PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO"

Transcrição

1 PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO 1. INTRODUÇÃO O Plano Municipal de Saneamento de Patos de Minas abrange a sede municipal, os distritos de Areado, Santana de Patos, Pindaíbas, Bom Sucesso de Patos, Major Porto e Pilar, além dos povoados de Horizonte Alegre, Sertãozinho, Baixadinha dos Gonçalves, Boassara, Santa Maria, Alagoas, Lanhosos e Arraial dos Afonsos. O Plano foi elaborado a partir de levantamentos de campo realizados pela Secretaria Municipal de Infra-Estrutura, com o apoio da equipe técnica da COPASA Companhia de Saneamento de Minas Gerais, procurando-se definir critérios para implementação de políticas públicas que promovam a universalização do atendimento e a eficácia das intervenções propostas. Prevê a implantação de instrumentos norteadores de planejamento relativos a ações que envolvam a racionalização dos sistemas existentes, obtendo-se o maior benefício a um menor custo. Com isso, espera-se aumentar os índices de satisfação da população, contribuir para a redução das desigualdades sociais existentes e desenvolvimento econômico da região, proporcionando uma melhoria na qualidade de vida. Na priorização das ações, foram consideradas a otimização na aplicação dos recursos e a necessidade de responder ao desafio de oferecer um serviço público de qualidade. 2 DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO 2.1 SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA Sede Municipal A sede do Município possui uma população estimada em mil habitantes (dados extraídos do censo do IBGE de 2007), sendo o índice de atendimento de 97,15%, em relação ao abastecimento de água, porém com disponibilidade a 100% da população. As principais atividades econômicas são: prestação de serviços, agropecuária e indústria. Há uma tendência de crescimento da cidade na direção norte e noroeste.

2 No que diz respeito ao abastecimento de água, a sede do Município conta com um sistema público operado pela COPASA, em regime contínuo. A captação é feita diretamente no Rio Paranaíba, com vazão aduzida de 400 L/s dos 750 L/s de vazão outorgada, por meio da Estação Elevatória de Água Bruta. A Adutora de Água Bruta, que interliga a Estação Elevatória de Água Bruta à Estação de Tratamento de Água, é composta por 2 (duas) linhas paralelas, tubos em FºFº, diâmetros DN 400, DN 450 e DN 600, com extensão de 3141 m, 232 m e 50 m respectivamente. A Adutora de Água Bruta encontra-se em bom estado de conservação e possui seu caminhamento ao longo de logradouros públicos. O tratamento é realizado por Estação Tratamento de Água (ETA) do tipo convencional, em concreto armado, com floculadores mecânicos, decantadores convencionais e filtros rápidos, operando com vazão de 400 L/s. Da ETA a água é aduzida por meio de 16 (dezesseis) Estações Elevatórias de Água Tratada com potência instalada variando de 2 cv a 200 cv. O sistema ainda é composto por 26,2 Km de Adutora de Água Tratada, em PVC, DEFºFº e FºFº, com diâmetros variando de DN 75 a DN 400. O sistema de reservação possui 26 (vinte e seis) reservatórios distribuídos em pontos estratégicos da cidade com capacidade variando de 30 a m³, totalizando um volume de m³. O sistema distribuidor de Patos de Minas é dividido em 4 (quatro) grandes setores de abastecimento: Zona Baixa, Zona Média, Zona Alta e Zona Industrial, que são alimentados pelas unidades de bombeamento e reservação citadas anteriormente. O sistema de distribuição conta, ainda, com m em tubos de PVC, Cimento Amianto, FºFº e DEFºFº, com diâmetros variando de DN 25 a DN Redes de distribuição subdimensionadas nos bairros Alvorada, Nova Floresta e Nossa Senhora de Fátima; - Alta incidência de vazamentos, gerando necessidade de substituição de redes antigas na parte central da cidade; - Altas pressões nas redes de distribuição em determinados setores da cidade, gerando necessidade de adequação das pressões disponíveis aos usuários; - Produção de água insuficiente para acompanhar o crescimento da cidade, gerando necessidade de realização de obras nas unidades de captação, tratamento e reservação.

3 2.1.2 Distrito de Areado O Distrito de Areado possui uma população estimada em 646 habitantes, sendo o índice de atendimento de 95,3%, em relação ao abastecimento de água, porém com disponibilidade a 100% da população. No que diz respeito ao abastecimento de água, o Distrito conta com um sistema público operado pela COPASA, em regime contínuo. A captação é feita diretamente no Ribeirão Areado com vazão 3,5 L/s e composta de uma Elevatória de Água Bruta. A adução entre a Elevatória de Água Bruta e a Estação de Tratamento de Água é feita por rede adutora em PVC PBA, DN 50, com extensão de 36 m. O tratamento acontece em Estação de Tratamento de Água pré-fabricada, em fibra de vidro, com vazão de 2,5 L/s. A Adutora de Água Tratada interliga a Estação de Tratamento de Água ao reservatório elevado, em PVC PBA, DN 75, com extensão de 404 m. A reservação constitui de um reservatório elevado metálico com capacidade para 60 m³. A rede de distribuição possui uma extensão de m, feita em PVC JE PB, com diâmetros variando de DN 25 a DN 100. Atualmente não existem deficiências e necessidades no sistema Distrito de Santana de Patos O Distrito de Santana de Patos possui uma população estimada em habitantes, sendo o índice de atendimento de 100%, em relação ao abastecimento de água. No que diz respeito ao abastecimento de água, o Distrito conta com um sistema público operado pela COPASA, em regime contínuo. A captação é realizada por meio de dois poços profundos, com vazões de 3,45 L/s e 3,0 L/s. A adução é realizada por duas adutoras de Água Bruta, em DEFºFº, DN100 mm, com extensão total de 82 m.

4 O tratamento é feito por cloração simples no tanque de contato, com uma vazão de 6,4 L/s. A Adutora de Água Tratada interliga a elevatória ao reservatório apoiado, por meio de uma tubulação em PVC PBA, DN 100, com extensão de m. A reservação constitui de um reservatório apoiado de concreto com capacidade para 60 m³. A rede de distribuição possui uma extensão de m, em PVC JE e JS PB, com diâmetros variando de DN 25 a DN 100. Atualmente não existem deficiências e necessidades no sistema Distrito de Pindaíbas O Distrito de Pindaíbas possui uma população estimada em 889 habitantes, sendo o índice de atendimento de 98,6%, em relação ao abastecimento de água, porém com disponibilidade a 100% da população. No que diz respeito ao abastecimento de água, o Distrito conta com um sistema público operado pela COPASA, em regime contínuo. A captação acontece por tomada direta, em barragem de nível, no Córrego Bauzinho, com vazão de 6 L/s, composta de uma Estação de Água Bruta. O tratamento é feito por uma Estação de Tratamento de Água convencional, em fibra de vidro, com vazão de 5 L/s. A Adutora de Água Tratada interliga o tanque de contato ao reservatório apoiado, toda em PVC PBA, DN 100, com extensão de 487 m, por meio de uma Elevatória de Água Tratada. A reservação constitui de um reservatório semi-enterrado em concreto, com capacidade para 75 m³. A rede de distribuição tem uma extensão de m, em PVC JE e JS PB, com diâmetros variando de DN 20 a DN 75. Atualmente não existem deficiências e necessidades no sistema.

5 2.1.5 Distrito de Bom Sucesso de Patos O Distrito de Bom Sucesso de Patos possui uma população estimada em 549 habitantes, sendo o índice de atendimento de 97,94%, em relação ao abastecimento de água, porém com disponibilidade a 100% da população. No que diz respeito ao abastecimento de água, o Distrito conta com um sistema público operado pela COPASA, em regime contínuo. A captação é realizada por tomada direta, em barragem de nível, no Córrego do Bom Sucesso, com vazão 3 L/s, composta de uma Estação de Água Bruta. A Adutora de Água Tratada é em PVC PBA, DN 100, com extensão de 35 m. O tratamento é feito por Estação de Tratamento de Água convencional, em concreto, com vazão de 3 L/s. A reservação constitui de um reservatório apoiado de concreto, com capacidade para 50 m³. A rede de distribuição possui m, em PVC JE e JS PB, com diâmetros variando de DN 15 a DN 75. Atualmente não existem deficiências e necessidades no sistema Distrito de Major Porto O Distrito de Major Porto possui uma população estimada em 974 habitantes, sendo o índice de atendimento de 97,9%, em relação ao abastecimento de água, porém com disponibilidade a 100% da população. No que diz respeito ao abastecimento de água, o Distrito conta com um sistema público operado pela COPASA, em regime contínuo. A captação é feita por dois poços profundos, sendo um com vazão de 5,4 L/s e o outro reserva. O tratamento é feito com simples cloração no tanque de contato. A Adutora de Água Tratada interliga o tanque de contato ao reservatório apoiado, em FºFº DN 125, com extensão de 430 m. A reservação constitui de um reservatório apoiado, em concreto armado, com capacidade para 150 m³.

