Higiene e Segurança no Trabalho: Um programa para a empresa Contactsul Ltda.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Higiene e Segurança no Trabalho: Um programa para a empresa Contactsul Ltda."

Transcrição

1 1 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Sergio Gross TRABALHO DE CONCLUSÃO DE ESTÁGIO Higiene e Segurança no Trabalho: Um programa para a empresa Contactsul Ltda. Administração de Recursos Humanos ITAJAÍ (SC) I

2 2 SERGIO GROSS TRABALHO DE CONCLUSÃO DE ESTÁGIO HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO: UM PROGRAMA PARA A EMPRESA CONTACTSUL LTDA Trabalho de conclusão de estágio desenvolvido para o Estágio Supervisionado do Curso de Administração do Centro de Ciências Sociais Aplicadas - Gestão da Universidade do Vale do Itajaí. ITAJAÍ SC, I

3 Agradeço a Deus, por ter me resgatado de uma vida fútil e ter dado um novo sentido ao meu viver, pela família maravilhosa que me concedeu. A minha esposa Liège Faraco Gross a quem devo todo meu amor por seu incentivo e apoio, e aos meus amados filhos André e Gisele que compreenderam mais este desafio. A professora Justina da Costa Rodrigues, a quem eu admiro pela sua dedicação e profissionalismo. 3

4 ...quanto a mim, não julgo havê-lo alcançado; mas uma coisa faço: esquecendo-me das coisas que para trás ficam e avançando para as que diante de mim estão, prossigo para o alvo,.... Palavras do Apóstolo Paulo. 4

5 5 EQUIPE TÉCNICA a) Nome do estagiário Sergio Gross b) Área de estágio Administração de Recursos Humanos c) Supervisor de campo Mário José Moritz d) Orientador de estágio Professora Justina da Costa Rodrigues e) Responsável pelos Estágios em Administração Professor Eduardo Krieger da Silva

6 6 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA a) Razão Social Contact Condutores Elétricos Ltda. b) Endereço Rua Biguaçú, 685 Bairro dos Municípios Balneário Camboriú - SC c) Setor de desenvolvimento do estágio Administração de Recursos Humanos d) Duração do estágio 240 horas e) Nome e cargo do orientador de campo Mário José Moritz - Diretor f) Carimbo e visto da empresa

7 7 AUTORIZAÇÃO DA EMPRESA ITAJAÍ, 02 de junho de A Empresa CONTACTSUL LTDA, pelo presente instrumento, autoriza a Universidade do Vale do Itajaí UNIVALI, a publicar, em sua biblioteca, o Trabalho de Conclusão de Estágio executado durante o Estágio Supervisionado, pelo acadêmico Sergio Gross. Mário José Moritz

8 8 RESUMO A saúde e a segurança dos empregados constituem uma das principais bases para a preservação da força de trabalho das organizações. A empresa Contctsul Ltda. preocupada em buscar informações e programas de desenvolvimento para proporcionar integridade física e mental para seus colaboradores, oportunizou a realização deste estudo com o objetivo geral de Elaborar um Programa de Higiene e Segurança no Trabalho e como objetivos específicos: Diagnosticar as práticas de segurança da empresa; levantar os acidentes ocorridos nos últimos dois anos; verificar que setores são mais suscetíveis a acidentes; levantar o número de dias de afastamento por acidente; identificar a percepção que os funcionários têm em relação às práticas de higiene e segurança do trabalho; apresentar um plano com as ações para a implantação da CIPA. A tipologia do trabalho caracterizou-se como proposição de planos, com delineamento qualitativo. Para o levantamento dos dados, foram utilizados entrevista semi-estruturada, não estruturada e observação. Os dados foram tratados mediante análise de conteúdo e apresentados por meio de quadros e textos descritivos. A pesquisa possibilitou identificar aspectos positivos como: a satisfação dos funcionários quanto ao ambiente de trabalho, o acompanhamento médico, a existência de programas como o PCMSO e o PPRA e a preocupação com o uso dos EPIs. Mas também identificou pontos que deverão ser corrigidos como: realizações de campanhas de prevenção de acidentes, registro e tratamento das não-conformidades que causaram os acidentes. O resultado permitiu a elaboração de um plano com as ações para a implantação da CIPA, contribuindo para alcançar os objetivos propostos. Palavras-chave: Administração de recursos humanos, CIPA, higiene e segurança do trabalho.

9 9 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Quadro 1 Categorias e significados...17 Figura 1 Interligação das atividades de higiene do trabalho...28 Quadro 2 Dimensionamento da Cipa...32 Quadro 3 Descrição da atividade...33 Quadro 4 Agrupamento de setores econômicos...34 Quadro 5 Práticas de segurança do trabalho...57 Quadro 6 Treinamento de segurança do trabalho...58 Quadro 7 Exames médicos...59 Quadro 8 Ambiente de trabalho...59 Quadro 9 Campanhas de prevenção...60 Quadro 10 Utilização de equipamento de proteção...61 Quadro 11 Acidentes e afastamentos...61 Quadro 12 Condições de higiene e segurança no trabalho...63 Quadro 13 Dados pessoais...66 Quadro 14 Escolaridade e residência...67 Quadro 15 Trabalho...68 Quadro 16 Treinamento de segurança do trabalho...69 Quadro 17 Exames médicos...70 Quadro 18 Campanhas de prevenção...70 Quadro 19 Segurança na atividade de trabalho...71 Quadro 20 Utilização de equipamentos de proteção...72 Quadro 21 Ambiente de trabalho...73

10 10 LISTA DE SIGLAS AIDS - Síndrome da Imunodeficiência Adquirida AIT - Agentes de Inspeção do Trabalho CAT - Comunicação de Acidentes do Trabalho CANPAT - Campanha Nacional de Prevenção de Acidentes do Trabalho CE - Comissão Eleitoral CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes CLT - Consolidação das Leis do Trabalho CNAE - Classificação Nacional de Atividades Econômicas MTE - Ministério do Trabalho e Emprego NR - Norma Regulamentadora OIT - Organização Internacional do Trabalho OMS - Organização Mundial de Saúde PAT - Programa de Alimentação do Trabalhador PCMSO - Programa de Controle Médico em Saúde Ocupacional PPRA - Programa de Prevenção de Riscos Ambientais SESMT - Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho SIPAT - Semana Interna de Prevenção de Acidentes do Trabalho SSST - Secretaria de Segurança e Saúde no Trabalho

11 11 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO Problema de Pesquisa Objetivos Aspectos metodológicos Caracterização do trabalho de estágio Contexto e participantes da pesquisa Procedimentos e instrumentos de coleta de dados Tratamento e análise dos dados REVISÃO BIBLIOGÁFICA Administração Administração de Recursos Humanos Contrato psicológico Higiene e segurança do trabalho Políticas de Segurança do Trabalho Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (NR 5) Organização da CIPA Funcionamento da CIPA Treinamento dos membros da CIPA Processo eleitoral da CIPA Contratantes e contratadas e a CIPA Ergonomia NR Normas legais relacionadas à segurança do trabalho DESENVOLVIMENTO DA PESQUISA DE CAMPO Histórico Missão, Visão e Valores Estrutura Organizacional Área de Atuação Principais Clientes...57

