Índice. Baldios em Portugal Continental registados no Sistema de Identificação Parcelar

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Índice. Baldios em Portugal Continental registados no Sistema de Identificação Parcelar"

Transcrição

1 O Sistema de Identificação Parcelar O que é? Implementação dos novos limites Administrativos - CAOP Baldios em Portugal Continental registados no Sistema de Identificação Parcelar Como estava a ser calculada a área disponível de baldio para distribuir pelos utilizadores? Qual o problema desta validação? Quais as consequências desta realidade? O que foi decidido realizar? Como foi feita a classificação dos Baldios? As Ocupações Culturais utilizadas na classificação dos Baldios. Informação estatística dos resultados da classificação dos baldios. Distribuição das áreas de Baldio pelos utilizadores Exemplos de Áreas de Baldio Fotointerpretadas Índice

2 O Sistema de Identificação Parcelar O que é? O Sistema de Identificação Parcelar é um instrumento de base indispensável à correta delimitação de Parcelas e apuramento de áreas para efeitos de ajudas Nacionais e comunitárias. As áreas para efeitos de ajuda (subsídios) têm de estar obrigatoriamente identificadas nosip Base de dados com informação geográfica relacionada que permite um eficaz cruzamento de informação existentes em diferentes camadas temáticas. Parcelas Sub-parcelas(ocupações de solo) Baldios Projetos de investimento e infra-estruturas(pdr2020) Novos Limites Administrativos(Freguesias) Faixas de proteção de massas de água ICNF Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas Planos Zonais Parcelas de Vinha(Instituto da Vinha e do Vinho) Perímetros de proteção de captações de águas públicas Fotografias aéreas de vários anos e imagens de satélite.

3 O Sistema de Identificação Parcelar N.º de salas de atendimento e técnicos acreditados para realizar atualizações no SIP PORTUGAL CONTINENTAL n.º salas de atendimento SIP 658 n.º técnicos acreditados 1.792

4 O IFAP já implementou no SIP os limites da nova Carta Administrativa Oficial de Portugal - CAOP O SIP já implementou os novos limites administrativos resultante da nova reforma administrativa

5 Baldios em Portugal Continental registados no Sistema de Identificação Parcelar

6 Baldios no SIP N.º Concelhos

7 Baldios em Portugal Continental registados no Sistema de Identificação Parcelar DISTRITO N.º de Baldios AVEIRO 51 BRAGA 458 BRAGANÇA 794 CASTELO BRANCO N.º BALDIOS PORTUGAL CONTINENTAL POR DISTRITO 2494 COIMBRA 71 GUARDA 220 LEIRIA 62 PORTO 53 SANTARÉM 6 VIANA DO CASTELO 1164 VILA REAL VISEU 576 Total 6057

8 Como estava a ser calculada a área disponível de baldio a distribuir pelos utilizadores? A área disponível de baldio era apurada recorrendo exclusivamente à subtração das áreas das parcelas (nível parcelas) que intersectavam os Baldios. Não existia nenhum cruzamento com as ocupações de solo existentes no Baldio. Exemplo: Área Baldio: 10ha 1 Área da parcela 1: 0,3 ha Área da parcela 2: 0,4 ha Área da parcela 3: 0,3 ha 2 3 Somatório área parcelas: 1ha Área para distribuir pelos utilizadores: 9ha

9 Qual o problema desta validação? Toda a área apurada era considerada útil para pastoreio. Não existia um cruzamento com as reais ocupações de solo dentro do Baldio. Áreas de Floresta, estradas, improdutivos, formações rochosas, áreas sociais, massas de água eram consideradas úteis para efeitos de pagamento. Existia uma dualidade de critérios para com os beneficiários das ajudas. Áreas dentro do Baldio não eram alvo de validação das reais ocupações de solo Áreas fora do Baldio (Parcelas) são revistas anualmente.

10 Quais as consequências desta realidade? Devolução por Portugal de centenas de milhares de Euros em penalizações financeiras em consequência de incorreções detetadas nas atribuição das ajudas, em auditorias da Comissão Europeia e do Tribunal de Contas Europeu. O que foi decidido realizar?

11 Foi necessário realizar uma classificação por Fotointerpretação de todos os Baldios de Portugal Continental com base nas Fotografias aéreas de 2012 (Voo mais recente que o IFAP possui). A tarefa de classificação por fotointerpretação foi realizada ao Concelho, de forma a classificar todos os Baldios do Concelho. A tarefa envolveu 22 técnicos peritos em fotointerpretação. Teveinício a12agostode2013eterminou emfevereirode2015. Área total fotointerpretada: ha.

12 Ocupações Culturais utilizadas na classificação dos Baldios Anexo I do Despacho Normativo nº6/2015 de 20 de fevereiro revogou Anexo I Despacho Normativo nº4/2012 de 2 de abril Despacho Normativo nº 7/2005 revogou

13 Ocupações Culturais utilizadas na classificação dos Baldios Categoria Superfície Agrícola Classe de Ocupação de Solo % área elegível para Baldios % área elegível para desenvolvimento rural Baldios Pastagem Permanente (1) Pastagem Permanente Prática Local (2) Outras Superfícies Agrícolas (1) Superfícies ocupadas com erva ou outras forrageiras herbáceas, quer semeadas quer espontâneas, por um período igual ou superior a cinco anos e que não estejam incluídas no sistema de rotação da exploração. (2) As superfícies de prado e pastagem permanente com predominância de vegetação arbustiva (*) caracterizadas por práticas de pastoreio de carácter tradicional em zona de baldio. (*) Superfícies ocupadas maioritariamente por vegetação arbustiva de altura superior a 50cm, que apresentam condições para alimentação animal através de pastoreio.

14 Ocupações Culturais utilizadas na classificação dos Baldios Categoria % área elegível para Baldios % área elegível para desenvolvimento rural Baldios Superfície Florestal 0 0 Outras Superfícies não agrícolas 0 0

15 Informação estatística resultante da classificação por fotointerpretação CATEGORIA AREA CLASSIFICADA ha MAE* 1º PILAR ha MAE 2º PILAR ha Superfície Agrícola (52,3%) Superfície Florestal (24,9%) 0 0 Outras Superfícies não agrícolas (22,8%) 0 0 Total *MAE = Máxima Área elegível

16 Detalhes da Categoria Superfície Agrícola CLASSE AREA CLASSIFICADA ha MAE 1º PILAR ha MAE 2º PILAR ha Pastagem Permanente Prática Local Pastagem Permanente Outras Superfícies Agrícolas Total

17 MAE 1º Pilar Distribuição das áreas de Baldio pelos utilizadores MAE 2º Pilar Exemplo prático 70ha 90ha Área apurada automaticamente Utilizador Área Atribuída pelo Gestor (1º Pilar) ha Área considerada MAE 2º Pilar ha Manuel 21 (30%) 27 Maria 28 (40%) 36 José 7 (10%) 9 Luísa 14 (20%) 18

18 Distribuição das áreas de Baldio pelos utilizadores Documentação obrigatória a apresentar na distribuição da área pelos utilizadores Órgão de administração/gestão de baldios Assembleia de compartes: Fotocópia da ata da assembleia de compartes onde tenha sido deliberada a inscrição no Parcelário das parcelas que integram do baldio. Conselho Diretivo Fotocópia da ata da assembleia de compartes onde conste a eleição do Conselho diretivo(nos casos de ter sido constituído). Junta Freguesia/Câmara/Orgão do Estado Procuração de delegação de competência de administração emitida pela assembleia de compartes em junta de freguesia ou câmara municipal ou serviço ou organismo de administração direta ou indireta do Estado. Utilizador de Baldio Declaração de utilização do baldio emitida pela entidade gestora, identificando o número do baldio no Parcelário, o NIF, o nome do utilizador e respetiva área utilizada.