6 A rede de distribuição possui m em PVC JS, com diâmetros variando de DN 20 a DN 75. Atualmente não existem deficiências e necessidades no sistema Distrito de Pilar O Distrito de Pilar possui uma população estimada em 893 habitantes, sendo o índice de atendimento de 96,87%, em relação ao abastecimento de água, porém com disponibilidade a 100% da população. No que diz respeito ao abastecimento de água, o Distrito conta com um sistema público operado pela COPASA, em regime contínuo. A captação é feita por dois poços profundos, com vazões de 2,5 L/s e 3,1 L/s. A adução de água bruta acontece por meio de duas adutoras, em PVC PBA, DN 75 e extensão de m. O tratamento acontece por cloração simples no tanque de contato do reservatório apoiado, com vazão de 6 L/s. A reservação constitui de um reservatório apoiado em ferro-cimento, com capacidade para 100 m³. A rede de distribuição possui m, em PVC JE e JS PB, com diâmetros variando de DN 25 a DN 100. Atualmente não existem deficiências e necessidades no sistema Povoado Horizonte Alegre O Povoado de Horizonte Alegre possui uma população estimada em 80 habitantes, sendo o índice de atendimento de 80%, em relação ao abastecimento de água. No que diz respeito ao abastecimento de água, o povoado conta com um sistema público operado pelo Município. A captação é feita em um manancial superficial, alimentado por nascentes, acima da antiga barragem já assoreada. Desta nascente, a água segue por gravidade, por

7 meio de 3 tubos de ½, até a reservatório apoiado de concreto de 10 m³, localizado abaixo da nascente. Também funciona como poço de sucção para a estação elevatória de água localizada junto ao reservatório apoiado. Ressalte-se que esse manancial tem apresentado redução de vazão no período de estiagem, além de ser de difícil acesso. A Adutora de Água Bruta recalca a água a um desnível de cerca de 70 m, através de 1 km de tubulação, em PVC DN 50 mm, até um reservatório elevado de 35 m³. A água distribuída não recebe nenhum tipo de tratamento. Elevatória - está implantado um conjunto motobomba de 5 cv para recalque da água do reservatório apoiado, que funciona como poço de sucção, até o reservatório elevado de 35 m³. A bomba está superdimensionada e em boas condições de uso. A reservação constitui de um reservatório elevado em concreto de 15 m³, localizado no centro do povoado. Inexistência de tratamento para a água distribuída. Inexistência de padronização e medição da água distribuída Povoado Sertãozinho O Povoado de Sertãozinho possui uma população estimada em 183 habitantes, sendo o índice de atendimento de 80%, em relação ao abastecimento de água. No que diz respeito ao abastecimento de água, o povoado conta com um sistema público operado pelo Município. A captação é feita por um poço profundo, cuja vazão de 1,4 L/s, onde é bombeada para o reservatório apoiado de concreto a aproximadamente 200 m. A água distribuída não recebe nenhum tipo de tratamento. A reservação constitui de um reservatório apoiado, em estrutura de concreto de 35 m³, localizado na Praça da Igreja (parte alta da localidade). Ressalta-se que acima deste reservatório apoiado existem três casas que estão sendo abastecidas por meio de bombas submersíveis individuais.

8 Inexiste projeto de implantação da rede de distribuição. É composta de aproximadamente 319 m de tubos em PVC, com diâmetros de DN 25 e DN 40 mm. Inexistência de tratamento para a água distribuída. Inexistência de padronização e medição da água distribuída Povoado Baixadinha dos Gonçalves O Povoado de Baixadinha dos Gonçalves possui uma população estimada em 180 habitantes, sendo o índice de atendimento de 100%, em relação ao abastecimento de água. No que diz respeito ao abastecimento de água, o povoado conta com um sistema público operado pelo Município. A captação e por um poço profundo, com vazão de 1,4 L/s. A água distribuída não recebe nenhum tipo de tratamento. A reservação constitui de um reservatório metálico com capacidade para 10m³, localizado próximo ao poço. A rede de distribuição possui uma extensão de m, em PVC JS e PB, com diâmetro variando de DN 25 a DN 50, não existindo projeto da sua implantação. Inexistência de tratamento para a água distribuída. Inexistência de padronização e medição da água distribuída Povoado Boassara O Povoado de Boassara possui uma população estimada em 253 habitantes, sendo o índice de atendimento de 100%, em relação ao abastecimento de água. No que diz respeito ao abastecimento de água, o povoado conta com um sistema público operado pelo Município. A fonte de produção da localidade é um manancial superficial, alimentado por nascentes próximas ao ponto de captação, denominado Brejão. A vazão captada é de 1,8 L/s. Este manancial tem apresentado redução de vazão no período de estiagem.

9 A adução interliga, por gravidade, a captação ao reservatório semi-enterrado de 14 m³. Possui cerca de m em PVC DN 40 mm. Existe, ainda, uma adutora que faz a interligação do reservatório semi-enterrado ao reservatório apoiado de 15 m³, em tubulação de PVC DN 40 mm, com extensão de 174 m. A água distribuída não recebe nenhum tipo de tratamento. A reservação constitui de 2 (dois) reservatórios, totalizando 29m³, sendo um com 15 m³ e o outro com 14 m³. O reservatório semi-enterrado funciona como caixa de reunião da água, que vem da captação superficial, e poço de sucção para a Elevatória de Água Tratada. A rede de distribuição possui m em PVC JS, FG e Polietileno, com diâmetros variando de DN 25 a DN 40 mm, não existindo projeto da sua implantação. Inexistência de tratamento para a água distribuída. Inexistência de padronização e medição da água distribuída Povoado Santa Maria O Povoado de Santa Maria possui uma população estimada em 80 habitantes, sendo o índice de atendimento de 80%, em relação ao abastecimento de água. No que diz respeito ao abastecimento de água, o povoado conta com um sistema público operado pelo Município. A captação é feita em um córrego sem nome oficial, com duas nascentes e uma represa, por meio de tomada direta na barragem existente. Não existem dados sobre vazão. A água captada é transportada por gravidade em adutora de PVC DN 75 até um filtro de areia, distante aproximadamente 50 m. Após filtrada, é acumulada em um tanque que funciona como poço de sucção da elevatória de água bruta. A Adutora de Água Bruta é em PVC DN 40 mm com m de extensão, e interliga a elevatória ao reservatório apoiado de concreto, situado no início da comunidade. A água distribuída não recebe nenhum tipo de tratamento. A reservação constitui de um reservatório apoiado de concreto com capacidade para 12 m³.

10 A rede de distribuição possui m, em PVC PBA, DN 40, não existindo projeto da sua implantação. Inexistência de tratamento para a água distribuída. Inexistência de padronização e medição da água distribuída Povoado de Alagoas O Povoado de Alagoas possui uma população estimada em 650 habitantes, sendo o índice de atendimento de 80%, em relação ao abastecimento de água. No que diz respeito ao abastecimento de água, o povoado conta com um sistema público operado pelo Município. A captação conta com 2 (dois) poços profundos, sem cavaletes, sem informação de vazão. Atualmente a água distribuída não recebe nenhum tipo de tratamento. A reservação conta com 2 (dois) reservatórios elevados, metálicos, com capacidade total de 35m³. A rede de distribuição é composta por m, em PVC JE e JS PB, com diâmetros variando de DN 25 a DN 50 mm. Inexistência de tratamento para a água distribuída. Inexistência de padronização e medição da água distribuída Povoado Lanhosos O Povoado de Lanhosos possui uma população estimada em 118 habitantes, sendo o índice de atendimento de 100%, em relação ao abastecimento de água. No que diz respeito ao abastecimento de água, o povoado conta com um sistema público operado pelo Município. A captação conta com um poço profundo, sem cavalete, com vazão de 1,4 L/s.

11 Adução de Água Bruta - do poço a água é bombeada para o reservatório elevado metálico de 10 m³, localizado junto ao poço, em diâmetro de 40 mm e extensão de 10m. A água distribuída não recebe nenhum tipo de tratamento. A reservação conta com um reservatório metálico, localizado no pátio da Escola Municipal, com capacidade para 10 m³. Adução - a interligação do reservatório elevado à rede de distribuição é feita por 40 m de tubulação, em PVC PBA, com diâmetro 40 mm. Esta tubulação está implantada dentro da área da escola, em local de difícil manutenção. A rede de distribuição possui 319 m, em PVC JS, DN 25 mm, não existindo projeto de sua implantação. - Inexistência de tratamento para a água distribuída. Inexistência de padronização e medição da água distribuída Povoado de Arraial dos Afonsos O Povoado de Arraial dos Afonsos possui uma população estimada em 182 habitantes, sendo o índice de atendimento de 80%, em relação ao abastecimento de água. No que diz respeito ao abastecimento de água, o povoado conta com um sistema público operado pelo Município. A captação é feita em um córrego sem nome oficial, com uma nascente e em um poço tubular profundo no período de seca. Não existem dados sobre vazão. A Adutora de Água Bruta é em PVC, com diâmetros de DN 75, 50 e 25 mm com m de extensão. A água distribuída não recebe nenhum tipo de tratamento. A reservação constitui de um reservatório elevado metálico com capacidade para 15 m³. A rede de distribuição possui 890m, em PVC, DN 32 e 25, não existindo projeto da sua implantação. Inexistência de tratamento para a água distribuída.

