ANAIS CLOSED-LOOP SUPPLY CHAIN REPENSANDO A MANEIRA COMO FAZEMOS AS COISAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANAIS CLOSED-LOOP SUPPLY CHAIN REPENSANDO A MANEIRA COMO FAZEMOS AS COISAS"

Transcrição

1 CLOSED-LOOP SUPPLY CHAIN REPENSANDO A MANEIRA COMO FAZEMOS AS COISAS RENÊ BERGEL ( ) PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ UBIRATÃ TORTATO ( ) PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ RESUMO O objetivo deste artigo é evidenciar como o uso do Closed-Loop Supply Chain (CLSC) pode proporcionar vantagens competitivas ao se adotarem práticas sustentáveis. Foi utilizada pesquisa bibliográfica para identificar o conceito CLSC e sua aplicabilidade às oportunidades de negócio. Também foram apresentados cases de sucesso. Palavras-chave: Closed-loop. Product lifecycle management. Supply chain. Sustainability. 1/16

2 1 INTRODUÇÃO Sustentabilidade é uma nova área da gestão ainda pouco entendida por muitos empresários, assim necessitamos conceituá-la a luz dos gestores, de forma diferenciada da apresentada pelos ambientalistas, objetivando dar ao gestor uma visão mais ampla da aplicabilidade prática da estratégia. Morin (1996) defende a Revolução Verde através de uma visão holística, multidisciplinar, complexa e extremamente específica que pode ser considerada como uma Nova Ciência entende que sustentabilidade é o equilíbrio entre diferentes dimensões das atividades humanas que impactam no meio ambiente, nas relações sociais e na economia influenciando para o bem ou para o mal, legado que vamos deixar para as futuras gerações. Estamos evidenciando a gênese de um novo tipo de ciência que exige aprofundamento em conhecimentos específicos voltados a várias disciplinas. O Pensamento Ecológico segundo Morin (1996, p. 1): A essência da consciência ecológica reside na reintegração do meio ambiente a nossa consciência e complexidade antroposocial a idéia da natureza reconhecida como o ecossistema da biosfera. Devemos entender cada disciplina especializada voltada ao controle do ecossistema, formada por constituintes físicos, biológicos e sociais dependentes. A ecologia é "um novo tipo de ciência" que, ao contrário do dogma atual que tem governado o desenvolvimento de disciplinas científicas, exige um conhecimento global competente centrado em diversos domínios da ciência. Estamos nos primórdios de uma nova era Eco-Sustentável, onde o lixo descartado passa a ser a nossa maior métrica, sustentabilidade tornou-se uma questão estratégica, um driver para a vantagem competitiva e uma exigência dos clientes. Dia-a-dia enfrentamos novos desafios industriais, tais como as mudanças ambientais (customização em massa, produto de curto lead time e rápido desenvolvimento, produtos de alta complexidade e de funções especificas), isto leva a uma crescente necessidade de colaboração inter-empresariais. Sob o aspecto da gestão da cadeia de suprimentos estendida, as informações ao longo do ciclo de vida do produto devem ser fechados em um fluxo contínuo, e é neste ambiente que entram os conceitos abordados neste artigo: Extended Producer Responsibility, Closed-Loop ou Economia Circular, Zero Waste ou Zero Resíduos, Life Cycle Analysis, Closed-Loop Product Lifecycle Management e Closed-Loop Supply Chain Management. As nossas discussões objetivam evidenciar como o uso do Closed-Loop Supply Chain Management proporciona vantagens competitivas através do emprego de práticas sustentáveis. O artigo apresenta vários figuras e esquemas que visam estabelecer uma estrutura mental voltada a estabelecer um melhor entendimento sobre os princípios que fundamentam a Economia Eco-Sustentável. 2 O PROCEDIMENTO METODOLÓGICO Segundo Marconi e Lakatos (2000), vários gêneros de conhecimento são referidos na literatura, entre os quais destacam: o científico, o filosófico, o popular (ou do senso comum), o religioso (ou teológico), cada um está vinculado com as suas respectivas e peculiaridades específicas. Os propósitos deste artigo associam-se ao caráter distintivo concernente ao 2/16

3 conhecimento científico voltados a um melhor entendimento dos principais aspectos e dos drivers que sustentam a sustentabilidade. Segundo Köche (1997, p. 17): [...] o conhecimento científico surge não apenas da necessidade de encontrar soluções para os problemas de ordem prática da vida diária, característica esta do conhecimento ordinário, mas do desejo de fornecer explicações sistemáticas que possam ser testadas e criticadas através de provas empíricas. Este artigo propõe o embasamento teórico necessário à concepção de um sistema ecologicamente sustentável, o método de pesquisa foi centrado em uma revisão teórica e documental que permitiu entender os princípios básicos que fundamentam a teoria da Economia Circular entendida na área da ciência logística como Closed Loop Supply Chain. Foi essencial para o estudo a distinção entre a Economia Linear e a Economia Circular e compreensão da evolução histórica do conceito do Closed Loop, para que passamos entender melhor os princípios básicos que governam o Design de Produtos Eco-sustentáveis, necessitamos entender as estruturas dos Ciclos Biológicos e Técnicos. Foram utilizados como fontes de informação: livros, artigos, normatizações e por ser uma nova ciência material específico disponibilizado na Internet, voltados à sustentabilidade. Conforme Demo (2000, p. 22) a pesquisa prática está "ligada à práxis, ou seja, à prática histórica em termos de conhecimento científico para fins explícitos de intervenção". Para Berto e Nakano (2000), as metodologias em pesquisa mais comumente desenvolvidas no gerenciamento das operações engenharia de produção, fundamentam-se no desenvolvimento teórico-conceitual tem por fim efetuar modelagens conceituais que resultam em novas teorias, também alcançadas, por meio de discussões conceituais da literatura ou de revisões bibliográficas. Deste modo, sob a óptica dessas abordagens, este artigo pode ser considerado como de característica teórico-conceitual, uma vez que apresenta uma modelagem histórica e estruturante dos procedimentos que conduzem a eficiência do Closed Loop Supply Chain. 3 CLOSED-LOOP SUPPLY CHAIN 3.1 A chave do sucesso no gerenciamento closed loop supply chain está no design ecosustentável do produto Respondendo aos crescentes problemas ambientais, vários países passaram a adotar regimes de Eco-responsabilidade, para o controle das empresas formulam leis conhecidas como "take-backs" (MCDONOUGH, 2007), que atribuem Responsabilidade Estendida ao Produtor (EPR - Extended Producer Responsibility), definida como uma abordagem política ambiental em que a responsabilidade do fornecedor de um produto é estendida para a fase do pós-consumo no ciclo de vida do produto (ROSSEM; TOJO; LINDHQVIST, 2006). A política de EPR é caracterizada primeiramente pela transferência de responsabilidades (física e/ou econômica; total ou parcial) a montante para o produtor, e em segundo lugar por meio do fornecimento de incentivos aos produtores, objetivando levar as considerações ambientais na concepção de seus produtos (OCDE, 2001). O EPR envolve e co-responsabiliza todos os atores da cadeia de suprimentos em 3/16

4 relação às características ambientais do produto e processos de produção e distribuição (takebacks), é neste ambiente que passa a existir a necessidade do conceito de Closed-Loop Supply Chain. O The American Heritage Dictionary (2000), conceitua Closed-Loop como um sistema de controle com um ciclo de feedback ativo. Entretanto, ao levarmos em conta a visão logística da criação de um circulo fechado que envolve todos os atores da cadeia de suprimentos o sistema denomina-se Closed-Loop Supply Chain (CLSC) definido como: Design, controle e operação de um sistema para maximizar a completa criação de valor ao longo do ciclo de vida de um produto com recuperação dinâmica de valor a partir de diferentes tipos e volumes dos retornos ao longo do ciclo de vida do produto (GUIDE; WASSENHOVE, 2009). Realizar o sincronismo de todos os atores na cadeia de suprimentos durante o ciclo de vida de um produto é uma tarefa complexa. Para que possamos entender melhor todos os aspectos envolvidos no Closed-Loop Supply Chain (CLSC), nós necessitamos compreender os princípios que fundamentam o processo de desenvolvimento do produto, a falta deste entendimento associa-se ao principal problema de gestão do CLSC, isto é o produto deve ser desenhado de tal forma que atenda as necessidades ambientais de recuperação de resíduos de todos os atores da cadeia de suprimentos. Evidenciamos que a maioria dos produtos atuais não possui um design ecológico, isto é, não foram desenvolvidos para ser reciclados. As nossas discussões objetivam analisar em profundidade os aspectos voltados ao desenvolvimento do produto correto que viabilize o desenvolvimento de uma Economia Circular o Closed-Loop Supply Chain (CLSC). Na seqüência o artigo apresenta os fundamentos que alicerçam a sustentabilidade para isto inicialmente necessitamos entender o modo de operação tradicional denominado Economia Linear, a seguir apresentamos a Economia Circular fundamentada no conceito do Zero Waste, compreendido através dos Ciclos Técnico e Biológico, esta metodologia fundamenta a origem do conceito de Closed-Loop. 4 COMO O CICLO DO PRODUTO SUSTENTÁVEL ESTÁ MUDANDO A ESTRATÉGIA DOS NEGÓCIOS 4.1 Economia Linear a mentalidade do Tome Utilize Jogue fora O arquiteto William McDonough e o químico Michael Braungart (2002), criadores do modelo Cradle-to-Cradle (C2C ou berço-a-berço), relatam que hoje nós vivemos na era do consumismo, onde o padrão norte americano de vida é tomado como referência, porém devemos entender que na nossa aldeia global existem recursos finitos que devem ser preservados ao máximo. A Figura 1 representa uma Cadeia de Suprimentos Tradicional que toma como base a Economia Linear. Figura 1 - Cadeia de suprimentos tradicional que toma como base a economia linear Fonte: o autor, /16