12 Principais Fornecedores Principais concorrentes Resultado da Pesquisa Diagnóstico das práticas de segurança do trabalho da empresa Levantamento dos acidentes ocorridos por setor nos últimos dois anos Verificação dos setores mais suscetíveis a acidentes Levantamento do número de dias de afastamento por acidente nos setores da empresa Identificação da percepção dos funcionários em relação às práticas de higiene e segurança do trabalho Apresentação do plano com as ações necessárias para a implantação da CIPA CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...83 APÊNDICE...86 ANEXO...90 DECLARAÇÃO DA EMPRESA ASSINATURA DOS RESPONSÁVEIS...101

13 13 1 INTRODUÇÃO Para as empresas atingirem a produtividade e eficácia desejada, uma de suas prioridades é a apresentação de boas condições no ambiente de trabalho, o que certamente proporcionará aos seus colaboradores um equilíbrio entre condições de vida e hábitos saudáveis. O desenvolvimento e crescimento de uma organização estão relacionados ao nível de comprometimento de seus colaboradores, que, mediante seu desempenho e talento agregam valor ao seu ambiente de trabalho. No contexto social também há uma conscientização a respeito da importância do conceito de qualidade de vida no seu âmbito mais geral, aplicado à vida como um todo, pelo fato de exigir das organizações uma visão mais ampla e percepção do que pode ser feito para melhorar as condições de vida e bem-estar dos empregados e até da sociedade. Estas exigências são refletidas por meio de uma crescente melhoria na aplicação das normas que orientam o empregador e o empregado a buscar estas condições de trabalho estável. Dentro do enfoque das necessidades do ser humano, a qualidade de vida no trabalho se manifesta na preocupação com a higiene e segurança do trabalho. A área de Recursos Humanos é responsável pela integração e relação do homem no trabalho, procurando o equilíbrio dos interesses entre empresa e funcionários. É uma área imprescindível para alinhar os objetivos estratégicos da organização aos objetivos dos Recursos Humanos, que tem como uma de suas preocupações o alcance dos resultados. Para tanto precisa estabelecer ações que garantam principalmente a integridade física e psíquica dos funcionários. A conscientização das empresas em proporcionar melhores condições de trabalho aos seus colaboradores veio da adaptação de muitos modelos utilizados em países desenvolvidos, o que possibilitou atingir resultados significativos em nosso país. Acredita-se, pela observação que se faz do desenvolvimento nas áreas que contextualizam as organizações, que a partir da década de setenta, quando foram oficializadas as profissões nas áreas da engenharia da segurança e medicina do trabalho, as atividades prevencionistas cresceram, e a legislação específica

14 14 conquistou uma nova dimensão, culminando com a edição das Normas Regulamentadoras. Diante deste contexto que tem se desenvolvido cada vez mais, é fundamental compreender a importância das práticas e políticas de segurança do trabalho para o desenvolvimento das organizações no aspecto da prevenção de riscos, afinal, anormalidades sempre são vistas de maneira negativa na imagem da empresa e no seu processo produtivo. A empresa Contactsul, preocupa-se em buscar informações e programas de desenvolvimento para oferecer melhor integridade física e mental no que se refere à segurança de seus colaboradores, o que justificou este estudo. Este trabalho de conclusão de estágio foi desenvolvido com a finalidade de verificar como um programa de segurança do trabalho poderá contribuir para a melhoria dos processos e para qualidade de vida dos colaboradores da empresa situada em Balneário Camboriú, onde são desenvolvidas atividades de fabricação de fios, cabos e condutores elétricos isolados para o setor automotivo. 1.1 Problema de pesquisa Apesar da necessidade de um entendimento maior por parte de muitas empresas, existe uma preocupação com os colaboradores na área da segurança do trabalho, por este motivo tem-se desenvolvido políticas e práticas prevencionistas que tem possibilitado a ampliação dos investimentos neste aspecto, com a finalidade de melhorar o ambiente de trabalho e contribuir para empresa alcançar seus objetivos. Este trabalho foi realizado em Balneário Camboriú, na empresa Contactsul Ltda., que atua no mercado na área de fabricação de fios, cabos e condutores elétricos isolados para o setor automotivo. A preocupação com a segurança do trabalho tem se mostrado uma excelente ferramenta para empresa atingir metas de produção, podendo proporcionar ao mesmo tempo conforto e integridade para a saúde física e mental de seus colaboradores.

15 15 Desta forma, este trabalho de conclusão de estágio se propôs em levantar que aspectos deverão ser considerados para elaboração de um programa de segurança na empresa Contactsul Ltda.?. A importância deste trabalho se caracterizou pela oportunidade que a empresa teve em conhecer suas forças e fraquezas na área da higiene e segurança do trabalho, buscando a partir daí um aperfeiçoamento no que for necessário por meio de melhorias e acompanhamentos, proporcionando maior segurança para os empregados que trabalham com algum grau de risco para sua integridade física. Para o acadêmico foi a oportunidade de testar seus conhecimentos numa realidade empresarial, o que condiz com a opinião de Roesch (1999, p. 19), onde afirma que o estágio proporcionará uma oportunidade de testar seus conhecimentos. Levando-se em conta o que foi observado pela autora, a oportunidade de colocar em prática os conhecimentos recebidos, permite também transformá-los em vantagem competitiva para as partes envolvidas. Este trabalho teve caráter singular na empresa Contactsul Ltda., e se diferencia dos programas já implantados referente à segurança do trabalho, como também contempla uma área ainda não pesquisada na organização. Quanto à viabilidade de execução, obteve-se apoio e interesse da empresa e sua abertura em disponibilizar as informações necessárias para o seu sucesso, bem como o fato de que não acarretou custos para a mesma. 1.2 Objetivos O objetivo geral deste trabalho de conclusão de estágio foi Elaborar um programa de higiene e segurança no trabalho para a empresa Contactsul Ltda. Considerando o objetivo geral proposto acima, definiram-se os seguintes objetivos específicos: Diagnosticar as práticas de segurança do trabalho da empresa. Levantar os acidentes ocorridos por setor nos últimos dois anos. Verificar que setores estão mais suscetíveis a acidentes.

16 16 Levantar o número de dias de afastamento por acidente nos setores da empresa. Identificar a percepção que os funcionários têm em relação às práticas de higiene e segurança do trabalho. Apresentar um plano com as ações necessárias para a implantação da CIPA. 1.3 Aspectos metodológicos Este tópico apresenta os aspectos metodológicos para a realização do trabalho de estágio, envolvendo os itens de caracterização do trabalho de estágio, contexto e participantes da pesquisa, procedimentos e instrumentos de coleta, tratamento, e análise dos dados Caracterização do trabalho de estágio O delineamento deste trabalho de estágio utilizou o método qualitativo, considerando que a pesquisa qualitativa possui um caráter distinto da quantitativa, conforme sustenta Richardson (1999), a pesquisa qualitativa pode ser caracterizada como a tentativa de uma compreensão detalhada dos significados e características situacionais apresentados pelos entrevistados, em lugar da produção de medidas quantitativas de características comportamentais. Quanto à tipologia de estágio, utilizou-se uma proposição de planos, e como ressalta Roesch (1999, p. 71), a preocupação é apresentar soluções para problemas já diagnosticados pela organização. Em uma proposição de planos a autora orienta que seja estudada e apresentada à viabilidade de um plano alternativo e apresentada sua proposta final, apresentando sugestões para sua implementação. A estratégia adotada classificou-se como estudo de caso, em razão de ser uma estratégia de pesquisa que busca examinar um fenômeno dentro de seu contexto. (YIN, 2001, p. 19).