12 Inexistência de padronização e medição da água distribuída. 2.2 SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO Sede municipal Quanto à coleta de esgotos, a sede municipal conta com sistema público operado pelo Município de Patos de Minas, através da Secretaria Municipal de Infra- Estrutura, sendo o índice de atendimento aproximado de 95%. Todos os bairros são atendidos, porém verificam-se, em pontos específicos e localizados, falhas de atendimento e de operação. As redes coletoras são, em sua maioria, constituídas de manilhas cerâmicas, com diâmetros variando de 150 a 400 mm, numa extensão aproximada de 515 km. Essas redes coletoras conduzem os despejos a interceptores e emissários de manilhas cerâmicas, com diâmetros entre 150 e 400 mm, numa extensão total de 35,97 km, que os lança nos seguintes cursos d água: Rio Paranaíba, Córrego Monjolo, Ribeirão da Fábrica, Córrego Água Limpa e Córrego da Cadeia, sem qualquer tipo de tratamento. Os interceptores existentes - com cerca de 35,97 km, distribuem-se da seguinte forma, ao longo das sub-bacias: Descrição DN (mm) Extensão (m) Cidade Nova 200/ ,00 Colônia Penal 250/ ,00 Limoeiro 200 a ,00 Córrego do Monjolo/Ribeirão da Fábrica 350/ ,00 Planalto/Gramado 200 a ,00 Córrego da Cadeia 200 a ,00 Caramuru ,00 Sebastião Amorim ,00 Novo Horizonte/Alto da Colina ,00 Jardim Panorâmico ,00 Santa Luzia ,00 Mocambo/Nova Floresta ,00 Rua Genésio Garcia ,00 TOTAL 150 a ,00

13 Além das redes coletoras e interceptores, o Sistema de Esgotamento Sanitário constitui-se de aproximadamente ligações prediais, em tubos de PVC e manilhas cerâmicas, diâmetro 100 mm, e poços de visita na sua maioria com padrão COPASA. - Inexistência de Estação de Tratamento de Esgoto; - Todo o esgoto coletado é lançado in natura nos cursos d água; - Muitas redes coletoras subdimensionadas e/ou saturadas; - Lançamento indevido de águas pluviais nas redes coletoras de esgoto; - Lançamento indevido de esgoto em galerias pluviais; - Inexistência de interceptores/elevatórias de esgoto em grandes áreas urbanas; - Vazamentos e entupimentos nas redes coletoras de esgoto existentes. - Refluxo de esgoto no imóvel de usuários; - Constantes manutenções corretivas nas redes, ligações e interceptores; - Falta de estrutura para uma manutenção adequada da rede; - Inexistência de manutenção preventiva nas redes, ligações e interceptores; Distrito de Bom Sucesso de Patos Quanto à coleta de esgotos, o Distrito de Bom Sucesso de Patos conta com um sistema público operado pelo Município de Patos de Minas, através da Secretaria Municipal de Infra-Estrutura, sendo o índice de atendimento de 85%. As redes coletoras são, em sua maioria, constituídas de tubos de PVC, diâmetro 100 mm. Esta rede coletora conduz os despejos a um sistema de tratamento composto de gradeamento, 04 (quatro) caixas sépticas, dispostas em série, com filtro anaeróbio. A descarga é feita pela equipe de manutenção e encaminhada ao leito de secagem. - Redes coletoras de esgoto com funcionamento deficiente; - Baixa cobertura de redes coletoras de esgoto; - Funcionamento precário da estação de tratamento de esgoto Distrito de Santana de Patos Quanto à coleta de esgotos, o Distrito de Santana de Patos conta com sistema público operado pelo Município de Patos de Minas, através da Secretaria Municipal de Infra-Estrutura, sendo o índice de atendimento de 95%. As redes coletoras são, em sua maioria, constituídas de manilhas cerâmicas, com diâmetros de 100 e 150 mm, numa extensão total de aproximadamente 10 km. Esta rede coletora conduz os despejos a interceptores de manilhas cerâmicas, com diâmetros 150 mm, que os lança no rio Espírito Santo, sem qualquer tipo de tratamento.

14 - Redes coletoras de esgoto com funcionamento deficiente; - Baixa cobertura de redes coletoras de esgoto; - Inexistência de tratamento de esgoto Distrito de Pindaíbas Quanto à coleta de esgotos, o Distrito de Pindaíbas conta com um sistema público operado pelo Município de Patos de Minas, através da Secretaria Municipal de Infra- Estrutura, sendo o índice de atendimento de 90%. As redes coletoras são, em sua maioria, constituídas de manilhas cerâmicas, diâmetro 100 e 150 mm. Essas redes coletoras conduzem os despejos a interceptores de PVC, com diâmetro 150 mm. 85% do esgoto coletado chega a Estação de Tratamento de Esgoto, que é composta dos seguintes unidades: gradeamento, caixa de areia, reator UASB e leito de secagem. O restante do esgoto coletado - 15% é lançado em uma grota sem qualquer tipo de tratamento. - Redes coletoras de esgoto com funcionamento deficiente; - Baixa cobertura de redes coletoras de esgoto; - Funcionamento precário da estação de tratamento de esgoto Distrito de Areado Quanto à coleta de esgotos, o Distrito de Areado conta com um sistema público operado pelo Município de Patos de Minas, através da Secretaria Municipal de Infra- Estrutura, sendo o índice de atendimento de 98%. As redes coletoras são, em sua maioria, constituídas de tubos de PVC, diâmetro 100 mm. Esta rede coletora conduz os despejos a um sistema de tratamento composto de gradeamento e 03 (três) caixas sépticas, em série, com filtro anaeróbio. A descarga é feita pela equipe de manutenção e encaminhada ao leito de secagem. - Redes coletoras de esgoto com funcionamento deficiente; - Baixa cobertura de redes coletoras de esgoto; - Funcionamento precário da estação de tratamento de esgoto Distrito de Major Porto Quanto à coleta de esgotos, o Distrito de Major Porto conta com um sistema público operado pelo Município de Patos de Minas, através da Secretaria Municipal de Infra- Estrutura, sendo o índice de atendimento de 90%.

15 As redes coletoras são, em sua maioria, constituídas de tubos de PVC, diâmetro 100 mm. Esta rede coletora conduz os despejos a um sistema de tratamento composto de gradeamento, 4 (quatro) caixas sépticas, em série, com filtro anaeróbio. A descarga é feita pela equipe de manutenção e encaminhada ao leito de secagem. - Redes coletoras de esgoto com funcionamento deficiente; - Baixa cobertura de redes coletoras de esgoto; - Funcionamento precário da estação de tratamento de esgoto Distrito de Pilar Quanto à coleta de esgotos, o Distrito de Pilar conta com um sistema público operado pelo Município de Patos de Minas, através da Secretaria Municipal de Infra- Estrutura, sendo o índice de atendimento de 70%. As redes coletoras são, em sua maioria, constituídas de manilhas cerâmicas, com diâmetros de 100 e 150 mm, que os lançam em cursos d água existentes sem qualquer tipo de tratamento. - Redes coletoras de esgoto com funcionamento deficiente; - Baixa cobertura de redes coletoras de esgoto; - Inexistência de tratamento de esgoto Povoado de Horizonte Alegre O Povoado de Horizonte Alegre não conta com sistema de coleta dinâmico e tratamento de esgotos. O povoado é atendido por sistema estático, constituído de fossas sépticas, em série, com filtro anaeróbio. Desde a sua implantação não se tem notícia de realização de descargas. Inexistência de sistema adequado de coleta de esgoto. Falta de destinação apropriada do esgoto doméstico. Inexistência de tratamento de esgoto Povoado de Sertãozinho O Povoado de Sertãozinho não conta com um sistema de coleta dinâmico e tratamento de esgotos. O povoado é atendido por sistema estático, constituído de fossas sépticas individuais.

