pense lean, seja ágil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "pense lean, seja ágil"

Transcrição

1 COMUNIDADE LEAN THINKING Departamento de Formação, Coaching e Treino OFERTA FORMATIVA EM LEAN OPERATIONS MANAGEMENT pense lean, seja ágil 2013/15

2 PROPOSTA DE FORMAÇÃO E TREINO CLT SERVICES, 2013/15 A Comunidade Lean Thinking (CLT Services) é uma organização que se destaca pela sua actividade de criação e transferência de conhecimento no âmbito da filosofia lean thinking (indústria e serviços), gestão de operações e logística (supply chain management). A actual oferta formativa reflecte o esforço de adaptação da CLT Services às necessidades das organizações, procurando pôr ao seu dispor conhecimento e boas práticas que ajudem as organizações a melhorar o seu desempenho financeiro e operacional. As acções propostas foram concebidas de modo a ajustarem-se às necessidades específicas de cada organização. Estas podem ser ajustadas em termos de duração, de conteúdos e do nível de conhecimento inicial das pessoas. Reconhecendo as dificuldades das organizações em agendar tempo para a realização de acções de e treino, a CLT Services, através dos seus formadores, ajusta a realização das suas acções de e treino de acordo com a disponibilidade de tempo e o ritmo dos colaboradores da empresa. Tirando partido das vantagens que as tecnologias de in disponibilizam, a CLT Services criou uma plataforma elearning que permite às pessoas, no conforto do seu lar e ao seu ritmo, realizar estas acções de. A combinação da à distância (elearning) com sessões presenciais é também possível e poderá esta modalidade (b-learning) constituir uma enorme vantagem para as empresas e seus colaboradores. Além de mais económica, a modalidade b-learning permite combinar as vantagens da à distância com a presencial. A CLT Services é uma entidade acreditada pela DGERT e o seu sistema de gestão da Qualidade está estruturado de acordo com a ISO 9001:2008. Pense lean, seja ágil. 5S (good housekeeping) A importância da arrumação e do asseio nos postos de trabalho; A prática dos 5S; Seiri, Seiton, Seiso, Seiketsu e Shitsuke Exemplos práticos O sexto S (segurança) 14 horas de em sala (4 sessões em 4 dias em duas semanas); GL5S 28 horas com aplicação prática (realização de um projecto 5S numa área da empresa) a realizar num período de 4 semanas. Todos os colaboradores de diferentes departamentos. Nota: esta acção de aplica-se a todas as áreas de uma organização (desde as áreas operacionais às áreas de serviços e back-office). Formação em sala combinada com acções práticas realizadas nos locais de trabalho. Para cada S é realizada uma experiência prática no local de trabalho. Os textos de apoio a ceder apoiarão a aprendizagem e a implementação. possam iniciar a implementação e manutenção dos 5S nos seus locais de trabalho, de forma autónoma. (grupos até 15 participantes) 1, para 14 horas de 2, para 28 horas de /pessoa para 14 horas de

3 MELHORIA CONTÍNUA (kai-zen) GLMC O que é a melhoria contínua; Os drivers da melhoria contínua (o ciclo PDCA e o método científico); Formalização e uniformização de práticas de trabalho; O processo de comunicação hourensou; A importância do trabalho em equipa; O papel do sensei (mestre). 21 horas de em sala (três dias, ou 6 sessões em 6 dias e em três semanas). Todos os colaboradores de diferentes departamentos. Nota: esta acção de aplica-se a todas as áreas de aplicação de uma organização (desde as áreas operacionais às áreas de serviços e back-office). Exposições temáticas e debates. Exercícios práticos e exemplos para ilustrar os métodos apresentados, análise de casos práticos e análise de situações apresentadas pelos participantes. Implementar na empresa as raízes da melhoria contínua, transferindo conhecimento e boas práticas para que esta, autonomamente, possa dar os primeiros passos. (grupos até 15 participantes) 2, para 21 horas de para 21 horas de (três dias de ) STANDARD WORK (trabalho uniformizado) Definição de Standard Work; As funções, os benefícios e os factores impeditivos; Os sete passos para construir Standard Work; As diferentes formas de representação do Standard Work; As Ferramentas de análise do trabalho; Exemplos e exercicios práticos. GLSW duas semanas). Público-alvo Gestores intermédios e chefes de equipa; Responsáveis pelos departamentos de Produção, Manutenção e Qualidade; Colaboradores dos departamentos de Produção, Manutenção e Qualidade. Formação muito operacional baseada em exposições temáticas e debates, Jogos práticos e ilustração com estudo de casos e exemplos para tornar acessível os instrumentos e métodos fundamentais para implementar o Standard Work. Transferência de conhecimento e de ferramentas práticas para que os participantes possam iniciar a implementação do standard work, de forma autónoma. Custo ( a todos os valores acrescenta o IVA) (dois dias)

4 VALUE STREAM MAPPING (VSM) Revisão dos conceitos de desperdício e valor; Caracterização da cadeia de valor e seu mapeamento; O VSM como ferramenta de mapeamento e de melhoria; Identificação de oportunidades de melhoria com o VSM; Utilização da metodologia A3 no âmbito do VSM; Aplicação prática, trabalhos de grupo e exemplos. GLVS duas semanas); 28 horas com aplicação prática (realização do VSM numa cadeia de valor seleccionada pela empresa) a realizar num período de 4 semanas. Quadros médios e superiores, chefias e colaboradores em geral, da Indústria, Serviços e Sector Público. Formação muito operacional baseada em exposições temáticas e debates, exercícios práticos e ilustração com estudo de casos e exemplos para tornar acessível os instrumentos e métodos fundamentais para utilização do VSM. Adquirir os conceitos e as etapas do Value Stream Mapping. Identificar ss vantagens da utilização do VSM nas organizações. Utilizar o VSM como ferramenta de melhoria e arranque para equipas de melhoria e planos de acção. AUMENTAR A FLEXIBILIDADE DO SISTEMA DE OPERAÇÕES A Flexibilização da produção como resposta às necessidades ; As Ferramentas e Sistemas de Flexibilização da Produção; A Gestão e Sincronização dos Sistemas de Produção Flexiveis; Exemplos práticos. GLFO 21 horas de em sala (três dias, ou 6 sessões em 6 dias e em três semanas). Público-alvo Responsáveis pelos departamentos de planeamento, produção e métodos e tempos Directores e Gestores de Topo e Intermédios Formação muito operacional baseada em exposições temáticas e debates. Exercícios práticos e ilustração com estudo de casos e exemplos para tornar acessível os instrumentos e métodos fundamentais para Aumentar a Flexibilidade do Sistema de Operações. Transferência de conhecimento e de ferramentas práticas para que os participantes possam saber determinar as necessidades de flexibilidade da produção e aplicar métodos e técnicas para alcançar os objectivos de flexibilidade e prazo, com o mínimo de custos. 2, para 21 horas de para 21 horas de (três dias de );

5 PENSAR LEAN E CRIAR VALOR GLGM LEAN PRODUCTION GLLP O que significa lean thinking? Princípios e ferramentas lean; A criação de valor nas organizações; A eliminação do muda nas actividades diárias. 14 horas de em sala (ex. dois dias, ou 4 sessões em 4 dias e em duas semanas). Todos os colaboradores de diferentes departamentos. Nota: esta acção de aplica-se a todas as áreas de aplicação de uma organização (desde as áreas operacionais às áreas de serviços e back-office). Exposições temáticas e debates. Exercícios práticos e exemplos para ilustrar os métodos apresentados, análise de casos práticos e análise de situações apresentadas pelos participantes. Realização de trabalho prático na empresa. Perceber o papel de cada um na criação de valor; A necessidade de pensar lean (magro) Implementar práticas de redução de stocks na empresa. (grupos até 15 participantes) 1, para 14 horas de para 14 horas de (dois dias de ). As origens e fundamentos do conceito; Os sistemas de produção celular; O conceito de takt time; O fluxo de peça única; Os sistemas de produção pull ( puxada); Os sistemas kanban; O balanceamento das operações; O nivelamento da produção. duas semanas). Público-alvo Responsáveis pelos departamentos de planeamento, produção e Logistica Directores e Gestores de Topo e Intermédios Formação teórica combinada com acções práticas realizadas no âmbito de um jogo de simulação da produção que exemplificará cada um dos conceitos, instrumentos e métodos fundamentais para implementar a Lean Production. Implementar na empresa as raízes da Lean Production, transferindo conhecimento e boas práticas para que esta, autonomamente, possa dar os primeiros passos. (dois dias)