19 Vila Pouca de Aguiar Cidadela de Jales Cidadela de Jales 200 metros

20

21 Vila Pouca de Aguiar Cidadela de Jales Cidadela de Jales 200 metros

22 250 metros Vila Pouca de Aguiar

23 50 metros Povoação Vila Pouca de Aguiar

24

25 500 metros

26 50 metros

27

28 200 metros StaMarta da Montanha Vila Pouca de Aguiar

29 284 ha 1000 metros Albufeira da Barragem de Paradela

30 200 metros

31 200 metros

32 Auditoria do Tribunal de contas Europeia Baldio de Castro Laboreiro Melgaço - Fev. 2013

33

34 Auditor Polaco especialista em Baldios pela análise que fez diz que este baldio teria uma elegibilidade entre 20 a 30%

35 Fim Obrigado pela vossa atenção

Baldios 20 de maio de 2014

Baldios 20 de maio de 2014 Baldios 20 de maio de 2014 Baldios no SIP Nº de Baldios SIP Nº de Concelhos 6.057 79 Baldios em Portugal Continental registados no Sistema de Identificação Parcelar DISTRITOS Nº BALDIOS AVEIRO 51 BRAGA

Leia mais

ELEGIBILIDADE DA PARCELA AGRÍCOLA APLICAÇÃO DO ARTIGO 34.º DO REGULAMENTO (CE) N.º 1122/2009

ELEGIBILIDADE DA PARCELA AGRÍCOLA APLICAÇÃO DO ARTIGO 34.º DO REGULAMENTO (CE) N.º 1122/2009 ELEGIBILIDADE DA PARCELA AGRÍCOLA APLICAÇÃO DO ARTIGO 34.º DO REGULAMENTO (CE) N.º 1122/2009 1. Os requisitos de elegibilidade das parcelas agrícolas resultam da conjugação da realidade agronómica e ecológica

Leia mais

Pagamentos Diretos Regime de Pagamento Base. Esclarecimento sobre o pagamento por práticas agrícolas benéficas para o clima e o ambiente Greening

Pagamentos Diretos Regime de Pagamento Base. Esclarecimento sobre o pagamento por práticas agrícolas benéficas para o clima e o ambiente Greening Pagamentos Diretos Regime de Pagamento Base Esclarecimento sobre o pagamento por práticas agrícolas benéficas para o clima e o ambiente Greening A presente nota de divulgação tem por objectivo facultar

Leia mais

Pagamentos Diretos Regime de Pagamento Base. Esclarecimento sobre o pagamento por práticas agrícolas benéficas para o clima e o ambiente Greening

Pagamentos Diretos Regime de Pagamento Base. Esclarecimento sobre o pagamento por práticas agrícolas benéficas para o clima e o ambiente Greening Pagamentos Diretos Regime de Pagamento Base Esclarecimento sobre o pagamento por práticas agrícolas benéficas para o clima e o ambiente Greening A presente nota de divulgação tem por objectivo facultar

Leia mais

Q1 Há quanto tempo se graduou em Medicina Veterinária?

Q1 Há quanto tempo se graduou em Medicina Veterinária? Q1 Há quanto tempo se graduou em Medicina Veterinária? Respondidas: Ignoradas: 0 < 10 anos 10 a 20 anos 20 a 30 anos > 30 anos Opções de resposta < 10 anos 10 a 20 anos 20 a 30 anos > 30 anos Respostas

Leia mais

IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE AS TRANSMISSÕES ONEROSAS DE IMÓVEIS (IMT) E IMPOSTO DO SELO (IS) VERBA 1.1

IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE AS TRANSMISSÕES ONEROSAS DE IMÓVEIS (IMT) E IMPOSTO DO SELO (IS) VERBA 1.1 Classificação: 0 00. 0 1. 0 9 Segurança: P ú blic a Processo: GABINETE DO DIRETOR GERAL Direção de Serviços do Imposto Municipal sobre as Transmissões Onerosas de Imóveis, do Imposto do Selo, do Imposto

Leia mais

F E D E R A Ç Ã O P O R T U G U E S A D E C A N O A G E M REGULAMENTO DAS PRIMEIRAS PAGAIADAS

F E D E R A Ç Ã O P O R T U G U E S A D E C A N O A G E M REGULAMENTO DAS PRIMEIRAS PAGAIADAS F E D E R A Ç Ã O P O R T U G U E S A D E C A N O A G E M REGULAMENTO DAS PRIMEIRAS PAGAIADAS Em vigor a partir de 21 de Agosto de 2015 1. PRIMEIRAS PAGAIADAS 1.1. Objetivos O quadro competitivo promovido

Leia mais

Regulamento de Atribuição de Apoios pelo Município de Lisboa - RAAML

Regulamento de Atribuição de Apoios pelo Município de Lisboa - RAAML Apoios pelo Município de Lisboa - RAAML Sessão de Capacitação Apoios Financeiros para a área social João Boavida - Maio 2013 Entrou em vigor em Fevereiro de 2009 com os seguintes objetivos: Sistematização

Leia mais

Nome Nº Turma Nome Nº Turma Nome Nº Turma Nome Nº Turma Nome Nº Turma

Nome Nº Turma Nome Nº Turma Nome Nº Turma Nome Nº Turma Nome Nº Turma DISCIPLINA DE GEOGRAFIA 7º ANO TRABALHO DE GRUPO HYPERPAISAGENS PROFESSORA: CRISTINA CÂMARA ANO LECTIVO 2002/03 FOTOGRAFIA AÉREA (1 E 2) A Fotografia Aérea é: a) Uma fotografia digital, tirada na vertical

Leia mais

MANUAL DE APOIO. Processos de delimitação e de aprovação de Áreas de Reabilitação Urbana e de Operações de Reabilitação Urbana

MANUAL DE APOIO. Processos de delimitação e de aprovação de Áreas de Reabilitação Urbana e de Operações de Reabilitação Urbana MANUAL DE APOIO Processos de delimitação e de aprovação de Áreas de Reabilitação Urbana e de Operações de Reabilitação Urbana Abril de 2013 MANUAL DE APOIO Processos de delimitação e de aprovação de Áreas

