FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL FATESG CURSO TÉCNICO EM REDES DE DADOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL FATESG CURSO TÉCNICO EM REDES DE DADOS"

Transcrição

1 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL FATESG CURSO TÉCNICO EM REDES DE DADOS André Cardozo André Luiz Souza Ferreira Eduardo Macedo Santos VIRTUALIZAÇÃO DE SERVIDORES COM XEN SOURCE Goiânia 2010

2 André Cardozo André Luiz Souza Ferreira Eduardo Macedo Santos VIRTUALIZAÇÃO DE SERVIDORES COM XEN SOURCE Trabalho de Conclusão de Curso TCC apresentado à Faculdade de Tecnologia SENAI de Desenvolvimento Gerencial FATESG, para a obtenção do título de Técnico em Redes de Dados. Orientador: Prof. Esp. Ricardo Goiânia 2010

3 CURSO TÉCNICO EM REDES DE DADOS André Cardozo André Luiz Souza Ferreira Eduardo Macedo Santos Virtualização De Servidores Com Xen Source Trabalho de Conclusão de Curso TCC apresentado à Faculdade de Tecnologia SENAI de Desenvolvimento Gerencial FATESG, para a obtenção do título de Técnico em Redes de Dados. Aprovada em de de 2010 Professor Examinador Professor Esp. Ricardo Martins Moreira

4 Dedicamos este trabalho de conclusão de curso para todos os nossos amigos e familiares que acreditaram e nos apoiaram, a FATESG por ter acreditado no curso Técnico em Rede de Dados, ao orientador, Professor que, com dedicação e conhecimento, orientou-nos no decorrer deste trabalho.

5 Agradecemos, primeiramente a DEUS, que nos deu muita força para caminharmos e chegar onde estamos hoje, saúde e disposição neste ano. Também aos amigos e familiares pela compreensão de nossa ausência para elaboração do mesmo.

6 E pelo conhecimento se encherão as câmaras com todos os bens preciosos e agradáveis. (Provérbios 24:4)

7 RESUMO Hoje, 75% dos servidores que acessamos são virtuais de alguma forma, consistindo em um sistema hospedeiro e um sistema convidado, emulando um servidor dentro de outro servidor, compartilhando o hardware, atingindo a mais alta excelência em tecnologia e redução de custos, com mínima perda de desempenho. Este trabalho é destinado à implementação de servidores Xen Source. Xen Source é um monitor de maquinas virtuais, chamado de Hypervisor, de código aberto, fazendo com que uma máquina física execute até mesmo em um hardware comum várias máquinas virtuais, tanto Windows como Linux. Serão tratados os conceitos, o que é, características, sua história, outras formas de virtualização, exemplos de soluções de virtualização, instalação, configuração e gerenciamento. PALAVRAS-CHAVE: Virtualização, Xensource, Hypervisor, Linux.

8 ABSTRACT Today, 75% of the servers that we access are virtual in some way, consisting in a host system and a guest system, emulating a server in another server, sharing the hardware, reaching the most highest excellence in technology and cost reduction, with a minimal loss of performance. This work is destined to implementation of Xen Source servers. Xen Source is a Virtual Machine Monitor, called Hypervisor, from Open Source, making that a physical machine run even on a common hardware multiple virtual machines, both Windows and Linux. Will be dealt the concepts, what this is, characteristics, history, other virtualization ways, solution examples of virtualization, installation, configuration and management. KEYWORDS: Virtualization, Xensource, Hypervisor, Linux.

9 LISTA DE ILUSTRAÇÕES FIGURA 1: CONCEITO DA VIRTUALIZAÇÃO DE SERVIDORES...17 FIGURA 2: VISÃO GERAL DE EMULADORES...19 FIGURA 3: VISÃO DA VIRTUALIZAÇÃO COMPLETA...21 FIGURA 4: VISÃO DA PARAVIRTUALIZAÇÃO...23 FIGURA 5: VISÃO DA VIRTUALIZAÇÃO EM NÍVEL DE SISTEMA OPERACIONAL...24 FIGURA 6: VISÃO DA VIRTUALIZAÇÃO COMPLETA COM HYPERVISOR HOSPEDADO...26 FIGURA 7: HYPERVISOR XEN...29 FIGURA 8: HYPERVISOR XEN COM DOMAIN FIGURA 9: TELA DE BOAS VINDAS DO CD DE INSTALAÇÃO DEBIAN...41 FIGURA 10: INSTALAÇÃO DEBIAN SQUEEZE OPÇÃO DE ESCOLHA DO IDIOMA...42 FIGURA 11: INSTALAÇÃO DEBIAN SQUEEZE OPÇÃO DE ESCOLHA DA LOCALIZAÇÃO...42 FIGURA 12: INSTALAÇÃO DEBIAN SQUEEZE ESCOLHA DO MAPA DE TECLAS...43 FIGURA 13: INSTALAÇÃO DEBIAN SQUEEZE INFORMANDO O NOME DA MÁQUINA...44 FIGURA 14: INSTALAÇÃO DEBIAN SQUEEZE INFORMANDO O DOMÍNIO DA MÁQUINA...44 FIGURA 15: INSTALAÇÃO DEBIAN SQUEEZE SELECIONANDO O FUSO HORÁRIO...45 FIGURA 16: INSTALAÇÃO DEBIAN SQUEEZE ERRO ENQUANTO O PARTICIONADOR É INICIADO...45 FIGURA 17: INSTALAÇÃO DEBIAN SQUEEZE ESCOLHENDO O MÉTODO DE PARTICIONAMENTO...46 FIGURA 18: INSTALAÇÃO DEBIAN SQUEEZE ESCOLHENDO MODELO DO HARDWARE DO TECLADO...48 FIGURA 19: INSTALAÇÃO DEBIAN SQUEEZE SELECIONANDO OS RECURSOS A SEREM INSTALADOS...50 FIGURA 20: INSTALAÇÃO DEBIAN SQUEEZE ERRO DURANTE A INSTALAÇÃO DO GRUB...50 FIGURA 21: INSTALAÇÃO DEBIAN SQUEEZE PERGUNTA SOBRE A INSTALAÇÃO DO GRUB NO MBR...51 FIGURA 22: INSTALAÇÃO DEBIAN SQUEEZE LISTA DE BOOT DO GRUB...51 FIGURA 23: VISÃO DO FUNCIONAMENTO DO LVM FIGURA 24: CRIAÇÃO DA MÁQUINA MODELO LOCALES A SEREM GERADOS...72 FIGURA 25: VM EM VIRTUALIZAÇÃO COMPLETA ACESSO POR VNC FIGURA 26: VM EM VIRTUALIZAÇÃO COMPLETA SOLICITAÇÃO DE SENHA NO ACESSO POR VNC FIGURA 27: VM EM VIRTUALIZAÇÃO COMPLETA INSTALAÇÃO DO SISTEMA OPERACIONAL CONVIDADO...89 FIGURA 28: VM EM VIRTUALIZAÇÃO COMPLETA SISTEMA OPERACIONAL CONVIDADO RODANDO...90 FIGURA 29: GERENCIAMENTO DAS MÁQUINAS VIRTUAIS XEN MANAGER TOP...93

10 LISTA DE ABREVIATURAS, SIGLAS E SÍMBOLOS AMD Advanced Micro Devices AMD-V AMD Virtualization ARM Advanced Risc Machine CPU Central Processing Unit DOMID DOMain ID EPIC Explicit Parallel Instruction Computing HD Hard Disk HVC Hypervisor Virtual Console HVM Hardware Virtual Machine IBM International Business Machines LVM Logical Volume Management MIPS Microprocessor without Interlocked Pipeline Stages NAS Network Attached Storage NIC Network Interface Card NUMA Non-Uniform Memory Access PAE Physical Addressing Extensions RISC Reduced Instruction Set Computer RPM Rotações Por Minuto SMP Symmetric Multi-Processing SO Sistema Operacional SPARC Scalable Processor Architecture UUID Universally Unique IDentifier VE Virtual Environment VM Virtual Machine VMI Virtual Machine Interface

11 VMM Virtual Machines Monitor VMX Virtual Machine Extensions VNC Virtual Network Computing VT Intel Virtualization Technology

