e5(2. $+LVWyULDGR7UDQVSRUWH$pUHRQR%UDVLO

275$163257($e5(2. $+LVWyULDGR7UDQVSRUWH$pUHRQR%UDVLO 275$163257($e5(2 $+LVWyULDGR7UDQVSRUWH$pUHRQR%UDVLO Segundo o Departamento de Aviação Civil (DAC), a exploração dos serviços de transporte aéreo no Brasil só foi liberada à iniciativa privada no ano de

Leia mais

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas SUMÁRIO 1. Link Aula Anterior; 2. Gestão de Custos X Gastos; 3. Custo Direto, Indireto, Fixo e Variável; 4. Custo Marginal, Histórico, Orçado. 5. Etapas do Custeio;

Leia mais

Ângelo Monteiro GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES

Ângelo Monteiro GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES 1 Ângelo Monteiro GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES 2 SEGURO DE TRANSPORTES NO BRASIL 3 SEGURO DE TRANSPORTES NO BRASIL POUCAS SEGURADORAS OPERANDO POUCOS CORRETORES ESPECIALIZADOS SINISTRALIDADE

Leia mais

METRÔ DE SÃO PAULO Gerência de Planejamento e Integração de Transportes Metropolitanos GPI / DM

METRÔ DE SÃO PAULO Gerência de Planejamento e Integração de Transportes Metropolitanos GPI / DM METRÔ DE SÃO PAULO Gerência de Planejamento e Integração de Transportes Metropolitanos GPI / DM Sistemas Estruturais de Transporte Alta e Média Capacidade Alberto Epifani Gerente de Planejamento e Integração

Leia mais

Planejamento estratégico de transporte para Copa do Mundo de Futebol e outros mega torneios internacionais

Planejamento estratégico de transporte para Copa do Mundo de Futebol e outros mega torneios internacionais Planejamento estratégico de transporte para Copa do Mundo de Futebol e outros mega torneios internacionais Philippe H. BOVY Professor Honorário / Instituto Federal Suíço de Tecnologia Lausanne / Suíça

Leia mais

. CONSUMO DE ÓLEO DIESEL

. CONSUMO DE ÓLEO DIESEL TRANSPORTES Os transportes têm como finalidade o deslocamento e a circulação de mercadorias e de pessoas de um lugar para outro. Nos países subdesenvolvidos, cuja economia sempre foi dependente dos mercados

Leia mais

Desafio Logístico 2013

Desafio Logístico 2013 1 Desafio Logístico 2013 Índice Introdução 3 A situação O desafio 5 5 Regras gerais 6 2 Introdução O desenvolvimento econômico do Brasil enfrenta inúmeros desafios sendo que um dos mais complexos está

Leia mais

Multimodalidade e as Hidrovias no Brasil. (Marcos Machado Soares Sec. Executivo da FENAVEGA)

Multimodalidade e as Hidrovias no Brasil. (Marcos Machado Soares Sec. Executivo da FENAVEGA) Multimodalidade e as Hidrovias no Brasil (Marcos Machado Soares Sec. Executivo da FENAVEGA) O QUE É A FENAVEGA A FENAVEGA é uma Entidade de Classe de grau superior, constituída em conformidade com o disposto

Leia mais

UGP COPA Unidade Gestora do Projeto da Copa

UGP COPA Unidade Gestora do Projeto da Copa Organização da Copa 2014 PORTFÓLIOS UGPCOPA ARENA E ENTORNO INFRAESTRUTURA TURÍSTICA FAN PARKS LOC COPA DESPORTIVA EVENTOS DA FIFA GERENCIAMENTO DE PROJETOS OBRIGAÇÕES GOVERNAMENTAIS SUPRIMENTOS COPA TURÍSTICA

Leia mais

COPA DO MUNDO FIFA 2014 Belo Horizonte Brasil. Ações do Governo de Minas Gerais

COPA DO MUNDO FIFA 2014 Belo Horizonte Brasil. Ações do Governo de Minas Gerais COPA DO MUNDO FIFA 2014 Belo Horizonte Brasil Ações do Governo de Minas Gerais 27 de Outubro de 2009 Roteiro Estratégia de Execução Modernização do Mineirão Reforma dos Estádios Alternativos Mobilidade