6 LEAN SERVICES GLLS GESTÃO DO FLUXO EM AMBIENTE PULL GLGF Os princípios do Lean Service; O conceito de valor e os desperdícios em serviços; Mapeamento da cadeia de valor em serviços; Ferramentas de melhoria em serviços; Estudo de casos. duas semanas); 28 horas com aplicação prática (realização de um projecto QFD num produto ou serviço seleccionado pela empresa) a realizar num período de 4 semanas. Direcção, quadros médios e superiores, chefias e colaboradores em geral, dos Serviços, Indústria e Sector Público. Formação muito operacional baseada em exposições temáticas e debates, ilustração com estudo de casos e exemplos para tornar acessíveis os instrumentos e métodos fundamentais para implementar o Lean Services. possam adoptar o lean como metodologia de desenvolvimento dos seus serviços. O conceito pull; Principais componentes do sistema pull; Criação de um fluxo contínuo num sistema pull; Principais requisitos e aspectos a considerar no dimensionamento do sistema pull flow (SPF). duas semanas); 28 horas com aplicação prática (realização de uma implementação prática em 4 semanas. Público-alvo (aplicável a empresas industriais) Directores de produção; Engenheiros e gestores industriais; Responsáveis pelo departamento de Planeamento e Controlo. Exposições temáticas e debates. Exercícios práticos e exemplos para ilustrar os métodos apresentados, análise de casos práticos e análise de situações apresentadas pelos participantes. Dimensionamento do sistema pull interno. Criação do sistema pull flow (SPF) na organização; Identificar os elementos que constituem o SPF; Dimensionamento do SPF. 1, para 14 horas de 2, para 28 horas de para 14 horas de (dois dias de ).

7 O SISTEMA KANBAN GLSK RAPID IMPROVEMENT EVENTS (RIE) GLRE A definição e os principios do sistema kanban; Os diferentes tipos de sistemas kanban; Implementação e dimensionamento; Exercicios e exemplos práticos. duas semanas). Público-alvo Responsáveis pelos departamentos de planeamento, produção e logistica; Directores e gestores de topo e intermédios. Formação muito operacional baseada em exposições temáticas e debates. Exercícios práticos e ilustração com estudo de casos e exemplos para tornar acessíveis os instrumentos e métodos fundamentais para implementar o kanban. Transferência de conhecimento e de ferramentas práticas para que os participantes possam implementar o sistema kanban e consequentemente melhorar a produtividade dos processos, reduzindo simultaneamente os stocks. (dois dias) Os objectivos e as etapas dos RIE; Os elementos base dos RIE; Procedimentos de análise de processos; Benefícios dos RIE; Estudo de casos. duas semanas); 28 horas com aplicação prática (realização de um RIE numa área seleccionada pela empresa) a realizar num período de 4 semanas. Quadros médios e superiores, chefias e colaboradores em geral, da Indústria, Serviços e Sector Público, das áreas da Produção, Manutenção, Planeamento, Logística, Qualidade e Desenvolvimento. Formação muito operacional baseada em exposições temáticas e debates. Exercícios práticos e ilustração com estudo de casos e exemplos para tornar acessíveis os instrumentos e métodos fundamentais para implementar os RIE. possam adoptar os RIE como ferramenta de obtenção de ganhos operacionais e de melhoría continua.

8 LOGÍSTICA INTERNA GLLI GESTÃO DE STOCKS E DE MATERIAIS GLGM A cadeia de fornecimento e os fluxos associados; O objectivo: criar um fluxo contínuo; A definição do bordo de linha; Armazenamento dinâmico; As áreas de fornecimento e de picking; O combóio logístico (mizusumashi); Dimensionamento. 21 horas de em sala (três dias, ou 6 sessões em 6 dias e em três semanas). Público-alvo (aplicável a empresas industriais) Colaboradores dos departamentos de operações e de logística; Colaboradores do departamento de planeamento e controlo. Exposições temáticas e debates. Exercícios práticos e exemplos para ilustrar os métodos apresentados, análise de casos práticos e análise de situações apresentadas pelos participantes. Dimensionamento do sistema logístico interno. Criação do sistema logístico interno da empresa baseado nos princípios do pull flow (orientação ao sistema just in time). 2, para 21 horas de para 21 horas de (três dias de ) Classificação dos diferentes materiais e stocks na empresa e na cadeia de fornecimento; Gestão de stocks e de armazéns; Métricas de desempenho na gestão de materiais; Práticas de redução de stocks. 14 horas de em sala (ex. dois dias, ou 4 sessões em 4 dias e em duas semanas). Público-alvo (aplicável a empresas industriais) Colaboradores dos departamentos de operações e de logística; Colaboradores do departamento de planeamento e controlo; Responsáveis por armazéns e logística interna. Exposições temáticas e debates. Exercícios práticos e exemplos para ilustrar os métodos apresentados, análise de casos práticos e análise de situações apresentadas pelos participantes. Dimensionamento do sistema de gestão de materiais e de stocks (parâmetros de gestão e custos). Perceber a importância de uma correcta gestão de materiais e de stocks; Dimensionar o sistema de gestão de stocks; Implementar práticas de redução de stocks na empresa. (dois dias de ).

9 PRODUÇÃO CELULAR GLPC SMED GLSM O conceito de célula autónoma de fabrico; A produção celular e os seus objectivos; A implementação da produção celular; O planeamento da célula de fabrico; A liderança de pessoas em células. duas semanas); 28 horas com aplicação prática (realização de uma implementação prática em 4 semanas. Público-alvo (aplicável a empresas industriais) Directores de produção; Engenheiros e gestores industriais; Responsáveis pelo departamento de Planeamento e Controlo. Exposições temáticas e debates. Exercícios práticos e exemplos para ilustrar os métodos apresentados, análise de casos práticos e análise de situações apresentadas pelos participantes. Adequar o fluxo produtivo às diferentes solicitações do mercado. Perceber o conceito de célula e seu enquadramento no sistema de operações. Definir o planeamento e o controlo de actividades e avaliar o impacto na liderança de pessoas. 2, para 28 horas de (dois dias de ). A Definição e Origem dos Setups/Mudanças A Definição, o Procedimento e os Objectivos do SMED As Etapas Rumo ao SMED As Ferramentas de aplicação do SMED Exercícios e Exemplos Práticos do SMED 14 horas de em sala (4 sessões em 4 dias em duas semanas); 28 horas com aplicação prática (realização de um projecto SMED numa área da empresa) a realizar num período de 4 semanas. Público-alvo Gestores intermédios e chefes de equipa; Responsáveis pelos departamento de Produção, Manutenção e Qualidade; Colaboradores dos departamentos de Produção, Manutenção e Qualidade. Formação em sala contendo a realização de um jogo, que é depois combinado com acções práticas realizadas nos locais de trabalho. Para cada Etapa é realizada uma experiência prática no local de trabalho. Os textos de apoio a ceder apoiarão a aprendizagem e a implementação do SMED. Transferência de conhecimento e de ferramentas práticas para que os participantes possam implementar autonomamente o SMED.