12 SUMÁRIO SUMÁRIO INTRODUÇÃO OBJETIVO METODOLOGIA DETALHAMENTO TEÓRICO DEMONSTRAÇÃO E PRÁTICA CONCEITOS DE VIRTUALIZAÇÃO HISTÓRICO DA VIRTUALIZAÇÃO VIRTUALIZAÇÃO HYPERVISOR TÉCNICAS DE VIRTUALIZAÇÃO Emuladores Virtualização Completa Paravirtualização Virtualização em Nível de Sistema Operacional Virtualização Completa com Hypervisor Hospedado HYPERVISOR XEN ORIGENS DO XEN O HYPERVISOR XEN O DOMAIN-0 DO XEN DOMAIN-0 EM SO DAEMON XEND ARQUIVOS DE LOG DO XEND XENSTORE REQUISITOS DE HARDWARE Processadores Discos e Controladores Interface de Rede Dispositivos Gráficos Memória Físicas DEMONSTRAÇÃO HARDWARE UTILIZADO NA DEMONSTRAÇÃO INSTALAÇÃO DO DEBIAN SQUEEZE NO HOST INSTALAÇÃO DO XEN HYPERVISOR NO HOST CRIANDO AS MÁQUINAS VIRTUAIS Levantando as Informações Escolher o Sistema Operacional da Máquina Virtual Escolher o tipo de Virtualização Escolher a Forma de Armazenamento do Sistema Criando Imagens de Discos de Tamanho Fixo Criando Imagens de Discos de Tamanho Dinamicamente Expansível Criando Partições Para as Máquinas Virtuais Definir a Forma de Instalação do Sistema...69

13 5.4.2 Criar Máquina Virtual Paravirtualizada A Máquina Modelo Criar e Configurar a Máquina Virtual Paravirtualizada Criando Máquina Virtual em Virtualização Completa Criando os Discos Criando a Máquina Virtual GERENCIAMENTO DAS MÁQUINAS VIRTUAIS Carregar Máquinas Virtuais Automaticamente no Boot CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...96

14 14 1 INTRODUÇÃO Em Tecnologia da Informação, virtualização se define como a utilização de um único equipamento para a execução de vários sistemas operacionais, cada um desses sistemas rodando dentro das chamadas VM (Virtual Machine - Máquina Virtual). Uma VM se comporta como se fosse um computador físico e independente do hardware real onde ela está rodando. Em um ambiente onde não é utilizada a virtualização, para cada servidor adicional, são necessários estudos sobre o novo equipamento a ser adquirido e do local a ser instalado este novo hardware, como instalações elétricas, comunicação e refrigeração. É necessário também levar em consideração, o fato de que este novo servidor representa um maior gasto com energia elétrica, custo de manutenção por toda a vida útil e, possivelmente uma futura ampliação de suas capacidades operacionais, caso seja necessário. Com a virtualização, este processo não demanda, necessariamente, a aquisição de um novo equipamento, visto que basta criar a máquina virtual no servidor de máquinas virtuais, assim pode-se economizar custos, por exemplo, com energia elétrica, espaço físico e refrigeração, além do fato de que podemos também fazer uma centralização do gerenciamento das máquinas na rede. Até aqui vimos que a maior vantagem da virtualização, visível em primeira impressão, é a redução de custos, já que pode ser feito o papel de várias máquinas com os gastos de eletricidade, manutenção e espaço físico de apenas uma. 1.1 OBJETIVO Como objetivo, temos na realização deste trabalho, a demonstração da virtualização de servidores, com a utilização do software Xen Hypervisor como solução de código aberto para ambientes de virtualização de servidores.

15 15 2 METODOLOGIA Este trabalho foi construído através de pesquisa bibliográfica por assuntos a respeito da virtualização, tais como a origem do conceito da virtualização e o histórico do desenvolvimento deste até os dias de hoje, softwares de virtualização e tipos existentes de virtualização. O Xen Hypervisor é o software com esta finalidade que foi escolhido para ser demonstrado, por ser de código aberto e operar em um ambiente gratuito, o Linux, desta forma, os custos com licença de uso de softwares para a criação do ambiente de virtualização praticamente não existem. Com este caminho definido, a construção do trabalho aconteceu em duas etapas principais descritas abaixo: 2.1 DETALHAMENTO TEÓRICO Foram levantadas informações sobre a virtualização e o Xen Hypervisor, com o objetivo de mostrar a história por trás da virtualização de hoje e como começou e tem evoluído o projeto Xen Source. 2.2 DEMONSTRAÇÃO E PRÁTICA Esta etapa tem a intenção de mostrar o uso do Xen Hypervisor na prática, de forma a se tornar um verdadeiro guia prático para o usuário, com guias passo a passo e detalhamento de opções de configuração.

16 16 3 CONCEITOS DE VIRTUALIZAÇÃO 3.1 HISTÓRICO DA VIRTUALIZAÇÃO A virtualização é certamente uma parte importante dos ambientes de computação modernos. Um fato é que as raízes da virtualização datam das origens da computação moderna. Hoje podemos ver o reaparecimento da virtualização que passaram despercebidas pela geração que testemunhou o surgimento da computação pessoal. Sua origem data dos primórdios da década de 1960 em computadores de grande porte da IBM (International Business Machines). Os pesquisadores neste período estavam interessados no aumento da robustez e estabilidade dos hypervisors ou VMM (Virtual Machines Monitor Monitor de Máquinas Virtuais). O primeiro computador disponível comercialmente projetado para oferecer a virtualização, foi o Sistema 370 da IBM em 1977, com a introdução do sistema operacional da IBM CP/CMS onde múltiplas VM podiam ser executadas simultaneamente. Esta cooperação de hardware e software para suportar a virtualização foi um dos principais atrativos da linguagem computacional de grande porte da IBM. Já na década de 1990, Mendel Rosemblum usou maquinas virtuais para permitir que sistemas operacionais comuns executassem em hardware de computadores de acesso não uniforme à memória (NUMA, Non-Uniform Memory Access) que é uma memória compartilhada por todos os processadores. Este projeto ficou conhecido pelo nome de Disco em Stanford. Neste caso o sistema operacional era da IRIX da Silicon Graphics, desenvolvido para executar no MIPS (Microprocessor without Interlocked Pipeline Stages), mas este não foi projetado para dar suporte a virtualização completa. Os desenvolvedores do projeto utilizaram uma técnica mais tarde conhecida como paravirtualização permitindo assim a introdução de modificações específicas para permitir a virtualização. A equipe de Stanford voltou sua atenção para uma plataforma comum não projetada para a virtualização, para fazer modificações. Este passo teve uma influencia muito grande para a fundação da VMWare, que impulsionou o primeiro

17 17 produto comercial para virtualização desta plataforma. Eles conseguiram através da tradução simultânea durante a execução para instruções da arquitetura x86 modificada, executar os arquivos binários sem alteração de sistema operacional como o Windows. Com a Tecnologia de Virtualização, desde 2005 os fabricantes de processadores como a Intel e AMD (Advanced Micro Devices) aumentaram o suporte via hardware em suas linhas de produtos. A Intel usa para designar seus processadores com suporte à virtualização, a sigla VT (Virtualization Technology), foi desenvolvida utilizando o codinome de Vanderpool e a AMD usa a sigla AMD-V (AMD Virtualization), usando o codinome Pacifica. Esses hardwares promovem os objetivos da virtualização em plataformas comuns. 3.2 VIRTUALIZAÇÃO Virtualização tem como base principal, ocultar as características físicas de uma plataforma computacional um computador com HD (Hard Disk), memórias, processadores, e outros dispositivos de hardware, essa técnica permite compartilhar e utilizar recursos de um único sistema computacional para varias VM que por sua vez oferece um sistema computacional completo muito similar a uma máquina física, podendo ter seu próprio sistema operacional, aplicativos e oferecer serviços de redes. Veja a demonstração de virtualização na figura 1. Figura 1: Conceito da Virtualização de Servidores