Leia mais

Seminário Rio Metrópole Mobilidade, Conectividade, Custos e Logística. Paulo Fernando Fleury Presidente Instituto Ilos

Seminário Rio Metrópole Mobilidade, Conectividade, Custos e Logística. Paulo Fernando Fleury Presidente Instituto Ilos Realização Seminário Rio Metrópole Mobilidade, Conectividade, Custos e Logística Paulo Fernando Fleury Presidente Instituto Ilos O Paradoxo da Logística A logística é ao mesmo tempo uma das atividades

Leia mais

Orientação ao mercado de trabalho para Jovens. 1ª parte. Projeto Super Mercado de Trabalho 1ª parte Luiz Fernando Marca

Orientação ao mercado de trabalho para Jovens. 1ª parte. Projeto Super Mercado de Trabalho 1ª parte Luiz Fernando Marca Orientação ao mercado de trabalho para Jovens 1ª parte APRESENTAÇÃO Muitos dos jovens que estão perto de terminar o segundo grau estão lidando neste momento com duas questões muito importantes: a formação

Leia mais

Ângelo Monteiro GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES

Ângelo Monteiro GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES 1 Ângelo Monteiro GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES 2 SEGURO DE TRANSPORTES NO BRASIL 3 SEGURO DE TRANSPORTES NO BRASIL POUCAS SEGURADORAS OPERANDO POUCOS CORRETORES ESPECIALIZADOS SINISTRALIDADE

Leia mais

Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Norte

Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Norte Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Norte Descrição Concessão à iniciativa privada dos principais eixos rodoviários de acesso ao litoral norte de Alagoas, visando a melhoria operacional, manutenção,

Leia mais

Distribuição e transporte

Distribuição e transporte Distribuição e transporte Gestão da distribuição Prof. Marco Arbex Introdução Toda produção visa a um ponto final, que é entregar os seus produtos ao consumidor; Se o produto não está disponível na prateleira,

Leia mais

A Navegação de Cabotagem Brasileira e os Impactos da Lei 12.619 João Guilherme Araujo Janeiro de 2013

A Navegação de Cabotagem Brasileira e os Impactos da Lei 12.619 João Guilherme Araujo Janeiro de 2013 Uma questão de vocação natural e competitividade Melhorar a movimentação e distribuição de bens e mercadorias no país é condição primordial para um mercado que se pretenda competitivo. Não basta ao país

Leia mais

5 Case Stara. Cristiano Buss *

5 Case Stara. Cristiano Buss * Cristiano Buss * Fundada em 1960, a Stara é uma fabricante de máquinas agrícolas. De origem familiar, está instalada em Não-Me-Toque, no norte do Estado; Em seis anos, cresceu 11 vezes, com baixo nível

Leia mais

Infraestrutura de Transportes no Brasil Impactos de Investimentos no Crescimento do PIB. Luiz F. M. Vieira, PhD Vice-Presidente

Infraestrutura de Transportes no Brasil Impactos de Investimentos no Crescimento do PIB. Luiz F. M. Vieira, PhD Vice-Presidente São Paulo, 4 de Dezembro de 4 Apresentação Evento MBC Infraestrutura de Transportes no Brasil Impactos de Investimentos no Crescimento do PIB Luiz F. M. Vieira, PhD Vice-Presidente O crescimento do PIB

Leia mais

Transporte Rodoviário de Cargas. Panorama do Setor Eficiência Energética e Metodologia de Avaliação de Empresas

Transporte Rodoviário de Cargas. Panorama do Setor Eficiência Energética e Metodologia de Avaliação de Empresas Transporte Rodoviário de Cargas Panorama do Setor Eficiência Energética e Metodologia de Avaliação de Empresas Panorama do Segmento de Transporte Rodoviário de Carga Brasileiro Panorama TRC Infraestrutura

Leia mais

Aéreas terão subsídios para operar rotas já existentes

Aéreas terão subsídios para operar rotas já existentes Fonte: Dr. Renato Kloss Seção: Economia Versão: Online Data: 28/07 Aéreas terão subsídios para operar rotas já existentes Medida do governo deve beneficiar cem linhas rentáveis. Subvenção pode somar R$

Leia mais

Como o TMC agrega valor ao Cliente Corporativo?