17 Contexto e participantes da pesquisa Como ressalta Mattar (2001, p. 67), a participação da pesquisa consiste no questionamento, oral ou escrito, dos respondentes, para a obtenção do dado desejado, que será fornecido por declaração oral ou escrita do projeto. Neste trabalho de estágio os participantes foram agrupados em duas classes distintas, aqueles que controlam os processos e práticas de segurança do trabalho, como o setor de recursos humanos, e aqueles que utilizam equipamentos de proteção (EPI). Sendo que estes que utilizam equipamentos de proteção formaram uma população de 14 funcionários. Em comentário a essa questão, o autor aborda que a população é o conjunto de elementos que possuem determinadas características. (RICHARDSON, 1999). Neste sentido, Marconi e Lakatos (1999), ressaltam que a pesquisa censitária é aquela que envolve toda população, sendo assim, para efeito deste trabalho foi utilizado este tipo de pesquisa, porque o processo de implantação da CIPA envolveu todos os funcionários da empresa Contactsul Procedimentos e instrumentos de coleta de dados Coleta de dados nada mais é do que uma análise feita por uma equipe que verifica o processo de pesquisa em dados separados no tempo. Os dados foram coletados por meio de fontes primárias e secundárias, as fontes primárias de acordo com Richardson (1999, p. 253), são aquelas que têm uma relação física direta com os fatos analisados, existindo um relato ou registro da experiência vivenciada. Uma pessoa que observa um acontecimento é considerada uma fonte primária. Os dados primários foram coletados por meio de entrevista semi-estruturada e não estruturada com o dirigente da empresa e com os funcionários, para diagnosticar as práticas de segurança da empresa e a percepção dos colaboradores com relação às práticas de Higiene e Segurança do Trabalho. A entrevista semiestruturada com o dirigente foi realizada na primeira quinzena de fevereiro/2008, conforme disponibilidade do gestor, no período da tarde, contemplou treze perguntas

18 18 direcionadas as práticas de higiene e segurança no trabalho, considerando as categorias dos autores Celinski (1994), Prado (2002), e Zocchio (2001), relacionadas no quadro 1. CATEGORIAS SIGNIFICADOS Práticas de segurança Práticas que a empresa utiliza Treinamento de segurança Investimento em treinamentos Exames médicos Realização de exames periódicos Ambiente de trabalho Limpeza, iluminação, ventilação Campanhas de prevenção Conscientização dos funcionários Utilização de EPIs Orientação, controle, necessidade Acidentes e afastamentos Levantamento dos acidentes Condições de Higiene e segurança Inspeção, reclamações, tratamento Quadro 1: Categorias e Significados Fonte: Adaptado com base nos autores Celinski (1994), Prado (2002) e Zocchio (2001). A pesquisa com os funcionários ocorreu por meio de uma entrevista semiestruturada, utilizando-se também as categorias citadas no quadro 1, contendo dezessete perguntas, onde nas primeiras sete tratou-se do perfil dos funcionários e as outras da percepção que os funcionários têm em relação a estas práticas. Os funcionários foram chamados um a um, sendo explicado o motivo da pesquisa, cada entrevista foi realizada no tempo médio de uma hora, na segunda quinzena de fevereiro de 2008, sendo entrevistado um a dois funcionários por dia, conforme disponibilidade de tempo dos mesmos. A entrevista não estruturada, sem uso de roteiro, permite ao entrevistador maior flexibilidade e um melhor aproveitamento das falas do entrevistado, proporcionando um bom desenvolvimento da entrevista e um aprofundamento no foco do estudo. (RICHARDSON, 1999) A entrevista semi-estruturada como explica Marras (2002, p. 148) é a entrevista cujo processo pode ser ou não planejado o que e como fazer ao longo de todo o tempo da entrevista. Para um melhor entendimento sobre fontes secundárias, Mattar (2001, p. 48), assinala, que as fontes secundárias são aquelas que já foram coletadas, tabuladas, ordenadas e às vezes até analisadas e que estão catalogadas à disposição dos interessados. Foi também utilizada a análise documental, conforme sustenta Richardson (1999, p. 230), esta análise consiste em uma série de operações que visam estudar e analisar os vários documentos para descobrir as circunstâncias sociais e/ou

19 19 econômicas com as quais podem estar relacionadas. Esta análise foi utilizada para atender os objetivos de levantamento e verificação de dados para a pesquisa. O pesquisador também utilizou o método de observação participante para a complementação dos dados, que de acordo com Marconi e Lakatos (1999), consiste na participação real do pesquisador com a comunidade ou grupo. O pesquisador se incorpora ao grupo com o objetivo de conquistar confiança e fazer os indivíduos compreenderem a importância do trabalho. Neste trabalho a observação ocorreu nos meses de agosto a novembro de 2007 e março a junho de 2008, período em que foram cumpridas as horas de estágio, mediante uma freqüência na empresa de dois dias por semana, por tempo de duas horas em cada dia. O referencial teórico para a elaboração do instrumento considerou os autores Zocchio (2001), Celinski (1994) e Prado (2002) Tratamento e análise dos dados Os dados foram organizados de duas maneiras distintas: por tipo de acidentes e por área de trabalho. Este processo conforme Richardson (1999), representa um nível de análise que permite identificar as características dos fenômenos, possibilitando também a ordenação e classificação destes. Os dados foram tratados por meio da análise de conteúdo e apresentados por quadros e textos descritivos. A análise de conteúdo como assinala Richardson (1999, p. 223), é um conjunto de instrumentos metodológicos cada dia mais aperfeiçoados que se aplicam a discursos diversos. Já Roesch (1999), conceitua análise de conteúdo como sendo o método que busca classificar palavras, frases, ou mesmo parágrafos em categorias e conteúdos. Sendo assim, as análises foram definidas de acordo com o referencial teórico utilizado. Em consonância com o acatado por Mattar (2001, p. 192), o objetivo principal da análise de dados é permitir ao pesquisador, o estabelecimento das conclusões, a partir dos dados coletados.

20 20 A partir destes dados coletados os resultados foram apresentados por meio de quadros, utilizando textos explicativos, que segundo Roesch (1999), cabe ao pesquisador interpretar e explicar o conteúdo e dessa forma expor os resultados obtidos.