Leia mais

Paralisia Cerebral- Associação Nacional de Desporto

Paralisia Cerebral- Associação Nacional de Desporto B O C C I A REGULAMENTAÇÃO GERAL NACIONAL 2008/2009 1 INTRODUÇÃO Todos os intervenientes em competições de zona e nacionais, acções de formação e classificação médico - desportiva, deverão reger-se pelos

Leia mais

Sessão de Divulgação PDR2020. NERA Loulé 2 de Julho de 2015. Júlio Cabrita - DRAPAlg

Sessão de Divulgação PDR2020. NERA Loulé 2 de Julho de 2015. Júlio Cabrita - DRAPAlg Sessão de Divulgação PDR2020 NERA Loulé 2 de Julho de 2015 Júlio Cabrita - DRAPAlg (Continuação) 25,0% PRODER - TOTAL (Região Algarve) Investimento total por concelho (%), em 2015-03-23 22,5% 20,0% 17,3%

Leia mais

MAPEAMENTO FLORESTAL

MAPEAMENTO FLORESTAL MAPEAMENTO FLORESTAL ELISEU ROSSATO TONIOLO Eng. Florestal Especialista em Geoprocessamento OBJETIVO Mapear e caracterizar a vegetação visando subsidiar o diagnóstico florestal FUNDAMENTOS É uma ferramenta

Leia mais

As diversas etapas indispensáveis à sua realização são as que passamos a descrever:

As diversas etapas indispensáveis à sua realização são as que passamos a descrever: Sistema de Aconselhamento Agrícola Trata-se de um sistema que é composto por serviços de aconselhamento agrícola e que visa fundamentalmente consciencializar e ajudar os agricultores a cumprirem as normas

Leia mais

01 DE JANEIRO A 15 DE SETEMBRO

01 DE JANEIRO A 15 DE SETEMBRO NÚMERO 07/2014 DATA 16/09/2014 TÍTULO RELATÓRIO PROVISÓRIO DE INCÊNDIOS FLORESTAIS - 2014 01 DE JANEIRO A 15 DE SETEMBRO RELATÓRIO PROVISÓRIO DE INCÊNDIOS FLORESTAIS 2014 01 DE JANEIRO A 15 DE SETEMBRO

Leia mais

A PAC pós-2013 - Áreas potencialmente elegíveis e suas implicações nas decisões nacionais

A PAC pós-2013 - Áreas potencialmente elegíveis e suas implicações nas decisões nacionais A PAC pós-2013 - Áreas potencialmente elegíveis e suas implicações nas decisões nacionais Francisco Avillez (Professor Emérito do ISA, UTL e Coordenador Científico da AGRO.GES) CAP, 29 de Novembro de 2012

Leia mais

Versão Consolidada. Portaria n.º 229-A/2008, de 6 de Março

Versão Consolidada. Portaria n.º 229-A/2008, de 6 de Março Portaria n.º 229-A/2008, de 6 de Março O Regulamento (CE) n.º 1698/2005, do Conselho, de 20 de Setembro, que estabelece as regras gerais do apoio ao desenvolvimento rural sustentável, tem como objetivo,

Leia mais

Florestar Sustentabilidade da Floresta

Florestar Sustentabilidade da Floresta 1. ENQUADRAMENTO 1.1 INTRODUÇÃO O Projecto Florestar Sustentabilidade da Floresta com intervenção na região Norte (distritos de Bragança, Vila Real, Braga e área de intervenção do Parque Nacional da Peneda-Gerês)

Leia mais

REGULAMENTO DE PESCA DESPORTIVA NA ALBUFEIRA DE VASCOVEIRO

REGULAMENTO DE PESCA DESPORTIVA NA ALBUFEIRA DE VASCOVEIRO REGULAMENTO DE PESCA DESPORTIVA NA ALBUFEIRA DE VASCOVEIRO Julho 2013 PREÂMBULO A Barragem de Vascoveiro foi construída com o objetivo de fornecer água à cidade de Pinhel e a algumas freguesias do Concelho.

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E ENERGIA

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E ENERGIA 19774 Diário da República, 2.ª série N.º 142 23 de julho de 2015 na qualidade de Instalador de tacógrafos homologados de acordo com o Regulamento (EU) n.º 165/2014, de 4 de fevereiro, estando autorizado

Leia mais

I. ENQUADRAMENTO REGULAMENTAR

I. ENQUADRAMENTO REGULAMENTAR I. ENQUADRAMENTO REGULAMENTAR 1. Disposições Regulamentares O art.º 103.º-C do Reg.(CE) nº 1234/2007, do Conselho, de 22 de outubro de 2007, inclui nos objetivos dos programas operacionais das organizações

Leia mais

PDR 2014-2020. Jovens Agricultores

PDR 2014-2020. Jovens Agricultores PDR 2014-2020 Jovens Agricultores Portal dos Incentivos Fev 2015 Índice 1 Apresentação de Tema... 2 1.1 Enquadramento... 2 1.2 Beneficiários... 2 1.3 Tipologia de Apoio... 2 1.4 Condições de Acesso...

Leia mais

MUNICÍPIO DE ALCANENA CÂMARA MUNICIPAL. Regulamento Cartão Sénior Municipal

MUNICÍPIO DE ALCANENA CÂMARA MUNICIPAL. Regulamento Cartão Sénior Municipal Regulamento Cartão Sénior Municipal Artigo 1º Objeto 1- O Cartão Sénior Municipal é um cartão emitido pela Câmara Municipal de Alcanena que tem como destinatários os cidadãos residentes no concelho de

Leia mais

A REFORMA DAS POLÍTICAS PÚBLICAS TERRITORIAIS E O SEU IMPACTO NO DESENVOLVIMENTO LOCAL

A REFORMA DAS POLÍTICAS PÚBLICAS TERRITORIAIS E O SEU IMPACTO NO DESENVOLVIMENTO LOCAL A REFORMA DAS POLÍTICAS PÚBLICAS TERRITORIAIS E O SEU IMPACTO NO DESENVOLVIMENTO LOCAL PRINCIPAIS NOVIDADES DO REGIME JURÍDICO DOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO TERRITORIAL José António Lameiras 13 de Julho de

Leia mais

AGROGLOBAL 2014. Aplicação da Reforma da PAC em Portugal (1º Pilar) 10 de setembro 2014. Luís Souto Barreiros

AGROGLOBAL 2014. Aplicação da Reforma da PAC em Portugal (1º Pilar) 10 de setembro 2014. Luís Souto Barreiros AGROGLOBAL 2014 Aplicação da Reforma da PAC em Portugal (1º Pilar) 10 de setembro 2014 Luís Souto Barreiros Aplicação da Reforma da PAC Novas ajudas 1. Regime de pagamento de base (RPB) 2. Pagamento por

Leia mais

As dividas das empresa à Segurança Social disparam com o governo de Sócrates Pág. 1