Como o TMC agrega valor ao Cliente Corporativo? Como o TMC agrega valor ao Cliente Corporativo? Palestrante Lúcio Oliveira Consultor de Gestão Estratégica, Vendas e Planejamento Estratégico, Instrutor, Palestrante e Advisor de Empresas do Turismo, é

Leia mais

Plano de Mobilidade Urbana Sustentável da Grande Florianópolis Plamus. Guilherme Medeiros SC Participações e Parcerias S.A. Governo de Santa Catarina

Plano de Mobilidade Urbana Sustentável da Grande Florianópolis Plamus. Guilherme Medeiros SC Participações e Parcerias S.A. Governo de Santa Catarina Plano de Mobilidade Urbana Sustentável da Grande Florianópolis Plamus Guilherme Medeiros SC Participações e Parcerias S.A. Governo de Santa Catarina Introdução PLAMUS e status do projeto Diagnóstico: qual

Leia mais

Transporte Terrestre X Aluguel de Veículos:

Transporte Terrestre X Aluguel de Veículos: Transporte Terrestre X Aluguel de Veículos: Serviços Diferentes para Clientes Diferentes? Moderador: Tomás Ramos 04/02/2009 Considerando-se o tráfego e os problemas de segurança nas grandes cidades da

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca II ENCONTRO NACIONAL DE TRANSPORTADORES

Leia mais

Falta um projeto estruturante para o setor de aeroportos

Falta um projeto estruturante para o setor de aeroportos Falta um projeto estruturante para o setor de aeroportos Josef Barat Segundo dados do Instituto de Estudos Estratégicos e de Políticas Públicas em Transporte Aéreo, nos últimos vinte anos o tráfego de

Leia mais

Perspectivas para o Modal Aéreo Transporte de passageiros e de carga no Brasil. FIESP, São Paulo 27/08/2015

Perspectivas para o Modal Aéreo Transporte de passageiros e de carga no Brasil. FIESP, São Paulo 27/08/2015 Perspectivas para o Modal Aéreo Transporte de passageiros e de carga no Brasil FIESP, São Paulo 27/08/2015 Conteúdo Custos Logísticos no Brasil Carga Aérea no Mundo Evolução do Transporte Aéreo no Brasil

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO AGENDA ESTRATÉGIA PERSPECTIVAS ECONÔMICAS MATRIZ DE RESPONSABILIDADES PORTO AEROPORTO ARENA MONOTRILHO MATRIZ ENERGÉTICA COMUNICAÇÃO MANAUS CIDADE-SEDE ESTRATÉGIA Concepção Planejamento Manaus x Belém

Leia mais

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. Agosto de 2013

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. Agosto de 2013 QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL Agosto de 2013 PRINCIPAIS CADEIAS PRODUTIVAS Soja, milho e bovinos AGROPECUÁRIA AÇÚCAR E ÁLCOOL Soja, milho e bovinos Cana de açúcar MINERAÇÃO E SIDERURGIA

Leia mais

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial.

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. visão, missão e valores corporativos visão Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. MISSÃO O Grupo Gerdau é uma Organização empresarial focada em siderurgia, com a missão de satisfazer

Leia mais

P E R S P E C T I V A S D O T U R I S M O

P E R S P E C T I V A S D O T U R I S M O P E R S P E C T I V A S D O T U R I S M O Brasil JULHO 2011 P E R S P E C T I VA S D O T U R I S M O b r a s i l Introdução Com a realização de megaeventos esportivos como a Copa do Mundo FIFA 2014 e os

Leia mais

Programa de Ação Profissional: Transporte de um Vaso de Pressão São Paulo SP a Marau RS.

