Redução de Riscos e Criação de Valor

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Redução de Riscos e Criação de Valor"

Transcrição

1 Redução de Riscos e Criação de Valor Relatório CDP Supply Chain Relatório elaborado para o CDP por: CDP + 44 (0) (11)

2 Membros do CDP Supply Chain Programa CDP Supply Chain O Programa CDP Supply Chain visa compartilhar informações e inovações entre seus membros (organizações que começaram a integrar a estratégia de gestão de carbono em suas cadeias de fornecimento) e as empresas que fornecem bens e serviços a eles à medida que, gradualmente, caminham rumo a uma economia de baixo carbono. Para obter mais informações sobre como afiliar-se ao CDP, contatenos ou visite a seção Members and Signatories em ou envie para Membros Líderes Bank of America The Coca-Cola Company Dell Inc. FIBRIA Celulose Goldman Sachs Group Juniper Networks L Oreal Microsoft Corporation PepsiCo Suzano Papel e Celulose Vale Walmart Membros Corporativos Accenture Acer Inc. Amdocs Ltd. AT&T Inc. Banco Bradesco S/A Braskem S/A British Sky Broadcasting BT Group Cidade de Denver Colgate Palmolive Company Diageo Plc. Domtar Inc. Eaton Corporation Eletropaulo Metropolitana Eletricidade de São Paulo S/A Elopak Endesa Eni SpA Ford Motor Company Groupe Steria Imperial Tobacco Group Jaguar Land Rover Ltd Johnson & Johnson Johnson Controls JT International SA KAO Corporation Kimberly Clark Corporation KPMG Reino Unido Marfrig Alimentos A MetLife, Inc. National Australia Bank National Grid Nestlé Nokia-Siemens Networks Philips Electronics N.V. Reckitt Benckiser Rexam S.C. Johnson & Son, Inc. SAB Miller Starwood Hotels & Resorts Worldwide, Inc. Unilever Vodafone Group 2

3 Resumo Executivo Em 2012, o CDP realizou o seu 5º pedido anual de informação para as empresas membros e seus fornecedores. As Empresas respondentes indicaram que, mais do que nunca, estão conscientes a respeito dos riscos consideráveis que as mudanças climáticas representam para suas cadeias globais de fornecimento. Apesar do perceptível hiato de capacidade existente entre os membros do CDP Supply Chain com melhor desempenho e seus fornecedores, uma porcentagem crescente de empresas respondentes está fazendo investimentos para reduzir emissões e, consequentemente, custos. Além disso, as empresas estão cada vez mais conscientes do valor potencial de negócio que pode ser criado por meio de uma cadeia de fornecedores mais sustentável desde novos produtos, preços especiais, aumento do valor da marca até o melhor entendimento em relação às tendências de consumo. Para este estudo, o pedido de informação do CDP foi enviado para mais de fornecedores em nome de 52 dos 54 membros do Supply Chain. Foram recebidas respostas de organizações, incluindo 52 membros. Os resultados são expressivos, já que os membros representam, em conjunto, um poder de compra de quase um trilhão de dólares. (Para saber mais sobre a metodologia de pesquisa, consulte o item anterior: Programa CDP Supply Chain. As principais conclusões do relatório deste ano são: Os fornecedores que reduziram suas emissões (29%) dos economizaram cerca de US$ 13,7 bilhões. Se os demais fornecedores conseguissem obter reduções nessa mesma proporção, isso implicaria que o potencial agregado de economia de todos os fornecedores poderia chegar a três vezes esse valor. 3. As empresas líderes estão investindo e fazendo a diferença Comparado com os números de 2011, nota-se um aumento na proporção de fornecedores que estão obtendo benefícios nas duas áreas: financeira e redução de emissões. Por exemplo, a proporção de fornecedores que compartilha informações sobre reduções de emissões aumentou de 19% em 2011 para 29% em O comprometimento efetivo com os fornecedores é uma característica dos líderes de sustentabilidade da cadeia de fornecimento. Embora 42% dos fornecedores que receberam apenas um pedido de informação tenham relatado riscos físicos relacionados às mudanças climáticas, o percentual daqueles que receberam três ou mais pedidos está acima de 67%. Tal fato sugere que quanto mais os membros conseguirem aproximarse de cada fornecedor, o seu desempenho a sua conscientização em relação aos riscos das mudanças climáticas irão melhorar de forma acentuada. 1. Os riscos da cadeia de fornecimento derivados da mudança climática estão muito maiores As mudanças climáticas representam um claro risco à continuidade do negócio para a cadeia de fornecimento corporativa global. Neste ano, 70% dos respondentes identificam um risco atual ou futuro relacionado às mudanças climáticas riscos com potencial para afetar os negócios ou as receitas de forma expressiva. Mais da metade dos riscos identificados da cadeia de fornecimento, devido às secas e aos pontos extremos de precipitação, já estão afetando as operações das empresas respondentes ou estima-se que surtirão efeitos nos próximos cinco anos. 2. Existência de um hiato persistente no desempenho entre os membros do CDP Supply Chain e seus fornecedores Em relação ao desempenho sustentável da cadeia de fornecimento, os resultados do questionário deste ano confirmam uma diferença persistente entre os membros do CDP Supply Chain e seus fornecedores. Enquanto 92% dos membros do CDP Supply Chain relatam possuir uma meta de redução de emissões, apenas 38% dos fornecedores confirmam ter tal objetivo. A percentagem de membros que investem em iniciativas de redução de emissões é de 69 %, enquanto apenas 27% dos fornecedores respondentes investem em tais medidas. Há uma grande diferença nos resultados atingidos e isso talvez não seja uma surpresa: 63% dos membros relatam reduções anuais de emissões, enquanto apenas 29% dos fornecedores indicam tal êxito. Em torno de 73% dos membros relatam ter alcançado redução de custo por meio das atividades de redução de emissões em comparação com apenas 29% dos fornecedores. A identificação de riscos é um dos principais fatores de estímulo para os investimentos em atividades de redução de emissões. Nesse ponto, os regulamentos parecem não ser o motivador primordial, mas sim as preocupações com a continuidade dos negócios com base em uma crescente consciência dos riscos físicos e das exigências dos clientes. Do total dos respondentes que investem em iniciativas de redução das emissões, 73% dizem perceber que as mudanças climáticas representam algum risco físico para suas operações, enquanto apenas 13% identificam as normas como o único fator de risco. 4. A sustentabilidade da cadeia de fornecimento está criando valor adicional no negócio Os argumentos, hoje, em favor da sustentabilidade da cadeia de fornecimento estão mais poderosos. O valor dos negócios manifesta-se das seguintes formas: Os respondentes deste ano estão materializando o valor de negócio através de várias áreas, tais como a eficiência operacional, redução de emissões, inovação de produtos e de serviços e diferenciação de preço (premium pricing) para produtos de baixo carbono. Outro fator de sucesso é a melhor integração da estratégia de mudança climática à estratégia global de negócios: Dentre as empresas respondentes que integram a estratégia de mudança climática à estratégia de negócios, 41% relataram reduções interanuais de emissões em comparação com 33% que relataram tais reduções em Entre os membros do CDP Supply Chain, 43% relataram reduções de emissões em Em 2012, esse valor aumentou para 63%. De forma semelhante, 39% dos membros relatam ter obtido economia monetária a partir 3

4 das atividades de redução de emissões em Em 2012, o valor aumentou para 73%. O ganho reputacional através de credenciais de sustentabilidade e o aumento da consciência empresarial a respeito dos comportamentos do consumidor relacionados à sustentabilidade são identificados pelos respondentes como importantes oportunidades para a criação de valor empresarial. Os respondentes identificam a mudança do comportamento dos consumidores e a reputação como as duas melhores oportunidades relacionadas às mudanças climáticas que podem aumentar o valor intangível do negócio. O percentual de fornecedores que identificaram a mudança do comportamento do consumidor como um fator importante de oportunidades para geração de valor intangível derivadas das mudanças climáticas aumentou de 17% para 23%, enquanto o percentual dos que identificaram a reputação aumentou de 16% para 19%. 5. Para alcançar uma posição líder em sustentabilidade da cadeia de fornecimento, as empresas devem ter uma sólida capacidade de dados, processos e governança É importante fazer investimentos em cadeias produtivas sustentáveis, mas eles devem ser acompanhados de esforços para melhorar as competências em diversas áreas: a capacidade de gerenciar dados e medir o progresso; de incorporar a sustentabilidade no dia a dia dos processos; e de gerenciar várias partes da organização de forma mais eficaz. A boa medição de desempenho e a tomada de decisão eficaz dependem de dados de alta qualidade. Boas práticas de gestão de dados podem ajudar a reduzir as emissões, melhorar a eficiência operacional e oferecer apoio às oportunidades capazes de gerar receitas. Fóruns de coleta de dados em comum, como o CDP Supply Chain, oferecem ajuda em relação à redução da redundância de dados, reduzindo os custos de sua gestão e melhorando a capacidade de gerenciamento de risco. A partir da perspectiva do processo, as intervenções, tais como o comprometimento do fornecedor, a colaboração interfuncional e as comunicações, estão se tornando cada vez mais importantes. Por fim, as empresas estão descobrindo que elas podem se beneficiar das abordagens tradicionais de governança combinadas com as atividades de busca de patrocínio entre os principais executivos e gerenciar a mudança por toda a cadeia de stakeholders atingidos. Ao terem os olhos voltados para o futuro, os respondentes do CDP devem estar cientes da importância de estarem protegidos contra os riscos e de acrescentarem valor a suas empresas. Os riscos decorrentes das mudanças climáticas para as operações de negócios e para a sua continuidade são extremamente reais, por isso os profissionais de compras e/ou responsável pela gestão da cadeia de fornecimento têm um papel importante a desempenhar na mitigação desses riscos. Ao mesmo tempo, a sustentabilidade da cadeia de fornecedores também fornece uma lupa que possibilita a identificação de oportunidades para inovações geradoras de receita. 4

5 Índice Resumo Executivo 3 Sobre o Relatório CDP Supply Chain 6 A Perspectiva da Accenture 8 Introdução: O Valor de Negócio da Sustentabilidade da Cadeia de Fornecimento 9 1. Os riscos da cadeia de fornecimento relacionados às mudanças climáticas 9 2. Hiato persistente de desempenho entre membros e fornecedores Investimentos das empresas líderes Sustentabilidade da Cadeia de Fornecimento fonte adicional de valor de negócio Elementos fundamentais Dados, Processo e Governança 19 Conclusão 22 5

6 Sobre o Relatório CDP Supply Chain Um dos objetivos principais do programa CDP Supply Chain é gerar ações relativas às mudanças climáticas entre empresas compradoras e seus fornecedores. O programa fornece uma plataforma para que as empresas e outras organizações compradoras coletem informações críticas de negócios de seus fornecedores relacionados às mudanças climáticas. O programa conta atualmente com 54 membros (incluindo uma cidade dos EUA). A maioria dos membros está localizada na Europa (22), na América do Norte (19) e sete membros estão localizados na América Latina. Em 2012, empresas responderam ao pedido de informações, incluindo 52 membros e de seus fornecedores, uma taxa de resposta de 39%. Embora essa porcentagem seja um pouco menor do que a do ano passado (44% em 2011), o pedido de informação foi enviado a uma quantidade maior de empresas (mais de 6.000), tal fato gerou entre os membros, um quadro mais abrangente das emissões da cadeia de fornecimento. Além disso, pelo segundo ano consecutivo, as taxas de resposta na Europa e Ásia ultrapassaram as dos fornecedores na América do Norte e outras regiões. A taxa de resposta de 50% na América Latina é consistente com os resultados do ano passado. O CDP também trabalhou em conjunto com a Accenture para conhecer melhor dos próprios membros do CDP Supply Chain as estratégias de sustentabilidade da cadeia de fornecimento. Foram entrevistados alguns membros selecionados para a obtenção de percepções qualitativas adicionais. Uma equipe de especialistas do CDP e da Accenture analisaram as respostas da pesquisa e conduziram uma investigação externa de apoio para reunir ideias e estudos de caso para este relatório. Metodologia de Pontuação: Em 2012, todas as respostas do CDP Supply Chain foram pontuadas por um parceiro do CDP, em duas categorias: 1) transparência, por meio de uma pontuação numérica de divulgação; e 2) Performance, iniciativas relacionadas às mudanças climáticas, por meio da pontuação alfabética de desempenho. Em 2010, reconhecendo uma tendência Participação dos Fornecedores no Pedido de Informações do CDP Respondeu ao questionário Não quis participar Sem resposta nº. de fornecedores Taxa de Resposta 51% 54% 44% 39% Aumento de 30% em relação a 2011 Taxa de Resposta dos Fornecedores por Região Respondeu ao questionário Não quis participar Sem resposta I Taxa de respostas de 2011 Asia 66% 66% 2% 32% Europa ROW 50% 68% 62% 2% 36% 59% 3% 38% América Latina 50% 48% 3% 49% América do Norte 50% 42% 3% 55% Total de convidados