As dividas das empresa à Segurança Social disparam com o governo de Sócrates Pág. 1 As dividas das empresa à Segurança Social disparam com o governo de Sócrates Pág. 1 AS DIVIDAS DAS EMPRESAS À SEGURANÇA SOCIAL DISPARAM COM O GOVERNO DE SÓCRATES: - só em 2006 a Segurança Social perdeu

Leia mais

«Concurso Jovem Agricultor Português»

«Concurso Jovem Agricultor Português» «Concurso Jovem Agricultor Português» Como já é tradição, desde há muito, que a Caixa não descura a intenção de apoiar e estimular a economia nacional, assim como outras áreas de interesse, mostrando com

Leia mais

GESTÃO DO RISCO DE INCÊNDIO FLORESTAL COM RECURSO À PASTORÍCIA

GESTÃO DO RISCO DE INCÊNDIO FLORESTAL COM RECURSO À PASTORÍCIA . GESTÃO DO RISCO DE INCÊNDIO FLORESTAL COM RECURSO À PASTORÍCIA As atividades humanas transformaram e modelaram a Serra da Estrela. O aproveitamento de madeiras e lenhas, transformaram as encostas outrora

Leia mais

PQS GLOBAIS. (c). Tempo de estabelecimento de chamada para chamadas nacionais (segundos) que correspondem ao percentil 95% das chamadas mais rápidas

PQS GLOBAIS. (c). Tempo de estabelecimento de chamada para chamadas nacionais (segundos) que correspondem ao percentil 95% das chamadas mais rápidas PQS GLOBAIS Anacom Objetivo SU Ano1 SU PQS 1 PQS 1 (a) PQS1. Prazo de fornecimento da ligação inicial (a) Demora no fornecimento das ligações, quando o cliente não define uma data objetivo (dias) PQS 1

Leia mais

CALENDÁRIO DE EXAMES PARA OBTENÇÃO DE CARTA DE CAÇADOR PROGRAMAÇÃO PARA OS MESES DE SETEMBRO A DEZEMBRO de 2015

CALENDÁRIO DE EXAMES PARA OBTENÇÃO DE CARTA DE CAÇADOR PROGRAMAÇÃO PARA OS MESES DE SETEMBRO A DEZEMBRO de 2015 CALENDÁRIO DE EXAMES PARA OBTENÇÃO DE CARTA DE CAÇADOR PROGRAMAÇÃO PARA OS MESES DE SETEMBRO A DEZEMBRO de 2015 Notas prévias: - Esta programação pode ser sujeita a alterações, desde que não esteja em

Leia mais

RELATÓRIO PROVISÓRIO DE INCÊNDIOS FLORESTAIS 2016

RELATÓRIO PROVISÓRIO DE INCÊNDIOS FLORESTAIS 2016 NÚMERO DATA 15/07/2016 TÍTULO 3.º RELATÓRIO PROVISÓRIO DE INCÊNDIOS FLORESTAIS - 2016 01 DE JANEIRO A 15 DE JULHO RELATÓRIO PROVISÓRIO DE INCÊNDIOS FLORESTAIS 2016 01 DE JANEIRO A 15 DE JULHO 1/8 Informação

Leia mais

O PANORAMA DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PORTUGUESES NOVOS SERVIÇOS NUM MERCADO EM MUDANÇA

O PANORAMA DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PORTUGUESES NOVOS SERVIÇOS NUM MERCADO EM MUDANÇA O PANORAMA DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PORTUGUESES NOVOS SERVIÇOS NUM MERCADO EM MUDANÇA IMPRENSA ESCRITA E DIGITAL DUAS FORMAS COMPLEMENTARES DE COMUNICAR PUBLICAÇÕES ATIVAS: 2008-2012 3.169 2.940

Leia mais

REGULAMENTO BOLSA DE ÁRVORES AUTÓCTONES

REGULAMENTO BOLSA DE ÁRVORES AUTÓCTONES REGULAMENTO BOLSA DE ÁRVORES AUTÓCTONES 1 REGULAMENTO BOLSA DE ÁRVORES AUTÓCTONES PROJETO FLORESTA COMUM PREÂMBULO Tendo por base o protocolo celebrado entre a AFN Autoridade Florestal Nacional, o ICNB,

Leia mais

Prémio de Jornalismo Hospital Veterinário Montenegro. Regulamento

Prémio de Jornalismo Hospital Veterinário Montenegro. Regulamento Prémio de Jornalismo Hospital Veterinário Montenegro Regulamento 2ª Edição, Novembro de 2011 Prémio de Jornalismo Hospital Veterinário Montenegro 2ª Edição Novembro de 2011 Regulamento Artigo 1º Objectivo

Leia mais

Encontro Nacional do Turismo no Espaço o Rural

Encontro Nacional do Turismo no Espaço o Rural Encontro Nacional do Turismo no Espaço o Rural Convento de Refoios Ponte de Lima 21 de Junho de 2003 Distribuição Espacial do TER (SIR) Unid: Euros Distritos Nº Projectos Investimento Total Incentivo Aveiro

Leia mais

estatísticas rápidas dezembro 2013

estatísticas rápidas dezembro 2013 estatísticas rápidas dezembro 213 Nº 16 Índice A. Resumo B. As energias renováveis na produção de eletricidade 1. Energia e potência por fonte de energia 2. Energia e potência por distrito 3. Comparação

Leia mais

GERAÇÃO DEPOSITRÃO 6 ERP PORTUGAL. Filipa Moita 25 janeiro 2014 Centro de Exposições BRAGA

GERAÇÃO DEPOSITRÃO 6 ERP PORTUGAL. Filipa Moita 25 janeiro 2014 Centro de Exposições BRAGA GERAÇÃO DEPOSITRÃO 6 ERP PORTUGAL Filipa Moita 25 janeiro 2014 Centro de Exposições BRAGA 1 GERAÇÃO DEPOSITRÃO Recolha de equipamentos e pilhas em fim de vida 603 Eco-Escolas nacionais Escolas = pontos

Leia mais

Jovens Agricultores. PDR 2020: Ação 3.1.1. INFEIRA GABINETE DE CONSULTADORIA, LDA. RUA DO MURADO, 535, 4536-902, MOZELOS 227 419 350 INFEIRA.