5 No nível global evidenciamos que estamos reciclando mais do que nunca, porém o estilo de vida está nos conduzindo a uma mentalidade do Tome Utilize e Descarte em inglês Take-Make-and-Dispose, estrutura geradora de grande volume de lixo em comparação ao pequeno volume bens e serviços úteis produzidos. Na Economia Linear, as matérias-primas ou recursos são transformados em produtos os quais após consumo são descartados. As características encontradas na Economia Linear provocam uma resposta negativa quando analisamos sob a luz da responsabilidade ambiental: consumir menos recursos renováveis, produzir menos resíduos industriais, reutilizar resíduos de reciclagem evitando o descarte. A Figura 2 apresenta um diagrama ecológico para que possamos entender melhor as características na visão ecológica da Economia Linear. Figura 2 - Modelo de economia linear Fonte: adaptado de MCDONOUGH; BRAUNGART, McDonough e Braungart (2002) defendem que em alguns processos podemos ter uma economia de até 70% quando levamos em conta a recuperação de matéria-prima e energia (metais em geral principalmente alumínio), ao considerarmos o descarte do cliente final após o uso do produto a economia em material pode ser de até 30% (alumínio, PET, papel). Para o investidor lixo é igual a dinheiro, McDonough e Braungart (2002) informam que reciclamos somente 1 a 2% dos materiais de descarte, de tal modo que a palavra de ordem neste contexto é eco-eficiência, para isto devemos pensar em minimizar o lixo sanitário já na concepção do produto. Estamos no final da Revolução Pós-Industrial iniciada no pós-guerra 1945, hoje vivemos os primórdios de uma nova era denominada Eco-Sustentável (MCDONOUGH; BRAUNGART, 2002), devemos aprender a fazer as coisas de forma diferenciada centrada na metodologia da Economia Circular (Closed Loop). 5/16

6 4.2 Economia circular: o modelo Cradle to Cradle resolvendo o paradoxo do crescimento e sustentabilidade Na década de 1970 surgem duas teorias semelhantes que fundamentam a Economia Circular, a natureza é tomada como referência principal e sustenta a criação de produtos que podem ser infinitamente reciclados, a primeira teoria leva em conta o Crescimento com Produtividade denominada Growth, form, and productivity (LYLE, 1994) a segunda leva em conta a Economia Regenerativa denominada Regenerative economy (STAHEL, 1970 apud MCDONOUGH; BRAUNGART, 2002). Figura 3 - A forma do Crescimento com Produtividade The Growth, form, and productivity. Ao final dos anos 1970, John Tillman Lyle ( ), professor de arquitetura da paisagem, desafiou alunos de graduação para imaginar uma comunidade na qual as atividades diárias fossem baseadas no valor de viver dentro dos limites de disponibilidade de recursos renováveis sem degradação ambiental, resultado deste desafio está expresso na Figura 3. Fonte: JOHN T. LYLE, 1994, p. 26. Figura 4 - Ciclo técnico e biológico, primeiro design da economia regenerativa A Figura 4 representação o primeiro design da Operação da Economia Regenerativa, o termo Regenerative Economy foi cunhado em 1970 por Walter R. Stahel um arquiteto suíço, consiste na criação de ciclos contínuos um biológico e o outro técnico. Fonte: MCDONOUGH; BRAUNGART, William McDonough e seu colega, o químico alemão Michael Braungart (2002), reconhecem a semelhança ente as duas teorias desenvolvidas pelos arquitetos John Lyle e Walter Stahel, após trabalhos conjunto com estes dois cientistas, publicam o seu livro intitulado Cradle to Cradle Remaking the Way We Make Things (2002). Este livro é reconhecido pelos cientistas como o tratado mais relevante da humanização industrial, leva em conta um design ecologicamente inteligente, que fundamenta todo o conceito de Closed- Loop. 6/16

7 Para McDonough e Braungart (2002) o lixo em excesso está vinculado a um descuido na gestão do Ciclo de Vida do Produto quando este percorre a Cadeia de Suprimentos. Para um melhor entendimento deste conceito eles formulam uma nova estrutura denominada Cradle-to-Cradle design (C2C, ou do berço ao berço), conforme explicado no diagrama da Figura 5. Figura 5 - Economia circular fundamento do conceito cradle-to-cradle design Fonte: adaptado MCDONOUGH; BRAUNGART, Os produtos industrializados atualmente não são projetados objetivando a segurança ambiental, o que dificulta o reaproveitamento dos recursos não renováveis, como conseqüência geramos danos ao ecossistema, suavizar o impacto é no máximo uma medida tapa-buracos. Conforme McDonough e Braungart (2002) os três princípios básicos que fundamentam o método Cradle to Cradle: 1. resíduos são alimentos (lixo = alimento): Na Economia Circular consideramos o lixo como alimento, ou seja, tudo serve como nutrientes e o ciclo se fecha: a) nutrientes biológicos são aqueles que podem ser descartados no meio ambiente (compostos orgânicos sujeitos a compostagem); b) nutrientes tecnológico são aqueles que não devem ser descartados, como plásticos ou metais, estes devem retornar para alimentar o seu próprio ciclo industrial; 2. utilize recursos energéticos renováveis: a energia solar é uma energia limpa que não irá comprometer o futuro dos nossos filhos, outras fontes como a energia da biomassa e geotérmica também fazem mérito; 3. celebre a diversidade: a partir de uma perspectiva holística, os designers devem celebrar a diversidade, projetando o produto para a maximização dos efeitos 7/16

8 positivos sobre o meio-ambiente (nicho) em que estão inseridos. 4.3 Reciclagem por si só não é a solução A reciclagem é marcada por uma série de desvantagens, muitas vezes é um processo complexo e muito poluente, principalmente quando os itens são substâncias tóxicas, estes não desaparecem na compostagem contaminando o solo, fornecendo um perigo potencial aos trabalhadores da indústria de reciclagem inviabilizando a reutilização do produto em um novo ciclo. O objetivo principal de um processo de reciclagem está na minimização da geração de resíduos, assim, devemos nos conscientizar sobre o uso racional dos recursos para isto devemos levar em consideração a sustentabilidade no longo prazo (MCDONOUGH; BRAUNGART, 2002). De acordo com Annie Leonard (2010) expert em matéria de desenvolvimento sustentável e saúde ambiental, reconhecida como criadora e narradora do documentário de animação The Story of Stuff (A história das coisas), defende que a reciclagem é a última coisa que devemos fazer. Em primeiro lugar vem reduzir, reutilizar e como ultimo recurso reciclamos. A reciclagem é admitir a derrota, é reconhecer que nós não somos inteligentes ou suficientes interessados nos processos de design sustentável (LEONARD; CONRAD, 2010). 4.4 Pensar de forma sustentável antes do lançamento do produto Case da Toyota Tsusho - a primeira Cadeia de Suprimentos Global de Bio-PET A Toyota Tsusho Corporation estruturou a primeira cadeia de suprimentos global que integrada, planeja industrializar o Politereftalato de etileno, ou PET a partir do Bio-etanol Brasileiro. A Figura 6 apresenta a cadeia de suprimentos a montante partindo da Toyota Tsusho, Nagoya City, Japão (ICIS, 2010). Figura 6 - Toyota Tsusho lança o primeiro Supply Chain Global para a Produção de Bio-PET ou Bio Plástico como matéria-sustentável Fonte: adaptado de ICIS - First global Bio-PET supply chain, /16

