Ricardo Galhardo de Bortoli A GESTÃO ESTRATÉGICA DE LOGÍSTICA NA SUPPLY CHAIN

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ricardo Galhardo de Bortoli A GESTÃO ESTRATÉGICA DE LOGÍSTICA NA SUPPLY CHAIN"

Transcrição

1 UNISALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Gestão Empresarial com Ênfase em Marketing e Recursos Humanos Ricardo Galhardo de Bortoli A GESTÃO ESTRATÉGICA DE LOGÍSTICA NA SUPPLY CHAIN LINS SP 2009

2 1 RICARDO GALHARDO DE BORTOLI A GESTÃO ESTRATÉGICA DE LOGÍSTICA NA SUPPLY CHAIN Monografia apresentada à Banca Examinadora do Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium, como requisito parcial para a obtenção do título, de especialista em Gestão Empresarial com Ênfase em Marketing e Recursos Humanos, sob a orientação do Profª M.Sc. Máris de Cássia Ribeiro e orientação técnica da Profª M.Sc. Heloísa Helena Rovery da Silva. LINS SP 2009

3 2 Bortoli, Ricardo Galhardo de B748g A gestão estratégica de logística na Supply Chain / Ricardo Galhardo de Bortolli. Lins, p. il. 31cm. Monografia apresentada ao Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium UNISALESIANO, Lins, SP para Pós-Graduação Lato Sensu em Gestão Empresarial com Ênfase em Marketing e Recursos Humanos, 2009 Orientadores: Máris de Cássia Ribeiro; Heloisa Helena Rovery da Silva 1. Gestão estratégica. 2. Logística industrial. Supply Chain. 3. Tecnologia da informação I Título. CDU 658

4 2 RICARDO GALHARDO DE BORTOLI A GESTÃO ESTRATÉGICA DE LOGÍSTICA NA SUPPLY CHAIN Monografia apresentada ao Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium, para obtenção do título de especialista em Gestão Empresarial com Ênfase em Marketing e Recursos Humanos. Aprovada em: / / Profª Orientadora: Máris de Cássia Ribeiro Titulação: Mestre em Administração pela Universidade Metodista de Piracicaba-SP Assinatura: Profª M. Sc. Heloisa Helena Rovery da Silva Titulação: Mestre em Administração pela CNEC/FACECA MG Assinatura:

5 3 Dedico este trabalho aos obstáculos que enfrentei e aos que ainda enfrentarei. Dedico ao futuro, e a todos com quem eu conseguirei dividir meus sonhos, aprendizados e minha fé.

6 4 AGRADECIMENTOS A Deus, Que me destes a oportunidade desta vida como aprendizado e resgate, e a todos os que trabalham em sua obra para que se cumpram os desígnios de nossa evolução espiritual. Aos Amigos, Cristiano, Francisco, André, Maria e a todos os outros... Que com muita paciência e amor me orientam e me guiam, sendo grandes parceiros de caminhada. A minha Família, Que comigo dividem as lagrimas e os sorrisos desta vida. Em especial a minha mãe que com toda sua simplicidade apaixonante me guiou até aqui e que sempre será meu amor eterno nesta em todas as outras vidas. A professora Máris e a professora Heloisa, Que nos marcam com carisma e simpatia, sendo ambas, exemplos como profissionais e como pessoas, podendo serem seguidas por seus alunos e amigos com muito carinho.

7 5 RESUMO A década de 1980 foi marcada pelo uso de novas tecnologias e estratégias de fabricação que buscam a redução de custos e maior competitividade. O interesse pelo assunto passou a se intensificar a partir de 1990 devido a fatores como a verticalização e maior especialização das organizações, aumento da competitividade nacional e internacional, permitindo ao consumidor maior liberdade na aquisição de um produto e o potencial competitivo obtido através do Supply Chain Management, proporcionando, entre outros, a redução nos custos e a maior agilidade de entrega. O desenvolvimento e a aplicação dos conceitos do gerenciamento da Supply Chain apresentam grande crescimento nas indústrias automobilísticas, devido ao alto nível de competitividade existente nesta atividade e ao seu pioneirismo na implantação de inovações tecnológicas e gerenciais dentro do ramo industrial. Com a quebra de barreiras alfandegárias, alterações nos padrões de competitividade global, e a alta exigência por qualidade, tornaram-se essenciais estratégias para dar suporte a estas mudanças. Essas transformações têm afetado significativamente a tarefa de gerenciar organizações, refletindo em uma busca intensa da aplicação de tecnologia de processos e principalmente no que diz respeito à informação como base para garantir operações eficazes e tomadas de decisões estratégicas e eficientes. A utilização da logística é essencial, pois contribui para proporcionar o gerenciamento eficiente da Supply Chain. Já que um dos maiores desafios enfrentados pelo ambiente empresarial, é possibilitar que o produto chegue ao consumidor no lugar certo, no momento certo, atendendo às necessidades dos clientes ao mesmo tempo maximizando a lucratividade da empresa. Palavras-chave: Gestão estratégica. Logística industrial. Supply chain. Tecnologia da informação.

8 6 ABSTRACT In the 1980s was marked by the use of new technologies and manufacturing strategies that seek to reduce costs and increased competitiveness. The Interest in the subject has been intensified since 1990 because of factors such as vertical and greater specialization of organizations, increasing national and international competitiveness, allowing consumers greater freedom in the acquisition of a product and the competitive potential obtained through the Supply Chain Management, providing, among others, the reduction in costs and greater speed of delivery. The development and application of the concepts of Supply Chain Management have large growth in the automotive industry, due to the high level of competition existing in this activity and its pioneering in the implementation of technological and managerial innovations within the industry. With the loss of customs barriers, changes in the patterns of global competitiveness, and high demand for quality, have become key strategies to support these changes. These changes have significantly affected the task of managing organizations, reflecting an intensive search in the application of technology of processes and especially with regard to information as a basis to ensure effective operations and making of efficient strategic of decision. The use of logistics is essential because it helps to provide efficient management of the Supply Chain. Since one of the biggest challenges faced by the business environment, it is possible that the product reaches the consumer in the right place at the right time, given the clients' needs while maximizing the profitability of the company. Keywords: Strategic Management. Logistics industry. Supply chain. Information technology.