18 18 Podemos dizer vendo esta figura que uma máquina com todos os seus dispositivos de E/S, como por exemplo, HD, Placa de Rede, Processadores, Placa de Vídeo, irá conter hóspedes ou VMs, disponibilizando o compartilhamento desses dispositivos entre estas VMs, através de um hypervisor fazendo este gerenciamento. Veja alguns benefícios da virtualização. A Depuração de Sistemas Operacionais permite que um desenvolvedor teste novos sistemas operacionais como hóspedes em ambientes mais estáveis, pelo fato de consumir muito tempo e exigir uma programação excepcional. Servidores Finais de Virtualização com alta taxa de utilização fazem melhor uso da potência elétrica, reduzindo assim o consumo da mesma e gerando menor necessidade por infraestrutura de resfriamento. Capacidade de executar sistemas operacionais e aplicativos antigos em plataformas de hardware modernas. A maior parte das vantagens da virtualização, especialmente em plataformas comuns como a x86, derivam da abundância do poder de computação disponível em uma única maquina. Sistemas virtualizados podem migrar de um computador físico para outro mesmo enquanto estão rodando, isso se chama de migração ativa. 3.3 HYPERVISOR Os Hypervisors são muito importantes para a computação moderna, pois permite que diferentes sistemas operacionais e configurações coexistam na mesma maquina física. O Hypervisor controla a máquina em questão, permitindo que ela seja usada por hóspedes (VM s) ao mesmo tempo e dando a cada sistema a ilusão de que ele está sendo executado em um hardware privado, ou seja, os hóspedes usam os recursos fornecidos tratando deles como se fossem reais.

19 TÉCNICAS DE VIRTUALIZAÇÃO A Virtualização possui muitos detalhes técnicos que são similares, mesmo assim existem muitas abordagens para resolver problemas convenientes de diferentes implementações. A virtualização na computação moderna permite a utilização de quatro principais arquiteturas para sistemas isolados: emuladores, virtualização Completa, Paravirtualização e Virtualização em Nível de SO (Sistema Operacional) Emuladores Neste tipo de virtualização a VM simula todo o conjunto de hardware, emulando seu comportamento para executar hóspedes sem nenhuma modificação seja necessária, para diferentes arquiteturas de hardware. Seu uso está mais focado na criação de novos sistemas operacionais ou microcódigo de hardware antes que esteja disponível fisicamente. Seu desempenho é baixo. Exemplos emuladores PearPC, Bochs e QEMU. Figura 2: Visão Geral de Emuladores PearPC é um tipo de emulador da arquitetura de processadores da IBM PowerPC G3/G4 portado para Windows e Linux.

20 20 Bochs é simulador de computadores de arquitetura x86, para executar uma variedade de plataformas, incluindo o x86, PowerPC, SPARC (Scalable Processor Architecture), Alpha e MIPS. Pode ainda ser configurado para emular arquiteturas de computação incluindo 386, 486, Pentium Pro e mais modernas de 64 bits. Suporta instruções de processadores como MMX, SSE, SSE2 e 3DNow. O Bochs simula o sistema inteiro incluindo os periféricos necessários para operação normal. QEMU trabalha em duas diferentes situações de operação. Na primeira operação ele faz uma simulação completa do sistema que e semelhante ao Bochs. Neste modo uma serie de arquiteturas de processadores pode ser simulada, com x86, x86_64, ARM (Advanced Risc Machine), SPARC, PowerPC e MIPS, utilizando uma velocidade razoável para traduções dinâmicas. Pode emular tanto ambientes Windows como Linux, Solaris e FreeBSD. O segundo é conhecido como Emulador em Modo Usuário, por sua vez só esta disponível quando se hospeda em Linux e permite que arquivos binários sejam executados em arquiteturas diferentes Virtualização Completa Também conhecida como virtualização nativa, a virtualização completa permite que sejam executados dentro de uma máquina virtual, sistemas operacionais sem modificações que são projetados para executar numa mesma arquitetura de hardware presente na máquina física, permitindo assim execução direta no hardware, o monitor de máquinas virtuais (VMM) controla o acesso ao hardware dando a ilusão ao sistema operacional de ter plenos poderes sobre o hardware.

21 21 Figura 3: Visão da Virtualização Completa Para arquiteturas x86, sistemas são geralmente classificados como de virtualização completa se podem executar os arquivos binários dos sistemas operacionais sem modificações. Mas alguns desses fazem algumas alterações simplificadoras nos x86 para facilitar a virtualização e ainda assim conseguem um alto desempenho, a arquitetura x86 é reconhecidamente difícil de virtualizar. Linux KVM. Exemplos de Virtualização Completa: VMWare, Hyper-V (Microsoft) e VMWare atualmente possui uma extensa linha de produtos para soluções de virtualização para a arquitetura x86, lembrando que foi a primeira empresa a oferecer comercialmente software para a virtualização neste tipo de arquitetura. A VMWare tem produtos que pode ter instalação direta, como é o caso do ESX Server, nele um hypervisor fica entre os sistemas operacionais hóspedes e o hardware. Possui ainda o VMWare Workstation (Estação de Trabalho), o hypervisor é executado como um aplicativo instalado sobre um sistema operacional base, como o Windows e Linux. Estes por sua vez são versões comerciais, a VMWare possui uma outra linha para virtualização que pode ser adquirida no site

22 22 oficial da VMWare, são o VMWare Player que permite que executem maquinas virtuais criadas pelos servidor ou pelo Workstation, e o VMware Server que permite a criação, administração e execução de VM s. Outras linhas de produtos disponíveis para virtualização são, para plataformas de data center VMWare vsphere 4, VMWare Server, VMWare ESXi e o VMWare GO. Hyper-V O Hyper-V, da Microsoft, é um hypervisor que está disponível tanto isolado ou independente como uma característica do Windows Server 2008, tem uma arquitetura de hypervisor micro-kernel de 64-bits que permite que o YPF-V mantenha uma ampla lista de métodos de suporte aos dispositivos. Executa tanto sistemas de 32 ou 64 bits de diferentes plataformas de servidores, com o próprio Windows, Linux, e outros. Outro produto, chamado de VirtualPC, por sua vez precisa ser executado hospedado em um sistema da Microsoft. Linux KVM (Kernel Virtual Machine) Este tipo de virtualização tem como base a modificação no kernel do Linux que o transforma em um hypervisor quando se acrescenta um modulo adicional. Ele é uma solução de virtualização completa durante o desenvolvimento do kernel Cada hospede na KVM é na verdade executado no espaço dos usuários do sistema hospedeiro, aparecendo como um processo normal ao kernel hospedeiro, sendo um esquema de isolamento mais fraco que outros modos já mostrados. O agendador de processos do kernel se bem ajustado vai efetuar tarefas de um hypervisor Paravirtualização Outra técnica bastante conhecida é a paravirtualização, que fornece uma VM completa, nela o hypervisor exporta uma versão modificada do hardware físico, sendo a máquina virtual da mesma arquitetura. Modificações específicas são introduzidas para facilitar e acelerar o suporte a múltiplos sistemas operacionais hóspedes. Apenas pequenas modificações são realmente necessárias nos sistemas operacionais hóspedes, se o código fonte do sistema operacional for fechado como é o caso do Windows, da Microsoft, fica difícil de dar suporte, pois é distribuído somente na forma binária.

23 23 Sua grande vantagem inclui desempenho, capacidade de alterar a escala e gerenciamento. Os dois exemplos mais comuns deste uso são o Linux em modo usuário (UML, User-mode Linux) e o Xen, que abordaremos mais adiante. Figura 4: Visão da Paravirtualização User-mode Linux UML esta implementação permite que este sistema operacional execute outros sistemas Linux em espaço de usuário, ou seja, cada instancia de maquina virtual executa um processo no Linux hospedeiro. Este método de virtualização foi consolidado durante o período de desenvolvimento do kernel 2.6 do Linux. Esta estratégia é adequada para os ambientes de computação heterogêneos da atualidade, pois o UML controla somente maquinas Linux. Lguest este método de virtualização foi consolidado durante o período de desenvolvimento do kernel do Linux e é mantido por Rusty Russel. Uma observação interessante de umas de suas características sobre o Lguest é que ele é implementado como um módulo do kernel, muito diferente dos outros métodos mencionados anteriormente. Ele é uma ferramenta para aprendizado e experimentação de implementações para virtualização devido à sua quantidade de código relativamente pequena, pois não é tão funcional como os outros métodos.