10 TPM GLTP TOPS/8D GL8D A definição e a origem do TPM; Os objectivos, benefícios e pontos chave do TPM; Os pilares do TPM; Os elementos do TPM; As ferramentas práticas de aplicação do TPM; Exercícios e exemplos práticos do TPM. 14 horas de em sala (4 sessões em 4 dias em duas semanas); 28 horas com aplicação prática (realização de um projecto TPM numa área da empresa) a realizar num período de 4 semanas. Público-alvo Gestores intermédios e chefes de equipa; Responsáveis pelos departamento de Produção, Manutenção e Qualidade; Colaboradores dos departamentos de Produção, Manutenção e Qualidade. Formação em sala combinada com acções práticas realizadas nos locais de trabalho. É realizada uma aplicação prática no local de trabalho. Os textos de apoio a ceder apoiarão a aprendizagem e a implementação do SMED. Transferência de conhecimento e de ferramentas práticas para que os participantes possam implementar autonomamente o TPM. Introdução à resolução de problemas; Team Oriented Problem Solving; Os 5 Porquês, o ciclo PDCA, o método 5W2H (análise diferencial); O método de resolução de problemas em 8 etapas (8D); Aplicações práticas e exercícios. duas semanas); 28 horas com aplicação prática (resolução de problemas em pontos identificados na empresa) a realizar num período de 4 semanas. Produção, Engenharia, Chefes de equipa, Qualidade, Manutenção, Logística, Processo e Produto, equipas de melhoria contínua. Formação muito operacional baseada em exposições temáticas e debates, exercícios práticos e ilustração com estudo de casos e exemplos para tornar acessível os instrumentos e métodos fundamentais de resolução de problemas. possam adoptar técnicas de resolução de problemas como metodologia de melhoria da qualidade, eliminação de desperdícios e aumento da eficiência.

11 FERRAMENTAS DE CRIAÇÃO DE VALOR (FCV) GLCV MÉTRICAS DE DESEMPENHO GLMD A noção de valor e de desperdício ; Identificação de oportunidades de criação de valor; A criação de valor; Ferramentas de criação de valor; Exemplos práticos e exercícios. 7 horas de em sala (um dia ou 2 sessões em 2 dias); 14 horas com aplicação prática (realização de um projecto de criação de valor num produto ou serviço seleccionado pela empresa) Quadros médios e superiores, chefes de equipa; Engenharia e Desenvolvimento, Marketing, Qualidade e Operações. Formação muito operacional baseada em exposições temáticas e debates, exercícios práticos e ilustração com estudo de casos e exemplos para tornar acessível os instrumentos e métodos da identificação e criação de valor. possam identificar o desperdício e oportunidades de criar valor, como metodologia de desenvolvimento de produtos e serviços vencedores no mercado. A importância da medição nos processos de decisão e de gestão; O que medir; As principais métricas (kpi) operacionais; O sistema de avaliação de desempenho (SAD). 14 horas de em sala (ex. dois dias, ou 4 sessões em 4 dias e em duas semanas). Público-alvo (aplicável a empresas industriais e de serviços) Gestores de topo; Directores de departamento; Antes de identificar os kpi s pretende-se perceber quais os objectivos da empresa e, em função destes, determinar o que medir. Identificação das métricas-chave e sua implementação. Avaliar a importância da tomada de decições baseada em factos. Os kpi s a implementar devem motivar a acção das pessoas no sentido que a empresa pretende. Perceber a importância da tomada de decisões baseadas em factos; Identificação dos diferentes kpi s na cadeia de fornecimento; Implementar um sistema de avaliação do desempenho na empresa. 1, para 7 horas de 2, para 14 horas de 1, para 14 horas de (dois dias de ).

12 MÉTODOS E TEMPOS GLMT NIVELAMENTO DAS OPERAÇÕES (heijunka) GLNO Heurística de balanceamento e definição de tempo de ciclo; Tempos padrão e métodos de medição do trabalho; Definição de tarefas de valor, valor não acrescentado e desperdício; Exemplos e exercícios práticos de estudo de tempos e amostragem do trabalho. 14 horas de em sala (2 dias, ou 4 sessões em 4 dias e em duas semanas); 28 horas com aplicação prática (realização de um projecto de Métodos e Tempos numa área seleccionada pela empresa) a realizar num período de 4 semanas. Público-alvo Gestores intermédios, chefes de equipa e colaboradores dos departamentos de Engenharia e Produção; Responsáveis pelos departamentos de Engenharia e Produção. Formação em sala combinada com acções práticas realizadas nos locais de trabalho. É realizada uma aplicação prática no local de trabalho. Os textos de apoio a ceder apoiarão a aprendizagem e a implementação dos Métodos e Tempos nas organizações Transferência de conhecimento e de ferramentas práticas para que os participantes possam compreender a importância da análise de Métodos e Tempos e a sua aplicação na Gestão das Operações. Definição e princípios do heijunka; Os objectivos do heijunka; As vantagens do heijunka As etapas de implementação do heijunka; Ferramentas de aplicação do heijunka; A relação com outras ferramentas de melhoria continua; Exemplos práticos. 14 horas de em sala (dois dias, ou 4 sessões em 4 dias e em duas semanas). Público-alvo Responsáveis pelos departamentos de planeamento, produção e logistica; Directores e gestores de topo e intermédios. Formação muito operacional baseada em exposições temáticas e debates. Exercícios práticos e ilustração com estudo de casos e exemplos para tornar acessível os instrumentos e métodos fundamentais para implementar o nivelamento das operações (heijunka);. possam implementar autonomamente o nivelamento das operações nas suas organizações. (dois dias)

13 SIX SIGMA (6 ) Introdução ao Six Sigma; O ciclo DMAIC nos projectos Six Sigma; Selecção e gestão de projectos Six Sigma; Técnicas Six Sigma; Estudo de casos e exemplos práticos Six Sigma. GLSS duas semanas); 28 horas com aplicação prática (ex. realização de um projecto QFD num produto ou serviço seleccionado pela empresa) a realizar num período de 4 semanas. Gestores intermédios e chefes de equipa; Responsáveis pelos departamento de Engenharia e Desenvolvimento; Colaboradores dos departamentos de Marketing, Qualidade e Operações. Formação muito operacional baseada em exposições, exercícios práticos e ilustração com estudo de casos para tornar acessíveis os instrumentos e métodos fundamentais para implementar o Six Sigma. possam adoptar o Six Sigma como metodologia de melhoria da qualidade de produtos e serviços, e gestão de projectos de melhoria para 14 horas de HOSHIN KANRI (desdobramento da estratégia) O planeamento estratégico; A fase de Scan do meio envolvente e formulação da estratégia; As fases de planeamento (P); As fase de execução (D); As fases de verificação (C); As fases de ajuste (A); O processo de catchball; Os formatos de suporte A3 (componente prática). GLHK 14 horas em formato de em sala (dois dias, ou 4 sessões em 4 dias e em duas semanas). Gestores de topo; Gestores intermédios e chefes de equipa. Formação muito operacional baseada em exposições temáticas e debates, exercícios práticos e ilustração com estudo de casos e exemplos para tornar acessível os instrumentos e métodos fundamentais para implementar o Hoshin Kanri. possam implementar o modelo de desdobramento estratégico por toda a organização. (grupos até 10 participantes) (dois dias)

14 QUALITY FUNCTION DEPLOYMENT (QFD) GLQF LEAN PEOPLE (liderança de pessoas em ambiente lean) GLLP A função qualidade e o seu desdobramento por toda a organização; As quatro fases do QFD e os formatos de suporte; A Voz do Cliente (VOC) e a Casa da Qualidade (HOQ); Aplicação prática na concepção de um novo produto e um novo serviço. duas semanas); 28 horas com aplicação prática (realização de um projecto QFD num produto ou serviço seleccionado pela empresa) a realizar num período de 4 semanas. Gestores intermédios e chefes de equipa; Responsáveis pelos departamento de Engenharia e Desenvolvimento; Colaboradores dos departamentos de Marketing, Qualidade e Operações. Formação muito operacional baseada em exposições temáticas e debates. Exercícios práticos e ilustração com estudo de casos e exemplos para tornar acessíveis os instrumentos e métodos fundamentais para implementar o QFD. possam adoptar o QFD como metodologia de desenvolvimento de produtos e serviços vencedores no mercado. (grupos até 10 participantes) Definição de Lean People; A cadeia de valor das pessoas; Liderança de pessoas em ambiente lean; A de senseis; Formação e treino de todos na organização. 18 horas em formato de em sala (ex. três dias, ou 5 sessões em 5 dias e em duas semanas). Esta terá uma componente muito prática. Gestores de topo; Directores de departamento; Chefes de equipa. Apresentação de conceitos e realização de exercícios práticos associados à liderança de pessoas em ambiente lean. Perceber a importância das pessoas num contexto de lean management; O papel das pessoas nos processos de melhoria contínua; Definição da cadeia de valor das pessoas; Deixar na organização as raízes para a criação de pessoas lean. (grupos até 15 participantes) 1, para 18 horas de para 14 horas de (dois dias de ).