9 7 LISTA DE FIGURAS Figura 1 - Taket Time e Lead Time...21 Figura 2 Relações de Competitividade entre as Supply Chain...30 Figura 3 Estrutura competitiva...47 Figura 4 Impactos de novos mercados sobre o lucro e o crescimento...60 Figura 5 Modelo das quatro ações...63 LISTA DE SIGLAS 4 Ps Produto, Preço, Ponto de venda, Promoção; BPR Business Process Reengineering; EDI Electronic Data Interchange; ERP - Enterprise Resource Planning; FOFA Forças, Oportunidades, Fraquezas, Ameaças; GE General Electrics; ISO International Organization for Standardization; JIT Just In Time; MRP Materials Requiriment Planning; MRP II Materials Requiriment Planning II; MRP III Materials Requiriment Planning III; RH Recursos Humanos; SCM Supply Chain Management; SWOT Strengths, Weaknesses, Opportunities, e Threats; TI Tecnologia da informação;

10 TQM Total de Quality Management. 8

11 9 SUMÁRIO INTRODUÇÃO CAPÍTULO I LOGÍSTICA O INÍCIO Logística industrial Lean Manufacturing Just in Time Taket Time e Lead Time MRP. MRP II e MRP III Enterprise Resource Planning - ERP Kanbam Gestão de Estoques Movimentação e Armazenagem Tecnologia nos processos Tecnologia da Informação como apoio ao sistema logístico Supply Chain Processos do Supply Chain Obstáculos para uma gestão estratégica da Supply Chain CAPÍTULO II GESTÃO ESTRATÉGICA APLICADA A SUPPLY CHAIN 35 2 ESTRATÉGIAS DE NEGÓCIOS A necessidade de ser estratégico Gestão dos processos e tecnologia da informação Business Process Management - BPM Abordagem de BPM nas organizações Planejamento estratégico Implementando estratégicas de negócios... 40

12 Oportunidades logísticas para a gestão estratégica A utilização do Supply Chain como estratégia competitiva Supply Chain Management SCM Análise de demanda em Supply Chain Planejamento estratégico agregado na Supply Chain Impactos financeiros na Supply Chain A importância da informação em uma Supply Chain CAPÍTULO III GESTÃO ESTRATÉGICA DA LOGÍSTICA NA SUPPLY CHAIN AGREGADA À TI COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO GESTÃO DA TI NA SUPPLY CHAIN Sistema logísticos de informação Competitividade, inovação e tecnologia A inserção da variável tecnologia no planejamento estratégico Criando novas oportunidades de mercado Estratégias de inovação de valores Ferramentas de análise Matriz de avaliação de valor Modelo das quatro ações Considerações sobre SCM no processo de inovação Metodologia seis sigma Ferramentas de análise para implantação de melhorias logísticas CONCLUSÃO REFERÊNCIAS... 72

13 11 INTRODUÇÃO A logística, vista como uma forte alinhada para redução de custos e tempo de fluxos e processos, é tema de alta relevância para a gestão empresarial. Principalmente devido à disputa acirrada pela participação de mercado. Considerando ainda essa competitividade desenfreada do mercado, que a cada dia amplia ainda mais suas dimensões e complexidades, as empresas não podem deixar de planejar estratégias para manter-se competitiva perante o mercado. Uma gestão estratégica oferece as diretrizes para que as organizações conquistem objetivos específicos, definidos de acordo com o seu posicionamento. A gestão estratégica da logística é uma junção de dois conceitos militares que visa proporcionar às organizações aumento da competitividade através da redução de custos, controle de processos, alinhamento de fluxos e melhor aproveitamento de tempo e recursos disponíveis. Após o advento da globalização e abertura dos mercados, as empresas passaram a considerar uma competitividade praticamente sem fronteiras. Organizações que não se adaptam a essa realidade perdem participação de mercado e ficam sujeitas à extinção. Iniciando na produção da matéria-prima, passando pela compra, processamento, armazenagem, distribuição e até chegar às mãos do consumidor final, a logística compreende diversas etapas onde parcerias e alinhamento de cada elo da cadeia produtiva, podem ser definidos com base nas estratégias da organização para a formação de diferenciais competitivos e aumento da eficiência nos resultados. O principal objetivo deste trabalho foi fundamentar gestão estratégica e logística, abordando sobre Supply Chain, analisando a importância da gestão estratégica e logística para na Supply Chain para as organizações. Identificando ainda os benefícios da otimização dos processos e da aplicação de tecnologia da informação como base para a gestão estratégica da logística

14 12 na Supply Chain. Desta forma, identificar a importância da gestão estratégica da logística e seus reflexos como fator de competitividade empresarial. À medida que a busca pela competitividade aumenta, as empresas se vêem demandando um esforço contínuo para lidar com as mudanças no mercado. Assim sendo, as adequações de seus padrões e procedimentos, além de cada vez mais necessárias, precisam de maior eficácia no processamento e disponibilização das informações. O que se vê com isso é a substituição efetiva de modelos tradicionais baseados na competição e num modelo de ganha-perde, por um modelo de cooperação e alianças a longo prazo, que resultam em novas responsabilidades e num cenário mais estável para as empresas aliadas em sua Supply Chain. Considerando a importância da gestão estratégica para obtenção da competitividade no mercado e a necessidade de links entre as empresas de uma determinada Supply Chain, identifica-se que a logística empresarial deve estar impreterivelmente alinhada às exigências do mercado e a estratégias sólidas de SCM. Existem ainda muitas empresas no mercado que não se sensibilizaram em relação ao tema e sua importância. Fato que na visão de vários profissionais qualificados e especializados, irá levar a extinção, num futuro não muito longínquo, tais empresas, assim como no passado, as empresas que atuavam sem qualidade, estão quase extintas nos dias atuais. Para identificar atender os objetivos deste trabalho a metodologia de pesquisa utilizada foi a revisão bibliográfica abordando os seguintes autores: Bertaglia, Chopra, Meindl, Lindgren, Martins e Alt, abrangendo o período de 2001 a O tema em questão estimula a leitura e pesquisa, devido a sua relevância frente às tendências mercadológicas apontadas pelos autores pesquisados, e ainda pela sua real necessidade tão visível e discutida no âmbito empresarial e acadêmico. E a priori, levantou-se o questionamento em confirmar se a otimização dos processos e a aplicação de TI como gestão estratégia de logística, implicam como diferencial competitivo para a Supply Chain.