24 24 Paravirt_ops é uma VMI (Virtual Machine Interface) este método não obriga que exista nenhuma API (Application Programming Interface) em particular, permitindo assim seleção em tempo de execução da implementação efetiva de métodos na API. Sendo assim cada plataforma de virtualização pode implementar suas próprias funções para essa interface comum Virtualização em Nível de Sistema Operacional Uma observação que se difere de todos os outros tipos de virtualização e fato de que este tipo é quase virtualização, pois não existe VMM. Tudo é feito com uma imagem de sistema operacional tradicional, são sistemas que suportam esta técnica para prover o compartilhamento de tempo com a capacidade de isolamento de recursos. Os hóspedes nesta técnica são percebidos como se fossem máquinas separadas com seus próprios sistemas de arquivos, endereços IP e configurações de software. Veja a estrutura demonstrada na figura 5. Figura 5: Visão da Virtualização em Nível de Sistema Operacional Essa técnica tem como vantagem uma menor duplicação de recursos. A principal ideia por trás da arquitetura é exigir menos memória física para um sistema hóspede. Essa técnica é excepcional em situações que exijam extrema capacidade

25 25 de mudança de escala e grande quantidade de hospedes executando simultaneamente. Implementações neste tipo de técnica incluem Linux VServers, OpenVZ, Virtuozzo, Solaris Containers, FreeBSD jails e HP UX 11i Source Resource Partitions. Conheça alguns destes mencionados: Linux VServer Linux Virtual Server é um exemplo de sistema operacional para hardware comum, suportado tanto pelo kernel 2.4 como o 2.6, opera em plataformas de hardware (x86, x86-64, SPARC, PowerPC, MPIS, ARM) e virtualiza uma única instância do kernel do Linux de forma que múltiplos hospedes possam ser instanciados em espaço de usuário, esses hospedes são chamados de servidores privativos virtuais (VPS). OpenVZ este método e implementado como um kernel modificado que suporta seu próprio ambiente virtual e espaço de usuários isolados conhecidos como VE (Virtual Environment) e são também chamadas de VPSs como o Linux VServer. Os recursos das VEs são controlados por um construtor chamado de beanconstrutor literalmente Contador de Feijão, que por sua vez definem quantidade de memória disponível para cada instancia e outros parâmetros de sistema. É uma implementação de virtualização via sistema operacional e suporta uma variedade de arquiteturas de hardware como o x86, x86-64 e PowerPC Virtualização Completa com Hypervisor Hospedado Esta técnica de virtualização consiste em um hypervisor que depende do sistema operacional do hospedeiro para rodar, ou seja, o hypervisor roda como um processo no sistema operacional da máquina hospedeira, nesta técnica existe uma camada adicional entre o hypervisor e o hardware em relação à virtualização completa, o que faz com que esta técnica tenha um pior desempenho, esta camada é o sistema operacional.

26 26 A virtualização completa com hypervisor hospedado é mais lenta, porém oferece um ambiente mais fácil utilização, e é recomendado para uso em desktops e estudo de sistemas operacionais diferentes do instalado no hospedeiro. Figura 6: Visão da Virtualização Completa com Hypervisor Hospedado São exemplos de soluções que utilizam esta técnica: Microsoft VirtualPC, VMWare Workstation, VMWare Server e Oracle VirtualBox. 4 HYPERVISOR XEN 4.1 ORIGENS DO XEN No ano de 2001 o Xen surgiu como parte do projeto XenoServer no Laboratório de Computação da Universidade de Cambridge, sua finalidade era prover uma infra-estrutura pública para computação distribuída em amplas áreas, com um sistema onde plataformas de execução do XenoServer estariam espalhadas

27 27 pelo planeta para uso por qualquer membro no público-alvo. O Xen foi criado para ser o núcleo do XenoServer, permitindo hospedar múltiplos sistemas operacionais comuns num único servidor baseado na arquitetura x86. No ano de 2003 o Xen foi apresentado ao público através de um artigo acadêmico da Associação de Equipamentos de Computação (ACM). A comunidade acadêmica ficou super interessada com a afirmação de o Xen executar virtualização rápida em máquinas x86 comuns, um grande número de grupos se interessou por esta abordagem de virtualização. Ao passar do tempo dessa publicação do Xen, muitos testes e melhorias, com atualizações significativas ocorreram no projeto, permitiu melhorias nas funcionalidades, confiabilidade e desempenho do Xen. Com a fundação da empresa Xensource, foi promovida uma enorme adoção dos hypervisors de código aberto Xen pelo mundo empresarial, a Xensource concentrava-se em dar suporte ao desenvolvimento de todo o núcleo do Xen, sendo que ao mesmo tempo vendia para outras corporações pacotes e softwares de gerenciamento. Com o desenvolvimento do Xen 1.x, a Microsoft em colaboração com a Universidade de Cambridge, desenvolveu parte do Windows XP para o Xen, mas devido o programa de licenciamento acadêmico da Microsoft, os termos desta licença nunca foram publicados. Ao final do ano de 2004, o Xen 2.0 foi lançado, com diversas atualizações e modificações com grande flexibilidade na configuração de dispositivos virtuais de E/S dos sistemas operacionais hospedes. Nesta parte é importante ressaltar que os usuários do Xen podem configurar regras de firewall arbitrárias, desde roteamento e pontes de interfaces hospedes virtuais de rede. Foi acrescentado um suporte para volumes LVM (Logical Volume Management) de cópia durante gravação bem como para arquivos de retorno (Loopback) para manter imagens de discos de sistemas operacionais hóspedes. Nesta versão ainda podemos falar do suporte a multiprocessamento simétrico, embora imagens de hospedes continuem com processadores únicos. Mas o que mais impressionava nesta versão do Xen foi a adição de um recurso chamado de Live Migration ou simplesmente Migração Ativa, um recurso que faz que um sistema hóspede que esta em um hardware diferente

28 28 seja migrada via rede para outro hardware em execução sem interrupções notáveis nos serviços. Essa tendência de virtualização era notável, pois no início de 2006 o Xen já tinha conseguido uma participação significativa nas virtualizações em uso, tanto no meio acadêmico como no empresarial. Foi neste ano que foi lançado a todos o Xen 3.0 que introduzia uma camada extra para as tecnologias de virtualização de hardware oferecidas pela INTEL com o VT-x e a AMD com o AMD-V, permitia que hóspedes sem alterações, os HVM (Hardware Virtual Machine) e hóspedes paravirtualizados se hospedassem no Xen. Além de outras características como o suporte para sistemas hóspede de multiprocessamento simétrico (SMP), com este suporte foi acrescentado um agendador para CPU s com limites de balanceamento de carga, foi incluindo CPU s virtuais de conexão dinâmica, suporte a grande quantidade de memórias e uma versão para a arquitetura IA64. Uma ferramenta que permite aos desenvolvedores aperfeiçoar o código para obter ainda mais desempenho do Xen, esta ferramenta se chama Xen-Oprofile. Em 2007, a Critrix comprou a XenSource e esta se tornou o Grupo do Produto XenServer Citrix, no mesmo ano foi lançado a versão 3.1. Com uma característica de dar suporte à XenAPI, uma interface de programação para comandos Xen que permitia a interação de ferramentas de gerenciamento de terceiros, incluindo as baseadas no Modelo Comum de Informações da Força Tarefa de Gerenciamento Distribuido (DMTF CIM), que está se tornando um padrão para gerenciamento de agrupamentos de maquinas heterogêneas. Também é capaz de salvar, restaurar, migrar e ter controle dinâmico de memória para hóspedes HVM. O hypervisor Xen 4.0 foi lançado em 7 de Abril de 2010, com comandos básicos e ferramentas de gerenciamento. Nele podemos usá-los com qualquer distribuição Linux, uma solução de virtualização de alto desempenho, podendo ser adicionadas ferramentas de terceiros para ter uma gestão muito mais eficaz. O Xen 4.0 constrói e inclui um novo pvops ou dom0 (domínio 0) que ajuda no gerenciamento das máquinas virtuais que se denominam domu, a partir do Kernel

Agenda. Histórico Máquinas virtuais X Emuladores Vantagens & Desvantagens Vmware Quemu Xen UML Comparação entre VM's Conclusão

