A RESPONSABILIDADE CIVIL DO ADVOGADO FRENTE AOS SEUS CLIENTES

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A RESPONSABILIDADE CIVIL DO ADVOGADO FRENTE AOS SEUS CLIENTES"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ UNIVALI PRO-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO, EXTENSÃO E CULTURA - PROPPEC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIA JURÍDICA - CPCJ A RESPONSABILIDADE CIVIL DO ADVOGADO FRENTE AOS SEUS CLIENTES PAOLA DAMO COMEL GORMANNS Itajaí, [Data] Elaborado pelo Prof. Dr. Álvaro Borges de Oliveira, Prof. MSc Clóvis Demarchi e Esp. Sérgio Alexander Loback da Silva. Versão 6

2 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ UNIVALI PRO-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO, EXTENSÃO E CULTURA - PROPPEC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIA JURÍDICA - CPCJ A RESPONSABILIDADE CIVIL DO ADVOGADO FRENTE AOS SEUS CLIENTES PAOLA DAMO COMEL GORMANNS Dissertação submetida à Universidade do Vale do Itajaí UNIVALI, como requisito parcial à obtenção do mestre em Ciência Jurídica. Orientador: Professor Doutor Paulo de Tarso Brandão Itajaí, [Data] Elaborado pelo Prof. Dr. Álvaro Borges de Oliveira, Prof. MSc Clóvis Demarchi e Esp. Sérgio Alexander Loback da Silva. Versão 6

3 AGRADECIMENTO Ao meu marido Fernando, meus pais Wilson e Nelsina e minha irmã Denise, pela orientação e apoio recebidos. Elaborado pelo Prof. Dr. Álvaro Borges de Oliveira, Prof. MSc Clóvis Demarchi e Esp. Sérgio Alexander Loback da Silva. Versão 6

4 DEDICATÓRIA Dedico esta dissertação a todos os Operadores Jurídicos. Elaborado pelo Prof. Dr. Álvaro Borges de Oliveira, Prof. MSc Clóvis Demarchi e Esp. Sérgio Alexander Loback da Silva. Versão 6

5 TERMO DE ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE Declaro, para todos os fins de direito, que assumo total responsabilidade pelo aporte ideológico conferido ao presente trabalho, isentando a Universidade do Vale do Itajaí, a coordenação do Curso de Mestrado em Ciência Jurídica, a Banca Examinadora e o Orientador de toda e qualquer responsabilidade acerca do mesmo. Itajaí, [Data] Paola Damo Comel Gormanns Mestranda

6 PÁGINA DE APROVAÇÃO A presente dissertação de conclusão do Mestrado em Ciência Jurídica da Universidade do Vale do Itajaí UNIVALI, elaborada pela mestranda Paola Damo Comel Gormanns, sob o título Responsabilidade Civil do Advogado frente aos seus Clientes, foi submetida em [Data] à banca examinadora composta pelos seguintes professores: [Nome dos Professores ] ([Função]), e aprovada com a nota [Nota] ([nota Extenso]). Itajaí, [Data] Doutor Paulo de Tarso Brandão Orientador e Presidente da Banca Doutor Cesar Luiz Pasold Coordenação do Mestrado

7 ROL DE ABREVIATURAS E SIGLAS CC/1916 Código Civil Brasileiro de 1916 CC/2002 Código Civil Brasileiro de 2002 CE COPRODECON Código de Ética e Disciplina da Ordem dos Advogados do Brasil Código de Proteção e Defesa do Consumidor CF/1988 CPC EA OAB STJ Constituição da República Federativa do Brasil Código de Processo Civil Brasileiro Estatuto da Advocacia e da Ordem dos Advogados do Brasil Ordem dos Advogados do Brasil Superior Tribunal de Justiça

8 ROL DE CATEGORIAS Rol de categorias que a Autora considera estratégicas à compreensão do seu trabalho, com seus respectivos conceitos operacionais. Advogado Aquele profissional, devidamente habilitado, que pode emitir parecer jurídico ou representar alguém ou uma instituição em juízo. Consumidor É toda pessoa física ou jurídica que adquire ou utiliza produto ou serviço como destinatário final. Fornecedor Toda pessoa física ou jurídica, pública ou privada, nacional ou estrangeira, bem como os entes despersonalizados, que desenvolvem atividades de produção, montagem, criação, construção, transformação, importação, exportação, distribuição ou comercialização de produtos ou prestação de serviços. Função Social É a Função que deve atentar e cumprir sempre aos legítimos interesses da Sociedade, sem discriminações ou preconceitos. Lei O preceito ou a norma de conduta resultante da ação legislativa, que a torna geral, obrigatória e exigível. Responsabilidade Civil A aplicação de medidas que obriguem alguém a reparar dano moral ou patrimonial causado a terceiros em razão de ato do próprio imputado, de pessoa por quem ele responde, ou de fato de coisa ou animal sob sua guarda (responsabilidade subjetiva), ou, ainda, de simples imposição legal (responsabilidade objetiva). sumário Elaborado pelo Prof. Dr. Álvaro Borges de Oliveira, Prof. MSc Clóvis Demarchi e Esp. Sérgio Alexander Loback da Silva. Versão 6

9 RESUMO... X INTRODUÇÃO... 1 CAPÍTULO RESPONSABILIDADE CIVIL BREVE HISTÓRICO CONCEITO MODALIDADES RESPONSABILIDADE CIVIL E RESPONSABILIDADE PENAL RESPONSABILIDADE JURÍDICA E RESPONSABILIDADE MORAL RESPONSABILIDADE SUBJETIVA E RESPONSABILIDADE OBJETIVA RESPONSABILIDADE CONTRATUAL E RESPONSABILIDADE EXTRACONTRATUAL PRESSUPOSTOS AÇÃO OU OMISSÃO RELAÇÃO DE CAUSALIDADE DANO EXCLUDENTES CULPA DA VÍTIMA FATO DE TERCEIRO CASO FORTUITO OU FORÇA MAIOR LEGÍTIMA DEFESA EXERCÍCIO REGULAR DO DIREITO E ESTRITO CUMPRIMENTO DO DEVER LEGAL ESTADO DE NECESSIDADE CLÁUSULA DE NÃO INDENIZAR...28 CAPÍTULO CONSIDERAÇÕES ACERCA DO CÓDIGO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR ORIGEM DO DIREITO DO CONSUMIDOR O CÓDIGO DE DEFESA E PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR AS PARTES NA RELAÇÃO DE CONSUMO ALGUNS PRINCÍPIOS NORTEADORES DO COPRODECON PRINCÍPIO DA BOA-FÉ PRINCÍPIO DA TRANSPARÊNCIA PRINCÍPIO DA IGUALDADE A RESPONSABILIDADE CIVIL NO COPRODECON...45 CAPÍTULO O ADVOGADO PRERROGATIVAS CONSTITUCIONAIS O ADVOGADO COMO PARTE INDISPENSÁVEL À ADMINISTRAÇÃO DA JUSTIÇA E SUA FUNÇÃO SOCIAL...54

10 3.1.2 A INVIOLABILIDADE DO ADVOGADO O ESTATUTO DA ADVOCACIA E DA OAB O CÓDIGO DE ÉTICA E DISCIPLINA DA OAB DEVERES DO ADVOGADO DEVERES PESSOAIS DEVERES PARA COM OS TRIBUNAIS DEVERES PARA COM OS COLEGAS DEVERES PARA COM OS CLIENTES...74 CAPÍTULO RESPONSABILIDADE CIVIL DO ADVOGADO DIANTE DO COPRODECON CONTRATO DE MANDATO CONCEITO NATUREZA JURÍDICA CONTRATO DE MANDATO JUDICIAL O DOLO E A CULPA DO ADVOGADO NO EXERCÍCIO DA ADVOCACIA NOÇÕES GERAIS DOLO E CULPA DANO INDENIZÁVEL DANO MATERIAL DANO MORAL RESPONSABILIDADE CIVIL DO ADVOGADO FRENTE AOS SEUS CLIENTES E A APLICABILIDADE DO COPRODECON NO ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO...92 CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIA DAS FONTES CITADAS ANEXOS

11 RESUMO A presente dissertação trata da Responsabilidade Civil do Advogado frente aos seus clientes, abrangendo considerações gerais sobre a Responsabilidade Civil e o exercício da Advocacia, além da discussão sobre a consideração da relação entre Advogado e cliente como de consumo e a aplicabilidade ou não da inversão do ônus da prova conforme o previsto no Código de Proteção e Defesa do Consumidor. Elaborado pelo Prof. Dr. Álvaro Borges de Oliveira, Prof. MSc Clóvis Demarchi e Esp. Sérgio Alexander Loback da Silva. Versão 6

12 INTRODUÇÃO A presente Dissertação tem como objeto o estudo da Responsabilidade Civil do Advogado frente aos seus clientes. O seu objetivo é investigar a Responsabilidade Civil do Advogado nas relações profissionais com seus clientes e a aplicabilidade do Código de Defesa e Proteção do Consumidor. Para tanto, principia se, no Capítulo 1, tratando da Responsabilidade Civil. Após um breve histórico, passa-se pelos conceitos de Responsabilidade Civil, suas modalidades e pressupostos, encerrando com as causas de exclusão de responsabilidade. No Capítulo 2, tratando do Código de Defesa e Proteção ao Consumidor, passa-se pelo estudo das partes e de alguns princípios norteadores da relação de consumo e chega-se na questão da Responsabilidade Civil no âmbito do Direito do Consumidor. No Capítulo 3, tratando do Advogado, proporciona-se considerações sobre a Advocacia e os deveres do Advogado quando no seu exercício. No Capítulo 4, tratando da Responsabilidade Civil do Advogado diante do Código de Proteção e Defesa do Consumidor, são apresentadas considerações acerca do contrato de mandato, do dolo e da culpa no exercício da Advocacia e, finalizando, sobre a aplicabilidade do Código de Proteção e Defesa do Consumidor nas relações profissionais entre o Advogado e seus clientes. O presente Relatório de Pesquisa se encerra com as Considerações Finais, nas quais são apresentados pontos conclusivos destacados, seguidos da estimulação à continuidade dos estudos e das reflexões sobre a Responsabilidade Civil do Advogado frente aos seus clientes. Elaborado pelo Prof. Dr. Álvaro Borges de Oliveira, Prof. MSc Clóvis Demarchi e Esp. Sérgio Alexander Loback da Silva. Versão 6

13 2 hipóteses: Para a presente dissertação foram levantadas as seguintes [Hipótese 1] É possível a aplicação da Responsabilidade Civil os casos em que o advogado cause dano ao seu cliente. [Hipótese 2] A Responsabilidade Civil do Advogado é Subjetiva, sendo necessária a presença do dolo ou da culpa. [Hipótese 3] O Código de Defesa e Proteção do Consumidor não tem aplicabilidade nas relações profissionais entre Advogado e cliente. Quanto à Metodologia empregada, registra-se que, na Fase de Investigação foi utilizado o Método Indutivo, na Fase de Tratamento de Dados o Método Cartesiano, e, o Relatório dos Resultados expresso na presente Dissertação é composto na base lógica Indutiva. Nas diversas fases da Pesquisa, foram acionadas as Técnicas do Referente, da Categoria, do Conceito Operacional, da Pesquisa Bibliográfica.

