1.º Aditamento à LICENÇA AMBIENTAL n.º 93, de 17 de Junho de 2008

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1.º Aditamento à LICENÇA AMBIENTAL n.º 93, de 17 de Junho de 2008"

Transcrição

1 1.º Aditamento à LICENÇA AMBIENTAL n.º 93, de 17 de Junho de 2008 Nos termos da legislação relativa à Prevenção e Controlo Integrados da Poluição (PCIP), é emitido o 1º Aditamento à Licença Ambiental do operador Cemopol Celuloses Moldadas Portuguesas, Lda. com o Número de Identificação de Pessoa Colectiva (NIPC) , para a instalação Cemopol Celuloses Moldadas Portuguesas, Lda. Sita na freguesia e concelho de Pombal, A presente licença é válida até 17 de Junho de 2015 Amadora, 1 de Abril de 2011 O Director-Geral Mário Grácio

2 Este aditamento é parte integrante da Licença Ambiental n.º 93/2008, de 17 de Junho de Alteração ao ponto 1. (PREÂMBULO) Esta Licença Ambiental (LA) é emitida ao abrigo do Decreto-Lei n.º 194/2000, de 21 de Agosto, relativo à Prevenção e Controlo Integrados da Poluição (Diploma PCIP), para a instalação Cemopol Celuloses Moldadas Portuguesas, Lda, para a actividade principal de fabrico de artigos de celulose moldada e para a actividade secundária de produção de electricidade e vapor em central de co-geração, às quais correspondem as seguintes capacidades licenciadas: 50 ton/dia, no que se refere à capacidade instalada de produção celulose moldada [CAE REV3 n.º Fabricação de outros artigos de pasta de papel, de papel e de cartão 1 ]; kw ( kva), no que se refere à potência eléctrica instalada na central de co-geração, Turbinas 1 e 2, respectivamente [actividade classificada através da CAE Rev.3 n.º Produção de electricidade de origem térmica 2 ]. A actividade PCIP realizada na instalação é a produção de celulose moldada, a partir de papéis reciclados, incluída na categoria 6.1b) do Anexo I do Diploma PCIP, com uma capacidade instalada de 50 t/dia. A instalação fica também autorizada a valorizar, através da sua incorporação no processo produtivo, os resíduos com os códigos LER (embalagens de papel e cartão), (papel e cartão) e LER (papel e cartão) e, com uma capacidade de processamento de 50 t/dia correspondendo essa actividade, de acordo com o Anexo III da Portaria n.º 209/2004, de 3 de Março, a uma operação de valorização R3. Esta Licença Ambiental (LA) é emitida ao abrigo do Decreto-Lei n.º 194/2000, de 21 de Agosto, relativo à Prevenção e Controlo Integrados da Poluição (Diploma PCIP), para a instalação Cemopol Celuloses Moldadas Portuguesas, Lda, para a actividade principal de fabrico de artigos de celulose moldada e para a actividade secundária de produção de electricidade e calor em central de co-geração, às quais correspondem as seguintes capacidades licenciadas: 50 ton/dia, no que se refere à capacidade instalada de produção celulose moldada [CAE REV3 n.º Fabricação de outros artigos de pasta de papel, de papel e de cartão 3 ]; kw ( kva), no que se refere à potência eléctrica instalada na central de co-geração, Turbinas 1 e 2, respectivamente [actividade classificada através da CAE Rev.3 n.º Produção de electricidade de origem térmica 4 ]. A actividade PCIP realizada na instalação é a produção de celulose moldada, a partir de papéis reciclados, incluída na categoria 6.1b) do Anexo I do Diploma PCIP, com uma capacidade instalada de 50 t/dia. 1 Actividade anteriormente classificada através da CAERev (Fabricação de artigos de pasta de papel, de papel e de cartão, n.e.). 2 Actividade anteriormente classificada através da CAERev (Produção de electricidade). 3 Actividade anteriormente classificada através da CAERev (Fabricação de artigos de pasta de papel, de papel e de cartão, n.e.). 4 Actividade anteriormente classificada através da CAERev (Produção de electricidade). Página 2 de 17

3 A instalação fica também autorizada a valorizar, através da sua incorporação no processo produtivo, os resíduos com os códigos LER (rejeitados de fibras e lamas de fibras, fillers e revestimentos provenientes da separação mecânica), LER (outros resíduos não anteriormente especificados) LER (embalagens de papel e cartão), LER (papel e cartão) e LER (papel e cartão) e, com uma capacidade de processamento de 50 t/dia correspondendo essa actividade, de acordo com o Anexo III da Portaria n.º 209/2004, de 3 de Março, a uma operação de valorização R3. Página 3 de 17

4 Alteração ao ponto Condições gerais de operação A instalação deve ser operada de forma a serem aplicadas todas as regras de boas práticas e medidas de minimização das emissões durante as fases de arranque e de paragem, bem como no que se refere a emissões difusas e/ou fugitivas, durante o funcionamento normal da instalação. Em caso da ocorrência de acidente com origem na operação da instalação deverá ser efectuado o previsto no ponto 5 da licença (Gestão de situações de emergência), salientandose que a notificação deverá incluir os períodos de ocorrência e, sempre que aplicável, os caudais excepcionais descarregados. Qualquer alteração do regime de funcionamento normal da instalação deverá ser comunicada à APA. A gestão dos equipamentos utilizados na actividade deve ser efectuada tendo em atenção a necessidade de controlar o ruído, particularmente através da utilização de equipamentos que, sempre que aplicável, se encontrem de acordo com o Regulamento das Emissões Sonoras para o Ambiente do Equipamento para Utilização no Exterior, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 221/2006, de 8 de Novembro. Página 4 de 17

5 Alteração ao ponto (Operação de gestão de resíduos) Valorização de resíduos no processo produtivo Inerente à actividade de produção de artigos de celulose moldada, realizada na instalação, e em condições do normal funcionamento desta actividade, ocorre por valorização material a incorporação no processo produtivo do resíduo não perigoso embalagens de papel e cartão e resíduos de papel e cartão, proveniente de terceiros, identificados com os códigos LER , e Valorização de resíduos no processo produtivo Inerente à actividade de produção de artigos de celulose moldada, realizada na instalação, e em condições do normal funcionamento desta actividade, ocorre por valorização material a incorporação no processo produtivo do resíduo não perigoso embalagens de papel e cartão e resíduos de papel e cartão, proveniente de terceiros, identificados com os códigos LER , e e rejeitados de fibras e lamas de fibras, fillers e revestimentos provenientes da separação mecânica, identificados com o código LER e outros resíduos não anteriormente especificados, identificados com o código LER Página 5 de 17

6 Alteração ao ponto (Águas Residuais e Pluviais) Na instalação existem duas redes separativas de águas residuais, nomeadamente: a) Águas residuais domésticas, provenientes das instalações sanitárias, sociais e balneários, existentes; b) Águas residuais industriais provenientes do fabrico da pasta, lavagem dos moldes, scrubbers, lavagens de clichés, oficina, zona dos compressores e dos aditivos. Os efluentes domésticos (indicados em a)) são encaminhados para a rede de esgotos domésticos do Parque Industrial Manuel da Mota, onde se localiza a instalação. No que se refere às águas residuais industriais (indicadas em b)), estas são encaminhadas para a estação de tratamento de águas residuais industriais (ETARI) da instalação, com uma capacidade de tratamento de 170 m 3 /dia e um sistema de tratamento de lamas activadas de arejamento prolongado, precedido por um tratamento de floculação/ flotação por ar dissolvido. A figura seguinte apresenta um diagrama de processo do tratamento dos efluentes industriais da Cemopol, apresentando-se no Anexo I.1 uma descrição pormenorizada deste sistema de tratamento. Efluente Bruto Tanque Pulmão T101 Tamisador de Finos S201 Sólidos para Destino Final Floculante Neutralizante Tanque de Homogeneização T201 Tubo Floculador M202 Coagulante Flotação poor Ar Dissolvido F201 Ar Nutrientes Tanque de Arejamento T301 Ar Decantador Secundário T401 Efluente Tratado Tanque de Lamas T501 Lamas para Desidratação Figura 1 Diagrama do Processo de Tratamento dos Efluentes Industriais da Cemopol Página 6 de 17