16 Inexistência de sistema adequado de coleta de esgoto. Falta de destinação apropriada do esgoto doméstico. Inexistência de tratamento de esgoto Povoado de Baixadinha dos Gonçalves O Povoado de Baixadinha dos Gonçalves não conta com um sistema de coleta dinâmico e tratamento de esgotos. O povoado é atendido por sistema estático, constituído de fossas sépticas individuais. Inexistência de sistema adequado de coleta de esgoto. Falta de destinação apropriada do esgoto doméstico. Inexistência de tratamento de esgoto Povoado de Boassara O Povoado de Boassara não conta com um sistema de coleta dinâmico e tratamento de esgotos. O povoado é atendido por sistema estático, constituído de fossas sépticas individuais. Inexistência de sistema adequado de coleta de esgoto. Falta de destinação apropriada do esgoto doméstico. Inexistência de tratamento de esgoto Povoado de Santa Maria O Povoado de Santa Maria não conta com um sistema de coleta dinâmico e tratamento de esgotos. Se situa em um espigão, sendo que a única rua é um divisor de águas. É atendido por sistema estático, constituído de fossas sépticas individuais. Inexistência de sistema adequado de coleta de esgoto. Falta de destinação apropriada do esgoto doméstico. Inexistência de tratamento de esgoto Povoado Alagoas O Povoado de Alagoas não conta com um sistema de coleta dinâmico e tratamento de esgotos. É atendido por sistema estático, constituído de fossas sépticas individuais.

17 Inexistência de sistema adequado de coleta de esgoto. Falta de destinação apropriada do esgoto doméstico. Inexistência de tratamento de esgoto Povoado de Lanhosos O Povoado de Lanhosos não conta com um sistema de coleta dinâmico e tratamento de esgotos. A localidade é atendido por sistema estático, constituído de fossas sépticas individuais. Inexistência de sistema adequado de coleta de esgoto. Falta de destinação apropriada do esgoto doméstico. Inexistência de tratamento de esgoto Povoado de Arraial dos Afonsos O Povoado de Arraial dos Afonsos não conta com um sistema de coleta dinâmico e tratamento de esgotos. A localidade é atendido por sistema estático, constituído de fossas sépticas individuais. Inexistência de sistema adequado de coleta de esgoto. Falta de destinação apropriada do esgoto doméstico. Inexistência de tratamento de esgoto. 3. IMPACTOS SOBRE O ESTADO DE SAÚDE DA POPULAÇÃO Os dados obtidos na Secretaria Municipal de Infra-Estrutura, de Planejamento e Urbanismo e de Saúde foram essenciais para a análise objetiva da situação sanitária local, assim como para a tomada de decisões e para a programação das ações de saneamento ambiental. A busca por medidas de melhorias para o estado de saúde da população reflete a preocupação do Município de Patos de Minas com a situação local, principalmente no que se refere ao acesso aos serviços, às condições dignas de vida e a fatores ambientais. Nesse sentido, um dos indicadores oficiais utilizados pelo Município foi o componente longevidade do Índice de Desenvolvimento Humano/IDH, publicado pelo PNUD (Programa Nacional das Nações Unidas), que mede a expectativa de vida da população.

18 No caso específico do município de Patos de Minas, o IDH/Longevidade - 0,816 é o 58º maior de Minas Gerais, inferior ao de outros municípios do mesmo porte como: Poços de Caldas - 0,850 (4º); Varginha - 0,817 (52º),. É inferior, ainda, ao de municípios vizinhos como: Ituiutaba 0,848 (6º), Carmo do Paranaíba - 0,829 (21º), Coromandel - 0,826 (35º) e Patrocínio - 0,823 (45º). Outro indicador utilizado foi o componente renda do IDH, que no caso do município de Patos de Minas é de 0,728 (46º maior IDH/renda de MG), ficando atrás de Varginha 0,765 (12º) e Poços de Caldas - 0,787 (3º). Quanto à saúde da população, as informações obtidas junto Secretaria Municipal de Saúde indicam um inexpressivo número de internações e atendimentos hospitalares, devido a doenças infecto-contagiosas de veiculação hídrica (foi diagnosticado apenas um caso de hepatite, no período de janeiro a agosto de 2008). 4. OBJETIVOS E METAS Visando à oferta de serviços públicos de qualidade, foram estabelecidas as seguintes metas: Disponibilizar o abastecimento de água a 100% da população da Sede Municipal de Patos de Minas e Distritos de Bom Sucesso de Patos, Santana de Patos, Pindaíbas, Areado, Major Porto e Pilar, além dos Povoados de Horizonte Alegre, Sertãozinho, Baixadinha dos Gonçalves, Boassara, Santa Maria, Alagoas, Lanhosos e Arraial dos Afonsos pelos próximos 2 (dois) anos; Disponibilizar a oferta de serviços de coleta e tratamento de esgotos sanitários a no mínimo 100% da população da Sede Municipal de Patos de Minas e dos Distritos de Bom Sucesso de Patos, Santana de Patos, Pindaíbas, Areado, Major Porto e Pilar, além das localidades rurais de Horizonte Alegre, Sertãozinho, Baixadinha dos Gonçalves, Boassara, Santa Maria, Alagoas, Lanhosos e Arraial dos Afonsos pelos próximos 4 (quatro) anos; em etapas definidas conforme o índice de adesão aos serviços; Implantar imediatamente os serviços de proteção dos mananciais e do lençol freático, responsáveis pelo abastecimento de água à população. 5. PROGRAMAS, PROJETOS E AÇÕES De forma a atingir as metas estabelecidas, propõe-se a elaboração de projetos visando à adequação e/ou implantação dos sistemas existentes, compreendendo:

19 5.1 Sistemas de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário: - Avaliação da situação atual quanto ao dimensionamento e funcionamento das unidades, identificando e quantificando os problemas encontrados; - Proposição de soluções adequadas às metas estabelecidas. 5.2 Proteção e conservação de Mananciais: - Definição de mananciais para fins de abastecimento de água visando futuras expansões; - Elaboração de plano de proteção de nascentes e das margens dos mananciais. 5.3 Expansão Urbana: - Impedir a construção de imóveis nas margens dos córregos que cortam a cidade, de modo a permitir a implantação dos interceptores; - Exigir dos incorporadores de loteamentos a definição, pela operadora dos serviços de abastecimento de água, de disponibilidade de água; - Exigir dos incorporadores de loteamentos a definição, pela operadora dos serviços de esgotamento sanitário, de disponibilidade para interligação ao sistema público para encaminhamento dos dejetos até à ETE; - Impedir a poluição dos mananciais por parte dos usuários de terrenos, especialmente à montante da captação, tais como agricultores e mineradoras. - Seguir o Plano Diretor Municipal e o Plano Municipal de Saneamento Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário. 6. MECANISMOS DE AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA Prevê a avaliação sistemática dos programas, projetos e ações propostos, consubstanciada na elaboração de relatórios periódicos que meçam a sua eficiência e eficácia ao longo do tempo, estruturando-se e implantando-se os seguintes indicadores: - Freqüência de análise da qualidade da água Objetivo: atender aos padrões de potabilidade do Ministério da Saúde no aspecto de freqüência de análise da água distribuída; - Qualidade físico-química da água distribuída Objetivo: mostrar a qualidade físico-química da água distribuída ao usuário do sistema de abastecimento em cada ponto de coleta do município; - Qualidade microbiológica da água distribuída Objetivo: mostrar a qualidade microbiológica da água distribuída ao usuário do sistema de abastecimento de água do município;

20 - Índice de perdas do sistema Objetivo: mostrar o índice de perdas do sistema de abastecimento de água do município; - Atendimento a solicitações de serviços Objetivo: mostrar o percentual de serviços de água e esgoto atendidos fora do prazo previamente estabelecido. - Análise da qualidade da água dos mananciais Objetivo: mostrar o nível de sólidos em suspensão, quantidade de produtos remanescentes da utilização de agrotóxicos e remanescentes da atividade industrial ou mineradora presentes na água e quantidade de matéria orgânica. - Eficiência do Tratamento de Esgotos Objetivo: mostrar o a eficiência da unidades de tratamento de esgotos, através do atendimentos das portarias do CONAMA/COPAM 7. INTERAÇÕES RELEVANTES COM OUTROS INSTRUMENTOS 7.1 Comitê de manejo de bacias hidrográficas As ações do presente Plano Municipal de Saneamento estão em consonância com os planos de manejo dos Comitês de Bacias Hidrográficas locais, garantindo a utilização racional e sustentável dos recursos hídricos disponíveis. Deverá ser constituído grupo de trabalho para acompanhar os estudos existentes e promover a compatibilização deste Plano Municipal de Saneamento com os planos de manejo dos comitês das bacias hidrográficas, sempre que houver revisão de um ou de outro. 7.2 Plano Diretor de Desenvolvimento do Município As ações do presente Plano Municipal de Saneamento estão em consonância com o Plano Diretor do município. Qualquer alteração em um ou outro deverá ser precedida de estudos criteriosos, de forma a garantir a continuidade do processo e a implementação das ações propostas. 8. REVISÕES Este Plano Municipal de Saneamento deverá ser revisado no prazo máximo de 4 (quatro) anos ou sempre que se fizer necessário.