14 CAPÍTULO 1 RESPONSABILIDADE CIVIL 1.1 BREVE HISTÓRICO Precisar a origem da Responsabilidade Civil não é uma tarefa muito fácil, pois não há uma uniformidade entre os Autores. Sendo assim, serão utilizados os ensinamentos de Caio Mário da Silva Pereira para a consecução de tal tarefa. Segundo o Autor, embora o Direito Romano não tenha construído uma teoria da responsabilidade civil, deve-se reconhecer que "é o Direito romano que oferece subsídios a qualquer elaboração jurídica, porque, de um modo ou de outro, foi a sabedoria romana que permitiu a criação do substracto essencial da formação dos sistemas que, nestes dois mil anos de civilização cristã, vicejam no que se denomina civilização jurídica ocidental, que eu sempre qualifiquei de romano-cristã". 1 Na origem do Direito Romano, prevalecia a idéia da vingança privada. Em seqüência, seguiu-se a da composição voluntária, a das composições legais e a da reparação pelo Estado. 2 Segue o Autor afirmando que a maior revolução nos conceitos jus-romanísticos em termos de Responsabilidade Civil se deu com a Lex Aquilia, que tem data incerta mas é originária de um plebiscito proposto pelo tribuno Aquilio. 3 A Lex Aquilia "abre, em verdade, novos horizontes à responsabilidade civil, posto não haja enunciado um princípio geral. Seu maior 1 PEREIRA, Caio Mário da Silva. Responsabilidade Civil. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense, p PEREIRA, Caio Mário da Silva. Responsabilidade Civil. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense, p PEREIRA, Caio Mário da Silva. Responsabilidade Civil. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense, p. 8. Elaborado pelo Prof. Dr. Álvaro Borges de Oliveira, Prof. MSc Clóvis Demarchi e Esp. Sérgio Alexander Loback da Silva. Versão 6

15 4 valor consiste em substituir as multas fixas por uma pena proporcional ao dano causado". 4 Ainda mais, que referida lei "foi um marco tão acentuado, que a ela se atribui a origem do elemento "culpa", como fundamental na reparação do dano". 5 Quanto à origem da idéia de "culpa", esclarece que há divergência doutrinária no sentido de que a culpa seria estranha à Lex aquilia, estando fundamentada no Código de Napoleão, datado de Mas, de qualquer forma, tal idéia veio inserir-se no conceito de Responsabilidade Civil por toda a Idade Média e nos Códigos modernos. 7 Relata, ainda mais, que em termos gerais, em todos os sistemas jurídicos da atualidade, "mais minuciosamente ou mais casuisticamente, o princípio da responsabilidade civil encontra larga ressonância como fonte obrigacional, respondendo pela reparação o causador de um dano à pessoa ou aos bens de outrem". 8 Com relação à Responsabilidade Civil sem culpa, estabelece que as idéias contrárias à teoria da culpa surgiram no século XIX, no campo do direito criminal e, no século XX, "implanta-se no direito francês, nascido da concepção arrojada de dois grandes civilistas: Saleilles e Josserand". 9 No Direito Brasileiro, a teoria do risco teve ingresso através de elaboração doutrinária. Neste ponto, Caio Mário da Silva Pereira 10 faz referência a Orozimbo Nonato que, no ano de 1931, embora fosse partidário da teoria subjetiva, já demonstrava familiaridade com a doutrina objetiva. A partir de então, vieram outros doutrinadores como, por exemplo, Alvino Lima, José Aguiar Dias e Wilson Melo da Silva, até que a Responsabilidade Civil sem culpa ingressou expressamente no ordenamento jurídico brasileiro. 4 PEREIRA, Caio Mário da Silva. Responsabilidade Civil. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense, p PEREIRA, Caio Mário da Silva. Responsabilidade Civil. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense, p PEREIRA, Caio Mário da Silva. Responsabilidade Civil. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense, p PEREIRA, Caio Mário da Silva. Responsabilidade Civil. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense, p PEREIRA, Caio Mário da Silva. Responsabilidade Civil. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense, p PEREIRA, Caio Mário da Silva. Responsabilidade Civil. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense, p PEREIRA, Caio Mário da Silva. Responsabilidade Civil. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense, p

16 5 1.2 CONCEITO A origem do termo é oriunda do verbo latino respondere, "tomado na significação de responsabilizar-se, vir garantindo, assegurar, assumir o pagamento do que se obrigou ou do ato que praticou". 11 O vocábulo contém a "raiz latina spondeo, fórmula pela qual se vinculava, no Direito Romano, o dever nos contratos verbais". 12 Todavia, tal noção é insuficiente para definir a responsabilidade no campo do Direito Civil, tarefa complexa e que os próprios autores não chegaram a um consenso. Alguns, inclusive, fazem referências e críticas a conceitos de outros autores mas não chegam a propor um de sua autoria. Passa-se, então, a expor alguns dos conceitos propostos. De Plácido e Silva 13 define Responsabilidade Civil como "a obrigação de reparar o dano ou de ressarcir o dano, quando injustamente causado a outrem". Para Caio Mário da Silva Pereira 14 "a responsabilidade civil consiste na efetivação da reparabilidade abstrata do dano em relação a um sujeito passivo da relação jurídica que se forma". Ainda mais, esclarece que "reparação e sujeito passivo compõe o binômio da responsabilidade civil, que então se enuncia como o princípio que subordina a reparação à sua incidência na pessoa do causador do dano." 15 Para ele, não importa se o fundamento da responsabilidade está ou não na culpa, pois o que importa é "a subordinação de um sujeito passivo à determinação de um dever de ressarcimento" SILVA, De Plácido e. Vocabulário Jurídico. 3. ed. São Paulo: Forense, p v. III e IV. 12 DINIZ, Maria Helena. Curso de Direito Civil Brasileiro: Responsabilidade Civil. 16. ed. São Paulo: Saraiva, p. 33. v SILVA, De Plácido e. Vocabulário Jurídico. São Paulo: Forense, p v. IV. 14 PEREIRA, Caio Mário da Silva. Responsabilidade Civil de acordo com a Constituição de ed. Rio de Janeiro: Forense, p PEREIRA, Caio Mário da Silva. Responsabilidade Civil de acordo com a Constituição de ed. Rio de Janeiro: Forense, p PEREIRA, Caio Mário da Silva. Responsabilidade Civil de acordo com a Constituição de ed. Rio de Janeiro: Forense, p. 16.

17 6 Segundo Odoné Serrano Júnior 17 "a Responsabilidade Civil é o instituto jurídico através do qual se enseja que uma pessoa que cause, injustamente, danos a outrem, torne-se obrigada a repará-los". De modo mais minucioso, Maria Helena Diniz 18 conceitua Responsabilidade Civil como "a aplicação de medidas que obriguem alguém a reparar dano moral ou patrimonial causado a terceiros em razão de ato do próprio imputado, de pessoa por quem ele responde, ou de fato de coisa ou animal sob sua guarda (responsabilidade subjetiva), ou, ainda, de simples imposição legal (responsabilidade objetiva)". 19 Faltou pesquisar na obra de José Aguiar Dias. Trata-se de um clássico na matéria. Também seria importante ler Yussef Cahali. Já a lei nº /02 20 não define expressamente Responsabilidade Civil. Quando a trata no Título IX, Capítulo I, prevê, em seu artigo 927, que "aquele que, por ato ilícito, causar dano a outrem, fica obrigado a repará-lo". Em seguida, em seu parágrafo único, determina que "haverá obrigação de reparar o dano, independentemente de culpa, nos casos especificados em lei, ou quando a atividade normalmente desenvolvida pelo autor do dano implicar, por sua natureza, risco para os direitos de outrem". 186 dispõe: Quanto ao ato ilícito, vem disciplinado no CC/2002. O artigo - "Aquele que, por ação ou omissão voluntária, negligência ou imprudência, violar direito e causar dano a outrem, ainda que exclusivamente moral, comete ato ilícito." Em seqüência, o art. 187 determina que: 17 SERRANO JÚNIOR, Odoné. Responsabilidade Civil do Estado por Atos Judiciais. Curitiba: Juruá, p DINIZ, Maria Helena. Curso de Direito Civil Brasileiro: Responsabilidade Civil. 16. ed. São Paulo: Saraiva, p. 34. v Por ser mais completo, será o conceito adotado para os fins deste estudo. 20 Doravante simplesmente chamado CC/2002.

18 7 - "Também comete ato ilícito o titular de um direito que, ao exercê-lo, excede manifestamente os limites impostos pelo seu fim econômico ou social, pela boa-fé ou pelos bons costumes." Destarte, pelo teor do parágrafo único do artigo 927 do CC/2002, pode-se afirmar que a idéia de Responsabilidade Civil não está mais vinculada à idéia de culpa, ou seja, ela (a culpa) não é requisito essencial para a responsabilidade e a obrigação de reparar o dano. 1.3 MODALIDADES Responsabilidade Civil e Responsabilidade Penal A Responsabilidade Civil não se confunde com a Responsabilidade Penal. Os dois institutos consistem em uma infração a um dever imposto ao sujeito e podem até ter incidência sobre um mesmo fato, mas não se misturam e possuem fundamentos diversos. No caso da Responsabilidade Penal, há uma infração de norma pública que atinge toda a Sociedade. Quando um sujeito comete um crime, as conseqüências de seu ato não afetam somente a vítima, mas a ordem e a paz social. Como resposta ao cometimento de um crime tipificado pelas leis penais, tem-se a imposição de pena restritiva de liberdade, restritiva de direito e/ou multa. Já em se tratando de Responsabilidade Civil, há uma infração de norma de direito privado que afeta um sujeito determinado. Aqui, como resposta à infração, tem-se a obrigação de reparar o dano através de uma indenização. E, em se tratando de esfera eminentemente privada, a reparação do dano depende exclusivamente da vontade da vítima, que pode exercer ou não o seu direito.

19 8 a Responsabilidade Civil. Segundo ele Silvio Rodrigues 21 estabelece a distinção entre (o que e...?) "Num e noutro caso encontra-se, basicamente, infração a um dever por parte do agente. No caso do crime, o delinqüente infringe uma norma de direito público e seu comportamento perturba a ordem social; por conseguinte, seu ato provoca uma reação do ordenamento jurídico, que não pode se compadecer com uma atitude individual dessa ordem. A reação da sociedade é representada pela pena. Note-se que, na hipótese, é indiferente para a sociedade a existência ou não de prejuízo experimentado pela vítima. No caso de ilícito civil, ao contrário, o interesse diretamente lesado, em vez de ser o interesse público, é o privado. O ato do agente pode não ter infringido norma de ordem pública; não obstante, como seu procedimento causou dano a alguma pessoa, o causador do dano deve repará-lo. A reação da sociedade é representada pela indenização a ser exigida pela vítima do agente causador do dano. Todavia, como a matéria é de interesse apenas do prejudicado, se este se resignar a sofrer o prejuízo e se mantiver inerte, nenhuma conseqüência advirá para o agente causador do dano". O próprio CC/2002 determina, em seu artigo 935, que a "responsabilidade civil é independente da criminal, não se podendo questionar mais sobre a existência do fato, ou sobre quem seja o seu autor, quando estas questões se acharem decididas no juízo criminal". De tal dispositivo pode-se extrair que, mesmo havendo independência entre a Responsabilidade Civil e a Penal, se, no âmbito do juízo criminal houver sentença definitiva no sentido de reconhecer a existência do fato ou a sua autoria, tais questionamentos não poderão mais ser objeto em ação de natureza cível. Tal regra é perfeitamente compreensível, pois do contrário poderiam haver decisões conflitantes e que acabariam por tornar inviável a responsabilidade do autor do crime. Não há como conceber que um sujeito condenado pela autoria de um crime na esfera penal 21 RODRIGUES, Silvio. Direito Civil: Responsabilidade Civil. 19. ed. atual. São Paulo: Saraiva, p. 6. v. 4.