7 Após o processo de decantação secundária, o clarificado, livre de sólidos em suspensão, é descarregado graviticamente para o ponto de descarga ED1 que enviará o efluente tratado para o colector municipal, sendo posteriormente encaminhado para a Estação de Tratamento de Águas Residuais (ETAR) de Pombal. As lamas geradas na ETARI são posteriormente misturadas com as lamas geradas no processo fabril e enviadas para a desidratação de lamas por centrífuga, processo externo à ETARI e integrante do processo fabril. Há uma reutilização parcial das águas residuais industriais nos processos, designadamente: As águas de refrigeração (arrefecimento de máquinas) são colectadas, através da rede de drenagem interna, num fosso de recepção que as distribui para os depósitos de águas coladas para reintrodução no pulper. Apenas quando os depósitos de águas coladas estão cheios, a água do fosso (excedente), é enviada para a ETARI para tratamento final antes de ser descarregada no colector municipal; A água removida na operação de moldagem é recolhida nas caixas de nível (D05 e 2D05) das duas linhas, é clarificada, por flotação com injecção de ar (KROFTA), para ser reintroduzida no processo. Este circuito constitui um circuito independente designado por circuito de águas flotadas Após o tratamento a água flotada é recolhida nos respectivos depósitos de cada linha (D18 e 2D13), a partir dos quais é distribuída aos diversos utilizadores: chuveiros das moldadoras; ajuste de consistência; apoio ao circuito de águas coladas, etc. Cada linha de produção dispõe de um sistema de flotação por injecção de ar (KROFTA) para clarificação da água a reintroduzir no processo. Circuitos de água de arrefecimento das bombas de vácuo, com circuito fechado independente, arrefecem os equipamentos e voltam às torres de refrigeração (tipo atmosférico), onde os valores da temperatura diminuem, para que possam ser novamente reutilizadas. As eventuais perdas verificadas por evaporação são repostas com água fresca. Dadas as suas características bacteriológicas o circuito é mantido separado dos restantes. As águas pluviais geradas na instalação são recolhidas por duas redes de drenagem compostas por colectores enterrados, sumidouros e caixas de ligação, as quais são encaminhadas para dois pontos de descarga distintos: rede do pluvial do parque industrial e terreno camarário. As águas provenientes de zonas de circulação pavimentadas, incluindo parque de estacionamento coberto e báscula, bem como parte da água recolhida das caleiras dos edifícios são encaminhadas para o ponto de descarga ED 3, correspondente ao ponto de ligação ao colector da rede de águas pluviais do Parque Industrial Manuel da Mota. As águas de drenagem das áreas exteriores correspondentes ao cais de descarga, armazenagem exterior de paletes são descarregadas nos terrenos camarários localizados a norte da instalação no ponto ES 1. As águas pluviais potencialmente contaminadas, do novo depósito de armazenagem de gasóleo, passam por um separador de hidrocarbonetos, sendo posteriormente encaminhadas para o colector municipal. As escorrências das águas pluviais do parque de armazenamento de matérias-primas (papel e cartão) são encaminhadas para a ETARI da Cemopol. Qualquer alteração nas redes de drenagem das águas residuais deverá ser participada previamente à APA. Página 7 de 17

8 Alteração ao ponto (Resíduos) Na instalação estão identificados quatro locais de armazenamento temporário de resíduos, com as seguintes características e funções: - PA 1 parque de armazenamento, com 425 m 2 de área impermeabilizada, não vedada, constituído por áreas distintas para os diferentes tipos de resíduos nãoperigosos (designadamente rejeitados mecanicamente separados do fabrico de pasta a partir de papel e cartão usados, lamas do tratamento local de efluentes, arame, embalagens de plástico, metais) e perigosos (embalagens contaminadas com produtos químicos). Na zona parcialmente coberta do parque (cerca de 225 m 2 ) encontram-se armazenados parte dos resíduos não-perigosos e a totalidade dos resíduos perigosos. Na área respeitante ao armazenamento de lamas do tratamento local de efluentes, existe um sistema de drenagem de águas residuais, que encaminha as águas pluviais potencialmente contaminadas para a ETARI; - PA 2 parque de armazenamento de embalagens de madeira (resíduos de paletes), com 675 m 2 de área não impermeabilizada, não coberta e sem vedação; - PA 3 parque de armazenamento de tubagens metálicas, com 225 m 2, de área não impermeabilizada, não coberta e sem vedação; - PA4 parque de armazenamento de óleos usados, no interior da oficina da instalação, com uma bacia de retenção de 0,4 m 3. Na instalação estão identificados cinco locais de armazenamento temporário de resíduos, com as seguintes características e funções: - PA 1 parque de armazenamento, com 425 m 2 de área impermeabilizada, não vedada, onde são armazenados rejeitados mecanicamente separados do fabrico de pasta a partir de papel e cartão usados, lamas do tratamento local de efluentes, embalagens de plástico, misturas de embalagens e ferro e aço e tubagens metálicas. Na área respeitante ao armazenamento de lamas do tratamento local de efluentes, existe um sistema de drenagem de águas residuais, que encaminha as águas pluviais potencialmente contaminadas para a ETARI; - PA 2 parque de armazenamento de embalagens de madeira, armazenadas num contentor metálico, com 675 m 2 de área não impermeabilizada, não coberta e sem vedação; - PA 3 parque de armazenamento com 225 m 2, de área não impermeabilizada, não coberta e sem vedação. - PA4 armazenamento temporário de baterias e resíduos eléctricos e electrónicos, em contentores ECOBAT e em PEAD. Trata-se de um local na zona de utilização de equipamento e consumíveis de produção, com área totalmente coberta e impermeabilizada. - PA5 - parque de armazenamento de óleos usados, no interior da oficina da instalação, com uma bacia de retenção de 0,4 m 3. Página 8 de 17

9 Alteração ao ponto (Emissões Atmosféricas) Ainda no que respeita às Fontes FF5 e FF6, estas deverão ser intervencionadas, no prazo de 12 meses, de modo a serem removidas as estruturas físicas que condicionam a boa dispersão dos poluentes, nomeadamente a estrutura horizontal localizada na parte final da chaminé, de acordo com o disposto no n.2 do art.º 32º do Decreto-Lei n.º 78/2004, de 3 de Abril. Ainda no que respeita às Fontes FF5 e FF6, estas deverão ser intervencionadas, no prazo de 12 meses, após a emissão do presente aditamento, de modo a serem removidas as estruturas físicas que condicionam a boa dispersão dos poluentes, nomeadamente a estrutura horizontal localizada na parte final da chaminé, de acordo com o disposto no n.2 do art.º 32º do Decreto-Lei n.º 78/2004, de 3 de Abril. Desta forma, sugere-se a substituição da referida curvatura por um chapéu de saída de água que não condiciona a boa dispersão dos gases. Página 9 de 17

10 Alteração ao ponto (Controlo das emissões para a atmosfera) Um relatório síntese das emissões para o ar deve ser integrado como parte do RAA contendo a seguinte informação: - indicação do número de horas de funcionamento anual de cada fonte de emissão para o ar e consumo de combustível anual das fontes FF3, FF4 e FF5; - número de horas anual de funcionamento deficiente ou de avaria do equipamento de tratamento de gases das Fontes FF1 e FF2 (art 11º, nº 5); - para cada parâmetro monitorizado este relatório deverá ainda apresentar: o o os valores de concentração medidos, os caudais mássicos e a respectiva carga poluente (expressa em ton ou kg/ano), para as Fontes FF1, FF2 e FF4; Em particular para cada parâmetro monitorizado, da Fonte FF4, a respectiva carga poluente (expressa em kg/t) e ainda a indicação dos parâmetros SO 2 e NOx, expressos em mg/mj de combustível - metodologia seguida para o cálculo de todos os valores apresentados Um relatório síntese das emissões para o ar deve ser integrado como parte do RAA contendo a seguinte informação: - indicação do número de horas de funcionamento anual de cada fonte de emissão para o ar e consumo de combustível anual associado às fontes FF3, FF5 e FF6; - número de horas de funcionamento deficiente ou de avaria do equipamento de tratamento de gases das Fontes FF1 e FF2 (art 11º, nº 5) anual; - indicação do período de funcionamento dos queimadores dos dois secadores e das turbinas ao longo do ano; - para cada parâmetro monitorizado, imposto em sede de licenciamento ambiental ou caracterizado voluntariamente pelo operador no âmbito da análise de desempenho do processo, este relatório deverá ainda apresentar: o o os valores de concentração medidos, os caudais mássicos e a respectiva carga poluente (expressa em ton ou kg/ano), para as Fontes FF1, FF2 e FF4; Em particular para cada parâmetro monitorizado, da Fonte FF4, a respectiva carga poluente (expressa em kg/t) e ainda a indicação dos parâmetros SO 2 e NOx, expressos em mg/mj de combustível - metodologia seguida para o cálculo de todos os valores apresentados Página 10 de 17