21

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GOTARDO

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GOTARDO LEI N.º 1.774, DE 24 DE ABRIL DE 2008. Dispõe sobre aprovação e instituição do Plano Municipal de Saneamento destinado à execução dos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário no município

Leia mais

3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO

3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO 3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul Em Visconde de Rio Branco, o sistema público de abastecimento de água é operado e mantido pela

Leia mais

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: O sistema conta com dois mananciais, ambos com captações superficiais:

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: O sistema conta com dois mananciais, ambos com captações superficiais: 3.8 SÃO JOÃO NEPOMUCENO Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul A Companhia de Saneamento de Minas Gerais - COPASA, é o órgão responsável pela operação e manutenção

Leia mais

3.3 CATAGUASES. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, a responsabilidade pela sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local.

3.3 CATAGUASES. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, a responsabilidade pela sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local. Da caixa de areia a água chega às quatro câmaras onde estão interligadas as tubulações de sucção das bombas, essas unidades de bombeamento são em número de quatro, cada uma com capacidade de recalque de

Leia mais

3.5 SANTOS DUMONT. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local, através da Secretaria de Obras.

3.5 SANTOS DUMONT. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local, através da Secretaria de Obras. Esta unidade compõe-se de três conjuntos moto-bombas idênticos, dos quais dois operam em paralelo, ficando o terceiro como unidade de reserva e/ou rodízio. Estão associados, cada um, a um motor elétrico

Leia mais

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais:

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: A elevatória apresenta três conjuntos moto-bombas (Foto 3), dos quais dois operam em paralelo, ficando um de reserva, cada um associado a um motor elétrico de 150 cv de potência e recalcando uma vazão

Leia mais

3.1. JUIZ DE FORA. 3.1.1 Sistema Existente de Abastecimento de Água

3.1. JUIZ DE FORA. 3.1.1 Sistema Existente de Abastecimento de Água A adução é feita por gravidade, partindo da barragem que garante a submergência de duas tubulações que encaminham a água captada a duas estruturas de controle (Foto 2), ambas construídas em concreto armado,

Leia mais

A seguir, far-se-á a descrição das unidades operacionais dos referidos sistemas:

A seguir, far-se-á a descrição das unidades operacionais dos referidos sistemas: 3.4 MURIAÉ Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul Os sistemas de abastecimento de água e de esgotamento sanitário da cidade de Muriaé são operados e mantidos

Leia mais

Rio Catucá (Barragem de Botafogo), Cumbe, Pilão, Tabatinga, Conga, Arataca/Jardim e ainda os Rios Pitanga e Utinga.

Rio Catucá (Barragem de Botafogo), Cumbe, Pilão, Tabatinga, Conga, Arataca/Jardim e ainda os Rios Pitanga e Utinga. SISTEMA BOTAFOGO INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: 1986 (1ª etapa) UNIVERSO DE ATENDIMENTO: Produz, aproximadamente, 17% do volume distribuído na Região Metropolitana do Recife, abrangendo Igarassu (parcialmente),

Leia mais

Concepção de instalações para o abastecimento de água

Concepção de instalações para o abastecimento de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Concepção de instalações para o abastecimento de água Prof. Aníbal da Fonseca Santiago Universidade

Leia mais

-Torre de tomada d água com dispositivos de comportas e tubulações com diâmetro de 1.200mm;

-Torre de tomada d água com dispositivos de comportas e tubulações com diâmetro de 1.200mm; SISTEMA SUAPE INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: 1982 (Inicialmente atendia apenas ao Complexo Industrial de Suape, e, a partir de 1983, passou a ter a configuração atual). UNIVERSO DE ATENDIMENTO: Produz,

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO 2

MEMORIAL DESCRITIVO 2 R:\Senador Canedo\Produtos 2007\Projeto SAA\PROJETO BÁSICO ÁGUA\HIDRÁULICO\RELATÓRIO\0.doc MEMORIAL DESCRITIVO 2 CONTROLE INTERNO Data JAN/08 Nº Folhas 18 Folhas Rev. Responsável Daniela Verificação Aprovação

Leia mais

DISCIPLINA: SISTEMA SANITÁRIO (2/7)

DISCIPLINA: SISTEMA SANITÁRIO (2/7) DISCIPLINA: SISTEMA SANITÁRIO (2/7) Rede de capitação, tratamento e distribuição de água Rede de drenagem de águas pluviais Rede de coleta e tratamento de esgoto Serviço de coleta e tratamento de resíduos

Leia mais

ESGOTAMENTO. Conceitos básicosb

ESGOTAMENTO. Conceitos básicosb ESGOTAMENTO SANITÁRIO Conceitos básicosb Interrelação entre captação de água e lançamento de esgotos ESGOTO SANITÁRIO ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO (ETE) ÁREA URBANA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA

Leia mais

A seguir faz-se a descrição das unidades operacionais dos referidos sistemas: Captação e Adução de Água Bruta ( trecho por gravidade )

A seguir faz-se a descrição das unidades operacionais dos referidos sistemas: Captação e Adução de Água Bruta ( trecho por gravidade ) 3.2 UBÁ Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul O sistema de abastecimento de água de Ubá é operado e mantido pela Companhia de Saneamento de Minas Gerais - COPASA,

Leia mais

INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: A primeira etapa entrou em operação em 1975 e a segunda, em 1982.

INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: A primeira etapa entrou em operação em 1975 e a segunda, em 1982. SISTEMA TAPACURÁ INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: A primeira etapa entrou em operação em 1975 e a segunda, em 1982. UNIVERSO DE ATENDIMENTO: Produz, aproximadamente, 36% do volume distribuído na Região Metropolitana

Leia mais

Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal

Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal Piracicaba, 07 de Agosto de 2013 Atuação da CAIXA Missão: Atuar na promoção da cidadania e do desenvolvimento sustentável

Leia mais

Eixo Temático ET-04-007 - Gestão Ambiental em Saneamento

Eixo Temático ET-04-007 - Gestão Ambiental em Saneamento 270 Eixo Temático ET-04-007 - Gestão Ambiental em Saneamento LEVANTAMENTO DA TUBULAÇÃO DE CIMENTO-AMIANTO NA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA DO MUNICÍPIO DE PRINCESA ISABEL - PARAÍBA Maria Auxiliadora Freitas

Leia mais

SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO PROJETO 1 DATA DE ENTREGA:

SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO PROJETO 1 DATA DE ENTREGA: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS CENTRO DE ENGENHARIAS SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO PROJETO 1 DATA DE ENTREGA: 05/10/2015 1. Objetivo A expansão do sistema de abastecimento de

Leia mais

Protegida pelas últimas ramificações da Serra da Mantiqueira, em pleno vale do Rio Camanducaia.

Protegida pelas últimas ramificações da Serra da Mantiqueira, em pleno vale do Rio Camanducaia. MONTEALEGRE ALEGRE DO MONTE DOSUL SUL Protegida pelas últimas ramificações da Serra da Mantiqueira, em pleno vale do Rio Camanducaia. MONTE ALEGRE DO SUL Área 110,306 km² População (estimativa para 2014)

Leia mais

VIII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO

VIII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO ASSEMAE VIII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO Título do trabalho O SEMASA E O TRATAMENTO DE ESGOTO NA CIDADE DE SANTO ANDRÉ Nome do Autor ISABEL CRISTINA ALEIXO DIAS CURRÍCULO DO AUTOR

Leia mais

1 - Obras programadas

1 - Obras programadas 1 - Obras programadas 1.1 - Região Metropolitana Local: São Gonçalo Recuperação e melhoria na ETE São Gonçalo II com intervenções que visam: otimizar o processo de tratamento, bem como revisão dos equipamentos

Leia mais

Gestão da Demanda de Água Através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP

Gestão da Demanda de Água Através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP Gestão da Demanda de Água Através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP R. R. Chahin a a. Companhia de Saneamento Básico do Estado de

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Saneamento Básico, Diagnóstico Ambiental, Infraestrutura.