20 9 tenha a pretensão de discutir novamente tal situação na esfera cível. Igualmente, se a decisão criminal reconhecer a existência do fato, tal situação não poderá mais discutida no juízo cível Responsabilidade Jurídica e Responsabilidade Moral Igualmente importante se faz apresentar a distinção entre Responsabilidade Jurídica e Responsabilidade Moral, sendo a moral o "conjunto de princípios e de padrões de conduta de um indivíduo, de um grupo ou de uma coletividade". 22 Enquanto a primeira reside no plano da violação da norma jurídica e tem a característica da coercibilidade pelo Estado, na Responsabilidade Moral há violação da norma de conduta puramente moral. É o caso, por exemplo, da violação da regra religiosa de freqüentar semanalmente a Igreja, na qual o sujeito somente será responsabilizado neste âmbito. Talvez tais colocações pareçam um pouco infundadas, uma vez que não se pode conceber uma norma jurídica que não esteja ligada à moral. Todavia, lembra Rui Stoco 23 que "a moral tem âmbito bem mais amplo do que o Direito, posto que inúmeras de suas regras, estabelecidas apenas como deveres, escapam do universo normativo do Direito". Para Pablo Stolze Gagliano e Rodolfo Pamplona Filho 24 "a diferença, mais relevante, todavia, reside realmente na ausência de coercibilidade institucionalizada da norma moral, não havendo a utilização da força organizada para exigir o cumprimento, uma vez que esta é monopólio do Estado". Washington de Barros Monteiro 25 observa que enquanto a moral "abrange os deveres do homem para com Deus, para consigo mesmo e para com os homens", o direito restringe-se aos deveres para com os 22 MELO, Osvaldo Ferreira de. Dicionário de Política Jurídica. Florianópolis: OAB/SC Editora, p STOCO, Rui. Abuso do Direito e Má-fé Processual. São Paulo: Revista dos Tribunais, p GAGLIANO, Pablo Stolze e PAMPLONA FILHO, Rodolfo. Novo curso de Direito Civil: Responsabilidade Civil. São Paulo: Saraiva, p. 4. v MONTEIRO, Washington de Barros. Curso de Direito Civil: Parte Geral. 13. ed. São Paulo: Saraiva, p. 3.

21 10 semelhantes. Distingue-se pela sanção, dado que a regra jurídica repousa na sanção e a regra moral, por sua vez, é incoercível, senão que sua infração fica adstrita a uma sanção interna (remorso, arrependimento) Responsabilidade Subjetiva e Responsabilidade Objetiva Como visto acima, no que se refere à responsabilidade, a culpa pode ou não ser pressuposto essencial para sua caracterização. Em regra geral, a responsabilidade está atrelada a idéia de culpa em sentido genérico, abrangendo o dolo e a culpa, essa em sentido estrito. É a responsabilidade civil subjetiva. Segundo a teoria da Responsabilidade Civil Subjetiva, somente se o agente agir com culpa é que sobre ele recairá o dever de indenizar a vítima pelo prejuízo que sofreu. Assim, na presença da culpa, juntamente com a ação ou omissão, o nexo causal e o dano, estarão completos os elementos caracterizadores da Responsabilidade Civil Subjetiva. Para Silvio Rodrigues 26, quando se fala em Responsabilidade Civil Subjetiva e Objetiva, não se está diante de espécies diferentes de responsabilidade, "mas sim maneiras diferentes de encarar a obrigação de reparar o dano. Realmente se diz ser subjetiva a responsabilidade quando se inspira na idéia de culpa, e objetiva quando esteada na teoria do risco". De forma diversa, Maria Helena Diniz 2728 estabelece como espécies de responsabilidade civil a subjetiva ou objetiva, contratual ou extracontratual ou, ainda, direta ou indireta. De qualquer forma, o que interessa é o fato de que somente haverá Responsabilidade Civil Subjetiva quando o agente agir com dolo ou culpa. 26 RODRIGUES, Silvio. Direito Civil: Responsabilidade Civil. 19. ed. atual. São Paulo: Saraiva, p. 11. v DINIZ, Maria Helena. Curso de Direito Civil Brasileiro: Responsabilidade Civil. 16. ed. São Paulo: Saraiva, p v Responsabilidade direta seria a proveniente da própria pessoa imputada e indireta a proveniente de ato de terceiro, vinculado ao agente, de fato de animal ou de coisa inanimada sob sua guarda. DINIZ, Maria Helena. Curso de Direito Civil Brasileiro: Responsabilidade Civil. 16. ed. São Paulo: Saraiva, p v. 7.

22 11 Caso contrário, ou será caso de Responsabilidade Civil Objetiva ou não haverá responsabilidade e, via de consequência, qualquer dano a ser reparado. De forma diversa, a Responsabilidade Civil Objetiva prescinde da existência da culpa. Com efeito, "a noção clássica de culpa foi sofrendo, no curso da História, constantes temperamentos em sua aplicação. Nesse sentido, as primeiras atenuações em relação ao sentido clássico de culpa traduziram-se nas "presunções de culpa" e em mitigações no rigor da apreciação da culpa em si. Os tribunais foram percebendo que a noção estrita de culpa, se aplicada rigorosamente, deixaria inúmeras situações de prejuízo sem ressarcimento". 29 Com este novo posicionamento, a noção de culpa foi sendo ampliada e a circunstância da criação de risco foi ganhando espaço como substituto da culpa em determinados casos. A partir de então, a teoria da responsabilidade civil objetiva foi sendo reconhecida e, hoje, é expressamente aceita no ordenamento jurídico brasileiro, como se depreende do disposto no parágrafo único, do artigo 927, do CC/2002: "Haverá obrigação de reparar o dano, independentemente de culpa, nos casos especificados em lei, ou quando a atividade normalmente desenvolvida pelo autor do dano implicar, por sua natureza, risco para os direitos de outrem". Assim, tem-se que a Responsabilidade Civil Objetiva ou decorre de lei, ou do risco da atividade. No primeiro caso, impõe-se a Responsabilidade Civil Objetiva porque a própria legislação considera as atividades que regula como de risco. No segundo caso, aplica-se a Responsabilidade Civil Objetiva porque a própria natureza da atividade implica em risco. Com relação aos casos expressos em lei, tem-se, por exemplo, o artigo 37, parágrafo 6º, da Constituição da República Federativa do Brasil 30, promulgada em 05 de outubro de 1998, que determina que "as pessoas 29 VENOSA, Sílvio de Salvo. Direito Civil: Responsabilidade Civil. 3. ed. São Paulo: Atlas, p. 16. v Doravante simplesmente chamada CF/1988.

23 12 jurídicas de direito público e as de direito privado prestadoras de serviços públicos responderão pelos danos que seus agentes, nessa qualidade, causarem a terceiros, assegurado o direito de regresso contra o responsável nos casos de dolo ou culpa". É a Responsabilidade Civil Objetiva do Estado. É o caso também do previsto no artigo 21, inciso XXIII, alínea "c", da CF/1988: "a responsabilidade civil por danos nucleares independe da existência de culpa". Aqui, o constituinte entendeu que a atividade nuclear implica em risco natural e, por isso, a reparação do dano proveniente de seu exercício não exige a existência da culpa. Ambos os casos são exemplos de aplicação direta da Teoria da Responsabilidade Civil Objetiva por expressa disposição legal. Além destas hipóteses, Carlos Roberto Gonçalves 31, lembra: "como de responsabilidade objetiva, em nosso diploma civil, os arts. 936, 937 e 938, que tratam, respectivamente, da responsabilidade do dono do animal, do dono do prédio em ruína e do habitante da casa da qual caírem coisas. E, ainda, os arts. 929 e 930, que prevêem a responsabilidade por ato ilícito (estado de necessidade); os arts. 939 e 940, sobre a responsabilidade do credor que demanda o devedor antes de vencida a dívida ou por dívidas já pagas, o art. 933, pelo qual os pais, tutores, curadores e empregadores donos de hotéis e de escolas respondem, independentemente de culpa, pelos atos danosos de terceiros...". Não se pode deixar de citar também o Código de Proteção e Defesa do Consumidor que estabeleceu a Responsabilidade Civil Objetiva nos casos do fornecedor do produto ou serviço por danos causados ao consumidor. Como foi transcrito o dispositivo do CC, parece que seria interessante transcrever aqui também o do CDC. A segunda hipótese em que a lei prevê a aplicação da Responsabilidade Civil Objetiva é aquela em que a atividade, por sua própria natureza, implica em risco para os direitos dos outros. 31 GONÇALVES, Carlos Roberto. Responsabilidade Civil. 8. ed. São Paulo: Saraiva, p. 23.

24 13 Para Caio Mário da Silva Pereira 32 : "o conceito de risco que melhor se adapta às condições de vida social é o que se fixa no fato de que, se alguém põe em funcionamento uma qualquer atividade, responde pelos eventos danosos que esta atividade gera para os indivíduos, independentemente de determinar se em cada caso, isoladamente, o dano é devido à imprudência, à negligência, a um erro de conduta, e assim, se configura a teoria do risco criado". Na mesma linha, Silvio Rodrigues 33 diz que: "a teoria do risco é a da responsabilidade objetiva. Segundo essa teoria, aquele que, através de sua atividade, cria um risco de dano para terceiros deve ser obrigado a repará-lo, ainda que sua atividade e o seu comportamento sejam isentos de culpa. Examina-se a situação, e, se for verificada, objetivamente, a relação de causa e efeito entre o comportamento do agente e o dano experimentado pela vítima, esta tem direito de ser indenizada por aquele". Assim, para a caracterização da Responsabilidade Civil Objetiva, verifica-se se há imposição legal ou se a atividade exercida pelo agente é perigosa, no sentido de criar um risco para outras pessoas, não importando, em ambos os casos, se a ação é lícita ou ilícita. Ainda mais, impõe-se a verificação da existência da ação ou omissão, que consistem em estar no próprio exercício da atividade criadora de risco, exercício este que deverá, através do nexo de causalidade, ser a causa eficiente do dano Responsabilidade Contratual e Responsabilidade Extracontratual A Responsabilidade Civil pode ainda ser contratual ou extracontratual. Alguns autores preferem não fazer tal distinção, ao argumento de que a base da Responsabilidade Civil seria a aferição da existência de culpa ou da possibilidade da aplicação da teoria do risco. E, com relação à culpa, não 32 PEREIRA, Caio Mário da Silva. Responsabilidade Civil de acordo com a Constituição de ed. Rio de Janeiro: Forense, p RODRIGUES, Silvio. Direito Civil: Responsabilidade Civil. 19. ed. atual. São Paulo: Saraiva, p. 11. v. 4.

25 14 haveria qualquer distinção entre a "culpa contratual" e a "culpa extracontratual", pois é certo que quem causa dano a outrem deve reparar o dano independentemente de seu dever ser contratual ou não. Igualmente, para a aplicação da teoria do risco e a incidência da Responsabilidade Civil Objetiva, não há qualquer relevância se há ou não um vínculo contratual entre as partes. Passando ao largo de tal discussão, conveniente se fazer algumas considerações a respeito. O contrato celebrado entre duas ou mais pessoas que não padece de vício formal ou material deve, em princípio, ser integralmente cumprido. Pelo contrato, as partes contraem recíprocas obrigações, que tem validade e eficácia jurídica tão somente em virtude do acordo de vontades, e não por imposição legal. Nas palavras de Caio Mário da Silva Pereira 34, "assentado, então, que a declaração de vontade é fonte de direito, e, portanto, que a conduta humana há de ser por ela pautada, fica estabelecido que todo indivíduo deve observar a norma preestabelecida, seja ela emanada de um órgão estatal, seja emitida por via de declaração individual de vontade". Sendo assim, as cláusulas inseridas no contrato se fazem lei entre as partes, e o seu não cumprimento pode gerar o dever de indenizar por parte daquele que injustamente não observou o que lhe incumbia dar, entregar, fazer ou não fazer. Neste caso tem-se a Responsabilidade Civil Contratual, que se verifica quando o dever de indenizar advém do inadimplemento contratual. Há um vínculo jurídico resultante de um acordo de vontades que une previamente o autor do dano e a vítima. Importante ressaltar, que o contrato possui dois elementos essenciais, quais sejam, a liberdade de contratar e a obrigatoriedade. A liberdade de contratar se traduz pela vontade livre e consciente de celebrar o contrato e de escolher a pessoa com que se contrata. Tal elemento é da essência do contrato, pois todas as pessoas devem ser livres para celebrar um determinado contrato. 34 PEREIRA, Caio Mário da Silva. Responsabilidade Civil de acordo com a Constituição de ed. Rio de Janeiro: Forense, p. 263.