11 Alteração ao ponto (Controlo de Ruído) As alterações a realizar deverão contemplar medidas de minimização das emissões de ruído que assegurem o cumprimento do Regulamento Geral do Ruído (RGR). Após o arranque da ETARI, deverá ser realizado uma nova avaliação do ruído ambiente, junto dos vários receptores sensíveis mais expostos ao ruído proveniente da actividade da instalação, para verificação do cumprimento dos critérios de exposição máxima e de incomodidade previstos no Art.º 13 º do RGR, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 9/2007, de 17 de Janeiro. No prazo de 6 meses, deverá ser enviado à Agência Portuguesa do Ambiente (APA) um relatório síntese acerca dessa avaliação, no qual devem constar os seguintes elementos: i. Cópia do relatório de avaliação de ruído realizado; ii. Planta a escala adequada e devidamente legendada, evidenciando a área de inserção da instalação e contendo a identificação dos vários receptores sensíveis com maior exposição ao ruído proveniente do funcionamento da instalação, localizados num raio mínimo de 1 km. Na planta a apresentar deverá igualmente ser efectuada a identificação dos pontos onde foram realizadas as medições de ruído; iii. Caso em algum dos pontos de avaliação se verifique incumprimento do RGR, o relatório a apresentar deverá igualmente incluir avaliação sobre as acções a adoptar, com vista à conformidade legal, bem como as eventuais medidas de minimização necessárias implementar na instalação e sua calendarização; Caso seja necessária a implementação de medidas de minimização, deverá(ão) posteriormente ser efectuada(s) nova(s) caracterização(ões) de ruído, de forma a verificar o cumprimento dos critérios de incomodidade e de exposição máxima, devendo os relatórios síntese destas novas avaliações ser igualmente incluídos no RAA (Relatório Ambiental Anual). As medições de ruído (período diurno, período do entardecer e período nocturno) deverão ser repetidas sempre que ocorram alterações na instalação ou na sua envolvente que possam ter implicações ao nível do ruído ou, se estas não tiverem lugar, deverão efectuar-se medições de ruído, com uma periodicidade máxima de 5 anos, de forma a verificar o cumprimento dos critérios de exposição máxima e de incomodidade previstos no Art.º 13 º do Regulamento Geral do Ruído (RGR), aprovado pelo Decreto-Lei n.º 9/2007, de 17 de Janeiro. Deverão ser integrados no respectivo RAA relatórios síntese correspondentes aos resultados das monitorizações efectuadas. As campanhas de monitorização, as medições e a apresentação dos resultados deverão cumprir os procedimentos constantes na Norma NP :1996 ou versão actualizada correspondente, assim como as directrizes a disponibilizar em Página 11 de 17

12 Alteração do Anexo I.1 (Descrição da actividade) Central de Cogeração Esta unidade integra um grupo gerador com potência de 950 kw (1120 kva), accionado por uma turbina a gás natural, com recuperação dos gases de combustão para utilização nos dois secadores. Os gases de escape da turbina de cogeração são enviados, através de condutas isoladas, para os circuitos de distribuição do ar que alimenta os dois secadores existindo para isso válvulas de regulação individual que se encontram abertas. Em caso de anomalia e/ou arranque os gases sofrem um by-pass, e são enviados directamente para a chaminé da própria turbina (Fonte FF5), com passagem prévia por um silenciador. Está prevista a ampliação da Central de cogeração instalação através da instalação de uma segunda turbina a gás natural com 1050 kw (1250 kva), cujos gases de escape são igualmente enviados para os circuitos de distribuição do ar que alimenta os dois secadores, existindo uma chaminé de by-pass (Fonte FF6) para situações de arranque e/ou anomalia. ETARI A Cemopol possui uma ETARI para tratamento de águas residuais industriais constituída pelos seguintes equipamentos: Tanque de gradagem ou obra de entrada; Tanque de homogeneização; Tamisador; Tanque de arejamento; Decantador; Tanque receptor de lamas; Centrifugadora. A ETARI possui ainda um canal que, em caso de emergência, permite o transbordo do efluente directamente do tanque de gradagem para o colector municipal. Está ainda prevista, para até final de 2008, a instalação de uma segunda centrifugadora, para assegurar a extracção das lamas em excesso da ETAR, bem como de um espessador de lamas, antes do encaminhamento das mesmas para o sistema de desidratação. Central de Cogeração Esta unidade integra um grupo gerador, accionado por duas turbinas a gás natural, com recuperação dos gases de combustão para utilização nos dois secadores. Os gases de escape das turbinas de cogeração são enviados, através de condutas isoladas, para os circuitos de distribuição do ar que alimenta os dois secadores existindo, para isso, válvulas de regulação individual que se encontram abertas. Em caso de anomalia e/ou arranque, os gases sofrem um by-pass e são enviados directamente para as chaminés das próprias turbinas (Fontes FF5 e FF6), com passagem prévia por um silenciador. ETARI Os órgãos de tratamento da ETARI da Cemopol são os seguintes: Tanque pulmão que tem como função receber e acumular o efluente bruto, a partir do qual é bombeado para a nova Gradagem de Finos. Este equipamento é projectado para receber o efluente bruto do processo industrial, sendo dotado de um agitador para que não haja estagnação do efluente; Gradagem de Finos, sistema instalado a montante do Tanque de Homogeneização evitando, desta forma, a deposição de sólidos de menores dimensões no fundo do mesmo; Página 12 de 17

13 Tanque de Homogeneização: permite efectuar a homogeneização e equalização das cargas e caudais a alimentar ao tratamento biológico, sendo equipado com um agitador submersível. Esta unidade é projectada para fazer face às variações existentes ao nível dos caudais e composições do efluente bruto, amortecendo os choques derivados das pontas e estabilizando as composições. Flotação de Ar Dissolvido (DAF): este equipamento é responsável pela redução inicial de carga orgânica diminuindo, deste modo, as cargas afluentes ao tratamento biológico, o que permite a melhoria deste tipo de tratamento. Esta unidade permite efectuar tratamento físico-químico (coagulação-floculação, com adição de químicos, seguida de flotação) num único equipamento. O equipamento é composto por um tubo flotador, onde são adicionados os químicos ao efluente, uma unidade automática de preparação e dosagem de polímero e uma unidade de flotação por ar dissolvido. Trata-se do método mais eficiente de separação de sólidos, óleos, gorduras e materiais fibrosos de águas residuais. Na unidade de flotação por ar dissolvido, são removidos cerca de 30%-40% da carga orgânica e 70%-90% de sólidos suspensos. Reactor biológico: o sistema preconizado para esta instalação é o de lamas activadas de arejamento prolongado, através de difusores de bolha fina e funcionamento contínuo. O reactor biológico tem uma rede de difusores de ar de membrana instalada no fundo, que garante o fornecimento de ar atmosférico. Neste tanque, através da biomassa suspensa (lamas activadas) efectua-se a biodegradação dos compostos orgânicos presentes no efluente. Por outro lado, dado tratar-se de um tanque de arejamento enterrado em betão, a descarga do clarificado da DAF para este reactor é gravítica, sem haver necessidade de uma estação elevatória. O sistema de arejamento tem em consideração as cargas efectivas do efluente, bem como a temperatura de chegada do efluente (30º C), o que implica uma necessidade de oxigénio maior que o normal. A degradação é feita por oxidação da matéria orgânica dissolvida, produzindo-se dióxido de carbono que é libertado para o ar e biomassa que age como lamas activadas. Decantador Secundário Gravítico: O efluente, tratado no reactor biológico, é conduzido para a etapa de decantação, onde os sólidos em suspensão sedimentam pela acção da gravidade e o sobrenadante, efluente tratado, é removido do sistema por transbordo, através de uma caleira de perfil triangular. Desta forma, separa-se o efluente tratado da biomassa, obtendo-se a clarificação final. Tanque de Lamas: As lamas em excesso produzidas no processo biológico bem como as lamas químicas, geradas no tratamento primário, são bombeadas para o tanque de lamas, onde permanecem enquanto aguardam a alimentação à unidade de desidratação. Devido á diferente natureza das lamas em questão, é instalado no tanque de lamas um agitador responsável pela homogeneização das lamas. Página 13 de 17

14 Alteração do Anexo I.2 (MTD adoptadas) MEDIDAS GERAIS - Sistema de Gestão Ambiental (SGA) o qual apresenta certificação externa, segundo os requisitos da norma NP EN ISO que optimiza a gestão, aumenta a consciencialização, define metas, prevê medidas, compreende instruções sobre os processos e directrizes laborais. MEDIDAS PARA REDUÇÃO DAS EMISSÕES PARA A ÁGUA - Optimização da gestão dos circuitos de água processual com clarificação por flotação e reintrodução no processo; - Clarificação das águas por flotação para utilização nos chuveiros das máquinas moldadoras; - Separação dos circuitos de água do processo e reutilização (circuito de águas frescas, circuitos de águas coladas, circuito de águas flotadas, circuito de águas residuais industriais, circuito de águas das bombas de vácuo) - Substituição de substâncias potencialmente perigosas por outras de menor perigosidade; - Tratamento primário e secundário de efluente industrial. MEDIDAS PARA REDUÇÃO DAS EMISSÕES PARA A ÁGUA - Sistema de tratamento de lamas activadas de arejamento prolongado, precedido por um tratamento de floculação/ flotação por ar dissolvido. - Optimização da gestão dos circuitos de água processual com clarificação por flotação e reintrodução no processo. - Clarificação das águas por flotação para utilização nos chuveiros das máquinas moldadoras. - Separação dos circuitos de água do processo e reutilização (circuito de águas frescas, circuitos de águas coladas, circuito de águas flotadas, circuito de águas residuais industriais, circuito de águas das bombas de vácuo). - Substituição de substâncias potencialmente perigosas por outras de menor perigosidade. MEDIDAS PARA REDUÇÃO DA PRODUÇÃO DE RESÍDUOS - Instalação de sistemas eficientes de desidratação dos rejeitos e das lamas, de forma a diminuir o seu teor em humidade; - Adequada gestão dos resíduos por forma a garantir a produção a níveis o mais baixos possíveis e recuperar, reciclar e valorizar, com consequente minimização de resíduos para eliminação; - Utilização de sistemas informáticos para controlo automático do processo produtivo, nomeadamente na preparação de pasta e alimentação às máquinas. Página 14 de 17