PALAVRAS-CHAVE: Saneamento Básico, Diagnóstico Ambiental, Infraestrutura. VI-039 - SANEAMENTO BÁSICO: UMA ANÁLISE ESTRUTURAL DO BAIRRO PEDRA DO LORDE EM JUAZEIRO-BA, COMO AÇÃO DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL PET CONEXÕES DE SABERES - SANEAMENTO AMBIENTAL. Roberta Daniela da

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO NINHO VERDE I

REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO NINHO VERDE I REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO NINHO VERDE I 1. O presente Regulamento objetiva estabelecer regras gerais de uso do sistema de abastecimento

Leia mais

Coleta e Transporte de Esgoto Sanitário

Coleta e Transporte de Esgoto Sanitário Coleta e Transporte de Esgoto Sanitário Giovana Martinelli da Silva Ricardo Franci Gonçalves Universidade Federal do Espírito Santo Índice Evolução Histórica Definição Objetivos Tipos de Sistemas Componentes

Leia mais

RELATÓRIO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS 2º TRIMESTRE DE 2009

RELATÓRIO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS 2º TRIMESTRE DE 2009 PSBJ- Programa de Saneamento da Barra da Tijuca, Jacarepaguá e Recreio dos Bandeirantes RELATÓRIO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS 2º TRIMESTRE DE 2009 As obras (tanto as concluídas quanto as em andamento)

Leia mais

PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA

PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA Diretoria de Tecnologia, Empreendimentos e Meio Ambiente - T Sistema Produtor de Água Mambu - Branco REUNIÃO DO COMITÊ TÉCNICO

Leia mais

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO Autarquia Municipal Lei de criação Nº792 de 30-03-1967 CNPJ: 27.998.368/0001-47 TERMO DE REFERÊNCIA

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO Autarquia Municipal Lei de criação Nº792 de 30-03-1967 CNPJ: 27.998.368/0001-47 TERMO DE REFERÊNCIA 01. Objeto TERMO DE REFERÊNCIA O presente PMI visa orientar a apresentação de interessados na estruturação de Projetos de Implantação, Expansão, Restauração e Operação do Sistema de Abastecimento de Água

Leia mais

Deivid Oliveira Analista Ambiental

Deivid Oliveira Analista Ambiental Deivid Oliveira Analista Ambiental Gestão da água e efluentes e alternativas de reuso Escassez Hídrica - Impacto na indústria O impacto sobre o setor possui uma abrangência ampla considerando o porte,

Leia mais

Elevatórias de Esgoto Sanitário. Profª Gersina N.R.C. Junior

Elevatórias de Esgoto Sanitário. Profª Gersina N.R.C. Junior Elevatórias de Esgoto Sanitário Profª Gersina N.R.C. Junior Estações Elevatórias de Esgoto Todas as vezes que por algum motivo não seja possível, sob o ponto de vista técnico e econômico, o escoamento

Leia mais

Metas de Infraestrutura - Contrato de Programa - Duque de Caxias

Metas de Infraestrutura - Contrato de Programa - Duque de Caxias PRAZO EXECUÇÃO META A SER EXECUTADA DESCRITIVO DA META FÍSICO EXECUTADO 2008 2009 2010 2011 Ampliação e complementação do sistema de produção de água tratada para as localidades de Imbariê e Taquara, na

Leia mais

P L A N O M U N I C I P A L D E S A N E A M E N T O B Á S I C O

P L A N O M U N I C I P A L D E S A N E A M E N T O B Á S I C O P L A N O M U N I C I P A L D E S A N E A M E N T O B Á S I C O V o l u m e V R E L A T Ó R I O D O S P R O G R A M A S, P R O J E T O S E A Ç Õ E S P A R A O A L C A N C E D O C E N Á R I O R E F E R

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE PROGRAMA Nº- 148

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE PROGRAMA Nº- 148 PROGRAMA Nº- 148 GESTÃO E CONTROLE DE PERDAS FUNÇÃO: 17 SANEAMENTO SUB-FUNÇÃO: 512 SANEAMENTO BÁSICO URBANO - Reduzir perdas de água reais e aparentes; reduzir os custos de exploração, produção e distribuição

Leia mais

Saneamento Básico Municipal

Saneamento Básico Municipal Saneamento Básico Municipal Apresentação COMISSÃO INTERNA DE PRESERVAÇÃO AMBIENTAL E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Componentes da Comissão Instituídos pela Portaria N 019/2015 e 031/2015. Carina Aparecida

Leia mais

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO PARA LOTEAMENTOS URBANOS 1 DO OBJETIVO A presente Norma estabelece os requisitos mínimos a serem obedecidos

Leia mais

Erro! ROTEIRO PARA INSPEÇÃO SISTEMAS E SOLUÇÕES ALTERNATIVAS COLETIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO

Erro! ROTEIRO PARA INSPEÇÃO SISTEMAS E SOLUÇÕES ALTERNATIVAS COLETIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO Erro! ROTEIRO PARA INSPEÇÃO SISTEMAS E SOLUÇÕES ALTERNATIVAS COLETIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO Formulário de Entrada de Dados - PARTE A - IDENTIFICAÇÃO DO SISTEMA OU SOLUÇÃO ALTERNATIVA

Leia mais

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 S Capacitação de Técnicos e Gestores para Elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico Módulo I Sistema de Esgotamento Sanitário

Leia mais

Infraestrutura de Saneamento na Região Metropolitana de São Paulo

Infraestrutura de Saneamento na Região Metropolitana de São Paulo IV Congresso Brasileiro de MND II No-Dig Edição Latino Americana Infraestrutura de Saneamento na Região Metropolitana de São Paulo Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp Números da Diretoria

Leia mais

Mesa Redonda Universalização do saneamento e mobilização social em comunidades de baixa renda

Mesa Redonda Universalização do saneamento e mobilização social em comunidades de baixa renda Secretaria Nacional de Mesa Redonda Universalização do saneamento e mobilização social em comunidades de baixa renda PLANEJAMENTO E CONTROLE SOCIAL COMO ESTRATÉGIAS PARA UNIVERSALIZAR O SANEAMENTO Marcelo

Leia mais

As Diretrizes de Sustentabilidade a serem seguidas na elaboração dos projetos dos sistemas de abastecimento de água são:

As Diretrizes de Sustentabilidade a serem seguidas na elaboração dos projetos dos sistemas de abastecimento de água são: OBJETIVO A SANEPAR busca prestar serviços de Saneamento Ambiental de forma sustentável, a fim de contribuir com a melhoria da qualidade de vida. Portanto evidencia-se a necessidade de considerar o conceito

Leia mais

Copasa obtém resultados eficientes no tratamento de esgoto em Serro

Copasa obtém resultados eficientes no tratamento de esgoto em Serro Copasa obtém resultados eficientes no tratamento de esgoto em Serro Inaugurada há pouco mais de 3 anos, Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) garante melhorias na qualidade da água do córrego Lucas, que

Leia mais

RHS CONTROLS Recursos Hídricos e Saneamento Ltda

RHS CONTROLS Recursos Hídricos e Saneamento Ltda A laje sanitária do poço está em boas condições atendendo a padronização do DAEE. O funcionamento do poço P5 ocorre com timer, no período entre 5:00 e 22:00 horas. Assim, deve-se instalar um sistema de

Leia mais

SISTEMA ALTO DO CÉU. INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: 1958 (Primeira etapa de obras).

SISTEMA ALTO DO CÉU. INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: 1958 (Primeira etapa de obras). SISTEMA ALTO DO CÉU INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: 1958 (Primeira etapa de obras). UNIVERSO DE ATENDIMENTO: Produz, aproximadamente, 10% do volume distribuído na Região Metropolitana do Recife, abrangendo

Leia mais

Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A Diretoria Técnica

Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A Diretoria Técnica TÍTULO: PLANO DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA PARA REDES DE ÁGUA E ESGOTO NUMA CIDADE DE 01 MILHÃO DE HABITANTES. TEMA: Organização e Gestão dos Serviços de Saneamento. Nome dos Autores: 1 - Engº Marco Antonio

Leia mais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas de Tratamento de Efluentes Líquidos Industriais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas de Tratamento de Efluentes Líquidos Industriais Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas Avenida Nascimento de Castro, 2127 Lagoa

Leia mais

A construção da saúde pelo saneamento dos municípios. Eng Civil Henrique Pires

A construção da saúde pelo saneamento dos municípios. Eng Civil Henrique Pires A construção da saúde pelo saneamento dos municípios Eng Civil Henrique Pires 2011 O Homem e a água uma longa história Os primeiros poços, chafarizes, barragens e aquedutos foram construídos no Egito,

Leia mais

Implementação do Plano de Segurança da Água na SANASA Campinas

Implementação do Plano de Segurança da Água na SANASA Campinas Implementação do Plano de Segurança da Água na SANASA Campinas Bacia Hidrográfica do Piracicaba, Capivari e Jundiaí Plano de Segurança da Água na SANASA Um Breve Histórico A SANASA sempre se preocupou

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO - EST 1

DESCRITIVO TÉCNICO - EST 1 DESCRITIVO TÉCNICO - EST 1 1 DESCRITIVO TÉCNICO 1.1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS Todos os cálculos e detalhamentos estão de acordo com o prescrito nas normas NBR 6118:2014 Projeto de Estruturas de Concreto -

Leia mais

O que é saneamento básico?