26 15 Liberdade esta que também deve abranger a estipulação das cláusulas e a escolha da pessoa que residirá no outro pólo contratual. É certo que a liberdade com relação ao contrato nem sempre é absoluta, pois há casos em que há limitações impostas pela lei e pela própria vida social. Pela lei, porque às partes não é permitido pactuar contrariando normas de ordem pública. Já pela vida social, porque muitas vezes o contratante não tem outra opção a não ser contratar sob determinadas cláusulas ou com determinadas pessoas. É o caso, por exemplo, dos contratos bancários que são, sabidamente, de adesão, não permitindo que suas cláusulas sejam negociadas e alteradas. 35 Também no contrato de transporte coletivo, tendo em vista que o transportado terá que contratar com a empresa responsável pelo itinerário que pretender realizar. Mesmo assim, como regra geral, é de se aceitar a liberdade de contratar como um requisito essencial do contrato, sem o qual o mesmo poderá ser nulo ou anulável. Celebrado o contrato, por manifestação livre e consciente da vontade dos contratantes, passa a ser obrigatório, ou seja, as partes passam a estar vinculadas ao mesmo. Com isto, o contrato deve ser cumprido nos exatos termos em que foi pactuado e, como conseqüência, aquele que o descumprir, seja total ou parcialmente, ficará obrigado a responder pelas conseqüências de seu inadimplemento. E isto é o que determina expressamente o artigo 389 do CC/2002: "Não cumprida a obrigação, responde o devedor por perdas e danos, mais juros e atualização monetária segundo índices oficiais regularmente estabelecidos, e honorários de advogado". Ainda mais, Silvio Rodrigues ressalta algumas particularidades da Responsabilidade Civil Contratual. Primeiramente com relação ao ônus da prova, diz que "na responsabilidade contratual, demonstrado pelo credor que a prestação foi descumprida, o onus probandi se transfere para o devedor inadimplente, que terá que evidenciar a inexistência de culpa de sua parte, ou a presença de força maior, ou outra excludente da responsabilidade 35 No contrato de adesão, embora não haja possibilidade de discussão de seu conteúdo, elaboração e execução, há uma liberdade residual.

27 16 capaz de eximi-lo do dever de indenizar...". 36 Já no que se refere ao relativamente incapaz, salienta que "o menor púbere só se vincula contratualmente assistido por seu representante legal e, excepcionalmente sem ele, se maliciosamente declarou-se maior (CC/2002, artigo 180); portanto, só pode ser responsabilizado por seu inadimplemento nesses casos...". 37 Pablo Stolze Gagliano e Rodolfo Pamplona Filho 38, ao colocarem as diferenças básicas entre a Responsabilidade Civil Contratual e Extracontratual, entendem que "três elementos diferenciadores podem ser destacados, as saber, a necessária preexistência de uma relação jurídica entre lesionado e lesionante; o ônus da prova quanto à culpa; e a diferença quanto à capacidade". A Responsabilidade Civil Extracontratual é também largamente denominada como responsabilidade aquiliana, em referência à Lex Aquilia e se refere aos casos em que não há um vínculo contratual entre o agente causador do dano e a vítima. É somente a partir do evento danoso que ambos terão uma vinculação jurídica. De acordo com Maria Helena Diniz 39, "a responsabilidade extracontratual, delitual ou aquiliana decorre de violação legal, ou seja, de lesão a um direito subjetivo ou da prática de um ato ilícito, sem que haja nenhum vínculo contratual entre lesado e lesante". O fundamento legal para sua aplicação encontra-se no já citado artigo 927 do CC/2002 e nos artigos 186 à 188 do mesmo diploma legal. Como afirmado acima, além da inexistência de vínculo jurídico preexistente, a Responsabilidade Civil Extracontratual se diferencia da contratual basicamente em dois aspectos. O primeiro deles, e talvez o mais relevante, diz respeito à prova. Quando se trata de responsabilidade extracontratual, o ônus da prova cabe à vítima, pois é ela quem terá o encargo de 36 RODRIGUES, Silvio. Direito Civil: Responsabilidade Civil. 19. ed. atual. São Paulo: Saraiva, p.10. v RODRIGUES, Silvio. Direito Civil: Responsabilidade Civil. 19. ed. atual. São Paulo: Saraiva, p.10. v GAGLIANO, Pablo Stolze e PAMPLONA FILHO, Rodolfo. Novo curso de Direito Civil: Responsabilidade Civil. São Paulo: Saraiva, p.19. v DINIZ, Maria Helena. Curso de Direito Civil Brasileiro: Responsabilidade Civil. 16. ed. São Paulo: Saraiva, p v. 7.

28 17 provar que o causador do dano agiu com culpa. Ao causador do dano restará a prova de estar acobertado por uma das excludentes de responsabilidade. O segundo aspecto é referente à capacidade. Em se tratando de Responsabilidade Civil Extracontratual, a vítima não terá prejudicado seu direito à indenização pelo fato do agente ser civilmente incapaz. Se, por exemplo, um jovem de 17 anos dirige o veículo do pai de forma imprudente e acaba por atropelar um pedestre, este último poderá pleitear sua indenização diretamente contra os responsáveis do menor, nos termos do artigo 932, inciso I, do CC/2002. Enfim, tanto a Responsabilidade Civil Contratual como a Extracontratual requerem, para sua configuração, somente a existência do dano, do ato ilícito e do nexo de causalidade. 40 Assim, tanto uma como outra poderão estar fundadas na culpa ou na teoria do risco, conforme se trate de Responsabilidade Civil Subjetiva ou Objetiva. 1.4 PRESSUPOSTOS Os pressupostos consistem nos elementos que devem estar presentes para configurar a Responsabilidade Civil. Todavia, identifica-los não é tão fácil como parece, pois, a respeito, não há unanimidade entre os autores. Para Silvio Rodrigues 41, é necessária a presença dos seguintes pressupostos: ação ou omissão do agente, culpa do agente, relação de causalidade e dano experimentado pela vítima. Carlos Roberto Gonçalves 42 também coloca como elementos essenciais a ação ou omissão do agente, a culpa, o dano indenizável e a relação de causalidade, mas admite que "a obrigação de reparar o dano independerá de 40 GONÇALVES, Carlos Roberto. Responsabilidade Civil. 8. ed. São Paulo: Saraiva, p RODRIGUES, Silvio. Direito Civil: Responsabilidade Civil. 19. ed. atual. São Paulo: Saraiva, p.14. v GONÇALVES, Carlos Roberto. Responsabilidade Civil. 8 ed. ver. São Paulo: Saraiva, p. 481.

29 18 prova de culpa nos casos especificados em lei e quando o autor do dano criar um risco maior para terceiros, em razão de sua atividade". De forma diversa, Pablo Stolze Gagliano e Rodolfo Pamplona Filho 43 afirmam que a culpa "não é um elemento essencial, mas sim acidental", porque lhe falta a característica da generalidade. Realmente é difícil conceber nos dias de hoje que a culpa esteja entre os pressupostos básicos da Responsabilidade Civil. Isto porque, como já dito, o conceito de responsabilidade nem sempre está diretamente vinculado ao de culpa, como no caso da Responsabilidade Civil Objetiva. De qualquer forma, pode-se afirmar que pelo menos três pressupostos são aceitos pelos autores de forma unânime. São eles a ação ou omissão, a relação de causalidade e o dano Ação ou omissão O primeiro pressuposto é a necessidade de uma ação ou omissão por parte do sujeito. Com efeito, é difícil??? cogitar da existência de responsabilidade sem que o agente tenha um comportamento ativo ou passivo. Para Silvio Rodrigues, a ação ou omissão que gera responsabilidade está ligada ao ato ilícito que, segundo o artigo 186 do CC/2002, é cometido por aquele que, por ação ou omissão voluntária, negligência ou imprudência, violar direito e causar dano a outrem ainda que exclusivamente moral. Em suas palavras, "a ação ou omissão individual do agente, para constituir ato ilícito, envolve a infração de um dever contratual, legal ou social". 44 Tal afirmação tem sentido quando ele coloca a culpa como um dos pressupostos da Responsabilidade Civil, o que, como já afirmado, pode gerar controvérsia. Ocorre que quando se fala em Responsabilidade Civil Objetiva, a ação ou omissão do agente geradora do dever de indenizar pode ser lícita. Diante disto, pode-se 43 GAGLIANO, Pablo Stolze e PAMPLONA FILHO, Rodolfo. Novo curso de Direito Civil: Responsabilidade Civil. São Paulo: Saraiva, p. 31. v RODRIGUES, Silvio. Direito Civil: Responsabilidade Civil. 19. ed. atual. São Paulo: Saraiva, p. 20. v. 4.

30 19 afirmar que a ação ou omissão ensejadora de responsabilidade pode ser lícita ou ilícita. Também imperativo se faz que a ação ou omissão do agente seja voluntária. Na lição de Pablo Stolze Gagliano e Rodolfo Pamplona Filho 45 "o núcleo fundamental, portanto, da noção de conduta humana é a voluntariedade, que resulta exatamente da liberdade de escolha do agente imputável, com discernimento necessário para ter consciência do que faz". Esta noção de conduta não implica necessariamente em dolo, pois basta que o sujeito tenha consciência do que está fazendo. Também não significa que o sujeito precise ter ciência da ilicitude do ato. Basta assim, que tenha a sua ação ou omissão livre e consciente. Ainda com relação à ação ou omissão, importante ressaltar que ela pode ser do próprio agente como também de terceiro ou, ainda, de animal ou coisas que estejam sob a guarda deste e que lhe podem acarretar a responsabilidade de reparação pelo dano disso decorrente Relação de causalidade A relação ou nexo de causalidade é o vínculo que une a ação ou omissão do agente ao dano suportado pela vítima e sem a sua constatação, não há como se chegar ao autor e responsabilizá-lo pelo dano. Aqui não importa se a Responsabilidade Civil é Objetiva ou Subjetiva. O nexo causal sempre terá que estar presente. Maria Helena Diniz 46 esclarece que: "O vínculo entre o prejuízo e a ação designa-se "nexo causal", de modo que o fato lesivo deverá ser oriundo da ação, diretamente ou como sua consequência previsível. Tal nexo representa, portanto, uma relação necessária entre o evento danoso e a ação que o produziu, de tal sorte que esta é considerada como sua causa. Todavia, não será necessário que o dano resulte apenas 45 GAGLIANO, Pablo Stolze e PAMPLONA FILHO, Rodolfo. Novo curso de Direito Civil: Responsabilidade Civil. São Paulo: Saraiva, p. 31. v DINIZ, Maria Helena. Curso de Direito Civil Brasileiro: Responsabilidade Civil. 16. ed. São Paulo: Saraiva, p v. 7.