15 MEDIDAS PARA REDUÇÃO DA PRODUÇÃO DE RESÍDUOS - Instalação de sistemas eficientes de desidratação dos rejeitos e das lamas, de forma a diminuir o seu teor em humidade. - Adequada gestão dos resíduos por forma a garantir a produção a níveis o mais baixos possíveis e recuperar, reciclar e valorizar, com consequente minimização de resíduos para eliminação. - Procura de novas técnicas para valorização dos resíduos processuais, nomeadamente rejeitados mecanicamente separados do processo, com vista à sua valorização material ou energética. - Utilização de sistemas informáticos para controlo automático do processo produtivo, nomeadamente na preparação de pasta e alimentação às máquinas. Página 15 de 17

16 Alteração ao Anexo II. (MONITORIZAÇÃO DAS EMISSÕES DA INSTALAÇÃO E VALORES LIMITE DE EMISSÃO) Quadro II Gama de valores de emissão a obter após tratamento na ETARI complementado com tratamento na ETAR de Pombal Parâmetro Expressão dos resultados Gama de valores de emissão associados às MTD (VEA) (1) Caudal m 3 /t papel < 7 m 3 /t Carência Bioquímica de Oxigénio (CBO 5 ) Carência Química de Oxigénio (CQO) Sólidos Suspensos Totais (SST) kg/t papel < 0,05-0,15 kg/t papel 0,5-1,5 kg/t papel 0,05-0,15 Azoto Total kg/t papel 0,02-0,05 Fósforo Total kg/t papel 0,002-0,005 AOX kg/t papel < 0,005 Quadro II Valores Limite de Emissão a obter após tratamento na ETARI complementado com tratamento na ETAR de Pombal 1 Parâmetro Expressão dos resultados Valores Limite de Emissão Caudal m 3 /t papel < 7 m 3 /t Carência Bioquímica de Oxigénio (CBO 5 ) Carência Química de Oxigénio (CQO) Sólidos Suspensos Totais (SST) kg/t papel 0,15 kg/t papel 1,5 kg/t papel 0,15 Azoto Total kg/t papel 0,05 Fósforo Total kg/t papel 0,005 AOX kg/t papel 0,005 (1) Valores de caudal e cargas atingíveis com base na aplicação das Melhores Técnicas Disponíveis (MTD) do BREF P&P - Reference Document on Best Available Techniques in the Pulp and Paper Industry, Comissão Europeia, de Dezembro de Página 16 de 17

17 Quadro II.3.1 Monitorização e Valores Limite das Emissões para a Atmosfera das Fontes FF1 e FF2 (Secadores 1 e 2, respectivamente) Parâmetro VLE (1) (mg/m 3 N) Frequência de monitorização Partículas 150 SO NOx (como NO 2 ) 500 Bianual CO 1000 COT 200 VLE refere-se a um teor de 17% de O 2 e gás seco no efluente gasoso Quadro II.3.1 Monitorização e Valores Limite das Emissões para a Atmosfera das Fontes FF1 e FF2 (Secadores 1 e 2, respectivamente) Parâmetro VLE (1) (mg/m 3 N) Frequência de monitorização Partículas 150 Bianual SO em 3 anos NOx (como NO 2 ) 500 Bianual COV em 3 anos VLE refere-se a um teor de 17% de O 2 e gás seco no efluente gasoso Página 17 de 17

ETAR de Ermesinde e Alfena. Capacidade de Tratamento: Breve descrição do tratamento:

ETAR de Ermesinde e Alfena. Capacidade de Tratamento: Breve descrição do tratamento: ETAR de Ermesinde e Alfena A ETAR de Ermesinde foi projectada para tratar os efluentes urbanos provenientes da zona poente do Concelho de Valongo, abrangendo as freguesias de Ermesinde e Alfena. Esta ETAR

Leia mais

EDP - Gestão da Produção de Energia, S.A. Central Termoelétrica de Sines. Produção de Energia Elétrica e Deposição de resíduos não perigosos em aterro

EDP - Gestão da Produção de Energia, S.A. Central Termoelétrica de Sines. Produção de Energia Elétrica e Deposição de resíduos não perigosos em aterro 2.º ADITAMENTO À LICENÇA AMBIENTAL nº 300/2009 Nos termos da legislação relativa à Prevenção e Controlo Integrados da Poluição (PCIP), é emitido o 2.º Aditamento à Licença Ambiental do operador EDP - Gestão

Leia mais

ETAR de Valongo, Campo e Sobrado. Capacidade de Tratamento: Descrição do Tratamento

ETAR de Valongo, Campo e Sobrado. Capacidade de Tratamento: Descrição do Tratamento ETAR de Valongo, Campo e Sobrado A Estação de Tratamento de Águas Residuais de Valongo, Campo e Sobrado foi projectada para tratar os efluentes da zona nascente do Concelho de Valongo, abrangendo as freguesias

Leia mais

Volkswagen Autoeuropa, Lda. Volkswagen Autoeuropa, Lda.

Volkswagen Autoeuropa, Lda. Volkswagen Autoeuropa, Lda. 5.º Aditamento à LICENÇA AMBIENTAL nº 1/2004 Nos termos da legislação relativa à Prevenção e Controlo Integrados da Poluição (PCIP), é emitido o 5.º Aditamento à Licença Ambiental do operador Volkswagen

Leia mais

D.R. DO AMBIENTE Despacho n.º 1059/2012 de 25 de Julho de 2012

D.R. DO AMBIENTE Despacho n.º 1059/2012 de 25 de Julho de 2012 D.R. DO AMBIENTE Despacho n.º 1059/2012 de 25 de Julho de 2012 Nos termos e para efeitos do disposto no n.º 2 do artigo 110.º do Decreto Legislativo Regional n.º 30/2010/A, de 15 de novembro, que estabelece

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES (FAQ) NO PREENCHIMENTO DO INVENTÁRIO SIRAPA Versão de 17/05/2011

PERGUNTAS FREQUENTES (FAQ) NO PREENCHIMENTO DO INVENTÁRIO SIRAPA Versão de 17/05/2011 PERGUNTAS FREQUENTES (FAQ) NO PREENCHIMENTO DO INVENTÁRIO SIRAPA Versão de 17/05/2011 1. Geral/Acesso 1.1 Não consigo visualizar correctamente o inventário. Geralmente a visualização correcta do inventário

Leia mais

TABELA DE PREÇOS 2014

TABELA DE PREÇOS 2014 TABELA DE PREÇOS 2014 ECODEPUR - Tecnologias de Protecção Ambiental, Lda Urbanização da Chã Av. 21 de Junho, n.º 103 Apartado 8 2435-087 Caxarias PORTUGAL T. +351 249 571 500 F. +351 249 571 501 geral@ecodepur.pt

Leia mais

SISTEMA MULTIMUNICIPAL DE SANEAMENTO DO ALGARVE ETAR DA BOAVISTA

SISTEMA MULTIMUNICIPAL DE SANEAMENTO DO ALGARVE ETAR DA BOAVISTA SISTEMA MULTIMUNICIPAL DE SANEAMENTO DO ALGARVE ETAR DA BOAVISTA Paginação.indd 1 10/03/18 16:21 SISTEMA MULTIMUNICIPAL DE SANEAME 1. CONCEPÇÃO DA INFRAESTRUTURA A ETAR da Boavista contempla o tratamento

Leia mais

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 5/2013

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 5/2013 1 9 ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 5/2013 (S00537-201301) Nos termos do Artigo 33º. do Decreto-Lei n.º 178/2006, com a redação conferida pelo Decreto- Lei n.º

Leia mais

ESTUDO DO IMPACTE AMBIENTAL

ESTUDO DO IMPACTE AMBIENTAL ENERGIN AZÓIA Empresa de Cogeração Industrial, S.A. CENTRAL DE COGERAÇÃO A INSTALAR NA SOLVAY PORTUGAL (PÓVOA DE SANTA IRIA, VILA FRANCA DE XIRA) ESTUDO DO IMPACTE AMBIENTAL RESUMO NÃO TÉCNICO Maio de

Leia mais

1.º Aditamento à LICENÇA AMBIENTAL n.º 14/2008, de 22 de Fevereiro de 2008. Resiquímica Resinas Químicas, S.A. Resiquímica Resinas Químicas, S.A.

1.º Aditamento à LICENÇA AMBIENTAL n.º 14/2008, de 22 de Fevereiro de 2008. Resiquímica Resinas Químicas, S.A. Resiquímica Resinas Químicas, S.A. 1.º Aditamento à LICENÇA AMBIENTAL n.º 14/2008, de 22 de Fevereiro de 2008 Nos termos da legislação relativa à Prevenção e Controlo Integrados da Poluição (PCIP), é emitido o 1.º Aditamento à Licença Ambiental

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RESIDUOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS... 4 3. MODO OPERATIVO... 5 4. RESPONSABILIDADES...