Jovens Agricultores. PDR 2020: Ação 3.1.1. INFEIRA GABINETE DE CONSULTADORIA, LDA. RUA DO MURADO, 535, 4536-902, MOZELOS 227 419 350 INFEIRA. Jovens Agricultores PDR 2020: Ação 3.1.1. INFEIRA GABINETE DE CONSULTADORIA, LDA. RUA DO MURADO, 535, 4536-902, MOZELOS 227 419 350 INFEIRA.PT 0 Período de Candidaturas O período de submissão de candidaturas

Leia mais

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica aos Organismos Intermédios Eixo Prioritário VI - Assistência Técnica Convite para

Leia mais

Veterinaria.com.pt 2009; Vol. 1 Nº 1: e21 (publicação inicial em Outubro de 2008)

Veterinaria.com.pt 2009; Vol. 1 Nº 1: e21 (publicação inicial em Outubro de 2008) Veterinaria.com.pt 2009; Vol. 1 Nº 1: e21 (publicação inicial em Outubro de 2008) Disponível em http://www.veterinaria.com.pt/media//dir_27001/vcp1-1-e21.pdf O papel do veterinário clínico na produção

Leia mais

Regulamento de Segurança de Barragens e a Protecção Civil

Regulamento de Segurança de Barragens e a Protecção Civil Regulamento de Segurança de Barragens e a Protecção Civil bb Luis Sá luis.sa@prociv.pt 1 O Novo RSB O novo Regulamento de Segurança de Barragens (RSB) foi aprovado pelo DL 344/2007 de 15 de Outubro Este

Leia mais

NORMAS E CRITÉRIOS DE CONCESSÃO DE AUXILIOS ECONÓMICOS ACÇÃO SOCIAL ESCOLAR DO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO

NORMAS E CRITÉRIOS DE CONCESSÃO DE AUXILIOS ECONÓMICOS ACÇÃO SOCIAL ESCOLAR DO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO NORMAS E CRITÉRIOS DE CONCESSÃO DE AUXILIOS ECONÓMICOS ACÇÃO SOCIAL ESCOLAR DO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO NORMAS E CRITÉRIOS DE CONCESSÃO DE AUXILIOS ECONÓMICOS OBJECTIVOS O Decreto-lei 55/2009 estabelece

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO DOS CAMPEONATOS PORTUGUESES DE DERBY ATRELADO PARA 2009

PROPOSTA DE REGULAMENTO DOS CAMPEONATOS PORTUGUESES DE DERBY ATRELADO PARA 2009 PROPOSTA DE REGULAMENTO DOS CAMPEONATOS PORTUGUESES DE DERBY ATRELADO PARA 2009 A partir de 1 de Janeiro de 2009 entra em vigor o presente Regulamento revogando o Regulamento do Campeonato de Derbies de

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020. Medida 9 MANUTENÇÃO DA ATIVIDADE AGRÍCOLA EM ZONAS DESFAVORECIDAS

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020. Medida 9 MANUTENÇÃO DA ATIVIDADE AGRÍCOLA EM ZONAS DESFAVORECIDAS Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 9 MANUTENÇÃO DA ATIVIDADE AGRÍCOLA EM ZONAS DESFAVORECIDAS Enquadramento Regulamentar Artigos do Regulamento (UE) n.º 1305/2013, do

Leia mais

Fevereiro 2009 ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL

Fevereiro 2009 ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL INQUÉRITO AO CRÉDITO Fevereiro 2009 ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL Introdução O Inquérito ao Crédito Fevereiro 2009, realizado pela AIP-CE, teve como base uma amostra constituída

Leia mais

Regime Jurídico da Exploração de Estabelecimentos de Alojamento Local (RJAL) Évora, março 2016

Regime Jurídico da Exploração de Estabelecimentos de Alojamento Local (RJAL) Évora, março 2016 Regime Jurídico da Exploração de Estabelecimentos de Alojamento Local (RJAL) Évora, março 2016 Decreto-Lei n.º 128/2014, de 29 de agosto, alterado pelo Decreto-Lei n.º 63/2015, de 23 abril OBJETIVOS Alojamento

Leia mais

Entidades responsáveis: Organização: Associação Desportiva Strix Bike Team. Enquadramento técnico: Associação de Ciclismo de Santarém.

Entidades responsáveis: Organização: Associação Desportiva Strix Bike Team. Enquadramento técnico: Associação de Ciclismo de Santarém. Entidades responsáveis: Organização: Associação Desportiva Strix Bike Team Enquadramento técnico: Associação de Ciclismo de Santarém Local: Distrito: Santarém Concelho: Coruche Freguesia: Coruche Coordenadas

Leia mais

Visita de Estudo ao Perímetro Florestal da Serra do Marão. Março de 2010 UTAD. Desenvolvimento Rural

Visita de Estudo ao Perímetro Florestal da Serra do Marão. Março de 2010 UTAD. Desenvolvimento Rural Março de 2010 UTAD Visita de Estudo ao Perímetro Florestal da Serra do Marão Desenvolvimento Rural Nuno Novais nº34001 Cláudio Lourenço nº 33999 André Ferreira nº34842 Luís Resende nº35462 Introdução O

Leia mais

CET CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA. no Ensino Superior

CET CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA. no Ensino Superior CET CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA no Ensino Superior CET Cursos de Especialização Tecnológica no Ensino Superior Setembro 2011 DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR Direcção de Serviços de Suporte à

Leia mais

P l a n o 2 0 1 4 FUNDAÇÃO LUSO

P l a n o 2 0 1 4 FUNDAÇÃO LUSO P l a n o 2 0 1 4 FUNDAÇÃO LUSO 1 Ações novidade no Plano de 2014 Ambiente Protocolo da Fundação Luso & Quercus Desenvolvimento de ações de valorização do ecossistemas na serra do Buçaco e a plantação

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS 4696 Diário da República, 1.ª série N.º 151 7 de agosto de 2013 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Portaria n.º 252/2013 de 7 de agosto A 2.ª edição do Programa de Estágios Profissionais na Administração Pública

Leia mais

O contributo da EAPN Portugal / Rede Europeia

O contributo da EAPN Portugal / Rede Europeia 2011 Ano Europeu das Atividades de Voluntariado que Promovam uma Cidadania Ativa O contributo da EAPN Portugal / Rede Europeia Anti - Pobreza José Machado 22 Outubro 2011 Estrutura da Comunicação Pobreza

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS Fundo de Eficiência Energética PERGUNTAS E RESPOSTAS Aviso 09 - Auditoria Elevadores Edifícios Serviços 2015 Perguntas e Respostas Aviso 09 - Auditoria Elevadores Edifícios Serviços 2015 v0 0 ÍNDICE ÂMBITO

Leia mais

DEZEMBRO 2013. Crédito Protocolado SOLUÇÕES PARA O CRESCIMENTO DA SUA EMPRESA

DEZEMBRO 2013. Crédito Protocolado SOLUÇÕES PARA O CRESCIMENTO DA SUA EMPRESA DEZEMBRO 2013 Na atual conjuntura económica, o Millennium bcp continua a implementar a sua estratégia de apoio às Empresas portuguesas, motores essenciais para o crescimento económico e criação de emprego.