31 20 imediatamente do fato que o produziu. Bastará que se verifique que o dano não ocorreria se o fato não tivesse acontecido. Este poderá não ser a causa imediata, mas, se for condição para a produção do dano, o agente responderá pela consequência". A dificuldade probatória do nexo de causalidade se evidencia quando o dano advém de mais de uma causa, hipótese mais complexa e que torna mais árdua a determinação de qual delas foi causadora efetiva do dano. Sobre esta questão, Sílvio de Salvo Venosa 47 diz que "normalmente, aponta-se a teoria da causalidade adequada, ou seja, a causa predominante que deflagrou o dano, o que nem sempre satisfaz o caso concreto". Para tentar concluir???? o tema, Caio Mário da Silva Pereira 48, após apresentar diversas doutrinas a respeito, aponta que o importante "é estabelecer, em face do direito positivo, que houve uma violação de direito alheio e um dano, e que existe um nexo causal, ainda que presumido, entre uma e outro. Ao juiz cumpre decidir com base nas provas que ao demandante incumbe produzir" Dano O terceiro pressuposto é o dano, que também deve se fazer presente tanto na Responsabilidade Civil Subjetiva quanto na Objetiva. Sem a ocorrência de uma lesão a um bem jurídico, não há que se falar em responsabilidade. 49 A reparação do dano deve visar a integralidade e a restauração do statu quo ante, ou seja, a devolução ao estado em que o lesado se encontrava antes da ocorrência do dano. Em sendo impossível, há que se buscar uma compensação monetária com o pagamento de uma indenização que deverá abranger, inclusive, o dano emergente, que é o que se efetivamente perdeu, e o lucro cessante, que é o que se deixou de ganhar. 47 VENOSA, Sílvio de Salvo. Direito Civil: Responsabilidade Civil. 3. ed. São Paulo: Atlas, p. 39. v PEREIRA, Caio Mário da Silva. Responsabilidade Civil de acordo com a Constituição de ed. Rio de Janeiro: Forense, p Bem jurídico é tudo aquilo que é objeto de proteção jurídica. MELO, Osvaldo Ferreira de. Dicionário de Política Jurídica. Florianópolis: OAB/SC Editora, p. 16.

32 21 De acordo com a legislação brasileira, os danos podem ser materiais ou morais. O dano material ou patrimonial é o próprio prejuízo econômico sofrido pela vítima. Já o moral é representado pela dor, angústia e sofrimento suportado pelo lesado. Gize-se que o dano exclusivamente moral é passível de ser indenizado, já não havendo mais espaço para discussão a respeito. Inclusive, colocando um fim em qualquer divergência que ainda pudesse persistir, o artigo 186 do CC/2002 é expresso ao prever a Responsabilidade Civil em relação ao dano exclusivamente moral. 1.5 EXCLUDENTES Apresentados os pressupostos necessários para a caracterização do dever de indenizar, resta analisar as excludentes de responsabilidade, diante das quais o agente não poderá ser compelido a reparar o dano. Gisela Sampaio da Cruz 50 afirma que: "Em princípio, toda ação ou omissão voluntária que viola dever jurídico e causa dano a outrem - em pessoas ou bens - é contrária ao Direito e, portanto, ilícita. Do ato ilícito (ou melhor, do dano injusto) deflui, como consequência, a responsabilidade civil; significa dizer que aquele que praticou o ato tem, em regra, o dever de reparar o dano, causado, recompondo o prejuízo do lesado. Ocorre que, por exceção, em razão de certas circunstâncias especiais, como o perigo iminente, o legislador justifica a ação ou omissão, considerando-as lícitas. São as chamadas "causas de justificação", que excluem a antijuridicidade da conduta do agente, razão pela qual são também conhecidas como "excludentes de ilicitude", termo de uso mais corrente no Direito brasileiro". Das causas excludentes de Responsabilidade Civil, pode-se indicar a culpa exclusiva da vítima, o fato de terceiro, o caso fortuito ou força 50 CRUZ, Gisela Sampaio da. A Parte Geral do Novo Código Civil: Estudos na perspectiva civilconstitucional. Coordenação de Gustavo Tepedino. 2. ed. rev. atual. Rio de Janeiro: Renovar, p. 397.

33 22 maior, o estado de necessidade, a legítima defesa, o exercício regular do direito, o estrito cumprimento do dever legal e a cláusula de não indenizar Culpa da vítima A culpa da vítima se verifica quando ela contribui para a ocorrência do evento que lhe causou dano. Tal contribuição pode se verificar de modo concorrente ou exclusivo. Culpa concorrente é a que se dá juntamente com a do agente. Aqui, tanto a vítima quanto o sujeito ativo agem com culpa para a ocorrência do evento danoso. Neste caso, a responsabilidade do agente não será eximida, mas apenas atenuada. Referida situação é prevista no artigo 945 do CC/2002: "se a vítima tiver concorrido culposamente para o evento danoso, a sua indenização será fixada tendo-se em conta a gravidade de sua culpa em confronto com a do autor do dano". Isto significa que quando da fixação da indenização, deverá ser levado em consideração o comportamento da vítima e do causador do dano, ou seja, a proporção em que cada uma das partes contribuiu para evento. De acordo com Sílvio de Salvo Venosa 51 "quando há culpa concorrente da vítima e do agente causador do dano, a responsabilidade e, conseqüentemente, a indenização, são repartidas, como já apontado, podendo as frações de responsabilidade ser desiguais, de acordo com a intensidade da culpa". E, levando-se em consideração o grau da culpa com que cada um concorreu para o evento danoso, a doutrina aponta no sentido de que a indenização não precisa ser necessariamente repartida ao meio. É possível que haja condenação em proporções diversas, que somente poderão ser definidas pela análise do caso em concreto. De forma diversa, a culpa exclusiva da vítima exclui a Responsabilidade Civil do agente pela inexistência do nexo de causalidade. Esta 51 VENOSA, Sílvio de Salvo. Direito Civil: Responsabilidade Civil. 3. ed. São Paulo: Atlas, p. 40. v. 4.

7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil. Tópicos Especiais em Direito Civil

7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil. Tópicos Especiais em Direito Civil 7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil Tópicos Especiais em Direito Civil Introdução A Responsabilidade Civil surge em face de um descumprimento obrigacional pela desobediência de uma regra estabelecida

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO

DIREITO ADMINISTRATIVO DIREITO ADMINISTRATIVO RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO Atualizado até 13/10/2015 RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO NOÇÕES INTRODUTÓRIAS Quando se fala em responsabilidade, quer-se dizer que alguém deverá

Leia mais

OAB 1ª Fase Direito Civil Responsabilidade Civil Duarte Júnior

OAB 1ª Fase Direito Civil Responsabilidade Civil Duarte Júnior OAB 1ª Fase Direito Civil Responsabilidade Civil Duarte Júnior 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. RESPONSABILIDADE CIVIL É A OBRIGAÇÃO QUE INCUMBE A ALGUÉM DE

Leia mais

ESPECÍFICOS * Estudar a teoria geral da responsabilidade civil e das relações de consumo perante o ordenamento jurídico brasileiro;

ESPECÍFICOS * Estudar a teoria geral da responsabilidade civil e das relações de consumo perante o ordenamento jurídico brasileiro; 1. IDENTIFICAÇÃO PERÍODO: 9 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO CIVIL VII NOME DO CURSO: DIREITO 2. EMENTA CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 Responsabilidade Civil. Introdução.

Leia mais

Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais Para Reflexão Ao indivíduo é dado agir, em sentido amplo, da forma como melhor lhe indicar o próprio discernimento, em juízo de vontade que extrapola

Leia mais

DOS FATOS JURÍDICOS. FATO JURÍDICO = é todo acontecimento da vida relevante para o direito, mesmo que seja fato ilícito.

DOS FATOS JURÍDICOS. FATO JURÍDICO = é todo acontecimento da vida relevante para o direito, mesmo que seja fato ilícito. DOS FATOS JURÍDICOS CICLO VITAL: O direito nasce, desenvolve-se e extingue-se. Essas fases ou os chamados momentos decorrem de fatos, denominados de fatos jurídicos, exatamente por produzirem efeitos jurídicos.

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D-52 PERÍODO: 9 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO CIVIL VII NOME DO CURSO: DIREITO 2.

1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D-52 PERÍODO: 9 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO CIVIL VII NOME DO CURSO: DIREITO 2. 1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D-52 PERÍODO: 9 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO CIVIL VII NOME DO CURSO: DIREITO 2. EMENTA CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 Responsabilidade

Leia mais

Responsabilidade Civil dos Administradores das Sociedades. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Responsabilidade Civil dos Administradores das Sociedades. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Responsabilidade Civil dos Administradores das Sociedades Administrador Administrador é a pessoa a quem se comete a direção ou gerência de qualquer negócio ou serviço, seja de caráter público ou privado,

Leia mais

Aula 5 Pressupostos da responsabilidade civil (Culpa).

Aula 5 Pressupostos da responsabilidade civil (Culpa). Aula 5 Pressupostos da responsabilidade civil (Culpa). Pressupostos da responsabilidade civil subjetiva: 1) Ato ilícito; 2) Culpa; 3) Nexo causal; 4) Dano. Como já analisado, ato ilícito é a conduta voluntária

Leia mais

O Dano Moral no Direito do Trabalho

O Dano Moral no Direito do Trabalho 1 O Dano Moral no Direito do Trabalho 1 - O Dano moral no Direito do Trabalho 1.1 Introdução 1.2 Objetivo 1.3 - O Dano moral nas relações de trabalho 1.4 - A competência para julgamento 1.5 - Fundamentação

Leia mais

CÓDIGO CIVIL. Livro III. Dos Fatos Jurídicos TÍTULO III. Dos Atos Ilícitos

CÓDIGO CIVIL. Livro III. Dos Fatos Jurídicos TÍTULO III. Dos Atos Ilícitos CÓDIGO CIVIL Livro III Dos Fatos Jurídicos TÍTULO III Dos Atos Ilícitos Art. 186. Aquele que, por ação ou omissão voluntária, negligência ou imprudência, violar direito e causar dano a outrem, ainda que

Leia mais

Conceito. Responsabilidade Civil do Estado. Teorias. Risco Integral. Risco Integral. Responsabilidade Objetiva do Estado

Conceito. Responsabilidade Civil do Estado. Teorias. Risco Integral. Risco Integral. Responsabilidade Objetiva do Estado Conceito Responsabilidade Civil do Estado é a obrigação que ele tem de reparar os danos causados a terceiros em face de comportamento imputável aos seus agentes. chama-se também de responsabilidade extracontratual

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS Atividade de intermediação de negócios imobiliários relativos à compra e venda e locação Moira de Toledo Alkessuani Mercado Imobiliário Importância

Leia mais

Responsabilidade Civil e Criminal em Acidentes de Trabalho. M. J. Sealy

Responsabilidade Civil e Criminal em Acidentes de Trabalho. M. J. Sealy Responsabilidade Civil e Criminal em Acidentes de Trabalho O Conceito de Acidente de Trabalho (de acordo com a Lei 8.213/91 Art. 19) Acidente do trabalho é o que ocorre pelo exercício do trabalho a serviço

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015 Disciplina: Direito Civil II Departamento II: Direito Privado Docente Responsável: Prof. Dr. Clineu Ferreira Carga Horária Anual: 100 h/a Tipo: Anual 2º Ano Objetivos:

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2014.1

PLANO DE ENSINO 2014.1 FUNDAÇÃO EDSON QUEIROZ UNIVERSIDADE DE FORTALEZA CENTRO DE CIENCIAS JURIDICAS PLANO DE ENSINO 2014.1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Disciplina/Módulo: Responsabilidade Civil Código/Turma: J774-81 Pré-requisito:J557

Leia mais

A inserção injusta causa às pessoas / consumidores danos de ordem moral e em algumas vezes patrimonial, que, reconhecida gera o direito à reparação.

A inserção injusta causa às pessoas / consumidores danos de ordem moral e em algumas vezes patrimonial, que, reconhecida gera o direito à reparação. 1.1 - Introdução Infelizmente o ajuizamento de ações de indenização por danos materiais e principalmente morais em face de empresas por inclusão indevida do nome de seus clientes em órgãos de proteção

Leia mais

AULA 01. Direito Civil, vol.4, Silvio Rodrigues, editora Saraiva.