7 promissora de maior transparência entre as grandes empresas, o CDP introduziu em seu sistema de pontuação um componente de desempenho para reconhecer as empresas que estão implementando ações relacionas às mudanças climáticas. No ano passado, o sistema de pontuação foi utilizado no programa CDP Supply Chain e todos os fornecedores com uma pontuação de divulgação acima ou igual a 50 ( 50) receberam uma classificação alfabética. As pontuações de divulgação abaixo de 50 não indicam necessariamente um mau desempenho, mas indicam, na verdade, informações insuficientes para avaliar o desempenho. A FirstCarbon Solutions, parceira responsável pelo processo depontuação do CDP Supply Chain realizou as avaliações dos fornecedores que não coincidem ou não foram avaliados pelo programa CDP Investidor em 2012 a maioria das empresas que responderam ao pedido de informação do CDP Supply Chain. Nota Alfabética de Desempenho por Setor A/A- B C Bens de Luxo 3% Energia 5% Saúde 7% Indústria de Transformação 34% 11% 17% 31% 2% 13% 23% 26% 36% TI 3% 12% 35% 24% 24% 18% 23% 26% 30% Serviços de Telecomunicação 3% 12% 17% 28% 40% Bens de Primeira Necessidade 4% Matérias-Primas 3% 4% 9% 13% 31% 43% Instituições Financeiras 14% D E 15% 26% 28% 28% 24% 21% 18% 34% Serviços de Utilidade Pública 20% 20% 23% 23% 30% 37% 7% 22% N C 195 C 198 C 17 C 35 D 35 C 261 C 184 C 172 D 38 D 27 Nota: Apenas as empresas com notas de divulgação maiores que 50 recebem pontuação de desempenho. Nota Alfabética de Desempenho por Região Pontuação de Divulgação por Região (Min, Max, 25-75º Percentil e Média) A/A- B C Ásia 2% 16% Europa D E 30% 30% 22% C 123 5% 19% 26% 23% 27% N D América Latina 13% 31% 56% D América do Norte 1% 13% 17% 28% 41% Resto do Mundo RdM 28% 22% 33% 17% C 567 C 18 0 Ásia 239 Europa 655 América Latina 215 América do Norte RdM 45 Nota: Apenas as empresas com notas de divulgação maiores que 50 recebem pontuação de desempenho. 7

8 A Perspectiva da Accenture A Accenture teve o privilégio de trabalhar com o CDP na elaboração do relatório CDP Supply Chain. Este é o segundo ano desta importante colaboração. O relatório também se baseia em um volume diversificado de pesquisas realizado pela Accenture sobre a sustentabilidade da cadeia de fornecimento. Tal perspectiva inclui as conclusões da Sustainability 24, uma reunião virtual feita durante um dia inteiro com a participação de empresas, governos e líderes da sociedade civil de mais de 20 países. Além disso, aproveitamos nossa série Lessons from Leaders, da qual obtivemos os pontos de vista de vários líderes de primeira linha, incluindo CEOs, Diretores de Estratégia (CSO), Diretores de Compras (CPO) e Diretores da Cadeia de Fornecimento (CSCO). Uma vantagem importante do relatório deste ano é a capacidade de aprender com as ideias e estudos de caso das empresas participantes. Foi constatado que, apesar das elevadas intenções dos executivos em melhorar a sustentabilidade em suas cadeias de fornecimento, os desafios sobre como avançar de forma prática e com uma relação eficaz de custos permanecem as mesmas. Por exemplo, um estudo de 2010 da Accenture/Pacto Global da ONU 1 revelou que 88% dos CEOs acreditam que eles deveriam estar integrando a sustentabilidade de sua cadeia de fornecimento, mas apenas 54% acreditam que isso foi efetuado dentro de suas empresas. Claramente, o desempenho real não acompanha as expectativas. Elevando a curva de maturidade De acordo com a pesquisa e com as informações provenientes das entrevistas com executivos de primeira linha, constata-se que o nível das empresas tem se elevado na curva de maturidade de sustentabilidade da cadeia de fornecimento (ver figura). Na primeira fase, as empresas se concentram em melhorar a transparência, trabalhando na evolução de indicadores de desempenho e com a criação de sistemas básicos de informação para obterem as vantagens da sustentabilidade. As empresas muitas vezes começam 3. Novas plataformas e modelos de negócios $$$$$ pela criação de seus próprios sistemas de coletas de dados, mas conforme aumenta o número de stakeholders que precisam de informações semelhantes, então se espera que elas adotem plataformas e normas de reporte universalmente aceitas. Apesar de toda a dinâmica da sustentabilidade, a Accenture acredita que a coleta e gestão de dados ainda é uma peça bastante incompreendida desse quebra-cabeça. Embora os dados estejam sendo coletados através de scorecards, questionários, auditorias, etc., ainda é necessário estabelecer as melhores práticas para análise de dados e utilização dos resultados para o desenvolvimento das práticas e processos. Normalmente, tais dados acabam se tornando simples relatórios de números, não de informação e conhecimento que possam realmente ser usados para uma melhor tomada de decisão. Na fase seguinte da curva de maturidade, as empresas desenvolvem a capacidade de integrar a sustentabilidade em suas operações, incluindo o desenvolvimento de produtos e serviços. A incorporação da sustentabilidade no início do ciclo de inovação e o estabelecimento da capacidade operacional para atender em escala, a demanda do mercado de forma rentável e ao mesmo tempo ser sustentável, podem ajudar as empresas a adicionar valores importantes. Por exemplo, a Accenture estima que os varejistas podem obter de 3% a 5% de reduções nos custos da cadeia de fornecimento com programas de embalagens verdes, bem como a elevação das receitas advindas dos consumidores ambientalmente conscientes. Finalmente, no nível mais maduro do ciclo, as possibilidades de negócios das cadeias de fornecimento sustentáveis levam as empresas a desenvolver novos modelos de negócios para agregar valor e novos mercados. Nesse ponto, uma tendência importante é a transformação dos compradores em investidores de capital de risco. Os compradores que procuram investir e desenvolver as capacidades dos fornecedores podem estar mais suscetíveis a obter benefícios a partir de um melhor desempenho de seus fornecedores. As tecnologias sustentáveis também podem alterar significativamente os modelos de negócios, como, por exemplo, a distribuição digital de música que alterou definitivamente o modelo de negócios da indústria da música; a computação em nuvem vem derrubando as barreiras de custos tecnológicos. 2. Design de Produtos ou serviços sustentáveis 1. Da conformidade até a melhor eficiência operacional $ $$$ Algumas empresas estão adotando até mesmo modelos de negócios que envolvem o trabalho com uma série de parceiros não tradicionais, como ONGs, ou até mesmo concorrentes dentro de seu próprio setor. A comunidade de investimentos também pode ser uma peça importante do papel de uma sustentabilidade mais forte. Conforme os investidores percebem os argumentos econômicos favoráveis à sustentabilidade, os apelos para a tomada de ações tornam-se cada vez mais fortes. A Accenture acredita que uma dupla perspectiva da sustentabilidade da cadeia de valor o foco em questões sociais e ambientais, por um lado e, por outro, o aumento do valor do negócio vão tornar-se cada vez mais importantes UN Global Compact-Accenture, A New Era of Sustainability, CEO Study 2010, Julho de 2010.

9 Introdução: O Valor de Negócio da Sustentabilidade da Cadeia de Fornecimento Por que a atenção à sustentabilidade da cadeia de fornecimento é importante para os negócios? A cadeia de fornecimento é responsável por 50% a 70% tanto dos gastos totais quanto das emissões de gases estufa da maioria das empresas produtoras. 2 As cadeias de fornecimento podem também ser extremamente frágeis. Conforme as cadeias de fornecimento são ampliadas em resposta à globalização, elas se tornam cada vez mais vulneráveis a desastres naturais, conflitos civis e muitos outros riscos comuns. As empresas participantes do atual Programa CDP Supply Chain estão profundamente conscientes dos riscos que as mudanças climáticas podem trazer para suas cadeias de fornecimento globais. Estes riscos significam uma grande oportunidade dos profissionais resposnáveis pela gestão da cadeia de fornecimento para ajudar suas organizações a reduzir as emissões de gases de efeito estufa e reduzir custos. O Relatório CDP Supply Chain deste ano incide sobre cinco ideias principais. 2. Managing Supply Chain Greenhouse Gas Emissions, United States Environmental Protection Agency, Dezembro de As empresas já estão percebendo o impacto das secas e das chuvas extremas em seus negócios Atual 1-5 anos 6-10 anos > 10 anos Desconhecido Linha do tempo do impacto a partir das mudanças relativas às secas e precipitações extremas 32% 19% 11% 9% 29% Nota: As empresas respondentes identificam em suas cadeias de fornecimento 463 casos de impactos potenciais derivados das mudanças relativas às secas e precipitações. A distribuição temporal esperada é mostrada acima. 1. Os riscos da Supply Chain derivados das mudanças climáticas estão muito maiores Neste ano, 70% dos respondentes identificam um risco atual ou futuro relacionado às mudanças climáticas - risco com potencial para afetar de forma expressiva os negócios ou as receitas de sua organização. Os resultados mostram claramente que os membros e fornecedores notam a vulnerabilidade da cadeia de fornecimento devido aos riscos físicos, tais como extremos de precipitação, furacões, inundações e escassez de água. Na verdade, mais de metade dos casos identificados pelos respondentes indicam que algum nível de impacto será sentido nos próximos cinco anos (ver Figura 1). Muitas empresas líderes estão tomando medidas inovadoras para enfrentar os riscos das mudanças climáticas sob o ponto de vista da sustentabilidade da cadeia de fornecimento. Os respondestes do questionário percebem que as precipitações e os extremos de temperaturas, secas, eventos climáticos (furacões, tufões) e o aumento do nível do mar são responsáveis por grandes custos. Outras preocupações incluem a potencial redução ou interrupção da capacidade de produção, a redução da demanda por bens e serviços e até mesmo a incapacidade de fazer negócios (ver Figura 2). 2 Impactos potenciais da mudança relativa às precipitações extremas e secas nas operações comerciais 44% Redução/interrupção da capacidade produtiva 31% Aumento dos custos operacionais 11% Impossibilidade dos negócios 6% Redução da demanda de bens e serviços 4% Aumento dos custos de capital 3% Outros 1% Ampliação das diferenças sociais t Nota: As empresas identificaram vários impactos ligados aos riscos e os dados são uma coleção de todos os casos identificados pelas empresas respondentes. Dos 459 casos identificados; 75% indicam redução/interrupção da capacidade de produção ou aumento dos custos operacionais como impactos dos extremos de precipitação/secas. 9

10 Várias empresas que responderam ao questionário deste ano detalham alguns dos potenciais efeitos dos extremos de precipitação sobre suas operações. Na empresa de produtos de beleza L Oreal 3, a chuva extrema e o tempo seco extremo podem afetar negativamente as operações e a cadeia de fornecimento da empresa. Por exemplo, a inundação de todas as instalações de empresas ribeirinhas provavelmente levaria à suspensão das operações, o que reduziria a produção dessa unidade de negócio. Além disso, a empresa também enfrenta riscos de interrupção da cadeia de fornecimento, conforme aconteceu na Tailândia após as cheias de Uma preocupação relacionada ao meio ambiente tem a ver com os riscos da água que, por sua vez, podem colocar toda a cadeia em risco. Mais da metade dos membros entrevistados classificam os riscos da cadeia de fornecimento relacionados à água como elevados ou médios. No entanto, apenas um quarto dessas empresas comprometeu-se com o trabalho de identificação de riscos no nível de detalhamento necessário para mitigar potenciais interrupções de fornecimento da cadeia (veja o quadro, Johnson & Johnson). A conscientização dos fornecedores é uma preocupação ainda maior, pois 19% dos respondentes indicam que seus fornecedores não estão cientes dos riscos que afetam as operações com água; outros 38% dizem que seus fornecedores estão cientes, mas não estão ativamente comprometidos em enfrentar o desafio (ver Figura 3). Os custos dos riscos da cadeia de fornecimento estão presentes todos os dias, mas poucas discussões sobre a gestão de risco da cadeia de fornecimento lidam com a redução desses custos atuais de uma maneira sistemática e quantitativa. Melhores habilidades de análise serão importantes para que sejam identificados os custos e riscos da cadeia de suprimentos. 3. Do pedido de Informações do CDP de Estratégias específicas de diminuição dos riscos relacionados à água ainda não estão implementados Baixo Médio Alto Como o risco é categorizado? Interrupção da cadeia de fornecimento 24% 21% 55% Normas 29% 29% 42% Energia 3% Água 57% 40% 46% 18% 36% Nota: N=54, 9 membros não responderam à pesquisa do CDP-Accenture. Pesquisa dentre os associados (% que respondeu sim) Seus fornecedores estão empenhados na gestão dos riscos relacionados à água? 25% 50% 25% 19% 38% 6% 37% Sim Não Não aplicável Fornecedores não estão cientes Fornecedores estão cientes, mas não empenhados Fornecedores estão totalmente empenhados Não aplicável 10