15 13 Este trabalho está dividido em três capítulos que discursam sobre a pesquisa realizada, sendo assim organizados: Capítulo I aborda os conceitos sobre logística, descrevendo a Supply Chain e um enfoque nos processos industriais e sua influência na redução de custos e tempo de produção e entrega. Citando ainda a associação de recursos tecnológicos às técnicas de produção. Capítulo II estuda a importância da gestão estratégica e sua empregabilidade no contexto atual do mercado. Bem como, os reflexos de suas ações sobre a Supply Chain e estruturada com a aplicação de TI e redesenho de processos. Neste capítulo, apresentam-se exemplos de Supply Chain, discursando sobre suas oportunidades e incertezas. Capítulo III apresenta uma correlação entre a gestão estratégica da logística na Supply Chain agregada à tecnologia da informação, com novos métodos para possibilitar diferenciais competitivos ou mesmo para criação de novos mercados e oportunidades. Inovação, ferramentas de análise e tecnologias são aqui discutidas sob um enfoque estratégico. Por fim, encerrando a pesquisa que resultou neste trabalho, apresentamse as conclusões.

16 14 CAPÍTULO I LOGÍSTICA 1 O INÍCIO A logística é de origem militar e surgiu no intuito de colocar os recursos certos no local certo, na hora certa, com um só objetivo: vencer batalhas. Logo foi adaptada aos cenários empresariais procurando delinear os objetivos, ferramentas e componentes estratégicos, táticos e operacionais da organização frente ao seu mercado. No Brasil a logística apareceu nos anos de 1970, por meio de um de seus aspectos: a distribuição física, tanto interna quanto externa, é o que afirma Martins e Alt (2007). Hoje as organizações já perceberam o imenso potencial implícito nas atividades integradas de um sistema logístico. Os sistemas melhor estruturados e implantados são ligados a setores das indústrias automobilísticas, grandes varejistas tais como redes de supermercados. A logística é a responsável pelo planejamento, operação e controle de todo o fluxo de mercadorias e informação, desde a fonte fornecedora até o consumidor. Assim, dentro do espírito da empresa moderna, o básico da atividade logística é o atendimento do cliente. A Associação Européia de Logística levantou que 10,1% do preço final de um produto resulta do custo de logística, isso sem contar que a implantação das ferramentas de logística integrada já havia reduzido estes custos em 30% em 1987 este numero era de 14,3% (MARTINS; ALT, 2007, p 252). De acordo com Martins e Alt (2007), a logística baseia-se em alguns pontos básicos como: a movimentação dos produtos e das informações, o tempo, o custo e o nível de serviços. Além de ter como componentes á área comercial, a operação industrial, os fornecedores, administração e finanças e a distribuição física. Destes componentes o primeiro elo da cadeia logística é a área comercial que juntamente com a área de marketing, capta as necessidades do mercado e utiliza os recursos que dispõe para atendê-las. Um conceito muito utilizado pela área comercial e de marketing é o de valor, que retrata quanto o cliente está disposto a pagar pelo desempenho do produto ou serviço. Com a

17 15 logística é possível que estratégias de marketing e produção sejam executadas de forma sincronizada. A operação industrial, em virtude às necessidades de mercado, é projetada considerando a escolha dos recursos tecnológicos mais indicados, incluindo conceitos que hoje são fundamentais para a competitividade. A maioria destes conceitos está ligada à teoria do Lean Manufacturing, ou sistema de manufatura enxuta que será definido no tem 1.2 deste capítulo. Na logística moderna, os fornecedores são considerados como parceiros. Existe aqui a necessidade de um relacionamento aberto, que compreende desde o desenvolvimento conjunto do produto até contratos de fornecimento com preços, quantidade e prazos sujeitos a uma mútua administração. Aqui o JIT, o MRP ou MRP II aliado ao Kanban exerce uma função de interface entre os suprimentos e a comercialização do produto final. Na administração das finanças existe uma ênfase cada vez maior no fluxo de caixa. Quanto mais veloz a atividade logística da organização, maior a geração de caixa pelas empresas. A transformação rápida de pedidos em faturamento, a redução de investimentos em estoques em processo e inventários finais, a conectividade via Electronic Data Interchange EDI, com bancos agilizando as cobranças, a integração com fornecedores criando condições de fluxo de caixa mais preciso, são os instrumentos necessários para a implantação e o funcionamento de sistemas para o planejamento de recursos da empresa. As operações Industriais são fundamentais para a diminuição do Lead Time do produto, assim, fábrica e equipamentos influem tanto na logística como no fluxo de caixa. Outro componente logístico a considerar é a distribuição física. A localização das fábricas é hoje em função do mercado a que se está inserida. Tal localização é definida ainda pela estrutura de transporte existente. O conceito é reduzir os estoques de modo que os próprios meios de transporte tornem-se mini-armazéns. Com a utilização de transportes intermodais e com o advento de softwares, as empresas podem criar cenários e estabelecer a melhor opção possível dentro dos recursos disponíveis, para aumentar a competitividade empresarial.

18 16 Segundo Martins e Alt (2007), hoje é impossível adotar critérios de localização de fábricas e de centro de distribuição como no passado. O transporte deve ser o menor possível, pois o objetivo é levar o produto no tempo mais curto com o mínimo custo a consumidores espalhados por todo o globo. 1.1 Logística industrial Martins e Alt (2007), citam ainda que no final do século XIX, Frederick W. Taylor, considerado o pai da administração científica, surgiu nos Estados Unidos com a sistematização do conceito de produtividade, cuja procura por melhores métodos de trabalho e processos de produção eram incessante. Seu objetivo traduzia-se simplesmente em obtenção de melhor produtividade com o menor custo possível. Hoje, esse objetivo tornou-se tema central de todas as empresas, alternando-se apenas as técnicas utilizadas. Em 1910, Henry Ford estabeleceu a linha de montagem em série, revolucionando métodos e processos da época. Iniciou-se então o conceito da produção em massa, caracterizados por produtos extremamente padronizados e em grandes quantidades. Estas técnicas predominaram nas fábricas até meados da década de 60, quando surgiram novas técnicas, caracterizada e denominada produção enxuta, trazendo consigo diversos outros métodos. A partir de então, as empresas que hoje está totalmente voltada para o cliente, buscam através de seus sistemas logísticos internos, uma produção customizada e flexível, sem perder as características de empresa enxuta, com indicadores de produtividade que as colocam à frente de seus concorrentes. 1.2 Lean Manufacturing Segundo Lindgren (2001), O Lean Manufacturing ou Sistema de Manufatura Enxuta é um conjunto de atividades que tem como meta o aumento da capacidade de resposta às mudanças e empreendedorismo de gestão