21 21 2 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Este capítulo fundamenta o conhecimento necessário para execução da proposta de estudo, abordando os seguintes assuntos: funções e princípios da administração, funções do administrador, áreas da administração, administração de recursos humanos, e temas relacionados à Higiene e Segurança do Trabalho. 2.1 Administração A administração revela-se nos dias atuais como uma das áreas do conhecimento humano que mais apresenta complexidade e desafios. O profissional que utiliza a administração como sua área de atuação, pode trabalhar nos mais variados níveis de uma organização, desde o nível hierárquico de supervisão elementar até o nível de dirigente máximo da organização. A administração norteia diversas áreas de especialização, e em cada uma destas áreas as contingências são altamente diversificadas. A administração conforme sustenta Daft (2005, p.5), é o alcance das metas organizacionais de maneira eficaz e eficiente por meio de planejamento, organização, liderança e controle dos recursos organizacionais. A administração, portanto, trata do planejamento, da organização, da direção e do controle de todas as atividades diferenciadas pela divisão de trabalho que ocorrem dentro de uma organização. Para Drucker (2001), a administração é uma ciência eminentemente orientadora, buscando equacionar como as coisas podem ser feitas de maneira correta, em quais circunstâncias ou ambientes e por que. A administração é o ato de pensar e, sobretudo, raciocinar a partir de uma bagagem de conceitos e idéias que trazem ferramentas que viabilizam a maximização dos resultados. O administrador de empresas é a pessoa que irá dirigir um negócio, seja ele grande ou pequeno, estabelecendo metas e objetivos, e por meio da utilização de ferramentas de trabalho atingir os objetivos propostos.

22 22 Uma das tarefas da administração como ressalta Drucker (2001, p. 32), é tornar o trabalho produtivo e transformar o trabalhador em realizador. A empresa só possui um recurso verdadeiro: o homem. Percebe-se que a administração atinge seus objetivos quando torna produtivos seus recursos humanos, de maneira que este alcance suas metas por intermédio do trabalho. As organizações, cada vez mais buscam diversos objetivos, sendo na sua área de atuação ou até mesmo na prospecção de novos nichos de mercado e para cada uma delas, devem ser buscadas as respostas certas para cada tipo de ação. Com relação a este assunto, Chiavenato (2001), salienta que, não existem duas organizações iguais, como também não existem pessoas idênticas. Cada organização tem seus objetivos próprios, ramo de atividades, gestores e pessoal, suas dificuldades internas e externas, seu mercado, tecnologia e políticas de negócio. Nesse sentido a administração sofre transformações com o objetivo de facilitar o modo de obter resultados por meio das pessoas, apresentando abordagens de acordo com necessidades do meio onde as organizações estão inseridas. As áreas de atuação da Administração incluem Administração de Produção, Administração de Marketing, Administração Financeira, Administração de Materiais e Administração de Recursos Humanos. A administração de produção como ressalta Moreira (1998, p.16), diz respeito àquelas atividades orientadas para a produção de um bem físico, ou à prestação de um serviço. Entende-se ainda que a administração de produção seja subdividida em sistemas que fazem com que os processos produtivos funcionem adequadamente. Como salienta o mesmo autor, sistema de produção é um conjunto das atividades e operações inter-relacionadas e envolvidas na produção de bens ou serviços. Em comentário a essa questão Silva (1997, p.10), aponta que a administração de produção é a especialização administrativa que trata do planejamento, organização, direção e controle do setor de produção de uma empresa. A Administração de Marketing busca realizar determinados objetivos mediante programas voltados à comercialização de produtos e serviços.

23 23 Conforme dispõe Kotler e Armstrong (1998, p.8), a administração de marketing, envolve uma demanda administrativa que, por sua vez, envolve relacionamentos administrados com o cliente. Analisando a Administração de Marketing, verifica-se que os objetivos que envolvem esta área de atuação dividemse em: implementação e controle de programas, destinados a criar, desenvolver e manter trocas de benefícios com os compradores-alvo, a fim de atingir objetivos organizacionais. De acordo com Silva (1997, p.120), administração de marketing é o planejamento administrativo que trata do planejamento, organização, direção e controle do setor de comercialização de uma empresa. A Administração Financeira é uma das áreas da administração cuja finalidade é a melhor utilização possível de recursos financeiros, bem como sua maximização, para prover a maior rentabilidade e liquidez para a organização. A função financeira, como salienta Archer e D Ambrosio (1969, apud SANVICENTE, 1987, p. 367), compreende: [...] os esforços despendidos, objetivando a formulação de um esquema que seja adequado à maximização dos retornos dos proprietários das ações ordinárias da empresa, ao mesmo tempo em que possa propiciar a manutenção de certo grau de liquidez. A administração financeira tem como função primordial à análise de equilíbrio entre o investimento e o retorno das empresas, objetivando assim, a sua sobrevivência dentro do mercado. De acordo com Silva (1997, p.157), administração financeira é a especialização administrativa, que trata do planejamento, organização, direção e controle do setor de finanças de uma empresa. A Administração de Materiais é outra importante área da administração, responsável pelo abastecimento e controle de produtos, e como observa Gurgel (2000, p. 15), é uma atividade que planeja, executa e controla, nas condições mais eficientes e econômicas, o fluxo de material, partindo das especificações dos artigos a comprar até a entrega do produto, terminando no cliente. Acerca do tema em apreço, Dias (2005, p. 13), enfatiza que a administração de materiais compreende o agrupamento de materiais de várias origens e a coordenação dessa atividade com a demanda de produtos ou serviços da empresa. Finalmente, pretende-se abordar a área de recursos humanos e sua importância nas organizações, e a respeito deste tema Daft (2005, p. 293), salienta

24 24 que, a administração de recursos humanos tem papel importante em encontrar e desenvolver as pessoas da organização como recursos humanos que contribuem para o seu sucesso isto quer dizer que, para o sucesso de uma organização é necessário encontrar as pessoas certas para desempenhar as funções certas, bem como saber desenvolvê-las para alcançar os objetivos da empresa. Sendo esta uma das responsabilidades da administração de recursos humanos. 2.2 Administração de Recursos Humanos A área de Recursos Humanos é de fundamental importância para o desenvolvimento das organizações. Marras (2002), enfatiza que as responsabilidades primordiais da área responsável pelos Recursos Humanos é cuidar da qualidade de vida dos empregados e melhorar os resultados organizacionais por meio de programas que visam implementar e manter a qualidade e a produtividade destes empregados, bem como integrar o colaborador aos objetivos da empresa e ao seu contexto, com o fim de atingir metas. O ambiente empresarial é altamente competitivo, e para que alcance o sucesso desejado é necessária uma administração eficaz de recursos humanos, desta forma Chiavenato (1999, p. 103), salienta que: [...] como os recursos humanos constituem o elemento crítico em cada componente da organização de RH se fundamenta na responsabilidade de cada gerente em cada área funcional da organização, seja ela finanças, contabilidade, marketing, produção, compras e inclusive a ARH. Administrar pessoas é uma responsabilidade gerencial, isto é, de linha, embora seja uma função de staff. Entende-se então, que independente da área escolhida, o futuro administrador necessita ter uma visão holística, principalmente no que se refere aos recursos, ou ativos da organização. Portanto, os recursos humanos das organizações, são as pessoas participantes de todos os processos e da continuidade desta, desde o nível mais baixo ao mais alto da empresa. São recursos que aprendem, crescem e desenvolvem-se, ao contrário de máquinas e equipamentos. A administração de Recursos Humanos tem então, um papel muito importante dentro das organizações, onde trabalham pessoas completamente diferentes, de culturas diversas. Desta forma, Milkovich e Boudreau (2000, p. 19), entendem a