9 O primeiro Supply Chain global de Bio-PET, irá funcionar da seguinte maneira: a cana-de-açúcar e o etanol serão produzidos no Brasil, em seguida, o material segue para uma empresa em Taiwan, onde é processando para Bio Mono-etilenoglicol, outra indústria na Ásia irá produzir o Bio-Pet, o qual será comercializado para o Japão, Estados Unidos e Europa como matéria prima para a confecção de vários produtos entre vestuário, recursos automobilísticos e garrafas PET. Após o uso do produto pelo consumidor o material descartado contendo PET retorna para o sistema em Closed Loop, o material é recuperado e utilizado como matéria-prima resina PET (Politereftalato de etileno), o material descartado é reciclado para outra garrafa plástica ou algo de mesmo valor. 5 DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - O DESAFIO DA GERAÇÃO PRESENTE Inicialmente necessitamos entender alguns conceitos básicos vinculados com a gestão de um produto com características ecológicas. 5.1 O que é Sustentabilidade? Sustentabilidade significa coisas diferentes para pessoas diferentes, não existe uma definição universalmente aceita para o termo "sustentabilidade", mas a definição mais conhecida é a do Relatório da Comissão Brundtland de United Nations Commision on Sustainable Development chefiadas por Dr. GroHarlem Bruntland. Sustentabilidade: Satisfazer as necessidades dos presentes sem comprometer a capacidade das gerações futuras satisfazerem suas próprias necessidades (BRUNTLAND, 1987). 5.2 O Princípio do Zero Waste (Zero Resíduos) As companhias aéreas operam com uma máxima zero acidentes...bem, quase zero! O objetivo é zero. A meta é zero. Robin Murray (2002) em seu livro Zero Waste define o conceito do termo Zero Waste, Zero Resíduos ou Lixo Zero o termo é originário da indústria japonesa na Gestão da Qualidade Total conceito conhecido e difundido pelo Total Quality Management (TQM) metodologia influenciada por idéias, tais como defeitos zero. Este conceito foi transferido para a Economia Circular (Ciclos Técnicos e Biológicos). Zero Waste entendido como uma meta á ser almejada, isto é resíduos são inevitáveis porem, temos a obrigação de minimizá-los controlando o processo desde a concepção do produto envolvendo os processos logísticos na cadeia de suprimentos (LEONARD, 2010). Esta metodologia denominada Eco-design e engloba a responsabilidade da indústria, em projetar o produto de forma sustentável, assim o produto deve atender aos princípios de sustentabilidade os 3 Rs (Reutilizar, Reduzir e Reciclar), o estudo do produto engloba a visão holística da logística, isto é o produto é concebido para atender a Gestão Sustentável da Cadeia de Suprimentos. 5.3 Compreendendo a hierarquia do tratamento dos Resíduos Thierry (1995) descreveu a Cadeia de Suprimentos Integrada, representando o serviço 9/16

10 de recuperação dos produtos, em oito operações de tratamento de resíduos definidas como: 1º Reuso direto, 2º Manutenção, 3º Renovação, 4º Remanufatura, 5º Canibalismo, 6º Reciclagem, 7º Incineração e 8º Deposição em aterro sanitário. A Figura 7 demonstra o esquema de funcionamento do Closed-Loop Supply Chain e explica a ordem de utilização dos modos de recuperação do lixo. Figura 7 - Esquema de funcionamento do Closed-Loop Supply Chain evidenciando a ordem de utilização dos resíduos e os modos de recuperação do Lixo Fonte: adaptado de THIERRY et al., Entendendo os atributos avaliados em um produto sustentável através dos processos de certificação. Para que possamos entender a dimensão de um Produto Sustentável necessitamos conhecer as regras e métricas que o definem como tal, estas normas são específicas para cada produto e para cada segmento de negócio. (SUSTAINABLE PRODUCTS DEFINED & IDENTIFIED, 2011). A Consultoria MBDC - McDonough Braungart Design Chemistry (2011) criou uma metodologia de certificação a MBDC Cradle to Cradle Certification & C2C Certified Products", os prêmios são dados em quatro níveis: Básico, Prata, Ouro, Platina. Os critérios básicos de certificação de produtos MBDC são: 1. saúde material: identifica a composição química dos materiais que compõem o produto. O risco para cada material é avaliado com base em critérios e classificado 10/16

11 em uma escala de cores verde representa baixo risco, amarelo risco moderado são aceitáveis e podem continuar a ser utilizado e vermelho para materiais que têm alto risco e precisam ser eliminados. Cinza para materiais com dados incompletos; 2. reaproveitamento de material: direcionado aos aspectos de recuperação e reciclagem no final da vida útil do produto; 3. energia necessária para a produção: para o nível máximo de certificação deve ser baseada, em pelo menos, 50% em energia renovável, levando em conta a produção de todas as peças e subconjuntos; 4. água necessária para a produção: analisando o consumo e qualidade da água de descarga; 5. responsabilidade social: refere-se a práticas de trabalho corretas e éticas. O site Sustainable Products <sustainableproducts.com.> define com propriedade o real significado de um Produto Sustentável. 6 REPENSANDO A MANEIRA COMO FAZEMOS AS COISAS 6.1 Pensamento estruturado para o lançamento de novos novo produtos sustentáveis Gerenciando o Ciclo de Vida do Produto O Gerenciamento do Ciclo de Vida de um Produto é facilitado quando fazemos uso de um sistema específico denominado Product Lifecycle Management (PLM). Sistemas PLM visam acelerar a introdução de um novo produto no mercado auxiliando a empresa de maneira sistêmica e ágil, a reduzir o time-to-market, reduzem significativamente as atividades sem valor agregado, permitem a integração colaborativa entre as partes interessadas em tempo real, utiliza conjuntos de informações consistentes ao longo do ciclo de vida do produto (SIEMENS, 2011). Quando o PLM opera em circuito fechado ou Closed-Loop no qual leva em conta a visão logística denominamos o sistema de CLPLM - Closed-Loop Product Lifecycle Management (KIRITSIS, 2010). Os sistemas de PLM convergem para o design digital com a utilização dos programas específicos como: Computer-Aided Design (CAD), Computer-Aided Manufacturing (CAM), Computer-Aided Engineering (CAE), Product Data Management (PDM), na fase de desenvolvimento do produto estes programas facilitam a obtenção virtual do produto evitando gastos excessivos com modelo piloto ou testes de fabricação, conseqüentemente diminuem os custos e encurtam o tempo do projeto time to market (SIEMENS, 2011). O site PLM Technology Guide apresenta o ranking das empresas que operam com PLM Systems (PLM TECHNOLOGY GUIDE, 2011). O mapeamento da Figura 8 apresenta a visão ECO- Sustentável da inter-conectividade de dois Macros Processos, o PLM (Processo do Produto) com o ERP (Processamento do Pedido). 11/16

12 Figura - 8 Visão ECO-Sustentável - Processo do Produto & Processo do Pedido (PLM & ERP) Fonte: adaptado de SAAKSVUORI; IMMONEN (2004). O New Product Introduction (NPI) é o motor do PLM utilizado no desenvolvimento e/ou adequabilidade de produtos já existentes. O PLM está ligado à gestão do ciclo de vida do produto, da concepção a descontinuidade do produto. Chamamos a atenção que a integração destes dois processos PLM (Ciclo de Vida do Produto) e ERP (Ciclo do Pedido) resulta no Closed-Loop Supply Chain Management. Entre cada processo do PLM (Conceito / Planejamento / Desenvolvimento / Teste & Validação / Plano de Produção) evidenciamos sub-processos de validação (Phase-Gate ou Milestone) Técnica & Ecológica fundamentado no método Cradle to Cradle C2C. 6.2 Case: Samsung Eco-design A Samsung Electronics desenvolveu uma metodologia própria de Eco-design focada em atender todos os requisitos do Closed-Loop Product Lifecycle Management e Closed-Loop Supply Chain, esta metodologia conjugada minimiza o impacto do produto com o meio ambiente. A essência da Samsung está no design de produto sustentável centrada no desenvolvimento de um produto ecologicamente correto, para isto no desenvolvimento do produto levam em conta a análise do impacto ambiental, design, qualidade (produto/serviço) e preço. Em 2004 a Samsung desenvolveu um sistema próprio de Avaliação Eco-design baseado em dois processos o primeiro baseia-se na saúde do produto denominado Life Cycle 12/16

13 Assessment (LCA) o segundo processo leva em conta outros aspectos como Montagem / Desmontagem / Reciclagem / Serviço e Custos Design for (DfX). Definição de LCA & DfX: a) LCA significa Life Cycle Assessment significa Avaliação do Ciclo de Vida, também conhecido como Análise do Ciclo de Vida, Balanço Ecológico e C2C é uma técnica utilizada para avaliar os impactos ambientais associados a todas as fases da vida de um produto de cradle-to-grave (ou seja, do nascimento ao túmulo, desde a extração da matéria-prima através do processamento de materiais, fabricação, distribuição, utilização, reparação e manutenção, e eliminação ou reciclagem); b) DfX - significa Design for (DfA / D / R / S / C), onde Assembly DfA / Disassembly DfD/ Recycle DfR/ Service DfS / Cost DfC, é uma ferramenta utilizada para avaliar e facilitar a montagem, desmontagem, reciclagem, serviço e custo dos produtos. O motor de todo o processo está centrado no avaliação Eco-design, na fase de desenvolvimento do produto. A figura 9 esquematiza o processo de Eco-Design utilizado pela Samsung. Figura 9 - Processo de Eco-Design da Samsung Fonte: adaptado de Samsung - Sustainability Report, O processo de avaliação analisa o impacto multi-environmental causado por produtos 13/16