AULA 01. Direito Civil, vol.4, Silvio Rodrigues, editora Saraiva. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Responsabilidade Civil / Aula 01 Professora: Andréa Amim Monitora: Mariana Simas de Oliveira AULA 01 CONTEÚDO DA AULA: Bibliografia. Estrutura da Responsabilidade

Leia mais

DA RESPOSABILIDADE CIVIL DO ESTADO (PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS)

DA RESPOSABILIDADE CIVIL DO ESTADO (PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS) DA RESPOSABILIDADE CIVIL DO ESTADO (PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS) Toda lesão de direito deve ser reparada. A lesão pode decorrer de ato ou omissão de uma pessoa física ou jurídica. Quando o autor da lesão

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA PROJETO DE LEI N o 5.423, DE 2009 Acrescenta dispositivo à Consolidação das Leis do Trabalho, aprovada pelo Decreto-lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, estabelecendo

Leia mais

PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO DIREITO CONTRATUAL 1. Angélica Santana NPI FAC SÃO ROQUE

PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO DIREITO CONTRATUAL 1. Angélica Santana NPI FAC SÃO ROQUE PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO DIREITO CONTRATUAL 1 Angélica Santana NPI FAC SÃO ROQUE INTRODUÇÃO Para o Direito existem alguns princípios pelo qual, podemos destacar como base fundamental para estabelecer

Leia mais

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária D-53 9º 04 04 60

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária D-53 9º 04 04 60 Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária D-53 9º 04 04 60 Turma Nome da Disciplina / Curso DIREITO CIVIL V II D- 44 DIREITO CIVIL VI (EMENTA 2008/01) D- 46 DIREITO CIVIL VI (EMENTA 2008/01) Responsabilidade

Leia mais

Contrato de Prestação de Serviços. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Contrato de Prestação de Serviços. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Contrato de Prestação de Serviços Contrato de Prestação de Serviços Visão Geral dos Contratos: Formação dos Contratos;e Inadimplemento Contratual. Formação dos Contratos Validade do Negócio Jurídico: Agente

Leia mais

DA RESPONSABILIDADE CIVIL DO MÉDICO por Jackson Domenico e Ana Ribeiro - RESPONSABILIDADE CIVIL OBJETIVA E SUBJETIVA

DA RESPONSABILIDADE CIVIL DO MÉDICO por Jackson Domenico e Ana Ribeiro - RESPONSABILIDADE CIVIL OBJETIVA E SUBJETIVA DA RESPONSABILIDADE CIVIL DO MÉDICO por Jackson Domenico e Ana Ribeiro - RESPONSABILIDADE CIVIL OBJETIVA E SUBJETIVA A responsabilidade civil tem como objetivo a reparação do dano causado ao paciente que

Leia mais

Osvaldo Albuquerque Sousa Filho Presidente do Coren-CE

Osvaldo Albuquerque Sousa Filho Presidente do Coren-CE Osvaldo Albuquerque Sousa Filho Presidente do Coren-CE História / Relação: (Antiguidade) (Início séc. XX) (Atualmente) Relação religiosa/ mágico/ desígnios de Deus. Relação de amigo/ confiança conselheiro

Leia mais

Plano de Ensino. Meses Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Aulas Regulares 08 18 14 18 14 08 Aulas de

Plano de Ensino. Meses Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Aulas Regulares 08 18 14 18 14 08 Aulas de Identificação Plano de Ensino Curso: Direito Disciplina: Responsabilidade Civil Ano/semestre: 2012-1 Carga horária: Total: 80 horas Semanal: 4 horas Professor: Renzo Gama Soares Período/turno: Matutino

Leia mais

ATO ILÍCITO E RESPONSABILIDADE CIVIL

ATO ILÍCITO E RESPONSABILIDADE CIVIL ATO ILÍCITO E RESPONSABILIDADE CIVIL Professor Dicler ATO ILÍCITO E RESPONSABILIDADE CIVIL Ato ilícito é o ato praticado em desacordo com a ordem jurídica, violando um direito (art. 186 do CC) ou abusando

Leia mais

MPBA sociedade de advogados rl

MPBA sociedade de advogados rl Informação jurídica sobre o exercício da profissão de arquitecto em regime de subordinação I) Objecto da consulta Com a presente informação jurídica pretende-se clarificar se o exercício da profissão de

Leia mais

A R E R S E PONS N A S B A ILID I A D D A E D E C I C VIL N O N

A R E R S E PONS N A S B A ILID I A D D A E D E C I C VIL N O N A RESPONSABILIDADE CIVIL NO DIREITO DE FAMÍLIA 06.09.2014 Dimas Messias de Carvalho Mestre em Direito Constitucional Promotor de Justiça aposentado/mg Professor na UNIFENAS e UNILAVRAS Advogado Membro

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br As excludentes da responsabilidade civil decorrentes do acidente de trabalho Paula Gracielle de Mello* Sumário: 1. Introdução. 2. Responsabilidade Civil no Direito Brasileiro.3.

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL E PENAL NA ÁREA DA SEGURANÇA DO TRABALHO

RESPONSABILIDADE CIVIL E PENAL NA ÁREA DA SEGURANÇA DO TRABALHO RESPONSABILIDADE CIVIL E PENAL NA ÁREA DA SEGURANÇA DO TRABALHO RESPONSABILIDADE CIVIL E CRIMINAL DECORRENTE DE ACIDENTES DE TRABALHO Constituição Federal/88 Art.1º,III A dignidade da pessoa humana. art.5º,ii

Leia mais

Direito Civil III Contratos

Direito Civil III Contratos Direito Civil III Contratos Evicção Prof. Andrei Brettas Grunwald 2011.1 1 Código Civil Artigo 447. Nos contratos onerosos, o alienante responde pela evicção. Subsiste esta garantia ainda que a aquisição

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS ADMINISTRADORES:

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS ADMINISTRADORES: RESPONSABILIDADE CIVIL DOS ADMINISTRADORES: E A CORPORATE GOVERNANCE MARIA DA CONCEIÇÃO CABAÇOS ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DO MINHO 18 de Novembro de 2015 PRESSUPOSTOS DA RESPONSABILIDADE CIVIL Para que os

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE A RESPONSABILIDADE RESPONSABILIDADE TÉCNICA OU ÉTICO-PROFISSIONAL RESPONSABILIDADE CIVIL

CONSIDERAÇÕES SOBRE A RESPONSABILIDADE RESPONSABILIDADE TÉCNICA OU ÉTICO-PROFISSIONAL RESPONSABILIDADE CIVIL CONSIDERAÇÕES SOBRE A RESPONSABILIDADE A vida em sociedade somente é possível através dos relacionamentos entre as pessoas. Seja do ponto de vista pessoal ou profissional, todos os atos praticados implicam

Leia mais

Responsabilidade Civil

Responsabilidade Civil Responsabilidade Civil Trabalho de Direito Civil Curso Gestão Nocturno Realizado por: 28457 Marco Filipe Silva 16832 Rui Gomes 1 Definição: Começando, de forma, pelo essencial, existe uma situação de responsabilidade

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL NO DIREITO AMBIENTAL

RESPONSABILIDADE CIVIL NO DIREITO AMBIENTAL RESPONSABILIDADE CIVIL NO DIREITO AMBIENTAL O ordenamento jurídico pátrio, em matéria ambiental, adota a teoria da responsabilidade civil objetiva, prevista tanto no art. 14, parágrafo 1º da Lei 6.938/81

Leia mais

Direito das Obrigações (8.ª Aula)

Direito das Obrigações (8.ª Aula) Direito das Obrigações (8.ª Aula) 1) Classificação das Obrigações V: Obrigações Solidárias Ao lado das obrigações divisíveis e indivisíveis, o Código Civil regulamenta também as chamadas obrigações solidárias,

Leia mais

FADI - SOROCABA DIREITO CIVIL III CONTRATOS PRIMEIRO SEMESTRE

FADI - SOROCABA DIREITO CIVIL III CONTRATOS PRIMEIRO SEMESTRE FADI - SOROCABA DIREITO CIVIL III CONTRATOS PRIMEIRO SEMESTRE 18/05/12 A-) GESTÃO DE NEGÓCIOS: - Noção: é a intervenção não autorizada de uma pessoa, denominada gestor, na condução dos negócios de outra,

Leia mais

Conflitos entre o Processo Penal E o Processo Administrativo sob O ponto de vista do médico. Dr. Eduardo Luiz Bin Conselheiro do CREMESP

Conflitos entre o Processo Penal E o Processo Administrativo sob O ponto de vista do médico. Dr. Eduardo Luiz Bin Conselheiro do CREMESP Conflitos entre o Processo Penal E o Processo Administrativo sob O ponto de vista do médico Dr. Eduardo Luiz Bin Conselheiro do CREMESP PRÁTICA MÉDICA A prática médica se baseia na relação médicopaciente,

Leia mais

POSSIBILIDADE DE INCLUSÃO DE SÓCIO COM QUOTAS DE SERVIÇO EM SOCIEDADE DE ADVOGADOS. Palavras-chaves: Sociedade de Advogados, quotas de serviço, OAB.

POSSIBILIDADE DE INCLUSÃO DE SÓCIO COM QUOTAS DE SERVIÇO EM SOCIEDADE DE ADVOGADOS. Palavras-chaves: Sociedade de Advogados, quotas de serviço, OAB. POSSIBILIDADE DE INCLUSÃO DE SÓCIO COM QUOTAS DE SERVIÇO EM SOCIEDADE DE ADVOGADOS Diogo Dória Pinto 1 RESUMO A previsão do art.2º, XIII do provimento nº 112/06 do Conselho Federal da Ordem dos Advogados

Leia mais

www.estudodeadministrativo.com.br

www.estudodeadministrativo.com.br DIREITO ADMINISTRATIVO RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO I - CONCEITO - A responsabilidade civil se traduz na obrigação de reparar danos patrimoniais, sendo que com base em tal premissa podemos afirmar

Leia mais

3 RESPONSABILIDADE CIVIL

3 RESPONSABILIDADE CIVIL 3 RESPONSABILIDADE CIVIL De acordo com F. Savater, com a instituição social da pessoa nasce o conceito eticamente básico de responsabilidade, que é tanto a vocação de responder ante os outros, quanto ser

Leia mais

A Responsabilidade civil objetiva no Código Civil Brasileiro: Teoria do risco criado, prevista no parágrafo único do artigo 927

A Responsabilidade civil objetiva no Código Civil Brasileiro: Teoria do risco criado, prevista no parágrafo único do artigo 927 A Responsabilidade civil objetiva no Código Civil Brasileiro: Teoria do risco criado, prevista no parágrafo único do artigo 927 Marcela Furtado Calixto 1 Resumo: O presente artigo visa discutir a teoria

Leia mais

Introdução ao Estudo da Responsabilidade Civil

Introdução ao Estudo da Responsabilidade Civil Introdução ao Estudo da Responsabilidade Civil Material didático destinado à sistematização do conteúdo da disciplina Direito Civil IVI Publicação no semestre 2014.1 no curso de Direito. Autor: Vital Borba

Leia mais

A RESPONSABILIDADE OBJETIVA NO NOVO CÓDIGO CIVIL

A RESPONSABILIDADE OBJETIVA NO NOVO CÓDIGO CIVIL A RESPONSABILIDADE OBJETIVA NO NOVO CÓDIGO CIVIL SÍLVIO DE SALVO VENOSA 1 Para a caracterização do dever de indenizar devem estar presentes os requisitos clássicos: ação ou omissão voluntária, relação

Leia mais

AULA 08 TEORIA GERAL DOS CONTRATOS

AULA 08 TEORIA GERAL DOS CONTRATOS Profª Helisia Góes Direito Civil III Contratos Turmas 5ºDIV, 5º DIN-1 e 5º DIN-2 DATA: 24/09/09 (5º DIV) e 29/09/09 (5º DIN-1 e 5º DIN-2) CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ AULA 08 TEORIA GERAL DOS CONTRATOS

Leia mais

Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados

Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados São Paulo, 17 de maio de 2012 I. Apresentação II. Legislação Federal Básica III. Responsabilidade Ambiental

Leia mais

A RESPONSABILIDADE DO PERSONAL TRAINER DOUTOR PAQUITO RESUMO

A RESPONSABILIDADE DO PERSONAL TRAINER DOUTOR PAQUITO RESUMO A RESPONSABILIDADE DO PERSONAL TRAINER DOUTOR PAQUITO RESUMO O presente artigo traz a concepção da responsabilidade civil aplicada ao personal trainer, um estudo que merece atenção tanto do profissional

Leia mais

Aula 1 Responsabilidade Civil. Bibliografia recomendada:

Aula 1 Responsabilidade Civil. Bibliografia recomendada: Aula 1 Responsabilidade Civil. Bibliografia recomendada: GONÇALVES, Carlos Roberto. Responsabilidade civil. 11 ed. São Paulo: Saraiva, 2009. CAVALIERI FILHO, Sérgio. Programa de responsabilidade civil.