11 Mitigação dos riscos da água: Johnson & Johnson 4 A Johnson & Johnson é especialmente ativa na área de mitigação de riscos relacionados à água, pois a água e os ingredientes naturais são componentes cruciais de seus produtos, especialmente no setor de consumo, o qual atingiu US$ 14,9 bilhões em vendas em A Johnson & Johnson trabalha ativamente para identificar as regiões que estão expostas a riscos de água atuais e futuros. A empresa analisou seu risco atual e futuro de escassez de água usando ferramentas como o Global Water Tool do Conselho Empresarial Mundial para o Desenvolvimento Sustentável. Depois de identificar as regiões suscetíveis a tais riscos, a Johnson & Johnson passa a agir de forma efetiva para reduzir o risco dessas áreas através da diminuição do consumo de água e pela implementação de programas robustos de gestão de riscos. 2. A existência de um hiato persistente no desempenho entre os membros do CDP Supply Chain e seus fornecedores Em contraste com os 92% dos membros do CDP Supply Chain, apenas 38% dos fornecedores relatam possuir uma meta de redução de emissões. O percentual de fornecedores que investem em iniciativas de redução de emissões se manteve em 27% durante vários anos, enquanto o percentual de membros do CDP Supply Chain que relatam fazer tais investimentos saltou de 39% em 2011 para 69% em A consciência do amplo conjunto de riscos que afetam as cadeias de fornecimento sustentáveis é outra grande diferença entre os membros do CDP Supply Chain e os fornecedores. Enquanto 79% dos membros conseguem identificar os riscos regulatórios, físicos e outros riscos ligados ao clima, apenas 31% dos fornecedores são capazes de nomear este conjunto completo de riscos. Com relação aos riscos físicos relacionados às mudanças climáticas, 90% dos membros dizem identificá-los em comparação com apenas 45% dos fornecedores. Dadas estas diferenças, não é surpreendente que o desempenho dos membros e fornecedores em termos de reduções de emissões e economia de custos divirja de forma considerável. Por exemplo, 63% dos membros relatam redução de suas emissões anualmente, enquanto apenas 29% dos fornecedores relatam tal avanço. De forma semelhante, 73% dos membros relatam ter obtido economias monetárias das atividades de redução de emissões, enquanto apenas 29% dos fornecedores afirmam ter atingido semelhante economia. Os fornecedores informaram uma economia de US$ 13,7 bilhões, o que implica um potencial agregado de economia de todos os fornecedores que poderia atingir três vezes esse valor. O que pode ser feito para melhorar o desempenho do fornecedor? Os membros do CDP Supply Chain continuam a usar o gerenciamento de risco como um parâmetro importante para gerir as recompensas e incentivos dos fornecedores. Conforme relatado pela Imperial Tobacco, Quando os fornecedores pedem um aumento de preços devido aos custos de energia, nosso primeiro passo é olhar o histórico de seus relatos ao CDP. Exceto em casos excepcionais, exigimos o envio de relatórios sobre energia e gestão de riscos climáticos antes de concedermos aumentos. 5 Outra atitude importante para o sucesso é a melhor colaboração com os fornecedores para desenvolver as suas capacidades. Uma governança mais forte também é importante. Embora os fornecedores estejam amadurecendo ao longo da curva de integração de suas estratégias de mudanças climáticas com as estratégias de negócios, eles ainda parecem não possuir um sistema de supervisão no Conselho de Administração. Assim como nas respostas do questionário do ano passado, mais de 60% dos fornecedores reportam ter uma estratégia integrada de mudanças climáticas, mas apenas 34% reportam possuir supervisão feita pelo Conselho. Por outro lado, 81% dos membros relatam apoio do Conselho para as atividades relacionadas às mudanças climáticas. 4. Do pedido de Informações do CDP de Do pedido de Informações do CDP de

12 Comentário do convidado Construção da capacidade de resiliência a eventos extremos em direção ao crescimento verde e inclusivo Os grandes eventos climáticos já estão afetando os resultados financeiros atuais das empresas. Os custos e disponibilidade dos seguros têm sido afetados drasticamente em muitas partes do mundo. As empresas privadas não podem e não devem esperar por acordos internacionais sobre o clima. 12 Por Rachel Kyte Vice-presidente de Desenvolvimento Sustentável do Banco Mundial Em 2011, o mundo passou pelas maiores perdas relacionadas a desastres já registradas, dando continuidade a uma tendência que reflete um aumento contínuo dos custos econômicos, um total de US$ 3,5 trilhões nos últimos 30 anos. Os eventos climáticos extremos representam mais de 78% dos eventos registrados no mesmo período e são responsáveis por dois terços das perdas (US$ 2,6 trilhões). A experiência recente nos alerta de forma dramática que, nenhum país, rico ou pobre, está imune aos impactos dos desastres consolidados pelas mudanças climáticas. Na Tailândia, as inundações de 2011 resultaram em perdas de cerca de US$ 45 bilhões (ou cerca de 13% do PIB). Os impactos não se limitam às fronteiras. A produção industrial do Japão, que ainda sofre as consequências do tsunami de março de 2011, caiu 2,6% entre outubro e novembro daquele ano, devido a interrupções nas cadeias de fornecimento de componentes eletrônicos e automotivos. Nos Estados Unidos, o calor extremo e a falta de chuvas causaram, no verão de 2012, a pior seca em mais de meio século com grandes impactos sobre as culturas de milho e soja estes impactos estão escoando para os preços dos alimentos. Em outubro de 2012, o furacão Sandy causou caos em seu caminho ao longo da costa atlântica dos EUA. A extensão total do impacto econômico do Sandy ainda é incerta, mas estima-se algo em torno de US$ 50 bilhões. Os grandes eventos climáticos já estão afetando os resultados financeiros atuais das empresas. Os custos e disponibilidade dos seguros têm sido drasticamente afetados em muitas partes do mundo. As empresas privadas não podem e não devem esperar por acordos internacionais sobre o clima. As empresas, ao reconhecerem as oportunidades e os riscos das mudanças climáticas, devem dar um passo à altura do desafio e aumentar os seus investimentos na área de forma inteligente. Os formuladores de políticas devem intensificar seu trabalho e ajudar a mitigar os profundos riscos das mudanças climáticas. Países e cidades crescem a um ritmo recorde e, assim, aumentam a exposição de suas populações aos desastres. Nesse cenário, há uma única janela de oportunidade, que se fechará rapidamente, para investir em resiliência e alcançar um crescimento verde e inclusivo. Sem uma ação oportuna, o potencial de consequências catastróficas é alto. Se não agirmos agora, teremos neste século um mundo 4 C mais quente com consequências catastróficas. Turn Down the Heat, um relatório recente, encomendado pelo Banco Mundial, oferece uma imagem clara e chocante da situação do planeta em um mundo 4 C mais quente, com os consequentes impactos negativos na agricultura, recursos hídricos, ecossistemas e saúde humana. Ele conclui que todas as regiões do mundo serão afetadas, no entanto aquelas menos capazes de se adaptar as pobres e as mais vulneráveis, serão atingidas com muito mais força. Ao promovermos esforços agressivos de mitigação, teremos que manter o foco na adaptação, ajudando os países em desenvolvimento, em especial, a construírem uma capacidade de recuperação aos impactos dessas mudanças.

13 3. As empresas líderes estão investindo e fazendo a diferença Apesar da contínua desaceleração global da economia, nosso estudo mostra um aumento em investimentos para melhorar a sustentabilidade da cadeia de fornecimento e para reduzir as emissões. Por exemplo, o percentual de membros que investiam em iniciativas de redução de emissões em 2011 era de 39%, o qual aumentou para 69% em Embora o número absoluto de fornecedores que dizem fazer investimentos tenha aumentado de 482 para 642, o percentual de fornecedores investindo não foi alterado, talvez devido à contínua desaceleração global da economia. O clima extremo é um provável catalisador das medidas tomadas por uma empresa em relação às mudanças climáticas, aliado ao risco físico identificado como um dos principais geradores dos investimentos. Dentre as 678 empresas que investem em iniciativas de redução das emissões, três quartos (73 por cento) dizem perceber que as mudanças climáticas representam um risco físico para suas operações, enquanto apenas 13% identificam as legislações como o fator único de risco. Além disso, o reconhecimento do risco climático também parece melhorar o desempenho de carbono: das 716 empresas que reduziram suas emissões, apenas 14% não reconhecem quaisquer riscos relacionados às mudanças climáticas. Muitos investimentos são recuperados de forma relativamente rápida. O percentual de iniciativas com um período curto de retorno aumentou de 20% em 2011 para 26% em 2012 (ver Figura 4). Os membros estão inclinados a efetuar iniciativas de longo prazo, demonstrando seu crescente compromisso com a sustentabilidade da cadeia de fornecimento. Eles possuem, em média, 10% a 15% mais projetos com períodos de retorno mais longos em comparação com os fornecedores. Esta atitude de longo prazo quando se trata do retorno dos investimentos é resumida de forma apropriada pelo diretor financeiro da Diageo, Deirdre Mahlan: Em minha opinião, a gestão eficaz constitui em fazer escolhas que apoiam o crescimento eficiente do negócio em longo prazo. Ao fazer decisões de investimento, é insuficiente, e até mesmo irresponsável, levar em consideração apenas o retorno de curto prazo 6. Os membros e fornecedores que trabalham com períodos mais curtos de retorno estão investindo em atividades de mudança de comportamento (veja a Figura 5). Para os fornecedores, o transporte também é uma atividade importante com mais de dois terços das iniciativas e com períodos de retorno de menos de um ano. 6. Business resilience in an uncertain, resource-constrained world, CDP Global 500 Climate Change Report 2012, Carbon Disclosure Project. 4 Número de investimentos relatados por membros e fornecedores < 1 ano 1-3 anos > 3 anos Retorno do investimento, Membros e Fornecedores % 40% 20% Membro 32% 33% 35% Fornecedor 34% 40% 26% Membro Nota: A análise exclui 643 PMEs 32% 30% 38% Fornecedor 5 Período de retorno dos investimentos relatados por membros e fornecedores < 1 ano 1-3 anos > 3 anos Membros 2012 Fornecedores 2012 Mudança comportamental Mudança comportamental 67% 13% 20% 72% 18% 10% Reduções de emissões evasivas 50% 50% Trasnporte: uso 65% 19% 16% Transporte: uso Redução das emissões dos processos 33% 50% 17% 43% 24% 33% Transporte: frota Trasnporte: frota 33% 17% 50% 42% 17% 41% Eficiência energética: construção de fábrica Compra de energia de baixo carbono 28% 29% 43% 41% 10% 49% Design de produto Design de produto 27% 60% 13% 38% 24% 38% Eficiência energética: processos Eficiência energética: processos 22% 50% 28% 38% 35% 27% Redução das emissões dos processos Energy efficiency: building services 16% 38% 46% 30% 40% 30% Eficiência energética: serviços do edifício Eficiência energética: serviços do edifício 15% 53% 32% 18% 43% 39% Compra de energia de baixo carbono Reduções de emissões evasivas 12% 25% 63% 17% 29% 54% Instalação de energia de baixo carbono Instalação de energia de baixo carbono 4% 17% 79% 16% 18% 66% 13