14 eletrônicos, analisados sob três aspectos: 1º Ambiental, inclui a eficiência dos recursos; 2º Periculosidade ambiental; 3º Eficiência Energética. Esta metodologia possibilita desenvolver produtos Eco-Sustentáveis que tem como resultado a Eficiência dos Recursos, a Eficiência Energética e baixo Risco Ambiental. Este trabalho deu origem ao Manual de Eco-design da Sansung que serve como guia básico para o estabelecimento de regras Ecológicas fundamentado no LCA & DfX e fundamentam todo o processo de desenvolvimento de produtos na Samsung. 7 CONCLUSÃO Colin Masson (2003) em seu livro The 2030 Spike Countdown to Global Catastrophe, informa A década de 2030 evidenciará uma notável e perigosa confluência dos acontecimentos mundiais e tendências um pico no gráfico do papel da vida que vão influenciar a humanidade para o bem ou para o mal. Combater os efeitos catastróficos exigirá uma ação urgente, de informação e de compreensão mais clara sobre o local onde estamos e para onde queremos ir (MASSON, 2003). Ao final deste estudo os autores evidenciam que as regras existentes no mundo Pós- Industrial, estão desatualizadas e comprometem a saúde da Aldeia Global, torna-se imprescindível que o empresário compreenda este momento e tome ações concretas na mudança deste destino, eles entendem que ainda temos uma chance de viver em um mundo Eco-Sustentável, vários indícios foram encontrados que nos levam a crer que podemos vislumbrar um mundo melhor. Entretanto necessitamos programar ações ecológicas de forma imediata, tendo atenção a projetos de média e longa duração. Os problemas relacionados ao meio-ambiente não podem esperar e exigem um esforço e um posicionamento conjunto e imediato de todos os empresários, governo, educadores e cidadãos. Precisamos reconhecer com urgência o que é Boa Prática, separando o que é realmente necessário para o momento, e eliminando a demagogia e as expectativas que não levam a resultados práticos. Durante este estudo os autores evidenciam a complexidade envolvida na gestão do Closed-Loop Supply Chain Management, os empresários precisam entender que o produto deve ter características ECO-Sustentáveis, assim os seus projetos de desenvolvimento de novos produtos devem ser validados pelas ferramentas LCA Life Cycle Assessment e DfX Design for (A/D/R/S/C), objetivando desenvolver um produto com características Eco- Sustentável que maximize a criação de valor ao longo do Ciclo de Vida de um Produto, para que isto ocorra é necessário a integração de dois sistemas a Gestão do Ciclo do Pedido (ERP) com a Gestão do Ciclo de Vida do Produto (PLM), a combinação destes processos resultam no Closed-Loop Supply Chain Management. A obrigação dos Designer e Engenheiros de Produtos é direcionar os esforços no sentido de gerenciar o conhecimento a favor da máxima fazer mais com menos, a fim de minimizar os danos ambientais e preservando a sustentabilidade do negócio, estas premissas não devem ser vistas como um movimento ambiental, mas como uma maneira diferenciada de pensar: uma filosofia de design. Repensar a maneira como fazemos as coisas de forma sustentável, é pensar em satisfazer as necessidades dos presentes sem comprometer a capacidade das gerações futuras satisfazerem suas próprias necessidades (BRUNTLAND, 1987). 14/16

15 O empresário deve compreender que sustentabilidade está ligada a lucratividade e não o contrário, por este motivo o mesmo deve aprofundar os seus estudos no sentido de entender esta Revolução Pós-Industrial denominada Eco-Sustentável. REFERÊNCIAS BERTO, R. M. S.; NAKANO, D. N. A. Produção científica nos anais do encontro nacional de Engenharia de Produção: um levantamento de métodos e tipos de pesquisa. Revista Produção, v. 9, n. 2, p , BRUNTLAND, G. Relatório da Comissão Brundtland de United Nations Commision on Sustainable Development, 42/187. Report of the World Commission on Environment and Development Disponível em: <http://www.un.org/documents/ga/res/42/ares htm>. Acesso em: 7 jan DEMO, P. Metodologia do conhecimento científico. São Paulo: Atlas, DORNFELD, D. Green Issues in Manufacturing - Greening processes, systems and products. University of California, Laboratory for Manufacturing and Sustainability LMAS, Disponível em: <lma.berkeley.edu>. Acesso em: 16 dez GUIDE, V.; DANIEL JUNIOR, R.; LUK, N. Van W. The Evolution of closed-loop supply chain research. Operations Research, v. 57, n. 1, p , jan./feb., GUZMAN, D. First global Bio-PET supply chain. 20 de outubro de 2010) ICIS - Trusted market intelligence for the global chemical, energy and fertilizer industries. Disponível em: <http://www.icis.com/blogs/green-chemicals/2010/10/>. Acesso em: 9 jan KIRITSIS D. Closed-loop PLM for intelligent products in the era of the internet of things. Computer-Aided Design, KÖCHE, J. C. Fundamentos de metodologia científica: teoria da ciência e prática da pesquisa. 14. ed. Petrópolis: Vozes, LEONARD A. The Story of Stuff. Disponível em: <http://www.storyofstuff.org/moviesall/story-of-stuff/>. Acesso em: 17 dez LEONARD, A.; CONRAD, A. The story of stuff. Free Press/Simon & Schuster, LUMNITZ, M. NPI and PLM So what is the difference between PLM process and NPI process? Is NPI part of PLM? Disponível em: <http://mikilumnitz.wordpress.com/tag/product-lifecycle-management/>. Acesso em: 24 dez LYLE, J. T. Regenerative design for sustainable development. Ed. John Wiley & Sons, Inc., p. 26. MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Metodologia científica. 3. ed. São Paulo: Atlas, MASON, C. The 2030 Spike - Countdown to Global Catastrophe. Earthscan Publications Ltd, MCDONOUGH BRAUNGART DESIGN CHEMISTRY MBDC. MBDC Cradle to Cradle Certification & C2C Certified Products. Disponível em: <http://www.mbdc.com/>. Acesso em: 10 dez MCDONOUGH, B. Individual producer responsibility helping to solve the e-waste problem and to encourage eco-design. Greenpeace International, Disponível em: <http://www.greenpeace.org/international/global/international/planet- 2/report/2008/2/individual-producer-responsibility.pdf >. Acesso em: 6 jan MCDONOUGH, W.; BRAUNGART, M. Cradle To cradle: remaking the way we make 15/16

REDEFININDO A QUALIDADE DO PRODUTO CRADLE TO CRADLE CERTIFIED

REDEFININDO A QUALIDADE DO PRODUTO CRADLE TO CRADLE CERTIFIED REDEFININDO A QUALIDADE DO PRODUTO CRADLE TO CRADLE CERTIFIED CM DESIGN INTELIGENTE É UMA QUESTÃO DE ESCOLHA Tradicionalmente, quando designers decidiam criar um novo produto, eles faziam uma lista de

Leia mais

Tuesday, April 3, 12

Tuesday, April 3, 12 No começo, era apenas a eco-eficiência Zerar emissões Reduzir, reutilizar, reciclar Minimizar o impacto ecológico Reduzir o consumo Eco produtos Sustentável Neutralizar carbono Eficiência energética No

Leia mais

AUTOR: PAULO ROBERTO LEITE REVISTA TECNOLOGÍSTICA MAIO / 2002. SÃO PAULO, EDIT. PUBLICARE LOGÍSTICA REVERSA NOVA ÁREA DA LOGÍSTICA EMPRESARIAL

AUTOR: PAULO ROBERTO LEITE REVISTA TECNOLOGÍSTICA MAIO / 2002. SÃO PAULO, EDIT. PUBLICARE LOGÍSTICA REVERSA NOVA ÁREA DA LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA REVERSA NOVA ÁREA DA LOGÍSTICA EMPRESARIAL Introdução : Conceitos, Definições e Áreas de atuação A Logística Reversa tem sido citada com freqüência e de forma crescente em livros modernos de

Leia mais

ECOLOGIA INDUSTRIAL diminuição eliminação

ECOLOGIA INDUSTRIAL diminuição eliminação A crescente necessidade de preservação ambiental tem levado à adoção de tecnologias que utilizam os recursos naturais de maneira mais econômica e menos destruidora. Ao mesmo tempo, buscam-se soluções para

Leia mais

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade Carla Fernanda Mueller, carla@deps.ufsc.br 1. Introdução O ciclo dos produtos na cadeia comercial não termina quando, após serem usados pelos consumidores,

Leia mais

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS LOGÍSTICA REVERSA E A RESPONSABILIDADE EMPRESARIAL Os bens industriais apresentam ciclos de vida útil de algumas semanas ou de alguns anos, após o que serão descartados

Leia mais

Logística Reversa. Conceito de Logística. Reversa 15/09/2011. Objetivos da aula. e o Meio Ambiente

Logística Reversa. Conceito de Logística. Reversa 15/09/2011. Objetivos da aula. e o Meio Ambiente Logística Reversa e o Meio Ambiente Objetivos da aula 1. Estabelecer as relações entre os canais de distribuição diretos e os canais reversos; 2. Identificar as diferentes categorias de canais de distribuição

Leia mais

Guia de recomendações para implementação de PLM em PME s

Guia de recomendações para implementação de PLM em PME s 1 Guia de recomendações para implementação de PLM em PME s RESUMO EXECUTIVO Este documento visa informar, de uma forma simples e prática, sobre o que é a gestão do ciclo de vida do Produto (PLM) e quais

Leia mais

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade 1. Introdução O ciclo dos produtos na cadeia comercial não termina quando, após serem usados pelos consumidores, são descartados. Há muito se fala em reciclagem e reaproveitamento dos materiais utilizados.