PLANO DE GESTÃO DE RESIDUOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS... 4 3. MODO OPERATIVO... 5 4. RESPONSABILIDADES... PLANO DE GESTÃO DE RESIDUOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS... 4 3. MODO OPERATIVO... 5 3.1. FASE DE PLANEAMENTO (PRÉ-OBRA)...5 3.2. FASE DE CONSTRUÇÃO...5 3.2.1. Deposição

Leia mais

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 00081/2012 (S08958-201207)

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 00081/2012 (S08958-201207) 1 5 ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 00081/2012 (S08958-201207) Nos termos do Artigo 32º do Decreto-Lei n.º 178/2006, de 5 de Setembro, com a redação conferida

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS DOMÉSTICAS ECODEPUR SBR (E.T.A.R. COMPACTA)

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS DOMÉSTICAS ECODEPUR SBR (E.T.A.R. COMPACTA) 0 SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS DOMÉSTICAS ECODEPUR SBR (E.T.A.R. COMPACTA) ENQUADRAMENTO A ECODEPUR entende a Concepção/Construção de uma E.T.A.R. como um conjunto integrado de Operações Unitárias

Leia mais

Errata à Licença Ambiental n.º 19/2006, de 2006.06.23. Instalação Toyota Caetano Portugal, S.A. Divisão Fabril de Ovar Arada, Ovar

Errata à Licença Ambiental n.º 19/2006, de 2006.06.23. Instalação Toyota Caetano Portugal, S.A. Divisão Fabril de Ovar Arada, Ovar Errata à Licença Ambiental n.º 19/2006, de 2006.06.23 Instalação Toyota Caetano Portugal, S.A. Divisão Fabril de Ovar Arada, Ovar (ex. Salvador Caetano Indústrias Metalúrgicas e Veículos de Transporte,

Leia mais

A ETAR de Setúbal encontra-se dimensionada para as seguintes condições de base: 253 107 Habitantes equivalentes Fração de caudal industrial 28%

A ETAR de Setúbal encontra-se dimensionada para as seguintes condições de base: 253 107 Habitantes equivalentes Fração de caudal industrial 28% A Estação de Tratamento das Águas Residuais de Setúbal (ETAR de Setúbal), constitui pela sua importância para o equilibro natural, desenvolvimento económico, bem-estar e saúde da população do Concelho,

Leia mais

PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO

PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO ÍNDICE 1.- INTRODUÇÃO... 3 2.- ESPECIFICAÇÕES SOBRE AS OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO... 3 3.- PLANO DE PREVENÇÃO

Leia mais

Questionário para Subscrição de Seguro de Responsabilidade Ambiental e por Contaminação

Questionário para Subscrição de Seguro de Responsabilidade Ambiental e por Contaminação Questionário para Subscrição de Seguro de Responsabilidade Ambiental e por Contaminação Este questionário deve ser preenchido pelo Segurado ou por um representante autorizado, devendo dar-se resposta completa

Leia mais

Guia de Apoio à Realização de Inspecções Ambientais

Guia de Apoio à Realização de Inspecções Ambientais Guia de Apoio à Realização de Inspecções Ambientais 1-Introdução As inspecções ambientais são o garante da implementação e cumprimento da legislação ambiental por parte das empresas que exercem actividades

Leia mais

LICENÇA AMBIENTAL. Cerâmica F. Santiago, S.A. Cerâmica F. Santiago, S.A.

LICENÇA AMBIENTAL. Cerâmica F. Santiago, S.A. Cerâmica F. Santiago, S.A. LICENÇA AMBIENTAL Nos termos da legislação relativa à Prevenção e Controlo Integrados da Poluição (PCIP), é concedida a Licença Ambiental ao operador Cerâmica F. Santiago, S.A. com o Número de Identificação

Leia mais

EDA - Electricidade dos Açores, S.A. Central Termoeléctrica do Belo Jardim

EDA - Electricidade dos Açores, S.A. Central Termoeléctrica do Belo Jardim LICENÇA AMBIENTAL N.º 5/2008/DRA Nos termos da legislação relativa à Prevenção e Controlo Integrado da Poluição (PCIP), é concedida a Licença Ambiental à empresa EDA - Electricidade dos Açores, S.A. com

Leia mais

4.º Aditamento à LICENÇA AMBIENTAL. n.º 161/2008, de 13 de Outubro de 2008

4.º Aditamento à LICENÇA AMBIENTAL. n.º 161/2008, de 13 de Outubro de 2008 4.º Aditamento à LICENÇA AMBIENTAL n.º 161/2008, de 13 de Outubro de 2008 Nos termos da legislação relativa à Prevenção e Controlo Integrados da Poluição (PCIP), é emitido o 4.º Aditamento à Licença Ambiental

Leia mais

A ETAR da Ponta. Pág. 1 de 6

A ETAR da Ponta. Pág. 1 de 6 A ETAR da Ponta A Estação de Tratamento de Águas Residuais (ETAR) da Ponta, localizada na encosta poente do Pico Ana Ferreira, junto ao açude da Ponta, trata todas as águas residuais domésticas da ilha

Leia mais

LICENÇA AMBIENTAL. Lameirinho Indústria Têxtil, S.A. Unidade de Pevidém

LICENÇA AMBIENTAL. Lameirinho Indústria Têxtil, S.A. Unidade de Pevidém LICENÇA AMBIENTAL Nos termos da legislação relativa à Prevenção e Controlo Integrados da Poluição (PCIP), é concedida a Licença Ambiental ao operador Lameirinho Indústria Têxtil, S.A. com o Número de Identificação

Leia mais

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa TE GEE.045.03 II Nos termos do Decreto-Lei n.º 233/2004, de 14 de Dezembro, com as alterações introduzidas pelos Decretos-Lei n.º 243-A/2004, de 31 de Dezembro,

Leia mais

LICENÇA AMBIENTAL. REPSOL Produção de Electricidade e Calor, ACE. Central Termoeléctrica

LICENÇA AMBIENTAL. REPSOL Produção de Electricidade e Calor, ACE. Central Termoeléctrica LICENÇA AMBIENTAL Nos termos da legislação relativa à Prevenção e Controlo Integrados da Poluição (PCIP), é concedida a Licença Ambiental ao operador REPSOL Produção de Electricidade e Calor, ACE com o

Leia mais

Indicadores Ambientais

Indicadores Ambientais Indicadores Ambientais / Desempenho Em, publicámos o nosso primeiro Relatório Ambiental, como forma de divulgar os nossos esforços e resultados na área da protecção ambiental. A presente publicação deve

Leia mais

RESÍDUOS DA INDÚSTRIA EXTRATIVA O PROCESSO DE LICENCIAMENTO GESTÃO, PROJETO, CONSTRUÇÃO E ENCERRAMENTO DE INSTALAÇÕES DE RESÍDUOS MINEIROS SEMINÁRIO

RESÍDUOS DA INDÚSTRIA EXTRATIVA O PROCESSO DE LICENCIAMENTO GESTÃO, PROJETO, CONSTRUÇÃO E ENCERRAMENTO DE INSTALAÇÕES DE RESÍDUOS MINEIROS SEMINÁRIO GESTÃO, PROJETO, CONSTRUÇÃO E ENCERRAMENTO DE INSTALAÇÕES DE RESÍDUOS MINEIROS SEMINÁRIO RESÍDUOS DA INDÚSTRIA EXTRATIVA O PROCESSO DE LICENCIAMENTO Patrícia Falé patricia.fale@dgeg.pt ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO

Leia mais

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Exemplo de Requerimento Zona Franca Industrial Documento disponível em: www.ibc-madeira.com EXEMPLO DE REQUERIMENTO PARA AUTORIZAÇÃO DE INSTALAÇÃO

Leia mais

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa TE GEE.208.04 II Nos termos do Decreto-Lei n.º 233/2004, de 14 de Dezembro, com as alterações introduzidas pelos Decretos-Lei n.º 243-A/2004, de 31 de Dezembro,

Leia mais

AULA 23 ÓRGÃOS ESPECIAIS EM SISTEMAS DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS. SANEAMENTO Aula 23 - Sumário

AULA 23 ÓRGÃOS ESPECIAIS EM SISTEMAS DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS. SANEAMENTO Aula 23 - Sumário SANEAMENTO Aula 23 - Sumário AULA 23 ÓRGÃOS ESPECIAIS EM SISTEMAS DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS Sifões invertidos, descarregadores e instalações elevatórias. Saneamento [A23.1] SIFÕES INVERTIDOS (Artº

Leia mais

REUSO PLANEJADO DA ÁGUA: UMA QUESTÃO DE INTELIGÊNCIA...