19 17 inovadora. Seus principais princípios são: ter e manter os produtos certos, nos locais certos, na quantidade certa e no tempo exato bem como trabalhar visando à melhoria contínua. Inicialmente esse sistema utiliza às ferramentas do Just In Time JIT e da filosofia do Kaisen para combater sete desperdícios básicos da produção, que de acordo com Lindgren (2001), são: a) desperdícios de superprodução: trata-se do desperdício de se produzir antecipadamente à demanda. O sistema de manufatura enxuta prega a produção somente do que é necessário; b) desperdício de espera: trata-se do material parado, esperando para ser processado. O sistema de manufatura enxuta enfatiza o fluxo de materiais (coordenado com o fluxo de informações) e não as taxas de utilização dos equipamentos, os quais somente devem trabalhar se houver necessidade; c) desperdício de transporte: o transporte de materiais e a movimentação de pessoas são atividades que não agregam valor ao produto e são necessários devido às restrições do processo e das instalações. O sistema de manufatura enxuta mostra que estas atividades são desperdícios de tempo e recursos que devem ser eliminados pela redução dos estoques a praticamente zero e por um arranjo físico adequado que minimize as distâncias a serem percorridas, tanto por pessoas como por materiais; d) desperdício de processamento: é o desperdício inerente a um processo não otimizado, ou seja, a existência de etapas ou funções do processo que não agregam valor ao produto, questionando e investigando qualquer elemento que adicione custo e não valor ao produto; e) desperdício de movimento: são os desperdícios presentes nas variadas operações do processo produtivo. O sistema de manufatura enxuta procura a economia e consistência nos movimentos através do estudo de métodos e tempos do trabalho, se apoiando em soluções simples e de baixo custo; f) desperdício de produzir produtos defeituosos: são os desperdícios gerados pelos problemas de qualidade. O sistema de manufatura

20 18 enxuta aperfeiçoa o processo produtivo de maneira tal que previna a ocorrência de defeitos, para que se possam eliminar as operações de inspeção, procurando sempre otimizar os processos já estabilizados, reduzindo continuamente a possibilidade de gerar defeitos; g) desperdícios de estoque: no sistema de produção tradicional os estoques têm sido utilizados para evitar descontinuidades do processo, porém além da ocupação desnecessária de valioso espaço físico cria um considerável volume de recursos pessoais e burocráticos mobilizados para seu controle e sua manutenção. O Lean Manufacturing também é conhecido como sistema Toyota de Produção, pois ganhou força por sua eximia implantação feita pelo executivo da Toyota, Taiichi Ohno, que mais tarde teve seu trabalho amplamente divulgado por Shigeo Shingo, que identificou quais os caminhos mais viáveis para se eliminar os setes desperdícios. O Lean Manufacturing segue a linha de pensamento enxuto, buscando especificar valor, alinhar na melhor seqüência as ações que criam valor, realizar essas atividades sem interrupção toda vez que alguém as solicita e realizá-las de forma cada vez mais eficaz, ou seja, fazer cada vez mais com cada vez menos. 1.3 Just In Time O Sistema Just In Time JIT é um método de produção com objetivo de disponibilizar os materiais requeridos pela manufatura apenas quando forem necessários para que o custo de estoque seja menor. O JIT é baseado no controle de estoque e execução de tarefas/operações, com Entrega dos materiais certos, no tempo certo e na quantidade certa, tendo como objetivo desenvolver um sistema de manufatura que permita a um fabricante ter somente os materiais, equipamentos e pessoas necessárias a cada tarefa. Segundo Bertaglia (2003), Just-in-time é um método de gerenciamento da manufatura desenvolvido pelos japoneses na década de Com o intuito

21 19 de reconstruir a sua economia após a Segunda Guerra Mundial, os japoneses buscavam técnicas de manufatura que pudessem torná-los competitivos. Antes da utilização do JIT, as industrias japonesas e mundiais apresentavam inúmeras restrições na área de manufatura, incluindo restrições de estoque, defeitos em produtos, grandes lotes de produção, ineficiência de entregas e custos elevados (BERTAGLIA, 2003, p 365). Resumindo basicamente é um conjunto integrado de atividades cujo objetivo é fabricar altos volumes de produção usando um estoque mínimo de matéria-prima, material de embalagem, estoques intermediários e produtos acabados. Uma empresa que não utiliza o sistema JIT está sujeita a ter: produção acima do planejado, tempo de espera entre os processos, transporte desnecessário, nível de estoque, processos não organizados, movimentações improdutivas e inviáveis, defeitos, entre outros que, são todos solucionados ou reduzidos com o JIT (BERTAGLIA, 2003, p 368). Os objetivos do JIT buscam alcançar tempo zero de preparação, estoques intermediários iguais a zero, tempo de entrega igual a zero, zero movimento, zero paradas de máquinas em função de quebra, zero defeito e tamanho mínimo de lote, afirma Bertaglia (2003). Ainda citando Bertaglia (2003), para que o JIT possa funcionar adequadamente devem ser considerados alguns elementos como: a) fluxo no processo: o arranjo físico da área de trabalho, a análise e o balanceamento de capacidades, a estabilidade no plano de produção, são alguns dos requisitos básicos de um fluxo perfeito de processo. A organização do processo produtivo é fundamental para o perfeito funcionamento do JIT; b) qualidade total: o JIT está extremamente vinculado ao conceito de melhoria contínua dentro de um contexto humanístico bastante forte. Sem o uso dos conceitos de qualidade total, as idéias convencionais não são aplicáveis e podem levar a empresa ao fracasso; c) alianças com fornecedores e clientes: para que as plantas possam atingir excelência em desempenho, é necessário que clientes e fornecedores desempenhem um papel importante para dar suporte para o JIT. Em um ambiente de JIT, os itens comprados devem ser entregues somente quando realmente são necessários. O fornecedor