Leia mais

RESPONSABILIDADE DOS ATORES POLÍTICOS E PRIVADOS

RESPONSABILIDADE DOS ATORES POLÍTICOS E PRIVADOS SEGURANÇA DE BARRAGENS DE REJEITOS RESPONSABILIDADE DOS ATORES POLÍTICOS E PRIVADOS SIMEXMIN OURO PRETO 18.05.2016 SERGIO JACQUES DE MORAES ADVOGADO DAS PESSOAS DAS PESSOAS NATURAIS A vida é vivida por

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS INTEGRANTES DAS AUDITORIAS INTERNAS DAS ENTIDADES VINCULADAS AO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

ASSOCIAÇÃO DOS INTEGRANTES DAS AUDITORIAS INTERNAS DAS ENTIDADES VINCULADAS AO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ASSOCIAÇÃO DOS INTEGRANTES DAS AUDITORIAS INTERNAS DAS ENTIDADES VINCULADAS AO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ROTEIRO DE VERIFICAÇÃO TOMADA DE CONTAS ESPECIAL GT - 8 O QUE É De acordo com o art. 3º da Instrução

Leia mais

1) Pressupostos da responsabilidade civil: Conduta: ação ou omissão, própria ou alheia. Responsabilidade in vigilando e in eligendo.

1) Pressupostos da responsabilidade civil: Conduta: ação ou omissão, própria ou alheia. Responsabilidade in vigilando e in eligendo. 1 PONTO 1: Pressupostos da responsabilidade civil 1) Pressupostos da responsabilidade civil: Conduta: ação ou omissão, própria ou alheia. Responsabilidade in vigilando e in eligendo. Dano: material, moral

Leia mais

Os Reajustes por Mudança de Faixa Etária nos Planos de Saúde

Os Reajustes por Mudança de Faixa Etária nos Planos de Saúde 1 Os Reajustes por Mudança de Faixa Etária nos Planos de Saúde Publicado em Revista de Direito do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro /Cont. de/ RJRJ, Rio de Janeiro, n.80, p. 95-99, jul./set.

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DO EMPREGADOR EM ACIDENTE DE TRABALHO

RESPONSABILIDADE CIVIL DO EMPREGADOR EM ACIDENTE DE TRABALHO RESPONSABILIDADE CIVIL DO EMPREGADOR EM ACIDENTE DE TRABALHO Rafael Bratfich GOULART 1 Cleber Affonso ANGELUCI 2 RESUMO: O presente trabalho pretende buscar a melhor teoria de responsabilidade civil a

Leia mais

ÍNDICE SISTEMÁTICO. Nota à Segunda Edição... Apresentação à Terceira Edição... Apresentação...

ÍNDICE SISTEMÁTICO. Nota à Segunda Edição... Apresentação à Terceira Edição... Apresentação... Nota à Segunda Edição... Apresentação à Terceira Edição... Apresentação... XVII XIX XXI Introdução Evolução da Responsabilidade Civil... 1 1. Fatores da evolução... 2 2. Fases da evolução... 4 2.1. A flexibilização

Leia mais

NOVAÇÃO. Ana Lúcia Boneto Ciappina Laffranchi

NOVAÇÃO. Ana Lúcia Boneto Ciappina Laffranchi DIREITO CIVIL NOVAÇÃO Ana Lúcia Boneto Ciappina Laffranchi Através do conteúdo que se segue, tento fazer um breve, porém proveitoso apanhado sobre a novação, principalmente no tocante à forma como o assunto

Leia mais

Honorários advocatícios

Honorários advocatícios Honorários advocatícios Os honorários advocatícios são balizados pelo Código de Processo Civil brasileiro (Lei de n. 5.869/73) em seu artigo 20, que assim dispõe: Art. 20. A sentença condenará o vencido

Leia mais

O O CONFLITO ENTRE O PODER DE DIREÇÃO DA EMPRESA E A INTIMIDADE/PRIVACIDADE DO EMPREGADO NO AMBIENTE DE TRABALHO. Adriana Calvo

O O CONFLITO ENTRE O PODER DE DIREÇÃO DA EMPRESA E A INTIMIDADE/PRIVACIDADE DO EMPREGADO NO AMBIENTE DE TRABALHO. Adriana Calvo O O CONFLITO ENTRE O PODER DE DIREÇÃO DA EMPRESA E A INTIMIDADE/PRIVACIDADE DO EMPREGADO NO AMBIENTE DE TRABALHO Adriana Calvo Professora de Direito do Trabalho do Curso Preparatório para carreiras públicas

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA. 1. Curso: DIREITO / BACHARELADO. II. Disciplina: DIREITO CIVIL I (OBRIGAÇÕES) (D-13)

PROGRAMA DE DISCIPLINA. 1. Curso: DIREITO / BACHARELADO. II. Disciplina: DIREITO CIVIL I (OBRIGAÇÕES) (D-13) PROGRAMA DE DISCIPLINA 1. Curso: DIREITO / BACHARELADO II. Disciplina: DIREITO CIVIL I (OBRIGAÇÕES) (D-13) Área: Ciências Sociais Período: Terceiro Turno: Matutino/Noturno Ano: 2013.1 Carga Horária: 72

Leia mais

Os Reajustes por Mudança de Faixa Etária nos Planos de Saúde

Os Reajustes por Mudança de Faixa Etária nos Planos de Saúde Os Reajustes por Mudança de Faixa Etária nos Planos de Saúde Luciana de Oliveira Leal Halbritter Juíza de Direito do TJ RJ Mestre em Justiça e Cidadania pela UGF Sumário: 1. Introdução; 2. Aspectos Gerais;

Leia mais

Mini Curículo: Graduado pela UNIT (2002), pós-graduado em Direito

Mini Curículo: Graduado pela UNIT (2002), pós-graduado em Direito Contatos: Site: www.diogocalasans.com E-mail: contato@diogocalasans.com Facebook: www.facebook.com/ diogocalasans Twitter: http://twitter.com/@diogocalasans 1 Mini Curículo: Graduado pela UNIT (2002),

Leia mais

ROJETO DE LEI Nº, de 2015. (Do Sr. Deputado Marcos Rotta)

ROJETO DE LEI Nº, de 2015. (Do Sr. Deputado Marcos Rotta) ROJETO DE LEI Nº, de 2015 (Do Sr. Deputado Marcos Rotta) Dispõe sobre segurança, danos materiais, furtos e indenizações, correspondentes a veículos nos estacionamento de estabelecimentos comerciais, shoppings

Leia mais

- Espécies. Há três espécies de novação:

- Espécies. Há três espécies de novação: REMISSÃO DE DÍVIDAS - Conceito de remissão: é o perdão da dívida. Consiste na liberalidade do credor em dispensar o devedor do cumprimento da obrigação, renunciando o seu direito ao crédito. Traz como

Leia mais

Processo nº 0024.12.301.686-7 Ação de Indenização Autor: Émerson Gil Tremea e outros Réu : Educadora Itapoã Ltda

Processo nº 0024.12.301.686-7 Ação de Indenização Autor: Émerson Gil Tremea e outros Réu : Educadora Itapoã Ltda 1 Processo nº 0024.12.301.686-7 Ação de Indenização Autor: Émerson Gil Tremea e outros Réu : Educadora Itapoã Ltda Vistos, etc. Ementa: Escola particular. Aluno reprovado em teste de seleção, por insuficiência

Leia mais

Fraude contra credores (continuação)

Fraude contra credores (continuação) Turma e Ano: Turma Regular Master A Matéria / Aula: Direito Civil Aula 13 Professor: Rafael da Mota Mendonça Monitora: Fernanda Manso de Carvalho Silva Fraude contra credores (continuação) OBS1: Fraude

Leia mais

Atos administrativos Parte 1

Atos administrativos Parte 1 Parte 1 Todos os direitos reservados. A comercialização não autorizada desta obra, por qualquer meio, eletrônico ou reprográfico, ainda que parcial, constitui ato ilícito, respondendo os infratores nos

Leia mais

Sumário. Agradecimentos... 11 Coleção sinopses para concursos... 13 Guia de leitura da Coleção... 15 Nota dos autores à 3ª edição...

Sumário. Agradecimentos... 11 Coleção sinopses para concursos... 13 Guia de leitura da Coleção... 15 Nota dos autores à 3ª edição... Sumário Agradecimentos... 11 Coleção sinopses para concursos... 13 Guia de leitura da Coleção... 15 Nota dos autores à 3ª edição... 17 Capítulo I OPÇÃO METODOLÓGICA... 19 Parte I DIREITO DAS OBRIGAÇÕES

Leia mais

Núcleo de Pesquisa e Extensão do Curso de Direito NUPEDIR VII MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MIC) 25 de novembro de 2014

Núcleo de Pesquisa e Extensão do Curso de Direito NUPEDIR VII MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MIC) 25 de novembro de 2014 RESPONSABILIDADE CIVIL DOS MÉDICOS NAS INTERVENÇÕES ESTÉTICAS: UMA OBRIGAÇÃO DE MEIO OU DE RESULTADO? Carla Beatriz Petter 1 Juciani Schneider 2 Rosane Dewes 3 Julia Bagatini 4 SUMÁRIO: 1 INTRODUÇÃO. 2

Leia mais

- Diferenciar os tipos contratuais existentes, revelando os bens jurídicos que tutelam.

- Diferenciar os tipos contratuais existentes, revelando os bens jurídicos que tutelam. 1. IDENTIFICAÇÃO PERÍODO: 4 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO CIVIL II NOME DO CURSO: DIREITO 2. EMENTA CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 Introdução ao Direito das Obrigações.