14 Eaton: resultados impressionantes a partir de iniciativas de redução de emissões A Eaton uma empresa global de gerenciamento de energia diversificada está envolvida em várias atividades expressivas de redução das emissões. Tais atividades incluem uma nova iluminação, a atualização dos sistemas de climatização e a otimização dos compressores em fábricas importantes. Em 2011, dentre os projetos concluídos estão a reabilitação da iluminação, o isolamento da fachada do edifício, o aprimoramento dos equipamentos, a recuperação de calor, a instalação de ar comprimido, o controle do ventilador e o gerenciamento de energia. Estes projetos eliminarão cerca de toneladas métricas de emissões de gases de efeito estufa por ano. A empresa investiu US$ 17 milhões em custos de capital para efetuar as atualizações e projeta uma economia de energia anual de US$ 6 milhões isso significa que a empresa pode obter retorno sobre o investimento em menos de três anos. 7 6 Um número crescente de fornecedores já identifica vantagens tangíveis para os negócios tais como as reduções das emissões e as economias monetárias Sim Não Resultados dos investimentos A análise do questionário deste ano mostra que um número crescente de participantes passou a perceber os benefícios comerciais de suas iniciativas de sustentabilidade. Por exemplo, em comparação com os valores de 2011, nota-se que há um aumento na proporção de fornecedores que estão obtendo benefícios a partir de duas áreas: financeira e redução de emissões. O número de fornecedores que relatam ter obtido economias monetárias das atividades de redução aumentou de 505 para 686, já os que dizem ter reduzido suas emissões passou de 328 para 683. Diferentes empresas estão relatando resultados impressionantes dessas iniciativas. (Veja quadro sobre as atividades de redução das emissões da Eaton) Entre os membros do CDP Supply Chain, 43% relataram reduções de emissões em Em 2012, esse número aumentou para 63%. De forma semelhante, 39% dos membros relatam ter obtido economias monetárias das atividades de redução de emissões em Em 2012, o número aumentou para 73%. (Veja a Figura 7) O desempenho dos membros em relação ao reporte dos Escopos 1 e 2 está melhorando ano a ano: 100% dos membros reportaram em Entre os fornecedores, mais de 60% reportam suas emissões dos Escopos 1 e 2. O reporte das emissões do Escopo 3 tem melhorado em todas as 15 categorias definidas pelo Protocolo de Gases de Efeito Estufa do World Resources Institute (WRI) e do Conselho Empresarial Mundial para o Desenvolvimento Sustentável (WBCSD). As viagens de negócios e de locomoção dos empregados continuam a ser as categorias mais amplamente divulgadas para as emissões do Escopo Do pedido de Informações do CDP de Os membros do CDP Supply Chain reportam em 2012 maior sucesso com as atividades relatcionadas às reduções das emissões Economias monetárias 28% 72% Reduções das emissões 19% 81% Nota: N 2011 = Economias monetárias 30% 70% Investimentos Reduções das emissões Nota: N 2011 = 49, N 2012 = 52 Economias monetárias Reduções das emissões 30% 70% Nota: N 2012 = 2.415

15 Comentário do convidado Walmart: parceria com o CDP Supply Chain para reduzir as emissões de gases de efeito estufa dos fornecedores Em 2010, o Walmart comprometeu-se em reduzir 20 milhões de toneladas métricas de emissões de gases de efeito estufa de sua cadeia de fornecimento global em cinco anos. A empresa voltou-se então para o CDP Supply Chain com o objetivo de engajar fornecedores e ajudar a promover a inovação na redução das emissões de gases de efeito estufa. Não é uma tarefa fácil enfrentar as emissões de gases de efeito estufa e as pegadas de carbono do maior varejista do mundo. Mas, a partir de metas agressivas para reduzir de forma expressiva as emissões, o Walmart requisitou ajuda ao CDP para medir e relatar o progresso. A abordagem de base científica do CDP permite que o Walmart e seus fornecedores façam apenas uma única divulgação. O Walmart definiu três grandes metas de sustentabilidade em 2005: ter 100% de energia renovável, atingir desperdício zero e vender produtos que sustentem as pessoas e o meio ambiente. Quando estava buscando novas formas de atingir seus objetivos, o Walmart percebeu que precisaria lidar com sua cadeia de fornecimento global, que responde por 90% da sua pegada de carbono global, bem como com suas próprias operações, que representam os 10% restantes. Para atingir seus objetivos ambiciosos de sustentabilidade, o Walmart notou que teria que trabalhar em estreita colaboração com seus fornecedores para criar novas abordagens e colaborar em projetos para reduzir ou eliminar as emissões de gases de efeito estufa em todas as etapas da cadeia de fornecimento. O Walmart além de incentivar os fornecedores a participardo processo de divulgação e reporte de informações, também estabeleceu processos e canais para facilitar a comunicação e a colaboração. Assim foi criado o walmartsustainabilityhub.com, um fórum de fornecedores para apresentação de melhores práticas e compartilhamento de histórias de sucesso. De acordo com Rob Kaplan, Gerente Sênior de Sustentabilidade no Walmart, Sabemos que existem oportunidades pré-competitivas que criam valor compartilhado para os nossos parceiros. Nós apenas precisamos ouvi-las. Esperamos abrir canais de comunicação e de colaboração com os nossos parceiros da cadeia de fornecimento para identificar e partilhar as inovações de sustentabilidade que estão funcionando. Em 2012, o Walmart solicitou, por meio do CDP, a divulgação de dados sobre mudanças climáticas por parte dos seus maiores fornecedores, organizados por gasto. Dos fornecedores que apresentaram respostas completas, 58% deles reportaram mais de atividades de redução dos gases de efeito estufa através do CDP. Dentre as iniciativas, 640 (27%) terão retorno dentro de um ano e (52%) terão um período de retorno de três anos ou menos. O Walmart e o CDP estão trabalhando para incentivar os fornecedores a melhorar seus resultados nos próximos anos, através do cálculo e do relato integral de suas pegadas de carbono, da introdução de metas de redução de emissões e da apresentação do progresso de seus objetivos. Enquanto os fornecedores implementam e relatam suas atividades de redução de emissões, o Walmart espera capturar os projetos qualificados que irão contribuir para o objetivo da empresa de reduzir as emissões da cadeia de fornecimento em 20 milhões de toneladas até

16 4. A sustentabilidade da cadeia de fornecimento está criando múltiplas formas de valor do negócio A análise dos resultados do programa CDP Supply Chain deste ano revela várias formas valiosas com as quais as empresas estão gerando um maior valor de negócio além da redução de emissões e economia de custos obtidas através das iniciativas de sustentabilidade da cadeia de fornecimento. A integração da estratégia da mudança climática à estratégia empresarial é um elemento essencial para o melhor desempenho. Em 2012, 41% reportam reduções anuais das emissões, contra 33% em A inovação de produtos e serviços As respostas deste ano mostram fortes indícios de empresas à procura de oportunidades para alavancar o produto da cadeia de fornecimento baseada em inovação e serviço. Os novos produtos de baixo carbono são vistos pelos entrevistados como um importante gerador de crescimento futuro. A Dow Chemical, por exemplo, vê enormes oportunidades de crescimento através de produtos mais sustentáveis. A empresa acredita que pode aumentar as vendas de produtos que permitem o uso de energia limpa de US$ 5 bilhões por ano para US$ 15 bilhões por ano. 8 A PlantBottleT. um novo tipo de embalagem desenvolvida pela The Coca-Cola Company tem as mesmas características, funciona e é reciclada exatamente como o tereftalato de polietileno tradicional (PET) de plástico, mas com uma pegada de carbono reduzida. A Coca-Cola estima que, desde 2009, o uso das embalagens PlantBottleT eliminou o equivalente a quase 100 mil toneladas métricas de emissões de dióxido de carbono de suas garrafas plásticas PET. 9 Neste ano, 10% dos membros participantes do CDP Supply Chain reportam que estão recebendo mais de 50% de receita a partir de produtos de baixo carbono; 16 % reportam que pelo menos 10% das suas receitas totais vêm de tais produtos. Prevê-se que em cinco anos esses valores serão 13% e 23%, respectivamente. (Ver Figura 8) gestão de energia e avaliação de produtos e cadeias de valor, utilizando análises de eco-eficiência e ciclo de vida. 10 Oportunidades: Diferenciação de Preço Outro fator que pode melhorar o valor do negócio por meio da sustentabilidade é a oportunidade de ter diferenciação de preço (premium pricing) em produtos ou serviços que carregam com eles um benefício de sustentabilidade ao cliente. Por exemplo, a Braskem, empresa química brasileira, desenvolveu um novo produto chamado polietileno verde, com base no interesse de seus clientes por matérias-primas de baixo carbono e também com base na experiência da empresa na fabricação de produtos com o uso de etanol. Este produto é um biopolímero mais barato, mas impõe um premium pricing sobre o polietileno convencional que utiliza combustíveis fósseis. Esse preço foi definido com base nos investimentos em novas tecnologias e, em menor escala, em comparação com as fábricas de polietileno convencional. 11 A melhoria da reputação corporativa Segundo as respostas ao pedido de informações do CDP, duas dimensões especialmente importantes do valor da sustentabilidade da cadeia de fornecimento são os efeitos positivos sobre a reputação/marca e o consequente aumento da conscientização de mudança de comportamento do consumidor. (Ver Figura 9) Além disso, tendo em vista que os empregadores buscam uma margem de vantagem para atrair e reter trabalhadores qualificados, a reputação de uma empresa, quando se trata de sustentabilidade e responsabilidade social corporativa, se torna mais importante. Por exemplo, a News Corporation esta cada vez mais consciente da importância de aumentar a sua reputação na área de sustentabilidade ambiental 16 A criação de novos serviços Transformar as capacidades internas de sustentabilidade da cadeia de fornecimento de uma empresa em um serviço rentável oferecido aos clientes é outra tendência importante mostrada pela pesquisa. Por exemplo, a BASF oferece aos clientes um grande número de serviços de sustentabilidade por meio da sua Iniciativa de Sucesso Valor Agregado através da Sustentabilidade, a qual inclui consultoria em 8. Do pedido de informações do CDP de Do pedido de informações do CDP de Do pedido de informações do CDP de A partir de entrevistas com os membros do CDP. 8 Percentagem de membros do CDP Supply Chain que relatam ter obtido receitas dos produtos de baixo carbono > 50% 10%-50% < 10% Hoje 10% 6% 84% Em 5 anos 13% 10% 77% Nota: N= Melhorar a reputação corporativa e entender as tendências do consumidor são duas vantagens importantes dos esforços ligados à sustentabilidade da cadeia de fornecimento Mudança do comportamento do consumidor 17% 23% Reputação 16% 19% Outros fatores 6% 7% Alterações induzidas no ambiente Humano e Cultural 3% 3% Variações das Condições Sociais e Econômicas 6% 3% Aumento das Demandas Humanitárias 2% 2% Nota: N 2012 = 2.415, N 2011 = 1.864