15 LEAN COACHING O que é Lean Thinking? O que é o Coaching? O que é o Lean Coaching? Conceitos gerais e metodologias em Lean Coaching; A eliminação de desperdício e a criação de valor; Trabalho prático: ferramenta para resolução de problemas. Oito horas em formato de em sala. GLLC LEAN TEAM COACHING O que é Lean Thinking? Introdução ao Lean Coaching; Conceitos gerais e metodologias em Lean Team Coaching; Rapport; Immediate Issue e Action Step s práticas: Roda da Equipa, Feedback 360º e P.O.W.E.R. Trabalho prático Oito horas em formato de em sala. GLTC Todos os colaboradores da empresa. Exposição temática, método interrogativo e expositivo e debate com base na experiência dos participantes. Componente prática de resolução de problemas e criação de valor e recursos. Perceber os princípios Lean Thinking de eliminação de desperdício e criação de valor; compreender o papel do Coaching para alcançar um estado de recursos; compreender a interligação entre as metodologias Lean e o Coaching; Através da prática Lean Coaching, treinar a implementação autónoma de resolução de problemas. 1, para 8 horas de para 08 horas de. Líderes de equipas e funções, cargos de chefia. Todos os colaboradores dos diferentes departamentos, envolvidos em processos de liderança e gestão de equipas. Exposição temática, método interrogativo e expositivo e debate com base na experiência dos participantes. Exemplos práticos. Componente prática de ferramentas de Lean Team Coaching. Capacitar os participantes com conhecimentos e competências que permitam potenciar desempenhos colectivos, através do envolvimento de todos os membros da equipa; compreender a importância de estreitar uma relação de confiança e diálogo com a equipa; conhecer e saber aplicar metodologias facilitadoras do envolvimento de todos e do desenvolvimento do espírito de equipa, com base nas metodologias Lean Coaching. (grupos até 10 participantes) 1, para 8 horas de para 08 horas de. Mais informações:

16

5S (good housekeeping) PROPOSTA DE FORMAÇÃO E TREINO CLT SERVICES, 2014/16

5S (good housekeeping) PROPOSTA DE FORMAÇÃO E TREINO CLT SERVICES, 2014/16 5S (good housekeeping) GL5S PROPOSTA DE FORMAÇÃO E TREINO CLT SERVICES, 2014/16 A Comunidade Lean Thinking (CLT Services) é uma organização que se destaca pela sua actividade de criação e transferência

Leia mais

CRIAR VALOR NAS OPERAÇÕES LOGÍSTICAS

CRIAR VALOR NAS OPERAÇÕES LOGÍSTICAS CRIAR VALOR NAS OPERAÇÕES LOGÍSTICAS ISEL / António Abreu Sumário i. Cadeia de Valor ii. iii. iv. Eliminação dos desperdícios Cultura Magra Redes de colaboração Melhoria Continua / Inovação 2 Cadeia de

Leia mais

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO ACTIO 2015

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO ACTIO 2015 Catálogo de Formação ACTIO 2015 Lean - Nível Executivo Lean Production Executivo Manutenção Lean Executivo Six Sigma - Champion Lean - Nível Master Lean Production Master Manutenção Lean Master Lean nos

Leia mais

Formação Interempresas 2015

Formação Interempresas 2015 Formação Interempresas 2015 1 1 Formação Interempresas 2015 As ferramentas e metodologias seleccionadas têm como objectivo apoiar as organizações a adquirir conhecimentos que lhes permitam eliminar os

Leia mais

A Profitability Engineers

A Profitability Engineers CATÁLOGO DE FORMAÇÃO A Profitability Engineers Em Portugal desde 1999, a ProfitAbility Engineers é uma empresa de consultoria e formação, especializada na melhoria qualidade e da produtividade; Somos

Leia mais

ajfa@dem.isel.ipl.pt Seminário - Manutenção e Gestão Lean Auditório da Sede da Ordem dos Engenheiros, Lisboa 9 de Novembro de 2011

ajfa@dem.isel.ipl.pt Seminário - Manutenção e Gestão Lean Auditório da Sede da Ordem dos Engenheiros, Lisboa 9 de Novembro de 2011 O Papel da Cultura Lean no Contexto Actual António Abreu ajfa@dem.isel.ipl.pt Seminário - Manutenção e Gestão Lean Auditório da Sede da Ordem dos Engenheiros, Lisboa 9 de Novembro de 2011 Sumário i. O

Leia mais

As ferramentas e metodologias seleccionadas têm como objectivo apoiar as organizações a adquirir conhecimentos que lhes permitam eliminar os

As ferramentas e metodologias seleccionadas têm como objectivo apoiar as organizações a adquirir conhecimentos que lhes permitam eliminar os Formação Interempresas 2016 11 Formação Interempresas 2016 As ferramentas e metodologias seleccionadas têm como objectivo apoiar as organizações a adquirir conhecimentos que lhes permitam eliminar os desperdícios,

Leia mais

Portfólio de Treinamentos. Exo Excelência Operacional // 2014

Portfólio de Treinamentos. Exo Excelência Operacional // 2014 Portfólio de Treinamentos Exo Excelência Operacional // 2014 Treinamentos Exo Excelência Operacional A Exo Excelência Operacional traz para você e sua empresa treinamentos fundamentais para o desenvolvimento

Leia mais

TPM. José Pedro A. R. Silva

TPM. José Pedro A. R. Silva CICLOS DE FORMAÇÃO EMPRESARIAL Metodologias Avançadas para a Indústria e Serviços TPM José Pedro A. R. Silva 1 CICLOS DE FORMAÇÃO EMPRESARIAL Ciclo de formação e treino em Lean TPM Ciclo de formação e

Leia mais

Ciclo de Formação e Treino em Manutenção e TPM

Ciclo de Formação e Treino em Manutenção e TPM Manutenção e A MANUTENÇÃO O PILAR ESSENCIAL DOS SISTEMAS PRODUTIVOS Não seria excelente se existisse um sistema de manutenção que reparasse o seu equipamento antes de ele avariar? Sim, pois quando os equipamentos

Leia mais

Profitability Engineers. 2.ª Edição de 2015

Profitability Engineers. 2.ª Edição de 2015 Profitability Engineers Lean Experts 2.ª Edição de 2015 Lean Experts É uma abordagem sistematizada de melhoria contínua, cujo âmbito está na procura metódica da melhoria dos processos através da redução

Leia mais

Formação 2010. Nov. TQM (Total Quality Management)

Formação 2010. Nov. TQM (Total Quality Management) ACADEMY Nº máx. inscritos: 15 Nº máx. inscritos : 15 Nº máx. inscritos: 15 Formação 2010 07 Jul. TQM (Total Quality Management) Resolução de Problemas Conteúdos: (Duração: 8h) -Transformar problemas em

Leia mais

Formação Interempresas 2014

Formação Interempresas 2014 Formação Interempresas 2014 Curso Métodos e Tempos Cronograma 2014 Formação Duração 1 Dia Preço/Participant e Contactar a APMI Data 19 de Setembro 2014 Six Sigma - ISO 31000:2009 - Gestão de Risco 1 Dia