Leia mais

A RESPONSABILIDADE CIVIL NA APRESENTATAÇÃO ANTECIPADA DO CHEQUE PÓS-DATADO

A RESPONSABILIDADE CIVIL NA APRESENTATAÇÃO ANTECIPADA DO CHEQUE PÓS-DATADO A RESPONSABILIDADE CIVIL NA APRESENTATAÇÃO ANTECIPADA DO CHEQUE PÓS-DATADO GONÇALVES, L. R. S. Resumo: O cheque é um título de crédito de ordem de pagamento à vista regido pela Lei nº 7.357/1985, porém

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

RESPONSABILIDADE CIVIL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA RESPONSABILIDADE CIVIL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 1 Suponha se que Maria estivesse conduzindo o seu veículo quando sofreu um acidente de trânsito causado por um ônibus da concessionária do serviço público

Leia mais

Direito Penal Emerson Castelo Branco

Direito Penal Emerson Castelo Branco Direito Penal Emerson Castelo Branco 2014 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. DIREITO PENAL CONCEITO DE CRIME a) material: Todo fato humano que lesa ou expõe a perigo

Leia mais

Conteúdo: Fatos Jurídicos: Negócio Jurídico - Classificação; Interpretação; Preservação. - FATOS JURÍDICOS -

Conteúdo: Fatos Jurídicos: Negócio Jurídico - Classificação; Interpretação; Preservação. - FATOS JURÍDICOS - Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Civil (Parte Geral) / Aula 11 Professor: Rafael da Motta Mendonça Conteúdo: Fatos Jurídicos: Negócio Jurídico - Classificação; Interpretação; Preservação. - FATOS

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br O objeto social e os limite da atuação do administrador da sociedade empresarial. A teoria do ato ultra vires Amanda Alves Moreira* 1. INTRODUÇÃO As sociedades comerciais, na situação

Leia mais

DIREITO CIVIL. Obrigações, obrigações contratuais e responsabilidade civil

DIREITO CIVIL. Obrigações, obrigações contratuais e responsabilidade civil DIREITO CIVIL Obrigações, obrigações contratuais e responsabilidade civil 1 2 GILBERTO KERBER Advogado. Conselheiro Estadual OAB/RS. Mestre em Direito pela UFSC. Coordenador do Curso de Direito CNEC-IESA

Leia mais

Breves Considerações sobre o Superendividamento

Breves Considerações sobre o Superendividamento 116 Breves Considerações sobre o Superendividamento Luiz Eduardo de Castro Neves 1 O empréstimo de valores é realizado com a cobrança de juros, de forma a permitir uma remuneração pelo valor emprestado.

Leia mais

obrigada relação jurídica

obrigada relação jurídica DIREITO DAS OBRIGAÇÕES CONCEITO Conjunto de normas e princípios jurídicos reguladores das relações patrimoniais entre um credor (sujeito ativo) e devedor (sujeito passivo) a quem incumbe o dever de cumprir,

Leia mais

ASPECTOS IMPORTANTES SOBRE A MODALIDADE DE INTERVENÇÃO DE TERCEIROS: DENUNCIAÇÃO DA LIDE

ASPECTOS IMPORTANTES SOBRE A MODALIDADE DE INTERVENÇÃO DE TERCEIROS: DENUNCIAÇÃO DA LIDE II ANAIS DO CURSO DE EXTENSÃO EM TEORIA DO DIREITO: A Tríplice perspectiva do Direito e a relação teórica, prática e ética. Cáceres: Unemat Editora, Vol.1. n. 01 (2013). ISSN 2317-3478 ASPECTOS IMPORTANTES

Leia mais

A previsibilidade legal da evicção consiste numa garantia de segurança do adquirente.

A previsibilidade legal da evicção consiste numa garantia de segurança do adquirente. 12 - EVICÇÃO O termo evicção traduz idéia de perda, ser vencido, perder e ocorre quando o adquirente de um bem perde a posse e a propriedade do mesmo em virtude de ato judicial ou administrativo que reconhece

Leia mais

ACIDENTE DO TRABALHO. Fernanda Pereira Costa, adv. Ailza Santos Silva, est. Sumário:

ACIDENTE DO TRABALHO. Fernanda Pereira Costa, adv. Ailza Santos Silva, est. Sumário: ACIDENTE DO TRABALHO Fernanda Pereira Costa, adv. Ailza Santos Silva, est. Sumário: I- Introdução II- Conceito III. Responsabilidade civil do empregador pelo acidente do trabalho IV- Competência para apreciar

Leia mais

Este estudo foi elaborado pelo DEJUR - Departamento Jurídico do CREA-PR

Este estudo foi elaborado pelo DEJUR - Departamento Jurídico do CREA-PR MÓDULO 01 AULA 03 RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL Temos a satisfação de apresentar o módulo de RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL em nosso Programa de Excelência em Projetos. Nele será possível entender as obrigações

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br O seguro da responsabilidade civil do professional liberal Suzanne Dobignies Santos 1. INTRODUÇÃO O contrato de seguro é uma das garantias da reparação civil, cuja finalidade é a

Leia mais

RESPONSABILIDADE TÉCNICA DO NUTRICIONISTA: QUESTÃO ÉTICA, LEGAL E CIVIL

RESPONSABILIDADE TÉCNICA DO NUTRICIONISTA: QUESTÃO ÉTICA, LEGAL E CIVIL RESPONSABILIDADE TÉCNICA DO NUTRICIONISTA: QUESTÃO ÉTICA, LEGAL E CIVIL LEGISLAÇÃO PERTINENTE AO EXERCÍCIO PROFISSIONAL; RESPONSABILIDADE ÉTICA; RESPONSABILIDADE TÉCNICA; REPONSABILIDADE CIVIL; RESPONSABILIDADE

Leia mais

Prescrição e decadência

Prescrição e decadência DIREITO CIVIL Professor Dicler A prescrição representa a perda da ação e da exceção (defesa) em razão do decurso de tempo. Tem como fundamento a paz social e a segurança jurídica que ficariam comprometidos

Leia mais

QUANTO AO SEU VÍNCULO

QUANTO AO SEU VÍNCULO OBRIGAÇÕES QUANTO AO SEU VÍNCULO GUSTAVO GUSMÃO OBRIGAÇÕES QUANTO AO SEU VÍNCULO 1. INTRODUÇÃO Dentre as diferentes modalidades das obrigações, encontramos as obrigações atinentes ao vínculo que liga seus

Leia mais

Excludentes de Responsabilidade Civil e sua aplicação no fornecimento de energia elétrica.

Excludentes de Responsabilidade Civil e sua aplicação no fornecimento de energia elétrica. Excludentes de Responsabilidade Civil e sua aplicação no fornecimento de energia elétrica. Art. 14, parágrafo 3º, II do Código de Defesa do Consumidor e art. 5º da Resolução ANEEL nº 61. Responsabilidade

Leia mais

CONTRATUAL Obrigação de meio X Obrigação de Resultado. EXTRACONTRATUAL (ex. direito de vizinhança, passagem, águas, etc)

CONTRATUAL Obrigação de meio X Obrigação de Resultado. EXTRACONTRATUAL (ex. direito de vizinhança, passagem, águas, etc) Artigo 186, do Código Civil: Aquele que, por ação ou omissão voluntária, negligência ou imprudência, violar direito e causar dano a outrem, ainda que exclusivamente moral, comete ato ilícito. CONTRATUAL

Leia mais

Nasce em razão da violação de um dever jurídico, mas depende da configuração de elementos.

Nasce em razão da violação de um dever jurídico, mas depende da configuração de elementos. OAB EXTENSIVO SEMANAL Disciplina: Direito Civil Prof.: Brunno Giancoli Data: 22.09.2009 Aula n 04 TEMAS TRATADOS EM AULA RESPONSABILIDADE CIVIL Nasce em razão da violação de um dever jurídico, mas depende

Leia mais

EFICÁCIA E APLICAÇÃO DAS NORMAS CONSTITUCIONAIS

EFICÁCIA E APLICAÇÃO DAS NORMAS CONSTITUCIONAIS EFICÁCIA E APLICAÇÃO DAS NORMAS CONSTITUCIONAIS 1 Eficácia é o poder que tem as normas e os atos jurídicos para a conseqüente produção de seus efeitos jurídicos próprios. No sábio entendimento do mestre

Leia mais

O fornecimento de senhas e caracteres de acesso à terceiros, causa negativa em indenização

O fornecimento de senhas e caracteres de acesso à terceiros, causa negativa em indenização O fornecimento de senhas e caracteres de acesso à terceiros, causa negativa em indenização Contribuição de Dr. Rodrigo Vieira 17 de dezembro de 2008 Advocacia Bueno e Costanze O fornecimento de senhas

Leia mais

Provas escritas individuais ou provas escritas individuais e trabalho(s)

Provas escritas individuais ou provas escritas individuais e trabalho(s) Programa de DIREITO CIVIL II 3º período: 80h/a Aula: Teórica EMENTA Direito das obrigações. Obrigação. Obrigações de dar. Obrigações de fazer. Obrigações de não fazer. Obrigações alternativas. Obrigações

Leia mais

PRIMEIRA CÂMARA CÍVEL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA

PRIMEIRA CÂMARA CÍVEL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PRIMEIRA CÂMARA CÍVEL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Apelação Cível nº 0059871-12.2007.8.19.0001 Apelante: JONETES TERESINHA BOARETTO Apelado: GRANDE HOTEL CANADÁ LTDA. Relator: DES. CUSTÓDIO TOSTES DECISÃO MONOCRÁTICA

Leia mais

A responsabilidade civil do engenheiro eletricista na atualidade

A responsabilidade civil do engenheiro eletricista na atualidade A responsabilidade civil do engenheiro eletricista na atualidade Acimarney Correia Silva Freitas¹, Celton Ribeiro Barbosa², Rafael Santos Andrade 3, Hortência G. de Brito Souza 4 ¹Orientador deste Artigo

Leia mais

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO José Afonso da Silva 1. A controvérsia 1. A condenação, pelo Supremo Tribunal Federal, na Ação Penal 470, de alguns deputados federais tem suscitado dúvidas relativamente

Leia mais

AULA 06 DA ADOÇÃO (ART. 1618 A 1629 CC)

AULA 06 DA ADOÇÃO (ART. 1618 A 1629 CC) AULA 06 DA ADOÇÃO (ART. 1618 A 1629 CC) DO CONCEITO A ADOÇÃO É UM ATO JURÍDICO EM SENTIDO ESTRITO, CUJA EFICACIA É DEPENDENTE DA AUTORIZAÇÃO JUDICIAL. NESSE CASO, CRIA UM VÍNCULO FICTÍCIO DE PATERNIDADE-

Leia mais

RESUMO. Um problema que esse enfrenta nesta modalidade de obrigação é a escolha do objeto.

RESUMO. Um problema que esse enfrenta nesta modalidade de obrigação é a escolha do objeto. RESUMO I - Obrigações Alternativas São aquelas que têm objeto múltiplo, de maneira que o devedor se exonera cumprindo apenas uma delas. Nasce com objeto múltiplo. Ex.: A se obriga a pagar a B objeto X

Leia mais

Encontro Temático do NEATS PUC/SP sobre a Nova Lei Geral das Parcerias da Administração com as Organizações da Sociedade Civil Lei nº 13.

Encontro Temático do NEATS PUC/SP sobre a Nova Lei Geral das Parcerias da Administração com as Organizações da Sociedade Civil Lei nº 13. Encontro Temático do NEATS PUC/SP sobre a Nova Lei Geral das Parcerias da Administração com as Organizações da Sociedade Civil Lei nº 13.019/2014 Sanções administrativas LUIS EDUARDO PATRONE REGULES Advogado.

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Controle de Ponto do Trabalhador terceirizado

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Controle de Ponto do Trabalhador terceirizado Controle de Ponto do Trabalhador terceirizado 13/11/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 5 5. Informações

Leia mais

29 a 30 de maio de 2008 RESPONSABILIDADE CIVIL E RELAÇÕES TRABALHISTAS. Fraiburgo Santa Catarina

29 a 30 de maio de 2008 RESPONSABILIDADE CIVIL E RELAÇÕES TRABALHISTAS. Fraiburgo Santa Catarina 29 a 30 de maio de 2008 RESPONSABILIDADE CIVIL E RELAÇÕES TRABALHISTAS Fraiburgo Santa Catarina A responsabilidade civil é a aplicação de medidas que obriguem uma pessoa a reparar o dano moral ou patrimonial

Leia mais

Aspectos da responsabilidade civil no Código de Defesa do Consumidor e excludentes

Aspectos da responsabilidade civil no Código de Defesa do Consumidor e excludentes Aspectos da responsabilidade civil no Código de Defesa do Consumidor e excludentes Michele Oliveira Teixeira advogada e professora do Centro Universitário Franciscano em Santa Maria (RS) Simone Stabel

Leia mais