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER Conceito LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER É uma área da logística que atua de forma a gerenciar e operacionalizar o retorno de bens e materiais, após sua venda e consumo, às suas origens, agregando

Leia mais

A ÉTICA E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SOB A ÓTICA DAS ORGANIZAÇÕES

A ÉTICA E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SOB A ÓTICA DAS ORGANIZAÇÕES A ÉTICA E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SOB A ÓTICA DAS ORGANIZAÇÕES Ítalo Camilo da Silva Nogueira Mestrando em Desenvolvimento Regional (mídias sociais), docente na Faculdade Nossa Senhora Aparecida/FANAP-GO.

Leia mais

Análise de Métodos de Reaproveitamento de Cavaco Metálico Contaminado Considerando Abordagens de Ecoeficiência e Ecoefetividade

Análise de Métodos de Reaproveitamento de Cavaco Metálico Contaminado Considerando Abordagens de Ecoeficiência e Ecoefetividade Análise de Métodos de Reaproveitamento de Cavaco Metálico Contaminado Considerando Abordagens de Ecoeficiência e Ecoefetividade MORAES, C. A. M. a,b*, SIMON, L. a,b, VARGAS, M. a,b a. Universidade do Vale

Leia mais

A EMPRESA COMO MODELO DE SUSTENTABILIDADE. Barbara Augusta PAULETO¹ RGM 071257 Fabiane Aparecida RODRIGUES¹ RGM 072625

A EMPRESA COMO MODELO DE SUSTENTABILIDADE. Barbara Augusta PAULETO¹ RGM 071257 Fabiane Aparecida RODRIGUES¹ RGM 072625 A EMPRESA COMO MODELO DE SUSTENTABILIDADE Barbara Augusta PAULETO¹ RGM 071257 Fabiane Aparecida RODRIGUES¹ RGM 072625 Renato Francisco Saldanha SILVA² Ailton EUGENIO 3 Resumo Muitas empresas mostram ser

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS VERDE GREEN SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS VERDE GREEN SUPPLY CHAIN MANAGEMENT X SIGA: Seminário para Interação em Gestão Ambiental GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS VERDE GREEN SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Linéia Jollembeck Lopes GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Leia mais

De encontro à Ecologia Industrial

De encontro à Ecologia Industrial De encontro à Ecologia Industrial Comando e controle Tecnologias para solucionar problema específico Resíduos/lixo 3R Prevenção à poluição Produção mais limpa Tecnologias mais limpas Eco-Eficiência Metabolismo

Leia mais

Engenharia apoiando o desenvolvimento sustentável

Engenharia apoiando o desenvolvimento sustentável Engenharia apoiando o desenvolvimento sustentável Antonio Francisco Savi (EESC-USP) savi@sc.usp.br Eduardo Vila Gonçalves Filho (EESC-USP) evila@sc.usp.br Erika Monteiro de Souza e Savi (EESC-USP) erika.savi@gmail.com

Leia mais

APLICAÇÃO DA TÉCNICA DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA. UM ESTUDO DE CASO EM UMA INDÚSTRIA DE PERFIL DE ALUMÍNIOS

APLICAÇÃO DA TÉCNICA DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA. UM ESTUDO DE CASO EM UMA INDÚSTRIA DE PERFIL DE ALUMÍNIOS Eixo Temático: Inovação e Sustentabilidade APLICAÇÃO DA TÉCNICA DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA. UM ESTUDO DE CASO EM UMA INDÚSTRIA DE PERFIL DE ALUMÍNIOS IMPLEMENTATION OF CLEANER PRODUCTION. A CASE STUDY IN AN

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS

GESTÃO AMBIENTAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS GESTÃO AMBIENTAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS Emanuele Montenegro Sales (1) Graduando em Licenciatura em Química pela UEPB, Graduando de Engenharia Química pela UFCG. Antônio Augusto Pereira (2) Engenheiro

Leia mais

Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais

Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Introdução Leonardo Lacerda Usualmente pensamos em logística como o gerenciamento do fluxo de materiais do seu ponto de

Leia mais

Autorizado pela Portaria nº 1.205 de 27/08/10 DOU Nº 166 de 30/08/10. Componente Curricular: SUSTENTABILIDADE NO AMBIENTE CONSTRUÍDO

Autorizado pela Portaria nº 1.205 de 27/08/10 DOU Nº 166 de 30/08/10. Componente Curricular: SUSTENTABILIDADE NO AMBIENTE CONSTRUÍDO C U R S O D E A R Q U I T E T U R A E U R B A N I S M O Autorizado pela Portaria nº 1.205 de 27/08/10 DOU Nº 166 de 30/08/10 Componente Curricular: SUSTENTABILIDADE NO AMBIENTE CONSTRUÍDO Código: ARQ057

Leia mais

Design Sustentável aplicado à decoração de Natal do Shopping Popular de Curitiba.

Design Sustentável aplicado à decoração de Natal do Shopping Popular de Curitiba. Design Sustentável aplicado à decoração de Natal do Shopping Popular de Curitiba. Sustainable Design applied to the decoration of Christmas Shopping Popular de Curitiba. Perozza, Roberta Augustinho; Graduanda;

Leia mais

A SUSTENTABILIDADE EM PROJETOS DE PRODUTO: UMA ABORDAGEM AMBIENTAL

A SUSTENTABILIDADE EM PROJETOS DE PRODUTO: UMA ABORDAGEM AMBIENTAL ISSN 1984-9354 A SUSTENTABILIDADE EM PROJETOS DE PRODUTO: UMA ABORDAGEM AMBIENTAL Jaqueline Colares Viegas (UFF) Mara Telles Salles (UFF) Resumo A sustentabilidade tem se tornado um tema cada mais relevante

Leia mais

Guia de sustentabilidade para plásticos

Guia de sustentabilidade para plásticos Guia de sustentabilidade para plásticos Maio 2014 1 2 3 4 5 6 7 8 Introdução... 4 Contextualização dos plásticos... 6 Composição dos móveis e utensílios de plásticos...7 Requerimentos para materiais que

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA

AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA 2 - Metodologia 3 - Aplicação x Legislação 4 - Análise de Inventário 5 - Avaliação de Impacto 6 - Interpretação Avaliação A Análise de Ciclo de Vida (ACV) avalia as interações

Leia mais

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS ( SUPPLY CHAIN REVERSO ) Em artigos anteriores analisamos a tipologia dos canais de distribuição reversos, desde os conceitos básicos que os caracterizam até as dificuldades

Leia mais

Desafios da Logística Reversa

Desafios da Logística Reversa São Paulo, 11 e 12 de maio de 2011 Desafios da Logística Reversa Nextel Telecomunicações 1 Organização Patrocínio Apoio 2 Agenda Nextel Case de sucesso Objetivos da logística reversa Diferenciação entre

Leia mais

RECICLAGEM MECÂNICA: CONCEITOS E TÉCNICAS

RECICLAGEM MECÂNICA: CONCEITOS E TÉCNICAS RECICLAGEM MECÂNICA: CONCEITOS E TÉCNICAS 2.1 - Algumas Definições A idéia de se aproveitar resíduos não é nova; ela tem, contudo, se estabelecido de forma expressiva, não só por razões econômicas, mas

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL Reciclagem e Valorizaçã ção o de Resíduos Sólidos S - Meio Ambiente UNIVERSIDADE DE SÃO S O PAULO "PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL" Associação sem fins lucrativos, o CEMPRE se dedica à promoção

Leia mais

* Qualquer um que coloque produtos eletrônicos no Mercado Francês deve se associar a um ecoorganismo.