Agenda. Histórico Máquinas virtuais X Emuladores Vantagens & Desvantagens Vmware Quemu Xen UML Comparação entre VM's Conclusão Máquinas Virtuais Agenda Histórico Máquinas virtuais X Emuladores Vantagens & Desvantagens Vmware Quemu Xen UML Comparação entre VM's Conclusão Histórico Mainframe É um computador de grande porte, dedicado

Leia mais

Virtualização - VMWare e Xen

Virtualização - VMWare e Xen Virtualização - VMWare e Xen A virtualização consiste na emulação de ambientes isolados, capazes de rodar diferentes sistemas operacionais dentro de uma mesma máquina, aproveitando ao máximo a capacidade

Leia mais

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores Máquinas Virtuais e Emuladores Marcos Aurelio Pchek Laureano Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: hardware sistema operacional aplicações Sistemas

Leia mais

ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS. 1.1 Arquiteturas não virtualizadas

ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS. 1.1 Arquiteturas não virtualizadas ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS Existem hoje diversas tecnologias e produtos para virtualização de computadores e ambientes de execução, o que pode gerar uma certa confusão de conceitos. Apesar disso, cada

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Maquinas Virtuais e Emuladores

SISTEMAS OPERACIONAIS. Maquinas Virtuais e Emuladores SISTEMAS OPERACIONAIS Maquinas Virtuais e Emuladores Plano de Aula Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente

Leia mais

Xen Básico sobre Plano de Fundo e Virtualização

Xen Básico sobre Plano de Fundo e Virtualização 1 Xen Básico sobre Plano de Fundo e Virtualização Xen é um monitor de máquina virtual (hipervisor) que permite que se O utilize um computador físico para executar muitos computadores virtuais por exemplo,

Leia mais

Virtualização. O conceito de VIRTUALIZAÇÃO

Virtualização. O conceito de VIRTUALIZAÇÃO Virtualização A virtualização está presente tanto no desktop de um entusiasta pelo assunto quanto no ambiente de TI de uma infinidade de empresas das mais variadas áreas. Não se trata de "moda" ou mero

Leia mais

Introdução a Virtualização. Sergio Roberto Charpinel Junior Profa. Roberta Lima Gomes

Introdução a Virtualização. Sergio Roberto Charpinel Junior Profa. Roberta Lima Gomes Introdução a Virtualização Sergio Roberto Charpinel Junior Profa. Roberta Lima Gomes Por que virtualizar? Descentralização de recursos computacionais Cloud computing Plena utilização de recursos físicos

Leia mais

Sistemas Operacionais 1/66

Sistemas Operacionais 1/66 Sistemas Operacionais 1/66 Roteiro Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro 2/66 Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: hardware

Leia mais

Sistemas Operacionais. Roteiro. Sistemas de Computadores. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Marcos Laureano

Sistemas Operacionais. Roteiro. Sistemas de Computadores. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Marcos Laureano Sistemas Operacionais Marcos Laureano 1/66 Roteiro Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro 2/66 Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO NComputing Brasil - #110502 Instalando o Oracle Virtualbox 4.0.2 e Criando uma VM Windows Server 2008 no Virtualbox O que é virtualbox? O virtualbox é um aplicativo de virtualização multi-plataforma

Leia mais

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas O conteúdo deste documento tem como objetivos geral introduzir conceitos mínimos sobre sistemas operacionais e máquinas virtuais para posteriormente utilizar

Leia mais

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel 1 4 Estrutura do Sistema Operacional 4.1 - Kernel O kernel é o núcleo do sistema operacional, sendo responsável direto por controlar tudo ao seu redor. Desde os dispositivos usuais, como unidades de disco,

Leia mais

Virtualização Gerencia de Redes Redes de Computadores II

Virtualização Gerencia de Redes Redes de Computadores II Virtualização Gerencia de Redes Redes de Computadores II *Créditos: baseado no material do Prof. Eduardo Zagari Virtualização - Introdução Introduzido nos anos 60 em Mainframes Em 1980 os microcomputadores

Leia mais

A SALA DE AULA é meu paraíso. Nela me realizo, nela exercito minha cidadania e nela me sinto útil.

A SALA DE AULA é meu paraíso. Nela me realizo, nela exercito minha cidadania e nela me sinto útil. Virtualização Meu nome: Nome de guerra: Meu e-mail: Marcos Vinicios Bueno Marques Professor Cidão marcos@cidao.com.br Quem sou? Professor e coordenador de cursos de TI do Senac Informática em Porto Alegre,

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado

Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 CRIAÇÃO DA MÁQUINA VIRTUAL... 3 Mas o que é virtualização?... 3 Instalando o VirtualBox...

Leia mais

Xen Cloud Platform Xen descomplicado

Xen Cloud Platform Xen descomplicado Xen Cloud Platform Xen descomplicado CAPA A Xen Cloud Platform facilita muito a criação e o gerenciamento de máquinas virtuais sobre o hypervisor Xen. por Boris Quiroz e Stephen Spector A revolução da

Leia mais

Máquinas Virtuais com o VirtualBox

Máquinas Virtuais com o VirtualBox Máquinas Virtuais com o VirtualBox Marcos Elias Picão www.explorando.com.br No exemplo: Windows XP dentro do Windows 7 Você pode compartilhar livremente sem interesses comerciais, desde que não modifique.

Leia mais

Hypervisor. Diego Souza Gomes 3 de maio de 2007

Hypervisor. Diego Souza Gomes 3 de maio de 2007 Hypervisor Diego Souza Gomes 3 de maio de 2007 Resumo As máquinas virtuais envolvem a criação de um sistema de computador totalmente em software. Usando-as, é possível hospedar vários computadores virtuais

Leia mais

ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I. Máquina Virtual. Instalação de S.O. em dual boot. 1º Semestre 2010 PROF.

ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I. Máquina Virtual. Instalação de S.O. em dual boot. 1º Semestre 2010 PROF. ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I Máquina Virtual Instalação de S.O. em dual boot 1º Semestre 2010 PROF. AMARAL Na ciência da computação, máquina virtual é o nome dado a uma máquina,

Leia mais

Instalando o Debian em modo texto

Instalando o Debian em modo texto Instalando o Debian em modo texto Por ser composto por um número absurdamente grande de pacotes, baixar os CDs de instalação do Debian é uma tarefa ingrata. Você pode ver uma lista dos mirrors disponíveis

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

INE651600 Sistemas Operacionais I

INE651600 Sistemas Operacionais I INE651600 Sistemas Operacionais I Thiago Machado Seminário sobre Virtualização de Sistemas Operacionais Virtualização Definição: Permite abstrair os recursos de hardware que uma máquina possui. Criando

Leia mais

Como instalar o sistema operacional pfsense no Citrix Xen Server

Como instalar o sistema operacional pfsense no Citrix Xen Server Como instalar o sistema operacional pfsense no Citrix Xen Server Autor: Eder S. G. - edersg@vm.uff.br Versão: 1.2 Data: 21/11/2012 Última atualização: 07/03/2013 Observação: Máquina real: Sistema operacional

Leia mais

Capítulo 1. Introdução

Capítulo 1. Introdução Capítulo 1 Introdução 1.1 O que é um sistema operacional 1.2 História dos sistemas operacionais 1.3 O zoológico de sistemas operacionais 1.4 Revisão sobre hardware de computadores 1.5 Conceitos sobre sistemas

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V 1- Visão Geral Neste manual você aprenderá a instalar e fazer a configuração inicial do seu firewall Netdeep

Leia mais

A Academia Brasileira de Letras diz que este verbete não existe.