NR5 - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (205.000-5) DO OBJETIVO 5.1 A Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA - tem como objetivo a prevenção de acidentes e doenças decorrentes do trabalho,

Leia mais

CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes

CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes DO OBJETIVO A Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA - tem como objetivo a prevenção de acidentes e doenças decorrentes do trabalho, de modo

Leia mais

Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA. Sindilojas, 24 de julho de 2014

Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA. Sindilojas, 24 de julho de 2014 Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA Sindilojas, 24 de julho de 2014 Legislação da CIPA Decreto-lei nº 7.036 de 10/11/1944 (Lei de Acidentes do Trabalho): Art. 82. Os empregadores, cujo número

Leia mais

NR 4 - Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho (SESMT)

NR 4 - Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho (SESMT) Zelãene dos Santos SEGURANÇA DO TRABALHO E MEIO AMBIENTE NR 4 - Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho (SESMT) 4.1. As empresas privadas e públicas, os órgãos públicos

Leia mais

Alexandre Enzweiler, Gabriel de Almeida e Yvo Pitol 22/04/2013

Alexandre Enzweiler, Gabriel de Almeida e Yvo Pitol 22/04/2013 CIPA Comissão Interna de Prevenção de Acidentes NR-5 Alexandre Enzweiler, Gabriel de Almeida e Yvo Pitol 22/04/2013 Atribuições iniciais Criada em 1934 e regulamentada somente em 1978 juntamente com outras

Leia mais

CIPA COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTE

CIPA COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTE CIPA COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTE OBJETIVO Prevenir acidentes e doenças decorrentes do trabalho, de modo a tornar compatível permanentemente o trabalho com a preservação da vida e a promoção

Leia mais

NORMA REGULAMENTADORA 5 - NR 5 COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES DO OBJETIVO

NORMA REGULAMENTADORA 5 - NR 5 COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES DO OBJETIVO Page 1 of 7 NORMA REGULAMENTADORA 5 - NR 5 COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES DO OBJETIVO 5.1 a Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA - tem como objetivo a prevenção de acidentes e

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

SESMT SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E EM MEDICINA DO TRABALHO.

SESMT SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E EM MEDICINA DO TRABALHO. EMPRESA Conforme o Art. 157 da CLT - Consolidação das Leis Trabalhistas Cabe às empresas: Cumprir e fazer cumprir as normas de segurança e medicina do trabalho; Instruir os empregados, através de ordens

Leia mais

ESF Estratégia de Saúde da Família GESTÃO DE PESSOAS. 40 Relatório de Gestão 2014. Copyright. Proibida cópia ou reprodução sem autorização do IABAS.

ESF Estratégia de Saúde da Família GESTÃO DE PESSOAS. 40 Relatório de Gestão 2014. Copyright. Proibida cópia ou reprodução sem autorização do IABAS. ESF Estratégia de Saúde da Família GESTÃO DE PESSOAS 40 Relatório de Gestão 2014 B lanço Soci l ESF Estratégia de Saúde da Família Relatório de Gestão 2014 41 GESTÃO DE PESSOAS Gestão de Pessoas Com o

Leia mais

FAP Faculdade de Apucarana CESUAP Centro de Ensino Superior de Apucarana CNPJ 73243164/0001-13. NR5 - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes

FAP Faculdade de Apucarana CESUAP Centro de Ensino Superior de Apucarana CNPJ 73243164/0001-13. NR5 - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes NR5 - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes DO OBJETIVO 5.1 a Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA - tem como objetivo a prevenção de acidentes e doenças decorrentes do trabalho, de modo

Leia mais

RRelevância do curso. OObjetivo do curso. FFundamentação Teórica: ATENDIMENTO E POSTURA NO AMBIENTE DE TRABALHO. Público-alvo

RRelevância do curso. OObjetivo do curso. FFundamentação Teórica: ATENDIMENTO E POSTURA NO AMBIENTE DE TRABALHO. Público-alvo Vigilantes, vigias, porteiros ou interessados em ingressar nessas funções. A empresa que presta serviços de vigilância tem a grande preocupação de manter a segurança de seu cliente, mas também de não receber

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável do Brasil INDICAR NESTE QUADRO EM QUE REVISÃO ESTÁ CADA FOLHA. APROVAÇÃO T.E Nome Rubrica Nome Rubrica E DIREX

Desenvolvimento Sustentável do Brasil INDICAR NESTE QUADRO EM QUE REVISÃO ESTÁ CADA FOLHA. APROVAÇÃO T.E Nome Rubrica Nome Rubrica E DIREX Desenvolvimento Sustentável do Brasil Nº Fls.: 01/18 INDICAR NESTE QUADRO EM QUE REVISÃO ESTÁ CADA FOLHA Rev/ Rev/ Fls. 01 02 03 04 05 06 07 08 09 Fls. 01 02 03 04 05 06 07 08 09 01 16 02 17 03 18 04 19

Leia mais

GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO COM FOCO NO ESTRESSE OCUPACIONAL: UM BREVE ESTUDO DE CASO NA CHESF

GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO COM FOCO NO ESTRESSE OCUPACIONAL: UM BREVE ESTUDO DE CASO NA CHESF GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO COM FOCO NO ESTRESSE OCUPACIONAL: UM BREVE ESTUDO DE CASO NA CHESF Autor(a): Karla Theonila Vidal Maciel Freitas 1 Introdução As empresas estão dando, cada vez mais,

Leia mais

Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos. *Operários (1933) Tarsila do Amaral.

Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos. *Operários (1933) Tarsila do Amaral. Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos *Operários (1933) Tarsila do Amaral. A Função Administrativa RH É uma função administrativa compreendida por um conjunto de

Leia mais

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Capítulo 2 Conceitos de Gestão de Pessoas - Conceitos de Gestão de Pessoas e seus objetivos Neste capítulo serão apresentados os conceitos básicos sobre a Gestão

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Campus de Francisco Beltrão Estágio Supervisionado em Administração

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Campus de Francisco Beltrão Estágio Supervisionado em Administração UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Campus de Francisco Beltrão Estágio Supervisionado em Administração Formulário de Roteiro do Diagnóstico Organizacional Seqüência das partes

Leia mais

Prefeitura Municipal de São Pedra dos Ferros

Prefeitura Municipal de São Pedra dos Ferros CNPJ/MF. nº 19.243.500/0001-82 Código do Município: 847-8 Praça Prefeito Armando Rios, 186-Centro - 35360-000 São Pedra dos Ferros-MG lei no 101, de 08 de maio de 2014. DISPÕE SOBRE A CONSTITUiÇÃO DA COMISSÃO

Leia mais

12 - GERENCIAMENTO DE RISCOS

12 - GERENCIAMENTO DE RISCOS Módulo II STH - SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO 12 - GERENCIAMENTO DE RISCOS BASES TÉCNICAS PARA O CONTROLE DOS FATORES DE RISCO E A MELHORIA DOS AMBIENTES E CONDIÇÕES DE TRABALHO A eliminação ou a redução

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ BRUNA SEDREZ. Trabalho de conclusão de Estágio DIAGNÓSTICO DA FUNÇÃO DE RECURSOS HUMANOS NO RESTAURANTE DOM PAIOLO