22 20 deve garantir um fluxo confiável e estável para suportar a produção. Esse processo é bastante complexo e uma excelente comunicação e coordenação, são requeridas entre ambas as partes. Segundo Bertaglia (2003), para implantar o conceito do JIT no gerenciamento da manufatura, é preciso levar em consideração alguns requisitos básicos que podem ser resumidos em classificação dos itens de estoque, custo do item, demanda, distribuição ABC, acordos com fornecedores, política de estoque, pedido mínimo e indicadores de desempenho. Para Bertaglia (2003), Muitos são os benefícios e vantagens do JIT, dentre eles: redução de tempo de ciclo, redução no nível do estoque, melhor aproveitamento de espaço e redução no custo de qualidade. Em contrapartida, existem algumas limitações quanto as diferenças culturais, o enfoque tradicional, o perfil dos operários, a resistência às mudanças, a autonomia, a relação entre gerentes e operadores, o nível de produção e métodos de transporte. De acordo com Bertaglia (2003), a implementação do JIT pode resultar em um acréscimo dos custos de transporte, uma vez que as entregas se tornam mais freqüentes devido à redução do tamanho dos lotes. Muitas empresas obtêm bons resultados efetuando implementações parciais ou combinadas do conceito do JIT, depende da criatividade existente no grupo e do grau de exposição que se quer enfrentar. A característica fundamental está em crer que os benefícios advindos do conceito do JIT possam ser obtidos e que o treinamento e a conscientização de pessoas é a regra básica para o sucesso. Pode se afirmar que para empresas de produção repetitiva o JIT é um importante sistema de abastecimento que pode ser implantado com inúmeros benefícios para as empresas. 1.4 Taket Time e Lead Time Considerando que o tempo é um dos principais fatores administrados pelos sistemas logísticos, existem várias análises a serem feitas e controladas,

23 21 pois influenciam diretamente nos custos do produto e no atendimento das necessidades do mercado. O Taket Time é o tempo de ciclo no qual uma unidade de um produto deve ser produzida. Ou seja, é a razão da divisão do tempo diário de operação pelo número de unidades a serem produzidas por dia. Em outras palavras pode-se citar que takt-time nada mais é do que o ritmo de produção. Este ritmo deve ser cadenciado, pois oscilações entre picos e quedas na demanda devem existir apenas se houver necessidade de acompanhar o mercado. Em um tempo de ciclo nivelado é possível calcular e disponibilizar corretamente os recursos e realizar previsões mais precisas. O Lead Time é o tempo decorrido do início ao fim de um processo específico. A figura 1 abaixo exemplifica os dois conceitos. Fonte: Lindgren, 2001, p.173. Figura 1 - Taket Time e Lead Time 1.5 MRP, MRP II e MRP III Segundo Martins e Alt (2007), o Materials Requiriment Planning MRP ou planejamento das necessidades de materiais é uma técnica que permite determinar as necessidades de compras dos materiais que serão utilizados na fabricação de um determinado produto. O MRP é um sistema de informação baseado em computador, introduzido nos Estados Unidos na década 70, que apresentou um novo mecanismo para calcular eficientemente que materiais ou

24 22 componentes são necessários, quando eles são necessários e qual a quantidade mais econômica (BERTAGLIA, 2003, p 375). Através da comparação do estoque com as quantidades requeridas, o MRP determina se é necessário comprar mais componentes ou materiais. É ainda possível com o MRP, realizar modificações dinâmicas no plano de produção, permitindo simulações, criar ordens de produção para produtos intermediários e criar programas de produção para fornecedores. Com esses conceitos implementados nos processos de planejamento, as organizações passaram a um novo estágio de maturidade empresarial. O MRP é o ponto inicial para as empresas que querem automatizar o processo produtivo. Este sistema desempenha uma função importante no controle e planejamento de material, traduzindo os planos agregados de produção em planos individuais, com detalhes suficientes para inclusive desenvolver o planejamento de capacidade, ainda que não seja totalmente efetivo. Segundo Martins e Alt (2007), muitas aplicações foram desenvolvidas com a utilização do MRP. Entretanto, ainda que efetivo no dimensionamento das necessidades em termos de quantidade e tempo, falhava em outros fatores, como capacidade, administração de espaço, capital de trabalho, mudanças de engenharia e administração de custos. Assim, surgiu a necessidade de uma evolução no sistema. Na década de 80, o conceito do MRP se expandiu, deixando de ser apenas um sistema de planejamento de materiais e transformou-se em um sistema mais amplo. Passou a administrar planta e pessoas, e a planejar também a distribuição. Deixou de ser local e passou a ser de redes, passando a ser chamado de MRP II. Martins e Alt (2007), citam que alguns dos fatores que diferenciam o MRP II de seu antecessor são: o planejamento a longo prazo, o planejamento de recursos em nível superior, plano mestre de produção, planejamento de capacidade e controle do chão de fábrica. Uma das características mais importante do MRP II é o fechamento dos processos, o que permite retro-alimentar as cadeias de negócios, de modo que a organização melhore continuamente os seus processos em busca de maior eficiência.

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi LOGÍSTICA 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA O conceito de Logística sempre envolve um fluxo de materiais de uma origem ou destino e, no outro sentido, um fluxo

Leia mais

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING Historico / Conceito Lean : década de 80 James Womack (MIT) Projeto de pesquisa: fabricantes de motores automotivos; ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II Lean Production é um programa corporativo composto por

Leia mais

Fiorella Del Bianco. Tema. Objetivo. O que é o kanban? O uso do kanban como técnica para otimizar os princípios do just-in-time.

Fiorella Del Bianco. Tema. Objetivo. O que é o kanban? O uso do kanban como técnica para otimizar os princípios do just-in-time. Fiorella Del Bianco Tema O uso do kanban como técnica para otimizar os princípios do just-in-time. Objetivo Apresentar a aplicação de uma técnica simples e altamente eficaz para auxiliar na implementação

Leia mais

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO BURGO, Rodrigo Navarro Sanches, RIBEIRO, Talita Cristina dos Santos, RODRIGUES,

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

JUST-IN-TIME & KANBAN

JUST-IN-TIME & KANBAN JUST-IN-TIME & KANBAN Prof. Darli Rodrigues Vieira darli@darli.com.br 1 OBJETIVO DA AULA OBJETIVO: EVIDENCIAR O QUE É JUST IN TIME E QUAL É SUA UTILIDADE EM PROJETOS DE OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS EM OPERAÇÕES

Leia mais

UnB Universidade de Brasília. Administração de Recursos Materiais. Tema: Gestão de estoque. Alunos: - Beliza de Ávila.

UnB Universidade de Brasília. Administração de Recursos Materiais. Tema: Gestão de estoque. Alunos: - Beliza de Ávila. UnB Universidade de Brasília Administração de Recursos Materiais Tema: Gestão de estoque Alunos: - Beliza de Ávila - Felipe Jordán - Guilherme de Miranda - Jefferson Coelho O conceito de ocupação física

Leia mais

SUPPLY CHAIN COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

SUPPLY CHAIN COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO SUPPLY CHAIN COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO RESUMO André Augusto Asevedo da Silva UNISALESIANO Lins E-mail: andre.asevedo@bertin.com.br Marcos Aurélio Mirandola UNISALESIANO Lins E-mail: marcosmirandola@gmail.com

Leia mais

PRODUÇÃO ENXUTA. Eng. Liane Freitas, MsC.