A Academia Brasileira de Letras diz que este verbete não existe. Virtualização Virtualização? A Academia Brasileira de Letras diz que este verbete não existe. Virtual: Segundo o Dicionário da Língua Portuguesa, significa: adj (lat virtuale) 1- Que não existe como realidade,

Leia mais

Xen e a Arte da Virtualização

Xen e a Arte da Virtualização Xen e a Arte da Virtualização Paul Barham, Boris Dragovic, Keir Fraser, Steven Hand, Tim Harris, Alex Ho, Rolf Neugebauer, Ian Pratt, Andrew Warfield University of Cambridge Computer Laboratory Microsoft

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 3 Virtualização de Sistemas 1. Conceito Virtualização pode ser definida

Leia mais

Virtualização. Prof. Emiliano Monteiro

Virtualização. Prof. Emiliano Monteiro Virtualização Prof. Emiliano Monteiro Conceitos Virtualização significa criar uma versão virtual de um dispositivo ou recurso, como um servidor, dispositivo de armazenamento, rede ou até mesmo um sistema

Leia mais

22:59:36. Introdução à Informática com Software Livre

22:59:36. Introdução à Informática com Software Livre 22:59:36 Introdução à Informática com Software Livre 1 22:59:36 O Debian é uma distribuição GNU/Linux desenvolvida abertamente por um grupo mundial de voluntários, no esforço de se produzir um sistema

Leia mais

Prof. Victor Halla. Unidade IV FUNDAMENTOS DE SISTEMAS

Prof. Victor Halla. Unidade IV FUNDAMENTOS DE SISTEMAS Prof. Victor Halla Unidade IV FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS Conteúdo Estudo de Casos; Linux e Windows; Características; VMware e Xen; Características; Ferramentas; Custo total de posse TCO = Total

Leia mais

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS Prof. Victor Halla Conteúdo Arquitetura de Processadores: Modo Operacional; Velocidade; Cache; Barramento; Etc. Virtualização: Maquinas virtuais; Gerenciamento

Leia mais

Departamento de Tecnologia da Informação

Departamento de Tecnologia da Informação Xen - O case de virtualização da Alergs XIII Enial - Brasília Novembro/2010 DTI Superintendência Administrativa e Financeira Assembleia Legislativa do RS Tópicos abordados: A infraestrutura de TI Alergs

Leia mais

Computação na Nuvem: Virtualização e Migração de VM. André Meireles Estêvão Monteiro Monique Soares

Computação na Nuvem: Virtualização e Migração de VM. André Meireles Estêvão Monteiro Monique Soares Computação na Nuvem: Virtualização e Migração de VM André Meireles Estêvão Monteiro Monique Soares Agenda Overview Histórico Abordagens Desafios em x86 Snapshots Virtualização de Hardware/Plataforma/Sevidor:

Leia mais

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Este artigo demonstra como configurar uma rede virtual para ser usada em testes e estudos. Será usado o VirtualBox

Leia mais

Para continuar, baixe o linux-vm aqui: http://www.gdhpress.com.br/downloads/linux-vm.zip

Para continuar, baixe o linux-vm aqui: http://www.gdhpress.com.br/downloads/linux-vm.zip Se, assim como a maioria, você possui um único PC ou notebook, uma opção para testar as distribuições Linux sem precisar mexer no particionamento do HD e instalar o sistema em dualboot, é simplesmente

Leia mais

Professor Esp.: Douglas Diego de Paiva douglas.ddp@gmail.com

Professor Esp.: Douglas Diego de Paiva douglas.ddp@gmail.com VIRTUALIZAÇÃO Professor Esp.: Douglas Diego de Paiva douglas.ddp@gmail.com Virtualização o que é? É uma forma de esconder as características físicas de uma plataforma computacional dos usuários, emulando

Leia mais

Prof. José Maurício S. Pinheiro UniFOA 2009-2

Prof. José Maurício S. Pinheiro UniFOA 2009-2 Tecnologias WEB Virtualização de Sistemas Prof. José Maurício S. Pinheiro UniFOA 2009-2 Conceitos Virtualização pode ser definida como técnica que combina ou divide recursos computacionais para prover

Leia mais

ANÁLISE DE DESEMPENHO ENTRE SOFTWARES VIRTUALIZADORES

ANÁLISE DE DESEMPENHO ENTRE SOFTWARES VIRTUALIZADORES ANÁLISE DE DESEMPENHO ENTRE SOFTWARES VIRTUALIZADORES Vitor Rodrigues Tanamachi 1, Weber Poli de Oliveira 1, Alexandre Galvani 1. 1 Departamento de Informática Faculdade de Tecnologia de Bauru (FATEC)

Leia mais

Virtualização. Hardware Virtual? Máquina Virtual? Software ou Hardware? Profº André Luiz andreluizsp@gmail.com

Virtualização. Hardware Virtual? Máquina Virtual? Software ou Hardware? Profº André Luiz andreluizsp@gmail.com Virtualização Hardware Virtual? Máquina Virtual? Software ou Hardware? Profº André Luiz andreluizsp@gmail.com O problema...... os departamentos de TI passaram a ter consciência de que os recursos como

Leia mais

Virtualização: VMWare e Xen

Virtualização: VMWare e Xen Virtualização: VMWare e Xen Diogo Menezes Ferrazani Mattos Professor: Otto Carlos Disciplina: Redes I Universidade Federal do Rio de Janeiro POLI/COPPE 1 Introdução Virtualização Divisão da máquina física

Leia mais

Prof. Luiz Fernando Bittencourt MO809L. Tópicos em Sistemas Distribuídos 1 semestre, 2015

Prof. Luiz Fernando Bittencourt MO809L. Tópicos em Sistemas Distribuídos 1 semestre, 2015 MO809L Tópicos em Sistemas Distribuídos 1 semestre, 2015 Virtualização Virtualização Threads/processos: Modo de fazer mais coisas ao mesmo tempo. Concorrência - impressão de execução paralela em computador

Leia mais

TUTORIAL VMWARE WORKSTATION 8. Aprenda a instalar e configurar corretamente uma máquina virtual utilizando VMware Workstation com este tutorial

TUTORIAL VMWARE WORKSTATION 8. Aprenda a instalar e configurar corretamente uma máquina virtual utilizando VMware Workstation com este tutorial TUTORIAL VMWARE WORKSTATION 8 Aprenda a instalar e configurar corretamente uma máquina virtual utilizando VMware Workstation com este tutorial INTRODUÇÃO O uso de máquinas virtuais pode ser adequado tanto

Leia mais

ANDRE KUSUMOTO VIRTUALIZAÇÃO

ANDRE KUSUMOTO VIRTUALIZAÇÃO ANDRE KUSUMOTO VIRTUALIZAÇÃO OBJETIVO Objetivo do deste trabalho é o autoaprendizado e a disseminação do conhecimento empregado no conceito de virtualização. Assim como a demostração de seu uso em conjunto

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

Benefícios do Windows Server 2008 R2 Hyper-V para SMB

Benefícios do Windows Server 2008 R2 Hyper-V para SMB Benefícios do Windows Server 2008 R2 Hyper-V para SMB Sumário Introdução... 3 Windows Server 2008 R2 Hyper-V... 3 Live Migration... 3 Volumes compartilhados do Cluster... 3 Modo de Compatibilidade de Processador...

Leia mais

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Sistemas Operacionais 2014 Introdução Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Roteiro Sistemas Operacionais Histórico Estrutura de SO Principais Funções do SO Interrupções Chamadas de Sistema

Leia mais

Gerência de Memória RAM em Computadores com Mais de 4GB O sistema Windows x86 (32bits) não tem capacidade de reconhecer, fisicamente, mais que 3,X GB de RAM, a não ser que seja ativado, manualmente, o

Leia mais

Paravirtualização com o XEN no Debian. Aldrey Galindo

Paravirtualização com o XEN no Debian. Aldrey Galindo Paravirtualização com o XEN no Debian Aldrey Galindo Sumário Introdução Técnicas de Virtualização Visão Geral de todo o processo Conclusão Sumário Introdução Técnicas de Virtualização Visão Geral de todo

Leia mais

SISTEMA DE GERÊNCIA - DmView

SISTEMA DE GERÊNCIA - DmView Sistema de Gerenciamento DmView O DmView é o Sistema de Gerência desenvolvido para supervisionar e configurar os equipamentos DATACOM, disponibilizando funções para gerência de supervisão, falhas, configuração,

Leia mais

TÉCNICAS DE VIRTUALIZAÇÃO E SUAS IMPLEMENTAÇÕES

TÉCNICAS DE VIRTUALIZAÇÃO E SUAS IMPLEMENTAÇÕES 1 MEC SETEC SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO CAMPUS CUIABÁ DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO TÉCNICAS DE VIRTUALIZAÇÃO E SUAS IMPLEMENTAÇÕES

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 2 - Estrutura, dispositivos e sistema de arquivos do Linux

Sistema Operacional Unidade 2 - Estrutura, dispositivos e sistema de arquivos do Linux Sistema Operacional Unidade 2 - Estrutura, dispositivos e sistema de arquivos do Linux Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 ESTRUTURA DE DIRETÓRIOS LINUX... 3 SISTEMA DE ARQUIVOS E PARTICIONAMENTO...