Leia mais

Profitability Engineers 1

Profitability Engineers 1 Profitability Engineers 1 Em Portugal desde 1999, a ProfitAbility Engineers é uma empresa de consultoria e formação, especializada na melhoria da eficácia [qualidade] e da eficiência [produtividade]; A

Leia mais

ACADEMY ACADEMY. Leanop 2010 all rights reserved Leanop 2010 todos os direitos reservados

ACADEMY ACADEMY. Leanop 2010 all rights reserved Leanop 2010 todos os direitos reservados ACADEMY ACADEMY Índice O que fazemos Formações disponíveis Alinhamento Fluxo TQM TPM Gestão da Rotina Lean Office Competências Cursos 2 3 4 12 21 25 33 41 46 47 2 O que fazemos Aceleramos a transferência

Leia mais

Formação Interempresas 2015 2.º semestre

Formação Interempresas 2015 2.º semestre Formação Interempresas 2015 2.º semestre 1 1 Formação Interempresas 2015 As ferramentas e metodologias seleccionadas têm como objectivo apoiar as organizações a adquirir conhecimentos que lhes permitam

Leia mais

Ajudamos a (sua) empresa a crescer.

Ajudamos a (sua) empresa a crescer. CONSULTORIA Ajudamos a (sua) empresa a crescer. O QUE FAZEMOS SISTEMAS DE GESTÃO GESTÃO DA PRODUÇÃO E DAS PRODUÇÕES PRODUTIVIDADE E INOVAÇÃO INTERNACIONALIZAÇÃO PROJECOS DE INVESTIMENTO E INCENTIVOS

Leia mais

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO. In company. Mar 2014

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO. In company. Mar 2014 CATÁLOGO DE FORMAÇÃO In company Mar 2014 1 O nosso Objetivo A nossa Abordagem Os nossos Clientes O nosso objectivo é contribuir de forma envolvente e eficiente para a melhoria da Competitividade Empresarial,

Leia mais

Considerações sobre a Parte I - Histórico e componentes do lean, 74

Considerações sobre a Parte I - Histórico e componentes do lean, 74 Sumário Prefácio, xi Introdução, 1 Parte I - HISTÓRICO E COMPONENTES DO LEAN, 5 1 Conceito Enxuto: das Origens à Consolidação, 6 As indústrias da produção em massa, 8 Crise na indústria automobilística

Leia mais

As pessoas primeiro. 10º Congresso da Manutenção Associação Portuguesa de Manutenção Industrial Figueira da Foz, 19 e 20 de Novembro de 2009

As pessoas primeiro. 10º Congresso da Manutenção Associação Portuguesa de Manutenção Industrial Figueira da Foz, 19 e 20 de Novembro de 2009 Profitability Engineers, 2009 10º Congresso da Manutenção Associação Portuguesa de Manutenção Industrial Figueira da Foz, 19 e 20 de Novembro de 2009 As pessoas primeiro A base para a eficiência Pontos

Leia mais

Lean nos serviços - um caso prático. (Aplicação da filosofia Lean numa empresa de serviços)

Lean nos serviços - um caso prático. (Aplicação da filosofia Lean numa empresa de serviços) Lean nos serviços - um caso prático (Aplicação da filosofia Lean numa empresa de serviços) Palavras-chave Lean nos serviços, Ferramentas Lean, 5S, VSM Resumo Num mercado cada vez mais competitivo, é imperativo

Leia mais

Lean Management na Indústria Alimentar

Lean Management na Indústria Alimentar Lean Management na Indústria Alimentar de 1.) Introdução O atual desafio colocado às empresas para a sua sobrevivência, demonstra que só aquelas que são ágeis e magras são competitivas nos mercados exigentes

Leia mais

Gestão de Projectos. Área de Management/ Comportamental

Gestão de Projectos. Área de Management/ Comportamental Gestão de Projectos Área de / Comportamental INFORMAÇÕES E INSCRIÇÕES Tel. (+351) 21 314 34 50 Fax. (+351) 21 314 34 49 e-mail. cursos@globalestrategias.pt Web. www.globalestrategias.pt 63 Project Fundamentals

Leia mais

Euclides Coimbra Managing Director, Kaizen Institute Iberia

Euclides Coimbra Managing Director, Kaizen Institute Iberia Kaizen College 015 A Melhoria Contínua (também designada de Excelência no Negócio) é hoje em dia parte da estratégia das melhores empresas mundiais e, quando corretamente aplicada, gera excelentes resultados

Leia mais

GESTÃO E ADMINISTRAÇÃO

GESTÃO E ADMINISTRAÇÃO GESTÃO E ADMINISTRAÇÃO GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Está preparado para a gestão de recursos humanos na era da globalização? Desenvolver conhecimentos que permitam melhorar a gestão dos recursos humanos

Leia mais

LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS

LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING SUPPLY CHAIN (INCLUI LOGÍSTICA) 2 2 INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING 3 INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING Pensar fora da caixa... Lean

Leia mais

Divisão da Operational Consulting dedicada ao Desenvolvimento do Potencial Humano.

Divisão da Operational Consulting dedicada ao Desenvolvimento do Potencial Humano. Divisão da Operational Consulting dedicada ao Desenvolvimento do Potencial Humano. Especialização e Acreditação como Entidade Formativa nas áreas da Qualidade, Produtividade, Logística e Comportamental.

Leia mais

FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN

FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN TREINAMENTOS PRESENCIAIS PRÁTICOS FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN Oportunidade ideal para gerar resultados reais na sua carreira e empresa. Capacitação com implementação prática de projeto KPO Fevereiro 2016 Informações

Leia mais

FUNDAMENTOS DA EMPRESA ENXUTA

FUNDAMENTOS DA EMPRESA ENXUTA FUNDAMENTOS DA EMPRESA ENXUTA Prof. Darli Rodrigues Vieira darli@darli.com.br O QUE ESTÁ POR TRÁS DA IDÉIA DE EMPRESA ENXUTA? ELIMINAÇÃO DE TODO TIPO DE DESPERDÍCIO NO SUPPLY VELOCIDADE FLEXIBILIDADE QUALIDADE

Leia mais

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004)

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004) FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004) por António Jorge Costa, Presidente do Instituto de Planeamento

Leia mais

σ LEAN LEAN SEIS SIGMA UPGRADE BLACK BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM AGOSTO DE 2015

σ LEAN LEAN SEIS SIGMA UPGRADE BLACK BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM AGOSTO DE 2015 6 σ LEAN UPGRADE BLACK BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM AGOSTO DE 2015 UPGRADE BLACK BELT ORIGENS DO A metodologia Seis Sigma surgiu na Motorola, na década de 1980, e foi posteriormente implementada na General

Leia mais

ALBUM DE FORMAÇÃO 2011

ALBUM DE FORMAÇÃO 2011 AGENDA FORMAÇÃO INTER 2011 ALBUM DE FORMAÇÃO 2011 AGENDA FORMAÇÃO INTER 2011 ALBUM DE FORMAÇÃO 2011 ÁREAS DE FORMAÇÃO 1 2 DESENVOLVIMENTO PESSOAL & COMPORTAMENTAL GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS 3 FINANÇAS,

Leia mais

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade:

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade: Evolução do conceito 2 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da :. evolução do conceito. gestão pela total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9000:2000 gestão pela total garantia da controlo

Leia mais

ABR/MAI.2015 WORKSHOPS TEMÁTICOS

ABR/MAI.2015 WORKSHOPS TEMÁTICOS ABR/MAI.2015 TEMÁTICOS REGIÃO CENTRO ÁREA INOVAÇÃO NP4457:2007 SENSIBILIZAÇÃO E CASOS DE SUCESSO No final da sessão os participantes deverão estar aptos a: Alinhar a Estratégia de negócio incorporando