REUSO PLANEJADO DA ÁGUA: UMA QUESTÃO DE INTELIGÊNCIA... REUSO ÁGUA: INTELIGÊNCIA... PLANEJADO DA UMA QUESTÃO DE CONSUMO DE ÁGUA doméstico Indústria Agricultura 18,60% 8,00% 22,40% 22,00% 59,00% 70,00% Brasil Mundo Consumo mundial = 3.240 km 3 / ano Consumo

Leia mais

SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA

SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA Ciclo de melhoria contínua conhecido como Ciclo PDCA (Plan-Do-Check-Act) EMAS METODOLOGIA FASEADA DE IMPLEMENTAÇÃO FASEADA DO EMAS In, APA,

Leia mais

GESTÃO, TRATAMENTO E REUTILIZAÇÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS. José dos Santos Santiago (*)

GESTÃO, TRATAMENTO E REUTILIZAÇÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS. José dos Santos Santiago (*) GESTÃO, TRATAMENTO E REUTILIZAÇÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS José dos Santos Santiago (*) RESUMO: Apresenta-se, neste artigo, a metodologia a seguir para gerir, tratar a reutilizar os efluentes industriais,

Leia mais

Nos termos da legislação relativa à Prevenção e Controlo Integrados da Poluição (PCIP), é concedida a Licença Ambiental ao operador

Nos termos da legislação relativa à Prevenção e Controlo Integrados da Poluição (PCIP), é concedida a Licença Ambiental ao operador licença ambiental LA nº 315/2009 Nos termos da legislação relativa à Prevenção e Controlo Integrados da Poluição (PCIP), é concedida a Licença Ambiental ao operador Cerâmica das Alhadas, S.A. com o Número

Leia mais

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa TE GEE.281.01 II Nos termos do Decreto-Lei n.º 233/2004, de 14 de Dezembro, com as alterações introduzidas pelos Decretos-Lei n.º 243-A/2004, de 31 de Dezembro,

Leia mais

feam FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE PARECER TÉCNICO

feam FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE PARECER TÉCNICO FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE PARECER TÉCNICO Parecer Técnico GEDIN 97/2008 Processo COPAM: 17/1988/011/2006 Empreendedor: AVG SIDERURGIA LTDA. Empreendimento: DN Código Classe Porte Atividade: Produção

Leia mais

PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO

PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO 258 PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO Dono da Obra: CÂMARA MUNICIPAL DE COIMBRA Empreitada: Repavimentação da Rua da Alegria incluindo remodelação de infra-estruturas Localização:

Leia mais

LICENÇA AMBIENTAL. E.C.C. - Empresa Cerâmica da Candosa. E.C.C. - Empresa Cerâmica da Candosa

LICENÇA AMBIENTAL. E.C.C. - Empresa Cerâmica da Candosa. E.C.C. - Empresa Cerâmica da Candosa LICENÇA AMBIENTAL Nos termos da legislação relativa à Prevenção e Controlo Integrados da Poluição (PCIP), é concedida a Licença Ambiental ao operador E.C.C. - Empresa Cerâmica da Candosa com o Número de

Leia mais

Depuração das aguas residuais provenientes da plantas de tratamento das superficies. Gianfranco Verona

Depuração das aguas residuais provenientes da plantas de tratamento das superficies. Gianfranco Verona Depuração das aguas residuais provenientes da plantas de tratamento das superficies Gianfranco Verona DESCARTE ZERO NUMA CABINE DE PINTURA SKIMMERFLOT Para o tratamento e a reutilização de águas provenientes

Leia mais

LICENÇA AMBIENTAL Nos termos da legislação relativa à Prevenção e Controlo Integrados da Poluição (PCIP), é concedida a Licença Ambiental ao operador ECODEAL Gestão Integral de Resíduos Industriais, S.A.

Leia mais

ROTM800GF ROTM1000GF ROTM1500G2F

ROTM800GF ROTM1000GF ROTM1500G2F Apresentação Os es de Gorduras e Féculas, tipo EcoAlcance são recipientes estanques, destinados à recepção de águas residuais gordurosas procedentes do uso doméstico ou industrial, originadas pelo manuseamento

Leia mais

Nota Técnica. Requisitos Gerais para a armazenagem de óleos usados:

Nota Técnica. Requisitos Gerais para a armazenagem de óleos usados: Nota Técnica ARMAZENAGEM DE ÓLEOS USADOS Para efeitos do presente documento, considera-se a definição de óleos usados constante na alínea b) do artigo 2.º do Decreto-lei n.º 153/2003. Define-se reservatório

Leia mais

LICENÇA AMBIENTAL. Nos termos da legislação relativa à Prevenção e Controlo Integrados da Poluição (PCIP), é concedida a Licença Ambiental à empresa

LICENÇA AMBIENTAL. Nos termos da legislação relativa à Prevenção e Controlo Integrados da Poluição (PCIP), é concedida a Licença Ambiental à empresa LICENÇA AMBIENTAL Nos termos da legislação relativa à Prevenção e Controlo Integrados da Poluição (PCIP), é concedida a Licença Ambiental à empresa Selenis, Indústria de Polímeros, S.A. com o Número de

Leia mais

o seu parceiro em tecnologias e soluções de tratamento de águas

o seu parceiro em tecnologias e soluções de tratamento de águas o seu parceiro em tecnologias e soluções de tratamento de águas OS DESAFIOS DA IMPLEMENTAÇÃO DE PROJECTOS DE REUTILIZAÇÃO DE ÁGUAS RESIDUAIS EM PORTUGAL ÉVORA 2012 Who we are CASO PRÁTICO 1 (piloto) REUTILIZAÇÃO

Leia mais

4.4.2. Controlo da descarga das águas residuais produzidas

4.4.2. Controlo da descarga das águas residuais produzidas 3.1.5. Pontos de emissão 3.1.5.1. Águas residuais e pluviais O efluente após tratamento na ETAL, é descarregado para um sistema de drenagem colectivo (ED1), e encaminhado para ETAR Municipal de Angra do

Leia mais

Nota Técnica sobre Instalação PCIP

Nota Técnica sobre Instalação PCIP Nota Técnica sobre Instalação PCIP De acordo com o previsto no art 2º do Decreto-Lei 173/2008 de 26 de Agosto que estabelece o regime jurídico relativo à prevenção e controlo integrados de poluição (Diploma

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho

Segurança e Higiene do Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XVI Armazenamento de Produtos Químicos Perigosos um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido

Leia mais

Manual de Apoio ao Cogerador Simulador do Cogerador

Manual de Apoio ao Cogerador Simulador do Cogerador Manual de Apoio ao Cogerador Simulador do Cogerador Jorge Mendonça e Costa jmcosta@cogenportugal.com Manual de Apoio ao Cogerador Simulador do Cogerador Manual de Apoio ao Cogerador: Motivação Manual de

Leia mais

Repsol Polímeros, Lda

Repsol Polímeros, Lda Repsol Polímeros, Lda SSA&Q Junho 2007 Repsol YPF QUIMICA Localização das Unidades Produtivas Altamira DERIVADA... 45 DYNASOL (50%) Coruña BASE. 60 La Coruña Santander DERIVADA... 54 DYNASOL (50%) Bilbao

Leia mais

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA.

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA. INTRODUÇÃO Todo e qualquer sistema de captação e tratamento de efluente doméstico tem como destino final de descarte desse material, direta ou indiretamente, corpos d água como seus receptores. A qualidade

Leia mais

Limites de emissão para poluentes atmosféricos gerados em processos de geração de calor a partir da combustão de derivados da madeira.

Limites de emissão para poluentes atmosféricos gerados em processos de geração de calor a partir da combustão de derivados da madeira. Limites de emissão para poluentes atmosféricos gerados em processos de geração de calor a partir da combustão de derivados da madeira. Artigo - Ficam aqui definidos os limites máximos para a emissão de

Leia mais

Um pouco da nossa história

Um pouco da nossa história Um pouco da nossa história Possui 250 empresas Presente 57 países 119 mil empregados Produtos presente 175 países US$ 63,4 bilhões faturamento Instalada em SP em 1933 Em 1954 mudou-se para SJC 1 milhão

Leia mais

São mais de 80 os serviços que garantem o correcto acondicionamento e encaminhamento do papel/cartão para os respectivos pontos de recolha.

São mais de 80 os serviços que garantem o correcto acondicionamento e encaminhamento do papel/cartão para os respectivos pontos de recolha. A Câmara Municipal procura ser um exemplo de bom desempenho ambiental. A gestão ambiental da autarquia promove, através de um conjunto de projectos, a reciclagem junto dos munícipes e dos seus trabalhadores.

Leia mais

EMPRESA DE ELECTRICIDADE DA MADEIRA SA

EMPRESA DE ELECTRICIDADE DA MADEIRA SA EMPRESA DE ELECTRICIDADE DA MADEIRA SA CENTRAL TÉRMICA DO PORTO SANTO EEM/DSP 1 16 MWe Central Térmica do Porto Santo 1 Descrição Geral A Central Térmica do Porto Santo entrou em funcionamento em 1992,

Leia mais

Formulário de Candidatura para admissão como membro do Cluster 2Bparks

Formulário de Candidatura para admissão como membro do Cluster 2Bparks Formulário de Candidatura para admissão como membro do Cluster 2Bparks Eu, abaixo-assinado/a, declaro que a organização que represento solicita a sua admissão como Membro do Cluster Ambiental 2Bparks e

Leia mais

Faculdade de Ciências e Tecnologia Diploma de Estudos Avançados Engenharia Sanitária e Gestão Integrada de Resíduos. 1º Período

Faculdade de Ciências e Tecnologia Diploma de Estudos Avançados Engenharia Sanitária e Gestão Integrada de Resíduos. 1º Período 1. Plano de estudos: Faculdade de Ciências e Tecnologia Diploma de Estudos Avançados Engenharia Sanitária e Gestão Integrada de Resíduos 1º Período QUADRO N.º 2-Engenharia Sanitária e Gestão Integrada

Leia mais

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Segunda 15 às 17h IC III sala 16 Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Aula de hoje.. Tratamento Primário Coagulação/Floculação

Leia mais

LICENÇA AMBIENTAL. SOVENA Portugal Consumer Goods, S.A. SOVENA Portugal Consumer Goods, S.A.