17 como forma de atrair os melhores talentos. A empresa, em sua resposta ao questionário do CDP Supply Chain, citou um estudo da Hill + Knowlton que constatou que 75% dos estudantes de MBA dizem que a reputação corporativa desempenha um papel fundamental para decidir onde querem trabalhar. O estudo conduzido entre estudantes de escolas de negócios de elite na Europa, Ásia e Estados Unidos constatou que 40% dos entrevistados avaliam a responsabilidade social como uma medida extremamente ou muito importante de reputação; 34% fizeram a mesma classificação em relação a uma política ambiental eficaz. 13 A Melhoria do valor da marca A reputação de empresa inovadora e líder em produtos verdes e em habilidades sustentáveis da cadeia de fornecimento é um importante gerador de valor para a marca. De fato, um estudo recente descobriu que o valor da marca Honda aumentou 28% e o da GE 17% por causa de suas iniciativas de melhoria da cadeia de fornecimento e sustentabilidade de produtos. 14 Um relatório Interbrand recente15 aponta três formas pelas quais a atenção das empresas para a sustentabilidade ambiental influencia o valor da marca: Pela criação de novas fontes de receita; Por influenciar positivamente as opções dos clientes, e Por ajudar as empresas a se adaptarem às oportunidades futuras, apoiando a longevidade do negócio. Maiores receitas dos novos produtos da Philips Os Membros do CDP Supply Chain relatam em alguns casos um aumento dramático das vendas de produtos de baixo carbono. Na Philips, por exemplo, o processo EcoDesign tem como objetivo a criação de produtos com impacto significativamente menor sobre o meio ambiente. As vendas de produtos verdes da Philips aumentaram em 2011 para 39% do total de vendas da empresa e a Philips está empenhada em aumentar esse percentual para 50% do total de vendas até A percepção pública a respeito das tendências e novidades em sustentabilidade muitas vezes esta intimamente ligada a certos nomes e marcas. Por exemplo, a fabricante de carros Daimler é líder em melhorias da cadeia de fornecimento, tais como as tecnologias de células de combustível. A Daimler acredita que a vantagem em termos de reputação por ser o principal ator no desenvolvimento e estabelecimento de tecnologia de células de combustível pode aumentar o seu reconhecimento como líder em tecnologia. Devido a este reconhecimento, as pessoas podem optar por comprar um Mercedes-Benz, em vez do carro de um concorrente, porque eles acreditam que a empresa é líder em mobilidade sustentável. 16 Os respondentes do questionário identificam 495 casos potenciais de oportunidades de negócios gerados pela reputação corporativa. Mais de metade dos casos (55%) indicam um potencial aumento da demanda por produtos e serviços. (Ver Figura 10) 10 Vantagens potenciais relacionadas às oportunidades geradas pela reputação e derivadas das iniciativas ligadas à mudança climática 55% Aumento da demanda por produtos/serviços existentes 10% Ampliação das vantagens sociais 9% Outros 8% Novos serviços/produtos comerciais 5% Aumento do valor das ações (avaliação do mercado) 5% Oportunidades de se utilizar preços especiais 3% Redução dos custos operacionais 2% Aumento da capacidade produtiva 1% Oportunidades de investimentos 1% Aumento da disponibilidade de capital 1% Redução dos custos de capital A análise inclui dados de 52 membros, fornecedores, incluindo 643 PMEs. 12. Do pedido de informações do CDP de Hill + Knowlton, Sustainability and its impact on brand value, Interbrand, Sustainable innovation: Staying true to your brand promise, Interbrand, 16. Do pedido de informações do CDP de t Nota: As empresas identificaram 495 casos potenciais de oportunidades geradas pela reputação. 55% delas Indicaram um aumento potencial da demanda por produtos/ serviços. 17

18 BT: Reduções de emissões que melhoram o valor da marca A gigante de telecomunicações BT tem recebido bons benefícios com o valor de sua marca a partir de seus programas de redução das emissões e mitigação dos efeitos ambientais negativos. Uma grande variedade de stakeholders (consumidores, clientes corporativos, fornecedores, investidores, governos e comunidades) espera que a BT demonstre um forte compromisso em sua forma de lidar com as mudanças climáticas. A capacidade da BT para responder a essas necessidades tem tido um impacto positivo sobre a reputação e percepção de sua marca. Em 2012, a BT lidou com mais de 2,7 bilhões em pedidos de clientes que queriam entender as credenciais da empresa em responsabilidade corporativa e sustentabilidade. Em comparação, foram 2,1 bilhões em Compreensão dos comportamentos e tendências dos clientes Melhorar o valor comercial da sustentabilidade da cadeia de fornecimento e até mesmo conseguir uma vantagem competitiva, muitas vezes, depende da empresa ser a primeira a agir no mercado. Mas a vantagem de ser o primeiro depende, por sua vez, do desenvolvimento de uma compreensão íntima dos comportamentos e tendências dos clientes, de tal forma que se possa identificar uma necessidade do cliente e, em seguida, capitalizar sobre ela antes de qualquer outro concorrente. As empresas respondentes identificam 579 exemplos de oportunidades relacionadas à sustentabilidade com base no comportamento do consumidor. Espera-se que quase 58% deles gerem um aumento da demanda por produtos e serviços existentes e que outros 27% gerem demanda por novos produtos e serviços. (Ver Figura 11) A grande maioria dos respondentes vê o aumento da demanda por produtos e serviços existentes como o principal benefício, no entanto, entre estes, as empresas norte-americanas e latino-americanas enfatizam o desenvolvimento de novos produtos mais que as empresas europeias ou asiáticas. 17. Do pedido de informações do CDP de O melhor entendimento dos Nota: As comportamentos dos consumidores empresas pode gerar vantagens Comerciais identificaram 579 casos de consideráveis oportunidades portenciais 58% Aumento da demanda por produtos/serviços existentes como resultado 27% Novos produtos/serviços comerciais da mudança 4% Oportunidades de se utilizar preços especiais comportamental 4% Redução dos custos operacionais dos 3% Ampliação das vantagens sociais consumidores 2% Outros geradas pela 1% Aumento da capacidade produtiva mudança climática. 0,5% Aumento do valor das ações (avaliação do mercado) Este gráfico 0,5% Aumento da disponibilidade de capital apresenta a desagregação percentual por tipo de América do Norte Desagregação em novos produtos/serviços comerciais oportunidade Europa 47% 36% 14% 2% 1% e localização. Ásia América Latina Desagregação em aumento da demanda por produtos/serviços existentes Resto do Mundo 50% 31% 12% 5% 2%

19 Os benefícios comerciais e sociais de investimentos na produtividade dos recursos Prof Dr. Ernst von Weizsäcker Copresidente do Painel Internacional para Gestão Sustentável dos Recursos, ex-reitor da Escola Bren Donald de Ciência e Gestão Ambiental da Universidade da Califórnia Santa Barbara e Copresidente do Clube de Roma O aumento da produtividade dos recursos é um dos métodos para a criação de maior valor de negócio a partir da sustentabilidade da cadeia de fornecimento. Esta ênfase representa uma mudança radical da mentalidade habitual de negócios, que tradicionalmente toma a melhoria da produtividade do trabalho como fator principal. Graças à tecnologia, os esforços de melhoria da produção de trabalho foram extremamente proveitosos: a produtividade do trabalho aumentou vinte vezes nos últimos 200 anos. No entanto, hoje em dia, não é o trabalho que está em falta, mas sim os recursos básicos, principalmente água e energia. Esta situação exige uma grande mudança da forma de pensar: o mesmo nível de inovação e esforço precisa estar voltado para o uso da tecnologia para melhorar a produtividade dos recursos. As empresas e nações que conseguem aumentar a produtividade dos recursos escassos deveriam desfrutar de maiores vantagens econômicas sobre aqueles que não conseguem responder adequadamente às novas formas de escassez. Os investimentos em produtividade dos recursos transformam e estimulam a economia de três formas principais: 1. Os Investimentos em produtividade de recursos, tais como a melhoria da eficiência energética dos edifícios, têm um multiplicador econômico maior do que a despesa geral, porque os investimentos em eficiência de recursos fornecem um retorno financeiro do investimento tangível e também fornecem melhorias adicionais de produtividade. 2. Os investimentos em melhoria da eficiência dos recursos e reciclagem têm um resultado de bem-estar econômico maior do que a despesa geral de muitos bens e serviços, pois reduzem a demanda por energia, água e matéria-prima virgem e, assim, retardam (e até mesmo, em alguns casos, impedem) a necessidade de gastar bilhões em novas infraestruturas de energia e abastecimento de água e em novas indústrias extrativas. 3. Postos de trabalho são criados localmente por iniciativas verdes. O resultado é que uma cidade passa a ter mais investimentos em água, energia e materiais que serão gastos de forma a apoiarem o trabalho e a economia local. Em termos práticos, no entanto, como as empresas poderiam se desenvolver para gerar uma melhor produtividade dos recursos? Elas podem fazer isso sozinhas ou precisam de um ambiente de negócios amplamente aceito? Na verdade, os pioneiros podem seguir em frente prudentemente com pouco, ou nenhum, risco para o seu desempenho econômico. A Philips, por exemplo, decidiu concentrar-se em LED e a Toyota foi em frente e, juntamente com a Honda, apresentou o carro híbrido, sendo bem sucedida, tanto no mercado interno quanto no externo. É necessário ter uma combinação eficaz de capital privado e gestão pública. Os mercados são excelentes para orientar a alocação eficiente dos recursos e estimular a inovação, mas eles não fornecem a ordem pública, a lei, os padrões morais, a educação básica e as infraestruturas. Os mercados são também terrivelmente ineficientes e, muitas vezes, até mesmo contraproducentes, quando se trata de proteger os bens comuns e reorientar a inovação em direção aos benefícios sustentáveis de longo prazo. Os preços das commodities no mercado tendem a refletir o custo de exploração, extração, transporte e refino, somandose os lucros apropriados e subtraindose os subsídios do Estado. Podemos também incluir aqui alguns elementos especulativos sobre a escassez futura e algumas apropriações de cartéis. Mas existe pouquíssima prestação de contas em relação à escassez de longo prazo e aos danos a bens públicos, tal como as condições climáticas estáveis. Por isso, imaginar sinais artificiais de preços impostos pelas autoridades públicas aprece algo justificável. Em teoria, pode-se considerar que o aumento de preço das commodities é proporcional ao avanço da produtividade dos recursos, estabelecendo-se assim um pingue-pongue dinâmico semelhante ao pingue-pongue de mais de 200 anos entre os ganhos de produtividade do trabalho e os salários/custos trabalhistas. As políticas deste tipo exigem um equilíbrio saudável entre bens públicos e privados, ou entre o Estado e os mercados. 5. Para alcançar uma posição de liderança em sustentabilidade da cadeia de fornecimento, as empresas devem ter uma grande uma grande competência em relação aos dados, aos processos e governança A análise do pedido de informação do CDP Supply Chain deste ano reafirma que a integração de dados, processos e governança é especialmente importante para ganhar vantagem competitiva por meio da sustentabilidade da cadeia de fornecimento. Dados De acordo com um velho truísmo corporativo Tudo que pode ser medido pode ser gerenciado. Isso faz com que a coleta e análise de dados e informações sejam críticas para a melhoria da sustentabilidade da cadeia de fornecimento. Apesar de muitas empresas progressistas terem sistemas básicos de coleta de dados, estes sistemas não estão, necessariamente, ajudando a organização da cadeia de fornecimento a definir e melhorar as metas de redução de emissões. As empresas progressistas costumam usar scorecards de fornecedor, pedidos de propostas (Request for Proposals RFP), pedidos de informação (Requests for Information RFI) e sistemas básicos de aquisição de dados para coletar informações sobre a sustentabilidade da cadeia de fornecimento. As empresas modernas definem metas de reduções de emissões, medidas em termos absolutos ou de intensidade e monitoram esses padrões regularmente. Algumas empresas também utilizam plataformas modernas de monitoramento e de coleta de dados sobre as mudanças climáticas, como o CDP Analytics para analisar e melhorar o seu desempenho de redução de emissões. 19

20 Algumas empresas estão levando a administração da cadeia de fornecimento e ambiental para um patamar mais alto através da implementação de sistemas de informações em várias cadeias de fornecimento para gerar iniciativas ambiciosas como a rastreabilidade. Por exemplo, o Walmart iniciou um ambicioso programa para rastrear seus ovos dentro da cadeia de fornecimento até as próprias galinhas. O programa foi projetado para que apenas os ovos problemáticos fiquem em quarentena e não caixas de ovos inteiras. Este uso aprimorado da informação deverá não só resultar em economia direta, mas também reduzir o desperdício de material de embalagem das caixas e reduzir as emissões envolvidas em toda a cadeia. 18 A colaboração e a padronização são cada vez mais importantes para reduzir o ônus das empresas. O CDP estabeleceu o padrão mundialmente aceito das emissões de carbono e coleta de dados sobre a água. O CDP trabalha com outras organizações, como a EcoVadis, para incentivar o uso dos dados do CDP e reduzir os pedidos de informações duplicados. Um fornecedor recebeu 28 pedidos de clientes através do programa CDP Supply Chain, em Por meio dessa colaboração com os clientes, o fornecedor precisa oferecer apenas uma resposta em vez de atender a 28 pedidos separados e potencialmente diferentes. Processo O objetivo de estabelecer processos robustos referentes a sustentabilidade da cadeia de fornecimento é apoiar o progresso e as melhorias de longo prazo. Um objetivo importante do desenvolvimento de processos mais eficientes é a incorporação de políticas, procedimentos e códigos de conduta em operações cotidianas. A sustentabilidade dentro de uma cadeia de fornecimento vai além da responsabilidade de uma pessoa ou um departamento. Não deve ser algo separado dos processos normais, mas deve ser apenas a forma como as coisas funcionam. 18. A partir de entrevistas com os membros do CDP. Com base nas respostas do questionário deste ano, há evidências de várias inovações de processos importantes que estão sendo adotadas por organizações líderes: Colocando em prática os procedimentos padrões e os códigos de conduta As organizações estão percebendo a necessidade de procedimentos padrões e códigos de conduta em relação à sustentabilidade consistente e de alto impacto da cadeia de fornecimento. Em alguns casos, as empresas estão usando, com sucesso, processos para se envolverem mais com os fornecedores, avaliar o desempenho e mesmo intervir quando necessário. Uma empresa, de fato, tem obrigações contratuais em vigor e poderá até cortar relações com os fornecedores que as violarem. Com base nos resultados da pesquisa, 34% dos membros incluem as obrigações contratuais e 35% incluem o treinamento de fornecedores, além do apoio do CDP, para gerar uma melhor gestão de carbono em suas cadeias de suprimentos. Aumento da qualidade da comunicação e dos relatórios Os resultados do questionário do CDP Supply Chain deste ano destacam claramente a relação de causa e efeito entre a comunicação/reporte e o desempenho. As empresas estão comunicando suas metas de sustentabilidade e iniciativas ambientais para um grupo mais amplo de stakeholders (incluindo fornecedores e consumidores) para demonstrar o seu progresso. Elas também estão usando esta estratégia de comunicação para promover melhorias na cadeia de fornecimento. Os resultados indicam que as empresas que possuem uma estratégia de comunicação bem estabelecida e têm reportado seus progressos por mais de dois anos, bem como as empresas que passaram a reportar pela primeira vez no ano passado, notaram uma melhora significativa no valor de realização durante o ano passado, por terem 12 Comparação entre os valores das realizações tomadas ano a ano entre divulgadores experientes e novatos Divulgadores experientes Primeiro ano da divulgação 38% 39% 42% 51% 47% 46% 29% 30% 28% 35% 34% 24% Investimentos Poupança Redução das emissões ano a ano Investimentos Poupança Nota: N 2011 = 1171, N 2012 = 1017 Nota: N 2011 = 80, N 2012 = 59 Redução das emissões ano a ano 20