Leia mais

Profitability Engineers

Profitability Engineers Profitability Engineers Lean Experts 2015 Lean Experts É uma abordagem sistematizada de melhoria contínua, cujo âmbito está na procura metódica da melhoria dos processos através da redução de desperdícios

Leia mais

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004) por António Jorge Costa, Presidente do Instituto de Planeamento

Leia mais

Controlo da Qualidade Aula 05

Controlo da Qualidade Aula 05 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da qualidade:. evolução do conceito. gestão pela qualidade total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9001:2000 Evolução do conceito 2 gestão pela qualidade

Leia mais

Euclides Coimbra Managing Director, Kaizen Institute Iberia

Euclides Coimbra Managing Director, Kaizen Institute Iberia KAIZEN COLLEGE A Melhoria Contínua (também designada de Excelência no Negócio) é hoje em dia parte da estratégia das melhores empresas mundiais e, quando corretamente aplicada, gera excelentes resultados

Leia mais

Six Sigma: Uma ferramenta de gestão

Six Sigma: Uma ferramenta de gestão Six Sigma: Uma ferramenta de gestão de 1.) Introdução Estratégia de gestão que procura melhorar a qualidade dos outputs de um processo, através da identificação e eliminação das causas dos defeitos e variação,

Leia mais

Avaliação de Investimentos Logísticos e. Outsourcing Logístico

Avaliação de Investimentos Logísticos e. Outsourcing Logístico APLOG Centro do Conhecimento Logístico Avaliação de Investimentos Logísticos e Outsourcing Logístico Guilherme Loureiro Cadeia de Abastecimento- Integração dos processos de gestão Operador Logístico vs

Leia mais

Uma Questão de Atitude...

Uma Questão de Atitude... Uma Questão de Atitude... Catálogo de Formação 2014 1 Introdução 3 Soluções de Formação 3 Áreas de Formação 4 Desenvolvimento Pessoal 5 Comercial 12 Secretariado e Trabalho Administrativo 15 Indústrias

Leia mais

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING MANUFATURA ENXUTA DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING A ORIGEM DA PALAVRA LEAN O termo LEAN foi cunhado originalmente no livro A Máquina que Mudou o Mundo de Womack, Jones e Roos, publicado nos EUA em 1990.

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA QUALIDADE PLANO CURRICULAR

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA QUALIDADE PLANO CURRICULAR PLANO CURRICULAR UNIDADES CURRICULARES CARGA HORÁRIA ECTS Controlo Estatístico do Processo Doutora Florbela Correia 32 4 Gestão da Qualidade Mestre José Carlos Sá 24 4 Informática Aplicada a Qualidade

Leia mais

Gestão da Produção - Optimizar a produção através do LEAN

Gestão da Produção - Optimizar a produção através do LEAN Gestão da Produção - Optimizar a produção através do LEAN Introdução Lean é uma filosofia de produção nascida após a segunda guerra mundial no sector automóvel com intuito de optimizar o sistema de produção.

Leia mais

CAPÍTULO 2 INTRODUÇÃO À GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES

CAPÍTULO 2 INTRODUÇÃO À GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES Processos de Gestão ADC/DEI/FCTUC/2000/01 CAP. 2 Introdução à Gestão das Organizações 1 CAPÍTULO 2 INTRODUÇÃO À GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES 2.1. Conceito de Gestão Vivemos numa sociedade de organizações (dos

Leia mais

Projecto de Formação MINI MASTER EM GESTÃO PARA EXECUTIVOS

Projecto de Formação MINI MASTER EM GESTÃO PARA EXECUTIVOS Projecto de Formação MINI MASTER EM GESTÃO PARA EXECUTIVOS GRACIOSA Departamento de Formação Profissional CCAH 1º MÓDULO ORGANIZAÇÃO E ESTRATÉGICA DA EMPRESA Público-Alvo Profissionais que desempenhem

Leia mais

σ LEAN LEAN SEIS SIGMA FORMAÇÃO GREEN BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM JANEIRO DE 2015

σ LEAN LEAN SEIS SIGMA FORMAÇÃO GREEN BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM JANEIRO DE 2015 6 σ LEAN FORMAÇÃO GREEN BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM JANEIRO DE 2015 FORMAÇÃO GREEN BELT ORIGENS DO A metodologia Seis Sigma surgiu na Motorola, na década de 1980, e foi posteriormente implementada na

Leia mais

ABR/MAI.2015 WORKSHOPS TEMÁTICOS

ABR/MAI.2015 WORKSHOPS TEMÁTICOS ABR/MAI.2015 WORKSHOPS TEMÁTICOS REGIÃO ALENTEJO ÁREA INOVAÇÃO NP4457:2007 SENSIBILIZAÇÃO E CASOS DE SUCESSO No final da sessão os participantes deverão estar aptos a: Alinhar a Estratégia de negócio incorporando

Leia mais

A Profitability Engineers organiza com a Heliflex, nas suas instalações em Aveiro, um conjunto de acções de formação com especial enfoque nas

A Profitability Engineers organiza com a Heliflex, nas suas instalações em Aveiro, um conjunto de acções de formação com especial enfoque nas Formação Interempresas Aveiro 2.º Semestre 2015 1 1 Formação Interempresas 2015 - Aveiro A Profitability Engineers organiza com a Heliflex, nas suas instalações em Aveiro, um conjunto de acções de formação

Leia mais

MANUAL DOS 5S [CLT Valuebased Services 2016] Página 0

MANUAL DOS 5S [CLT Valuebased Services 2016] Página 0 MANUAL DOS 5S [CLT Valuebased Services 2016] Página 0 MANUAL DOS 5S João Paulo Pinto. CLT VALUEBASED SYSTEMS Lda. www.cltservices.net Cidade do Porto, Maio de 2016. Aos meus meninos lindos, Tiago e Beatriz

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO F O R M A Ç Ã O A V A N Ç A D A CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO FORMAÇÃO ESPECÍFICA PARA MEMBROS DA ORDEM DOS ENGENHEIROS ENQUADRAMENTO O CEGE/ISEG é um centro de investigação e projectos do ISEG Instituto

Leia mais

página 4 Um instrumento de Gestão dos Recursos Humanos e melhoria de desempenhos e qualificações

página 4 Um instrumento de Gestão dos Recursos Humanos e melhoria de desempenhos e qualificações inovação. O destaque dos Recursos Humanos na competitividade e Conheça a completa oferta formativa da INOVE RH para o 1º semestre de 2012. SEMINÁRIO EXECUTIVO. Uma iniciativa vocacionada para a excelência

Leia mais

σ LEAN LEAN SEIS SIGMA UPGRADE BLACK BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM ABRIL DE 2016

σ LEAN LEAN SEIS SIGMA UPGRADE BLACK BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM ABRIL DE 2016 6 σ LEAN UPGRADE BLACK BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM ABRIL DE 2016 UPGRADE BLACK BELT ORIGENS DO A metodologia Seis Sigma surgiu na Motorola, na década de 1980, e foi posteriormente implementada na General

Leia mais

Entrevista Lean Six Sigma com David Vicentin (para compor reportagem da Revista Banas Qualidade julho/2010)

Entrevista Lean Six Sigma com David Vicentin (para compor reportagem da Revista Banas Qualidade julho/2010) Entrevista Lean Six Sigma com David Vicentin (para compor reportagem da Revista Banas Qualidade julho/2010) 1) Fale a respeito de sua formação profissional e atuação. Sou engenheiro de produção pela Escola

Leia mais

Preço da Venda. Custo operacional Preço de venda Melhoria

Preço da Venda. Custo operacional Preço de venda Melhoria Prof. Marcio Santos Antigamente Custo Operacional Preço da Venda Lucro Hoje Custo Operacional Preço de Mercado Lucro O mercado determina o preço! Custo operacional Preço de venda Lucro Melhoria Não me

Leia mais

TREINAMENTOS PRESENCIAIS PRÁTICOS PROGRAMAÇÃO CURSOS. Formação prática em ferramentas essenciais para a. redução de desperdícios.