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ BRUNA SEDREZ. Trabalho de conclusão de Estágio DIAGNÓSTICO DA FUNÇÃO DE RECURSOS HUMANOS NO RESTAURANTE DOM PAIOLO UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ BRUNA SEDREZ Trabalho de conclusão de Estágio DIAGNÓSTICO DA FUNÇÃO DE RECURSOS HUMANOS NO RESTAURANTE DOM PAIOLO ITAJAÍ 2014 BRUNA SEDREZ Trabalho de conclusão de Estágio

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO NORMA N-134.0002

POLÍTICA DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO NORMA N-134.0002 POLÍTICA DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO NORMA N-134.0002 POLÍTICA DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO Norma N-134.0002 Estabelece as diretrizes da política de segurança e saúde do trabalho na Celesc, definindo

Leia mais

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e PORTARIA SSST Nº 11, de 13/10/1994 "Publica a minuta do Projeto de Reformulação da Norma Regulamentadora nº 9 - Riscos Ambientais com o seguinte título: Programa de Proteção a Riscos Ambientais". A SECRETARIA

Leia mais

POLÍTICA DE HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO

POLÍTICA DE HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO POLÍTICA DE HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO Toda empresa deve adotar uma Política de Higiene e Segurança do Trabalho e ao adotar políticas para as suas atividades, as empresas passam a dispor de instrumentos

Leia mais

FACULDADES SPEI Curso de Administração MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DAS FACULDADES SPEI

FACULDADES SPEI Curso de Administração MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DAS FACULDADES SPEI FACULDADES SPEI Curso de Administração MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DAS FACULDADES SPEI CURITIBA 2009 Manual de Estágios Matriz Curricular 2009 2 1. APRESENTAÇÃO Este manual

Leia mais

Processos de Recursos Humanos

Processos de Recursos Humanos Gestão Integrada RH Recursos Humanos Unida 2 Rosemeri da Silva Paixão Recursos Humanos 28 Gestão Integrada RH Sumário Introdução... 30 Objetivos... 31 Estrutura da Unida... 31 UNIDADE 2: Recursos Humanos

Leia mais

CIPA Comissão Interna de Prevenção de Acidentes

CIPA Comissão Interna de Prevenção de Acidentes CIPA Comissão Interna de Prevenção de Acidentes Disciplina: Segurança do Trabalho Alunos: Douglas Jeronymo Serra João Longo Profᵃ. Elizabeth Cox História da CIPA A Comissão Interna de Prevenção de Acidentes

Leia mais

O PROCESSO DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE UMA EMPRESA DO RAMO DE SILVICULTURA

O PROCESSO DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE UMA EMPRESA DO RAMO DE SILVICULTURA O PROCESSO DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE UMA EMPRESA DO RAMO DE SILVICULTURA Flávia Regina Graciano; Lucimara Araújo; Priscila Siqueira Campos; Sabrina Eduarda Mendes Magalhães; Tathiane Mendes Barbosa;

Leia mais

Constituição da CIPA: 5.2. Devem constituir CIPA, por estabelecimento...

Constituição da CIPA: 5.2. Devem constituir CIPA, por estabelecimento... 1 Modelos de Documentos para a constituição da CIPA Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - Data: 02/01/2006. Realização: Gerência de Políticas de Prevenção e Saúde Ocupacional Objetivos da CIPA:

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO

POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO Política de SEGURANÇA Política de SEGURANÇA A visão do Grupo Volvo é tornar-se líder

Leia mais

LEI N 501, DE 02 DE JULHO DE 2009.

LEI N 501, DE 02 DE JULHO DE 2009. Pág. 1 de 6 LEI N 501, DE 02 DE JULHO DE 2009. CRIA COMISSÃO DE HIGIENE, SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO CIPA E A COMISSÃO GERAL DE HIGIENE, SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO CIPAG, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO Segundo a OMS, a verificação de condições de Higiene e Segurança consiste num estado de bem-estar estar físico, mental e social e não somente a ausência de doença e enfermidades.

Leia mais

RETURN ASSESSORIA E CONSULTORIA EMPRESARIAL LTDA CONSULTORIA:

RETURN ASSESSORIA E CONSULTORIA EMPRESARIAL LTDA CONSULTORIA: RETURN ASSESSORIA E CONSULTORIA EMPRESARIAL LTDA CONSULTORIA: UMA TECNOLOGIA DE PONTA VOLTADA PARA O LUCRO E QUALIDADE INFORMAÇÕES CADATRAIS RAZÃO SOCIAL: RETURN ASSESSORIA E CONSULTORIA EMPRESARIAL LTDA.

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS

NORMAS REGULAMENTADORAS NORMAS REGULAMENTADORAS As Normas Regulamentadoras estabelecem critérios e procedimentos obrigatórios relacionados à segurança e medicina do trabalho, que devem ser seguidos por empresas de acordo com

Leia mais

Administração e Gestão de Pessoas

Administração e Gestão de Pessoas Administração e Gestão de Pessoas Aula Gestão de Pessoas Prof.ª Marcia Aires www.marcia aires.com.br mrbaires@gmail.com Percepção x trabalho em equipe GESTÃO DE PESSOAS A Gestão de Pessoas é responsável

Leia mais

Sistema de Gestão de SMS

Sistema de Gestão de SMS DESCRIÇÃO DA EMPRESA Nome SMART EXPRESS TRANSPORTES LTDA EPP CNPJ 12.103.225/0001-52 Insc.Est. 79.477.680 Atividade: transporte rodoviário de carga em geral Código: 206-2 Nº de funcionários (inclusive

Leia mais

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 02 1 OBJETIVO DO MANUAL... 03 2 CONCEITOS UTILIZADOS... 04 3 POLÍTICA DE CARGOS E SALÁRIOS... 06 4 POLÍTICA DE CARREIRA... 07 5 AVALIAÇÃO

Leia mais

Política de Gestão de Pessoas

Política de Gestão de Pessoas julho 2010 5 1. Política No Sistema Eletrobras, as pessoas são agentes e beneficiárias do fortalecimento organizacional, contribuindo para a competitividade, rentabilidade e sustentabilidade empresarial.

Leia mais

A GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

A GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO R & W Engenharia Fundada em 19 de abril de 1991. Prestação de serviços em segurança do trabalho atendendo em especial as NRs6, 9, 13, 15, 16 e 17 com emissão de laudos técnicos. Treinamentos como: Cipa,

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DO MARANHÃO Rua Barão de Itapary, 227 - Centro CEP: 65.070-020 São Luís-MA. NATALINO SALGADO FILHO Reitor

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DO MARANHÃO Rua Barão de Itapary, 227 - Centro CEP: 65.070-020 São Luís-MA. NATALINO SALGADO FILHO Reitor 30 HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DO MARANHÃO Rua Barão de Itapary, 227 - Centro CEP: 65.070-020 São Luís-MA NATALINO SALGADO FILHO Reitor JOYCE SANTOS LAGES Superintendente EURICO SANTOS NETO Gerente Administrativo

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente 2013. Qualificação: SEM CERTIFICAÇÃO TÉCNICA

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente 2013. Qualificação: SEM CERTIFICAÇÃO TÉCNICA Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC Dr. Francisco Nogueira de Lima Código:059 Município: CASA BRANCA Área Profissional: AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA Habilitação Profissional: TÉCNICO EM SEGURANÇA