O que é saneamento básico? O que é saneamento básico? Primeiramente, começaremos entendendo o real significado de saneamento. A palavra saneamento deriva do verbo sanear, que significa higienizar, limpar e tornar habitável. Portanto,

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO Objetivo: DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO Representar o processo, possibilitando identificar todos os equipamentos (bombas, válvulas,...), instrumentos (medidores de vazão, nível, pressão, analisadores,...),

Leia mais

: Sistemas de Abastecimento de Água

: Sistemas de Abastecimento de Água PROGRAMA DA DISCIPLINA Fls 01 de 05 UNICAMP CÓDIGO: NOME CV641 : Sistemas de Abastecimento de Água T:02 P:01 L:OO0:01 D:01 E:02 HS:07 SL:03 C:04 EX:S EMENTA: Introdução. Previsão populacional. Consumo

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Do Sr. Laércio Oliveira)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Do Sr. Laércio Oliveira) PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Do Sr. Laércio Oliveira) Institui o Programa Nacional de Conservação, Uso Racional e Reaproveitamento das Águas. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º A presente lei tem por

Leia mais

Nas cidades brasileiras, 35 milhões de pessoas usam fossa séptica para escoar dejetos

Nas cidades brasileiras, 35 milhões de pessoas usam fossa séptica para escoar dejetos Nas cidades brasileiras, 35 milhões de usam fossa séptica para escoar dejetos Presentes em 21,4% dos lares brasileiros, tais instalações são consideradas inadequadas no meio urbano, pois podem contaminar

Leia mais

Tecnologias e. Ações Socioeducativas. Saneamento Rural

Tecnologias e. Ações Socioeducativas. Saneamento Rural Tecnologias e Ações Socioeducativas Saneamento Rural abril/ 2013 OBJETIVO DO SANEAMENTO RURAL Desenvolver e coordenar atividades relacionadas com obras e serviços de engenharia voltados para o Saneamento

Leia mais

INTRODUÇÃO E CONCEPÇÃO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA

INTRODUÇÃO E CONCEPÇÃO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO INTRODUÇÃO E CONCEPÇÃO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA Prof. Hugo Alexandre Soares

Leia mais

1 Qualificar os serviços de Abastecimento de água potável

1 Qualificar os serviços de Abastecimento de água potável nos núcleos rurais com mais de 10 economias nas áreas quilombolas nas áreas indígenas Planilha de Objetivos, Indicadores e Ações Viabilizadoras GT Saneamento A Santa Maria que queremos Visão: "Que até

Leia mais

ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONAL

ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONAL ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONAL GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DATA: FEV/2011 1 de 10 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. NORMAS E ESPECIFICAÇÕES... 3 3. SISTEMAS

Leia mais

VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA PARA IMPLANTAÇÃO DO SES AJURICABA-RS

VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA PARA IMPLANTAÇÃO DO SES AJURICABA-RS VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA PARA IMPLANTAÇÃO DO SES AJURICABA-RS Giuliano Crauss Daronco (1) Doutor em Recursos Hídricos e Saneamento. Departamento de Ciências Exatas e Engenhariais. (DCEEng). Universidade

Leia mais

II-338 PLANO DE MELHORIA OPERACIONAL DO SISTEMA INTEGRADO DOS COLETORES TRONCO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

II-338 PLANO DE MELHORIA OPERACIONAL DO SISTEMA INTEGRADO DOS COLETORES TRONCO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO II-338 PLANO DE MELHORIA OPERACIONAL DO SISTEMA INTEGRADO DOS COLETORES TRONCO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Antônio Simões Teixeira Filho (1) Engenheiro Civil / Sanitarista pela Pontifícia Universidade

Leia mais

Informações sobre desenvolvimento de projetos

Informações sobre desenvolvimento de projetos pág.: 1/7 1 Objetivo Regulamentar os procedimentos relativos à produção, distribuição e utilização das informações gerenciais necessárias ao acompanhamento das atividades relacionadas com os em desenvolvimento

Leia mais

Saneamento I Adutoras

Saneamento I Adutoras Saneamento I Adutoras Prof Eduardo Cohim ecohim@uefs.br 1 INTRODUÇÃO Adutoras são canalizações que conduzem água para as unidades que precedem a rede de distribuição Ramificações: subadutoras CLASSIFICAÇÃO

Leia mais

PLANO DIRETOR PARA COMBATE ÀS PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA

PLANO DIRETOR PARA COMBATE ÀS PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA PLANO DIRETOR PARA COMBATE ÀS PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA A PERDA DE ÁGUA NO ABASTECIMENTO PÚBLICO O índice de perdas é um dos principais indicadores da eficiência da operação dos

Leia mais

COPASA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS

COPASA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COPASA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS Apresentação A Companhia de Saneamento de Minas Gerais, COPASA, criada em 1963, é uma empresa vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Regional e Política

Leia mais

SANEAMENTO - DESAFIOS ÀREAS: RURAL e URBANA

SANEAMENTO - DESAFIOS ÀREAS: RURAL e URBANA SANEAMENTO - DESAFIOS ÀREAS: RURAL e URBANA Caxias do Sul Rio Grande do Sul 96 km POA região nordeste, altitude média 760 m População: 404.187 hab.ibge 2010 território: 165.731,00 ha; urbano: 13.344,00

Leia mais

Sistema de Esgoto. Materiais das Tubulações. Profª Gersina Nobre

Sistema de Esgoto. Materiais das Tubulações. Profª Gersina Nobre Sistema de Esgoto Materiais das Tubulações Profª Gersina Nobre Materiais das tubulações Fatores que devem ser observados na escolha: Resistência a cargas externas; Resistência a abrasão e a ataque químico;

Leia mais

PLANO DE DISCIPLINA DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR

PLANO DE DISCIPLINA DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR PLANO DE DISCIPLINA DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome: SISTEMA DE ESGOTO E DRENAGEM Curso: BACHARELADO EM ENGENHARIA CIVIL Semestre: 9º Carga Horária Semestral: 67 h EMENTA Noções Gerais sobre Sistema

Leia mais

RELATÓRIO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS 3º TRIMESTRE DE 2009

RELATÓRIO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS 3º TRIMESTRE DE 2009 PSBJ- Programa de Saneamento da Barra da Tijuca, Jacarepaguá e Recreio dos Bandeirantes RELATÓRIO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS 3º TRIMESTRE DE 2009 As obras (tanto as concluídas quanto as em andamento)

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO Projetos de interceptor, emissário por gravidade, estação elevatória de esgoto e linha de recalque,

Leia mais

MELHORIAS SANITÁRIAS E SEUS USOS EM COMUNIDADES NO ESTADO DA BAHIA

MELHORIAS SANITÁRIAS E SEUS USOS EM COMUNIDADES NO ESTADO DA BAHIA MELHORIAS SANITÁRIAS E SEUS USOS EM COMUNIDADES NO ESTADO DA BAHIA Silvio Roberto Magalhães Orrico Jennifer Conceição Carvalho Teixeira de Matos Ricardo Silveira Bernardes Patrícia Campos Borja Cristiane

Leia mais

Estação Elevatória de Água de Santana: um Caso de Sucesso na Redução de Perdas e Consumo de Energia no Setor de Saneamento

Estação Elevatória de Água de Santana: um Caso de Sucesso na Redução de Perdas e Consumo de Energia no Setor de Saneamento Estação Elevatória de Água de Santana: um Caso de Sucesso na Redução de Perdas e Consumo de Energia no Setor de Saneamento M. A. Braghiroli a, M. B. dos Santos b, D. Brega Filho c a. Sabesp, São Paulo,

Leia mais

de Saneamento Básico do Município de

de Saneamento Básico do Município de Plano de Desenvolvimento para o Sistema de Saneamento Básico do Município de Mossoró DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO ATUAL A apresentação se dará em duas etapas: 1ª etapa - Resultado da Análise Técnico- operacional

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 4 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Capítulo 4 Gestão Integrada Conceito Marcos Mundiais, Tendência e Estágio Institucional

Leia mais

Considerando a necessidade de conferir maior agilidade na implantação das obras de saneamento básico, visando a melhoria da qualidade de vida;

Considerando a necessidade de conferir maior agilidade na implantação das obras de saneamento básico, visando a melhoria da qualidade de vida; 1 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02/2010 Dispõe sobre licenciamento de sistemas de abastecimento de água e sistemas esgotamento sanitário, no Estado de Goiás. O Secretário da Secretaria do Meio Ambiente e dos

Leia mais

SOLUÇÕES PARA O SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA PARA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM PA

SOLUÇÕES PARA O SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA PARA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM PA SOLUÇÕES PARA O SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA PARA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM PA Jaqueline Maria Soares (1) Engenheira Sanitarista pela Universidade Federal do Pará - UFPA. Mestre em Engenharia Civil

Leia mais

Orçamento Plurianual de Investimentos para o Quadriênio de 2014 a 2017

Orçamento Plurianual de Investimentos para o Quadriênio de 2014 a 2017 Orçamento Plurianual de Investimentos para o Quadriênio de a Projeto/Atividade: 2165 - MANUTENÇÃO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS Função Programática: 17.122.0052 MANUTENÇÃO DOS PROCESSOS CONTÍNUOS DE MELHORIA

Leia mais

ANEXO III INFORMAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA PROPOSTA TÉCNICA

ANEXO III INFORMAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA PROPOSTA TÉCNICA ANEXO III INFORMAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA PROPOSTA TÉCNICA ENVELOPE 1 PROPOSTA TÉCNICA 1 ) Descrição Sintética da Documentação Exigida Envelope II Proposta Técnica: I -CONHECIMENTOS GERAIS DO SISTEMA

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 (Do Sr. Geraldo Resende) Estabelece a Política Nacional de Captação, Armazenamento e Aproveitamento de Águas Pluviais e define normas gerais para sua promoção. O Congresso Nacional

Leia mais

VISÃO 2011 Estar entre as 03 empresas do Brasil que mais avançaram na universalização dos serviços de água e esgotamento sanitário.