Agenda. O que é o CDP O que é o CDP Supply Chain CDP Supply Chain 2014

Agenda. O que é o CDP O que é o CDP Supply Chain CDP Supply Chain 2014 www.cdp.net @CDP Agenda O que é o CDP O que é o CDP Supply Chain CDP Supply Chain 2014 O que é Organização internacional que trabalha com as principais forças do mercado para motivar as empresas e cidades

Leia mais

Sustentabilidade Planetária: Mudanças Climáticas Globais. André Rocha Ferretti Fundação O Boticário de Proteção à Natureza

Sustentabilidade Planetária: Mudanças Climáticas Globais. André Rocha Ferretti Fundação O Boticário de Proteção à Natureza Sustentabilidade Planetária: Mudanças Climáticas Globais André Rocha Ferretti Fundação O Boticário de Proteção à Natureza Via Láctea Estamos aqui Sistema Solar Terra Estamos aqui Planeta Terra Estamos

Leia mais

CDP Supply Chain. Gestão de emissões, riscos e oportunidades ao longo da cadeia de valor. Novembro 2014. Evento Frotas & Fretes Verdes 2014

CDP Supply Chain. Gestão de emissões, riscos e oportunidades ao longo da cadeia de valor. Novembro 2014. Evento Frotas & Fretes Verdes 2014 CDP Supply Chain Gestão de emissões, riscos e oportunidades ao longo da cadeia de valor Novembro 2014 Evento Frotas & Fretes Verdes 2014 Page 1 CDP, maior sistema de divulgação ambiental do mundo Mais

Leia mais

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali:

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: Briefing A Caminho de Bali Brasília, 21 de Novembro 2007 O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: O que o mundo precisa fazer para combater as mudanças climáticas As mudanças climáticas são, sem dúvida,

Leia mais

Estratégias Empresariais de Adaptação

Estratégias Empresariais de Adaptação Estratégias Empresariais de Adaptação Seminário: Cenários Corporativos de Riscos Climáticos no Brasil e a Inovação Regulatória da Administração Barack Obama 29 de setembro, 2015 MISSÃO Expandir continuamente

Leia mais

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental 1 Melhoria do desempenho ambiental implementação do Sistema de Gestão Ambiental A Caixa Geral de Depósitos (CGD) tem implementado

Leia mais

Mudanças Climáticas Ameaças e Oportunidade para a Braskem. Jorge Soto 11/08/2015

Mudanças Climáticas Ameaças e Oportunidade para a Braskem. Jorge Soto 11/08/2015 Mudanças Climáticas Ameaças e Oportunidade para a Braskem Jorge Soto 11/08/2015 1 Braskem INTEGRAÇÃO COMPETITIVA EXTRAÇÃO Matérias Primas 1 ª GERAÇÃO Petroquímicos Básicos 2 ª GERAÇÃO Resinas Termoplásticas

Leia mais

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2011

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2011 Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2011 Resumo Este documento apresenta o Inventário corporativo de Emissões Diretas e Indiretas

Leia mais

Performance com Propósito. A promessa da PepsiCo

Performance com Propósito. A promessa da PepsiCo Performance com Propósito A promessa da PepsiCo Performance com Propósito A promessa da PepsiCo Na PepsiCo, Performance com Propósito significa gerar crescimento sustentável através do investimento em

Leia mais

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Iniciativas Globais Aliança do Setor Privado para a Redução do

Leia mais

Pesquisa Energy Efficiency Indicator 2011 Resultados - Parceiros Brasil. Resumo - Resultados Parceiros Brasil

Pesquisa Energy Efficiency Indicator 2011 Resultados - Parceiros Brasil. Resumo - Resultados Parceiros Brasil Pesquisa Energy Efficiency Indicator 2011 Resultados - Parceiros Resumo - Resultados Parceiros Agosto de 2011 Introdução A quinta edição da pesquisa anual Energy Efficiency Indicator, analisou a opinião

Leia mais

ENERGY EFFICIENCY INDICATOR

ENERGY EFFICIENCY INDICATOR ENERGY EFFICIENCY INDICATOR Resultados 2011 Parceiros Brasil 1 A PESQUISA ENERGY EFFICIENCY INDICATOR Em sua quinta edição, a pesquisa atingiu quase 4 mil respondentes A pesquisa global Energy Efficiency

Leia mais

Conhecendo os Serviços Ecossistêmicos

Conhecendo os Serviços Ecossistêmicos Os materiais de treinamento da ESR foram preparados para empresários e gerentes de negócios interessados em aprender e compartilhar em suas empresas a metodologia da ESR. Estes materiais fornecem conhecimento

Leia mais

ESTRATÉGIA ECONÔMICA LEAPFROG DO SÉCULO XXI: O RIO GRANDE DO SUL TORNA-SE O LUGAR MAIS SUSTENTÁVEL E INOVADOR DA AMÉRICA LATINA ATÉ 2030

ESTRATÉGIA ECONÔMICA LEAPFROG DO SÉCULO XXI: O RIO GRANDE DO SUL TORNA-SE O LUGAR MAIS SUSTENTÁVEL E INOVADOR DA AMÉRICA LATINA ATÉ 2030 ESTRATÉGIA ECONÔMICA LEAPFROG DO SÉCULO XXI: O RIO GRANDE DO SUL TORNA-SE O LUGAR MAIS SUSTENTÁVEL E INOVADOR DA AMÉRICA LATINA ATÉ 2030 Um relatório para o Governo do Estado do Rio Grande Sul (AGDI) e

Leia mais

Empresas e as mudanças climáticas

Empresas e as mudanças climáticas Empresas e as mudanças climáticas O setor empresarial brasileiro, por meio de empresas inovadoras, vem se movimentando rumo à economia de baixo carbono, avaliando seus riscos e oportunidades e discutindo

Leia mais

Visão estratégica para compras

Visão estratégica para compras Visão estratégica para compras FogStock?Thinkstock 40 KPMG Business Magazine Mudanças de cenário exigem reposicionamento do setor de suprimentos O perfil do departamento de suprimentos das empresas não

Leia mais

A crescente importância de uma adequada gestão da água

A crescente importância de uma adequada gestão da água www.pwc.pt A crescente importância de uma adequada gestão da água CDP Spring Workshop 2015 19 de março 2015 Índice 1. Porque é que a água é cada vez mais relevante? 2. Quais os riscos para o negócio? 3.

Leia mais

agility made possible

agility made possible RESUMO DA SOLUÇÃO CA ecodesktop posso fornecer economias de custos e reduções no consumo de energia e na pegada de carbono de PCs e desktops de maneira precisa? agility made possible Você pode. Com o CA

Leia mais

Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011

Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011 Janeiro 2011 Exclusivamente para empresas de médio porte Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011 Relatório para o Brasil Panorama global: Pesquisa com 2.112 líderes do mercado de

Leia mais

O Supply Chain Evoluiu?

O Supply Chain Evoluiu? O Supply Chain Evoluiu? Apresentação - 24º Simpósio de Supply Chain & Logística 0 A percepção de estagnação do Supply Chain influenciada pela volatilidade do ambiente econômico nos motivou a entender sua

Leia mais

A gestão de risco, no topo da agenda

A gestão de risco, no topo da agenda A gestão de risco, no topo da agenda 4 KPMG Business Magazine Ambiente de incertezas e estagnação econômica traz novos desafios em GRC O gerenciamento de riscos permanece no topo da agenda corporativa

Leia mais

Faça mais com menos. Descubra o gerenciamento de dados descomplicado usando o IBM Informix

Faça mais com menos. Descubra o gerenciamento de dados descomplicado usando o IBM Informix Faça mais com menos Descubra o gerenciamento de dados descomplicado usando o IBM Informix Índice 2 Descomplicado Concentre seus recursos no crescimento, e não na administração. 1 Ágil Amplie seus negócios

Leia mais

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Maio de 2010 Conteúdo Introdução...4 Principais conclusões...5 Dados adicionais da pesquisa...14 Nossas ofertas de serviços em mídias sociais...21

Leia mais

Avaliação de Marca. Uma ferramenta estratégica e versátil para os negócios. Creating and managing brand value

Avaliação de Marca. Uma ferramenta estratégica e versátil para os negócios. Creating and managing brand value Avaliação de Marca Uma ferramenta estratégica e versátil para os negócios Creating and managing brand value TM Interbrand Pg. 2 Avaliação de Marca Uma ferramenta estratégica e versátil para os negócios

Leia mais

WWDR4 Resumo histórico

WWDR4 Resumo histórico WWDR4 Resumo histórico Os recursos hídricos do planeta estão sob pressão do crescimento rápido das demandas por água e das mudanças climáticas, diz novo Relatório Mundial das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento

Leia mais

O papel do CFO na estratégia corporativa

O papel do CFO na estratégia corporativa O papel do CFO na estratégia corporativa Paola Sardi Madueño, Diretora de Estratégia da Monitor Deloitte Dezembro 2014 Tendências globais (1/2) Embora com pesos diferentes, existem algumas tendências globais

Leia mais

Terceirização de RH e o líder de TI SUMÁRIO EXECUTIVO. Sua tecnologia de RH está lhe proporcionando flexibilidade em TI?