PRODUÇÃO ENXUTA. Eng. Liane Freitas, MsC. PRODUÇÃO ENXUTA Eng. Liane Freitas, MsC. O que será visto neste capítulo? 1 O significado a filosofia JIT 2 O JIT versus a prática tradicional 3 As técnicas JIT de gestão 4 As técnicas JIT de planejamento

Leia mais

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção O sistema de produção requer a obtenção e utilização dos recursos produtivos que incluem: mão-de-obra, materiais, edifícios,

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS RESUMO Regiane A. Olmedo de Souza regianeolmedo@gmail.com Renan Fernandes Nascimento renanfn8@yahoo.com.br Rozana

Leia mais

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP.

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. LOGÍSTICA GLOBAL Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados Introdução O atual cenário econômico é marcado por: a) intensa competitividade, b) pela necessidade de rápida

Leia mais

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos Universidade Cruzeiro do Sul Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos 2010 0 O Processo pode ser entendido como a sequência de atividades que começa na percepção das necessidades explícitas

Leia mais

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Programação e Controle da Produção é um conjunto de funções inter-relacionadas que objetivam comandar o processo produtivo e coordená-lo com os demais setores administrativos

Leia mais

METODOLOGIA LEAN DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: UMA VISÃO GERAL

METODOLOGIA LEAN DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: UMA VISÃO GERAL METODOLOGIA LEAN DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: UMA VISÃO GERAL Guilherme Vota Pereira guivotap@hotmail.com Prof. Pablo Schoeffel, Engenharia de Software Aplicada RESUMO: Este artigo irá efetuar uma abordagem

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha A administração de materiais A administração de materiais procura conciliar as necessidades de suprimentos com a otimização dos recursos financeiros

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

LAYOUT IMPACTANDO DIRETAMENTE NOS CUSTOS DE PRODUÇÃO: LUCRO NA PRODUÇÃO COM ÊNFASE NO JUST-IN- TIME

LAYOUT IMPACTANDO DIRETAMENTE NOS CUSTOS DE PRODUÇÃO: LUCRO NA PRODUÇÃO COM ÊNFASE NO JUST-IN- TIME 1 LAYOUT IMPACTANDO DIRETAMENTE NOS CUSTOS DE PRODUÇÃO: LUCRO NA PRODUÇÃO COM ÊNFASE NO JUST-IN- TIME Marcio Alves Suzano, M.Sc. Marco Antônio Ribeiro de Almeida, D.Sc. José Augusto Dunham, M.Sc. RESUMO.

Leia mais

JUST IN TIME: UMA DAS FERRAMENTAS DE OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO RESUMO

JUST IN TIME: UMA DAS FERRAMENTAS DE OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO RESUMO JUST IN TIME: UMA DAS FERRAMENTAS DE OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO RESUMO O presente artigo, mostra de forma clara e objetiva os processos da ferramenta Just in time, bem como sua importância para a área de produção.

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras Medição do desempenho na cadeia de suprimentos Medição do desempenho Sob a perspectiva da gestão da produção, o desempenho pode ser definido

Leia mais

A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e

A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: obter materiais, agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e disponibilizar os produtos no local e

Leia mais

LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS

LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING SUPPLY CHAIN (INCLUI LOGÍSTICA) 2 2 INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING 3 INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING Pensar fora da caixa... Lean

Leia mais

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc.

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Vamos nos conhecer Danillo Tourinho Sancho da Silva, M.Sc Bacharel em Administração, UNEB Especialista em Gestão da Produção

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém Bloco Suprimentos WMS Gerenciamento de Armazém Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo WMS, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas foram

Leia mais

O ponto principal da empresa moderna e a base das atividades logísticas é o atendimento ao cliente.

O ponto principal da empresa moderna e a base das atividades logísticas é o atendimento ao cliente. 116 5. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE MARKETING LOGÍSTICO 5.1. LOGÍSTICA Na atualidade, devido a acirrada concorrência no mercado globalizado, as empresas necessitam ser altamente competitivas. Não se pode

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES Leider Simões, Unisalesiano de Lins e-mail: leidersimoes16@hotmail.com Profª M. Sc. Máris de Cássia Ribeiro, Unisalesiano Lins e-mail: maris@unisalesiano.edu.br

Leia mais

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM 5/5/2013 1 ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING 5/5/2013 2 1 Os SI nas organizações 5/5/2013 3 Histórico Os Softwares de SI surgiram nos anos 60 para controlar estoque

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA Tiago Augusto Cesarin 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

MBA Executivo em Logística e Supply Chain Management

MBA Executivo em Logística e Supply Chain Management ISCTE BUSINESS SCHOOL INDEG_GRADUATE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA Executivo em Logística e Supply Chain Management www.strong.com.br/alphaville - www.strong.com.br/osasco - PABX:

Leia mais

Just in Time Massagista JIT?

Just in Time Massagista JIT? Just Just in Time Time Massagista JIT? Planejamento e Controle Just-in-Time Fornecimento de produtos e serviços Recursos de produção Just-in-Time Entrega de produtos e serviços apenas quando são necessários

Leia mais

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751 Objetivos Nosso Objetivo é Colocar a disposição das empresas, toda nossa Experiência Profissional e metodologia moderna, dinâmica e participativa, para detectar as causas sintomáticas e seus efeitos. Realizar

Leia mais

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING MANUFATURA ENXUTA DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING A ORIGEM DA PALAVRA LEAN O termo LEAN foi cunhado originalmente no livro A Máquina que Mudou o Mundo de Womack, Jones e Roos, publicado nos EUA em 1990.

Leia mais

Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística

Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística - TLO 2005/1 Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística 1 DADOS LEGAIS: Reconhecido pela Portaria MEC 134 de

Leia mais

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo O artigo aborda relações entre logística, formação profissional e infra-estrutura do país. São debatidas questões sobre a evolução da logística no Brasil, a preparação educacional do profissional de logística

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Ementa Conceitos básicos de informática; evolução do uso da TI e sua influência na administração; benefícios; negócios na era digital; administração

Leia mais

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter ESTRATÉGIA COMPETITIVA Michael E. Porter 1. A NATUREZA DAS FORÇAS COMPETITIVAS DE UMA EMPRESA 2. ESTRATEGIAS DE CRESCIMENTO E ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS 3. O CONCEITO DA CADEIA DE VALOR 1 1. A NATUREZA DAS

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP)

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP) Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP) Evolução da TI nas Organizações Estágios de Evolução da TI nas Organizações

Leia mais

Administração de Materiais e Logística. , Vendas CPD Cobrança PCP Expedição Faturamento. Completem o DHF. Melhoria Continua e Teste

Administração de Materiais e Logística. , Vendas CPD Cobrança PCP Expedição Faturamento. Completem o DHF. Melhoria Continua e Teste , Vendas CPD Cobrança PCP Expedição Faturamento Completem o DHF Melhoria Continua e Teste As Organizações como Sistemas Abertos As organizações estão em um constante estado de fluxo. AMBIENTE Estagio de

Leia mais

KANBAN (capítulo 13)

KANBAN (capítulo 13) KANBAN (capítulo 13) O sistema kanban foi desenvolvido na Toyota Motor Company por Taiichi Ohno e Sakichi Toyoda e ficou conhecido dentro do Sistema Toyota de Produção, como um sistema de combate ao desperdício.