TREINAMENTOS PRESENCIAIS PRÁTICOS PROGRAMAÇÃO CURSOS. Formação prática em ferramentas essenciais para a. redução de desperdícios. TREINAMENTOS PRESENCIAIS PRÁTICOS PROGRAMAÇÃO 2016 CURSOS Formação prática em ferramentas essenciais para a melhoria dos processos e redução de desperdícios. Desenvolvimento de 1 Pessoas Propósito é o

Leia mais

Lean Management Eng. Eduardo Martins Vila Nova de Gaia, 5, 6, 12, 13 e 19 de Dezembro de 2014

Lean Management Eng. Eduardo Martins Vila Nova de Gaia, 5, 6, 12, 13 e 19 de Dezembro de 2014 Lean Management Eng. Eduardo Martins Vila Nova de Gaia, 5, 6, 12, 13 e 19 de Dezembro de 2014 Introdução O pensamento Lean introduz uma mudança de paradigma na forma como produzimos e entregamos valor

Leia mais

Caracterização do Curso de Formação de eformadores

Caracterização do Curso de Formação de eformadores Caracterização do Curso de Formação de eformadores 27 Titulo do Curso Curso de Formação de eformadores Titulo dos Módulos Módulo de Integração Módulo 1: Evolução Histórica e Teorias do Ensino e Formação

Leia mais

Qualidade, Processos e Otimização Industrial

Qualidade, Processos e Otimização Industrial Qualidade, Processos e Otimização Industrial Qualidade, ambiente e segurança p. 161 Otimização dos processos p. 165 Otimização industrial p. 168 O sucesso das organizações depende da sua capacidade de

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA QUALIDADE

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA QUALIDADE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA QUALIDADE COORDENAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO: Prof.ª Doutora Florbela Correia Mestre/Especialista José Carlos Sá PLANO Listagem das Unidades Curriculares CONTROLO ESTATÍSTICO DO PROCESSO...

Leia mais

A grande diferença entre a aplicação do Lean e das outras metodologias, é a forma como a melhoria é aplicada.

A grande diferença entre a aplicação do Lean e das outras metodologias, é a forma como a melhoria é aplicada. Porque deve realizar uma acção de sensibilização A grande diferença entre a aplicação do Lean e das outras metodologias, é a forma como a melhoria é aplicada. Não se trata de um grupo de consultores que

Leia mais

ISO 9001:2000 - Gestão da Qualidade

ISO 9001:2000 - Gestão da Qualidade Publicação Nº 4-13 Janeiro 2010 ISO 9001:2000 - Gestão da Qualidade PONTOS DE INTERESSE: Estrutura Metodologia de Implementação São notórias as crescentes exigências do mercado no que toca a questões de

Leia mais

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE?

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? 1 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? A globalização dos mercados torna cada vez mais evidente as questões da qualidade. De facto a maioria dos nossos parceiros económicos não admite a não qualidade.

Leia mais

Formação Pedagógica Inicial de Formadores

Formação Pedagógica Inicial de Formadores Formação Pedagógica Inicial de Formadores MÓDULOS CARGA HORÁRIA Acolhimento 1 O formador face aos sistemas e contextos de formação 8 Factores e processos de aprendizagem 6 Comunicação e Animação de Grupos

Leia mais

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO gestão de projectos I&D e inovação gestão da qualidade gestão da cadeia de valor normas & auditorias lean Six Sigma gestão da manutenção CATÁLOGO DE FORMAÇÃO COMO CONSULTAR ESTE CATÁLOGO Este catálogo

Leia mais

Simulação e Lean Manufacturing

Simulação e Lean Manufacturing Capítulo 2 Simulação e Lean Manufacturing Neste capítulo é feita uma breve introdução a dois temas centrais neste trabalho: simulação e Lean Manufacturing, ou simplesmente Lean. Sobre o primeiro destes

Leia mais

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Como as pessoas tendem a imitar os seus líderes, estes devem-se empenhar e comprometer-se com o QSSA, para servirem

Leia mais

σ LEAN LEAN SEIS SIGMA FORMAÇÃO GREEN BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM SETEMBRO DE 2015

σ LEAN LEAN SEIS SIGMA FORMAÇÃO GREEN BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM SETEMBRO DE 2015 6 σ LEAN FORMAÇÃO GREEN BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM SETEMBRO DE 2015 FORMAÇÃO GREEN BELT ORIGENS DO A metodologia Seis Sigma surgiu na Motorola, na década de 1980, e foi posteriormente implementada na

Leia mais

CONGRESSO LEAN SIX SIGMA 2010

CONGRESSO LEAN SIX SIGMA 2010 CONGRESSO LEAN SIX SIGMA 2010 Lean Six Sigma e seu relacionamento com outras metodologias Alberto Pezeiro pezeiro@setadg.com.br TEL.+55.19.3707-1535 CEL.+55.11.8111-0026 www.setadg.com.br 1 Seta Desenvolvimento

Leia mais

Perto de si, mudamos consigo! www.wechange.pt

Perto de si, mudamos consigo! www.wechange.pt Hotel Alvalade LUANDA 16 a 27 de RH Os Ciclos de RH, consistem em planos de desenvolvimento de competências no domínio da gestão de Recursos Humanos, nomeadamente ao nível das áreas de Selecção, Formação

Leia mais

Balanced Scorecard e a

Balanced Scorecard e a Sessões de Trabalho Balanced Scorecard e a Execução Estratégica Programa de 3 dias de Treino Inscrições até 31/Março = 375 + IVA Inscrições até 11/Abril = 750 + IVA Local: Armazém SYV (em Lisboa, na Junqueira)

Leia mais

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações NP ISO 10001:2008 Gestão da qualidade. Satisfação do cliente. Linhas de orientação relativas aos códigos de conduta das organizações CT 80 2008 NP ISO 10002:2007 Gestão da qualidade. Satisfação dos clientes.

Leia mais

Vendas na Empresa Lean

Vendas na Empresa Lean Vendas na Empresa Lean Autor: Alexandre Cardoso Publicado: 29/04/2011 Introdução Em uma empresa, a área de Vendas é de extrema importância para o sucesso do negócio. Aprimorar o seu desempenho tem sido

Leia mais

GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS

GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL MBA GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS DISCIPLINAS E EMENTAS SINTONIZANDO PERCEPÇÕES E UNIFORMIZANDO A LINGUAGEM

Leia mais

curso de especialização em gestão

curso de especialização em gestão F OR M A Ç Ã O A V A N Ç A D A curso de especialização em gestão FORMAÇÃO ESPECÍFICA PARA MEMBROS DA ORDEM DOS ENGENHEIROS Enquadramento O CEGE/ISEG é um centro de investigação e projectos do ISEG Instituto

Leia mais

Referencial do Curso De Introdução ao Coaching

Referencial do Curso De Introdução ao Coaching Referencial do Curso De Introdução ao Coaching [2010] 1. DATA DE INICIO: De acordo com o Plano de Formação. 2. DATA DE FIM: De acordo com o Plano de Formação. 3. MÓDULOS: Módulo 1 - O que é o Coaching;

Leia mais

Formação Gestão de Armazéns. Formação. Gestão de Armazéns. Página1. Logisformação Andreia Campos. Empresa acreditada por:

Formação Gestão de Armazéns. Formação. Gestão de Armazéns. Página1. Logisformação Andreia Campos. Empresa acreditada por: Página1 Formação Gestão de Armazéns Empresa acreditada por: Página2 A Logisformação A Logisformação é o resultado de 20 anos de experiência da Logistema Consultores de Logística S.A. no apoio ao desenvolvimento

Leia mais

Gestão por Processos ISO 9001: 2000

Gestão por Processos ISO 9001: 2000 Gestão por Processos 1 2 Existem três tipos de empresas: - as que fazem as coisas acontecer; - as que vêem as coisas acontecer; - as que não fazem ideia do que está a acontecer (Kotler) 3 Para o Sucesso