Leia mais

Formulário de Candidatura ao Fundo Social de Emergência (FSE) do ano letivo /

Formulário de Candidatura ao Fundo Social de Emergência (FSE) do ano letivo / Campus de Gualtar 4710-057 Braga P I - identificação e residência Nome: Formulário de Candidatura ao Fundo Social de Emergência (FSE) do ano letivo / Nº de aluno: Data de nascimento / / Estado civil: Sexo:

Leia mais

Manual de Exploração

Manual de Exploração Manual de Exploração Seguros de Colheitas Ajuda aos Fundos Operacionais das Organizações de Produtores de Frutas e Produtos Hortícolas Módulo Consulta Prévia Manual de Exploração Seguros de Colheitas -

Leia mais

Primeiro Fundo Floresta Atlântica

Primeiro Fundo Floresta Atlântica Primeiro Fundo Floresta Atlântica Dezembro.2011 www.floresta-atlantica.pt CONFIDENCIAL Primeiro Fundo Floresta Atlântica Fundo Especial de Investimento Imobiliário Florestal Fechado CONFIDENCIAL 2 Sinopse

Leia mais

Plano Desenvolvimento Rural de Linhares 2010/2013

Plano Desenvolvimento Rural de Linhares 2010/2013 Plano Desenvolvimento Rural de Linhares 2010/2013 Esta freguesia localizada em região planaltica está situada a cerca de oito quilómetros da sede do concelho, e a cerca de 5 Km da Auto Estrada Porto- Valença.

Leia mais

Eixo Prioritário V Assistência Técnica

Eixo Prioritário V Assistência Técnica Eixo Prioritário V Assistência Técnica Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica no Âmbito da Delegação de Competências com os Organismos Intermédios na gestão dos

Leia mais

Condições meteorológicas do dia 19 de abril de 2014

Condições meteorológicas do dia 19 de abril de 2014 Relatório Condições meteorológicas do dia 19 de abril de 2014 Introdução O presente documento pretende explicar o mais exato possível as condições meteorológicas que afetaram as soltas no dia 19ABR14.

Leia mais

7. Condicionantes. : Reserva Ecológica Nacional; : Reserva Agrícola Nacional; : Domínio Público Hídrico; : Património Classificado;

7. Condicionantes. : Reserva Ecológica Nacional; : Reserva Agrícola Nacional; : Domínio Público Hídrico; : Património Classificado; 7. Condicionantes De acordo com a legislação em vigor existe um conjunto de figuras legais que de algum modo, condicionam o território ou constituem servidões administrativas e outras restrições de utilidade

Leia mais

WWW.PORTAL-ENERGIA.COM

WWW.PORTAL-ENERGIA.COM estatísticas rápidas Setembro/Outubro Nº 55/56 1/22 Índice A.Resumo B. As energias renováveis na produção de electricidade 1. Energia e potência por fonte de energia 2. Energia e potência por distrito

Leia mais

Alteração do tipo de actividade ou ramo de comércio. Mudança da pessoa ou entidade titular da exploração

Alteração do tipo de actividade ou ramo de comércio. Mudança da pessoa ou entidade titular da exploração MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO, DA AGRICULTURA, DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS, DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL E DA SAÚDE Declaração de Instalação,

Leia mais

8 de Março 2011- E urgente acabar com as discriminações que a mulher continua sujeita em Portugal Pág. 2

8 de Março 2011- E urgente acabar com as discriminações que a mulher continua sujeita em Portugal Pág. 2 8 de Março 2011- E urgente acabar com as discriminações que a mulher continua sujeita em Portugal Pág. 1 A SITUAÇÃO DA MULHER EM PORTUGAL NO DIA INTERNACIONAL DA MULHER DE 2011 RESUMO DESTE ESTUDO No dia

Leia mais

Regulamento CONCURSO: A Biodiversidade da minha Cidade 2012. Regulamento de concurso - 2012. 1 - Entidade Promotora. 2 Objectivo

Regulamento CONCURSO: A Biodiversidade da minha Cidade 2012. Regulamento de concurso - 2012. 1 - Entidade Promotora. 2 Objectivo CONCURSO: A Biodiversidade da minha Cidade 2012 Regulamento 1 - Entidade Promotora O Concurso A Biodiversidade na Minha Cidade é uma iniciativa da Câmara Municipal de Gouveia, que conta com a colaboração

Leia mais

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO- Educação Especial. Preâmbulo

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO- Educação Especial. Preâmbulo REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO- Educação Especial Preâmbulo Faz parte da missão do grupo Águas de Portugal (Grupo AdP) constituir-se como uma referência no setor do ambiente, de forma a

Leia mais

M U N I C Í P I O D E V A L E N Ç A C ÂM ARA MUNIC I PAL

M U N I C Í P I O D E V A L E N Ç A C ÂM ARA MUNIC I PAL REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO Nota justificativa Os municípios são autarquias locais que têm como objetivo primordial a prossecução dos interesses próprios e comuns dos respetivos

Leia mais

Diretiva INSPIRE CONTRIBUTOS PARA O SISTEMA DE MONITORIZAÇÃO TERRITORIAL NA REGIÃO NORTE BRAGA 26 DE NOVEMBRO DE 2015

Diretiva INSPIRE CONTRIBUTOS PARA O SISTEMA DE MONITORIZAÇÃO TERRITORIAL NA REGIÃO NORTE BRAGA 26 DE NOVEMBRO DE 2015 Diretiva INSPIRE CONTRIBUTOS PARA O SISTEMA DE MONITORIZAÇÃO TERRITORIAL NA REGIÃO NORTE BRAGA 26 DE NOVEMBRO DE 2015 As fontes As fontes SOLO URBANO SOLO RURAL R F C N PU / PP INFRAESTRUTURAIS ACOLHIMENTO

Leia mais

MINISTÉRIOS DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL E DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO

MINISTÉRIOS DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL E DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO Diário da República, 2.ª série N.º 80 23 de Abril de 2008 18537 - Direcção -Geral de Agricultura e Desenvolvimento Rural; - Direcção -Geral dos Recursos Florestais; - Direcção Regional de Agricultura e

Leia mais

GUIA DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO

GUIA DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO ACÇÃO 1.5.2 RESTABELECIMENTO DO POTENCIAL PRODUTIVO GUIA DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO União Europeia FEADER Página 1 -Acção 152 Restabelecimento do Potencial Produtivo Funcionamento genérico Os formulários

Leia mais

ELEIÇÃO DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ELEIÇÃO DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Círculo eleitoral dos Açores Aliança Açores Partido Social Democrata Partido Democrático do Atlântico CDS-PP. PPD/D PDA Círculo eleitoral de Aveiro Partido Cidadania e Democracia Cristã PPV/CDC PPD/D.