Leia mais

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a...

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... INNOVA Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... Maximizar o rendimento e a produtividade Estar em conformidade com os padrões de qualidade e garantir a segurança dos alimentos Obter

Leia mais

3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer

3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer 3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer Esse capítulo tem por objetivo apresentar os conceitos do sistema APO (Advanced Planner and Optimizer), o sistema APS da empresa alemã SAP. O sistema APO

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

Aula Nº 15 Resposta Eficiente ao Consumidor (ECR- Efficient Consumer Response )

Aula Nº 15 Resposta Eficiente ao Consumidor (ECR- Efficient Consumer Response ) Aula Nº 15 Resposta Eficiente ao Consumidor (ECR- Efficient Consumer Response ) Objetivo da Aula Aprofundar os conhecimentos de ECR, suas vantagens e implicações. Introdução Na aula anterior, estudamos

Leia mais

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Estratégia Competitiva é o conjunto de planos, políticas,

Leia mais

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes.

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes. Logística Empresarial Aula 6 Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II Prof. Me. John Jackson Buettgen Contextualização Conceitos Importantes Fluxos logísticos É o movimento ou

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

XLVII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE PESQUISA OPERACIONAL

XLVII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE PESQUISA OPERACIONAL UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE Debora Jaensch Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

Prof. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br Este material foi adaptado de apresentação de Marco Aurelio Meda

Prof. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br Este material foi adaptado de apresentação de Marco Aurelio Meda Tecnologia da Informação Aplicada à Logística Prof. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br Este material foi adaptado de apresentação de Marco Aurelio Meda Como garantir

Leia mais

APLICATIVOS CORPORATIVOS

APLICATIVOS CORPORATIVOS Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 3 APLICATIVOS CORPORATIVOS PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos de Sistemas

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

Por que Lean & Six Sigma?

Por que Lean & Six Sigma? CONTEÚDO DA PALESTRA O O que é LEAN? O O que é Six Sigma? Por que? LEAN LEAN ORIGEM DO LEAN A metodologia Lean já existe há algum tempo: A Ford foi pioneira no início do século XX 33 horas para concluir

Leia mais

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS ISSN 1984-9354 MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Jamile Pereira Cunha Rodrigues (UESC) Resumo Diante do atual cenário competitivo empresarial, as empresas estão buscando

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO APLICADOS NO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO APLICADOS NO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO APLICADOS NO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO ENTERPRISE RESOURCE PLANNING APPLIED IN THE MANUFACTURING PLANNING AND CONTROL José Eduardo Freire 1 Ruchele Marchiori Coan

Leia mais

Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções de negócio.

Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções de negócio. Gestão da Produção Industrial Módulo B Fase 1 2015 Logística Empresarial Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções

Leia mais

Como determinar os sistemas de controle da produção a partir da lei de pareto

Como determinar os sistemas de controle da produção a partir da lei de pareto Como determinar os sistemas de controle da produção a partir da lei de pareto Alessandro Lucas da Silva (EESC-USP) als@sc.usp.br Gilberto Miller Devós Ganga (EESC-USP) gilberto_mdg@yahoo.com.br Roberta

Leia mais

LOGO. Sistema de Produção Puxada

LOGO. Sistema de Produção Puxada LOGO Lean Manufacturing Sistema de Produção Puxada Pull Production System 1 Conteúdo 1 Definição 2 Objetivo 3 Sistema Empurrado 4 Sistema Empurrado X Puxado 2 Lean Manufacturing Conteúdo 5 Sistema de Produção

Leia mais

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA Importância da Logística O lugar da Logística nas Empresas A logística diz respeito à criação de valor; O valor em logística é expresso em termos de tempo e lugar. Produtos e serviços

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade II GOVERNANÇA DE TI Estratégia e governança em TI Estratégia empresarial A palavra estratégia vem do grego strategus = "o general superior ou "generalíssimo. Strategia

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

Altos Níveis de Estoque nas Indústrias de Conexões de PVC

Altos Níveis de Estoque nas Indústrias de Conexões de PVC Altos Níveis de Estoque nas Indústrias de Conexões de PVC Junior Saviniec Ferreira; Letícia Stroparo Tozetti Faculdade Educacional de Araucária RESUMO O problema de estoque elevado é cada vez menos frequente

Leia mais

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Fonte: Tipos de Sistemas de Informação (Laudon, 2003). Fonte: Tipos de Sistemas

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA NA VIDA DAS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA NA VIDA DAS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA NA VIDA DAS EMPRESAS Autores 1 : Alessandro Aurélio Ribeiro Alessandro Carvalho Orientadora 2 : Prof. Nanci Ribeiro Prestes RESUMO: O presente trabalho tem como objetivo uma

Leia mais

Just In Time (JIT) é uma abordagem disciplinada, que visa aprimorar a produtividade global e eliminar desperdícios.