VISÃO 2011 Estar entre as 03 empresas do Brasil que mais avançaram na universalização dos serviços de água e esgotamento sanitário. MISSÃO Garantir o acesso aos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário, em cooperação com os municípios, buscando a universalização de modo sustentável, contribuindo para a melhoria da

Leia mais

02/08/2015. Padrões de potabilidade TRATAMENTO DA ÁGUA. Tratamento da água. Tratamento da água. Tratamento da água

02/08/2015. Padrões de potabilidade TRATAMENTO DA ÁGUA. Tratamento da água. Tratamento da água. Tratamento da água Padrões de potabilidade A água própria para o consumo deve obedecer certos requisitos: TRATAMENTO DA ÁGUA Professor: André Luiz Montanheiro Rocha Disciplina: Gestão de Recursos Naturais 2ª COLÉGIO ESTADUAL

Leia mais

Necessidades de Ajustes das Políticas de Saneamento para Pequenos Sistemas

Necessidades de Ajustes das Políticas de Saneamento para Pequenos Sistemas Necessidades de Ajustes das Políticas de Saneamento para Pequenos Sistemas Seminário Soluções Inovadoras de Tratamento e Reuso de Esgotos em Comunidades Isoladas 21/06/2013 Diretoria de Sistemas Regionais

Leia mais

PALESTRA Tecnologias e processos inovadores no abastecimento de água em comunidades isoladas SEMINÁRIO

PALESTRA Tecnologias e processos inovadores no abastecimento de água em comunidades isoladas SEMINÁRIO PALESTRA Tecnologias e processos inovadores no abastecimento de água em comunidades isoladas Daniel Kuchida SEMINÁRIO Segurança da Água para Consumo Humano. Como moldar o futuro da água para as partes

Leia mais

Empresa Pública Municipal de Saneamento

Empresa Pública Municipal de Saneamento Empresa Pública Municipal de Saneamento MARÇO 2014 SANEAMENTO AMBIENTAL: Conjunto de ações sócio - econômicas que tem o objetivo alcançar níveis crescentes de salubridade ambiental, através dos seguintes

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA

INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA A participação da Comunidade é fundamental Na preservação do Meio Ambiente COMPANHIA DE SANEAMENTO AMBIENTAL DO DISTRITO FEDERAL ASSESSORIA

Leia mais

Controle de Qualidade do Efluente e Monitoramento da ETE

Controle de Qualidade do Efluente e Monitoramento da ETE Controle de Qualidade do Efluente e Monitoramento da ETE Abril de 2013 INTRODUÇÃO O SEMAE-OP Serviço Municipal de Água e Esgoto de Ouro Preto foi criado pela Lei Nº 13/2005 em 24 de fevereiro de 2005,

Leia mais

Esgotamento Sanitário

Esgotamento Sanitário CAPÍTULO 14 Esgotamento Sanitário Impacto socioambiental das práticas de esgotamento sanitário 14. 1 Soluções de esgotamento sanitário 14. 2 Modelo de gestão para o saneamento integrado 14. 3 245 14. 1

Leia mais

CAPÍTULO 02: ÁGUA DE ABASTECIMENTO

CAPÍTULO 02: ÁGUA DE ABASTECIMENTO CAPÍTULO 02: ÁGUA DE ABASTECIMENTO 61 Infra-estrutura de Abastecimento de Água do município O município de Vinhedo assenta-se em duas (02) Bacias Hidrográficas significativas do Estado de São Paulo, ou

Leia mais

INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: 1918 (Primeiras unidades implantadas por Saturnino de Brito).

INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: 1918 (Primeiras unidades implantadas por Saturnino de Brito). SISTEMA GURJAÚ INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: 1918 (Primeiras unidades implantadas por Saturnino de Brito). UNIVERSO DE ATENDIMENTO: Produz, aproximadamente, 9% do volume distribuído na Região Metropolitana

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS Drenagem de Bacias SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS PROGRAMA Nº - 035 Garantir a captação e drenagem das bacias hidrográficas; Eliminar pontos de alagamento junto a córregos e canais; Proteger as margens

Leia mais

LEME RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R3 Continuação do Diagnóstico e Não Conformidades

LEME RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R3 Continuação do Diagnóstico e Não Conformidades RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE LEME PRESTADOR: SAECIL SUPERINTENDÊNCIA DE ÁGUA E ESGOTOS DA CIDADE DE LEME Relatório R3 Continuação do Diagnóstico e Não

Leia mais

Projeto da Rede Coletora de Esgoto Sanitário. Profª Gersina Nobre

Projeto da Rede Coletora de Esgoto Sanitário. Profª Gersina Nobre Projeto da Rede Coletora de Esgoto Sanitário Profª Gersina Nobre Na elaboração do projeto da rede coletora de esgoto sanitário devem se observadas as seguintes normas da ABNT: NBR 9648 Estudo de concepção

Leia mais

Instrução Normativa SEMARH nº 11 de 12/12/2011

Instrução Normativa SEMARH nº 11 de 12/12/2011 Instrução Normativa SEMARH nº 11 de 12/12/2011 Dispõe sobre o licenciamento dos sistemas de abastecimento de água e dos sistemas de esgotamento sanitário, no Estado de Goiás. O Secretário de Estado do

Leia mais

SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias

SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias Fossas sépticas e disposição final dos efluentes Francisco Glaucio Cavalcante de Souza Doutorando em Engenharia Hidráulica e Saneamento Introdução O que fazer

Leia mais

Reunião Técnica Plano de Segurança da Água. 23 de novembro de 2010 - OPAS

Reunião Técnica Plano de Segurança da Água. 23 de novembro de 2010 - OPAS Reunião Técnica Plano de Segurança da Água 23 de novembro de 2010 - OPAS Introdução Qualidade da água e saneamento inadequados provocam 1,8 milhão de mortes infantis a cada ano no mundo (OMS, 2004), o

Leia mais

Plano de Saneamento Básico

Plano de Saneamento Básico Plano de Saneamento Básico Marcelo de Paula Neves Lelis Rio de Janeiro, 09/06/2011 Saneamento Básico A Lei 11.445/07, em seu Art. 3 º, define Saneamento Básico como sendo o conjunto de serviços, infra-estruturas

Leia mais

PODER EXECUTIVO FEDERAL. Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária do Rio Grande do Sul

PODER EXECUTIVO FEDERAL. Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária do Rio Grande do Sul PODER EXECUTIVO FEDERAL Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária do Rio Grande do Sul ESTUDO DE CONCEPÇÃO OBRA: Rede de Abastecimento de Água do Assentamento de Umbu, Piratini RS. ÍNDICE: 1.

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE LOTEAMENTO URBANO

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE LOTEAMENTO URBANO SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO GUANHÃES MG INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE LOTEAMENTO URBANO SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO

Leia mais

Gestão Ambiental 22/10/2012. Profª Denise A. F. Neves MÓDULO SANEAMENTO AMBIENTAL

Gestão Ambiental 22/10/2012. Profª Denise A. F. Neves MÓDULO SANEAMENTO AMBIENTAL Gestão Ambiental Profª Denise A. F. Neves MÓDULO SANEAMENTO AMBIENTAL Tema: Sistemas Urbanos de Esgotamento Sanitário Objetivos: Conhecer os elementos que compõem um sistema urbano de esgotamento sanitário;

Leia mais

- RJ O Gerenciamento dos Recursos HídricosH nas grandes Cidades. Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp

- RJ O Gerenciamento dos Recursos HídricosH nas grandes Cidades. Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp III Pré-ENCOB - RJ O Gerenciamento dos Recursos HídricosH nas grandes Cidades Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo - Sabesp 5ª Maior

Leia mais

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM E MANEJO DE ÁGUAS PLUVIAIS DA CIDADE DO NATAL MEDIDAS ESTRUTURAIS ÍTEM 3.1 (SOLUÇÃO DE MACRODRENAGEM)

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM E MANEJO DE ÁGUAS PLUVIAIS DA CIDADE DO NATAL MEDIDAS ESTRUTURAIS ÍTEM 3.1 (SOLUÇÃO DE MACRODRENAGEM) PLANO DIRETOR DE DRENAGEM E MANEJO DE ÁGUAS PLUVIAIS DA CIDADE DO NATAL MEDIDAS ESTRUTURAIS ÍTEM 3.1 (SOLUÇÃO DE MACRODRENAGEM) ZONA NORTE - PONTO CRÍTICO 01 (LAGOA DO JARDIM PROGRESSO) ZONA NORTE - PONTO

Leia mais