Leia mais

COLHEITA, TRANSPORTE, ARMAZENAMENTO, TRANSFORMAÇÃO, IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO DE PINHAS DE PINUS PINEA

COLHEITA, TRANSPORTE, ARMAZENAMENTO, TRANSFORMAÇÃO, IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO DE PINHAS DE PINUS PINEA APRESENTAÇÃO DO NOVO REGIME JURÍDICO COLHEITA, TRANSPORTE, ARMAZENAMENTO, TRANSFORMAÇÃO, IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO DE PINHAS DE PINUS PINEA DGPF/DAPFVRS Cristina Santos LISBOA, 17 DE NOVEMBRO 2015 ÍNDICE

Leia mais

Câmara do Comércio de Angra do Heroísmo Associação Empresarial das ilhas Terceira, Graciosa e São Jorge

Câmara do Comércio de Angra do Heroísmo Associação Empresarial das ilhas Terceira, Graciosa e São Jorge Programa de Apoio à Revitalização das Lojas nos Centros Urbanos LOJA + Objetivo Promover a requalificação e revitalização do comércio dos centros urbanos, tendo em vista a ocupação de espaços devolutos,

Leia mais

Perfil de Água Balnear do Castelo

Perfil de Água Balnear do Castelo Perfil de Água Balnear do Castelo Identificação da Água Balnear Nome da Água Balnear CASTELO Código da Água Balnear PTCV2T Ano de Identificação 1991 Categoria/Tipo Água balnear costeira/costa Atlântica

Leia mais

Albufeira, Maio 2015 Ana Blanco. Regime Jurídico da Exploração de Estabelecimentos de Alojamento Local (RJAL)

Albufeira, Maio 2015 Ana Blanco. Regime Jurídico da Exploração de Estabelecimentos de Alojamento Local (RJAL) Albufeira, Maio 2015 Ana Blanco Regime Jurídico da Exploração de Estabelecimentos de Alojamento Local (RJAL) Decreto-Lei nº 128/2014, de 29 de agosto, alterado pelo Decreto-Lei nº63/2015, de 23 abril OBJETIVOS

Leia mais

GREENING REGIME DE CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL. 20 de novembro de 2015 Santarém

GREENING REGIME DE CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL. 20 de novembro de 2015 Santarém GREENING REGIME DE CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL 20 de novembro de 2015 Santarém 1 2 ENQUADRAMENTO PRÁTICA EQUIVALENTE À DIVERSIFICAÇÃO DE CULTURAS 3 ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO 4 CONTROLO 2 1 ENQUADRAMENTO O

Leia mais

AÇÃO 2.4.3 2.4.13 INVESTIMENTOS NÃO PRODUTIVOS GUIA DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO

AÇÃO 2.4.3 2.4.13 INVESTIMENTOS NÃO PRODUTIVOS GUIA DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO AÇÃO 2.4.3 2.4.13 INVESTIMENTOS NÃO PRODUTIVOS GUIA DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO Setembro - 2012 INSTRUÇÕES PARA UMA CORRETA UTILIZAÇÃO DO FORMULÁRIO Funcionamento genérico Os formulários estão disponíveis

Leia mais

Conferência Sistemas de Informação Geográfica - Que Políticas, afinal?

Conferência Sistemas de Informação Geográfica - Que Políticas, afinal? Conferência Sistemas de Informação Geográfica - Que Políticas, afinal? Graciosa Delgado Judas Gonçalves 22 OUT 2014 CADASTRO PREDIAL E SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICO AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA

Leia mais

Classificação DOS EMPREENDIMENTOS DE TURISMO NO ESPAÇO RURAL:

Classificação DOS EMPREENDIMENTOS DE TURISMO NO ESPAÇO RURAL: O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL CAE Rev_3: 55202 TURISMO NO ESPAÇO RURAL NOÇÃO:

Leia mais

MUNICÍPIO DE CASTRO VERDE CÂMARA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DE CASTRO VERDE CÂMARA MUNICIPAL MUNICÍPIO DE CASTRO VERDE CÂMARA MUNICIPAL EDITAL (nº112/2013) António João Fernandes Colaço, Vice-Presidente da Câmara Municipal de Castro Verde, no uso da competência delegada conforme despacho do Presidente

Leia mais

instituições de comprovada valia social, o qual visa concretizar, especificando, o compromisso a que está vinculada.

instituições de comprovada valia social, o qual visa concretizar, especificando, o compromisso a que está vinculada. DECISÃO relativa ao programa para a atribuição de subsídio à aquisição de equipamentos de recepção das emissões de TDT por parte de cidadãos com necessidades especiais, grupos populacionais mais desfavorecidos

Leia mais

Protocolo de Delegação de Competências Anexo N6

Protocolo de Delegação de Competências Anexo N6 Protocolo de Delegação de Competências Anexo N6 FUNDO DE EMERGÊNCIA SOCIAL DE LISBOA AGREGADOS FAMILIARES CRITÉRIOS DE ATRIBUIÇÃO (Deliberação 27/AML/2012, publicada no 1º Sup. ao BM nº 951, de 10 de Maio

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO DE FOTOGRAFIA E VÍDEO DA ÁGUAS DO ALGARVE, S.A.

REGULAMENTO DO CONCURSO DE FOTOGRAFIA E VÍDEO DA ÁGUAS DO ALGARVE, S.A. REGULAMENTO DO CONCURSO DE FOTOGRAFIA E VÍDEO DA ÁGUAS DO ALGARVE, S.A. A ÁGUA PELOS MEUS OLHOS Mil Imagens, uma Região, um Futuro Cláusula 1 - Organização O Concurso de Fotografia e Vídeo A Água pelos

Leia mais

1. Preenchimento do Formulário de Recapitulativo de Despesas com Recursos Humanos (Anexo I)

1. Preenchimento do Formulário de Recapitulativo de Despesas com Recursos Humanos (Anexo I) ASSUNTO FUNDO FLORESTAL PERMANENTE EIXO I SENSIBILIZAÇÃO E INFORMAÇÃO CAMPANHAS DE SENSIBILIZAÇÃO DESTINADAS A POPULAÇÕES ESCOLARES NA ÁREA DE PREVENÇÃO DE INCÊNDIOS FLORESTAIS 2013/2014 ORIENTAÇÕES PARA

Leia mais

IV JORNADAS IBERO-ATLÂNTICAS DE ESTATÍSTICAS REGIONAIS 22 e 23 de junho de 2012 ESTATÍSTICAS FINANCEIRAS REGIONAIS. João Cadete de Matos

IV JORNADAS IBERO-ATLÂNTICAS DE ESTATÍSTICAS REGIONAIS 22 e 23 de junho de 2012 ESTATÍSTICAS FINANCEIRAS REGIONAIS. João Cadete de Matos 22 e 23 de junho de 2012 ESTATÍSTICAS FINANCEIRAS REGIONAIS João Cadete de Matos 1ª Parte Estatísticas do Banco de Portugal Estatísticas Financeiras Regionais 2 Evolução da difusão Estatística no Banco

Leia mais

A QUALIDADE E A CERTIFICAÇÃO

A QUALIDADE E A CERTIFICAÇÃO A QUALIDADE E A CERTIFICAÇÃO Em 1977 foi criada no Ministério da Indústria e Energia, a Direcção Geral da Qualidade, actualmente denominada por IPQ, cujo objectivo era o desenvolvimento e divulgação dos

Leia mais

GUIA PRÁTICO PROVA ESCOLAR (Abono de Família para Crianças e Jovens e Bolsa de Estudo)