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ANA LAURA CANASSA BASSETO (UTFPR) alcanassa@hotmail.com Caroline Marqueti Sathler (UTFPR)

Leia mais

SESMT - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO

SESMT - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO SESMT - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO Aline Barbosa Pinheiro Prof. Andréia Alexandre Hertzberg Centro Universitário Leonardo da Vinci UNIASSELVI Graduação Tecnológica

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 5: ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 5.1 Conceito de ARH Sem as pessoas e sem as organizações não haveria ARH (Administração de Recursos Humanos). A administração de pessoas

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE FONOAUDIOLOGIA

CONSELHO FEDERAL DE FONOAUDIOLOGIA RESOLUÇÃO CFFa nº 467, de 24 de abril de 2015. Dispõe sobre as atribuições e competências relativas ao profissional fonoaudiólogo Especialista em Fonoaudiologia do Trabalho, e dá outras providências. O

Leia mais

A CIPA Comissão Interna de Prevenção de Acidentes de Trabalho no Brasil

A CIPA Comissão Interna de Prevenção de Acidentes de Trabalho no Brasil A CIPA Comissão Interna de Prevenção de Acidentes de Trabalho no Brasil Pesquisa revela que a CIPA é uma ferramenta indispensável para a prevenção de acidentes e doenças do trabalho e melhorias nas condições

Leia mais

PRÊMIO PROTEÇÃO BRASIL 2014

PRÊMIO PROTEÇÃO BRASIL 2014 PRÊMIO PROTEÇÃO BRASIL 2014 1. OBJETIVOS O Prêmio Proteção Brasil de Saúde e Segurança do Trabalho visa reconhecer o esforço de organizações e profissionais na melhoria do ambiente de trabalho dos brasileiros

Leia mais

Capacitação Continuada de Recursos Humanos: Um Programa para os Funcionários da Fundação Hospitalar de Camboriú

Capacitação Continuada de Recursos Humanos: Um Programa para os Funcionários da Fundação Hospitalar de Camboriú 1 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Daniela Alves TRABALHO DE CONCLUSÃO DE ESTÁGIO Capacitação Continuada de Recursos Humanos: Um Programa para

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS ASSUNTO PADRONIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, A SEREM EXECUTADAS PELAS EMPRESAS CONTRATADAS PELA INFRAERO RESPONSÁVEL DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO (DA) GERÊNCIA DE DINÂMICA LABORAL

Leia mais

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo:

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo: 3 METODOLOGIA Apresenta-se a seguir a descrição da metodologia utilizada neste trabalho com o objetivo de expor os caminhos que foram percorridos não só no levantamento dos dados do estudo como também

Leia mais

O PLANEJAMENTO ESTRATÉGIO EM RECURSOS HUMANOS: Um Estudo de Caso das Melhores Empresas para se Trabalhar segundo o Guia VOCÊ S/A EXAME

O PLANEJAMENTO ESTRATÉGIO EM RECURSOS HUMANOS: Um Estudo de Caso das Melhores Empresas para se Trabalhar segundo o Guia VOCÊ S/A EXAME O PLANEJAMENTO ESTRATÉGIO EM RECURSOS HUMANOS: Um Estudo de Caso das Melhores Empresas para se Trabalhar segundo o Guia VOCÊ S/A EXAME Felipe Barbetta Soares da Silva 1, Vilma da Silva Santos 2, Paulo

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU EMENTA MBA GESTÃO DE VAREJO

PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU EMENTA MBA GESTÃO DE VAREJO MBA GESTÃO DE VAREJO 1 - FORMAÇÃO DE PREÇO E ANÁLISE DE MARGEM NO VAREJO: Ementa: Conhecer o conceito de lucro na visão da precificação baseada no custo; demonstrar termos utilizados na formação de preço

Leia mais

A GESTÃO DA QUALIDADE ORGANIZACIONAL 1

A GESTÃO DA QUALIDADE ORGANIZACIONAL 1 A GESTÃO DA QUALIDADE ORGANIZACIONAL 1 FRANCESCHI, Franciéli Rosa de 2 ; LORENZETT, Daniel Benitti 2 ; NEUHAUS, Mauricio 3 ; COSTA, Vanessa de Matos da 2 ; ROSSATO, Marivane Vestena 2 ; PEGORARO, Delvan

Leia mais

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa 3 Metodologia Neste capítulo é descrita a metodologia da presente pesquisa, abordandose o tipo de pesquisa realizada, os critérios para a seleção dos sujeitos, os procedimentos para a coleta, o tratamento

Leia mais

Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas

Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas Responsável: Diretoria de Administração (DA) Superintendência de Recursos Humanos (DARH) Gerência de Dinâmica Laboral

Leia mais

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 CENTRO DA QUALIDADE, SEGURANÇA E PRODUTIVIDADE PARA O BRASIL E AMÉRICA LATINA PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 Diretrizes para auditorias de sistemas de gestão da qualidade e/ou ambiental

Leia mais

Visão, Missão e Valores do Grupo Bravante

Visão, Missão e Valores do Grupo Bravante CÓDIGO DE ÉTICA O Grupo Bravante apresenta a todos os seus colaboradores o seu Código de Ética. O objetivo deste é definir com clareza os princípios e valores éticos que norteiam todos os procedimentos

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO Porto Alegre RS Abril 2010 Bianca Smith Pilla Instituto Federal de Educação,

Leia mais

Programa de Prevenção de Riscos Ambientais

Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho Os Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho (SESMT) são mantidos, obrigatoriamente, pelas

Leia mais

Parte Geral Doutrina INTRODUÇÃO DESENVOLVIMENTO LILIANA COLLINA MAIA

Parte Geral Doutrina INTRODUÇÃO DESENVOLVIMENTO LILIANA COLLINA MAIA Parte Geral Doutrina A Responsabilidade das Empresas Frente aos Programas Previdenciários SAT e PPP e as Reais Consequências para a Saúde do Trabalhador Brasileiro LILIANA COLLINA MAIA Advogada em Belo

Leia mais

COMUNICATION ON PROGRESS 2013-2014

COMUNICATION ON PROGRESS 2013-2014 DECLARAÇÃO DE APOIO CONTÍNUO PELO CHEFE EXECUTIVO A RRV Engenharia confirma o apoio contínuo aos Dez Princípios do Pacto Global, relacionados aos Direitos Humanos, Direitos do Trabalho, Proteção do Meio

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIO: UMA FERRAMENTA COM MULTIPLAS APLICAÇÕES

PLANO DE NEGÓCIO: UMA FERRAMENTA COM MULTIPLAS APLICAÇÕES 1 PLANO DE NEGÓCIO: UMA FERRAMENTA COM MULTIPLAS APLICAÇÕES Angela Brasil (Docente das Faculdades Integradas de Três Lagoas -AEMS) E-mail:angelabrasil@ibest.com.br Cleucimar Aparecida Pereira Prudente

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 16: RESULTADOS RELATIVOS À GESTÃO DE PESSOAS 16.1 Área de RH e sua contribuição O processo de monitoração é o que visa saber como os indivíduos executam as atribuições que