* Qualquer um que coloque produtos eletrônicos no Mercado Francês deve se associar a um ecoorganismo. Vanda Scartezini Fonte : eco- systemes O Modelo Francês * Qualquer um que coloque produtos eletrônicos no Mercado Francês deve se associar a um ecoorganismo. * eco organismo é uma organização sem fins

Leia mais

PATRICIA GUARNIERI. LOGÍSTICA REVERSA: Em busca do equilíbrio econômico e ambiental

PATRICIA GUARNIERI. LOGÍSTICA REVERSA: Em busca do equilíbrio econômico e ambiental PATRICIA GUARNIERI LOGÍSTICA REVERSA: Em busca do equilíbrio econômico e ambiental EDITORA CLUBE DE AUTORES RECIFE, 2011 2011 Patricia Guarnieri TODOS OS DIREITOS RESERVADOS AO AUTOR. Proibida a reprodução

Leia mais

XI Simpósio de Administração da Produção, Logística e Operações Internacionais

XI Simpósio de Administração da Produção, Logística e Operações Internacionais XI Simpósio de Administração da Produção, Logística e Operações Internacionais Seminário Temático: "Sustentabilidade e Cadeias de Suprimento" Local: FGV EAESP - Salão Nobre - 4º andar São Paulo, 28 de

Leia mais

Gestão para a Sustentabilidade no Setor Eletroeletrônico Brasileiro ECODESIGN

Gestão para a Sustentabilidade no Setor Eletroeletrônico Brasileiro ECODESIGN Gestão para a Sustentabilidade no Setor Eletroeletrônico Brasileiro ECODESIGN Daniela Pigosso Engenheira Ambiental Doutoranda em Eng. de Produção EESC/USP Sumário I. Apresentação II. Contextualização I.

Leia mais

Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A.

Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A. Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A. Autoria: Silas Dias Mendes Costa 1 e Antônio Oscar Santos Góes 2 1 UESC, E-mail: silas.mendes@hotmail.com 2 UESC, E-mail:

Leia mais

SENALIMP 2010 CLRB. CONSELHO DE LOGÍSTICA REVERSA DO BRASIL www.clrb.com.br clrb@clrb.com.br

SENALIMP 2010 CLRB. CONSELHO DE LOGÍSTICA REVERSA DO BRASIL www.clrb.com.br clrb@clrb.com.br SENALIMP 2010 CLRB CONSELHO DE LOGÍSTICA REVERSA DO BRASIL www.clrb.com.br clrb@clrb.com.br Missão Oferecer oportunidades de aumento de competitividade empresarial através da Logística Reversa. Objetivos

Leia mais

Prof. Paulo Medeiros

Prof. Paulo Medeiros Prof. Paulo Medeiros Em 2010 entrou em vigor no Brasil a lei dos Resíduos Sólidos. Seu objetivo principal é diminuir a destinação incorreta de resíduos ao meio ambiente. Ela define que todas as indústrias,

Leia mais

O meio ambiente e o planejamento estratégico

O meio ambiente e o planejamento estratégico O meio ambiente e o planejamento estratégico Roberto Sanches Garcia, Prof.Dr.Alfredo Colenci Junior Mestrado em Tecnologia: Gestão, Desenvolvimento e Formação. CEETEPS - São Paulo SP Brasil roberto.sanches4@terra.com.br;

Leia mais

Logística Reversa: destinação dos resíduos de poliestireno expandido (isopor ) pós-consumo de uma indústria i catarinense

Logística Reversa: destinação dos resíduos de poliestireno expandido (isopor ) pós-consumo de uma indústria i catarinense Logística Reversa: destinação dos resíduos de poliestireno expandido 1. Introdução Objetivo da pesquisa: analisar a possibilidade de uma destinação dos resíduos de poliestireno expandido (EPS), utilizados

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL "PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL" Quem somos: Associação sem fins lucrativos, fundado em 1992, o CEMPRE se dedica à promoção da reciclagem dentro do conceito de gerenciamento integrado

Leia mais

Guia de tendas sustentáveis

Guia de tendas sustentáveis Guia de tendas sustentáveis JUNHO 2014 1 2 3 4 5 6 Introdução... 4 Contextualização das tendas... 6 Composição da tenda... 8 3.1 Material estrutural... 8 3.1.1 Material estrutural convencional... 8 3.1.2

Leia mais

Autoria: Nestor de Oliveira Filho, Franciane Silveira

Autoria: Nestor de Oliveira Filho, Franciane Silveira APLICAÇÃO DO PROCESSO TOLL-GATE PARA SELEÇÃO DE OPORTUNIDADES E PROJETOS DE NOVOS PRODUTOS EM EUMA EMPRESA FORNECEDORA DE BENS E SERVIÇOS PARA O SETOR DE ENERGIA Resumo Autoria: Nestor de Oliveira Filho,

Leia mais

Gestão dos resíduos sólidos, reciclagem e sustentabilidade ambiental

Gestão dos resíduos sólidos, reciclagem e sustentabilidade ambiental Gestão dos resíduos sólidos, reciclagem e sustentabilidade ambiental Grupo: Fabiana Augusta César Irene Benevides Vinícius Tôrres Pires Samira Chantre Gestão de Resíduos Sólidos Gestão/gerir:Administrar,dirigir,

Leia mais

A FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA SOB A ÓTICA DO DESENVOLVIMENTO

A FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA SOB A ÓTICA DO DESENVOLVIMENTO A FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA SOB A ÓTICA DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Bruna Medeiros David de Souza Advogada. Pós-graduanda em Direito Civil pela Faculdade de Direito Milton Campos. A função social da

Leia mais

Energia, Sustentabilidade e Produção Mais Limpa. Prof. Dr. Douglas Wittmann. São Paulo - 2015

Energia, Sustentabilidade e Produção Mais Limpa. Prof. Dr. Douglas Wittmann. São Paulo - 2015 Energia, Sustentabilidade e Produção Mais Limpa Prof. Dr. Douglas Wittmann São Paulo - 2015 Prof. Dr. Douglas Wittmann Doutor em Ciências (USP). Mestre em Engenharia de Produção (UNIP). Pós-graduado em

Leia mais

PROJETO ECO BOLSAS. Ebert F. SILVA, Marielle F. PINTO

PROJETO ECO BOLSAS. Ebert F. SILVA, Marielle F. PINTO PROJETO ECO BOLSAS Ebert F. SILVA, Marielle F. PINTO Instituto de Estudos Superiores da Amazônia IESAM Av. Governador José Malcher, 1148 CEP 66.055 260 efontelessilva@hotmail.com Resumo: O Eco Design surge

Leia mais

CURSO DE DESIGN DE EMBALAGENS. São Paulo/2013 Assunta Camilo

CURSO DE DESIGN DE EMBALAGENS. São Paulo/2013 Assunta Camilo CURSO DE DESIGN DE EMBALAGENS São Paulo/2013 Assunta Camilo Sustentabilidade Preocupação real com o final Conceito dos R s (reduzir, reutilizar, reciclar, reaproveitar, recusar, retornar, refilar, recuperar,

Leia mais

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 Critérios Descrições Pesos 1. Perfil da Organização Breve apresentação da empresa, seus principais produtos e atividades, sua estrutura operacional

Leia mais

SUSTENTABILIDADE EM UMA INDÚSTRIA AUTOMOTIVA

SUSTENTABILIDADE EM UMA INDÚSTRIA AUTOMOTIVA SUSTENTABILIDADE EM UMA INDÚSTRIA AUTOMOTIVA Fabíola Santos Silva 1 Márcio Santos Godinho 1 Sara Floriano 1 Vivian Alves de Lima 1 Akira Yoshinaga 2 Helio Rubens Jacintho Pereira Junior 2 RESUMO Este trabalho

Leia mais

Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça), fundada em 1947 (normatização de 140 países)

Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça), fundada em 1947 (normatização de 140 países) A SÉRIE ISO 14.000 A ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DE NORMALIZAÇÃO (ISO) ISO => Internacional Organization for Standardization Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça),

Leia mais

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini O lixo é conhecido como os restos das atividades humanas considerados inúteis, indesejáveis e descartáveis. No entanto, separado nos seus

Leia mais

Consumo e Produção Sustentável: Atores, políticas e instrumentos para uma economia circular

Consumo e Produção Sustentável: Atores, políticas e instrumentos para uma economia circular Sustentabilidade nas Contratações Públicas João Pessoa, Paraíba, Agosto de 2013 Consumo e Produção Sustentável: Atores, políticas e instrumentos para uma economia circular Thiago Hector Kanashiro UEHARA

Leia mais

Plásticos Biodegradáveis e Compostáveis. Foto: Augusto Bartolomei

Plásticos Biodegradáveis e Compostáveis. Foto: Augusto Bartolomei Plásticos Biodegradáveis e Compostáveis 1 Foto: Augusto Bartolomei Conteúdo O que são plásticos biodegradáveis e compostáveis Certificação Aplicações Descarte aterro, reciclagem, compostagem Alinhamento