GUIA PRÁTICO PROVA ESCOLAR (Abono de Família para Crianças e Jovens e Bolsa de Estudo) GUIA PRÁTICO PROVA ESCOLAR (Abono de Família para Crianças e Jovens e Bolsa de Estudo) INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Pág. 1/14 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Prova Escolar (Abono de Família

Leia mais

M U N I C Í P I O D E S Á T Ã O

M U N I C Í P I O D E S Á T Ã O DA REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÁTÃO REALIZADA NO DIA 19-06-2015 PRESENTES ATA Nº. 12/2015 PRESIDENTE Paulo Santos VEREADORES Zélia Silva Rosa Carvalho Fernando Gomes Silvério Ferreira Maria

Leia mais

A florestação do PFSMMV e a gestão do risco de incêndio florestal

A florestação do PFSMMV e a gestão do risco de incêndio florestal A florestação do PFSMMV e a gestão do risco de incêndio florestal Índice: Breve caracterização do Perímetro Florestal da Serra do Marão e Meia Via Florestação do PFSMMV Incêndios e Reflorestação O incêndio

Leia mais

Agricultura Presente, um Projecto com Futuro

Agricultura Presente, um Projecto com Futuro Direcção Regional de Agricultura e Pescas de Lisboa e Vale do Tejo Agricultura Presente, Agricultura Presente, um Projecto com Futuro um Projecto com Futuro (LVT) 4.878 projetos aprovados Investimento

Leia mais

A FLORESTA HOJE Cobertura Vegetal Natural do Estado de São Paulo

A FLORESTA HOJE Cobertura Vegetal Natural do Estado de São Paulo A FLORESTA HOJE Cobertura Vegetal Natural do Estado de São Paulo Importância da Floresta Proteção e conservação do solo e da água; Produção de madeira (casas, barcos, carvão; etc); Produção de alimentos

Leia mais

GUIA DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO

GUIA DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO ACÇÃO 2.3.2 ORDENAMENTO E RECUPERAÇÃO DE POVOAMENTOS ESTABILIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA Anúncio 07-232-2012 GUIA DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO Setembro de 2012 INSTRUÇÕES PARA UMA CORRECTA UTILIZAÇÃO DO FORMULÁRIO

Leia mais

C C D R N E S P A P SERVIÇOS PARTILHADOS E COMPRAS PÚBLICAS. Porto, 06 de fevereiro de 2015

C C D R N E S P A P SERVIÇOS PARTILHADOS E COMPRAS PÚBLICAS. Porto, 06 de fevereiro de 2015 C C D R N E S P A P SERVIÇOS PARTILHADOS E COMPRAS PÚBLICAS Porto, 06 de fevereiro de 2015 1 ÍNDICE I A COMUNIDADE INTERMUNICIPAL DO CÁVADO III CENTRAL DE COMPRAS DA CIM DO CÁVADO 2 I A COMUNIDADE INTERMUNICIPAL

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIO A ACTIVIDADES DE INTERESSE MUNICIPAL PREÂMBULO

REGULAMENTO DE APOIO A ACTIVIDADES DE INTERESSE MUNICIPAL PREÂMBULO REGULAMENTO DE APOIO A ACTIVIDADES DE INTERESSE MUNICIPAL PREÂMBULO Atendendo a que a atribuição de apoios a entidades ou instituições que contribuam para o desenvolvimento do concelho de S. Pedro do Sul

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO DE FOTOGRAFIA E VÍDEO DA ÁGUAS DO ALGARVE, S.A.

REGULAMENTO DO CONCURSO DE FOTOGRAFIA E VÍDEO DA ÁGUAS DO ALGARVE, S.A. REGULAMENTO DO CONCURSO DE FOTOGRAFIA E VÍDEO DA ÁGUAS DO ALGARVE, S.A. A ÁGUA PELOS MEUS OLHOS Mil Imagens, uma Região, um Futuro Cláusula 1 - Organização O Concurso de Fotografia e Vídeo A Água pelos

Leia mais

Documentos. Para instrução da candidatura a Bolsa de Estudo. Ano Lectivo 2010/2011. Serviços de Acção Social. Instituto Politécnico da Guarda

Documentos. Para instrução da candidatura a Bolsa de Estudo. Ano Lectivo 2010/2011. Serviços de Acção Social. Instituto Politécnico da Guarda Serviços de Acção Social Ano Lectivo 2010/2011 Instituto Politécnico da Guarda Documentos Para instrução da candidatura a Bolsa de Estudo As Bolsas de Estudo são co-financiadas pelo Fundo Social Europeu

Leia mais

MODELAGEM DA PRODUÇÃO DE SEDIMENTOS USANDO CENÁRIO AMBIENTAL ALTERNATIVO NA REGIÃO NO NOROESTE DO RIO DE JANEIRO - BRAZIL

MODELAGEM DA PRODUÇÃO DE SEDIMENTOS USANDO CENÁRIO AMBIENTAL ALTERNATIVO NA REGIÃO NO NOROESTE DO RIO DE JANEIRO - BRAZIL MODELAGEM DA PRODUÇÃO DE SEDIMENTOS USANDO CENÁRIO AMBIENTAL ALTERNATIVO NA REGIÃO NO NOROESTE DO RIO DE JANEIRO - BRAZIL SEDIMENT YIELD MODELING USING AN ALTERNATIVE ENVIRONMENTAL SCENARIO IN NORTHWESTERN

Leia mais

INCENTIVO FISCAL AO ABATE DE VEÍCULOS EM FIM DE VIDA. Condições de acesso ao incentivo

INCENTIVO FISCAL AO ABATE DE VEÍCULOS EM FIM DE VIDA. Condições de acesso ao incentivo INCENTIVO FISCAL AO ABATE DE VEÍCULOS EM FIM DE VIDA Condições de acesso ao incentivo Pela Lei nº 82-D/2014, de 31 de dezembro (Lei da Fiscalidade Verde ), foi criado um regime excecional de atribuição

Leia mais

22-11-2015. Regime de certificação ambiental do Greening GREENING REGIME DE CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL ENQUADRAMENTO

22-11-2015. Regime de certificação ambiental do Greening GREENING REGIME DE CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL ENQUADRAMENTO GREENING REGIME DE CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL 0 de novembro de 05 Santarém ENQUADRAMENTO PRÁTICA EQUIVALENTE À DIVERSIFICAÇÃO DE CULTURAS 3 ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO 4 CONTROLO ENQUADRAMENTO O que é o greening?

Leia mais

CARTA EUROPEIA DE TURISMO SUSTENTÁVEL DO ALTO MINHO

CARTA EUROPEIA DE TURISMO SUSTENTÁVEL DO ALTO MINHO CARTA EUROPEIA DE TURISMO SUSTENTÁVEL DO ALTO MINHO 3ª Reunião do Fórum Ponte de Lima, 07 de julho de 2015 5 Reuniões da ETP ( 35 pax/ 87 part) 7 Reuniões municipais (70 pessoas) 2 Reuniões do Fórum (97

Leia mais