Terceirização de RH e o líder de TI SUMÁRIO EXECUTIVO. Sua tecnologia de RH está lhe proporcionando flexibilidade em TI? SUMÁRIO EXECUTIVO Sua tecnologia de RH está lhe proporcionando flexibilidade em TI? EM ASSOCIAÇÃO COM A TERCEIRIZAÇÃO DE RH LIBERA AS EQUIPES DE TI Nove em cada 10 CIOs se preocupam em reter os melhores

Leia mais

Os consumidores avaliarão as iniciativas de sustentabilidade das empresas

Os consumidores avaliarão as iniciativas de sustentabilidade das empresas MEDIA COVERAGE Low Carbon Technology Partnerships initiative Sao Paulo Roundtable, October 7, 2015 Os consumidores avaliarão as iniciativas de sustentabilidade das empresas Peter White, diretor do Conselho

Leia mais

COMPRAS PÚBLICAS E O PLANO DE AÇÃO PARA PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS 6o Fórum da A3P Brasília, 10 de novembro de 2011

COMPRAS PÚBLICAS E O PLANO DE AÇÃO PARA PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS 6o Fórum da A3P Brasília, 10 de novembro de 2011 COMPRAS PÚBLICAS E O PLANO DE AÇÃO PARA PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS 6o Fórum da A3P Brasília, 10 de novembro de 2011 Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania

Leia mais

Sucesso em meio a incertezas

Sucesso em meio a incertezas Sucesso em meio a incertezas Práticas e tendências em redução estratégica de custos na América Latina Pesquisa 06 Sumário executivo Os fatores macroeconômicos têm exercido forte impacto sobre as prioridades

Leia mais

Inovação e Empreendedorismo

Inovação e Empreendedorismo Inovação e Empreendedorismo Kami Saidi Diretor de Operações & Sustentabilidade HP Brasil 09-maio-13 HP Commitment Many assume, wrongly, that a company exists simply to make money... the real reason HP

Leia mais

Cidades Verdes. Cidades e Mudanças Climáticas no Brasil: Resultados Preliminares

Cidades Verdes. Cidades e Mudanças Climáticas no Brasil: Resultados Preliminares Cidades Verdes Cidades e Mudanças Climáticas no Brasil: Resultados Preliminares Cidades Brasileiras e Mudanças Climáticas Emissões de GEE Vulnerabilidade Ações das cidades brasileiras Oportunidades de

Leia mais

Enfrentar a crise climática vai ajudar a resolver a crise financeira a perspectiva do Greenpeace

Enfrentar a crise climática vai ajudar a resolver a crise financeira a perspectiva do Greenpeace Enfrentar a crise climática vai ajudar a resolver a crise financeira a perspectiva do Greenpeace Manaus Av. Joaquim Nabuco, 2367, Centro CEP: 69020-031 Tel.: +55 92 4009-8000 Fax: +55 92 4009-8004 São

Leia mais

Pressão sobre os recursos nos mercados globais de commodities afeta economia global

Pressão sobre os recursos nos mercados globais de commodities afeta economia global Pressão sobre os recursos nos mercados globais de commodities afeta economia global Conclusão é do novo relatório do Earth Security Group, lançado hoje em São Paulo na sede da Cargill São Paulo, 23 de

Leia mais

Reduza os riscos. Reduza os custos. Aumente o desempenho.

Reduza os riscos. Reduza os custos. Aumente o desempenho. Reduza os riscos. Reduza os custos. Aumente o desempenho. Serviços para uma gestão de compras profissional. Tenha melhores informações, tome decisões melhores. Serviço de Gestão de Fornecedores (CSMS)

Leia mais

Under Strict Embargo Not for distribution or publication until 19 November, 2014, 10:01 Washington D.C. Time (EST)/15:01 GMT

Under Strict Embargo Not for distribution or publication until 19 November, 2014, 10:01 Washington D.C. Time (EST)/15:01 GMT Under Strict Embargo Not for distribution or publication until 19 November, 2014, 10:01 Washington D.C. Time (EST)/15:01 GMT NEGOCIAÇÕES FUNDAMENTAIS SOBRE MUDANÇA CLIMÁTICA CRUCIAL NOS PRÓXIMOS DIAS EM

Leia mais

Visão. Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono. do Desenvolvimento. nº 97 4 ago 2011

Visão. Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono. do Desenvolvimento. nº 97 4 ago 2011 Visão do Desenvolvimento nº 97 4 ago 2011 Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono Por André Albuquerque Sant Anna (APE) e Frederico Costa Carvalho (AMA) Economistas

Leia mais

A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras

A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras Emilio Lèbre La Rovere Coordenador, CentroClima/LIMA/PPE/COPPE/UFRJ 2º Encontro dos Secretários

Leia mais

DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS

DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS CONTEÚDO CRITÉRIO I - POLÍTICA... 2 INDICADOR 1: COMPROMISSO, ABRANGÊNCIA E DIVULGAÇÃO... 2 CRITÉRIO II GESTÃO... 3 INDICADOR 2: RESPONSABILIDADES... 3 INDICADOR 3: PLANEJAMENTO/GESTÃO

Leia mais

Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Relatório de Atividades em Evento de Sustentabilidade FIESC 2012

Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Relatório de Atividades em Evento de Sustentabilidade FIESC 2012 Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa Relatório de Atividades em Evento de Sustentabilidade FIESC 2012 Julho de 2012 A natureza criou o tapete sem fim que recobre a superfície da terra. Dentro

Leia mais

Introdução. A Internet de Todas as Coisas está pronta para gerar pelo menos US$ 613 bilhões em lucros empresariais mundiais no. ano de 2013.

Introdução. A Internet de Todas as Coisas está pronta para gerar pelo menos US$ 613 bilhões em lucros empresariais mundiais no. ano de 2013. Internet de Todas as Coisas (IoE). 10 principais descobertas da Pesquisa Índice de valor da IoE da Cisco com 7.500 responsáveis pela tomada de decisão em 12 países Joseph Bradley Jeff Loucks Andy Noronha

Leia mais

NOTA DE IMPRENSA. Embargado até 27/11/2007, às 10h (horário de Brasília) Aquecimento global vai ampliar as desigualdades na América Latina

NOTA DE IMPRENSA. Embargado até 27/11/2007, às 10h (horário de Brasília) Aquecimento global vai ampliar as desigualdades na América Latina NOTA DE IMPRENSA Embargado até 27/11/2007, às 10h (horário de Brasília) Aquecimento global vai ampliar as desigualdades na América Latina Relatório de desenvolvimento humano 2007/2008 estabelece o caminho

Leia mais

PRESS RELEASE. Empresas portuguesas reduzem emissões de carbono, embora não possuam estratégias de redução de emissões a longo prazo

PRESS RELEASE. Empresas portuguesas reduzem emissões de carbono, embora não possuam estratégias de redução de emissões a longo prazo PRESS RELEASE Iberia 125 Climate Change Report Empresas portuguesas reduzem emissões de carbono, embora não possuam estratégias de redução de emissões a longo prazo O relatório Iberia 125 Climate Change

Leia mais

Interdependência da Produção Globalizada. Aon Global Risk Consulting - AGRC Alexandre Botelho Outubro 2013

Interdependência da Produção Globalizada. Aon Global Risk Consulting - AGRC Alexandre Botelho Outubro 2013 Interdependência da Produção Globalizada Aon Global Risk Consulting - AGRC Alexandre Botelho Outubro 2013 Cenário atual Mundo globalizado Altíssima velocidade de difusão da informação Grande integração

Leia mais

CIOs da região Ásia-Pacífico interessados em. liderar o setor de big data e da nuvem

CIOs da região Ásia-Pacífico interessados em. liderar o setor de big data e da nuvem 8 A pesquisa indica ênfase na criação de valor, mais do que na economia de custos; o investimento em big data, na nuvem e na segurança é predominante CIOs da região Ásia-Pacífico interessados em liderar

Leia mais

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade significa permanecer vivo. Somos mais de 7 bilhões de habitantes e chegaremos a 9 bilhões em 2050, segundo a ONU. O ambiente tem limites e é preciso fazer

Leia mais

Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos

Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos w Gestão Ambiental na Sabesp Workshop Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos Sup. Wanderley da Silva Paganini São Paulo, 05 de maio de 2011. Lei Federal 11.445/07 Lei do Saneamento

Leia mais

CDP - SUPPLY CHAIN BRASIL DESAFIOS E CONQUISTAS - 2014 BUSINESS CASES

CDP - SUPPLY CHAIN BRASIL DESAFIOS E CONQUISTAS - 2014 BUSINESS CASES CDP - SUPPLY CHAIN BRASIL DESAFIOS E CONQUISTAS - 2014 BUSINESS CASES Profa. Dra. Priscila Borin de Oliveira Claro priscila.claro@insper.edu.br 05/02/2015 Apoio: Agenda Apresentação Parceria CDP e Insper

Leia mais

CDP Supply Chain 2012 - Pedido de Informações

CDP Supply Chain 2012 - Pedido de Informações CDP Supply Chain 2012 - Pedido de Informações O conjunto de perguntas a seguir compõe o Pedido de Informação do CDP Supply Chain 2012. Solicita-se as companhias que respostas às perguntas através do Online

Leia mais

PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL

PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL SENADO FEDERAL COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL AGENDA RUMOS DA POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA 2011-2012 PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL Prof. Dr. Rex Nazaré Alves 19 de setembro de 2011

Leia mais

O que esperar do gerenciamento de riscos É hora de agir CUTTING THROUGH COMPLEXITY. As oito prioridades em gerenciamento de risco para os executivos

O que esperar do gerenciamento de riscos É hora de agir CUTTING THROUGH COMPLEXITY. As oito prioridades em gerenciamento de risco para os executivos CUTTING THROUGH COMPLEXITY O que esperar do gerenciamento de riscos É hora de agir As oito prioridades em gerenciamento de risco para os executivos kpmg.com/br Em colaboração com a EIU - Economist Intelligence

Leia mais

Piloto BIM Primeiros Passos

Piloto BIM Primeiros Passos Piloto BIM Primeiros Passos O que é o BIM? Estrutura para implantação do projeto piloto BIM Visão BIM Impulsão de Liderança BIM Nova liderança BIM Primeiros passos em seu projeto piloto BIM Mudar para

Leia mais

Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol

Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol Resenha Desenvolvimento / Economia e Comércio Raphael Rezende Esteves 22 de março de 2007 1 Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol

Leia mais

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES Por cerca de 50 anos, a série Boletim Verde descreve como a John Deere conduz os negócios e coloca seus valores em prática. Os boletins eram guias para os julgamentos e as

Leia mais

ANDREIA BANHE CDP SUPPLY CHAIN

ANDREIA BANHE CDP SUPPLY CHAIN ANDREIA BANHE CDP SUPPLY CHAIN Workshop com os fornecedores do Banco Bradesco: CDP Supply Chain 2013 19 de Junho de 2013 respond@cdp.net Agenda O que é o CDP? Sobre o programa CDP Supply Chain; Como responder

Leia mais

Investimentos Florestais: A Alternativa Natural

Investimentos Florestais: A Alternativa Natural Investimentos Florestais: A Alternativa Natural Investimentos Florestais: A Alternativa Natural Atualmente, o mercado financeiro é caracterizado por altos níveis de volatilidade e incerteza- o que não

Leia mais

Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo

Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo Economia Móvel América Latina 2013 A GSMA representa os interesses da indústria mundial de comunicações móveis. Presente em mais de 220 países, a GSMA

Leia mais

Agregando valor com Business Service Innovation

Agregando valor com Business Service Innovation Agregando valor com Business Service Innovation A TI é enorme. Existem tantos bits no universo digital quanto estrelas em nosso universo físico. é arriscada. Dois terços dos projetos de TI estão em risco,

Leia mais

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo INTRODUÇÃO O Balanced Scorecard (BSC) é uma metodologia desenvolvida para traduzir, em termos operacionais, a Visão e a Estratégia das organizações

Leia mais

Ficha de Inscrição do 18º Prêmio Expressão de Ecologia

Ficha de Inscrição do 18º Prêmio Expressão de Ecologia Ficha de Inscrição do 18º Prêmio Expressão de Ecologia OBS: Apresentação obrigatória na primeira página do case 1. Informações cadastrais a) Identificação: empresa b) Nome: Walmart Brasil c) Setor: Comércio

Leia mais

Monitoramento de data centers

Monitoramento de data centers Monitoramento de data centers Os data centers são hoje um ambiente complexo, com inúmeras variáveis para gerenciar. Os métodos usados pelas empresas são específicos e incapazes de fazer comparações adequadas

Leia mais

Células de combustível

Células de combustível Células de combustível A procura de energia no Mundo está a aumentar a um ritmo alarmante. A organização WETO (World Energy Technology and Climate Policy Outlook) prevê um crescimento anual de 1,8 % do

Leia mais

Inovação revolucionária

Inovação revolucionária 10Minutos Pesquisa Estratégia de crescimento Inovação revolucionária Destaques Quase metade dos entrevistados (43%) vê a inovação como uma necessidade competitiva para a sua organização. Em um horizonte

Leia mais

Jornada da Indústria pela Sustentabilidade FIESP 7/11/2013. Ferramentas para gestão responsável com ênfase na ISO 26000

Jornada da Indústria pela Sustentabilidade FIESP 7/11/2013. Ferramentas para gestão responsável com ênfase na ISO 26000 Jornada da Indústria pela Sustentabilidade FIESP 7/11/2013 Ferramentas para gestão responsável com ênfase na ISO 26000 Grandes desafios globais da humanidade Mudanças climáticas Água potável para todos

Leia mais

Minando nosso futuro Um estudo dos investimentos dos bancos em um grupo de companhias ativas em combustíveis fósseis e energias renováveis

Minando nosso futuro Um estudo dos investimentos dos bancos em um grupo de companhias ativas em combustíveis fósseis e energias renováveis Minando nosso futuro Um estudo dos investimentos dos bancos em um grupo de companhias ativas em combustíveis fósseis e energias renováveis Um estudo de caso da Fair Finance Guide International 5 de novembro

Leia mais

O RELATÓRIO DE ENERGIA ENERGIA 100% RENOVÁVEL ATÉ 2050

O RELATÓRIO DE ENERGIA ENERGIA 100% RENOVÁVEL ATÉ 2050 O RELATÓRIO DE ENERGIA ENERGIA 100% RENOVÁVEL ATÉ 2050 Este Relatório foi possível graças ao generoso apoio da ENECO ISBN 978 2 940443 26 0 Fotografia da capa: Wild Wonders of Europe / Inaki Relanzon /

Leia mais

Apimec Florianópolis. Dezembro 2013

Apimec Florianópolis. Dezembro 2013 Apimec Florianópolis Dezembro 2013 Exoneração de Responsabilidades Esta apresentação não constitui uma oferta, convite ou pedido de qualquer forma, para a subscrição ou compra de ações ou qualquer outro

Leia mais

Relatório de atribuição do Certificado off7. Observatório Português de Boas práticas Laborais

Relatório de atribuição do Certificado off7. Observatório Português de Boas práticas Laborais Relatório de atribuição do Certificado off7 Observatório Português de Boas práticas Laborais Ano: 2011 1. Índice 1. ÍNDICE... 2 2. SUMÁRIO EXECUTIVO... 3 3. INTRODUÇÃO... 5 4. MEDIR... 8 4.1. METODOLOGIA

Leia mais

ENERGIA X MEIO AMBIENTE: O QUE DIZ O RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE DE FURNAS?