Leia mais

Logística Reversa de Materiais

Logística Reversa de Materiais Logística Reversa de Materiais Aplicação de ferramentas de gestão e operação da Cadeia de Abastecimento na Logística Reversa Apresentador: João Paulo Lopez Outubro / 2.008 Objetivos: Conceituar Logística

Leia mais

Reciclagem Energética. Alternativa para destinação de Resíduos Sólidos Urbanos

Reciclagem Energética. Alternativa para destinação de Resíduos Sólidos Urbanos Reciclagem Energética Alternativa para destinação de Resíduos Sólidos Urbanos Claudio Marcondes Engenheiro de Materiais com especialização em Polímeros pela Universidade Federal de São Carlos. Pós graduado

Leia mais

Utilização sustentável dos recursos naturais

Utilização sustentável dos recursos naturais Utilização sustentável dos recursos naturais O conceito de desenvolvimento sustentável, segundo a declaração da Conferência da ONU sobre o Meio Ambiente e desenvolvimento do Rio de Janeiro, em 1992, diz

Leia mais

QUÍMICA SUSTENTÁVEL Carlos Fadigas 24/08/2011

QUÍMICA SUSTENTÁVEL Carlos Fadigas 24/08/2011 QUÍMICA SUSTENTÁVEL Carlos Fadigas 24/08/2011 AGENDA BRASKEM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL QUÍMICA SUSTENTÁVEL PILARES BRASKEM FUTURO VISÃO E ESTRATÉGIA AGENDA BRASKEM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL QUÍMICA

Leia mais

Visão Sustentável sobre o Desenvolvimento de Embalagens

Visão Sustentável sobre o Desenvolvimento de Embalagens Fórum Varejo Sustentável Alternativas de Embalagens no Varejo Visão Sustentável sobre o Desenvolvimento de Embalagens Eloísa E. C. Garcia CETEA / ITAL VISÃO DE SUSTENTABILIDADE Consumo Sustentável é saber

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI: Uma aplicação referenciada pelo COBIT

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI: Uma aplicação referenciada pelo COBIT Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI: Uma aplicação referenciada pelo COBIT Universidade Federal de Santa Catarina Sistemas de Informação André Luiz Samistraro Santin asantin@inf.ufsc.br

Leia mais

Informação de Imprensa

Informação de Imprensa Informação de Imprensa L Fundação Espaço ECO apresenta ferramentas de gestão que tornam possível a medição da sustentabilidade Com análise de dados científicos precisos, organização colabora para a melhor

Leia mais

Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE

Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE 1 A ABRELPE Associação nacional, sem fins lucrativos, que congrega e representa as empresas prestadoras de serviços

Leia mais

Motivação para o emprego do Ecodesign: : um estudo de caso na indústria automotiva

Motivação para o emprego do Ecodesign: : um estudo de caso na indústria automotiva Engenharia de Produção Motivação para o emprego do Ecodesign: : um estudo de caso na indústria automotiva Miriam Borchardt Leonel Augusto C. Poltosi Miguel A. Sellitto Giancarlo M. Pereira Introdução Ecodesign:

Leia mais

A Sustentabilidade e as Empresas. Conceito Básico de. Sustentabilidade Exemplificação. Gestão Ambiental e Responsabilidade Social.

A Sustentabilidade e as Empresas. Conceito Básico de. Sustentabilidade Exemplificação. Gestão Ambiental e Responsabilidade Social. Gestão Ambiental e Responsabilidade Social Aula 2 A Sustentabilidade e as Empresas Prof. Esp. Felipe Luiz Conceito Básico de Contextualização Sustentabilidade Exemplificação Responsabilidade Social Cidadania

Leia mais

Química Verde e Petroquímica Impactos na Distribuição Décio Oddone Vice-presidente responsável pela quantiq

Química Verde e Petroquímica Impactos na Distribuição Décio Oddone Vice-presidente responsável pela quantiq Química Verde e Petroquímica Impactos na Distribuição Décio Oddone Vice-presidente responsável pela quantiq AGENDA BRASKEM DESENVOLVIMENTO QUÍMICA PILARES FUTURO FUTURO DA DISTRIBUIÇÃO AGENDA BRASKEM DESENVOLVIMENTO

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA E OS RESÍDUOS ELETRÔNICOS

LOGÍSTICA REVERSA E OS RESÍDUOS ELETRÔNICOS LOGÍSTICA REVERSA E OS RESÍDUOS ELETRÔNICOS Mineração Urbana no Brasil Lúcia Helena Xavier São José dos Campos SP Junho de 2015 REGULAMENTAÇÃO AMBIENTAL NO BRASIL LEI Nº 6.938 DE 1981 PNMA CONSTITUIÇÃO

Leia mais

MEIO AMBIENTE COMO UMA QUESTÃO DE NEGÓCIOS OBJETIVOS

MEIO AMBIENTE COMO UMA QUESTÃO DE NEGÓCIOS OBJETIVOS MEIO AMBIENTE COMO UMA QUESTÃO DE NEGÓCIOS OBJETIVOS Prover uma compreensão básica : do desenvolvimento da abordagem das empresas com relação às questões ambientais, dos benefícios provenientes de melhorias

Leia mais

19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM SISTEMA CAD DE GRANDE PORTE E EM SISTEMA PDM

19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM SISTEMA CAD DE GRANDE PORTE E EM SISTEMA PDM 19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM SISTEMA CAD DE GRANDE PORTE E EM SISTEMA PDM Autor(es) ANDRE BERTIE PIVETTA Orientador(es) KLAUS SCHÜTZER Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ 1. Introdução

Leia mais

O destino do lixo. Luiza Bezamat de Abreu Maria Claudia Palhares

O destino do lixo. Luiza Bezamat de Abreu Maria Claudia Palhares O destino do lixo Luiza Bezamat de Abreu Maria Claudia Palhares Para realizarmos uma análise acerca do destino do lixo, precisamos entender o que vem a ser o lixo propriamente dito. O lixo é tudo aquilo

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Área de conhecimento: Gestão e Negócios Componente Curricular: Gestão da Cadeia

Leia mais

Sistemas construtivos à base de cimento. Uma contribuição efetiva para a construção sustentável

Sistemas construtivos à base de cimento. Uma contribuição efetiva para a construção sustentável Seminário: Sistemas construtivos à base de cimento. Uma contribuição efetiva para a construção sustentável Hugo da Costa Rodrigues Filho Hugo da Costa Rodrigues Filho Associação Brasileira de Cimento Portland,

Leia mais

Base Legal para a Reciclagem no Brasil em comparação com os EUA e a União Européia.

Base Legal para a Reciclagem no Brasil em comparação com os EUA e a União Européia. Base Legal para a Reciclagem no Brasil em comparação com os EUA e a União Européia. Aluna: Thaísa Silveira Nascimento Curso: Engenharia Ambiental Professor: Ricardo Motta Pinto Coelho O que é a Reciclagem?

Leia mais

Engenharia do Produto

Engenharia do Produto Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Curitiba Departamento de Eletrônica Engenharia do Produto Slides elaborados a partir de Rozenfeld et al. (2006) AULA 8 Favor colocar

Leia mais

V FORUM DE GESTÃO AMBIENTAL. Carlos Afonso Instituto de Química. Universidade Federal do Rio de Janeiro

V FORUM DE GESTÃO AMBIENTAL. Carlos Afonso Instituto de Química. Universidade Federal do Rio de Janeiro V FORUM DE GESTÃO AMBIENTAL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICAP Impactos SócioS cio-ambientais do LIXO ELETROELETRÔNICO Prof. Júlio J Carlos Afonso Instituto de Química Universidade Federal do Rio de Janeiro Brasília,

Leia mais

SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL

SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL Histórico, Significado e implicações www.danielbertoli.com Histórico Preocupações no pós-guerra (50 e 60) Discussões sobre contaminação e exaustão de recursos

Leia mais

ACONTECENDO? O QUE ESTÁ O QUE PODEMOS FAZER?

ACONTECENDO? O QUE ESTÁ O QUE PODEMOS FAZER? O QUE ESTÁ ACONTECENDO? O futuro é uma incógnita. As tendências são preocupantes, mas uma coisa é certa: cada um tem de fazer sua parte. Todos somos responsáveis. A atual forma de relacionamento da humanidade

Leia mais

VIABILIDADE E SUSTENTABILIDADE NA IMPLANTAÇÃO DA LOGÍSTICA REVERSA DE PÓS-CONSUMO

VIABILIDADE E SUSTENTABILIDADE NA IMPLANTAÇÃO DA LOGÍSTICA REVERSA DE PÓS-CONSUMO 5, 6 e 7 de Agosto de 2010 ISSN 1984-9354 VIABILIDADE E SUSTENTABILIDADE NA IMPLANTAÇÃO DA LOGÍSTICA REVERSA DE PÓS-CONSUMO Felipe Eugênio Kich Gontijo (UDESC) gontijo@udesc.br Alexandre Magno de Paula

Leia mais

Gestão Estratégica de Marketing

Gestão Estratégica de Marketing Gestão Estratégica de Marketing A Evolução do seu Marketing Slide 1 O Marketing como Vantagem Competitiva Atualmente, uma das principais dificuldades das empresas é construir vantagens competitivas sustentáveis;

Leia mais

13/09/2014. Consiste em usar os recursos do planeta de forma responsável, atendendo às necessidades atuais sem prejudicar as futuras gerações.