Leia mais

Inicialização rápida da instalação SUSE Linux Enterprise Server 11

Inicialização rápida da instalação SUSE Linux Enterprise Server 11 Inicialização rápida da instalação SUSE Linux Enterprise Server 11 NOVELL CARTÃO DE INICIALIZAÇÃO RÁPIDA Use os seguintes procedimentos para instalar uma nova versão do SUSE Linux Enterprise 11. Este documento

Leia mais

Inicialização rápida da instalação SUSE Linux Enterprise Server 11 SP1

Inicialização rápida da instalação SUSE Linux Enterprise Server 11 SP1 Inicialização rápida da instalação SUSE Linux Enterprise Server 11 SP1 Inicialização rápida da instalação SUSE Linux Enterprise Server 11 SP1 CARTÃO DE INICIALIZAÇÃO RÁPIDA NOVELL Use os seguintes procedimentos

Leia mais

Benefícios da Virtualização as para empresas

Benefícios da Virtualização as para empresas Benefícios da Virtualização as para empresas Os investimentos no processo de Virtualização na área de Tecnologia da Informação (TI) aumentaram cerca de 80% nos últimos três anos, segundo informações da

Leia mais

Consolidação de Servidores com VMware

Consolidação de Servidores com VMware Herles da Silva Rangel Curso de Especialização em Redes e Segurança Pontifica Universidade Católica do Paraná (PUC-PR) Curitiba, Maio de 2009 Resumo O presente trabalho trata da implementação de uma proposta

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX 1- Visão Geral Neste manual você aprenderá a instalar e fazer a configuração inicial do seu firewall Netdeep Secure em um

Leia mais

Online Help StruxureWare Data Center Expert

Online Help StruxureWare Data Center Expert Online Help StruxureWare Data Center Expert Version 7.2.7 Appliance virtual do StruxureWare Data Center Expert O servidor do StruxureWare Data Center Expert 7.2 está agora disponível como um appliance

Leia mais

Symantec Backup Exec 12.5 for Windows Servers. Guia de Instalação Rápida

Symantec Backup Exec 12.5 for Windows Servers. Guia de Instalação Rápida Symantec Backup Exec 12.5 for Windows Servers Guia de Instalação Rápida 13897290 Instalação do Backup Exec Este documento contém os seguintes tópicos: Requisitos do sistema Antes de instalar Sobre a conta

Leia mais

Guia de instalação UEG Linux 14.04 LTS

Guia de instalação UEG Linux 14.04 LTS 1. Apresentação O UEG Linux 14.04 LTS é um sistema operacional baseado em Linux e derivado do Ubuntu, customizado pela Gerência de Núcleo de Inovação Tecnológica da Universidade Estadual de Goiás para

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES E SISTEMAS OPERACIONAIS P/ CONCURSOS PÚBLICOS FOCO: ESAF/CESGRANRIO/FCC. Prof. Almeida Jr

ARQUITETURA DE COMPUTADORES E SISTEMAS OPERACIONAIS P/ CONCURSOS PÚBLICOS FOCO: ESAF/CESGRANRIO/FCC. Prof. Almeida Jr ARQUITETURA DE COMPUTADORES E SISTEMAS OPERACIONAIS P/ CONCURSOS PÚBLICOS FOCO: ESAF/CESGRANRIO/FCC Prof. Almeida Jr ESTRUTURA DE SISTEMA COMPUTACIONAL 2 O QUE FAZ UM SISTEMA OPERACIONAL? Ponto de Vista

Leia mais

Soluções corporativas personalizadas com o Microsoft Exchange 2010 e o Cisco Unified Computing System (UCS)

Soluções corporativas personalizadas com o Microsoft Exchange 2010 e o Cisco Unified Computing System (UCS) Soluções corporativas personalizadas com o Microsoft Exchange 2010 e o Cisco Unified Computing System (UCS) Hoje é fundamental para as empresas poder contar com recursos de comunicação, mobilidade, flexibilidade

Leia mais

23/05/2013. Partes do Sistema Computacional. Hardware. Ciclo do Processamento de Dados HARDWARE: CONCEITOS BÁSICOS. Hardware Software Dados Usuários

23/05/2013. Partes do Sistema Computacional. Hardware. Ciclo do Processamento de Dados HARDWARE: CONCEITOS BÁSICOS. Hardware Software Dados Usuários 2 Partes do Sistema Computacional HARDWARE: CONCEITOS BÁSICOS Software Dados Usuários Introdução à Microinformática Prof. João Paulo Lima Universidade Federal Rural de Pernambuco Departamento de Estatística

Leia mais

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos Partição Parte de um disco físico que funciona como se fosse um disco fisicamente separado. Depois de criar uma partição, você deve formatá-la e atribuir-lhe uma letra de unidade antes de armazenar dados

Leia mais

Virtualização: Conceitos e Aplicações em

Virtualização: Conceitos e Aplicações em Virtualização: Conceitos e Aplicações em Segurança Marcos Laureano e Carlos Maziero Centro Universitário Franciscano Unifae Pontíficia Universidade Católica do Paraná Programa de Pós-Graduação em Informática

Leia mais

Usuários. Aplicativos e programas dos usuários. Kernel gerenciamento de processos, memória, sistema de arquivos, I/O, etc.

Usuários. Aplicativos e programas dos usuários. Kernel gerenciamento de processos, memória, sistema de arquivos, I/O, etc. 1 1.0 Kernel O kernel (núcleo) representa o coração do Sistema Operacional. Atribuições do kernel: - gerenciamento dos arquivos em disco; - inicializar programas e executá-los; - alocar e gerenciar memória

Leia mais

Virtualização e kernel, vistos por dentro

Virtualização e kernel, vistos por dentro ehabkost@redhat.com Tchelinux Porto Alegre 2008 Nível: Avançado Escopo: Código e processo de desenvolvimento do kernel Pré-requisitos: Noções básicas sobre o kernel Linux e seu processo de desenvolvimento

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

VIRTUALIZAÇÃO CONVENCIONAL

VIRTUALIZAÇÃO CONVENCIONAL VIRTUALIZAÇÃO CONVENCIONAL Sera usado o VirtualBox 5.0.8 a versão mais atual e estável da aplicação, para virtualização de um sistema Linux sobre a plataforma Windows. Para esse modelo pratico de virtualização

Leia mais

poupar o meio ambiente. O Gartner declarou que a TI verde é a tendência do ano em 2008. Se a questão for virtualizar aplicações

poupar o meio ambiente. O Gartner declarou que a TI verde é a tendência do ano em 2008. Se a questão for virtualizar aplicações Cenários de aplicação e tendências na área de virtualização CAPA São tantas opções... Apresentamos os principais fornecedores de soluções de virtualização em e examinamos detalhadamente suas características.

Leia mais

Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas

Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas ESCOLA PROFISSIONAL VASCONCELLOS LEBRE Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas INSTALAÇÃO DO SUSE LINUX José Vitor Nogueira Santos FT5 Introdução: O QUE É O SUSE OpenSUSE, é uma distribuição

Leia mais

FAT32 ou NTFS, qual o melhor?