LICENÇA AMBIENTAL. SOVENA Portugal Consumer Goods, S.A. SOVENA Portugal Consumer Goods, S.A. LICENÇA AMBIENTAL Nos termos da legislação relativa à Prevenção e Controlo Integrados da Poluição (PCIP), é concedida a Licença Ambiental ao operador SOVENA Portugal Consumer Goods, S.A. com o Número de

Leia mais

Portaria n.º 240/92 de 25 de Março

Portaria n.º 240/92 de 25 de Março Portaria n.º 240/92 de 25 de Março O Decreto-Lei n. º 88/91, de 23 de Fevereiro, que procedeu à transposição da Directiva n. º 87/101/CEE, do Conselho, de 22 de Dezembro de 1986, remeteu expressamente,

Leia mais

MODELO A. Ano de. 1- Identificação e caracterização do embalador regional e ou responsável pela colocação de produtos no mercado regional:

MODELO A. Ano de. 1- Identificação e caracterização do embalador regional e ou responsável pela colocação de produtos no mercado regional: MODELO A Modelo a preencher pelos embaladores regionais e/ou responsáveis pela colocação de produtos no mercado regional (nº 1 do Artigo 3º da Portaria nº 4/2002, de 31 de Janeiro) Dados estatísticos relativos

Leia mais

ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE LICENÇA DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS DESCARGA DE ÁGUAS RESIDUAIS

ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE LICENÇA DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS DESCARGA DE ÁGUAS RESIDUAIS ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE LICENÇA DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS DESCARGA DE ÁGUAS RESIDUAIS I IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE Nome/Denominação social, identificação fiscal n.º, bilhete

Leia mais

ORIENTAÇÕES NO ÂMBITO DA ELABORAÇÃO DA DECLARAÇÃO AMBIENTAL E RESPETIVAS

ORIENTAÇÕES NO ÂMBITO DA ELABORAÇÃO DA DECLARAÇÃO AMBIENTAL E RESPETIVAS ORIENTAÇÕES NO ÂMBITO DA ELABORAÇÃO DA DECLARAÇÃO AMBIENTAL E RESPETIVAS I. Objetivo ATUALIZAÇÕES As Declarações Ambientais (DA) elaboradas no âmbito do Sistema Comunitário de Ecogestão e Auditoria, devem

Leia mais

ECODEPUR DEPURWASH. Sistema de Tratamento e. Reciclagem de Águas de Lavagem. v1.2-200213

ECODEPUR DEPURWASH. Sistema de Tratamento e. Reciclagem de Águas de Lavagem. v1.2-200213 ECODEPUR DEPURWASH Sistema de Tratamento e v1.2-200213 Reciclagem de Águas de Lavagem ENQUADRAMENTO A água potável é um bem cada vez mais escasso, e deverão ser efectuados todos os esforços para preservar

Leia mais

Guia de declaração para equipamentos de AVAC&R. (Aplicação dos DL 230/2004 e 132/2010)

Guia de declaração para equipamentos de AVAC&R. (Aplicação dos DL 230/2004 e 132/2010) (Aplicação dos DL 230/2004 e 132/2010) ÍNDICE 1 Objectivo... 3 2 Porquê esta legislação?... 3 3 Quem está abrangido?... 3 4 Quais os equipamentos abrangidos?... 3 5 Dúvidas frequentes... 5 5.1 Equipamentos

Leia mais

Reabilitar Portugal, 12 de Fevereiro 2015

Reabilitar Portugal, 12 de Fevereiro 2015 Reabilitar Portugal, 12 de Fevereiro 2015 Quem somos Cultura de empresa enraizada e com 90 anos de história 2 300 Colaboradores em todo o mundo Facturação de 450 M de Euros Anuais Quem somos Estamos presentes

Leia mais

LICENÇA AMBIENTAL. Campos Fábricas Cerâmicas, S.A. Campos Fábricas Cerâmicas, S.A.

LICENÇA AMBIENTAL. Campos Fábricas Cerâmicas, S.A. Campos Fábricas Cerâmicas, S.A. LICENÇA AMBIENTAL Nos termos da legislação relativa à Prevenção e Controlo Integrados da Poluição (PCIP), é concedida a Licença Ambiental ao operador Campos Fábricas Cerâmicas, S.A. com o Número de Identificação

Leia mais

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 149 (Novembro/Dezembro de 2003) KÉRAMICA n.º 264 (Janeiro/Fevereiro de 2004)

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 149 (Novembro/Dezembro de 2003) KÉRAMICA n.º 264 (Janeiro/Fevereiro de 2004) TÍTULO: Atmosferas explosivas risco de explosão AUTORIA: Paula Mendes PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 149 (Novembro/Dezembro de 2003) KÉRAMICA n.º 264 (Janeiro/Fevereiro de 2004) INTRODUÇÃO A protecção contra

Leia mais

FORMULÁRIO DE REGISTO DE ESTABELECIMENTO INDUSTRIAL DO TIPO 3 (N.º 2 DO ARTIGO 40.º DO DECRETO-LEI N.º 209/2008, DE 29 DE OUTUBRO)

FORMULÁRIO DE REGISTO DE ESTABELECIMENTO INDUSTRIAL DO TIPO 3 (N.º 2 DO ARTIGO 40.º DO DECRETO-LEI N.º 209/2008, DE 29 DE OUTUBRO) SERVIÇO DE COORDENAÇÃO TÉCNICA MUNICIPIO DE PENAMACOR Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Penamacor Registo n.º ; Livro n.º Data / / Processo n.º / O Funcionário FORMULÁRIO DE REGISTO DE ESTABELECIMENTO

Leia mais

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa TE GEE.197.05 II Nos termos do Decreto-Lei n.º 233/2004, de 14 de Dezembro, com as alterações introduzidas pelos Decretos-Lei n.º 243-A/2004, de 31 de Dezembro,

Leia mais

Sistemas de recuperação de águas pluviais

Sistemas de recuperação de águas pluviais Ambietel Tecnologias Ambientais, Lda UPTEC P.MAR Av. Liberdade, s/n 4450-718 Leça da Palmeira Telef: +351 225 096 087 Sistemas de recuperação de águas pluviais A água da chuva é um recurso natural que

Leia mais

LICENÇA AMBIENTAL N.º 7/2008/DRA

LICENÇA AMBIENTAL N.º 7/2008/DRA LICENÇA AMBIENTAL N.º 7/2008/DRA Nos termos da legislação relativa à Prevenção e Controlo Integrado da Poluição (PCIP), é concedida a Licença Ambiental ao operador AMISM Associação de Municípios da Ilha

Leia mais

SEPARADOR DE GORDURAS ECODEPUR, GORTECH SELF CLEAN

SEPARADOR DE GORDURAS ECODEPUR, GORTECH SELF CLEAN Rev.1_14.10.15 SEPARADOR DE GORDURAS ECODEPUR, GORTECH SELF CLEAN APRESENTAÇÃO Os Separadores de Gorduras, tipo ECODEPUR, modelo GORTECH SELFCLEAN GS 1850-AST são recipientes estanques, destinados à recepção

Leia mais

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE O funcionamento de uma Estação de Tratamento de Efluente (ETE) compreende basicamente as seguintes etapas: pré-tratamento (gradeamento e desarenação), tratamento primário

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto executivo nº 12/05 de 12 de Janeiro Considerando o disposto no Decreto nº 39/00. de 10 de Outubro, sobre a protecção do ambiente no decurso das actividades petrolíferas

Leia mais

LICENÇA AMBIENTAL. POLYRESIN Transformação de Óleos, Lda. Fábrica de Óleo de Rícino Hidrogenado e de Resinas Oleoquímicas

LICENÇA AMBIENTAL. POLYRESIN Transformação de Óleos, Lda. Fábrica de Óleo de Rícino Hidrogenado e de Resinas Oleoquímicas LICENÇA AMBIENTAL Nos termos da legislação relativa à Prevenção e Controlo Integrados da Poluição (PCIP), é concedida a Licença Ambiental ao operador POLYRESIN Transformação de Óleos, Lda. com o Número

Leia mais

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa TE GEE.023.02 II Nos termos do Decreto-Lei n.º 233/2004, de 14 de Dezembro, com as alterações introduzidas pelos Decretos-Lei n.º 243-A/2004, de 31 de Dezembro,

Leia mais

Dispositivos Médicos: Requisitos para a esterilização por óxido de etileno

Dispositivos Médicos: Requisitos para a esterilização por óxido de etileno Dispositivos Médicos: Requisitos para a esterilização por óxido de etileno A eficácia do processo de esterilização de um dispositivo médico é avaliada com base numa série de experiências e protocolos que

Leia mais

LICENÇA AMBIENTAL. INDAVER NV- Sucursal em Portugal

LICENÇA AMBIENTAL. INDAVER NV- Sucursal em Portugal LICENÇA AMBIENTAL Nos termos da legislação relativa à Prevenção e Controlo Integrados da Poluição (PCIP), é concedida a Licença Ambiental ao operador INDAVER NV- Sucursal em Portugal com o Número de Identificação