ENERGIA X MEIO AMBIENTE: O QUE DIZ O RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE DE FURNAS? ENERGIA X MEIO AMBIENTE: O QUE DIZ O RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE DE FURNAS? Maranhão, R.A. 1 1 PECE/POLI/USP, MBA em Gestão e Tecnologias Ambientais, Biológo e Mestre em Geografia, romeroalbuquerque@bol.com.br

Leia mais

Transforme. Transforme a TI. a empresa. Três imperativos da TI para a transformação da empresa realizada pelo CIO em um mundo dinâmico.

Transforme. Transforme a TI. a empresa. Três imperativos da TI para a transformação da empresa realizada pelo CIO em um mundo dinâmico. TECH DOSSIER Transforme a TI Transforme a empresa Três imperativos da TI para a transformação da empresa realizada pelo CIO em um mundo dinâmico. Consolidar para conduzir a visibilidade da empresa e a

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2013 Ford Nome fantasia: Ford - CNPJ: 03.470.727/0001-20 Tipo da empresa: Matriz Setor econômico: C. Indústrias de transformação

Leia mais

Mudanças Climáticas na Vale

Mudanças Climáticas na Vale 30/09/2011 Mudanças Climáticas na Vale Gerência de Nova Economia e Mudanças Climáticas Departamento de Desenvolvimento Sustentável Política de Sustentabilidade Operador Sustentável Legado Econômico, Social

Leia mais

REGIONALIZAÇÃO GLOBALIZAÇÃO DAS CONTAS DE VIAGENS CORPORATIVAS

REGIONALIZAÇÃO GLOBALIZAÇÃO DAS CONTAS DE VIAGENS CORPORATIVAS REGIONALIZAÇÃO GLOBALIZAÇÃO DAS CONTAS DE VIAGENS CORPORATIVAS 3 A pesquisa sobre Regionalização e Globalização de viagens corporativas, encomendada pelo Instituto Alatur e HRG Brasil foi realizada em

Leia mais

INFORMAÇÕES CONECTADAS

INFORMAÇÕES CONECTADAS INFORMAÇÕES CONECTADAS Soluções de Negócios para o Setor de Serviços Públicos Primavera Project Portfolio Management Solutions ORACLE É A EMPRESA Alcance excelência operacional com fortes soluções de gerenciamento

Leia mais

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2010

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2010 Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2010 Resumo Este documento apresenta o Inventário corporativo de Emissões Diretas e Indiretas

Leia mais

GESTÃO CARBONO 2014 (BASE 2013)

GESTÃO CARBONO 2014 (BASE 2013) GESTÃO CARBONO 2014 (BASE ) O CENÁRIO DO CARBONO E A EVEN O Cenário do Carbono A principal ameaça ao meio-ambiente são as mudanças climáticas decorrentes do aumento das emissões de Gases de Efeito Estufa,

Leia mais

O Mercado americano de Tecnologia 2014/2015

O Mercado americano de Tecnologia 2014/2015 O Mercado americano de Tecnologia 2014/2015 1. Considerações Gerais Os Estados Unidos, maior potência mundial e tecnológica, apresenta projeções cada vez mais otimistas. Desde 2008, no estouro da crise

Leia mais

2 a E D I Ç Ã O 2 0 1 3

2 a E D I Ç Ã O 2 0 1 3 2 a EDIÇÃO 2013 2 a EDIÇÃO 2013 Créditos CEBDS - Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (Brazilian Business Council for Sustainable Development) Av. das Américas, 1.155 grupo

Leia mais

Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente

Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente Redesenhando a forma como empresas operam e envolvem seus clientes e colaboradores no mundo digital. Comece > Você pode construir de fato uma

Leia mais

Artigo publicado. na edição 29. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2012

Artigo publicado. na edição 29. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2012 Artigo publicado na edição 29 Assine a revista através do nosso site julho e agosto de 2012 www.revistamundologistica.com.br Paulo Guedes :: opinião O crescimento dos Gastos Logísticos no Brasil e no mundo

Leia mais

2012 - Panorama Energético: Perspectivas para 2040

2012 - Panorama Energético: Perspectivas para 2040 212 - Panorama Energético: Perspectivas para Índice Fundamentos globais 2 Residencial/comercial 3 Transportes 4 Industrial 5 Geração de eletricidade 6 Emissões 7 Fornecimento e tecnologia 8 Conclusão 9

Leia mais

Cada empresa é uma empresa de informação. Não

Cada empresa é uma empresa de informação. Não Gestão da Informação Corporativa OpenText Desligue o seu celular e o seu computador. Desligue os seus servidores. E agora você consegue fazer negócios? Cada empresa é uma empresa de informação. Não importa

Leia mais

Nossa História. Ajudando o mundo a produzir os alimentos de que precisa

Nossa História. Ajudando o mundo a produzir os alimentos de que precisa Nossa História Ajudando o mundo a produzir os alimentos de que precisa O desafio é imenso: acabar com a fome, dobrar a produção de alimentos até 2050 e ajudar a reduzir o impacto ambiental da agricultura

Leia mais

Edição 44 (Abril/2014)

Edição 44 (Abril/2014) Edição 44 (Abril/2014) Cenário Econômico: Prévia da inflação tem maior alta desde janeiro de 2013 O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15), considerado a prévia da inflação oficial,

Leia mais

A WaterAid e as mudanças climáticas

A WaterAid e as mudanças climáticas A WaterAid e as mudanças climáticas Kajal Gautam, 16 anos, e a prima, Khushboo Gautam, 16 anos, regressando a casa depois de irem buscar água em Nihura Basti, Kanpur, na Índia. WaterAid/ Poulomi Basu Louise

Leia mais

Inventário de Gases de Efeito Estufa

Inventário de Gases de Efeito Estufa Inventário de Gases de Efeito Estufa Gerenciamento de Informações e Ações Dirigidas Nicole Celupi - Three Phase Gerenciamento de Informações e Ações Dirigidas Institucional A Three Phase foi criada em

Leia mais

Como sua empresa pode

Como sua empresa pode Como sua empresa pode [ O guia de segmentação por IP ] Tecnologia de Inteligência de IP e de geolocalização O método de encontrar a localização física e geográfica de um usuário com base unicamente em

Leia mais

Eficiência Energética em tempos de COP-21. Nov 2015

Eficiência Energética em tempos de COP-21. Nov 2015 Eficiência Energética em tempos de COP-21 Nov 2015 1 Schneider Electric, o especialista global em gerenciamento de energia e automação 25 bilhões receita em 2014 ~5% das receitas aplicadas em P&D ~170,000

Leia mais

Fatores para a mudança em direção à sustentabilidade

Fatores para a mudança em direção à sustentabilidade Mudanças Climáticas - Caminhos e Soluções Fatores para a mudança em direção à sustentabilidade ECOLATINA - 2007 Breve histórico: 1972: Conferência sobre Meio Ambiente ONU / Estocolmo 1980: Superfund -

Leia mais

ÁFRICA DO SUL, ANTES E DEPOIS

ÁFRICA DO SUL, ANTES E DEPOIS ABRAS SETEMBRO 2015 ÁFRICA DO SUL, ANTES E DEPOIS EM RESUMO R55 BILHÕES RECEITAS HEMISFÉRIO SUL PRESENÇA > 1000 LOJAS NA ÁFRICA DO SUL ÁFRICA AUSTRÁLIA WOOLWORTHS ÁFRICA DO SUL ÁFRICA COUNTRY ROAD GROUP

Leia mais

IBM Corporation Maio de 2007. O Novo CIO: Agente de Inovação e Líder de Negócios

IBM Corporation Maio de 2007. O Novo CIO: Agente de Inovação e Líder de Negócios IBM Corporation Maio de 2007 O Novo CIO: Página Conteúdo 3 Resumo Executivo 6 O panorama dos negócios está mudando 7 A inovação no modelo de negócios é crítica 7 Alavancando o Valor Empresarial da Tecnologia:

Leia mais

Declaração Conjunta Brasil-Alemanha sobre Mudança do Clima Brasília, 20 de agosto de 2015

Declaração Conjunta Brasil-Alemanha sobre Mudança do Clima Brasília, 20 de agosto de 2015 Declaração Conjunta Brasil-Alemanha sobre Mudança do Clima Brasília, 20 de agosto de 2015 1. A Presidenta da República Federativa do Brasil, Dilma Rousseff, e a Chanceler da República Federal da Alemanha,

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas na Guatemala. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas na Guatemala. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas na Guatemala Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Na Guatemala, existem várias definições fornecidas por diferentes instituições

Leia mais

A próxima grande ideia: integrando inovação e gerenciamento de portfólio Usando o software IBM Rational Focal Point e as soluções Brightidea

A próxima grande ideia: integrando inovação e gerenciamento de portfólio Usando o software IBM Rational Focal Point e as soluções Brightidea Software IBM Inovação e Gerenciamento de Portfólio A próxima grande ideia: integrando inovação e gerenciamento de portfólio Usando o software IBM Rational Focal Point e as soluções Brightidea 2 A próxima

Leia mais

GOVERNANÇA EM TI. Prof. Acrisio Tavares

GOVERNANÇA EM TI. Prof. Acrisio Tavares GESTÃO ESTRATÉGICA DO SUPRIMENTO E O IMPACTO NO DESEMPENHO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS SÉRIE ESPECIAL PCSS A GOVERNANÇA EM TI, SEU DIFERENCIAL E APOIO AO CRESCIMENTO Prof. Acrisio Tavares G GOVERNANÇA EM

Leia mais

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP Soluções integradas para a Indústria do turismo empresarial THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP A equipa da XYM Hospitality e os seus parceiros possuem vastos conhecimentos sobre a

Leia mais

10º Estudo da Gestão de TI no Brasil

10º Estudo da Gestão de TI no Brasil www.pwc.com/br 10º Estudo da Gestão de TI no Brasil Sumário executivo Maio de 2011 PwC Índice Introdução Resultados Conclusão 3 5 11 1 1. Introdução A 10º edição do Estudo da Gestão de Tecnologia da

Leia mais

Comunicação com o mercado

Comunicação com o mercado 10Minutos Relato Integrado Aumente sua credibilidade e crie valor de longo prazo Comunicação com o mercado Destaques Hoje os investidores precisam ter uma visão mais clara da estratégia e dos riscos de

Leia mais

Boletim Informativo Tecnologia e inovação

Boletim Informativo Tecnologia e inovação Boletim Informativo 01 Buscamos contar com a melhor tecnologia de mineração e processamento disponível e inovar com novas maneiras de operação que irão beneficiar nossos negócios, funcionários, clientes

Leia mais

Risco na medida certa

Risco na medida certa Risco na medida certa O mercado sinaliza a necessidade de estruturas mais robustas de gerenciamento dos fatores que André Coutinho, sócio da KPMG no Brasil na área de Risk & Compliance podem ameaçar a

Leia mais