FAT32 ou NTFS, qual o melhor? FAT32 ou NTFS, qual o melhor? Entenda quais as principais diferenças entre eles e qual a melhor escolha O que é um sistema de arquivos? O conceito mais importante sobre este assunto, sem sombra de dúvidas,

Leia mais

Virtualização de Máquinas Uma experiência baseada em ferramentas livres

Virtualização de Máquinas Uma experiência baseada em ferramentas livres Virtualização de Máquinas Uma experiência baseada em ferramentas livres Carlos A. M. dos Santos echo unixmania at gmail dot com sed 's/ at /@/;s/ dot /./g' 1º Seminário de Software Livre Tchelinux Porto

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior Arquitetura de Computadores Professor: Vilson Heck Junior Agenda Conceitos Estrutura Funcionamento Arquitetura Tipos Atividades Barramentos Conceitos Como já discutimos, os principais componentes de um

Leia mais

Virtualização e Criação de uma rede Virtual utilizando Virtual Box Professor: João Paulo de Brito Gonçalves

Virtualização e Criação de uma rede Virtual utilizando Virtual Box Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Virtualização e Criação de uma rede Virtual utilizando Virtual Box Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Anatomia de uma máquina virtual Cada máquina virtual é um sistema completo encapsulado em um

Leia mais

AULA 10 TUTORIAL VIRTUALBOX

AULA 10 TUTORIAL VIRTUALBOX AULA 10 TUTORIAL VIRTUALBOX 1 Sumário Tutorial VirtualBox - Configurações e Utilização... 3 Requisitos Mínimos... 3 Compatibilidade... 3 Download... 3 Instalação do VirtualBox... 4 Criando a Máquina Virtual

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores 3º Ano Sistemas de Informação 2008 Aula 05A: Hub/Switch/Gateway Servidores e Virtualização Prof. Msc. Ricardo Slavov ricardo.slavov@aes.edu.br Roteiro Pedagógico HUB Switch Bridge

Leia mais

Máquinas Virtuais E eu com isso???

Máquinas Virtuais E eu com isso??? E eu com isso??? IV Ciclo de Palestras sobre Software Livre Daniel Antonio Fenrnandes Bojczuk Slide 1 de 27 Virtual: Existente apenas em potência ou como faculdade, não como realidade ou com efeito real

Leia mais

Kaspersky Security for Virtualization. Overview

Kaspersky Security for Virtualization. Overview Kaspersky Security for Virtualization Overview Idéia da Virtualização Executar um sistema operacional como um programa dentro de outro sistema operacional Executar vários sistemas operacionais no mesmo

Leia mais

Licenciamento de estações de trabalho Windows para Ambientes VDI

Licenciamento de estações de trabalho Windows para Ambientes VDI Microsoft VDI e Windows VDA Perguntas Frequentes Licenciamento de estações de trabalho Windows para Ambientes VDI Como a Microsoft licencia o Windows das estações de trabalho em ambientes virtuais? A Microsoft

Leia mais

Virtualização de Software

Virtualização de Software UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA CURSO DE BACHARELADO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Virtualização de Software Luana Sandrini Saft Trabalho de conclusão de curso

Leia mais

Foz do Iguaçu PR Brasil luiz.baltazar@gmail.com, joao@barbosa.net.br, jorgeaikes@gmail.com

Foz do Iguaçu PR Brasil luiz.baltazar@gmail.com, joao@barbosa.net.br, jorgeaikes@gmail.com Análise de Desempenho e Viabilidade do Raspberry Pi como um Thin Client utilizando o Protocolo SPICE Luiz Alberto Alves Baltazar 1, João Paulo de Lima Barbosa 1, Jorge Aikes Junior 1 1 Curso de Ciência

Leia mais

Informática I. Aula 19. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1

Informática I. Aula 19. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1 Informática I Aula 19 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1 Ementa Histórico dos Computadores Noções de Hardware e Software Microprocessadores Sistemas Numéricos e Representação

Leia mais

Tecnologia de armazenamento Intel (Intel RST) RAID 0, 1, 5, 10, Matrix RAID, RAID -Pronto

Tecnologia de armazenamento Intel (Intel RST) RAID 0, 1, 5, 10, Matrix RAID, RAID -Pronto Tecnologia de armazenamento Intel (Intel RST) RAID 0, 1, 5, 10, Matrix RAID, RAID -Pronto RAID 0 (striping) RAID 0 utiliza os recursos de leitura/gravação duas ou mais unidades de disco trabalhando em

Leia mais

Symantec Backup Exec 2010. Guia de Instalação Rápida

Symantec Backup Exec 2010. Guia de Instalação Rápida Symantec Backup Exec 2010 Guia de Instalação Rápida 20047221 Instalação do Backup Exec Este documento contém os seguintes tópicos: Requisitos do sistema Antes da instalação Sobre a conta de serviço do

Leia mais

SeminarioSoftwareLivreNuvens_Xen.odp

SeminarioSoftwareLivreNuvens_Xen.odp Software Livre nas Nuvens - XEN Apresentador: Gunther Boeckmann Objetivos Objetivos Introduzir os conceitos básicos de virtualização: explicar os tipos existentes, citar suas principais características

Leia mais

Criando um PC virtual

Criando um PC virtual Criando um PC virtual Microsoft Virtual PC Introdução Se você não sabe o que é virtualização de PCs, ou nem tem idéia dos inúmeros benefícios trazidos por essa técnica, recomendo ler esta introdução feita

Leia mais

Virtualização de desktop da NComputing

Virtualização de desktop da NComputing Virtualização de desktop da NComputing Resumo Todos nos acostumamos ao modelo PC, que permite que cada usuário tenha a sua própria CPU, disco rígido e memória para executar seus aplicativos. Mas os computadores

Leia mais

VirtualBox Mario Hato Instituto de Computação UNICAMP VirtualBox

VirtualBox Mario Hato Instituto de Computação UNICAMP VirtualBox Mario Hato Instituto de Computação UNAMP 1 Motivação Infraestrutura de computação - 2000 1 PC 1 SO Vários Aplicativos Utilização Baixa < 25% App App App App App App App App X86 Windows XP X86 Windows 2003

Leia mais

Desenvolvimento para Sistemas Embarcados (CEA 513) Conceitos Gerais

Desenvolvimento para Sistemas Embarcados (CEA 513) Conceitos Gerais Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Computação e Sistemas - DECSI Desenvolvimento para Sistemas Embarcados (CEA 513) Conceitos Gerais Vicente Amorim vicente.amorim.ufop@gmail.com Sumário

Leia mais

Sistemas Operacionais. (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO. Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto

Sistemas Operacionais. (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO. Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Sistemas Operacionais (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Estrutura 1. Definições 2. Classificações 3. CPU 4. Memória 5. Utilitários O que se

Leia mais

Princípios de TI - Computadores. Sistema Operacional. CECOMP Colegiado de Engenharia da Computação. Prof. Fábio Nelson. Slide 1

Princípios de TI - Computadores. Sistema Operacional. CECOMP Colegiado de Engenharia da Computação. Prof. Fábio Nelson. Slide 1 Sistema Operacional Slide 1 Sistema Operacional Um conjunto de programas que se situa entre os softwares aplicativos e o hardware: Gerencia os recursos do computador (CPU, dispositivos periféricos). Estabelece

Leia mais

Conceitos Básicos de Informática. Antônio Maurício Medeiros Alves

Conceitos Básicos de Informática. Antônio Maurício Medeiros Alves Conceitos Básicos de Informática Antônio Maurício Medeiros Alves Objetivo do Material Esse material tem como objetivo apresentar alguns conceitos básicos de informática, para que os alunos possam se familiarizar

Leia mais

Executando o Modo Windows XP com Windows Virtual PC

Executando o Modo Windows XP com Windows Virtual PC Executando o Modo Windows XP com Windows Virtual PC Um guia para pequenas empresas Conteúdo Seção 1: Introdução ao Modo Windows XP para Windows 7 2 Seção 2: Introdução ao Modo Windows XP 4 Seção 3: Usando

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO INSTITUTO POLITÉCNICO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas Operacionais Notas de Aulas: Tópicos 7 e 8 Estrutura do Sistema Operacional São Paulo 2009 1 Sumário

Leia mais

Virtualização de Máquinas Uma experiência baseada em ferramentas livres

Virtualização de Máquinas Uma experiência baseada em ferramentas livres Virtualização de Máquinas Uma experiência baseada em ferramentas livres Carlos A. M. dos Santos echo unixmania at gmail dot com sed 's/ at /@/;s/ dot /./g' 1º Seminário de Software Livre Tchelinux Pelotas,

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

Programação de Computadores

Programação de Computadores Programação de Computadores Aula 04: Sistema Operacional Material Didático do Livro: Introdução à Informática Capron,, H. L. e Johnson, J. A Pearson Education Sistemas Operacionais: Software Oculto Serve

Leia mais