13/09/2014. Consiste em usar os recursos do planeta de forma responsável, atendendo às necessidades atuais sem prejudicar as futuras gerações. 6º Anos Prof. Leonardo F. Stahnke Consiste em usar os recursos do planeta de forma responsável, atendendo às necessidades atuais sem prejudicar as futuras gerações. Para se alimentar, o ser humano abate

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO

INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO Aula 8 a A Engenharia e o Meio Ambiente Parte I Edgar Aberto de Brito PRIMEIRA PARTE As questões ambientais e os problemas para a engenharia. ENGENHARIA

Leia mais

Inovação e Empreendedorismo

Inovação e Empreendedorismo Inovação e Empreendedorismo Kami Saidi Diretor de Operações & Sustentabilidade HP Brasil 09-maio-13 HP Commitment Many assume, wrongly, that a company exists simply to make money... the real reason HP

Leia mais

Os fatores de fracasso no desenvolvimento de produtos: um estudo de caso em uma pequena empresa de alta tecnologia

Os fatores de fracasso no desenvolvimento de produtos: um estudo de caso em uma pequena empresa de alta tecnologia Os fatores de fracasso no desenvolvimento de produtos: um estudo de caso em uma pequena empresa de alta tecnologia Antonio Gil da Costa Júnior (UNIFEI) agc@itajuba.com.br Carlos Eduardo Sanches da Silva

Leia mais

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes.

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes. Logística Empresarial Aula 6 Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II Prof. Me. John Jackson Buettgen Contextualização Conceitos Importantes Fluxos logísticos É o movimento ou

Leia mais

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS A IV CONFERÊNCIA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE EM NOSSA SALA DE AULA Mary Lucia da Silva Doutora em Ciências- Química Analítica pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

PLM como iniciativa estratégica para o desenvolvimento de produtos. Henrique Ladeira Gerente Programa PLM Nov, 2014

PLM como iniciativa estratégica para o desenvolvimento de produtos. Henrique Ladeira Gerente Programa PLM Nov, 2014 PLM como iniciativa estratégica para o desenvolvimento de produtos Henrique Ladeira Gerente Programa PLM Nov, 2014 Como manter a competitividade? Tempo, Custo e Qualidade não são mais suficientes Globalização

Leia mais

Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com o ambiente.

Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com o ambiente. Mário Sérgio Azevedo Resta CONSULTOR TÉCNICO EM NEGÓCIOS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com

Leia mais

Nacho Carbonell. IADE Instituto de Artes Visuais, Design e Marketing Escola Superior de Design/Escola Superior de Publicidade e Marketing

Nacho Carbonell. IADE Instituto de Artes Visuais, Design e Marketing Escola Superior de Design/Escola Superior de Publicidade e Marketing IADE Instituto de Artes Visuais, Design e Marketing Escola Superior de Design/Escola Superior de Publicidade e Marketing História da Arte e da Técnica Nacho Carbonell Projecto: Evolution Collection Autor:

Leia mais

CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL COLÓQUIO EMPREGOS VERDES E CONSTRUÇÕES SUSTENTÁVEIS 20.08.2009

Leia mais

Como obter produção e consumo sustentáveis?

Como obter produção e consumo sustentáveis? Como obter produção e consumo sustentáveis? Meiriane Nunes Amaro 1 O conceito de produção e consumo sustentáveis (PCS) 2 vem sendo construído há duas décadas, embora resulte de um processo evolutivo iniciado

Leia mais

PÓS-CONSUMO: a logística reversa - fragmentos de leitura.

PÓS-CONSUMO: a logística reversa - fragmentos de leitura. 1 PÓS-CONSUMO: a logística reversa - fragmentos de leitura. É do conhecimento de todos que o consumo é uma constante na contemporaneidade. Em decorrência, os gestores das organizações planejam e operacionalizam

Leia mais

ANÁLISE DO PERFIL E DAS DIFICULDADES DE ALGUMAS EMPRESAS DE RECICLAGEM DE PLÁSTICOS DA CIDADE DE PONTA GROSSA PR

ANÁLISE DO PERFIL E DAS DIFICULDADES DE ALGUMAS EMPRESAS DE RECICLAGEM DE PLÁSTICOS DA CIDADE DE PONTA GROSSA PR ANÁLISE DO PERFIL E DAS DIFICULDADES DE ALGUMAS EMPRESAS DE RECICLAGEM DE PLÁSTICOS DA CIDADE DE PONTA GROSSA PR Armando Madalosso Vieira Filho (UEPG/UTFPR) armandovieiraf@gmail.com Ivanir Luiz de Oliveira

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL 1. CONCEITOS COMPLEMENTARES DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, presidida por Gro Harlem Brundtland Nosso Futuro Comum (1987)

Leia mais

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br.

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br. Marketing Ambiental Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. O que temos visto e ouvido falar das empresas ou associado a elas? Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br 2 3 Sílvia

Leia mais

Caso de Sucesso PLM na Dedini

Caso de Sucesso PLM na Dedini Caso de Sucesso PLM na Dedini Carlos Benassi carlos.benassi@dedini.com.br Rogério Barra rogerio.barra@prodcon.com.br PLM Seminário Internacional, Mundo PM 22 e 23 de setembro de 2009 Agenda Visão Geral

Leia mais

TECNOLOGIA LIMPA PENSAMENTO DO CICLO DE VIDA AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA

TECNOLOGIA LIMPA PENSAMENTO DO CICLO DE VIDA AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA GESTÃO EMPRESARIAL E MEIO-AMBIENTE TECNOLOGIA LIMPA PENSAMENTO DO CICLO DE VIDA AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA OBJETIVOS Adquirir conhecimento sobre Tecnologia Limpa Entender o papel do Pensamento do Ciclo

Leia mais

III-053 - PET PÓS-CONSUMO: UMA PROPOSTA DE INCLUSÃO SOCIAL

III-053 - PET PÓS-CONSUMO: UMA PROPOSTA DE INCLUSÃO SOCIAL 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina III-053 - PET PÓS-CONSUMO: UMA PROPOSTA DE INCLUSÃO SOCIAL Maria de Fátima Nunesmaia(1)

Leia mais

Cimento Mizu Contribuição do projeto Uso da escória de alto-forno na produção de cimento na Cimento Mizu para o desenvolvimento sustentável

Cimento Mizu Contribuição do projeto Uso da escória de alto-forno na produção de cimento na Cimento Mizu para o desenvolvimento sustentável Cimento Mizu Contribuição do projeto Uso da escória de alto-forno na produção de cimento na Cimento Mizu para o desenvolvimento sustentável O projeto implantado pela Cimento Mizu tem como principal objetivo

Leia mais

9º Congresso de Pós-Graduação UMA ANÁLISE GERENCIAL NA LOGÍSTICA REVERSA DE PÓS-VENDA

9º Congresso de Pós-Graduação UMA ANÁLISE GERENCIAL NA LOGÍSTICA REVERSA DE PÓS-VENDA 9º Congresso de Pós-Graduação UMA ANÁLISE GERENCIAL NA LOGÍSTICA REVERSA DE PÓS-VENDA Autor(es) ELIACY CAVALCANTI LELIS Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON 1. Introdução Atualmente, a preocupação da gestão

Leia mais

Agenda CRI Minas Inovações Ambientais 04Out2012 Nova Lima/MG

Agenda CRI Minas Inovações Ambientais 04Out2012 Nova Lima/MG Agenda CRI Minas Inovações Ambientais 04Out2012 Nova Lima/MG Conceitos e Premissas Evolução Tecnológica: Impacto Social Ambiental Conceitos e Premissas Esforço Governamental políticas e ações de mercado

Leia mais

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA Importância da Logística O lugar da Logística nas Empresas A logística diz respeito à criação de valor; O valor em logística é expresso em termos de tempo e lugar. Produtos e serviços

Leia mais

Analisando a cadeia de valor: estratégias para inovar em produtos e serviços

Analisando a cadeia de valor: estratégias para inovar em produtos e serviços Artigo em publicação na Revista DOM Fundação Dom Cabral edição de Julho/2009 Analisando a cadeia de valor: estratégias para inovar em produtos e serviços POR Lia Krucken Quais são as melhores estratégias

Leia mais