Just In Time (JIT) é uma abordagem disciplinada, que visa aprimorar a produtividade global e eliminar desperdícios. Fascículo 6 Planejamento e controle Just In Time Entendendo o Just In Time Just In Time, cuja tradução para o português resulta em algo não muito claro Apenas a Tempo, corresponde a atividade de produzir

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS 2ª OFICINA MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR Lean Manufacturing é a busca da perfeição do processo através da eliminação de desperdícios Definir Valor Trabalhar

Leia mais

GESTÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini. E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br

GESTÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini. E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br GESTÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br GESTÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ERP 2 ERP Planejamento dos Recursos da Empresa 3 CONCEITO DE

Leia mais

Politicas de Armazenagem Formador: João Matias TL02. Trabalho Realizado Por: Helena Pereira - Dora Costa - Armando Gonçalves Paulo Caiola

Politicas de Armazenagem Formador: João Matias TL02. Trabalho Realizado Por: Helena Pereira - Dora Costa - Armando Gonçalves Paulo Caiola Politicas de Armazenagem Formador: João Matias TL02 Trabalho Realizado Por: Helena Pereira - Dora Costa - Armando Gonçalves Paulo Caiola Introdução A informação sempre foi importante, essencial mesmo,

Leia mais

Sistemas de Informações. SCM Supply Chain Management

Sistemas de Informações. SCM Supply Chain Management Sistemas de Informações SCM Supply Chain Management Fontes Bozarth, C.; Handfield, R.B. Introduction to Operations and Supply Chain Management. Prentice Hall. 2nd. Edition Objetivos Fluxos de Informação

Leia mais

Evolução dos sistemas ERP nas empresas

Evolução dos sistemas ERP nas empresas Evolução dos sistemas ERP nas empresas Aloísio André dos Santos (ITA) aloisio@mec.ita.br João Murta Alves (ITA) murta@mec.ita.br Resumo Os sistemas ERP são considerados uma evolução dos sistemas de administração

Leia mais

Pós-Graduação Fórum Lean Vale do Paraíba A contribuição do Lean-TOC-VMI para a gestão eficaz da cadeia de suprimentos Prof. MSc. Artur Henrique Moellmann CIS-ERP / Grupo Everel 16maio2009 artur.moellmann@terra.com.br

Leia mais

MANUFATURA ENXUTA COMO FERRAMENTA NA MUDANÇA DE LAYOUT DO FORMATO DE U PARA O FORMATO EM I. UM ESTUDO DE CASO

MANUFATURA ENXUTA COMO FERRAMENTA NA MUDANÇA DE LAYOUT DO FORMATO DE U PARA O FORMATO EM I. UM ESTUDO DE CASO MANUFATURA ENXUTA COMO FERRAMENTA NA MUDANÇA DE LAYOUT DO FORMATO DE U PARA O FORMATO EM I. UM ESTUDO DE CASO Alessandra Osório Freitas (UFAM) afreitas83@gmail.com Maria Elena Leon Olave (UEA) melena@usp.br

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI 19/04 Recursos e Tecnologias dos Sistemas de Informação Turma: 01º semestre

Leia mais

E-Business global e colaboração

E-Business global e colaboração E-Business global e colaboração slide 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. 2.1 Copyright 2011 Pearson Education, Inc. publishing as Prentice Hall Objetivos de estudo Quais as principais

Leia mais

ARMAZÉM E SUA REPRESENTAÇÃO EM UMA OPERAÇÃO LOGÍSTICA

ARMAZÉM E SUA REPRESENTAÇÃO EM UMA OPERAÇÃO LOGÍSTICA ARMAZÉM E SUA REPRESENTAÇÃO EM UMA OPERAÇÃO LOGÍSTICA Mauro Carlo Santana da Silva Aluno do Curso de Graduação em Logística do Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM), Rio de Janeiro, Brasil mcses@bol.com.br

Leia mais

Classificações dos SIs

Classificações dos SIs Classificações dos SIs Sandro da Silva dos Santos sandro.silva@sociesc.com.br Classificações dos SIs Classificações dos sistemas de informação Diversos tipo de classificações Por amplitude de suporte Por

Leia mais

Distribuição Física. A distribuição física de produtos é realizada com a participação de alguns componentes, físicos ou informacionais, a saber:

Distribuição Física. A distribuição física de produtos é realizada com a participação de alguns componentes, físicos ou informacionais, a saber: Distribuição Física Objetivo da aula: Apresentar e discutir o conceito e os componentes do sistema de distribuição física, dentro do processo logístico. O objetivo geral da distribuição física, como meta

Leia mais

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços Módulo 5 MRP e JIT Adm Prod II 1 MRP Fornecimento de produtos e serviços Recursos de produção MRP Decisão de quantidade e momento do fluxo de materiais em condições de demanda dependente Demanda de produtos

Leia mais

Curso superior de Tecnologia em Gastronomia

Curso superior de Tecnologia em Gastronomia Curso superior de Tecnologia em Gastronomia Suprimentos na Gastronomia COMPREENDENDO A CADEIA DE SUPRIMENTOS 1- DEFINIÇÃO Engloba todos os estágios envolvidos, direta ou indiretamente, no atendimento de

Leia mais

CS&OP-P Certified S&OP Professional

CS&OP-P Certified S&OP Professional A achain é uma empresa especializada nas áreas de Supply Chain, Value Chain e Demand Chain Management, com atuação nas modalidades de serviços de treinamento e apoio administrativo. Missão achain: Proporcionar

Leia mais

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5.1 Conceitos e definições do supply chain management O conceito ou definição do SCM é algo recente na literatura especializada, datado mais precisamente da metade

Leia mais

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE ENGENHARIA DE SOROCABA

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE ENGENHARIA DE SOROCABA TÍTULO: UTILIZAÇÃO DE SOFTWARES DEDICADOS PARA O DESENVOLVIMENTO E ELABORAÇÃO DO MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR (MFV) EM SISTEMAS DE PRODUÇÃO ENXUTA LEAN PRODUCTION CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO

LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO Este trabalho tem por objetivo a discussão do conceito de logística integrada e de roteirização. Tem como objetivo também mostrar

Leia mais

Vendas na Empresa Lean

Vendas na Empresa Lean Vendas na Empresa Lean Autor: Alexandre Cardoso Publicado: 29/04/2011 Introdução Em uma empresa, a área de Vendas é de extrema importância para o sucesso do negócio. Aprimorar o seu desempenho tem sido

Leia mais

Advanced Planning and Scheduling

Advanced Planning and Scheduling Advanced Planning and Scheduling Por Soraya Oliveira e Raquel Flexa A importância do planejamento Uma cadeia de suprimentos é composta por diversos elos conectados que realizam diferentes processos e atividades

Leia mais

Conversa Inicial. Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação.

Conversa Inicial. Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação. Conversa Inicial Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação. Hoje iremos abordar os seguintes assuntos: a origem dos sistemas integrados (ERPs), os módulos e fornecedores

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

Recursos Materiais e Patrimoniais

Recursos Materiais e Patrimoniais Recursos Materiais e Patrimoniais Professor conteudista: Jean Carlos Cavaleiro Sumário Recursos Materiais e Patrimoniais Unidade I 1 OS RECURSOS...2 1.1 Administração de materiais...6 1.1.1 Medida de desempenho...6

Leia mais