Leia mais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais conteúdos: Programa de formação avançada centrado nas competências e necessidades dos profissionais. PÁGINA 2 Cinco motivos para prefirir a INOVE RH como o seu parceiro, numa ligação baseada na igualdade

Leia mais

Lean Thinking. Introdução ao pensamento magro O PENSAMENTO LEAN 1. INTRODUÇÃO. por João Paulo Pinto COMUNIDADE LEAN THINKING

Lean Thinking. Introdução ao pensamento magro O PENSAMENTO LEAN 1. INTRODUÇÃO. por João Paulo Pinto COMUNIDADE LEAN THINKING COMUNIDADE LEAN THINKING Lean Thinking Introdução ao pensamento magro por Julho de 2008 O PENSAMENTO LEAN Este documento aborda um dos temas mais interessantes e actuais da gestão de operações: a filosofia

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

PROGRAMA DE FORMAÇÃO

PROGRAMA DE FORMAÇÃO PROGRAMA DE FORMAÇÃO 1. Identificação do Curso Pós-Graduação em Gestão Estratégica de Recursos Humanos 2. Destinatários Profissionais em exercício de funções na área de especialização do curso ou novos

Leia mais

Portugal. Alemanha. França. Rússia. Holanda. Directivas Comunitárias. Fundada em 1978. UP - Serpins. UP - Serpins II

Portugal. Alemanha. França. Rússia. Holanda. Directivas Comunitárias. Fundada em 1978. UP - Serpins. UP - Serpins II EMPRESA FABRIL DE PRODUTOS ELÉCTRICOS, SA O Lean Lean na EFAPEL Carlos Ramos Gestão de Operações carlos.ramos@efapel.pt A EFAPEL no Mundo Exportamos para mais de 40 países da Europa,, Ásia, Europa Ásia,

Leia mais

JOGO DE NEGÓCIO SIMULADOR DOS EFEITOS POSITIVOS DA APLICAÇÃO DAS FERRAMENTAS LEAN PARA FUNCIONÁRIOS OPERACIONAIS E LIDERANÇAS DO CHÃO DE FÁBRICA

JOGO DE NEGÓCIO SIMULADOR DOS EFEITOS POSITIVOS DA APLICAÇÃO DAS FERRAMENTAS LEAN PARA FUNCIONÁRIOS OPERACIONAIS E LIDERANÇAS DO CHÃO DE FÁBRICA JOGO DE NEGÓCIO SIMULADOR DOS EFEITOS POSITIVOS DA APLICAÇÃO DAS FERRAMENTAS LEAN PARA FUNCIONÁRIOS OPERACIONAIS E LIDERANÇAS DO CHÃO DE FÁBRICA Gece Wallace Santos Reno (UFSCar) gece.reno@uol.com.br Carolina

Leia mais

B U S I N E S S I M P R O V E M E N T

B U S I N E S S I M P R O V E M E N T BUSINESS IMPROVEMENT A I N D E V E QUEM É A Indeve é uma empresa especializada em Business Improvement, composta por consultores com uma vasta experiência e com um grande conhecimento do mundo empresarial

Leia mais

Curso Intensivo. Logística Farmacêutica

Curso Intensivo. Logística Farmacêutica Curso Intensivo Logística Farmacêutica O EaDPLUS é um dos melhores portais de cursos à distância do Brasil e conta com um ambiente virtual de aprendizagem que visa a capacitação profissional objetivando

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Projecto IMCHE/2/CP2 1 ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

Leia mais

KCM - KAIZEN Change Management Introduction. Kaizen Diário. Services and Engineering. www.kaizen.com

KCM - KAIZEN Change Management Introduction. Kaizen Diário. Services and Engineering. www.kaizen.com KCM - KAIZEN Change Management Introduction Kaizen Diário Services and Engineering www.kaizen.com 1 Conteúdo Modelo de Kaizen Diário; Nível 1: Organização da Equipa; Nível 2: Organização dos Espaços; Nível

Leia mais

Ferramenta de Desenvolvimento e aplicação do Lean Thinking no STV

Ferramenta de Desenvolvimento e aplicação do Lean Thinking no STV Ferramenta de Desenvolvimento e aplicação do Lean Thinking no STV By Citeve Índice 1 Introdução... 3 1.1 Enquadramento... 3 1.2 LEAN THINKING, o que é?... 3 1.3 A sua importância no setor STV... 4 2 Conceitos

Leia mais

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Neste curso serão abordadas as melhores práticas que permitem gerir estrategicamente a informação, tendo em vista a criação de valor para

Leia mais

Abordagem Formativa Web-Based. Success does not happen by accident. It happens by Design.

Abordagem Formativa Web-Based. Success does not happen by accident. It happens by Design. Abordagem Formativa Web-Based Success does not happen by accident. It happens by Design. Objectivo, Processo, Resultado Objectivo desta Apresentação Introduzir as características e benefícios chave de

Leia mais

GUIÃO PARA O DIAGNÓSTICO DE UMA UNIDADE INDUSTRIAL REAL

GUIÃO PARA O DIAGNÓSTICO DE UMA UNIDADE INDUSTRIAL REAL UNIVERSIDADE DO MINHO DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO E SISTEMAS GUIÃO PARA O DIAGNÓSTICO DE UMA UNIDADE INDUSTRIAL REAL ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DA PRODUÇÃO LOGÍSTICA AUTOMAÇÃO E ROBÓTICA Sílvio Carmo Silva (Prof.

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Inovar para Ganhar Paulo Nordeste Portugal tem apresentado nos últimos anos casos de sucesso em inovação; como novos produtos, serviços e modelos de

Leia mais

O DESAFIO DOS EXECUTIVOS

O DESAFIO DOS EXECUTIVOS COACHING EXECUTIVO O DESAFIO DOS EXECUTIVOS Os executivos das empresas estão sujeitos a pressões crescentes para entregarem mais e melhores resultados, liderando as suas organizações através de mudanças

Leia mais

WWW.GLOBALSCORE.PT CATÁLOGO DE FORMAÇÃO

WWW.GLOBALSCORE.PT CATÁLOGO DE FORMAÇÃO WWW.GLOBALSCORE.PT CATÁLOGO DE FORMAÇÃO 2014 ÍNDICE P. 04 P. 06 P. 10 P. 12 P. 24 P. 28 P. 32 P. 44 P. 50 P. 56 P. 62 P. 70 P. 74 Àreas de Formação Gestão e Administração Enquadramento na Organização/Empresa

Leia mais

Otimização. Processos I

Otimização. Processos I Saiba Como o Six Sigma Convive com Outras Metodologias de Gestão e Como Otimização Alinhadas Podem Promover de a Otimização de Processos e Resultados Expressivos Processos I Alberto Pezeiro pezeiro@setadg.com.br

Leia mais

Produção Lean. Guia do Empresário por Centro Tecnológico do Calçado de Portugal

Produção Lean. Guia do Empresário por Centro Tecnológico do Calçado de Portugal #8 Produção Lean Guia do Empresário por Centro Tecnológico do Calçado de Portugal Indice Introdução Porquê implementar Lean nas empresas? Os conceitos de valor e desperdício no Lean Mapeamento da Cadeia

Leia mais

A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER

A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER A Gestão da Inovação Proposta de Utilização do Guia de Boas Práticas de IDI e das ferramentas desenvolvidas no âmbito da iniciativa DSIE da COTEC para o desenvolvimento do sistema

Leia mais

Excelência Operacional

Excelência Operacional Excelência Operacional Inter-relação entre Lean Manufacturing e TPM ( Total Productive Management) Paulo Yida - Diretor Solving Efeso America do Sul Renato Cosloski Iamondi Consultor Senior Solving Efeso

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Adoptada pelos Ministros da Saúde e Ministros do Ambiente na Segunda Conferência Interministerial sobre Saúde e

Leia mais