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL DA ELETROBRAS ELETRONORTE

POLÍTICA DE GESTÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL DA ELETROBRAS ELETRONORTE POLÍTICA DE GESTÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL DA ELETROBRAS ELETRONORTE 1 OBJETIVO... 1 2 CONCEITOS... 3 3 DIRETRIZES... 3 4 RESPOSABILIDADES... 5 5 DISPOSIÇÕES GERAIS... 5 2 1 OBJETIVO

Leia mais

NBR ISO 9001/2000 NBR ISO 9004/2000

NBR ISO 9001/2000 NBR ISO 9004/2000 NBR ISO 9001/2000 NBR ISO 9004/2000 2 Prefácio 3 A ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas é o Fórum Nacional de Normatização. As Normas Brasileiras, cujo conteúdo é de responsabilidade dos Comitês

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições

Leia mais

Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos Clientes Localização

Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos Clientes Localização 1º FORUM LISTER DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO Antônio Sampaio Diretor Técnico INTRODUÇÃO Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos

Leia mais

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas As pessoas devem ser tratadas como parceiros da organização. ( Como é isso?) Reconhecer o mais importante aporte para as organizações: A INTELIGÊNCIA. Pessoas:

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NAS ORGANIZAÇÕES

QUALIDADE DE VIDA NAS ORGANIZAÇÕES 1 QUALIDADE DE VIDA NAS ORGANIZAÇÕES Alguns pesquisadores brasileiros que se destacaram por seus trabalhos sobre Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) consideram que só recentemente a abordagem da Qualidade

Leia mais

AFT - MTE. Segurança do Trabalho Normativas 4 e 5. Prof. Anjor Mujica

AFT - MTE. Segurança do Trabalho Normativas 4 e 5. Prof. Anjor Mujica NR 4 - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E EM MEDICINA DO TRABALHO Publicação D.O.U. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07/78 Alterações/Atualizações D.O.U. Portaria SSMT

Leia mais

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes.

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes. SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S NR-1 DISPOSIÇÕES GERAIS O campo de aplicação de todas as Normas Regulamentadoras de segurança e medicina do trabalho urbano, bem como os direitos e obrigações do

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 1 FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO PIO XII CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 O currículo

Leia mais

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO (Extraído e traduzido do livro de HILL, Charles; JONES, Gareth. Strategic Management: an integrated approach, Apêndice A3. Boston: Houghton Mifflin Company, 1998.) O propósito

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG.

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Bambuí/MG - 2008 A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Ana Cristina Teixeira AMARAL (1); Wemerton Luis EVANGELISTA

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

OS 5 P S DO MARKETING NO SETOR HOTELEIRO NA CIDADE DE BAMBUÍ-MG

OS 5 P S DO MARKETING NO SETOR HOTELEIRO NA CIDADE DE BAMBUÍ-MG 1 OS 5 P S DO MARKETING NO SETOR HOTELEIRO NA CIDADE DE BAMBUÍ-MG Camila Alves Teles 1 Maria Solange dos Santos 2 Rodrigo Honório Silva 3 Romenique José Avelar 4 Myriam Angélica Dornelas 5 RESUMO O presente

Leia mais

A gestão pública a serviço de todos os brasileiros

A gestão pública a serviço de todos os brasileiros Programa da Qualidade no Serviço Público GUIA Avaliação Continuada da Gestão Pública 25 pontos A gestão pública a serviço de todos os brasileiros Programa da Qualidade no Serviço Público PQSP: Avaliação

Leia mais

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso III Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 9 a 23 de Outubro de 200 Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso Sablina

Leia mais

IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO

IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO 503 IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO Christina Garcia(1); Franciane Formighieri(2); Taciana Tonial(3) & Neimar Follmann(4)(1) Acadêmica do 4º Ano do Curso de

Leia mais

Segurança do Trabalho

Segurança do Trabalho Segurança do Trabalho CEUNES / UFES Prof. Manuel Jarufe Introdução à Segurança do Trabalho O que é a função Segurança do Trabalho? Segurança do trabalho pode ser entendida como os conjuntos de medidas

Leia mais

NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2)

NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2) Página 1 de 6 NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2) 7.1. Do objeto. 7.1.1. Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece a obrigatoriedade de elaboração e implementação, por parte

Leia mais

NR 4. SESMT Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho. Portaria 3.214 de 08 de junho de 1978

NR 4. SESMT Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho. Portaria 3.214 de 08 de junho de 1978 NR 4 SESMT Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho Portaria 3.214 de 08 de junho de 1978 A Norma Regulamentadora 4, cujo título é Serviços Especializados em Engenharia

Leia mais

INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos

INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos Cláudia Peixoto de Moura Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS E-mail: cpmoura@pucrs.br Resumo do Trabalho:

Leia mais

Regulamento de Recursos Humanos

Regulamento de Recursos Humanos Diretoria de Administração e Planejamento Novembro de 2001 Este regulamento estabelece as diretrizes e normas a serem adotadas pela RNP na gestão dos seus recursos humanos, aprovado na 2ª Reunião Ordinária

Leia mais

Segurança Do Trabalho Descomplicada

Segurança Do Trabalho Descomplicada Autor: Antônio Carlos Zeferino www.segurancadotrabalhoacz.com.br - Página 1 de 19 PRINCIPAIS TÓPICOS - NR 04 - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E EM MEDICINA DO TRABALHO (SESMT). QUADRO

Leia mais

NR4- SESMT. Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho. Alunos:

NR4- SESMT. Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho. Alunos: NR4- SESMT Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho UFMS Faculdade de Engenharia Civil Prof. MSc. Elizabeth Spengler Cox e M. Leite Alunos: Jeverson Vasconcelos de Souza

Leia mais

Motivação. O que é motivação?

Motivação. O que é motivação? Motivação A motivação representa um fator de sobrevivência para as organizações, pois hoje é um dos meios mais eficazes para atingir objetivos e metas. Além de as pessoas possuírem conhecimento, habilidades

Leia mais

Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente

Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente PERFIL PROFISSIONAL Profissional capaz de orientar e intervir na realidade do processo produtivo, promovendo mudanças em relação às aplicações tecnológicas

Leia mais

Aprovadas pela Portaria 3214 de 08/06/1978. Revogadas NR rurais em 15/04/2008

Aprovadas pela Portaria 3214 de 08/06/1978. Revogadas NR rurais em 15/04/2008 Ministério Trabalho e Emprego -CLT Aprovadas pela Portaria 3214 de 08/06/1978 36 NR (última( (19/04/2013 Segurança e Saúde no Trabalho em Empresas de Abate e Processamento de Carnes e Derivados) Revogadas

Leia mais

2.1 ESTRUTURAÇÃO DA FORÇA DE VENDAS

2.1 ESTRUTURAÇÃO DA FORÇA DE VENDAS 2.1 ESTRUTURAÇÃO DA FORÇA DE VENDAS Para Cobra (1994, p.46) a estruturação da força de vendas divide-se em quatro funções da administração: planejamento, organização, direção e controle. Abaixo segue os

Leia mais

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO - SST No Brasil a Segurança e Medicina no Trabalho é regulamentada pela portaria 3214/78, atualmente com 36 Normas Regulamentadoras do Ministério

Leia mais