Leia mais

Informação a comunicar ao público sobre estabelecimento abrangido pelo regime de prevenção de acidentes graves que envolvem substâncias perigosas

Informação a comunicar ao público sobre estabelecimento abrangido pelo regime de prevenção de acidentes graves que envolvem substâncias perigosas Informação a comunicar ao público sobre estabelecimento abrangido pelo regime de prevenção de acidentes graves que envolvem substâncias perigosas Porquê ler este documento? Terminal da Trafaria OZ Energia

Leia mais

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa TE GEE.170.02 II Nos termos do Decreto-Lei n.º 233/2004, de 14 de Dezembro, com as alterações introduzidas pelos Decretos-Lei n.º 243-A/2004, de 31 de Dezembro,

Leia mais

Nos termos da legislação relativa à Prevenção e Controlo Integrados da Poluição (PCIP), é concedida a Licença Ambiental ao operador

Nos termos da legislação relativa à Prevenção e Controlo Integrados da Poluição (PCIP), é concedida a Licença Ambiental ao operador licença ambiental LA nº 411/0.0/2011 Nos termos da legislação relativa à Prevenção e Controlo Integrados da Poluição (PCIP), é concedida a Licença Ambiental ao operador Ribacarne Matadouro Regional do

Leia mais

Equipamentos primários. L. Roriz

Equipamentos primários. L. Roriz Equipamentos primários L. Roriz Unidades de Arrefecimento Unidades de Arrefecimento de Ar Unidades Produtoras de Água Refrigerada Sistemas de compressão de vapor Sistemas de expansão directa Sistemas utilizando

Leia mais

Como funciona O sistema Valorfito?

Como funciona O sistema Valorfito? Como funciona O sistema Valorfito? Em campo por amor à terra. www.valorfito.com Como funciona O sistema Valorfito? O VALORFITO é responsável pela gestão de: Resíduos de Embalagens de Produtos Fitofarmacêuticos

Leia mais

ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS. Serviços Municipalizados de Água e Saneamento de Almada

ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS. Serviços Municipalizados de Água e Saneamento de Almada ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS Serviços Municipalizados de Água e Saneamento de Almada O QUE SÃO ÁGUAS RESIDUAIS? São águas que resultam de diversos usos ou atividades ligadas à vida humana:

Leia mais

LODOS ATIVADOS. Profa. Margarita María Dueñas O.

LODOS ATIVADOS. Profa. Margarita María Dueñas O. LODOS ATIVADOS Profa. Margarita María Dueñas O. LODOS ATIVADOS São os flocos produzidos num esgoto bruto o decantado pelo crescimento de bactérias ou outros microorganismos, na presença de oxigênio dissolvido

Leia mais

v1.8-060312 Separadores de Hidrocarbonetos, tipo ECODEPUR, Gama DEPUROIL Classe 1 de acordo com a Norma EN858

v1.8-060312 Separadores de Hidrocarbonetos, tipo ECODEPUR, Gama DEPUROIL Classe 1 de acordo com a Norma EN858 Separadores de Hidrocarbonetos, tipo ECODEPUR, Gama DEPUROIL Classe 1 de acordo com a Norma EN858 APRESENTAÇÃO Os Separadores de Hidrocarbonetos, tipo ECODEPUR, Gama DEPUROIL, são equipamentos destinados

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ÁGUAS E EFLUENTES: UPGRADE DE FOSSAS SEPTICAS PARA ETAR COMPACTA

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ÁGUAS E EFLUENTES: UPGRADE DE FOSSAS SEPTICAS PARA ETAR COMPACTA SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ÁGUAS E EFLUENTES: UPGRADE DE FOSSAS SEPTICAS PARA ETAR COMPACTA Ivo BRAGA 1 RESUMO Desde 1987, a AQUAPOR / LUSÁGUA é um dos principais players do mercado na Gestão de Concessões

Leia mais

TRATAMENTO DE CHORUME

TRATAMENTO DE CHORUME TRATAMENTO DE CHORUME Com tecnologias de alta performance e custos compatíveis com o mercado brasileiro 6 de Agosto, 2014 Sede do CREA, Rio de Janeiro, Brasil O QUE É CHORUME? Lixiviação de água durante

Leia mais

INDICE. Pag.2. Pag.3. Pag.4. Pag.5-6. Pag.7. Acessórios complementares

INDICE. Pag.2. Pag.3. Pag.4. Pag.5-6. Pag.7. Acessórios complementares INDICE Separador de Gorduras em PEAD para montagem apoiada: modelo KESSEL Euro G para aspiração directa ou aspiração à distância Separador de Gorduras em PEAD para montagem apoiada: modelo KESSEL Euro

Leia mais

LICENÇA AMBIENTAL. Nos termos da legislação relativa à Prevenção e Controlo Integrados da Poluição (PCIP), é concedida a Licença Ambiental ao operador

LICENÇA AMBIENTAL. Nos termos da legislação relativa à Prevenção e Controlo Integrados da Poluição (PCIP), é concedida a Licença Ambiental ao operador LICENÇA AMBIENTAL Nos termos da legislação relativa à Prevenção e Controlo Integrados da Poluição (PCIP), é concedida a Licença Ambiental ao operador Auto-Vila Reciclagem de Resíduos Industriais, S.A.

Leia mais

APEMETA TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS INDUSTRIAIS AVALIAÇÃO E PERSPECTIVAS FUTURAS

APEMETA TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS INDUSTRIAIS AVALIAÇÃO E PERSPECTIVAS FUTURAS APEMETA TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS INDUSTRIAIS AVALIAÇÃO E PERSPECTIVAS FUTURAS TECNOLOGIAS PARA TRATAMENTO DE EFLUENTES DE MATADOUROS E DE UNIDADES DE PRODUÇÃO DE FARINHA DE PEIXE E DE SUB-PRODUTOS

Leia mais

PORTARIA N.º 744-A/99

PORTARIA N.º 744-A/99 MINISTÉRIOS DA SAÚDE E DO AMBIENTE PORTARIA N.º 7-A/99 P DE DE AGOSTO Aprova os programas de acção específicos para evitar ou eliminar a poluição proveniente de fontes múltiplas de mercúrio. A Directiva

Leia mais

Sistemas de recuperação de águas pluviais

Sistemas de recuperação de águas pluviais Ambietel Tecnologias Ambientais, Lda UPTEC P.MAR Av. Liberdade, s/n 4450-718 Leça da Palmeira Telef: +351 225 096 087 Sistemas de recuperação de águas pluviais A água da chuva é um recurso natural que

Leia mais

ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL DO PROJECTO DE CENTRAL DE CICLO COMBINADO DO PEGO

ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL DO PROJECTO DE CENTRAL DE CICLO COMBINADO DO PEGO TEJO ENERGIA Produção e Distribuição de Energia Eléctrica, S. A. ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL DO PROJECTO DA CENTRAL DE CICLO COMBINADO DO PEGO ADITAMENTO Nº DO TRABALHO: MF 2457 Nº DO DOCUMENTO: 01.RP.I

Leia mais

Aspectos e Impactos Ambientais

Aspectos e Impactos Ambientais PÁGINA: 1/18 1 OBJETIVO Estabelecer e garantir uma sistemática para identificar, avaliar e gerenciar os aspectos e impactos ambientais das atividades, produtos ou serviços, da empresa x que possam ser

Leia mais

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Elevadores e Escadas Rolantes

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Elevadores e Escadas Rolantes Mod 10-381 rev 0 Manual de Boas Práticas Ambientais Prestadores de Serviços de Manutenção de Elevadores e Escadas Rolantes Mensagem do Conselho de Administração Mensagem do Conselho de Administração A

Leia mais

Manual de Apoio ao Preenchimento do formulário único SIRAPA Dados PRTR. Agrupamento 9. Emissões Solo

Manual de Apoio ao Preenchimento do formulário único SIRAPA Dados PRTR. Agrupamento 9. Emissões Solo Manual de Apoio ao Preenchimento do formulário único SIRAPA Dados PRTR Agrupamento 9 Emissões Solo Agência Portuguesa do Ambiente FICHA TÉCNICA TÍTULO MANUAL DE APOIO AO PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO ÚNICO

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO HOSPITAL DOUTOR MANOEL CONSTÂNCIO INSTALAÇÕES TÉCNICAS. Mestrado em Manutenção Técnica de Edifícios

RELATÓRIO DE ESTÁGIO HOSPITAL DOUTOR MANOEL CONSTÂNCIO INSTALAÇÕES TÉCNICAS. Mestrado em Manutenção Técnica de Edifícios RELATÓRIO DE ESTÁGIO INSTALAÇÕES TÉCNICAS HOSPITAL DOUTOR MANOEL CONSTÂNCIO Mestrado em Manutenção Técnica de Edifícios Fernando Jorge Albino Varela de Oliveira Abrantes Dezembro 2014 ÍNDICE Objectivos

Leia mais

ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE LAVAGEM DE GASES - ETALG

ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE LAVAGEM DE GASES - ETALG ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE LAVAGEM DE GASES - ETALG Para atender às regulamentações ambientais atuais, os gases emitidos por caldeiras que utilizam bagaço de cana ou outros tipos de biomassa devem,

Leia mais