Programa de Ação Profissional: Transporte de um Vaso de Pressão São Paulo SP a Marau RS. Programa de Ação Profissional: Transporte de um Vaso de Pressão São Paulo SP a Marau RS. UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO FACULDADE DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA GESTÃO LOGÍSTICA

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES

GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES 1 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES 2 SEGURO DE TRANSPORTES NO BRASIL 3 SEGURO DE TRANSPORTES NO BRASIL POUCAS SEGURADORAS OPERANDO POUCOS CORRETORES ESPECIALIZADOS SINISTRALIDADE ALTA TAXAS CADA

Leia mais

Introdução à Logística e ao Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento CONCEITO DE LOGÍSTICA EVOLUÇÃO

Introdução à Logística e ao Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento CONCEITO DE LOGÍSTICA EVOLUÇÃO Introdução à Logística e ao Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento CONCEITO DE LOGÍSTICA DÉCADA DE 70 TRANSPORTE, ARMAZENAGEM E DISTRIBUIÇÃO DÉCADA DE 80 SISTEMA INTEGRADO DÉCADAS DE 90 / 00 SERVIÇO

Leia mais

O Problema dos Transportes Urbanos de Passageiros no Brasil

O Problema dos Transportes Urbanos de Passageiros no Brasil O Problema dos Transportes Urbanos de Passageiros no Brasil Uma Contribuição para as Discuções sobre o Tema. O crescimento da urbanização da população brasileira, os incentivos generosos do governo federal

Leia mais

MARKETING PARA TURISMO RODOVIÁRIO. Rosana Bignami Outubro_2015

MARKETING PARA TURISMO RODOVIÁRIO. Rosana Bignami Outubro_2015 MARKETING PARA TURISMO RODOVIÁRIO Rosana Bignami Outubro_2015 ATRATIVOS CIDADES PESSOAS TRANSPORTES SISTEMA DE TRANSPORTE VEÍCULO ATENDE LOCAIS E ATENDE A MINHA EMPRESA ESTÁ PRONTA PARA O MARKETING? OUÇA

Leia mais

Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico - Turma 8 Mobilidade urbana e de seu interesse Rogério Soares da Silva (*)

Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico - Turma 8 Mobilidade urbana e de seu interesse Rogério Soares da Silva (*) Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico - Turma 8 Mobilidade urbana e de seu interesse Rogério Soares da Silva (*) O crescimento global da população vem atingindo índices cada vez maiores nos

Leia mais

Brochura - Panorama ILOS. Supply Chain Finance Como o Supply Chain pode contribuir no planejamento financeiro das empresas - 2015 -

Brochura - Panorama ILOS. Supply Chain Finance Como o Supply Chain pode contribuir no planejamento financeiro das empresas - 2015 - Brochura - Panorama ILOS Supply Chain Finance Como o Supply Chain pode contribuir no planejamento financeiro das empresas - 2015 - Por que adquirir este Panorama ILOS? O Supply Chain Finance é a forma

Leia mais

COMO A TECNOLOGIA PODE AJUDAR UM ATACADISTA DISTRIBUIDOR A REDUZIR CUSTOS

COMO A TECNOLOGIA PODE AJUDAR UM ATACADISTA DISTRIBUIDOR A REDUZIR CUSTOS COMO A TECNOLOGIA PODE AJUDAR UM ATACADISTA DISTRIBUIDOR A REDUZIR CUSTOS 1 ÍNDICE 1. Introdução... 2. Por que preciso investir em tecnologia?... 3. Cinco passos para usar a tecnologia a meu favor... 4.

Leia mais

INFORMATIVO : TRANSPORTE AÉREO

INFORMATIVO : TRANSPORTE AÉREO INFORMATIVO : TRANSPORTE AÉREO DIREITO À INFORMAÇÃO: INFORMAÇÃO CLARA E PRECISA: CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR Art. 6º São direitos básicos do consumidor: III - a informação adequada e clara sobre os

Leia mais